SANEAMENTO DE GOIÁS S/A. PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL (PTTS básico) APARECIDA DE GOIÂNIA - TAMANDUÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANEAMENTO DE GOIÁS S/A. PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL (PTTS básico) APARECIDA DE GOIÂNIA - TAMANDUÁ"

Transcrição

1 SANEAMENTO DE GOIÁS S/A PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL (PTTS básico) APARECIDA DE GOIÂNIA - TAMANDUÁ

2 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS APRESENTAÇÃO O presente Projeto de Trabalho Técnico socioambiental (PTTS) está incluso no PAC-2, contrato de repasse nº , Programa Serviços Urbanos de Água e Esgotos, que tem como objeto a implantação do sistema de esgotamento sanitário da Bacia Tamanduá, complemento da sub-bacia Almeida e Ampliação da Estação de Tratamento de esgotos Santo Antonio, no Município de Aparecida de Goiânia, nos bairros a abaixo: Jardim Nova Era (parte) Cidade Satélite São Luiz (parte), Mansões Paraíso (parte), Papillon Park (parte), Conjunto Vera Cruz (menos a quadra 329 e 332) Bela Morada e Residencial Storil (parte). O PTTS deve propiciar uma reflexão sobre como estamos tratando o meio ambiente em que vivemos e como agir para não agredi-lo. A empresa a ser contratada deverá executar um cronograma de atividades, cuja meta central visa orientar a população beneficiaria para que realize a correta interligação dos imóveis à rede de esgotos dando funcionalidade ao sistema. Trata-se de um projeto básico, devendo ser detalhado e aprimorado de modo a transformar-se em um projeto executivo. Essa tarefa deverá ser cumprida pela empresa que vier a ser contratada para sua execução. PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 2

3 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS IDENTIFICAÇÃO Programa: SERVIÇOS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO Carta Consulta nº: /2010 Nº do Contrato: Valor do PTTS: R$ ,00 Ação/Modalidade: Sistema de Esgotamento Sanitário Empreendimento: Implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário- Bacia Tamanduá Localização/Município: Aparecida de Goiânia- Bairros- Jardim Nova Era (parte) Cidade Satélite São Luiz (parte), Mansões Paraíso (parte), Papillon Park (parte), Conjunto Vera Cruz (menos a quadra 329 e 332) Bela Morada e Residencial Storil (parte), Fonte de recursos: OGU Proponente/Agente Promotor: Governo do Estado de Goiás Executor da intervenção: Saneamento de Goiás S/A Tel.: (62) Coordenação Técnica Social do projeto: Maria Aparecida Barros de Aguiar Tel.: (62) Responsável Técnico Social pela execução: A contratar Nº de Famílias: 7000 Nº de pessoas: Renda média familiar (em SM) 2 SM UF: GO Formação: Serviço Social Regime de execução do PTTS: Empreitada Formação e experiência profissional: Conforme exigido no Termo de Referência Nº de Ligações: Prazo da Obra: 24 meses Prazo do PTTS: 24 meses PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 3

4 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS Localização de Aparecida de Goiânia em relação à Região Metropolitana de Goiânia Fonte- Planos de Saneamento Aparecida de Goiânia- Água --Senha Engenharia 1 DIAGNÓSTICO 2.1 CARACTERÍSTICAS DA ÁREA DE INTERVENÇÃO E DO ENTORNO O município de Aparecida de Goiânia faz parte da microrregião de Goiânia, limitando ao norte com a capital em zona totalmente urbanizada. Com sua sede situada a de latitude sul e de longitude W. O município possui terreno plano, levemente ondulado, com área de aproximadamente 290 Km2 e altitude em torno de 800m. O município é banhado por diversos cursos d água, dentre os quais se destacam: Rio Meia Ponte, Ribeirão Dourados e Ribeirão das Lages. A atividade industrial de Aparecida é bastante expressiva no contexto estadual. A sua proximidade com a capital do estado tem atraído para o município importantes indústrias, muitas das quais concentradas no Distrito Agro- Industrial de Aparecida de Goiânia DIAG, situada a três km da BR-153 e o maior de Goiás. Há também o Distrito Municipal de Aparecida de Goiânia DIMAGO, localizado próximo ao DIAG, o PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 4

5 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS qual comporta unidades industriais, prestadoras de serviços e atacadistas. Por fim, cita-se ainda o Polo Empresarial de Goiás PEGO, em fase de implantação, que contará com vários módulos destinados a indústrias, atacadistas, distribuidoras, prestadores de serviços e outros. Deve-se enriquecer estas informações com pesquisa na prefeitura, IBGE, entrevistas com lideres comunitário, moradores antigos, conselhos da região e outros. Estas informações deverão ser acrescidas pela empresa que irá desenvolver o projeto, conforme roteiro do Projeto de Trabalho Técnico Socioambiental em Saneamento que será fornecido CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO BENEFICIÁRIA: A população beneficiária está sediada nos seguintes bairros: Jardim Nova Era (parte); Cidade Satélite São Luiz; Residencial Storil (parte); Conjunto Bela Morada; Papilon Park (parte); Mansões Paraíso (parte); Conjunto Vera Cruz (menos a quadra 329 e 332). Ressalta-se que a caracterização do público alvo, será detalhada pela empresa que irá desenvolver as ações na área a ser beneficiada. Deve-se seguir o Termo de Referencia e o COTS e pesquisar arquivos do Programa de Saúde da Família PSF, na prefeitura, IBGE, entrevistas com lideres comunitário, moradores antigos, conselhos da região e outros CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO COMUNITÁRIA: Caberá à empresa que será contratada fazer a Caracterização da Organização Comunitária das áreas de intervenção. Para ilustrar melhor deve ser colocados fotos dos equipamentos existentes, bem como listar as carências da região, informando a fonte. Deve-se seguir o Termo de Referencia e o COTS PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 5

6 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS 2.5. CARACTERIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO FÍSICA: Tipo de intervenção Nº de famílias Nº de pessoas Ligação Domiciliar (Esgoto) IMPACTO SOCIAL DA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO Como impacto negativo da falta de saneamento básico, podemos citar alguns problemas de saúde como: 1. doenças de pele, 2. verminoses, 3. Presença de ratos e insetos em razão da existência das fossas, 4. mau cheiro. 5. Poluição dos rios, lagos e demais cursos de água de superfície, podendo chegar às águas profundas. 6. Entupimentos e refluxo das fossas. 7. As diarreias respondem por mais de 50% das doenças relacionadas a saneamento básico inadequado 8. Por ano, 217 mil trabalhadores precisam se afastar de suas atividades devido a problemas gastrointestinais ligados à falta de saneamento. 9. A cada afastamento perdem-se 17 horas de trabalho IMPACTOS POSITIVOS PARA A SOCIEDADE O investimento em esgoto sanitário tem um forte impacto positivo sobre a economia dos municípios: 1. A probabilidade de uma pessoa com acesso a rede de esgotos faltarem as suas atividades normais por diarreia é 19,2% menor que uma pessoa que não tenha acesso à rede; 2. A diferença de aproveitamento escolar entre crianças que tem e não tem ao saneamento básico é de 18%; 3. Ao ter acesso à rede de esgotos, um trabalhador aumenta a sua produtividade em 13,3%; 4. A universalização do acesso à rede de esgotos pode ainda proporcionar uma valorização média de 18% no valor dos imóveis; PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 6

7 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS 5. Em longo prazo, o acesso á rede de esgotos implicaria um aumento na arrecadação do Imposto Predial e Territorial Urbano_ IPTU. 6. Viabilização da abertura de novos negócios nos bairros beneficiados, que passam a reunir requisitos básicos para certos tipos de empreendimento; 7. Crescimento de negócios já instalados; 8. Crescimento da atividade de construção civil para atender ao aumento da procura por imóveis residenciais e comerciais num bairro mais saudável ; 9. Criação de novos empregos a partir da dinamização da construção civil, da abertura de novos negócios ou do crescimento daqueles já existentes;. Cada R$ 1 milhão investido em obras de esgoto sanitário gera-se 30 empregos diretos e 20 indiretos, além dos empregos permanentes quando o sistema entra na fase de operação, segundo dados de estudos encomendados pelo BNDES. Fonte: Dossiê do saneamento-esgoto é Vida 4. JUSTIFICATIVA O intenso processo de expansão urbana sem o devido planejamento tem ocasionado vários problemas para a população: diversos tipos de poluição, congestionamentos, ocupação irregular do solo, violência, destinação inadequada dos resíduos sólidos, etc. A ausência dos serviços de saneamento ambiental é um dos problemas característicos dos centros urbanos. Conforme dados do Relatório do Desenvolvimento Humano de 2006, realizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), aproximadamente 2.6 bilhões de pessoas no mundo não são atendidas pelos serviços de saneamento, sendo os africanos os mais afetados: 650 mil pessoas. A Organização Mundial de Saúde estima que 6% de todas as doenças no mundo são causadas por consumo de água não tratada e pela falta de coleta de esgotos. (1) O município de Aparecida faz parte da região metropolitana de Goiânia, contando atualmente com uma população urbana de habitantes. PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 7

8 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS Atualmente apenas 16.7% da população possuem coleta de esgotos e 11.7% possui tratamento. Após as obras que estão em fase de execução com recursos do BNDS/PAC, o índice de coleta e tratamento chegará a 25%. Valores ainda muito baixos para uma cidade do porte de Aparecida de Goiânia, que possui um grande potencial de desenvolvimento econômico e ao mesmo tempo com uma grande carência em saneamento básico. A proposta apresentada visa atender uma população de aproximadamente habitantes, representando um incremento de 6% no índice de coleta e tratamento do município de Aparecida de Goiânia. Com a implantação do sistema de esgotamento sanitário na região evitar-se-á os lançamentos nos cursos d água, fossas negras ou sumidouros individuais, sem qualquer tipo de controle, podendo ocorrer extravasamentos, contaminação do solo, lençol freático e etc. (2). Fonte: 1-www.emporto.com.br 2-Plano de Trabalho da Saneago 5. OBJETIVOS Geral 1. Contribuir para a sustentabilidade do empreendimento através de ações sociais e melhoria das condições sanitárias e ambientais da comunidade da área de intervenção, através da implantação da rede de esgotamento sanitário. 2. Contribuir para a mudança de hábitos e valores que venham impactar na melhoria da qualidade de vida da comunidade beneficiada Específicos 1 Dar conhecimento das ações do projeto; 2 Sensibilizar a comunidade para a conservação e preservação do meio ambiente; 3 Informar e sensibilizar a população beneficiária quanto: ao uso racional da água, redução da produção de resíduos sólidos e forma correta de utilização das redes de esgotamento sanitário. 4 Informar á população beneficiária sobre os benefícios materiais, sociais, financeiros e de saúde com a implantação das redes de esgotamento sanitário; PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 8

9 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS 5 Orientar sobre a necessidade de desativação das fossas; 6 Orientar quanto à necessidade da correta ligação do domicílio/estabelecimento comercial ou industrial à rede pública de esgotamento sanitário. 7 Orientar os moradores quanto à lei Lei Federal /2007 PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 9

10 6. METAS Objetivo específico Meta /Física Responsável Meio de Verificação Periodicidade Ao longo do Dar conhecimento das ações do projeto 80% das lideranças e 20% da população de RT e/ou equipe Lista de assinatura das reuniões com desenvolvimento das cada bairro participando das reuniões técnica identificação e participação nas ações ações sociais. Sensibilizar a comunidade para a conservação e Ao longo do Melhoria de 50% das condições sanitárias RT, palestrantes e Melhoria do aspecto ambiental da preservação do meio ambiente também nas áreas desenvolvimento das da comunidade parceiros. comunidade de intervenção. ações sociais Redução do custo das contas de água (quando houver), redução da quantidade Informar e sensibilizar a população beneficiária quanto: ao uso racional da água, redução da produção de resíduos sólidos e forma correta de utilização das redes de esgotamento sanitário. 80% dos líderes e 20% da população de cada bairro informada e disseminando as informações. Ausência de transbordamento de esgotos pelos poços de visitas - PV RT, palestrantes e parceiros. de resíduos sólidos gerados nos bairros e consequentemente no aterro sanitário Redução dos custos de manutenção nas redes de esgotos. Ao longo do desenvolvimento das ações sociais e após a liberação das redes Ausência de extravasamento de esgotos nas ruas. Aceitação da obra como um Informar á população beneficiária sobre os 80% das lideranças e 20% da população de cada investimento e não aumento de Ao longo do benefícios materiais, sociais, financeiros e de saúde bairro tendo o entendimento do valor agregado ao RT, palestrantes e despesa. desenvolvimento das com a implantação das redes de esgotamento setor com a implantação das redes de esgotamento parceiros. 100% de ligação das ações sociais sanitário. sanitário residências/comércio à rede pública. Ao longo do Orientar sobre a necessidade de desativação das RT, palestrantes e Desativar 100% das fossas da área de intervenção Vista domiciliar desenvolvimento das fossas parceiros. ações sociais Pedidos de vistoria para a SANEAGO; SANEAGO efetua vistoria e orienta Orientar quanto à necessidade da correta ligação Até oito meses após a RT, palestrantes e como fazer a ligação; do domicílio/estabelecimento comercial ou industrial 100% dos domicílios ligados à rede de esgotos entrega e liberação das parceiros. Faz segunda vistoria e cadastra o à rede pública de esgotamento sanitário. redes cliente.

11 7. METODOLOGIA A coordenação e fiscalização do projeto ficarão a cargo da SANEAGO, porém será licitado e contratado uma empresa para o desenvolvimento das ações programadas. A empresa contratada receberá a matriz do Projeto de Trabalho Técnico Socioambiental em Saneamento, para que faça as adequações necessárias, com vistas a se tornar um projeto executivo. No inicio das obras será informado em toda a comunidade beneficiada, através de um plano de educomunicação, sobre o projeto de engenharia e as ações sociais que serão desenvolvidas paralelamente à obra. Será contratada uma empresa para fazer a fiscalização e gerenciamento, porém não inviabilizará a participação dos técnicos sociais da Saneago. 1. Diagnóstico (mapeamento socioambiental) detalhado da área de intervenção; 2. Palestra para a comunidade beneficiada objetivando a apresentação da obra civil e das ações sociais que fazem parte do projeto, momento em que serão convidados os secretários municipais, lideranças comunitária, autoridades, conselhos de saúde, de segurança, educação e formadores de opinião; 3. Seminário sobre saneamento básico, onde será convidada toda a comunidade, em especial as autoridades, professores, lideres comunitário, estudantes, associação, cooperativas, escolas, conselhos e etc.; O seminário devera ser em local que tenha fácil acesso à comunidade e deverá ser para 200 (duzentas pessoas); 4. Serão feitas palestras em locais da área de intervenção, onde se possam reunir os moradores. Nas palestras será discutido dentro do tema saneamento básico, sobre: água, esgotamento sanitário, disposição dos resíduos sólidos, drenagem e limpeza urbana. Cabe ressaltar que o enfoque maior deverá ser no tema objeto do contrato. 5. Visita educativo-informativa; 6. Palestra educativo-informativa; 7. Elaboração de material educativo; 8. Orientação sobre a correta ligação de esgotos e a desativação das fossas, através de palestras. 9. O relatório mensal deverá ser apresentado à SANEAGO no quinto dial útil do mês, em duas vias impressas e em forma digital; 10. Deixa-se assegurado que o resíduo da licitação de cada contrato seja aplicado no próprio, para a melhoria das ações programadas. 11. Deverá ser apresentado à SANEAGO o currículo de todos os palestrantes com antecedência de 15 dias, para as devidas apreciações; 12. Após a realização de cada ação deverá ser feito uma avaliação por escrito, que deverá acompanhar o relatório. Não será aceito avaliação por aclamação

12 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS 13. Após o encerramento das ações programadas, deverá ser feito uma reunião com as lideranças, autoridades e parceiros, para que seja feito uma avaliação geral das ações desenvolvidas na área e quais mudanças se deram neste ínterim. Desta reunião deverá surgir o relatório final, o qual deverá ser apresentado à comunidade em geral e após, ser enviado á SANEAGO, para que seja analisado e enviado à CAIXA. 14. Como forma de registro das ações, deverá ser apresentadas fotos, diário de campo, atas e folha de assinatura. 15. Todo e qualquer bem remanescente deverão ser entregue à SANEAGO após o encerramento do contrato, (Caderno de Orientação Técnico Social-COTS, pag. 12). 16. Toda aquisição de material para ações deverá passar antes pela equipe social da Saneago para conferencia e aprovação. 17. A empresa contratada deverá possuir todos os equipamentos que se fizerem necessário ao bom desempenho das ações, tais como: máquina fotográfica, impressora de alta resolução, aparelhagem de som com microfone com fio e sem fio, data show, GPS e etc. 18. As Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento deverão ser executadas conforme o PEAMSS-Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento do Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, podendo ser utilizado o Caderno Metodológico, disponível no site Poderá também consultar as cartilhas da FUNASA (Oficinas de Educação em Saúde e Comunicação e Guia de Conservação da Água em Domicílios) disponível no site da FUNASA. 19. Este projeto deverá ser desenvolvido em consonância com outros que estiverem sendo executados nas mesmas áreas ou próximas Neste sentido já foram identificados os seguintes projetos: Saneamento Integrado do município de Aparecida de Goiânia bairros Vila Maria, Cândida Queiroz, Santa Cecília I e II, Jardim Bonança e Bairro Cardoso É obrigação da contratada, buscar parecerias com tais projetos para evitar sobreposição de ações, alcançar os objetivos comuns e otimizar os custos. 20. A empresa que irá desenvolver as ações deverá escrever o Subprojeto do Site e do Vídeo. 8. EQUIPE TÉCNICA Equipe Técnica é a composição de todos os profissionais que farão parte permanente, tanto interna/escritório com externa/campo, do desenvolvimento do projeto; PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 12

13 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS Durante o decorrer do desenvolvimento do projeto, será permitida a substituição de profissionais, desde que, com igual ou superior qualificação, devendo ser consultado anteriormente e apresentado currículo do novo profissional à Contratane; 8.1. COMPOSIÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA Formação Acadêmica PRÉ- REQUISITOS Quanti dade Atribuição na Equipe Número de Horas disponibilizadas ao projeto Serviço Social ou Sociologia Serviço Social, Sociologia, História, Geografia, Psicologia, Direito ou Pedagogia. Profissional em saneamento Quatro anos de experiência em elaboração, execução e coordenação de projetos sociais em comunidade. Experiência mínima de dois anos e no mínimo participação em cinco projetos sociais. Graduação em: engenharia, biologia, geografia, gestão ambiental, e especialização na área de saneamento e/ou meio ambiente. 01 Responsabilidade Técnica 10 semanal 01 Mobilização Social 10 semanal 01 Proferir palestras, verificar e propor o conteúdo dos materiais pedagógicos e programas, cursos, seminários e outras ações educativas nas áreas de saneamento e meio ambiente. Conforme Cronograma atividades. de 8.2. CONTRATAÇÕES PONTUAIS Todo e qualquer profissional que se fizer necessário ao bom desempenho das ações programadas e que não estiverem no item 8.1 deverão ser contratados pela empresa executora. 9. PARCERIAS As parcerias abaixo relacionadas serão consolidadas no início da execução do PTTS ou quando se fizer necessário, pela contratada. Objetivos de se fazer parcerias: Acelerar a disponibilização da infraestrutura local; Redução dos custos no ciclo de vida dos projetos; Melhores condições para a gestão e desempenho dos projetos; Melhoria da qualidade dos serviços; Maior eficiência na utilização dos recursos; Melhoria e agilidade na divulgação das ações programadas; Fortalecimento do envolvimento das lideranças e comunidade. PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 13

14 PROJETO DE TRABAHO TÉCNICO SOCIOAMBIENTAL- PTTS Observação: Os contatos com parceiros só serão pagos se houver comprovação da reunião, tal como: Ata de reunião, foto e contrato de parceria. Observar os itens acima para fazer o contato para possível parceria. Somente contatos telefônicos não serão pagos. A empresa contratada deverá formalizar as parcerias apresentando termo de parceria ou convenio, por escrito. POTENCIAIS PARCEIROS Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Educação, Cultura, e Lazer. Secretaria Municipal de Meio Ambiente Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho Associação de Moradores dos Bairros Beneficiados Escolas Municipais, Escolas Estaduais, Escolas Particulares. Entidades Filantrópicas Igrejas Católicas, Evangélicas e outras. FORMA DE PARCERIA Apoio às ações do PTTS Apoio às ações do PTTS Apoio às ações do PTTS Apoio às ações do PTTS Apoio às ações do PTTS Apoio às ações do PTTS Apoio às ações do PTTS Apoio às ações do PTTS 9.1. PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PROXIMOS Há nas proximidades um projeto desenvolvido pela prefeitura, onde o objeto é asfaltamento. 10. VALORES DA INTERVENÇÃO OBRAS PTTS TOTAL Repasse/Financiamento , , ,84 Contrapartida (Financeira) Contrapartida (Bens e serviços) , ,46 x x x Outros x x x TOTAL , , ,337, 30 PTTS Bacia Tamanduá Aparecida de Goiânia- PAC-2 Página 14

15 11.1 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES E DESEMBOLSO ESTADO DE GOIÁS Atividades Total Oficinas Preparatórias para o Seminário Aquisição de material de consumo 2.950, , , , ,86 Formalização de parcerias 380,00 380,00 380, ,00 Reunião na CAIXA 190,00 190,00 190,00 570,00 Reunião mensal na Saneago 285,00 285,00 285,00 285,00 285,00 285, ,00 Confecção de relatório mensal Visita á área de intervenção - diagnóstica Seminário sobre Saneamento Básico Plano de educomunicação (mídia) Palestra de apresentação da obra e do PTTS 427,50 427,50 427,50 427,50 427,50 427, , , , , , , , , , , ,00 Sub Total , , , , , ,50 712, ,86 PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 15

16 11.2 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES E DESEMBOLSO (continuação) Atividades Total Visita educativoinformativa Recrutamento para instalação da caixa de gordura Treinamento dos Visitadores Palestra sobre prejuízos do óleo na rede de esgoto e divulgação do programa "DE Olho no Óleo" Palestra sobre as ações do PTTS, andamento das obras e a importância do benefício recebido, para a saúde pública , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Criação do informativo , ,00 Sub Total , , , , , , , ,25 PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 16

17 11.3 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES E DESEMBOLSO (continuação) Atividades Total Criação de um documentário em forma de vídeo 6.887, , , , , , ,00 Criação de um Site 4.958, , , , , , ,40 Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema- esgoto doméstico Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema - norma de trânsito e lei seca Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema poluição Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema drenagem urbana Visita a Estação de Tratamento de Esgotos de Goiânia - Escolinha do Saneamento ABCs 3.796, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Sub Total , , , , , , ,40 PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 17

18 11.3 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES E DESEMBOLSO (continuação) Atividades Total Formalização de parcerias 380,00 380,00 760,00 Reunião na CAIXA 190,00 190,00 380,00 Reunião mensal na Saneago 285,00 285,00 285,00 285,00 285,00 285, ,00 Confecção de relatório mensal 427,50 427,50 427,50 427,50 427,50 427, ,00 Plano de educomunicação (mídia) , ,00 Sub Total 4 902,50 712,50 712, , ,50 712, ,00 PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 18

19 11.5 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES E DESEMBOLSO (continuação) Atividades Total Recrutamento para instalação da caixa de gordura 3.424,00 Palestra sobre prejuízos do óleo na rede de esgoto e divulgação do programa "DE Olho no Óleo" Palestra sobre as ações do PTTS, andamento das obras e a importância do benefício recebido, para a saúde pública , , , , , , , , , ,00 Reunião de avaliação final 9.135, ,00 Apresentações do resultado da avaliação final (comunidade, liderança, autoridades e parceiros) , ,00 Sub Total , , , , , , ,25 PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 19

20 11.6 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES E DESEMBOLSO (continuação) Atividades Total Criação de um documentário em forma de vídeo 6.887, , , , , , ,00 Criação de um Site 4.958, , , , , , ,40 Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema- esgoto doméstico Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema- resíduos sólidos Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema - norma de trânsito e lei seca Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema água Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema poluição Ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento- Tema drenagem urbana Visita à Estação de Esgotos de Goiânia - Escolinha do Saneamento ABCs 3.796, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Relatório Final ,00 Sub Total , , , , , ,40 855, ,40 PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 20

21 RESULTADO DOS SUBTOTAIS Sub total 1 R$ 124,194,86 Sub total 2 R$ ,25 Sub total 3 R$ ,40 Sub total 4 R$ ,00 Sub total 5 R$ ,25 Sub total 6 R$ ,40 Reserva Técnica R$ ,84 Total Geral R$ ,00 Observação O valor que será pago ao Responsável Técnico e do Apoio, já está incluso no valor das ações. Percentual que representa o item anterior-23,37%. PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 21

22 12. COMPOSIÇÃO DE CUSTOS Orçamento 1. CUSTOS COM RECURSOS MATERIAIS E SERVIÇOS Discriminação Valor Repasse Valor Contrapartida Bens Serviços Financeira Valor Outros Recursos Material de Consumo 2.697,86 Custo com Atividades/ Eventos ,50 Serviços de Terceiros ,80 Reserva Técnica para ações futuras ,84 Subtotal (1) ,00 2. CUSTOS COM RECURSOS HUMANOS Profissional Período em Meses Valor Valor Repasse Valor Contrapartida Bens Serviços Financeira Valor Outros Recursos Responsável Técnica 24 meses ,00 Apoio 24 meses ,00 Subtotal (2) ,00 TOTAL GERAL (Subtotal 1 + 2) ,00 PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 22

23 13. COMPOSIÇÃO DE CUSTOS Orçamento Global Previsto Valor Total ,00 Ordem Item Valor % 1 Material de consumo 2.697,86 0,37 2 Formalização de parceria 1.900,00 0,26 3 Reunião na CAIXA 950 0,13 4 Reunião na Saneago ,47 5 Confecção de relatório mensal 5.130,00 0,71 7 Confecção de relatório final 855 0,12 8 Visita à área de intervenção (diagnóstico) 5.985,00 0,82 9 Seminário sobre saneamento ,00 3,97 10 Plano de educomunicação(mídia) ,00 10,03 11 Palestras para apresentação da obra e do PTTS ,00 3,61 12 Vista educativo-informativa ,00 20,06 13 Treinamento dos visitadores 3.860,00 0,53 Treinamento para instalação de caixa de gordura 6.848,00 0,94 15 Palestra sobre os prejuízos do óleo na rede de esgotos 5.892,50 0,81 16 Palestra sobre as ações do PTTS, andamento das obras e a importância do beneficio recebido ,00 4,54 17 Reunião de avaliação final 9.135,00 1,26 18 Apresentação do resultado final das ações 9.135,00 1,26 19 Criação de informativo ,00 1,54 20 Criação de um documentário em forma de vídeo ,00 11,38 21 Ações de educação e mobilização social em saneamento-tema esgoto sanitário ,50 3,14 22 Ações de educação e mobilização social em saneamento-tema resíduos sólidos ,50 3,14 23 Ações de educação e mobilização social em saneamento-tema Norma de trânsito e lei seca ,50 3,14 24 Ações de educação e mobilização social em saneamento-tema água ,50 3,14 25 Ações de educação e mobilização social em saneamento-tema poluição ,50 3,14 26 Ações de educação e mobilização social em saneamento-tema drenagem urbana ,50 3,14 27 Criação de um site ,80 8,19 28 Visita à Estação de Tratamento de Esgotos de Goiânia e Escolinha ABCs 8.550,00 1,18 29 Oficinas preparatórias para o seminário 5.900,00 0,81 30 Reserva técnica ,84 8, TOTAL ,00 100% PTTS- Aparecida de Goiânia- Tamanduá - SES Página 23

19º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL

19º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL 19º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Projeto de Trabalho Técnico Social Parque Araruama e Jardim Sumaré PAC Drenagem - Ct. Nº 0292.744-42/09 1 INTRODUