MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PATENTES: PROMOVENDO O ACESSO ÀS TECNOLOGIAS VERDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PATENTES: PROMOVENDO O ACESSO ÀS TECNOLOGIAS VERDES"

Transcrição

1 IX ENCONTRO NACIONAL DA ECOECO Outubro de 2011 Brasília - DF - Brasil MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PATENTES: PROMOVENDO O ACESSO ÀS TECNOLOGIAS VERDES CÍNTIA REIS COSTA (CESUPA) - Mestra em Planejamento do Desenvolvimento pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará NAEA/UFPA. Docente do Centro Universitário do Pará CESUPA. Advogada. ANA PAULA VIDAL BASTOS (NAEA/UFPA) - Pós-Doutora em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. Docente do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará NAEA/UFPA. THAIS CORREA HABER (CESUPA) - Estudante do curso de Direito

2 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PATENTES: PROMOVENDO O ACESSO ÀS TECNOLOGIAS VERDES Eixo temático: Mudanças Climáticas Resumo: Este artigo objetiva discutir a relação entre as mudanças climáticas e a propriedade industrial no que tange a proteção das chamadas tecnologias verdes e suas conseqüências para o desenvolvimento sustentável. A complexidade dos problemas ambientais decorrentes da mudança climática exige estratégias jurídicas e institucionais de promoção e cooperação tecnológica alinhadas com as disposições do Protocolo de Quioto. As políticas públicas de inovação destacam as patentes como mecanismo de proteção do conhecimento. E neste contexto, os bancos de dados de patentes são um importante instrumento de acesso às referidas tecnologias. O trabalho aborda que o IPC Green Inventory é um importante canal de busca de tecnologias para os países em desenvolvimento. Além do mais, destaca que a Licença Compulsória e a Importação Paralela são instrumentos jurídicos que permitem que os Estados acessem as patentes, mesmo sem autorização do titular. Afirma que os Estados devem se empenhar na efetivação das possibilidades existentes nas legislações nacionais e internacionais de acesso às tecnologias que minimizem de modo substancial os efeitos antrópicos. Por fim, assevera que Estados, universidades, empresas, e outros centros de inovação, devem primar e buscar a cooperação e transferência de tecnologia nos moldes propostos pelo Protocolo de Quioto. Abstract: This article aims to discuss the relationship between climate change and industrial property protection in terms of so-called green technologies and their implications for sustainable development. The complexity of environmental problems resulting from climate change requires institutional and legal strategies to promote technological cooperation in line with the provisions of the Kyoto Protocol. Public policies emphasize innovation patents as a mechanism of protection of knowledge. And in this context, patent databases are an important tool for access these technologies. This article discusses the "Green IPC Inventory" is an important channel of search technologies for developing countries. Moreover, points out that compulsory licenses and parallel imports are legal instruments that allow states to access the patent, without authorization of the owner. It says that states should engage in the execution of existing opportunities in national and international legislation to access the technologies that minimize anthropogenic effects. Finally, it says that states, universities, companies, and other centers of innovation, should excel and seek cooperation and technology transfer as proposed by the Kyoto Protocol. Palavras-chave: Mudanças climáticas; patentes; tecnologia verde; desenvolvimento sustentável.

3 1. Introdução O presente artigo apresenta uma discussão acerca da relação existente entre as mudanças climáticas e a propriedade industrial no que tange a proteção das chamadas tecnologias verdes e suas conseqüências para o desenvolvimento sustentável. O mundo enfrenta as conseqüências de décadas de uso irracional da natureza que vem dando respostas significativas através da variação das temperaturas, enchentes, tsunamis, entre outros fenômenos. Por um lado, a propriedade industrial, através particularmente do sistema de patentes, tem como finalidade a proteção das tecnologias, que podem ser um meio eficaz de minimizar as conseqüências da ação humana. Frente a este quadro, surge hoje o boom das chamadas tecnologias verdes que buscam minimizar o impacto do uso irracional sobre a natureza Assim, o artigo está dividido em duas partes, além da introdução e conclusões articuladas. A primeira seção contextualiza, de modo sistemático, o quadro em torno das mudanças climáticas e apresenta a inserção das patentes no seio da propriedade industrial, ressaltando sua função e importância no contexto da inovação tecnológica. Desta forma, analisam-se os desafios de governança frente às tecnologias, apresentando-se os bancos de dados de patentes e os instrumentos que viabilizam o acesso da sociedade às referidas tecnologias. 2. Mudanças Climáticas, Desenvolvimento Sustentável e Patentes As mudanças climáticas são consideradas um dos grandes desafios das próximas décadas. São decorrentes muitas vezes do incremento das atividades humanas (LUEDEMANN, HARGRAVE, 2010) e vêm provocando inúmeras conseqüências sobre o globo. E como afirma YOSHIDA, Uma das questões mais cruciais é, sem dúvida, a busca de alternativas energéticas à matriz petroquímica, com substituição gradual dos combustíveis fósseis, base da produção industrial das potências econômicas e dos meios de transporte aéreo e automotivo, e apontados como os vilões da emissão mais relevante dentre os GEE (dióxido de carbono).

4 O Protocolo de Quioto afirma que, com vistas ao desenvolvimento sustentável, os países devem se esforçar na busca pelo aumento da eficiência energética em setores relevantes da economia nacional; na promoção de formas sustentáveis de agricultura; e na pesquisa, promoção, desenvolvimento e aumento do uso de formas novas e renováveis de energia, de tecnologias de seqüestro de dióxido de carbono e de tecnologias ambientalmente seguras, que sejam avançadas e inovadoras. Há várias percepções acerca do desenvolvimento na literatura, como aquele caracterizado como crescimento econômico; o desenvolvimento como inexeqüível; e o desenvolvimento como idéia de liberdade (VEIGA, 2008, p.33). Porém, é fato que hoje há um real apelo à consagração do chamado desenvolvimento sustentável, particularmente para as regiões ricas em biodiversidade e afetadas pelas mudanças do clima. A definição de desenvolvimento sustentável, a partir do Relatório Brundtland, perpassa pelo entendimento de que o desenvolvimento deve satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades. O que significa possibilitar que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de realização social, econômico, humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais. Nesta perspectiva de desenvolvimento, o Protocolo de Quioto, mais uma vez, destaca a necessidade de cooperação inovativa em dois níveis, particularmente para os países em desenvolvimento, o que nos faz perceber a importância do papel da tecnologia. A primeira diz respeito à transferência tecnológica, através do acesso a tecnologias, know-how, práticas e processos ambientalmente seguros relativos à mudança do clima, incluindo a formulação de políticas e programas para a transferência efetiva de tecnologias ambientalmente seguras que sejam de propriedade pública ou de domínio público e a criação, no setor privado, de um ambiente propício para promover e melhorar a transferência de tecnologias ambientalmente seguras e o acesso a elas. A outra perspectiva faz referência à cooperação nas pesquisas científica e tecnológica para manutenção e criação de sistemas e banco de dados de observação do sistema climático.

5 E neste contexto a propriedade intelectual ocupa lugar de destaque nas políticas públicas, tendo em vista que a distribuição da tecnologia é essencial no processo de crescimento econômico e tem várias implicações para o desenvolvimento e o clima. A propriedade industrial abarca mecanismos como as patentes, os desenhos industriais, as marcas, as indicações geográficas. Por sua vez, o direito autoral tutela os direitos dos autores, direitos conexos, topografia de circuito integrado e programas de computador. EMERICK (2004, p.26) destaca que a etapa da produção está relacionada às criações intelectuais protegidas pelo mecanismo da patente, o qual protege as invenções e modelos de utilidade ou a essência das criações intelectuais. Por outro lado, no que se refere à etapa da comercialização, os sinais distintivos (marcas, indicações geográficas, nomes de domínio), o desenho industrial e o direito autoral tutelarão as formas das criações intelectuais, e jamais suas essências. Portanto, a principal característica da propriedade intelectual é a capacidade de diferenciação dos seus ativos (CARVALHO, 2009, p.15). A relação da propriedade intelectual como um instrumento significante para a promoção do desenvolvimento de um país não se perfaz apenas por ser um mecanismo jurídico de recompensa ao inventor para estímulo da produção científica. Deve-se sim a outros fatores, tais como: mecanismo de controle da entrada e saída de divisas, da promoção de setores estratégicos da indústria nacional, do acesso a medicamentos por pessoas mais carentes (VARELLA, 2005, p.171). Neste artigo, aprofundaremos o estudo de um dos mecanismos da propriedade industrial as patentes. A informação é tratada atualmente como mercadoria especial e matériaprima elementar de uma patente. Logo, as oportunidades tecnológicas e as formas de apropriação são fatores essenciais para a introdução das inovações. O primeiro fator diz respeito aos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, ao processo produtivo, à capacitação organizacional, entre outros. As formas de apropriação privada da inovação tecnológica são os mecanismos de propriedade intelectual, as

6 vantagens do pioneiro (first mover), o segredo industrial, esforços de venda e serviços (ALBUQUERQUE, 1998, p.65). O que é interessante nesta discussão é realçar o caráter não exclusivo das patentes como mecanismo de apropriação da tecnologia, bem como a imperfeição das referidas ferramentas: nenhuma delas consegue, isoladamente, ser um instrumento perfeito de apropriação. O segredo pode ser revelado por empregados que tenham acesso e a criação pioneira ser redescoberta pela engenharia reversa. Com a patente não é diferente. Porém, não podem os usuários do sistema sejam entes públicos ou privados desprezarem a existência e importância das patentes no desenvolvimento tecnológico. As patentes são títulos de propriedade que conferem direitos exclusivos de exploração sobre a criação e direitos de exclusão de terceiros, durante certo período de tempo. Como afirma BARBOSA, a intervenção estatal preferida na tutela do conhecimento é a concessão dos direitos exclusivos, pois como o próprio nome diz, são direitos de excluir terceiros, que não o titular, da fruição econômica do bem (2007, p.08). De acordo com o artigo 27 (1) do Acordo Relativo aos Aspectos do Direito da Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (Agreement on Trade-Related Aspects of Intellectual Property Rights TRIPS), é patenteável qualquer invenção, de produto ou de processo, em todos os setores tecnológicos, desde que seja nova, envolva um passo inventivo e seja passível de aplicação industrial. Assim, a patente apresenta três requisitos: novidade, atividade inventiva e aplicação industrial. A novidade pode ser compreendida como tudo aquilo disponível no estado da arte. De acordo com BARBOSA (2007, p.83), [...] há novidade se o invento sob análise não está prefigurado integral e exatamente em nenhum documento ou nenhum uso público da mesma solução técnica. O que nos faz destacar a diferença entre a patente e a descoberta 1. Aquela é criação, esta é a 1 [...] podemos ter claro que só seriam objeto de patentes as invenções, não sendo as descobertas passíveis de aquisição de tal título. Entretanto, não podemos deixar de observar que a clássica e inconfundível contraposição dos conceitos de descoberta e invenção, com o avanço da ciência, tem sido objeto de contestações e relativismos. Esta linha que parecia tão bem delimitada, atualmente com as invenções na área biotecnológica, muitas vezes é questionada (LABRUNIE, 2007:103).

7 mera revelação daquilo que se encontra na natureza. A verificação da aplicação industrial é realizada pela possibilidade da utilização da criação em escala industrial. Para configurar atividade inventiva, outro requisito da patente, a criação deve representar um efetivo passo tecnológico, com real nível de inventividade. Diz-se que uma invenção apresenta nível inventivo quando, tomando em consideração as diferenças e semelhanças entre a invenção reivindicada e o estado da técnica [...], a invenção reivindicada não teria sido óbvio para uma pessoa com experiência na técnica. O nível inventivo é apreciado pelo examinador a partir de uma perspectiva objetiva comparação entre a invenção e o estado da técnica mas existe nele um componente subjetivo, que é a apreciação da obviedade (CARVALHO, 2009, p.97). Neste ponto, vale destacar que é obrigatório que os requerentes depositem (e que os Estados exijam) as patentes de modo suficientemente claro e completo para permitir que o acesso do público àquela informação seja o mais eficaz possível. A validade da patente é territorial, ou seja, sua vigência está limitada ao país em que fora solicitado o depósito e, conseqüentemente, deferido o pedido pelo órgão responsável. No mais, como dispõe o TRIPS, a vigência da patente não será inferior a um prazo de 20 anos, contados a partir da data do depósito. Os direitos conferidos pela patente aos seus titulares estão delimitados ao teor das suas reivindicações. A patente, como dito anteriormente, pode ser de produto e/ou de processo. Quando a proteção se perfaz no produto, o titular tem o direito de impedir a produção, colocação à venda, venda, ou importação dos bens por terceiros, sem seu consentimento. Quando se trata de um processo, estes impedimentos englobam pelo menos o produto obtido diretamente pelo processo. Ao que se refere à comercialização da criação, também são os titulares responsáveis em ceder ou transferir os direitos sobre as patentes. Desta forma, a propriedade intelectual protege as inovações relacionadas a todos os campos do conhecimento, entre eles os incluídos nas chamadas tecnologias verdes. De acordo com a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC), a chamada tecnologia verde (environmentally sound technologies)

8 tem como características o fato de ser menos poluente, proteger o meio ambiente, usar os recursos de forma mais sustentável, reciclar mais seus resíduos e produtos, tratar seus resíduos de maneira mais aceitável daqueles que está substituindo, além de ser mais compatível com prioridades nacionais em níveis socioeconômico, cultural e ambiental. Portanto, temos um importante fator no que se refere ao desenvolvimento e ao clima, que são as chamadas tecnologias verdes. Mais especificamente, neste estudo, nos interessa as tecnologias verdes protegidas pelas patentes. Destarte, é necessário asseverar, mais uma vez, o papel desafiador da tecnologia na perspectiva da mudança climática de longo prazo o que nos faz inquirir, primeiramente, o modo de como garantir o acesso de todos os setores da sociedade a esta tecnologia, e também como ela pode servir efetivamente para a busca do desenvolvimento sustentável. Inicialmente, percebemos que a verificação dos atributos tecnológicos disponíveis é um passo importante neste contexto, isto porque a tecnologia vigente fornece um ponto de partida natural para o P&D de hoje (NELSON, 2006, p.247). Na perspectiva da mudança climática, a política de investimento à inovação deve eleger medidas amplas para estudo em pesquisa básica e aplicada. No entanto, como ressalvado acima, as patentes são mecanismos de exclusividade e enquanto não estiverem em domínio público não poderão ser utilizadas sem autorização dos titulares e/ou pagamento das retribuições acordadas. Conseqüentemente, é salutar que os Governos busquem formas de garantir o acesso e a transferência de tecnologia, seja através de investimento em P&D ou reforçando o arcabouço jurídico que assegure tal fato. 3. Desafios de governança pública: promovendo o acesso às tecnologias verdes Os Estados devem estar preparados para as conseqüências oriundas das mudanças climáticas e uma forma de minimizar seus impactos é o investimento em Pesquisa e Desenvolvimento, através de tecnologias menos agressivas para o meio ambiente. Porém, a discrepância de recursos econômicos entre os desenvolvidos e os em desenvolvimento gera uma diferenciação significante na

9 tecnologia acumulada entre os países: poucos sendo proprietários de uma vitrine avançada tecnologicamente. O controle das informações e dos conhecimentos decorrentes da utilização das tecnologias verde pode ser realizado através das patentes. E a partir desta afirmativa, apresentaremos nesta parte final do artigo dois pontos de abordagem relacionados às patentes que acreditamos serem essenciais para que os países com menor capacidade inovativa busquem acesso às tecnologias verdes: os Bancos de Dados de Patentes e os Mecanismos Jurídicos para Acesso às Tecnologias Verdes. 3.1 Banco de Dados de Patentes Para iniciar abordaremos acerca dos bancos de dados de patentes. Isto porque a busca nestes bancos 2 permite 3 : o mapeamento de tecnologia, caracterizando toda a performance de determinada tecnologia através da possibilidade do usuário investigar o país ou a região de origem da tecnologia, bem como seus titulares e autores; a verificação da evolução da tecnologia, uma vez que o requisito da novidade exige o depósito antes da divulgação, os bancos de patentes congregam as mais avançadas informações sobre as tecnologias que estão sendo geradas no mundo as chamadas tecnologias emergentes; a identificação de novos mercados, pois alguns sistemas de dados publicam de modo simultâneo ao depósito de patentes que tipos de tecnologias estão sendo objeto de estudo e investimento e, conseqüentemente, de proteção; o valor econômico das patentes, em especial com a análise das citações destas patentes em outras patentes ou em estudos relacionados à tecnologia; acompanhamento dos concorrentes, isto porque há permissão de busca por meio do nome da pessoa seja física ou jurídica facilitando a procura pela tecnologia de terceiros, bem 2 Alguns exemplos de banco de dados públicos: Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI): Organização Americana de Marcas e Patentes (USPTO): Escritório Europeu de Patentes (EPO): Escritório Japonês de Patentes (JPO): Escritório Francês de Patentes: PAT2PDF site para obtenção de documentos do Escritório dos Estados Unidos (USPTO): Free Patents Online: 3 Baseado no estudo da OECD intitulado Patent Statistics Manual.

10 como possibilita a verificação das estratégias patentárias das companhias; avaliação da eficácia do sistema de patentes, verificando a apropriação das criações, a relação das patentes com outros indicadores de desenvolvimento, o uso dos instrumentos de salvaguarda, os campos tecnológicos excluídos de proteção; por fim, o mais justo uso dos bancos de patentes, é que estes abrigam todas as informações tecnológicas, dentro e fora do domínio público, contribuindo para a difusão do conhecimento e na dinâmica de mudança tecnológica. Mais especificamente, nosso objetivo é apresentar o IPC Green Inventory, que constitui um conjunto de informações sobre patentes relacionadas às chamadas tecnologias verdes, definidas pela Organização das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (UNFCCC). A Classificação Internacional de Patentes 4 (IPC International Patent Classification) é um acordo sobre a classificação das técnicas utilizadas em matérias de patentes, firmada em Estrasburgo na década de setenta. A principal finalidade da IPC é garantir a pesquisa sistemática de informações sobre patentes. Além do que, propicia a busca e recuperação de documentos de patente, facilita o acesso às informações tecnológicas e legais contidas nesses documentos, permite a investigação do estado da técnica, bem como serve de base para a elaboração de estatísticas sobre determinado campo tecnológico. A classificação é dividida em oito seções principais, e estas em classes, subclasses, grupos e subgrupos. As oito seções são: Seção A (Necessidades Humanas), Seção B (Operações de Processamento; Transporte), Seção C (Química e Metalurgia), Seção D (Têxteis e Papel), Seção E (Construções Fixas), Seção F (Engenharia Mecânica; Iluminação; Aquecimento; Armas; Explosão), Seção G (Física), Seção H (Eletricidade). Assim, ao determinarmos a pesquisa a partir da classificação mais específica, isto é, utilizando classe, subclasse, grupos e subgrupo, maior é a definição do campo tecnológico em estudo. Como forma de demonstrar a leitura da IPC, indicamos um exemplo de classificação e de sua leitura (C: Química e Metalurgia; 09 F: Resinas naturais; verniz a álcool; óleos secantes; secantes; 4 Para maiores informações, acessar site oficial:

11 terebentina; 1/00: Obtenção, purificação ou modificação química de resinas naturais, por ex., óleo-resinas). C 09 F 1/00 Seção Classe Subclasse Grupo Subgrupo O IPC Green Inventory indica, em um só lugar, todos os domínios técnicos relacionados à tecnologia verde, isto é, o conjunto de Seções, Classes, Subclasses, Grupos e Subgrupos, o que facilita o acesso dos Estados, comunidade científica e sociedade a estas informações de forma bastante articulada. Os principais tópicos abordados são: produção de energia alternativa; transporte; conservação de energia; gestão de resíduos; agricultura/silvicultura; aspectos administrativo, regulamentar e de design; e, geração de energia nuclear. Abaixo indicamos os subtópicos relacionados aos temas principais. TOPIC Alternative energy production Transportation Energy conservation SUBTOPIC Bio-fuels Integrated gasification combined cycle (IGCC) Fuel cells Pyrolysis or gasification of biomass Harnessing energy from manmade waste Hydro energy Ocean thermal energy conversion (OTEC) Wind energy Solar energy Geothermal energy Other production or use of heat, not derived from combustion, e.g. natural heat Using waste heat Devices for producing mechanical power from muscle energy Vehicles in general Vehicles other than rail vehicles Rail vehicles Marine vessel propulsion Cosmonautic vehicles using solar energy Storage of electrical energy Power supply circuitry

12 Waste management Agriculture / forestry Administrative, regulatory or design aspects Nuclear power generation Measurement of electricity consumption Storage of thermal energy Low energy lighting Thermal building insulation, in general Recovering mechanical energy Waste disposal Treatment of waste Consuming waste by combustion Reuse of waste materials Pollution control Forestry techniques Alternative irrigation techniques Pesticide alternatives Soil improvement Commuting, e.g., HOV, teleworking, etc. Carbon/emissions trading, e.g. pollution credits Static structure design Nuclear engineering Gas turbine power plants using heat source of nuclear origin Portanto, o interessante em buscar os bancos de patentes como fonte de tecnologia reside no fato, já destacado, de que o Protocolo de Quioto assevera a necessidade de cooperação e transferência tecnológica. Cada país pode verificar quais áreas são de seu interesse e buscar patentes em domínio público, parceiros comerciais, centros de pesquisa e desenvolvimento. 3.2 Mecanismos Jurídicos para Acesso às Tecnologias Verdes O Acordo Constitutivo da Organização Mundial de Comércio (Acordo da OMC), assinado em Marraqueche no dia 15 de abril de 1994, é um amplo instrumento referente ao comércio internacional. Dentre seus anexos está o 1C Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual relacionados ao Comércio, conhecido como TRIPS. Neste contexto, a legislação internacional através do Acordo TRIPS oferece instrumentos para a utilização efetiva das tecnologias por parte dos países, mesmo que estejam protegidas por patentes. Destacamos dois deles, quais sejam: as licenças compulsórias e a importação paralela. Ambos os instrumentos supracitados são exceções aos direitos inerentes às patentes, principalmente no que tange à exclusividade e, com tal, devem seguir certos requisitos para serem aplicadas. Neste sentido, o TRIPS, em seu artigo 30 estabelece as chamadas condições substantivas, que são: exceção

13 limitada; não deve existir conflito com a exploração normal da patente; não pode causar prejuízos aos interesses legítimos do titular da patente; deve haver ponderação acerca dos interesses legítimos de terceiros. Porém, é importante traçar as diferenças entre os institutos. A importação paralela, em síntese, possibilita ao Estado comprar determinado produto por ele almejado de outros países, que não o titular da patente ou seu licenciante, que possuam um menor preço. Para tanto, devem ser obedecidas as condições substantivas acima descritas, atuando de forma automática, sem necessidade de uma autorização específica. A caracterização jurídica da importação paralela não é especialmente difícil. É uma revenda de um produto, efetuada por um terceiro independente do respectivo fabricante e seus distribuidores, num território diferente daquele em que o produto foi inicialmente introduzido no comércio, pelo fabricante ou por alguém com o seu consentimento (CARVALHO, 2007, p.63). A possibilidade da importação paralela está ligada a regra de exaustão adotada pelo país. Entenda-se a regra de exaustão como aquela que estipula o momento em que o fabricante perde o direito sobre o bem específico vendido (não sobre a invenção). A partir do instante em que o fabricante coloca o produto a venda e este é consumido (comprado), o comprador pode fazer o que entender melhor com sua aquisição: vender, trocar ou qualquer outro ato de disposição o direito do titular da patente se exaure na primeira venda do produto (GUISE, 2006, p.85). Se a regra da exaustão utilizada for nacional, o fabricante pode impedir que ocorra a importação paralela de seu produto; por outro lado, se for internacional, o titular da patente perde seu direito de exclusividade, possibilitando a importação paralela do exterior. Vale ressaltar que cada país possui autonomia para escolher o regime de exaustão que melhor atenda a seus interesses, salvo se existir uma obrigação imposta por tratado internacional. Já a licença compulsória caracteriza-se por ser uma autorização concedida por autoridade nacional competente, com ou sem a outorga do titular da patente, para a exploração do objeto protegido, em razão do interesse público, garantindo o equilíbrio entre na relação entre o titular e a sociedade. De acordo com Carlos Correa (1999, p. 168) (...) licença compulsória é uma antiga

14 instituição do regime de patentes e um dos principais instrumentos para evitar o exercício monopólico dos direitos por elas [as patentes] conferidas. É doutrinariamente conhecida como um mecanismo de apoio à função social, tendo em vista sua utilização ter um viés eminentemente público, Nesta, faz-se necessária a autorização específica e suas condições estão previstas no artigo 31 do acordo TRIPS, são elas: (a) toda solicitação para obter-se uma licença compulsória deve ser considerada em função de suas características próprias; (b) antes de pedir a licença compulsória, o interessado deve solicitar a concessão de uma licença voluntária por parte do detentor da patente, em termos e condições comerciais razoáveis; (c) o alcance e duração da licença compulsória limitar-se-ão ao objetivo para o qual a mesma foi autorizada; (d) a licença compulsória terá caráter não-exclusivo; (e) a licença compulsória não será transferível; (f) a licença servirá principalmente para o abastecimento do mercado interno do país Membro que a autorize; (g) a licença cessará uma vez que deixe de existir a causa que levou a sua concessão; (h) o titular da patente receberá uma remuneração adequada tendo em vista o valor econômico da outorga da licença em questão; e finalmente, (i) a validade jurídica de toda decisão relativa à transferência de licenças compulsórias estará sujeita a revisão judicial. Compreender o princípio da função social da propriedade pressupõe perceber a existência da propriedade privada (nesta análise, a patente), mas também de subordinar o exercício dessa propriedade aos ditames da justiça social e de transformar esse mesmo exercício em instrumento para a realização do fim de assegurar a todos existência digna (GRAU, 1988, p.270). Assim, a licença compulsória pode ser compreendida como uma forma de correção do uso abusivo do direito de exclusividade, sem a supressão do direito patentário, com vistas a garantir a consecução de interesses públicos (GUISE, 2006, p.92). Independente do instrumento escolhido, o uso destes institutos será de grande valor aos países em desenvolvimento, pois terão conseqüências significativas no campo econômico e ambiental ao garantir acesso às tecnologias verdes com custos menores.

15 4. Conclusões A complexidade dos problemas ambientais decorrentes da mudança climática exige estratégias jurídicas e institucionais de promoção e cooperação tecnológica alinhadas com as disposições do Protocolo de Quioto. As políticas públicas de inovação destacam as patentes como mecanismo de proteção do conhecimento. E neste contexto, os bancos de dados de patentes são um importante instrumento de acesso às chamadas tecnologias verdes, uma vez que permitem o mapeamento de tecnologia, a verificação da evolução da tecnologia, a identificação de novos mercados, o acompanhamento dos concorrentes, a avaliação da eficácia do sistema de patentes, a difusão do conhecimento e na dinâmica de mudança tecnológica. No contexto das tecnologias verdes o IPC Green Inventory é um importante canal de busca de tecnologias para os países em desenvolvimento. Como destacado, a Licença Compulsória e a Importação Paralela são instrumentos jurídicos que permitem que os Estados acessem as patentes, mesmo sem autorização do titular. Elas estão previstas no TRIPS e é importante que sejam inseridas no ordenamento jurídico nacional, em especial quando se considerar o interesse e necessidade pública frutos das conseqüências climáticas. Desta forma, diante da ameaça dos efeitos nocivos da mudança climática, os Estados devem se empenhar na efetivação das possibilidades existentes nas legislações nacionais e internacionais de acesso às tecnologias que minimizem de modo substancial os efeitos antrópicos. As políticas públicas de inovação e regulação dos países em desenvolvimento, diante da ameaça dos efeitos nocivos da mudança climática, devem abordar questões ligadas à economia, ao meio ambiente e ao social. Estamos diante de uma verdadeira mudança do padrão tecnológico, fruto de todo o avanço da ciência básica e aplicada, e o desenvolvimento de novas tecnologias que buscam impactar de forma menos danosa o meio ambiente tem sido um dos principais protagonistas a prática inovativa. Estados, universidades, empresas, e outros centros de inovação, devem primar e buscar a cooperação e transferência de tecnologia nos moldes propostos pelo Protocolo de Quioto.

16 5. Bibliografia ALBUQUERQUE, Eduardo da Motta e. Patentes segundo a abordagem neoschumpeteriana: uma discussão introdutória. Revista de Economia Política. V. 18. Out.-dez., Disponível em: Acesso em: 15.jan BARBOSA, Denis Borges. Uma introdução à propriedade intelectual. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, CARVALHO, Nuno Pires de. A estrutura dos sistemas de patentes e de marcas: passado, presente e futuro. Rio de Janeiro: Lumen Juris, CARVALHO, Patrícia Luciane de. Patentes farmacêuticas e acesso a medicamentos. São Paulo: Atlas, CORREA, Carlos M.. Aperfeiçoando a eficiência econômica e a equidade pela criação de leis de propriedade industrial. In: VARELLA, Marcelo Dias (Org.). Propriedade intelectual e desenvolvimento. São Paulo: Lex Editoras, EMERICK, Maria Celeste. Gestão tecnológica como instrumento para a promoção do desenvolvimento econômico-social: uma proposta para a FIOCRUZ fl. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, GRAU, Eros Roberto. A ordem econômica na constituição de São Paulo: GUISE, Mônica Steffen. Comércio internacional, patentes e saúde pública fl. Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, LUEDEMANN, Gustavo; HARGRAVE, Jorge. As mudanças climáticas no contexto das mudanças globais. In: Boletim da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica. Edição Especial nº 23/24. Janeiro a Agosto NELSON, Richard R. As fontes do crescimento econômico. Campinas: Unicamp, VARELLA, Marcelo Dias. Políticas públicas para propriedade intelectual no Brasil. In: VARELLA, Marcelo Dias (Org.). Propriedade intelectual e desenvolvimento. São Paulo: Lex Editoras, VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

17 UNFCCC United Nations Framework Convention on Climate Change. Application of environmentally sound Technologies for adaptation to climate change YOSHIDA, Consuelo Yatsuda Moromizato. Mudanças climáticas, protocolo de quioto e o princípio da responsabilidade comum, mas diferenciada: a posição estratégica singular do Brasil alternativas energéticas, avaliação de impactos, teses desenvolvimentistas e o papel do judiciário. Disponível em: ww.planetaverde.org/artigos/arq_06_37_38_04_01_10.pdf

Inovação tecnológica e empreendedorismo:

Inovação tecnológica e empreendedorismo: Inovação tecnológica e empreendedorismo: Ciência, desenvolvimento tecnológico, proteção industrial e geração de novos negócios Prof. Dr. Cleber Gustavo Dias 22/09/2015 Programação da oficina 1. Relações

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT. Coordenadoria de Projetos e Inovação. Marcelo Gomes Cardoso

Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT. Coordenadoria de Projetos e Inovação. Marcelo Gomes Cardoso Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Coordenadoria de Projetos e Inovação Marcelo Gomes Cardoso Maio / 2013 Coordenadoria de Projetos e Inovação A Coordenadoria de Projetos e Inovação é um órgão suplementar

Leia mais

Inovação da Ideia ao Mercado

Inovação da Ideia ao Mercado Inovação da Ideia ao Mercado Como proteger minha Inovação 26.05.2015 AHK-SP Henrique Steuer I. de Mello henrique@dannemann.com.br dannemann.com.br 2013 2013 Dannemann Dannemann Siemsen. Siemsen. Todos

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Estrutura do INPI Propriedade Intelectual Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial,

Leia mais

Patentes e a CTIT. Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual. Abril de 2012

Patentes e a CTIT. Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual. Abril de 2012 Patentes e a CTIT Rodrigo Dias de Lacerda Setor de Propriedade Intelectual Abril de 2012 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS Propriedade Intelectual Propriedade Industrial O que é Patente? O que é patenteável? Como

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade A A protecção das invenções ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade 1 A protecção das invenções Sumário rio: 1. Modalidades de protecção 2. O que

Leia mais

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES Dr Rockfeller Maciel Peçanha Conselheiro e Diretor do CREA-RJ Esta apresentação é de responsabilidade do autor não refletindo necessariamente

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings

Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings Summary in Portuguese Patentes, Inovação e Desempenho Econômico: Procedimentos da Assembléia da OCDE Sumário em Português As invenções

Leia mais

Curso de Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes

Curso de Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes Curso de Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes Eliandro dos Santos Costa Arquivista DRT/RS Nº. 1582 Bolsista DTI II CNPq UBEA/PUCRS/NIT-RS Mestrando em Engenharia da Produção SANTA MARIA,

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário.

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 05 a 09 de abril de 2010 Centro de Treinamento do INPI- Praça Mauá, 07/ 10 o andar, RJ Informações: cursos@inpi.gov.br

Leia mais

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE Existem mentes privilegiadas, capazes de inventar produtos ou processos que em muito têm contribuído para o progresso da humanidade. Falamos, por exemplo de um medicamento,

Leia mais

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98)

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Propriedade Industrial Patentes (Lei 9.279/96) Invenção Modelo de Utilidade Desenho Industrial Marcas Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Software (Lei n 9.609/98) Patentes Invenção/Modelo de Utilidade Proteção

Leia mais

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney 1 A inovação pode ocorrer em diferentes modalidades: A introdução de novos produtos ou de melhorias substanciais em produtos existentes na produção de bens

Leia mais

Patentes Conceitos Básicos

Patentes Conceitos Básicos Patentes Conceitos Básicos O que é patente O que é patenteável O que não é patenteável Como é um documento de patente Como definir o escopo de proteção Como é o processo de patenteamento 2014 www.axonal.com.br

Leia mais

Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases

Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases Teresina, 28 de novembro de 2011 Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases O que buscamos? Qual é a função da pesquisas?

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O que é a propriedade intelectual? A convenção da Organização Mundial da Propriedade Intelectual define como propriedade intelectual:

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

Propriedade Intelectual e Patentes

Propriedade Intelectual e Patentes Propriedade Intelectual e Patentes Ernani Souza Jr. Redator de Patentes NUPITEC - CDT/UnB Patentes http://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/10/apples-winning-the-samsung-patent-battles-and-losing-the-war/

Leia mais

III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO

III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL APOIO III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO 1º SEMESTRE DE 2010 PARANÁ APOIO 1 III CURSO DE TREINAMENTO PROFISSIONAL EM PROPRIEDADE INDUSTRIAL NÍVEL BÁSICO - 1º SEMESTRE

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL RN-034/2014 Regulamenta os direitos sobre criações intelectuais resultantes de pesquisas apoiadas por instrumentos de fomento - auxílios e bolsas - disponibilizados pelo CNPq, a

Leia mais

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES 1- A FAPEMIG apoia, tecnicamente e financeiramente, os inventores independentes na proteção e manutenção de invenções,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário

Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário 196 Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário Luiz Alberto Carvalho Alves 1 O direito de propriedade consiste nos atributos concedidos a qualquer sujeito de direito, de usar, gozar, fruir e

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Abril / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

Tutorial de busca em bases de patentes

Tutorial de busca em bases de patentes INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E INOVAÇÃO CENTRO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Tutorial de busca em bases de patentes

Leia mais

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS CARTILHA DE PI DO CADUCEUS SUAS IDEIAS PODEM SER VALIOSAS! Vivemos hoje no mundo da informação e do conhecimento, onde o crescimento e a sustentação de qualquer indústria são sobretudo determinados por

Leia mais

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Departamento de Informação e Promoção da Inovação Lisboa 9 Maio 2012 O que é a Propriedade Industrial?

Leia mais

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Em que momento procurar a área de Patentes da Gestec? O pesquisador pode procurar a área de Patentes da Gestec através do Núcleo de Inovação Tecnológica

Leia mais

MANUAL DE PESQUISA DE PATENTES

MANUAL DE PESQUISA DE PATENTES MANUAL DE PESQUISA DE PATENTES Recife 2015 APRESENTAÇÃO Com a aprovação da PPI- Política de Propriedade Industrial do SENAI-PE torna-se necessário que os técnicos, professores e alunos que já buscam a

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Maio / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DOS OBJETIVOS Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Propriedade intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações do intelecto humano. Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Ideia Empresarial/Protecção da Ideia José Paulo Rainho Coordenador do UAtec Universidade de Aveiro Curso de Empreendedorismo e Valorização

Leia mais

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente.

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente. MARCA O que é marca? É um sinal visualmente perceptível, usado para identificar e distinguir certos bens e serviços produzidos ou procedentes de uma específica pessoa ou empresa. As marcas podem ser: Nominativa:

Leia mais

Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR

Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção das criações intelectuais, enfocando o arcabouço legal brasileiro e as atribuições do INPI. CARGA

Leia mais

Empreendedorismo de Base Tecnológica

Empreendedorismo de Base Tecnológica Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores (LEIC) Alameda 2005-2006 1º Semestre Empreendedorismo de Base Tecnológica Rui Baptista http://in3.dem.ist.utl.pt/pp/rbaptista/0506ebt/

Leia mais

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Estabelece a Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do

Leia mais

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Patentes na Indústria Farmacêutica

Patentes na Indústria Farmacêutica Patentes na Indústria Farmacêutica 1. PATENTES 2. O MERCADO FARMACÊUTICO 3. COMPETIVIDADE DO SETOR 4. A IMPORTÂNCIA DAS PATENTES NO MERCADO FARMACÊUTICO PATENTES PATENTES Definiçã ção o ( LEI 9.279 DE

Leia mais

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas.

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. PATENTES E SUAS ETAPAS Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. A busca de anterioridade não é obrigatória, mas é altamente

Leia mais

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo.

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. 1. Registo Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. O registo das modalidades da Propriedade Industrial, compete a todos operadores das actividades económicas que nisso

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 SABER TECNOLÓGICO PARA QUEM E PARA O QUÊ? A QUESTÃO DAS PATENTES

Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 SABER TECNOLÓGICO PARA QUEM E PARA O QUÊ? A QUESTÃO DAS PATENTES Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 SABER TECNOLÓGICO PARA QUEM E PARA O QUÊ? A QUESTÃO DAS PATENTES Introdução Ronaldo Fiani 1 A apropriação privada do conhecimento tecnológico

Leia mais

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN AGENDA Lei de Inovação e demais legislação. Propriedade Intelectual na Lei

Leia mais

Sumário. Introdução 3. Lista de Acrônimos 17

Sumário. Introdução 3. Lista de Acrônimos 17 Sumário Introdução 3 Lista de Acrônimos 17 Capítulo I O Divisor Global de Inovação 21 Jeffrey Sachs 1. Divisores Globais em Inovação e Avanço Tecnológico 22 2. Setores Públicos e Privados no Divisor Tecnológico

Leia mais

Aplicação em concurso

Aplicação em concurso Marcelle Franco Espíndola Barros (TRF-3 2011 CESPE objetiva) André, Bruno e César realizaram uma mesma invenção, respectivamente, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2011. As invenções foram depositadas

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Patente: uma breve introdução

Patente: uma breve introdução Patente: uma breve introdução Maria Fernanda Gonçalves Macedo A. L. Figueira Barbosa SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MACEDO, MFG., and BARBOSA, ALF. Patentes, pesquisa & desenvolvimento: um

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

Referência eletrônica de material para concurso: Propriedade Industrial Aplicada Reflexões para o magistrado.

Referência eletrônica de material para concurso: Propriedade Industrial Aplicada Reflexões para o magistrado. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 04 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: Patente de Invenção e de Modelo de Utilidade. Referência eletrônica de material para concurso:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Introdução aos debates Jorge de Paula Costa Avila VII REPICT Rio de Janeiro 14 de julho de 2004 Política Industrial, Competitividade

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 37

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 37 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 37 PELA MANUTENÇÃO DO INJUSTIFICÁVEL Autor Marcos Lobo de Freitas Levy Em longa entrevista concedida à Revista do IDEC neste mês de agosto, o Dr. Luis Carlos Wanderley Lima, ex-coordenador

Leia mais

VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES

VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES MILTON LEÃO BARCELLOS & CIA. LTDA. PROPRIEDADE INTELECTUAL DESDE 1957 Milton Lucídio Leão Barcellos Advogado

Leia mais

Sumário. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996

Sumário. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996 Sumário Proposta da coleção Leis especiais para concursos... 13 Apresentação da 2ª edição... 15 Apresentação... 17 Abreviaturas utilizadas nas referências e nos comentários... 19 Lei nº 9.279, de 14 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO À PROPRIEDADE INTELECUAL REPITTec

CURSO DE INTRODUÇÃO À PROPRIEDADE INTELECUAL REPITTec CURSO DE INTRODUÇÃO À PROPRIEDADE INTELECUAL REPITTec Período: 09 a 13 de Julho de 2012 Local: UNEB: Universidade Estadual da Bahia Endereço: Rua Silveira Martins, 2555 Cabula. Salvador - BA I. OBJETIVO

Leia mais

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS MERCOSUL/CMC/DEC N 16/98 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 8/95 do Conselho do Mercado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

Propriedade Industrial. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira

Propriedade Industrial. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira Propriedade Industrial Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira 1 PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade intelectual é gênero, do qual são espécies: o O

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O PROJETO PRIORIDADE BR (Versão 2016.01.25)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O PROJETO PRIORIDADE BR (Versão 2016.01.25) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETORIA DE PATENTES DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O PROJETO PRIORIDADE BR Este texto não substitui

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO. Maria Aparecida de Souza. Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo

PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO. Maria Aparecida de Souza. Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo VIII Seminário do Setor de Saúde da Britcham, tema: "Ambiente de Inovação em Saúde no Brasil PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO Maria Aparecida de Souza Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo

Leia mais

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015 Eficiência Energética em tempos de COP-21 Nov 2015 1 Schneider Electric, o especialista global em gerenciamento de energia e automação 25 bilhões receita em 2014 ~5% das receitas aplicadas em P&D ~170,000

Leia mais

Propriedade Intelectual e Exportação

Propriedade Intelectual e Exportação Propriedade Intelectual e Exportação Rita Pinheiro Machado Coordenadora Geral ACADEMIA/ INPI Rio de Janeiro, 12 de abril de 2016 Sumário O que é e como se divide a Propriedade Intelectual? Desde quando

Leia mais

Brasília, agosto de 2005.

Brasília, agosto de 2005. Brasília, agosto de 2005. A Proteção Legal das Jóias As jóias podem ser protegidas, legalmente, por duas naturezas jurídicas: 1. Registro de Desenho Industrial O desenho industrial protege a forma nova

Leia mais

Clarke, Modet & Co. - Brasil Dra. Patrícia Falcão. São Paulo, 29 de abril de 2015

Clarke, Modet & Co. - Brasil Dra. Patrícia Falcão. São Paulo, 29 de abril de 2015 Esse documento está licenciado pela licença Creative Commons Atribuição Não Comercial Sem Derivados (CC BY-NC-ND). Para saber o que você pode fazer ou não com este arquivo, leia este link antes de usá-lo:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

1. Inovação; 2. A Inovação como factor crítico de sucesso; 3. Criatividade vs. Inovação vs. Invenção; 4. Propriedade Industrial;

1. Inovação; 2. A Inovação como factor crítico de sucesso; 3. Criatividade vs. Inovação vs. Invenção; 4. Propriedade Industrial; A proteção dos direitos de Propriedade Industrial Tiago Leitão Examinador de Patentes Proteção de Invenções por Patente e Modelo de Utilidade INPI 10.Abril.2014 AGENDA 1. Inovação; 2. A Inovação como factor

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direitos do Autor Código

Leia mais

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-ND A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Encontro de Negócios em Inovação e Tecnologia itec 2015 São Paulo, SP 28

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Feito em Paris, em 27 de novembro de 1997, em dois exemplares, nas línguas portuguesa e francesa, sendo ambos os textos igualmente autênticos.

Feito em Paris, em 27 de novembro de 1997, em dois exemplares, nas línguas portuguesa e francesa, sendo ambos os textos igualmente autênticos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FRANCESA SOBRE A COOPERAÇÃO NA PESQUISA E NOS USOS DO ESPAÇO EXTERIOR PARA FINS PACÍFICOS O Governo da República

Leia mais

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Preâmbulo O Instituto Politécnico de Viana do Castelo, doravante designado IPVC, considera que a proteção e valorização dos direitos intangíveis resultado

Leia mais

Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes

Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes Orientações BásicasB Gerência de Inovação Tecnológica Informação Tecnológica gica- O que é? Informação Tecnológica é todo tipo de conhecimento sobre

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais