Edição Financiada por:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edição Financiada por:"

Transcrição

1 Edição Financiada por:

2 Projecto promovido por: Trabalho elaborado por:

3 FICHA TÉCNICA Selecção de Casos, Pequenas Empresas do Comércio e Serviços que Apostam no Futuro 2ª edição, Novembro de 2008 CAPA E PAGINAÇÃO: Notiforma - Imagem & Comunicação, Lda. FOTOGRAFIA: Luísa Flores IMPRESSÃO E ACABAMENTO: Touch - Artes Gráficas, Lda. DEPÓSITO LEGAL Nº: Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor. Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida sob qualquer forma ou para qualquer propósito sem a autorização prévia e por escrito do editor, com excepção de excertos breves usados para apresentação e crítica da obra.

4 NOTA DE APRESENTAÇÃO O presente trabalho insere-se no projecto Dinamizar, promovido pela Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) em parceria com 10 associações do sector de âmbito regional e que recebeu o apoio do Programa Operacional do Emprego, Formação e Desenvolvimento Social, POEFDS (medida Formação / Consultoria destinada a PME). Da intervenção directa efectuada, em 2005/2006, em duzentas micro e pequenas empresas do comércio e serviços, foram seleccionados um conjunto de casos relevantes apresentados nesta brochura, pela mão do IESE (entidade avaliadora do projecto em causa). O trabalho de selecção efectuado, teve como critério central não, propriamente, uma avaliação competitiva da empresa ou do seu carácter inovador, mas assentou, acima de tudo, nas alterações introduzidas na empresa pelo Dinamizar e no respectivo grau de execução durante o tempo de vigência do projecto. Assim, aquilo que constitui o elemento comum aos casos apresentados e que os faz merecedores de destaque é, antes de mais, o desejo de mudança e o espírito de renovação e de inconformismo manifestados. Os seus empresários, alguns deles com uma experiência de muitos anos no sector, revelaram ser verdadeiros empreendedores e saberem que, só apostando no futuro poderão sobreviver e tornarem-se, porventura, em verdadeiros casos de sucesso. Eles são um exemplo da cultura DINAMIZAR que queremos difundir e como tal é bom que este registo, na forma de fichas de apresentação, possa constituir não só uma forma de homenagear todos aqueles que participaram no Projecto e que, como eles, partilharam desta cultura, como ainda servir de elemento de trabalho e de estudo sobre o sector e sobre o dinamismo de muitos dos seus pequenos empresários. O Coordenador do Projecto Dinamizar

5

6 ÍNDICE DesignGen 7 BragaPrint 13 Minhopex 19 Oliveira & Miranda 23 Pensão das Termas 27 Garagem Couto 31 Vimagás 35 Aparecida Seguros 39 Pinheiro, Dias & Magalhães 43 Corgobus 47 Plan 53 Décio & Matos 59 Centro Óptico O Templo 63 Luís Nobre Electricistas 67 Rodrigues & Valente 71 DINAMIZAR F

7 F DINAMIZAR

8 1. DESIGNGEN COMUNICAÇÃO VISUAL, LDA. 1. Identificação da Empresa Designação Associação Empresarial Ano de Constituição CAE Descrição da Actividade Principal Natureza Jurídica Número de Trabalhadores Número de Estabelecimentos Localização DesignGen Comunicação Visual, Lda. Adere-Minho - Assoc. para o Desenvolvimento Regional do Minho Consultoria em programação informática Sociedade por Quotas 4 1 Braga 2. Breve Descrição da Empresa e da sua Actividade 2.1 Actividades desenvolvidas A DesignGen desenvolve soluções integradas de comunicação e imagem para as empresas, nomeadamente, trabalhos gráficos, criação e manutenção de páginas de Internet, desenhos para outdoors, desenhos publicitários, bem como outros trabalhos informáticos. 2.2 Instalações As instalações e a localização da empresa foram identificadas como pontos fracos: o espaço físico não era o mais adequado e as instalações administrativas eram deficiente ao nível do seu layout e exíguas. Actualmente estão localizados no centro de Braga e possuem umas instalações funcionais e adequadas à imagem da empresa. 2.3 Clientes e fornecedores A empresa tem clientes em todo o país e alguns no estrangeiro (França). 2.4 Concorrentes A DesignGen insere-se num mercado altamente concorrencial, no qual apenas sobrevivem as entidades que apresentem uma elevada qualidade e nível de inovação dos serviços prestados, bem como um serviço persona- DINAMIZAR F

9 lizado e adaptado às exigências do cliente. Em 2000, quando os sócios da DesignGen criaram a Webpoint (antiga empresa que deu origem à actual), em Portugal assistia-se ao boom informático que originou o aparecimento de inúmeras empresas a prestar serviços nesta área. A selecção do mercado acabou por ditar a extinção de muitas delas, existindo actualmente, em Braga, seis empresas que desenvolvem actividades na mesma área que a DesignGen. Porém, as características associadas à juventude e criatividade da empresa permitem-lhe dispor de um nicho de mercado próprio e com clientes fidelizados. 2.5 Plano estratégico A história da empresa revela que esta nasceu após a decisão conjunta de quatro amigos, com conhecimentos e competências na área da informática, para criar uma empresa com serviços inovadores nesta área de negócio. que se encontrava em forte crescimento. Nessa altura, não houve qualquer tipo de preocupação em definir uma estratégia de negócio, nem mesmo algumas linhas de orientação. Os fracos conhecimentos de gestão dos quatro sócios não lhes permitiu definir um plano de negócios que contemplasse qual o caminho a seguir em termos de estratégias de mercado e clientes. Desta forma, a empresa encontrava-se desprovida de um sistema de gestão, criando uma total dependência face ao contabilista, e, simultaneamente, desprovida de um plano de marketing e publicidade e de um sistema de organização interna. Com a participação no Projecto e a elaboração do diagnóstico, os sócios foram confrontados com as principais lacunas da empresa, algumas das quais não tinham consciência, tendo por tal sido motivados a pensar no negócio de forma estratégica, i.e., definir qual o caminho a percorrer no futuro, em temos de mercados, clientes, serviços, etc.. Esta ponderação sobre o negócio conduziu à decisão de realizar uma reestruturação completa da empresa, substituindo a Webpoint por uma nova empresa, a DesignGen. 2.6 Política de formação Outro dos pontos fracos da empresa consistia na ausência de uma política de formação. Como todos os sócios detinham competências elevadas na área específica de negócio e a título individual frequentavam acções de formação nas áreas técnicas, a empresa nunca desenvolveu formação para os seus activos (sócios). A fraca aposta da empresa na formação deve-se igualmente à dificuldade de encontrar formação nesta área técnica específica e a que existe ser geralmente demasiado onerosa, optando antes pela autoformação através da aquisição de documentação técnica. F DINAMIZAR

10 Por outro lado, como não tinham consciência da necessidade de frequentar formação em áreas transversais como a gestão, marketing e vendas, ou mesmo organização e liderança, nunca procuraram ou frequentaram formação nessas áreas. 2.7 Nível de tecnologia A Gen realiza regularmente investimentos na área tecnológica, principalmente em equipamentos, software e hardware. 3. Eficácia e Impactos 3.1 Efeitos produzidos pelo Projecto e principais mudanças ocorridas na empresa e nos trabalhadores Os efeitos produzidos pelo Dinamizar foram muitos e com elevados impactes. Segundo os empresários os resultados foram para além das suas expectativas iniciais. Como referido inicialmente, a Webpoint era uma empresa na área de informática que foi criada por quatro amigos que detinham competências nessa área técnica e que devido às potencialidades que o mercado apresentava decidiram criar o seu próprio negócio. No entanto, nenhum dos sócios possuía qualquer tipo de conhecimentos ou competências na área de gestão e não foi definido qualquer plano estratégico ou linhas de orientação. Desta forma, a empresa foi evoluindo de forma pouco estruturada e organizada. Quando a intervenção do Dinamizar teve início, na fase do diagnóstico os empresários viram-se confrontados com a necessidade de reflectir sobre a estratégia da empresa e de ponderar qual o rumo a traçar para a mesma: nesta altura concluíram pela necessidade de uma mudança estrutural e optaram por encerrar esta empresa, criando uma nova que pudesse reflectir a imagem que pretendiam para a empresa. Desta forma, surge a DesignGen, que embora dentro do mesmo ramo de actividade dispõe de uma maior oferta de serviços. Durante o período do diagnóstico foi possível identificar as principais falhas e lacunas da empresa, estas não estavam relacionadas com os serviços prestados e a sua qualidade, mas sim com todas as actividades transversais à vida quotidiana de uma empresa, i.e., as actividades de gestão e organização interna. Os empresários tinham consciência da existência de falhas a estes níveis, mas nalguns aspectos foi necessário evidenciá-las para que houvesse uma clara percepção dos seus contornos e das reais consequências para o negócio. Como a participação e envolvimento dos empresários/trabalhadores foi bastante elevada, o diag- DINAMIZAR F

11 nóstico e plano de acção elaborado espelhava claramente a realidade da empresa. O plano de acção incidiu essencialmente, nas questões de gestão e organização, logo foi a este nível que se registaram os maiores impactes e mudanças. A necessidade de alteração do layout administrativo, a par da necessidade sentida pelos empresários em mudar a localização da empresa, levou à mudança de instalações para uma zona da cidade mais central e adequada à imagem que a nova empresa pretende transmitir. Nas novas instalações foi implementado um layout administrativo mais adequado e funcional, que permite uma melhor organização do trabalho. Os antigos clientes da empresa mostram maior agrado e satisfação com esta mudança e conduziu à angariação de novos clientes. A instalação e criação de um sistema de gestão permitiu resolver muitos dos problemas funcionais com que a entidade se debatia. Neste sentido, os empresários, tirando proveito das suas competências na área da informática, decidiram criar um software de gestão específico para a empresa, permitindo aumentar a autonomia desta em relação ao contabilista, já que muitas das tarefas passaram a funcionar dentro da organização. Paralelamente, foi nomeado um responsável pelas questões de organização e gestão, cujas funções passam, entre outras, por gerir o economato e o arquivo e criar listas telefónicas e agendas, inexistentes até então. Os empresários fazem uma apreciação bastante positiva da formação, especialmente da formação em liderança, que se revelou interessante e útil e produziu efeitos imediatos, uma vez que alertou para situações em curso erradas e conduziu à sua alteração, nomeadamente, melhorar as relações internas entres os sócios e as relações com os clientes. Para além dos impactes directos do Projecto na empresa, registaram-se também alguns impactes indirectos decorrentes da participação no Dinamizar. Como os Consultores Gerais contratados pela Adere-Minho não possuíam competência para a criação e desenvolvimento das páginas da Internet contemplados na maioria dos planos de acção das outras empresas intervencionadas, contrataram a Gen para o desenvolvimento deste trabalho. Outro dos impactos indirectos diz respeito aos contactos estabelecidos com os outros empresários, que participaram no Dinamizar, nas acções de formação inter-empresas, e que num futuro próximo poderão resultar em novos negócios e parcerias. Outros dos efeitos valorizados pelos empresários foi a publicação de uma reportagem no Jornal de Notícias (com a imagem da Gen na capa do suplemento do Minho), por via da publicação pela Adere- 10 F DINAMIZAR

12 -Minho das actividades que desenvolve. Esta iniciativa foi muito vantajosa, projectando uma excelente imagem da empresa, resultando em feedbacks muito positivos por parte do mercado. 3.2 Principais necessidades ainda sentidas ao nível organizacional e de gestão de recursos humanos Actualmente a empresa solucionou os principais problemas com que se deparava aquando da realização do diagnóstico e os empresários adquiririam conhecimentos e competências para dar continuidade às acções implementadas. Porém, os empresários consideram que seria muito importante actualizar o diagnóstico da empresa. DINAMIZAR F 11

13 12 F DINAMIZAR

14 2. BRAGAPRINT RECICLAGEM DE CONSUMÍVEIS DE INFORMÁTICA, LDA. 1. Identificação da Empresa Designação Associação Empresarial Ano de Constituição CAE Descrição da Actividade Principal Natureza Jurídica Número de Trabalhadores Número de Estabelecimentos Localização BragaPrint Reciclagem de Consumíveis de Informática, Lda. Adere-Minho - Assoc. para o Desenvolvimento Regional do Minho / Reciclagem de produtos não metálicos; Comércio, manutenção e reparação de máquinas de escritório, de material e eq. informático Sociedade por Quotas 4 1 Quinta da Goja, n.º 31, Frossos, Braga (centro de Braga) 2. Breve Descrição da Empresa e da sua Actividade 2.1 Actividades desenvolvidas A BragaPrint faz a reciclagem de consumíveis informáticos, nomeadamente tinteiros e toners e a respectiva recolha dos mesmos, assim como o comércio, manutenção e reparação de máquinas de escritório e de material e equipamento informático. Esta empresa é um franchising da FILL-UP Ibérica. 2.2 Instalações As instalações da empresa apresentam um layout funcional e estruturalmente correcto e com um razoável potencial de crescimento. 2.3 Clientes e fornecedores A área de abrangência da empresa é fundamentalmente o Alto Minho. A BragaPrint faz a recolha e entrega dos consumíveis porta a porta no distrito de Braga e Viana do Castelo. Os resultados dos inquéritos realizados aos clientes evidenciam o grau de confiança do cliente no produto e a satisfação em relação ao atendimento. Ainda neste particular, é importante referir que um dos objectivos da empresa é a internacionalização e DINAMIZAR F 13

15 a conquista de mercados estrangeiros, nomeadamente o mercado Ibérico, que pela sua dimensão e proximidade constitui-se como uma boa oportunidade de expansão da empresa. 2.4 Concorrentes Implantada num sector em constante mutação, o dos consumíveis de informática, a BragaPrint depara-se com um cenário de forte concorrência. Importa neste caso referir como aspectos relevantes, a ausência de controlos administrativos dos preços, o mercado sem barreiras à entrada e sem sazonalidade nas vendas ou na oferta de matérias-primas e factores de produção. A BragaPrint possui vários tipos de concorrência: as grandes superfícies, as lojas com a mesma escala e a consolidação da venda por catálogo ou pela Internet. O número de concorrentes directos situa-se entre os seis e os dez, e embora tenham surgido novas empresas nos últimos anos, o aparecimento das grandes superfícies tem levado ao encerramento de alguns agentes devido à flexibilidade de horários e à comodidade que a localização proporciona. 2.5 Plano estratégico A análise do documento de diagnóstico e plano de acção, permite verificar que a empresa possui uma ideia muito clara do rumo que pretende perfilhar, encontrando-se os objectivos definidos de forma muito clara. Neste sentido a empresa, pretende aumentar as vendas nos mercados em que actua e conquistar o mercado das empresas que apenas trabalham com fornecedores certificados, sendo para isso necessário obter a licença para o tratamento dos resíduos que produz. 2.6 Política de formação O master franchising possui uma política de formação para todos os seus franchisados o que permite que os trabalhadores da BragaPrint frequentem duas vezes por ano formação na área do processo de produção. 2.7 Nível de tecnologia A nível tecnológico a empresa encontra-se bem equipada, as máquinas de produção estão actualizados e têm capacidade de resposta, em tempo útil, face encomendas actuais. Porém, o empresário afirma que não são as máquinas e equipamentos que dão a qualidade ao tinteiro ou toner, estas permitem apenas retirar algum trabalho aos técnicos. Actualmente o nível de produção é de 1000 tinteiros por mês, embora exista capacidade para produzir 14 F DINAMIZAR

16 um número bastante mais elevado, já que a maquinaria se encontra a produzir apenas a 30% da sua capacidade. A produção é ininterrupta, o processo de reciclagem é de 1 a 3 dias, dependendo do tipo de tinteiro ou toner. A BragaPrint garante uma entrega imediata dos produtos porque existe um stock mínimo para fazer face às solicitações do cliente. Sempre que é lançado um novo modelo de impressora, a empresa tem de adquirir um desses modelos e a tecnologia necessária ao processamento do tinteiro. 3. Eficácia e Impactos 3.1 Efeitos produzidos pelo Projecto e principais mudanças ocorridas na empresa e nos trabalhadores Quando decidiu participar no Projecto, o empresário não tinha consciência da dimensão da intervenção do mesmo. Nessa altura, pensou que o Dinamizar proporcionaria formação sem custos para a organização. Porém, com o desenvolvimento do Projecto, verificou que este ia muito mais além do que as suas expectativas iniciais tinham previsto. Com o Dinamizar, tornava-se então possível pensar na organização como um todo e identificar os problemas que podem de alguma forma inviabilizar o maior crescimento e desenvolvimento da empresa e consequentemente definir as soluções para os resolver. Por outro lado, também permite colocar em prática algumas acções que há muito pensava realizar, mas que devido ao ritmo diário da empresa, nunca lhe tinha sido possível operacionalizar. Como referido anteriormente, o plano de acção definido para a empresa procurou essencialmente tirar partido das oportunidades de crescimento e desenvolvimento que o mercado oferece, tendo em conta os objectivos definidos para a empresa, e resolver os problemas diários com que esta se debate. No que se refere aos impactes do Projecto, nem sempre é possível identificar efeitos num curto de espaço de tempo, ainda que já se tenham registado algumas alterações significativas, p.e., o desenvolvimento do estudo de mercado permitiu ao empresário posicionar a empresa no mercado e adquirir conhecimentos sobre os potenciais clientes, nomeadamente o tipo de tinteiros ou toners que consomem, em que quantidades e a quem os adquirem. Este estudo permitiu ainda seleccionar os clientes em que valia a pena investir, evitando despender tempo na tentativa de angariação de clientes que comercialmente não se adequam à estratégia da empresa. Espera-se que, a médio prazo, depois de abordadas estas empresas, o número de clientes aumente e consequentemente seja incrementado o nível de facturação da empresa. Tal como foi referido anteriormente, ainda nem todas as acções implementadas deram os seus frutos, exemplo disso é a acção de apoio à internacionalização, que contemplou a realização de contactos com o ICEP que forneceu uma listagem de empresas de Espanha, França, Angola e Moçambique. Em- DINAMIZAR F 15

17 bora tenham sido realizados alguns contactos com potenciais clientes, até ao momento ainda não foi possível angariar nenhum. Contudo, o empresário ainda não explorou todos os mercados, e pretende num futuro próximo voltar a fazê-lo, mas utilizando uma estratégia diferente. No caso de mercado espanhol, ao invés dos contactos telefónicos vai recorrer às visitas directas às empresas. Ao nível das acções implementadas no departamento comercial, que correspondem a cerca de metade das acções contempladas no plano de acção, as principais mudanças percepcionadas pelo empresário foram: conquista de novos clientes e recuperação de antigos clientes; desenvolvimento do cartão de cliente que permite premiar, em cada quadrimestre, os clientes fidelizados, tendo em conta as compras efectuadas; elaboração de um panfleto publicitário, divulgação dos serviços nas sessões de cinema e colocação de publicidade nas viaturas dos comerciais; construção da página da empresa na Internet; utilização de novas formas de comunicação com o cliente solicitam aos clientes que realizem as suas encomendas por fax ou e.mail, em substituição da utilização exclusiva do telefone, permitindo ficar com os registos das encomendas; introdução de uma nova política de entregas (fixação de um prazo máximo de entregas num período de 24 a 48h após a encomenda). Presentemente a empresa já possui a licença de certificação ambiental do Ministério do Ambiente, sendo que o desenvolvimento desta acção também implicou algumas mudanças no espaço físico da empresa. Foram, neste sentido, colocadas as sinalécticas, as plantas de emergência e os extintores. A participação da empresa no Projecto, para além dos resultados a que o plano de acção pretendia dar resposta, e que no geral foram alcançados, permitiu ainda estabelecer novos contactos, nas acções de formação inter-empresas, fomentando o contacto e o conhecimento entre os empresários que participaram no Dinamizar. Na sequência destes contactos foram integrados dois estagiários (participantes num programa de reabilitação da toxicodependência promovido por uma entidade participante no Projecto), um dos quais foi posteriormente integrado no quadro da empresa. A contratação deste novo trabalhador para a reciclagem conduziu a alterações nos conteúdos funcionais, visto ter permitido libertar outro trabalhador das funções associadas à reciclagem para o desenvolvimento do trabalho comercial. 3.2 Principais necessidades ainda sentidas ao nível organizacional e de gestão de recursos humanos Actualmente seria necessário refazer o diagnóstico para identificar novamente as necessidades da empresa. As expectativas face ao futuro são de crescimento, quer em termos de facturação, de carteira de clientes e também nas instalações da empresa. 16 F DINAMIZAR

18 DINAMIZAR F 17

19 18 F DINAMIZAR

20 3. MINHOPEX COMÉRCIO DE SISTEMAS DE CANALIZAÇÕES, LDA. 1. Identificação da Empresa Designação Associação Empresarial Ano de Constituição CAE Descrição da Actividade Principal Natureza Jurídica Número de Trabalhadores Número de Estabelecimentos Localização Minhopex - Comércio de Sistemas de Canalizações, Lda ACIB - Associação Comercial e Industrial de Barcelos Comércio por grosso de materiais de construção e equipamento sanitário Sociedade por Quotas 4 1 Estrada Nacional 205 Lordelo - Vila Seca Barcelos 2. Breve Descrição da Empresa e da sua Actividade 2.1 Actividades desenvolvidas A actividade principal da empresa Minhopex é o comércio por grosso de materiais de construção e equipamento sanitário, sendo que os principais produtos comercializados pela empresa são: caixas colectorais, caixas terminais e os acessórios metálicos. 2.2 Instalações A configuração das instalações foi um dos factores apontados como uma das fraquezas da empresa, porque os 380m 2 de área coberta, onde se situa o escritório e armazém, se revelavam pouco funcionais, que se traduzia numa zona de escritório era aberta, sem divisão entre as áreas, e na necessidade dos clientes passarem pelo armazém quando se dirigiam ao balcão. O armazém também apresentava falhas, p.e., desorganização e deficiente colocação das luzes. A empresa conta ainda com uma área descoberta de 250m 2, na qual também se armazenam materiais. Por outro lado, a localização constitui uma mais valia, uma vez que permite carregar e descarregar os materiais com facilidade. 2.3 Clientes e fornecedores De acordo com os dados do diagnóstico, os clientes são essencialmente retalhistas, i.e., lojas e armazéns DINAMIZAR F 19

21 de venda de produtos para a construção civil e encontram-se distribuídos pelo Minho, zona Centro (Lisboa) e Algarve. O mercado de actuação encontra-se distribuído da seguinte forma: 80% das vendas correspondem ao mercado nacional, sendo que destes, apenas 1% corresponde ao mercado local (Barcelos). 20% das vendas correspondem ao mercado europeu (principalmente Itália e Espanha). Ao nível de fornecedores, existe uma carteira fixa bastante representativa. 2.4 Concorrentes Os concorrentes da Minhopex caracterizam-se por uma grande agressividade comercial e um excelente desempenho da equipa de vendas. Além disso, apostam em fortes meios promocionais. É na área comercial que a Minhopex apresenta maior desvantagem em relação aos concorrentes, pois a sua força de vendas para além de reduzida (2 vendedores), é pouco activa e limita-se às áreas de actuação já exploradas. Por outro lado, a empresa tem apostado pouco na área do marketing. Regista-se ainda alguma necessidade de competências ao nível comercial, técnicas de negociação, atendimento e vendas. Em termos de produtos, os concorrentes da Minhopex têm uma maior diversidade de produtos e de marcas. Contudo, a Minhopex tem um serviço de entregas mais rápido e aposta numa resposta rápida às reclamações e solicitações dos clientes, demorando no máximo 48 horas a entregar as mercadorias, enquanto os seus concorrentes demoram em média, uma semana. Tal como a Minhopex, também os seus concorrentes têm uma grande experiência no sector, o que lhes permite ter uma atitude pró-activa em relação ao mercado. 2.5 Plano estratégico A empresa não dispõe de um plano estratégico previamente definido. O empresário vai definindo qual o caminho a percorrer em função das situações que vão surgindo. Porém, o objectivo que está sempre presente é o de crescimento, apostando em novos mercados e novos produtos. 2.6 Política de formação A Minhopex não possui uma política de formação definida. Até à participação no Dinamizar não tinham realizado qualquer tipo de formação. Todavia o empresário tem a preocupação de estar sempre actualizado, visitando feiras em vários locais do mundo e participando em colóquios. A formação que os trabalhadores realizam é sempre de iniciativa própria. 20 F DINAMIZAR

22 2.7 Nível de tecnologia A empresa encontra-se equipada com computadores (4), que funcionam em rede, possuem sistema wireless central e câmaras de filmar. Recentemente realizaram um investimento em software informático para a área financeira. 3. Eficácia e Impactos 3.1 Efeitos produzidos pelo Projecto e principais mudanças ocorridas na empresa e nos trabalhadores As acções de consultoria e formação implementadas na empresa procuraram essencialmente resolver os problemas quotidianos com que a empresa se debatia, mas para os quais não tinha capacidade de resposta. Desta forma, muitos das acções implementadas produziram resultados imediatos. A actualização da página na Internet permitiu substituir o uso do telefone por parte dos clientes, que ao invés de telefonarem ou deslocar-se à empresa para aceder a informações sobre os produtos, passaram a consultar a página que se encontra permanentemente actualizada. Os próprios vendedores também a utilizam para efectuar consultas quando se encontram nas instalações dos clientes. Ao nível da organização interna, as melhorias também são evidentes. Para além de ter permitido aumentar o grau de motivação dos colaboradores e o seu envolvimento na vida diária da organização, permitiu aumentar as vendas da empresa, passando o vendedor com menor índice de vendas a ter melhores resultados que o outro vendedor. No que diz respeito à implementação de um plano de SHST, as alterações registadas permitiram à empresa passar a cumprir as regras legais vigentes neste âmbito, já que foram colocados os extintores, a sinalética e o plano de emergência. Ainda neste âmbito, foi alterada a disposição da iluminação do armazém que se encontrava colocada por cima das prateleiras onde o material se encontrava armazenado, ao invés de se encontrar nos corredores entre as prateleiras. Também as alterações realizadas no layout administrativo, i.e., a criação de zonas específicas para o atendimento ao cliente, armazém e escritório tiveram consequências imediatas, quer sobre a organização, permitindo uma melhor organização interna, quer sobre os colaboradores, que se sentem mais motivados porque possuem melhores condições de trabalho, quer ainda sobre os clientes, que quando se deslocam à empresa têm manifestado o seu agrado e satisfação em relação ao espaço físico, que anteriormente era pouco funcional e desconfortável. Embora não tenha sido feita uma análise de satisfação dos clientes, segundo os trabalhadores, a formação em técnicas de atendimento, venda, negociação e cobranças permitiu mudar a atitude face aos clientes, já que estes aprenderam a relacionar-se com o cliente, a recepcionar uma reclamação de forma correcta e a ter uma postura diferente, caso o atendimento seja por telefone ou ao balcão. 3.2 Principais necessidades ainda sentidas ao nível organizacional e de gestão de recursos humanos Segundo o empresário existem sempre áreas onde ainda se pode intervir. DINAMIZAR F 21

23 22 F DINAMIZAR

24 4. OLIVEIRA & MIRANDA, LDA. 1. Identificação da Empresa Designação Associação Empresarial Ano de Constituição CAE Descrição da Actividade Principal Natureza Jurídica Número de Trabalhadores Número de Estabelecimentos Localização Oliveira & Miranda, Lda ACIB - Associação Comercial e Industrial de Barcelos Anos e Restaurantes de tipo tradicional. Comércio a retalho de carne e de produtos à base de carne integrada Sociedade por Quotas 9 4 Lugar Trás do Prado Silva - Barcelos (centro) 2. Breve Descrição da Empresa e da sua Actividade 2.1 Actividades desenvolvidas A Oliveira e Miranda, Lda. é uma empresa que possui quatro estabelecimentos comerciais, dois na área da restauração (restaurantes de tipo tradicional com pratos típicos da região minhota) e dois talhos (comércio a retalho de carne e de produtos à base de carne). 2.2 Instalações A empresa possui quatro estabelecimentos na cidade de Barcelos, dois restaurantes e dois talhos. 2.3 Clientes e fornecedores Os clientes da empresa Oliveira & Miranda, Lda. distribuem-se de acordo com as áreas de negócio existente: restauração e comércio a retalho de carne. Os clientes da empresa (restaurante e talhos), são na sua maioria, da cidade de Barcelos e freguesias mais próximas. Contudo, no caso dos restaurantes, por vezes surgem clientes de outras zonas. Como se trata de restaurantes de cozinha tradicional, e talhos de elevada qualidade, os preços praticados são um pouco acima da média, fazendo com que o público-alvo seja oriundo da classe média e média-alta que detem um certo nível económico. Dada a política da empresa em apostar na qualidade e segurança dos alimentos, a componente inerente ao preço, na compra dos alimentos, é colocada em segundo plano, criando uma clara definição das suas carteiras de clientes. DINAMIZAR F 23

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR Rua Henrique Bravo, 6929 e 6967 4465-167 S. Mamede de Infesta Portugal 1 Filosofia/Historial A 3infor é uma empresa especializada em software profissional, com um produto inovador

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Caso Armazéns Global

Caso Armazéns Global Fonte: Google imagens Caso Armazéns Global Docente: Professor Doutor Fernando Gaspar Disciplina: Distribuição Discentes: Ivo Vieira nº 080127020 Nuno Carreira nº 080127009 João Franco nº 080127034 Edgar

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

O nosso desafio é o seu sucesso!

O nosso desafio é o seu sucesso! O nosso desafio é o seu sucesso! Clien tes de Refe rên cia Distribuição Construção Civil Industria Tecnologias Potenciamos o seu negócio A Empre sa. Somos uma empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO MOTORISTA DE VEÍCULOS PESADOS DE MERCADORIAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas GONDOMAR GONDOMAR

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO MOTORISTA DE VEÍCULOS PESADOS DE MERCADORIAS. Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas GONDOMAR GONDOMAR 1 / 5 588527603 588530888 588534907 588542553 588545096 588545545 MOTORISTA DE VEÍCULOS PESADOS DE MERCADORIAS INSTALADOR DE AR CONDICIONADO E DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO SERRALHEIRO CIVIL PROFESSOR DOS

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Correio(s) electrónico(s) Miguel Pedro Mendes d Araújo Morada(s) Rua António Gustavo Moreira, n.º 35 Hab. 2.5 4400-660 Vila

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Tinteiros Express. Imprima com Qualidade a Baixo Custo

Tinteiros Express. Imprima com Qualidade a Baixo Custo Tinteiros Express Imprima com Qualidade a Baixo Custo Tinteiros Express 2 ÍNDICE I. Sumário Executivo Pág. 3 II. Apresentação da Empresa Pág. 4 III. Análise do meio envolvente Pág. 5 IV. Análise do mercado

Leia mais

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine Vendas OnLine Nesta Ficha Negócios pretende-se reunir um conjunto de informação útil e pertinente para apoio do desenvolvimento desta atividade. GDEE Setembro 2015 Área de Negócio: Vendas On-line Índice

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional Consultoria de Gestão Projectos de Investimento Formação Profissional - 2009 - Candidaturas de 22 de Janeiro a 11 de Março O Objectivo Modernizar e revitalizar a actividade comercial, em especial, em centros

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola Apresentação Institucional FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola 1 Índice 1. Grupo Importrading 2. Fermat Company Profile 3. Produtos comercializados 4. Nova

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

ORIGEM OBJECTIVOS: Iniciado em 2004, por um desafio lançado ado pelo Governo Português, para o Campeonato Europeu de Futebol. MISSÃO: Criar e desenvolver, em contínuo, nuo, uma Rede de Estabelecimentos

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO Caracterização da Procura e oferta de emprego e de formação no âmbito da Bolsa de Qualificação e Emprego (BQE) A Bolsa de

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro.

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro. NEWSLETTER 1 O IDIT O IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica é uma associação privada de utilidade pública, sem fins lucrativos, cujo objectivo primordial é contribuir para a modernização

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Nota Conceitual da FIEI 2013 Ponto de negócio e oportunidade de investimento Maputo Contexto Quadro orientador O Programa Quinquenal do Governo (PQG) prevê no âmbito do Vector Económico

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Organização de Eventos Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDAS

Leia mais

Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a

Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a excepção de 16 dos Concelhos. Em Portugal existem 350

Leia mais

O Franchising City School

O Franchising City School O Franchising City School O negócio da City School é a formação Profissional. A formação de línguas e informática na óptica do utilizador são uma componente essencial dos produtos City School. A formação

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Índice Apresentação Vantagens Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Profissional Funcionalidades Cartão Galp Frota Galp Frota Online

Índice Apresentação Vantagens Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Profissional Funcionalidades Cartão Galp Frota Galp Frota Online Índice Índice Apresentação Vantagens Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Profissional Funcionalidades Cartão Galp Frota Galp Frota Online Informação de Gestão Elementos de Personalização

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

INTERNACIONAL OIL. Carlos Bayan Ferreira

INTERNACIONAL OIL. Carlos Bayan Ferreira INTERNACIONAL OIL Carlos Bayan Ferreira Agenda 1 A UNIDADE DE NEGÓCIO 2 CATEGORIAS DE FORNECIMENTO (ACTUAIS E FUTURAS) 3 COMPETÊNCIAS QUE VALORIZAMOS 4 MELHORES PRÁTICAS 5 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 42/2004 MERCEDES BENZ/ C. SANTOS ALVERCA I - INTRODUÇÃO

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 42/2004 MERCEDES BENZ/ C. SANTOS ALVERCA I - INTRODUÇÃO DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 42/2004 MERCEDES BENZ/ C. SANTOS ALVERCA I - INTRODUÇÃO 1. Em 6 de Dezembro de 2004, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos

Leia mais

Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30%

Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30% Procura pela Defesa do Consumidor aumenta 30% PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 11 DE MARÇO DE 2013 POR ALBERTO PITA~ ENTREVISTA A GRAÇA MONIZ Na semana em que é assinalado o Dia do Consumidor,

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO ÁREA COMERCIAL ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO Como entusiasmar clientes pela forma de atender? Desenvolver competências técnicas e relacionais que potenciem a angariação e satisfação de clientes. Atendimento

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº Anexo 1 Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº empresas C.A.E. Sector terciário 46 41200 Construção de edifícios (residenciais e não residenciais). 37 56301

Leia mais

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Quem somos Origem, posição actual Actividade iniciada em 1952. O prestígio de meio século de presença no mercado, A Qualidade dos produtos que comercializa

Leia mais

Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014. Média do grau de satisfação 4.

Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014. Média do grau de satisfação 4. Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014 1. Breve apresentação do inquérito De acordo com a disposição relativa a Recolha de opiniões dos destinatários

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem uma

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas)

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

Precisa-se Eng para quinta em Beja

Precisa-se Eng para quinta em Beja DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO Núcleo Distrital de Beja da EAPN Portugal ABRIL 2014 Ofertas de emprego Precisa-se Eng para quinta em Beja Precisa-se Eng. Para gestão de quinta produção de melão couves e outros

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013 Caparica Antecedentes da Formação-Ação: Projeto piloto lançado em 1998 com IEFP Programa REDE AIP AEP Medida 2.2. Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Segunda alteração do Decreto Regulamentar Regional n.º 22/2007/A, de 25 de Outubro, que aprova o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local Promotores -Empresários em nome individual, estabelecimentos

Leia mais

FICHA DE CANDIDATURA

FICHA DE CANDIDATURA FICHA DE CANDIDATURA 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Dados pessoais Nome: Morada Localidade Concelho Telefone Fax Código Postal Distrito Telemóvel Email: 1.2. Situação Profissional Desempregado há menos de um ano

Leia mais

(PROGRAMA LEONARDO DA VINCI)

(PROGRAMA LEONARDO DA VINCI) ANGLIA UNIVERSITY PROGRAMA LEONARDO DA VINCI GROUP ESC PAU GROUP ESC TOULOUSE PRIORIDADES PARA EL DESARROLLO DIRECTIVO INSTITUTO SUPERIOR SUPERIOR DE GESTAO MIDDLESEX UNIVERSITY INSTITUTO DE EMPRESA UNIÓN

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHC Mensagens SMS CS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS CS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso:

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO OUTROS TRABALHADORES DA MONTAGEM

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO OUTROS TRABALHADORES DA MONTAGEM 1 / 10 588692951 588688106 588692835 588689883 588679147 588682819 588693116 OUTROS TRABALHADORES DA MONTAGEM OUTROS TRABALHADORES DA MONTAGEM MOTORISTA DE VEÍCULOS PESADOS DE MERCADORIAS MOTORISTA DE

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - AUTOMÓVEL OBJECTIVO GLOBAL - Planear, organizar, acompanhar e efectuar

Leia mais

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros Certified Quality System in compliance with the standard UNI EN ISO 9001:2000. Certificate n SQ.41823. Pixel Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros CURSOS INDIVIDUAIS PARA ESTRANGEIROS

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO OUTROS TÉCNICOS DE CONTROLO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO OUTROS TÉCNICOS DE CONTROLO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS 1 / 7 588668232 588674733 588665570 588662510 588672921 588671507 588670066 OUTROS TÉCNICOS DE CONTROLO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS SIMILARES AOS ESTETICISTAS MOTORISTA DE VEÍCULOS PESADOS DE MERCADORIAS

Leia mais

Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar. A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na

Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar. A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na info Gondomar Newsletter N.º14 Julho 2012 Semestral Águas de Gondomar considerada novamente uma das Melhores Empresas para Trabalhar A Águas de Gondomar, de acordo com os resultados publicados na revista

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais