CORRENTE RUSSA VERSUS EXERCÍCIO RESISTIDO NA AVALIAÇÃO DO FORTALECIMENTO MUSCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORRENTE RUSSA VERSUS EXERCÍCIO RESISTIDO NA AVALIAÇÃO DO FORTALECIMENTO MUSCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS"

Transcrição

1 CORRENTE RUSSA VERSUS EXERCÍCIO RESISTIDO NA AVALIAÇÃO DO FORTALECIMENTO MUSCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Remor BM, Rosas RF Acadêmico do curso de Fisioterapia UNIUS, Docente do curso de Fisioterapia UNISUL Curso de Fisioterapia, Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL, Tubarão SC Bruno Machado Remor Rua Almirante Lamego,169. Campo de Fora Laguna SC RESUMO Hoje os idosos representam 9% da população brasileira, a expectativa é que esse percentual duplique, fazendo com que o número de pessoas com mais de 60 anos passe dos quinze milhões atuais para cerca de 30 milhões. Devido a esse aumento, é necessário começar cada vez mais cedo as atividades de prevenção, preparando o indivíduo para um envelhecimento saudável. O presente estudo tem como objetivo geral analisar o comportamento do fortalecimento muscular em idosos, especificamente descrever a massa muscular através da perimetria e identificar a força muscular através do teste de 1RM do quadríceps. A amostra dividiu-se em três grupos, o grupo 1 que foi submetido à corrente russa associada ao exercício resistido, o grupo 2 somente submetido ao exercício resistido, e no grupo 3, o controle. Foram doze atendimentos a cada indivíduo, o primeiro e último destinado a avaliação e reavaliação respectivamente o restante reservado para o experimento, com duração média de 40 minutos. Foi utilizado o teste de Wilcoxon para amostras independentes, com significância igual a 5% (p=0,05) A intervenção foi estatisticamente eficaz nos grupos 1 e 2, porém o grupo submetido ao exercício resistido associado a corrente russa observou-se uma maior eficácia do procedimento, apresentando um aumento mais significativo da massa e força muscular comparado ao grupo submetido somente ao exercício resistido. Palavras-chaves: Idoso, exercício físico, Técnicas de Exercício e de Movimento, Terapia por Exercício, corrente russa ABSTRACT Today the elderly account for 9% of the Brazilian population, The expectation is that this percentage doubled, making the number of people aged over 60 spend the fifteen million today to about 30 million.due to this increase, it is increasingly necessary to start early the activities of prevention, preparing the individual for a healthy aging.this study aims to examine the general behavior of muscle strengthening in the elderly, specifically describe the muscle mass through the perimeter and identify the muscular strength through the test of 1RM of the quadriceps.the sample was divided into three groups, group 1, which was submitted to the Russian current them to exercise resisted, the group 2 only submitted to endurance exercise, and in Group 3, the control.twelve were attending to each individual, the first and last for the assessment and review, respectively, the rest reserved for the experiment, with the average duration of 40 minutes. We used the Wilcoxon test for independent samples, with significance equal to 5% (p = 0.05). The intervention was statistically effective in groups 1 and 2, but the group submitted to endurance exercise associated with Russian current there was a greater effectiveness of the procedure, presenting a more significant increase of muscle mass and strength compared to the group submitted only to exercise endurance. Key-words: Aged, Exercise, Exercise Movement Techniques, Exercise Therapy, Russian current

2 INTRODUÇÃO Hoje os idosos representam 9% da população brasileira, e segundo o IBGE 1 (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a expectativa é que esse percentual duplique, fazendo com que o número de pessoas com mais de 60 anos passe dos quinze milhões atuais para cerca de 30 milhões. Em 1980, para cada 100 crianças, existiam 16 idosos. Vinte anos depois, essa relação praticamente já havia dobrado, numa proporção de 30 idosos para cada grupo de 100 crianças. De acordo com o IBGE 1, esse crescimento se deve à soma de dois fatores: a queda da taxa de fecundidade e o aumento da longevidade da população O envelhecimento acompanha uma série de alterações fisiológicas que acometem os mais variados sistemas orgânicos. No sistema músculo esquelético observa-se um decréscimo da força e da massa muscular (sarcopenia), características essas marcantes do processo do envelhecimento, que, como conseqüência, induz à diminuição da capacidade funcional. Esta fraqueza, particularmente dos membros inferiores, tem sido associada ao maior risco de quedas, à diminuição da densidade mineral óssea e à maior probabilidade de fraturas, bem como, a outras alterações fisiológicas adversas, tais como, intolerância à glicose e alterações no metabolismo energético e na capacidade aeróbia 2. Para reduzir os efeitos indesejados dessas alterações fisiológicas torna-se necessário à implementação de um programa de atividade física, que tenha como principal objetivo o ganho de força muscular. Muitos estudos já comprovaram a eficácia dos programas de treinos resistidos para minimizar a perda da força e da massa muscular em decorrência do avanço cronológico, prevenindo lesões e quedas, eventos que para esse tipo de população é de grande morbidade. Maximizando os benefícos do exercício resistido utiliza-se a eletro estimulação neuromuscular, que é descrita por Brasileiro 5 como a ação de estímulos elétricos terapêuticos, aplicados sobre o tecido muscular, através do sistema nervoso periférico íntegro. Este estudo tem como objetivo geral analisar o comportamento do fortalecimento muscular em idosos, seus objetivos específicos são descrever a massa muscular através da perimetria e identificar a força muscular dos idosos. MÉTODO Estudo classificado em sua abordagem como quantitativo e o procedimento de coleta utilizado é experimental, envolvendo idosos institucionalizados no Abrigo dos Velhinhos no período de Março a Setembro de Pesquisa iniciada após aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL. Para realização do estudo foi necessário que o participante preenche-se os seguintes critérios de inclusão: idade acima dos 65 anos, sexo feminino, resida no Abrigo dos Velhinhos há no mínimo 2 anos. Critérios de exclusão foram analisados: indivíduos acamados ou cadeirantes, estado mental anormal, tabagista, etilista, patologias degenerativas progressivas musculares, amputados, alteração de sensibilidade em membros inferiores, disléxicos e desistentes. A amostra dividiu-se em três grupos, contendo três indivíduos no grupo 1 que foi submetido à corrente russa associada ao exercício resistido, dois indivíduos no grupo 2 somente submetido ao exercício resistido, e no grupo 3, o controle, com dois indivíduos. Os participantes foram sorteados aleatoriamente em seus respectivos grupos. Foram realizados doze atendimentos a cada indivíduo divididos da seguinte forma: o primeiro destinado à avaliação, os dez seguintes realizados o tratamento, e no último a reavaliação. O

3 tratamento foi realizado três vezes por semana no Abrigo dos Velhinhos Tubarão SC, com duração média de 40 minutos. O primeiro atendimento foi destinado à avaliação, que constou dos seguintes itens: dados pessoais, anamnese e exame físico. Seguindo o protocolo, após a avaliação foi iniciado o tratamento com dez atendimentos, realizado três vezes por semana. O atendimento foi diferenciado conforme o grupo estabelecido. Grupo 1 corrente russa associada ao exercício resistido, durante a aplicação da corrente será realizado simultaneamente o exercício resistido com 80% do valor do 1RM, durante duas séries de 10 repetições, com intervalo de 1 minuto para cada série. Grupo 2 exercício resistido, somente o uso do exercício resistido com 80% do valor obtido no teste de 1RM, com duas séries de 10 repetições com intervalo de 1 minuto para cada série. Grupo 3 controle, não será realizado nenhuma aplicação. Para verificar diferenças nos valores das médias de força muscular em cada grupo foi utilizado o teste de Wilcoxon para amostras independentes. Todos os testes usaram significância igual a 5% (p=0,05). RESULTADOS Abaixo serão descritos os dados obtidos em relação a perimetria do idosos pesquisados. A perimetria do quadríceps foi mensurada a partir de três medidas, uma a cinco cm, a segunda a 10 cm e a última a 15 cm da borda superior da patela, que foi usada como ponto de referência. Tabela 1- Resultados das medidas da perimetria do quadríceps na pré-intervenção e pós-intervenção do Grupo 1 exercício Resistido + corrente Russa, em cm. A B C Tabela 2- Resultados das medidas da perimetria do quadríceps na pré-intervenção e pós-intervenção do Grupo 2 exercício resistido, em cm. A B Tabela 3- Resultados das medidas da perimetria do quadríceps na pré-intervenção e pós-intervenção do Grupo 3 controle, em cm.

4 A B Realizado o teste de Wilcoxon para amostras independentes, com nível de significância de 5%, obteve-se uma diferença significativa em relação ao aumento da massa nos grupos 1 e 2, porém o grupo 3 houve uma redução nos valores da perimetria. A seguir serão expostos os dados referentes a força muscular em kg, obtida através do teste de 1RM. Tabela 4 - Resultados da força muscular (1RM) do quadríceps na pré-intervenção e pósintervenção do Grupo 1, em kg. A B C Tabela 5 - Resultados da força muscular (1RM) do quadríceps na pré-intervenção e pósintervenção do Grupo 2, em kg. A B Fonte: pesquisa elaborada pelo autor Tabela 6 - Resultados da força muscular (1RM) do quadríceps na pré-intervenção e pósintervenção do Grupo 3, em kg. A B Fonte: pesquisa elaborada pelo autor A intervenção foi estatisticamente eficaz nos Grupos 1 e 2, porém o grupo submetido ao exercício resistido associado a Corrente Russa observou-se uma maior eficácia do procedimento, apresentando um aumento mais significativo da massa e força muscular comparado ao grupo submetido somente ao exercício resistido, conclusão esta observável em ambos os membros. O grupo 3 não obteve diferença nesse parâmetro. DISCUSSÃO Com o teste estatístico realizado foi comprovada a eficácia da intervenção nos grupos 1 e 2, porém o grupo que teve associado ao tratamento a

5 aplicação da Corrente Russa observou-se um maior aumento da massa e força muscular, isso pode ser explicado devido a eletroestimulação de média freqüência ter a capacidade de recrutar maior número de fibras que a contração voluntária, sendo assim, a eletro estimulação neuromuscular (EENM) é capaz de produzir resultados mais eficazes que apenas exercícios isolados 32. Alguns autores afirmam que a estimulação elétrica máxima no fortalecimento muscular pode fazer com que quase todas as unidades motoras (constituídas por um neurônio motor simples e a fibra muscular que este inerva) em um músculo, se contraiam de forma sincronizada, algo que não pode ser conseguido na contração voluntária. Isso permitiria o desenvolvimento de contrações musculares mais fortes, acompanhada de uma maior hipertrofia muscular, com o uso da estimulação 5. Consideração esta que está de acordo com a pesquisa realizada, o grupo submetido ao exercício resistido associado a Corrente Russa obteve um maior aumento da massa muscular comparado ao grupo que teve como intervenção apenas o exercío resistido. Em relação ao aumento da força muscular existem estudos descrevendo que a EENM estimula os nervos motores de grande diâmetro do tipo IIb a se contraírem antes das fibras do tipo I, é fácil concluir que o vigor da contração aumenta, considerando-se que as fibras do tipo IIb são capazes de produzir mais força 33. Outras considerações sobre força muscular relatam que sob condições fisiológicas, o músculo pode ativar de 30% a 60% de suas unidades motoras dependendo da extensão do treinamento. Com a EENM consegue-se ativar 30% a 40% mais das unidades motoras com corrente elétrica de média freqüência que nos exercícios comuns e os tratamentos convencionais. Devido a estimulação elétrica modular a atuação do nervo motor alfa e não despolarização do neurônio, como no movimento ativo, tendo assim, características de despolarização o que confirma a importância da EENM no ganho de força 32 Porém na literatura não existe um consenso em relação a definição dos parâmetros a serem utilizados na EENM. Alguns autores apresentam divergência em seus trabalhos, necessitando assim de estudos que busquem chegar a uma definição. E nenhum destes estudos citados fazem citações a aplicação da Corrente Russa em idosos. Em relação a intensidade, frequência e volume treinamento existem diferentes abordagens para o exercício resistido. Em uma revisão realizada por Silva 10 concluiu-se que diferentes combinações dessas variáveis foram igualmente eficazes em seus objetivos. Antes de determinar a carga escolhida para realização do exercício resitido foi realizado o teste de 1RM, que é definido como a maior carga que pode ser movida por uma amplitude específica de movimento uma única vez e com execução correta 22. Também existem divergências quanto a determinação da carga escolhida para realizar o tratamento, alguns autores afirmam que de 50% a 60% existem resultados significativos no ganho de força 27. Estudos como o de Carvalho 26 consideram que as respostas obtidas em idosos sejam parecidas ou até superiores com as encontradas na população adulta. Campbell 40 avaliou a evolução da força muscular em 12 idosos (oito homens e quatro mulheres), no grupo etário de 56 a 80 anos. Após 12 semanas de treinamento com pesos (TP), aumentos significantes da força muscular foram verificados nos exercícios supino (30%), flexão de pernas (92%), remada baixa (24%), extensão de perna direita e esquerda (64% e 65%, respectivamente). Estudo realizado por Barbosa 23, que após submeter um grupo de

6 11 mulheres idosas a 10 semanas de exercício com pesos, verificou aumentos significantes na força muscular (25,9% e 49,1%, para tríceps e panturrilha, respectivamente) e na força de preensão manual de ambas as mãos (3% a 17%). Outros autores ainda relacionam o exercício resistido com a funcionalidade dos idosos, Brandon 41 submeteu 43 indivíduos, com média de idade de 72 anos, a 16 semanas de TP. Os resultados indicaram aumento de 51,7% na força máxima de membros inferiores, concomitantemente, com melhorias significantes nas tarefas de levantar da cadeira, caminhar e retornar à posição inicial e na tarefa de levantar do chão a partir da posição sentada. Frontera 20 observou, em idosos, por meio de estudo longitudinal, declínio anual da força entre 2,0 a 2,5%, para membros inferiores. Da mesma forma, Harries e Bassey 42 observaram redução de 15% por década na força muscular durante a sexta e a sétima década de vida, e declínio mais acentuado, cerca de 30%, em idades mais avançadas. Raso 18 relatou em seu estudo que a força de mulheres idosas decresce após um período de oito semanas de interrupção de treinamento com pesos. No grupo controle ao qual não foi submetido a nenhuma intervenção ficou evidente a diminuição da massa muscular no período da pesquisa. Como um estudo experimental, esta pesquisa buscou comprovar a eficácia a novas intervenções realizadas, independentemente do resultado obtido, foi de extrema satisfação e imenso aprendizado a construção desse trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 Ibge.gov.br.Brasília: Intituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Acesso em 20 Agosto de Disponível em Powers SK, Howley ET. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 5ª ed. São Paulo: Manole, Brasileiro JS, Castro CES, Parizotto NA. Parâmetros manipiuláveis clinicamente na estimulação elétrica neuromuscular (NMES).Rev fisioter Brás.2002, 3(1): Evangelista AR. Estudo comparativo do uso da eletroestimulação na mulher associada com atividade física visando à melhora da performance muscular e redução do perímetro abdominal. R Fisioter Brasil. 2003; 4(1): Longo GJ, Fuirini NJ. Estimulação elétrica para fortalecimento e alongamento muscular. Curitiba: KLD Brosistemas Eq. Eletrônicos, Low J, Reed A. Eletroterapia explicada: princípios e práticas. 3ª ed. São Paulo: Manole, Ghorayeb N, Barros TLN. O exercício: preparação fisiológica, avaliação médica, aspectos especiais e preventivos.são Paulo: Livraria Atheneu, Silva NL, Farinatti PTV. Influência de variáveis do treinamento contra-resistência sobre a força muscular de idosos: uma revisão sistemática com ênfase nas relações dose-resposta. R Bras Med Esp. 2007;13(1): Pereira MRI, Gomes PSC. Testes de força e resistência muscular: confiabilidade e predição de uma repetição máxima. Rev Bras Med Esp.2003; 9(5):

7 10 Fiatarone MA, Marks EC, Ryan ND, Meredith CN, Lipsitz LA, Evans WJ. High intensity strength training in nonagenarians. JAMA.1990;263 (30): Carvalho J, Oliveira J, Magalhães J,Ascensão A, Mota J, Soares JMC. Força muscular em idosos. R Port Cien Desp. 2004;4(1): Campbell WW, Crim MC, Young VR, Evans WJ. Increased energy requirements and changes in body composition with resistance training in older adults. Am J Clin Nutr. 1994;60(2): Barbosa, AR, Santarém JM, Jacob WF, Marucci MFN. Composição corporal e consumo alimentar de idosas submetidas a treinamento contra resistência. R Nutr. 2001; 14(3): Brandon LJ, Boyette LW, Gaasch DA, Lloyd A. Effects of lower strength training on functional mobility in older adults. J Aging Phys Act. 2000;8: Frontera WR, Dawson DM, Slovik DM. Exercício físico e reabilitação. Porto Alegre: ARTMED, Harries UJ, Bassey EJ.Torque-velocity relationships for the knee extensors in women in their 3rd and 7th decades. Eur J Appl Physiol Occup Physiol. 1990;60(3): Raso V, Matsudo SMM, Matsudo VKR. A força muscular de mulheres idosas decresce principalmente após oito semanas de interrupção de um programa de exercícios com pesos livres. R Bras Med Esp. 2001;7(6):

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA BRUNO MACHADO REMOR

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA BRUNO MACHADO REMOR UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA BRUNO MACHADO REMOR CORRENTE RUSSA VERSUS EXERCÍCIO RESISTIDO NA AVALIAÇÃO DO FORTALECIMENTO MUSCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Tubarão, 2008 BRUNO MACHADO REMOR

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR DE MÉDIA FREQÜÊNCIA NA REDUÇÃO DA PERIMETRIA ABDOMINAL NA MULHER ESTUDO DE CASO

O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR DE MÉDIA FREQÜÊNCIA NA REDUÇÃO DA PERIMETRIA ABDOMINAL NA MULHER ESTUDO DE CASO O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR DE MÉDIA FREQÜÊNCIA NA REDUÇÃO DA PERIMETRIA ABDOMINAL NA MULHER ESTUDO DE CASO Giselle Freitas Barbalho 1,2, Orlando Souza de Menezes 2 ; Thiago Gonçalves Alves

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

Universidade Cidade São Paulo Priscila Alves Cardozo R.A 1919228-3. Curso de Pós-Graduação Latu Sensu Fisioterapia Aquática

Universidade Cidade São Paulo Priscila Alves Cardozo R.A 1919228-3. Curso de Pós-Graduação Latu Sensu Fisioterapia Aquática Universidade Cidade São Paulo Priscila Alves Cardozo R.A 1919228-3 Curso de Pós-Graduação Latu Sensu Fisioterapia Aquática Trabalho da disciplina Métodos e Manuseios em Fisioterapia Aquática como exigência

Leia mais

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS 27 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS ANSWER TO THE EXERCISE WITH WEIGHTS FOR GROUPS OF DIFFERENT AGE RANGE IN HUMANS

Leia mais

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE?

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? Amaral, Mayra Ternes¹; Noronha, Alessandra Ferreira de² ¹Pós Graduanda em Fisioterapia Dermatofuncional Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada (CEAFI - Pós graduação);

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL

EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL Márcio Luis Carvalho 1 Gilson Brun 2 Matheus Uba Chupel 3 William Cordeiro de Souza 4 Wallace Bruno de Souza 5 Marcos

Leia mais

Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação

Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não... Comparação antropométrica, força muscular e equilíbrio entre idosos praticantes e não praticantes de musculação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos

Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos VANDERSON CUNHA DO NASCIMENTO 1 JOSIANE DA SILVA TRINDADE 2 EDILÉA MONTEIRO DE OLIVEIRA 3

Leia mais

Santo André, 18 de fevereiro de 2016. Ao CREFITO-3 DRA. ANICE DE CAMPOS PÁSSARO DR. HILDEBRANDO DE BARROS RIBEIRO

Santo André, 18 de fevereiro de 2016. Ao CREFITO-3 DRA. ANICE DE CAMPOS PÁSSARO DR. HILDEBRANDO DE BARROS RIBEIRO Parecer n.01/2016 Ao CREFITO-3 DRA. ANICE DE CAMPOS PÁSSARO DR. HILDEBRANDO DE BARROS RIBEIRO Parecer n.01/2016. Processo de consulta: CREFITO-3/CEDF N 51/2015 Assunto: CrossFit Da Consulta Trate-se do

Leia mais

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos Fisioterapia TCC em Re-vista 2010 79 BURANELLO, Mariana Colombini 13. Equilíbrio corporal e risco de queda em idosas que praticam atividades físicas e idosas sedentárias. 2010. 19 f. Trabalho de Conclusão

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO DE FUNCIONÁRIOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO

ACIDENTE DE TRABALHO DE FUNCIONÁRIOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2012, v. 15, edição especial, p. 01 06 ACIDENTE DE TRABALHO DE FUNCIONÁRIOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

A eficácia do treinamento auditivo em idosos

A eficácia do treinamento auditivo em idosos A eficácia do treinamento auditivo em idosos Palavras chave: audição, testes auditivos, envelhecimento Atualmente o envelhecimento populacional é um acentuado fenômeno mundial. Muitas deficiências sensoriais

Leia mais

resistido sobre a marcha e equilíbrio do idoso

resistido sobre a marcha e equilíbrio do idoso Comparação entre os exercícios baseados no pilates solo versus exercício ARTIGO ORIGINAL ISSN 1677-5090 2013 Revista de Ciências Médicas e Biológicas Comparação entre os exercícios baseados no pilates

Leia mais

O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO MUSCULAR COM CORRENTE DE MÉDIA FREQUÊNCIA ASSOCIADA AO EXERCÍCIO RESISTIDO NO MÚSCULO GLÚTEO MÁXIMO: ESTUDO DE CASO

O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO MUSCULAR COM CORRENTE DE MÉDIA FREQUÊNCIA ASSOCIADA AO EXERCÍCIO RESISTIDO NO MÚSCULO GLÚTEO MÁXIMO: ESTUDO DE CASO O USO DA ELETROESTIMULAÇÃO MUSCULAR COM CORRENTE DE MÉDIA FREQUÊNCIA ASSOCIADA AO EXERCÍCIO RESISTIDO NO MÚSCULO GLÚTEO MÁXIMO: ESTUDO DE CASO Edilane Gonçalves MONÇÃO¹*, Wálace Érick de Medeiros MOURA²,

Leia mais

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO Prof. Esp.* ANDRÉ LEONARDO DA SILVA NESSI Prof. Ms.**AIDE ANGÉLICA DE OLIVEIRA Prof. Dra.*VILMA NATIVIDADE *Universidade Anhembi

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA PARA IDOSOS ARACAJU -SE

TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA PARA IDOSOS ARACAJU -SE Artigo de Revisão Pós-graduação Lato Sensu em Fisiologia e Avaliação Morfofuncional - Universidade Gama Filho TREINAMENTO DE FORÇA E POTÊNCIA PARA IDOSOS ARACAJU -SE Antônio Evaldo dos Santos Anderson

Leia mais

O USO DA CORRENTE RUSSA PARA PROMOVER O FORTALECIMENTO DOS MÚSCULOS PEITORAL MAIOR E MENOR*

O USO DA CORRENTE RUSSA PARA PROMOVER O FORTALECIMENTO DOS MÚSCULOS PEITORAL MAIOR E MENOR* O USO DA CORRENTE RUSSA PARA PROMOVER O FORTALECIMENTO DOS MÚSCULOS PEITORAL MAIOR E MENOR* Scheila Antonio** Aderbal Silva Aguiar Jr.** RESUMO A estimulação elétrica está conquistando um espaço cada vez

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA COMO PREVENÇÃO PARA OSTEOPOROSE EFFECT OF STRENGTH TRAINING HOW ON TO PREVENT OSTEOPOROSIS

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA COMO PREVENÇÃO PARA OSTEOPOROSE EFFECT OF STRENGTH TRAINING HOW ON TO PREVENT OSTEOPOROSIS Artigo de Revisão EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA COMO PREVENÇÃO PARA OSTEOPOROSE EFFECT OF STRENGTH TRAINING HOW ON TO PREVENT OSTEOPOROSIS CORRÊA, Daniel Alves Professor Titular da Rede Pública e Particular

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

A importância da estabilização central no método Pilates: uma revisão sistemática

A importância da estabilização central no método Pilates: uma revisão sistemática ISSN 0103-5150 Fisioter. Mov., Curitiba, v. 25, n. 2, p. 445-451, abr./jun. 2012 Licenciado sob uma Licença Creative Commons doi: 10.1590/S0103-51502012000200022 [T] A importância da estabilização central

Leia mais

TREINAMENTO RESISTIDO PARA IDOSOS SAUDÁVEIS RESISTED TRAINING FOR OLDERS HEALTH. Mayra Ternes 1, Alexandre Figueiredo Zabot 2

TREINAMENTO RESISTIDO PARA IDOSOS SAUDÁVEIS RESISTED TRAINING FOR OLDERS HEALTH. Mayra Ternes 1, Alexandre Figueiredo Zabot 2 TREINAMENTO RESISTIDO PARA IDOSOS SAUDÁVEIS RESISTED TRAINING FOR OLDERS HEALTH Mayra Ternes 1, Alexandre Figueiredo Zabot 2 1 Acadêmica do Curso de Fisioterapia da Universidade do Sul de Santa Catarina

Leia mais

Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ; Pereira, K.L. 3 e Carvalho, E.M. 3

Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ; Pereira, K.L. 3 e Carvalho, E.M. 3 68 Artigo Original Comparação da propensão de quedas entre idosos que praticam atividade física e idosos sedentários Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ;

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso REVISÃO DE LITERATURA: PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E GANHO DE FORÇA MUSCULAR Autor: Murilo de

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

FORÇA MUSCULAR DE MEMBROS INFERIORES E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS PRATICANTES DE PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO SUPERVISIONADO

FORÇA MUSCULAR DE MEMBROS INFERIORES E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS PRATICANTES DE PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO SUPERVISIONADO 176 FORÇA MUSCULAR DE MEMBROS INFERIORES E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS PRATICANTES DE PROGRAMA DE EXERCÍCIO FÍSICO SUPERVISIONADO Juliana Rosini da Silva 1 ; Tabata de Paula Facioli 1, Claudia Regina

Leia mais

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD Dailson Paulucio da Silva Graduando em Educação Física dailson_educacaofisica@yahoo.com.br

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO CELI, Jonathan Antônio 1 ; PANDA, Maria Denise Justo 2 Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira²

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira² COMPARAÇÃO DO EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO E SUA INFLUÊNCIA NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE SADIOS SEDENTÁRIOS MENSURADO PELO TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON WELLINGTON LUNZ INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências

Leia mais

Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos

Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Euripedes Barsanulfo Gonçalves Gomide 1 Agnelo de Almeida Martins 2 Thiago Chiarato 2 Resumo: O treinamento de força tornou-se

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia 65 ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS RESUMO Sônia Darque do Nascimento Brandão Thomaz Décio Abdalla

Leia mais

SÍNDROMES GERIÁTRICAS: PREVALÊNCIA DE FRAGILIDADE E IMOBILISMO EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

SÍNDROMES GERIÁTRICAS: PREVALÊNCIA DE FRAGILIDADE E IMOBILISMO EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS SÍNDROMES GERIÁTRICAS: PREVALÊNCIA DE FRAGILIDADE E IMOBILISMO EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS Fernanda Diniz de Sá (UFRN) fedinizsa@yahoo.com.br Vanessa Mayra INTRODUÇÃO Um dos maiores

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo

Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo Camila Viana Benzoni 1, Paulo Eduardo Gomes Ferreira

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA 3 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA BREVE NOTA SOBRE TREINAMENTO FUNCIONAL: VISÃO GERAL, OBJETIVO E METODOLOGIA. Goiânia/ 2012

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS

AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS MICHELLI, KÁTIA.¹ TAGLIETTI, MARCELO ² ROMERO, CRISTINA.³ Faculdade Assis Gurgacz-FAG, Cascavel-PR,

Leia mais

http://treinoparamulheres.com.br/ Página 1

http://treinoparamulheres.com.br/ Página 1 http://treinoparamulheres.com.br/ Página 1 Conteúdo Introdução... 4 Quais os três principais fatores para promover o crescimento muscular?... 5 Qual o Número de repetições ideal?... 6 Qual a melhor forma

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO

Leia mais

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública Por Guilherme Wendt, Equipe SIS.Saúde INTRODUÇÃO Devido aos avanços técnico-científicos observados no mundo, consequentes transformações foram percebidas,

Leia mais

Minerais e Vitaminas como Fontes Ergogênicas. Magnésio, Zinco, Cálcio e Vitaminas B1 e B6.

Minerais e Vitaminas como Fontes Ergogênicas. Magnésio, Zinco, Cálcio e Vitaminas B1 e B6. Minerais e Vitaminas como Fontes Ergogênicas Magnésio, Zinco, Cálcio e Vitaminas B1 e B6. Minerais e Vitaminas como Fontes Ergogênicas Magnésio, Zinco, Cálcio, Vitaminas B1 e B6. Historicamente o homem

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física BRUNA COSTA MARTINS EFICIÊNCIA DA PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS ATRAVÉS

Leia mais

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento TCC em Re vista 2009 85 PRADO, Fernanda Peres 13. Análise do estresse oxidativo no plasma sanguíneo através da microscopia óptica em indivíduos submetidos à crioimersão corporal imediata ao esforço físico

Leia mais

TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO

TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO TREINAMENTO COM PESOS, SAÚDE E ENVELHECIMENTO FORÇA E ENVELHECIMENTO MODIFICAÇÕES FUNCIONAIS COMPORTAMENTO FORÇA MUSCULAR Força Muscular 12 a 15% por década. Gobbi et al. (2005) Sarcopenia é um termo genérico

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA

OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA OFICINA DE SAÚDE PARA IDOSOS DO GRUPO REVIVENDO A VIDA Autor 1: Elza Maria Santos da Silveira Titulação:Fisioterapeuta Instituição: UniRitter Endereço eletrônico: elzamss@yahoo.com.br Autor 2: Denise Costa

Leia mais

Artigo de Revisão Pós-graduação Latu-Sensu em Fisiologia do Exercício e Avaliação-Morfofuncional Universidade Gama Filho

Artigo de Revisão Pós-graduação Latu-Sensu em Fisiologia do Exercício e Avaliação-Morfofuncional Universidade Gama Filho A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO COM PESO EM MULHERES COMO PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA EFFECTS OF WEIGHT TRAINNING IN WOMEN AS OSTEOPOROSIS PREVENTION A BIBLIOGRAPHIC REVIEW MARISA MELLO

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL FRANKLIN GONÇALVES PEREIRA Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA. Influência de 10 semanas de treinamento resistido em mulheres entre 50 e 75 anos

EDUCAÇÃO FÍSICA. Influência de 10 semanas de treinamento resistido em mulheres entre 50 e 75 anos EDUCAÇÃO FÍSICA Influência de 10 semanas de treinamento resistido em mulheres entre 50 e 75 anos Roseli Mendes Chife Pesquisadora Marco C. Uchida Orientador Resumo Introdução: Atualmente pessoas de todas

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica EFEITOS DE UM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA NO GANHO DE FORÇA MUSCULAR E VARIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES PARTICIPANTES DE MUSCULAÇÃO DE ACADEMIA 234 Cristina Silva da Mata 1,2, Cindi Cristina

Leia mais

PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Thatyana Costa Brandão, Rodrigo da Rosa IOP**... * Acadêmica de Fisioterapia da UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão-SC, ** Professor

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Raquel Lino de Menezes 8, Francielda Geremias da Costa Luz¹, Maycon Allison Horácio de

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO CARLOS VINÍCIUS DA SILVA BARBOSA, CAIO VICTOR COUTINHO DE OLIVEIRA, ALEXANDRE SÉRGIO SILVA, JANAINA CÂNDIDA RODRIGUES

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL ALTERAÇÕES DA AGILIDADE E RESISTÊNCIA AERÓBIA EM IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO APÓS PERÍODO DE INTERRUPÇÃO

ARTIGO ORIGINAL ALTERAÇÕES DA AGILIDADE E RESISTÊNCIA AERÓBIA EM IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO APÓS PERÍODO DE INTERRUPÇÃO ARTIGO ORIGINAL ALTERAÇÕES DA AGILIDADE E RESISTÊNCIA AERÓBIA EM IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO APÓS PERÍODO DE INTERRUPÇÃO CHANGES IN AEROBIC STRENGHT AND AGILITY IN ELDERLY PRACTICING PHYSICAL

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS

DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE IDOSOS Vanessa Almeida Santos Vanessa Perez Casado Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO De acordo com Mahan, Escott- Stump (2010) o envelhecimento é um

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN.

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN. ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN. GIULLIANA M. MORAIS DE SOUSA 1, JOSÉ E. SOBRINHO 2, MÁRIO M. VILLAS BOAS 3, GERTRUDES M.

Leia mais

Relação entre aptidão muscular e amplitude articular, por faixa etária, na marcha do idoso

Relação entre aptidão muscular e amplitude articular, por faixa etária, na marcha do idoso Marcha do idoso aptidão muscular e amplitude articular 377 Relação entre aptidão muscular e amplitude articular, por faixa etária, na marcha do idoso Relationship between muscle fitness and extent articular

Leia mais

Sistemas de Treino de Força Muscular

Sistemas de Treino de Força Muscular Sistemas de Treino de Força Muscular Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Considerações iniciais Poucos

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana O Método Pilates e os seus Efeitos em Termos de Autoeficácia na Musculatura do Pavimento Pélvico em Mulheres com Incontinência Urinária de

Leia mais

EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER

EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFFECTS OF PARTICIPATION IN THE PROGRAM " MENTE ATIVO" IN BALANCE AND COGNITIVE FUNCTION

Leia mais

Implicações da Neurodinâmica

Implicações da Neurodinâmica Implicações da Neurodinâmica ATLETA Abril 2016 TIAGO GAMELAS CONTEÚDO PROGAMÁTICO Mobilização do Sistema Nervoso Neurodinâmica. Implicações no Atleta. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Conhecer o conceito de Neurodinâmica.

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

BENEFÍCIOS DA HIDROGINÁSTICA PARA OS PORTADORES DE OSTEOPOROSE

BENEFÍCIOS DA HIDROGINÁSTICA PARA OS PORTADORES DE OSTEOPOROSE BENEFÍCIOS DA HIDROGINÁSTICA PARA OS PORTADORES DE OSTEOPOROSE Linda Moreira lindapfrimer@hotmail.com Universidade Católica de Goiás Revista Estudos, v.31, n.1, p. 57-66, jan.2004. INTRODUÇÃO: A Osteoporose

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

movimento & saúde REVISTAINSPIRAR

movimento & saúde REVISTAINSPIRAR EFEITOS DO EXERCÍCIO RESISTIDO SOBRE A FORÇA MUSCULAR DE IDOSOS: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Effects of resistance exercise on the muscle strength of elderly: a review of the literature. Caroline da Silva

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS FATORES DE RISCO PARA OSTEOPOROSE E QUEDAS EM VISITANTES DO ESTANDE DA LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA DO XVI ECAM

LEVANTAMENTO DOS FATORES DE RISCO PARA OSTEOPOROSE E QUEDAS EM VISITANTES DO ESTANDE DA LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA DO XVI ECAM LEVANTAMENTO DOS FATORES DE RISCO PARA OSTEOPOROSE E QUEDAS EM VISITANTES DO ESTANDE DA LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA DO XVI ECAM Patrícia Azevedo Garcia 1,3,4 ; Ludmilla Pinto Guiotti Cintra 1,3,4

Leia mais

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO.

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. THE EFFECTS OF STRENGTH TRAINING ON THE POWER AND THE SPEED IN ATHLETES OF FUTSAL OF

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR NO DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS

EFEITO DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR NO DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS Recebido em: 27/02/2009 Emitido parece em: 17/03/2009 Artigo original EFEITO DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR NO DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS Suzana Raquel Carvalho Costa 1, André Gustavo

Leia mais

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO 1 Epidemiologia, Atividade Física e Saúde Efi gênia Passarelli Mantovani Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida Unicamp Vera Aparecida Madruga Forti Profa. Dra. do Departamento de Estudos

Leia mais

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

TÍTULO: O BENEFÍCIO DO MÉTODO PILATES NO EQUILÍBRIO DOS IDOSOS - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

TÍTULO: O BENEFÍCIO DO MÉTODO PILATES NO EQUILÍBRIO DOS IDOSOS - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA TÍTULO: O BENEFÍCIO DO MÉTODO PILATES NO EQUILÍBRIO DOS IDOSOS - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT Dança: Proposta para o ensino e desenvolvimento da aptidão física na disciplina de Qualidade de Vida nos cursos de engenharia do UTFPR Campus Cornélio Procópio Sônia Maria Rodrigues Selma Rodrigues Druzini

Leia mais

Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas

Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas Revista Mineira de Ciências da Saúde Patos de Minas: UNIPAM, (1): 32-41, ano 1, n. 1, 2009 Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas Cristiano Lino Monteiro de Barros

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS Flávia Regina Moleiro 1, Rose Mari Bennemann² RESUMO: O aumento da expectativa

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

EXERCÍCIOS COM CADEIRA

EXERCÍCIOS COM CADEIRA EXERCÍCIOS COM CADEIRA PROGRAMADOMICILIARDEEXERCÍCIOS Texto de Sheena Gawler Research Associate, Research Department of Primary Care e Population Health, University College London Medical School Co - Development

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais