VER COM AS MÃOS: A ILUSTRAÇÃO TÁTIL EM LIVROS PARA CRIANÇAS CEGAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VER COM AS MÃOS: A ILUSTRAÇÃO TÁTIL EM LIVROS PARA CRIANÇAS CEGAS"

Transcrição

1 MÁRCIA CARDEAL VER COM AS MÃOS: A ILUSTRAÇÃO TÁTIL EM LIVROS PARA CRIANÇAS CEGAS FLORIANÓPOLIS SC 2009

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE ARTES - CEART PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES VISUAIS MÁRCIA CARDEAL VER COM AS MÃOS: A ILUSTRAÇÃO TÁTIL EM LIVROS PARA CRIANÇAS CEGAS Dissertação elaborada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina. Orientadora: Prof.ªDr.ª Maria Lúcia Batezat Duarte FLORIANÓPOLIS - SC 2009

3 MÁRCIA CARDEAL VER COM AS MÃOS: A ILUSTRAÇÃO TÁTIL EM LIVROS PARA CRIANÇAS CEGAS Dissertação de Mestrado elaborada junto ao Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do CEART/UDESC, para obtenção do título de Mestre em Artes Visuais, na linha de pesquisa Ensino das Artes Visuais. Banca Examinadora: Orientador: Prof.ª Dr.ª Maria Lúcia Batezat Duarte CEART - UDESC Membro: Prof.ª Dr.ª Terezinha Sueli Franz CEART - UDESC Membro: Prof.ª Dr.ª Maria Lúcia Toledo Moraes Amiralian IPUSP - USP Florianópolis, 30 de julho de 2009.

4 Para Ariel, por quem vou adiante. Para Malu, porque ainda guarda seus olhos na caixa de brinquedos.

5 AGRADECIMENTOS Sou grata aos que estiveram comigo neste percurso: À Nana e Alfredo, lugar de onde vim, pelo incentivo. À Irene e Cacá pela guarida. À Melissa pela companhia de estradas e dúvidas compartilhadas. À Cláudia por estar sempre aqui, sem nunca ter estado. À Bethânia pelo apoio, mesmo na distância. À Salete, Elenir e Ana, por estarem sempre por perto, incondicionalmente. À Eliane Lisboa pela atenciosa revisão. Ao Luciano e Luís, pelo suporte técnico. À Elizete Lisboa pelo constante interesse e disponibilidade. Ao José Aragão e Ingrid Bellinghausenn pela colaboração. À Diele (Escola Prof. Osny Macedo Saldanha - Curitiba) pelas trocas. À Sílvia, Lizandra e Tátila (Saede - Blumenau), Maristela (Acic - Florianópolis), Mari, Sílvia, Mastroianni e Manuella (Escola Tradição - Florianópolis) pelo acolhimento nas entrevistas com as crianças. À Terezinha Franz e Maria Lúcia Amiralian pela importante contribuição como banca avaliadora. Aos alunos e professores do PPGAV, pelo que se construiu nas entrelinhas acadêmicas. A todas as crianças, fundamentais para a pesquisa. Aos grandes mestres que vieram antes, fonte na qual bebemos: Luquet, Arnheim, Gombrich... E ainda, de maneira muito especial, Ao Ariel pela delicadeza, bom humor, paciência e cuidados comigo; E à professora, orientadora e pesquisadora impecável Maria Lúcia Batezat Duarte, pelo contágio da pesquisa, pela competência, seriedade e atenção com que balizou os rumos por onde andei, e, principalmente por me ensinar a Ver.

