RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM GOIÂNIA-GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM GOIÂNIA-GOIÁS"

Transcrição

1 RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM GOIÂNIA-GOIÁS Paulo Lopes da Silva 1 Anamaria Ferreira 2 RESUMO O estudo da capacidade/potencialidade dos sistemas freáticos e geossistemas naturais como suporte às necessidades humanas é uma forma de consolidar o conhecimento cientifico e dar a inter-relação necessária entre o meio natural e as potencialidades humanas. Desse modo, uma crescente conscientização acerca da questão ambiental, surge como a possibilidade de união entre o Homem e a Natureza, que não podem ser tomados como pólos excludentes. Nesse sentido avaliam-se os riscos de contaminação e de redução da disponibilidade de água subterrânea para a região metropolitana de Goiânia, definindo critérios de gestão desse importante, mas esquecido recurso natural em nossa Capital. Palavras-chave: água subterrânea, risco de contaminação SUMARY The study of freatic water systems capacity/potentiality and natural geosystems as support to human needs will be a way of consolidating the scientific knowlegde. It will do the necessary inter-relation between the natural environment and human potentiality.this way, an increasing consciouness related to environment issue appears as the possibility of the union bitween human and nature, both can t be analysed as excludents poles. This way, the evaluate of the contaminate danger of reduction of availability to Goiania. Showing ways of management underground water of metropolis. Key words: underground water, contaminate risk 1 INTRODUÇÃO A distribuição da água pela superfície terrestre é de 97% de água salgada e 3% de água doce, sendo que, de água doce, 7% estão nas calotas polares e geleiras, 0,4% nos rios e lagos, 22% são de águas subterrâneas e 0,6% em usinas hidroelétricas (BATISTA & NETO, 1995). Grande parte da nossa água, porem, não é observada, pois permanece em solo profundo, em aqüíferos, que estão contidos em formações geológicas compostas de matérias porosas, tais como areia e cascalho ou em espaços entre rochas subterrâneas essas formações podem armazenar q uantidades gigantescas de água. 1 Geografo, Especialista em Educação Ambiental, Especializando em Gestão Ambiental UCG 2 Bióloga, Drª, UFG

2 Os aqüíferos podem ser carregados pela água da chuva, pelo escoamento pluvial ou degelo glacial, assim, a maior parte de nossa água liquida não é visível na superfície. No ultimo meio século, a demanda alimentícia global mais que duplicou e os rios e córregos se tornaram mais poluídos. O homem voltou-se então cada vez mais para extração de águas dos aqüíferos subterrâneos para o consumo e irrigação (WORLD WATCH INSTITUTE, 2003). Apesar da crença popular que a água subterrânea está protegida contra as diversas formas de contaminação, os cientistas estão descobrindo poluição em aquíferos em todos os continentes, tanto nas proximidades das lavouras, quanto de fábricas e de cidades. O tempo médio de permanência da água nos depósitos subterrâneos é de anos contra apenas 16 dias para a água fluvial. (REBOUÇAS, 2002). Assim os poluentes ao invés de correrem para o mar ou se diluírem sob a constante adição de água fresca, se acumulam e neste caso a poluição se apresenta, em geral, como irreversível. Da mesma forma que a incidência da mudança climática desperta para a realidade de que o ar é uma arena de forças titânicas e ao refletir em como a atividade humana está afetando o clima, o cientista da Universidade de Colúmbia, Wallace Broecker e James Hansen da NASA alertaram: O sistema climático é uma fera raivosa que estamos cutucando (SCIENTIFIC AMERICAN MAGAZINE, 2004). Uma declaração semelhante poderia ser feita hoje sobre o sistema hídrico subterrâneo, se a disseminação de resíduos contaminantes continuar se espalhando pelo solo, na expectativa que ele engula o lixo e simultaneamente abasteça a Terra de água pura, haverá comprometimento irreversível dos aqüíferos, que são um dos mais importantes recursos naturais do mundo. É de preocupação relevante a situação que se apresentam os aqüíferos, que complementam o abastecimento da cidade de Goiânia: seu risco de contaminação, seu rebaixamento, a falta de estudos que determinem sua potencialidade, a legislação conflitante, tornam a gestão ambiental correta deste recurso, uma matéria de difícil administração.

3 2 O PERFIL GEOLÓGICO BRASILEIRO O subsolo brasileiro em geral é constituído por rochas de idades do período Arqueano-Paleoprotezó ico com idade de 1,8 bilhões de anos, de Meso a Neoprotezóico com idade de 1,8 bilhões de anos a 570 milhões de anos, e também do período Fanerozóico dos últimos 570 milhões de anos. As rochas do período Meso ao Neoproterozóico são constituidas de carbonatos que favorecem a constituição de aqüíferos, embora sejam extremamente vulneráveis a contaminação. Abrigam, portanto, rochas vulcano-sedimentares que por sua baixa porosidade e permeabilidade constituem o aqüífero tipo fissural, já as rochas sedimentares constituem os aqüíferos porosos. (DELGADO e PEDREIRA,1994) 3 O PERFIL HIDROGEOLÓGICO GOIANO O Planalto Central do Brasil é o principal divisor de águas do País. A região de Goiás, coberta quase totalmente por cerrados, possui fontes naturais que seguem em direção a todas as bacias hidrográficas brasileiras. Segundo a Governo de Goiás,(2003), há no Estado de Goiás 186 mananciais de superfície aproveitados para atividades humanas, que abastecem cerca de 85% das residências goianas, ou seja, cerca de 3,9 milhões de habitantes com tratamento de água potável. Goiás tem suas terras drenadas em uma vasta rede hidrográfica, calculada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos em aproximadamente km quadrados, ou seja, quase metade do seu território. A topografia e a localização central das bacias favorecem ainda a implantação de grandes projetos agropecuários, agroindustriais e minerais. O uso da água é de 50% para a agricultura, 30% para abastecimento público e 20% para outras atividades. (OPOPULAR, 22/03/03). As características físicas predominantes nos rios estão ligadas à ocorrência das estações climáticas chuvosa de outubro a abril e a seca de maio a setembro e que coincidem com as temperaturas mais baixas (EMBRAPA, 2000). Durante o período das chuvas podem ocorrer breves períodos de estiagem conhecida como veranico. Para Milton de Macedo e Silva, geólogo ambientalista, Goiás se posiciona

4 em ponto estratégico e privilegiado do Brasil e o Parque Nacional das Águas Emendadas, próximo a Brasília, estão localizadas nascentes que contribuem para a formação das bacias do Paranaíba, do Tocantins e do São Francisco. Goiás é um fenômeno das águas doces e lembra que o Brasil detém 12% da água doce do planeta (OPOPULAR, 22/03/04)). Há nascentes que sofrem com os intensos processos erosivos provocados pelo garimpo e pela agricultura de grãos. De acordo com a Global Environmental Outlook, programa da ONU sobre o meio ambiente, Goiás apresenta sérios problemas de erosão laminar e por sulcos. As regiões do estado que mais sofrem com isto são a oeste e sudoeste, principalmente as nascentes dos rios Araguaia e Paranaíba. Embora 47% dos solos goianos tenham aptidão boa ou regular para a agricultura, 48% do território é constituído por solos suscetíveis a erosão. (GOVERNO DE GOIÁS, 2003) As chamadas voçorocas ativas de médios e grandes portes passaram de 12 para 90 nos últimos 30 anos. (GOVERNO DE GOIÁS, 2003). Dessa imensa frente de erosão derivam processos de eutrofizaçao de cursos de água e lagos, assoreamento dos afluentes, bloqueio de rios com o afogamento da vegetação ciliar. No contexto sócio-econômico, a bacia do rio Paranaíba é a mais importante para o Estado. Pelo fato de Goiás possuir grande quantidade de águas superficiais e também de depósitos subterrâneos é de se prever que com a intensa exploração agro-pastoril e mineral pelo qual passa o Estado, o lençol freático goiano possa estar contaminado. Jack Barbash, químico ambiental do USGS, assinala que se quer saber o que poderá ser encontrado nos aqüíferos basta olhar o que está sendo aplicado na superfície (UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY, 2002) E isto é marcante onde predominam os aqüíferos do tipo fissural e Goiânia apresenta este tipo de aqüíferos 4 PERFIL HIDROGEOLÓGICO DE GOIÂNIA Entretanto, apesar da importância das águas subterrâneas para a região metropolitana, não há estudos consistentes sobre a matéria. A rede hidrográfica local pertence à Bacia do Paraná sendo o curso hídrico mais importante o rio Meia Ponte e seus tributários sendo os córregos João Leite, Anicuns, Santo Antonio e Dourados (ATLAS

5 GEOGRAFICO DIGITAL ATR, 2000), Campos (2003) afirma que: a região metropolitana encontra-se inserida em dois compartimentos geológicos: o complexo granulítico Anápolis-Itauçú e grupo Araxá. sendo o primeiro de formação granulítica e o segundo de xistos e quartzitos. Do ponto de vista regional quanto à geomorfologia temos o Planalto Central Goiano, Depressão e Morrarias do Rio dos Bois, Planícies Aluviais, outrossim, outros quatro compartimentos denominados de Depressão do Meia Ponte, Planalto Dissecado, Planalto Rebaixado e Resíduos de Aplainamento. Com o cruzamento da geomorfologia e hidrologia conclui-se que a Depressão do Meia Ponte não representa bom aqüífero devido ao solo raso, relevo ondulado e grande risco de contaminação, Apenas o Planalto Rebaixado possui condições favoráveis à formação de melhores aqüíferos, pois possui latossolos profundos e relevo plano, que proporciona maior infiltração e recarga. Segundo a SANEAGO, (2004), com a deterioração dos cursos hídricos há comprometimento da qualidade e da quantidade de água tanto, superficial quanto água para o abastecimento. A EMBRAPA realiza medidas de precipitação e de temperatura na região metropolitana de Goiânia nos últimos 20 anos. Os valores de precipitação têm variado de 1425 a 1588 mm anuais e temperaturas mínimas de 17,9 C a máximas de 29,8 C. Estes parâmetros também contribuem para recarga dos aqüíferos. (EMBRAPA, 2000). No subsolo de Goiânia, ocorre a presença de dois domínios de águas subterrâneas, chamados de Poroso 1, 2 e 3 e Fraturado, sendo a variação da vazão de 500 L/h até 3.500L/h. (CAMPOS et al., 2003) Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE, 2002) a água subterrânea já contribui com 51% do abastecimento humano no Brasil e apresenta ampla tendência de aumento do consumo. No entanto o Diagnóstico Hidrogeológico da Região de Goiânia (2003) acrescenta que o quadro hidrogeológico de Goiânia indica que águas subterrâneas são limitadas e apresentam risco, ainda que, moderado de contaminação. Na região de Goiânia a água subterrânea é utilizada para o abastecimento doméstico, uso industrial, irrigação de áreas verdes, lazer e como fonte complementar na área de serviços, principalmente em postos de combustíveis. De acordo com a SANEAGO,

6 existem em Goiânia residências que fazem uso de cisternas e 400 outros grandes usuários fazem uso de poços mais profundos. 5 RISCOS DE CONTAMINAÇÃO Dois fatores determinam o grau de risco de contaminação dos aqüíferos: o tipo e a quantidade de argilominerais presentes no solo e no manto de intemperismo, entre as zonas saturadas e não saturadas, (CAMPOS et al.,2003), mas ressalta que outros parâmetros como a declividade e hipsometria, influem no risco de contaminação. Diversas atividades pontuais ou difusas afetam o lençol freático tais como: 5.1 Postos de Combustíveis: A operação de postos de combustíveis e serviços representa risco de contaminação dos aqüíferos de qualquer região. devido corrosão dos reservatórios metálicos que são enterrados em zona vadosa e de ph baixo. O tempo médio de inicio de vazamento desses tanques se situa entre 5 e 20 anos. É de prever que este risco se tornará mais freqüente, tornando-se necessário o desenvolvimento de metodologia para o monitoramento e legislação especifica para conter o risco. A construção de postos ecologicamente corretos, com seus tanques situados acima do solo, poderia minimizar tais ocorrências. Na região de Goiânia e entorno foram cadastrados 287 postos de combustíveis, sendo a maior concentração na região central e ao longo das principais rodovias de acesso (MARQUES et al., 2003). 5.2 Cemitérios Oito Cemitérios em Goiânia e nas proximidades apresentam cargas contaminantes relativamente alta em virtude da área ampla e do elevado volume de efluentes gerados (necrochorumes). O Cemitério Santana e o Antigo Cemitério de Aparecida de Goiânia apresentam o maior potencial poluidor, pois operam há varias dezenas de anos. As seguintes premissas na locação de novos cemitérios devem ser levadas em consideração: - Estudos de Geologia e hidrogeologia

7 - Mapeamento do topo do lençol freático - Construção de poços de monitoramento, rasos e profundos. - Monitoramento da qualidade bacteriológica das águas subterrâneas locais com avaliação ao longo do tempo. Esta fase deve envolver a coleta e o monitoramento de amostras de água antes e após a implantação do empreendimento. Depois que o aqüífero é contaminado, as medidas para recuperá-lo são demoradas, caras e até inviáveis. A lenta infiltração de poluentes já foi chamada de bomba relógio química (ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS, 2001). O monitoramento adequado não deve limitar-se às análises de coliformes, mas envolver também a análise bacteriológica. O monitoramento deve incluir também: - O desenvolvimento de estudos geofísicos para confirmar os dados diretos pontuais. - A caracterização detalhada dos sistemas de fratura locais, que pode ser facilitada com a utilização de métodos geofísicos, uma vez que as espessas coberturas do solo dificultam o acesso aos afloramentos rochosos. - A caracterização física dos solos com a quantificação da condutividade hidráulica por ensaios de infiltração e análises granulométrica. Alem desses tópicos, ouros devem ser considerados em função das condições locais, como morfologia de relevo, espessuras e textura dos solos e clima. 5.3 Aterros Sanitários e Deposição de Entulho Na região de Goiânia existem cinco sítios a disposição de resíduos sólidos domésticos e hospitalares, representados pelos aterros sanitários de Goiânia, de Aparecida de Goiânia e de Abadia de Goiás, alem de dois lixões. Inicialmente previstos para operarem por 10 anos e após a saturação novas áreas serão estudadas para implantação de novos sítios e nesse caso, as mesmas técnicas consideradas para a locação de cemitérios devem ser aplicadas nos estudos prévios de implantação de aterros sanitários.

8 5.4 Ocupação Urbana Este parâmetro está associado às expansões na forma de novos bairros, principalmente em direção aos setores noroeste e sul, em que grande número de loteamentos sem a infra-estrutura básica vem sendo implantado. A elevada densidade de residências associada ao fato de não existir captação e tratamento de águas servidas e em alguns casos, ausência de coleta regular de lixo doméstico, resulta em elevado número de sistemas de esgotamento sanitário individual, com fossas e sumidouros e valas de infiltração. Outra situação é a concentração de lixo em regiões onde a coleta não é regularizada, comumente em assentamento de famílias de baixa renda. 5.5 Poços A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMMA, 2004) e a Superintendência de Geologia e Mineração da SIC (2004) concluíram que o lençol freático de Goiânia está sendo rebaixado. A SEMMA autoriza e inspeciona a abertura de poços artesianos desde 2001 e afirma que no Setor Bueno, a profundidade para perfurar um poço era de 70 metros, atualmente perfura-se até 120 metros. (GOVERNO. DE GOIÁS, 2003). E o rebaixamento é só um dos problemas provocados pela inobservância das normas técnicas de perfuração, Coliformes fecais, substâncias tóxicas, resíduos de postos de gasolina, estão presentes em quase todos os poços. Dos 460 proprietários de fontes alternativas de abastecimento hídrico foram exigidos laudos de análises físico-químicas da água e segundo Jodat Jawabre4, Secretar io da SEMMA mas apenas 230 atenderam ao chamado e entre esses, a maioria não cumpria normas. Os problemas encontrados durante as vistorias nesses poços pelos técnicos são os mais diversos. Entre os quais: - falta de hidrômetro - vedação inadequada da boca do poço

9 - infiltrações diversas nas manilhas de revestimento - falta de analise de potabilidade da água. No diagnóstico Hidrogeológico da Região de Goiânia, elaborado pelo Governo de Goiás. foram cadastrados 140 poços a mais do que aqueles já cadastrados na SEMMA, tais fatos se devem, provavelmente, às falhas da legislação estadual e municipal que são conflitantes, existindo por parte das empresas perfuradoras de poços certo descaso com normas adequadas de perfuração. A SEMMA criou um grupo e irá sugerir mudanças quanto ao mecanismo de controle sobre as empresas dessa área. A Lei Complementar nr 14 de (Código de Posturas de Goiânia) restringe a perfuração de poços onde a rede pública de abastecimento consiga atender, enquanto que a Lei nr , em seu artigo 11 especifica que o proprietário de qualquer terreno poderá explorar as águas subterrâneas adjacentes e que não deve acarretar prejuízo as outras captações. Cinco classes de riscos de contaminação foram determinadas para a região de Goiânia: Risco muito Alto, Risco Alto, Risco Moderado, Risco Baixo e Risco Muito Baixo, conforme publicado por CAMPOS (2003). As principais rodovias e a drenagem urbana são áreas de Risco Muito Elevado (CAMPOS, et al., 2003). Da mesma forma, os setores urbanos mais novos, que não possuem captação de esgotos, elevam significativamente este risco. Em outro extremo, áreas agrícolas sem uso de insumos são as que apresentam menores risco de contaminação. 5.6 Pólos Petroquímicos Em Senador Canedo em função da existência de grandes reservatório s de combustíveis existe a possibilidade de vazamento para o domínio de rochas porosas, através da percolação, atingiria as zonas saturadas dos aqüíferos.

10 5.7 Estação de Tratamento de Esgoto A área metropolitana de Goiânia conta com quatro ETEs em operação ou fase final de instalação, sendo Aruanã I e II, Goiânia II, Parque Ateneu e Cruzeiro do Sul. Estas estações representam possíveis focos de contaminação para as águas subterrâneas. 5.8 Rede de Drenagem Urbana Os cursos fluviais que drenam a porção urbana de Goiânia apresentam-se com elevado grau de contaminação através dos efluentes domésticos, uma vez que as águas servidas são lançadas diretamente nos rios. A ETE de Goiânia não eliminara totalmente o problema. 5.9 Principais Rodovias As vias de acesso de trânsito intenso resultam na geração de grande carga potencial de efluentes particulados, tais como resíduos de pneus, que são ricos em metais pesados, resíduos de combustíveis, acumulo de lixo e riscos de acidentes no transporte de materiais tóxicos. A chuva e lixo se encarregam da distribuição desse material. 6 Gestão das Águas Subterrâneas Áreas impermeabilizadas utilizadas para estacionamentos, que não permitem a recarga dos aqüíferos estão presentes nos Shoppings e grandes Supermercados. O ideal seria estacionamento calçado com broquetes de cimento que permitissem a infiltração dágua e não há lei municipal que obrigue as construtoras a terem tal procedimento. Antonio Passos Rodrigues, um dos autores do Diagnóstico Hidrogeológico de Goiânia, afirma que é de fundamental importância: - Recuperar áreas degradadas, - Preservar a recarga natural, - Cobrar pelo uso da água (Lei nr 9433/97)

11 - Cadastrar de mini-pocos. A SEMMA (2003) acredita que se as normas técnicas de implantação de poços tubulares fossem seguidas à risca, bem como, tomados cuidados preventivos na implantação de aterros sanitários e cemitérios, reutilização da água, tratamento de águas superficiais e subterrâneas e reflorestamento das áreas ciliares os resultados seriam efetivos e tranqüilizadores. Para potencializar a sustentabilidade do lençol freático de Goiânia são sugeridas as seguintes iniciativas: 1- Estudo das Estimativas das Reservas Renováveis e Vasões de Segurança; 2- Sistema de Outorga e Cobrança (Lei 9433/97); 3- Reuso da Água; 4- Construção adequada dos pontos de captação; 5- Manejo integrado dos sistemas de captação; 6- Implantação de sistemas para recarga artificial; 7- Educação Ambiental; 8- Viabilização do tratamento de águas servidas; 9- Controle e recuperação dos processos erosivos; 10-Monitoramento das águas; 7 Conclusão Na região de Goiânia, há dois domínios de aqüíferos, um poroso e o outro fraturado. o primeiro apresenta alto risco de contaminação, o segundo apresenta eficiência na acumulação. Do ponto de vista hidrogeológico, concluímos que: a) As águas subterrâneas da região de Goiânia constituem um recurso estratégico. Assim sua exploração deve ser vinculada aos recursos superficiais no sentido de compleme ntação da disponibilidade hídrica superficial b) As conseqüências à contaminação do lençol freático podem dificultar a vida no planeta Terra e a semelhança de outras regiões, a área metropolitana de Goiânia, com seus 2 milhões de habitantes, caminha a passos largos para tornar o aqüífero subterrâneo inutilizável

12 REFERÊNCIAS ATLAS GEOGRAFICO DIGITAL ATR, Aqüíferos Subterrâneos Contaminados 1998, Cd-rom. BATISTA, Gustavo, e NETO, Mario, Recursos Hídricos e Ambiente, Ed Centro Educacional Objetivo, Brasilia, 1995 BLAUSTEIN, A., in Anfíbios Mutantes e Mudanças Ambientais, SCIENTIFIC AMERICAN MAGAZINE Br, São Paulo Vol Nº 10, março 2003, BRASIL, 1997 Lei no 9.433, de 08 de janeiro de 1997, que Instituí a Política. Nacional de Recursos Hídricos cria o Sistema Nacional de Recursos. Hídricos e dá outras providências. CAMPOS, J.E.G. et al., Diagnostico Hidrogeológico da Região de Goiânia, Cd-rom DELGADO I., PEDREIRA, A. Síntese da Evolução Geológica e Metalogentica do Brasil, Salvador, CPRM, 1994 EMBRAPA-GOIÂNIA. Série Histórica Climatológica da Estação EMBRAPA Goiânia, (1983 a 2000). Dados Tabelados, HANSEN,J.,in Desarmando a Bomba Relógio do Aquecimento Global SCIENTIFIC AMERICAN MAGAZINE Br, São Paulo Vol Nº 23, abril 2004, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, Censo Demográfico, Tabela 1442 e outras, Rio de Janeiro, 2002 GOVERNO DE GOIÁS, Estudo Ambiental Geogoiás, Goiânia, CD-ROM LEI nr 13583, Uso do Solo, Goiânia, 2003 LEI COMPLEMENTAR nr 14, 1992, Código de Posturas de Goiania LEI Política Nacional de Recursos Hídricos e a criação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Presidência da República do Brasil, MARQUES, E., et al, O Licenciamento Ambiental dos Postos de Revenda Varejista de Combustíveis de Goiânia,, Monografia de Conclusão de Curso de Engenharia Ambiental, Prof. Dr. Pasqualetto, (orientador) UCG, 2003 ONU, Relatório The Invisible and Endangered Resource, 2001, New York OPOPULAR, Águas Subterrâneas, 22/03/03, Goiânia.

13 REBOUÇAS, Aldo da C.,(coordenador), Águas Doces do Brasil, Ed. Escrituras, SP, p., São Paulo UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY, Tri-State Geographic Air and water Risk, Relatório 2002 WORLD WATCH INSTITUTE, Estado do Mundo, site acesso em 21 Dezembro/03, 20:00 horas. WATCH TOWER BIBLE, Água Haverá Suficiente Para Todos?, junho 2001, São Paulo

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes.

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. HIDROGRAFIA CONCEITOS Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. Rede hidrográfica: Conjunto de rios. A HIDROSFERA É a

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL

ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL INTERESSADO Nome / Razão Social ENDEREÇO DO IMÓVEL OBJETO DO LICENCIAMENTO Logradouro Número Bairro Inscrição Fiscal ENTREVISTADO (responsável pelas respostas do questionário)

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL 1 1 AS NASCENTES E OS NOSSOS RIOS: IMPORTÂNCIA DE LEVANTAR DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL Neuma Rubia Figueiredo Santana Email: rubia.aguas@gmail.com Ana Karina Santana Martins Email: bionarika@yahoo.com.br

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/98 N 28 ÁGUAS SUBTERRÂNEAS APRESENTAÇÃO O tema águas subterrâneas ainda hoje é muito pouco conhecido, e por isso dissociado, das deliberações

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

A ÁGUA NA TERRA ESTÁ SE ESGOTANDO? É VERDADE QUE NO FUTURO PRÓXIMO TEREMOS UMA GUERRA PELA ÁGUA?

A ÁGUA NA TERRA ESTÁ SE ESGOTANDO? É VERDADE QUE NO FUTURO PRÓXIMO TEREMOS UMA GUERRA PELA ÁGUA? Artigo Gentilmente cedido pelo Eng Pedro Jacobi que pode ser visualizado no formato original em http://www.geologo.com.br/aguahisteria.asp A ÁGUA NA TERRA ESTÁ SE ESGOTANDO? É VERDADE QUE NO FUTURO PRÓXIMO

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar EROSÃO A erosão é um processo de deslocamento de terra ou de rochas de uma superfície. A erosão pode ocorrer por ação de fenômenos da natureza ou do ser humano. Causas naturais No que se refere às ações

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

6º Congresso de Pós-Graduação

6º Congresso de Pós-Graduação 6º Congresso de Pós-Graduação CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) SABRINA MAC FADDEN Co-Autor(es) ENÉAS XAVIER DE OLIVEIRA Orientador(es) SABRINA MAC FADDEN 1. Introdução Atualmente

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa Hidrografia - Brasil Professora: Jordana Costa As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado em relação a disponibilidade de água; Possui cerca de 12% de água doce do planeta em

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

Poços rasos e profundos, locação e perfuração

Poços rasos e profundos, locação e perfuração Poços rasos e profundos, locação e perfuração Captações rasas águas freáticas em perfis de alteração. Captações profundas águas de aquíferos livres e confinados em rocha Locação - em sedimentos não consolidados,

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

XIII - O CICLO DA ÁGUA

XIII - O CICLO DA ÁGUA XIII - O CICLO DA ÁGUA A ocorrência da água: ÁGUA = H 2 O = ao elemento mais abundante na superfície do planeta; é o melhor solvente disponível na natureza; atua no intemperismo químico, físico e na erosão

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares 1 de 9 DECRETO nº 32.955, de 7 de fevereiro de 1991 (*) Regulamenta a Lei nº 6.134, de 2 de junho de 1988 (*) Com retificação feita no Diário Oficial de 09/02/1991 Orestes Quércia, Governador do Estado

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais i 20/07/2007 José Luiz Silvério da Silva CCNE Djalma Dias da Silveira - CT Introdução Água é essencial: Sua ausência impossibilita

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 HISTÓRICO 70 década da água 80 década do ar 90 década dos resíduos sólidos Histórico

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE Para refletir A Água A água, tal como o Sol, é essencial para a vida na Terra. A água é

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água.

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água. MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DE NASCENTES NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO, SUB BACIA DO MÉDIO RIO SÃO FRANCISCO. Ana Lídia Alves Rocha 1, Lucilia Maria Parron 2, Carlos José Domingos da Cruz 3,

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO. www.cpdec.com.br

PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO. www.cpdec.com.br PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO Introdução A pesquisa O Uso e o Consumo da Água no Estado de São Paulo foi desenvolvida pelo, em parceria com o NEIT (Núcleo de Economia Industrial

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO PARA OS CÓRREGOS URBANOS DE PORANGATU E CONSCIENTIZAÇÃO PARA AS POPULAÇÕES RIBEIRINHAS 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO PARA OS CÓRREGOS URBANOS DE PORANGATU E CONSCIENTIZAÇÃO PARA AS POPULAÇÕES RIBEIRINHAS 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO PARA OS CÓRREGOS URBANOS DE PORANGATU E CONSCIENTIZAÇÃO PARA AS POPULAÇÕES RIBEIRINHAS 1 GARÇÃO, Lucimar Marques da Costa Garção 2 Palavras-chave: Educação

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS O Daae (Departamento Autônomo de Água e s) está inspecionando os poços artesianos dos estabelecimentos comerciais, industriais

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais