Como estudar uma proteína?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como estudar uma proteína?"

Transcrição

1 1 Métodos de estudo das proteínas 1 Como estudar uma proteína? 1. Separá-la e purificá-la. 2. Determinar a sua massa molecular. 3. Determinar a sua composição e sequência de aminoácidos. 4. Elucidar a sua estrutura tridimensional. 5. Caracterizá-la funcionalmente. 2 1

2 1. SEPARAÇÃO DAS PROTEÍNAS 3 - antes de mais, é necessário destruir a estrutura do tecido que contém a proteína ou proteínas a estudar Métodos de disrupção homogenizador tipo Potter misturador 4 comercial 2

3 RUPTURA DO TECIDO/CÉLULAS CRIA ALGUNS PROBLEMAS: libertação de ácidos e outras substâncias acumuladas nalguns organelos oxidações (>O2, oxidases) libertação de proteases (ex.dos lisossomas) desnaturação proteica Solução tampão mantém ph Incluir substâncias antioxidantes (ex.c/sh:dtt ou cisteína) realizar todo o processo a baixa temperatura ( 4ºC) 5 6 3

4 PARA SEPARAR AS PROTEÍNAS - Exploram-se diferenças em propriedades fisicoquímicas das proteínas, resultantes das diferentes sequências primárias de aminoácidos: 1. Tamanho 2. Solubilidade 3. Carga 4. Afinidade de ligação 7 Técnicas de separação e purificação de proteínas: 1. Diálise, ultrafiltração, centrifugação, precipitação 2. Cromatografia de exclusão molecular 3.Cromatografia de troca iónica e de fase reversa 4. Cromatografia de afinidade 5. Electroforese 8 4

5 Princípio: dimensão/forma molecular Diálise 9 Ultrafiltração 10 5

6 Ultracentrifugação 11 - gradientes de densidade aumento da densidade do meio inicial força centrífuga final partículas menos densas partículas de densidade intermédia partículas mais densas 12 6

7 Princípio pio: solubilidade (precipitação) A solubilidade das proteínas varia com: - ph - temperatura - força a iónicai - constante dieléctrica do solvente Técnicas baseadas em diferenças de solubilidade: 1. Precipitação isoeléctrica (variação de ph) 2. Salting in / salting out (variação da força iónica) 3. Precipitação por solventes orgânicos Precipitação isoeléctrica ctrica: Solubilidade pi ph em geral, a solubilidade é menor no pi porque há menos interacções electrostáticas ticas com o solvente 14 7

8 2. Precipitação por soluções salinas: Solubilidade Salting in Salting out depende de: - hidrofobicidade da proteína - força iónica do sal - temperatura - ph (se ph=pi solubilidade) [sal] Salificação (salting in): a solubilidade aumenta até certo ponto, com o aumento da [sal] Dessalificação (salting out): os sais, a concentração muito elevada, retiram a H 2 O de hidratação da proteína as 15 moléculas de proteína precipitam -Exemplo: utilização do (NH 4 ) 2 SO 4 - Utiliza-se frequentemente o sulfato de amónio, (NH 4 ) 2 SO 4 devido à sua grande solubilidade em água - a precipitação com (NH 4 ) 2 SO 4 não desnatura as proteínas - diferentes proteínas têm diferente solubilidade precipitam a diferentes concentrações de (NH 4 ) 2 SO 4 ex: proteínas da clara de ovo Proteína ovomucina ovoglobulina ovalbumina Precipita à [(NH 4 ) SO 2 4 ] de: 50% da saturação 50% da saturação 100% saturada 16 8

9 3. Precipitação por solventes orgânicos: Ex. Etanol, acetona Precipitação proteica por solubilidade Solvente orgânico: solvata Sendo, solvatação e constante dieléctrica (D) D = F atracção entre 2 cargas no vazio F atracção entre as cargas no meio q1 q2 F = D r 2 Lei de Coulomb Então, Se D e F : Agregação proteica Precipitação Solubilidade 17 MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS DE SEPARAÇÃO DE PROTEÍNAS Diferentes tipos: - exclusão molecular - troca iónica - afinidade - fase reversa 18 9

10 CROMATOGRAFIA DE EXCLUSÃO MOLECULAR volume/forma

11 CROMATOGRAFIA DE TROCA IÓNICA I carga Trocadores aniónicos (+) e catiónicos (-)

12 CROMATOGRAFIA DE AFINIDADE selectividade de ligação 23 - um esquema de purificação possível: Material de partida (células) Disrupção celular Centrifugação Precipitação fraccionada (Sais, polihydroxiálcoois) Diálise (para eliminar os sais) Cromatografia de troca iónica Cromatografia de exclusão molecular Cromatografia de afinidade Proteína purificada 24 12

13 25 2. DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLECULAR 26 13

14 - métodos diversos, tais como: Electroforese: 27 Espectrometria de massa MALDI-TOF: 28 14

15 Ultracentrifugação em gradientes de densidade: DETERMINAÇÃO DA COMPOSIÇÃO E SEQUÊNCIA DE AMINOÁCIDOS 30 15

16 DETERMINAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DE AMINOÁCIDOS DE UMA PROTEÍNA Ex: determinação da composição de aminoácidos do fragmento ala-gly-asp-phe-arg-gly 1º Hidrólise ácida (HCl 6N, 110ºC, 24 horas) 2º Reacção de revelação dos aminoácidos (ex., ninidrina, cloreto de dansilo) 3º Separação e quantificação dos aminoácidos (ex. cromatográfica) 31 Reagentes utilizados para revelação e quantificação dos aminoácidos: Ninhidrina, 1-fluoro-2,4-dinitrobenzeno, fenilisotiocianato, cloreto de dansilo 32 16

17 Separação e quantificação dos aminoácidos por cromatografia (HPLC - High pressure liquid chromatography) - Matriz de separação (tirando partido das diferentes propriedades físicas de cada um dos aminoácidos) - Eluente (variação controlada das condições do meio) - Partição de cada aminoácido entre o meio e a matriz (de acordo com as suas propriedades fisico-químicas, ex carga, forma, hidrofobicidade) - Detecção após a sua derivatização) Fase reversa, eluição com eluente de baixa força iónica em gradiente 33 - resultado duma cromatografia de aminoácidos: Integrando os picos, determina-se a quantidade relativa 34 de cada aminoácido (mas não a sequência!!!) 17

18 USO DA CROMATOGRAFIA DE AMINOÁCIDOS EM DIAGNÓSTICO CLÍNICO - Recém-nascido parto e peso (3 Kg) normais, alimentação com leite materno - Ao 5º dia de vida inicia recusa alimentar, vómitos, hipotonia, prostração - Agravamento progressivo e internalização ao 7º dia quadro clínico anterior + hipoglicémia, gasometria normal e cetonúria (corpos cetónicos) - Suspeita de sepsis (infecção generalizada). Tratamento com antibióticos, soro glicosilado c/ iões e pausa alimentar - Evolução, 9º dia melhoria. Leite administrado por sonda nasogástrica º dia agravamento (prostação, coma com apneia) - Suspeita de doença metabólica, baseada em: - período de intoxicação - cetonúria (cetoácidos derivados de aminoácidos?) - maple syrup urine disease (MSUD, urina com cheiro a caramelo) Cromatografia de aminoácidos 35 USO DA CROMATOGRAFIA DE AMINOÁCIDOS NO DIAGNÓSTICO CLÍNICO NORMAL LEUCINOSE 36 18

19 USO DA CROMATOGRAFIA DE AMINOÁCIDOS NO DIAGNÓSTICO CLÍNICO Cromatografia de aminoácidos aumento de leucina, isoleucina e valina Cromatografia de ácidos orgânicos cetoácidos ramificados derivados de leucina, isoleucina e valina LEUCINOSE (defeito da desidrogenase dos α-cetoácidos ramificados ou α-cetovalerato desidrogenase) Tratamento: Soro com glucose, dieta com restrição proteica (< 1 g/kg/dia) com mistura de aminoácidos não-ramificados e diálise peritoneal ou hemodiálise (com o objectivo de aumentar o anabolismo, reduzir o catabolismo e remover tóxicos) 37 DETERMINAÇÃO DA SEQUÊNCIA DE AMINOÁCIDOS DE UMA PROTEÍNA + 3 HN-Ala-Thr-Gly-Ile-Asp-COO - 1- marca-se o resíduo N-terminal do péptido com feniltioisocianato( ): -Ala-Thr-Gly-Ile-Asp-COO - 2- hidrolisa-se o aminoácido N-terminal marcado, em condições suaves fica -Ala e + 3HN-Thr-Gly-Ile-Asp-COO - 3- identifica-se cromatograficamente o resíduo N-terminal e hidrolisado, -Ala 4- Repete-se o ciclo 1-3 até à total determinação da sequência

20 39 DEGRADAÇÃO DE EDMAN Derivatização com fenilisotiocianato SEQUENCIAÇÃO DE PÉPTIDOS P PTIDOS PEQUENOS. Marcação do AA N-N terminal. Hidrólise do AA marcado marcado. Identificação do AA marcado marcado. Início de um novo ciclo de marcação, hidrólise e identificação do AA N-terminal seguinte 40 20

21 DEGRADAÇÃO DE EDMAN 41 SEQUENCIAÇÃO DE PÉPTIDOS P PTIDOS LONGOS CLIVAGEM ENZIMÁTICA Tripsina Quimotripsina 42 21

22 ESTRATÉGIA TRADICIONAL DE SEQUENCIAÇÃO DE PÉPTIDOS LONGOS

23 4. ELUCIDAÇÃO DA ESTRUTURA 3D 45 DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS DIFRACÇÃO DE RAIOS X Necessidade de cristalização de alguns grupos invisiveis 46 23

24 DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS RESONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR Espectros essencialmente para pequenas proteínas 47 24

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

Técnicas de isolamento de organelos

Técnicas de isolamento de organelos Técnicas de isolamento de organelos Estudo de processos metabólicos Fraccionamento celular e isolamento de organelos ou partículas 1 Estrutura duma célula animal Estrutura duma célula vegetal 2 Organelos

Leia mais

METABOLISMO DAS PROTEÍNAS. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto

METABOLISMO DAS PROTEÍNAS. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto METABOLISMO DAS PROTEÍNAS Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto Aminoácido Os aminoácidos livres são obtidos da degradação da proteína da dieta, da renovação constante das proteínas

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS. Pr ofª Tatiana Lima

SEPARAÇÃO DE MISTURAS. Pr ofª Tatiana Lima SEPARAÇÃO DE MISTURAS Pr ofª Tatiana Lima As separações de misturas estão baseadas nas diferenças de propriedades entre os componentes de uma mistura. Soluções são misturas homogêneas, onde o solvente

Leia mais

Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula

Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula Aula sobre Soluções Aula 01 (ENEM) Profº.: Wesley de Paula Propriedades das Soluções Classificação das Misturas: Soluções e Dispersões Classificação das soluções O Processo de Dissolução em soluções Relações

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. aminoácidos de cadeias polipeptídicas

Profª Eleonora Slide de aula. aminoácidos de cadeias polipeptídicas Determinação da seqüência de aminoácidos de cadeias polipeptídicas Determinação da seqüência de aminoácidos de cadeias polipeptídicas 1ª Etapa: Determinação da composição em aminoácidos Hidrólise de todas

Leia mais

Separação e Cromatografia de Proteínas

Separação e Cromatografia de Proteínas QBQ0316N: Bioquímica Experimental Farmácia São Paulo, 11 de setembro 2013 Separação e Cromatografia de Proteínas Universidade de São Paulo QBQ0316N: Bioquímica Experimental Farmácia São Paulo, 11 de setembro

Leia mais

Estrutura covalente de proteínas estrutura tridimensional. Proteina: estrutura covalente com muitas restrições conformacionais

Estrutura covalente de proteínas estrutura tridimensional. Proteina: estrutura covalente com muitas restrições conformacionais Estrutura covalente de proteínas estrutura tridimensional Proteina: estrutura covalente com muitas restrições conformacionais M. Teresa Machini IQ/USP Análise de sequência de aminoácidos Conteúdo de aminoácidos

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10

Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10 Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10 VÍDEO I Estrutura da célula e isolamento dos organelos

Leia mais

Culturas Celulares (fermentação)

Culturas Celulares (fermentação) Culturas Celulares (fermentação) Carlos Sinogas 2015 / 2016 - Substrato para produção de proteínas recombinantes (humanas) - Células procarióticas (E.coli) - Células eucarióticas - Leveduras - Insectos

Leia mais

Objetivos. Critérios de Avaliação. Outline da disciplina PREPARO DE AMOSTRAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS

Objetivos. Critérios de Avaliação. Outline da disciplina PREPARO DE AMOSTRAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS PPGCF e PPGQ da UNIFAL-MG Disciplina QUI022 PREPARO DE AMOSTRAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Objetivos Fornecer aos alunos do curso de PPGQ e PPGCF conhecimentos básicos sobre as principais técnicas

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Estudo das dispersões Definição, classificação, estudo dos coloides, coeficiente de solubilidade... 1 Módulo 2 Concentração de soluções... 3 Módulo 3 Propriedades

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

Tampões biológicos. Tampões comuns em biologia molecular. Misturas de tampões processos de disrupção celular. Processameto de extractos

Tampões biológicos. Tampões comuns em biologia molecular. Misturas de tampões processos de disrupção celular. Processameto de extractos Preparação e Conservação de Amostras Biológicas Em qualquer ensaio bioquímico a conservação das amostras em estudo é de extrema importância poi,s em última análise, é do correcto acondicionamento das mesmas

Leia mais

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Farmácia COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Integrantes: Paula Floriano da Silva Virgínia Figueira Marques PROTEÍNAS PROTEÍNAS Ponto isoelétrico ou pi,

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1A

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1A CADERNO DE EXERCÍCIOS 1A Ensino Médio Ciências Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Identificar a função dos órgãos do corpo humano. H30 2 Mecanismos de integração do corpo humano

Leia mais

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS Técnicas cromatográficas Termo cromatografia são atribuídos ao botânico Mikhael Tswett, em 1906. Chrom cor Graphe escrever Reed (Inglaterra) e Day (EUA) Petróleo Época Moderna

Leia mais

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Leonor Rebelo Lab Virologia i do IPOFGL EPE Novembro 2012 1º Curso de Virologia Molecular em Oncologia 1 ,, TÑÜxÇwxÜ t ØÇ vt vé át wx Öâx t ÅxÇàx ÇâÇvt áx vtçát?

Leia mais

III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS

III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS III - TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE AMINOÁCIDOS E PROTEÍNAS INTRODUÇÃO Os α-aminoácidos fundamentais utilizados pelas células para a biosíntese das proteínas apresentam características estruturais diferentes.

Leia mais

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUESTÃO 01 Os valores das sucessivas energias de ionização de um átomo constituem uma evidência empírica da existência de níveis de energia. Os diagramas abaixo pretendem representar,

Leia mais

SOLUÇÕES. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas.

SOLUÇÕES. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas. QUÍMICA PROF - 3C13 SOLUÇÕES As misturas podem ser homogêneas ou heterogêneas. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases distintas. Solução é

Leia mais

SOLUÇÕES. Curvas de Solubilidade

SOLUÇÕES. Curvas de Solubilidade QUÍMICA SOLUÇÕES 1. INTRODUÇÃO Soluções são misturas homogêneas, ou seja, misturas entre dois ou mais componentes apresentando uma única fase. Exemplos: Água + Álcool Água + Sal + Açucar Curvas de Solubilidade

Leia mais

Soluções I e II. Soluções I e II Monitor: Gabriel dos Passos 28 e 29/05/2014. Material de apoio para Monitoria. 1. O que é uma solução?

Soluções I e II. Soluções I e II Monitor: Gabriel dos Passos 28 e 29/05/2014. Material de apoio para Monitoria. 1. O que é uma solução? 1. O que é uma solução? 2. Como podemos classificar as soluções? 3. O que você entende por concentração comum? 4. O que você entende por molaridade? 5. O que você entende por título percentual? 6. O que

Leia mais

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções

Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Formas farmacêuticas líquidas - Soluções Preparações líquidas: Podem conter uma ou mais substâncias químicas dissolvidas em solvente adequado ou em mistura de solventes mutuamente miscíveis ou dispersíveis.

Leia mais

fase fixa (quer em coluna quer em superfície plana) pode ser um líquido depositado num suporte sólido inerte (GC)

fase fixa (quer em coluna quer em superfície plana) pode ser um líquido depositado num suporte sólido inerte (GC) Cromatografia Cromatografia técnica baseada nas diferenças de distribuição dos componentes a separar entre duas fases: uma fase móvel e uma fase estacionária. técnica em que os componentes duma mistura

Leia mais

PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14

PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14 PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14 Nome: Nº de Inscrição: Assinatura: Questão Valor Grau 1 a 2,0 2 a 2,0 3 a 2,0 4 a 2,0 5 a 2,0 Total 10,0 IMPORTANTE: 1) Explique e justifique a resolução de todas as questões.

Leia mais

1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa... 2.2. Objetivos... 2.3.

1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa... 2.2. Objetivos... 2.3. 1. Introdução ao trabalho em Laboratório... 1.1. Observações... 2. Programa da Disciplina Bioquímica Básica... 2.1. Ementa.... 2.2. Objetivos... 2.3. Avaliação... 2.4. Conteúdo... 3. Como elaborar um Relatório...

Leia mais

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF)

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) - CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) Técnica de identificação e separação de compostos orgânicos Aplicações: - Identificação de componentes de uma mistura - Acompanhamento da evolução de uma reação - Análise

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes

Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes Disciplina de Mét. Purif. e Anál. Proteínas Curso de Ciências Biológicas 1º Semestre de 2015 Aula 8: Métodos de Purificação de Proteínas Recombinantes Prof. Marcos Túlio de Oliveira mtoliveira@fcav.unesp.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESCOLA SECUNDÁRIA CAMILO CASTELO BRANCO V. N. FAMALICÃO ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Correcção Formador: Professor Vítor Duarte Teodoro Formanda: Maria do Céu da Mota Rocha

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 5

Balanço de Massa e Energia Aula 5 Balanço de Massa e Energia Aula 5 Solubilidade, Saturação e Cristalização. Solubilidade: A solubilidade de um sólido (soluto) em uma solução é a quantidade máxima desta substância que pode ser dissolvida

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

Métodos Clássicos de Separação

Métodos Clássicos de Separação Analítica V: Aula 8 Métodos Clássicos de Separação ATENÇÃO À SEQUENCIA DAS PRÁTICAS: Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan Plano

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA II. Dados: R = 0,082L.atm/mol.K, N = 6,0x10 23. A) 4,1x10-14 B) 4,1x10-22 D) 4,1x10-18 C) 1,0x10-18 E) 1,0x10 15

PROVA DE QUÍMICA II. Dados: R = 0,082L.atm/mol.K, N = 6,0x10 23. A) 4,1x10-14 B) 4,1x10-22 D) 4,1x10-18 C) 1,0x10-18 E) 1,0x10 15 PROVA DE QUÍMCA 01. A concentração de um gás poluente na atmosfera, medida a 1 atm e 27ºC, é de 1 ppm. A concentração desse poluente, em moléculas/cm 3 de ar, é igual a Dados: R = 0,082L.atm/mol.K, N =

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 8 Cromatografia Liquida de Alta Eficiência CLAE (Continuação) Profa. Daniele Adão - Solvente grau HPLC (alta pureza): impurezas presentes na FM

Leia mais

Espectrometria de Massas: Estudo Dirigido

Espectrometria de Massas: Estudo Dirigido 1 Disciplina: Química Orgânica III / 2009.2 Ministrante: Prof. Dr. Sidney Lima 1). O que é um EM e qual a utilidade da EM? Espectrometria de Massas: Estudo Dirigido R = Nos permite determinar a massa molecular

Leia mais

Reações químicas- 8ºano. Reações de precipitação

Reações químicas- 8ºano. Reações de precipitação Reações químicas- 8ºano Reações de precipitação Reações de precipitação Os sais e a sua solubilidade em água Sais Copiar para o caderno Muito solúveis Pouco solúveis e mesmo insolúveis São sais que se

Leia mais

Soluções Químicas são misturas homogêneas de duas ou mais substâncias, onde o solvente aparece em maior quantidade e o soluto em menor quantidade. O estado de agregação do solvente é que determina o estado

Leia mais

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus

SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus SULFATO FERROSO HEPTAIDRATADO Ferrosi sulfas heptahydricus FeSO 4.7H 2 O 278,01 06404.02-0 Fe 55,85 Sulfato ferroso heptaidratado Contém, no mínimo, 98,0% e, no máximo, 105,0% de FeSO 4.7H 2 O. DESCRIÇÃO

Leia mais

SISTEMAS MATERIAIS - 2012

SISTEMAS MATERIAIS - 2012 SISTEMAS MATERIAIS - 2012 1- (UFV) A obtenção de gasolina a partir do petróleo é feita por: A) destilação fracionada; B) destilação simples; C) filtração simples; D) filtração sob pressão reduzida; E)

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 CATEGORIA EM-2 Nº INSCRIÇÃO: Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 3: O chamado soro caseiro é uma tecnologia social que consiste na preparação e administração de uma mistura de água,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODOS ANALÍTICOS DE HPLC NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODOS ANALÍTICOS DE HPLC NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA DESENVOLVIMENTO DE MÉTODOS ANALÍTICOS DE HPLC NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Introdução A técnica de HPLC é largamente utilizada na indústria farmacêutica. O uso de HPLC inclui acompanhamento de produção, controle

Leia mais

3º Bimestre. Química. Autor: Pedro L. S. Dias

3º Bimestre. Química. Autor: Pedro L. S. Dias 3º Bimestre Autor: Pedro L. S. Dias SUMÁRIO UNIDADE III Inorgânica... 5 Capítulo 1... 5 1.1 Soluções... 5 1.2 Solubilidade... 8 1.3 Coeficiente de solubilidade e Curva de solubilidade... 10 1.4 Unidades

Leia mais

Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea

Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea Chemistry for Life, Chemistry for better Life Exame Prático 05 jul 2006 Gyeongsan, Korea Generalidades - Você tem 5 horas para completar o exame. Administre bem o tempo. O experimento 1 (10 pontos) deve

Leia mais

Purificação do Éter Etílico. Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré

Purificação do Éter Etílico. Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré Purificação do Éter Etílico Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré Solventes orgânicos possuem diferentes graus de pureza; Em alguns casos, pode-se utilizar solventes com pequenas

Leia mais

Solubilidade & Unidades de Concentração

Solubilidade & Unidades de Concentração Solubilidade & Unidades de Concentração Introdução Como se formam as soluções? Qual é o mecanismo de dissolução? Para responder essas questões devemos estudar as alterações estruturais que ocorrem durante

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico de Laboratório / Área: Química Que massa de sulfato de cobre pentahidratado é necessária para se preparar 500 ml de uma solução 1,0 x 10-2 mol L -1 de cobre?

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS. Prof.: Rodrigo Rocha Monteiro

PROPRIEDADES COLIGATIVAS. Prof.: Rodrigo Rocha Monteiro PROPRIEDADES COLIGATIVAS Prof.: Rodrigo Rocha Monteiro Propriedades Coligativas São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química, um líquido puro e uma solução

Leia mais

a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica).

a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica). 01 a) Incorreta. O aumento da temperatura desloca o equilíbrio para o lado direito, no sentido da formação do vapor (transformação endotérmica). b) Incorreta. Quanto mais volátil o líquido, menor será

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca do transplante de células-tronco hematopoéticas (TCTH), julgue os itens seguintes. 41 Um TCTH é considerado alogênico quando as células-tronco hematopoéticas provem da medula óssea ou do sangue

Leia mais

Cronograma. Aula: Eletroforese (SDS-PAGE) e Sequenciamento de Proteínas Prática 6- Procedimento A (Diálise) Execução e Recolhimento do exerício 7

Cronograma. Aula: Eletroforese (SDS-PAGE) e Sequenciamento de Proteínas Prática 6- Procedimento A (Diálise) Execução e Recolhimento do exerício 7 Cronograma Entrega do Relatório 4 Entrega do Relatório 5 HOJE Aula: Eletroforese (SDS-PAGE) e Sequenciamento de Proteínas Prática 6- Procedimento A (Diálise) Execução e Recolhimento do exerício 7 23/10

Leia mais

EXTRAÇÃO LÍQUIDO- LÍQUIDO (LLE)

EXTRAÇÃO LÍQUIDO- LÍQUIDO (LLE) EXTRAÇÃ LÍQUID- LÍQUID (LLE) EXTRAÇÃ LÍQUID- LÍQUID (ELL) Baseia-se na afinidade da forma lipofílica do analito por um solvente orgânico : : A quantidade extraída depende do volume de amostra e de solvente

Leia mais

DISPERSÕES. Profa. Kátia Aquino

DISPERSÕES. Profa. Kátia Aquino DISPERSÕES Profa. Kátia Aquino O que é uma dispersão do ponto de vista químico? Mistura de duas ou mais substâncias, em que as partículas de uma fase a fase dispersa se encontram distribuidas em outra

Leia mais

APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala

APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO APL 12º ano: SÍNTESE DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO ALIMENTAR Protocolo experimental a microescala

Leia mais

O papel-chave da espectrometria de massa na era pós-genômica

O papel-chave da espectrometria de massa na era pós-genômica Pesquisa ESPECTROMETRIA de massa de proteínas O papel-chave da espectrometria de massa na era pós-genômica Ricardo Bastos Cunha Prof. Dr., Núcleo de Proteômica, Centro Brasileiro de Serviços e Pesquisas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ano Letivo 2014/15 Planificação Grupo 510 8º Ano e 7º( subdomínios em falta) Ciências Físico-Químicas Gestão Temporal 8º

Leia mais

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Fácil Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Médio www.quimica.net/emiliano emiliano@quimica.net Difícil Níveis de dificuldade das Questões 01. Em um frasco,

Leia mais

PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES

PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES M Filomena Botelho Objectivos Identificar e aplicar as propriedades das soluções Compreender a importância das propriedades coligativas Aplicar os conceito de pressão osmótica

Leia mais

Selagem Térmica Ozono

Selagem Térmica Ozono Selagem Térmica Ozono A selagem térmica Ozono é uma nova opção para o profissional de beleza, pois é uma linha inovadora e segura, composta por produtos para tratamento e alisamento dos cabelos, que surpreende

Leia mais

Atividade de Biologia 1 série

Atividade de Biologia 1 série Atividade de Biologia 1 série Nome: 1. (Fuvest 2013) Louis Pasteur realizou experimentos pioneiros em Microbiologia. Para tornar estéril um meio de cultura, o qual poderia estar contaminado com agentes

Leia mais

IX Olimpíada Catarinense de Química 2013. Etapa I - Colégios

IX Olimpíada Catarinense de Química 2013. Etapa I - Colégios I Olimpíada Catarinense de Química - 2013 I Olimpíada Catarinense de Química 2013 Etapa I - Colégios Imagem: Oxidação Fonte:Gilson Rocha Reynaldo, 2013 Primeiro Ano Conselho Regional de Química CRQ III

Leia mais

Equipe de Química QUÍMICA

Equipe de Química QUÍMICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 11R Ensino Médio Equipe de Química Data: QUÍMICA SOLUÇÕES As misturas podem ser homogêneas ou heterogêneas. As misturas homogêneas possuem uma fase distinta. As misturas

Leia mais

Propriedades Físicas das Soluções. Tipos de Soluções

Propriedades Físicas das Soluções. Tipos de Soluções Propriedades Físicas das Soluções Solução (def): é uma mistura homogênea de duas ou mais substâncias. Solvente: componente da solução do mesmo estado físico, por exemplo água numa solução aquosa. Soluto:

Leia mais

Sumário. Prefácio...13

Sumário. Prefácio...13 Sumário Prefácio...13 Capítulo 1 Operações com Grandezas e Unidades de Medida...15 Objetivos...15 1.1 Notação científica...16 1.2 Exponenciais e logaritmos...17 1.3 Grandezas físicas e unidades de medida:

Leia mais

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Análise Estrutural José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Programa Espectroscopia interacção luz /átomos-moléculas Espectroscopia UV-vis transições electrónicas determinação

Leia mais

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC 1 - Cromatografia Líquida História e Evolução Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais

Leia mais

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010)

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Considerações gerais A produção de preparações estéreis deve ser realizada em áreas limpas, cuja entrada de pessoal e de materiais deve

Leia mais

O S M O SE INVERSA. Fase 1: Pré-filtro de sedimentos à acção rede mecânica de 7 um (retém partículas sólidas como a areia, ferrugem etc.

O S M O SE INVERSA. Fase 1: Pré-filtro de sedimentos à acção rede mecânica de 7 um (retém partículas sólidas como a areia, ferrugem etc. O S M O SE INVERSA Osmose inversa é um sistema de purificação de água mais seguro e mais divulgado do mundo: este aparelho permite com efeito a eliminação de partículas poluentes de dimensões infinitamente

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME OSMOSE REVERSA. Palestrantes: Juan Antonio Fornieles Pedro Espinheira

TRATAMENTO DE CHORUME OSMOSE REVERSA. Palestrantes: Juan Antonio Fornieles Pedro Espinheira TRATAMENTO DE CHORUME OSMOSE REVERSA Palestrantes: Juan Antonio Fornieles Pedro Espinheira Índice O Grupo Hera O Chorume Técnicas Utilizadas Osmose Reversa Vantagens Tipos de Módulos Gestão do Concentrado

Leia mais

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE Cromatografia CROMATOGRAFIA Plano de Aula -Princípios da separação de moléculas -Cromatografia: Classificação e mecanismos de separação -Cromatografia

Leia mais

DISPERSÕES. Prof. Tatiane Kuchnier de Moura

DISPERSÕES. Prof. Tatiane Kuchnier de Moura DISPERSÕES Prof. Tatiane Kuchnier de Moura DISPERSÃO Mistura DISPERSO + DISPERSANTE Classificação das Dispersões Nome da dispersão Diâmetro médio das partículas dispersas Exemplos Solução verdadeira Entre

Leia mais

DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA (Componente de Formação Científica) ANO LECTIVO: 2008/2009 2º ano (11º ano) Nº AULAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO

DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA (Componente de Formação Científica) ANO LECTIVO: 2008/2009 2º ano (11º ano) Nº AULAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO Módulo Q2 - SOLUÇÕES 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante. 1.2. Dispersão sólida, líquida e gasosa. 1.3. Critérios para a classificação de dispersões em soluções, colóides e suspensões. 2. Soluções

Leia mais

SOLUÇÕES SOLUÇÕES MISTURAS

SOLUÇÕES SOLUÇÕES MISTURAS MISTURAS SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma mistura. Exemplos: Mistura de

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Engenheiro / Área: Química Marque a alternativa na qual as propriedades pressão, volume, volume específico, temperatura, aceleração e número de mol estão corretamente

Leia mais

nos alimentos proteínas podem estar combinadas com lípidos e hidratos de carbono

nos alimentos proteínas podem estar combinadas com lípidos e hidratos de carbono nos alimentos proteínas podem estar combinadas com lípidos e hidratos de carbono na maioria dos alimentos conteúdo de proteína dado por N x 6.25% procedimento mais comum para determinar proteínas: determinação

Leia mais

RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS DE BIOQUÍMICA I

RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS DE BIOQUÍMICA I 5 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE BRUNA PASCARELLI PEDRICO DO NASCIMENTO CÍCERA PIMENTA MARCELINO GABRIEL PAEZ DE CASTRO OLIVEIRA LOREDANNA CAVALHEIRO AURORA

Leia mais

Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais.

Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais. Proteínas Essenciais para o funcionamento das células vivas e, juntamente com os carboidratos e lipídios, constituem a alimentação básica dos animais. Exercem várias funções biológicas: proteínas contráteis

Leia mais

6 Determinação de HPAs em peixes

6 Determinação de HPAs em peixes 6 Determinação de HPAs em peixes Várias técnicas analíticas têm sido usadas para determinar os níveis de HPAs e seus metabólitos em peixes. As técnicas mais comumente usadas incluem a cromatografia gasosa

Leia mais

Fisiologia e Crescimento Bacteriano

Fisiologia e Crescimento Bacteriano UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Fisiologia e Crescimento Bacteriano Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado

Leia mais

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq) " 2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq) " 2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível.

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq)  2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq)  2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível. Química QUESTÃO 1 O metabissulfito de potássio (K 2 S 2 O 5 ) e o dióxido de enxofre (SO 2 ) são amplamente utilizados na conservação de alimentos como sucos de frutas, retardando a deterioração provocada

Leia mais

Propriedades coligativas I

Propriedades coligativas I Propriedades coligativas I 01. (Ufrn) Um béquer de vidro, com meio litro de capacidade, em condições normais de temperatura e pressão, contém 300 ml de água líquida e 100 g de gelo em cubos. Adicionando-se,

Leia mais

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DA MATÉRIA CONCEITOS BÁSICOS MATÉRIA: tudo o que tem massa e ocupa lugar no espaço. CORPO/OBJETO: porção limitada da matéria. MASSA: quantidade matéria,

Leia mais

ARGUMENTÁRIO TÉCNICO LIMPEZA DE OBRAS POLÍCROMAS

ARGUMENTÁRIO TÉCNICO LIMPEZA DE OBRAS POLÍCROMAS ARGUMENTÁRIO TÉCNICO LIMPEZA DE OBRAS POLÍCROMAS SOLVENTES DE SUBSTITUIÇÃO E MISTURAS DE SOLVENTES A classe de solventes com maior toxicidade são os hidrocarburetos aromáticos (benzeno, tolueno e xileno),

Leia mais

*******************TIPO 1*******************

*******************TIPO 1******************* QUESTÕES PARA A PROVA MENSAL QUÍMICA PROF. JOÃO NETO TIPO 1 e TIPO 2 *******************TIPO 1******************* 1. Um grupo de estudantes preparou uma solução, dissolvendo 20 g de sal de cozinha em 100

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 2: O grafite e o diamante são substâncias simples e naturais do elemento carbono. Outras estruturas de substâncias simples do carbono, como o fulereno-60, fulereno-70 e nanotubos de carbono, são

Leia mais

Ensaio de Proficiência

Ensaio de Proficiência Ensaio de Proficiência Cromatografia de Íons - Variações de Cátions e Ânions - Bruno César Diniz Metrohm Pensalab bcd@metrohm.com.br IC - Ânions e Cátions Conteúdo Precisão X Exatidão Qualificação de Operação

Leia mais

Química. Questão 61. Questão 63. Questão 62 ETAPA. alternativa B. alternativa D

Química. Questão 61. Questão 63. Questão 62 ETAPA. alternativa B. alternativa D Química Questão 61 Em seu livro de contos, O Sistema Periódico, o escritor italiano Primo Levi descreve características de elementos químicos e as relaciona a fatos de sua vida. Dois trechos desse livro

Leia mais

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra LISTA 1 NÍVEL 1 01. (UEMA) Das três fases de uma substância, a que possui menor energia cinética é a fase, cuja característica é apresentar. Os termos que preenchem corretamente as lacunas são: a) Sólida

Leia mais

2. Metabolismo de Prótidos

2. Metabolismo de Prótidos 2. Metabolismo de Prótidos 2.1. Aminoácidos O transporte de aminoácidos é activo e faz-se juntamente com o sódio (Na + ), utilizando proteínas transportadoras. Os aminoácidos, são geralmente transportados

Leia mais

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE E. C. RODRIGUES¹, H. S. ALMEIDA², J. C. F. REIS JR 1, A. C. P. A. SANTOS 1, P. R. O. BRITO 1 e J. A. S. SOUZA 1 1 Universidade Federal do

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

Você não é o que come. Você é o que absorve!

Você não é o que come. Você é o que absorve! Você não é o que come. Você é o que absorve! Sabe-se que o consumo de suplementos alimentares com finalidades específicas, como incremento de massa muscular,vem crescendo constantemente no Brasil e no

Leia mais

Professora Sonia. ENEM 1999 - Prova resolvida Química

Professora Sonia. ENEM 1999 - Prova resolvida Química ENEM 1999 - Prova resolvida Química 01. Suponha que um agricultor esteja interessado em fazer uma plantação de girassóis. Procurando informação, leu a seguinte reportagem: SOLO ÁCIDO NÃO FAVORECE PLANTIO

Leia mais

Aulas 13 e 14. Soluções

Aulas 13 e 14. Soluções Aulas 13 e 14 Soluções Definição Solução é a denominação ao sistema em que uma substância está distribuída, ou disseminada, numa segunda substância sob forma de pequenas partículas. Exemplos Dissolvendo-se

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

PROF. ROSSONI QUÍMICA

PROF. ROSSONI QUÍMICA 01 - (UECE) Às vezes, a filtração simples é muito lenta, como no caso da mistura água e farinha. Para acelerá-lo, utiliza-se o método de filtração a vácuo, conforme a figura a seguir. Assinale a opção

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conteúdos curriculares de química: 2. ano - 1. bimestre: Dispersões (definição, classificação, características); Soluções (conceito e regra da solubilidade, curva de solubilidade, classificação); Concentração

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Química

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Química 26. Alternativa (C) Assunto: Propriedades físicas das substâncias densidade Os materiais apresentam diferentes densidades e mesma massa envolvida logo,

Leia mais