Pessoas que vivem com menos de US$ 2,00 por dia precisam realizar transações financeiras como quaisquer outras.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pessoas que vivem com menos de US$ 2,00 por dia precisam realizar transações financeiras como quaisquer outras."

Transcrição

1 XIV Rodada do Grand Challenges Explorations Setembro de 2014 Facilitando a aceitação universal de serviços de pagamento via celular (Mobile Money Payments) para criar um ecossistema econômico que ajude a retirar pessoas da condição de pobreza Contexto: Pessoas que vivem com menos de US$ 2,00 por dia precisam realizar transações financeiras como quaisquer outras. Assim como todo mundo, populações de baixa renda precisam de dinheiro para comprar coisas, precisam de um lugar para guardar este dinheiro e de uma maneira segura de transferi-lo. Esses indivíduos podem, por exemplo, receber por seu trabalho ou pela venda da colheita ou de produtos e precisar de empréstimos para compras maiores para eventos importantes de suas vidas como casamentos ou funerais ou mesmo para investir em novas oportunidades para ganhar dinheiro. Populações menos favorecidas, particularmente aquelas que vivem em países onde a pobreza é generalizada, não têm acesso a produtos e serviços financeiros e bancários formais para auxiliá-las a gerenciar seu dinheiro e suas transações financeiras. A Fundação Bill & Melinda Gates acredita que o acesso a sistemas de pagamento formais é fundamental para garantir que pessoas de baixa renda tornem-se mais economicamente estáveis e prósperas. Se forem popularmente aceitos e estiverem disponíveis em momentos críticos, produtos e serviços financeiros podem ajudar famílias inteiras a saírem da pobreza ou enfrentarem crises e emergências com mais tranquilidade sem correr o risco de piorar ainda mais sua situação econômica. Sistemas de pagamentos via celular (Mobile Payment Systems) A Fundação Gates também acredita que o emergente mercado de pagamentos via celular tem o potencial de transformar a maneira como as pessoas acessam os serviços financeiros que podem retirálas da situação de pobreza e ajudá-las a garantir ganhos econômicos em tempos de crise. Os altos índices de penetração de telefones celulares e sua capacidade de funcionarem como um canal provedor de serviços bancários pode ser um elemento catalizador de serviços financeiros inovadores, pensados e direcionados para pessoas que sobrevivem com rendas baixíssimas. Uma das características chave para um vibrante mercado de pagamentos via celular é a liquidez digital: isto é, a habilidade da economia local em realizar transações digitais deste tipo. Uma boa maneira de garantir esse ambiente é aumentar significativamente o número de locais onde o usuário pode realizar pagamentos via celular. As pessoas que têm acesso a sistemas de pagamento via celular de qualquer operadora precisam ser capazes de realizar pagamentos digitais no comércio local, próximo de onde moram e trabalham para poder comprar itens essenciais como produtos de saúde, pagar taxas escolares e contratar serviços. No entanto, inúmeras condições específicas do mercado vêm impedindo a aceitação de pagamentos via celular por pequenos comerciantes e provedores de serviço, incluindo: 1/20

2 - Modelos de negócio e contexto econômico: os custos para compradores e vendedores que utilizam pagamentos via celular são geralmente excessivos quando comparados aos de transações envolvendo dinheiro em espécie; - Conectividade: a rede de energia elétrica e a conexão de rede costumam ser intermitentes, impedindo que as transações eletrônicas sejam concluídas; - Confiança: pagamentos via celular são vistos como menos confiáveis que os em dinheiro em espécie; - Facilidade de uso: telefones celulares convencionais em geral têm interfaces limitadas, o que pode gerar grandes dificuldades técnicas ou de leitura quando comparados com o uso de dinheiro em espécie; - Regulação: entre os vendedores, há preocupação com uma sobrecarga de regulamentações e regras excessivas, novas taxas e custos adicionais no processo de transição de pagamentos em dinheiro para pagamentos via celular. - Segurança: vendedores tendem a achar que essas transações não são seguras. O Desafio: Estamos procurando soluções inovadoras que promovam a adoção e o uso de pagamentos via celular por pequenos comerciantes (como vendedores locais), provedores de serviços (como escolas e clínicas de saúde), além de outros representantes do mercado que atendam populações de baixa renda. As soluções devem ser focadas nas necessidades de provedores de serviço e produtos, que devem estar aptos a aceitar facilmente pagamentos via celular de clientes que tenham uma carteira de dinheiro móvel (via celular) oferecida por qualquer banco, operadora de telecomunicações ou por terceiros. Além da questão dos pagamentos via celular, a Fundação Gates vai considerar também novas soluções que promovam o uso de transações digitais em qualquer formato, desde que ele seja desenvolvido para atender os menos favorecidos. Os telefones celulares são o principal foco deste desafio porque atualmente têm alta penetração entre as pessoas com baixíssima renda. O que procuramos: Consideraremos propostas de soluções relevantes para aqueles que vivem com menos de US$ 2,00 por dia em regiões em desenvolvimento e nas seguintes áreas: - Aparelhos e dispositivos: aplicar ou criar nova tecnologia para realizar transações via pagamento móvel ou digital no ato da compra; - Software: aplicar ou criar software e/ou aplicativos que possibilitem transações digitais; - Modelos de negócio: Desenvolver modelos de negócio e de mercado alternativos e/ou processos que atendam às necessidades de compradores e vendedores. Será dada preferência a soluções que atendam o maior número de objetivos descritos a seguir: - Escalável: as soluções devem ser capazes de atingir um grande número de usuários em diferentes regiões, cidades e/ou países. As propostas devem descrever como a solução pode ser amplamente utilizada; - Facilidade de uso: fazer e aceitar pagamentos via celular tem de ser tão fácil quanto utilizar dinheiro em espécie, principalmente para usuários com dificuldades de leitura; - Inter operável: as soluções devem permitir pagamentos via celular mesmo entre compradores e vendedores que optem pelo uso de provedores concorrentes deste tipo de serviço; 2/20

3 - Confiável: os usuários devem se sentir seguros de que suas transações são realizadas como pretendido; pagamentos devem ser concluídos e garantidos no ato da compra; - Baixo custo: as taxas cobradas de compradores e vendedores por cada transação devem ser baixas e acessíveis para aqueles que vivem com menos de US$ 2,00 por dia; - Segura: os usuários precisam confiar que seus fundos, pagamentos e dados pessoais estejam seguros; - Cobertura portátil (portabilidade): o sistema deve permitir que os usuários possam levar consigo seu histórico de serviços financeiros via celular assim como seus fundos digitais quando optarem por outro provedor de serviço; - Transparente: taxas importantes devem ser rapidamente informadas a compradores e vendedores antes da confirmação do pagamento; - Alinhada geograficamente: as soluções devem focar ou serem aplicáveis a sistemas de pagamento via celular que atendam populações de baixa renda na África e no Sudeste Asiático. Alguns exemplos de projetos que serão considerados para financiamento: Novas práticas ou tecnologias que possibilitem transações em tempo real no ato da compra em locais com conectividade limitada ou intermitente; Aplicativos que ofereçam serviços de valor agregado e de fácil utilização para processamento de pagamentos e que sejam atrativas para pequenos comerciantes; Modelos de negócio que permitam transações extremamente acessíveis financeiramente em infraestruturas robustas, seguras e de boa qualidade comercial; Práticas ou tecnologias inovadoras que sejam facilmente compreendidas pelos compradores e que permita que eles verifiquem as taxas incidentes durante o processamento do pagamento; Práticas ou tecnologias inovadoras que promovam a adoção viral e massificada de serviços financeiros via celular entre pequenos vendedores; Novas práticas ou tecnologias que sejam vantajosas e atraentes para o usuário, capaz de convencer indivíduos que fazem transações de balcão a migrarem para transações via celular, nas quais o consumidor dá dinheiro em espécie para um agente ou comerciante para que ele faça o pagamento via celular em nome do cliente. Não vamos considerar financiamento para: Ideias que simplesmente replicam ou reformulam processos de pagamento e ideias de países desenvolvidos; Ideias que não sejam aplicáveis ou acessíveis financeiramente para aqueles que vivem com menos de US$ 2,00 por dia em países em desenvolvimento; Ideias que proponham um caminho limitado ou não realista para ganhar escala, incluindo aquelas que dependam de subsídios financeiros de longo-prazo; Soluções que ofereçam serviços de pagamentos via celular a um grande número de comerciantes sem um serviço de suporte realista e consistente a esses usuários; Projetos que não considerem claramente o contexto atual dos sistemas financeiros disponíveis e de infraestrutura para pessoas de baixa renda. Por exemplo, ideias que demandem dispositivos caros ou identificações/carteiras de identidade emitidas por governos em países onde poucas pessoas dispõem desse tipo de identificação; Abordagens que apresentem riscos relevantes de segurança de dados quando comparadas aos riscos de sistemas de pagamento via celular do mundo desenvolvido. 3/20

4 XIV Rodada do Grand Challenges Explorations Setembro de 2014 Novas Maneiras de Medir o Desenvolvimento Cerebral Infantil e a Idade Gestacional Oportunidades e obstáculos: Tem havido um progresso espetacular na prevenção de mortes de crianças de até 5 anos de idade. No entanto, continuam a existir desafios para garantir o desenvolvimento saudável desde o início da vida fetal. No período que compreende o início da vida do feto aos 12 meses de idade da criança é de intenso desenvolvimento cerebral. Adversidades significativas no começo da vida que podem consistir em fatores biológicos ou sociais podem produzir perturbações fisiológicas nos circuitos cerebrais em desenvolvimento e isso causa efeitos que persistem durante a vida adulta. Esses efeitos incluem um risco substancialmente maior de deficiência cognitiva, sensório-motora e psicossocial. Para ajudar a orientar e monitorar intervenções que promovam o desenvolvimento cerebral sadio nos primeiros anos de vida, precisamos de medições apropriadas da função e desenvolvimento cerebral fetal e de crianças com até 12 meses de idade. Muitas medições atuais têm grandes inconvenientes: não são comparáveis de modo imediato e objetivo em populações diferentes; não são apropriadas tanto para o feto quanto para recém-nascidos ou são adequadas apenas para uma faixa etária muito limitada. Além disso, ainda não está claro quais dessas medições seriam eficazes de predizer fatores como produtividade e êxito na vida adulta. Este pode ser um momento particularmente bom para tratar de tais inconveniências. Novas tecnologias e soluções para o desenvolvimento cerebral sadio têm surgido como resultado de um maior investimento em pesquisa cerebral (BRAIN Initiative), o que inclui o Plano do NIH para Pesquisa em Neurociência (NIH Blueprint for Neuroscience Research) e iniciativas como a Saving Brains, promovida pelo Grand Challenges Canada. Esta chamada busca novas abordagens em duas áreas complementares: 1. Procuramos ideias inovadoras para medir o desenvolvimento e função cerebral, com foco em testes que sejam simples, confiáveis, não invasivos, objetivos, universalmente aplicáveis e que sejam apropriados para o feto, recém-nascidos e crianças com até 12 meses de idade. Tais testes devem ser usados para orientar e monitorar atuais e novas intervenções de saúde e para estabelecer curvas padrão do tipo função cerebral-idade, permitindo a detecção prematura de desvios do desenvolvimento sadio. 2. Novas abordagens para medir com exatidão a idade gestacional, focando em testes simples, confiáveis, não invasivos e universalmente aplicáveis que possam ser utilizados tanto em mulheres grávidas como um recém-nascidos ou crianças com até 12 meses de idade. Procuramos propostas que: Usem o corpo de conhecimentos sobre desenvolvimento infantil, que está em rápida expansão, e sobre desenvolvimento cerebral, em particular. A abordagem também deve lançar mão dos avanços em ferramentas de medição como as tecnologias de imagem; 4/20

5 Sejam diferentes, com premissas ousadas e claramente diferenciadas das abordagens atualmente desenvolvidas ou empregadas; e Tenham uma hipótese que possa ser testada, incluindo um plano correspondente de como a ideia seria testada ou validada, e que gere dados interpretáveis e inequívocos na Fase I, para aumentar a probabilidade de ser aceito para a Fase II. Algumas das muitas opções que consideraremos são: Desenvolvimento e função cerebrais Testes de desenvolvimento e função cerebral fetal. Testes que individual ou sequencialmente estabeleçam uma trajetória do desenvolvimento cerebral sadio desde a concepção até 12 meses de idade. Testes que usem as pesquisas cerebrais em outras condições ou doenças, como autismo, Alzheimer e senilidade, mas que agora estão focadas no feto e no recém-nascido Testes que possam predizer melhor as aptidões que, acredita-se, contribuem para a produtividade na vida adulta. Inclui-se aí a função executiva (por exemplo, atenção, autocontrole, resolução de problemas e memória funcional), inteligência sócio emocional e traços comportamentais como coragem e criatividade. Testes que ajudem a correlacionar os elementos do início do crescimento e desenvolvimento cerebral. Testes da função cerebral em modelos animais, especialmente em modelos primatas, desde que as propostas demonstrem por que eles serão relevantes em seres humanos. Testes que possam ser implementados de maneira confiável em ambientes de poucos recursos, funcionem em diversas culturas e geografias e que exijam pouco treinamento para serem administrados. Testes que fazem uso de novas tecnologias criativas ou investigações laboratoriais, mas que podem ser aplicados também em campo. Idade gestacional Testes que usem tecnologias ou biomarcadores novos ou modificações inovadoras de abordagens já existentes para medir a idade gestacional no nascimento e que apresentem melhorias relevantes em relação às metodologias existentes. Os exames também devem ser seguros, robustos e econômicos; devem permitir o uso em qualquer população e ainda se relacionar bem com tecnologias atuais, como o ultrassom. Testes que podem ser administrados logo no começo da gravidez e que são mais precisos que a última menstruação ou ultrassom. 5/20

6 Testes que usem tecnologias ou biomarcadores novos para determinar retrospectivamente a idade gestacional de uma criança de até 12 meses ou até mesmo de crianças mais velhas ou adultos. Testes de idade gestacional que usem assinaturas metabólicas, microbianas, baseadas em imagem ou epigenéticas de maneira individual ou combinada. Não serão considerados para financiamento: Desenvolvimento e função cerebrais Modificações em testes já existentes que apresentem apenas benefícios pontuais. Testes que possam ser aplicados apenas em uma ou em poucas populações ou geografias específicas. Testes baseados em medições indiretas já existentes que façam previsões deficientes sobre a saúde humana e a produtividade mais tarde na vida. Testes baseados em medições anatômicas ou fisiológicas que não estejam claramente ligadas às aptidões cognitivas, sensório-motoras ou sócio emocionais. Modelos animais que não tenham relevância clara e direta com seres humanos. Estudos in vitro Idade gestacional Mudanças pontuais em métodos de avaliação de idade gestacional conhecida, como testes hormonais, de ultrassom ou exames físicos e desenvolvimento neurológico da mãe ou da criança de até 12 meses de idade. Modelos animais que não tenham relevância clara e direta com seres humanos. Estudos in vitro 6/20

7 XIV Rodada do Grand Challenges Explorations Setembro de 2014 Novas abordagens para enfrentar a transmissão residual da malária Oportunidade: Há uma necessidade urgente de se desenvolver novos métodos de controle vetorial para redução da transmissão do parasita da malária que ocorre em ambientes externos. Redes tratadas com inseticidas de longa duração (LLINs) e sprays residuais para ambientes internos (IRS) são eficientes em prevenir a transmissão dentro das residências à noite. No entanto, pessoas que passam muito tempo em ambientes externos no período da noite estão sob o risco de contraírem malária devido à falta de ferramentas desenvolvidas especificamente para prevenir a transmissão em áreas externas (ou transmissão residual, como é denominada nesta chamada) 1. O termo transmissão residual engloba formas de transmissão que persistem mesmo com uma ampla cobertura de intervenções de LLIN e IRS. Pessoas que vivem ou trabalham em áreas externas ou abertas estão sob grande risco de contraírem malária, por não serem protegidas pelas intervenções de tipo LLINs ou IRS durante o período em que os vetores estão mais ativos. Além disso, os Programas Nacionais de Controle de Malária enfrentam a ameaça de transmissão residual e persistente, mesmo tendo alcançado reduções significativas de casos por meio das ações de LLIN e IRS. Embora essas intervenções sejam consideradas eficientes em ambientes internos, há uma lacuna significativa no enfrentamento da transmissão residual. Apesar da alta cobertura de ações de LLINs e IRS, as diferentes espécies de vetores de malária que podem facilitar a transmissão residual trazem os seguintes comportamentos que ajudam a evitar a sua exposição fatal a inseticidas aplicados em ambientes internos: Alimentam-se em ambientes externos, o que enfraquece a proteção pessoal e qualquer outra forma de proteção coletiva para pessoas dormindo sob LLINs ou em residências tratadas com IRS; São encontrados em ambientes externos, o que impossibilita o contato com superfícies de LLINs tratadas com inseticida ou paredes e telhados tratados com IRS; Evitam contato com inseticidas e costumam sair rapidamente dos ambientes internos, o que minimiza a exposição desses vetores a LLINs e IRS; Têm preferência por se alimentar de animais ao invés de humanos, o que minimiza o contato desses mosquitos com LLINS e IRS. O desafio: Em muitos ambientes, a transmissão residual facilitada pelos mosquitos que apresentam os comportamentos descritos acima pode ter força suficiente para tornar a erradicação da malária inviável se confiarmos apenas em estratégias complementares de diagnóstico e intervenções de tratamento. 2 Para além das atuais limitações do impacto que pode ser alcançado com IRS e LLINs eficientes, há a necessidade de novos ou melhores métodos de controle de vetores que: Estendam a cobertura das medidas de controle vetorial para matar ou repelir mosquitos adultos quando eles picam indivíduos em ambientes externos; 7/20

8 Melhorem as medidas que matam, repelem ou excluem mosquitos adultos que tentem entrar casas para descansar após se alimentarem em áreas externas; Estendam a cobertura das medidas de controle de vetor para matar mosquitos que se alimentam de gado ou de seres humanos; Sejam direcionadas para a redução das fontes de mosquitos em fase imatura em seus habitats aquáticos. O que estamos buscando: Propostas voltadas para a diversidade de comportamos de vetores que contribuem para a transmissão residual em ambientes endêmicos de malária. Será dada preferência para ideias que sejam relevantes às prioridades geográficas da Fundação: Sul da África, a sub região do Grande Mekong e Ilha Hispaniola (Haiti e República Dominicana); Abordagens que solucionem questões de comportamento de mosquitos Anopheles ou que sejam voltadas para os estágios de desenvolvimento de vetores listados acima. As propostas bem-sucedidas devem: Incluir uma clara explicação sobre a hipótese que será testada assim como objetivos específicos da intervenção proposta; Descrever uma ferramenta ou intervenção adequada que seja aplicável em contextos com recursos escassos; Incluir uma descrição de como a intervenção proposta resolve as lacunas de proteção contra os insetos em intervenções de controle de vetor já existentes ou como as intervenções/ferramentas propostas vão complementar as intervenções atuais; Descrever um caminho para a operacionalização das intervenções propostas em populações chave (exemplo: trabalhadores agrícolas ou florestais, trabalhadores de minas e militares) nas regiões geográficas prioritárias listadas acima; e Apresentar um plano claro para aumentar o acesso global à intervenção que está sendo proposta para garantir que os mais pobres tenham acesso a quaisquer conhecimentos ou produto desenvolvidos. O que consideraremos financiar: Uma proposta de sucesso deve descrever como a intervenção/ferramenta proposta pretende atender um ou mais itens a seguir: 1) prevenção de contato entre humanos e vetores de malária; 2) supressão de populações de vetores; e 3) redução da capacidade dos vetores em transmitir parasitas de malária às pessoas. Será dada preferência para propostas que enfrentem a transmissão residual da malária entre populações chave em uma ou mais das localidades geográficas listadas acima. Alguns exemplos de ferramentas de intervenção ou abordagens que consideraremos incluem (mas não estão limitados a): Integração de produtos ou roupas de proteção pessoal contra insetos em sistemas de proteção contra picadas que exijam mínimo esforço do usuário; Novas abordagens atrair e matar (attract and kill); 8/20

9 Novos métodos de redução de fontes de mosquito que possam ser utilizados em larga escala e sejam ecologicamente apropriados; Agentes quimioterápicos à base de endectocida para uso em hospedeiros humanos e não humanos; Intervenções integradas e medidas de vigilância entomológica que permitam a mensuração direta da intensidade de transmissão; Abordagens direcionadas a comportamentos comuns ou compartilhados de mosquitos e que possam reduzir ou eliminar a população de vetores. O que NÃO vamos considerar para financiamento: Projetos propondo pesquisa básica sem relevância clara para os objetivos deste tópico; Ideias que não considerem especificamente a malária como foco principal do trabalho; Ideias que não sejam relevantes a regiões endêmicas de malária; Ideias sem uma hipótese claramente articulada e testável por meio de métrica; Ideias cujos indicadores de sucesso não possam ser demonstrados dentro do escopo da Fase I do GCE ($100,000 por 18 meses); Ideias que combinem o fornecimento de múltiplas drogas ou exposição a pesticidas sem evidência de segurança; Ideias baseadas exclusivamente em melhorias incrementais às intervenções e ferramentas já existentes (por exemplo: LLIN baseada em piretroide, abordagens baseadas em IRS); Apenas iniciativas de infraestrutura ou capacitação; Propostas envolvendo testes clínicos em voluntários ou pacientes ou testes de campo de larga escala nesse momento (embora eles devam ser necessários no futuro). Exemplos de áreas de pesquisa que não serão consideradas nesta chamada incluem: Mosquitos geneticamente modificados Abordagens baseadas em endonuclease de homing Fungo entomopatogênico Tecnologias baseadas em Wolbachia Abordagens de liberação de insetos estéreis Métodos de controle biológico que empregam peixes larvicidas Aplicação de larvicidas já aprovados Referências: 1 Durnez L., Coosemans M. Anopheles mosquitoes - New insights into malaria vectors; Chapter 21: Residual Transmission of Malaria: An Old Issue for New Approaches, book edited by Sylvie Manguin, ISBN Killeen GF, Characterizing, controlling and eliminating residual malaria transmission, Malar J Aug 23; 13(1):330. 9/20

10 XIV Rodada do Grand Challenges Explorations Setembro de 2014 Novas maneiras de reduzir mortes de crianças por pneumonia por meio de tratamentos eficazes e administrados a tempo Oportunidade: Mais de 1,2 milhão de crianças morreram de pneumonia em Cerca de 90% dessas mortes ocorrem na África Subsaariana e no Sudeste Asiático, onde a proporção de mortes de crianças com pneumonia pode chegar a 30%. A estratégia da Fundação Gates para a pneumonia consiste em uma abordagem em três vertentes: Proteger, Prevenir e Tratar, com foco maior em vacinas, incluindo a pneumocócica conjugada e outras capazes de proteger bebês por meio da imunização materna. Entretanto, diante dos altos níveis de mortalidade infantil atribuídos à pneumonia e das limitações das vacinas em prevenir todos os casos da doença, também trabalhamos para melhorar tratamentos que apresentem impacto no número de mortes e para assegurar sua inclusão em políticas-chave globais e domésticas. Nos locais em que já existem produtos contra a doença como comprimidos dispersíveis de amoxicilina trabalhamos para aumentar sua disponibilidade e utilização principalmente em países com as maiores incidências de mortalidade infantil por pneumonia. O desafio: Crianças com pneumonia em países com alta incidência da doença tem de enfrentar riscos e obstáculos que impedem seu acesso e aderência a tratamentos apropriados e administrados no tempo adequado. Esses obstáculos podem variar desde cuidadores que falham em reconhecer sinais e sintomas de piora do quadro a falta de acesso a cuidado apropriado ou ausência de tratamentos adequados em clínicas médicas. A execução bem-sucedida da nossa Iniciativa de Inovação e Acesso a Tratamento, dentro da estratégia para combater a pneumonia, exigirá inovações em componentes críticos de tratamento. Por isso, focamos o desafio desta chamada na busca por ideias inovadoras que possam contribuir para a diminuição da mortalidade entre crianças com pneumonia, utilizando o já conhecido potencial de tratamento da amoxicilina, do oxímetro de pulso e da suplementação de oxigênio por meio de concentradores de oxigênio. Estamos buscando ideias inovadoras nas seguintes áreas de interesse: 1. Formulações de amoxicilina mais amigáveis para crianças; 2. Otimização de concentradores de oxigênio; 3. Dispositivos para medição de saturação de oxigênio (ou otimização do oxímetro de pulso); Exemplos de ideias que vamos considerar financiar incluem: Formulações de amoxicilina mais amigáveis para crianças A amoxicilina é um eficaz antibiótico betalactâmico que age contra o pneumococo. A Organização Mundial da Saúde recomenda comprimidos dispersíveis de amoxicilina como antibiótico de primeira 10/20

11 linha para tratamento de pacientes com pneumonia. Entretanto, a disponibilidade e o uso desta formulação em países com alta incidência da doença ainda são limitados. Muitos países só dispõem de cápsulas ou formulação em pó para suspensão oral no seu registro de medicamentos licenciados, enquanto outros continuam a recomendar cotrimoxazol como tratamento de primeira linha. A cápsula é de difícil administração em crianças, enquanto o tratamento com suspensão oral é desajeitado e custoso, demanda água limpa e pode exigir refrigeração em locais com temperaturas extremamente altas. Além disso, formas líquidas de dosagem, como xaropes e suspensão, geralmente não resistem à estocagem por longos períodos ou ao transporte sob altas temperaturas, condições comuns em vários países de renda baixa e média. Por isso, uma vez abertos, precisam ser consumidos ou reconstituídos. Comprimidos dispersíveis duram mais tempo em estoque e custam menos, mas continuam a representar desafios como o tempo de dispersão e demanda por um líquido limpo para dissolvê-lo. A forma ideal de dosagem oral pediátrica de amoxicilina não deve ter gosto ou ter gosto atenuado e deve ser dissolvida pela boca ou fácil de ser engolida. Buscamos ideias inovadoras de formulações de dosagem de amoxicilina para crianças recém-nascidas até cinco anos de idade (o grupo etário mais afetado). Ideias como comprimidos que se desintegram na boca (e que dispensam diluição em líquido antes do consumo) ou emplastro transdérmico também serão aceitas. Já existem técnicas bem estabelecidas para desintegração de comprimidos como liofilização, moldagem, spray drying, sublimação, compressão direta, processo algodão-doce, extrusão, e granulação por derretimento. Por isso, procuramos por formulações que são de fácil uso, mais simples que comprimidos dispersíveis e de custo equivalente ou inferior da formulação atual de amoxicilina. Não consideraremos financiamento para: Formulações que gerem uma carga ainda maior de comprimidos; Formulações mastigáveis destinadas apenas para crianças mais velhas; Melhorias apenas modestas na formulação de comprimido dispersível; Otimização de concentradores de oxigênio O oxigênio é uma intervenção que salva vidas, ainda que muitos hospitais e centros de saúde não tenham acesso a um fornecimento confiável. Cilindros são caros de reabastecer e logisticamente difíceis de transportar, especialmente em regiões rurais com infraestrutura de estradas precária e de difícil acesso. Portanto, muitas localidades com poucos recursos utilizam concentradores de oxigênio onde as instalações têm acesso à energia elétrica ou a geradores. Entretanto, em ambientes onde a eletricidade não é confiável e tem falhas, os atuais modelos de concentradores de oxigênio são menos apropriados. Procuramos inovações que tornariam os concentradores de oxigênio mais adaptados a contextos de escassez de recursos, o que inclui melhorias na fonte de energia ou nas exigências de manutenção desses equipamentos. O fornecimento de energia é um grande e conhecido desafio nessa área. Por isso, buscamos sistemas que demandem poucos recursos energéticos, apresentem maior capacidade de armazenamento ou que sejam capazes de operar continuamente com fontes alternativas de energia. 11/20

12 Também procuramos outros aprimoramentos para reduzir as necessidades de manutenção bem como melhorias na eficiência do sistema. Não consideraremos financiamento para: Modificações na distribuição de cilindros de oxigênio; Modificações em concentradores de oxigênio que resultem em dispositivos com proporções menores de litros por watt se comparados aos equipamentos atuais; Modificações que limitem a adaptabilidade a contextos de recursos escassos; Dispositivos para medição de saturação de oxigênio (ou otimização do oxímetro de pulso) Hipoxemia (baixo nível de oxigênio no sangue) está associada à mortalidade por pneumonia. A identificação de crianças com esta deficiência é um passo chave para providenciar a suplementação de oxigênio que pode salvar suas vidas. É difícil detectar a hipoxemia usando sinais clínicos convencionais por conta da baixa sensibilidade do método. O principal método para medir a saturação de oxigênio no sangue é o oxímetro de pulso. No entanto, sua disponibilidade é altamente limitada em países em desenvolvimento devido ao seu custo. O investimento inicial é considerável e seus custos anuais de manutenção representam cerca de 50% do capital originalmente investido. A baixa durabilidade do aparelho e os altos preços das peças, particularmente dos sensores de dedo, dificultam seu uso em localidades com recursos escassos. Os últimos anos testemunharam o surgimento de inovações em torno de dispositivos móveis que podem medir a saturação do oxigênio. Porém, esses aparelhos ainda são limitados e continuam caros. Procuramos por inovações que proponham dispositivos confiáveis ou ferramentas para medição e monitoramento de saturação de oxigênio em crianças com pneumonia em contextos de escassez de recursos. Essas inovações têm de custar menos que os aparelhos existentes, devem exigir manutenção menos frequente e de custo acessível, além de ser facilmente operáveis com pouco ou nenhum treinamento por agentes de saúde não especializados. O dispositivo ideal tem de ter um sensor duradouro sem peças desmontáveis e deve ser capaz de se comunicar com ou ser integrado a uma tecnologia móvel de telefone celular. Não consideraremos financiamento para: Aparelhos ou ferramentas que tenham menor sensibilidade ou especificidade que os atualmente existentes; Dispositivos que não possam medir saturação de oxigênio em bebês e crianças pequenas; Dispositivos que exijam ambientes complexos para funcionar, incluindo, por exemplo, manutenção frequente ou acesso à internet. Também não consideraremos financiamento para: 1. Ideias que não sejam diretamente relevantes para países em desenvolvimento; 2. Ideias sem hipóteses e indicadores bem descritos e claros a serem testados; 12/20

13 3. Ideias para as quais um indicador de sucesso não possa ser demonstrado dentro do escopo da fase 1 do GCE (US$ por 18 meses); 4. Pesquisa básica sem relevância clara para os objetivos deste tópico; 5. Iniciativas meramente voltadas para infraestrutura ou capacitação. Referências 1. Weber MW, Usen S, Palmer A, Jaffar S, Mulholland EK. Predictors of hypoxaemia in hospital admissions with acute lower respiratory tract infection in a developing country. Archives of disease in childhood 1997; 76(4): Weber MW, Mulholland EK. Pulse oximetry in developing countries. Lancet 1998; 351(9115): /20

14 XIV Rodada do Grand Challenges Explorations Setembro de 2014 Ferramentas de Vigilância, Diagnóstico e Dieta Artificial Para Apoiar Novas Abordagens em Controle de Vetores Oportunidade: Vivemos tempos desafiadores e de mudanças no mundo do controle de mosquitos. O crescente desafio imposto pela resistência a inseticidas tem levado muitos programas de controle de insetos ao fracasso e as ferramentas tradicionais, ao limite. A necessidade de controlar insetos que transmitem doenças para seres humanos é hoje mais pertinente que nunca. Com o aumento da urbanização e da globalização, esses insetos estão mais aptos a atravessar o globo via transporte aéreo e de carga e, por isso, doenças transmitidas por mosquitos estão atingindo novas localidades e ecossistemas. Por outro lado, esta também é uma época produtiva e interessante para a pesquisa entomológica, que tem desenvolvido ativamente novas abordagens para suprimir essas populações de mosquitos, empregando novas ferramentas moleculares, genes que impedem a transmissão de doenças e estratégias de substituição das populações de mosquitos-vetores. Quando essas novas tecnologias atingem o ponto de deixar o laboratório e ir para o campo, há uma maior necessidade de desenvolver ferramentas adicionais que ajudem a fornecer provas de conceito e apoiem a transição para o controle operacional. No caso dos mosquitos Aedes e Anopheles (aqueles que transmitem malária, filariose linfática, dengue, febre chikungunya, febre amarela e febre Zika), novas abordagens que já foram provadas em laboratório precisam ser produzidas em escala e monitoradas em estudos de prova de conceito. Novas tecnologias são necessárias para dar suporte aos próximos passos. Há lacunas de pesquisa nas áreas de monitoramento de populações de mosquitos, na detecção da infecção em insetos capturados e na criação em massa de insetos. O desafio: Esta chamada está dividida em três partes e os candidatos podem oferecer soluções que atendam um ou mais desafios desde que elas estejam dentro do escopo dos 18 meses de duração do financiamento de dólares do Grand Challenges Explorations. Os candidatos PRECISAM incluir na proposta um plano para provar a eficácia da tecnologia desenvolvida. 1. Novas técnicas de vigilância para mosquitos vetores Para apoiar abordagens inovadoras de controle vetorial e monitorar o sucesso das provas de conceito e o desenvolvimento de ensaios, precisamos ser capazes de medir quantitativamente as populações de mosquitos em campo. Por isso, estamos procurando armadilhas de mosquitos adultos que atendam os seguintes critérios abaixo: 14/20

15 Sejam de baixo custo e que não necessitem de rede de energia elétrica para funcionar. Permitam a coleta sem discriminação do estado fisiológico das fêmeas (não alimentadas, alimentadas, grávidas) assim como dos machos, de maneira a refletir a estrutura da população em qualquer estudo. Não impactem os mosquitos adultos capturados, de maneiras que dificultem procedimentos diagnósticos moleculares posteriores. Devem ser facilmente transportadas e instaladas (por exemplo, empilháveis e compactas) e baratas de se construir. 2. Testes diagnósticos para bactérias simbiontes e arbovírus no material coletado em campo Para se obter um retrato real da dinâmica de transmissão, precisamos entender a frequência de infecção em populações de mosquitos selvagens. Com os investimentos da Fundação Gates no desenvolvimento de novas tecnologias como a que inclui a bactéria simbionte Wolbachia usada em estratégias de substituição de populações surgiram lacunas no monitoramento de infecções no material coletado em armadilhas. Para o teste diagnóstico ser bem sucedido, ele precisa atender os critérios abaixo: Testes de diagnósticos simples para ser usados em campo para detectar Wolbachia, malária, dengue, febre chikungunya, febre amarela e vírus Zika em mosquitos capturados em armadilhas de campo. Sensíveis o suficiente para detectar infecção em mosquitos mortos por pelo menos uma semana coletados em armadilhas instaladas em campo. De baixo custo, que não exijam equipamentos ultra especializados e que tenham mais de 95% de precisão. 3. Uma dieta artificial que substitua a alimentação por sangue em laboratório A manutenção de colônias de inseto para pesquisa sempre foi um desafio. Até agora, as soluções tem sido uma mistura de voluntários humanos, sistemas de membrana ou fontes animais permitidas pela legislação. Todos esses métodos são difíceis de se manter e oferecem desafios. Muitas novas tecnologias em controle de mosquitos, especialmente aquelas focadas em estratégias de substituição de populações de insetos, exigem criadouros capacitados nos quais grande número de mosquitos, as vezes milhões deles, são produzidos num ambiente que se assemelha ao de uma fábrica. O desenvolvimento de uma dieta artificial que substitua a alimentação por sangue deve: Fornecer uma nutrição apropriada para fêmeas que se alimentam de sangue para o desenvolvimento adequado do ovo. Não impactar a taxa de eclosão de ovos, fecundidade, longevidade ou a saúde geral da fêmea e da prole. Ser de fácil preparo em laboratórios de campo e fácil e barata de ser enviada para outras localidades, inclusive internacionalmente, em grandes quantidades, sem a necessidade de uma cadeia fria e prazo de validade curto. 15/20

16 Ser apropriada para uso no contexto de criadouros em massa de mosquitos, bem como na manutenção diária de insetários. Além da formulação de uma dieta apropriada para mosquitos Aedes/Anopheles, os candidatos devem considerar também uma plataforma de entrega de alimentos para mosquitos no insetário, que pode tanto estar incorporada à nova tecnologia proposta, que deve ser replicável, ou utilizar outras tecnologias que já estão no mercado. O que estamos procurando: Buscamos propostas que atendam um ou vários desafios entre os três descritos acima. Uma proposta bem sucedida deve ter as seguintes características: Clara capacidade de provar a efetividade da ferramenta desenvolvida com base em dados que apoiem essa comprovação. Ferramentas que são apropriadas para o uso em campo; deve ser considerada, especialmente, a cadeia de suprimentos em países de renda baixa e média onde as doenças transmitidas por vetores são mais prevalentes. Ferramentas e tecnologias devem ser preferencialmente de baixo custo de uso e de fornecimento para apoiar programas operacionais em andamento. Será dada preferência a tecnologias de armadilha e dietas desenvolvidas para espécies de mosquitos Aedes/Anopheles e para diagnóstico das infecções listadas no segundo desafio acima (para referência: Wolbachia, malária, dengue, febre chikungunya, febre amarela e vírus Zika). O que não vamos considerar para financiamento: Propostas que não incluam um plano mostrando como medir o sucesso da inovação. Ferramentas de diagnóstico desenvolvidas para doenças diferentes daquelas listadas neste desafio. Novos métodos de controle vetorial, incluindo intervenções baseadas em modificações genéticas e estratégias de substituição de população de insetos. Tecnologias não apropriadas a estudos de campo ou ambientes de insetário. Ideias que não possam ser desenvolvidas dentro do escopo da fase I do Grand Challenges Explorations ( dólares ao longo de 18 meses). Apenas iniciativas de infra-estrutura ou de capacitação. Pesquisa básica sem clara relevância para os objetivos deste desafio. 16/20

17 XIV Rodada do Grand Challenges Explorations Setembro de 2014 Novas maneiras de trabalhar junto: estratégias de integração de serviços de saúde já existentes para aumentar o alcance e os benefícios de intervenções comunitárias em doenças tropicais negligenciadas Oportunidade: A Organização Mundial de Saúde estima que 1,9 bilhão de pessoas precisem de fármacos para prevenir, controlar ou eliminar cinco doenças tropicais negligenciadas (DTNs): filariose linfática, oncocercose, tracoma, esquistossomose e helmintíases transmissíveis pelo solo. Nos último cinco anos, programas nacionais, com a colaboração de várias organizações, ajudaram a distribuir uma média de quase 695 milhões de tratamentos de fármacos por ano em regiões endêmicas por meio de esforços comunitários de administração maciça de medicamentos (MDA). Apesar dos números impressionantes, os programas mundiais existentes alcançam apenas cerca de 37% do total de pessoas que precisam de tratamento. Eles deveriam ser ampliados rapidamente para alcançar as metas de controle e eliminação das DTNs até No entanto, os recursos financeiros e humanos dedicados continuam limitados para se alcançar tamanha escala de intervenção. Alguns programas nacionais conseguiram aumentar sua cobertura de MDA e diminuir os custos do processo por meio da integração de iniciativas para diferentes DTNs anteriormente elas eram realizadas em paralelo, sem coordenação em um mesmo programa e serviço comunitário únicos. Em paralelo, há muitos outros programas em saúde e desenvolvimento estão atendendo ou tentando atender essas mesmas populações com outras intervenções e serviços. Alguns exemplos são os serviços de assistência agrícola; intervenções antimalária; serviços de água, esgoto e sanitários; e serviços financeiros para os pobres. Com o amplo alcance dos programas de DTNs em nível comunitário, podem surgir oportunidades significativas para se avaliar como essa plataforma de MDA poderia ser utilizada para tratar uma gama mais ampla de necessidades dessas populações. Estudos pilotos inovadores com avaliações mensuráveis e robustas são necessários para determinar qual seria a melhor maneira de integrar os esforços para controlar DTNs com outros programas comunitários que poderiam beneficiar e aumentar a participação ou alcance de cada programa nacional de uma maneira mais econômica e eficiente. O desafio: Esta chamada busca ideias inovadoras que utilizem as atuais plataformas de MDA para ampliar a distribuição de medicamentos para uma ou mais das cinco DTNs prioritárias (filariose linfática, oncocercose, tracoma, esquistossomose e helmintíases transmissíveis pelo solo) e integrá-la com outra intervenção comunitária de saúde ou com outro serviço de assistência agrícola com o objetivo de aumentar a eficiência e o impacto de todos os programas. Sua proposta deverá tratar de uma ou mais das categorias a seguir: Integrar elementos do programa de MDA para uma ou mais das cinco DTNs (filariose linfática, oncocercose, tracoma, esquistossomose e helmintíases transmissíveis pelo solo) com o gerenciamento clínico intensivo de doenças como leishmaniose visceral, tripanossomíase humana africana (THA), dracunculíase (doença larvar da Guiné), doença de Chagas e hanseníase: Diferentemente das DTNs que requerem MDA que são gerenciadas através de 17/20

18 tratamento maciço de pessoas com ou sem a doença, os programas de gerenciamento clínico intensivo de DTNs são baseados na identificação dos pacientes infectados para tratá-los. Em grande parte, a diferença de abordagem é explicada pelo número bem mais baixo de pessoas infectadas por DTNs que exigem gerenciamento clínico intensivo por causa do custo e complexidade do tratamento. O desafio é encontrar, diagnosticar corretamente e tratar as pessoas infectadas. Alguns programas fazem triagens frequentes de populações remotas para encontrar alguns poucos casos para tratar, e isso apresenta desafios de logística e de recursos para os programas nacionais. Integrar uma ou mais DTNs que requerem MDA com outra DTN: Os programas nacionais estão sobrecarregados com o gerenciamento de todas as DTNs endêmicas dentro de suas fronteiras, ainda que a atenção e apoio mundial se concentrem em apenas um pequeno subgrupo dessas doenças. Determinar a melhor maneira de integrar recursos para DTNs nos sistemas de gerenciamento mais robustos de DTNs que exijam MDA poderia aumentar a capacidade dos programas nacionais para fazer mais com os recursos existentes. Integrar uma ou mais das cinco DTNs que requerem MDA com uma outra intervenção comunitária ou de saúde (tratamento de água e serviços sanitários, saúde materna e infantil, programas antimalária, programas de assistência agrícola ou programas de microfinanciamento): As comunidades frequentemente têm prioridades e necessidades de saúde identificadas por elas próprias e que são diferentes daquelas consideradas essenciais pelas autoridades de saúde (nacionais e internacionais). Programas de serviços que apoiam tais necessidades comunitárias geralmente têm poucos recursos e capacidade limitada de intervenção em regiões geográficas maiores. A integração contemplaria diferentes objetivos. Primeiramente, o de identificar serviços que atendam às necessidades das comunidades e que também possam ser incorporadas à plataforma MDA para as DTNs. Isso poderia resultar em um aumento de beneficiários nos dois programas e ainda reduziria o número de visitas que os beneficiários tem de fazer aos diferentes serviços. Integrar a MDA para DTNs com outro programa em uma região onde a MDA ainda não tenha sido estabelecida ou em uma população que seja difícil de acessar: Os programas de DTNs ainda não começaram em diversas regiões endêmicas e podem existir oportunidades para utilizar um serviço comunitário para estabelecer um programa de MDA bem sucedido e ainda fortalecer o programa existente. Integrar a MDA para DTN com os esforços de erradicação da malária: Existem novos esforços de erradicação da malária em andamento que precisam detectar a infecção e mapear a prevalência em comunidades sobrepostas com MDA para DTN. A integração desses esforços poderia aumentar o alcance dos programas e as eficiências econômicas. O que estamos procurando: As propostas devem contemplar todos os seguintes aspectos abaixo: 18/20

19 Ter uma hipótese clara e passível de teste de como a inovação proposta melhorará simultaneamente e de maneira mensurável o alcance dos dois programas integrados. Delinear um plano claro de medição e avaliação para cada componente integrado. Demonstrar que o experimento integrado resulta em benefícios para o programa nacional e/ou membros da comunidade que vão além da cobertura e recebimento do medicamento. Descrever o caminho para dimensionar o experimento integrado que está sendo proposto e onde ele teria mais probabilidade de ser útil. Apresentar um plano claro de geração de dados robustos que possam ser repetidos e usados para aumentar ainda mais o acesso a intervenções de saúde e desenvolvimento. Exemplos do que consideraremos para financiamento: Integrar a triagem de DTNs que exijam manejo clínico intensivo às campanhas de MDA para DTNs como alternativa útil para os programas nacionais; Alcançar populações de difícil acesso com medicamentos para desparasitação combinando a entrega com serviços de assistência agrícola ou veterinária; Combinar programas de triagem e tratamento para DTNs (em especial para aquelas que contam com poucos recursos terapêuticos) com acesso comunitário a MDA para ampliar a cobertura de tratamento; Integrar o mapeamento de doenças múltiplas (isto é, malária, helmintíases transmissíveis pelo solo, leishmaniose visceral) com MDA para aumentar a cobertura e a dispensação de medicamentos. Não serão considerados para financiamento: Ideias não diretamente relevantes para os países em desenvolvimento; Ideias sem uma hipótese e métrica claramente articuladas e passíveis de teste; Integração de esforços sem um benefício claro para ambos os programas; Ideais que combinem a entrega de diversos medicamentos sem evidência de segurança; Ideias que apresentem apenas um caminho limitado e não realista quanto à escala, incluindo aqueles que dependam de subsídios financeiros de longo prazo; 19/20

20 Ideias para as quais não seja possível demonstrar um indicador relevante de sucesso dentro do escopo do prêmio da fase I (US$ em 18 meses); Ideias que tratem outras doenças que não as relacionadas nesta chamada; Estratégias que enfoquem apenas em uma doença ou intervenção; Intervenções sociais ou educacionais que não incluam a integração dos serviços descritos acima; Iniciativas exclusivamente de capacitação ou de infraestrutura; Pesquisa básica sem relevância clara para as metas deste tópico. 20/20

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento Resumo O Relatório Mundial da Malária de 2009 resume informação recebida de 108 países com malária endêmica e de outras fontes e atualiza a análise apresentada no Relatório de 2008. Destaca o progresso

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Maximizando o Valor dos Laboratórios de Informática

Maximizando o Valor dos Laboratórios de Informática Monografia World Ahead: Educação Os laboratórios de informática podem ser projetados para satisfazer as necessidades de hoje, e também maximizar o valor para o futuro. Maximizando o Valor dos Laboratórios

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ:

SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ: Dados da Empresa Dados da SYSTEMBRAS SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ: 00.000.000/0001-00 Rua Paramoti, 04 Vila Antonieta SP Cep: 03475-030 Contato: (11) 3569-2224 A Empresa A SYSTEMBRAS tem como

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

FAÇA A SUA PARTE. Um mosquito não é mais forte que um país inteiro!

FAÇA A SUA PARTE. Um mosquito não é mais forte que um país inteiro! FAÇA A SUA PARTE Um mosquito não é mais forte que um país inteiro! DENGUE O que é? A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. No Brasil, foi identificada pela primeira vez em

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6 ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil...2 Brasília...2 Campanha tenta evitar surto de hantavirose...2 Folha de S.Paulo...4 Ciência/ MEDICINA...4 Pesquisadora dá uma palestra hoje em Salvador...4 Zero Hora

Leia mais

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Sugiro começarmos desligando os celulares AEDES AEGYPTI DENGUE - nome de origem espanhola que significa manha- que caracteriza

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Saúde, Cidadania e Desenvolvimento

Saúde, Cidadania e Desenvolvimento Saúde, Cidadania e Desenvolvimento Doenças Negligenciadas, novo perfil epidemiológico e desenvolvimento no Brasil Marcos Montani Caseiro Doenças Negligenciadas (O Conceito) Décadas 70/90 Fundação Rockefeller

Leia mais

O mosquito da dengue pode matar. E é ainda mais perigoso para gestantes. Proteja-se.

O mosquito da dengue pode matar. E é ainda mais perigoso para gestantes. Proteja-se. O mosquito da dengue pode matar. E é ainda mais perigoso para gestantes. Proteja-se. 2015 2 Mobilização contra a microcefalia O governo federal está mobilizado para enfrentar o aumento de casos de microcefalia

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

ELIMINE A PÓLIO AGORA: ENTRE PARA A HISTÓRIA HOJE

ELIMINE A PÓLIO AGORA: ENTRE PARA A HISTÓRIA HOJE ELIMINE A PÓLIO AGORA: ENTRE PARA A HISTÓRIA HOJE 23 de outubro de 2015 ELIMINE A PÓLIO AGORA: Quanto falta para vivermos em um mundo livre da pólio? O que precisamos fazer para chegar lá? Como a família

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo

Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo Com investimentos crescentes, em torno de R$ 75 milhões ao ano, Brasil lidera a lista dos países em desenvolvimento que mais têm aplicado recursos

Leia mais

APTRA PASSPORT DA NCR. Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos

APTRA PASSPORT DA NCR. Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos APTRA PASSPORT DA NCR Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos Uma maneira melhor para os seus clientes depositarem cheques Bancos e instituições financeiras continuam a enfrentar os desafios

Leia mais

Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro. Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas

Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro. Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Resumo da apresentação Iniqüidades na saúde das crianças Uma visão global

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 PROVA DE BIOLOGIA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD VESTIBULAR 2011 PROVA DE BIOLOGIA Questão 1: É sabido que indivíduos homozigotos recessivos para alelos mutados do gene codificador da enzima hexosaminidase desenvolvem uma doença conhecida como Tay-Sachs, e morrem antes do quarto ano

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Combater. A SIDA, a Malária e outras doenças TU MERECES! HIV/SIDA. Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA!

Combater. A SIDA, a Malária e outras doenças TU MERECES! HIV/SIDA. Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA! Combater A SIDA, a Malária e outras doenças Estes são os sintomas mais dolorosos do vírus da SIDA! Confiei em ti! Metesme nojo! Não estou autorizado a falar contigo. Trouxeste vergonha à tua família! Como

Leia mais

Mobilização contra a microcefalia

Mobilização contra a microcefalia Mobilização contra a microcefalia O governo federal está mobilizado para enfrentar o aumento de casos de microcefalia no país. Até novembro de 2015, mais de mil bebês nasceram com suspeita deste grave

Leia mais

IntelliPak. Unidades do tipo rooftop comerciais

IntelliPak. Unidades do tipo rooftop comerciais IntelliPak I Unidades do tipo rooftop comerciais Fornecendo eficiência líder na indústria, para atender às demandas comerciais de hoje No mundo dos negócios de hoje, eficiência é tudo. Nunca houve uma

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência:

Serviços IBM de Resiliência: Serviços IBM de Resiliência: Sempre disponível, em um mundo sempre conectado Como chegamos até aqui? Dois profissionais de TI estão sofrendo com interrupções de negócios frequentes, os problemas estão

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

SOLUÇÕES DE MOBILIDADE E COMUNICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA E SEGURANÇA PORTUÁRIAS

SOLUÇÕES DE MOBILIDADE E COMUNICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA E SEGURANÇA PORTUÁRIAS SOLUÇÕES DE MOBILIDADE E COMUNICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA E SEGURANÇA PORTUÁRIAS O PULSO VITAL DA ATIVIDADE PORTUÁRIA Cerca de 80% de todo o comércio mundial é despachado por contêineres, de modo que o gerenciamento

Leia mais

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos

Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Biologia 1ª série Multicausalidade das doenças Conceitos básicos Profª Reisila Mendes Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença. Homeostase Equilíbrio

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1 o. de outubro de 2010 CD50/DIV/3 ORIGINAL:

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde NOTA TÉCNICA Nº 03/2015 DIVEP/LACEN/SUVISA/SESAB Assunto: Casos de ZIKA Vírus e de Doença

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta DIMETRA IP Compact uma solução TETRA completa e compacta MOTOROLA - SEU PARCEIRO DE TECNOLOGIA CONFIÁVEL E ATUANTE Uma herança que dá orgulho As soluções TETRA da Motorola alavancam mais de 75 anos de

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. A Dengue é um problema sério de saúde pública, a sua eliminação depende muito da participação popular. Mas a população precisa ter conhecimento das ações de controle, realizadas

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

InformatI vo rotári o globaloutlook Guia sobre o PólIo Plus Para rotarianos

InformatI vo rotári o globaloutlook Guia sobre o PólIo Plus Para rotarianos InformatI vo rotári o globaloutlook Guia sobre o PólIo Plus Para rotarianos Copyright 2011 r otary i nternational. t odos os direitos reservados. uma causa, muitos benefícios Quando o Rotary International

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com.

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com. PERFIL MUNICIPAL Blumenau - SC Data de instalação Ano de 1880 Estimativa da população 2009 Natalidade 2007 299.416 habitantes 3.818 nascidos vivos Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855 Área 520

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL MANTENHA SUA MÃO DE OBRA, UM DOS CUSTOS MAIS ONEROSOS

Leia mais

como fazer a manutenção do seu sistema de esteiras transportadoras como um profissional

como fazer a manutenção do seu sistema de esteiras transportadoras como um profissional Caminhe, olhe e escute como fazer a manutenção do seu sistema de esteiras transportadoras como um profissional automação 1 Caminhe, que olhe traz e resultados escute Caminhe, olhe e escute: como fazer

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

O 3DLevelScanner II da APM incorpora

O 3DLevelScanner II da APM incorpora 3DLevelScanner II O 3DLevelScanner II da APM incorpora tecnologia avançada para a medição precisa de sólidos a granel e pós armazenados em silos e compartimentos abertos de todos os tipos, formatos e tamanhos,

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 14 DE MAIO Das 14 às 17: 30 horas 3 horas e 30 minutos de duração 30 QUESTÕES AGENTES COMUNITÁRIOS

Leia mais

Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas

Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas OFICINA DE PRIORIDADES DE PESQUISA SOBRE DOENÇAS NEGLIGENCIADAS Prioridades de Pesquisa e Inovação em Doença de Chagas Tânia C. A. Jorge (Coordenadora) - IOC/Fiocruz Bianca Zingales (Relatora) - USP Soraya

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

PROGRAMA E-MOBILE DA AMILPAR DISPONIBILIZA CONTEÚDOS PARA BENEFICIÁRIOS, CORRETORES E MÉDICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS

PROGRAMA E-MOBILE DA AMILPAR DISPONIBILIZA CONTEÚDOS PARA BENEFICIÁRIOS, CORRETORES E MÉDICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS PROGRAMA E-MOBILE DA AMILPAR DISPONIBILIZA CONTEÚDOS PARA BENEFICIÁRIOS, CORRETORES E MÉDICOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS Perfil A AmilPar originou-se da Casa de Saúde São José, uma pequena clínica na cidade

Leia mais

ITU Regional Human Capacity Development Forum. TIC e Desenvolvimento Econômico e Social

ITU Regional Human Capacity Development Forum. TIC e Desenvolvimento Econômico e Social ITU Regional Human Capacity Development Forum TIC e Desenvolvimento Econômico e Social O mundo passa por um momento de profundas transformações...... as comunicações são parte dessas transformações. Políticas

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

A experiência de Campinas: Integração do controle vetorial

A experiência de Campinas: Integração do controle vetorial A experiência de Campinas: Integração do controle vetorial à promoção de saúde socioambiental. Carlos Eduardo Cantúsio Abrahão http://orion.cpa.unicamp.br/portal/index.php http://www.aleph.com.br/kce/niaurbo.htm

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA

COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA AGENTE CAUSADOR: Plasmodium falciparum, P. vivax e P. malariae. protozoário esporozoário parasita da hemáceas.

Leia mais

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública Adulto a eclodir Adulto Ciclo vida mosquito Ovos Maria João Alves Centro de Estudos de Vectores e Doenças Infecciosas

Leia mais

MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ

MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ MANUAL CLIENTE SERVIÇO DE GERÊNCIA VOZ TODA A Qualidade GVT AOS OLHOS DOS CLIENTES. TODA A QUALIDADE GVT AOS SEUS OLHOS O Serviço de Gerência é uma ferramenta fundamental para garantir o melhor desempenho

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia Prevenção e conscientização é a solução Ciências e Biologia Dengue Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. A palavra dengue tem origem

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada.

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. SYSTIMAX Solutions imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. 1 Toda rede deve ser administrada. A questão é COMO? A visão: Conseguir o sucesso comercial a partir de uma melhor administração de

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Gerência Geral de Instalações e Serviços de Interesse Sanitário, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras 18 e 19 de junho de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais