Recursos Didáticos e a motivação dos alunos em EAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recursos Didáticos e a motivação dos alunos em EAD"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Recursos Didáticos e a motivação dos alunos em EAD ALVARO TADDEO FREITAS

2 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO APRENDIZAGEM EM AMBIENTE VIRTUAL Recursos Didáticos e a motivação dos alunos em EAD ALVARO TADDEO FREITAS Orientador: Prof. Ms. Ivan Carlos Alcântara de Oliveira Monografia apresentada ao Programa de Pós- Graduação, da Universidade Cruzeiro do Sul, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Especialista em Educação em Ambientes Virtuais. SÃO PAULO 2011

3 FICHA CATALOGRÁFICA Freitas, Alvaro Taddeo Recursos Didáticos e a motivação dos alunos em EAD / A.T. Freitas. -- São Paulo, p. Monografia (Especialização em Educação em Ambientes Virtuais) Universidade Cruzeiro do Sul. 1.Educação a Distância 2.Recursos didáticos 3.Ambiente Virtual de Aprendizagem 4.Material didático I. Universidade Cruzeiro do Sul II.t.

4 DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho a minha família que tem me incentivado e compreendido a minha ausência durante as diversas noites e finais de semana que passei estudando. Dedico também a todos os professores da UniCSul que tanto me ensinaram nos últimos meses, e em especial ao meu Mestre e orientador, Prof. Ivan Carlos Alcântara de Oliveira.

5 AGRADECIMENTOS O meu agradecimento especial vai para cada pessoa que colaborou participando do curso disponibilizado para esta pesquisa. Muitos colegas prontos a ajudar nessa pesquisa científica e outros tantos de vários cantos do Brasil que não tive a oportunidade de conhecer. Agradeço também ao Giovani Farias por ter me apresentado o Moodle como uma poderosa ferramenta de ensino. Sem esse conhecimento, as pesquisas desse trabalho não teriam sido possíveis.

6 EPÍGRAFE A essência do conhecimento consiste em aplicá-lo, uma vez possuído Confúcio

7 RESUMO A presente monografia Recursos Didáticos e a motivação dos alunos em EAD consolida uma investigação voltada para responder a seguinte pergunta: Acrescentar recursos de áudio, animação e interação nos materiais didáticos em EaD para Ambientes Virtuais de Aprendizagem possibilita maior aceitação por parte do aluno e o motiva a querer aprender?. Esse trabalho, inicialmente investiga na literatura os diferentes estilos de aprendizagem propostos por Richard Felder baseado nos estudos de Carl Jung, onde a individualidade de cada aprendiz é analisada e classificada mediante critérios psicológicos individuais, relacionando as situações que melhor estimulam o aluno a aprender. Em seguida, discorre sobre as dimensões do processo cognitivo propostas por Bloom na sua obra Taxonomia dos objetos de aprendizado, onde o autor relaciona cada passo do processo de aprendizagem, desde a simples capacidade do aluno em reconhecer algo que lhe foi ensinado, até a capacidade do mesmo em criar algo novo baseado nas informações por ele adquiridas. Para terminar a revisão teórica, a presente monografia trata da classificação dos métodos de ensino proposta por Edgar Dale e culmina no Cone do Aprendizado, onde o pesquisador classifica as técnicas de ensino pela sua eficiência pedagógica, de símbolos verbais, visuais e filmes até experiências mais ativas como dramatização, debate, simulação e experimentação real. Posteriormente, um curso foi criado e disponibilizado na internet, dispondo conteúdos na forma de texto, imagem, áudio e animação contendo alguma interação. Para cada um dos participantes, uma avaliação foi proposta, objetivando medir a aprendizagem em cada tratamento do conteúdo. No final do período da pesquisa, os resultados foram estatisticamente analisados e foi possível identificar que quando os recursos são apresentados com maior diversidade de formas de apresentação, maior é o número de alunos que se veem atraídos e motivados pelo conteúdo, gerando assim uma média melhor no resultado da avaliação. Palavras chave: ensino a distância; ambiente virtual de aprendizagem; recurso didático; material didático

8 ABSTRACT This monograph "Educational resources and motivation of students in distance education" consolidates a study aimed to answer the following question: "Add audio features, animation and interaction in the learning materials for distance learning in Virtual Learning Environments provides greater acceptance by the student and motivates them to want to learn?". Initially this work investigates in the literature the different learning styles proposed by Richard Felder based on studies of Carl Jung, where the individuality of each learner is analyzed and classified by individual psychological criteria, relating the situations that best stimulate the student to learn. Then discusses the dimensions of the cognitive process proposed by Bloom in his book "Taxonomy of learning objects", where the author relates each step in the process of learning, from simple student's ability to recognize something that was taught to the same capacity to create something new based on the information acquired. To conclude the literature review, this monograph deals with the classification of teaching methods proposed by Edgar Dale and culminates in the "Cone of Learning", where the researcher classifies the teaching techniques for their pedagogical efficiency of verbal symbols, visual and film to more active experiences such as drama, debate, simulation and actual experimentation. Later, a course was created and made available on the Internet, providing content in text form, image, audio and animation with a little interaction. For each participant, an assessment was proposed, aiming to measure the learning content for each treatment. At the end of the study, the results were statistically analyzed and it was possible to identify that, where resources are presented with greater diversity of forms of presentation, the greater the number of students that are attracted and motivated by the content, in that way, generating a better average on the evaluation s outcome. Key words: distance learning, virtual learning environment, teaching resource, teaching materials.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1 - Estilos de Aprendizagem - adaptado de Felder por Senra (2009)...16 Ilustração 2 - Categorias do domínio cognitivo - Taxonomia de Bloom, adaptado de Ferraz (2010)...18 Ilustração 3 - Categorização atual da Taxonomia de Bloom proposta por Anderson (2001), adaptado de Ferraz (2010)...19 Ilustração 4 - Cone do Aprendizado de Edgar Dale, adaptado de (DALE, 1946)...20 Ilustração 5 - Adaptação do cone de Dale por Bruce Hyland, adaptado da publicação do METIRI GROUP (2008)...22 Ilustração 6 - Cone do aprendizado de Edgar Dale, terceira edição, adaptado da publicação do METIRI GROUP (2008)...23 Ilustração 7- Categorias de Bloom eleitas para a pesquisa, Anderson (2001), adaptado de Ferraz (2010)...28 Ilustração 8 - Exemplo de questão para avaliar o conhecimento...31 Ilustração 9 - Exemplo de questão para avaliar a capacidade de análise...34 Ilustração 10 - Avaliação de conhecimento prévio...34 Ilustração 11 - Questão relativa a percepção do aluno em relação ao tipo de recurso educacional e o seu aprendizado...34 Ilustração 12 - Questões extras relacionadas a idade e escolaridade do aluno...35 Ilustração 13 Comparação das médias da hipótese da Narração...43 Ilustração 14 Comparação das médias da hipótese da Animação...46 Ilustração 15 Comparação das médias da hipótese da Animação com a Narração...49 Ilustração 16 Comparação das médias da hipótese da Interação...52 Ilustração 17 Comparação entre todos os tratamentos...55 Ilustração 18 - Comparativo de Duncan...56 Ilustração 19 - Teste de Duncan para 2 médias...56

10 Ilustração 20 - Teste de Duncan para 3 médias...57 Ilustração 21 - Teste de Duncan para 4 médias...57 Ilustração 22 - Conclusão do teste de Duncan...57 Ilustração 23 - Gráfico de dispersão do Custo vs. Benefício...60 Ilustração 24 - Resultado da preferência do aluno...61

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Relação entre aprendizado e alguns recursos didáticos, adaptado da publicação do METIRI GROUP (2008)...24 Tabela 2 - Relação de INCOTERMS, adaptado de (INCOTERMS, 2010)...26 Tabela 3 - Estrutura e Organização do Curso: Relação de Conteúdo educacional por Recurso didático...27 Tabela 4 - Relação de questões para avaliação de conhecimento (Primeira Categoria de BLOOM)...29 Tabela 5 - Relação de questões para avaliação de análise...33 Tabela 6 Itens do curso INCOTERMS com e sem narração que envolvem a Hipótese O recurso didático narração tem pouca influência no bom resultado da avaliação do curso!...36 Tabela 7 - Itens do curso INCOTERMS com e sem animação que envolvem a Hipótese O recurso didático animação tem pouca influência no bom resultado da avaliação do curso!...37 Tabela 8 - Itens do curso INCOTERMS com narração e animação associadas a Hipótese Os recursos didáticos animação e narração produzem o mesmo efeito no resultado da avaliação do curso!...37 Tabela 9 - Itens do curso INCOTERMS com e sem interação associadas a Hipótese A interação tem pouca influência no bom resultado da avaliação do curso!...38 Tabela 10 Itens do curso INCOTERMS com múltiplas combinações de recursos didáticos associadas a Hipótese As combinações entre os recursos didáticos texto e imagem, narração, animação e interação produzem o mesmo efeito no resultado da avaliação do curso!...39 Tabela 11 - Resultado da avaliação do curso INCOTERMS relativo aos Itens de Conteúdo associados à Hipótese O recurso didático narração tem pouca influência no bom resultado da avaliação do curso!...42 Tabela 12 Quadro de ANOVA da hipótese da Narração...43

12 Tabela 13 - Resultado da avaliação do curso INCOTERMS relativo aos Itens de Conteúdo associados a Hipótese O recurso didático animação tem pouca influência no bom resultado da avaliação do curso!...45 Tabela 14 Quadro de ANOVA da hipótese da Animação...46 Tabela 15 - Resultado da avaliação do curso INCOTERMS relativo aos Itens de Conteúdo associados a Hipótese Os recursos didáticos animação e narração produzem o mesmo efeito no resultado da avaliação do curso!...48 Tabela 16 Quadro de ANOVA da hipótese da Animação...49 Tabela 17 - Resultado da avaliação do curso INCOTERMS relativo aos Itens de Conteúdo associados a Hipótese A interação tem pouca influência no bom resultado da avaliação do curso!...51 Tabela 18 Quadro de ANOVA da hipótese da Interação...52 Tabela 19 - Resultado da avaliação do curso INCOTERMS relativo aos Itens de Conteúdo associados a Hipótese As combinações entre os recursos didáticos texto e imagem, narração, animação e interação produzem o mesmo efeito no resultado da avaliação do curso!...54 Tabela 20 Quadro de ANOVA de todos os tratamentos...55 Tabela 21 - Escala de dificuldade/custo de produção...59 Tabela 22 - Relação de Dificuldade e Benefício...59

13 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AVA EaD TIC MOODLE MEC Ambiente Virtual de Aprendizagem Ensino a Distância Tecnologia de Informação e da Comunicação Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Ministério da Educação e Cultura

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO TEÓRICO Estilos de Aprendizagem Dimensões do processo cognitivo Classificação de Edgar Dale DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO Escolha do AVA Escolha do conteúdo didático e do Curso Organização e Estrutura do Curso Avaliação do Curso As hipóteses Análise dos dados CONCLUSÃO...62 REFERÊNCIAS...65

15 14 1 Introdução Apesar do sucesso do Ensino a Distância nesta sociedade onde a Tecnologia da Informação e da Comunicação se faz tão presente, algumas verdades ainda assombram os Educadores, e a principal delas trata do sensível índice de rejeição ao ensino a distância com relação ao presencial. Muitas pessoas, por simples preconceito, se recusam a aceitar a Educação a Distância (EaD) como opção de aprendizado por julgá-lo ineficiente. Outras, experimentam e não encontram ânimo para continuar, desistindo no caminho. Objetivando aumentar a aceitação do público à EaD, a questão central deste trabalho de pesquisa é: Acrescentar recursos de áudio, animação e interação nos materiais didáticos em EaD para Ambientes Virtuais de Aprendizagem possibilita maior aceitação por parte do aluno e o motiva a querer aprender? Este trabalho objetiva identificar na literatura o que os teóricos já desenvolveram a esse respeito. Objetiva também, realizar um experimento prático para tentar encontrar resposta a essa pergunta.

16 15 2 Enquadramento Teórico Visando um melhor esclarecimento sobre os conceitos utilizados durante a pesquisa, abordaremos brevemente nas subseções a seguir os assuntos Estilos de Aprendizagem, Dimensões do Processo Cognitivo e Classificação de Edgar Dale Estilos de Aprendizagem Para que se possa avaliar se a apresentação de um conteúdo didático a um aluno surtiu ou não o efeito desejado, é preciso, antes de mais nada, se ter em mente que a educação, é não somente um processo de ensino, mas de ensino-aprendizado. Portanto, levar em consideração somente o material didático, ignorando os diferentes aspectos do receptor, ou seja, do aluno, seria um erro. Cavellucci (2003) no seu trabalho Estilos de aprendizagem: em busca das diferenças individuais identificou alguns estilos de aprendizagem baseados nos modos como as pessoas veem o mundo, esses modos, descritos por Jung (1991), são: Extroversão Introversão Sensação Intuição Pensamento Sentimento Julgamento Percepção Para Richard M. Felder (1988), os estilos de aprendizagem, são uma característica/preferência dominante, por parte do aluno, na forma de como eles aprendem, passível, inclusive, de ser modificada. Assim, se o recurso de aprendizagem coincide com o estilo de aprender deste aluno, acaba por repercutir positivamente no seu aprendizado. Em (FELDER; SILVERMAN, 1988) pode-se encontrar as cinco dimensões de estilos de aprendizagem: Sensorial Intuitivo Visual Verbal Indutivo Dedutivo Ativo Reflexivo Seqüencial Global Para (SENRA, 2009), a dimensão sensorial/intuitivo está ligada aos sentidos, ou seja, o que é tocado, ouvido ou visto; e intuitiva, através de memória, reflexão e

17 16 imaginação. A dimensão visual/verbal, está ligada a forma com que o aluno recebe a informação, se visual, ele prefere os gráficos e as figuras, se verbal, prefere os textos, narrações e formulações matemáticas. Na dimensão indutivo/dedutivo, os indutivos preferem começar por casos específicos e ir construindo até chegar aos princípios e teorias. No caso dos dedutivos, eles preferem começar com princípios e teorias gerais e então deduzir as conseqüências até chegar às aplicações. Na dimensão ativo/reflexivo, os aprendizes ativos preferem processar a informação realizando alguma atividade e testando o conteúdo, já os reflexivos preferem primeiro refletir calmamente sobre a informação para então, colocá-la em prática. A dimensão seqüencial/global trata os alunos pela forma com que aprendem, de maneira seqüencial, se ele vai assimilando o conteúdo de parte em parte, seguindo alguma lógica, até entender o todo; ou global, quando, para obter melhor desempenho, o aluno carece de ter uma visão geral do objetivo final do conteúdo. Na Ilustração 1 pode-se visualizar os estilos de aprendizagem segundo o modelo do Felder. Sensorial Percepção Intuitivo Visual Entrada Verbal Indutivo Organização Dedutivo Ativo Processamento Reflexivo Seqüencial Entendimento Global Ilustração 1 - Estilos de Aprendizagem - adaptado de Felder por Senra (2009)

18 Dimensões do processo cognitivo O processo de aprendizagem é algo que nem sempre é rápido e direto como se deseja. É sabido que o processo cognitivo possui vários níveis de maturidade até atingir a sua plenitude. Uma criança demora certo tempo para começar a pronunciar as primeiras palavras. Depois, com um maior domínio, passa a arriscar algumas frases feitas. Depois de muito treino, começa a criar sua própria estrutura, para então, criar seu próprio estilo. Essa maturidade, não acontece somente na infância, mas em todos os momentos onde novas informações passam a fazer parte do indivíduo e se transformam em competência. Essas fases ou dimensões do processo cognitivo vêm sendo cuidadosamente estudadas ao longo dos tempos, porém, foi a partir dos anos 40, depois de uma publicação no Journal of Educational Research escrita pelo estudioso Benjamin Bloom que as teorias sobre o processo cognitivo passaram a assumir o formato que conhecemos hoje. Em 1956, com a publicação da Taxonomia de Bloom, o processo cognitivo passou a ser aceito em seis etapas que vão desde o simples fato de se ter retido uma determinada informação até atingir o nível, de poder tecer os mais significantes julgamentos sobre tal conceito. As categorias, obtidas de Ferraz (2010) e apresentadas na ilustração 2, foram assim definidas: Conhecimento O aluno é capaz de recordar ou reconhecer informações, ideias, e princípios na forma em que foram aprendidos. Compreensão O aluno traduz, compreende ou interpreta informação com base em uma bagagem prévia de conhecimentos adquiridos. Aplicação O aluno seleciona e usa dados e princípios para resolver um problema ou tarefa. Análise O aluno identifica, qualifica, classifica, e relaciona hipóteses, evidências ou estruturas de uma questão. Síntese O aluno cria e combina ideias para formar uma proposta totalmente nova.

19 18 Avaliação O aluno observa, reflete, avalia e critica com base em critérios específicos. 6 - Avaliação 5 - Síntese 4 - Análise 3 - Aplicação 2 - Compreensão 1 - Conhecimento Ilustração 2 - Categorias do domínio cognitivo - Taxonomia de Bloom, adaptado de Ferraz (2010) Porém, com o avanço dos estudos na área da educação, muito se tem evoluído, inclusive na compreensão das etapas do processo cognitivo tanto para a pedagogia quanto para a andragogia. Assim, a proposta iniciada por Bloom sofreu algumas alterações e hoje é conhecida como a taxonomia revisada de Bloom. A nova proposta, obtidas de Ferraz (2010) e apresentadas na ilustração 3, ficou assim: Lembrar Lembrar significa reconhecer e recordar informações importantes da memória. Entender Entender é fazer sua própria interpretação do conteúdo educacional transferido pelo professor. Aplicar Aplicar significa saber utilizar o conteúdo ensinado em uma nova contextualização, é como pegar um balde vermelho e uma lanterna e fazer uma sinalização de emergência.

20 19 Analisar Analisar é poder dividir o conhecimento aprendido em células menores, e então, poder reorganizar, acrescentando fragmentos de conhecimento prévio, formando uma nova solução para o problema. Avaliar Avaliar significa verificar e criticar, usando seus próprios argumentos. Criar Criação é um elemento novo na taxonomia de Bloom, consiste em, utilizando os conhecimentos prévios, tecer teorias e hipóteses totalmente novas, gerando conhecimento. 6 - Criação 5 - Avaliação 4 - Análise 3 - Aplicação 2 - Entendimento 1 - Lembrança Ilustração 3 - Categorização atual da Taxonomia de Bloom proposta por Anderson (2001), adaptado de Ferraz (2010) Esse trabalho dispõe da taxonomia sugerida por Bloom e posteriormente revisada para avaliar e quantificar a qualidade do aprendizado gerado durante o curso usado como pesquisa para responder a pergunta chave desse trabalho.

21 Classificação de Edgar Dale A procura por recursos educacionais mais eficientes para atuarem como coadjuvante do professor não é algo novo. Uma famosa frase atribuída ao filósofo Confúcio a milhares de anos, e citada por Teixeira (2010), já dizia: O que eu vejo, eu esqueço, o que eu ouço, eu relembro e o que eu faço, eu entendo. Dentre os educadores que se empenharam em avaliar as diversas maneiras de apresentar um conteúdo didático ao aluno temos o Edgar Dale da Universidade do estado de Ohio nos Estados Unidos. No ano de 1946 ele publicou um artigo chamado Audio-visual methods in Teaching no qual, ele relaciona as diversas abordagens de ensino e as classifica quanto a sua eficiência em transmitir conhecimento desde o material de ensino até o aluno (DALE, 1964). Dale relacionou onze formas diferentes de se apresentar um conteúdo educacional a um educando. Essas classificações, ele dispôs em forma de pirâmide em um diagrama que ficou conhecido como o cone da experiência ou cone da aprendizagem, como pode ser visualizado na ilustração 4. Ilustração 4 - Cone do Aprendizado de Edgar Dale, adaptado de (DALE, 1946)

22 21 No topo da pirâmide, temos a figura de menor área, representando ser a forma de apresentação pedagógica com menor aproveitamento na aprendizagem. Já na base da pirâmide, encontra-se a categoria que do ponto de vista de Dale, apresenta uma maior eficiência pedagógica. As categorias estão assim definidas: Símbolos Verbais Tudo aquilo que o aluno lê, como livros, apostilas, textos no computador, etc. Símbolos Visuais Ilustrações e representações gráficas, como o cone de Dale por exemplo. Fotos e Áudio Gravações de áudio, programas de rádio, fotos e imagens sem movimento. Filmes Filmes de uma forma geral, com áudio e vídeo. Por exemplo, filme de cinema. Vídeo Aulas São vídeos criados especificamente para educar. O Telecurso é um bom exemplo. Exposições Pertencem a essa classificação as aulas expositivas e palestras pedagógicas. Passeios Educacionais Excursões, viagens e passeios com fim educativo são exemplos dessa categoria. Demonstração A demonstração é quando o aluno tem a oportunidade de ver aquilo que está sendo ensinado, em funcionamento. Dramatização A dramatização é a mistura do conteúdo didático com emoção. O dicionário Aurélio diz que dramatizar é: Tornar ou procurar tornar dramáticos, interessantes ou comoventes como um drama, sofrimentos, fatos, situações. Experiência Simulada São recursos que permitem ao aluno imitar a experiência de realizar aquilo que está sendo ensinado. Um bom exemplo é o simulador de vôo e os jogos eletrônicos.

23 22 Experiência Direta A experiência direta é a oportunidade que o aluno tem de realizar na prática o que foi ensinado. O estágio é um ótimo exemplo. Posteriormente, outros autores redesenharam o cone de Dale, representado na Ilustração 5, para uma melhor adaptação aos nossos dias. Um exemplo é a releitura feita por Bruce Hyland e citada no trabalho Multimodal Learning Through Media: What the Research Says. O cone ficou conforme a ilustração 5. Ilustração 5 - Adaptação do cone de Dale por Bruce Hyland, adaptado da publicação do METIRI GROUP (2008) Nessa releitura, temos uma divisão muito clara do aluno, recebendo o conteúdo de maneira passiva (lendo, vendo, ouvindo e assistindo) e do aluno interagindo com o conteúdo de maneira ativa (participando, fazendo, simulando e realizando). Quando participando ativamente, o aluno, segundo Bruce Hyland em (METIRI GROUP, 2008), aprende muito mais efetivamente. Em (DALE, 1969), Edgar Dale aclara o cone com alguns detalhes, ficando parecido com a ilustração 6:

24 23 Ilustração 6 - Cone do aprendizado de Edgar Dale, terceira edição, adaptado da publicação do METIRI GROUP (2008) Nessa edição, tem-se uma visão da ideia de Edgar Dale sobre os métodos de ensino em função da sua eficiência no processo de ensino aprendizado. Nesse trabalho, será considerada essa classificação de Dale, levantando hipóteses e testando a eficiência de um material didático em algumas das classificações acima. A tabela 1 visa classificar, tomando por base a publicação do METIRI GROUP (2008), algumas maneiras de se apresentar conteúdos educacionais on-line.

25 24 Tabela 1 - Relação entre aprendizado e alguns recursos didáticos, adaptado da publicação do METIRI GROUP (2008) Classificação de Dale 01 Lendo 02 Ouvindo palavras 03 Olhando imagens 04 Assistindo a Filmes 05 Vendo uma apresentação Natureza do Envolvimento Baixo Recursos Educacionais on-line Texto (HTML, pdf, Apresentação, epub, etc) Gravação digital de áudio Leitor de texto ( text-to-speech ) Foto; Ilustração; Gráfico, etc. Filme com conteúdo didático Gravação audiovisual de uma explicação Vídeo-Aula 06 Assistindo a uma Demonstração Médio Gravação audiovisual de uma demonstração prática; Animação gráfica 07 Vendo no local 08 Participando de discussão Fórum de debate e Sala de bate papo 09 Argumentando 10 Dramatizando 11 Simulando 12 Realizando Alto Fórum de debate e Sala de bate papo com participação ativa Hipertexto, Atividades de simulação, emulação, Jogos, etc. Questionário, Tarefa on-line, Tarefa offline, Hipertexto interativo, etc.

26 25 3 Desenvolvimento do Trabalho Para embasar a pesquisa elaborou-se um curso no ambiente virtual de aprendizagem Moodle sobre termos usados no comércio exterior (INCOTERMS), no período de 15 de agosto a 15 de setembro de 2011, acessado pelo endereço A obtenção dos dados, por meio da participação de 34 participantes nesse curso, permitiu inferir respostas à pergunta Acrescentar recursos de áudio, animação e interação nos materiais didáticos em EaD para Ambientes Virtuais de Aprendizagem possibilita maior aceitação por parte do aluno e o motiva a querer aprender?,. Vale a pena citar que, para aumentar o número de alunos dispostos a colaborar com a pesquisa, foi previamente informado a cada participante o caráter científico do curso, além do fato de que os dados pessoais não seriam revelados. Dessa maneira, as informações aqui apresentadas não incluem nomes nem qualquer outra informação que permita o reconhecimento do participante. Utilizando os recursos de coleta de dados nativos do Moodle, os resultados da avaliação final dos alunos foram analisados estatisticamente com a intenção de tecer as conclusões desse trabalho. 3.1 Escolha do AVA Inicialmente pesquisaram-se os ambientes virtuais de aprendizagem disponíveis no mercado, optou-se pelo Moodle, pelos seguintes fatores: é gratuito e de código aberto; possui uma versão estável, portanto, confiável; tem uma vasta documentação disponível on-line; tem um fórum de usuários ativos e dispostos a atender prontamente aos questionamentos; é utilizado por grandes Universidades e centros de ensino por todos os continentes.

27 Escolha do conteúdo didático e do Curso A escolha do conteúdo didático e dos recursos foram fatores importantes para a obtenção de dados adequados para a pesquisa. O conteúdo deveria possuir a peculiaridade de ser passível de fragmentação em unidades menores de mesmo grau de dificuldade, além disso, para poder medir o desempenho de cada recurso, o conteúdo não poderia ser interdependente, caso contrário, um recurso ineficiente, comprometeria o resultado de outro subseqüente. Nem tampouco, poder-se-ia ter conteúdos mais difíceis do que outros. Esse fato motivou a escolha de um curso sobre os INCOTERMS. Os INCOTERMS são basicamente siglas contendo três letras. Cada sigla representa uma modalidade de transporte com as responsabilidades definidas em cada ponto do transporte internacional. Assim, os quinze INCOTERMS, apresentados na tabela 2, poderiam ser facilmente explicados de maneira praticamente padronizada, tornando a dificuldade de aprendizado uniforme. Com isso, a variante ficaria apenas na forma de explicar. Viabilizando assim a pesquisa. Tabela 2 - Relação de INCOTERMS, adaptado de (INCOTERMS, 2010) INCOTERMS Significado em Inglês Significado em Português EXW Ex Works A retirar no local FCA Free Carrier Livre para ser transportada FAS Free Alongside Ship Livre ao lado do navio FOB Free on board Livre e a bordo do navio CFR Cost and Freight Custos e frete pagos CIF Cost, Insurance and Freight Custos, seguro e frete pagos CPT Carriage Paid to Transporte pago CIP Carriage and Insurance Paid to Transporte e seguro pagos DAT Delivered at Terminal Entregue no terminal de carga DAP Delivered at Place Entregue no local combinado DAF Delivered at Frontier Entregue na fronteira DES Delivered Ex Ship Entregue no navio DEQ Delivered Ex Quay Entregue no cais DDU Delivered Duty Unpaid Entregue sem o pagamento das taxas DDP Delivered Duty Paid Entregue com tudo pago

28 Organização e Estrutura do Curso Para possibilitar a obtenção de resultados da pesquisa, o curso sobre os INCOTERMS foi organizado em seis unidades compostas dos seguintes recursos: 1. Unidade 1: texto + imagem; 2. Unidade 2: texto + imagem + narração; 3. Unidade 3: animação + narração; 4. Unidade 4: texto + imagem + atividade interativa; 5. Unidade 5: texto + imagem + narração + atividade interativa; 6. Unidade 6: animação + narração + atividade interativa. Dessa forma, foi possível mesclar recursos diferentes com e sem interação. A Tabela 3 exibe como ficaram divididos os conteúdos para o curso sobre INCOTERMS. Tabela 3 - Estrutura e Organização do Curso: Relação de Conteúdo educacional por Recurso didático Recurso Didático Símbolos Verbais (Texto) Símbolos Visuais (Imagem) Símbolos Verbais (Texto) Símbolos Visuais (Imagem) Áudio (Narração) Animação gráfica (Animação) Símbolos Visuais (Imagem) Áudio (Narração) Sem interatividade 1.1 CFR 1.2 CPT 1.3 CIP 2.1 DAP 2.2 DAF 2.3 DEQ 3.1 DDP 3.2 DDU 3.3 FAS Com interatividade (atividade interativa) 4.2 CIF 4.1 EXW 5.1 DAT 5.2 DES 6.1 FCA 6.2 FOB 3.4 Avaliação do Curso A avaliação do conteúdo do curso foi realizada utilizando a atividade Questionário da plataforma Moodle. Inicialmente foi preparada uma questão de múltipla escolha para cada um dos INCOTERMS. Essa questão, visa avaliar o conhecimento do aluno, tal como Bloom

29 28 (1957) preconizou, ou seja, mediante a definição de um INCOTERM, localizar nas alternativas a sigla correspondente. Em seguida, foram criadas questões de múltipla escolha, onde o aluno deveria entender as vantagens e desvantagens de uma série de INCOTERMS e analisar, dentre eles, qual seria o mais vantajoso. Essa classe de questão, objetiva medir o aprendizado do aluno de maneira mais aprofundada, pois, demanda do aluno, não somente a lembrança da matéria dada, mas que também tenha adquirido a capacidade de compreender e analisar uma determinada situação, conforme explicou Bloom (1957) na sua obra Taxonomy of educational objectives. A Ilustração 7 destaca as categorias da taxonomia de Bloom eleitas para avaliar o curso de INCOTERMS. 6 - Avaliação 5 - Síntese 4 - Análise 3 - Aplicação 2 - Compreensão 1 - Conhecimento Ilustração 7- Categorias de Bloom eleitas para a pesquisa, Anderson (2001), adaptado de Ferraz (2010) Para avaliar o conhecimento de cada um dos quinze INCOTERMS foram propostas quinze questões de múltipla escolha, uma para cada um dos INCOTERMS explicados durante o curso. Na tabela 4, observa-se que a alternativa correta está em destaque (NEGRITO). Vale lembrar que a ordem das alternativas é aleatoriamente eleita pelo Moodle,

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 samir keedi samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 PUBLICAÇÃO Nº 560 / 715E VIGOR A PARTIR DE 01.01.2000 / 2011 CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CCI - PARIS O QUE É E O OBJETIVO

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que CONTRATOS E INCOTERMS 01 - (CODESP/2011) Um contrato internacional de compra e venda de mercadorias é um instrumento complexo, pois inclui não somente as condições de compra e venda, mas também acordos

Leia mais

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2 ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES: RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS)

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES: RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS) AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS) Olá pessoal. Hoje falaremos sobre o tema Incoterms, que tanto cai nas provas. É a nossa última aula. As próximas serão ministradas pelo professor Rodrigo

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: UM ESTUDO DE CASO

OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: UM ESTUDO DE CASO OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: UM ESTUDO DE CASO Thalita Beatriz Levorato 1 ; Ludhiana Ethel Kendrick Silva Bertoncello 2 RESUMO: O objetivo da presente pesquisa

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Cândida Raquel Brandão Carneiro Nº4 12ºS 11-11-2009 1 Importação e Exportação Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que pode ser um produto ou um serviço, do exterior

Leia mais

GUIA PRA TICO DO ALUNO

GUIA PRA TICO DO ALUNO GUIA PRA TICO DO ALUNO Sistema de Avaliação, Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA e Portal ÚNICO Guia prático e de conhecimento do Sistema de Avaliação, utilização das ferramentas tecnológicas Ambiente

Leia mais

Introdução ao Moodle. Ambiente de Aprendizagem. (Módulo 2)

Introdução ao Moodle. Ambiente de Aprendizagem. (Módulo 2) Introdução ao Moodle Ambiente de Aprendizagem (Módulo 2) BRASÍLIA AGOSTO -2004 Introdução ao Moodle Ambiente de Aprendizagem Módulo 2 Athail Rangel Pulino Filho Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EaD PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA

CONTRIBUIÇÕES DA EaD PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA 1 CONTRIBUIÇÕES DA EaD PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA Lúcia Regina Horta R. Franco Universidade Federal de Itajubá UNIFEI lfranco@unifei.edu.br Dilma B. Braga Universidade Federal de Itajubá

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

DESIGN INSTRUCIONAL VERSÁTIL PARA MATERIAIS IMPRESSOS CONTEMPLANDO DIVERSOS PERFIS DE APRENDIZ E DE APRENDIZAGEM

DESIGN INSTRUCIONAL VERSÁTIL PARA MATERIAIS IMPRESSOS CONTEMPLANDO DIVERSOS PERFIS DE APRENDIZ E DE APRENDIZAGEM DESIGN INSTRUCIONAL VERSÁTIL PARA MATERIAIS IMPRESSOS CONTEMPLANDO DIVERSOS PERFIS DE APRENDIZ E DE APRENDIZAGEM Ana Paula Abreu-Fialho (afialho@cederj.rj.gov.br) Bióloga, Doutora em Educação de Biociências

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

Seguros de Mercadorias Transportadas

Seguros de Mercadorias Transportadas Seguros de Mercadorias Transportadas Via Marítima, Aérea ou Terrestre Índice Introdução Parte 1 - Breve Resumo Histórico Parte 2 - O Seguro de Mercadorias O Tráfego de Mercadorias O Seguro de Mercadorias

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br EMENTA Introdução ao transporte internacional. INCOTERM s. Transporte marítimo, aéreo,

Leia mais

Possibilidades de uso na sala de aula

Possibilidades de uso na sala de aula Capítulo3 Possibilidades de uso na sala de aula As possibilidades de uso da lousa digital são inúmeras. Segundo a Revista Nova Escola, da Editora Abril, o professor pode preparar apresentações em PowerPoint,

Leia mais

A PESQUISA NA EDUCAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

A PESQUISA NA EDUCAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ORIENTAÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO LÓGICA E FORMAL DA PESQUISA A PESQUISA NA EDUCAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM A Faculdade La Salle foca suas atividades acadêmicas na aprendizagem, busca

Leia mais

Glossários em Moodle (1.6.5+)

Glossários em Moodle (1.6.5+) Glossários em Moodle (1.6.5+) Athail Rangel Pulino 2 Ficha Técnica Título Glossários em Moodle Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Agosto 2007 Glossários em Moodle 3 Índice

Leia mais

ESTILOS DE APRENDIZAGEM E INTERFACES ADAPTATIVAS EM AMBIENTES VIRTUAIS BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE

ESTILOS DE APRENDIZAGEM E INTERFACES ADAPTATIVAS EM AMBIENTES VIRTUAIS BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE 1 ESTILOS DE APRENDIZAGEM E INTERFACES ADAPTATIVAS EM AMBIENTES VIRTUAIS BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE Rio de Janeiro, 05/2011 João José Bignetti Bechara - LATEC/UFRJ e Teachware (bechara@teachware.com.br)

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 Manual do Moodle para alunos (Versão 1.0) 29/Junho/2009 Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 O que é?... 3 Acesso... 4 Atualizando suas informações... 4 Enviando Mensagens... 5 Acessando os seus cursos...

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno Acessando o sistema 1- Para acessar a Faculdade Interação Americana Virtual digite o seguinte endereço: http://ead.fia.edu.br/

Leia mais

Moodle. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens

Moodle. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens Moodle Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens O que é? Alternativa às soluções comerciais de ensino on-line

Leia mais

Quais as competências e habilidades para aprender a

Quais as competências e habilidades para aprender a Educação a Distância e Tecnologias Como aprendem os adultos? Quais as competências e habilidades para aprender a distância? Por que os adultos procuram os cursos a distância? O que precisamos saber sobre

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS Brasília, maio de 2012 Iara Carneiro Tabosa Pena - Universidade de Brasília (iarapena@yahoo.com.br) Wilsa Maria Ramos Universidade

Leia mais

Manual do aluno online

Manual do aluno online Manual do aluno online Os 10 mandamentos do aluno de educação online 1 1. Acesso à Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é prérequisito para a participação nos cursos

Leia mais

Uma instituição em busca de excelência nos cursos de Educação a Distância: estudo de caso

Uma instituição em busca de excelência nos cursos de Educação a Distância: estudo de caso Uma instituição em busca de excelência nos cursos de Educação a Distância: estudo de caso Andrea de Faria Mestrado em Gestão, Formação e Tecnologia - Centro Paula Souza São Paulo Brasil andrfaria@hotmail.com

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral DECISÃO D SOBRE OS TERMOS DE ENTREGA DAS MERCADORIAS NAS TRANSAÇÕES INTERNACIONAIS SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS 2000 DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Wagner Botelho Godinho Victor Aurélio Antunes

Leia mais

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 I Ciclo de Debates da Administração da PROAD Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 (*) Administrador, Chefe da Divisão de Importação da UFABC, desde 2010. Graduado em Administração

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

AVALIAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS

AVALIAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS AVALIAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS Letícia Palhares Ferreira 1 Grupo 2.4. Docência na educação a distância: Planejamento, avaliação e acompanhamento RESUMO: A presente reflexão

Leia mais

SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS

SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS 5. PARTICIPANTES DA DISCIPLINA 6. ENVIAR MENSAGENS 7. PARTICIPAÇÃO NO FÓRUM 8.

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM DE RICHARD FELDER E OS TIPOS PSICOLÓGICOS DE CARL JUNG

A RELAÇÃO ENTRE OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM DE RICHARD FELDER E OS TIPOS PSICOLÓGICOS DE CARL JUNG A RELAÇÃO ENTRE OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM DE RICHARD FELDER E OS TIPOS PSICOLÓGICOS DE CARL JUNG Cláudia M. S. Senra Geraldo F. C. A. de Lima Fábio W. O. da Silva Centro Federal de Educação Tecnológica

Leia mais

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, hospedaria, estalagem) ou aduana (do Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe ad-dīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controle do movimento de

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA Roseli de Fátima Nogueira Tatiane Santiago Cerqueira Barbosa Jefferson da Silva Pinheiro Gonçalves Alex Couto Carlos Eduardo

Leia mais

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Pedagogia Prof. Dr. Roger Quadros A influência das pesquisas na formação do professor Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Objetivos: Discutir alguns cuidados básicos para a escolha do tema

Leia mais

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA 1 O acesso a plataforma educacional do colégio kadima deverá ser feito através do endereço: http://edunote.com.br/kadima/ 2 Na tela que segue,

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

Revista Mundo PM Edição dez/2007-jan/2008

Revista Mundo PM Edição dez/2007-jan/2008 Revista Mundo PM Edição dez/2007-jan/2008 Paula Geralda Barbosa Coelho Torreão paula@cleverpal.com Recife, 02 de setembro de 2008 Motivação Treinamento como ferramenta de desenvolvimento da equipe de projeto

Leia mais

O homem é um animal usuário de ferramentas. Sem as ferramentas ele não é nada. Com as ferramentas ele é tudo. [Thomas Carlyle 1795]

O homem é um animal usuário de ferramentas. Sem as ferramentas ele não é nada. Com as ferramentas ele é tudo. [Thomas Carlyle 1795] AULA 3 Tecnologias educacionais Objetivo Ao fim desta aula você deverá estar apto a reconhecer os diversos tipos de tecnologias educacionais atualmente existentes, sendo capaz de avaliar a contribuição

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 Página 1 Índice Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 O QUE É EDUCAÇÃO A DISTANCIA (EAD)?... 4 O que é necessário para estudar em ead?... 4 Quais são as vantagens de estudar a distância?...

Leia mais

Se você é pedagogo ou treinador de negócios provavelmente já ouviu falar sobre...

Se você é pedagogo ou treinador de negócios provavelmente já ouviu falar sobre... Se você é pedagogo ou treinador de negócios provavelmente já ouviu falar sobre... Educação do século XXI Software Social e e-learning Talvez seja o momento certo de fazer algo na sua instituição educacional.

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

Introdução ao Moodle. Ambiente de Aprendizagem. (Módulo 1)

Introdução ao Moodle. Ambiente de Aprendizagem. (Módulo 1) Introdução ao Moodle Ambiente de Aprendizagem (Módulo 1) BRASÍLIA AGOSTO -2004 Introdução ao Moodle Ambiente de Aprendizagem Módulo 1 Athail Rangel Pulino Filho Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto 85 Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto (Mestre) Curso de Tecnologia em Processamento de Dados - Universidade Tuiuti do Paraná 86 Considerações

Leia mais

Criando projetos: estrutura de raciocínio Taxonomia de Bloom: um novo olhar sobre uma velha corrente

Criando projetos: estrutura de raciocínio Taxonomia de Bloom: um novo olhar sobre uma velha corrente Criando projetos: estrutura de raciocínio Taxonomia de Bloom: um novo olhar sobre uma velha corrente Hierarquia tradicional dos processos de raciocínio Em 1956, Benjamin Bloom escreveu a Taxonomia dos

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL Sejam bem vindos! As Faculdades Integradas do Brasil reafirmam no início desse semestre letivo, o seu compromisso divulgado no Projeto Pedagógico Institucional (PPI), com

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

ZONAS FRANCAS. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory UNIDADE I PARTE II

ZONAS FRANCAS. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory UNIDADE I PARTE II RELAÇÕES INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO Profª [ Sidney Jaciana Reis] Amorim UNIDADE I PARTE II ZONAS FRANCAS PRINCIPAIS CONCEITOS UTILIZADOS PORTO SECO LIVRE denominação dada as Zonas Francas onde não há portos

Leia mais