Porque é tão importante a Biodiversidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Porque é tão importante a Biodiversidade"

Transcrição

1 Porque é tão importante a Biodiversidade Natural? Texto Maria do Carmo Tavares/AmBioDiv Fotografia D.R. A 01 Um escaravelho pousado numa composta. A evidente transição entre áreas de bosquete e vinha (Herdade do Esporão). Biodiversidade Natural reporta aos elementos naturais e autóctones sendo de elevada importância em qualquer espaço, independentemente do seu tamanho e funções. É esta Biodiversidade Natural que assegura o desempenho das funções ecológicas, que vão desde a regulação de pragas, criação de nichos com microclimas específicos, fonte de alimento para a fauna, redução no uso de produtos químicos até ao aumento da fertilidade do solo, entre outros. Quando falta a regulação promovida por estes elementos naturais, as funções ecológicas não se processam e o ecossistema entra em desequilíbrio. Na tentativa de repor o equilíbrio nos ecossistemas é necessária a intervenção humana, que acarreta custos bastante elevados, tanto monetários como 93_97 guia pra tico.indd 1 8/23/09 4:04:34 PM

2 94 95 Guia de Outono 01,, 03 Leguminosas a utilizar em enrelvamentos: Lotus hispidus, Ononis spinosa e Trifolium stellatum. 01 Outono 2009 ambientais. Para melhor compreender apresentamos diferentes exemplos que mostram que esta questão pode ser abordada desde o pequeno quintal à grande propriedade agro-florestal. As infra-estruturas ecológicas são formadas por elementos vegetais naturais que acrescem de valor ecológico o espaço a intervencionar, podendo variar de tamanho, estrutura e composição consoante as necessidades (prados, bosquetes, sebes de compartimentação, faixas de vegetação, enrelvamentos, etc). Tal como referido acima as funções ecológicas asseguradas por estas infraestruturas podem ser bastante diversificadas: criação de habitats, constituição de corredores ecológicos, diminuição da erosão, aumento da fertilidade do solo, constituição de barreiras contra o vento, regulação dos requisitos hídricos, regulação das pragas e doenças. Para além das funções ecológicas acresce ainda o valor estético, social e cultural intrínseco. Como exemplo temos as vastas áreas de pastagens, que podemos encontrar no Alentejo, as quais constituem imensos campos abertos pastoreados sem quaisquer sebes de compartimentação que poderiam fornecer habitats e sombras para o repouso e descanso do gado, o que leva a que este se recolha sob os poucos sobreiros ou azinheiras existentes. Por outro lado, a função ecológica pretendida com as sebes de compartimentação poderá passar essencialmente pela função que visa o abrigo a espécies auxiliares (espécies que controlam a ocorrência de pragas ex: vespas, joaninhas, escaravelhos), ou então servir de suporte alternativo atraindo as espécies-praga de determinados tipo de culturas (espécies que ocorrem naturalmente na natureza, mas sob determinadas condições que podem prejudicar o bom desenvolvimento de uma cultura agrícola ex: pulgões e cigarrinha-verde). Para além deste benefício já identificado, a constituição de sebes naturais 03 93_97 guia pra tico.indd 2 8/23/09 4:05:15 PM

3 01 Um exemplo da compartimentação agrícola na Ilha terceira. 01,, 03 Compostas a utilizar em enrelvamentos: Cichorium intybus, Coleostephus myconis e Scolymus hispanicus. Projecto de plantação de sebes de compartimentação (Herdade do Esporão) assegura ainda a regulação de outro factor determinante: o ciclo da água. Estas sebes, protegem as culturas, como barreiras para o vento, diminuindo a velocidade do vento que entra na cultura provocando o corte, queda ou danificação de partes de plantas, e que aumenta a velocidade de transpiração das folhas. Com as sebes a quantidade de água necessária para a rega diminui. Assim a adopção da estratégia de implementar infraestruturas ecológicas, como por exemplo as sebes de compartimentação, permite uma gestão activa em prol da Biodiversidade e da produção económica, duas coisas que podem e devem estar interligadas. Num plano de instalação das sebes de compartimentação a selecção das espécies deve ser feita de acordo com os princípios acima referidos e tendo como base o que se passa a enumerar: Altura das árvores, se por um lado os auxiliares prefe _97 guia pra tico.indd 3 8/23/09 4:05:31 PM

4 96 97 Guia de Outono Sebes arbóreas de florestas na Ilha Terceira. 01,, 03 Gramíneas a utilizar nos enrelvamentos: Cynosurus echinatus, Bromus madritensis e Dactylis glomerata Outono 2009 rem um porte arbustivo, por outro lado um porte arbóreo favorece a diminuição da velocidade do vento, assim a plantação de espécies arbóreas e arbustivas deve ser intercalada; Polinização (selecção de espécies vegetais que tenham apetência para atrair os insectos); Necessidades hídricas locais (a selecção de espécies vegetais deve ter em conta este objectivo: selecção de espécies higrófilas ou xerofíticas, consoante a situação ecológica do local). A par deste tipo de infra-estruturas ecológicas podem ainda ser considerados os prados enrelvados com elementos vegetais constituídos essencialmente por gramíneas, compostas e leguminosas. Se, por um lado as compostas, com as suas vistosas cores constituem uma importante fonte de atracção para insectos, por outro lado as leguminosas constituem uma fonte de enriquecimento nutritivo para o solo em termos de aporte de azoto. Actualmente são já várias as empresas que optam por este tipo de soluções, nomeadamente explorações agrícolas, que pretendem resolver problemas e identificar áreas prioritárias de intervenção para criação de infra-estruturas ecológicas: sebes e enrelvamentos. Não é só o grande produtor que pode optar por estas soluções, também o pequeno produtor poderá integrar as infraestruturas ecológicas no seu pequeno quintal ou horta, por exemplo através da criação de uma faixa de enrelvamento na bordadura e/ou entre-culturas de espécies herbáceas que com certeza irão atrair pragas e auxiliares, melhorando por sua vez a estrutura química do solo. De entre as espécies vegetais mais utilizadas são de realçar as seguintes: compostas (Chamaemelum mixtum, Coleostephus myconis, Scolymus hispanicus), gramíneas (Briza maxima, Lolium perenne, Dactylis glomerata) e leguminosas (Trifolium stellatum, Trifolium angustifolium, Vicia sativa). Em termos de espécies a utilizar 93_97 guia pra tico.indd 4 8/23/09 4:05:48 PM

5 01,, 03 Arbustivas a utilizar em sebes: Rosa micrantha, Crataegus monogyna e Myrtus communis. 04 Enrelvamento dominado por compostas. 05 Enrelvamento dominado por Centaurium erythraea na constituição de sebes arbóreas e arbustivas as espécies poderão variar segundo a ecologia de cada local, de um modo geral o loendro (Nerium oleander), freixo (Fraxinus angustifolia), rosmaninho (Lavandula sp.), lentisco (Phillyrea angustifolia) e murta (Myrtus communis) poderão ser boas soluções. O Verão está a terminar e adivinham-se dias de chuva e maior humidade, tratam-se portanto de bons motivos para dar inicio aos trabalhos de estacaria de arbóreas e arbustivas para a constituição de sebes naturais. Bons trabalhos! 05 93_97 guia pra tico.indd 5 8/23/09 4:06:04 PM

Implantação de sebes no ecossistema vitícola

Implantação de sebes no ecossistema vitícola Implantação de sebes no ecossistema vitícola Quinta das Carvalhas, 29 Outubro 2012 Cristina Carlos LIFE 09 NAT/FR/000584 Porquê melhorar os habitats Promover a sustentabilidade do ecossistema vitícola

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

Herdade do Esporão: desenhar e gerir vinhas para o futuro.

Herdade do Esporão: desenhar e gerir vinhas para o futuro. Herdade do Esporão: desenhar e gerir vinhas para o futuro. Rui Flores Gestor Agrícola Amândio Rodrigues Diretor Agrícola José Madeira Gestor Agrícola MISSÃO - A nossa razão de existir fazer os melhores

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA Carlos Lopes Dep. Ciências e Engenharia de Biossistemas Instituto Superior de Agronomia/Univ. Lisboa Simp. Viticultura Sustentável,

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva C. M. Porto Mós M s 24/02/2010 25022010 1 centro tecnológico

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

Guia prático. para os agricultores

Guia prático. para os agricultores Guia prático para os agricultores Introdução Os insectos polinizadores são uma componente essencial para a polinização de muitas culturas. Ao longo dos anos, no entanto, o número de alguns insectos polinizadores

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

A conservação pelo uso:

A conservação pelo uso: A conservação pelo uso: Valor ecológico e ambiental dos Montados Miguel N. Bugalho WWF Programa Mediterrâneo Universidade Técnica de Lisboa Palafrugell,1de Dezembro de 2009 Fundo Mundial para a Natureza

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 9º 3º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS. Mudar o Presente, Garantir o Futuro

MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS. Mudar o Presente, Garantir o Futuro MANUAL COMPOSTAGEM E VERMICOMPOSTAGEM NAS ESCOLAS Mudar o Presente, Garantir o Futuro O conteúdo do seguinte Projecto é da exclusiva propriedade da Futuramb Gestão Sustentável de Recursos. Caso pretenda

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais

REGULAMENTO GERAL. Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais REGULAMENTO GERAL Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais NOTA O presente Regulamento visa apenas a componente de Hortas Comunitárias, inseridas no Programa Hortas de Cascais

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO RELATIVO À CONTRIBUIÇÃO DA FINAGRA PARA O OBJECTIVO EUROPEU DE PARAR A PERDA DE BIODIVERSIDADE ATÉ 2010 Declaração de Compromisso A Herdade do Esporão (Reguengos de Monsaraz)

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

A Floresta no Fundo Português de Carbono

A Floresta no Fundo Português de Carbono A Floresta no Fundo Português de Carbono Paulo Canaveira Workshop Serviços do Ecossistema em Espaços Florestais Contributos para uma Economia Verde em Portugal 29 de Fevereiro de 2012 MAMAOT Sala Polivalente,

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

Conservação e Extinção das Espécies

Conservação e Extinção das Espécies Conservação e Extinção das Espécies Já pensaste como são variadas e importantes os outros seres vivos com quem partilhamos o nosso planeta? E como as nossas vidas ficarão empobrecidas se esta diversidade

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja

Instituto Politécnico de Beja Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Agrária de Beja Licenciatura (1º ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directora de Curso: Doutora Rosa Maria Cabral da Cunha

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 2. OBJECTIVOS E JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 2. OBJECTIVOS E JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO - 1 - ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 1 2. ANTECEDENTES--------------------------------------------------------------------------- 1 3.

Leia mais

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P.

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P. PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE MAPUTO MAPUTO 2013 AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P. CERRO DE DOCUMEIRAÇÃO E INFORMAÇÃO Entrada do Documento:PI'«oce,5a,w) *1.~, la Edição PLANO DE

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS

BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS Caatinga Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia e Norte de Minas. Forte presença de arbustos com galhos retorcidos e com raízes

Leia mais

Projeto de lei n.º 111/XIII/1ª. Inclusão de opção vegetariana em todas as cantinas públicas. Exposição de motivos

Projeto de lei n.º 111/XIII/1ª. Inclusão de opção vegetariana em todas as cantinas públicas. Exposição de motivos Projeto de lei n.º 111/XIII/1ª Inclusão de opção vegetariana em todas as cantinas públicas Exposição de motivos Em 2007 existiam em Portugal cerca de 30.000 vegetarianos, segundo a Associação Vegetariana

Leia mais

NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE. Tema: A Agricultura

NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE. Tema: A Agricultura NÚCLEO GERADOR: URBANISMO E MOBILIDADE Tema: A Agricultura A agricultura Um dos principais problemas da humanidade é conseguir fornecer a todas as pessoas alimentação suficiente e adequada. Crescimento

Leia mais

Estratégias a utilizar

Estratégias a utilizar Introdução Ao olharmos à nossa volta e ao estarmos atentos à informação que nos chega diariamente através dos vários órgãos de comunicação social, chegamos à triste conclusão que a vida no planeta Terra

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Biodiversidade funcional em viticultura no Douro Projectos em curso

Biodiversidade funcional em viticultura no Douro Projectos em curso LIFE 09 NAT/FR/000584 Fórum anual VINIPORTUGAL Palácio da Bolsa, Porto, 28/11/2012 Biodiversidade funcional em viticultura no Douro Projectos em curso Cristina Carlos Porquê o interesse pela Biodiversidade

Leia mais

Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz

Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz Ecologia para Aldeias de Pesquisa para a Paz O Centro de Pesquisa para a Paz Tamera está a desenvolver um modelo de grande escala para renaturalização da paisagem e produção de alimentos em cooperação

Leia mais

SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS

SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS Seminário Agricultura + Lisboa, 16.07.2013 SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS Tiago Domingos, Helena Martins tiago.domingos@terraprima.pt Sessão

Leia mais

O património natural do Aqueduto da Água de Prata um valor a preservar

O património natural do Aqueduto da Água de Prata um valor a preservar Óleo pintado por Frei Miguel Cartuxo do Convento de Santa Maria Scala Coeli O património natural do Aqueduto da Água de Prata um valor a preservar Marízia Menezes Dias Pereira Departamento de Planeamento,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJETO DE EXECUÇÃO

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJETO DE EXECUÇÃO ÉVORA RESORT RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJETO DE EXECUÇÃO VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO JUNHO DE 2012 ÉVORA RESORT RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJETO DE EXECUÇÃO Sumário Executivo

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Resumo Não Técnico

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Resumo Não Técnico ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico PEDREIRA DA PEDRINHA II Julho de 2011 GEOTROTA Unipessoal Lda Quinta do Castanheiro, Canada dos Caracóis, nº3, 9600-059 Pico da Pedra Tel./Fax: 296498259

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS 4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS A abordagem estratégica que se pretende implementar com o Plano Regional da Água deverá ser baseada num conjunto de princípios nucleares que, sendo unanimemente

Leia mais

A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas

A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas A Importância dos Sistemas de Informação Geográfica na Caracterização e Gestão das Vinhas José Aranha CITAB j_aranha@utad.pt Juliana Salvação bolseira EcoVitis jlsalvacao@hotmail.com Colóquio Ecovitis:

Leia mais

Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA

Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA 1 Unidade 0 Diversidade na biosfera I DIVERSIDADE NA BIOSFERA Objectivos 2 Compreender a importância da diversidade biológica na manutenção da vida; Identificar diferentes tipos de interacção entre seres

Leia mais

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO Estes modelos podem ajudá-lo a cumprir com os requisitos da seção 4.1.1-4.1.10 sobre Potencial de Desenvolvimento e os requisitos de relatórios

Leia mais

PISCINAS BIOLÓGICAS I Jornadas da Eco-Construção Gisela Mourão

PISCINAS BIOLÓGICAS I Jornadas da Eco-Construção Gisela Mourão PISCINAS BIOLÓGICAS I Jornadas da Eco-Construção Piscinas Biológicas 1. EVOLUÇÃO DO CONCEITO 2. FUNCIONAMENTO DE UMA PISCINA BIOLÓGICA a. Ecossistema aquático b. Constituintes do ecossistema c. Temperatura

Leia mais

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP Rede de Parques Metropolitanos da Grande Área Metropolitana do Porto Rede de Parques Metropolitanos da Grande

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. SARNEY FILHO) Altera dispositivos da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, passa a vigorar

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS João M. L. Meira Geólogo INTRODUÇÃO A gestão adequada dos resíduos é, na actualidade, um dos grandes desafios das sociedades modernas

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

Conferência PENSAR VERDE NO LOCAL DE TRABALHO Embaixada dos EUA em Portugal. Gerir o futuro da UA. as pessoas, o ambiente e a energia.

Conferência PENSAR VERDE NO LOCAL DE TRABALHO Embaixada dos EUA em Portugal. Gerir o futuro da UA. as pessoas, o ambiente e a energia. Conferência PENSAR VERDE NO LOCAL DE TRABALHO Embaixada dos EUA em Portugal Gerir o futuro da UA as pessoas, o ambiente e a energia Carlos Borrego Fundação Calouste Gulbenkian 16 de Abril 2010 UA curso

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO N ú m e r o P-24 POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS DO FUNBIO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS DO FUNBIO FUNBIO Fundo Brasileiro para

Leia mais

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem

Leia mais

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO Estudos Preliminares de Impacte Ambiental Avaliação de Impacte Ambiental Fernando Santana Departamento de Ciências e Engenharia

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS Sementes Forrageiras nature SEEDS GRAMÍNEAS AZEVÉM ANUAL (Lolium multiflorum) Gramíneas Espécie anual ou bianual de excelente qualidade forrageira e palatabilidade. De muito rápida implantação e grande

Leia mais

Comunidades Sustentáveis

Comunidades Sustentáveis Comunidades Sustentáveis Ph.D., Engº do Ambiente Dep. Engª Civil, Arquitectura / Instituto Superior Técnico manuel.pinheiro@civil.ist.utl.pt ou manuel.pinheiro@lidera.info Comunidades? Comunidade communitas,

Leia mais

Contributo da APRITEL. 16 de Outubro de 2007. APRITEL BoasPraticasAP 20071022b.doc 1/9

Contributo da APRITEL. 16 de Outubro de 2007. APRITEL BoasPraticasAP 20071022b.doc 1/9 Aquisição de serviços na área das comunicações pela Administração Pública Ofertas de Referência Boas Práticas para a melhoria do processo e para a promoção da concorrência Contributo da APRITEL 16 de Outubro

Leia mais

PROJECTO NASCENTES PARA A VIDA PREVENÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO E INTERVENÇÕES PÓS-FOGO

PROJECTO NASCENTES PARA A VIDA PREVENÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO E INTERVENÇÕES PÓS-FOGO PROJECTO NASCENTES PARA A VIDA Contributos para a Gestão Activa e Sustentável da bacia da albufeira de Castelo de Bode o papel da comunidade e dos restantes agentes do território PREVENÇÃO DO RISCO DE

Leia mais

Técnicas de Propagação e Cultivo de Espécies Autóctones

Técnicas de Propagação e Cultivo de Espécies Autóctones Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas DRAALG Direcção Regional de Agricultura do Algarve Técnicas de Propagação e Cultivo de Espécies Autóctones Engª Margarida Costa Maio, 2004

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE PORTUGUÊS Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 28/05/2011 Nota: Professora: Paula Valor da Prova: 30 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA SERRAS DE AIRE E CANDEEIROS

INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA SERRAS DE AIRE E CANDEEIROS INTERVENÇÃO TERRITORIAL INTEGRADA SERRAS DE AIRE E CANDEEIROS Para a conservação dos recursos naturais é necessário a manutenção de alguns sistemas agrícolas e florestais com eles relacionados. O PRODER

Leia mais

Classificação dos processos sucessionais

Classificação dos processos sucessionais SUCESSÃO ECOLÓGICA A SUCESSÃO ECOLÓGICA PODE SER DEFINIDA COMO UM GRADUAL PROCESSO NO QUAL AS COMUNIDADE VÃO SE ALTERANDO ATÉ SE ESTABELECER UM EQUILÍBRIO. AS FASES DISTINTAS DA SUCESSÃO ECOLÓGICA SÃO:

Leia mais

Florestar Sustentabilidade da Floresta

Florestar Sustentabilidade da Floresta 1. ENQUADRAMENTO 1.1 INTRODUÇÃO O Projecto Florestar Sustentabilidade da Floresta com intervenção na região Norte (distritos de Bragança, Vila Real, Braga e área de intervenção do Parque Nacional da Peneda-Gerês)

Leia mais

MANIFESTO VERDE. Açores Sustentáveis. Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores. Eleições para a Assembleia Legislativa

MANIFESTO VERDE. Açores Sustentáveis. Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores. Eleições para a Assembleia Legislativa Eleições para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos AÇORES MANIFESTO VERDE Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores Pela Produção e Consumo de Produtos Locais e Regionais Pela

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação

Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação Regulamentos da UE sobre Comércio Madeira Implementação em Portugal: ponto de situação Lisboa, 20 Setembro 2012 Regulamentos UE sobre Comércio Madeira 1. Introdução e Enquadramento 2. Ponto de situação

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

Carta Verde das Américas 2013

Carta Verde das Américas 2013 Carta Verde das Américas 2013 CONSIDERANDO que o Planeta Terra não tem recursos inesgotáveis que possam sustentar um consumo desordenado, sem consciência socioambiental! Que, em função disso, precisamos

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

Misturas Forrageiras

Misturas Forrageiras Misturas Forrageiras Misturas forrageiras ROCALBA, SA é uma empresa que desde as suas origens, vem tendo dentro das suas actividades principais, a investigação, produção e comercialização de sementes forrageiras,

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia 10º Ano Nome: N.º Título original: An Inconvenient Truth Título (Portugal): Uma Verdade Inconveniente Realização: Davis Guggenheim Intérprete: Al Gore

Leia mais

MODELOS DE PLANEJAMENTOS E DE RELATÓRIOS DO COMÉRCIO JUSTO

MODELOS DE PLANEJAMENTOS E DE RELATÓRIOS DO COMÉRCIO JUSTO MODELOS DE PLANEJAMENTOS E DE RELATÓRIOS DO COMÉRCIO JUSTO Este modelo pode ajudá-lo a cumprir com os requisitos da seção 4.1.1-4.1.10 sobre Potencial de Desenvolvimento e os requisitos de relatórios na

Leia mais

Problemas na Utilização da Água (poluição )

Problemas na Utilização da Água (poluição ) Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Problemas na Utilização da Água (poluição ) Disciplina: Geografia (módulo 3) Docente: Sandra Mendes Discente: Mariana Alfaiate 2007 2008 Índice Introdução

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA NOTA JUSTIFICATIVA 1º-O presente Regulamento, tem como principal objectivo compilar as alterações a que a versão inicial foi sujeita e expurgá-lo de algumas dificuldades de leitura e interpretação que

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012 Ecologia II: Ecossistemas fluviais Manuela Abelho 2012 8.1 Princípios básicos 8. RECUPERAÇÃO ECOLÓGICA 2 A e a recuperação de rios A consideração dos valores ambientais oferecidos pelos rios não impede

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

CESPE DETRAN / PA Médico 2006 Nível Superior

CESPE DETRAN / PA Médico 2006 Nível Superior CESPE DETRAN / PA Médico 2006 Nível Superior Texto para as questões 1 e 2 A conservação e o uso sustentável da diversidade 1 biológica a enorme variedade de vida na Terra é essencial para o nosso desenvolvimento

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável O seu parceiro de confiança! Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável A NOSSA EMPRESA 2 A CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS é uma empresa pluridisciplinar focalizada

Leia mais

CICLO DE CRIATIVIDADE E DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL. Mercado de Produtores Mostra de Produtos Inovadores Ateliês Concursos Workshops

CICLO DE CRIATIVIDADE E DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL. Mercado de Produtores Mostra de Produtos Inovadores Ateliês Concursos Workshops CICLO DE CRIATIVIDADE E DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL Mercado de Produtores Mostra de Produtos Inovadores Ateliês Concursos Workshops Os produtos da terra constituem um pilar estruturante no desenvolvimento

Leia mais

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO)

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula de hoje: ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula 07 Antes de iniciarmos os estudos sobre populações e seus componentes precisamos conhecer e conceituar as estruturas

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 10/2007 REDE REGIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS DOS AÇORES

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 10/2007 REDE REGIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS DOS AÇORES DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 10/2007 REDE REGIONAL DE ÁREAS PROTEGIDAS DOS AÇORES O Decreto Legislativo Regional n.º 21/93/A, de 23 de Dezembro, procedeu à adaptação à Região Autónoma dos Açores do

Leia mais

O Mosaico Agro-Florestal e a Biodiversidade

O Mosaico Agro-Florestal e a Biodiversidade O Mosaico Agro-Florestal e a Biodiversidade Comissão de Protecção da Natureza 23 de Abril de 2012 PARTE 1 João da Fonseca Caldeira Cabral Introdução A Paisagem como a Vida é constituída por equilíbrios

Leia mais

ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde

ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde ALIMENTOS REGIONAIS BRASILEIROS Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN / DAB / SAS Ministério da Saúde Diretrizes da Política Nacional de Alimentação e Nutrição Organização da Atenção Nutricional

Leia mais

O homem transforma o ambiente

O homem transforma o ambiente Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O homem transforma o ambiente Vimos até agora que não dá para falar em ambiente sem considerar a ação do homem. Nesta aula estudaremos de que modo as atividades humanas

Leia mais

Moção Divulgação de Documentos

Moção Divulgação de Documentos Moção Divulgação de Documentos Cada vez mais é importante praticar uma política transparente, aberta à população e para a população, uma vez que só assim se consegue promover uma cooperação consistente

Leia mais

Imaginem o vinho de baixo carbono

Imaginem o vinho de baixo carbono Imaginem o vinho de baixo carbono 1 Imaginem o vinho de baixo carbono Nos últimos cem anos, uma combinação do crescimento da população, desflorestação e industrialização, provocou um aumento considerável

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais