Cirurgia Torácica Videoassistida. Cancro do Pulmão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cirurgia Torácica Videoassistida. Cancro do Pulmão"

Transcrição

1 Cirurgia Torácica Videoassistida Cancro do Pulmão Jorge Cruz Cirurgia Cardio-Torácica Cirurgia II

2 Cirurgia Torácica Graham realiza em 1933 a 1ª pneumectomia Passados 70 anos a cirurgia torácica mudou. Porquê? Avaliação pré-operatória dos doentes: - Pulmonar - Cardíaca - Evolução técnica cirúrgica - Cuidados Intensivos

3 Cirurgia Torácica Métodos diagnósticos: Imagiologia: Rx do Tórax TAC RMN Tomografia de emissão de positrões (PET). Broncofibroscopia

4 Cirurgia Torácica Métodos diagnósticos: - Punção transtorácica por TAC - Toracoscopia diagnóstica - Mediastinoscopia (Estadiamento dos N)

5 Cirurgia Torácica - Diminuiu o número de toracotomias exploradoras - Melhoraram os resultados com menor morbilidade e mortalidade

6 Cirurgia Torácica Cirurgia Torácica Videoassistida Abordagens torácicas: Toracotomia póstero-lateral clássica Cirurgia minimamente invasiva: Toracotomia anterior / lateral Minitoracotomias Cirurgia Torácica Videoassistida

7 Cirurgia Torácica 1 de Janeiro de 2000 / 31 de Dezembro de 2008

8 Cirurgia minimamente invasiva Minitoracotomias Incisão anterior / lateral Cirugia Torácica Videoassistida

9 Cirurgia Torácica videoassistida

10 Cirurgia Torácica Videoassistida Clássica Posterolateral Cirurgia das vias aéreas, pneumectomias e tumores de Pancoast

11 Cirurgia Torácica Videoassistida

12 Cirurgia Torácica Videoassistida Indicações cirurgia torácica videoassistida * Nódulo do pulmão Cirurgia Videoassistida do * Doença do interstício pulmonar Mediastino * Pneumotórax * Enfisema bolhoso * Empiema pleural * Hemotórax * Janela pleuro -pericárdica

13 Cirurgia Torácica Videoassistida

14 Cirurgia Torácica Videoassistida Nódulo do pulmão

15 Cirurgia Torácica Videoassistida Pneumotórax

16 Cirurgia de Redução de Volume Enfisema pulmonar

17 Cirurgia Torácica Videoassistida Enfisema bolhoso

18 Cirurgia de Redução de Volume Enfisema pulmonar

19 Cirurgia de Redução de Volume Enfisema pulmonar

20 Cirurgia de Redução de Volume Enfisema pulmonar

21 Cirurgia Torácica Videoassistida Enfisema bolhoso

22 Cirurgia Torácica Videoassistida Tumores Mediastino

23 Cirurgia Torácica Videoassistida Derrame Pericárdico Neoplásico Cirurgia Videoassistida do Mediastino

24 Cirurgia Torácica Videoassistida Tumores Mediastino *Anteriores Cirurgia Videoassistida do Cirurgia Torácica videoassitida * Neurinomas * Schwanomas Mediastino Biópsia tumor * Posteriores * * * Ressecção Cirurgica por cirurgia torácica videoassistida

25 Cirurgia Torácica Videoassistida Tumores Mediastino

26 Cirurgia Torácica Videoassistida Tumor do Mediastino - Timoma Cirurgia Videoassistida do Mediastino

27 Cirurgia Torácica Videoassistida Simpaticectomia Torácica Videoassistida Sistema Nervoso Simpático Cirurgia Videoassistida do Mediastino * Hiperhidrose Primária * Distrofia Reflexa Simpática * Isquémia Periférica dos Membros Superiores

28 Cirurgia Torácica Videoassistida Simpaticectomia Torácica Videoassistida

29 Cirurgia Torácica Videoassistida - A cirurgia videoassistida e outras abordagens minimamente invasivas = - Diminuição da morbilidade - Diminuição das dores pós operatórias - Diminuição de complicações - Atelectasias - Infecções - Diminuição de dias de internamento

30 Cirurgia do Pulmão Quisto broncogénico

31 Cirurgia do Pulmão Quisto broncogénico

32 Cirurgia do Pulmão Quisto broncogénico

33 Cirurgia do Pulmão Quisto Hidático

34 Cirurgia do Pulmão Quisto Hidático

35 Cirurgia Torácica Estado da Arte Cancro do Pulmão Cirurgia da Traqueia e dos brônquios

36 CANCRO do PULMÃO Thus, primitive cancer of the salivary glands, or of the small intestin, very seldom occur, of the lungs or of the spleen scarcely ever Rokitansky (1849) ( 1º CASO EM 1810 Bayle) É UM TUMOR DO SÉCULO XX/XXI Jorge Cruz

37 CANCRO do PULMÃO HISTÓRIA NATURAL * A história natural do cancro do pulmão não tratado é de uma sobrevivência média de 6 meses e em 15% dos doentes 1 ano * Actualmente é a principal causa de morte oncológica * Mortalidade superior ao somatório do cólon, mama, próstata e pancreas Jorge Cruz

38 CANCRO do PULMÃO Epidemiologia Jorge Cruz

39 CANCRO do PULMÃO Em Portugal: O risco que temos de vir a desenvolver um cancro durante a vida é de cerca de 50% e de vir a morrer de cancro de cerca de 25%. Em Portugal diagnosticam-se, anualmente, entre 40 a 45 mil novos casos de cancro, com um ligeiro predomínio nos doentes do sexo masculino (1,2 ; 1,0 ).

40 CANCRO do PULMÃO

41 CANCRO do PULMÃO

42 CANCRO do PULMÃO Factores de risco: Exposição activa ao tabaco Exposição passiva ao tabaco Ocupacional DPCO Sexo Factores genéticos Dieta Jorge Cruz

43 CANCRO do PULMÃO Epidemiologia Jorge Cruz

44 CANCRO do PULMÃO APRESENTAÇÃO CLINICA: * Sem sintomas 15 % * Tosse 46 % * Perda de peso 32 % * Dispneia 30 % * Dor torácica 30 % * Hemoptise 27 % * Febre 28 % Jorge Cruz

45 CANCRO do PULMÃO Nódulo do pulmão

46 CANCRO do PULMÃO Nódulo do pulmão

47 Cirurgia Torácica Estado da Arte Nódulo do pulmão

48 CANCRO do PULMÃO

49 CANCRO do PULMÃO

50 CANCRO do PULMÃO

51 CANCRO do PULMÃO

52 CANCRO do PULMÃO

53 CANCRO do PULMÃO

54

55 CANCRO do PULMÃO

56 CANCRO do PULMÃO

57 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

58 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

59 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

60 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

61 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

62 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

63 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

64 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

65 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

66 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

67 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

68 CANCRO do PULMÃO Carcinóide

69 Cancro do pulmão - Consumo do tabaco que têm 60 componentes cancerígenos para além da nicotina. - Diagnóstico precoce

70 Cancro do pulmão Rastreios de diagnóstico precoce do cancro do pulmão? Com rastreio em cada 100 pessoas que morrem de cancro de pulmão 35 poderiam ser salvas

71 Cancro do pulmão Porque não se fazem rastreios? Anos 70 os rastreios com Rx de tórax e pesquisa de células neoplásicas na expectoração não foram considerados eficientes

72 Cancro do pulmão Actualmente decorrem estudos de diagnóstico precoce nos EUA e outros países europeus TAC com baixa densidade nos grupos de risco

73 Cirurgia Torácica Estado da Arte 1. O progresso ao nível dos meios de diagnóstico, avaliação pré operatória, e cuidados pós - operatórios tem permitido aumentar os graus de segurança e eficácia da Cirurgia Torácica 2. A cirurgia minimamente invasiva tem diminuido a morbilidade e mortalidade da Cirurgia Torácica

74 Cirurgia Torácica Estado da Arte Objectivos a desenvolver: - Cirurgia das vias aéreas -Tumores de Pancoast - Cirurgia videoassistida - Cirurgia de Redução de Volume - Transplante Pulmonar

75 Cirurgia Torácica Estado da Arte Objectivos a desenvolver: * Diagnóstico precoce do cancro do pulmão * Actualmente um dos principais problemas de saúde pública nos países desenvolvidos

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Cancro do Pulmão O DESAFIO CONSTANTE Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Telma Sequeira Interna de Formação Complementar de Pneumologia Amadora,

Leia mais

Cirurgia Videoassistida do Mediastino

Cirurgia Videoassistida do Mediastino Jorge Cruz Cirurgia Cardiotorácica Hospital de Santa Maria Cirurgia Torácica Videoassistida * Iniciámos CTVA em 1993 em Zurique com Inderbitzi * Cirurgia Pleuro- Pulmonar Novas abordagens: * Simpaticectomia

Leia mais

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 No Índice da Lista Tabular da CID-9-MC, as Doenças do Aparelho Respiratório encontram-se referenciadas

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências Leonardo Oliveira Moura Infecções pulmonares A radiografia simples é habitualmente o exame de imagem mais empregado, pelo seu menor custo e alta disponibilidade,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

Abordagem do doente com DPOC Agudizada

Abordagem do doente com DPOC Agudizada 2010 Abordagem do doente com DPOC Agudizada Amélia Feliciano Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital Pulido Valente Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) Resposta inflamatória anómala dos pulmões a

Leia mais

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal Dossier Informativo Osteoporose Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal 2008 1 Índice 1. O que é a osteoporose? Pág. 3 2. Factores de risco Pág. 4 3. Prevenção Pág. 4 4. Diagnóstico

Leia mais

PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GAFFRÉE GUINLE.

PROGRAMA RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GAFFRÉE GUINLE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GAFFRÉE GUINLE RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 PROGRAMA Torácica U N I R I O A B R I L / 2 0 1 3 C O S E A / P R O G R A D 1) O achado mais

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA Universidade do Minho Escola de Engenharia OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA José Artur Rodrigues Nº 55574 Orientador: Prof. Higino Correia Mestrado

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, relativos ao risco cirúrgico. Julgue os itens subsequentes, acerca do quilotórax. UnB/CESPE INCA 41 Os elementos para avaliação do risco cirúrgico são

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P.

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. RASTREIO DO CANCRO DO CÓLON C E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. COR Grupo de trabalho do RCCR 12 Janeiro 2009 Segundo a OMS, o cancro do cólon e do recto, constitui a nível mundial

Leia mais

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Coordenação de Pesquisa Clínica - INCA Serviço de Oncologia Clínica - HSE COI - Clínicas Oncológicas Integradas Definição de emergência oncológica

Leia mais

IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS FÁBIA GAMA SILVA ORIENTADOR: PROF. DR. EVANGELISTA ROCHA CO ORIENTADOR: MESTRE PAULO JORGE NICOLA INTRODUÇÃO

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 11 Caso seja constatada estenose no referido paciente, o. 12 As entubações de até dez dias a que o paciente fora submetido

PROVA OBJETIVA. 11 Caso seja constatada estenose no referido paciente, o. 12 As entubações de até dez dias a que o paciente fora submetido Cada um dos itens da prova objetiva está vinculado ao comando que imediatamente o antecede. De acordo com o comando a que cada um deles esteja vinculado, marque, na folha de respostas, para cada item:

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Propedêutica no Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Profª Daniele Domingues Zimon Profª Adriana Cecel Guedes DPOC DPOC é um estado patológico caracterizado pela limitação

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Anexo III. Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos

Anexo III. Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos Anexo III Alterações a secções relevantes do resumo das características do medicamento e folhetos informativos Nota: Este Resumo das Características do Medicamento e o folheto informativo resultam do procedimento

Leia mais

CIRURGIA TORÁCICA. 02. Sobre derrame pleural, marque a alternativa correta.

CIRURGIA TORÁCICA. 02. Sobre derrame pleural, marque a alternativa correta. CIRURGIA TORÁCICA 01. Paciente masculino, 35 anos, previamente hígido e com diagnóstico de broncopneumonia comunitária diagnosticado há cerca de 3 dias e em uso de azitromicina desde então. Comparece ao

Leia mais

Coloque, de imediato, o seu número de inscrição e o número de sua sala, nos retângulos abaixo.

Coloque, de imediato, o seu número de inscrição e o número de sua sala, nos retângulos abaixo. &$5*2 9;:=@?A*B'C=%BED-F@BGA!HID#=/?,=JGK:E?9,L 9NM4:O-H#BL 9! #"%$'&(*),+-)#"/.0"%)#"%$%+-12)43654"7+-$%8 TVUEWX,YKZ'[K\6]^_Y-`^%W;aK^/X#^/b>^Ja(cdUefaYI^g]4Uhji,U`%Y P QKR k lnmovm S p,qsrutfv,vxwkq6pq

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Faculdade de Medicina de Lisboa Instituto de Medicina Preventiva Disciplina de Medicina Geral e Familiar (5º Ano) Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Medicina Curativa e Medicina Preventiva Saúde versus

Leia mais

Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos

Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos Esta prova tem a duração de 30 minutos. O total das perguntas equivale a 20 valores. Marque com V/F (verdade ou falso) na folha de resposta. As respostas erradas descontam 25% do valor de cada resposta

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

IMPORTANCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA EM DOENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE RENAL E HEPÁTICO

IMPORTANCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA EM DOENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE RENAL E HEPÁTICO IMPORTANCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA EM DOENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE RENAL E HEPÁTICO Pereira, V.; Branco, E.; Menezes, M.D.; Silva, C.A.; Silveira, A.; Ventura, F.; Tomás, T. Novembro 2003 FUNDAMENTAÇÃO

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

Conferência do Fórum Gulbenkian de Saúde, Auditório 2, Fundação Calouste Gulbenkian.

Conferência do Fórum Gulbenkian de Saúde, Auditório 2, Fundação Calouste Gulbenkian. Conferência do Fórum Gulbenkian de Saúde, Auditório 2, Fundação Calouste Gulbenkian. Serviço de Saúde e Desenvolvimento Humano Valores em euros Encargos com pessoal 323 430 Despesas de funcionamento 74

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Câncer de Pulmão. Epidemiologia. II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010. Epidemiologia. Quadro clínico. Exames complementares

Câncer de Pulmão. Epidemiologia. II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010. Epidemiologia. Quadro clínico. Exames complementares Câncer de Pulmão II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010 Epidemiologia Quadro clínico Exames complementares Estadiamento Tratamento Epidemiologia 1 Tabagismo 90% dos casos ocorrem em fumantes

Leia mais

O QUE É? É UM EVENTO GLOBAL QUE UNE A POPULAÇÃO EM TORNO DA LUTA CONTRA O CANCRO; DESTINA-SE A SALVAR VIDAS HUMANAS, ATRAVÉS DA SENSIBILIZAÇÃO E

O QUE É? É UM EVENTO GLOBAL QUE UNE A POPULAÇÃO EM TORNO DA LUTA CONTRA O CANCRO; DESTINA-SE A SALVAR VIDAS HUMANAS, ATRAVÉS DA SENSIBILIZAÇÃO E O QUE É? É UM EVENTO GLOBAL QUE UNE A POPULAÇÃO EM TORNO DA LUTA CONTRA O CANCRO; DESTINA-SE A SALVAR VIDAS HUMANAS, ATRAVÉS DA SENSIBILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO; É UMA OPORTUNIDADE PARA REFLETIR E PARA AGIR!

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

Amputação do membro inferior

Amputação do membro inferior Amputação do membro inferior QUE REABILITAÇÃO? I. Pereira, A. Cadete, A. Dias, C. Vera-Cruz, L. Prates, P. Beckert, A. Coelho, C. Martinho, D. Patinha, M. J. Soares Serviço de Medicina Física e de Reabilitação

Leia mais

A DE SINTOMAS NÃO REPRESENTA DE DOENÇA. Rastreio do AAA. em Portugal

A DE SINTOMAS NÃO REPRESENTA DE DOENÇA. Rastreio do AAA. em Portugal Rastreio do AAA em Portugal RASTREIO DO AAA EM PORTUGAL Racional do Projecto da Saúde RASTREIO DO AAA EM PORTUGAL RACIONAL DO PROJETO Racional do Projecto RASTREIO DO AAA EM PORTUGAL RACIONAL DO PROJETO

Leia mais

Tuberculose - Breve Revisão Clínica

Tuberculose - Breve Revisão Clínica Tuberculose - Breve Revisão Clínica - 0 - Apoio cientifico de: Observatório Nacional das Doenças Respiratórias Associação Nacional da Tuberculose e Doenças Respiratórias Índice A Tuberculose --------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital São José São SoPaulo uo Caso 1 Paciente com 70 anos, fumante crônico 20 cig/d/42 anos,,p parou há 11 anos, tosse há 3 meses Rx de tórax: massa em LIE

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO

SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO www.medialcare.pt SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO 1 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Com a colaboração de uma especialista em Nutrição, propomos apresentar a temática

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Como analisar um Rx RADIOGRAFIA. Como olhar um Rx. Técnica. Técnica. Análise TÓRAX

Como analisar um Rx RADIOGRAFIA. Como olhar um Rx. Técnica. Técnica. Análise TÓRAX Como analisar um Rx RADIOGRAFIA TÓRAX VISÃO PANORÂMICA VISÃO DETALHADA DA PERIFERIA PARA O CENTRO SEGUIR UMA SEQÜÊNCIA OBJETIVO Posicionamento Técnica Análise Como olhar um Rx Técnica Posicionamento -

Leia mais

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Serviço de Imagiologia dos H.U.C. História Clínica J.L.O.C. Sexo: Masculino Idade: 42 anos Raça: Caucasiana Natural e residente: Coimbra Profissão: motorista

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB É uma doença psiquiátrica que leva as pessoas a acreditarem que

Leia mais

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios)

Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose Ponto da Situação Epidemiológica e de Desempenho (dados provisórios) Dia Mundial da Tuberculose 24 de março de 2013 Índice Introdução... 3 Metodologia...

Leia mais

Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve

Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve Filomena Horta Correia Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARSA, IP 15 de Setembro de 2010 O cancro da mama é o

Leia mais

SIMPÓSIO INOVAÇÃO E CONTROVÉRSIA EM ONCOLOGIA

SIMPÓSIO INOVAÇÃO E CONTROVÉRSIA EM ONCOLOGIA SIMPÓSIO INOVAÇÃO E CONTROVÉRSIA EM ONCOLOGIA Cuidados partilhados com a Medicina Geral e Familiar Fundação Champalimaud 26-27 setembro 2014 Organização - Fundação Champalimaud António Parreira Jorge Fonseca

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIATORÁCICA PROCEDIMENTOS E HONORÁRIOS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIATORÁCICA PROCEDIMENTOS E HONORÁRIOS SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIATORÁCICA PROCEDIMENTOS E HONORÁRIOS ATIVIDADES CLÍNICAS Consulta em consultório 178,48 Acompanhamento enfermaria - diária 178,48 Acompanhamento UTI - diária 178,48 Consulta

Leia mais

Doenças do foro neurológico

Doenças do foro neurológico Escola Básica de Eugénio de Castro Disciplina de Área de Projecto 2009/2010 Doenças do foro neurológico Trabalho realizado por: Ana Carolina Simões de Sousa nº2 Francisco Morgado Duarte nº8 Gustavo André

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA

PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA Definições Doença crônica: Persiste por períodos superiores a seis meses e não se resolve em um curto espaço de tempo e apresentam efeitos de longo prazo, difíceis de

Leia mais

Anexo I - Questionário

Anexo I - Questionário Anexo I - Questionário Joana Alexandra de Jesus Amorim, aluna do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a realizar um trabalho de investigação com o título Cirurgia

Leia mais

FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS (FTE)

FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS (FTE) XXXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA V CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS E BRONCOPLEURAIS - DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO - JORGE ROLDÃO VIEIRA BRASILIA NOVEMBRO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 56

PROVA ESPECÍFICA Cargo 56 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 56 QUESTÃO 26 O principal suprimento arterial para músculo peitoral maior é fornecido pela artéria: a) toracodorsal. b) subescapular. c) toracoacromial. d) torácica interna. QUESTÃO

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH

Conhecendo o vírus v. Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o vírus v da Sida Vírus da Imunodeficiência Humana VIH Conhecendo o Vírus da Sida O vírus entra na corrente sanguínea; Determina a posição exacta e reconhece os linfócitos T helper, fixando-se

Leia mais

Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte

Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte Universidade Nova de Lisboa Escola Nacional de Saúde Pública Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte Carlos Costa Estatística e Qualidade na Saúde 2008 VI Conferência Lisboa, 20 de Novembro

Leia mais

Nódulo pulmonar de novo?

Nódulo pulmonar de novo? Cecília Pacheco, João F Cruz, Daniela Alves, Rui Rolo, João Cunha 44º Curso Pneumologia para Pós-Graduados Lisboa, 07 de Abril de 2011 Identificação -D.B., 79 anos, sexo masculino, caucasiano. -Natural

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO 2013. Maio 2013

ACTUALIZAÇÃO 2013. Maio 2013 ACTUALIZAÇÃO 2013 Maio 2013 As versões anteriores do PNSIJ 1992 2002 2005 Saúde infantil e juvenil: Programatipo de actuação Saúde infantil e juvenil: Programatipo de actuação (Orientações Técnicas) Idem

Leia mais

LOMBALGIA. Prof. Jefferson Soares Leal Turma: Fisioterapia e Terapia Ocupacional Faculdade de Medicina da UFMG

LOMBALGIA. Prof. Jefferson Soares Leal Turma: Fisioterapia e Terapia Ocupacional Faculdade de Medicina da UFMG LOMBALGIA Prof. Jefferson Soares Leal Turma: Fisioterapia e Terapia Ocupacional Faculdade de Medicina da UFMG Aula e bibliografia atualizadas estarão disponíveis para os alunos no site: www.portalvertebra.com.br

Leia mais

Derrotar o cancro do útero

Derrotar o cancro do útero Portuguese translation of Beating cervical cancer The HPV vaccine questions and answers for parents of girls in Year 9 Derrotar o cancro do útero A vacina HPV perguntas e respostas para os pais de jovens

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

Urologia. 08-03-2014 Jornadas de Enfermagem em

Urologia. 08-03-2014 Jornadas de Enfermagem em Laparoscopia em Laparoscopia Também chamada de Cirurgia minimamente invasiva, Cirurgia de buraco de fechadura (Keyhole); é uma técnica cirúrgica moderna, em que são efetuadas pequenas incisões no abdómen

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

TABACO. Uma questão de hábito ou uma questão de óbito? Pare de fumar enquanto é tempo!

TABACO. Uma questão de hábito ou uma questão de óbito? Pare de fumar enquanto é tempo! TABACO Uma questão de hábito ou uma questão de óbito? Pare de fumar enquanto é tempo! O cigarro contém: NICOTINA [substância também presente nos insecticidas] EFEITOS IMEDIATOS: TREMOR DAS MÃOS AUMENTO

Leia mais

XIX JORNADAS DE CARDIOLOGIA DE SANTARÉM

XIX JORNADAS DE CARDIOLOGIA DE SANTARÉM XIX JORNADAS DE CARDIOLOGIA DE SANTARÉM ESCALA DE AUTO-CUIDADO PARA A PESSOA COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA C. Marques, E. Rebola, M. Lopes, T. Pequito Porquê? A IC constitui-se como um grande problema de

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

Programa Regional de Prevenção e Controlo. das. Doenças Respiratórias

Programa Regional de Prevenção e Controlo. das. Doenças Respiratórias Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Respiratórias Índice 1. Contextualização... 3 Parte I... 4 Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica... 4 2. População Alvo... 4 3. Objectivos... 4 4. Indicadores

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA coren-ro.org.br http://www.coren-ro.org.br/parecer-tecnico-no-0122012-aspiracao-de-pacientes-internados-em-hospitais-de-quem-e-acompetencia_1165.html PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES

Leia mais

Nome: Data: 03/11/2015

Nome: Data: 03/11/2015 Nome: Data: 03/11/2015 1) Paciente masculino, 59 anos, diabético e portador de câncer de próstata, está no início do tratamento de radioterapia. Desde o início do tratamento, reparou algumas alterações

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Projectos e Trajectos

Projectos e Trajectos PROCESSOS DE RECOMPOSIÇÃO SOCIAL E RECONFIGURAÇÃO CULTURAL Projectos e Trajectos Jovens descendentes de imigrantes Jovens com baixa qualificação e experiência profissional Imigrantes profissionais JOVENS

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão 1 Alguns factos históricos da epidemia tabágica Consumo de cigarros raro em 1900 (EUA: 54 cig/pessoa/ano)

Leia mais

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Definição Nódulo pulmonar é uma estrutura circular de margens definidas, de 2 a 30 mm de diâmetro. Micronódulo menos de

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA TORÁCICA OUT/2008 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO REALIZAÇÃO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA

Leia mais

a negrito, entre parêntesis, a seguir à afirmação a que se referem por exemplo (Evidência A).

a negrito, entre parêntesis, a seguir à afirmação a que se referem por exemplo (Evidência A). INTRODUÇÃO A Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) é uma das principais causas de morbilidade crónica e mortalidade em todo o mundo. A DPOC é actualmente a quarta causa principal de morte a nível mundial

Leia mais

AGRADECIMENTOS. Gostaria de agradecer ao Prof. Dr. Carlos Robalo Cordeiro pela ajuda prestada, não só

AGRADECIMENTOS. Gostaria de agradecer ao Prof. Dr. Carlos Robalo Cordeiro pela ajuda prestada, não só AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer ao Prof. Dr. Carlos Robalo Cordeiro pela ajuda prestada, não só na escolha do tema, como também por todo o apoio dado e grande disponibilidade para a realização deste

Leia mais

Observação em Promoção da Saúde e Doenças Crónicas

Observação em Promoção da Saúde e Doenças Crónicas Observação em Promoção da Saúde e Doenças Crónicas Dia do INSA A Observação de Saúde, função colaborativa -atribuições, actividades e perspectivas futuras Porto, 27 Setembro 2010 Departamento de Promoção

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA TORÁCICA TÍTULO DE ESPECIALISTA EDITAL 2011.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA TORÁCICA TÍTULO DE ESPECIALISTA EDITAL 2011. SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA TORÁCICA TÍTULO DE ESPECIALISTA EDITAL 2011. Conforme estabelecido pelo Estatuto da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica (SBCT), o exame anual para obtenção do Título

Leia mais