AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS"

Transcrição

1 A AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas da Madalena VILA NOVA DE GAIA 6 a 8 maio 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte

2 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações gerais para a autoavaliação e para a avaliação externa. Neste âmbito, foi desenvolvido, desde 2006, um programa nacional de avaliação dos jardins de infância e das escolas básicas e secundárias públicas, tendo-se cumprido o primeiro ciclo de avaliação em junho de A então Inspeção-Geral da Educação foi incumbida de dar continuidade ao programa de avaliação externa das escolas, na sequência da proposta de modelo para um novo ciclo de avaliação externa, apresentada pelo Grupo de Trabalho (Despacho n.º 4150/2011, de 4 de março). Assim, apoiando-se no modelo construído e na experimentação realizada em doze escolas e agrupamentos de escolas, a Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) está a desenvolver esta atividade consignada como sua competência no Decreto Regulamentar n.º 15/2012, de 27 de janeiro. O presente relatório expressa os resultados da avaliação externa do Agrupamento de Escolas da Madalena Vila Nova de Gaia, realizada pela equipa de avaliação, na sequência da visita efetuada entre 6 e 8 de maio de As conclusões decorrem da análise dos documentos fundamentais do Agrupamento, em especial da sua autoavaliação, dos indicadores de sucesso académico dos alunos, das respostas aos questionários de satisfação da comunidade e da realização de entrevistas. Espera-se que o processo de avaliação externa fomente e consolide a autoavaliação e resulte numa oportunidade de melhoria para o Agrupamento, constituindo este documento um instrumento de reflexão e de debate. De facto, ao identificar pontos fortes e áreas de melhoria, este relatório oferece elementos para a construção ou o aperfeiçoamento de planos de ação para a melhoria e de desenvolvimento de cada escola, em articulação com a administração educativa e com a comunidade em que se insere. ESCALA DE AVALIAÇÃO Níveis de classificação dos três domínios EXCELENTE A ação da escola tem produzido um impacto consistente e muito acima dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fortes predominam na totalidade dos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais consolidadas, generalizadas e eficazes. A escola distingue-se pelas práticas exemplares em campos relevantes. MUITO BOM A ação da escola tem produzido um impacto consistente e acima dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fortes predominam na totalidade dos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais generalizadas e eficazes. BOM A ação da escola tem produzido um impacto em linha com os valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. A escola apresenta uma maioria de pontos fortes nos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais eficazes. SUFICIENTE A ação da escola tem produzido um impacto aquém dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. As ações de aperfeiçoamento são pouco consistentes ao longo do tempo e envolvem áreas limitadas da escola. INSUFICIENTE A ação da escola tem produzido um impacto muito aquém dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fracos sobrepõem-se aos pontos fortes na generalidade dos campos em análise. A escola não revela uma prática coerente, positiva e coesa. A equipa de avaliação externa visitou a escolasede do Agrupamento, a Escola Básica do Maninho e a Escola Básica da Pena. A equipa regista a atitude de empenhamento e de mobilização do Agrupamento, bem como a colaboração demonstrada pelas pessoas com quem interagiu na preparação e no decurso da avaliação. O relatório do Agrupamento e o contraditório apresentados no âmbito da Avaliação Externa das Escolas estão disponíveis na página da IGEC. 1

3 2 CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO O Agrupamento de Escolas da Madalena situa-se na freguesia e vila da Madalena, no concelho de Vila Nova de Gaia. Integra as escolas básicas e o jardim de infância da freguesia: a Escola Básica da Madalena (escola-sede), duas escolas básicas com 1.º ciclo e educação pré-escolar (Maninho e Pena), uma escola básica com 1.º ciclo (Marmoiral) e o Jardim de Infância da Quinta do Vale. No presente ano letivo, a população escolar é constituída por 1114 crianças e alunos que estão distribuídos por 47 grupos e turmas: 189 na educação pré-escolar (oito grupos), 423 no 1.º ciclo do ensino básico (18 turmas), 198 no 2.º ciclo (oito turmas), 288 no 3.º ciclo regular (12 turmas) e 16 alunos no curso de educação e formação de Serviço de Mesa (uma turma). Do total de alunos, 2% não têm naturalidade portuguesa e 60 % não usufruem de auxílios económicos, no âmbito da ação social escolar. Têm computador com ligação à Internet em casa 70 % dos alunos. A análise das habilitações literárias dos pais e encarregados de educação dos alunos revela que 12 % têm formação superior e 33% formação secundária ou superior. No que respeita às profissões dos pais e encarregados de educação, 16 % têm profissões ao nível de técnico superior ou intermédio. A equipa docente é constituída por 82 profissionais, dos quais 94% são docentes do quadro e 93% têm 10 ou mais anos de serviço. O pessoal não docente é constituído por 29 trabalhadores, dos quais, 22 são assistentes operacionais e sete assistentes técnicos, todos com contratos em funções públicas por tempo indeterminado. Em , ano para o qual há referentes nacionais calculados, o Agrupamento apresenta, quando comparada com os outros do mesmo grupo de referência, variáveis de contexto relativamente favoráveis, nomeadamente no que se refere às percentagens de alunos dos 4.º, 6.º e 9.º anos sem auxílios económicos da ação social escolar e ao número de anos de habilitações dos pais e das mães com valores próximos da mediana. 3- AVALIAÇÃO POR DOMÍNIO Considerando os campos de análise dos três domínios do quadro de referência da avaliação externa e tendo por base as entrevistas e a análise documental e estatística realizada, a equipa de avaliação formula as seguintes apreciações: 3.1 RESULTADOS RESULTADOS ACADÉMICOS Na educação pré-escolar, a avaliação das aprendizagens das crianças é registada regularmente em fichas elaboradas para o efeito, de acordo com as orientações curriculares e as metas estabelecidas, abrangendo as várias áreas de conteúdo. No final de cada período, são entregues aos encarregados de educação. No ano letivo de , considerando as variáveis de contexto económico, social e cultural, verifica- -se que as taxas de conclusão, nos três ciclos do ensino básico, estão aquém dos valores esperados para escolas com variáveis de contexto análogas e situam-se aquém da mediana para as escolas do mesmo grupo de referência. Considerando, ainda, as mesmas variáveis de contexto, as percentagens de positivas obtidas em Língua Portuguesa e Matemática, nas provas de aferição do 4.º e do 6.º ano e nas provas finais do 3.º ciclo estão, à exceção da prova de aferição de Língua Portuguesa do 6.ºano, aquém dos valores esperados e encontram-se aquém da mediana para as escolas do mesmo grupo de referência. 2

4 Os resultados da prova de aferição do 6.º ano de Língua Portuguesa estão em linha com o valor esperado e situam-se próximo da mediana para as escolas do grupo de referência. O Agrupamento, quando comparado com os outros do mesmo grupo de referência, apresenta variáveis de contexto relativamente favoráveis, tendo uma boa margem de progressão em relação aos resultados escolares obtidos. As taxas de transição/conclusão no ensino básico, nos três últimos anos, têm evoluído favoravelmente, com exceção do 2.º ciclo, onde se verifica um ligeiro decréscimo, acompanhando a tendência nacional. Relativamente aos cursos de educação e formação, de acordo com os dados fornecidos pelo Agrupamento, as taxas de sucesso são muito elevadas, apresentando-se consolidadas em valores próximos dos 100%. Analisando os resultados das provas de avaliação externa, no último triénio, verifica-se que, no 4.º ano, tanto em Língua Portuguesa como em Matemática, as percentagens de classificações positivas têm vindo a diminuir, acompanhando a tendência nacional. No 6.º ano, para as mesmas disciplinas, as taxas de sucesso têm, igualmente, vindo a decrescer, acompanhando a tendência nacional. Nas provas finais, no 9.º ano, em Língua Portuguesa, as percentagens de positivas evoluíram, contrariando a tendência nacional, ainda que os valores sejam sempre inferiores aos nacionais. Em Matemática, as percentagens de positivas registaram, também, um aumento, acompanhando a tendência nacional, mas sempre com valores inferiores aos nacionais. Em relação à análise da qualidade do sucesso académico, existem registos e tratamento estatístico da distribuição dos diferentes níveis atribuídos por disciplina em cada uma das turmas, das taxas de transição/conclusão por ano e ciclo e, ainda, das taxas de transição/conclusão dos alunos com sucesso em todas as disciplinas. Tendo em atenção os dados fornecidos pelo Agrupamento, as taxas de sucesso pleno, nos últimos dois anos, têm apresentado valores muito idênticos, situando-se no 2.º ciclo em taxas médias na ordem dos 65% e no 3.º ciclo em taxas próximas dos 56%. O Agrupamento, pese embora não identificar detalhadamente os fatores explicativos do sucesso/insucesso dos alunos, está consciente de que as taxas de sucesso apresentam valores que é necessário superar, apesar dos progressos alcançados em relação à última avaliação externa, em particular se tivermos em consideração os resultados alcançados em , pelo que vai continuar a investir na implementação de novas estratégias pedagógicas e no reforço dos apoios aos alunos. Nos últimos anos, de acordo com dados disponibilizados, as taxas de abandono têm-se situado em valores nulos ou residuais. RESULTADOS SOCIAIS Os alunos são incentivados a participar nas atividades realizadas e que integram o plano anual do Agrupamento. Contudo, não são frequentes as iniciativas da sua responsabilidade, embora se destaquem os «almoços pedagógicos» servidos pelos alunos do curso de educação e formação. A auscultação e recolha de sugestões dos alunos realizam-se em contexto de turma com a colaboração dos diretores de turma e, pelo menos uma vez por período, em reuniões promovidas pela direção com os delegados e subdelegados de turma. A comunidade educativa não identificou casos de natureza disciplinar com impacto relevante, ainda que fossem referidas algumas situações decorrentes de atos pontuais relacionados com a irreverência própria dos adolescentes. O regulamento interno é divulgado no início do ano letivo, para além de constar na página do Agrupamento na Internet, sendo discutido entre os alunos e os respetivos diretores de turma, particularmente a parte que diz respeito aos direitos e deveres. Os incidentes disciplinares têm vindo a diminuir e a maior parte das medidas aplicadas são corretivas, traduzidas em atividades de integração escolar. No entanto, pontualmente, foram aplicadas medidas disciplinares sancionatórias, que implicaram a suspensão da frequência das atividades letivas. 3

5 A educação para a cidadania e a promoção dos valores estão bem evidenciados no projeto educativo. Fomenta-se a participação em campanhas de solidariedade, das quais se destacam a recolha de alimentos, livros e roupas que são distribuídas por instituições de solidariedade e famílias carenciadas da comunidade local. Releva-se a distribuição da «sopa solidária», em colaboração com a Junta de Freguesia, e a recolha de tampas de plástico que são revertidas para aquisição de cadeiras de rodas. O trabalho desenvolvido no apoio e acompanhamento dos alunos com necessidades educativas especiais, em colaboração com a CERCIGAIA e o Centro de Reabilitação da Granja, tem tido um impacto positivo na integração social destes alunos. O Agrupamento faz o acompanhamento regular do percurso escolar dos alunos após concluírem o ensino básico, verificando-se que praticamente todos os alunos do ensino regular prosseguem os estudos. No que respeita aos cursos de educação e formação, nem todos os alunos continuam os estudos, apesar do aumento verificado em 2012, que registou uma percentagem de 88%. O ingresso destes alunos no mercado de trabalho não tem tido significado, apenas existem registos de empregabilidade de um aluno, relativamente ao curso de RECONHECIMENTO DA COMUNIDADE De uma maneira geral, a comunidade educativa manifesta grande satisfação com a ação educativa desenvolvida e com a qualidade da maior parte dos serviços disponibilizados, como é evidenciado nas respostas aos questionários de satisfação aplicados no âmbito do presente processo de avaliação externa e nas opiniões registadas durante as entrevistas realizadas. As respostas que merecem uma percentagem de concordância mais significativa, que são transversais a todos os grupos respondentes, estão relacionadas com a exigência e a qualidade do ensino, a abertura à comunidade, a capacidade e competência da direção, a segurança, o funcionamento dos serviços administrativos e o bom ambiente de trabalho. Em relação aos aspetos menos conseguidos regista-se, do ponto de vista dos trabalhadores docentes e não docentes, alguma insatisfação em relação ao comportamento dos alunos e à adequação dos espaços de desporto e recreio. Os alunos referem, particularmente, a falta de qualidade das refeições, a pouca utilização dos computadores durante as aulas (nos 2.º e 3.º ciclos), a pouca participação em clubes e o reduzido número de atividades experimentais nas aulas (no 1.º ciclo). No que respeita aos pais/encarregados de educação, não foi salientado qualquer aspeto que mereça referência, para além da falta de qualidade do serviço de refeitório e bufete. Os representantes da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia mostraram-se satisfeitos com o trabalho desenvolvido pelo Agrupamento, destacando a qualidade da ação educativa e a abertura e interação com a comunidade educativa. No sentido de incentivar e valorizar o sucesso académico e social dos alunos, foi instituído o Quadro de Honra e o Quadro de Mérito, destinados, respetivamente, aos alunos que mais se evidenciam em relação aos resultados académicos e na promoção dos valores, da capacidade de esforço e do trabalho evidenciados. Para além destas iniciativas, o Agrupamento participa em concursos e competições regionais e nacionais, destacando-se os de natureza desportiva, onde obteve alguns prémios (corta- -mato), e com especial destaque, considerando o esforço e as circunstâncias envolventes, o prémio obtido por um aluno com necessidades educativas especiais na competição de Boccia. O Agrupamento, considerando a importância do setor da restauração na economia local, alargou a sua oferta formativa nesta área para jovens, através dos cursos de educação e formação, mas também, em regime pós-laboral, com os cursos de educação e formação de adultos e os cursos de alfabetização, contribuindo, desta forma, para a formação e (re)qualificação dos jovens e adultos que pretendem ingressar no mercado de trabalho. Releva-se a participação em iniciativas da Junta de Freguesia e a colaboração com o grupo folclórico da Madalena. 4

6 A ação do Agrupamento tem produzido um impacto aquém dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. As ações de aperfeiçoamento são pouco consistentes ao longo do tempo e envolvem áreas limitadas do Agrupamento. Tais fundamentos justificam a atribuição da classificação de SUFICIENTE no domínio Resultados. 3.2 PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO PLANEAMENTO E ARTICULAÇÃO O planeamento da ação educativa associa-se à reflexão que, no projeto educativo, se propõe, no domínio Que escola e que educação?, sobre: os fatores que induzem o insucesso escolar e as dificuldades de interligação dos conteúdos escolares; a afirmação da necessidade de se promover a contextualização curricular; os princípios orientadores da gestão do processo de ensino-aprendizagem e os eixos pedagógicos que norteiam a ação educativa do Agrupamento. Ainda no projeto educativo, ao nível do domínio Que processos?, os compromissos sobre a cooperação interdisciplinar e a reflexão sobre a investigação-ação constituem, igualmente, contributos que permitem compreender os fundamentos do tipo de planeamento da ação educativa que tem lugar no Agrupamento. No plano anual de atividades pode encontrar-se um conjunto de princípios relacionados com a operacionalização dos programas de trabalho dos diversos órgãos e estruturas de gestão intermédia que têm impacto no modo como se concebe e desenvolve o planeamento educativo do Agrupamento. O conselho pedagógico é um órgão com um papel fundamental ao nível das ações tendentes a promover o planeamento da ação educativa e a articulação do currículo. Daí que assuma um papel regulador do trabalho que tem lugar nos departamentos curriculares e nos grupos disciplinares de Português e Matemática. Trata-se de uma ação estratégica com implicações concretas ao nível das iniciativas relacionadas com a articulação vertical entre: a educação pré-escolar e o 1.º ciclo do ensino básico; os grupos disciplinares de Português e Matemática, ao nível do 2.º ciclo, e os professores do 1.º ciclo; os professores de Português e Matemática dos 2.º e 3.º ciclos e os professores do 2.º ciclo do ensino básico de Inglês, de Educação Visual e de Educação Tecnológica e os técnicos das atividades de enriquecimento curricular relacionados com estas áreas curriculares. Há que referir, também, o papel das bibliotecas integradas na rede de bibliotecas escolares como espaços de apoio ao desenvolvimento curricular, assim como algumas iniciativas de coadjuvação docente, no caso do 1.º ciclo e em Matemática no 2.º ciclo, ou o trabalho de supervisão no domínio dos projetos que se desenvolvem no Agrupamento. De um modo geral, o trabalho de articulação vertical desenvolve-se em resultado da discussão sobre tarefas e resultados, da produção de materiais e da reflexão sobre algumas estratégias que se partilham, bem como da informação que se partilha sobre os alunos. No caso da articulação horizontal, acrescenta-se o trabalho conjunto ao nível das planificações e, no 1.º ciclo, ao nível também da avaliação dos alunos. Constata-se que há uma boa colaboração entre docentes, ao nível da planificação da atividade letiva, bem como da partilha e da reflexão organizada sobre as estratégias utilizadas e os resultados obtidos. O plano anual de atividades é bastante explícito, quanto a um vasto conjunto de iniciativas que pressupõe o desenvolvimento de trabalho conjunto entre ciclos de escolaridade, entre o Agrupamento e instituições locais ou da própria região e entre as escolas e as famílias dos alunos. Para além disso, a bibliotecas integradas na rede aparecem como espaços bastante relevantes do ponto de vista das iniciativas que aí se promovem relacionadas com atividades de leitura e de escrita que se corporizam em projetos diversos. Se o referido plano demonstra a importância que se atribui ao meio social e cultural como espaço educativo, verifica-se que, nos planos/programas das turmas elaborados pelos docentes titulares e pelos conselhos de turma, a avaliação diagnóstica tem implicações concretas na definição de projetos de trabalho específicos, dirigidos para alunos que manifestem dificuldades de aprendizagem. Evidencia-se a existência de rotinas de avaliação-intervenção-monitorização que exprimem um trabalho organizado e sustentado, em termos organizacionais. 5

7 PRÁTICAS DE ENSINO No Agrupamento consolidou-se uma cultura pedagógica que favorece o desenvolvimento de práticas de diferenciação pedagógica capazes de responder aos alunos que manifestam dificuldades de aprendizagem dos mais diversos tipos. Para além da existência de uma organização que favorece a colaboração entre professores, há, igualmente, um plano de trabalho que se afirma através de três tipos de iniciativas: o apoio ao estudo, o acompanhamento tutorial e as aulas de apoio a Português e a Matemática. No que concerne aos alunos com necessidades educativas especiais constata-se que, para além da intervenção direta com estes alunos, há atividades de consultadoria pedagógica dirigidas aos professores titulares das turmas. Importa referir, igualmente, que a parceria com instituições locais relacionadas com a deficiência e a reabilitação constituem bons exemplos de práticas de colaboração e de proatividade no domínio em causa, na medida que alargam as respostas educativas que o Agrupamento disponibiliza, a partir de recursos disponíveis na comunidade envolvente. As parcerias estabelecidas com a Junta de Freguesia, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, a Ordem dos Psicólogos e instituições locais relacionadas com a reabilitação de pessoas portadoras de deficiências são um exemplo de uma procura e gestão proativa daqueles recursos, com um impacto positivo na integração social destes alunos. Importa referir a utilização das tecnologias de informação e comunicação, como recurso da aprendizagem dos alunos, no âmbito de um Agrupamento que, deste ponto de vista, se encontra bem equipado. As bibliotecas, instaladas em algumas escolas básicas do 1.º ciclo, constituem, igualmente, espaços pedagogicamente interessantes, quer pelos recursos que disponibilizam, quer pelas iniciativas que dinamizam. O desenvolvimento dos projetos é outras das vertentes que se afirma no âmbito da intervenção educativa que tem lugar no Agrupamento, nomeadamente aquela que têm a ver com a área das artes. Já o desenvolvimento de atividades de pesquisa e do ensino experimental das ciências, como expressão da afirmação de uma cultura pedagógica que valoriza as aprendizagens ativas e experimentais como instrumentos educativos prioritários, tem pouca visibilidade. MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO ENSINO E DAS APRENDIZAGENS Os domínios da planificação, implementação, monitorização e avaliação das atividades de ensino e de aprendizagem é um dos domínios que beneficiam de uma organização que atribui uma importância estratégica ao tempo de trabalho não letivo dos docentes. A avaliação do processo de ensino-aprendizagem ocorre de forma organizada e sistemática, identificando-se práticas de colaboração neste domínio, nomeadamente no 1.º ciclo quando se referem a intervenções com alunos que beneficiam de apoio educativo. Do ponto de vista logístico, há uma organização sólida e funcional, contudo falta uma definição mais rigorosa e precisa dos objetivos pedagógicos que orientam as ações de apoio educativo que têm como alvo os alunos com dificuldades de aprendizagem. Num Agrupamento onde se constata a existência de práticas de monitorização do trabalho docente e de reformulação dos planos de trabalho é de esperar que seja esta a via que garanta uma ação educativa mais eficaz. O Agrupamento tem implementado estratégias de prevenção da desistência e do abandono escolar, sendo os poucos casos identificados encaminhados e tratados ao nível da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens. A ação do Agrupamento tem produzido um impacto aquém dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. As ações de aperfeiçoamento são pouco consistentes ao longo do tempo e envolvem áreas limitadas do Agrupamento. Tais fundamentos justificam a atribuição da classificação de SUFICIENTE no domínio Prestação do Serviço Educativo. 6

8 3.3 LIDERANÇA E GESTÃO LIDERANÇA O Agrupamento tem vindo a desenvolver, com sucesso, estratégias de consolidação da sua própria identidade, de abertura ao meio envolvente e de mobilização da comunidade, bem patentes no planeamento estruturante evidenciado, nomeadamente, no projeto educativo e no plano anual de atividades cuja contemporaneidade, adequabilidade e pertinência globalmente reconhecemos. Estas estratégias têm-se fundamentado no desenvolvimento organizacional e na afirmação do próprio Agrupamento no contexto local, na formação profissional dos diferentes agentes educativos e nas respostas educativas oferecidas aos alunos e aos seus familiares. O planeamento estruturante melhorou significativamente relativamente à avaliação externa anterior e assenta em objetivos, metas e estratégias pertinentes que foram apropriados pelas diferentes lideranças e pela maioria dos docentes, ainda que alguns dos objetivos e algumas das metas sejam de difícil avaliação, por não sugerirem ou haver falta de indicadores claros de apreciação, comprometendo-se a estratégia do planeamento estruturante. O trabalho dos profissionais docentes e não docentes é valorizado pelas diferentes lideranças que, por sua vez, têm também um papel amplamente reconhecido pelos diferentes trabalhadores e partilham responsabilidades entre elas. As relações das diferentes lideranças com os trabalhadores, os alunos, as famílias e os representantes da comunidade envolvente são de proximidade e de responsabilização que permitem o (re) conhecimento do trabalho desenvolvido, a sua valorização e a motivação dos diferentes intervenientes. A educação ambiental constitui a problemática central do projeto educativo. Esta problemática tem sido um incentivo e uma oportunidade singulares de envolvimento do Agrupamento em projetos motivadores da comunidade educativa e mobilizadores dos seus recursos, alguns dos quais da comunidade envolvente. Os projetos desenvolvidos têm sido importantes na motivação e aprendizagens dos alunos e nos seus resultados sociais, nomeadamente os projetos mais emblemáticos «A Ler+» e o «Ecoescolas». GESTÃO O Agrupamento dispõe de um corpo docente experiente e bem qualificado cujos saberes profissionais são rendibilizados para os objetivos que persegue, que tal como já foi referido na avaliação externa anterior, ainda não acompanhados com práticas adequadas de supervisão da ação educativa que tenham impacto nos processos de ensino e aprendizagem dos alunos em sala de aula. É desenvolvido um trabalho cooperativo e de entreajuda entre as diferentes lideranças e entre os docentes que é complementado com ações de formação adequadas às necessidades identificadas. O Agrupamento rege-se por critérios explícitos e amplamente divulgados de organização e afetação dos recursos, constituição de grupos e turmas, elaboração de horários e distribuição de serviço. Os objetivos escolares, os interesses dos alunos e das famílias, as pessoas envolvidas, a transparência e a equidade são atributos muito presentes nos critérios aplicados. As diferentes lideranças e o pessoal docente e não docente sustentam um ambiente educativo propício à ação educativa evidenciado nos diferentes espaços educativos observados e na satisfação dos diferentes elementos da comunidade educativa. Os circuitos de informação e comunicação interna e externa são eficazes, recorrendo aos meios mais atualizados da Internet e aos mais tradicionais, como a afixação e envio de informação escrita, em função das disponibilidades e necessidades da comunidade educativa. AUTOAVALIAÇÃO E MELHORIA O Agrupamento ainda não dispõe de um processo de autoavaliação institucional consolidado e suficientemente abrangente, não obstante ter progredido, neste âmbito, relativamente à avaliação 7

9 externa anterior e dispor de uma equipa específica e ter em curso um processo de autoavaliação do modelo Common Assessment Framework (CAF) adaptado à realidade escolar. Está em curso a divulgação dos planos de melhoria que integram o primeiro relatório de autoavaliação que sugerem ações centradas no empenho e aproveitamento dos alunos, na qualidade das instalações e equipamentos, na higiene dos espaços e na participação/divulgação na elaboração dos documentos estruturantes. Alguns dos objetivos definidos não integram nem sugerem indicadores avaliáveis e estratégias claramente direcionadas para a qualidade dos processos de ensino e aprendizagem dos alunos, como seria expectável tendo em conta os resultados escolares no Agrupamento. No âmbito das diferentes estruturas, o Agrupamento tem implementado um processo continuado de monitorização dos resultados escolares dos alunos, das ocorrências disciplinares, da participação dos pais e encarregados de educação, dos dispositivos de apoio educativo, onde se inserem as tutorias, que é coordenado pela direção, pelo conselho pedagógico e pelos departamentos curriculares. Esta monitorização tem sugerido algumas das melhorias introduzidas e já teve reflexos positivos na construção dos planos de atividades das turmas. Todavia, a equipa de autoavaliação ainda não se debruçou sobre os processos de monitorização existentes, de forma a reportar os aspetos menos conseguidos aos próprios planos de melhoria e enriquecer o processo de autoavaliação. Na sequência da última avaliação externa, o Agrupamento reformulou algumas das suas práticas e integrou outras que foram consideradas boas práticas em diferentes relatórios de avaliação externa de outros agrupamentos. A ação do Agrupamento tem produzido um impacto aquém dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. As ações de aperfeiçoamento são pouco consistentes ao longo do tempo e envolvem áreas limitadas do Agrupamento. Tais fundamentos justificam a atribuição da classificação de SUFICIENTE no domínio Liderança e Gestão. 4 PONTOS FORTES E ÁREAS DE MELHORIA A equipa de avaliação realça os seguintes pontos fortes no desempenho do Agrupamento: O alargamento da oferta formativa, adequada às necessidades da economia local, promotor da formação e (re)qualificação dos jovens e adultos que pretendem ingressar no mercado de trabalho; As dinâmicas de trabalho das estruturas de coordenação e supervisão pedagógica e das bibliotecas escolares potenciadoras do trabalho colaborativo dos docentes nos domínios da articulação entre ciclos de escolaridade e do próprio processo de contextualização e adaptação curriculares; As parcerias estabelecidas com instituições relacionadas com a deficiência e a reabilitação com impacto na integração social dos alunos; O desenvolvimento de estratégias de consolidação da identidade do Agrupamento, da abertura ao meio e da mobilização comunitária com reflexos na melhoria da qualidade dos serviços prestados. 8

10 A equipa de avaliação entende que as áreas onde o Agrupamento deve incidir prioritariamente os seus esforços para a melhoria são as seguintes: A identificação de fatores explicativos do insucesso académico que concorram para a implementação de medidas visando a melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos; O desenvolvimento de atividades de pesquisa e do ensino experimental das ciências como expressão da afirmação de uma cultura pedagógica; A definição mais rigorosa e precisa dos objetivos pedagógicos ao nível da construção de planos de intervenção pedagógica relacionados com as situações de apoio educativo tendo em vista o seu desenvolvimento e a avaliação do seu impacto nos resultados escolares dos alunos; A implementação de práticas de supervisão da ação educativa adequadas à experiência e formação dos docentes que proporcionem o seu desenvolvimento profissional e tenham impacto nos processos de ensino e de aprendizagem dos alunos; A construção de indicadores claros de apreciação dos objetivos e das metas constantes no planeamento, de modo a facilitar a avaliação das estratégias implementadas; A consolidação e a abrangência do processo de autoavaliação, tendo em vista a implementação de planos de melhoria com impacto nos problemas com que o Agrupamento se defronta. A Equipa de Avaliação Externa: Adriano Silva, Luís Rodrigues e Rui Trindade Concordo. À consideração do Senhor Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar, para homologação. A Subinspetora-Geral da Educação e Ciência Homologo. O Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar 9

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Arquiteto Oliveira Ferreira VILA NOVA DE GAIA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral SOBRAL DE MONTE AGRAÇO 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Sul CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Montijo 23, 24 e 27 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Mortágua 13 a 15 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia MAIA 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS N AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Abelheira VIANA DO CASTELO 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Profissional de Arqueologia MARCO DE CANAVESES 19 e 20 fevereiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Sines 4 a 6 fevereiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 1. Introdução O Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado (AEMC) entende a autoavaliação como um processo ao serviço do seu desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 O presente documento constitui-se como uma avaliação final que procura refletir, não só a evolução dos aspetos indicados nas avaliações anteriores como também

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas n.º 1 de Elvas 27 fevereiro a 1 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Caranguejeira, Santa Catarina da Serra LEIRIA 2015 2016 Área Territorial de Inspeção do Centro CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária do Marquês de Pombal LISBOA 23 e 24 fev 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Proença-a-Nova 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Marco de Canaveses 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º CEB

Leia mais

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 Plano de Melhoria Biénio 2013/2015 Agrupamento de Escolas de Clara

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015 Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência Introdução Os Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência dos Ensinos Básico e Secundário

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Piscinas - Olivais LISBOA 2 a 4 abril 2013 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Francisco Simões ALMADA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Sul 1 Introdução A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação...

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação... PROJETO EDUCATIVO Triénio 2012/2015 Colaborar, Formar, Construir o Futuro ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Página 1 de 16 Índice Introdução... 3 Diagnóstico... 5 Visão e missão... 7 Finalidades e

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires AMADORA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Sul 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Julho 2014

PLANO DE MELHORIA Julho 2014 PLANO DE MELHORIA Julho 2014 Índice Nota Introdutória... 2 1. Resultados da avaliação externa... 3 2. Áreas e ações de melhoria... 4 3. Acompanhamento e divulgação... 7 AET Plano de melhoria 2014/2015

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Gerais Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento 1. Educação pré escolar Objetivos da educação pré escolar Oferta educativa: *Componente letiva *Componente não letiva (CAF) Ocupação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Profissional Agrícola Quinta da Lageosa COVILHÃ 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Agrupamento de Escolas Terras do Xisto FUNDÃO

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Agrupamento de Escolas Terras do Xisto FUNDÃO Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Agrupamento de Escolas Terras do Xisto FUNDÃO Delegação Regional do Centro da IGE Datas da visita: 20, 21 e 24 de Novembro de 2008 2 I INTRODUÇÃO A Lei

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE PAIVA Escola Sede: Escola Secundária de Vila Nova de Paiva Rua Padre Joaquim Rodrigues da Cunha 3650-219 Vila Nova de Paiva Telefone: 232609020 Fax:232609021 http://esvnp.prof2000.pt

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades REGULAMENTO DOS QUADROS DE MÉRITO, DE EXCELÊNCIA E DE VALOR Artigo 1º QUADRO DE MÉRITO 1. O Quadro de Mérito destina-se a reconhecer os alunos ou grupos de alunos que revelem grandes capacidades ou atitudes

Leia mais

Agrupamento de Escolas Irene Lisboa PORTO

Agrupamento de Escolas Irene Lisboa PORTO 14 INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Agrupamento de Escolas Irene Lisboa PORTO Delegação Regional de Norte da IGE Datas da visita: 14 a 16 de Fevereiro de 2011

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO De acordo com a Portaria n 266/2012, de 30 de agosto, compete ao Conselho Geral definir os critérios de avaliação do

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013 Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013 (reformulado após a reunião de Peagógico de 13/03/2013 Áreas de melhoria 1. Melhorar a disciplina 1.1 Sensibilização

Leia mais

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico Sumário Executivo e Recomendações Entidade responsável pelo Estudo: Centro de Investigação em Educação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PROENÇA-A-NOVA - 160799. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PROENÇA-A-NOVA - 160799. Plano de Melhoria Índice Objetivo... 2 1 Introdução... 2 2... 3 2.1 Identificação do Agrupamento... 3 2.2 Áreas de Melhoria... 3 2.3 Identificação das Ações de Melhoria... 4 2.4 Visão global do Plano de melhoria.... 5 3

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Baixa-Chiado LISBOA 11 a 13 abr. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

Planeamento Estratégico

Planeamento Estratégico 2011 Planeamento Estratégico Autoavaliação 2014/2015 e 2015/2016 Melissa [Escrever o nome da empresa] 01-01-2011 Março de 2015 MMA 2011 1 Índice 1. Enquadramento estratégico da autoavaliação... 3 1.1.

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA ANEXO II DOMÍNIO: GESTÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Estudex PROJETOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS PARCERIAS CALENDARIZAÇÃO Sala de estudo para o

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Referentes e instrumentos de trabalho Setembro de 2009 Colecção Outras publicações FICHA TÉCNICA Título Avaliação Externa das Escolas Referentes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

3.ª REUNIÃO 23 de abril de 2014 - ORDEM DE TRABALHOS:

3.ª REUNIÃO 23 de abril de 2014 - ORDEM DE TRABALHOS: 3.ª REUNIÃO 23 de abril de 2014 - ORDEM DE TRABALHOS: 1. Aprovação do Regimento do Conselho Geral. 2. Balanço do decurso do ano letivo: a) Abertura e funcionamento; b) Plano Anual de Atividades; c) Projeto

Leia mais

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Período de Referência: Ano letivo 2012/2013 Novembro de 2013 Índice Geral INTRODUÇÃO...1 Capítulo I. Elaboração do Relatório de Autoavaliação...2

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16 (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) Os alunos com Necessidades Educativas Especiais, de caráter permanente, a beneficiar de Medidas

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância

Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância Creche e Jardim de Infância O Jardim dos Palhacinhos Projeto Educativo de Creche e Jardim de Infância 1 Albufeira, Março 2014 Gerência: Índice Índice... 2 Introdução... 3 1. Caracterização da instituição...

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO PARECER FAVORÁVEL DO CONSELHO PEDAGÓGICO AVE/ESAIC, EM 3.SETEMBRO.2015 APROVADO EM CONSELHO GERAL, EM 29. SETEMBRO. 2015 I - Enquadramento O concelho

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

FREIXO MARCO DE CANAVESES

FREIXO MARCO DE CANAVESES PROJETO EDUCATIVO FREIXO MARCO DE CANAVESES TRIÉNIO 2012-2015 Conteúdo 1. Caracterização da Escola Profissional de Arqueologia... 2 1.1. Origem e meio envolvente... 2 1.2. População escolar... 2 1.3. Oferta

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA ATL,LDA TEL.:(053)215650 PROJETO DE INTERVENÇÃO º 4776/2014, de 8 de abril I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha Concurso prévio à eleição

Leia mais

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013 PROJETO DE INTERVENÇÃO: Por uma escola centrada na aprendizagem que se repensa e se reconstrói. CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Aviso de abertura: 4531/2013 de 3 de

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de julho de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 196/2014 Aprova o Calendário Escolar dos estabelecimentos

Leia mais

Avaliação externa de escolas: Análise dos resultados do 1º ciclo de avaliação

Avaliação externa de escolas: Análise dos resultados do 1º ciclo de avaliação Seminário "Avaliação Externa de Escolas: Princípios, Processos e Efeitos FPCEUP Avaliação externa de escolas: Análise dos resultados do 1º ciclo de avaliação Carlos Barreira Maria da Graça Bidarra Piedade

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais