Conhecimentos Básicos Conhecimentos Específicos INSTRUÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conhecimentos Básicos Conhecimentos Específicos INSTRUÇÕES"

Transcrição

1 COMPANHIA PARAIBANA DE GÁS - PBGÁS Concurso Público para provimento de cargos de Analista Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo Nº de Inscrição MODELO P R O V A Conhecimentos Básicos Conhecimentos Específicos INSTRUÇÕES - Verifique se este caderno: - corresponde a sua opção de cargo. - contém 60 questões, numeradas de 01 a 60. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno. Não serão aceitas reclamações posteriores. - Para cada questão existe apenas UMAresposta certa. - Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa. - Essa resposta deve ser marcada na FOLHADE RESPOSTAS que você recebeu. VOCÊ DEVE: - procurar, na FOLHADE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo. - verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu. - marcar essa letra na FOLHADE RESPOSTAS, conforme o exemplo: A C D E ATENÇÃO - Marque as respostas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de tinta preta. - Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão. - Responda a todas as questões. - Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora. - Você terá 4 horas para responder a todas as questões e preencher a Folha de Respostas. - Devolva este caderno de prova ao aplicador, juntamente com sua Folha de Respostas. - Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados. FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS Novembro/2007

2 MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo 003 sageiras? A reflexão mais rápida é a mais conseqüente? Nesses domínios da sensibilidade e da consciência, a velocidade CONHECIMENTOS BÁSICOS não parece ter muito a fazer. Quando alguém repousa os olhos Atenção: As questões de números 1 a 15 referem-se ao texto seguinte. Alta velocidade numa bela paisagem, a imobilidade não é paralisia: a imaginação está ativa, e o espírito ganha tempo para dar-se conta de si mesmo. Quando se ouve com atenção uma peça Não é fácil precisar, na história da civilização, quando foi que o fator velocidade passou a ganhar prestígio por si mesmo: o que é mais rápido é sempre melhor. Talvez tudo tenha começado com as experiências pioneiras de viagens e transportes. É provável que os primeiros navegadores já aspirassem à maior velocidade possível de suas embarcações, pela razão óbvia de que isso diminuiria os custos do empreendimento, os riscos para a segurança e o tédio da tripulação. O mesmo raciocínio vale para os transportes por terra: a impulsão de um motor, substituindo a de um animal, criou novo parâmetro para as viagens: em vez de semanas, dias; em vez de dias, horas. Com o avião, em vez de horas, minutos. E continua, como se sabe, nossa devoração progressiva de espaço e tempo. O prestígio contemporâneo da velocidade manifesta-se, sobretudo, no campo da informação: quanto mais rápido se divulga, melhor. A informática foi alçada ao trono de divindade e musical ou quando se lê refletidamente um texto consistente, sentimentos e reflexões gastam o tempo que precisam gastar para que a linguagem da música e o encadeamento das idéias se alojem e amadureçam dentro de nós. Amadurecer exige tempo. É possível que nossa época tecnológica, maravilhada com tantas e tão rápidas conquistas, represente para a futura história da civilização uma espécie de adolescência. Para um adolescente, o impacto das grandes novidades traduz-se como paradoxal mistura de sentimento de insegurança e sensação de onipotência. (Justino Borba, inédito) 1. A imagem representada na frase Meninos de sete anos tamborilam os dedos na mesa do computador (segundo parágrafo) pode ilustrar a seguinte afirmação do autor do texto: Estaria nesse caso a qualidade das nossas emoções (...) trouxe uma nova ansiedade: o potentíssimo processador de ontem está obsoleto hoje, e o de hoje, amanhã. A banda larga Nesses domínios (...), a velocidade não parece ter muito a fazer. faz disparar as imagens na tela de um monitor, mas certamente A informática (...) trouxe uma nova ansiedade (...) não terá como competir com a velocidade do próximo sistema de acesso e navegação. Meninos de sete anos tamborilam os (...) sentimentos e reflexões gastam o tempo que precisam gastar (...) dedos na mesa do computador, impacientes, enquanto aguardam os longos segundos que leva o download de um novo jogo. Em nossos dias, atribui-se ao fator velocidade um prestígio tão absoluto que parece tolice querer desconfiar dela: uma das expressões acusatórias e humilhantes é, justamente, (...) capacidades humanas nada têm a ganhar (...) com a aceleração (...) 2. No primeiro parágrafo do texto, o autor está tratando das prováveis origens da busca da velocidade, identificadas com a antiga necessidade de informação e conhecimento. prováveis origens da busca da velocidade, que só veio a arrefecer nos tempos modernos. primeiras experiências humanas no sistema de transportes, que culminaram com o advento das embarcações a motor. prováveis origens da busca da velocidade, obsessão que permanece viva em nossos dias. devagar, quase parando, aplicada a quem não demonstre muita pressa. Mas por que não ponderar que algumas das capacidades humanas nada têm a ganhar ao contrário, têm muito a perder com a aceleração do processo? Estaria nesse caso a qualidade das nossas emoções e das nossas reflexões. São mais intensas as emoções pas- 2 PBGAS-Conhecimentos Básicos 1 experiências primitivas dos navegadores, preocupados tão-somente com a rapidez dos deslocamentos.

3 3. A expressão nesse caso, no início do quarto parágrafo, refere-se a um tipo de situação em que MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo Apresenta-se de modo adequado a articulação entre tempos e modos verbais na frase: o benefício da transitoriedade se torna evidente. a aceleração de um processo acarreta óbvios benefícios. o prestígio absoluto da velocidade se impõe inapelavelmente. a reflexão mais rápida é também a mais conseqüente. A menos que arrefeçamos nossa ânsia de velocidade, pagaríamos alto preço por esse ímpeto irracional. Mais velocidade haja, mais velocidade desejamos, na carreira alucinante de que todos estamos participando. Mais velocidade houvesse, mais velocidade estamos a desejar, nesta carreira de que nos dispuséramos a participar. À proporção que nossa ansiedade aumentasse, mais velocidade quisemos imprimir às nossas conquistas tecnológicas. a aceleração de um processo passa a representar Por mais que se potencie o fator velocidade, parece uma perda. que nunca haveríamos de estar satisfeitos. 4. Considere as seguintes afirmações, contextualizando-as no último parágrafo do texto: 7. As normas de concordância verbal e nominal estão inteiramente respeitadas na frase: I. Nem sempre a imobilidade corresponde a falta de ação. Aos meninos diante das telas não costuma ocorrer que a velocidade que os preocupa acelera também a passagem da infância. II. Há domínios humanos em que a busca de velocidade não faz sentido. Diante das imagens que na tela se sucede, o usuário de um computador parece hipnotizado. III. Tomar consciência de si é um processo que demanda tempo. Principais responsáveis pelos primeiros meios de transporte, a tração animal veio a ser substituída pela dos motores. Está correto o que se afirma em I, apenas. I, II e III. I e II, apenas. II e III, apenas. I e III, apenas. 5. Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o sentido de uma expressão do texto em: paradoxal mistura (quarto parágrafo) = combinação contraditória. Se fossem mais intensos por serem mais velozes, nossa reflexão e nossa emoção estariam hoje num invejável patamar. Uma vez que passe a atrair toda a nossa atenção, bons romances e belas peças musicais afastam nossa obsessão pela velocidade. 8. A voz verbal da construção atribui-se ao fator velocidade um prestígio tão absoluto permanecerá a mesma caso se substitua o elemento sublinhado por costuma-se atribuir. atribuímos. há quem atribua. é atribuído. atribuem. 9. Está correto o emprego do elemento sublinhado na frase: não é fácil precisar (primeiro parágrafo) = é difícil enfrentar a necessidade. A reação de que toda beleza nos impõe é a calma da contemplação. pela razão óbvia (primeiro parágrafo) = pelo pretexto alegado. alçada ao trono de divindade (segundo parágrafo) = destituída de um patamar honroso. Há em nosso mundo paisagens belas, em cujas faz bem pousar os olhos. São belas paisagens, cuja sedução nos leva a contemplá-las. Há paisagens aonde nosso olhar se demora prazerosamente. se alojem e amadureçam dentro de nós (quarto parágrafo) = invistam-se de nossas indecisões. PBGAS-Conhecimentos Básicos 1 3 São belezas de um tempo onde o homem não tinha tanta pressa.

4 MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo A pontuação está inteiramente correta na frase: De duas uma; ou estamos hipnotizados pela velocidade, ou nos tornamos tão prepotentes, que sentimos dominá-la pondo-a a nosso serviço. Deve-se considerar que, o fator velocidade, representa em nosso dias, um paradigma de prestígio absoluto que ninguém se põe a questionar. 13. O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do singular para preencher corretamente a lacuna da frase: São muitos os que se... (eximir) de opinar sobre essa moderna e angustiosa ânsia de velocidade. A ninguém... (abalar) os inconvenientes de nossa vida tão apressada. Talvez devamos nos perguntar acerca do tempo subjetivo, com o qual precisemos contar, para assimilarmos uma bela peça musical? A menos que... (vir) a perder o ímpeto, tais obsessões pela velocidade nos custarão muito caro. Em sua grande maioria, os internautas, não importa onde estejam, viajam por imagens do mundo sem saber o que buscam. Se antigamente, os homens saíam ao mar por razões econômicas, hoje, há quem viaje pelas telas de um computador, sem qualquer necessidade real. 11. Está clara e correta a redação da frase: Quando se fala em imaginação e em sensibilidade, a aceleração representa pouco para que sejamos bem sucedidos em ambos. É inútil imaginar que... (partir) de um entusiasta da informática iniciativas que ponham em questão o preço da velocidade. Como não se... (cogitar) de quaisquer outros critérios, o fator velocidade reina absoluto. 14. Desde que passou a gozar de um prestígio absoluto, o fator velocidade impôs-se como parâmetro das ações humanas, sobrepondo-se a qualquer outro critério. Substituem de modo adequado as expressões sublinhadas, respectivamente e sem prejuízo para o sentido da frase acima: desfrutar de um - firmou-se como - sobrepujando É tão absoluto o prestígio em que desfruta o fator velocidade que não nos faz sequer suspeitar ser seu preço tão caro. desfrutar de um - investiu como - destituindo a No campo da informática é que o prestígio contemporâneo da velocidade tem manifestado-se de forma assim relevante. a alçar-se num - investiu-se a um - preterindo firmar-se como - determinou-se como - corroborando a O que está obsoleto hoje era o moderno de ontem, muito embora a própria idéia de novidade se renove quando já for moderna. Na impaciência que demonstram diante de um monitor, manifestam as crianças uma ansiedade que não é estranha aos adultos. 12. Meu dia foi muito agitado,... me dispus a ouvir música meu espírito relaxou,... o prazer da arte pode nos livrar de nossas ansiedades. A frase acima guardará inteira coerência caso as lacunas sejam preenchidas, na ordem dada, por favorecer-se de um - consagrou-se a um - eximindo-se de 15. Justificam-se as duas ocorrências do sinal de crase em: Sabe-se que, à curto prazo, o fator velocidade será submetido à uma mais rigorosa e justa avaliação. Caberá à maioria das pessoas decidir se continuarão preferindo a velocidade à qualidade mesma das experiências. apesar disso - tendo em vista que desde que - tanto assim que mas quando - dado que O valor atribuído à velocidade está prestes à ser substituído por algum parâmetro que leve em conta a ecologia. Desde que se alçou à tal poder, o fator velocidade não tem encontrado oponentes à altura de seu prestígio. por isso - conquanto haja vista que - portanto 4 PBGAS-Conhecimentos Básicos 1 Dada à importância que assumiu na informática, a velocidade dos processos tornou-se indispensável à massa dos internautas.

5 Atenção: As questões de números 16 a 20 referem-se ao texto que segue. O jornal New York Times começou a publicar, para cada soldado morto, capturado ou desaparecido no Iraque, um retrato e um resumo de sua jornada. Essas pequenas galerias de rostos evocavam, na memória, uma outra galeria, bem maior, que ocupou as páginas do mesmo jornal durante meses depois do atentado de 11 de setembro de 2001: os retratos e os obituários de todas as vítimas do ataque. Um ano mais tarde, na cerimônia do aniversário do atentado, em Nova York, não houve discursos de fundo, mas diversos oradores alternaram-se no palco para ler em voz alta, um a um, os nomes das vítimas. A cultura americana, mais do que qualquer outra, vive e pensa a coletividade como um conjunto de indivíduos. Para um europeu ou um sul-americano, comemorar, explicar e mesmo narrar um acontecimento é, no mínimo, problemático se não se explorar sua dimensão propriamente social: o encontro ou a luta de idéias, classes, nações, grupos, grandes interesses econômicos etc. (Contardo Calligaris, Terra de ninguém) 16. Essas pequenas galerias de rostos evocavam, na memória, uma outra galeria, bem maior (...) Transposta a frase acima para a voz passiva, a forma verbal será MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo É preciso corrigir a redação da seguinte frase: A valorização máxima de cada indivíduo estampouse, sob a forma de nomes e rostos, nas páginas memoráveis do New York Times. Europeus e sul-americanos não explicam os fatos sociais do mesmo modo que os norte-americanos. Há divergências segundo as quais os norte-americanos são incomparáveis com outros povos quanto à compreensão da sociedade. As diferenças entre os povos decorrem, em grande parte, da compreensão que tem cada um do que seja, efetivamente, uma coletividade. O autor do texto sugere que o individualismo está na base da concepção que os norte-americanos têm do que seja uma coletividade. 19. A cultura americana, mais do que qualquer outra, vive e pensa a coletividade como um conjunto de indivíduos. Numa nova redação da frase acima, que comece com Nenhuma outra cultura, uma complementação correta e coerente poderá ser em que pese a americana, sabe que a coletividade é como um conjunto onde o que importa são os indivíduos. evocaram-se. eram evocadas. foram evocados. era evocada. tinha sido evocada. 17. Considere as seguintes afirmações: exceto a americana, pensa a coletividade como um conjunto de indivíduos que a vivem enquanto tal. a despeito da americana, impõe-se coletivamente como soma de indivíduos que vivem e pensam. a par da americana, é mais do que qualquer outra uma coletividade identificada como conjunto de indivíduos. I. O autor do texto trata como essencialmente análogas as referidas iniciativas do New York Times e a atitude dos oradores no aniversário do atentado de 11 de setembro. II. III. O segundo parágrafo do texto constitui uma réplica e uma contestação ao que se narra no primeiro parágrafo. Europeus e sul-americanos, ao contrário dos norteamericanos, consideram que um fato de relevância social deve ser compreendido a partir de razões individuais. Em relação ao texto, está correto SOMENTE o que se afirma em I e III. I e II. III. II. I. contrastada com a americana, valoriza e vive a convicção de que a sociedade é constituída pela soma dos indivíduos. 20. O New York Times publicou uma galeria de rostos e nomes, expôs rostos e nomes ao longo de vários números, evocou esses rostos e nomes para que o público não olvidasse esses nomes e rostos. Evitam-se as viciosas repetições da frase acima substituindo-se os elementos sublinhados, na ordem dada, por: expô-los - evocou-os - os olvidasse expôs a eles - evocou-lhes - lhes olvidasse expô-los - evocou a eles - olvidasse-os. expôs-lhes - evocou-os - os olvidasse expôs eles - evocou-lhes - olvidasse eles PBGAS-Conhecimentos Básicos 1 5

6 MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo 003 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 26. No plano de benefícios de uma organização, as necessidades de caráter psicológico são as 21. A empresa Alfagás tem, mensalmente, planejadas horas de trabalho e o seu índice de absenteísmo nos últimos três meses tiveram o seguinte comportamento: físicas. espontâneas. CIA. ALFAGÁS RELATÓRIO DE ABSENTEÍSMO Julho-2007 Agosto-2007 Setembro % 5% 3% Aplicando a fórmula do cálculo de absenteísmo, é correto afirmar que as perdas de horas de trabalhos em julho, agosto e setembro foram, respectivamente, de 1200; 1000; ; 3000; ; 1000; ; 500; ; 1000; Na abordagem tradicional do processo de desenvolvimento de pessoas, a escolha aleatória de empregados para o treinamento é denominado modelo randômico. impositivo. casual. de atividade reativa. intencional. 23. O processo sistemático que visa a alteração do comportamento dos empregados na direção do alcance dos objetivos organizacionais é denominado de metas. treinamento. desenvolvimento. planejamento estratégico. missão da empresa. 24. Por meio do desenvolvimento, as pessoas podem assimilar informações, aprender habilidades, desenvolver atitudes e desenvolver conceitos abstratos. O desenvolvimento de idéias para ajudar as pessoas a pensar de forma ampla e global relaciona-se com sensibilização e auto-conhecimento. desenvolvimento do comportamento. elevação do nível de abstração. melhoria das habilidades e diretrizes. aumento do conhecimento das pessoas. 25. O levantamento dos aspectos intrínsecos e extrínsecos do cargo refere-se à hipótese de trabalho. descrição e à análise do cargo. técnica dos incidentes críticos. requisição de pessoal. análise do cargo. 6 PBGAS-Analista-B02 extrínsecas. compulsórias. intrínsecas. 27. Analise o gráfico: (R$) Y (tempo) No processo de recrutamento e de seleção de pessoas, analisando as variáveis X (tempo) e Y (custo) do gráfico, a reta indica que, quanto maior a quantidade de recursos financeiros, maior é o tempo disponibilizado para recrutamento. menor o tempo disponível para recrutar, menor o custo do processo. maior o tempo disponível para recrutar, menor o custo do processo. maior o tempo disponível para recrutar, maior o custo do processo. menor a quantidade de recursos financeiros, menor é o tempo disponibilizado para recrutamento. 28. A Empresa Alfagás apresenta o seguinte quadro de rotatividade de pessoal no mês de agosto de 2007: EMPRESA ALFAGÁS QUADRO DE ROTATIVIDADE DE AGOSTO DE /08/ /08/2007 Índice de rotatividade 620 pessoas 580 pessoas 7,5 % Para fins de reposição do quadro de pessoal, deverá admitir 45 pessoas. 47 pessoas. 90 pessoas. 40 pessoas. 44 pessoas. X

7 29. Decisões caracterizadas pela rotina e repetitividade, possibilitando o estabelecimento de um procedimentopadrão para ser acionado sempre que necessário, são decisões MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo Analise: Presidente programadas. projetivas. não programadas. complexas. não estruturadas. Diretoria de Marketing Diretoria Financeira Diretoria das Regionais 30. Conjunto de partes interagentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuam determinada função. Trata-se de: Regional Leste coordenação. sistema. planejamento. organização. controle. Setor de Vendas Setor de Caixa Na estrutura organizacional acima representada, as linhas tracejadas indicam uma relação de autoridade 31. O componente do sistema, cuja função caracteriza as forças que fornecem ao sistema o material, a informação e a energia para gerar determinadas saídas, é com duplicidade de comando. o objetivo do sistema. funcional. o processo de transformação. hierárquica. a saída do sistema. a entrada do sistema. matricial. o controle do sistema. por competência. 32. Eqüifinalidade é um conceito que facilita o entendimento da empresa como um sistema aberto e sua integração com o ambiente. Caracteriza-se quando 35. As áreas funcionais e as atividades de uma organização envolvidas, diretamente, no ciclo de transformação de recursos em produtos e de sua colocação no mercado são explicita a constância da relação saída/entrada. áreas: mostra o empenho dos sistemas em se organizarem para a sobrevivência, por meio de maior ordenação. entrópicas. um mesmo estado final pode ser alcançado, partindo de diferentes condições iniciais e por maneiras diferentes. apoio. meio. responde a uma mudança que reduz de fato ou potencialmente a eficiência do comportamento de um sistema. preserva o caráter do sistema na natureza das transformações ou na tendência para sistemas mais complexos e diferenciados. 33. Adaptação é a habilidade do sistema para se modificar ou modificar seu ambiente quando algum deles sofreu mudança. Quando um sistema reage a uma mudança interna, modificando a si mesmo, houve uma adaptação sistema-controle. sistema-ambiente. ambiente-ambiente. ambiente-sistema. sistema-sistema. PBGAS-Analista-B02 7 fim. controle. 36. O conjunto ordenado de responsabilidades, autoridades, comunicações e decisões das unidades organizacionais de uma empresa refere-se à cultura organizacional. à estrutura informal. à estrutura organizacional. aos indicadores de avaliação. aos insumos organizacionais.

8 MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo Considere: I. Visa diminuir os custos na compra de insumos e em gastos operacionais e manter o foco centrado nas atividades essenciais aquelas que a empresa tem competência para desempenhar, sendo que as demais atividades são terceirizadas, transferindo a responsabilidade pela execução a parceiros de negócios, cujas operações são subordinadas por coordenação daquele que tem poder para isso. Esses parceiros, por sua vez, têm competência para atuar nessas atividades, que para eles são essenciais. II. Tem por princípio básico assegurar maior visibilidade dos eventos relacionados à satisfação da demanda, com o objetivo de minimizar os custos das operações produtivas e logísticas entre as empresas, constituintes do fluxo de materiais, componentes e produtos acabados. 38. O conceito de logística, desde a década de 60, evoluiu em diferentes fases. Cada uma delas enfatizou determinados aspectos, os quais são apresentados abaixo, assim como os diferentes conceitos. Aspectos: a. Distribuição. b. Logística integrada. c. Administração de materiais. d. ECR (Efficient Consumer Response) ou resposta eficiente ao consumidor. e. SCM (Supply Chain Management) ou gerenciamento de cadeia de suprimentos. III. IV. É um conceito baseado no controle da rede de trabalho e na integração de processos entre as empresas, tendo como foco o consumidor final, no qual o compartilhamento da informação e o planejamento conjunto podem aprimorar de maneira significativa o nível de serviço oferecido ao cliente final. Requer que as empresas implementem ações, objetivando tanto a integração interna quanto a integração externa, entre os diversos departamentos das empresas participantes. V. Assegura a manutenção interna do máximo de estoque necessário no sentido de antecipar as demandas futuras, minimizar a dependência de fornecedores e aumentar o potencial de produção. VI. VII. Induz os elos participantes da cadeia a implementar conjuntamente o planejamento e a coordenação do fluxo de materiais e de informações, de montante a jusante da cadeia, pois o impacto de uma decisão tomada em qualquer parte do sistema afetará este sistema como um todo, de forma positiva ou negativa, e os custos das outras empresas. Visa o aumento da eficiência, a ampliação dos lucros, a melhoria dos tempos de ciclos de entregas, a melhoria do desempenho nos relacionamentos com clientes e fornecedores; o desenvolvimento de serviços de valor que dão à empresa vantagem competitiva, a obtenção do produto certo, no lugar certo, na quantidade certa e com o menor custo e a manutenção do menor estoque possível. Correspondem ao gerenciamento de cadeias de suprimentos APENAS os itens descritos em Conceitos: I. Administração do fluxo total de materiais e produtos, da fonte ao usuário, incluindo o fluxo de materiais, desde a aquisição de matéria-prima até a entrega dos produtos acabados aos usuários finais, com a visão sistêmica da empresa e adoção de sistemas integrados de informação. II. III. IV. Diz respeito ao fluxo de materiais, desde o recebimento da matéria-prima, passando pelas etapas de fabricação e processamento, até o estoque de produtos acabados (gestão de estoque, gestão de compras e movimentação de materiais). Trata do conjunto de metodologias, cuja aplicação visa quebrar as barreiras entre parceiros comerciais, efetuando-se alianças estratégicas, comakership, sub-contratações e desenvolvimento de canais alternativos de distribuição. Refere-se à combinação de atividades e instituições ligadas à propaganda, venda e transferência física de produtos ou serviços, com a otimização dos sistemas de transportes. V. É a integração total dos processos do negócio, desde o usuário final até os fornecedores originais que proporcionam os produtos, serviços e informações que agregam valor para o cliente. A correta correlação entre os aspectos com seus correspondentes conceitos, atribuindo-os às suas respectivas fases históricas ocorre em: I, II, IV, V, VI e VII. I, II, III, IV, VI e VII. I, II, VI e VII. I, IV, VI e VII. I, II, IV, VI e VII. Fase I anos 60 Fase II anos 70 Fase III anos 80 Fase IV anos 90 Fase V década atual a-i b-ii c-iii d-iv e-iv c-ii a-iv b-i d-iii e-v c-ii a-iv b-i e-v d-iii c-ii b-v a-iv e-i d-iii c-i a-ii b-v e-iv d-iii 8 PBGAS-Analista-B02

9 39. O método usado para equacionar problemas com muitas fases, preparando a respectiva programação por meio de um diagrama de flechas, no qual os tempos necessários à execução das diversas atividades são baseados na teoria das probabilidades, realizando-se o estudo e o estabelecimento de três tempos estimados a priori: a) o tempo otimista; b) o tempo pessimista; e, c) o tempo mais viável ou provável, é denominado MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo A movimentação de materiais e produtos, ao longo da cadeia de abastecimento, pode ser realizada de diferentes formas a fim de otimizar economicamente a disponibilização da mercadoria no momento e no lugar onde exista demanda. Considere as formas de transportes e os conceitos abaixo: ERP Enterprise Resource Planning. Formas de transporte: CPM Controle e Planejamento de Materiais. PERT Program Evaluation Review Technique. CRM Customer Relationship Management. a. Transporte combinado. b. Transporte dutoviário. c. Transporte intermodal. d. Transporte multimodal. e. Cross Docking. SFC Shop Floor Control. 40. A classificação estatística de materiais em que se considera a importância dos materiais, baseada nas quantidades utilizadas e no valor, podendo também ser utilizada para classificar clientes em relação aos seus volumes de compras ou em relação à lucratividade proporcionada, classificação de produtos da empresa pela lucratividade proporcionada, é denominada Conceitos: I. Fornece uma maneira de transportar líquido, gases e sólidos em suspensão, através de tubulações, em substituição aos veículos rodantes. II. É o transporte de um veículo de transporte por meio de outro (piggy back), como por exemplo, o transporte de uma carreta em um vagão ferroviário, ou sobre uma chata ou um ferry boat. I. Curva de Pareto. II. Curva ABC. III. Curva IV. Curva V. Curva de Gauss. VI. Método dos mínimos quadrados. III. IV. É uma operação logística de rápida movimentação de produtos acabados para expedição entre fornecedores e clientes, sendo necessária grande exatidão quanto aos tempos de entrada e saída dos produtos, podendo englobar atividades de recebimento, desconsolidação, separação, roteirização e despacho de produtos e, em alguns casos, atividades que agregam valor físico como etiquetagem e reembalagem. É o transporte realizado por meio de dois ou mais modais de transporte, da forma mais eficiente possível, com mínimas resistências à movimentação contínua de bens e equipamentos de transporte, desde a origem até o destino, utilizandose de diferentes operadores de transporte, em que cada operador se responsabiliza pelo seu trecho. É correto o que consta APENAS em I e II. V. É a integração dos serviços de mais de um modo de transporte, entre os diversos modais, sob um único conhecimento de transporte, sob responsabilidade de um único operador, sob o ponto de vista legal e contratual. V e VI. As formas de transporte estão corretamente correlacionadas com os respectivos conceitos em I e IV. II e IV. I, II e III. a b c d e III II IV V I II I III V IV III I IV V II II I V IV III II I IV V III PBGAS-Analista-B02 9

10 MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo Considere: I. Para aquisição de bens e serviços comuns poderá ser adotada a licitação na modalidade de pregão; consideram-se bens e serviços comuns aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado. II. III. IV. Na fase preparatória do pregão, a autoridade competente justificará a necessidade de contratação e definirá o objeto do certame, as exigências de habilitação, os critérios de aceitação das propostas, as sanções por inadimplemento e as cláusulas do contrato, inclusive com fixação dos prazos para fornecimento. O prazo fixado para a apresentação das propostas, contado a partir da publicação do aviso, não será inferior a 10 (dez) dias úteis. Se a oferta não for aceitável ou se o licitante desatender às exigências habilitatórias, o pregoeiro examinará as ofertas subseqüentes e a qualificação dos licitantes, na ordem de classificação, e assim sucessivamente, até a apuração de uma que atenda ao edital; sendo o respectivo licitante declarado vencedor, o pregoeiro poderá negociar diretamente com o proponente para que seja obtido preço melhor. V. Declarado o vencedor, qualquer licitante poderá manifestar imediata e motivadamente a intenção de recorrer, quando lhe será concedido o prazo de 5 (cinco) dias para apresentação das razões do recurso, ficando os demais licitantes desde logo intimados para apresentar contra-razões em igual número de dias, que começarão a correr do término do prazo do recorrente, sendo-lhes assegurada vista imediata dos autos. No que se refere à legislação aplicada a compras, é correto o que consta APENAS em I, II, III e IV. I, II e IV. I, II, IV e V. II, III e IV. I e II. 43. Considerando que a demanda média mensal é de peças e que, para determinar o fator de segurança com falha de no máximo 10% nos estoques, projeta-se o estoque de segurança em unidades unidades unidades. 120 unidades unidades. 44. Considere os dados: Taxa de consumo por ano: unidades; Custo de colocação e recebimento do pedido: R$ 10,00; Custo de manutenção de uma unidade em estoque por um ano: R$ 0,20. O lote econômico de compra é de unidades unidades unidades unidades unidades. Instruções: Para responder às questões de números 45 e 46, considere as informações abaixo, relativas ao Balanço Patrimonial de da Cia. América do Norte, em R$. Ativo Circulante ,00 Fornecedores ,00 Estoque inicial de mercadorias ,00 Vendas anuais ,00 Compras anuais ,00 Duplicatas a Receber ,00 Patrimônio Líquido ,00 Estoque final de mercadorias ,00 Passivo Circulante ,00 Lucro Líquido do Exercício , A margem bruta de vendas da companhia no exercício de 2006 correspondeu a 52,0%. 50,5%. 45,5%. 43,5%. 42,5%. 46. Considerando apenas as informações fornecidas, o índice de liquidez seca da companhia em foi igual a 0,40 0,80 0,95 1,00 1, No regime de capitalização composta o valor do montante, após n períodos de capitalização, é menor que o do montante obtido no regime de capitalização simples. 10 PBGAS-Analista-B02 a taxa de juros de 20% ao ano é equivalente à taxa de juros de 10% ao semestre. o valor do montante cresce linearmente. a taxa de juros incide sobre o montante acumulado até o período anterior. duas taxas de juros equivalentes são também proporcionais. 48. A taxa interna de retorno corresponde à taxa de juros para a qual o valor presente líquido de um investimento é negativo. positivo. maior que o custo do investimento. positivo mas inferior ao custo do investimento. igual a zero.

11 49. Um estudante é submetido a um teste no qual constam 4 questões do tipo verdadeiro (V) ou falso (F). Ele não sabe responder a nenhuma das questões. A probabilidade de ele acertar todas as quatro questões assinalando aleatoriamente a resposta de cada uma delas é 25% 6,25% MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo Um gasto efetuado por uma sociedade industrial que corresponda ao conceito de custo de produção é: o total do prêmio pago por seguro das instalações industriais com vigência de um ano. aquisição de máquinas utilizadas na produção. 5,0% aquisição de matérias-primas. 2,5% 1,25% 50. Um empréstimo de R$ ,00 para aquisição de casa própria deverá ser devolvido em 120 prestações mensais, à taxa de 1% ao mês pelo Sistema de Amortização Constante (SAC), vencendo a primeira prestação um mês após a data da realização do empréstimo. O valor da segunda prestação é igual a juros pagos no financiamento de bens do ativo imobilizado. pagamento de salários da mão-de-obra direta. 54. Uma companhia comercial adquiriu mercadorias no valor de R$ 1.200,00, pagando 30% desse valor à vista e aceitando uma duplicata pelo valor restante. Após essa transação, o valor total dos ativos da sociedade R$ 1.080,00 R$ 1.085,00 R$ 1.090,00 R$ 1.095,00 R$ 1.110,00 diminuiu R$ 360,00. diminuiu R$480,00. aumentou R$ 840,00. aumentou R$ 1.200, Um empréstimo de R$ ,00 deverá ser pago pelo Sistema Francês de Amortização (Sistema Price), em 180 prestações mensais, à taxa de juros compostos de 1% ao mês, com a primeira prestação vencendo um mês após a data da realização do empréstimo. Assumindo que o fator de recuperação de capital para a taxa de juros compostos de 1% ao mês, correspondente ao prazo de vencimento do empréstimo, é 0,012, o saldo devedor no final do mês, isto é, imediatamente após o pagamento da primeira prestação, é de R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 permaneceu inalterado. 55. As seguintes informações (em R$) foram extraídas das demonstrações contábeis da Cia. Comercial do Norte, relativas ao exercício encerrado em : Capital Circulante Líquido ,00 Capital Social ,00 Capital de Terceiros ,00 Capital Autorizado ,00 Capital Social a Integralizar ,00 Capital Total à disposição da companhia ,00 Lucros Acumulados ,00 Prejuízo Líquido do Exercício , A média da distribuição dos salários da Cia. Monte Branco corresponde a R$ 3.000,00, com desvio padrão igual a R$ 30,00. Se, por hipótese, os salários de todos os funcionários forem multiplicados por 1,2, comparando-se a nova distribuição com a antiga, é correto afirmar que o desvio padrão passou a ser R$ 36,00. a média aumentou para R$ 3.800,00. No Balanço Patrimonial da companhia não existem contas classificadas no grupo de Resultados de Exercícios Futuros. O valor do Capital Próprio da companhia, em R$, corresponde a , ,00 a variância fica inalterada, continuando a ser 900 (R$) ,00 a mediana fica multiplicada por 1,44. a soma algébrica dos desvios em relação à nova média aumenta de valor , ,00 PBGAS-Analista-B02 11

12 MODELO Caderno de Prova, Cargo B02, Tipo 003 Instruções: Para responder às questões de números 56 a 58, considere as informações abaixo. A Cia. Umbuzeiro Comercial controla seus estoques de mercadorias por meio do sistema de inventário permanente. Adquiriu mercadorias para revenda da Cia. Flor Maior no valor de R$ ,00, com ICMS de R$ ,00 incluso no preço de venda. Posteriormente, efetuou a venda do referido lote por R$ ,00, com incidência de ICMS a 18%. 56. O lucro bruto auferido pela companhia nas citadas operações, se ela for contribuinte do PIS e da COFINS na sistemática cumulativa, obedecidas as Normas Brasileiras de Contabilidade, em R$, será , , , , , Se a companhia estiver sujeita à incidência do PIS e da COFINS na sistemática não cumulativa, deverá registrar na sua escrituração, de acordo com as Normas Brasileiras de Contabilidade, o custo de aquisição do estoque no valor, em R$, de , , , , , A receita líquida da venda efetuada pela companhia, caso ela esteja sujeita à incidência do PIS e da COFINS na sistemática cumulativa, corresponderá, em R$, , , , , ,00 Instruções: Para responder às questões de números 59 e 60, considere as informações abaixo. Lucro antes da contribuição social (CSLL) ,00 Adições na parte A do LALUR (exceto CSLL) ,00 Exclusões na parte A do LALUR ,00 Prejuízo fiscal de períodos de apuração anteriores ,00 Adições na base de cálculo da CSLL ,00 Exclusões na base de cálculo da CSLL ,00 Base de cálculo negativa da CSLL de períodos anteriores , O lucro real correspondente a esse período de apuração será, em R$, de , , , , , O valor da CSLL devida, referente a esse período de apuração, calculada à alíquota de 9%, será, em R$, de , , , , ,00 12 PBGAS-Analista-B02

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO TRANSCREVA PARA A FOLHA DE RESPOSTAS, COM CANETA DE

CONCURSO PÚBLICO TRANSCREVA PARA A FOLHA DE RESPOSTAS, COM CANETA DE CONCURSO PÚBLICO 39. PROVA OBJETIVA ANALISTA NÍVEL III (ÁREA DE ATUAÇÃO: ADMINISTRATIVA) VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 30 QUESTÕES OBJETIVAS. CONFIRA SEU NOME E NÚMERO DE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Temos destacado a importância das atualizações normativas na Contabilidade (Geral e Pública), pois em Concurso, ter o estudo desatualizado é o mesmo

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS ANALISTA DO SEGURO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS VOLUME I ÍNDICE Língua Portuguesa 1 Compreensão e interpretação de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 10 3 Ortografia

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 14 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ!

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03 Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Olá colegas! Realizaremos hoje um pequeno simulado para o concurso do ISS RJ. Lembrando que quaisquer dúvidas podem ser

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, Julgue os itens subsequentes, relativos à correta classificação e julgue os itens a seguir. utilização de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PARTICIPAÇÕES ESTATUTÁRIAS E DESTINAÇÃO DO RESULTADO APURADO NO PERÍODO

1. INTRODUÇÃO 2. PARTICIPAÇÕES ESTATUTÁRIAS E DESTINAÇÃO DO RESULTADO APURADO NO PERÍODO 1. INTRODUÇÃO PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 10, DE 23 DE MAIO DE 1986. EMENTA: Procedimentos a serem observados pelas companhias abertas na elaboração das Demonstrações Financeiras Extraordinárias de 28.02.86.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo.

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo. 1. CONCEITO de ARRENDAMENTO MERCANTIL Arrendamento mercantil é um acordo pelo qual o arrendador transmite ao arrendatário em troca de um pagamento ou série de pagamentos o direito de usar um ativo por

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos paranaenses 21/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 e 2012 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Desenvolvimento de

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA! O que é Lucro Real?! O que é Lucro Presumido?! Como é calculada a tributação pelo SIMPLES?! Qual o regime tributável mais vantajoso para a elaboração de um projeto?!

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações 1. Aplicação 1- As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

219 Ciências Contábeis

219 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 219 Ciências Contábeis INSTRUÇÕES

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

Determinando o Retorno Futuro dos Investimentos de Capital

Determinando o Retorno Futuro dos Investimentos de Capital C A P Í T U L O 18 Determinando o Retorno Futuro dos Investimentos de Capital Capítulo 6 analisa a entidade de negócios como uma empresa de investimentos e usuária de capital. Do ponto de vista de investimento

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais