Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1"

Transcrição

1 Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Vinicius Correia Santos 2 Introdução Como conseqüência da reestruturação produtiva do capitalismo na década de 1970, observou-se transformações nas formas de organização do trabalho no espaço de produção fabril. O presente artigo analisará essas transformações a partir da visão do pensamento marxista sobre a lei de tendência da queda da taxa de lucro. Para tal feito, a investigação centrou-se na mudança na forma de organização do trabalho e da produção e suas conseqüências para o Estado, os capitalistas e os trabalhadores. Verificando mudanças crucias a partir do fordismo (como racionalização do trabalho) e do keynesianismo (como regulação econômica) para o toyotismo (regulação da produção e do trabalho) e a acumulação flexível (regulação econômica). Nesse sentido, vamos trabalhar a temática a partir de quatro eixos fundamentais que compreendem essas transformações. No primeiro eixo, apresenta-se o que foi o fordismo, destacando o que ele trouxe para a organização do trabalho; no segundo, evidencia-se o compromisso fordista enfocando as relações entre Estado capitalistas trabalhadores que levaram a queda na taxa de lucros; no terceiro, discute-se o que é o toyotismo e suas mudanças fundamentais para a regulação da produção e do trabalho; e no último eixo apresenta-se a acumulação flexível e suas principais conseqüências. Pretende-se com isso, mostrar o que Marx escreveu no séc. XIX como contra tendência a queda da taxa de lucro foi usado na reestruturação produtiva do capitalismo no séc. XX. 1 Fordismo O fordismo começou quando Henry Ford modificou o processo artesanal de produção de carros com a implantação do sistema taylorista na linha de montagem, ou seja, racionamento do trabalho que permitiu uma produção em massa de produtos homogêneos. O modelo taylorista é uma forma de organização do trabalho humano baseado na ciência, que tem como base o parcelamento extensivo das atividades e tarefas, formas de supervisão e controle despóticas, além da desqualificação da força de trabalho pela extrema separação entre as tarefas de concepção e de execução. Esse trabalhador desqualificado e parcelado é o chamado operário massa, que para Bihr (1998) não passa do apêndice de todo o sistema mecânico, ou seja, o corpo morto do capital. O fordismo se apoiou em cinco transformações, são elas: 1) produção em massa, 2) parcelamento das tarefas, 3) criação da linha de montagem, 4) padronização das peças, 5) automatização das fabricas. O resultado dessas cinco transformações na organização produtiva é que antes de Ford era necessário 12:30 horas em média para construir um veículo. Após a 1 Artigo submetido ao VI Colóquio Internacional Marx e Engels nas seções de comunicações do Grupo Temático 9 - Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo, no ano de Economista, mestrando em Planejamento para Desenvolvimento na Universidade Federal do Pará (UFPA). Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará (FAPESPA).

2 2 introdução do taylorismo com sua racionalização e parcelamento das atividades, o tempo vai para 5:50 horas, logo depois com o treinamento dos operários cai para 2:38 horas e em 1914 Ford automatiza as primeiras linhas de montagem e o tempo cai para 1:38, o que significa oito vezes menos do que o esquema artesanal (GOUNET, 1999). Nota-se aqui, a intensificação e o aumento de produtividade do trabalho, causado pelo método cientifico taylorista de parcelamento das atividades. Como conseqüência, Ford conquista o mercado norte-americano e depois o mundo. Seus lucros saltam de 2 para 250 milhões de dólares no período de (GOUNET, 1999). Neste sentido, o fordismo-taylorismo se espalhou para todo o sistema produtivo como forma de organização da produção e do trabalho, que teve como elementos básicos a linha de montagem, produção em massa, produtos homogêneos, consumo de massa, controle do tempo e movimentos do operário, existência do trabalho parcelado, separação entre elaboração e execução no processo produtivo e desqualificação do trabalhador. E essa forma de organização do trabalho é a marca do período de crescimento e expansão do pós-guerra que vai de , conhecida como a Era de Ouro do capitalismo. Sendo a época do surgimento de uma nova institucionalidade para garantir a reprodução do capital, mas para manter o capitalismo, nessa época, foi necessário incorporar as massas, ou seja, oferecer aos trabalhadores estabilidade no emprego, direitos previdenciários, saúde, educação etc. É nesse cenário, após a Segunda Guerra Mundial, que começou uma nova estrutura social e econômica, conhecida como o compromisso fordista, na qual o Estado, capital e trabalhadores assumiram esse compromisso para garantir o capitalismo como sistema de produção, reprodução e dominação social. 2 O compromisso fordista e a queda da taxa de lucro Antes de tudo, o compromisso fordista não foi feito entre dois indivíduos, ou qualquer relação contratual entre duas ou mais pessoas. Como também ele não foi resultado de vontades livres que se enquadram naturalmente, mas esse compromisso foi firmado entre intermediários organizacionais e institucionais que lhes serviram de representantes, ou seja, as organizações sindicais, organizações patronais e entre eles e o Estado como regulador desse acordo. Em primeiro lugar, esse compromisso foi imposto a cada um dos protagonistas pela própria dinâmica anterior do capitalismo, ou seja, pelas lutas de classes que foram marcadas o século XIX entre burguesia e proletariado 3. Em segundo lugar, onde foi declarado oficialmente esse compromisso, especialmente os países da Europa setentrional, resultou em um processo ilusório para seus protagonistas. Porque ele veio para apaziguar as disputas anteriores entre as classes, ilusão no sentido que o capitalismo levaria ao sufrágio universal. E por fim, esse compromisso não acabou com a luta de classe entre burguesia e proletariado. Pois, nesse sistema os trabalhadores não conseguiram sua independência. Do ponto de vista dos trabalhadores, esse compromisso pode ser visto como uma barganha, ou seja, ele trocou a luta revolucionária (a emancipação) pela seguridade social (redução do tempo de trabalho, saúde, educação, entre outras satisfações fundamentais), permitindo assim, a burguesia deter o conflito com o 3 O primeiro movimento organizado foi a Primeira Internacional que teve um esforço de alcançar uma eficiência política para derrubar o capitalismo, vale destacar a Comuna de Paris (a tomada de Paris pelos operários que dura 72 dias, logo são sangrentamente massacrados pelo exercito francês) e o papel de Marx como o principal teórico do movimento comunista.

