Relatório do projecto SIEFI. A situação da inovação nas empresas do Norte de Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório do projecto SIEFI. A situação da inovação nas empresas do Norte de Portugal"

Transcrição

1 Relatório do projecto SIEFI A situação da inovação nas empresas do Norte de Portugal

2 1. A IMPORTÂNCIA DA INOVAÇÃO NA ECONOMIA GLOBALIZADA O QUE SE ENTENDE POR I+D+I: DEFINIÇÕES BÁSICAS DADOS SOBRE A SITUAÇÃO DA INOVAÇÃO E A UTILIZAÇÃO DAS TICS EM ESPANHA E PORTUGAL MODELO PROPOSTO PARA O ESTUDO DA INOVAÇÃO NAS EMPRESAS DA GALIZA E DO NORTE DE PORTUGAL O PAPEL DOS MODELOS DE INOVAÇÃO O modelo linear O modelo de ligações em cadeia MODELO PROPOSTO PARA O ESTUDO DA INOVAÇÃO NAS EMPRESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO SIEFI Indicadores propostos para realizar o trabalho de campo a partir do modelo de inovação A SITUAÇÃO DA INOVAÇÃO NAS EMPRESAS DO NORTE DE PORTUGAL METODOLOGIA UTILIZADA NO TRABALHO DE CAMPO CARACTERIZAÇÃO DAS EMPRESAS INCLUÍDAS NO TRABALHO DE CAMPO Dados sobre a dimensão das empresas Dados sobre a Gestão da Qualidade nas empresas O CONTEXTO E AS ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS DAS EMPRESAS As forças competitivas do sector Caracterização do mercado de fornecedores Caracterização do mercado de clientes A estratégia competitiva das empresas A SITUAÇÃO DA INOVAÇÃO NAS EMPRESAS DO NORTE DE PORTUGAL Percentagem de empresas classificadas como inovadoras Análise da incidência do contexto na inovação As empresas não inovadoras As empresas inovadoras Resumo e conclusões do estudo ANEXO I MODELO DO INQUÉRITO BIBLIOGRAFIA...67 Página 1

3 1. A IMPORTÂNCIA DA INOVAÇÃO NA ECONOMIA GLOBALIZADA A Nova Economia, a Sociedade de Informação, a Era Digital, a Economia em Rede, etc., são termos que desde há uns anos para cá aparecem constantemente nos meios de comunicação. A sociedade está a transformar-se a uma velocidade vertiginosa e as mudanças nas relações económicas e sociais traduzem-se em novos modelos de negócio e em novas formas de competir. A globalização da economia, o desaparecimento de barreiras no comércio, a queda dos velhos monopólios e a intensificação da concorrência a nível internacional estão a facilitar o acesso a novos mercados. Neste novo cenário da Sociedade de Informação e do Conhecimento, os mercados são muito mais ágeis e transparentes. Além disso, os clientes estão muito mais informados e são consideravelmente mais exigentes, solicitando todo o tipo de informação sobre a empresa e os seus produtos, exigindo soluções totalmente personalizadas e adaptadas às suas necessidades. O ritmo de mudança acelerou de forma dramática: os ciclos de vida dos produtos reduzemse notavelmente, a evolução dos negócios está a produzir-se a passos largos e a economia reage em tempo real às notícias e aos eventos, em mercados globalizados que operam de forma ininterrupta. Além disso, os novos meios digitais interactivos, como a Internet, permitem estabelecer uma comunicação directa entre as empresas e os seus clientes, a partir de qualquer lugar no mundo e em qualquer momento, oferecendo desta forma um serviço ininterrupto e de alcance global. No mundo actual ser líder de um sector não garante o êxito da empresa no futuro, uma vez que só sobrevivem aquelas organizações que assumem o desafio de reinventar-se constantemente. Na realidade, muitas empresas acabam presas pelo êxito dos seus próprios produtos: aqui sempre fizemos o mesmo, não sentimos necessidade de mudar.... É possível citar muitos casos de empresas de grande sucesso nos seus respectivos sectores de actividade, chegando mesmos a inventar o seu próprio sector com o lançamento de um novo produto ou serviço e que, contudo, vários anos depois ficaram relegadas a um segundo plano por empresas novas, que foram muito mais ágeis na altura de aproveitar as mudanças do meio envolvente e as novas possibilidades oferecidas por meios digitais, como a Internet. Assim, podíamos dar como exemplo o caso da indústria informática, onde uma nova empresa, a Dell, revolucionou o modelo de negócio e de relação com o cliente graças à venda directa e personalizada através da Internet, retirando, em poucos anos, empresas líderes como a IBM (que impulsionou este sector com o lançamento do IBM PC, em 1981) ou a HP-COMPAQ. Da mesma forma, motores de pesquisa como o Google estão a substituir as próprias enciclopédias e outros tradicionais meios de informação impressos, devido à grande quantidade e qualidade das suas ligações a todo o tipo de recursos na Internet. Na verdade, a Google é a empresa de maior revalorização em bolsa nos Estados Unidos nestes últimos anos, convertendo-se no início de Junho de 2005 na empresa mediática de maior valor em bolsa do mundo, depois de triplicar a sua cotização em menos de um ano. Página 2

4 Em apenas 10 anos, a Internet e as novas tecnologias da informação contribuíram para o desenvolvimento dos mercados globais e hiper-competitivos, caracterizados por um aumento drástico da oferta e dos agentes concorrentes, por uma maior transparência em relação aos preços e características dos produtos, por um âmbito de actuação global que não conhece fronteiras nem restrições horárias (funcionamento 24H-365D) e pela redução drástica dos custos de transição e intercâmbio de informação entre os participantes. Por tudo isto, Michael Porter assinalava num artigo de Março de 2001 que a estratégia tem hoje mais importância que nunca, num contexto hiper-competitivo: o objectivo final de uma estratégia é conseguir ser diferente dos demais. Criar valor para os agentes, em especial para os clientes, de maneira a que a oferta da empresa seja melhor e, se possível, única no mercado em que compete. Assim, por exemplo, Porter cita o exemplo da empresa Wal Mart, líder do sector de distribuição nos Estados Unidos. O modelo de negócio de Wal Mart é idêntico ao de outros centros comerciais: dispor de uma grande variedade de produtos a bons preços. Mas a sua estratégia foi historicamente única: abrir lojas em vilas ou cidades em que outras cadeias não se instalariam. As organizações ágeis e flexíveis são as que triunfam neste cenário: na era da Internet, o peixe grande já não come o peixe pequeno; é o peixe rápido que come o peixe lento ( speed kills ). Já não basta a redução de custos e a qualidade, aliadas à optimização da gestão e da produção. Tudo se pode copiar rapidamente e tende-se a uma comoditização dos produtos e serviços. Por isso, a destruição criativa proposta por Schumpeter, a reinvenção constante do modelo de negócio, tem uma maior importância. Na Sociedade Industrial, as barreiras de entrada num sector conseguiam implementar-se mediante a posse de determinados meios físicos (a rede telefónica que pertencia a um único operador), as economias de escala (para fabricar determinados produtos eram necessárias instalações industriais enormes), a curva de experiência, as relações com os fornecedores ou distribuidores, etc. Contudo, na Sociedade de Informação, as barreiras são de ordem mais intangível, uma vez que aparecem como propriedade intelectual ou know-how. Não é tanto o tamanho que importa, mas sim a flexibilidade e a agilidade. Na verdade, segundo Alvin Toffler, as economias de velocidade estão a substituir as economias de escala. Assim, a empresa Sun Microsystems estima que 20% do conhecimento que se gera na empresa fica desactualizado em menos de um ano. Por sua vez, a Hewlett-Packard destaca que a maior parte dos seus lucros procede de produtos que não existiam há apenas um ano atrás. Por outro lado, em 1996, a multinacional Sony colocou no mercado nada menos que 5000 produtos novos, mais de dois produtos por cada hora de trabalho. Também poderíamos citar o caso da multinacional 3M, que corporativamente pretende que cada uma das suas divisões seja capaz de gerar 30% das suas vendas graças a produtos ou serviços introduzidos no mercado há apenas quatro anos. As empresas necessitam de competir e, ao mesmo tempo, cooperar com outras empresas, surgindo o fenómeno que alguns chamam de coopetição, pelo que é necessário prestar uma especial atenção ao desenvolvimento de alianças estratégicas e aos novos modelos de criação de valor baseados na colaboração e o intercâmbio de informação entre empresas. Assim, alguns autores propõem a utilização do termo redes de valor em substituição da tradicional cadeia de valor. A partir da análise de quais são ou poderiam ser as capacidades nucleares de uma organização (as core competences, segundo Gary Hammel), assim como as necessidades que se Página 3

5 pretendem satisfazer nos seus potenciais clientes, as empresas de hoje em dia devem desenvolver a sua proposta de valor, materializada numa carteira de produtos e serviços. Muitas empresas optaram pela subcontratação das suas actividades que não constituem a essência ou o núcleo do seu negócio, gerando uma forte dependência de fornecedores especializados no desenvolvimento de produtos e actividades complementares. Portanto, as empresas deveriam evoluir face a modelos organizativos mais planos e flexíveis, para dispor de uma maior capacidade de adaptação às mudanças, de inovar e de oferecer uma resposta ágil e adequada às necessidades dos clientes. A redução dos custos de coordenação internos veio facilitar o acesso à informação e o seguimento e controlo centralizado de todas as actividades realizadas no seio de uma organização, ainda que esta trabalhe com um grande nível de dispersão, graças à eliminação de barreiras físicas e temporais. Podemos concluir assim, em definitivo, que na Sociedade de Informação e do Conhecimento a inovação permanente se converte na única fonte de vantagem competitiva. O meio envolvente tornou-se muito mais exigente, incerto e em constante mudança, pelo que as organizações devem desenvolver a sua capacidade para aprender e adaptar-se aos novos modelos de negócio. Neste meio em constante mudança, a capacidade para identificar rapidamente novos mercados e novas necessidades para satisfazer transforma-se numa vantagem competitiva mais importante que o tamanho ou a história de uma organização. Efectivamente, estes dois factores poderiam supor um travão à inovação e a adaptação à mudança numa organização. Página 4

6 2. O QUE SE ENTENDE POR I+D+I: DEFINIÇÕES BÁSICAS Quando, no geral, nos referimos às actividades de I+D+i, devemos partir das definições propostas pelos distintos organismos que a nível internacional constituem as principais referências através das suas publicações, como pode ser a própria OCDE através do Manual de Frascati (no caso da Investigação e Desenvolvimento) e, mais recentemente, do Manual de Oslo (no caso da Inovação Tecnológica), assim como as definições recolhidas nas normas aprovadas para a certificação das próprias actividades de I+D+i (norma UNE :2000 EX). Assim, num primeiro nível, pode distinguir-se entre a Investigação Fundamental ou Básica, a Investigação Aplicada, o Desenvolvimento e os diferentes tipos de Inovação, tal como se reflecte na seguinte figura: Investigação - Fundamental ou básica - Industrial ou aplicada Desenvolvimento - Aplicação dos resultados da investigação - De produtos Inovação - De processos - De gestão - De negócio Figura 1: As actividades de I+D+i A Investigação Fundamental ou Básica consiste em trabalhos experimentais ou teóricos que são desenvolvidos principalmente para obter novos conhecimentos acerca dos fundamentos dos fenómenos e feitos observáveis, sem pensar em dar-lhes nenhuma aplicação ou utilização determinada. O seu propósito é, portanto, adquirir e ampliar os conhecimentos gerais científicos e técnicos, tendo como base de partida os conhecimentos, técnicas e tecnologias existentes e os novos. O resultado da investigação básica é a geração de novos conhecimentos gerais científicos e técnicos não vinculados directamente com produtos ou processos industriais. Por sua vez, a Investigação Industrial ou Aplicada consiste também na realização de trabalhos originais para adquirir novos conhecimentos. No entanto, neste caso, a investigação está dirigida fundamentalmente para um objectivo prático específico, como pode ser a resolução de um Página 5

7 determinado problema no âmbito industrial. O resultado que se pretende alcançar com a Investigação Aplicada é o de explorar os novos conhecimentos no desenvolvimento de novos produtos ou processos, ou suscitar melhorias importantes em produtos ou processos existentes. O Desenvolvimento consiste na realização de trabalhos sistemáticos que aproveitam os conhecimentos existentes obtidos a partir da investigação e/ou experiência prática e que se dirige à produção de novos materiais, produtos ou dispositivos; colocar em marcha novos processos, sistemas e serviços ou a melhoria substancial dos já existentes. Estas actividades incluem a materialização do resultado da investigação em protótipos não comercializáveis e projectos de demonstração inicial ou piloto, sempre que não se convertam ou utilizem em aplicações ou para a sua exploração comercial. É importante salientar que a I+D engloba tanto a I+D formal realizada nos departamentos de I+D, como a I+D informal ou ocasional realizada noutros departamentos de uma empresa ou organização. No que se refere à Inovação, devemos ter em conta que têm sido propostas várias definições. Assim, de acordo com Enquisa de Innovación Tecnolóxica (Inquérito de Inovação Tecnológica) do INE Instituto Nacional de Estatística (uma das referências nesta área em Espanha), uma empresa pode ser qualificada como inovadora se realizar alguma das seguintes actividades: I+D. Design. Equipa e engenharia. Lançamento da fabricação. Comercialização de novos produtos. Aquisição de tecnologias materiais e imateriais (patentes, licenças, etc.). Também, segundo o inquérito do INE, podem ser distinguidos os seguintes tipos de inovação: Inovação de produtos (bens ou serviços): Introdução no mercado de bens ou serviços novos ou melhorados de maneira significativa, pelo que diz respeito a características básicas, especificações técnicas, software incorporado ou outros componentes intangíveis. Inovação do processo: Implementação de processos de produção, métodos de distribuição ou actividades de apoio aos bens e serviços que sejam novos métodos ou que contribuam para uma melhoria significativa. Inovação organizativa: Aplicação de modificações novas ou significativas na estrutura da empresa ou nos métodos de gestão, destinadas a melhorar os conhecimentos, a qualidade dos seus bens e serviços, assim como a eficiência do fluxo de trabalho por parte da empresa. Página 6

8 Inovação na comercialização: Aplicação de modelos ou métodos de venda novos ou melhorados de forma significativa, destinados a aumentar o atractivo dos seus bens e serviços ou a penetrar em novos mercados. Página 7

9 3. DADOS SOBRE A SITUAÇÃO DA INOVAÇÃO E A UTILIZAÇÃO DAS TICS EM ESPANHA E PORTUGAL Vários estudos publicados recentemente demonstraram uma série de dados preocupantes sobre os gastos em I+D+i, o nível de investimento em TICs, a formação do Capital Humano, assim como o impacto de todos estes factores na competitividade das nossas empresas e em relação com as do resto da União Europeia: A Espanha estava situada no 29º lugar da classificação no que se refere à utilização das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) no mundo, segundo o Relatório Global sobre Tecnologia de Informação publicado no início de Março de 2005 pelo Fórum Económico Mundial, no qual foram analisados 104 países do mundo. A Espanha baixou vários lugares nesta classificação desde 2002, na altura situava-se na 25ª posição. Este ranking contempla também diferentes dados relativos ao ano de 2004, como a disponibilidade de especialistas científicos e engenheiros, em que a Espanha ocupa a 40ª posição; sofisticação dos mercados financeiros, 27ª posição; sofisticação tecnológica, 33ª posição; colaboração entre universidades e indústria, 33ª posição, ou legislação relativa às TICs, 39ª posição; etc. o o Na edição do mesmo relatório apresentada em Março de 2006, a Espanha caiu duas posições, passando para o 31º lugar da classificação do Fórum Económico Mundial. Os diversos planos impulsionados pelo governo, como o Info XXI ou Avanza não foram capazes de dar o impulso necessário à Espanha, de forma a que esta não perdesse competitividade tecnológica a nível internacional. No relatório apresentado em Março de 2007, a Espanha caiu para o 32º lugar, no ranking do Fórum Económico Mundial, de um total de 122 economias analisadas no âmbito desse relatório. Desta forma, a Espanha desceu sete posições nesta classificação, desde 2002, encontrava-se no 25º lugar, e durante 2003 e 2004 ficou no 29º, passando em 2005 para o 31º lugar. Por outro lado, e segundo dados do mesmo Relatório Global sobre Tecnologia de Informação do Fórum Económico Mundial, Portugal obtém uma pontuação melhor que a Espanha, mantendo-se no 28º lugar no ranking global de No entanto, este dado também representa uma descida para Portugal, do 27º lugar, que tinha alcançado nos rankings de 2006 e No início de Março de 2005, a associação que reúne as empresas tecnológicas europeias, foi muito clara ao afirmar num dos seus relatórios, que os objectivos da Cimeira de Lisboa (que a União Europeia se convertesse na zona económica com base na Sociedade do Conhecimento mais dinâmica do mundo, em 2010) não se poderiam cumprir devido ao escasso investimento em TICs. A organização estimava no seu estudo que o investimento da Europa dos quinze (agora dos vinte e sete) se encontrava nesse momento em níveis que os Estados Unidos se encontravam há 20 anos atrás, considerando que se não se produzirem mudanças nas políticas para o sector, a produtividade manter-se-á abaixo dos Estados Unidos e até de alguns países asiáticos. Efectivamente, o investimento europeu em novas tecnologias per capita foi de euros, em 2003, enquanto que nos Estados Unidos alcançou os euros. Para além disso, o relatório sublinha que as TICs contribuíram 42% para o crescimento da Página 8

10 produtividade laboral, entre 1996 e 2000, na União Europeia dos quinze, em contraste com os 80% no caso da economia dos Estados Unidos. Por sua vez, no início de Janeiro de 2005, o Banco de Espanha alertava sobre o deficit tecnológico e educativo do Estado Espanhol, destacando que o hiato relativo à União Europeia continuava a ser excessivo nos dois factores decisivos para a produtividade: investimento em capital humano e tecnológico. Segundo os dados do relatório, na educação a Espanha aproximava-se da média da Europa, pelo decréscimo de população, mas ainda estava a gastar menos em percentagem do PIB. No investimento na tecnologia, apesar dos grandes avanços dos últimos cinco anos, a Espanha nem sequer alcançava 50% da média comunitária. Em finais de 2004, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística de Espanha, a economia espanhola encontrava-se nas últimas posições da União Europeia no caso do investimento em I+D, educação secundária e formação dos trabalhadores. Mesmo assim, a produtividade laboral por hora em Espanha encontra-se 16 pontos abaixo da média da antiga Europa dos quinze. Se se tiver em conta a importância para a produtividade de factores como o investimento em I+D ou a educação, o panorama não era muito optimista, segundo este relatório do INE: no que diz respeito ao investimento em I+D, a Espanha ocupava a 16ª posição entre os 25 países membros da União Europeia, apesar de em 2002 ter superado pela primeira 1% do PIB. Acima da Espanha, encontram-se países teoricamente mais pobres, como é o caso da Eslovénia ou da República Checa. Em Maio de 2005, um estudo sobre a economia espanhola realizado pelo IESE (Instituto de Estudios Superiores de la Empresa), demonstrava a perda de competitividade da economia espanhola, que se encontra em grande desvantagem face à média dos países europeus mais desenvolvidos, tanto no que se refere aos preços como aos custos laborais unitários. Desde 1998, a perda acumulada de competitividade em relação aos países da zona euro é de 12,5%. Em comparação com os principais países desenvolvidos, a Espanha ainda está em maior desvantagem, uma vez que o número se eleva para 13,2%. A evolução da produtividade não prevê um diagnóstico mais positivo, já que mostra um hiato com os principais países desenvolvidos que também ameaça o crescimento futuro. O aumento de apenas 0,6% desta variável em Espanha, em 2004 (duas décimas menos que um ano antes e muito aquém das taxas em quase 3 pontos do que há uma década), difere dos elevados aumentos das grandes economias mundiais: os Estados Unidos prevêem um avanço de 4,1%; o Japão, 3,3%; o Reino Unido, 2,5% e o conjunto dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (*OCDE), 2,8%, mais de dois pontos acima do registo espanhol. Em 2004, a Espanha contava com 18 computadores por cada 100 habitantes, esta capacidade situava-se abaixo de quase todos os países da Europa Ocidental, a qual é insuficiente numa comparação internacional e em relação à importância que corresponde à economia espanhola dentro da União Europeia, segundo um relatório do Instituto de Estudos Económicos. O país com mais computadores pessoais por cada 100 habitantes era os Estados Unidos, com 80 computadores, seguidos por três países nórdicos (Dinamarca, Noruega e Suécia), com valores a rondar os 59 computadores por 100 habitantes. A Suíça contabilizava 51, enquanto que os Países Baixos e o Japão 48 e 44, respectivamente. Neste ranking aparecem também a Finlândia, com 43 Página 9

11 computadores por cada 100 habitantes, e a Grã-Bretanha, com 42, enquanto que a Alemanha tem 39. A média da Europa Ocidental situa-se nos 34 computadores por cada 100 habitantes, menos de metade do que os Estados Unidos. Países como a Áustria, a Irlanda e a França encontram-se também nessa média, mas Portugal e Espanha situamse bastante abaixo, com 18 computadores por cada 100 habitantes, tendo a Grécia a pior média da Europa Ocidental, com 12. Segundo os dados do relatório Sociedade de Informação em Portugal 2006, do Instituto Nacional de Estatística de Portugal, em Portugal, 42% dos cidadãos, entre os 16 e os 74 anos utilizava o computador, em contraste com 54% dos cidadãos espanhóis e os 61 % da média da União Europeia. Mesmo assim, em Portugal, 45% dos utilizadores tinham ligação à Internet, em contraste com os 57% dos utilizadores espanhóis e os 62% da média da União Europeia. No que se refere à percentagem de população utilizadora da Internet, em Portugal, este dado situava-se em 36% da população (cidadãos entre os 16 e os 74 anos) em 2006, em relação a 48% da população espanhola e 54 % da média de todos os Estados da União Europeia. Os dados do desenvolvimento do comércio electrónico reflectem novamente o atraso da Espanha e de Portugal. Assim, de acordo com os resultados dos inquéritos do EUROSTAT, no ano 2006 só 5% da população portuguesa utilizava o comércio electrónico, em contraste com 10% da população espanhola e 21% da média de toda a União Europeia. Segundo este mesmo organismo, a percentagem de empresas portuguesas com ligação à Internet era de 81%, em contraste com os 90% de empresas em Espanha e 91% na União Europeia. Este dado é agravado sensivelmente se considerarmos a presença das empresas na Internet: em 2006, só 43% das empresas espanholas e o 37% das empresas portuguesas tinham representação através de páginas Web, em relação a uma média de 61% no conjunto da União Europeia. Segundo o relatório COTEC 2006, as empresas espanholas estavam a investir metade em I+D que a média europeia, pelo que ainda se mantinha um hiato importante neste terreno face aos países mais avançados na União Europeia e da OCDE. Dados do Eurostat de 2005 confirmavam esta situação preocupante para Espanha e Portugal: assim, a Espanha estava a destinar 1,12% do PIB aos gastos em I+D, enquanto que o valor de Portugal ainda era inferior, 0,81% do PIB, face a 1,85% de média da Europa dos vinte e cinco. Em Julho de 2006, a Espanha encontrava-se em terceiro lugar no investimento em Tecnologias de Informação na União Europeia, segundo dados publicados pela AETIC e pelo Ministério da Indústria. Em Julho de 2006, dava-se também a conhecer o facto de que a Espanha perdera cerca de 10% da sua quota exportadora num só ano, devido fundamentalmente ao aparecimento de novos concorrentes e à perda de competitividade da economia espanhola. Posteriormente, em Março de 2007, o Fundo Monetário Internacional alertava novamente para a perda de competitividade da economia espanhola, o que constituía uma séria ameaça, pois poderia alastrar-se ao crescimento futuro da oitava potência económica do mundo. Página 10

12 Em Maio de 2007, um inquérito do CIS (Centro de Investigações Sociológicas) dava a conhecer que 70% das PMEs espanholas reconheciam que a inovação não fazia parte da sua estratégia actual. Também em Maio de 2007, a revista The Economist dava a conhecer os últimos dados de um estudo que estava a realizar há sete anos para descobrir quais eram os países mais inovadores do mundo, analisando quase 100 parâmetros qualitativos e quantitativos. Este ano, a Espanha aparece no 26º lugar e Portugal no 27º num total de 69 países, pelo que estes dois países caíram algumas posições em relação à classificação anterior. O ranking da e-preparação (no qual também participa a IBM) estuda o estado das infra-estruturas das tecnologias de informação num país, a sua utilização por parte de particulares, empresas e governos, e o grau de empenho destes no desenvolvimento dessas tecnologias. Portanto, à vista de todos os dados que foram citados nos parágrafos anteriores, podemos concluir que na situação actual, a maioria das empresas espanholas e portuguesas dedicam muito poucos recursos à inovação, à utilização das TICs e à gestão da mudança organizativa. O desconhecimento das novas ferramentas tecnológicas e a falta de sensibilização e de uma formação adequada também contribuem, em grande medida, para esta situação. Página 11

13 4. MODELO PROPOSTO PARA O ESTUDO DA INOVAÇÃO NAS EMPRESAS DA GALIZA E DO NORTE DE PORTUGAL 4.1. O papel dos modelos de inovação Os modelos de inovação surgem com o propósito de facilitar o estudo dos diferentes aspectos relacionados com a inovação nas organizações, com o objectivo de identificar quais são os factores mais importantes que podem contribuir para a inovação ou, pelo contrário, constituir um obstáculo. Na seguinte figura é representada, de forma esquemática, uma proposta sobre quais poderiam ser as várias etapas que constituem o processo de inovação numa organização: Estudo contexto Vigilância tecnológica Vigilância comercial Vigilância competitiva Prospectiva tecnológica Ideias Selecção e valorização de ideias Projectos I+D+i Optimização de geração de ideias Criatividade Patente Modelo de utilidade Design industrial Propriedade industrial ou intelectual Inovação Produto processo Trabalho em rede Consulta linhas de Financiamento Consulta oferta tecnológica Seguimento periódico Fonte: Guia de I+D+I (COETICOR) Melhoria contínua Identificação factores fracasso Figura 2: O processo de inovação Fonte: Guia de I+D+I (COETICOR) No entanto, podemos assinalar uma série de problemas que deve ser tida em conta ao identificar as diferentes actividades relacionadas com a inovação: O processo de inovação tem limites temporais difusos. A existência de diversas perspectivas ocultas. A inovação ocorre sempre num contexto concreto. A interacção desconhecida entre diversas variáveis. Página 12

14 A influência das pessoas e os seus planeamentos ideológicos. Os limites geográficos difusos, com a impossibilidade de isolamento do resto do mundo. Por este motivo, nestes últimos anos surgiram diversas propostas de modelos para explicar o processo de inovação. Modelos que são descritos de forma sucinta nos pontos seguintes O MODELO LINEAR De acordo com este modelo, a investigação é o motor e a origem da inovação. O modelo sugere que um mesmo processo de investigação e desenvolvimento pode dar origem a uma multitude de processos de inovação posteriores. Alguns deles podem ter êxito, mas outros não. Além disso, o modelo linear implica que o processo inovador deriva necessariamente de uma actividade de I+D directamente ligada. Na figura seguinte, é apresentado o esquema proposto por este modelo de inovação: I+D +i Investigação e Desenvolvimento Invenção 1 Inovação Difusão Conhecimentos científicos Conhecimentos tecnológicos Engenharia práctica Invenção 2 Inovação Invenção 3 Inovação Difusão Figura 3: Modelo linear (Fonte: Fundação COTEC) Podem salientar-se algumas deficiências apresentadas por este modelo linear: Este modelo considera o processo de inovação como uma sucessão de várias etapas. O modelo linear dá demasiada importância à I+D como desencadeador do processo. Não representa a realidade económica: numerosas empresas inovam com sucesso, com relativamente poucos recursos em I+D. Portanto, trata-se de um modelo que oferece uma visão demasiado simplista da realidade do processo de inovação, o que levou posteriormente ao surgimento de outros modelos mais completos e que têm em atenção outro tipo de inter-relações. Página 13

15 O MODELO DE LIGAÇÕES EM CADEIA Neste modelo a inovação é considerada como um conjunto de actividades relacionadas umas com as outras e com resultados finais que são frequentemente incertos. Devido a esta incerteza nos resultados não é possível atingir uma progressão linear. De acordo com este modelo, a I+D não é uma fonte de invenções, mas sim uma ferramenta que se utiliza para resolver os problemas que aparecem em qualquer uma das fases do processo. INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CORPO DE CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS FICOS-TÉCNICOS CNICOS EXISTENTES MERCADO POTENCIAL Viabilidade Técnica Económica Selecção de ideias Projectos INVENÇÃO E/OU DESIGN ANALÍTICO DESIGN DETALHADO E PROVA REDESIGN E PRODUÇÃO COMERCIALIZAÇÃO PRODUTOS PROCESSOS Figura 4: Modelo de ligações em cadeia (Fonte: Fundação COTEC) Seguindo o esquema deste modelo, a empresa dispõe de uma base de conhecimentos à qual recorre para resolver os problemas que lhe surgem ao inovar. Por sua vez, a investigação aborda os problemas que não podem ser resolvidos com os conhecimentos existentes, ampliando, assim, a base de conhecimentos. Este modelo promove uma cultura de inovação em toda a empresa. Os incentivos para o quadro estão também em função da sua criatividade e a sua capacidade de aprender coisas novas Modelo proposto para o estudo da inovação nas empresas no âmbito do projecto SIEFI O modelo que é descrito a seguir pretende analisar a inter-relação de uma série de factores e em que medida esta pode contribuir para a inovação nas organizações empresariais. Os objectivos que se pretendem seguir com a definição deste modelo são os seguintes: Dispor de um ponto de referência que facilite a análise dos distintos factores que são necessários ter em conta para estudar a inovação empresarial. Página 14

16 Facilitar a identificação dos principais elementos que constituem um obstáculo para a inovação nas empresas da Euro-região Galiza-Norte de Portugal. Estabelecer um conjunto de indicadores e medidas para a catalogação e medição da actividade inovadora. Facilitar a catalogação por sectores das actividades inovadoras. Dispor de um quadro conceptual para orientar os distintos trabalhos de campo e servir de referência para o desenvolvimento do sistema de informação de SIEFI. Constituir um ponto de referência para facilitar o planeamento e seguimento das acções empreendidas pelas Administrações Públicas relacionadas com o fomento das actividades inovadoras ESTRUTURA DO MODELO DE INOVAÇÃO DE SIEFI O modelo de inovação de SIEFI estrutura-se em seis grandes grupos de factores, que são enumerados em seguida: Análise do meio envolvente em que se desenvolve a actividade da empresa. Orientação da empresa face à inovação (aspectos relacionados com a liderança e a cultura, assim como com os obstáculos e os principais motivadores da inovação). Classificação das actividades realizadas pelas empresas inovadoras. Análise dos recursos com que a empresa conta como apoio à inovação. Medição do esforço inovador. Resultados alcançados graças à inovação. Nas páginas seguintes será efectuada uma descrição mais detalhada de cada um destes grupos de factores, indicando quais são os principais indicadores que se incluem dentro de cada grupo para facilitar os estudos posteriores sobre a inovação Análise do meio envolvente O meio envolvente representa um factor de grande importância, já que condiciona muitas das actividades empresariais. Efectivamente, para muitos autores, o Sistema Nacional de Inovação está condicionado na sua maior parte pelas condições do meio envolvente que podem favorecer ou, pelo contrário, criar obstáculos, ao desenvolvimento dos processos de inovação. Página 15

17 Neste modelo, o estudo do papel do meio envolvente na relação com a inovação articula-se nos seguintes factores objecto de análise: 1. Apoio proporcionado pelas Administrações Públicas (ajudas e subvenções, fiscalidade, participação em iniciativas, etc.). 2. Acesso a fontes de informação sobre I+D+i. 3. Disponibilidade de centros de investigação, laboratórios e outros centros de apoio ao I+D+i. 4. Existência de uma rede empresarial e de outros agentes relacionados que possam proporcionar a colaboração em matéria de inovação. 5. Existência de formação especializada no meio envolvente. 6. Disponibilidade de pessoal investigador: é possível encontrar e contratar investigadores e técnicos à medida das necessidades da empresa? Página 16

18 Orientação da empresa face à inovação As empresas só irão comprometer recursos técnicos, humanos e económicos suficientes para as actividades relacionadas com a inovação se considerarem realmente que a inovação é de importância vital para garantir o seu futuro num mercado cada vez mais globalizado e competitivo. Por este motivo, deve ser estudada a orientação da empresa face à inovação, incidindo em aspectos como a importância concedida pela gerência e o papel da liderança, ou a valorização da cultura organizativa nos aspectos relacionados com a inovação. Mesmo assim, deve analisar-se quais podem ser os estímulos e os obstáculos para a inovação. Portanto, neste modelo, o estudo dos aspectos relacionados com a orientação da empresa face à inovação é articulado nos seguintes factores objecto de análise: 1. Importância concedida pela gerência à inovação e o papel da liderança. 2. Valorização da inovação na cultura da empresa e no clima organizativo. 3. Motivadores da inovação: exigência dos clientes e/ou do mercado, ameaça de nova concorrência, procura da diversificação da actividade (novos mercados e/ou novos negócios), aproveitamento dos recursos internos, etc. 4. Obstáculos à inovação: falta de recursos económicos/financiamento, falta de recursos tecnológicos adequados, falta de pessoal qualificado, resistência à mudança na organização, falta de informação/desconhecimento sobre a tecnologia disponível, falta de informação/desconhecimento sobre as necessidades do mercado, falta de apoio institucional suficiente e do meio envolvente, elevado custo das actividades requeridas, o risco é considerado excessivo para a empresa, etc. Página 17

19 Actividades realizadas pelas empresas inovadoras Um dos aspectos mais relevantes para compreender melhor o desenvolvimento da inovação nas empresas é o estudo das distintas actividades que poderiam ser tipificadas como de inovadoras, e que permitiriam classificar posteriormente as empresas em função desta relação de actividades em diferentes níveis de compromisso com a inovação. Por isso, neste modelo, o estudo das actividades relacionadas com a inovação encontra-se articulado na seguinte lista de factores: 1. Nível de planeamento e gestão da inovação na empresa. 2. Análise do meio envolvente e do mercado: implementação de um sistema de vigilância tecnológica; implementação de um sistema de inteligência competitiva; actividades relacionadas com a investigação de mercados. 3. Preparação do pessoal da organização para a inovação: contratação de pessoal especializado; acções de formação relacionadas com a inovação; acções de sensibilização e de motivação do pessoal para conseguir um maior empenho e orientação face à inovação. 4. Geração de conhecimento: aquisição de conhecimentos externos; actividades de I+D realizadas dentro da empresa; actividades de I+D subcontratadas a terceiros. 5. Gestão do conhecimento: implementação de um sistema para capturar, organizar e distribuir o conhecimento dentro da organização; mudanças organizativas para impulsionar a gestão do conhecimento. 6. Preparação para a exploração dos resultados: aquisição de bens de equipamento; preparativos para a produção e/ou distribuição de novos produtos. 7. Preparação para a comercialização: análise da viabilidade económica, técnica e/ou comercial de novos produtos/serviços; introdução no mercado de produtos/serviços novos ou sensivelmente melhorados. 8. Protecção e exploração dos resultados: registo de patentes e modelos de utilidade; transferência de tecnologia a terceiros. Página 18

20 8. Protecção e exploração de resultados Registo patentes e modelos de utilidade Transferência de tecnologia Licenças e royalties 7. Preparação para a comercialização Análise da viabilidade Introdução das inovações no mercado 6. Preparação para a exploração dos resultados Aquisição bens de equipamento Design e outros preparativos para produção e/ou distribuição 1. Planeamento e gestão da inovação Estabelecimento linhas de trabalho prioritárias rias Gestão de projectos I+D+i Actividades das Empresas Inovadoras 5. Gestão do Conhecimento Capturar, organizar e partilhar o conhecimento 2. Análise do meio e do mercado Vigilância tecnológica Inteligência competitiva Investigação de mercados 3. Preparação do pessoal Captação de pessoal espec. Actividades de formação Sensibilização e motivação 4. Geração de Conhecimento Aquisição de conhecimentos externos interna I + D externa Figura 5 Página 19

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 COMO GERIR A INFORMAÇÃO OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 RESUMO:"O mundo dos negócios vai mudar mais nos próximos 10 anos do que nos últimos 50 anos. O êxito

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017 ESTUDO IDC/ACEPI Economia Digital em Portugal 2009-2017 ECONOMIA DIGITAL NO MUNDO (2012) 2.5 mil milhões de internautas no mundo 850 mil milhões de euros 300 mil milhões de euros Europa maior mercado de

Leia mais

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA 1 BIOTECNOLOGIA... 3 2 BIOTRAINING... 4 O QUE É?... 4 OBJECTIVOS... 4 A QUEM SE DIRIGE?... 5 QUE POSSO OBTER PARTICIPANDO EM BIOTRAINING?... 5

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Necessidade. de uma nova atitude

Necessidade. de uma nova atitude Necessidade de uma nova atitude O Conselho Europeu de Lisboa, de Março 2000, definiu um ambicioso objectivo estratégico a 10 anos, de tornar a União Europeia no espaço económico mais dinâmico e competitivo

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial. Raquel Melo 1

MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial. Raquel Melo 1 MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial Raquel Melo 1 Índice Objectivos do estudo Sociedade da Informação nas Empresas Definição, Objectivos

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA APRESENTAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL PARCEIROS: UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA CONFEDERAÇÃO DE EMPRESÁRIOS DE PONTEVEDRA

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Vigilância Tecnológica

Vigilância Tecnológica Vigilância Tecnológica Filipe Duarte, 2010 1 Objectivo Conhecer as bases para implementar um sistema de vigilância tecnológica (SVT) 2 O que É? Um sistema de vigilância tecnológica (SVT) é uma ferramenta

Leia mais

Mestrado em CoMérCio internacional

Mestrado em CoMérCio internacional Mestrado em Comércio FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA Instituto Europeu de

Leia mais

A INOVAÇÃO ABERTA NAS PME S DA EURO REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL

A INOVAÇÃO ABERTA NAS PME S DA EURO REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL 1 A INOVAÇÃO ABERTA NAS PME S DA EURO REGIÃO GALIZA NORTE DE PORTUGAL ÍNDICE SECÇÃO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS DA CONSULTA 5 2 SECÇÃO 2 ENQUADRAMENTO E CARACTERÍSTICAS DAS EMPRESAS 11 SECÇÃO 3 RESULTADOS

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento

CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento Empreendedorismo e Inovação Leopoldina Alves Maio 2009 Estruturas de promoção do Empreendedorismo e Inovação no IPL OTIC - Oficina de Transferência

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade.

Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade. 2 BENCHMARKING Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade. Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data INTRODUÇÃO O presente questionário, concebido

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 de Março de 2013 Centro de Congressos de Lisboa A- A evolução e o comportamento do sector exportador superaram todas as previsões e análises prospectivas

Leia mais

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA Empresas INOVAÇÃO PRODUTOS DIMENSÃO MERCADO PRODUÇÃO MARKETING GESTÃO LIDERANÇA FINANCIAMENTO RH COMPETÊNCIAS Empreendedorismo VISÃO ESTRUTURADA

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial Inovação Chave de Competitividade Luís Ribeiro Rosa ES Research - Research Sectorial 22 de Novembro de 2009 Inovação - Uma chave de um novo contexto Especificidades da economia portuguesa Inovação - A

Leia mais

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013 Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM índice 1. Os novos desafios da competitividade e a utilização das

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

Conteúdo. - Apresentação da empresa. - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação. - Processo de implementação

Conteúdo. - Apresentação da empresa. - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação. - Processo de implementação COTEC 2010/10/19 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c Apresentação

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Understanding Economic Growth A Macro-level, Industry-level, and Firm-level Perspective. Summary in Portuguese

Understanding Economic Growth A Macro-level, Industry-level, and Firm-level Perspective. Summary in Portuguese Understanding Economic Growth A Macro-level, Industry-level, and Firm-level Perspective Summary in Portuguese Understanding Economic Growth ISBN-92-64-019332 OECD 2004 Nos últimos anos, as diferenças no

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

INVESTIR EM PORTUGAL

INVESTIR EM PORTUGAL INVESTIR EM PORTUGAL 投 资 与 移 民 门 道 是 专 门 提 供 投 资 与 移 民 服 务 的 独 立 咨 询 机 构 我 们 的 多 学 科 团 队 精 心 研 究, 旨 在 为 客 户 提 供 最 佳 的 商 业 战 略 和 国 际 投 资 方 案 INVESTIMENTO E EMIGRAÇÃO A GATEWAY É UMA CONSULTORA INDEPENDENTE,

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década" e lembra que "é preciso

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década e lembra que é preciso Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento numa década em I&D duplicou I&D, a sigla que sintetiza a expressão Investigação e Desenvolvimento é hoje, e mais do que nunca,

Leia mais

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital V Fórum Lusófono e Mostra das Comunicações O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital Maputo, 23-24 de Abril de 2013 Luís Rego 1 QUESTÕES DE FUNDO Qual será o papel do sector

Leia mais