Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 26/11/07

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 26/11/07"

Transcrição

1 Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 26/11/07 Disciplina: Cirurgia Prof.: Dr. Paulo Costa Tema da Aula Teórica: Clínica dos Tumores do Esófago Autores: André Simões, Igor Martins e Liliana Gomes Equipa Revisora: Tiago Oliveira e Samuel Almeida Temas da Aula Introdução Histologia Carcinoma pavimento-celular do esófago Adenocarcinoma do esófago Manifestações Clínicas Complicações Avaliação Complementar Diagnóstico Estadiamento Tratamento Tratamento da doença localizada Tratamento da doença avançada Avaliação Pré-Operatória Medidas Pré-Operatórias Complicações Peri-Operatórias Cirurgia Paliativa Endoscopia de Intervenção Bibliografia Anotada do ano anterior Cancro do Esófago por Ana Pereira; Cirurgia Patologia e Clínica Alves Pereira 2ª Edição. Página 1 de 19

2 Introdução O cancro do esófago representa, em Portugal, cerca de 5% dos tumores malignos do tubo digestivo, dentro destes é um dos de pior prognóstico tendo a taxa de sobrevida aos 5 anos de cerca de 5% A maioria dos casos, cerca de 75%, corresponde a carcinomas epidermóides; nos restantes 25% predominam os adenocarcinomas (cuja incidência tem vindo a aumentar), sendo muito raros outros tipos de cancro. A incidência de cancro do esófago assenta em múltiplos factores que condicionam o aparecimento da doença, a idade de aparecimento e a prevalência aumentada nos homens: hábitos, factores nutritivos, predisposição genética, doenças associadas e lesões pré-malignas. Factores como excesso de cálcio, de magnésio e de cobre, a carência de vitamina A e molibdénio e factores ambientais estão associados à carcinogénese esofágica. Como factores protectores temos uma alimentação que inclua carne, peixe, fruta e legumes frescos (acção antioxidante da vitamina C) e suplementos de zinco (evidência experimental de que diminui o crescimento tumoral). A capacidade invasiva do cancro esofágico nas estruturas mediastínicas limita a terapêutica cirúrgica de ressecção, sobretudo a realizada com intenção curativa (tal só é possível em 20% dos casos). Os cuidados paliativos pretendem essencialmente restabelecer o trânsito digestivo e, assim, melhorar a qualidade de vida. Os tratamentos não cirúrgicos incluem: a colocação de próteses metálicas auto-expansiveis revestidas, dilatações do lúmen, radioquimioterapia e a braquiterapia 1 ; tratamentos esses que podem ser aplicados quer isoladamente, quer combinadas entre si. A jejunostomia, embora não isenta de complicações, pode ser utilizada como método de nutrição entérico. O tratamento cirúrgico paliativo pode também passar pela esofagectomia (capaz de diminuir o tecido neoplásico, tornando mais eficiente o tratamento rádio e quimioterápico), bypass com estômago, cólon ou jejuno e as ostomias. O bypass obedece a critérios clínicos muito restritivos dado que pode originar fístulas e estenoses anastomóticas, sendo o índice de mortalidade muito elevado. 1 Braquiterapia - forma de radioterapia na qual a fonte de radiação é colocada no interior ou próxima ao corpo do paciente, os materiais radioativos são colocadas junto ao tumor liberando doses de radiação directamente sobre ele, afectando ao mínimo os órgãos mais próximos e preservando os mais distantes da área do implante. Página 2 de 19

3 Histologia Carcinoma pavimento-celular tumor mais frequente; Adenocarcinoma ocorre sobretudo nos segmentos distais; factor etiológico mais importante é a presença de refluxo gastro-esofágico e de Esófago de Barret (mais frequente nos países desenvolvidos); Outros tumores raros. Carcinoma pavimento-celular do esófago É o tipo mais comum de carcinoma no esófago, sendo mais frequente em adultos com mais de 50 anos, e predomina no sexo masculino, bem como em indivíduos de raça negra. Os factores etiológicos (Figura 1) mais relevantes no seu aparecimento são: Hábitos tabágicos e alcoólicos (risco ainda maior com a associação dos dois do que individualmente); Carências vitamínicas (A, C, B1, B2 e B6); Nitratos/nitrosaminas; Alimentos/líquidos muito quentes (lesão térmica); Radiações (após radioterapia usada no cancro da mama, por exemplo); Contaminação fúngica da comida; Mutações pontuais no gene p53, estando presentes em mais de 50% dos casos. Figura 1. Factores de risco para Cancro do Esófago. Página 3 de 19

4 Os carcinomas pavimento-celulares começam normalmente como lesões in situ: No terço médio do esófago (50%); No terço superior do esófago (20%); No terço inferior do esófago (30%). As lesões iniciais são pequenas, branco-acinzentadas e formam espessamentos em placas ou elevações na mucosa. Com o passar do tempo estas lesões tornam-se massas tumorais importantes e podem chegar a circundar o lúmen esofágico. Estão descritos 3 padrões morfológicos: Protuso (60%) Plano (15%) Escavado ou ulcerado (25%): ocorre ulceração neoplásica necrótica, por vezes escava profundamente chegando a atingir as estruturas circunjacentes, tendo como complicação a perfuração da parede em direcção à árvore tráqueo-brônquica, à aorta, ao mediastino e ao pericárdio. A metastização deste tumor ocorre principalmente para os gânglios linfáticos mediastínicos, bem como para o pulmão, fígado, osso, glândula supra-renal e cérebro. Relativamente à metastização para os gânglios linfáticos: Tumores no terço superior (entre a faringe e a bifurcação traqueal) metastizam para os gânglios linfáticos cervicais; Tumores no terço médio (entre a bifurcação traqueal e o hiato esofágico do diafragma) metastizam para os gânglios linfáticos mediastínicos, paratraqueais e tráqueo-brônquicos; Tumores no terço inferior (entre o hiato esofágico do diafragma e a junção esófago-gástrica) disseminam-se para os gânglios linfáticos gástricos e celíacos. Estas são as vias principais de metastização mas nos tumores do esófago (de ambos os tipos) a localização do tumor não se relaciona directamente com o das metástases ganglionares, não se fazendo sempre para os gânglios mais próximos. Assim, a cirurgia curativa requer linfadenectomias extensas. Página 4 de 19

5 Adenocarcinoma do esófago É um tumor epitelial glandular maligno. A sua incidência é acentuadamente crescente, afectando mais homens que mulheres. A idade média dos indivíduos com esta patologia é de 65 anos. O tabaco e a obesidade são factores de risco, todavia não há nenhuma associação concreta entre o consumo de álcool e o desenvolvimento de adenocarcinoma do esófago. É mais característico de países com um bom nível socio-económico. O risco de desenvolvimento de adenocarcinoma (Figura 2) a partir de Esófago de Barret (substituição do epitélio pavimentoso estratificado da mucosa esofágica distal por epitélio cilíndrico, cuja principal causa é a esofagite de refluxo) é de cerca de 10%. As células epiteliais de Barret têm grande actividade proliferativa e as células epiteliais displásicas perdem o controlo do seu ciclo celular. Intitulam-se formas superficiais as que não ultrapassam a submucosa e correspondem às formas Tis e T 1, mas podem também incluir as lesões displásicas, que muitos consideram estados pré-neoplásicos. Figura 2. Transição de Esofagite de refluxo para Esófago de Barret e para Adenocarcinoma. Os adenocarcinomas que surgem na sequência de Esófago de Barret estão geralmente localizados no esófago distal e podem invadir o cárdia. Atingindo a submucosa e a lâmina própria do esófago, surgem como porções aplanadas ou elevadas da mucosa e podem tornar-se grandes massas nodulares, difusamente infiltrativas ou profundamente ulceradas. Dentro deste tipo de carcinomas (particularmente os da junção gastroesofágica), só há metastização ganglionar após o envolvimento da membrana basal e a esta aumenta exponencialmente há medida que a submucosa é envolvida. Os gânglios linfáticos mais frequentemente atingidos são os da pequena curvatura do estômago, podendo também envolver os grupos ganglionares peri-gástricos, incluindo os do tronco celíaco, os satélites das artérias hepática comum e esplénica, os do hilo esplénico e os do mediastino inferior. Página 5 de 19

6 Alguns casos de adenocarcinoma do cárdia representam uma extensão superior de um tumor gástrico que pode chegar ao esófago. Esta invasão dá-se mais comummente através da submucosa e lâmina própria (podendo não ser visível a nível do epitélio). O mesmo pode com o crescimento na disseminação intraesofágica de um tumor do esófago sendo a esófagectomia feita pelo menos 10cm acima do tumor visível e confirmada a ausência de células tumorais pela histologia. Manifestações Clínicas O cancro do Esófago é uma doença que afecta pacientes de idade avançada, sendo a disfagia a principal queixa (geralmente precedida de anorexia e perda ponderal). Surge primariamente para alimentos sólidos e evolui para dificuldade crescente para alimentos semi-líquidos e líquidos, ao que se associam regurgitamento (doloroso ou não), sialorreia e halitose. A disfagia geralmente surge de forma tardia (lúmen já está reduzido a 1/2 ou 1/3 do diâmetro) na história natural da doença devido à ausência da camada serosa no esófago, o que permite ao músculo liso a sua dilatação. Quando a neoplasia do esófago se encontra limitada à submucosa assume, em cerca de 2/3 dos casos, sintomatologia que alerta para a situação: Odinofagia; Sensação de queimadura à passagem dos alimentos; Disfagia ligeira para sólidos; Sinais atípicos de incómodo retroesternal. A extensão do tumor primário à árvore tráqueo-brônquica pode causar estridor e, se desenvolver uma fístula tráqueo-esófagica, tosse 2 e pneumonia de aspiração. Podem surgir quadros de dor inter-escapular (na mediastinite neoplásica), epigástrica (no compromisso celíaco), óssea (determinada por metástases). Nas análises sanguíneas pode ser possível observar uma anemia ferropénica, como consequência de hemorragias digestivas significativas. Fístulas esófago-aórticas podem culminar com hematemese fatal. Num estádio mais evoluído podem surgir adenopatias supraclaviculares e disfonia por paralisia do nervo recorrente. 2 Resultado de alterações no nervo larigeo recorrente ou passagem de conteúdos acumulados no esófago para a árvore tráqueo-brônquica quer por aspiração quer por fístula. Página 6 de 19

7 Sinais pouco perturbadores e transitórios para levar a suspeita em indivíduos com hábitos tabágicos e etílicos. Exemplo disso são como dor retroesternal e sensação de dificuldade na passagem de uma maior quantidade de alimentos deglutidos de uma só vez ou de um alimento muito quente. Displasia Neoplásica 3 Disfagia para sólidos que evolui progressivamente para alimentos pastosos, moles e líquidos; Evolução na História Clínica de forma progressiva e sem regressão; Sem sintomas de refluxo gastro-esofágico (só valido para carcinoma pavimento-celular); Com repercussão no estado geral; Associada a hábitos tabágicos, ingestão alcoólica abusiva ou líquidos quentes. Complicações As complicações mais comuns resultam da invasão de estruturas mediastínicas importantes como a traqueia, brônquios e pericárdio. Podem ocorrer hemorragias fatais, obstrução traqueal e disritmias cardíacas. Pode desenvolver-se uma fístula entre o esófago e a árvore tráqueo-brônquica e conduzir a pneumonias de aspiração, bronquites purulentas e formação de abcessos pulmonares. Assim: A montante da lesão: o Sialorreia com ingurgitamento das glândulas salivares (parótidas), o Regurgitação de saliva e restos alimentares; o Aspiração brônquica, com pneumonias de repetição e/ou broncospasmo. No esófago: o Susceptibilidade a infecções oportunistas (anaeróbios), principalmente pela presença constante de restos alimentares; o Inflamação ou ulceração da parede, com formação de fístulas esófago-brônquicas e esófago-mediastínicas. 3 Neoplasia intra-epitelial; lesão pré-maligna que pode evoluir para carcinoma invasivo. Página 7 de 19