3 3 operariado, ao mesmo tempo podia controlá-los, através do Estado, ao negociar tais satisfações. Um exemplo dessa negociação entre trabalhadores, Estado e burguesia aconteceu nos EUA, conforme relato de Harvey (1992, p.128): os sindicatos ganharam considerável poder na esfera da negociação coletiva nas indústrias de produção em massa, preservaram algum controle dentro das fábricas sobre as especificações de tarefas, sobre a segurança e as promoções, e conquistaram importante poder político (embora nunca determinante) sobre as questões como benefícios da seguridade social. Esse poder (tanto político, como de organização de classe) faz dos sindicatos os porta-vozes dos anseios proletários para ter uma vida melhor, e ao mesmo tempo tornou o capitalismo mais democrático e igualitário. E o Estado assegurou as conquistas da classe operária, ao mesmo tempo em que servia de centro dinâmico de acumulação do capital (keynesianismo 4 ). Sendo assim, o Estado Moderno Capitalista era sem dúvida, o único a garantir a reprodução do capital nesse período, e ao mesmo tempo incorporar as massas, pois ele é produto da própria forma mercadoria, uma vez que ele só pode ser concebido dentro da forma mercadoria. Assim, o Estado Capitalista é o que sustenta o capitalismo e vice-versa. Conseqüentemente, o capitalismo se desenvolveu nos países centrais com fortes taxas de crescimento econômico e com melhorias das condições de vida da classe trabalhadora. A aliança do fordismo com o keynesianismo se expandiu mundialmente, e o capitalismo se dedicou a um surto de expansões internacionalistas de alcance mundial (HARVEY,1992). E assim, o fordismo-keynesianismo se tornou hegemônico como modo de racionalização do trabalho e regulação econômica. Pois ao mesmo tempo em que conseguia melhorias para a classe trabalhadora, neutralizava os conflitos que questionavam o modo de produzir capitalista. Ao se expandir e se complexificar, o fordismo com seus produtos homogêneos não era mais capaz de atender a demanda da sociedade cada vez mais heterogênea 5. Com o crescimento lento e queda das taxas de lucro o fordismo-keynesianismo entrou em uma recessão econômica generalizada. Essa crise do fordismo-keynesianismo como regulação e reprodução capitalista, de acordo com o pensamento de Marx (1984), é explicada pela lei da queda tendencial da taxa de lucro. Porque, segundo Marx, com o desenvolvimento do capitalismo há modificações na composição orgânica do capital 6, há um aumento do capital constaste em relação ao capital variável que pode levar a uma queda da taxa de lucro geral. Para Marx (1984) a taxa de lucro é dada pela expressão m/c (Tx de lucro = m / C), onde m é a mais-valia 7 e C o capital global (capital variável + capital constante). Marx vai demonstrar que com a reprodução do capitalismo o capital variável 4 Modalidade de intervenção do Estado na vida econômica. 5 O período fordista é, assim, marcado por um desdobramento da antiga classe operária: de um lado, a camada dos operários qualificados, herdeiros dos operários de ofício, constituindo uma aristocracia operária por ser a principal beneficiária do compromisso fordista, bem representada e bem definida pelas organizações sindicais das quais forma a base; de outro, o contingente crescente dos operários desqualificados, que suportam toda carga do fordismo na fábrica, beneficiam-se muito pouco de suas vantagens fora da fábrica, e são mal integrados nas organizações sindicais e mal defendidos por ela [ ] (BIHR, 1998, p.52, grifo do autor). 6 Consiste na relação entre o valor do capital constante (máquinas equipamentos, matérias-primas, etc.) e capital variável (parte do capital destinada à compra da força de trabalho) dentro do processo de produção capitalista. 7 Valor do trabalho não pago ao trabalhador, isto é, na exploração exercida pelos capitalistas sobre seus assalariados.

4 4 tem tendência a diminuir ou continuar na mesma magnitude, por causa do desenvolvimento das forças produtivas (leia-se tecnologia, por conta da concorrência inter-capitalista). Esse desenvolvimento fará com que tenha menos trabalho nas mercadorias (menos capital variável), e mais capital constante, que implica num aumento do capital global. Com o aumento do capital global, vai haver uma diminuição da taxa de lucro que é expressa pela relação m/c ( Tx de lucro = m / C ). Isso tudo acontece se a taxa de mais-valia continuar a mesma proporção, ou diminuir, em relação à etapa de produção inicial 8. Sendo assim, Marx (1984, p.163) escreve que modificações na composição orgânica média do capital global pertencente a determinada sociedade, crescimento paulatino do capital constante, em relação ao capital variável, ter necessariamente por resultado uma queda gradual na taxa de lucro geral. Para Marx (1984) a mudança na composição orgânica do capital ocorre por conta da concorrência entre os capitalistas, dentro do processo de reprodução do capitalismo. Essa mudança está relacionada com o desenvolvimento das forças produtivas, ou seja, pela mudança tecnológica, que é a regra básica dos capitalistas para preservar os mercados e os lucros. Isso, Marx já tinha escrito no Manifesto do Partido Comunista, quando afirmou que a burguesia não pode existir sem revolucionar continuamente os instrumentos de produção (MARX; ENGELS, 2004, p.48), e essa busca por instrumentos que mudam as formas de produzir é uma característica intrínseca do capitalismo. Katz (1996, p.10) afirma que em uma economia estruturada em torno do mercado submete a uma inesgotável rivalidade tecnológica que inevitavelmente alterará as proporções de trabalho contidas nas mercadorias, que levará ao aumento do capital constante em relação ao capital variável, logo a queda da taxa de lucro. E isso é observado no período fordista-keynesiano pela elevação da composição orgânica do capital, diretamente relacionado com os efeitos da economia de escala 9 (BIHR, 1998). Antunes (1999) nos diz ainda, que a queda da taxa de lucro é reforçada pelo aumento do preço da força-de-trabalho, principalmente por causa do compromisso fordista. Assim, acentuou a tendência da queda da taxa de lucro. E com a queda da taxa de lucro todo o sistema entra em recessão e crise, neste contexto Gounet (1999) diz que a taxa de lucro cai e os investimentos também. Com o poder de compra sendo reduzido para garantir as taxas de lucro, os mercados se comprimem. O desemprego aumenta. Porém, graças à previdência social, os sem-emprego se beneficiam de indenizações, que incrementam os déficits estatais. E para sair da crise, o capitalismo na sua fase fordista-keynesiana precisa se reestruturar. Ou seja, utilizar as contra - tendências apontadas por Marx (1984) para manter o capitalismo como de acumulação, reprodução e dominação. As contratendências apontadas por Marx são: 1) elevação do grau de exploração do trabalho; 2) compressão do salário abaixo de seu valor; 3) barateamento dos elementos do capital constante; 4) ter uma superpopulação relativa; 5) abertura comercial; 6) aumento do capital por ações. A seguir, será mostrado que o toyotismo usa em seus fundamentos básicos as contras-tendências ditas por Marx (1984), como por exemplo: elevação do grau de exploração do trabalho e a diminuição do salário. 8 Isso é claro, serve apenas como exemplo hipotético. Pois existe mecanismos que fazem aumentar a taxa de mais-valia que Marx vai classificar como contra-tendências à lei da queda da taxa de lucro. 9 Corresponde fisicamente a gigantescas unidades de produção.

5 5 3 O toyotismo O toyotismo surgiu e apareceu através da empresa automobilística japonesa Toyota Motor Company, concebida pelo engenheiro Taiichi Ohno. Esse método de organização da produção e do trabalho apareceu para enfrentar os problemas econômicos que o Japão enfrentava no pós-guerra (PINTO, 2007) Entende-se aqui, que o sistema de Ford é concebido em uma economia em crescimento (mercado consumidor em expansão) e o toyotismo é criado num contexto de crescimento econômico lento, em meio a um mercado interno contraído e muito diversificado, caracterizado pela pequena expansão da demanda. Esse método de produção e organização do trabalho, o toyotismo, apoiou-se principalmente em 06 princípios básicos, são eles: 1) crescimento pela demanda; 2) combate a qualquer tipo de desperdício; 3) flexibilidade do aparato produtivo; 4) instalação do método do kanban; 5) diversificação dos produtos; 6) terceirização da produção. Primeiramente para ter o crescimento puxado pela demanda é necessário romper com a idéia fordista de produzir o máximo, em grandes séries. No modelo japonês a demanda que deve fixar a quantidade produzida, a empresa só produz o que é vendido e o consumo condiciona toda a organização da produção. Gounet (1999, p.26) ao discutir o crescimento puxado pela demanda afirma que o sistema baseia-se um pouco no exemplo dos supermercados: enchem-se as prateleiras, os clientes vêm, se servem e, conforme fazem as compras, a loja volta a encher as prateleiras. Em segundo lugar, pela carência de espaço físico no território japonês e com a obrigação de ser rentável, incita a Toyota a combater todo desperdício. Para realizar isso, a empresa decompõe o trabalho em quatro operações básicas: 1) transporte; 2) produção; 3) estocagem; 4) controle de qualidade. E dentro dessas operações só a produção agrega valor à mercadoria, e as outras representam custos. Sendo assim, é preciso limitar ao máximo o tempo de transporte, estocagem e controle de qualidade. Eis porque a máxima fluidez da produção é o objetivo supremo. Ela significa situar tanto quanto possível as operações uma ao lado da outra, limitar o transporte no espaço mas multiplicá-lo no tempo, evitar que se formem estoques em qualquer ponto da cadeia (GOUNET, 1999, p.26-27). O terceiro fundamento básico é o aparato produtivo flexível e sua adaptação às flutuações de mercado (just-in-time). Essa regra permite ao toyotismo atender sua produção a demanda de bens e serviços, com isso os trabalhadores tem que se adaptarem a produção. Surge aqui à expressão trabalhador polivalente, que rompe de vez com o trabalhador altamente especializado do sistema fordista (o executor de apenas uma única tarefa no processo produtivo). Aqui o trabalhador tem que executar várias tarefas, pois se a produção for de um determinado bem X o trabalhador executará uma operação para a produção desse bem, mas se a demanda for por outro bem Y o trabalhador executará outro movimento e assim sucessivamente, tudo de acordo com a demanda (sem falar a preocupação com a qualidade do produto). Portanto, para se adaptar a demanda é necessário o aparato produtivo flexível, afetando diretamente a organização do trabalho e tornando-a flexível também. A quarta característica é o método kanban na cadeia produtiva. Isso significa a instalação de uma espécie de placa que indica várias coisas, mas especialmente é a peça ou elemento que está ligada a cadeia de produção. Gounet (1999) nos conta com detalhe

6 6 o funcionamento do método kanban dentro da Toyota: quando a equipe precisa de um painel para o carro que está montando, pega um painel reserva. Nesse momento retira o kanban da peça empregada. Este volta ao departamento que fabrica painéis. Essa unidade sabe então que precisa reconstruir o estoque esgotado. Portanto, o kanban serve antes de mais nada como senha de comando. Mas na organização flexível, puxada pela demanda, é um método rápido, fácil e essencial (p.27). O quinto princípio está ligado com o objetivo da Toyota que era produzir muitos modelos de carros, mas cada um em série reduzida. Significando que a linha de montagem no toyotismo produz vários modelos de carros na mesma linha de montagem, pois cada vez que existe um novo modelo é preciso adaptar e mudar as máquinas. E o último princípio é da terceirização da produção. Gounet (1999) afirma que em vez de investir na economia de escala (integração vertical) como era de hábito no fordismo, a Toyota passou a desenvolver as relações de sub-contratação com seus fornecedores de peças, ou seja, os fabricantes de autopeças são empresas à parte e totalmente controladas pela Toyota, em que os custos salariais representam 30 a 50% a menos do que se fosse produzido na montadora. Portanto, foram apresentados os conceitos fundamentais de funcionamento do sistema que é o determinante para a reestruturação do capitalismo na década de 1970, afetando diretamente todo o sistema anterior, principalmente a organização da produção e do trabalho, que vai caracterizar a acumulação flexível. 4 Acumulação flexível e o desemprego estrutural da força de trabalho A acumulação flexível é o termo criado por Harvey (1992) para marcar a transformação da rigidez fordista 10 para a flexibilidade dos processos de trabalhos, dos mercados de trabalho, dos produtos, dos padrões de consumo, da descontração industrial, da revisão do papel do Estado, da financeirização da economia, da heterogeneização e fragmentação da classe trabalhadora, da intensificação do trabalho, da precarização do trabalho, enfim, se fosse necessário simplificar essa nova fase de acumulação, a palavra seria flexibilização. Na acumulação flexível houve a mudança de centro dinâmico da acumulação capitalista. O setor produtivo não é mais o carro chefe, a financeirização da economia é a norma da vez. A conseqüência da financeirização da economia sobre o setor produtivo no processo de acumulação é a desregulamentação da economia, redução do papel do Estado (diminuição da autonomia das políticas econômicas nacionais e autônomas), flexibilização dos mercados de trabalho, dificuldades de investimentos nas economias periféricas, logo diminuindo as estratégias de geração de emprego nacionais (POCHMANN, 2002). O Estado passa de garantidor da reprodução do capital para mero regulador da economia, a política de Estado Mínimo 11 desestrutura toda a rede de proteção social da era fodista construído no pós-guerra. Neste sentido Soares (2003) escreve: em vez de evoluirmos para sistemas verdadeiramente públicos e universais que garantam os direitos essenciais de cidadania das 10 Rigidez dos contratos e relações salariais garantidos pelo compromisso fordista através do Estado. 11 Estado com o mínimo de atribuições de despesas para não comprometer a crise fiscal.

7 7 parcelas majoritárias da população que não tem condições de incorpora-se via mercado, reduz-se ainda mais a já debilitada capacidade do Estado no social (2003, p. 30). O impacto dessa retração do Estado no social é que as políticas sociais passam de caráter universal para de caráter privado e as políticas sociais passam a ser substituídas por programas de combate à pobreza, que tratam de, segundo seus proponentes minimizar os efeitos do ajuste sobre os mais pobres ou os mais frágeis (SOARES, 2003, p.27). Outra conseqüência da acumulação flexível é a intensificação do trabalho. No sistema toyotista exige flexibilidade da produção e dos trabalhadores, pois o operário tem que ser polivalente, trabalhar em equipe e ser bem qualificado, mas os salários não são corrigidos a altura do aumento da qualificação. E o grande empecilho para o objetivo da intensificação do trabalho é o sindicato, mas na acumulação flexível o sindicato é controlado e manipulado pela classe patronal, surgindo termos como sindicalismo de participação / envolvimento ou sindicalismo de resultado. Isso só é possível, porque os trabalhadores têm que incorporar as concepções desse novo modo de fazer sindicalismo ou podem perder seus empregos. Assim, Antunes (2003) relata a mudança no movimento sindical depois do processo de reestruturação do capitalismo: Os sindicatos operaram um intenso caminho de institucionalização e de crescente distanciamento dos movimentos autônomos de classe. Distanciam-se da ação, desenvolvida pelo sindicalismo classista e pelos movimentos sociais anticapitalistas, que visavam o controle social da produção, ação esta tão intensa em décadas anteriores, e subordinam-se à participação dentro da ordem. Tramam seus movimentos dentro dos valores fornecidos pela sociabilidade do mercado e do capital. (p.43, grifo do autor). Com os sindicatos incorporados pelos valores do capital, Antunes (2003) afirma que isso levou ao um dualismo, ou seja, entre os trabalhadores empregados e desempregados. Isso resultou em um processo crescente de individualização das relações de trabalho, que será chamado pelo autor de neocorporativismo, ou seja, os trabalhadores empregados farão de tudo para manterem-se no emprego enquanto que os desempregados procuraram formas precárias de se inserirem no sistema capitalista. O autor destaca que esse movimento provocou um racha na classe operária, pois ela foi heterogeneizada, fragmentada e complexificada e assim as possibilidades de uma efetiva emancipação humana estão seriamente danificadas. Como resultado de todas essas transformações ocorridas no mundo da produção foi o desemprego estrutural da força de trabalho e a crescente precarização das condições de trabalho, como também, forte tendência para a flexibilização das leis e do mercado em relação ao trabalho. Os dados do desemprego depois da reestruturação do capitalismo mostram um pouco a dimensão dessa transformação, pois em 1996 da População Economicamente Ativa (PEA), ou seja, cerca de 2,5 bilhões de pessoas no mundo inteiro, 35% encontrava-se em situação de subutilização do trabalho, significando desemprego ou subemprego. E nos países pertencentes à OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) são 34 milhões de desempregados e a OCDE não espera taxas de desemprego em menos de 10% da PEA em vários países que compõem a organização internacional (OCDE, 1996 apud POCHMANN, 2002, p.39).

8 8 E no Brasil, as formas de trabalho sem cobertura social, o subemprego, já superam as que a possuem e continuam a predominar quando a criação de novas ocupações. Segundo dados do IBGE, de cada dez ocupações geradas nos anos 1990, apenas uma era com carteira assinada, enquanto no período de 1940 a 1980 eram sete. Conforme a PNAD 2002, apenas 38% da População Economicamente Ativa (PEA) possui alguma cobertura social. Os que se encontram sem ocupação no país alcançam os 10% da PEA (POCHMANN, 2002). Assim, surgem discursos que dizem que o problema do desemprego é por conta da alta carga de tributos inseridos sobre as relações trabalhistas. E que é preciso flexibilizar tais leis. Inclusive é discurso de organismos internacionais, pois: as propostas predominantes da OCDE e de outros organismos internacionais e europeus continuam considerando que o enfrentamento dos problemas do mundo do trabalho dos países centrais deva ocorrer por meio de políticas desregulamentadoras para o mercado de trabalho (POCHMANN, 2002, p.29). Com as flexibilizações do mercado de trabalho a força de trabalho se torna mais barata, pois utilizam-se trabalhadores contratados temporariamente e precariamente os quais num período de crescimento da economia são exauridos em longas jornadas para atender a níveis altíssimos de produtividade, para num momento de recessão, voltarem a condições de desempregados. E com o desemprego estrutural, fica mais difícil de tais trabalhadores voltarem a ter empregos estáveis. Aqui, comprova-se o que Marx já havia escrito no século XIX é realizado no capitalismo na década de 1970, para fugir da tendência da queda da taxa de lucro. Esse processo (da queda da taxa de lucro) levaria em breve a produção capitalista ao colapso, se tendências contrárias não atuassem constantemente (MARX, 1984, p.186). Assim, no processo de reestruturação o capitalismo é uma aplicação das causas contrariantes da tendência da queda da taxa de lucro, como por exemplo: elevação do grau de exploração do trabalho e compressão do salário abaixo de seu valor. E se o desemprego da força de trabalho avança na acumulação flexível, restam aos trabalhadores procurarem outras formas de sobrevivência. Uns se enquadram no mercado informal, outros em empregos parciais e precários. Então o que fazer para solucionar o desemprego? Singer (1998,) começa a esboçar tal solução, é claro sem considerar outros discursos como o da Teoria do Capital Humano que diz que a culpa é do trabalhador, pois esse não é qualificado e educado o suficiente para oferecer sua força de trabalho no mercado. Ou então, a que diz que o trabalhador tem que ser empreendedor e sempre procurar processos de inovação para obterem sucesso no modo de produção capitalista. Em relação à proposta de Singer (1998, p.09-10) a solução e alternativa, seria a economia solidária, trata-se de eliminar o desemprego e a exclusão social nos quadros do capitalismo, permite sustentar que a economia solidária é a mais importante alternativa ao capitalismo neste momento histórico, por oferecer uma solução prática e factível a exclusão social, que o capitalismo em sua nova fase liberal exacerba. E como não é objetivo desse artigo analisar nenhuma das saídas apresentadas, fica apenas apontado tais soluções, mas o que esse artigo tentar demonstrar é que a teoria da lei tendencial de queda da taxa de lucro de Marx não é anacrônica no sentido de explicar o processo de reestruturação produtiva do capitalismo, mas ela é essencial para entender esse processo e mostrar que o toyotismo utiliza em seus fundamentos as contra-tendências apontadas por Marx.

9 9 Considerações Finais A partir das discussões acima, conclui-se que para melhor compreensão do processo de reestruturação produtivo do capitalismo, a mudança na organização da produção e do trabalho foi essencial para manter o capitalismo como modo de produção dominante. E através da teoria marxista é possível interpretar essas mudanças, pois a acumulação flexível é a aplicação das contra tendências apontas por Marx para tentar fugir da queda da taxa de lucro que poderia leva ao colapso capitalista. Sendo, o desemprego-estrutural é a face mais cruel da exclusão social e que as soluções que estão em debate na contemporaneidade estão relacionadas com os efeitos da reestruturação produtiva do capitalismo. Referências ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, Adeus ao trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 9. ed. São Paulo: Cortez, BIHR, A. Da Grande noite à alternativa: o movimento operário em crise. São Paulo: Boitempo, GOUNET, T. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo, HARVEY, D. Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, KATZ, C. O enfoque marxista da mudança tecnológica. In: KATZ, C.; COGGIOLA, O. Neoliberalismo ou crise do capital?. 2. ed. São Paulo: Xamã, p MARX, K. O capital: Crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural, Volume III, Tomo 1. (Coleção Os Economistas) MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Martin Claret, PINTO, G. A. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. São Paulo: Expressão Popular, POCHMANN, M. O trabalho sob fogo cruzado: exclusão, desemprego e precarização no final do século. 3. ed. São Paulo: Contexto, SINGER, P. Globalização e desemprego: diagnósticos e alternativas. São Paulo: Contexto, SOARES, L. T. O desastre social. Rio de Janeiro: Record, 2003.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Organização da produção social do trabalho Objetivo: Problematizar as diferentes

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

V Encontro Anual da ANDHEP - Direitos Humanos, Democracia e Diversidade 17 a 19 de setembro de 2009, UFPA, Belém (PA) Grupo de Trabalho: GT 4

V Encontro Anual da ANDHEP - Direitos Humanos, Democracia e Diversidade 17 a 19 de setembro de 2009, UFPA, Belém (PA) Grupo de Trabalho: GT 4 V Encontro Anual da ANDHEP - Direitos Humanos, Democracia e Diversidade 17 a 19 de setembro de 2009, UFPA, Belém (PA) Grupo de Trabalho: GT 4 Direitos Econômicos Sociais e Política Públicas de Direitos

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com. FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br A TRANSFORMAÇÃO DO TRABALHO O capítulo 4 do livro de

Leia mais

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD 1 2 Conhecer os princípios de produção em massa preconizados por Henry Ford Estabelecer correlações entre o Taylorismo e o Fordismo 3 Henry Ford e o modelo T Henry Ford (1863-1947) também é um dos precursores

Leia mais

O marxismo heterodoxo de João Bernardo

O marxismo heterodoxo de João Bernardo O marxismo heterodoxo de João Bernardo João Alberto da Costa Pinto 1 Meu propósito neste colóquio é o de fazer uma rápida apresentação de alguns aspectos conceituais que considero fundamentais na proposta

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Eixo temático: Ciências Sociais DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Matheus Sousa Ribeiro 1 RESUMO:

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Reunidos na 2 Assembleia Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente, no Rio de Janeiro, Brasil, de 11 a 13 de junho de 2012, organizada por Sustainlabour,

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

Fordismo e o Surgimento do Keynesianismo

Fordismo e o Surgimento do Keynesianismo Fordismo e o Surgimento do Keynesianismo Material de apoio para Monitoria 1. (ENEM-2001)... Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a colocação

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia Atividade extra Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.

O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. Jorge Luiz Souto Maior (*) Já virou costume dizer que o mundo do trabalho mudou e que, por isto, inevitavelmente, o direito do trabalho

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Meireles, M.Sc. Segundo a Associação

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL Luana Vianna dos Santos Maia Tatiane da Fonseca Cesar Resumo: O artigo apresentou uma

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil Sumário executivo Mais de um bilhão de pessoas sofre com as consequências da inanição é mais que a população dos Estados Unidos, Canadá e União Européia juntas. Em julho desse ano, a reunião de cúpula

Leia mais

s bandeiras de luta do movimento sindical atual, eu significado e importância para os trabalhadore

s bandeiras de luta do movimento sindical atual, eu significado e importância para os trabalhadore s bandeiras de luta do movimento sindical atual, eu significado e importância para os trabalhadore 40 HORAS SEMANAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL A luta pela redução da jornada acontece desde os primórdios do

Leia mais

Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade

Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade No presente artigo pretende-se discutir os regimes de acumulação, especificamente o integral (Viana, 2009), as mudanças na organização do trabalho

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

O QUE É UMA REVOLUÇÃO?

O QUE É UMA REVOLUÇÃO? Industr ial O QUE É UMA REVOLUÇÃO? - é uma mudança rápida e profunda que afeta as estruturas de uma sociedade determinando a essa uma nova realidade. - Pode ser cultural, política, social, etc. A Revolução

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI O que os trabalhadores do call center e de programação e produção de software têm em comum? Esta é uma das questões que o sociólogo

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado.

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado. AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA MAGDA LUCIANA BERTUCI ALVES 1 LIDIANE ANTONIA FERREIRA 2 RESUMO: Este artigo resulta de uma série de reflexões sobre a importância

Leia mais

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda Rogério Nagamine Costanzi* Desde a experiência do Grameen Bank em Bangladesh, o microcrédito passou a se disseminar

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Economia e Mercado Aula 1 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância do estudo da Ciência Econômica e da organização dos mercados Impacto na sociedade Instrumentalização Tomada de decisão empresarial

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet

UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA. Ivo Tonet 1 UNIVERSIDADE PÚBLICA: O SENTIDO DA NOSSA LUTA Ivo Tonet Introdução Para melhor orientar e sustentar a nossa luta, é importante compreender as dimensões mais gerais em que ela se situa. A convicção, gerada

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação 1 APRESENTAÇÃO O financiamento da educação superior pública constitui-se num dos

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 Fabio Jardel Gaviraghi 2, Caroline Goerck 3, Walter Frantz 4. 1 Projeto de Pesquisa do Doutorado

Leia mais

Pedagogia Empresarial

Pedagogia Empresarial Pedagogia Prof. Denise D Aurea Tardeli PEDAGOGIA E EMPRESA: fundamentos e práticas Pedagogia Empresarial A Pedagogia empresarial é a área que se ocupa em formar pessoas no âmbito da empresa e promover

Leia mais

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS cad_08.qxd:layout 1 5/13/11 10:02 AM Page 57 57 1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS TEMAS QUE DOMINAVAM A SUDENE RODRIGO SANTIAGO* O objetivo deste relatório é apontar os principais aspectos relacionados

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Robson Gouveia, gerente de projetos do Lean Institute Brasil, detalha como vem evoluindo a gestão em empresas da região O eixo Anhanguera

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO PARTICIPANTE: UMA INTERVENÇÃO VISANDO O AUMENTO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA ESEFFEGO SOBRE A UEG

PESQUISA-AÇÃO PARTICIPANTE: UMA INTERVENÇÃO VISANDO O AUMENTO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA ESEFFEGO SOBRE A UEG PESQUISA-AÇÃO PARTICIPANTE: UMA INTERVENÇÃO VISANDO O AUMENTO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA ESEFFEGO SOBRE A UEG INTRODUÇÃO Patrícia Santiago Vieira - ESEFFEGO-UEG Roberto Pereira Furtado - ESEFFEGO-UEG

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN Prof a Carla R. Pereira SURGIMENTO DA PRODUÇÃO LEAN Novas ideias vem em resposta a problemas concretos (Dennis, 2008, p.19)

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais A realização deste trabalho nos possibilitou algumas conclusões. Assim apontamos que as Assistentes Sociais entrevistadas para nossa pesquisa demonstraram em suas reflexões que

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON 1. O sistema de castas da Índia é uma divisão social importante na sociedade Hindu. Define-se casta, como grupo social hereditário, no qual a condição do indivíduo

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA As escolhas em termos de política econômica se dão em termos de trade-offs, sendo o mais famoso o

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO MODO DE PRODUÇÃO: Pode ser entendido com a estrutura econômica de uma sociedade. Incluem-se nessa noção a maneira como essa sociedade produz, distribui, consome

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

Educação Financeira: mil razões para estudar

Educação Financeira: mil razões para estudar Educação Financeira: mil razões para estudar Educação Financeira: mil razões para estudar Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos em Finanças Escola de Administração

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL BRASIL MERCADO DE TRABALHO DESEMPREGO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O PRIMEIRO EMPREGO

Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL BRASIL MERCADO DE TRABALHO DESEMPREGO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O PRIMEIRO EMPREGO Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL População Jovem no Brasil 17% Não Jovens Jovens 83% 180 Milhões de Habitantes 30,8 Milhões de Jovens (17,1%) Fonte: IBGE 2004 BRASIL Distribuição

Leia mais

A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações

A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações A verticalização como estratégia de gestão: viabilidade, problemas e implicações!! O que está sendo chamado de verticalização Operadoras montando hospitais e outros serviços próprios: Embora o fenômeno

Leia mais

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Este documento fornece a estrutura que B Lab utiliza para avaliar as estratégias fiscais que atendam aos requisitos da Certificação

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

Do taylorismo/fordista ao toyotismo e o Programa do Voluntariado do Instituto Ethos.

Do taylorismo/fordista ao toyotismo e o Programa do Voluntariado do Instituto Ethos. NOVAS ESTRATÉGIAS DE OBTENÇÃO DO CONSENSO DA CLASSE TRABALHADORA SOB O PARADIGMA TOYOTISTA: O PROGRAMA VOLUNTARIADO DO INSTITUTO ETHOS Luana M. de Andrade 1 Resumo Pretende-se discutir no contexto da reestruturação

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE Este documento é uma tradução do crioulo haitiano e alguns termos foram adaptados para facilitar sua relevância para um público mais

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA

VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA Central de Cases VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA www.espm.br/centraldecases Central de Cases VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA Preparado pelo Prof. Ricardo D Alò de Oliveira, da ESPM-RS.

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 I. Introdução do Marco Lógico/Zopp na Aditepp: Limites e Possibilidades. No ano de

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Fases históricas do sistema bancário brasileiro Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fases históricas do sistema bancário brasileiro 2 Fases da

Leia mais