Fundamentos Históricos de Enfermagem. Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos Históricos de Enfermagem. Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil"

Transcrição

1 Fundamentos Históricos de Enfermagem Florence Nightingale A Enfermagem no Brasil

2 A Enfermagem no Brasil A enfermagem na sociedade brasileira é dividida em três fases: A organização da enfermagem na sociedade brasileira: desde o período colonial até o final do séc.xix; O desenvolvimento da educação em enfermagem no Brasil: final do séc.xix até a segunda guerra mundial; A enfermagem no Brasil moderno: da segunda guerra até os dias atuais.

3 A ORGANIZAÇÃO DA ENFERMAGEM NA SOCIEDADE BRASILEIRA (Período Colonial final do séc. XIX) Brasil colônia voltado para a exportação de gêneros tropicais Sociedade composta por brancos europeus (donos das terras, da riqueza do prestígio e do poder), negros africanos e indígenas nativos (trabalhadores e escravos) e mestiços (sem posição social definida) - Ações de Saúde: - rituais místicos pajés e feiticeiros - práticas domésticas mulheres para cuidar de crianças, velhos e enfermos. - Amuletos, superstições e recursos da flora / repouso, jejum e uso do calor práticas para preservar a saúde antes da colonização. - Com a colonização surgimento de doenças Epidemias

4 A ORGANIZAÇÃO DA ENFERMAGEM NA SOCIEDADE BRASILEIRA (Período Colonial final do séc. XIX) - Escassez de profissionais curandeirismo misto de ciência + crendices - Primeira forma de assistência aos doentes estabelecida pelos padres jesuítas. - Escravos voluntários passam a exercer atividades de cuidar nas Santas Casas de Misericórdia (fundadas em 1543). - Prática de Enfermagem doméstica e empírica, mais instintiva do que técnica. - Fundação dos hospitais militares interesse financeiro

5 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM NO BRASIL (final séc. XIX começo da 2ª Guerra Mundial) - da imigração e do crescimento urbano no n de doenças infecto-contagiosas propagação rápida problema econômico-social. - Governo assume controle da saúde criação de serviços públicos, da vigilância e controle dos portos, revitalização da Diretora Geral de Saúde Pública. - Mais tarde - reforma de Carlos Chagas Departamento Nacional de Saúde Pública

6 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM NO BRASIL (final séc. XIX começo da 2ª Guerra Mundial) Enfermagem atender inicialmente aos hospitais civis e militares e posteriormente as atividades de saúde publica Criação da Escola Profissional de Enfermeiros e Enfermeiras no RJ junto ao Hospital de Alienados, hoje: Escola de Enfermagem Alfredo Pito (Uni-Rio) Duração de 2 anos, e estava estruturado aos moldes das escolas francesas, com abordagem de assistência hospitalar predominantemente curativa. Durante a I Guerra Mundial, a Cruz Vermelha Brasileira, passa a preparar voluntárias para o trabalho de enfermagem. Todos esses cursos foram ministrados e dirigidos por médicos.

7 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM NO BRASIL (final séc. XIX começo da 2ª Guerra Mundial) Desvinculação da atenção médica das associações religiosas na américa-latina Em 1923 o governo americano juntamente com o governo brasileiro manda para o Brasil algumas enfermeiras norte-americanas que realizam a escola de enfermagem baseada no modelo nightingaleano - Escola de Enfermagem Ana Nery. Princípios nightingaleano: submissão,espírito de serviço,obediência, disciplina, entre outros

8 Escola de Enfermagem Ana Nery Esta escola redimensionou o ensino da enfermagem no pais, e passou a ser reconhecida como padrão para as escolas criadas posteriormente no Brasil. Selecionava as suas candidatas dando preferência para pessoas de classes sociais mais elevadas, e dava a elas preparo para executar tarefas de maior complexidade intelectual que as outras escolas fundadas anteriormente. Tornou-se tradicional, e, suas enfermeiras, consideradas padrão, personificaram a enfermeira brasileira. Em 1931, foi fixado por lei que todas as escolas de enfermagem brasileiras deveriam seguir os moldes da escola Ana Nery.

9 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM NO BRASIL (final séc. XIX começo da 2ª Guerra Mundial) Em surgimento da Associação Nacional de Enfermeiras Diplomadas no Brasil, atual ABEn(Associação Brasileira de Enfermagem), exercendo papéis importantes nos aspectos de legislação e educação. Em 1973 surge o Conselho Federal de Enfermagem- COFEN, órgão disciplinador do exercício profissional;

10 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM NO BRASIL (final séc. XIX começo da 2ª Guerra Mundial) Criação do Ministérios da Saúde e juntamente com ele normas legais para o ensino e exercício da Enfermagem; Em 1949 Decreto de Lei onde a enfermagem passa a exigir ensino médio dos candidatos. Em 1950 a enfermagem passa a ser curso superior.

11 A ENFERMAGEM NO BRASIL MODERNO (2ª Guerra Mundial (1938) atualidade) DÉCADA DE 30 À DÉCADA DE 60 Série de mudanças que não atingem os principais problemas: saneamento e subnutrição Hospital principal centro de referência medicina curativa / enfermagem basicamente nos hospitais Surgimento de outras categorias na enfermagem Instituto Nacional de Previdência Social (1966) privatização do setor de saúde vantagens para empresas médicas convênios com firmas comerciais e indústrias Privatização profissionais de nível superior contratados por setor público / setor privado: contratação de outras categorias

12 A ENFERMAGEM NO BRASIL MODERNO (2ª Guerra Mundial (1938) atualidade) DÉCADA DE 30 À DÉCADA DE 60 Existência de várias categorias e divisão do trabalho dificuldade de reconhecimento social Currículos de enfermagem pautados na totalidade do trabalho: enfermeiros afastados da reflexão e crítica Aumento dos custos hospitalares depreciação de bens DÉCADA DE 70 À DÉCADA DE : Novo modelo de saúde: - Previdência Social assistência individual e curativa - Ministério da Saúde cuidados preventivos e coletivos

13 A ENFERMAGEM NO BRASIL MODERNO (2ª Guerra Mundial (1938) atualidade) DÉCADA DE 70 À DÉCADA DE 80 Conhecimento médico se torna mais sofisticado= enfermagem especializada Criação de vários cursos de especialização em enfermagem 1979 Criação do CEPEn Centro de Estudo e Pesquisa em Enfermagem promover e incentivar a pesquisa na Enfermagem e organizar suas áreas de interesses Aprovação da Lei 7498 regulamentação do exercício profissional, reconhecendo as categorias de Enfermeiro, Técnico de enfermagem, Auxiliar de Enfermagem e Parteira. Reforma Sanitária sistema único de saúde, público, socializado, universal, integral e planejado

14 A ENFERMAGEM NO BRASIL MODERNO (2ª Guerra Mundial (1938) atualidade) DÉCADA DE 70 À DÉCADA DE 80 Conferência Nacional de Saúde realizadas desde 1974, a cada 4 anos. VIII Conferência de Saúde saúde: resultado de condições de vida, habitação, lazer, liberdade e acesso aos serviços de saúde DÉCADA DE 90 - Serviço de Saúde 80% iniciativa privada 20% setor público

15 DÉCADA DE 90 A ENFERMAGEM NO BRASIL MODERNO (2ª Guerra Mundial (1938) atualidade) Medicina = sem autonomia/ seguros de saude privados Enfermagem: 2 posições distintas especialização médicohospitalar (>n )especialização saúde pública (<n ) Consulta de Enfermagem foco principal: educação em saúde com ênfase no auto-cuidado Indicadores de saúde = baixa expectativa de vida, alta mortalidade infantil, alta mortalidade materna e perinatal, elevado grau de desnutricao infantil, entre outros. IX Conferência Nacional de Saúde (1992) participação da enfermagem pelos seus órgãos representativos

16 A ENFERMAGEM NO BRASIL MODERNO (2ª Guerra Mundial (1938) atualidade) Permitiu à sociedade avaliar situação e oferta de serviços de saúde. - Tema central: municipalização, sociedade, governo e saúde, participação e controle social no SUS - SUS revisão dos currículos profissionais de enfermagem adequação à realidade social e inclusão das práticas alternativas em saúde - Seminário Nacional sobre Currículo Mínimo (1991): Aumento da duração mínima do curso de 2000 h para 3000 h 8 a 10 sem

17 A ENFERMAGEM NO BRASIL MODERNO (2ª Guerra Mundial (1938) atualidade) - Mudança do nome do curso de Enfermagem Obstetrícia para Curso de Enfermagem - Capacitação para o ensino de 1 e 2 grau - Pesquisa Científica importante na formação do enfermeiro.

Desenvolvimento da Educação em Enfermagem no Brasil (Século XIX)

Desenvolvimento da Educação em Enfermagem no Brasil (Século XIX) Ana Neri Ana Neri Aos 13 de dezembro de 1814, nasceu Ana Justina Ferreira, na Cidade de Cachoeira, na Província da Bahia. Casou-se com Isidoro Antonio Neri, enviuvando aos 30 anos. Seus dois filhos, um

Leia mais

PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro A IMPLANTAÇÃO DO MODELO NIGHTINGALE NO BRASIL

PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro A IMPLANTAÇÃO DO MODELO NIGHTINGALE NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro A IMPLANTAÇÃO DO MODELO NIGHTINGALE NO BRASIL PRIMEIRAS ESCOLAS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM (1890 1919) PRIMEIRAS ESCOLAS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM (1890

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 020/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer técnico sobre a solicitação de mamografia de rastreamento por Enfermeiro nas instituições de saúde. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENFERMAGEM ALFREDO PINTO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENFERMAGEM ALFREDO PINTO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENFERMAGEM ALFREDO PINTO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS ESTÁGIO CURRICULAR CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DA ESCOLA

Leia mais

1800 VINDA DA FAMÍLIA REAL. 1889- PROCLAMACAO DA REPUBLICA.

1800 VINDA DA FAMÍLIA REAL. 1889- PROCLAMACAO DA REPUBLICA. O que se exigia do sistema de saúde, do final do século XIX até metade do século passado, era uma política de controle de portos e espaços de circulação de mercadorias, com a finalidade de erradicação

Leia mais

PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015

PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015 PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015 Ementa: Realização de teste de gravidez e informação do resultado. 1. Do fato Auxiliares

Leia mais

A evolução da enfermagem e o processo saúdedoença

A evolução da enfermagem e o processo saúdedoença A evolução da enfermagem e o processo saúdedoença no Brasil Natália Rodrigues Ruben 1 Resumo O presente trabalho faz uma descrição do processo de evolução da Enfermagem no Brasil, juntamente com o processo

Leia mais

Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010)

Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010) Brasil e Espanha compartilhando experiências na saúde (Agosto de 2010) O que pode ser destacado sobre o Seminário Internacional sobre os sistemas de saúde do Brasil e da Espanha: compartilhando experiências?

Leia mais

73ª SBEn: Associação Brasileira de Enfermagem, 85 anos de compromisso social, participação e luta

73ª SBEn: Associação Brasileira de Enfermagem, 85 anos de compromisso social, participação e luta 73ª SBEn: Associação Brasileira de Enfermagem, 85 anos de compromisso social, participação e luta Departamento Científico de História da Enfermagem Compreendendo-se para renovar-se: contribuições da história

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 A enfermagem atuando na prevenção da saúde do adolescente propondo a redução das DST Doenças Sexualmente Transmissíveis e Minimizando os números de Gravidez na Adolescência. Mostra

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS Lizyanne Saldanha Soares 1, Natalia Máximo Souza Lima 2, Raquel Gusmão Oliveira

Leia mais

Aula 01 -Processo de Trabalho na Saúde e na Enfermagem

Aula 01 -Processo de Trabalho na Saúde e na Enfermagem PROCESSO DE TRABALHO NA SAÚDE E NA OBJETIVOS DA AULA - Esclarecer sobre o cenário atual do Processo trabalho em Saú e na Enfermagem. - Caracterizar o trabalho do enfermeiro nas instituições saú. - Aborr

Leia mais

O Volume Do Treinamento No Futsal

O Volume Do Treinamento No Futsal O Volume Do Treinamento No Futsal Quando se fala de volume de treino é importante primeiramente entender quais são as vias metabólicas predominantemente envolvidas no esporte a ser treinado, e, respeitar

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto Estado do Rio de Janeiro ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

Prefeitura Municipal de São Sebastião do Alto Estado do Rio de Janeiro ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS GARI DESCRIÇÃO SUMÁRIA Compreende os cargos que tem como atribuições varrer e limpar ruas e logradouros públicos e coletar o lixo acumulado em sarjetas, caixas de ralos

Leia mais

O desafio do que e como fazer?

O desafio do que e como fazer? IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA Workshop Educação em Saúde Ambiental na Promoção da Saúde O desafio do que e como fazer? Carlos Coloma Março 2013 Olhar crítico sobre: Situação

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 1. SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - SENASP Gestão do Conhecimento e de Informações criminais; Formação e Valorização Profissional; Implantação

Leia mais

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 8 A Enfermagem no Brasil Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI REFORMA PROTESTANTE Martinho

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 310/XII/1.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 310/XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 310/XII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A MANUTENÇÃO EM FUNCIONAMENTO DA MATERNIDADE ALFREDO DA COSTA NAS INSTALAÇÕES ATUAIS, A SALVAGUARDA DA ESTABILIDADE E INTEGRIDADE

Leia mais

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento Recrutamento Seleção Avaliação de Desempenho Treinamento e Desenvolvimento Instituições de Saúde Instituições hospitalares

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

Seminário Estadual. 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM)

Seminário Estadual. 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Seminário Estadual 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Escola da Gestante DrªZilda Arns Apucarana João Carlos de Oliveira Prefeito Municipal Escola

Leia mais

Florence Nightingale: obras, ensinamentos e contribuições Séc XIX

Florence Nightingale: obras, ensinamentos e contribuições Séc XIX BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 7 Enfermagem Moderna Florence Nightingale: obras, ensinamentos e contribuições Séc XIX A Europa vivenciava

Leia mais

POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA. Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira

POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA. Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira Brasília, 10 de dezembro de 2015 RESGATE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS DA PESQUISA PERFIL DA ENFERMAGEM

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Assessoria de Comunicação TERRITÓRIO DE PAZ CIDADE DE DEUS - RIO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Assessoria de Comunicação TERRITÓRIO DE PAZ CIDADE DE DEUS - RIO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Assessoria de Comunicação TERRITÓRIO DE PAZ CIDADE DE DEUS - RIO Agenda do evento: Rio de Janeiro (RJ) Dia: 14.12.2009 Local: Rua Zózimo do Amaral, 346,. Próximo a Escola Municipal

Leia mais

Legislação da Enfermagem

Legislação da Enfermagem Legislação da Enfermagem Lei 5093/73 Implanta o Conselho Federal de Enfermagem e os Conselhos Regionais de Enfermagem. Lei 7498/96 de 25 de junho de 1986 Regulamenta o Exercício da Enfermagem, com o papel

Leia mais

NOTAS CURRICULARES. João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto.

NOTAS CURRICULARES. João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto. NOTAS CURRICULARES João Manuel Alves da Silveira Ribeiro Nascido a 19 de novembro de 1951, na freguesia de Cedofeita, concelho do Porto. Formação académica: 2007 - Programa de Alta Direção de Instituições

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Lei Complementar nº 395, de 26 de dezembro de 1996, e alterações posteriores, é uma das mais importantes leis do nosso Município, por definir a forma com que o Executivo Municipal

Leia mais

Especialização: TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE

Especialização: TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE Especialização: TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE Orlando Pilati UFPr e SESu/MEC Foro sobre Especialidades em Medicina Veterinária CFMV - BRASÍLIA 05/08/2008 Cursos de Especialiazação Consolidados na Educação

Leia mais

Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas

Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas Resolução SS - 123, de 27-9-2001 (D.O.E nº 184 de 28 de setembro de 2001 ) Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas O Secretário Saúde,

Leia mais

PROCURADORIA REGIONAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES JANEIRO A NOVEMBRO/2009 ¹

PROCURADORIA REGIONAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES JANEIRO A NOVEMBRO/2009 ¹ PROCURADORIA REGIONAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES JANEIRO A NOVEMBRO/2009 ¹ As atividades afetas aos Direitos do Cidadão, apesar da pequena estrutura administrativa da PRDC/SC, tornaram-se

Leia mais

ESTADO DO PARÁ MUNICÍPIO DE NOVA ESPERANÇA DO PIRIÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ESPERANÇA DO PIRIÁ CONCURSO PÚBLICO - Edital N.

ESTADO DO PARÁ MUNICÍPIO DE NOVA ESPERANÇA DO PIRIÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ESPERANÇA DO PIRIÁ CONCURSO PÚBLICO - Edital N. CONCURSO PÚBLICO - Edital N.º 0/13 TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO / ALFABETIZADO Cargo/Lotação Auxiliar de Serviços Gerais - Zona Urbana-sede Auxiliar de Serviços Gerais - Auxiliar

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Contratação de serviços de consultoria técnica especializada pessoa física. PROJETO: PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

Contratação de serviços de consultoria técnica especializada pessoa física. PROJETO: PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. EDITAL PF no. 007/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA O CONASS: O Conselho Nacional de Secretários de Saúde é uma entidade

Leia mais

Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M. Mês, ano

Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M. Mês, ano Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M Mês, ano DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1. Razão Social; 2. Nome Fantasia; 3. Entidade Mantenedora; 4. CNPJ; 5.

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 47/CT/2015 Assunto: Administração de Radiofármaco Palavras chaves: Oncologia; Radiofármaco; Punção Venosa. I Solicitação recebida pelo Coren/SC: A punção venosa para aplicação

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA Prof. G. DURANT A Bélgica (11 milhões de habitantes) é um país federal. PIB/capita: 39.860 dolares Gastos totais com saúde- 10,6% du PNB (Produit National Brut)

Leia mais

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PRIMÓRDIOS DA ENFERMAGEM NO BRASIL No Brasil, a organização da enfermagem iniciou-se no período colonial, quando os cuidados

Leia mais

As dinâmicas demográficas

As dinâmicas demográficas As dinâmicas demográficas ALAN HINDLE/CORBIS/ LATINSTOCK Crescimento vegetativo O crescimento vegetativo é a diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade de uma população. Esses números

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA Elsa Giugliani elsa.giugliani@saude.gov.br POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA 3º FÓRUM DEBATE BRASIL POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA: QUEBRANDO A CADEIA DA VIOLÊNCIA 28-29 Novembro 2007 Área

Leia mais

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Objetivos da 15ª. Reafirmar, impulsionar e efetivar os princípios e diretrizes do SUS- saúde como DH Mobilizar e estabelecer

Leia mais

APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 3.

APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 3. ESTÁGIIO SUPERVIISIIONADO REGULAMENTO GERAL BACHARELADO APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 3. CAMPOS DE

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

INTRODUÇÃO A visita no domicílio data desde o período pré-cristão, no qual os Hebreus assistiam aos

INTRODUÇÃO A visita no domicílio data desde o período pré-cristão, no qual os Hebreus assistiam aos TÍTULO: PERSPECTIVA DE IMPLANTAÇÃO DA VISITA DOMICILIAR COMO INSTRUMENTO DE CONTINUIDADE NA ASSISTÊNCIA DO CONTROLE DE INFECÇÃO DOS PACIENTES PÓS-OPERATÓRIOS DO HOSPITAL SÃO PAULO Autores: Nanci Verginia

Leia mais

LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986

LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 7.498, DE 25 DE JUNHO DE 1986 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015

PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015 1 PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015 Ementa: Atuação de Enfermeiro na função de assessor/consultor em empresa de produtos médico-hospitalares. 1. Do fato Solicita-se esclarecimento se o enfermeiro

Leia mais

Agostinho Guerreiro Engenheiro Agrônomo Presidente do Crea-RJ

Agostinho Guerreiro Engenheiro Agrônomo Presidente do Crea-RJ Agostinho Guerreiro Engenheiro Agrônomo Presidente do Crea-RJ A Organização do Sistema Profissional 1. A Regulamentação Profissional: Primeiros Ensaios século XIX As atividades eram permitidas para diplomados

Leia mais

AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE

AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE Com o objetivo de estimular o debate democrático, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) apresenta à sociedade brasileira sua Agenda Propositiva para a Saúde

Leia mais

Aula 1 Histórico da Implementação da Política de Saúde no Brasil

Aula 1 Histórico da Implementação da Política de Saúde no Brasil Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Epidemiologia e Saúde Pública Aula 1 Histórico da Implementação da Política de Saúde no Brasil Histórico - Mundo Na Inglaterra: movimento

Leia mais

O papel da Enfermagem no Tratamento de Álcool e Drogas no Brasil e no Mundo

O papel da Enfermagem no Tratamento de Álcool e Drogas no Brasil e no Mundo O papel da Enfermagem no Tratamento de Álcool e Drogas no Brasil e no Mundo The role of nursing in the Treatment of Alcohol and Drugs in the Brazil and World O papel da Enfermagem no Tratamento de Álcool

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE CONVOCATÓRIA DE SUBMISSÃO DE SUBPROJETOS EM RESPOSTA AO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 011 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 011 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 011 / 2011 Assunto: Curso de podologia para leigos ministrado por Enfermeiro. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira Podiatra sobre a realização de "Curso de Aperfeiçoamento

Leia mais

PROF. ENF. HYGOR ELIAS

PROF. ENF. HYGOR ELIAS PROF. ENF. HYGOR ELIAS ADMINISTRAR É... ADMINISTRAÇÃO É O PROCESSO DE PLANEJAR, ORGANIZAR, DIRIGIR E CONTROLAR AS AÇÕES DE UMA EMPRESA/INSTITUIÇÃO/SERVIÇO A FIM DE ALCANÇAR SEUS OBJETIVOS. O enfermeiro

Leia mais

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID

MA160.MA.77/RT.001 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18. PROGRAMA DE ATENDIMENTO MÉDICO SANITÁRIO PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA AID 3.18.1. Introdução O quadro de saúde da região da área de influência direta do empreendimento traduzido pelas condições

Leia mais

RESGATANDO O VESTUÁRIO DA ENFERMEIRA BRASILEIRA: RELATO DE EXPERIÊNCIA RESUMO

RESGATANDO O VESTUÁRIO DA ENFERMEIRA BRASILEIRA: RELATO DE EXPERIÊNCIA RESUMO RESGATANDO O VESTUÁRIO DA ENFERMEIRA BRASILEIRA: RELATO DE EXPERIÊNCIA RESUMO INTRODUÇÃO: Elaborar novos trajes para diferenciar-se na aparência e na hierarquia, sempre foi o pensamento dominante na sociedade.

Leia mais

FISCALIZAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE DO TRABALHADOR MARCOS RUBIO ENFERMEIRO DO TRABALHO E FISCAL DO COREN-MG

FISCALIZAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE DO TRABALHADOR MARCOS RUBIO ENFERMEIRO DO TRABALHO E FISCAL DO COREN-MG FISCALIZAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE DO TRABALHADOR MARCOS RUBIO ENFERMEIRO DO TRABALHO E FISCAL DO COREN-MG SAÚDE DO TRABALHADOR E O HISTÓRICO: SESMT - Decreto Lei 5452/43 CLT - Art. 62 SHMT. -Portaria 3.237/72

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD)

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Autores

Leia mais

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS

TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS TÍTULO: EXPERIÊNCIA COM OS FAMILIARES DOS PORTADORES DE ESQUIZOFRENIA USUÁRIOS DO SERVIÇO CAPS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF 11 A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF Marceli Almeida Mendonça¹, Renata Chequer de Souza¹, Simone Angélica Meneses Torres¹, Rosilene Cardoso Barbosa Monteiro 2, Glauce Dias da Costa

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo. Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes

DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo. Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes O SR. FRANCISCO BATISTA JÚNIOR (PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes da nossa Mesa que, neste momento, estão dividindo

Leia mais

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO

LIBERDADE DE CRENÇA E DE CULTO 1 Legislação e orientações jurídicas sobre o exercício da liberdade religiosa, o combate à discriminação religiosa e a proteção do patrimônio cultural afro-brasileiro. Eu sou do Axé! Eu sou de Saravá!

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Milton Monti) Cria a Universidade Federal de Bauru - UNIFEB e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica criada a Universidade Federal de Bauru

Leia mais

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção 21. Sobre a participação do setor privado no Sistema Único de, SUS, é incorreto afirmar que: a. As entidades filantrópicas e sem fins lucrativos também recebem remuneração do SUS pelos serviços prestados

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

PARECER COREN-SP 028 /2013 CT. PRCI n 100.957 e Ticket: 280.866

PARECER COREN-SP 028 /2013 CT. PRCI n 100.957 e Ticket: 280.866 PARECER COREN-SP 028 /2013 CT PRCI n 100.957 e Ticket: 280.866 Ementa: Assistência de enfermagem sem supervisão de Enfermeiro Impossibilidade. 1. Do fato Enfermeira questiona a possibilidade de realização

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Gestão. Custeio. Saúde pública. Atendimento Ambulatorial. Competências

PALAVRAS-CHAVE: Gestão. Custeio. Saúde pública. Atendimento Ambulatorial. Competências O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NO PRONTO ATENDIMENTO E ATENDIMENTO AMBULATORIAL NO MUNICÍPIO DE MINEIROS GO: NA BUSCA DA SUSTENTABILIDADE ORGANIZACIONAL Lúcia Aparecida Figueira Fernandes Costa luciafigueira@fimes.edu.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI COMISSÃO DE PLANEJAMENTO E CRIAÇÃO DE NORMAS PARA INGRESSO E ACESSO A CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DA GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI. CARLOS HENRIQUE LIMA HENRIQUE RODRIGUES

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO/FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO/FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: PSICOLOGIA BACHARELADO/FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 5 (CINCO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 05 (CINCO) ANOS

Leia mais

AÇÕES MÊS DA MULHER 2015 UNIDADE DE SAÚDE AÇÕES A SEREM REALIZADAS DATA

AÇÕES MÊS DA MULHER 2015 UNIDADE DE SAÚDE AÇÕES A SEREM REALIZADAS DATA AÇÕES MÊS DA MULHER 2015 UNIDADE DE SAÚDE AÇÕES A SEREM REALIZADAS DATA US FONTE GRANDE US BONFIM Atendimento à Mulher na Unidade Palestras educativas e ações relacionadas à auto-estima Orientações sobre

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE Apresentar os resultados da elaboração do modelo lógico para uma política de saúde. Trata-se da iniciativa

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999.

LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999. LEI COMPLEMENTAR Nº 005/99, de 17 de Dezembro de 1999. Dispõe sobre a Reorganização da Estrutura Administrativa do Poder Executivo do Município de Chapadão do Sul (MS), e dá outras providências. O Prefeito

Leia mais

O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO. Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG

O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO. Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG O HOSPITAL DO SNS NO FUTURO Francisco Ramos Presidente do Conselho de Administração do IPOLFG 22-06-2016 1. O PASSADO Os problemas A urgência como forma de acesso em primeira linha A combinação público-privado

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social UMA EXPERIÊNCIA SOBRE DIREITOS SOCIAIS DE GESTANTES E RECÉM-NASCIDOS

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social UMA EXPERIÊNCIA SOBRE DIREITOS SOCIAIS DE GESTANTES E RECÉM-NASCIDOS VIII Jornada de Estágio de Serviço Social UMA EXPERIÊNCIA SOBRE DIREITOS SOCIAIS DE GESTANTES E RECÉM-NASCIDOS ASSIS, Andriéle Galvão* ALVES, Franciele Koehler** AJUZ, Jamili Guimarães*** WERNER, Rosilea

Leia mais

ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO DO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM A) JUSTIFICATIVA O estágio supervisionado do Curso Técnico em Enfermagem é elemento transformador do

Leia mais

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL (EXTRATO) Duque de Caxias 2016 Objetivos do Curso

Leia mais

Florence Nightingale: obras, ensinamentos e contribuições Séc XIX

Florence Nightingale: obras, ensinamentos e contribuições Séc XIX UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 6 Enfermagem Moderna Florence Nightingale: obras, ensinamentos e

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Texto compilado) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Estabelece a Política de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Agência Nacional de Aviação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 Preâmbulo Nós, os representantes do povo brasileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regime livre e democrático, estabelecemos, decretamos e promulgamos

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Histórico 2005: Início dos trabalhos com financiamento da prefeitura municipal de Cascavel. 2008: ampliação dos serviços para 2 equipes de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 006/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico acerca da aplicação de ácido tricloroacético (50 a 80%) em lesões condilomatosas vulvares, perianais, intra - vaginais, penianas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA Estado de São Paulo Procuradoria Geral

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA Estado de São Paulo Procuradoria Geral PROJETO DE LEI No. 104/08 Dispõe sobre a criação de empregos de Agente Comunitário de Saúde, junto ao Quadro de Pessoal da Prefeitura do Município de Piracicaba, nos termos da Lei Federal nº 11.350/06

Leia mais

ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA

ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA ATENDIMENTO PEDAGÓGICO DOMICILIAR RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA OCORRIDA EM ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM LONDRINA GODOY,Shirley Alves -NRE/Londrina 1 shirley.alvesgodoy@gmail.com Eixo Temático: Pedagogia

Leia mais

Constituição Federal de 1988 Artigo 196 Sistema Único de Saúde e a enfermagem na assistencia ambulatorial; na assistencia hospitalar com ênfase na

Constituição Federal de 1988 Artigo 196 Sistema Único de Saúde e a enfermagem na assistencia ambulatorial; na assistencia hospitalar com ênfase na 8º. ENCONTRO DO CONSELHO REGIONLA DE ENFERMAGEM DO PIAUI SAÚDE Direito de todos e Dever do Estado Constituição Federal de 1988 Artigo 196 Sistema Único de Saúde e a enfermagem na assistencia ambulatorial;

Leia mais

OS PROGRAMAS "SAÚDE NA ESCOLA" E "SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS": ESTRATÉGIA DE GOVERNAMENTO DOS SUJEITOS ESCOLARES

OS PROGRAMAS SAÚDE NA ESCOLA E SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS: ESTRATÉGIA DE GOVERNAMENTO DOS SUJEITOS ESCOLARES OS PROGRAMAS "SAÚDE NA ESCOLA" E "SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS": ESTRATÉGIA DE GOVERNAMENTO DOS SUJEITOS ESCOLARES Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul rio grandense Câmpus Venâncio

Leia mais

LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA

LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA Ponta Delgada, 28 de janeiro de 2014 Transcrição das declarações do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Permitam-me

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Em Introdução, veremos os conceitos gerais referentes à violência, sua

Leia mais