8 A jusante da lesão: o Diminuição da ingesta alimentar, com consequente desnutrição (muitas vezes agravada pela anorexia) e défice imunitário. Quando existe diminuição do aporte calórico, o organismo recorre à utilização das reservas de glicogénio, de lípidos e de proteínas (primeiro as musculares e de seguida as viscerais). Quando as necessidades energéticas são supridas à custa da atrofia das estruturas pulmonares, com deficit muscular e diminuição do número de cílios, tornando mais recorrentes as infecções pulmonares. As reservas hepáticas são as últimas a ser utilizadas e, uma vez diminuídas as funções hepáticas de imunidade, hemostase e cicatrização, a mortalidade é de quase 100%. Toda a patologia anteriormente referida vai condicionar, só por si, a estratégia terapêutica. Avaliação Complementar Diagnóstico; Estadiamento; Consequências da obstrução e da neoplasia: o A montante; o Peri-tumorais; o A jusante; Risco/beneficio das soluções terapêuticas. Diagnóstico Realizado através dos dados clínicos e da realização de exames complementares de diagnóstico. As análises laboratoriais, hematológicas e bioquímicas não contribuem para o diagnóstico, mas sim para o estudo da função hepática, renal e pulmonar, para o estadiamento da situação e para a apreciação do risco operatório. Página 8 de 19

9 Na tentativa de diagnosticar o carcinoma tão precocemente quanto possível, e porque os sinais de alerta não são específicos, qualquer sinal que sugira a possibilidade de patologia esofágica obriga a estudo endoscópico, que permite: Determinar a localização da lesão e suas características aspecto macroscópico (ulcerovegetante, infiltrante), dimensões, interferência no diâmetro esofágico; Proceder a biópsias ou colheitas citológicas; Avaliar a coexistência de patologia gastro-duodenal e a possibilidade da utilização do estômago na esofagoplastia; Procurar a existência de mucosa anormal métodos colorimétricos com lugol ou azul de toluidina (cromoendoscopia). A endoscopia tráqueo-brônquica informa sobre a possível existência de um cancro associado ou a extensão por continuidade do tumor esofágico, sob a forma de infiltração, de formação nodular ou de compromisso na mobilização da mucosa. A radiografia do tórax tem interesse limitado para o diagnóstico, mas pode evidenciar metástases pulmonares, derrame pleural, infiltrado pulmonar devido à aspiração, desvio ou alargamento do mediastino. Para além disso, o estudo radiográfico do transito esofagogastroduodenal tem importância em situações em que a progressão do endoscópio não é possível, uma vez que: Permite uma estimativa do tamanho e forma do tumor; Permite determinar a localização do tumor em relação a estruturas fixas, como a crossa da aorta, a traqueia e os brônquios; Fornece sinais de extensão lateral da neoplasia, como a dilatação esofágica e a montante (útil para determinar se é possível fazer ressecção ou não, e se essa terá um carácter curativo ou paliativo); Informa sobre complicações e patologias associadas (fístulas para a árvore tráqueo-brônquica e mediastino, divertículos, hérnia do hiato, estenoses, lesões gástricas), e sobre as dimensões do estômago (tendo em vista a gastroplastia). Página 9 de 19

10 Estadiamento (Figura 3) O estadiamento da doença é determinado pela penetração em profundidade do tumor primário e pela presença de gânglios linfáticos e órgãos metastizados (TNM). Está intimamente correlacionado com a sobrevida. T Tumor primário Tx não foi possível avaliar T0 sem evidência de tumor primário Tis displasia de alto grau/ carcinoma in situ T1 Invade a lâmina própria e a submucosa mas não a ultrapassa T2 Invade a muscular própria mas não a ultrapassa T3 Invade o tecido paraesofágico/ adventícia mas não a ultrapassa T4 Invade estruturas adjacentes N Gânglios regionais Nx não foi possível avaliar N0 ausência de metástases ganglionares N1 gânglios regionais metastizados M Metástases à distância Mx não foi possível avaliar M0 sem metástases à distância M1 metástases à distância 0 Tis N0 M0 I T1 N0 M0 IIA T2 N0 M0 T3 N0 M0 IIB T1 N1 M0 T2 N1 M0 III T3 N1 M0 T4 N1 M0 IV Tn Nn M1 Figura 3 Estadiamento das neoplasias esofágicas pelo sistema TNM Figura 4 Classificação das neoplasias esofágicas pelo sistema TNM O conhecimento pré-operatório do estadio do tumor, de acordo com o estadiamento anátomo-clínico TNM, é importante para a escolha da terapêutica a instituir. Os elementos colhidos no peri-operatório e fornecidos pelo estudo histológico da peça de ressecção (estadiamento pósoperatório ptnm) condicionam a terapêutica adjuvante. Para além da avaliação anátomo-patológica, utilizam-se principalmente 3 métodos imagiológicos: a tomografia computorizada (TC), a eco-endoscopia (ultrasonografia endoscópica USE) e a tomografia por emissão de positrões (PET). Figura 5. Imagem eco-endoscópica de tumor esofágico. Página 10 de 19

11 A tomografia computorizada pode fornecer informações sobre a espessura da parede esofágica, existência de adenopatias mediastínicas, as dimensões do tumor e sua relação com estruturas vizinhas e a eventual presença de metástases pulmonares ou hepáticas e de adenopatias celíacas. Concede elementos diagnósticos da extensão loco-regional (a avaliação de um T4 é muito fiel, tal nem sempre ocorre nos níveis mais baixos) e de apreciação sobre a ressecabilidade e a escolha de estratégia terapêutica curativa ou paliativa. A suspeita de extensão cerebral obriga à realização de TC cerebral e as metástases ósseas podem ser detectadas por exame cintigráfico. Tem a vantagem de a qualidade do exame ser menos dependente da qualidade do operador, ao contrário da eco-endoscopia. A eco-endoscopia concede elementos indispensáveis ao diagnóstico e à estratégia terapêutica. Pela identificação das camadas da parede esofágica, informa se há aumento da espessura ou desorganização, se se trata de tumor superficial ou invasivo e qual a extensão nos planos transversal e longitudinal. Está particularmente indicada para fornecer elementos sobre as relações do tumor com os órgãos vizinhos (avalia as estruturas num perímetro de 5cm a partir da sonda), para identificar as adenopatias mediastínicas e celíacas e para informar se há características de metastização. Por conceder informações fiáveis sobre a extensão parietal e a disseminação tumoral ganglionar é um meio importante para o estadiamento e para a selecção dos doentes a submeter a terapêutica curativa ou paliativa. Permite também acompanhar a evolução do tumor (em relação às diversas camadas da parede esofágica e a outras estruturas mediastínicas). A principal desvantagem é a dependência da qualidade do operador. A tomografia por emissão de positrões baseia-se no facto de os carcinomas espino-celulares e os adenocarcinomas serem bons captadores do análogo da glicose F-18-fluorodesoxiglicose (FDG). É de grande utilidade na detecção de tumores primários e no estadiamento do cancro do esófago. Contudo, ainda não é muito utilizado. A combinação de TC e PET evita cirurgia desnecessária em 90% dos indivíduos com doença metastática não descoberta. A ecografia abdominal é muito sensível para esclarecer a existência de metástases hepáticas ou de ascite, mas pouco para informar sobre a existência de adenopatias celíacas. Página 11 de 19

12 Visto as lesões esofágicas superiores e medianas poderem invadir a árvore tráqueo-brônquica, a broncoscopia (com biópsia) é sempre indicada para averiguar o crescimento tumoral a esses níveis (sempre acima da bifurcação da traqueia). Podese encontrar distorção do lúmen brônquico ou um tumor intra-brônquico. A ressonância magnética nuclear (RMN) não mostrou oferecer vantagens sobre a TC, nem acerca da apreciação pré-terapêutica, nem sobre a evolução. Em suma, o diagnóstico e estadiamento das neoplasias esofágicas pode depender das seguintes técnicas: 1. Endoscopia com biópsia; 2. Rx EED (esófago-estômago-duodeno); 3. Eco-endoscopia (indicado para avaliação loco-regional, dando informação acerca do grau de penetração na parede e da existência de adenopatias locais, especialmente se for combinada com punção aspirativa com agulha fina eco-guiada); 4. TC (bom método para avaliação inicial, fornecendo informações acerca da ressecabilidade e da existência de metástases); 5. PET-scan (útil na identificação de metástases à distância e no reestadiamento após quimioterapia neoadjuvante); 6. Ecografia hepática; 7. Provas de função respiratória; 8. Broncoscopia com biópsia; 9. Avaliação analítica geral (nutricional e imunitária). A selecção de uma intervenção curativa ou paliativa para o cancro do esófago é baseada na localização do tumor, na idade e estado fisiológico do paciente, e na extensão e no estadiamento da doença. É de salientar que perda de peso superior a 10% da massa corporal, idade avançada e presença de micrometástases linfáticas são considerados factores de mau prognóstico independentes. Tratamento Para escolher o tratamento a efectuar é necessário definir se se trata de uma neoplasia localizada ou de uma neoplasia num fase avançada. Página 12 de 19

13 Tratamento da doença localizada Carcinoma do esófago localizado cirurgia isolada; Adenoma da junção esófago-gástrica (tipo II e tipo III da classificação de Siewert) gastrectomia total radical, esofagectomia distal e linfadenectomia do tipo D2 (por laparotomia e via transhiatal); Carcinoma espino-celular em estadios precoces (T1a) esofagectomia por via transhiatal (porque se acompanha de menor morbilidade); Carcinoma espino-celular em estadios mais avançados (T1b e T2) esofagectomia radical por via transtorácia com linfadenectomia de dois campos; Tumores superficiais podem ser tratados por remoção endoscópica, terapia fotodinâmica ou termoablação (a vantagem da ressecção endoscópica é que proporciona um espécimen para análise histopatológica). Terapêutica adjuvante Não é recomendável o seu uso por rotina em doentes com carcinoma do esófago localizado, dado que há pouca evidência de que esta terapêutica, tanto pré como pós-operatória, influencie positivamente a taxa de sobrevida e a longevidade. Deve ser devidamente ponderada em doentes estadiados clinicamente como N0 e cujo exame histopatológico da peça operatória revelou a presença de metástases ganglionares (N1 ou M1a-b); ou naqueles em que se documentou a presença de doença residual. A linfadenectomia proporciona um estadiamento pós-operatório mais fiel mas o seu impacto sobre a sobrevida é controverso assim como a extenção em que deve ser reslizada. A esofagectomia pode ser realizada com segurança por via laparóscopica em doentes seleccionados. Tratamento da doença avançada Em doentes com baixa probabilidade de ressecção R0 4, de um modo geral não deve ser oferecida terapêutica cirúrgica radical. 4 Ressecção: R0 completa, não deixa tumor residual; R1 não deixa resíduos tumorais macroscópicos; R2 persistem restos tumorais macroscópicos. Página 13 de 19

14 A presença de doença localmente avançada (T3) e/ou metástases ganglionares regionais (N1) ou não regionais (M1a), indica a necessidade de terapêutica neoadjuvante. O carcinoma espino-celular e o adenocarcinoma são sensíveis à quimioterapia (a combinação com radioterapia também tem efeitos positivos). Após o tratamento, os doentes devem ser reavaliados e eventualmente propostos para cirurgia com intenção curativa se o re-estadiamento os posicionar nesse grupo. Doentes com metástases à distância devem fazer terapia paliativa. Tumores do esófago cervical e da hipofaringe Podem ser excisados se não existe compromisso dos grandes vasos, nem aderências à coluna ou metástases ganglionares cervicais fixas. A intervenção-base para o tratamento do cancro do esófago cervical é a esófago-faringo-laringectomia total, contudo, nos cancros da hipofaringe e em tumores pequenos do esófago cervical proximal sem disseminação submucosa nem outras localizações síncronas, a intervenção pode limitar-se a esofagectomia cervical. Na esofagectomia total utiliza-se a via cervical combinada com a via trans-hiatal e reconstrução com gastroplastia. Tumores do esófago torácico Via abdominal e torácica direita permitem a libertação do estômago, do cólon ou do intestino delgado, a esofagectomia, a linfadenectomia e a anastomose intra-torácica; Via abdominal associada a toracotomia esquerda; Associação tripla via torácica direita para dissecção esofágica e linfática, via abdominal para linfadenectomia e construção da prótese e via cervical para libertação esofágica, eventual criação de túnel retroesternal e reconstrução da anastomose; Associação dupla sem toracotomia via abdominal trans-hiatal e via cervical (Figura 5). Página 14 de 19

15 Tumores do esófago distal e do cárdia Não existe unanimidade nas terapêuticas cirúrgicas dirigidas ao adenocarcinoma do esófago distal e ao cárdia. Alguns consideram satisfatória a ressecção limitada do esófago distal e do estômago proximal com anastomose intratorácica; outros defendem a necessidade de gastrectomia total, sobretudo quando o tumor se estende por mais de um terço do estômago; outros ainda advogam a esófago-gastrectomia total. Ressecção esofágica Abordagem o Tóraco-abdominal; o Abdómino-tóraco-cervical; o Abdómino-transhiatal-cervical; o Trans-mediastínica (para tumores do terço médio). Enxertos o Estômago; o Cólon; o Delgado. Factores que indicam um estadio avançado do carcinoma e excluem cirurgia curativa: o Paralisia do nervo recorrente; o Síndrome de Horner 5 ; o Dor na coluna persistente; o Paralisia do diafragma; o Formação de fístula; o Derrame pleural maligno. Figura 6. Esofagectomia por abordagem dupla (trans-hiatal e cervical) sem toracotomia. 5 Doença caracterizada por anidrose, enoftalmia, miose e ptose palpebral provocadas por paralisia do simpático cervical. Página 15 de 19

16 Avaliação Pré-Operatória A cirurgia dos tumores do esófago é muito agressiva. Nestes doentes, frequentemente fragilizados, a apreciação pré-operatória tem de ser muito ampla e incidirá sobre todos os órgãos e sistemas. Há que procurar a coexistência de alterações hepáticas, pulmonares, nutricionais, imunológicas ou outras (como cardiopatias, arterites, diabetes, etc.). A cirrose ou a hepatite alcoólicas descompensadas constituem contraindicação operatória. Nessas circunstâncias, a intervenção só terá lugar quando os parâmetros hepáticos atingirem a normalidade. O conhecimento da capacidade respiratória condiciona a técnica cirúrgica ou mesmo a eventual contra-indicação operatória. O facto de estes doentes terem frequentemente hábitos tabágicos, bronquite crónica, enfisema ou pneumonia por aspiração do conteúdo esofágico, obriga à exploração funcional respiratória com testes dinâmicos e tratamentos adequados. Já foi referida a desnutrição a quando das complicações a jusante da lesão. Assim, para além dos testes pré-operatórios normais, é necessário fazer: Estadiamento; Ecocardiograma; Provas de Função Respiratória; Colonoscopia. Arteriografia selectiva do MI e MS; Medidas Pré-Operatórias A desnutrição, devida a anorexia e a disfagia, traduz-se por perda ponderal (até 10 a 30% do peso normal), a que se associa défice imunitário. Quando está presente, há que instituir alimentação entérica ou parentérica a fim de restaurar o equilíbrio ponderal, hidro-electrolítico e proteico (albumina e hemoglobina). Em suma: Higiene oral; Cinesiterapia respiratória, suspensão tabágica, terapêutica antiinfecciosa; Recuperação nutricional/imunitária; Profilaxia do tromboembolismo; Preparação do cólon; Banco de sangue. Página 16 de 19

17 Complicações Peri-Operatórias A fístula anastomótica é uma temível complicação da esofagectomia e tem elevada morbilidade e mortalidade. As fístulas tardias (surgidas para além do 7º dia) têm melhor prognóstico que as precoces (quando o mediastino ainda se mantém permeável) que são muito graves. Embora a fístula cervical possa originar grave difusão séptica com abcesso mediastínico, em regra cura com drenagem, suporte nutricional e antibioterapia, e raramente tem consequências fatais. Mais grave é a deiscência da anastomose intratorácica que arrasta uma mortalidade de 50% ou mesmo superior, tem factores etiológicos semelhantes às fístulas anastomóticas. Entre os factores etiológicos das fístulas anastomóticas destacam-se, além da irradiação pré-operatória, as falhas de técnica cirúrgica (isquémia provocada pela sutura e desvascularização arterial ou venosa do transplante). Outro interveniente na isquémia e deiscência da anastomose é a dilatação aguda do transplante, estômago ou cólon, razão pela qual se deve realizar aspiração digestiva durante as primeiras 48h após a cirurgia. As estenoses surgem como sequelas das fístulas anastomóticas e também resultam de más condições técnicas ou de processos inflamatórios. Obrigam à realização de uma dilatação para que o transito seja restabelecido correctamente. As complicações pleuro-pulmonares constituem o factor mais grave de mortalidade associada à cirurgia do cancro esofágico. As lesões pulmonares tabágicas, associadas às provocadas pela aspiração do conteúdo acumulado acima da estenose tumoral, favorecem as broncopneumonias, as atelectasias e os abcessos pós-operatórios. A prevenção desta situação exige intensa preparação pré-operatória (suspensão tabágica, cinesiterapia e antibioterapia). No pósoperatório, além da eventual necessidade da utilização da prótese respiratória, é fundamental a fisioterapia pulmonar para facilitar a expulsão das secreções que são precursoras de pneumonia. Outro factor que interfere com a diminuição da capacidade pulmonar é o ingurgitamento dos linfáticos pulmonares, provocado pela excisão do canal torácico. Página 17 de 19

18 A lesão do nervo laríngeo recorrente pode ocorrer na abordagem cervical e causar disfonia e incoordenação laringo-esofágica, que induzem a instalação de pneumopatias por aspiração. Em suma, as principais complicações peri-operatórias da cirurgia dos tumores do esófago são: Respiratórias (ventilação assistida); Cardio-circulatórias; Fístulas (cervical vs torácica). Cirurgia Paliativa O tratamento cirúrgico paliativo inclui: Esofagectomia; Bypass (com estômago, cólon ou jejuno); Colocação de próteses trans-tumorais; Gastrostomia (permite ao doente alimentar-se sem disfagia e previne complicações locais de perfuração, hemorragias, formação de fístulas e dor incapacitante). Endoscopia de Intervenção Fotopermeação (laser) abertura do lúmen esofágico sem perfuração deste; o tratamento necessita de ser repetido a cada 6-8 semanas e a maioria dos pacientes são capazes de ter uma dieta líquida ou semilíquida; Dilatação do lúmen; Próteses; Gastrostomia Endoscópica Percutânea (PEG) 6. 6 Introduzida na prática clínica como via alternativa de alimentação entérica; tem como objectivos a manutenção do aporte nutricional e a melhoria da qualidade de vida e sobrevida dos pacientes. Página 18 de 19

19 Terapia dos tumores do esófago - Radioterapia - Radioquimioterapia - Quimioterapia - Terapêutica - Neo-adjuvante - Adjuvante Podemos concluir que a multiplicidade de variáveis que contribuem para o quadro clínico destes doentes requer terapêutica versátil. Isto significa que a escolha da metodologia cirúrgica e dos métodos não cirúrgicos dependem das características individuais de cada doente. Página 19 de 19

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 30 Outubro 2008

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 30 Outubro 2008 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 30 Outubro 2008 Disciplina: Cirurgia Prof.: Dr. José Paulo Freire Tema da Aula Teórica: Disfagia maligna cancro do esófago Autor: Diva Trigo Equipa Revisora: M. I. Pereira

Leia mais

NEOPLASIA DE ESÔFAGO. Rodrigo Bordin Trindade

NEOPLASIA DE ESÔFAGO. Rodrigo Bordin Trindade NEOPLASIA DE ESÔFAGO Rodrigo Bordin Trindade INTRODUÇÃO HISTOLOGIA Ca de esôfago 3ª malignidade do TGI Entre os 10 mais prevalentes no mundo Taxa de sobrevida em 5 anos 57-78% para diagnóstico precoce

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Tumores Benignos e Malignos de Esôfago

Tumores Benignos e Malignos de Esôfago Tumores Benignos e Malignos de Esôfago Isabel Fonseca Santos - R1 Gastroenterologia UFRJ Lesões Benignas Frequentemente assintomáticas, sendo achado incidental da EDA. Sintomas: o o o o o o o disfagia

Leia mais

Curso Continuado de Cirurgia Geral do Capítulo de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgiões CÂNCER DE ESÔFAGO. Carlos Haruo Arasaki 2006

Curso Continuado de Cirurgia Geral do Capítulo de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgiões CÂNCER DE ESÔFAGO. Carlos Haruo Arasaki 2006 Curso Continuado de Cirurgia Geral do Capítulo de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgiões CÂNCER DE ESÔFAGO Carlos Haruo Arasaki 2006 Epidemiologia do Câncer de Esôfago 1% de todos os cânceres 3

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

TUMORES RENAIS. Benignos. Malignos. Angiomiolipoma; Oncocitoma. Adenocarcinoma renal (90%); Tumor de Wilms; Carcinomas uroteliais da pelve renal.

TUMORES RENAIS. Benignos. Malignos. Angiomiolipoma; Oncocitoma. Adenocarcinoma renal (90%); Tumor de Wilms; Carcinomas uroteliais da pelve renal. Benignos Angiomiolipoma; Oncocitoma. Adenoma papilar renal; Fibroma renal ou hamartoma; Malignos TUMORES RENAIS Adenocarcinoma renal (90%); Tumor de Wilms; Carcinomas uroteliais da pelve renal. Prof. Fabricio

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Cirurgia Torácica Videoassistida. Cancro do Pulmão

Cirurgia Torácica Videoassistida. Cancro do Pulmão Cirurgia Torácica Videoassistida Cancro do Pulmão Jorge Cruz Cirurgia Cardio-Torácica Cirurgia II Cirurgia Torácica Graham realiza em 1933 a 1ª pneumectomia Passados 70 anos a cirurgia torácica mudou.

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos

Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos Esta prova tem a duração de 30 minutos. O total das perguntas equivale a 20 valores. Marque com V/F (verdade ou falso) na folha de resposta. As respostas erradas descontam 25% do valor de cada resposta

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Cancro do Pulmão O DESAFIO CONSTANTE Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Telma Sequeira Interna de Formação Complementar de Pneumologia Amadora,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas É a neoplasia mais freqüente da cabeça e pescoço 90% dos casos é por Carcinoma epidermóide

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga

Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga Biomatemática 2 (2), ISSN 679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga Kenia D. Savergnini,

Leia mais

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura

Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Hipertrofia Muscular Idiopática Tratada Com Transposição Gástrica Completa. Relato de Caso e Revisão da Literatura Serviço de Cirurgia Pediátrica IPPMG/UFRJ Douglas

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia OROFARINGE Os tumores de cabeça e de pescoço totalizam 4,5% dos casos de diagnósticos de câncer. Uma importante fração dos tumores malignos da região da cabeça e pescoço se localiza primeiramente na orofaringe.

Leia mais

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo Cirurgia I Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Docente: Profª Isabel Fonseca Data: 16/12/2010 Número da Aula Previsto: 14ª Desgravador: Corrector: Teresa Estevens Índice de Conteúdos EXAME EXTEMPORÂNEO

Leia mais

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio.

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio. Organização Sponsor Cancro Gástrico Prevenção, Diagnóstico e Tratamento Apoio Secretariado Central Park R. Alexandre Herculano, Edf. 1-4º C 2795-240 Linda-a-Velha Telefones: 21 430 77 40/1/2/3/4 Fax: 21

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

E A SAÚDE DO HOMEM, COMO VAI?

E A SAÚDE DO HOMEM, COMO VAI? 146 E A SAÚDE DO HOMEM, COMO VAI? Camila S. T. da Cunha 1 Pedro H. de C. Schluga 1 Priscila Granemann 1 Thayzi A. C. de Souza 1 Ursula Virginia Coelho 2 Leide da Conceição Sanches 3 RESUMO Os altos índices

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 11/12/2008 Disciplina: Cirurgia 2. Obesidade

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 11/12/2008 Disciplina: Cirurgia 2. Obesidade Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 11/12/2008 Disciplina: Cirurgia 2 Prof.: Professor Dr Bicha Castelo Tema da Aula Teórica: Obesidade, perspectivas terapêuticas cirúrgicas. Autor: Hugo Monteiro Equipa Revisora:

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO (Texto actualizado em Março de 2008) A. Stenzl (Presidente), N.C. Cowan, M. De Santis, G. Jakse, M. Kuczyk, A.S. Merseburger, M.J. Ribal, A.

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES MAPA AUDITÓRIO LARGO DA ORDEM (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:15 8-30 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:30

Leia mais

d) Cite 3 (três) indicações para intubação traqueal em um paciente que deve ser submetido à endoscopia digestiva. (5 pontos) Resposta:

d) Cite 3 (três) indicações para intubação traqueal em um paciente que deve ser submetido à endoscopia digestiva. (5 pontos) Resposta: 1ª Questão: (25 pontos) Paciente masculino de 79 anos, hipertenso e diabético, em tratamento irregular, com DPOC descompensado e múltiplas fraturas de corpos vertebrais por osteoporose, em uso prolongado

Leia mais

Tipos de tumores cerebrais

Tipos de tumores cerebrais Tumores Cerebrais: entenda mais sobre os sintomas e tratamentos Os doutores Calil Darzé Neto e Rodrigo Adry explicam sobre os tipos de tumores cerebrais. CONTEÚDO HOMOLOGADO "Os tumores cerebrais, originados

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

Câncer de Pulmão. Epidemiologia. II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010. Epidemiologia. Quadro clínico. Exames complementares

Câncer de Pulmão. Epidemiologia. II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010. Epidemiologia. Quadro clínico. Exames complementares Câncer de Pulmão II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010 Epidemiologia Quadro clínico Exames complementares Estadiamento Tratamento Epidemiologia 1 Tabagismo 90% dos casos ocorrem em fumantes

Leia mais

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 No Índice da Lista Tabular da CID-9-MC, as Doenças do Aparelho Respiratório encontram-se referenciadas

Leia mais

Coloque, de imediato, o seu número de inscrição e o número de sua sala, nos retângulos abaixo.

Coloque, de imediato, o seu número de inscrição e o número de sua sala, nos retângulos abaixo. &$5*2 9;:=@?A*B'C=%BED-F@BGA!HID#=/?,=JGK:E?9,L 9NM4:O-H#BL 9! #"%$'&(*),+-)#"/.0"%)#"%$%+-12)43654"7+-$%8 TVUEWX,YKZ'[K\6]^_Y-`^%W;aK^/X#^/b>^Ja(cdUefaYI^g]4Uhji,U`%Y P QKR k lnmovm S p,qsrutfv,vxwkq6pq

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias;

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias; CIRURGIA TORÁCICA Toracotomia ABERTURA E O FECHAMENTO DA CAVIDADE TORÁCICA INDICAÇÕES Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo

Leia mais

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva Pedro Eufrásio Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu INTRODUÇÃO Tumor do pénis é raro. Variabilidade geográfica. 95% são carcinomas espinho-celulares.

Leia mais

ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO

ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO ADENOCARCINOMA DE SIGMOIDE AVANÇADO: RELATO DE CASO Guth, G. Z. 1 ; Martins, J. F. F. 2 ; Lourenço, L. A. 3 ; Ataíde, L. O. 4 ; Richwin, N. J. 5 ; Oliveira, J. M. X. 6 ; 1 Diretor do Departamento de Cirurgia

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA Universidade do Minho Escola de Engenharia OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA José Artur Rodrigues Nº 55574 Orientador: Prof. Higino Correia Mestrado

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

25/11 - SEXTA-FEIRA. Sala/Horário SALA RITZ SALA CC1 SALA CC2

25/11 - SEXTA-FEIRA. Sala/Horário SALA RITZ SALA CC1 SALA CC2 I CONGRESSO SUL-SUDESTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA ONCOLÓGICA VI JORNADA DE ONCOLOGIA DO CEPON 25 e 26 de Novembro de 2016 Centro de Convenções - Majestic Palace Hotel - Florianópolis - SC PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Oncologia. Oncologia. Oncologia 16/8/2011 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS. Patologia. Onkos tumor. Logia estudo

Oncologia. Oncologia. Oncologia 16/8/2011 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS. Patologia. Onkos tumor. Logia estudo PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS Onkos tumor Logia estudo Oncologia - Estudo das neoplasias em toda sua extensão, investigando o processo patológico desordenado e incontrolável de proliferação

Leia mais

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Patologia geral Neoplasias - quarta Alunos 4º semestre Prof. Jane Maria Ulbrich Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Material utilizado em sala de aula com alunos Neoplasia Neoplasia:

Leia mais

Como analisar um Rx RADIOGRAFIA. Como olhar um Rx. Técnica. Técnica. Análise TÓRAX

Como analisar um Rx RADIOGRAFIA. Como olhar um Rx. Técnica. Técnica. Análise TÓRAX Como analisar um Rx RADIOGRAFIA TÓRAX VISÃO PANORÂMICA VISÃO DETALHADA DA PERIFERIA PARA O CENTRO SEGUIR UMA SEQÜÊNCIA OBJETIVO Posicionamento Técnica Análise Como olhar um Rx Técnica Posicionamento -

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

Disfagia: Diagnóstico Diferencial

Disfagia: Diagnóstico Diferencial Disfagia: Diagnóstico Diferencial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Doppler venoso dos membros inferiores Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia g Hospitais da Universidade de Coimbra Filipa Reis Costa Interna complementar de Radiologia Hospital de S.

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA NA CIRURGIA DO CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Guilherme Pinto Bravo Neto, TCBC-RJ Prof. Adjunto Departamentoamento de Cirurgia FM UFRJ Coordenador

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Cancro do colo do útero Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Bibliografia Parceiros de informações Introdução O cancro

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008 Disciplina: Pediatria II Prof.: Dra. Miroslava Gonçalves Tema da Aula Teórica: Transplante renal em Pediatria Autores: Ângela Melo Equipa Revisora: Cláudia

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica

Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica Toracoscopia no tratamento do câncer de esôfago Rubens Antonio Aissar Sallum, Flavio Roberto Takeda, Ivan Cecconello Para pacientes portadores de carcinoma de esôfago em boas condições clínica e com estadiamento

Leia mais

Anexo I - Questionário

Anexo I - Questionário Anexo I - Questionário Joana Alexandra de Jesus Amorim, aluna do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a realizar um trabalho de investigação com o título Cirurgia

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Nursing Activities Score

Nursing Activities Score Guia de Orientação para a Aplicação Prática do Nursing Activities Score Etapa 1 Padronização dos Cuidados de Enfermagem, nas seguintes categorias: Monitorização e Controles; Procedimentos de Higiene; Suporte

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC

TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC Mário Sérgio Rocha Macêdo TUMORES DA FARINGE Embriologia e Anatomia Embrião 4 semanas Faringe Embrionária TUMORES DA FARINGE Embriologia e Anatomia TUMORES

Leia mais

Câncer Colorretal Hereditário

Câncer Colorretal Hereditário Câncer Colorretal Hereditário Critérios Diagnósticos João Gomes Netinho jgnetinho@riopreto.com.br Câncer Colorretal Incidência no mundo - 3ª causa mais comum em ambos os sexos - 2ª nos paises desenvolvidos

Leia mais

Os Rins. Algumas funções dos Rins?

Os Rins. Algumas funções dos Rins? Os Rins Os Rins Algumas funções dos Rins? Elimina água e produtos resultantes do metabolismo como a ureia e a creatinina que, em excesso são tóxicas para o organismo; Permite o equilíbrio corporal de líquidos

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 A confecção de acessos vasculares definitivos para hemodiálise (FAV) tornou-se um dos principais procedimentos realizados pelos cirurgiões vasculares em todo o mundo.

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações de Abordagem em Cuidados Continuados Integrados ÚLCERAS DE PRESSÃO PREVENÇÃO Outubro 2007 1 INDICE p. 0 Introdução 2 1 Definição de Úlceras

Leia mais

16-06-2016 1/2 Info Saude

16-06-2016 1/2 Info Saude 16-06-2016 1/2 Info Saude Doença de Hodgkin A doença de Hodgkin (linfoma de Hodgkin) é um tipo de linfoma que se caracteriza por possuir um tipo particular de célula cancerosa, chamada célula de Reed-Sternberg,

Leia mais

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária.

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária. PROCESSO CONSULTA 00009/2011 INTERESSADO: Dr. Marcelo Luiz Feitosa Ferrari CRM/RO 1.366 ASSUNTO: Solicitação de parecer sobre repassagem de Sonda de Gastrostomia. Relatora: Cons. Inês Motta de Morais Senhor

Leia mais