PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL"

Transcrição

1 LUIZ FENELON PIMENTEL BARBOSA PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Processo Legislativo. Brasília 2011

2 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título; PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL Autor; Luiz Fenelon Pimentel Barbosa Instituição; Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento CEFOR CÂMARA DOS DEPUTADOS Data; 31 de março de 2011 Orientador. Resumo:Identificação da participação social no processo legislativo orçamentário federal, os dispositivos formais disponíveis para esta participação e os resultados alcançados. 2. APRESENTAÇÃO Durante toda minha vida profissional me interessei pela participação de setores populares nas atividades políticas. Apesar de formado em Economia, minha atuação profissional sempre foi como professor, ou na política, como formador, assessor de segmentos políticos, assessor de instituições da sociedade civil, assessor do executivo e de parlamentares. Há mais de dez anos, entrei em contato com a questão orçamentária ao desenvolver assessoria junto ao Instituto de Meio Ambiente do Distrito Federal e posteriormente na Representação do Governo do Rio Grande do Sul. Do ano 2000 a 2002, tive a oportunidade de trabalhar pela segunda vez no Instituto de Estudos Socioeconômicos INESC, quando participei de projeto de acompanhamento da execução do que se denominava Orçamento Criança, desenvolvido a partir de um convênio com a UNICEF. Também tive ativa participação na estruturação da articulação de várias entidades, que se denominou Fórum de Orçamento Brasil FBO. No projeto, realizávamos um acompanhamento crítico da execução dos programas e atividades orçamentárias destinadas à atenção a crianças e adolescentes, subsidiando atividades de questionamento aos Ministérios e ao

3 executivo Federal. O FBO desenvolveu articulações de entidades nacionais da sociedade civil, questionando as atuais práticas orçamentárias, chegando a apresentar na Comissão de Participação Legislativa, através de entidades, um projeto de lei de Responsabilidade Social à Câmara dos Deputados. Em base à minha prática anterior, comecei a estabelecer contatos mais estreitos com entidades que trabalhavam com setores populares, particularmente a Cáritas Brasileira, entidade católica vinculada à Conferência Nacional Brasileira de Bispos CNBB. Com a Cáritas, tive a oportunidade de desenvolver interessante trabalho com setores populares do município de Barreiras na Bahia, realizando assessoria e oficinas (doze) com setores da comunidade, apoiando-os na prática de controle social da utilização dos recursos orçamentários destinados ao município e orientando na maneira de viabilizar recursos para as atividades por eles definidas como prioritárias. Este trabalho serviu de base para a apresentação de minha monografia no curso de Especialização em Movimentos Sociais, Organizações Populares e Democracia Participativa, na UFMG Posteriormente, com o apoio de Cáritas e o patrocínio da CNBB, desenvolvi, no ano de 2008, o projeto Controle Social de Políticas Públicas Para Entidades de Apoio e Defesa de Pessoas Com Deficiência, realizando seis seminários nacionais e várias visitas à Câmara dos Deputados, conseguindo, através de sua prática incluir emenda ao artigo 4º da LDO de 2008, garantindo prioridade orçamentária para as atividades destinadas à atenção de pessoas com deficiência. Através desta experiência e de outros exemplos de atividades em torno à questão orçamentária, verifiquei que é grande o desconhecimento dos setores populares sobre os dispositivos legais e as possibilidades existentes de participação social no processo legislativo orçamentário. Também são limitados os registros organizados desta atividade.

4 3. PROBLEMA Hoje muito se fala em prioridades de políticas públicas e políticas sociais quando é debatida a atuação governamental. Particularmente, considero que estes termos utilizados em um contexto amplo são auto explicativos. As políticas públicas são as diretrizes e metas, utilizadas pelos governos, para orientar suas ações. Supostamente a linha de atuação do governo deve ser explicita e accessível a todos, garantia estipulada na Constituição de Também em sentido amplo, todas as políticas públicas são políticas sociais, mesmo aquelas elaboradas em gabinete que, ao serem aplicadas adquirem um caráter social, por seu impacto. Por exemplo, podemos mencionar a política de desenvolvimento da energia nuclear. A formulação de uma política com estas características, mesmo que realizada somente por técnicos altamente especializados, terá em sua aplicação enorme impacto social, direta ou indiretamente, para o bem ou para o mal. No entanto, hoje se utilizam estes termos de maneira bastante específica. Cada vez mais as políticas públicas são entendidas como ações de governo, planejadas e explícitas e políticas sociais como aquelas destinadas a atender prioridades de setores mais pobres da população, em situação de risco ou vítimas de preconceitos e discriminação. A partir do retorno do País ao regime democrático, particularmente a partir da Constituição de 1988, que incorpora em seu texto dispositivos neste sentido, a participação social na elaboração de políticas públicas e políticas sociais vêm se dando de maneira crescente, não só pela continuidade e consolidação do processo eleitoral democrático de escolha dos governantes e representantes da sociedade, mas pela participação organizada de amplos segmentos em foros oficiais ou informais de debates e decisões sobre políticas públicas e na pressão direta realizada através de poderosas mobilizações sociais. Mas existe uma grande distância entre as reivindicações sociais, mesmo as formalmente aceitas pelas instâncias de poder e sua transformação em políticas públicas. Neste meio de caminho muitas decisões não se concretizam. Como é de conhecimento geral de todos que têm atuação junto às

5 atividades administrativas de governo, qualquer decisão, para se transformar em política pública e ação efetiva, necessita estar prevista na lei orçamentária, ou nela vir a ser incluída. Em passado recente era comum ouvir-se do gestor público a argumentação de que tal ou qual pleito era justo, mas que era impossível atendê-lo por não haver previsão orçamentária. Exemplo extremo desta situação, cito as reivindicações de reajuste do salário mínimio, normalmente realizadas por ocasião do dia 1º de maio, dia tradicional de luta dos trabalhadores. Como esta data não correspondia ao calendário de elaboração e tramitação das leis orçamentárias, era relativamente fácil a utilização do argumento da não previsão orçamentária para negar o pretendido reajuste salarial. Com o avanço do processo democrático, abertura e publicidade dos processos de elaboração de políticas públicas e orçamentária, aliado ao avanço, maior formação e conhecimento dos movimentos sociais, estes passaram a reivindicar a previsão do valor orçamentário para o salário mínimo desejado a partir da tramitação da Lei de Diretrizes Orçamentárias, em uma clara mudança de atitude. Colocam como secundária uma eventual luta por ocasião do 1º de maio, priorizando a atuação direta no processo decisório orçamentário no momento em que se pode consolidar, nas leis orçamentárias, a previsão salarial para o ano do seguinte exercício. (Talvez isto retire um pouco do caráter romântico das grandes lutas operárias ocorridas no 1º de maio, mas sem dúvida reflete um avanço do processo democrático e de participação social nas políticas públicas.) Em decorrência do exposto, podemos afirmar que o avanço da democracia se expressa também na criação e consolidação de dispositivos legais que possibilitam maior participação social no processo legislativo orçamentário e que cada vez mais os segmentos sociais reconhecem este campo de ação como fundamental para a consecução de seus objetivos. Assim, para o aprimoramento do processo democrático e maior efetividade da participação dos movimentos sociais é fundamental a resposta de questões como as colocadas abaixo.

6 Quais os dispositivos legais de participação social e da sociedade organizada no processo legislativo orçamentários? Quais as experiências de participação ocorridas de 2000 a 2010? Qual o resultado obtido pela participação social neste período? 4. OBJETIVO 4.1. Geral: Identificar os meios mais eficazes de participação social no processo legislativo orçamentário ESPECÍFICOS Identificar entidades e segmentos sociais que participaram do Processo Legislativo Orçamentário Identificar os dispositivos legais que permitem a participação social no processo legislativo orçamentário Verificar como se deu a participação no processo legislativo orçamentário através da Comissão de Legislação Participativa - CLP. 6. JUSTIFICATIVA A prática participativa brasileira, nos processos legislativos se apresenta ainda bastante limitada, apesar do avanço da democracia e do avanço da Câmara dos Deputados, particularmente ao instituir a Comissão de Legislação Participativa. No entanto, a participação social no processo orçamentário legislativo, apesar de também haver registrado avanços, ainda é restrita e sofreu retrocessos no momento que, por resolução interna da Comissão Mista de Planos e Orçamentos, a CLP foi impedida de participar no processo orçamentário em condições de igualdade às outras comissões. A prática da participação social no processo orçamentário é pouco estudada e não está sistematizada. Em alguns anos aconteceram intentos, de iniciativa de parlamentares, de abrir a tramitação das leis orçamentárias à participação social mediante audiências

7 públicas. Em princípio nos parece que esta experiência foi restrita e formal, não se consolidando como uma prática efetiva da Comissão Mista de Orçamento ou de qualquer outra instância do Congresso Nacional. Supomos que os dispositivos formais de participação seguem existindo e pretendemos dar-lhes visibilidade. Como contribuição do trabalho à questão de participação social no processo orçamentário, pretendo identificar os mecanismos de participação próprios da democracia e como se fundamenta e consolidar este instrumento fundamental de decisão na a elaboração e colocação em prática de políticas sociais. Se não incluídas efetivamente no orçamento federal, qualquer descrição de Programas de Políticas Públicas que se faça, não passa de mera intenção. O primeiro passo para se efetivar uma política é sua inclusão nas leis orçamentárias. Mesmo assim, como as leis orçamentárias são de execução opcional, o simples fato de constarem na lei não garante que os programas e ações têm a garantia de serem executados. Em função do exposto, abrir possibilidade que os setores sociais possam influir na elaboração do orçamento público e garantir a visibilidade necessária para o controle da execução orçamentária significaria um avanço qualitativo na democracia brasileira. Neste princípio de século, várias disposições legais, principalmente no nível federal, garantem o acesso às informações orçamentárias. O avanço da informática seguramente colaborou muitíssimo neste processo de democratização da informação. Este trabalho pretende dar uma contribuição à visão de conjunto das possibilidades de participação popular e da sociedade civil na questão orçamentária. 7. REVISÃO DA LITERATURA Andrade (Aparecida de Moura) desenvolve interessante trabalho tomando como ponto de partida a Constituição de 1988 e os dispositivos de participação popular por ela definidos como forma de avançar além da democracia puramente representativa, assegurando à cidadania a participação direta através do referendo

8 e da iniciativa popular. Desenvolve suas opiniões sobre a participação direta como essencial ao fortalecimento da democracia. Faz uma revisão bastante completa dos conceitos relacionados ao tema, visitando autores fundamentais da construção da teoria políticas e desenvolvendo de forma detalhada o que se entende por processo legislativo e participação popular, inclusive citando os dispositivos legais que garantem ou facultam esta participação. Faz uma análise comparada da participação popular em sete países e relata o processo de tramitação de projetos de lei através da Comissão de Legislação Participativa, instituída em agosto de 2001 e descreve sua atuação, levantando o número de proposições estudadas pela Comissão, inclusive considerando as emendas orçamentárias, chegando à conclusão do importante papel desempenhado pela Comissão no incremento da participação popular na Câmara dos Deputados Por sua vez, Couto (Amilcar Amaral) identifica os avanços na participação da sociedade na política a partir da Constituição de 1988 e a instituição da iniciativa popular, que apesar das intenções dos legisladores, tornou-se um entrave à participação devido às exigências exageradas para que a mesma se efetivasse. A Comissão de Legislação Participativa surgiu como forma de superar os entraves colocados para a participação social. O autor relata o histórico da Comissão de Legislação Participativa, as características de seu funcionamento e os problemas encontrados ao longo do tempo, bem como as modificações que vem sofrendo, no sentido de reduzir suas atribuições. Além de detalhar o que entende por participação social, o autor faz uma incursão no processo legislativo e na tramitação orçamentária com o objetivo de tornar acessível o desenvolvimento posterior da análise das emendas orçamentárias apresentadas pela sociedade civil à Comissão de Legislação Participativa. Neste aspecto, o autor registra as resistências da Comissão Mista de Orçamento às emendas apresentadas através da Comissão de Legislação Participativa e a derrota sofrida por ela, quando em 22 de dezembro de 2006, o

9 Presidente do Senado, Renan Calheiros, promulgou a Resolução nº 1/2006 CN, que excluía da Comissão de Legislação Participativa a atribuição de apresentar emendas orçamentárias. Como conclusão, o autor enfatiza a necessidade de recuperar as prerrogativas da Comissão, fortalecer sua estrutura e garantir de forma efetiva a participação social. Também tomo em consideração trabalho por mim desenvolvido anteriormente. Trata-se do relato e sistematização de um processo de formação prática de controle social e participação popular no processo de execução orçamentária, no município de Barreiras, estado da Bahia. Este trabalho descreve a execução do projeto Cidadania com Responsabilidade Social CONTROLE SOCIAL DO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO, através da realização de oficinas teóricas e práticas, de duração aproximada de 14 a 16 horas, em dois dias, durante finais de semana. Foram realizadas 12 oficinas, que se constituíam de exposição, debate e planejamento em grupo, das atividades a serem realizadas entre uma oficina e a seguinte. A partir das informações obtidas do processo orçamentário, a comunidade atuava na prática, questionando a execução orçamentária realizada, a elaboração da legislação orçamentária local e federal, destinada ao município e fazia propostas para a Lei Orçamentária Anual, para o Plano Plurianual. Na prática, foi um processo de aprendizagem coletiva, realizado através da participação social no processo de execução de políticas públicas, enfocado à questão do processo legislativo orçamentário, considerado em um sentido amplo. 8. METODOLOGIA A metodologia a ser utilizada no desenvolvimento do trabalho será fundamentalmente o estudo de bibliografia referente ao processo legislativo, processo orçamentário e a participação social. Serão estudados conceitos teóricos de participação democrática, buscando enfocá-los à participação no processo legislativo, seguindo-se ao levantamento de bibliografia específica sobre participação orçamentária. Será feito também o levantamento dos dispositivos constitucionais de participação social no processo legislativo, dispositivos legais em geral e

10 dispositivos de participação no processo legislativo orçamentário. Também diferentes tipos de participação regulamentada ou não deverão ser identificados e buscarei definir melhor o conceito de lobby social. Etapa seguinte a este levantamento será identificar registros de experiências de participação social no processo orçamentário e analisar alguns casos, buscando determinar o grau de efetividade desta participação. Como conclusão, havendo material suficiente para análise, procurarei identificar os tipos de participação que melhor resultado apresentam em relação aos objetivos perseguidos pelo movimento social. 9. CRONOGRAMA ATIVIDADE Finalização do Projeto de Trabalho Levantamento de Bibliografia Preparação de fichas bibliográficas PERÍODO 29 de abril Junho-2011 a Julho/2011 Início de agosto de 2011 Revisão de Bibliografia Final de agosto de 2011 Análise e Interpretação Setembro/2011 a outubro/2011 Redação inicial Início de outubro de 2011 Revisão de redação Final de outubro de 2011 Redação Final Novembro de 2011 Apresentação Dezembro de 2011

11 10. BIBLIOGRAFIA ANDRADE, Aparecida de Moura; A participação da sociedade civil no processo legislativo: a contribuição da Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados, Brasília.CEFOR e Universidade de Brasília; BARBOSA, Luiz Fenelon Pimentel; Controle Social do Processo, Belo Horizontes; UFMG, COMISSÃO de Legislação Participativa; Dois anos de CLP: a prática da participação popular na elaboração legislativa; Brasília, Congresso Nacional, Câmara dos Deputados, COMISSÃO de Legislação Participativa; Expectativas e propostas de parcerias com a sociedade civil organizada; Brasília, Congresso Nacional, Câmara dos Deputados; COMISSÃO de Legislação Participativa; O menor caminho entre os interesses da população e a Câmara dos Deputados; Brasília; Congresso Nacional, Câmara dos Deputados, COMISSÃO de Legislação Participativa; Seminário Democracia e Soberania Popular; ; Brasília, Congresso Nacional, Câmara dos Deputados, COUTO, Amilcar Amaral; Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados: participação da sociedade civil organizada na elaboração das leis orçamentárias anuais de 2002 a 2006; Brasília, Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento (CEFOR), DANTAS, Francisco Wildo Lacerda; Breves considerações sobre os mecanismos de participação popular no Brasil, Brasília; Revista da Associação dos Juízes Federais do Brasil, 2008 v.23, n.89, p DUARTE, José Neto; A iniciativa popular na Constituição Federal; Revista dos Tribunais, São Paulo;, FERREIRA, Nivaldo Adão Júnior, Democracia participativa na Câmara dos Deputados; Brasília, Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento CEFOR, 2007.

12 FERRO, Miguel Sousa; A iniciativa legislativa popular; Lisboa, Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, 2002, v.43, n.1, p FIGUEIREDO, Raquel Andrade, Iniciativa Popular no Processo Legislativo Federal; Brasília : UnB, MENDES, Simone Crema; O lobby como forma de participação popular na atuação legislativa, Brasília, Unilegis e Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), 2004,n. 80, p , 1º sem. MIRANDA, Juliana Gomes; Democracia participativa e elaboração legislativa no Brasil; Brasília; Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento CEFOR, SANTOS, Luiz Claudio Alves dos; A participação popular na iniciativa das leis no contexto da democracia representativa e da participação política no Brasil, Brasília, Instituto de Pesquisas Universitárias do Rio de Janeiro e Centro de Formação Treinamento e Aperfeiçoamento da Câmara dos Deputados (CEFOR), 2009, V 43, n.1, p TEIXEIRA, Leandro Arantes; A iniciativa popular de lei no contexto do processo legislativo: problemas, limites e alternativas; Brasília, CEFOR, Brasília, 18 abril de 2011 LUIZ FENELON PIMENTEL BARBOSA

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Goiânia, outubro de 2014. Coordenada pelo Analista/ Pesquisador Legislativo Hernesto Lins P. Carneiro, Presidente da AALEGO.

NOTA TÉCNICA. Goiânia, outubro de 2014. Coordenada pelo Analista/ Pesquisador Legislativo Hernesto Lins P. Carneiro, Presidente da AALEGO. NOTA TÉCNICA O vencimento-base do cargo de Analista Legislativo da Alego nos contextos nacional e local: uma análise comparativa entre os cargos de Analista, Assistente e Procurador Coordenada pelo Analista/

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005, DE 2014

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005, DE 2014 ESTUDO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ATRIBUIÇÕES E PRAZOS INTERMEDIÁRIOS DA LEI Nº 13.005, DE 2014 Ana Valeska Amaral Gomes Paulo Sena Consultores Legislativos da Área XV Educação, Cultura e Desporto Nota

Leia mais

CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº 1.278/2013 EMENTA: Institui o Plano Plurianual do Município de Triunfo para o período de 2014 a 2017. O Prefeito do Município de Triunfo, Estado de Pernambuco, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro A Associação Nacional de Política e Administração da Educação ANPAE, fundada em 1961 1, é uma associação civil de caráter educativo,

Leia mais

Compromisso com um plano de governo

Compromisso com um plano de governo Anexo 2 Compromisso com um plano de governo A partir de uma iniciativa da Rede Nossa São Paulo, a capital paulista aprovou, em fevereiro de 2008, a Emenda nº 30 à Lei Orgânica do Município de São Paulo

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º16/2012 OBSERVÂNCIA DO DEVIDO PROCESSO LEGISLATIVO PELAS PROPOSIÇÕES QUE TRATEM DE PLANOS E PROGRAMAS NACIONAIS, REGIONAIS E SETORIAIS DE DESENVOLVIMENTO, NOS TERMOS DO ART. 166, 1º, II,

Leia mais

NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA

NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA WELTOM A. DE CARVALHO NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA TEORIA 140 Questões Gabaritadas da FCC por Tópicos (2013 2004) A apostila abrange o conteúdo programático cobrado em alguns concursos púbicos, organizados

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas

Prefeitura Municipal de Campinas Prefeitura Municipal de Campinas Criada pelo Decreto Municipal nº 17.301 de 29 de março de 2011 Estrutura: Coordenadoria Setorial Administrativo e de Expediente Departamento de Controle Preventivo Coordenadoria

Leia mais

ANIS ENSINO RELIGIOSO

ANIS ENSINO RELIGIOSO ANIS ENSINO RELIGIOSO RESUMO EXECUTIVO PROSARE, ANO 2007 1. Instituição: Anis Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero CLSW 304, bloco B, sala 134, Brasília/DF, 70673-632. Endereço para correspondência:

Leia mais

A participação e os compromissos do ensino privado

A participação e os compromissos do ensino privado artigo Cecília Farias Diretora do Sinpro/RS e presidente do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul (CEEd/RS). A participação e os compromissos do ensino privado com o Plano Nacional de Educação

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR Girlene dos Santos Souza 1 ; Danielle Lima de Oliveira 1 ; Josilene Maria de Almeida 2 ; Ana Maria Pereira de Lima 3 ; Ângela Cristina

Leia mais

Orçamento Público: Visão Geral

Orçamento Público: Visão Geral Orçamento Público: Visão Geral Versão para impressão ANEXO: SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - SIOP Atualizado em: fevereiro/2013 Copyright ENAP 2013 Todos os direitos reservados SUMÁRIO ANEXO:

Leia mais

O ato elaborar planos não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes. PLANEJAR PARA QUEM? PARA O OUTRO (ALUNO)

O ato elaborar planos não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes. PLANEJAR PARA QUEM? PARA O OUTRO (ALUNO) Efetivação das Políticas Educacionais Pós-Publicação dos Pls de Educação Explicitar como o consenso na construção em torno de uma política de educação para o decênio de forma ativa e participativa, constituído

Leia mais

A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares

A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares Marcos Augusto de Queiroz A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS RESTOS A PAGAR NO ORÇAMENTO BRASILEIRO

A INFLUÊNCIA DOS RESTOS A PAGAR NO ORÇAMENTO BRASILEIRO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA - ISC CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO - CEFOR SENADO FEDERAL UNIVERSIDADE DO LEGISLATIVO BRASILEIRO - UNILEGIS

Leia mais

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z O Projeto de Lei 7.168/2014 avança na construção de um novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. Ele trata das relações entre Estado e OSCs e estabelece

Leia mais

ACESSIBILIDADE NO BRASIL: UMA VISÃO HISTÓRICA

ACESSIBILIDADE NO BRASIL: UMA VISÃO HISTÓRICA ACESSIBILIDADE NO BRASIL: UMA VISÃO HISTÓRICA Gabriela R. V. Costa, Izabel M. M. de L. Maior e Niusarete M. de Lima CORDE - Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência / Secretaria

Leia mais

Projeto Pensando o Direito

Projeto Pensando o Direito Projeto Pensando o Direito Pensando o Direito: democracia e processo legislativo 1. Democracia e elaboração normativa A democratização da elaboração normativa no Brasil tem sido limitada, de forma quase

Leia mais

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE.

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. ANA LÚCIA ARAÚJO DE SOUZA RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

APROVAÇÃO DAS LEIS ORÇAMENTÁRIAS. Kilmer Távora Teixeira Auditor Governamental CGE/PI

APROVAÇÃO DAS LEIS ORÇAMENTÁRIAS. Kilmer Távora Teixeira Auditor Governamental CGE/PI APROVAÇÃO DAS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Kilmer Távora Teixeira Auditor Governamental CGE/PI BASE LEGAL Constituição Federal de 1988, Título VI, artigos 165 a 169; Lei 4.320, de 17/03/64; Lei de Responsabilidade

Leia mais

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Art. 205 - A educação, direito de todos e dever do Estado e da família,

Leia mais

AS COMISSÕES DA CÂMARA DOS DEPUTADOS NO PROCESSO LEGISLATIVO: IMPORTÂNCIA DO PODER CONCLUSIVO

AS COMISSÕES DA CÂMARA DOS DEPUTADOS NO PROCESSO LEGISLATIVO: IMPORTÂNCIA DO PODER CONCLUSIVO CARLA DANICE DE MELO SANTOS AS COMISSÕES DA CÂMARA DOS DEPUTADOS NO PROCESSO LEGISLATIVO: IMPORTÂNCIA DO PODER CONCLUSIVO Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte

Leia mais

Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico

Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico 1988 - Constituição Federal 1988 - Constituição Federal Sistema Único de Saúde

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais O percurso desta dissertação girou em torno da proposta de situar a questão da iniciativa popular legislativa nas dinâmicas da Assembleia Nacional Constituinte e da Constituição

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13.

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13. PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A LEGISLAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atualizadas pela Lei Brasileira de Inclusão da PCD (Lei 13.146/2015) Sumário: I Direitos previstos na Constituição Federal II Direitos

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO?

POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO? POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO? A temática da inclusão, no mercado de trabalho, tem suscitado vários debates nos mais diversos espaços de discussão organizados por empresas,

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.762-A, DE 2014 (Do Senado Federal)

PROJETO DE LEI N.º 7.762-A, DE 2014 (Do Senado Federal) *C0054455A* C0054455A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.762-A, DE 2014 (Do Senado Federal) PLS nº 250/2012 Ofício nº 948/2014 Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ Mauricio Pastor dos Santos 1 PUCPR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 1. Contexto Roteiro 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

EIXO I. O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação

EIXO I. O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação EIXO I O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação A garantia do direito à educação de qualidade é um princípio fundamental e basilar para as políticas e gestão

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RECOMENDAÇÃO Nº /2015 Dispõe sobre a atuação do Ministério Público na garantia à Educação Infantil. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo art.

Leia mais

a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1

a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1 a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1 Depois de concluídas todas as etapas, podemos inferir que a Convenção sobre os Direitos

Leia mais

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CONSELHO MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Praia Grande DELIBERAÇÃO Nº 02/2001 Normas regimentais básicas para as Escolas de Educação Infantil. NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 002/2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 002/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR TERMO DE REFERÊNCIA 002/2016 1 NÚMERO E TÍTULO DO PROJETO Projeto OEI/BRA/14/001 - Desenvolvimento de Metodologias Institucionais destinadas à Consolidação

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO. Número de participantes:

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO. Número de participantes: 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: Sistema OCB/SESCOOP-RR Data de realização do seminário: 17 de Junho de 2010 Local: Auditório do Sistema FAERR/SENAR-RR

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL)

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) 1 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) Rolim de Moura 2015 2 RESUMO O relatório apresentado é o resultado do processo auto avaliativo desta Instituição, realizado pela Comissão

Leia mais

Proposta de reestruturação da carreira e PEC/FNDE

Proposta de reestruturação da carreira e PEC/FNDE Proposta de reestruturação da carreira e PEC/FNDE A presente proposta tem como objetivo consagrar uma carreira positiva e atraente para os servidores do FNDE, tendo como base a estrutura organizacional/institucional

Leia mais

A TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO PÚBLICA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS SOB A ÉGIDE DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

A TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO PÚBLICA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS SOB A ÉGIDE DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL ALICE MARIA COSTA BOTELHO GARCIA A TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO PÚBLICA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS SOB A ÉGIDE DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do

Leia mais

SWOT 2009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

SWOT 2009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS SWOT 009 MP/PR OPORTUNIDADES ORGANIZADAS POR OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Nº OCOR- % OPORTUNIDADES RÊNCIAS TOTAL OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Informática: Sistema de automação de dados MP; instituição do processo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 2015 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de educadora e educador social e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º - Fica regulamentada a

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 5.663, DE 2013

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 5.663, DE 2013 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 5.663, DE 2013 Acrescenta inciso ao art. 52 da Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.09/2009 CONSIDERAÇÕES SOBRE ATUALIZAÇÃO E APRECIAÇÃO DO PLP 135 DE 1996, que Estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração,

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO DA MESA REDONDA DE TELECOMUNICAÇÕES DO I FÓRUM NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DA COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA DO SENADO FEDERAL

RESUMO EXECUTIVO DA MESA REDONDA DE TELECOMUNICAÇÕES DO I FÓRUM NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DA COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA DO SENADO FEDERAL RESUMO EXECUTIVO DA MESA REDONDA DE TELECOMUNICAÇÕES DO I FÓRUM NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DA COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA DO SENADO FEDERAL SUMÁRIO EXECUTIVO As soluções apontadas durante o

Leia mais

AUTONOMIA GERENCIAL PARA UNIDADES PÚBLICAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DO SUS: OPORTUNIDADE E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO

AUTONOMIA GERENCIAL PARA UNIDADES PÚBLICAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DO SUS: OPORTUNIDADE E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO AUTONOMIA GERENCIAL PARA UNIDADES PÚBLICAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DO SUS: OPORTUNIDADE E NECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO Subsidio à Reunião de Planejamento do CEBES de 26 e27/fev/2010 Elaborado com base

Leia mais

FACULDADE UNA DE SETE LAGOAS

FACULDADE UNA DE SETE LAGOAS FACULDADE UNA DE SETE LAGOAS POLÍTICA DE ATENDIMENTO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA / NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NAP (NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO) CAPÍTULO I Do apoio psicopedagógico, seu público

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSULTORIA DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA Nota Técnica nº 13/2007 Medida Provisória nº 359/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSULTORIA DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA Nota Técnica nº 13/2007 Medida Provisória nº 359/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007 NOTA TÉCNICA Nº 13/2007 SUBSÍDIOS À APRECIAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 359, DE 16 DE MARÇO DE 2007, QUANTO À ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Altera as Leis n os 10.355, de 26 de dezembro de 2001, 10.855,

Leia mais

Análise da adequação orçamentária e financeira da

Análise da adequação orçamentária e financeira da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 693, de 30 de setembro de 2015 Nota Técnica n.º 31, de 2015. Subsídios acerca da

Leia mais

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular,

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular, INICIATIVA POPULAR Iniciativa popular designa, em termos genéricos, diferente maneiras de participação popular no exercício dos poderes legislativo e executivo incluindo o plebiscito, referendo, conselhos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 DISCURSO DO MINISTRO NELSON BARBOSA POR OCASIÃO DA SOLENIDADE DE TRANSMISSÃO DE CARGO Senhoras e Senhores, Em primeiro

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.898-A, DE 2014 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 7.898-A, DE 2014 (Do Sr. Carlos Bezerra) *C0053337A* C0053337A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.898-A, DE 2014 (Do Sr. Carlos Bezerra) Altera o art. 24 da Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012, para estender o prazo exigido para a apresentação

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Planejamento e financiamento para a qualificação das ações de alimentação e nutrição na Atenção Básica à Saúde

Planejamento e financiamento para a qualificação das ações de alimentação e nutrição na Atenção Básica à Saúde Planejamento e financiamento para a qualificação das ações de alimentação e nutrição na Atenção Básica à Saúde Introdução O Município Y tem uma população de aproximadamente 3 milhões de habitantes. A Secretaria

Leia mais

PARECER Nº, DE 2014. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2014. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2014 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 110, de 2013, do Senador Magno Malta, que proíbe a utilização de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Texto compilado) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Estabelece a Política de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Agência Nacional de Aviação

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

DIREITO SOCIAL À EDUCAÇÃO: ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

DIREITO SOCIAL À EDUCAÇÃO: ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREITO SOCIAL À EDUCAÇÃO: ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Aluno: Luiz Fernando da Silva Sousa Coordenado pela professora Telma Lage Introdução Nosso grupo é voltado para o estudo dos direitos sociais com foco

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 I. Introdução do Marco Lógico/Zopp na Aditepp: Limites e Possibilidades. No ano de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA SELETIVA DA FRAÇÃO PASSÍVEL DE RECICLÁGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA SELETIVA DA FRAÇÃO PASSÍVEL DE RECICLÁGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE COLETA SELETIVA DA FRAÇÃO PASSÍVEL DE RECICLÁGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Julho de 2013 Rua Caracas. 120 Centro

Leia mais

Lei 141/2012 - Comentários

Lei 141/2012 - Comentários Lei 141/2012 - Comentários Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP/USP e do Departamento de Economia da PUC-SP agosto/2012 BREVE CONTEXTO DA LEI 141/2012 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

CARREIRA PARLAMENTAR: O REGIMENTO E O SUCESSO ELEITORAL

CARREIRA PARLAMENTAR: O REGIMENTO E O SUCESSO ELEITORAL TAJLA MARIA VIANA SOBREIRA BEZERRA CARREIRA PARLAMENTAR: O REGIMENTO E O SUCESSO ELEITORAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. Senhor Presidente,

RIO GRANDE DO NORTE. Senhor Presidente, RIO GRANDE DO NORTE Mensagem n.º 046/2012 GE Em Natal, 14 de setembro de 2012. Excelentíssimo Senhor Deputado Ricardo Motta M.D. Presidente da Assembléia Legislativa do Estado. Senhor Presidente, Tenho

Leia mais

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia lançamento do Marco Regulatório da Mineração - Brasília/DF

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia lançamento do Marco Regulatório da Mineração - Brasília/DF Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia lançamento do Marco Regulatório da Mineração - Brasília/DF Deputado André Vargas, presidente em exercício da Câmara dos Deputados.

Leia mais

A realização da soberania popular se dá através da participação. É o exercício da cidadania, a expressão popular em suas diversas manifestações.

A realização da soberania popular se dá através da participação. É o exercício da cidadania, a expressão popular em suas diversas manifestações. A realização da soberania popular se dá através da participação. É o exercício da cidadania, a expressão popular em suas diversas manifestações. Como princípio clássico da democracia, a participação popular

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 205, DE 2014 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de sanitarista e técnico sanitarista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposição preliminar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 3.521, DE 2004

PROJETO DE LEI Nº 3.521, DE 2004 PROJETO DE LEI Nº 3.521, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Fundação Universidade Federal do Cariri (UFCARIRI). AUTOR: Senado Federal RELATOR: Dep. José Pimentel I - RELATÓRIO O Projeto de Lei

Leia mais

Cartilha do Orçamento Público

Cartilha do Orçamento Público Cartilha do Orçamento Público O QUE É O ORÇAMENTO? Nós cidadãos comuns, ganhamos e também gastamos dinheiro. Podemos receber dinheiro de uma ou várias fontes: salário, aluguel de imóveis, prestação de

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL, DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA AMAZÔNIA PROJETO DE LEI Nº 6.689, DE 2009 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL, DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA AMAZÔNIA PROJETO DE LEI Nº 6.689, DE 2009 VOTO EM SEPARADO ** COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO NACIONAL, DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA AMAZÔNIA PROJETO DE LEI Nº 6.689, DE 2009 Dispõe sobre a instalação e o funcionamento do Banco de Desenvolvimento do Centro-Oeste (BDCO),

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner)

PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner) Dispõe sobre o Programa Escola Aberta nas escolas públicas urbanas de educação básica. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-7157/2010.

Leia mais

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE O II Seminário Brasileiro de Efetividade da Promoção da Saúde (II

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente instrumento

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 3.512, DE 2008 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da atividade de Psicopedagogia. Autora: Deputada PROFESSORA RAQUEL

Leia mais

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994.

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. Promulga o Tratado Geral de Cooperação e Amizade e o Acordo Econômico Integrante do Tratado Geral de Cooperação e Amizade, entre a República Federativa do Brasil

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: OFICINA COMUNITÁRIA DE ARQUITETURA (OCA): ASSISTÊNCIA TÉCNICA E AÇÃO SOCIAL

TÍTULO DO PROJETO: OFICINA COMUNITÁRIA DE ARQUITETURA (OCA): ASSISTÊNCIA TÉCNICA E AÇÃO SOCIAL FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº. 007/2012/PROEC DE FLUXO CONTÍNUO DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO DA - PROEC, SEM ÔNUS PARA A. Vigência 26-03-2012-31-12-2014 TÍTULO DO

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009 CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009 Dezembro/2009 Introdução O Portal da Câmara cada vez mais se consolida

Leia mais

Diretrizes Nacionais para o Processo de Educação Permanente no Controle Social do SUS

Diretrizes Nacionais para o Processo de Educação Permanente no Controle Social do SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE Diretrizes Nacionais para o Processo de Educação Permanente no Controle Social do SUS Documento aprovado pelo plenário do CNS na 158.ª Reunião Ordinária,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 1. CONTEÚDO GERAL POR NATUREZA JURÍDICA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS

RELATÓRIO DE GESTÃO 1. CONTEÚDO GERAL POR NATUREZA JURÍDICA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS RELATÓRIO DE GESTÃO 1. CONTEÚDO GERAL POR NATUREZA JURÍDICA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS 1) Dados Gerais por Unidade Jurisdicionada NOME / SIGLA: NATUREZA JURÍDICA: NORMA DE CRIAÇÃO: REGIMENTO INTERNO:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2015 a 2020 Versão 1.0 Índice 1. Apresentação 2. Organograma da SETECI 3. Planejamento Estratégico do TJSE 4. Mapa Estratégico do

Leia mais

PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009. Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS).

PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009. Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS). PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009 Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art.

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO (2011-2015) Cruz das Almas-BA 2011 Sumário Apresentação Justificativa Diretrizes Objetivos Metas e Estratégias Metodologia

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima

Leia mais

Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985)

Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985) RÓBINSON TAVARES DE ARAÚJO Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985) Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor,

Leia mais

A LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO EM FACE DOS NOVOS PROJETOS LEGISLATIVOS

A LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO EM FACE DOS NOVOS PROJETOS LEGISLATIVOS A LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO EM FACE DOS NOVOS PROJETOS LEGISLATIVOS William Matheus Marins Vitt Mestrando em Direito, com ênfase em Direitos Humanos. Bolsista pela FAPERGS UNIRITTER williamvitt@hotmail.com

Leia mais

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012

Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Ato da Mesa Nº 47, DE 16 DE JULHO DE 2012 Institui a Política de Segurança da Informação da Câmara dos Deputados e dá outras providências. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

PARTICIPAÇÃO POPULAR NO PROCESSO LEGISLATIVO

PARTICIPAÇÃO POPULAR NO PROCESSO LEGISLATIVO PARTICIPAÇÃO POPULAR NO PROCESSO LEGISLATIVO (Texto baseado em pesquisa documental e entrevista com membros da Consultoria temática da ALMG sobre a Comissão de Participação Popular- Pesquisa Participação

Leia mais

3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA Os principais instrumentos utilizados pelo governo para promover o planejamento, a programação, a orçamentação e a execução orçamentária

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Relatório Quadrimestral da Saúde e sua apresentação em audiência pública nas Casas do Congresso Nacional (art. 36 da Lei Complementar nº 141, de 2012) Nota Técnica n.º 05/2015 Elaboração: Área Temática

Leia mais