6 Como é o lugar Quando ninguém passa por ele? Existem as coisas Sem serem vistas? Drummond

7 RESUMO A presente dissertação, inserida na linha de pesquisa Ensino das Artes Visuais, apresenta-se como requisito para a obtenção do título de Mestre em Artes Visuais, pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Seu eixo central é a análise do reconhecimento tátil das ilustrações em relevo no livro infantil para crianças cegas; para tanto foram observados os modos como vem sendo utilizado o recurso desta espécie de ilustração, suas possibilidades, seus comprometimentos, abrangências e limites. Para a investigação foram escolhidos como instrumentos de pesquisa quatro livros infantis, considerados inclusivos, com texto e ilustração em tinta, e texto em Braille e ilustração em relevo: A Bruxa mais velha do mundo, de Elizete Lisboa, ilustrado por José Carlos Aragão (São Paulo: Paulinas, 2005); Firirim Finfim, de Elizete Lisboa, ilustrado por Anna Raquel (São Paulo: Paulinas, 2007); Um Presente muito Especial, de Patrícia Engel Secco, ilustrado por Edu A. Engel [s. n.] e Um Mundinho Para Todos, de Ingrid Bellinghausen, com ilustrações da autora (São Paulo: DCL, 2006). O embasamento teórico está relacionado às pesquisas sobre as implicações da invisualidade e o reconhecimento háptico de configurações bidimensionais de Yvette Hatwell, Oliver Sacks, Susanna Millar e Maria Lúcia Amiralian. Buscou-se ainda os estudos sobre desenho infantil, de Georges-Henry Luquet e, por se processar de modo específico, a apreensão tátil das imagens foi interpretada por um outro modo de análise, denominada experimentalmente como Análise Tátil-Visual da Forma. Para isto, o suporte teórico foi encontrado em Gombrich, Arnheim e Bernard Darras, que tratam da forma como representação, esquema gráfico e iconotipo. Sobre esquema gráfico, produção de desenho por pessoas cegas e os processos cognitivos decorrentes destas implicações, buscou-se elucidar dúvidas nas pesquisas de John M. Kennedy, Maria Lúcia Batezat Duarte e Bernard Darras. A pesquisa de campo constituiu-se de registros em áudio e vídeo dos momentos de leitura das imagens em relevo pelas crianças cegas, das entrevistas com as crianças, autores e ilustradores, além da pesquisa bibliográfica. A metodologia utilizada para a análise destes dados da pesquisa de campo foi a Análise de Conteúdo. O índice de reconhecimento tátil das ilustrações pelos indivíduos abordados foi baixo, porém a maior ocorrência de reconhecimento tátil foi constatada entre os que desenham. As ilustrações com maior índice de reconhecimento foram as formas simples, figuras geométricas planas e esquemas. Palavras-chave: Ilustração infantil. Imagem em relevo. Reconhecimento Tátil.

8 ABSTRACT The present work, inserted in the Education of the Visual Arts research s line is a requirement to get the Visual Arts Masters degree, from the Universidade do Estado de Santa Catarina. Its central point is the analysis of blind children`s books relief illustrations` tactile recognition. For this purpose it has been observed the manner in which this kind of illustration`s resource is being used, its possibilities, its commitments, its extent and limits. For the study four child books have been chosen as research s instruments, considered inclusive, with text and illustration in ink, text in Braille and illustration in relief: A Bruxa mais velha do mundo, by Elizete Lisboa, illustrated by José Carlos Aragão (São Paulo: Paulinas, 2005); Firirim Finfim, by Elizete Lisboa, illustrated by Anna Raquel (São Paulo: Paulinas, 2007); Um Presente muito Especial, by Patrícia Engel Secco, illustrated by Edu A. Engel and Um Mundinho Para Todos, by Ingrid Bellinghausen, with author s illustrations (São Paulo: DCL, 2006). The theoretical base is related to the research about the implications of the blindness and the haptic recognition of bi-dimensional configurations of Yvette Hatwell, Oliver Sacks, Susanna Millar and Maria Lúcia Amiralian. It was also searched Georges-Henry Luquet`s studies on children`s drawing, and for been a special process, the tactile image`s apprehension was interpreted by another way of analysis, experimentally denominated Tactile-Appearance Analysis of the Form. For this, the theoretical support was found in Gombrich, Arnheim and Bernard Darras, who deal with the form as representation, graphical project and iconotipo. About graphical project, blind people drawing`s production and the current cognitive processes of these implications, it was searched to elucidate doubts in the research of John M. Kennedy, Maria Lúcia Batezat Duarte and Bernard Darras. The field research was consisted of registers in audio and video of the relief image`s reading moments by the blind children, with the authors and illustrators interviews, beyond bibliographical research. The methodology used for analysis of these data about the field research was the Analysis of Content. The index of illustration s tactile recognition was low e of bigger occurrence between that they draw. The illustrations with bigger index of recognition had been the plain forms, geometric figures and projects. Key-Words: Children Illustration. Relief Image. Tactile Recognition.

9 LISTA DE QUADROS Quadro Quadro Quadro Quadro 4 - Livro 1, páginas 3, 5 e Quadro 5 - Livro 1, páginas 7, 8, 9, 10 e Quadro 6 - Livro 1, páginas 15, 17, 18 e Quadro 7 - Livro 1, páginas 20, 23, 24, 27 e Quadro 8 - Livro 2, rosto, páginas 03 e Quadro 9 - Livro 2, páginas 07, 09 e Quadro 10 - Livro 2, páginas 12, 14 e Quadro 11 - Livro 2, páginas 18, 20 e Quadro 12 - Livro 3, páginas 07 e Quadro 13 - Livro 3, páginas 29, 33, 36 e contracapa Quadro 14 - Livro 4, página Quadro 15 - Livro 4, páginas 05 e Quadro 16 - Livro 4, páginas 09, 11 e Quadro 17 - Livro 4, páginas 15 e Quadro 18 - Livro 4, páginas 19 e Quadro 19 - Livro 4, páginas 23, 25 e Quadro 20 - Livro 4, páginas 29 e

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Fig. 1 - A Caça...21 Fig. 2 - Books of Kells: Letra maiúscula...22 Fig. 3 - Saltério de Ultrecht Salmo XXVI...22 Fig. 4 Zoom, livro de imagem de Istvan Banyai...24 Fig. 5 - Hornbook...24 Fig. 6 - Blättedor...25 Fig. 7 - Orbis Sensualium Pictus...26 Fig. 8 - Orbis Sensualium Pictus, p. 03 e Fig. 9 - Orbis Sensualium Pictus, p. 08 e Fig Contos da Mamãe Gansa de Perrault...28 Fig João e Maria...30 Fig. 12 Lolo Barnabé...30 Fig Crisântemo, Piet Mondrian...37 Fig Crisântemo...37 Fig Bate-papo...46 Fig Esquemas iconotipos...54 Fig Pictogramas...54 Fig Esquemas particulares...54 Fig. 19 Bateria...56 Fig. 20 Cavaquinho...57 Fig Livro 1, capa Fig Livro 1, p. 04 e Fig Livro 1, p. 06 e Fig Livro 1, p. 08 e Fig Livro 1, p. 10 e Fig Livro 1, p. 12 e Fig Livro 1, p. 14 e Fig Livro 1, p. 16 e Fig Livro 1, p. 18 e Fig Livro 1, p. 20 e

11 Fig Livro 1, p. 22 e Fig Livro 1, p. 24 e Fig Livro 1, p. 26 e Fig Livro 1, p. 28 e Fig Livro 1, p. 30 e Fig Livro 1, p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 1, relevo - p Fig Livro 2, capa Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p

12 Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, p Fig Livro 2, relevo - fl. de rosto...88 Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 2, relevo - p Fig Livro 3, capa...95 Fig Livro 3, fl. rosto...95 Fig Livro 3, p Fig Livro 3, p Fig Livro 3, p Fig Livro 3, p Fig Livro 3, p Fig Livro 3, p Fig Livro 3, p Fig Livro 3, p Fig Livro 3, p Fig Livro 3, contracapa...101

13 Fig Livro 3, relevo - capa Fig Livro 3, relevo - p Fig Livro 3, relevo - p Fig Livro 3, relevo - p Fig Livro 3, relevo - p Fig Livro 3, relevo - p Fig Livro 3, relevo - contracapa Fig Livro 4, capa Fig Livro 4, fl. de rosto Fig Livro 4, p. 04 e Fig Livro 4, p. 06 e Fig Livro 4, p. 08 e Fig Livro 4, p. 10 e Fig Livro 4, p. 12 e Fig Livro 4, p. 14 e Fig Livro 4, p. 16 e Fig Livro 4, p. 18 e Fig Livro 4, p. 20 e Fig Livro 4, p. 22 e Fig Livro 4, p. 24 e Fig Livro 4, p. 26 e Fig Livro 4, p. 28 e Fig Livro 4, p. 30e Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p

14 Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Livro 4, relevo - p Fig Contorno Fig Esquema Fig Esquema Fig Esquema Fig Repetição Fig Repetição Fig Forma simplificada Fig Círculos Fig Esquema figura humana Fig Esquema sol Fig Esquema rosto Fig Muito grande Fig Contorno incompleto Fig Complexa Fig Complexa Fig Perspectiva Fig Contorno irregular Fig Contorno Irregular Fig Esquema flor Fig Esquema flor Fig Desenho flor...127

15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO IMAGEM A IMAGEM COMO ILUSTRAÇÃO ILUSTRAR PARA CRIANÇAS DESENHO O DESENHO COMO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DESENHO E ESQUEMA GRÁFICO IMAGEM E INVISUALIDADE IMPLICAÇÕES DA INVISUALIDADE A INVISUALIDADE E A FORMAÇÃO DE CONCEITOS A LEITURA TÁTIL O DESENHO E O RECONHECIMENTO TÁTIL METODOLOGIA PARTICIPANTES INSTRUMENTOS PROCEDIMENTO DE COLETA DE DADOS PROCEDIMENTO DE ANÁLISE DOS DADOS CATEGORIAS LEVANTADAS LIVRO 1 - A BRUXA MAIS VELHA DO MUNDO ILUSTRAÇÕES VISUAIS ILUSTRAÇÕES TÁTEIS LIVRO 2 - UM MUNDINHO PARA TODOS ILUSTRAÇÕES VISUAIS ILUSTRAÇÕES TÁTEIS LIVRO 3 - UM PRESENTE MUITO ESPECIAL ILUSTRAÇÕES VISUAIS ILUSTRAÇÕES TÁTEIS LIVRO 4 - FIRIRIM FINFIM ILUSTRAÇÕES VISUAIS ILUSTRAÇÕES TÁTEIS...109

16 CONSIDERAÇÕES FINAIS - UMA CONVERSA RELEVANTE REFERÊNCIAS ANEXO...135

17 16 INTRODUÇÃO É quase impossível imaginarmos, hoje, um livro infantil que não contenha ilustrações. Inerente ao universo da literatura para crianças, a imagem parece se espalhar, conversar, reverenciar o texto, ou até mesmo prescindir dele, tomando para si a função narrativa. Quase se pode dizer que a ilustração cria um novo texto, abrindo a possibilidade para uma terceira leitura, dinamizando as relações entre palavra, imagem e a imaginação do leitor: uma espécie de livro e imagem pessoais dentro do livro que estamos lendo, como diz o ilustrador Rui de Oliveira (OLIVEIRA, 2008) com muita propriedade. A razão primeira desta pesquisa talvez esteja situada lá na infância, em algum lugar da memória, na descoberta do prazer silencioso, solitário e mágico da leitura. O alumbramento provocado por alguma imagem associada a um texto, o fascínio pela literatura e o convite, ainda na adolescência, para ilustrar o primeiro livro 1 foram de alguma maneira determinantes para as escolhas profissionais e acadêmicas que se seguiram. Desenhar acabou se tornando minha principal ponte para o outro. Ilustrar para crianças tem sido, ao longo destes anos, ao mesmo tempo um grande prazer e um grande desafio. Mas, foi o fato de ter sido transcrito para o Braille um livro de poemas para crianças 2, ilustrado por mim, que originou o principal motivo deste estudo sobre a ilustração tátil em livros para crianças cegas. Entra-se numa zona de desconforto, quando, habituados a todas as referências visuais da ilustração, pensamos numa imagem para aquelas crianças a quem o acesso à visualidade não é possível. Como é para elas a percepção do mundo, sem as imagens visuais, ao tocá-lo com as mãos, ao ouvir seus ruídos, ao sentir seus cheiros? Como se formam suas imagens mentais, desvinculadas da visualidade, a partir da experiência tátil? Como se constroem as diferenças entre dentro e fora, perto e longe? Se, para elas, a mão se sobrepõe ao olho em nível de importância perceptiva, aquilo que a mão não alcança, não está? 1 KLUEGER, Urda Alice. Verde Vale. Florianópolis: Editora Lunardelli, MAFRA, Inês. A Casa Amorosa. Blumenau: Cultura em Movimento, Obra relançada em 2005, em Braille e edição trilíngue; português, inglês e sueco.

18 17 Não se sabe se algum dia estas perguntas encontrarão respostas. O desconforto do não-saber, no entanto, é o que nos move em direção à tentativa de buscar compreender as implicações e complexidades do não-ver. O uso de imagens em relevo como recurso de ilustração para o texto, nos livros destinados a crianças cegas, é ainda recente. Considerados como livros inclusivos, estas publicações são direcionadas também aos portadores de baixa visão e às crianças de visão normal, e surgem com a intenção de preencher um vazio existente nos meios de produção cultural destinados a um público específico, porém com o caráter abrangente da inclusão. Paralelamente emergem também os questionamentos sobre a eficácia de tais ações: Como estas crianças e adolescentes se apropriam da leitura destas imagens e participam das práticas vinculadas a este instrumento, que relações se estabelecem a partir daí? Qual a importância do relevo nas imagens em publicações desta natureza? Fazer uma análise da legibilidade tátil desta espécie de ilustração é a proposta da presente pesquisa. Por serem considerados livros inclusivos, com dupla escrita, estão implicados também as funções visuais das imagens, referências e relações históricas com a ilustração para crianças, abordagens constituintes do primeiro capítulo. Para falar em ilustração para crianças, faz-se necessário ir aos fundamentos do desenho infantil, presente na gênese do trabalho do ilustrador através da função narrativa. Estes referenciais foram encontrados nos estudos de Georges-Henri Luquet (1969). O enfoque para a abordagem sobre os elementos básicos na estruturação da problemática das imagens em relevo, relaciona-se às teorias de Rudolf Arnheim (1980) sobre representação gráfica, e Ernest Gombrich (1995, 1999) sobre imagem mínima. Além disso, buscou-se suporte nas pesquisas sobre esquema gráfico, de Maria Lúcia Batezat Duarte (2003, 2004-a, 2004-b, 2008, 2009) e iconotipia de Bernard Darras (1996, 2006), presentes no capítulo dois. Percepção tátil e percepção visual vêm à tona no capítulo três, sobre imagem e invisualidade. Buscou-se, especialmente, o aporte teórico de António Damásio (2005) sobre memória e imagem mental; de Oliver Sacks (1993), Yvette Hatwell (2003) e Maria Lúcia T. M. Amiralian (1997) sobre as questões perceptivas na invisualidade; de John M. Kennedy (1978), Susanna Millar (1991, 1994, 2008) e Maria Lúcia Batezat Duarte (2003, 2004-a, 2004-b, 2008, 2009) sobre reconhecimento tátil, cognição, desenho e invisualidade Para compreender como se processa o reconhecimento tátil das ilustrações em relevo e todas as questões cognitivas envolvidas, foi necessário observar cuidadosamente a leitura das imagens pelo grupo estudado. Esta etapa constituiu-se de levantamento bibliográfico,

19 18 pesquisa de campo e análise dos dados coletados. Treze crianças consideradas cegas congênitas, com idade entre oito e dezesseis anos experimentaram identificar as ilustrações em relevo de quatro livros infantis. A pesquisa norteou-se pela análise da verbalização destas crianças frente à experiência tátil com as ilustrações em relevo, e pela categorização e interpretação dos resultados. Na seleção dos participantes, duas características restritivas foram necessárias para garantir um resultado eficaz na investigação: a faixa etária dos indivíduos e o diagnóstico clínico (cegueira precoce, sem resíduo de memória visual). Para a análise dos dados coletados foi empregada a Análise de Conteúdo. Como a apreensão tátil das imagens em relevo se processa de modo específico, experimentou-se utilizar uma outra espécie de análise, que foi denominada como Análise Tátil-Visual da Forma. Teóricos como Gombrich, Arnheim e Bernard Darras, que tratam da forma como representação, esquema gráfico e iconotipo, constituíram a base teórica para esta análise, complementada com os estudos sobre desenho e reconhecimento tátil na invisualidade, de Kennedy, Millar e Duarte. Estas questões fazem parte dos capítulos quatro, cinco, seis, sete e oito, que trazem a metodologia utilizada, a pesquisa de campo, seus objetos, instrumentos, observações e resultados. Por se tratar de uma área de estudo ainda pouco explorada, nem sempre se encontrou suporte teórico para algumas indagações. Portanto, os entrelaçamentos e descobertas processados durante o percurso induzem a novas perguntas, permitindo a inferência sobre a necessidade de estudos mais aprofundados, especialmente no que concerne à categorização da forma para as questões do reconhecimento tátil. Pressupõe-se, por outro lado, que as principais respostas obtidas possam sugerir caminhos, apontar pistas para a minimização das distâncias existentes entre a ilustração em relevo e o seu reconhecimento tátil por aqueles a quem são destinadas. E qual seria a principal proposta do discurso inclusivo, senão minimizar distâncias e possibilitar acessos?

20 19 1 IMAGEM Para Marilena Chauí (1997), quando falamos em imagens 3, podemos estar nos referindo a pinturas, fotografias, filmes, reflexos na água ou espelho, ficções literárias, contos, lendas e mitos, figuras de linguagem, sonhos, alucinações, imitações pela mímica, pela dança, sons musicais ou poesia. Algumas destas imagens são exteriores à nossa consciência, como as pinturas, esculturas, filmes; outras são internas ou mentais, como os sonhos, devaneios, etc. Há as imagens que podem ser internas e externas ao mesmo tempo, como as literárias, que estão nos livros e provocam as imagens mentais quando lemos. O ponto comum entre elas é que todas são representações das coisas. Sejam elas símbolos, metáforas, ilustrações, esquemas, signos, sentimentos ou substitutos, quase nunca a imagem corresponde à coisa imaginada: como a bandeira não é a nação, a fotografia não é a pessoa fotografada, a pintura da paisagem não é a paisagem. Apesar de irreal e justamente por ser irreal, a imagem é dotada de um poder especial: torna presente ou presentifica algo ausente, seja porque esse algo existe e não se encontra onde estamos, seja porque é inexistente. No primeiro caso, a imagem ou o análogo é testemunha irreal de alguma coisa existente; no segundo é a criação de uma realidade imaginária, ou seja, de algo que existe apenas em imagem ou como imagem. Nos dois casos, porém, o objeto-em-imagem é imaginário. (CHAUÍ, 1997, p. 133). Hoje, pode-se dizer que estamos vivendo a era da imagem. Fatos e idéias são registrados numa velocidade nunca antes imaginada e sua penetração nos sistemas de comunicação é tão grande que se tornou impossível não considerarmos a sua relevância. Porém, são descartáveis e nos atingem apenas na superfície; não prestamos mais atenção às milhares de imagens vindo em nossa direção, oferecidas aos turbilhões pela mídia. A velocidade da vida contemporânea e o deslocamento do nosso olhar sobre as coisas rapidamente transformaram nossa percepção de mundo, sem que nos apercebêssemos. Não temos mais tempo como antes, de olhar o mundo como se olha uma paisagem, como quem observa uma pintura, contempla texturas, profundidades e perspectivas. Nosso olhar salta rapidamente de imagem em imagem, como o olhar de quem assiste à televisão. Muda-se de 3 A palavra imagem teve a sua origem no latim imago, que no mundo antigo significava a máscara de cera utilizada nos rituais de enterramento para reproduzir o rosto dos mortos. Ela nasceu, assim, da morte para prolongar a vida e apresentou, com isso, as noções de duplo e de memória. A imagem tinha o papel de recompor o homem, cujo corpo se decompõe pela morte. (FABRIS E KERN, 2006, p ).

21 20 canal sem que o programa termine: não temos mais tempo para aquilo que dura e quer permanência. Ítalo Calvino (1990, p.107), já no ano de 1984, em seu livro Seis Propostas para o Próximo Milênio, quando fala sobre Visibilidade, comenta: Antigamente a memória visiva de um indivíduo estava limitada ao patrimônio de suas experiências diretas e a um reduzido repertório de imagens refletidas pela cultura; a possibilidade de dar forma a mitos pessoais nascia do modo pelo qual os fragmentos dessa memória se combinavam entre si em abordagens inesperadas e sugestivas. Hoje somos bombardeados por uma tal quantidade de imagens a ponto de não podermos distinguir mais a experiência direta daquilo que vimos há poucos segundos na televisão. Em nossa memória se depositam, por estratos sucessivos, mil estilhaços de imagens, semelhantes a um depósito de lixo, onde é cada vez menos provável que uma delas adquira relevo. (CALVINO, 1990). Para este trabalho interessa-nos em especial a imagem gráfica, ou seja, a materialidade da imagem que foi concebida por alguém com uma intenção; neste caso, a de ocupar a função ilustrativa, como representação das coisas do mundo material ou do mundo das idéias. Mas interessa-nos também a imagem mental, responsável pela elaboração do pensamento, aquela imagem imaterial, interna, que antecede, antecipa e pode ser considerada a imagem geradora da imagem gráfica. 1.1 A IMAGEM COMO ILUSTRAÇÃO Utilizar imagens para contar uma história é prática muito antiga entre os homens. Acredita-se que tenham sido os egípcios os primeiros a utilizarem desenhos em seus manuscritos, com a função específica de ilustrar. As pessoas encomendavam desenhos contando sua história pessoal e orientações pós-morte aos artistas, que deixavam seus registros nas paredes das tumbas (Fig. 1), nos caixões, sarcófagos e mais tarde nos papiros. Já neste período pode-se observar a utilização de recursos como a simplificação da imagem por parte dos artistas, acredita-se, para adequar ao pouco espaço e garantir legibilidade à narrativa. Recursos gráficos como perspectiva e proporção pareciam ter valores simbólicos e a representação de tempo e espaço podia ser simultânea, mostrando o mesmo personagem em vários pontos da narrativa visual 4. 4 Recurso que encontramos frequentemente também nos desenhos das crianças.

22 21 Fig. 1 - A Caça Pintor egípcio XV séc.a.c. - Pintura de tumba. Fonte: PIGNATTI, Devido à destruição da biblioteca de Alexandria, quase tudo se perdeu dos rolos ilustrados da antiguidade clássica grega e romana, mas registros remanescentes mostram ilustrações sequenciais, que sugerem as histórias em quadrinhos atuais, acompanhando textos sagrados (MARTINS, 2001). Para a ilustradora Ângela Lago, a grande revolução da comunicação surge bem antes de Gutemberg, com a invenção dos códices (códex: tábula), quando os manuscritos deixaram de ser feitos em rolos para serem confeccionados em páginas, na forma de livro como conhecemos hoje. A flexibilidade do pergaminho permitia a dobra das folhas para a montagem de cadernos: O uso de códigos simultâneos, [...] característica das novas mídias, também está presente no códice. Na verdade os mais importantes achados na relação imagem e texto acontecem então, bem antes do livro impresso. Muitas vezes, a imagem no manuscrito vai narrar e gerenciar o texto, tornando-o mais acessível para uma população pouco letrada. O balão e o quadrinho já estão inventados. O próprio texto, em alguns momentos, poderá ser lido enquanto iconografia. (LAGO, 2009). Quem desenhava os manuscritos, transcritos à mão pelos copistas, eram os iluminadores. Estes artistas ou artesãos quase sempre trabalhavam em lojas, individualmente ou em forma de empresa familiar. Geralmente os melhores iluminadores eram considerados artistas e podiam inclusive trabalhar sob a proteção estável de um mecenas. Somente após a transcrição do texto, nos espaços deixados pelo copista, o iluminador desenhava as chamadas iluminuras (Fig. 2), um desenho decorativo quase sempre executado nas letras que iniciavam os capítulos, nas margens dos manuscritos, pintados com ouro e prata.

23 22 Fig. 2 - Books of Kells: Letra maiúscula Pintor irlandês cerca do ano Iluminura para o Evangelho s. São Mateus Fonte: PIGNATTI, 1981 Com cenas narrativas enquadradas e figuras desenhadas sobre um fundo com diferentes zonas coloridas, o saltério de Saint Albans, situado entre os anos de 1120 e 1130, é um dos manuscritos mais importantes e influentes do período. (MARTINS, 2001). Fig. 3 - Saltério de Ultrecht Salmo XXVI Pintor de Reims ano IIustr. para o Livro de Salmos Fonte: PIGNATTI, 1981 Existia ainda a chamada miniatura, uma técnica mais pobre, que consistia em ornamentos mais simples, letras de fantasia e outros ornamentos geralmente traçados com uma tinta vermelha composta de mínio e cinábrio, menor que a iluminura, com desenhos menos ilustrativos e menos coloridos. Havia uma hierarquia para as funções no atelier: o

Imagem em Relevo: primeiros apontamentos sobre ilustração tátil em livros para crianças cegas

Imagem em Relevo: primeiros apontamentos sobre ilustração tátil em livros para crianças cegas Imagem em Relevo: primeiros apontamentos sobre ilustração tátil em livros para crianças cegas Márcia Cardeal 1 Resumo: Este trabalho faz parte de um projeto de dissertação em andamento, intitulado Ver

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas A humanidade sempre dependeu de se comunicar para poder sobreviver melhor, transmitir os conhecimentos acumulados sempre foi algo muito

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Uma viagem de balão. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O Senhor Borracha fica sabendo de uma competição

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira PSICOLOGIIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 12 de março de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I Senhores pais ou responsáveis Iniciamos esta semana os projetos pedagógicos do 1 Trimestre letivo. As turmas de Jardim

Leia mais

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille Rodrigo Cardoso dos Santos 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Por

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa

Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa Marcela Cristina Bettega 1 (Arte-educadora / SECJ- PR) (...) Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade.

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13 APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre Aula 13 Identidade Visual Embora você possa nunca ter ouvido falar em identidade visual, todos nós estamos sempre sendo bombardeados pelas identidades

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL

ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL SILVEIRA, Tatiana dos Santos da FURB - Universidade Regional de Blumenau silsa@terra.com.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR Lília Santos NA BIBLIOTECA ESCOLAR, a MEDIAÇÃO com crianças e jovens acontece o tempo todo. É preciso ter atenção com os conteúdos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Literatura Brasileira e infantil Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Literatura infantil:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo Linguagem Letras do alfabeto Nome próprio, nome da escola, histórias Nome das profissões, histórias, músicas Histórias, nome das plantas Histórias em quadrinho, brincadeiras, nome dos brinquedos Nome dos

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos e Silvana Bento de Melo Couto. Escola: E. M. José

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil

Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil 2015. 1 Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil FACULDADE POLIS DAS ARTES Rua Tancredo Neves, 90 / 70 Jardim Pres. Kennedy Embu das Artes/SP Telefax: (11) 4782-4835 / 4244-2237 Professor:

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA I. Dados de Identificação: Escola:Escola Estadual Arthur Damé Professor (a): Professora supervisora do Pibid:

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Uma experiência de ensino de desenho para crianças cegas a partir da desconstrução do esquema gráfico

Uma experiência de ensino de desenho para crianças cegas a partir da desconstrução do esquema gráfico Uma experiência de ensino de desenho para crianças cegas a partir da desconstrução do esquema gráfico Mari Ines Piekas 1 - UDESC Resumo: O presente artigo 2 relata uma experiência de desenho de esquemas

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann

Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann Aula 1 - O que é design? professor Rafael Ho mann Fundamentos do design (grá co?) Objetivo da aula - Conhecer melhor e consolidar o signi cado do termo design. Objetivo da aula É muito mais difícil falar

Leia mais

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA Fábio Tavares da Silva, Graduando Centro de Artes da Universidade Regional do Cariri - URCA Fábio José Rodrigues da Costa, Doutor Centro de

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Autor Lourdes Maria Puls Introdução As imagens são utilizadas como meio de comunicação e expressão cultural

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões Desenhar, modelar, pintar: brincadeiras especiais No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino Aparecem no castelo materiais para desenhar, pintar e modelar que, juntamente com os brinquedos, passam a fazer

Leia mais

O corpo. Lacordaire Vieira

O corpo. Lacordaire Vieira O corpo Lacordaire Vieira Biografia Lacordaire Vieira nasceu em Guapó (GO), em 1946. Passou a infância e parte da adolescência em São Luís de Montes Belos. Vive em Goiânia, desde 1965. Professor da Universidade

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE Aninha Duarte 2004 CRÍTICA Arte ou faculdade de examinar e/ou julgar as obras do espírito, em particular as de caráter literário ou artístico. Apreciação minuciosa. (AURÉLIO,

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais