Mini-curso de Geomarketing e Aplicações. José Augusto Sapienza Ramos LABGIS/UERJ 29/05/2012 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mini-curso de Geomarketing e Aplicações. José Augusto Sapienza Ramos LABGIS/UERJ 29/05/2012 1"

Transcrição

1 Mini-curs de Gemarketing e Aplicações Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/2012 1

2 Estrutura da Apresentaçã Intrduçã as cnceits; Perfil Cnsumidr; Pnts de Venda; Planejament; Cnsiderações finais. 2

3 Objetiv d seminári Atender a técnics e tmadres de decisã; Intrduzir; Mstrar ptencialidades; Exemplificar caminhs; Fazer cnsiderações imprtantes; 3

4 Cntext Muits prcesss d Marketing se encntram dentr da dinâmica espacial; A imptância dessa dimensã aumenta cm a expansã d mercad: + cmpetiçã, + cmplexidade, + planejament; Trna entã indispensável lhar s prblemas d Marketing n espaç! 4

5 Exempl de perguntas que devem levar em cnsideraçã a Dinâmica Espacial Acess a pnt de venda é bm? Qual a área de cbertura d meu negóci? Em qual grau a prximidade da cncrrência é bm u ruim? Cm timizar minha cadeia lgística? Cm a cultura lcal reage a minha marca?? Meu públic se encntra agrupad n espaç? 5

6 O que é Gemarketing? Cleçã de técnicas para manipulaçã de dads gegráfics n api a estratégias e marketing de decisã; Aplicad em diverss dmínis d marketing de maneira diferenciada; Integraçã da Gegrafia cm Marketing visões distintas sbre prblemas em cmum; 6

7 Gegrafia + Marketing É mais d que apenas espacializar e quantificar dads em ferramentas específicas; Há publicações científicas já ns ans 70 que apntam a imprtância d mapeament nas decisões de marketing; Mais que referenciar n espaç, Maketing Espacial desenvlve cnceits d Marketing integrads à Gegrafia (u vice-versa); Há diverss estuds que sndam melhres maneiras de utilizar Marketing Espacial n api às decisões. 7

8 O planejament é imprtante! 8

9 Gemarketing e Marketing Espacial Mais d que mapear e pltar pnts em mapa, é necessári pensar cm a dinâmica d prcess d Marketing crre n espaç! Aplicaçã em diverss dmínis, prém pdems destacar três principais: Perfil e Cmprtament d Cnsumidr; Lcalizaçã de pnts de vendas e serviçs; Planejament de Marketing. Nem sempre a integraçã da Gegrafia cm Marketing é suave. 9

10 Perfil e Cmprtament d Cnsumidr Mdels de prediçã de cmprtament; Estuds de valres e estil de vida; Estuds de mdels de deslcament d cnsumidr; 10

11 Lcalizaçã de Pnts de Vendas e Serviçs Lcalizaçã de nvs pnts mdels e análises; Estud da cncrrência e canibalism; Cbertura espacial ds pnts de vendas; Lcalizaçã x Revendedres x Frnecedres cadeia de supriments; Estratégias de vendas x cmprtament d cnsumidr. 11

12 Planejament d Marketing Gerência de preç: Cust, demanda e cmpetiçã; Plíticas de preçs lcais, internacinais e de diverss frnecedres; Campanhas publicitárias: Objetivs cmerciais e segmentaçã espacial da campanha; Impacts em campanhas na TV, cinema, jrnais, rádis, utdrs,... Marketing diret: Análises de territóris de interesse; Lcalizaçã espacial ds perfis de cnsumidres. Ge-merchandize fertas de prduts x dispsiçã de prduts x prmções x estque; 12

13 Desafis atuais ds prfissinais da área Dispnibilidade de dads e análises de guia (segred!): Sciecnômics; Perfil d cnsumidr; Cncrrências; E muits utrs... Dmíni limitad das análises, ferramentas e entendiment ds mdels; Eventual ausência de cultura estrutural nas rganizações em pró d Gemarketing; Ampliar as aplicações para serviçs públics e utrs nichs. 13

14 Enquete 1 Qual a sua área de frmaçã? Qual a sua área de frmaçã? a) Gegrafia; b) Marketing; c) Engenharias; d) Administraçã; e) Outra área de frmaçã. 14

15 Exempl de ppularizaçã d Gemarketing Riachuel utiliza gemarketing para dbrar númer de ljas n Brasil (2012): huel-utiliza-gemarketing-para-dbrar-numer-de-ljas É lançad Bússla Sebrae para auxiliar empreendedr nas esclhas de seu negóci: 15

16 Exempl de ppularizaçã d Gemarketing Bússla Sebrae 16

17 Exempl de ppularizaçã d Gemarketing Bússla Sebrae 17

18 Exempl de ppularizaçã d Gemarketing Infrmações mapeadas para estud de mercad: Gemarketing ajuda esclas particulares a aumentar taxa de matrículas: arketing_para_esclas/index.html 18

19 Dads Gegráfics e SIG Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

20 Dads Gegráfics Pssuem três cmpnentes: <X; A; T> X: é a cmpnente gegrágicas, está sb um sistema de crdenadas cartgráficas (nde); A: é um cnjunt nã vazi de atributs descritivs, cmumente rganizads em uma estrutura tabular ( que); T: é interval de temp nde as cmpnentes X e A fram medidas (quand); 20

21 Dads Gegráfics Sã mais cmplexs d que s dads nã gegráfics; Sua gestã e cntrle é mais trabalhsa mntar um banc de dads gegráfics; As tecnlgias de mediçã, prcessament e análises desses dads sã específics; É mais cmum utilizar dads de fntes d que prduzir dad gegráfics cuidad! 21

22 Sistemas de Infrmações Gegráficas (SIG/GIS) Um cnjunt manual u cmputacinal de prcediments utilizads para armazenar e manipular dads gerreferenciads ; Cnjunt pders de ferramentas para cletar, armazenar, recuperar, transfrmar e visualizar dads sbre mund real ; Um sistema de suprte à decisã que integra dads referenciads espacialmente num ambiente de respstas a prblemas ; Um banc de dads indexads espacialmente, sbre qual pera um cnjunt de prcediments para respnder a cnsultas sbre entidades espaciais.

23 Api as decisões LOCAÇÃO COMO MODELAGEM O QUE É...? O QUE SE...? CONDIÇÃO TENDÊNCIA ROTA PADRÃO ONDE É...? O QUE ESTÁ MUNDANDO...? QUAL O MELHOR CAMINHO...? O QUE É O PADRÃO...?

24 O que SIG tem de especial? Dads espaciais/gegráfics, nã apenas s armazenand, mas trabalhand cm eles n espaç e pr mei de suas características; Agrega-se cnceits de cartgrafia, gemetria cmputacinal, entre utrs que nã sã cmuns as SI s tradicinais; As ferramentas de sluçã sã específicas, requer especializaçã. Equipe multidisciplinar;

25 O que SIG tem de especial? (cntinuaçã) Suprte a diversas áreas: mei-ambiente, agricultura, segurança, recurss minerais, saúde, demgrafia, cnstruçã civil, planejament públic e estratégic, telecmunicações, energia, vilência, lgística de transprtes, turism; Dad mais cmplex -dad mais imprtante a prjet; Área em expansã em terms de tecnlgia e mercad; Td dad gegráfic tem err;

26 Sluções de SIG n mercad Há inúmeras sluções, cada uma cm características particulares; Há sluções apenas para apresentaçã de dads, utras para prcessament matemátic altamente especialista, utrs que tentam apresentar sluções abrangentes e assim pr diante; Além da funcinalidade, cust-benefíci é utr fatr imprtante;

27 Sluções de SIG n mercad (2) É cmum terms que utilizar mais de uma sluçã de SIG; Prblemas na interperabilidade entre as sluções; Há entidades que definem padrões cm a OGC Open Gespatial Cnsrtium; Há platafrmas que tentam abrdar tdas as vertentes d SIG, ferecend uma família de sluções ArcGIS;

28 SIG Desktp x Web Outra característica imprtante é se a sluçã se encntra na platafrma Web u Desktp; Web é mais limitada para prcessament e tem melhr na acessibilidade a usuári final. Também requer mair infraestrutura de TI de suprte; Desktp tem mais capacidade de prcessament e recurss;

29 Exempl sistêmic de um prjet de SIG Verems a seguir um exempl para melhr entendiment das etapas e prcesss envlvids cmumente num prjet de SIG; Nã há um prcess rígid e definid para prjets em SIG, geralmente estes prjets seguem prcesss similares da área de TI (engenharia de sftware);

30 Visã sistêmica de um prjet de SIG - Geral Mund Real Especificações Lista de dads e metdlgia Camp Fntes Externas Cliente + Especialistas Analistas SIG Equipe SIG BDE Usuáris

31 Gemarketing é basead em mdels! Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

32 Mdels, mdels, mdels O Marketing e Geprcessament trazem algumas abrdagens para mdelagem de prcesss; Pdems citar s principais tips de mdels aplicads: Estud da atraçã d cnsumidr cncrrência, estimativa de receita, entre utrs; Mdels de deslcament isócrnas, análise de acessibilidade; Lcalizaçã de nvs pnts de venda; Segmentaçã d mercad cnsumidr; Perfil d cnsumidr impact de alterações sóci-ecnômicas e de estil de vida n negóci; Retrn de campanhas publicitárias; Entre utrs... 32

33 Mdels simplificam a realidade O prcess em estud d mdel é cmplex, crre em um espaç tridimensinal, multivariad e hiperrelacinad; Nss mdel precisa ser simples, geralmente em um espaç bidimensinal, cm variáveis e relações restritas; 33

34 Variáveis Quais variáveis medir? Nem sempre se sabe quais variáveis fazem parte d nss prcess a mdelar; Há variáveis difíceis de quantificar: estil de vida, persnalidade, presença da marca... Nem sempre é viável uma mediçã de td nss univers de análise: diferença entre amstra e cens. Cnclusã: é cmum us de estatística! 34

35 Medições de variáveis e errs A se aprpriar sbre as características de elements d mund real, realizams medições; Essas medições pssuem imprecisões! Se a precisã da mediçã é satisfatória u nã, depende das especificações d prjet. 35

36 Frmas de medir Nã há uma percepçã única ds elements d mund real, é precis definir qual é a percepçã interessante a seu mdel. 36

37 Enquete 2 Vcê já trabalhu em algum prjet que envlvesse Gemarketing? Vcê já trabalhu em algum prjet que envlvesse Gemarketing? a) Sim, eu já trabalhei; b) Nã, eu nã trabalhei; 37

38 Bibligrafia de Gemarketing Esse assunt ainda pssui bibligrafia muit escassa, principalmente n Brasil; Eu recmend s livrs: >Gemarketing: Methds and Strategies in Spatial Marketingde Gérard Cliquet; > Gemarketing: Memórias de Viagemde Francisc Aranha e Susana Figli; > Métds Estatístics para Gegrafia de Peter A. Rgersn. 38

39 Cm mdelar seu estud? Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

40 A missã é árdua! É imprtante se ter em mente: mdel pr si só nã basta mdel é uma prva de cnceit u cnheciment; Ocrre nrmalmente um feedback psitiv, um bm mdel refrça cnceit que ele atesta: cnheciment vai se cnslidand >> Marketing Espacial; Pdems dividir as análises entre aquelas baseadas em cnheciment u aquelas baseadas em mdels matemátics; 40

41 Objetiv, fc Defina qual bjetiv, fque escp da análise; Estude análises parecidas cm a sua prpsta e defina a sua; Imprtante: seu mdel deve ser basead em cnheciment u terias! Se utrs especialistas estiverem envlvids, a cmunicaçã é fundamental. 41

42 Quais variáveis dev cnsiderar? As variáveis a se elencar devem estar alinhadas cm cnheciment u cnceit a se mdelar; Nem sempre há cnheciment sbre quais variáveis estã relacinadas cm estud, a estatística frnece métds para avaliar quais sã Análise Fatrial, pr exempl; Cm temp, seu mdel deve se cnslidar e as variáveis vã graduamente send revisadas e ajustadas; Nã basta saber quais as variáveis sã tmadas n estud, mas também cm medí-las (direta, indiretamente) e s níveis de tlerância as errs esperads. 42

43 Cm medir as variáveis? Cm escp de quais variáveis definidas, próxim pass é definir cm levantá-las: Questináris a públic-alv; Levantament em camp; Dads de fntes externas (eventualmente escasss); Terceirizaçã d levantament. Esse prcess envlve também s dads espaciais; Nem sempre é pssível medir tds s elements em estud, lançand mã de amstras: estatística. 43

44 Imprtante: avalie resultad d seu mdel! Qualquer mdel, seja simples u cmplex, deve ter seu resultad avaliad; A avaliaçã pde crrer de diversas frmas, prém essencialmente é cmparar a respsta d mdel cm respstas d mund real verificaçã de cncrdância! Dependend d resultad, retrne para a prancheta e reavalie prcess um mdel bm depende de estuds. 44

45 Síntese de muitas ideias pr trás ds mdels gegráfics: Primeira Lei da Gegráfica de Wald Tbler (1979) Everything is related t everything else, but near things are mre related than distant things

46 Dispnibilidade de dads Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

47 Onde s dads estã? Seria ideal se s dads que necessitams estivessem à dispsiçã, prém iss se mstra um desafi! 47

48 Desafis! Dads detalhads d cens só em 10 e 10 ans; Dads de cmérci, indústria e pesquisas cm cnsumidres em detalhe sã escasss; Infrmações gegráficas cm vias, transprte, investiments, entre utrs sã rars e nã se apresentam cm qualidade; Nem sempre s dads que estã dispníveis estã sbre s requisits necessáris. 48

49 Gemarketing e Estud d Perfil Cnsumidr Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

50 Panrama O Marketing Espacial cmeçu pels estuds sbre cmprtament d cnsumidr; Há três abrdagens principais: Abrdagem ecnômica: baseads na teria d cnsumidr, mdels neclássics principalmente aplicad em rtas turísticas; Abrdagem d marketing: variad e em cnjunt cm s geógrafs. Há mdels análgs a cnceits físics (gravitacinais e entrpias), naturezas físicas-scilógicas e maximizaçã de mdels ecnômics. É cmum a segmentaçã d espaç em áreas de mercad, pr temp de acess e afins.

51 Armadilha! O Gemarketing mascara a real cmplexidade d cmprtament d cnsumidr; Cmumente existem dads sciecnômics, mas faltam dads sbre deslcament, presença da marca, qualidade x preç, entre utrs;

52 Paradx ns estuds sbre cmprtament d cnsumidr Artigs sbre estud d cmprtament d cnsumidr sã pucs; Há uma mair cncentraçã de artigs sbre a mdelagem d cmprtament, nã sbre estud de cm se cmprta u cmprtu cnsumidr; Sem avaliaçã d cmprtament, nã se cnsiste s mdels prpsts.

53 Principais cnceits assciads a cmprtament d cnsumidr O cmprtament d cnsumidr é imprtante para marketing de varej, na medida que permite uma melhr percepçã da atraçã ds pnts de venda; A atraçã d cnsumidr se dá principalmente pr três fatres: Tip de bens u serviçs; Princípi d menr esfrç; Distância.

54 Tips de Bens e Serviçs Questã antiga muit discutida n marketing; Geralmente discute-se muit sbre bens e puc sbre serviçs... Refere-se cmumente a Teria ds Lugares Centrais; Em uma das tiplgias mais usadas, tems três classificações de bens: Bens de cnveniência frequentemente cmprad; Bens de cmpras busca pr infrmações; Bens especiais frça da marca.

55 Observaçã: Teria ds Lugares Centrais Apresentada pr Walter Christäller em 1933; Teria: um centr (ex. urban u industrial) é cnectad a utrs pls menres, frmand uma rede, nde nó central é mais desenvlvid; Objetiv era explicar cm pera a lógica de distribuiçã de prduts u serviçs a área central presta atendiment às áreas secundárias em hierarquia.

56 Teria ds Lugares Centrais, segund Christäller Fnte:

57 Princípi d menr esfrç e distância Desenvlvid há muits ans d camp da psiclgia basead na etlgia animal; Basead na busca pela minimizaçã na distância u temp de viagem; A distância é extensivamente estudada, prém permanece de difícil entendiment as mdels; Alguns estuds sugerem que a distância percrrida é influenciada pr cndições ecnômicas e sócipsiclógicas.

58 Temp de deslcament e mbilidade Em um primeir mment, s estuds se fcavam essencialmente n temp de deslcament cnsumidr pnt de venda; Fram prpsts s primeirs mdels gravitacinais na década de 60 nva visã sbre a distância; Medir temp de deslcament é cmplex mdels prpõem cálculs de isócrnas (ex. regressã estatística).

59 Percepçã diferenciada sbre temp! Prblema: pessas nã tem a mesma percepçã de temp: Deslcament em diferentes hráris d dia u da semana; Avaliaçã subjetiva (individual); Meis de deslcament diverss; Impsições de temp da rtina de cada indivídu; Questões sbre cultura, mds e etc. A intrduçã desse cnceit ns mdels aprimru s resultads prém é de difícil pnderaçã;

60 Nvs meis de cmunicaçã e deslcament d cnsumidr Cm a Internet, telefne, celulares e utrs meis de cmunicaçã, a distância nã perde e perderá imprtância n cmprtament d cnsumidr? Ns ans 70 e 80, muits estuds defendiam essa hipótese; Hje se percebe que essas tecnlgias ferecem mais pssibilidades d que substituições de hábits antigs; Pr exempl: cnsumidr pesquisa mais sbre um prdut na Web antes da cmpra, em cnsequência, está se deslcand mais.

61 O que pde influenciar n prcess de mbilidade? Algumas pesquisas recentes apntam s seguintes fatres sbre mbilidade na esclha de lcais para cmpras: Lcalizaçã da residência; Lcalizaçã d trabalh; Lcalizaçã da escla das crianças; Lcais de lazer; Md de transprte; Características d cnsumidr que altera a mbilidade: Renda; Prfissã; Ter autmóvel; Entre utrs.

62 Algumas pesquisas na França A mbilidade: hje francês se deslca km pr an, em 1980 a média era km a mairia ds deslcaments é realizada a até 80 km da residência; O francês se deslca em média 23 km pr dia (excluind viagens de lnga distância) 300% mais d que a 25 ans atrás; Deslcament a trabalh ainda sã majritárias prém caíram 20% entre 1982 e 1994; a laser aumentaram 33%.

63 Valres, estil de vida e cmprtament Nã é de hje que Marketing estuda as características d cnsumidr para cnstituir estratégias; Dentre s estuds, estil de vida e valres sã amplamente estudads pr métds qualitativs e quantitativs; Percebe-se que essas características variam muit entre nações, regiã rural e urbana e até mesm entre cidades.

64 Exempls de nuanças culturais percebidas em pesquisas de camp e implicações n marketing Destaque à segurança: alertas, cuidads de cnservaçã, nçã de investiment e durabilidade nas embalagens e cmerciais; investir em sites segurs; Destaque à família: presença de imagem familiar (dna de casa) ns cmerciais; prmções e prduts em quantidades familiares ;

65 Características individuais e ambientais É imprtante separar s valres individuais ds ambientais ambiental é mais fácil de analisar e espacializar; Características individuais: persnalidade, valres pessais (religiã, plítica,...), atividades e interesses (prfissã, hbby,...), padrões de cnsum; Características ambientais: cultura e valres sciais; As características ambientais e individuais se influenciam.

66 Exempl: perfil das famílias na Eurpa

67 Enquete 3 Vcê tem interesse em aplicar Gemarketing em algum tema específic? Vcê tem interesse em aplicar Gemarketing em algum tema específic? a) N mment nã; b) Sim, na lcalizaçã de pnts de venda/serviçs; c) Sim, n estud d perfil cnsumidr; d) Sim, em mdels sbre acessibilidade; e) Sim, em utrs temas. 67

68 Análise de Acess e Mbilidade Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

69 Aplicaçã da variável deslcament ns estuds de Gemarketing Muitas vezes é a única variável espacial d estud; Ligada à questã de esfrç, acess u mbilidade; A distância pde ser uma variável de api para se medir temp u cust de deslcament; Há muits mdels para representar estas variáveis - depende d: tip de bem u serviç; mei de lcmçã; características d cnsumidr. 69

70 Frmas tradicinais de trabalh cm deslcament n SIG A mais cmum é trabalhar cm círculs centrads ns pnts de destin (buffers); O rai ds círculs pdem estar assciads a variáveis distância, temp, cust... É um prcediment relativamente simples n SIG; 70

71 Exempl cm estações pliciais

72 Prblemas n us de buffers Em geral, é satisfatóri em análises mais reginais e cm infraestrutura de deslcament hmgênea; Eventualmente nã se mstra representativa quand estud é lcal u a infraestrutura de deslcament é mais hetergênia; Pr exempl, em estuds a nível de quarteirões u bairrs u quand transprte públic é mei de lcmçã d públic-alv.

73 Áreas de serviç A nã cnsideraçã de fatres cm infraestrutura viária u até a tpgrafia d relev pdem acarretar em prblemas na respsta d mdel; A área de serviç cnsidera a infraestrutura de deslcament (ex. vias) e realiza uma análise de rede (graf); Pde ser usad para analisar temp de acess d cnsumidr u temp de atendiment (ex. delivery); Requer dad gegráfic da rede de deslcament, é um prcessament despendis e nem td aplicativ de SIG tem esta peraçã. 73

74 Exempl: áreas de serviç de um pst de saúde cm atendiment especializad para adlescentes. 74

75 Exempl: áreas de serviç de tds s psts de saúde cm atendiment especializad para adlescentes n municípi d Ri. 75

76 Análise de acess e mbilidade Mas cm determinar s rais u distâncias das análises? Tarefa cmplicada há parâmetrs subjetivs d indivídu; Smente a distância nem sempre se faz representativa n mdel estudad; É cmum us da variável temp -geraçã, pr exempl, de isócrnas; 76

77 Análise de Acess e Mbilidade Prém temp de deslcament nã é simples de mdelar: influenciad pr muits fatres externs; Muits trabalhs vem recrrend a estuds de regressã para determinar isócrnas; O trabalh abaix é um bm exempl: Uma Análise da Demanda de Shpping Centers de Prt Alegre a Partir de Dads Prvenientes de Pesquisas Dmiciliares de Origem e Destin

78 Limite de William Applebaum para divisã de áreas de influência de um cmérci Primária: nde 50% a 70% d públic-alv sejam clientes d cmérci; Secundária: nde 20% a 30% d públic sejam clientes; Terciária: nde 10% a 20% d públic sejam clientes. Esses patamares sã bem aceits, pis retratam a realidade de uma série de estuds atuais cm api de métds de regressã e crrelaçã.

79 Case sbre Estud d Perfil Cnsumidr Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

80 Escp d Case Uma marca de prduts naturais tem cm seu grande varejista uma rede de supermercads; O bjetiv é estudar públic cnsumidr ds prduts, incluind a área de influência de cada pnt de venda; Cm us de dads gegráfics e um SIG, determinase s setres censitáris inserids nas áreas de influência de vendas ds prduts naturais. 80

81 Dads utilizads neste case Pnts de venda da rede varejista; Malha de lgradurs; Dads d cens de 2000 (estud realizad em 2008); Detalhes sbre s pedids de abasteciment de prduts de cada pnt varejista: Quantidade de pedids pr mês; Ttal de itens pedids; Valr d pedid de abasteciment. Pesquisa realizada ns pnts de varej cm cmpradres da linha de prduts naturais. 81

82 Lcalizaçã ds pnts de varej (supermercads) e pnt de distribuiçã Legenda #0 Central Distribuidra Supermercads Bairrs 82

83 Pass 01 Determinar as áreas de influência primária Fi realizada uma pesquisa em cada supermercad durante 15 dias; A pesquisa registrava endereç d cnsumidr; Depis esses endereçs fram gecdificads, gerand assim pnts gegráfics; Gecdificaçã: dad um endereç, SIG cnsulta a base de lgradurs e numeraçã de prta, frnecend um pnt gegráfic precis u estimad d endereç. 83

84 Pass 01 Determinar as áreas de influência primária (cnt.) Cm s pnts de residência gecdificads, calculuse a distância em linha reta entre supermercad e cada residência; Cnstruiu-se para cada pnt de venda um gráfic de % cnsumidres x rai de distância. 84

85 Pass 01 Determinar as áreas de influência primária (cnt.) Cm s pnts de residência gecdificads, calculuse a distância em linha reta entre supermercad e cada residência; 85

86 Pass 01 Determinar as áreas de influência primária (cnt.) Cm limite de 60% ds entrevistads cm limiar da área de influência principal, determinu-se s rais para cada supermercad e geru-se s buffers: 86

87 Pass 02 Determinar perfil sciecnômic das áreas de influências Agra determina-se quais setres censitáris sã abrangids pelas áreas de influências; Tems uma cnsideraçã: haverã setres ttalmente cntids na área de influência e utrs parcialmente: 87

88 Pass 02 Determinar perfil sciecnômic das áreas de influências Este case cnsideru que td setr censitári que intercepta a área de influência; Cm essas infrmações, rest é gerar sumáris e estatística para supermercad u para tds eles; Fram realizadas regressões e utrs análises para determinar, pr exempl: Qual a esclaridade, idade e renda d cnsumidr? Qual estil de vida d cnsumidr? Qual a relaçã entre s parâmetrs acima e vlume de pedids d varejista? Cm cmprtament d cnsumir varia cnfrme s ans d mês cnsiderand as variáveis sciecnômicas? 88

89 Gemarketing e Pnts de Vendas Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

90 Pnts de Venda e Serviçs Estudada a finc pr muits trabalhs e empresas; Trabalhs de levantament apntam tendências psitivistas e empíricas em grande parte ds mdels adtads; Cmumente s mdels bservam apenas pnt individual e seu ptencial de cnsum, e nã uma rede de pnts de vendas e a cadeia de supriments envlvida. 90

91 Pnts de Vendas e Serviçs Esses mesms trabalham apntam que s mdels adtads sã cnstruíds pel grup de tmadres de decisã e variam muit de empresa para empresa; Mdels elabrads sã multi-disciplinares: ecnmia, marketing, prduçã, ciências sciais, gegrafia,... 91

92 Algumas cnsiderações n prcess de decisã sbre pnts de vendas Abrir dis pnts próxims é prejudicial e gera canibalism? Ter a cncrrência próxima é acirrar u cmpr um pl? Vide Saara Ri e Rua 25 de Març em Sã Paul; Depende d mdel e d prblema mdelad... 92

93 Mdels para Pnts de Vendas Jsé August Sapienza Rams LABGIS/UERJ 29/05/

94 Mdels para Pnts de Vendas e Serviçs Há um cnjunt vast de prpstas, verems as principais prpstas; A literatura geralmente divide s mdels em grups (nã excludentes): Mdels de maximizaçã (u minimizaçã); Mdels baseads em cnheciment e mdels matemátics; Mdels gravitacinais e nã gravitacinais; Mdels interativs cmpetitivs; Lembrand: mdel é um prva de cnceit u cnheciment e mais imprtante nã é a cmplexidade d mdel, mas a qualidade da respsta; 94

95 Mdels de Maximizaçã Existem diversas prpstas, bjetiv é maximizar uma variável u requisit cm, pr exempl: Atendiment a mercad cnsumidr descbert; Maximizaçã de ganhs; Minimizaçã de custs u distâncias; Lcalizaçã em área de menr cncrrência; Outrs... Geralmente busca-se maximizar uma equaçã que retrata mdel; O métd pde ser simples u recair até em redes neurais, autômats celulares e rientaçã a bjets; 95

96 Exempl: minimizaçã de distâncias para lcaçã de um nv centr de distribuiçã. Seguind ds dads d case anterir, deseja estabelecer um nv centr de distribuiçã ds prduts naturais as pnts de venda dentr d círcul em destaque rx: Legenda #0 Central Distribuidra Supermercads Bairrs 96

97 Exempl: minimizaçã de distâncias para lcaçã de um nv centr de distribuiçã (cnt.). Fram realizads dis testes: Pel média central da distribuiçã de pnts (centróide); Pel centr de massa da distribuiçã, nde a massa era a quantidade de pedids realizads pels mercads. A diferença entre s testes fi de 1,65 km. 97

98 Enquete 4 Qual seu setr de trabalh atualmente? Qual seu setr de trabalh atualmente? a) Privad; b) Públic; c) Su estudante; d) Outr. 98

99 Estimadres de densidade u cncentraçã (kernel) Apnta nde há uma mair cncentraçã de events de estud. Esclas pública n municípi d Ri de Janeir. 99

100 Estimadres de densidade u cncentraçã (kernel ) Muit aplicad, pr exempl, em manchas de crimes e denças pde ser usad para analisar a presença de qualquer event: cnsumidr, pnts de vendas, reclamações, pnts de prpaganda, entre utrs. Resultad d kernel para as esclhas públicas. 100

101 Estimadres de densidade u cncentraçã (kernel ) Cncentraçã de geraçã de energia pelas hidrelétricas. 101

102 Análise Multicritéri Muit aplicada ns ans 60 n api a decisã; É uma análise cm base na experiência d especialista u bservações de camp geralmente empíric; Elenca-se critéris que influenciam n event estudad e a interaçã entre eles há algumas abrdagens para elencar e avaliar esses critéris; É de fácil implementaçã, mas criticad pr ser empíric. 102

103 Análise Multicritéri média pnderada Uma das fórmulas muit utilizada nesta análise é a média pnderada: quantifica-se tds s critéris; dams pess a cada critéri, multiplicand pel valr; sma-se s critéris pnderads; dividims a sma de cima pela sma ds pess. Onde, Mp é a média pnderada, k númer de critéris, pi pes d i-nésim critéri e vi valr d i-nésim critéri; 103

104 Exempl da Análise Multicritéri: Escp Uma empresa tem plans de instalar um centr de pesquisa agrícla n Brasil; O bjetiv é determinar áreas em ptenciais a lcalizaçã desse centr de pesquisa; Após a análise, a empresa realizará estuds detalhads nessas áreas apntadas cm ptenciais; 104

105 Exempl da Análise Multicritéri: Variáveis e Pess Externs Sã cnsideradas as seguintes variáveis e pess: Prximidade da hidrgrafia: 3; Ptencial de fertilidade da regiã: 5; Fatr IDH d municípi: 4; Prximidade d sistema viári: 3; Prximidade de Unidades de Cnservaçã: 1(revers); Exclusã das regiões dentr de Unidades de Cnservaçã. Os pess nesse cas vã da escala entre 0 e

106 Exempl da Análise Multicritéri: Exempl de Pess Interns Cada variável receberá também pess interns; Grau de Fertilidade Ba 5 Ba a Regular 4 Regular a Ba u Regular 3 Regular a Restrit u Restrit Restrit a Desfavrável 1 Desacnselhável 0 Pes 2 106

107 Exempl da Análise Multicritéri: Prcess 1. Esclher as variáveis 2. Esclher s pess externs 3. Esclher s pess interns 4. Aplicar a Análise (álgebra de mapas) 5. Averiguar Resultad 6. Tmada de Decisã 107

108 Exempl da Análise Multicritéri: Resultad Pess Abaix de 2,5 Entre 2,5 e 4,0 Acima de 4,0 108

109 Cnsiderações sbre case análise multicritéri Fácil implementaçã frente a utrs métds, prém empírica cada especialista pde atribuir pess diferentes; O bjetiv era reduzir a área de pssível implantaçã d empreendiment pde ser aplicad agra um métd mais elabrad nas áreas ptenciais; A análise multicritéri ainda é aplicada até hje em diversas empresas. 109

110 Outrs exempls de trabalhs cm análise multicritéri O Us d Geprcessament na Avaliaçã de Custs de Manutençã de Redes de Distribuiçã de Energia Elétrica (2011): Marketing para Varej: O Métd ZAPROS-LM (2011): eg7/anais/t11_0329_1942.pdf 110

111 Mdels Gravitacinais e Mdels Interativs Nasceram n Marketing, cmecems pel gravitacinal; Prpstas de atraçã d cnsumidr basead n mdel de gravitaçã de Newtn a massa d pnt de venda pde ser a quantidade de prduts, frça da marca, prmções, entre utrs; Basead na teria ds lugares centrais e menr esfrç de lcmçã; Nã pde ser aplicad a qualquer ram cmercial estuds já apntaram que nem tds s tips de prduts u serviç seguem esse tip de mdel. 111

112 Mdels Gravitacinais Mdel de Huff É um métd prbabilístic mdela a prbabilidade d cnsumidr esclher pnt de venda em um prcess de esclha resultad entre 0 e 1; Huff apntu em seu estud que a atraçã estaria ligada a tamanh d estabeleciment cmercial; Onde: Pij é a prbabilidade d cnsumidr na psiçã i ptar pel cmérci na psiçã j. Tij é temp de acessibilidade d pnt i a j. Sj é tamanh da área d cmérci em metrs quadrads. β é um parâmetr empíric que determina efeit da distância na decisã d cnsumidr. 112

113 Mdels Gravitacinais Mdel de Huff Qual a prbabilidade % d cnsumidr em iesclher a lja em j? Cada lja de pssibilidade na sua psiçã j. Cnsumidr na psiçã i 113

114 Mdels Gravitacinais (cntinuaçã) Huff é um exempl que se trnu clássic, há utras abrdagens; Hje, geralmente mdel gravitacinal é aplicad junt a utrs mdels mdels mists; A seguir, tems uma tabela extraída d livr Gemarketing Methds and Strategies in Spatial Marketing Gérard Cliquet a tabela mstra, segund estuds recentes, quais as áreas que a aplicaçã de mdels gravitacinais retratam deslcament d cnsumidr; 114

Geomarketing O que é, conceitos e aplicações. José Augusto Sapienza Ramos 25/02/2013

Geomarketing O que é, conceitos e aplicações. José Augusto Sapienza Ramos 25/02/2013 Gemarketing O que é, cnceits e aplicações Jsé August Sapienza Rams 25/02/2013 Estrutura da Apresentaçã Intrduçã as cnceits básics. Exempls de aplicações. Cm mdelar seu estud? Principais mdels e cases didátics.

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!)

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!) Data Mining Prfessr Jrge Mreira jmreirajr@htmail.cm Mtivaçã A infrmatizaçã ds meis prdutivs permitiu a geraçã de grandes vlumes de dads: Transações eletrônicas; Nvs equipaments científics e industriais

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015 Sã Paul, Brasil, 13 de abril de 2015 - O GPA [BM&FBOVESPA: PCAR4 (PN); NYSE: CBD] e Via Varej S.A. [BM&FBOVESPA:VVAR3 e VVAR11] anunciam desempenh das vendas d 1º trimestre de 2015. Desempenh de Vendas

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística A Imprtância de Sistemas de Infrmaçã para a Cmpetitividade Lgística Paul Nazári 1. Intrduçã O avanç da tecnlgia de infrmaçã (TI) ns últims ans vem permitind às empresas executarem perações que antes eram

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

Passo 1: Definição do tipo de crédito

Passo 1: Definição do tipo de crédito Manual Cm avaliar risc de crédit de um cliente Índice Intrduçã O que é risc de crédit? Pass 1: Definiçã d tip de crédit Pass 2: Cm elabrar uma ficha de crédit Pass 3: Métds para avaliar risc de crédit

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 2.0) A - Intrduçã Neste an, sua nta fi inferir a 60 pnts e vcê nã assimilu s cnteúds

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Para você que procura o máximo em atendimento!

Para você que procura o máximo em atendimento! Para vcê que prcura máxim em atendiment! Sftware de Gestã Cnsultria em T.I. Manutençã de Equipaments Redes Hspedagem de Sistemas Web Design Distribuidra de Infrmática Nssa Empresa Para vcê que prcura máxim

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex,

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO

Um «site Internet» para aprimorar a atuação do Estado e fomentar a comercialização da madeira manejada do interior do Amazonas RESUMO EXECUTIVO Flresta Viva Prjet de prmçã d manej sustentável das flrestas pela prduçã e cmercializaçã da madeira n Amaznas Um «site Internet» para aprimrar a atuaçã d Estad e fmentar a cmercializaçã da madeira manejada

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais