Rio 2016: Aprendendo com o Gerenciamento da Construção das Olimpíadas de Londres

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rio 2016: Aprendendo com o Gerenciamento da Construção das Olimpíadas de Londres"

Transcrição

1 ` Universidade da Califórnia, Berkeley Departamento de Engenharia Civil Dezembro de 2012 Palavras-chave Olimpíadas; infraestrutura; gerenciamento de construção; gerenciamento de projeto; Rio 2016: Aprendendo com o Gerenciamento da Construção das Olimpíadas de Londres O Rio de Janeiro tem que entregar o Parque Olímpico, a Vila Olímpica e realizar melhorias na estrutura de transporte antes dos Jogos Olímpicos de Pode-se aprender muito com Londres, que realizou tudo dentro do prazo, abaixo do orçamento e com alta qualidade para os Jogos Olímpicos de O governo, parceiro de entrega, e terceirizadas britânicas completaram todas as principais instalações e obras de infraestrutura um ano antes dos Jogos. Ao fazer isso, eles gastaram 6,8B dos 8,1B originalmente orçados. Daniel Zayas Pesquisador da UC Berkeley linkedin.com/in/danielzayas/pt University of California, Berkeley Assim como Londres 2012 renovou Lower Lea Valley, Rio 2016 desenvolve o bairro da Barra da Tijuca para os Jogos Olímpicos. O governo do Rio de Janeiro e vários parceiros de entrega são responsáveis pela construção do Parque Olímpico, da Vila Olímpica, e das melhorias na infraestrutura do transporte público. No Parque Olímpico, vão construir nove instalações para os jogos, uma Vila de Mídia, e muito desenvolvimento na infraestrutura. Na Vila Olímpica, vão edificar alojamentos para 14 mil atletas, e no transporte público, vão expandir a Linha 4 do metrô e implementar o sistema de Bus Rapid Transit. Os projetos que hoje estão sendo desenvolvidos no Rio já foram feitos em Londres. O Rio pode implementar os mesmos projetos e processos que trouxeram o sucesso da construção em Londres, e também aperfeiçoar seu desenvolvimento. Esta pesquisa descreve o sucesso do programa de construção de Londres 2012 na esperança de que as lições sejam passadas para o Rio Muitas informações vem de entrevistas pessoais com pessoas da Autoridade de Entrega Olímpica (AEO), o parceiro de entrega (CLM), e os coordenadores de design (ARUP). Estas incluem entrevistas pessoais com Jason Millett, Chefe de Estabelecimentos e Infraestrutura na CLM, bem como Kenna Kintrea, Chefe de Certificação da AEO. Com base em 9 entrevistas e 16 apresentações, esta pesquisa descreve cinco processos de gerenciamento de construção que foram essenciais para entregar o programa dentro do prazo, abaixo do orçamento, e com alta qualidade: 1. Fixando um Patamar Inteligente e Mantendo-se Transparente 2. Monitorando o Programa e Gerenciando Mudanças 3. Colaborando em Nível de Projeto 4. Alinhando Objetivos do Governo, do Parceiro de Entrega, e dos Terceirizados 5. Dividindo Espaço: Logística e Integração Esta pesquisa foi escrita pela perspectiva do cliente (AEO) e parceiro de entrega (CLM). Noventa e seis terceirizados de nível um que estiveram no campo entregando os 70 projetos do programa, e eles exercitaram bastante gerenciamento de projetos também. Apesar da CLM ter agido como gerenciador da construção, em torno de 90% do orçamento foi alocado para os terceirizados de nível um e os sub-terceirizados que estes contrataram. Esta pesquisa foca nos estabelecimentos e infraestrutura do Parque Olímpico. Tanto a Vila quanto o Transporte tiveram seus próprios gestores e seguiram um processo de relatório um pouco diferente. Em 2008, a CLM tornou-se responsável pelo gerenciamento do programa da construção da Vila, e eles implementaram muitos dos processos de gerenciamento descritos neste relatório. Outros membros do governo, entretanto, foram responsáveis pelo gerenciamento das melhorias do transporte ao redor do Parque, para o qual a AEO contribuiu com 529M.

2 Figura 1: Orçamento do Programa 13,14,15,16,17,18 Figura 2: Cronograma do Programa 13 Experiência: Organização e Orçamento Quatro grupos diferentes trabalharam juntos para entregar o Programa Londres O AEO, um corpo governamental de fundos públicos, foi o cliente, que se deparou com investidores diretos. 7 Eles trabalharam para manter o governo central, operadores do período dos Jogos, Comitê Olímpico Internacional, federações esportivas, e residentes próximos felizes com o programa. CLM, um consórcio privado, foi o parceiro contratado para fazer a entrega do projeto, que monitorou e atuou como gerenciador construtivo. Eles trabalharam com os designers e terceirizados para construir o Parque. O grupo de design foi constituído de arquitetos e engenheiros de uma variedade de empresas Britânicas e internacionais. Finalmente, cerca de mil terceirizados diferentes foram a campo construir o projeto. Isso inclui 96 terceirizado de nível um, contratados pela AEO e CLM, como também 896 sub-terceirizados que trabalharam sob o gerenciamento dos terceirizados de nível um. 20 O orçamento de 2007 foi estabelecido em 6,1B para todos os projetos, mais 1B de contingência para níveis de risco em potencial do programa (integração, aceleramento, insolvência, e disputas industriais), e 1B da contingência dos fundadores para mudanças drásticas em potencial no escopo do projeto (Figura 1). O orçamento de 6,1B do projeto incluiu apenas 500M para Vila Olímpica e Centro de Mídia porque assumiu que investidores privados iriam prover fundos para o restante. Depois da crise econômica de , os fundos do setor privado para a Vila e o Centro de Mídia esgotaram-se. A inesperada crise de fundos significava que a AEO estaria lidando com o pagamento de 1,3B pela Vila e 300M pelo Centro de Mídia oriundos de fundos próprios. Eles recuperaram quase 400M vendendo partes da Vila, mas eles tiveram que entrar diretamente com um adicional de 600M- 700M. O orçamento foi reestruturado algumas vezes durante o curso do programa, mas no final a AEO gastou 6,8B. Em outras palavras, eles gastaram mais ou menos 700M do total dos fundos de contingência que eles tinham originalmente, que em sua maioria foi utilizado para cobrir a crise inesperada de fundos do setor privado. Os fundos de Contingência do Programa também foram utilizados para compensar os terceirizados por problemas de integração e aceleramento. 1. Fixando um Patamar Inteligente e Mantendo-se Transparente Criar um patamar inteligente para o programa, referenciado como livro amarelo, foi essencial para manter o controle do escopo do trabalho, conduzir a economias durante o design e defender o programa frente às reclamações dos investidores (Figura 3). David Birch, Diretor do Controle do Programa na CLM, disse, o livro amarelo produzido no fim de 2007 foi um documento essencial para todos no programa. Ele formou a base do nosso controle de mudança. Ele capturou o escopo do trabalho que nós tínhamos que entregar, o custo daquele trabalho, o tempo daquele trabalho, e todos os riscos associados, suposições, e exclusões. Todos desde o executivo chefe faziam referência ao livro amarelo. Era um documento essencial na mesa de todos. 2 Ser transparente para os investidores e a imprensa até o fim do programa evitou que se fosse criado algum problema sério para o time construtor. O objetivo do patamar foi estabelecer orçamentos razoáveis em cada projeto individual, o que direcionou a algumas economias de escopo prévios a Novembro de Economias de escopo originaramse da remoção de partes do Parque que não pareciam ser de bom valor pelo dinheiro para alcançar um orçamento que a AEO pudesse pagar. Mark Thurston, chefe dos projetos das Estruturas, Pontes, e Rodovias (SB&H) da CLM, disse que eles originalmente orçaram um custo de 800M e foi reduzido para 600M. Eles removeram do escopo. Eles fizeram algumas pontes serem temporárias. Eles removeram algumas pontes. Mudaram a maneira que algumas rodovias seriam configuradas Foi o número [ 600M] e aquele escopo que foram assados no livro amarelo. 23 Os projetos também alcançaram economia na engenharia-de-valor (veja Colaborando no Figura 3: Patamar do Programa (o livro amarelo ) 20 2 University of California, Berkeley - Civil Engineering 2012 Daniel Zayas All Rights Reserved

3 Nível de Projeto). O livro amarelo foi utilizado também para manter os investidores a par, pessoas que poderiam interromper os projetos ao exigir mudança no escopo. No exemplo do Velódromo, investidores incluíram os operadores do período dos Jogos (LOCOG), federações como a Associação de Ciclistas Britânicos, residentes próximos, e os contribuintes Britânicos. O Chefe de Certificação da AEO Kenna Kintrea explicou que, ao publicar o livro amarelo em Novembro de 2007, nós dissemos, aqui está o que estamos fazendo e o que nós não estamos fazendo. Se as pessoas quisessem nos questionar sobre várias coisas, nós teríamos como argumentar. Uma vez tomada uma decisão, nós não voltávamos atrás. 9 Na mesma linha de pensamento, Caroline Blackman, Chefe do Desenvolvimento Organizacional da CLM, disse, a beleza do envolvimento prematuro do terceirizado e do envolvimento prematuro do investidor é que nós não terminamos com muitas mudanças de escopo porque nós realmente tínhamos planejado todos os elementos do parque antecipadamente. 3 Permanecer transparente durante a duração do programa também foi crítico para ganharmos os corações e mentes do público e da mídia. Tanto o grupo de investidores ou a imprensa poderiam ter causado atrasos ou adicionado custos ao exigir auditorias durante a construção. Então, a AEO os providenciou constantemente atualizações de progresso. David Birch, Chefe de Controle do Programa na CLM, explicou que a CLM fez um esforço para assegurar que todas as partes utilizariam o mesmo conjunto de dados. Tinha apenas uma fonte única da verdade. 20 Isso fez com que fosse possível para a CLM agregar Medindo o Sucesso do Programa Os participantes do projeto Londres 2012 foram bem-sucedidos em atingir os objetivos do tema prioritário em adição a entrega do Parque no tempo certo e abaixo do orçamento. O Parque Olímpico foi construído para transformar o Vale Lower Lea em uma área vibrante que será utilizada a longo prazo. Este foi o princípio fundamental tanto por trás do tema Legado quanto do Design e Acessibilidade. A AEO também queria que Londres 2012 fossem os Jogos mais sustentáveis já realizados (o tema Sustentabilidade ), que fosse construído com segurança ( Saúde, Segurança, e Seguro ), e treinar a mão-de-obra ( Emprego e Habilidades ). Eles também eram preocupados em ter processos de compra justos assim como empregar pessoas de etnias minoritárias ( Igualdade e Inclusão ). O uso do Legado foi a base para objetivos de design e outros temas prioritários foram escritos nos contratos de nível um. O design do Parque foi feito para o uso do Legado e valor pelo longo prazo. As instalações serão rapidamente transformadas no uso do Legado. Terceirizados de nível um tiveram alguns dos seus requerimentos para temas prioritários escritos em seus contratos, e a CLM foi obrigada a relatar o progresso do tema prioritário. dados do seu Relatório mensal de Status do Projeto em relatórios bimestrais para a AEO, que então publicava relatórios bimestrais e anuais para o público. Se um projeto estivesse atrasado, o AEO não queria anunciar abruptamente para os residentes próximos ou para imprensa que o projeto ainda precisaria de mais 6 meses para ser concluído Monitorando o Programa e Gerenciando Mudanças A AEO e a CLM desenvolveram uma maneira simples e robusta de monitorar o programa, que articulou-se em quatro ferramentas essenciais: o patamar do programa (também conhecido como o livro amarelo ), o controle de mudança baseado na web (também conhecido como o microchip ), os Notificações Prematuras (também conhecidos como EWNs), e os Relatórios de Status do Projeto (também conhecidos como PSRs). A figura 4 mostra que o livro amarelo foi constantemente mudado pelo microchip, que era informado pelos EWNs, que era dirigido pelos PSRs, que então eram comparados de volta ao livro amarelo. Monitorar o programa não é tarefa fácil, e foi de responsabilidade conjunta do setor de compras da CLM, Controles Comerciais, e grupos de Gerenciamento de Riscos. Eles foram bem sucedidos porque eles colaboraram uns com os outros para criar estas ferramentas, que quando integradas formaram um sistema de monitoramento simples e robusto. Notem que, apesar de terem profissionais de compra, o AEO estava quase em sua maioria olhando para o fluxo acima e gerenciando os investidores enquanto que a CLM estava gerenciando os contratos, controles e risco. O AEO e CLM escolheram usar um formato de contrato chamado NEC3 porque os permitia ser colaborativos, proativos, e flexíveis com terceirizados de nível um. Através dos contratos, eles solicitavam livro amarelo microchip Relatórios de Status do Projeto (PSRs) Notificações Prematuras (EWNs) Figura 4: Dinâmica das Mudanças do Orçamento e Cronograma 20 Figura 5: Relatório de Status do Projeto (PSR) 20 3 University of California, Berkeley - Civil Engineering 2012 Daniel Zayas All Rights Reserved

4 comunicação formal através dos Pedidos de Informação [Requests for Information] (RFIs), encorajou colaboração via Notificações Prematuras [Early Warnings] (EWNs), e evitou atrasos via Instruções Combinadas e Eventos de Compensação (CI/CEs). Em termos de flexibilidade, eles podiam deixar uma versão do contrato no modelo preço-alvo mais dor/ganho quanto preço fixo dependendo do nível de completude do design. A aquisição, no entanto, apenas cria um ponto de início. A CLM teve que investir tempo e dinheiro para atualizar o livro amarelo, criar PSRs, monitorar EWNs, e gerenciar o microchip. O livro amarelo foi chave para manter o controle do escopo do trabalho, despesas, e cronograma de todos os diferentes projetos durante o curso do programa. Foi o benchmark que o grupo de Controles do Programa na CLM usou para determinar o desempenho de um projeto. Em seus Relatórios de Status do Projeto (PSRs), a CLM relatou a porcentagem completada, as variações no cronograma, e a contingência restante, todos nos quais foram calculados com referência ao livro amarelo. Se um projeto mudasse, essa mudança era refletida no livro amarelo. Durante escavação, por exemplo, terceirizados encontraram bombas antigas deixadas pela Segunda Guerra Mundial. Isto foi totalmente inesperado, e escavar bombas não fazia parte do escopo original do trabalho. Depois de mudar o controle, o patamar era atualizado para compensar esses terceirizados pelas (ainda bem que não explosivas) interrupções, e a próxima versão do livro amarelo incluía estas mudanças. Quando os Jogos começaram em 2012, o patamar estava atualizado, desta vez na forma de um livro negro que descrevia o trabalho ainda residual. O Relatório de Status do Projeto (PSR) era tanto confiável, em termos de integridade de dados, quanto funcional, em termos de leitura e agregar os dados. A CLM relatou mensalmente em cada marco do projeto, previsões do cronograma, custos, previsões de custos, registro de segurança, temas prioritários, garantia da qualidade de cada projeto (Figura 5). Os terceirizados e gerenciadores de projetos da CLM coletavam dados, e este mesmo conjunto de dados era usado na cadeia de produção de relatórios. De acordo com David Birch, Chefe de Controles do Programa na CLM, Os elementos contidos aqui foram utilizados pela CLM e a AEO para relatar a Figura 6: Controle de Mudança (o microchip ) 20 quem quer que seja. Se algum desses grupos falassem sobre um perfil de orçamento específico ou marco, ele consistentemente utilizavam as mesmas datas e mesmo status. 1 Os PSRs eram padronizados, claros, e simples (aproximadamente 30 páginas). Eles relatavam usando as mesmas métricas ao mesmo tempo, para que os PSRs pudessem ser agregados dentro do Relatório do Programa. Notificações Prematuras (EWNs) foram chave para mitigar antecipadamente os riscos no projeto. Dennis Hone, chefe Executivo da AEO, disse, Isto os força a trazer à tona para nós problemas o mais cedo possível, e dita uma cronologia para esses problemas serem resolvidos. 8 Russel Newman explicou que este grupo de Gerenciamento de Risco criou uma equipe de insolvência, por exemplo, para agir imediatamente se um terceirizado de nível mais baixo aparentasse que iria falir. 25 Isto ajudou a mitigar o risco de insolvência e evitou gastar a contingência. A CLM usou uma ferramenta com base na web, chamada de microchip, para manter o controle de todas a RFIs, EWNs, e CI/CEs (Figura 6). Essencialmente, o microchip foi o processo de controle de mudança. De acordo com Ken Owen, Diretor Comercial na CLM, foi o que fez os contratos NEC3 funcionar. Para qualquer fornecedor que tinha um contrato NEC, nós treinamos seus funcionários para usar esta ferramenta. Qualquer contrato de comunicação formal, se era uma RFI, EWN, ou evento de compensação, era gerenciado nesta ferramenta colaborativa baseada na rede. Então, nós pudemos entender o risco de como os contratos estavam sendo gerenciados. Se eu estivesse numa ilha deserta e eu pudesse levar alguma coisa desse projeto, esta seria uma das coisas que eu levaria como Diretor Comercial University of California, Berkeley - Civil Engineering 2012 Daniel Zayas All Rights Reserved

5 Para fazer este microchip funcionar, todos os grupos de compras, comercial, controles, e de gerenciamento de risco da CLM precisaram trabalhar juntos. O grupo de compras da CLM-AEO elaborou contratos que requeriam que todas as partes utilizassem RFIs, EWNs, e CI/CEs. O grupo Comercial trabalhou em conjunto com os terceirizados e os ensinou a usar RFIs, EWNs, e CI/CEs. Eles também gerenciaram o microchip, processando mudanças em tempo real e atualizando o patamar. O Grupo de Controles na CLM coletaram dados de cada um dos 70 projetos, compararam com os dados do patamar, e criaram relatórios tanto em nível do projeto quanto em nível do programa. Os relatórios e Notificações Prematuras identificaram riscos em potencial. Se estes riscos não fossem mitigados, eles viravam ordens de mudança, que eram retroalimentadas no microchip. A CLM era bem sucedida em monitorar o programa por que eles tinham boas ferramentas e pessoas que se uniram para criar um sistema de monitoramento simples e robusto. 3. Colaborando em Nível do Projeto Instalações, Assentos, e Pontes Temporários Instalações, assentos, e pontes temporários foram chave para o sucesso do programa Londres 2012, na maioria dos casos no valor-pelo-dinheiro pós-jogos, mas também em termos de entrega do programa no tempo certo e abaixo do orçamento. Estes bens temporários foram utilizados para fazer o design do Parque para uso do Legado, e eles foram escritos cedo no escopo do trabalho (o livro amarelo de 2007). A ideia era fazer design para o legado, e depois transferir os requisitos para os Jogos, disse Mark Thurston, Chefe de Estruturas, Pontes, e Rodovias da CLM. 23 Isto reduziu significantemente o custo de propriedade do Parque depois dos Jogos, e também teve implicações significativas no custo durante o design e construção. Jason Millett, Chefe de Instalações e Infraestrutura da CLM, disse, Eu, pessoalmente, acho que [utilizar] instalações temporárias foi chave para nosso sucesso. 12 Londres não terá que pagar para a manutenção e operação dos bens temporários depois dos Jogos. As instalações, assentos, e pontes temporários também tiveram design mais simples e com vidas mais curtas, o que reduziu os custos. Considere a Arena de Polo Aquático e de Basquete. Era mais complicado contratar instalações temporárias por que não eram estruturas tradicionais e eles requeriam escopos de trabalho flexíveis. 6 Londres também pode revender instalações temporárias e assentos para outros países, ou reutilizá-los internamente dentro do Reino Unido. Cada equipe de designers, terceirizados, gerentes de projeto da CLM colaboraram para poupar o dinheiro de engenharia de valor e gerar economias durante a construção. A equipe de projeto da Velopark, que construíram o Velódromo e trilha BMX, serve como exemplo. A ISG, terceirizada de nível um no Velódromo, colaborou com os seus designers e gerentes de projeto da CLM para poupar tempo e dinheiro no design do teto. Eles mudaram o telhado de aço estrutural para telhado de rede de cabos. Davendra Dabasia, Chefe do Velopark para a CLM, explicou, Nós adiantamos 1M, para um produto [telhado de rede de cabos] que ainda nem tinha sido feito do design. A equipe do projeto inteiro tinha que estar abordo [a ISG, o engenheiro estrutural, o arquiteto, e a CLM]. Nós assumimos o risco como um time. 4 No final, o redesign do teto poupou para o projeto vários milhões de Libras Esterlinas e o Velódromo foi completado um mês antes em Janeiro de A CLM relatou um total de 120M de engenharia de valor poupados no programa inteiro. 20 A ISG e a CLM dividiram a responsabilidade na construção do Velopark, e eles colaboraram para fazer economias durante a construção. Quando Davendra Dabasia se juntou ao projeto, a ISG estava falando em usar aproximadamente 1.5M em andaimes para colocar a impermeabilização externa. Ao utilizar alternativas, eles pouparam aproximadamente 1M. A ISG e a CLM também tentaram comprar materiais e contrataram terceirizados de nível um no momento certo. Por exemplo, o pacote de trabalho do concreto do Velódromo foi originalmente orçado em 18M-19M, mas depois do processo competitivo de licitação foi comprado por 10.7M. Eles também compraram antecipadamente o aço para a armação, o que gerou uma economia de alguns milhares de Libras Esterlinas. A CLM relatou o equivalente a 150M de ganhos no setor de compras durante o programa inteiro Alinhando Objetivos do Governo, de Parceiros Construtivos, e dos Terceirizados Os objetivos de entrega da AEO foram alinhados com os Indicadores Chave de Performance [Key Performance Indicators] (KPIs) da CLM, e os KPIs da CLM foram alinhados com os contratos dos terceirizados. Isto foi essencial porque fez com que todos trabalhassem sincronizados. Dennis Hone, Executivo-Chefe da AEO, explicou, Se o projeto é entregue dentro do cronograma e custo, todas as partes atingem seus objetivos. Eu quero que a CLM faça dinheiro a partir deste projeto, por que se eles fizerem isso, todos os objetivos estão sendo atingidos. 8 Os objetivos de entrega da AEO foram alinhados com os da CLM, que tiveram seus ganhos em cima do que era chamado de Indicadores Chave de Performance (KPIs). Kenna Kintrea, Chefe de Certificação da AEO, disse que os objetivos de entrega da AEO incluía objetivos de orçamento, atingir marcos de alto nível, e atingir objetivos de temas de prioridade, todos os quais correspondem a KPIs. Por exemplo, os marcos que nós tínhamos nos comprometido em atingir eram os mesmos marcos que a CLM tinha em seus contratos, então os incentivos eram baseados ao redor dos mesmos marcos de custo e tempo da AEO. 9 Um KPI bastante conhecido era a conclusão das principais construções, também conhecido como A Grande Construção, até julho de Isto era tanto um marco importante da AEO quanto um KPI no qual a CLM tinha muito dinheiro envolvido. Outro objetivo de entrega da AEO era entregar os Jogos mais sustentáveis do mundo. A CLM não tinha um KPI que dissesse, nós iremos construir os Jogos mais sustentáveis, mas eles tinham um KPI que requeria a finalização de relatórios de sustentabilidade. No programa inteiro, a CLM tinha 90% de seus ganhos dependente em atingir esses KPIs, que estavam atrelados às frações de 5 University of California, Berkeley - Civil Engineering 2012 Daniel Zayas All Rights Reserved

6 conclusão da construção ou ao envio de relatórios. 11 Nos projetos das instalações, os marcos dos terceirizados alinharam-se bem com os KPIs da CLM, o que foi uma grande razão para seu sucesso. Jason Millett, Chefe de Instalações e Infraestrutura na CLM, disse, Eu duvidei bastante que, sem alinhamento dos KPIs nas instalações, nós teríamos tido tanto sucesso. 12 Davendra Dabasia, Chefe do Velódromo e trilha BMX na CLM, explicou que a equipe de projeto deles renegociou contratos de nível um prematuramente, afim de que os marcos para o Velopark fossem alinhados perfeitamente com os contratos de nível um. Então, o que nós fizemos foi incentiválos a estar um mês à frente dos marcos do nosso programa [KPIs da CLM]. 4 Apesar de ter começado 6 meses atrasado no cronograma do Velopark durante o design, eles terminaram mais de um mês antes e com 4M abaixo do orçamento de 105M. Comparando o Velopark com projetos que abrangem todo o Parque, Jason Millett disse, foi mais difícil colocar essa definição para o domínio público do que para áreas de domínio comum. 12 Nos projetos de concessionárias, paisagismo, e Estruturas, Pontes, e Rodovias, os marcos e KPIs não se alinharam bem, o que foi uma grande razão para atrasos. Jason Millett explicou a diferença: Nos projetos das instalações era muito mais fácil conseguir o alinhamento, por que o design dos programas já estavam bem definidos. A dificuldade com infraestrutura é que nós estávamos fazendo o design e construindo simultaneamente, durante todo o programa Eu acho, com toda a honestidade, que se nós pudéssemos ter mais KPIs alinhados ao domínio comum [também conhecido como espaço branco] nós teríamos terminado a infraestrutura bem mais cedo. 12 No projeto da SB&H, por exemplo, muitos KPIs envolveram finalização de pontes. Mas se a ponte fosse movida ou tivesse seu design refeito, o terceirizado era dado mais tempo para construí-la. Quando perguntado quantos KPIs da CLM se alinharam com os marcos de terceirizados de nível um, o Chefe da SB&H da CLMA disse, Alguns deles se alinharam, mas não muitos Compartilhando Espaço: Logística e Integração A CLM colocou o time de Logística para gerenciar o domínio comum e o time de Integração para gerenciar a entrega de domínios do projeto de um terceirizado para outro. Jason Millett, Chefe de Instalações e Infraestrutura na CLM, disse, Integração, no parque inteiro, é algo que nós poderíamos ter feito melhor, mas nós realizamos um tremendo trabalho no que nós fizemos, tentando construir toda aquela infraestrutura com as instalações simultaneamente. Geralmente você constrói a infraestrutura primeiro. 12 Tanto o projeto das concessionárias quanto o de paisagismo sofreram problemas de integração, o que exigiu retirada do dinheiro da Contingência do Programa. Note que, apesar de a AEO ser o cliente e relatar seus gastos, a CLM estava dirigindo ambas as equipes de Logística e de Integração. A CLM criou um time de Logística para transportar pessoas e entregar materiais, o que foi mais inteligente do que ter os próprios terceirizados responsáveis por seu próprio transporte ou trazer seu próprio material. Eles gerenciaram o espaço branco entre projetos, e seu sistema inteligente de logística foi baseado na experiência de Laing O Rourke no Terminal 5 do Heathrow. Caroline Blackman, Chefe de desenvolvimento Organizacional da CLM, disse, A equipe de Logística tornou-se algo como o prefeito da cidade, certificandose que eles poderiam colocar instalações temporárias, acomodações, dirigir ônibus, e colocar estradas temporárias. Nós tivemos que, no auge, colocar 10 mil trabalhadores no parque inteiro no horário certo. 10 O time de Logística também teve que coordenar entrega de materiais e organizar quem iria descarregar os materiais e aonde. Para os materiais comuns, como madeira e concreto, eles colocaram fornecedores no parque inteiro. Os terceirizados tiveram que atualizar continuamente um cronograma de 6 semanas especificando o que eles precisariam desses fornecedores. Com centenas de terceirizados e mais de dez mil funcionários por dia, o time de Logística da CLM impediu que o transporte de pessoas Figura 7: Mapa do Parque Olímpico que os espectadores receberam 6 University of California, Berkeley - Civil Engineering 2012 Daniel Zayas All Rights Reserved

7 e entrega de materiais se tornasse caótico. A CLM criou um time de Integração para gerenciar a entrega de domínios dos projetos de um terceirizado para outro, o que era um sistema adequado mas demorou algum tempo para desenvolver. Mark Thurston, Chefe do SB&H da CLM, explicou que o time de Integração fazia nas suas reuniões semanais de coordenação: Nós criamos, efetivamente, uma grade CAD para o parque, e este foi dividido em parcelas de terra. Nós concordamos no tempo certo de mover essas parcelas entre os terceirizados Isto foi bastante complexo e foi um processo que consumiu muito tempo que rodava de semana a semana por meses e meses. 23 Também levou bastante tempo para desenvolver esse sistema de gerenciamento de integração e para aprender como conduzir essas reuniões. Logo no começo, era fácil fazer a integração por que um projeto, Enabling Works, controlava a maior parte do canteiro (demolição, movimento de terra, etc.). À medida em que o número de projetos cresceu, ficou evidente que o sistema de gerenciamento de integração não era bom o suficiente, e foi reforçado na metade do programa. 9 Por causa do desafio de compartilhar espaços e alinhamento pobre da CLMobjetivos do terceirizado (veja Alinhando Objetivos do Governo, de Parceiros Construtivos, e dos Terceirizados), alguns dos projetos de infraestrutura terminaram bastante tarde. De acordo com Jason Millett, Chefe de Instalações e Infraestrutura, isto incluiu Concessionárias, SB&H, [e] Paisagismo. Alguns dos quais só ficaram prontos tão recente quanto uma semana antes dos Jogos. 12 O contrato de Multe-Concessionárias, por exemplo, foi elaborado por aproximadamente um quarto do que realmente custou. Isso aconteceu por que um número substancial de mudanças, interrupção, e problemas de acesso ocorreram. 1 Mas você não pode colocar toda a culpa nas Concessionárias, SB&H, e Paisagismo. Foi tudo uma questão de todos os terceirizados compartilharem espaços. Paisagismo, por exemplo, foi incapaz de terminar determinada área por que a mesma ainda estava sendo utilizada pelas cabines de outros terceirizados. 9 Russel Newman, Chefe de Gerenciamento de Risco da CLM, disse que eles gastaram um total de 70-80M dos 100M totais da Contingência do Programa alocada para interfaces e integração do programa. 25 Aprendendo de Fora Trabalhando em parceira com a AEO, a CLM alocou cinco processoschave para entregar o Parque Olímpico no tempo certo e abaixo do orçamento. Mais especificamente, eles aprenderam com mega-projetos do passado dentro do Reino Unido, particularmente do Terminal 5 de Heathrow e a conexão dos Trilhos do Túnel do Canal. 11 Um aspecto surpreendente das entrevistas a apresentações, entretanto, é o quão pouco aprendizado foi trazido de Pequim 2008 ou Atenas Já que tinha tão pouca informação com acesso público sobre a entrega desses Jogos, não era possível comparar Londres 2012 com qualquer um dos dois programas Olímpicos passados. Com o site do Legado de Aprendizado e publicações como esta, nos dá esperança de que lições de gerenciamento de construção serão passadas para a construção de futuros programas Olímpicos, como Rio Referências Esta publicação atesta para a utilização de cinco processos-chave em específico, descrevendo como estes levaram ao sucesso em Londres. Em termos de melhorias na Londres 2012, Rio 2016 poderia objetivar um melhor alinhamento de objetivos no domínio comum e melhor integração do programa durante a primeira metade da construção. Reconhecimentos Essa publicação é dedicada a 9 pessoas entrevistadas, 16 pessoas que apresentaram trabalhos nas conferências de Associação de Gerenciamento de Projeto, e muitos outros autores do Legado de Aprendizado. Isto tornou-se possível pelo financiamento do Comitê de Pesquisa e o Instituto de Estudos Internacionais da Universidade da Califórnia em Berkeley. Também, agradeço a Carol Suares, uma colega da UC Berkeley, que ajudou traduzir isto ao português. 1. Birch, David (2012a). Interviewed by Daniel Zayas on Aug 2, Birch, David (2012b). APM Conference post-conference interview on March 28, Blackman, Caroline (2012). Interviewed by Daniel Zayas on July 27, Dabasia, Davendra (2012). Interviewed by Daniel Zayas on Aug 1, Davies, Andrew (2012). Interviewed by Daniel Zayas on July 23, CLM (2011). Major Project Report Delivering the UK Games. CLM Consortium. New Civil Engineering in association with CLM, February Hone, Dennis, David Higgins, Ian Galloway, Kenna Kintrea (2011). Delivering London 2012 Organization and Programme. ICE Virtual Library. Institute of Civil Engineers Ltd, May Hone, Dennis, Jason Millet, Stuart Fraser, & Andrew Davies (2012). Learning legacy launch debate: Lessons learned on the construction of the Olympic Park. Association for Project Management conference January 23, Kintrea, Kenna (2012). Interviewed by Daniel Zayas on July 26, Kintrea, Kenna, Caroline Blackman, & John Fernau (2012). Bringing an Olympic nation together- context, governance, and setting up the programme. APM conference Februrary 29, Mackenzie, Ian, Andrew Davies (2011). Lessons learned from the London 2012 Games construction project. London Organising Committee of the Olympic Games and Paralympic Games Limited, October Millet, Jason (2012). Interviewed by Daniel Zayas on Aug 2, ODA (2007). Olympic Delivery Authority Annual Report and Accounts London Organising Committee of the Olympic Games and Paralympic Games Limited, 19 July com/documents/oda-publications. 14. ODA (2008). 15. ODA (2009). 16. ODA (2010). 17. ODA (2011). 18. ODA (2012). 19. ODA (2012b). London 2012 Venues Factfile. London Organising Committee of the Olympic Games and Paralympic Games Limited, July Owen, Ken, & David Birch (2012). Greatest Show on earth- deliverying the Olympic Park. APM conference March 28, Samaras, Stephanos (2012). Interviewed by Daniel Zayas on May 2, Knight, Holly, Colin Naish, & Karen Elson (2012). Delivering the Olympics legacy through the construction programme. APM conference May 30, Thurston, Mark (2012). Interviewed by Daniel Zayas on July 27, Turnbull, Sally (2012). Interviewed by Daniel Zayas on July 25, White, Alexandra, Paul Seller, Gordon Alexander, & Russell Newman (2012). The world in our hands: providing assurance to the London 2012 ODA construction programme. APMconference April 25, University of California, Berkeley - Civil Engineering 2012 Daniel Zayas All Rights Reserved

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição outubro 2011 Copyright 2011 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Gerenciamento das Aquisições do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Aquisições do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Aquisições do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é a penúltima área do conhecimento do PMBoK, sendo o capítulo 12 do guia. O PMBoK diz que esta área inclui os processos necessários para comprar

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Modelo operacional Qual é o modelo organizacional do PDS? Trabalhamos bastante para chegar ao modelo organizacional certo para o PDS. E aplicamos

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

INFORMAÇÕES GERENCIADAS

INFORMAÇÕES GERENCIADAS INFORMAÇÕES GERENCIADAS Gerenciamento de projeto sobre o qual é possível criar Soluções Primavera para engenharia e construção ORACLE É A EMPRESA Melhore o desempenho de projeto, a lucratividade e os resultados

Leia mais

PMD Pro Forward Fazendo um mundo melhor, um projeto por vez

PMD Pro Forward Fazendo um mundo melhor, um projeto por vez PMD Pro Forward Fazendo um mundo melhor, um projeto por vez RESULTADOS E IMPACTOS DOS PRIMEIROS CINCO ANOS APLICANDO A CERTIFICAÇÃO PMD PRO NO SETOR DE DESENVOLVIMENTO AO NÍVEL INTERNACIONAL O final do

Leia mais

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA Vue Connect Enterprise Workflow MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Para empresas que possuem diversas unidades, uma ampla gama de instalações, fluxo de trabalho departamental

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

6. VALIDAÇÃO DO MODELO

6. VALIDAÇÃO DO MODELO Cap. 6 Validação do modelo - 171 6. VALIDAÇÃO DO MODELO Definição da pesquisa Contextualização (Cap. 2) Metodologia (Cap. ) Revisão da Literatura (Cap. 3) Construção do Método (Cap. 5) Validação do método

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 9001, a norma líder mundial em qualidade internacional, ajudou milhões de organizações a melhorar sua qualidade

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Módulo5 Módulo 5 Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Organizando o "maior espetáculo da Terra" Estudo de caso. AXELOS.com

Organizando o maior espetáculo da Terra Estudo de caso. AXELOS.com Organizando o "maior espetáculo da Terra" AXELOS.com. Direitos autorais sobre a organização e design tipográfico pertencem à The Stationery Office Limited Estudo de caso Novembro de 2011 Índice Introdução

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Criando uma equipe vencedora

Criando uma equipe vencedora Criando uma equipe vencedora Como montar uma equipe vencedora? Hoje em dia, empresas de todos os tamanhos têm um objetivo em comum: fazer mais com menos. Desde a crise financeira global, alcançar novos

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Assessoria Swagelok em Energia Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Conheça a experiência de alguns clientes sobre a Assessoria Swagelok em Energia Com serviços de

Leia mais

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI UM RESUMO EXECUTIVO Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI Ao longo da última década, a TI da EMC tem passado por uma transformação para se tornar uma parceira estrategicamente

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 I WORKSHOP FNCC Governança da TI Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 São Paulo, 22 de setembro de 2015 1 OBJETIVO Apresentar a Enigma

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ROSEMOUNT DA EMERSON. Levando o sucesso para o seu projeto de instrumentação

ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ROSEMOUNT DA EMERSON. Levando o sucesso para o seu projeto de instrumentação ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ROSEMOUNT DA EMERSON Levando o sucesso para o seu projeto de instrumentação Um Risco a Menos no Projeto A SUA INSTRUMENTAÇÃO ESTÁ NO CAMINHO CERTO. Os projetos de

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Áreas de conhecimento do PMBOK - Custo - Determina os processos necessários para assegurar que o projeto seja conduzido e concluído dentro

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Versão preliminar Revisão da implementação do programa

Versão preliminar Revisão da implementação do programa Versão preliminar Revisão da implementação do programa 16 de setembro de 2015 Este relatório, apresentado na forma preliminar para comentário público, tem como objetivo fornecer uma visão geral de alto

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL v.3

Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame simulado B, versão 3.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Não existem perguntas capciosas.

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

13 erros comuns de ERP e como evitá-los

13 erros comuns de ERP e como evitá-los 13 erros comuns de ERP e como evitá-los A intenção é ajudá-lo a garantir que a sua implementação de ERP seja um sucesso, ou que você, ao menos, possa minimizar os problemas potenciais. Jennifer Lonoff

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Este plano descreve como serão administrados os processos de aquisição de bens e serviços neste projeto. As perguntas a serem respondidas no plano são: o

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto. Introdução. Vamos pensar um pouco?

Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto. Introdução. Vamos pensar um pouco? www.emmene Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto 1 Introdução Vamos pensar um pouco? 2 P Introdução Qual é o principal papel de um gerente de projeto? Integrar todas as partes de um projeto

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk

Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk Oficina Pegada de carbono Brasilia, 9 & 10 Agosto 2011 Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk +44 207 307 9262 5. Londres 2012 resultados da pegada de carbono, estratégias

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

Relatório de Boas Práticas

Relatório de Boas Práticas Relatório de Boas Práticas Nome da empresa: WEG EQUIPAMENTOS ELETRICOS S/A CNPJ: 07.175.725/0010-50 Responsável pela prática: Natalino Petry Cargo / Função: Chefe da seção QPOP E-Mail: natalinop@weg.net

Leia mais

Uma nova cultura em processos e projetos

Uma nova cultura em processos e projetos Uma nova cultura em processos e projetos 10 KPMG Business Magazine Mercado caminha para a maturidade, com uma maior percepção dos benefícios da gestão por processos para atender aos objetivos estratégicos

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Caros colegas, orienta o modo como nossa organização trabalha para selecionar, desenvolver, motivar e valorizar o bem mais importante da Bausch + Lomb nossas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais