APÊNDICE I: Descrição do trabalho prático

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APÊNDICE I: Descrição do trabalho prático"

Transcrição

1 APÊNDICE I: Descrição do trabalho prático Não era minha intenção no início deste mestrado incluir o computador pessoal como ferramenta de trabalho, ou pelo menos como alicerce exploratório havia uma vontade de entender e usar o som como matéria prima, incluir novas tecnologias electrónicas e digitais, mas nunca ter o computador como ponto de partida. À medida que os estudos avançavam e alguns problemas encontravam solução num ambiente computacional, os papéis inverteram-se e tornou-se mais do que óbvio que, ao contrário das minhas deliberações iniciais, a direcção a tomar seria mesmo no sentido das ferramentas digitais. A decisão final de desenvolver um trabalho a partir do computador prendeu-se com o facto de ter tido na componente lectiva deste mestrado um Seminário Artístico sobre o software Max/MSP1. I.1. Objectivos O ponto de partida para este trabalho, além do já mencionado desejo de usar o som como matéria prima, começa também pela necessidade de complementar algumas características técnicas das ferramentas analógicas usadas no início deste trabalho (ex: Akai MPC1000 Sampler). 1 A história por detrás deste programa pode ser consultada no seguinte endereço: - Transcrevendo a informação disponível no endereço anterior, destaco dois pontos que julgo fundamentais: The main difference between Max/MSP and these programs (Csound, SuperCollider) is ease and immediacy of use. We think Max/MSP is easier to learn than text-based programs because it offers immediate feedback and because it can be easier to conceptualize a signal processing algorithm in a graphical form than as text. ; Max/MSP is not an audio editing program. It does all its processing in real time, and when you use it, you build a dynamic process an instrument if you will whereas an audio editing program is designed to make a static recording stored on your hard disk. You can certainly use the two together, taking hard-disk audio files and using them as source material for an Max/MSP real-time process, or interacting with an Max/MSP process and recording it, then processing the result further in an audio editing program. 1

2 Assim, a ideia condutora partiu das seguintes premissas: reconhecimento e gravação automática do som. fragmentação do som gravado e reordenação das diferentes partes em tempo real. manipulação das características temporais (velocidade de reprodução). manipulação das característivas acústicas como a reverberação e o delay. interacção entre os vários aparelhos electrónicos. O resultado final, ou pelo menos o requisito mínimo, deveria proporcionar um ambiente de trabalho optimizado, de forma a que pudesse ser usado por terceiros e que fosse aplicável tanto em estúdio como ao vivo. I.2. Características técnicas É fundamental sublinhar que, tendo em conta a complexidade programática de algumas das características destas ferramentas, não está ainda ao meu alcance o domínio dos objectos, funções e equações que permitem por exemplo dividir um som gravado em oito partes iguais. Para isso foi necessário o apoio de um especialista (neste caso o professor Carlos Caires). Julgo também importante mencionar dois factores que ajudaram na evolução deste projecto: a) os sistemas de ajuda (tutorials), disponíveis no Max/MSP, capazes de dar resposta aos problemas técnicos que vão surgindo; b) a troca de informação feita através de fóruns na internet, incentivados pelos criadores do respectivo software, proporcionando dessa forma aos utilizadores, diferentes soluções para o problema (relembro que este foi um dos factores propostos por Manning quanto à evolução das ferramentas digitais). Retomando o último parágrafo e como se pode ver na imagem 1, uma das preocupações com este trabalho foi torná-lo o mais visual possível, incentivando dessa forma a exploração por parte do utilizador. Através de sucessivas referências gráficas o utilizador pode estabelecer comunicação entre as diferentes ferramentas, sejam elas digitais ou analógicas. 2

3 Imagem 1. Arpeggiator A primeira ferramenta, ou instrumento (ao qual chamei Arpeggiator), iniciado ainda durante o seminário artístico, encontra-se, nesta fase, num ponto capaz de responder às premissas por mim colocadas e apresenta as seguintes características técnicas (consultar imagens no Anexo I): reconhecer a entrada sonora e gravação automática em dois canais (imagem A). reprodução automática do som gravado a partir de oito fragmentos iguais (imagem B). canais de reprodução com saídas e controle de intensidade sonora independentes (imagem C). manipulação das características temporais (velocidade de reprodução) ( imagem D). manipulação das característivas acústicas como a reverberação e o delay (imagem E). controlar cada um dos aspectos do som gravado gravado, anulando ou adicionando os respectivos factores durante a reprodução (R reverb; T transposição; D - delay) (imagem F). reordenar em tempo real as diferentes partes (oito), que constituem os sons gravados nos dois canais (nesta fase em simultâneo) (imagem G1 reprodução contínua e integral dos sons gravados; imagem G2 reprodução contínua do quinto fragmento; imagem G3 reprodução contínua dos sons gravados sendo apenas audível o quinto fragmento). aplicar uma função que permite moldar as características ADSR (Attack, Decay, Sustain, Release), de cada um dos fragmentos (imagem H). aplicar a transposição com a possibilidade de audição simultânea com o som original (opção independente de reverb e delay) (imagem - I). opção de nova gravação em tempo real (imagem J1 a partir do início; 3

4 imagem J2 escolha do fragmento a partir de onde terá início a gravação). activação da função MIDI de modo a que seja possível modificar cada um dos parâmetros a partir de uma ferramenta externa (imagem K). função que permite substituir, guardar, apagar os sons usados (imagem L). Como complemento e com o objectivo de enriquecer o leque sonoro, reformulei alguns instrumentos a partir de trabalhos desenvolvidos nas aulas de seminário. Em conjunto com o Arpeggiator permitem explorar outras interacções com os controladores externos adicionando resultados sonoros muitas vezes imprevisíveis - as características base destas ferramentas foram transferidas a partir da primeira. A segunda ferramenta, ou instrumento, ao qual intitulei de Droner (imagem 2), apresenta basicamente as mesmas características desenvolvidas no primeiro instrumento. Ao manipular o tempo de repetição da área gravada percebi que, ao diminuir o valor do tempo e adicionando uma reverberação, o resultado obtido é um efeito harmónico contínuo (denominado em linguagem musical como drone). Imagem 2. Droner reconhecimento e gravação automática (um canal). selecção manual da área a editar. aplicar uma função que permite moldar as características ADSR (Attack, Decay, Sustain, Release), de cada um dos fragmentos. aplicar a transposição (neste caso sem possibilidade de audição simultânea com o som original). manipulação das características temporais (tempo de repetição). controlar cada um dos aspectos do som gravado gravado, anulando ou 4

5 adicionando os respectivos factores durante a reprodução (reverb; delay no caso deste instrumento esta função foi canalizada para a ferramenta de apoio representada na imagem 4). activação da função MIDI de modo a que seja possível modificar cada um dos parâmetros a partir de uma ferramenta externa. função que permite substituir, guardar, apagar os sons usados. A terceira ferramenta, ou instrumento, é um sintetizador que transforma uma mensagem MIDI em frequência com a possibilidade de alterar os valores de ADSR. Podemos ver na imagem 3 que as características são muito semelhantes às dos instrumentos anteriores mas sem a capacidade de gravação. Para este trabalho são usados dois destes instrumentos permitindo dessa forma uma gestão mais abrangente de sons. É possível aplicar efeitos acústicos como a reverberação e o delay havendo igualmente a opção de anular ou adicionar esses efeitos ao som original. Imagem 3. Synth De maneira a facilitar a gestão dos resultados sonoros obtidos no mesmo espaço de trabalho, desenvolvi uma ferramenta exterior a cada um dos instrumentos representados anteriormente. Todos os sons debitados pelo Arpeggiator, pelo Droner, e pelos Synth A e AA, são redireccionados para uma plataforma de mistura que permite também receber o som externo através de dois canais. Convém salientar que as características do Mixer (imagem 4), resultam das necessidades surgidas durante a evolução deste trabalho e é aplicável apenas a esta estrutura. 5

6 Imagem 4. Mixer Características do Mixer: controlar cada um dos efeitos obtidos a partir do Droner, anulando ou adicionando os respectivos factores durante a reprodução (D delay; R reverberação; S som original). seis canais que controlam a intensidade sonora do Arpeggiator, do Droner, do Delay (do Droner), da reverberação (do Droner), do Synth A e AA, e do som geral (master). dois canais de entrada (C1 e C2), com controle de volume independente e aplicação de efeitos sonoros em simultâneo (Delay, Reverb). activação da função MIDI de modo a que seja possível modificar cada um dos parâmetros (efeitos e intensidade sonora), a partir de uma ferramenta externa. I.3 Aplicações Vimos nos objectivos deste trabalho prático que as suas aplicações possíveis são duas: em estúdio e ao vivo. Neste momento as diferentes ferramentas estão aptas para ser usadas na minha exploração faltando no entanto uma optimização de forma a que possam ser mais apelativas a terceiros. Voltando ao artigo de Manning, damos conta que até agora os programas evoluiram paralelamente de duas formas distintas: aqueles que ofereciam aos utilizadores uma base de dados com a livraria pré-definida (sons; instrumentos virtuais; efeitos); os que permitiam ao utilizador programar de raiz todas as propriedades a editar. Como resposta a esse avanço paralelo e contrariando a ideia de especialização que muitos programas de produção musical impõem, surgiu o Max for 6

7 Live, programa que permite conciliar o ambiente de programação do MaxMSP com o ambiente de produção pré-definido do Ableton Live2. De uma forma muito simples, trata-se de uma oportunidade única que cada um dos criadores tem em personalizar, recriar ou apenas suprimir as faltas de um programa sem que na realidade deixe de o usar em detrimento de outro. Basicamente, estamos a falar de uma matriosca digital sendo o Live o invólucro que alberga o MaxMSP, cada um deles alberga característics próprias que se conjugam entre si. Para que comunicação entre ambos seja bem sucedida são necessários alguns pré-requisitos programáticos. A adaptação já feita prende-se com as medidas gráficas dos dispositivos que não devem ultrapassar a altura de 169 pixels (medida estabelecida pelo Live). Depois de feitas todas as readaptações será então possível explorar algumas destas ferramentas num ambiente que pode complementar as suas capacidades sem que ponha em causa todo o trabalho inicial. 2 Mais do que ferramenta de produção, o Live surgiu em 2001 como uma ferramenta performativa. A sua maiordiferença relativamente a outros programas está no facto de ter sido criado por músicos com o objectivo específico de ser usado ao vivo. Um dos mais reconhecidos representantes que criou o programa Ableton Live foi o músico alemão Robert Henke com discos editados na sua etiqueta Imbalance Computer Music. Em Março deste ano (2013), foi lançada a nona versão do Live. 7

8 IMAGENS APÊNDICE I Imagem A. Entrada sonora e gravação automática em dois canais. Imagem B. Reprodução automática do som gravado a partir de oito fragmentos iguais. Imagem C. Canais de reprodução com saídas e controle de intensidade sonora independentes. Imagem D. Manipulação das características temporais (velocidade de reprodução). Imagem E. Manipulação das característivas acústicas como a reverberação e o delay. 8

9 Imagem F. Controle de cada um dos aspectos do som gravado gravado, anulando ou adicionando os respectivos factores durante a reprodução (R reverb; T transposição; D - delay). Imagem G1. Reprodução contínua e integral dos sons gravados. Imagem G2. Reprodução contínua do quinto fragmento. Imagem G3. Reprodução contínua dos sons gravados sendo apenas audível o quinto fragmento. Imagem H. Função que permite moldar as características ADSR (Attack, Decay, Sustain, Release), de cada um dos fragmentos. 9

10 Imagem I. Aplicar a transposição com a possibilidade de audição simultânea com o som original (opção independente de reverb e delay). Imagem J1. Opção de nova gravação em tempo real a partir dos 0.00 segundos. Imagem J2. Nova gravação em tempo real com escolha do fragmento a partir de onde terá início a gravação. Imagem K. Activação da função MIDI de modo a que seja possível modificar cada um dos parâmetros a partir de uma ferramenta externa. Imagem L. Função que permite substituir, guardar, apagar os sons usados. 10

11 Imagem M. Ferramentas optimizadas para a minha exploração. 11

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre 17:47:08 Introdução à Informática com Software Livre 1 17:47:09 Audacity 2 Audacity 17:47:09 Audacity é um Software Livre de edição digital de áudio, disponível principalmente nas plataformas: Windows,

Leia mais

Criação de Filmes em Windows Movie Maker Nível B3

Criação de Filmes em Windows Movie Maker Nível B3 Ficha de Trabalho nº 1 Objectivos: Ambiente de trabalho Criar um novo projecto Inserir um Vídeo, uma Fotografia, uma Música Inserir um Título, uma Legenda ou uma Ficha Técnica Inserir uma Animação ou Efeito

Leia mais

Trabalho de Grupo. Escola Superior de Educação de Viseu Licenciatura: Educação Básica Unidade Curricular: TIC 1º Ano - 2º Semestre 2013/2014

Trabalho de Grupo. Escola Superior de Educação de Viseu Licenciatura: Educação Básica Unidade Curricular: TIC 1º Ano - 2º Semestre 2013/2014 1. ACTIVIDADE Esta actividade irá ser realizada pelas crianças e tem como objectivo a produção de um vídeo original com base na disciplina de Educação Musical. Para esta actividade irão ser utilizadas

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Animoto M a n

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Online Logo Maker

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

1 Noções de software musical Conteúdo

1 Noções de software musical Conteúdo Introdução Conceitos básicos de software educacional e informática na educação O software musical como auxílio aos professores de música Software para acompanhamento Software para edição de partituras

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Som Interactivo Área Científica Som Som e Imagem Ciclo de Estudos 5º Ciclo - Licenciatura Carácter: Opcional Semestre 1º ECTS 6 Tempo de Trabalho:

Leia mais

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO

NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO NOVAS MÍDIAS DIGITAIS - AULA 01 - APRESENTAÇÃO O QUE É MÍDIA DIGITAL? É conjunto de meios de comunicação baseados em tecnologia digital, permitindo a distribuição de informação na forma escrita, sonora

Leia mais

Hardware. Dispositivos de saída

Hardware. Dispositivos de saída 1 Dispositivos de saída Os dispositivos de saída permitem a comunicação no sentido do computador para o utilizador No quadro 3, são apresentados os principais dispositivos de saída relacionados com a reprodução

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

ANALÓGICA X DIGITAL. Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica. Eletrônica Digital

ANALÓGICA X DIGITAL. Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica. Eletrônica Digital ANALÓGICA X DIGITAL Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica Eletrônica Digital ANALÓGICA X DIGITAL A eletrônica analógica é caracterizada por um sinal que

Leia mais

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity!

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity! Audacity Os primeiros passos com o Audacity! João Torres joao.torres@dgidc.min-edu.pt Milena Jorge milena.jorge@dgidc.min-edu.pt Dezembro de 2009 Conteúdo 1 Sobre este documento 2 2 O que é o Audacity?

Leia mais

Manual do utilizador das funções avançadas do sistema de correio de voz Cisco Unity Express 7.0.2

Manual do utilizador das funções avançadas do sistema de correio de voz Cisco Unity Express 7.0.2 Manual do utilizador das funções avançadas do sistema de correio de voz Cisco Unity Express 7.0.2 Última actualização: 12 March 2009 Este manual fornece informações sobre a utilização das funções de correio

Leia mais

GUARDING EXPERT (ANDROID) SOFTWARE PARA TELEMÓVEIS

GUARDING EXPERT (ANDROID) SOFTWARE PARA TELEMÓVEIS 1 GUARDING EXPERT (ANDROID) SOFTWARE PARA TELEMÓVEIS Visão Geral O software para telemóvel Guarding Expert (Android) V3.2, foi projetado para telemóveis com base no sistema operativo Android (versão 2.3.3

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

www.enviarsms.smsvianetportugal.com Descrição de Como Utilizar

www.enviarsms.smsvianetportugal.com Descrição de Como Utilizar www.enviarsms.smsvianetportugal.com Descrição de Como Utilizar Este interface de utilizador, do serviço www.smsvianetportugal.com, permite a ceder à mesma conta de cliente, que através do interface simplesms.smsvianetportugal.

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Microsoft Word Folha

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: comunicação orientada por mensagem e comunicação orientada por fluxo Prof. MSc. Hugo Souza Continuando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre

Leia mais

Introdução. I. Nova Mensagem

Introdução. I. Nova Mensagem Introdução A partir da plataforma do Geonaut é possível enviar mensagens aos recursos, este módulo é muito importante porque permite informar ou pedir informação a um recurso pretendido. Além de se poder

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER*

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* * Microsoft Windows MovieMakeré um programa da Microsoft Corporation. A versão utilizada é a 5.1 que já vem instalada no Microsoft Windows

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

QNAP Surveillance Client para MAC

QNAP Surveillance Client para MAC QNAP Surveillance Client para MAC Chapter 1. Instalar o QNAP Surveillance Client 1. Clique duas vezes em "QNAP Surveillance Client V1.0.1 Build 5411.dmg". Após alguns segundos, é exibida a seguinte imagem.

Leia mais

Memorial Descritivo. Portfólio Acadêmico Online

Memorial Descritivo. Portfólio Acadêmico Online Faculdade de Tecnologia SENAC Memorial Descritivo Portfólio Acadêmico Online Projeto Integrador do Módulo 1 Produção Multimídia Por Irene Coelho 09 de maio de 2014 Sumário 1. Introdução pág.01 2. Objetivos

Leia mais

Acer erecovery Management

Acer erecovery Management 1 Acer erecovery Management Desenvolvido pela equipa de software da Acer, o Acer erecovery Management é uma ferramenta que lhe permite de forma fácil, fiável e segura restaurar o seu computador para o

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

PAGE versões alternadas: entre print e pixel

PAGE versões alternadas: entre print e pixel 23 03 10 PAGE versões alternadas: entre print e pixel Marta Jardim / Pedro Carvalho THE ZONE natureza híbrida e específica A concepção de objectos que correspondam aos objectivos propostos privilegiam

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Guião Páginas WWW com o editor do Microsoft Office Word 2003 1. Introdução. 2. Abrir uma página Web. 3. Guardar

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

PROGRAMA DE INFORMÁTICA

PROGRAMA DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE INFORMÁTICA 10ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Todas as áreas Ficha Técnica Título Programa de Informática - 10ª Classe Editora Editora Moderna, S.A. Pré-impressão, Impressão e Acabamento

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Prototipagem Digital II Área Científica: Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos: 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo: 2008/2009 Semestre:

Leia mais

Criação de Páginas Web - MS Word 2000

Criação de Páginas Web - MS Word 2000 Gestão Comercial e da Produção Informática I 2003/04 Ficha de Trabalho N.º 9 Criação de Páginas Web - MS Word 2000 1. Criação de uma página Web (HTML): Escreva o seu texto e introduza as imagens pretendidas

Leia mais

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos,

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, Guia de Backup Introdução Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, apresentações, entre outras. Imagine que quando

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client O Software HMS Client permite visualização de imagens de 3 maneiras diferentes: Imagens dos dispositivos (Mini Câmeras e NVRs) gravadas

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br. Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) Designer Gráfico APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1... 3 Apresentação do Photoshop... 3 Barra de Menus... 3 Barra de Opções... 3 Barra de Ferramentas...4

Leia mais

Análise real de dados

Análise real de dados Análise real de dados Para tacógrafos analógicos e digitais www.siemensvdo.com 1 Maximize todas as potencialidades dos tacógrafos digitais Novas obrigações, novas opções de análise Para si e para a sua

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. GINESTAL MACHADO 3º Ciclo do Ensino Básico Planificação Ano letivo: 2013/2014 Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano:7º Conteúdos Objectivos Estratégias/Actividades

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Junho de 2005 ISBN: 989-615-011-7 Depósito legal: 229.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Junho de 2005 ISBN: 989-615-011-7 Depósito legal: 229. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Windows Movie Maker Colecção: Software

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a MonkeyJam M a

Leia mais

Conhecendo seu telefone

Conhecendo seu telefone Conhecendo seu telefone Fone de ouvido Tecla de navegação S Lentes da câmera Tecla virtual esquerda Teclas de volume Tecla Enviar N Tecla virtual direita Tecla Menu M Tecla Finalizar O Porta da bateria

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

Introdução. Características. Hardware. Características principais. Software. versão 1.01-23-03-2014

Introdução. Características. Hardware. Características principais. Software. versão 1.01-23-03-2014 versão 1.01-23-03-2014 Introdução ORGAN1 é um gerador de som de orgãos composto por um programa (software) implementado num único integrado microprocessador (hardware). Características Polifonia Controle

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Coluna vari-direccional Propagação do som na direcção certa

Coluna vari-direccional Propagação do som na direcção certa Coluna vari-direccional Propagação do som na direcção certa 2 Coluna vari-direccional da Bosch A última novidade em desempenho sonoro para ambientes de acústica difícil Qualidade de som ímpar e inteligibilidade

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Sketch2Photo

Leia mais

Roxio Easy CD & DVD Burning

Roxio Easy CD & DVD Burning Roxio Easy CD & DVD Burning Guia de Introdução 2 Começando a usar o Easy CD & DVD Burning Neste guia Bem-vindo ao Roxio Easy CD & DVD Burning 3 Sobre este guia 3 Sobre o conjunto Easy CD & DVD Burning

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

2.Não use objetos de metal para tocar o aparelho, pode produzir um curto-circuito.

2.Não use objetos de metal para tocar o aparelho, pode produzir um curto-circuito. Manual em Portugues Introdução Obrigado pela sua compra! Por favor, leia estas instruções antes de usar o tablet. Nós não nos fazemos responsáveis pelas conseqüências do uso indevido. Para melhorar o serviço

Leia mais

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/2013 1 PERÍODO

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/2013 1 PERÍODO Ano Letivo 2012/2013 TIC 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS 1 PERÍODO 1 TEMPO- 45 MINUTOS Domínio Duração Objectivos Gerais Objectivos Específicos Estratégias/ Actividades Subdomínio 7ºA 7ºB Informação

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Ladibug TM Software de Imagem para o Document Camera Manual do Utilizador

Ladibug TM Software de Imagem para o Document Camera Manual do Utilizador Ladibug TM Software de Imagem para o Document Camera Manual do Utilizador Índice 1. Introdução...2 2. Requisito do Sistema...2 3. Instalar Ladibug...3 4. Iniciar a utilização do Ladibug...5 5. Operação...6

Leia mais

Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico

Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico Aplica-se às seguintes edições: Advanced Server Virtual Edition Advanced Server SBS Edition Advanced Workstation

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015 ROM e RAM Memórias Prof. Fabrício Alessi Steinmacher. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca na memória todas as informações necessárias ao processamento. Nos computadores as memórias

Leia mais

Treinamento T2Ti Jogos - Java Básico

Treinamento T2Ti Jogos - Java Básico Treinamento T2Ti Jogos - Java Básico Desenvolvendo um jogo digital em java O treinamento "Desenvolvimento de Jogos Digitais - Java Básico" tem como objetivo preparar o aluno para o desenvolvimento completo

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o da d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a AnimatorDV M a

Leia mais

Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho. Agenda

Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho. Agenda Streaming Multimédia Henrique Santos Dpt.. Sistemas de Informação Universidade do Minho Agenda Da Imagem à Integração Streaming multimédia Fases de desenvolvimento Criação/Selecção de conteúdos Edição

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003 MANTENHA-SE INFORMADO Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para ser informado sempre que existirem actualizações a esta colecção ou outras notícias importantes sobre o Internet Explorer. *

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Francisco Rolfsen Belda e-mail: belda@faac.unesp.br Danilo Leme Bressan e-mail: danilo.bressan@gmail.com.br

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20 Sumário: Os subsistemas vídeo. A RAM vídeo. Aula Teórica 20 Leitura Recomendada: Capítulo 37 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware Book, Addison-Wesley. Capítulos 4 e 11 - Peter Norton, Peter

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais

Manual do usuário. isic 5 - Windows Phone

Manual do usuário. isic 5 - Windows Phone Manual do usuário isic 5 - Windows Phone 1. Informações para o usuário Este manual irá auxiliá-lo na instalação e utilização do software para visualização das imagens dos DVRs e Câmera Speed Dome IP da

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Escola Secundária de Amora Seixal

Escola Secundária de Amora Seixal Escola Secundária de Amora Seixal DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO TURMAS: 7A E 7B ANO LETIVO 2014-2015 P R O P

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 7º Ano Ano letivo 2014-201 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

CONHECENDO O AUDACITY E O PODOMATIC

CONHECENDO O AUDACITY E O PODOMATIC CONHECENDO O AUDACITY E O PODOMATIC O Audacity (Audio (áudio) + Acity (cilindrada) - (http://audacity.sourceforge.net/) é uma aplicação de Software Livre para gravação e edição de áudio. No Audacity, através

Leia mais

PORTUGUÊS. Manual de utilizador HS-04U

PORTUGUÊS. Manual de utilizador HS-04U Manual de utilizador HS-04U 1 Índice 1 Introdução HS-04U...3 2 Introdução da tecnologia de som Xear 3D 4 3 Estrutura das funções e vista geral....5 4 Requisitos do sistema e instalação... 6 5 Interface

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DOS

Leia mais

Ano de Escolaridade: 3º Ano Turma: Ano Lectivo: 2011/2012

Ano de Escolaridade: 3º Ano Turma: Ano Lectivo: 2011/2012 L a n g u a g e SSeerrvvi icceess & SSool luut tioonnss Arte das Palavras, Ens. e Trad.,Unip., Lda. PLANIFICAÇÃO ANUAL TIC (TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO) Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova

Leia mais

MANUAL DE ACESSO INTERNET EXPLORER (HTTP) / CMS / CELULAR (MOBILE) Flash Systems - Manual de Acesso

MANUAL DE ACESSO INTERNET EXPLORER (HTTP) / CMS / CELULAR (MOBILE) Flash Systems - Manual de Acesso MANUAL DE ACESSO INTERNET EXPLORER (HTTP) / CMS / CELULAR (MOBILE) Flash Systems - Manual de Acesso INTERNET EXPLORER (HTTP) Importante: Usar somente o navegador Internet Explorer, devido à necessidade

Leia mais

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS 7

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS 7 ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS 7 OBJETIVO Conhecer as funcionalidades do software VMware Player implantando o sistema operacional Windows 7 e trabalhando em algumas ferramentas nativas

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry

MANUAL DO USUÁRIO. Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry MANUAL DO USUÁRIO Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry Software de imagem via celular para sistema operacional BlackBerry Parabéns, você acaba de adquirir um produto

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador.

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015

Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias. (I7.1) Utilização do computador e/ou dispositivos eletrónicos similares em segurança. (I7.2) 1. Compreender a evolução das tecnologias de informação

Leia mais

Go!Animate Manual e Guia de exploração do Go!Animate para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnológica. Paulo Fernandes

Go!Animate Manual e Guia de exploração do Go!Animate para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnológica. Paulo Fernandes Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica Go!Animate Manual e Guia de exploração do Go!Animate para utilização em contexto de Educação

Leia mais

COMO PARTICIPAR? GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO

COMO PARTICIPAR? GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO Tutorial Inscreva sua história COMO PARTICIPAR? VEJA O TEMA TENHA UMA IDEIA GRAVE O VÍDEO EDITE O VÍDEO COLOQUE UMA TRILHA SONORA INSCREVA-SE! Tema: Inspirando histórias Premissa conceitual: Em comemoração

Leia mais

Centro Digital Aula 1

Centro Digital Aula 1 Centro Digital Aula 1 A oficina de Criação de website visa capacitar o aluno a criar e hospedar uma página simples na internet, com moldes predeterminados para divulgação de seu negócio. A internet surgiu

Leia mais

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3)

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Antes de iniciar o processo, você precisará um pen drive USB com uma capacidade de 2 GB ou maior. Em caso de dúvida ou dificuldade

Leia mais