Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM."

Transcrição

1 Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM

2 CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO Sem alteração Artigo 1º - A CASFAM - Caixa de Assistência e Previdência Fábio de Araújo Motta, Entidade Fechada de Previdência Complementar Multipatrocinada, é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, inscrita no CNPJ sob o nº / , patrocinada e supervisionada pelas Entidades Patrocinadoras, e reger-se-á pelo presente Estatuto e pelas normas e disposições estabelecidas pela legislação aplicável. Artigo 1º - A CASFAM - Caixa de Assistência e Previdência Fábio de Araújo Motta, Entidade Fechada de Previdência Complementar Multipatrocinada, é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, inscrita no CNPJ sob o nº / , patrocinada e supervisionada pelas Entidades Patrocinadoras, e reger-se-á pelo presente Estatuto e pelas normas e disposições estabelecidas pela legislação aplicável. Sem alteração Parágrafo Único - As Entidades Patrocinadoras da CASFAM são as que integram o Sistema FIEMG (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais; Serviço Social da Indústria - Departamento Regional de Minas Gerais; Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - Departamento Regional de Minas Gerais; Centro Industrial e Empresarial de Minas Gerais; Instituto Euvaldo Lodi - Núcleo Regional de Minas Gerais; Cooperativa de Prestação de Assistência Médica da Indústria de Minas Gerais Ltda. e a própria Caixa de Assistência e Previdência Fábio de Parágrafo Único - As Entidades Patrocinadoras da CASFAM são as que integram o Sistema FIEMG (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais; Serviço Social da Indústria - Departamento Regional de Minas Gerais; Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - Departamento Regional de Minas Gerais; Centro Industrial e Empresarial de Minas Gerais; Instituto Euvaldo Lodi - Núcleo Regional de Minas Gerais; Instituto Estrada Real e a própria Caixa de Assistência e Previdência Fábio de Araújo Motta) e outras que vierem firmar Alteração do texto para atualização das Patrocinadoras do Plano de Benefícios do Sistema FIEMG. Inclusão do Instituto Estrada Real e exclusão da Cooperativa de Prestação de Assistência Médica da Indústria de Minas Gerais Ltda como Patrocinadora. 2 Estatuto CASFAM

3 Araújo Motta) e outras que vierem firmar Convênios de Adesão com a CASFAM Artigo 2º - A CASFAM tem sua sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais Artigo 3º - A CASFAM tem seu prazo de duração indeterminado Convênios de Adesão com a CASFAM. Artigo 2º - A CASFAM tem sua sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais Artigo 3º - A CASFAM tem seu prazo de duração indeterminado Sem alteração. Sem alteração. Artigo 4º - A CASFAM tem por objetivo administrar e operacionalizar Planos de Benefícios complementares e/ou assemelhados aos da Previdência Social, para empregados que mantenham vínculo empregatício com as patrocinadoras, ex-empregados e dirigentes das patrocinadoras, de acordo com os respectivos Regulamentos. A natureza de Entidade de Previdência Complementar não poderá, em nenhuma hipótese, ser alterada ou suprimida. Artigo 4º - A CASFAM tem por objetivo administrar e operacionalizar planos de benefícios de caráter previdenciário, complementares ao regime geral de Previdencia Social, para empregados que mantenham vínculo empregatício com as patrocinadoras, exempregados e dirigentes das patrocinadoras, de acordo com os respectivos Regulamentos, sendo de caráter opcional a adesão. Alteração visando adequação à terminologia legal e esclarecimento de que a adesão é opcional ao empregado da Entidade e das Patrocinadoras. Exclusão do caput do texto A natureza de Entidade de Previdência Complementar não poderá, em nenhuma hipótese, ser alterada ou suprimida. para criação do parágrafo primeiro com a mesma redação, facilitando o entendimento. Parágrafo 1º - A natureza de Entidade Fechada de Previdência Complementar não poderá, em nenhuma hipótese, ser alterada ou suprimida. Criação do parágrafo 1º para facilitar entendimento do texto do caput. Ajuste do texto para tratar 3 Estatuto CASFAM

4 corretamente da terminologia aplicável à natureza da CASFAM que é entidade fechada de previdência complementar, atendendo ao disposto no artigo 2º da Resolução CGPC n. 8/2004. Parágrafo Único - Nenhum benefício poderá ser instituído, majorado ou estendido, sem que seja estabelecida a respectiva fonte de custeio. CAPITULO II DA ASSEMBLÉIA GERAL Artigo 5º - A Assembleia Geral dos Participantes da CASFAM reunir-se-á, ordinariamente, no primeiro trimestre do ano e, sempre que necessário, observadas em sua convocação, instalação e deliberações as prescrições pertinentes previstas neste Estatuto Artigo 6º - A Assembléia Geral será convocada pelo Conselho Deliberativo, ou pela Diretoria Executiva, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias, através de circular a ser enviada aos integrantes do Quadro Social e/ou edital de convocação, constando a pauta dos trabalhos e Parágrafo 2º - Nenhum benefício poderá ser instituído, majorado ou estendido, sem que seja estabelecida a respectiva fonte de custeio.. Exclusão do Capitulo II tendo em vista que a Assembleia não é órgão estatutário e não pode exceder os poderes do Conselho Deliberativo, órgão máximo da Entidade, razão pela qual os participantes possuem representação neste conselho. A Assembleia para prestação de contas em observância ao principio da transparência que norteia os atos da CASFAM será tratada nas disposições finais no artigo 33 da nova redação proposta. 4 Estatuto CASFAM

5 indicações do dia, local e hora de sua realização. Artigo 7º - A Assembléia Geral reunir-se-á, em primeira convocação, com a presença de metade mais um dos integrantes do Quadro Social que estejam em gozo dos seus direitos e, em segunda convocação com intervalo de 1 (uma) hora, com qualquer número, sendo suas deliberações tomadas por maioria simples de votos. Artigo 8º - Compete à Assembléia Geral: a) Apreciar o Relatório Anual e a Prestação de Contas da CASFAM elaborados pela Diretoria Executiva; b) Deliberar sobre alterações do Estatuto; c) Tomar ciência, emitir Pareceres e Recomendações, sobre outras matérias de interesse da CASFAM e de seu Quadro Social submetidas à sua apreciação e deliberação. Artigo 9º - Os trabalhos da Assembléia Geral serão dirigidos por mesa composta por um Presidente eleito em plenário, e por um Secretário, indicado pelo Presidente, competindo a este lavrar no livro próprio a ata dos trabalhos e deliberações. 5 Estatuto CASFAM

6 CAPITULO III DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS CAPITULO II DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS Alteração para Capitulo II tendo em vista a exclusão do Capitulo II do Estatuto vigente. Artigo 10 As Diretrizes Gerais de Administração da CASFAM serão definidas pelo Conselho Deliberativo e operacionalizadas pela Diretoria Executiva. A Gestão Econômica e Financeira será fiscalizada pelo Conselho Fiscal. Parágrafo 1º Para o exercício de mandato como membro dos Conselhos Deliberativo e Fiscal, bem como da Diretoria Executiva, são condições básicas que além de integrarem o Quadro Social da Entidade, que tenham cumprido carência mínima de 24 meses de contribuição ao Plano de Benefícios administrado pela CASFAM. Artigo 5º A CASFAM terá sua estrutura composta, no mínimo, pelos seguintes órgãos: I Conselho Deliberativo; II Diretoria Executiva; III Conselho Fiscal Alteração do texto para tornar mais clara a redação referente aos órgãos estatutários. As funções dos órgãos estatutários serão definidas nos capítulos específicos. Excluir o parágrafo primeiro que impõe restrições para exercício do cargo de conselheiro, bem como da Diretoria Executiva. Parágrafo 2º - Os Conselheiros e Diretores da CASFAM não poderão com ela efetuar operações de qualquer natureza, direta ou indiretamente, excetuadas as que resultarem da sua condição de participante ou associado. Artigo 6º - Os Conselheiros e Diretores da CASFAM não poderão com ela efetuar operações comerciais ou financeiras, direta ou indiretamente, excetuadas as que resultarem da sua eventual condição de participante. Alteração para passar a ser o artigo 6º, alterando o texto, visando melhorar o entendimento do capitulo e da matéria tratada. 6 Estatuto CASFAM

7 Seção I Do Conselho Deliberativo Seção I Do Conselho Deliberativo Sem alteração Artigo 11 - O Conselho Deliberativo ao qual compete a definição das linhas básicas de gestão e operação da CASFAM será composto de 04 (quatro) membros Efetivos e respectivos Suplentes, para um mandato de 03 (três) anos, admitida a recondução, sendo a estes, vedada a percepção de qualquer tipo de remuneração pelo exercício das suas funções, sendo que um dos Conselheiros Efetivos designados pelas Entidades Patrocinadoras exercerá as funções de Presidente deste Conselho, e cabendo a este voto de qualidade, quando do exame de questões vinculadas a este Colegiado. Artigo 7º - O Conselho Deliberativo ao qual compete a definição da politica geral de administração da CASFAM será composto de 04 (quatro) membros Efetivos e respectivos Suplentes, para um mandato de 03 (três) anos, admitida a recondução ou reeleição. Parágrafo 1º - Os membros do Conselho Deliberativo poderão ser remunerados pelo exercício das suas funções conforme proposta da Diretoria Executiva e aprovação do Conselho Deliberativo, sendo que um dos Conselheiros Efetivos designados pelas Patrocinadoras exercerá as funções de Presidente deste Conselho, cabendo a este voto de qualidade, quando do exame de questões vinculadas a este Alteração para incluir a possibilidade de reeleição. Alteração da numeração. Criação deste parágrafo com parte da redação do caput do Regulamento atualmente vigente visando facilitar o entendimento. Alteração para possibilitar a percepção de remuneração dos conselheiros, conforme permite a Lei complementar 109/ Estatuto CASFAM

8 Parágrafo 1º - Os membros do Conselho Deliberativo integrarão o Quadro Social, sendo assegurada na composição, a designação pelas Entidades Patrocinadoras de metade das vagas (02 Titulares e respectivos Suplentes) e a outra metade a representantes dos Participantes Ativos (01 Titular e respectivo Suplente) e Assistidos (01 Titular e respectivo Suplente) escolhidos dentre eles, por meio de eleição direta, mediante processo eleitoral definido pela Diretoria Executiva e aprovado pelo Conselho Deliberativo. Colegiado. Parágrafo 2º - O Conselho Deliberativo terá assegurado em sua composição, a designação pelas Entidades Patrocinadoras de metade das vagas (02 Titulares e respectivos Suplentes) e a outra metade a representantes dos Participantes Ativos (01 Titular e respectivo Suplente) e Assistidos (01 Titular e respectivo Suplente) escolhidos dentre eles, por meio de eleição direta, mediante processo eleitoral definido pela Diretoria Executiva e aprovado pelo Conselho Deliberativo. Alteração para retirada da limitação existente de pertencer o conselheiro ao Quadro Social da Entidade. Parágrafo 2º - Os membros indicados pelas Entidades Patrocinadoras para integrarem o Conselho Deliberativo, de acordo com as disposições previstas no parágrafo anterior, não poderão ter, no âmbito das respectivas Entidades Patrocinadoras de origem, relações funcionais e de subordinação direta aos membros indicados para integrarem a Diretoria Executiva da CASFAM, ressalvadas as disposições previstas no artigo 39. Exclusão do parágrafo segundo tendo em vista que possui a mesma redação do artigo 34 do regulamento ora proposto. Parágrafo 3º - Os membros do Conselho Deliberativo deverão atender aos requisitos a seguir indicados, sendo obrigatórios os Parágrafo 3º - Os membros do Conselho Deliberativo deverão atender aos requisitos a seguir indicados, sendo obrigatórios: Alteração para adequação ao disposto no parágrafo terceiro do artigo 34 da Lei Complementar 8 Estatuto CASFAM

9 mencionados nos itens II, III e IV: I preferencialmente possuírem formação de nível superior; II não ter sofrido penalidade administrativa por infração da legislação da seguridade social, inclusive da previdência complementar; III não ter sofrido condenação criminal transitada em julgado; IV - experiências profissionais no exercício de atividades na área financeira, administrativa, econômica, contábil, jurídica, de fiscalização e de controle, atuarial, de auditoria, de gestão de recursos humanos e de pessoal, ou de gerenciamento em geral; V experiências profissionais de atuação no âmbito de entidades de previdência complementar ou de seguridade social. I - comprovada experiência no exercício de atividades nas áreas financeira, administrativa, contábil, jurídica, de fiscalização ou de auditoria; II - não ter sofrido condenação criminal transitada em julgado; III - não ter sofrido penalidade administrativa por infração da legislação da seguridade social ou como servidor público. 109/2001. Parágrafo 4º - Ocorrerá a perda do cargo, para os membros do Conselho Deliberativo, nos seguintes casos: a) Renúncia; b) Perda de qualidade de Participantes do Plano de Benefícios; c) Na ocorrência das hipóteses previstas em Lei. Parágrafo 4º - Ocorrerá a perda do cargo, para os membros do Conselho Deliberativo, em razão da renúncia ou na ocorrência das hipóteses previstas em Lei. Alteração da redação eliminando a alínea b, tendo em vista a possibilidade da condução ao conselho de membro não incluído no Quadro Social da Entidade. 9 Estatuto CASFAM

10 Parágrafo 5º - A instauração de processo administrativo disciplinar, para apuração de irregularidades no âmbito de atuação do Conselho Deliberativo, poderá determinar o afastamento do conselheiro até a sua conclusão Parágrafo 5º - A instauração de processo administrativo disciplinar, para apuração de irregularidades no âmbito de atuação do Conselho Deliberativo, implicará no afastamento do conselheiro até a sua conclusão. Alteração da cláusula visando não permitir a permanência de conselheiro que estiver sofrendo processo administrativo de infração disciplinar pelos órgãos competentes. Parágrafo 6º - O afastamento de que trata o parágrafo anterior não implica prorrogação ou permanência no cargo além da data inicialmente prevista para o término do mandato. Parágrafo 6º - O afastamento de que trata o parágrafo anterior não implica prorrogação ou permanência no cargo além da data inicialmente prevista para o término do mandato. Parágrafo 7º - No caso de ausência de remuneração devida ao Conselho Deliberativo, os Conselheiros poderão receber uma Ajuda de Custo que deverá ser proposta pela Diretoria Executiva e aprovada pelo Conselho Deliberativo, cujo pagamento será condicionado à efetiva participação nas reuniões do Conselho. Inclusão do parágrafo 7º para definir a possibilidade de pagamento de Ajuda de Custo no caso de não haver remuneração aprovada para os membros do Conselho. Artigo 12 - Compete ao Conselho Deliberativo: a) Definir as diretrizes gerais de atuação da CASFAM; b) Deliberar sobre a Prestação de Contas e Relatório Anual, elaborados pela Diretoria Artigo 8º - Compete ao Conselho Deliberativo: a) Definir a politica geral de administração da CASFAM; b) Deliberar sobre a Prestação de Contas e Relatório Anual, elaborados pela Diretoria Alterar texto da alínea a criando coerência com o caput do artigo 7º. Acrescentar na alínea b a necessidade de apreciação previa da 10 Estatuto CASFAM

11 Executiva, emitindo os respectivos Pareceres; c) Determinar os limites de alçada para autorização de despesas e contratações pela Diretoria Executiva, devidamente previstas no orçamento anual da Entidade; d) Autorizar a alienação de bens do ativo permanente da Entidade; e) Autorizar o processo de baixa de bens patrimoniais inservíveis integrantes do ativo permanente da Entidade; f) Deliberar sobre instituição, extinção e alterações de Regulamento de Planos de Benefícios; g) Apreciar propostas de alterações do Estatuto da CASFAM, elaboradas pela Diretoria Executiva da Entidade, submetendo-as à decisão final da Assembléia Geral; h) Deliberar sobre a Política de Investimentos Anual, elaborada pela Diretoria Executiva, acompanhando e avaliando a aplicação dos recursos integrantes do Patrimônio dos Planos de Benefícios; i) Deliberar sobre a proposta de orçamento anual da Entidade e suas respectivas reformulações, quando necessárias, propostas pela Diretoria Executiva, bem como do Regulamento do Plano de Gestão Administrativa PGA; Executiva, emitindo os respectivos Pareceres, após a apreciação dos auditores externos e do Conselho Fiscal no primeiro trimestre de cada ano; c) Determinar os limites de alçada para autorização de despesas e contratações pela Diretoria Executiva, devidamente previstas no orçamento anual da Entidade; d) Autorizar a alienação de bens do ativo permanente da Entidade; e) Autorizar o processo de baixa de bens patrimoniais inservíveis integrantes do ativo permanente da Entidade; f) Deliberar sobre instituição e extinção de Planos de Benefícios, além de alterações de Regulamento; g) Deliberar propostas de alterações do Estatuto da CASFAM, elaboradas pela Diretoria Executiva da Entidade; h) Deliberar sobre a Política de Investimentos Anual, elaborada pela Diretoria Executiva, acompanhando e avaliando a aplicação dos recursos integrantes do Patrimônio dos Planos de Benefícios; i) Deliberar sobre a proposta de orçamento anual da Entidade e suas respectivas reformulações, quando necessárias, propostas pela Diretoria prestação de contas pelos auditores externos e pelo Conselho Fiscal, bem como do momento oportuno desta deliberação. Alterar a alínea f uma vez que não é o Regulamento que pode ser instituído ou extinto e sim o plano. Substituir Apreciar por Deliberar na alínea g excluindo a necessidade de submeter à aprovação da Assembleia Geral posto que o Conselho Deliberativo órgão máximo da Entidade. Alterar o artigo ainda para acrescentar as alíneas o, p, q e r para complemento das competências do Conselho Deliberativo da Entidade. 11 Estatuto CASFAM

12 j) Deliberar sobre a estrutura de organização - na qual obrigatoriamente integrarão áreas de investimento e controle atuarial, administração e benefícios previdenciários e, ainda, procedimentos de gestão da CASFAM, propostos pela Diretoria Executiva; k) Deliberar sobre processos relativos à retirada e admissão de Patrocinadoras; l) Autorizar a contratação de agentes administradores de ativos, empresas e/ou profissionais responsáveis pelos serviços atuariais e outros serviços, cujo valor global exceda a alçada da Diretoria Executiva; m) Autorizar a celebração de parcerias e convênios com terceiros; n) Analisar matérias encaminhadas pela Diretoria Executiva, emitindo respectivo parecer e deliberar sobre eventuais recursos administrativos interpostos. Executiva, bem como do Regulamento do Plano de Gestão Administrativa PGA; j) Deliberar sobre a estrutura de organização - na qual obrigatoriamente integrarão áreas de investimento e controle atuarial, administração e benefícios previdenciários e, ainda, procedimentos de gestão da CASFAM, propostos pela Diretoria Executiva; k) Deliberar sobre processos relativos à retirada e admissão de Patrocinadoras; l) Autorizar a contratação de agentes administradores de ativos, empresas e/ou profissionais responsáveis pelos serviços atuariais e outros serviços, cujo valor global exceda a alçada da Diretoria Executiva; m) Autorizar a celebração de parcerias e convênios com terceiros; n) Analisar matérias encaminhadas pela Diretoria Executiva, emitindo respectivo parecer e deliberar sobre eventuais recursos administrativos interpostos; o) Aprovação do Regimento Interno do Processo Eleitoral; p) Aprovação do Regimento Interno dos órgãos estatutários; q) Deliberar sobre casos omissos no Regulamento; 12 Estatuto CASFAM

13 r) Deliberar sobre a remuneração dos membros da Diretoria Executiva, mediante proposta desta. Parágrafo Único - As deliberações do Conselho Deliberativo, relativas ao explicitados nas letras f e g deverão ser tomadas por maioria absoluta de votos dos Conselheiros, não se computando os votos em branco. Artigo 13 - O Conselho Deliberativo reunir-se-á, ordinariamente, uma vez por trimestre e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo seu Presidente. Destas reuniões serão elaboradas atas contendo as deliberações do órgão Artigo 9º - O Conselho Deliberativo reunir-se-á, ordinariamente, uma vez por trimestre e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo seu Presidente. Destas reuniões serão elaboradas atas contendo as deliberações do órgão Excluir o Parágrafo Único posto que será tratado no Regimento Interno do Conselho Deliberativo. Parágrafo Único - A convocação será feita mediante carta endereçada a cada um dos Conselheiros ou mensagem por meios eletrônicos, com antecedência mínima de 5 (cinco) dias, constando sempre do instrumento de convocação, a pauta dos trabalhos, dia, local e horário da reunião. Parágrafo Único - A convocação será feita mediante carta endereçada a cada um dos Conselheiros ou mensagem por meios eletrônicos, com antecedência mínima de 5 (cinco) dias, constando sempre do instrumento de convocação, a pauta dos trabalhos, dia, local e horário da reunião. Sem alterações. 13 Estatuto CASFAM

14 Artigo 14 - As reuniões do Conselho Deliberativo instalar-se-ão com a presença da totalidade de seus membros Efetivos ou respectivos Suplentes em caso de impedimento, e suas deliberações serão tomadas por maioria de votos, salvo as matérias explicitadas no parágrafo único do Artigo l2. Artigo 10 - As reuniões do Conselho Deliberativo instalar-se-ão com a presença da maioria de seus membros Efetivos ou respectivos Suplentes em caso de impedimento, e suas deliberações serão tomadas por maioria de votos. Alteração para permitir a instalação da reunião com a maioria dos membros. Exclusão da ressalva feita ao parágrafo único do artigo 12 posto que retirado do texto do Estatuto ora proposto. Seção II Da Diretoria Executiva Seção II Da Diretoria Executiva Sem alteração Artigo 15 - A Diretoria Executiva, a qual compete à gestão da CASFAM, fazendo cumprir as normas pertinentes às Entidades Fechadas de Previdência Complementar, observadas as disposições deste Estatuto e as deliberações do Conselho Deliberativo, será designada pelas Entidades Patrocinadoras, e por estas destituíveis a qualquer tempo, para um mandato de 3 (três) anos, admitida uma única recondução para mandato subseqüente, ressalvadas as disposições previstas no artigo 37, e será constituída pelos seguintes membros: I Diretor Presidente; II Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários; III Diretor de Investimentos e de Controles Artigo 11 - A Diretoria Executiva, à qual compete a gestão da CASFAM, fazendo cumprir as normas pertinentes às Entidades Fechadas de Previdência Complementar, observadas as disposições deste Estatuto e as deliberações do Conselho Deliberativo, será designada pelas Entidades Patrocinadoras, e por estas destituíveis a qualquer tempo, para um mandato de 3 (três) anos, admitida a recondução, sendo constituída pelos seguintes membros: I Diretor Presidente; II Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários; III Diretor de Investimentos e de Controles Atuariais. Alteração para ajuste de regras gramaticais e para possibilitar a recondução. Exclusão da menção ao artigo 37 uma vez que excluído do texto do Estatuto. 14 Estatuto CASFAM

15 Atuariais. Parágrafo 1º - Os Diretores serão escolhidos segundo critérios de competência técnica e profissional, coerente com as funções a serem desempenhadas e com os níveis técnicos e requisitos legais exigidos para os cargos a serem ocupados. Parágrafo 1º - Os Diretores serão escolhidos segundo critérios de competência técnica e profissional, coerente com as funções a serem desempenhadas e com os níveis técnicos e requisitos legais exigidos para os cargos a serem ocupados. Sem alterações Parágrafo 2º - Os membros designados pelas Patrocinadoras para integrarem a Diretoria Executiva da CASFAM deverão atender aos seguintes requisitos: I ter formação de nível superior; II não ter sofrido penalidade administrativa por infração da legislação da seguridade social, inclusive da previdência complementar; III não ter sofrido condenação criminal transitada em julgado; IV - experiências profissionais no exercício de atividades na área financeira, administrativa, econômica, contábil, jurídica, de fiscalização e de controle, atuarial, de auditoria, de gestão de recursos humanos e de pessoal, ou de gerenciamento em geral; V experiências profissionais comprovadas no âmbito de entidades de previdência Parágrafo 2º - Os membros designados pelas Patrocinadoras para integrarem a Diretoria Executiva da CASFAM deverão atender aos seguintes requisitos: I ter formação de nível superior; II não ter sofrido penalidade administrativa por infração da legislação da seguridade social, inclusive da previdência complementar; III não ter sofrido condenação criminal transitada em julgado; IV - experiências profissionais no exercício de atividades na área financeira, administrativa, econômica, contábil, jurídica, de fiscalização e de controle, atuarial, de auditoria, de gestão de recursos humanos e de pessoal, ou de gerenciamento em geral; V experiências profissionais comprovadas no âmbito de entidades de previdência Sem alterações. 15 Estatuto CASFAM

16 complementar ou de seguridade social complementar ou de seguridade social Parágrafo 3º: A Diretoria Executiva contará, de forma permanente, com o apoio do Comitê de Investimentos para assessoramento na tomada de decisões sobre política de investimentos e plano de aplicação de recursos financeiros e, ainda, quando necessário, poderá contar com o apoio de Consultorias Especializadas. Parágrafo 3º: A Diretoria Executiva contará, de forma permanente, com o apoio do Comitê de Investimentos para assessoramento na tomada de decisões sobre política de investimentos e plano de aplicação de recursos financeiros e, ainda, quando necessário, poderá contar com o apoio de Consultorias Especializadas. Sem alterações. Parágrafo 4º - Os membros designados pelas Patrocinadoras para integrarem a Diretoria Executiva da CASFAM não poderão exercer, de forma subsequente, por ocasião do término de seus respectivos mandatos, as atribuições de Presidente do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal, ressalvadas as disposições previstas no artigo 38 deste Estatuto. Parágrafo 4º - Os membros designados pelas Patrocinadoras para integrarem a Diretoria Executiva da CASFAM poderão exercer, de forma subsequente, por ocasião do término de seus respectivos mandatos, as atribuições de Presidente do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal, ficando vedado o voto em reunião cujo objeto seja a aprovação de contas de sua gestão. Alteração para permitir que membro da Diretoria Executiva da CASFAM possa exercer de forma subsequente as atribuições de Presidente do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal, vedado o voto em reunião para aprovação ou não das contas de sua gestão. Retirada da menção ao artigo 38, excluída nesta proposta de redação. Artigo 12 Os membros da Diretoria Executiva poderão ser remunerados pela CASFAM por decisão do Conselho Deliberativo, mediante proposta desta Diretoria Executiva e desde que Inclusão do artigo para regular a forma de remuneração da Diretoria Executiva. 16 Estatuto CASFAM

17 Artigo 16 - No caso de vacância do cargo de Diretor, ou impedimento definitivo de qualquer dos membros da Diretoria Executiva, será no prazo máximo de 30 (trinta) dias, designado pelas Patrocinadoras o respectivo substituto. O Diretor Presidente será substituído pelo Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários, nos casos de impedimento temporário. Artigo 17 - São atribuições do Diretor Presidente: a) Representar a CASFAM ativa e passivamente, em juízo ou fora dele; b) Presidir as reuniões da Diretoria Executiva; c) Organizar, supervisionar, administrar e fiscalizar, direta ou indiretamente, todos os serviços e atribuições a cargo da Diretoria Executiva, praticando todos os atos necessários ao pleno exercício de suas funções; d) Submeter aos Conselhos Deliberativo e Fiscal, o Relatório e a Prestação de Contas Anuais de responsabilidade da Diretoria Executiva; haja previsão orçamentária. Artigo 13 - No caso de vacância do cargo de Diretor, ou impedimento definitivo de qualquer dos membros da Diretoria Executiva, será no prazo máximo de 30 (trinta) dias, designado pelas Patrocinadoras o respectivo substituto. Parágrafo Único: O Diretor Presidente será substituído pelo Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários, nos casos de impedimento temporário. Artigo 14 - São atribuições do Diretor Presidente: a) Representar a CASFAM ativa e passivamente, em juízo ou fora dele; b) Presidir as reuniões da Diretoria Executiva; c) Organizar, supervisionar, administrar e fiscalizar, direta ou indiretamente, todos os serviços e atribuições a cargo da Diretoria Executiva, praticando todos os atos necessários ao pleno exercício de suas funções; d) Submeter aos Conselhos Deliberativo e Fiscal, o Relatório e a Prestação de Contas Anuais de responsabilidade da Diretoria Executiva; Criação do parágrafo único para tratar da substituição do Diretor Presidente em caso de impedimento temporário tratada no caput do Regulamento Vigente. Criação do Parágrafo Único apenas visando melhorar o entendimento do artigo Estatuto CASFAM

18 e) Movimentar recursos financeiros, assinando, em conjunto com o Diretor de Investimentos e de Controles Atuariais ou com o Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários, cheques, ordens de pagamento ou de transferência de recursos; f) Assinar os termos de abertura e encerramento dos livros oficiais; g) Assinar contratos e convênios em geral; h) Propor, para apreciação da Diretoria Executiva e deliberação do Conselho Deliberativo, a estrutura de organização na qual obrigatoriamente integrarão áreas de investimento e controle atuarial, administração e benefícios previdenciários e procedimentos de gestão da CASFAM; i) Convocar reuniões da Diretoria Executiva e delas participar; j) Encaminhar, em nome da Diretoria Executiva, questões de interesse da CASFAM para deliberação pelo Conselho Deliberativo; k) Transferir ao Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários suas funções, em caso de impedimentos temporários e) Movimentar recursos financeiros, assinando, em conjunto com o Diretor de Investimentos e de Controles Atuariais ou com o Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários, cheques, ordens de pagamento ou de transferência de recursos; f) Assinar os termos de abertura e encerramento dos livros oficiais; g) Assinar contratos e convênios em geral; h) Propor, para apreciação da Diretoria Executiva e deliberação do Conselho Deliberativo, a estrutura de organização na qual obrigatoriamente integrarão áreas de investimento e controle atuarial, administração e benefícios previdenciários e procedimentos de gestão da CASFAM; i) Convocar reuniões da Diretoria Executiva e delas participar; j) Encaminhar, em nome da Diretoria Executiva, questões de interesse da CASFAM para deliberação pelo Conselho Deliberativo; k) Transferir ao Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários suas funções, em caso de impedimentos temporários. Artigo 18 - São atribuições do Diretor de Artigo 15 - São atribuições do Diretor de 18 Estatuto CASFAM

19 Administração e de Benefícios Previdenciários: a) Buscar, permanentemente, para exercício de suas funções, manter-se atualizado com a situação geral da CASFAM, seus projetos e ações e dispositivos legais definidores da atuação de Entidades Previdenciárias; b) Propor medidas para melhoria dos procedimentos e rotinas de administração; c) Atuar na captação de expectativas e demandas de orientações pelos participantes, propondo ações que possam atendê-las; d) Sugerir a implementação de ações que contribuam para melhoria contínua da relação entre a CASFAM e os participantes dos Planos de Benefícios; e) Cuidar para que os cálculos de concessão de benefícios e saneamento de quaisquer dúvidas dos participantes sejam realizados com total transparência e presteza; f) Organizar as reuniões da Diretoria Executiva, elaborar as respectivas atas e cuidar de sua transcrição e registro em livro próprio; g) Cumprir, por delegação do Diretor Presidente, outras atribuições. Administração e de Benefícios Previdenciários: a) Buscar, permanentemente, para exercício de suas funções, manter-se atualizado com a situação geral da CASFAM, seus projetos e ações e dispositivos legais definidores da atuação de Entidades Previdenciárias; b) Propor medidas para melhoria dos procedimentos e rotinas de administração; c) Atuar na captação de expectativas e demandas de orientações pelos participantes, propondo ações que possam atendê-las; d) Sugerir a implementação de ações que contribuam para melhoria contínua da relação entre a CASFAM e os participantes dos Planos de Benefícios; e) Cuidar para que os cálculos de concessão de benefícios e saneamento de quaisquer dúvidas dos participantes sejam realizados com total transparência e presteza; f) Organizar as reuniões da Diretoria Executiva, elaborar as respectivas atas e cuidar de sua transcrição e registro em livro próprio; g) Cumprir, por delegação do Diretor Presidente, outras atribuições. Artigo 19 - São atribuições do Diretor de Artigo 16 - São atribuições do Diretor de Alteração da numeração. 19 Estatuto CASFAM

20 Investimentos e Controles Atuariais: a) Buscar, permanentemente, para exercício de suas funções, manter-se atualizado com a situação geral da CASFAM, seus projetos e ações e dispositivos legais definidores da atuação de Entidades Previdenciárias; b) Acompanhar e avaliar, de forma sistemática, a administração da carteira de investimentos e cumprimento das metas definidas na política de investimentos; c) Realizar o acompanhamento e controle dos registros, documentação e demonstrativos contábeis; d) Submeter mensalmente à análise e avaliação da Diretoria Executiva da Entidade os resultados mensais da carteira de investimentos, bem como do custeio administrativo; e) Movimentar recursos financeiros, assinando, em conjunto com o Diretor Presidente ou com o Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários, cheques, ordens de pagamento ou de transferência de recursos, bem como os termos de abertura e encerramento dos livros oficiais; f) Acompanhar e avaliar a situação atuarial dos Planos de Benefícios, estabelecendo contato Investimentos e Controles Atuariais: a) Buscar, permanentemente, para exercício de suas funções, manter-se atualizado com a situação geral da CASFAM, seus projetos e ações e dispositivos legais definidores da atuação de Entidades Previdenciárias; b) Acompanhar e avaliar, de forma sistemática, a administração da carteira de investimentos e cumprimento das metas definidas na política de investimentos; c) Realizar o acompanhamento e controle dos registros, documentação e demonstrativos contábeis; d) Submeter mensalmente à análise e avaliação da Diretoria Executiva da Entidade os resultados mensais da carteira de investimentos, bem como do custeio administrativo; e) Movimentar recursos financeiros, assinando, em conjunto com o Diretor Presidente ou com o Diretor de Administração e de Benefícios Previdenciários, cheques, ordens de pagamento ou de transferência de recursos, bem como os termos de abertura e encerramento dos livros oficiais; f) Acompanhar e avaliar a situação atuarial dos Planos de Benefícios, estabelecendo contato permanente com a empresas e/ou profissional Inclusão da alínea K em razão do disposto no parágrafo 5º do artigo 35 da LC 109/2001. Inclusão da alínea l. 20 Estatuto CASFAM

21 permanente com a empresas e/ou profissional responsável pela prestação dos serviços atuariais; g) Acompanhar a elaboração da Política de Investimentos da Entidade e suas respectivas revisões, quando necessárias, submetendo-a a análise e avaliação da Diretoria Executiva, e posteriormente à deliberação do Conselho Deliberativo; h) Responsabilizar-se pela elaboração da proposta de orçamento anual da Entidade, e suas respectivas reformulações, quando necessárias, submetendo-a a análise e avaliação prévia da Diretoria Executiva, para posterior encaminhamento à deliberação do Conselho Deliberativo; i) Acompanhar a elaboração do Regulamento do Programa de Gestão Administrativa PGA da Entidade, e suas respectivas reformulações, quando necessárias, submetendo-a a análise e avaliação prévia da Diretoria Executiva, para posterior encaminhamento à deliberação do Conselho Deliberativo; j) Cumprir, por delegação do Diretor Presidente, outras atribuições responsável pela prestação dos serviços atuariais; g) Acompanhar a elaboração da Política de Investimentos da Entidade e suas respectivas revisões, quando necessárias, submetendo-a a análise e avaliação da Diretoria Executiva, e posteriormente à deliberação do Conselho Deliberativo; h) Responsabilizar-se pela elaboração da proposta de orçamento anual da Entidade, e suas respectivas reformulações, quando necessárias, submetendo-a a análise e avaliação prévia da Diretoria Executiva, para posterior encaminhamento à deliberação do Conselho Deliberativo; i) Acompanhar a elaboração do Regulamento do Programa de Gestão Administrativa PGA da Entidade, e suas respectivas reformulações, quando necessárias, submetendo-a a análise e avaliação prévia da Diretoria Executiva, para posterior encaminhamento à deliberação do Conselho Deliberativo; j) Cumprir, por delegação do Diretor Presidente, outras atribuições. k) Responsabilizar-se pela aplicação dos recursos da Entidade, sendo este o administrador estatutário tecnicamente qualificado perante o órgão fiscalizador competente. 21 Estatuto CASFAM

22 l) a prática de outros atos de gestão não discriminados, mas que estejam dentre as atribuições de competência do cargo. Artigo 20 - Nos limites de suas atribuições e poderes é lícito aos Diretores constituírem mandatários da Entidade, mediante a outorga de procurações com a assinatura de no mínimo 02 (dois) Diretores, sendo um deles, obrigatoriamente, o Diretor Presidente, desde que lavradas com poderes específicos e prazo determinado, não superior a 01 (um) ano, exceto nas procurações judiciais, quando este prazo poderá ser indeterminado. Artigo 17 - Nos limites de suas atribuições e poderes é lícito aos Diretores constituírem mandatários da Entidade, mediante a outorga de procurações com a assinatura de no mínimo 02 (dois) Diretores, sendo um deles, obrigatoriamente, o Diretor Presidente, desde que lavradas por instrumento público e com poderes específicos e prazo determinado, não superior a 01 (um) ano, exceto nas procurações judiciais, quando este prazo poderá ser indeterminado Acréscimo da necessidade da procuração ser exclusivamente por instrumento público. Parágrafo único a outorga de procurações conferidas no âmbito da gestão de tesouraria da Entidade, inclusive para assinatura de cheques, ordens de pagamento ou de transferência de recursos, somente poderá ser conferida a integrante do quadro funcional da CASFAM, no exercício de suas atribuições. Parágrafo único a outorga de procurações conferidas no âmbito da gestão de tesouraria da Entidade, inclusive para assinatura de cheques, ordens de pagamento ou de transferência de recursos, somente poderá ser conferida a integrante do quadro funcional da CASFAM, no exercício de suas atribuições. Sem alteração. Artigo 21 - Os membros da Diretoria Executiva são pessoalmente responsáveis pelos atos que praticarem em desconformidade com os termos Artigo 18 - Os membros da Diretoria Executiva são pessoalmente responsáveis pelos atos que praticarem em desconformidade com os termos 22 Estatuto CASFAM

23 deste Estatuto e Legislação pertinente às Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Artigo 22 - Sem prejuízo das atribuições e poderes individuais dos Diretores, as matérias abaixo relacionadas serão objeto de deliberação da Diretoria Executiva reunida como órgão colegiado: a) Plano de organização da entidade e emissão das normas correspondentes, bem como as respectivas modificações; b) Relatório anual e Prestação de Contas a serem encaminhados para apreciação e deliberação pelo Conselho Deliberativo, e posterior apreciação da Assembleia Geral; c) Alterações no Regulamento dos Planos de Benefícios a serem encaminhados à deliberação do Conselho Deliberativo; d) Reforma e alterações no Estatuto da CASFAM a serem encaminhadas à apreciação do Conselho Deliberativo, e posterior deliberação pela Assembleia Geral. deste Estatuto e Legislação pertinente às Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Artigo 19 - Sem prejuízo das atribuições e poderes individuais dos Diretores, as matérias abaixo relacionadas serão objeto de deliberação da Diretoria Executiva reunida como órgão colegiado: a) Plano de organização da entidade e emissão das normas correspondentes, bem como as respectivas modificações; b) Relatório anual e Prestação de Contas a serem encaminhados para apreciação e deliberação pelo Conselho Deliberativo; c) Alterações no Regulamento dos Planos de Benefícios a serem encaminhados à deliberação do Conselho Deliberativo; d) Reforma e alterações no Estatuto da CASFAM a serem encaminhadas à deliberação do Conselho Deliberativo, e posterior apresentação em Assembleia Geral. Alteração da alínea b para retirada da necessidade de apreciação das contas pela Assembleia de Participante em razão do Conselho Deliberativo ser órgão máximo da Entidade. Nas disposições finais passa a constar a necessidade de Assembleia Geral anual para simples apresentação das contas aos participantes. Alteração da alínea d para constar deliberação ao invés de apreciação tendo em vista que o Conselho Deliberativo é o órgão máximo da Entidade. Parágrafo Único - Não sendo obtida a unanimidade nas deliberações da Diretoria Executiva, a matéria será submetida à Parágrafo Único - Não sendo obtida a unanimidade nas deliberações da Diretoria Executiva, a matéria será submetida à Sem alteração 23 Estatuto CASFAM

24 deliberação do Conselho Deliberativo deliberação do Conselho Deliberativo Artigo 23 - A Diretoria Executiva reunir-se-á, ordinariamente, uma vez por mês e, extraordinariamente, quando convocada pelo seu Presidente. Destas reuniões serão elaboradas atas contendo as deliberações do órgão. Artigo 20 - A Diretoria Executiva reunir-se-á, ordinariamente, uma vez por mês e, extraordinariamente, quando convocada pelo seu Presidente. Destas reuniões serão elaboradas atas contendo as deliberações do órgão. Artigo 24 - Ocorrerá a perda do cargo, para os Membros da Diretoria Executiva, nos seguintes casos: a) Renúncia; b) Cessação do vínculo empregatício com as Patrocinadoras; c) Perda de qualidade de Participantes do Plano de Benefícios; d) Na ocorrência das hipóteses previstas em Lei. Artigo 21 - Ocorrerá a perda do cargo, para os Membros da Diretoria Executiva, nos casos de renúncia e na ocorrência das hipóteses previstas em lei. Alteração do texto para excluir a limitação imposta para assumir o cargo de Diretor na Entidade com a exclusão das alíneas b e c. Seção III Do Conselho Fiscal Seção III Do Conselho Fiscal Sem alteração Artigo 25 - O Conselho Fiscal será composto de 04 (quatro) membros Efetivos e respectivos Suplentes, para um mandato de 03 (três) anos, Artigo 22 - O Conselho Fiscal será composto de 04 (quatro) membros Efetivos e respectivos Suplentes, para um mandato de 03 (três) anos, 24 Estatuto CASFAM

25 admitida a recondução, sendo a estes, vedada a percepção de qualquer tipo de remuneração pelo exercício das suas funções, sendo que um dos Conselheiros Efetivos designados pelas Entidades Patrocinadoras exercerá as funções de Presidente deste Conselho, e cabendo a este voto de qualidade, quando do exame de questões vinculadas a este Colegiado. admitida a recondução ou reeleição. Acréscimo para admitir reeleição. Parágrafo 1º - Os membros do Conselho Fiscal poderão ser remunerados pelo exercício das suas funções conforme proposta da Diretoria Executiva e aprovada pelo Conselho Deliberativo, sendo que um dos Conselheiros Efetivos designados pelas Entidades Patrocinadoras exercerá as funções de Presidente deste Conselho, e cabendo a este voto de qualidade, quando do exame de questões vinculadas a este Colegiado. Criação deste parágrafo com parte da redação do caput do Regulamento vigente visando facilitar o entendimento. Alteração para possibilitar a percepção de remuneração dos conselheiros, conforme permite a Lei complementar 109/2001. Parágrafo 1º - Os membros do Conselho Fiscal integrarão o Quadro Social, sendo assegurada na composição, a designação pelas Entidades Patrocinadoras de metade das vagas (02 titulares e respectivos Suplentes) e a outra metade a representantes dos Participantes Ativos (01 Parágrafo 2º - O Conselho Fiscal terá assegurado em sua composição, a designação pelas Entidades Patrocinadoras de metade das vagas (02 titulares e respectivos Suplentes) e a outra metade a representantes dos Participantes Ativos (01 titular e respectivo Suplente) e Alteração para retirada da limitação existente de pertencer o conselheiro ao Quadro Social da Entidade. 25 Estatuto CASFAM

26 titular e respectivo Suplente) e Assistidos (01 Titular e respectivo Suplente), indicados dentre eles por meio de eleição direta, mediante processo eleitoral definido pela Diretoria Executiva e aprovado pelo Conselho Deliberativo. Assistidos (01 Titular e respectivo Suplente), indicados dentre eles por meio de eleição direta, mediante processo eleitoral definido pela Diretoria Executiva e aprovado pelo Conselho Deliberativo. Parágrafo 2º - Os membros indicados pelas Entidades Patrocinadoras para integrarem o Conselho Fiscal, de acordo com as disposições previstas no parágrafo anterior, não poderão ter, no âmbito das respectivas Entidades Patrocinadoras de origem, relações funcionais e de subordinação direta aos membros indicados para integrarem a Diretoria Executiva da CASFAM, ressalvadas as disposições previstas no artigo 39. Exclusão de parágrafo visto já constar a restrição imposta no Estatuto vigente no seu artigo 39, de numero 34 na redação proposta. Parágrafo 3º - Os membros do Conselho Fiscal deverão atender aos requisitos a seguir indicados, sendo obrigatórios os mencionados nos itens II, III e IV: I preferencialmente ter formação de nível superior; II não ter sofrido penalidade administrativa por infração da legislação da seguridade social, inclusive da previdência complementar; III não ter sofrido condenação criminal transitada em julgado; Parágrafo 3º - Os membros do Conselho Fiscal deverão atender aos requisitos a seguir indicados, sendo obrigatórios: I - comprovada experiência no exercício de atividades nas áreas financeira, administrativa, contábil, jurídica, de fiscalização ou de auditoria; II - não ter sofrido condenação criminal transitada em julgado; III - não ter sofrido penalidade administrativa por infração da legislação da seguridade social ou como servidor público. Alteração para adequação ao disposto no parágrafo terceiro do artigo 34 da Lei Complementar 109/ Estatuto CASFAM

27 IV - experiências profissionais no exercício de atividades na área financeira, administrativa, econômica, contábil, jurídica, de fiscalização e de controle, atuarial, de auditoria, de gestão de recursos humanos e de pessoal, ou de gerenciamento em geral; V experiências profissionais comprovadas no âmbito de entidades de previdência complementar ou de seguridade social. Parágrafo 4º - Ocorrerá a perda do cargo, para os membros do Conselho Fiscal, nos seguintes casos: a) Renúncia; b) Perda de qualidade de Participantes do Plano de Benefícios; c) Na ocorrência das hipóteses previstas em Lei Parágrafo 4º - Ocorrerá a perda do cargo, para os membros do Conselho Fiscal, nos casos de renúncia e na ocorrência das hipóteses previstas em Lei. Alteração da redação eliminando a alínea b, tendo em vista a possibilidade da condução ao conselheiro de membro não incluído no Quadro Social da Entidade. Parágrafo 5º - No caso de ausência de Inclusão do parágrafo 5º para definir remuneração devida ao Conselho Fiscal, os a possibilidade de pagamento de Conselheiros poderão receber uma Ajuda de Ajuda de Custo no caso de não haver Custo que deverá ser proposta pela Diretoria remuneração aprovada para os Executiva e aprovada pelo Conselho membros do Conselho. Deliberativo, cujo pagamento será condicionado à efetiva participação nas reuniões do Conselho. Artigo 26 - Compete ao Conselho Fiscal: Artigo 23 - Compete ao Conselho Fiscal: 27 Estatuto CASFAM

28 a) Examinar e emitir parecer sobre os balancetes contábeis e a Prestação de Contas Anual da Diretoria Executiva; b) Examinar a documentação, livros, demonstrativos e controles em geral, relativos a registros contábeis e à gestão financeira da Entidade; c) Analisar e emitir parecer sobre a composição da carteira de investimentos, e avaliar os resultados obtidos pela gestão financeira; a) Examinar e emitir parecer sobre os balancetes contábeis e a Prestação de Contas Anual da Diretoria Executiva, com lavramento em ata das decisões e exames; b) Examinar a documentação, livros, demonstrativos e controles em geral, relativos a registros contábeis e à gestão financeira da Entidade, com lavramento em ata das decisões e exames; c) Analisar e emitir parecer sobre a composição da carteira de investimentos, e avaliar os resultados obtidos pela gestão financeira; d) emitir relatórios de controles internos, pelo menos semestralmente, que contemplem, no mínimo: I - as conclusões dos exames efetuados, inclusive sobre a aderência da gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios às normas em vigor e à política de investimentos, a aderência das premissas e hipóteses atuariais e a execução orçamentária; II - as recomendações a respeito de eventuais deficiências, com o estabelecimento de cronograma de saneamento das mesmas, quando for o caso; III - análise de manifestação dos responsáveis pelas correspondentes áreas, a respeito das Acréscimo na alínea a e b da necessidade de lavramento de ata das decisões e exames do Conselho Deliberativo. Alteração para inserção da alínea d em conformidade com o artigo 19 da RESOLUÇÃO MPS/CGPC Nº 13, DE 01 DE OUTUBRO DE DOU DE 06/10/ Estatuto CASFAM

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL. Aprovação: 18/08/2015

ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL. Aprovação: 18/08/2015 ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL 2015 ESTATUTO SOCIAL Aprovação: 18/08/2015 SUMÁRIO DA ENTIDADE E SEUS FINS Página 2 DOS MEMBROS DA ENERPREV Página 2 DAS CATEGORIAS DE MEMBROS

Leia mais

INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ

INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ ESTATUTO PROPOSTA DE ALTERAÇÕES www.cbsprev.com.br Central de Atendimento: 08000-268181 INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ Atendendo à Resolução n.º 6, de 15/08/2011, do Conselho Nacional

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev ESTATUTO SOCIAL FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev Setembro/2015 ÍNDICE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA

Leia mais

Página 1 de 40 DE PARA JUSTIFICATIVA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E PRAZO DE DURAÇÃO

Página 1 de 40 DE PARA JUSTIFICATIVA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E PRAZO DE DURAÇÃO DE PARA JUSTIFICATIVA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E PRAZO DE DURAÇÃO Art. 1 O Fundo de Pensão Multipatrocinado da Seccional de São Paulo da Ordem dos Advogados

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1 - A Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Sul

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ECONOMUS INSTITUTO DE SEGURIDADE SOCIAL ESTATUTO

ECONOMUS INSTITUTO DE SEGURIDADE SOCIAL ESTATUTO O presente Estatuto Social do ECONOMUS, com novo texto, foi aprovado pela Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo do Economus; Diretoria e Conselho Administrativo do Patrocinador Banco Nossa e pela

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

Presidência. Diretoria Administrativa. Diretoria Financeira. Diretoria de Aposentadoria e Pensões. Diretoria de Assuntos Jurídicos.

Presidência. Diretoria Administrativa. Diretoria Financeira. Diretoria de Aposentadoria e Pensões. Diretoria de Assuntos Jurídicos. Presidência Diretoria Administrativa Diretoria Financeira Conselho Administrativo Diretoria Executiva Diretoria de Aposentadoria e Pensões Conselho Fiscal Diretoria de Assuntos Jurídicos Conselho de Investimentos

Leia mais

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO Artigo 1º: A MARISOL S.A. é uma Sociedade Anônima de capital aberto,

Leia mais

Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS

Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS AGOSTO 2011 DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º O Instituto de Investimentos, assim denominado, e também chamado,

Leia mais

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL (ou Fundação ), com prazo de duração indeterminado, é uma entidade

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS FACJÚNIOR EMPRESA JÚNIOR DA FACCCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I, DENOMINAÇÃO, SEDE,

Leia mais

Como montar uma ONG no Amapá

Como montar uma ONG no Amapá Como montar uma ONG no Amapá Eis um modelo básico do Estatuto Social de uma ONG comumente divulgado na internet. Faça as alterações e adapte à sua realidade. Existem modelos mais amplos e mais completos,

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Objetivo, Sede, Foro e Duração Artigo 1º - Sob a denominação Fundação Britânica de Beneficência, foi constituída a Fundação projetada

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) CAPÍTULO I Título, Finalidade e Sede Art. 1º - A Associação Médica do Planalto, Ameplan, fundada em 21 de setembro de 1994, é uma sociedade civil de

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

Estatuto Social do Sebrae/BA

Estatuto Social do Sebrae/BA Estatuto Social do Sebrae/BA TÍTULO I -DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I -DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, ALTERAÇÃO INSTITUCIONAL E DURAÇÃO Art. 1º - O CEAG/BA - Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração Este Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho de Administração da Suzano Papel e Celulose S.A. em 18 de fevereiro de 2016.

Leia mais

Redação Original Alteração Proposta Justificativa

Redação Original Alteração Proposta Justificativa QUADRO COMPARATIVO DAS ALTERAÇÕES DO ESTAUTO SOCIAL DO CNBPREV FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS CARTÓRIOS Novembro/2013 Redação Original Alteração Proposta Justificativa Estatuto Social CNBPrev Fundo de Previdência

Leia mais

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação Lei n.º 9.637, de 15 de maio de 1998 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA.

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. Capítulo I Denominação, fins e sede do CEPESC Art. 1º. O Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a associação civil denominada

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS EM TELECOMUNICAÇÕES - ABR TELECOM TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E PRAZO DE DURAÇÃO TÍTULO II DOS OBJETIVOS

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS EM TELECOMUNICAÇÕES - ABR TELECOM TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E PRAZO DE DURAÇÃO TÍTULO II DOS OBJETIVOS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS EM TELECOMUNICAÇÕES - ABR TELECOM TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E PRAZO DE DURAÇÃO Art. 1º A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS EM TELECOMUNICAÇÕES ( ABR Telecom ) é

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Denominação, Sede e Duração

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Denominação, Sede e Duração ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos Denominação, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração ABM, fundada em 10 de outubro de 1944

Leia mais

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Estatuto da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, anexo.

Art. 1º Aprovar o Estatuto da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, anexo. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere a alínea "f" do art. 27 da Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966, e Considerando o disposto na

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002

Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002 Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002 Ementa: Estabelece normas de organização, funcionamento e eleição, competências das Comissões de Ética Médica dos estabelecimentos

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA

ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA Capítulo I Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 A Empresa Júnior FABAVI Vitória é uma associação sem fins lucrativos e com prazo de duração

Leia mais

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Fins Artigo 1 - A Associação dos Auditores Fiscais da Prefeitura Municipal de Campinas é uma sociedade civil, com sede e foro na Cidade de Campinas, na rua General

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO REGISTRADO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DA COMARCA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ BAHIA, sob Número: 6.893, protocolo 2, fls. 117, Registro n.º 477, livro

Leia mais

ESTATUTO INSTITUTO AERUS DE SEGURIDADE SOCIAL

ESTATUTO INSTITUTO AERUS DE SEGURIDADE SOCIAL ESTATUTO DO INSTITUTO AERUS DE SEGURIDADE SOCIAL (aprovado pela Portaria SPC nº 988 de 12/09/2002) 1 ÍNDICE CAPÍTULOS PÁGINA I - DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS... 03 II - DOS MEMBROS DA INSTITUIÇÃO... 03 III

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais;

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais; ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO RUY BARBOSA (Faculdade de Direito-UFBA) TÍTULO I DA ENTIDADE Capítulo I Da Natureza Jurídica Art.1º O Centro Acadêmico Ruy Barbosa (CARB), fundado em 25 de Outubro de 1999,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES E MUDAS DO RIO GRANDE DO SUL

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES E MUDAS DO RIO GRANDE DO SUL ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES E MUDAS DO RIO GRANDE DO SUL ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES E MUDAS DO RIO GRANDE DO SUL - APASSUL Aprovado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ESTATUTO SOCIAL DA FIAMA EMPRESA JÚNIOR AMAMBAI MS 2010 FIAMA -Empresa Júnior Rua Padre Anchieta, 202 Amambai-MS 2 EMPRESA JUNIOR Visando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS - CEP-CH -

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS - CEP-CH - SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Estrada de São Lázaro, 197. Federação. Salvador/Bahia. CEP.: 40210-730. Tel/Fax: +55 71 3331-2755 REGIMENTO

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PEQUENA CASA DA CRIANÇA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADES E DURAÇÃO Art. 1º - A PEQUENA CASA DA CRIANÇA é uma Associação Civil, Sem Finalidade de Lucros e Filantrópica, tem seus

Leia mais

SOCIEDADE BATISTA DE BENEFICÊNCIA TABEA

SOCIEDADE BATISTA DE BENEFICÊNCIA TABEA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA Conforme Assembléia Geral Extraordinária realizada em vinte e três de julho de dois mil e dez (23.07.2010), devidamente convocada na forma prevista pelo estatuto, para o fim específico

Leia mais

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração e Objeto Artigo 1º A BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1 A ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA, denominada neste Estatuto de

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÂO I A

Leia mais

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE ALUNOS, PAIS E MESTRES ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE ALUNOS, PAIS E MESTRES ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE ALUNOS, PAIS E MESTRES ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Alunos, Pais e Mestres SEÇÃO I Da Instituição Artigo

Leia mais

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE Artigo 1.º Natureza jurídica e denominação social A Sociedade, que adota a denominação de Banco Primus SA («a Sociedade»),

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS - LHCMA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS é uma entidade sem fins lucrativos, com duração

Leia mais

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 24 do Estatuto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, para observância

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - A Entidade constitui-se de uma associação civil, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição Art. 1º - O Conselho Regional de Economia da 1ª Região tem sede e foro na cidade do Rio de Janeiro e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE CAPÍTULO 1 DAS FINALIDADES DE REGIMENTO INTERNO DA CEUA Art. 1 A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da Fundação Universidade Federal de

Leia mais

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS TÍTULO I Da Entidade Artigo 1º - O Diretório Acadêmico de Administração da Faculdade Palotina de Santa Maria,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 CAPÍTULO I DA FINALIDADE, SEDE, DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E PATRIMÔNIO. ART. 1º - O Conselho

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo C.N.P.J. 43.640.168/0001-74 ESTATUTO SOCIAL DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL,

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA ESTÉTICA SBOE ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA ESTÉTICA SBOE ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1 O A SOCIEDADE BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA ESTÉTICA é uma associação civil, sem fins lucrativos, com personalidade jurídica, fundada em 28 de Janeiro

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 Aprova o Estatuto da Fundação Caixa Beneficente dos Servidores da Universidade de Taubaté (Funcabes). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº FUNCABES-

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA, também designada

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULOI DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho de Alimentação Escolar - CAE, do Município de Sorriso-MT criado por meio da Lei municipal nº 870

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro Artigo 1º A Associação dos Gestores de Tecnologia da Informação do Estado de Sergipe, denominada também pela sigla CIO-SE,

Leia mais

Estatuto Social. Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia. Alumni IME

Estatuto Social. Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia. Alumni IME ESTATUTO SOCIAL Estatuto Social Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia Alumni IME Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Associação dos Ex-alunos do Instituto

Leia mais

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS.

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS. NOVO ESTATUTO SOCIAL DA AGATEF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E OBJETIVOS Artigo 1º A Associação Gaúcha de Terapia Familiar, com sigla AGATEF, fundada em 1º de outubro de 1994, é uma Associação sem

Leia mais

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS e DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Redistribuição de Excedente, também designada pela sigla

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV c A ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV ADAPTAÇÃO AO CÓDIGO CIVIL LEI N" 10.406/2002 DESIGNAÇÃO E SEDE Artigo Io - A associação terá a denominação de Associação dos Amigos

Leia mais

CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS

CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS ESTATUTOS DO CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS CAPITULO I Da denominação, sede, âmbito de ação e fins Artigo 1.º Denominação, sede

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA

Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E SEDE, FINALIDADES, REPRESENTAÇÕES REGIONAIS E FONTES DE RECURSOS Seção Da Denominação e Sede Art. 1º - A SOCIEDADE

Leia mais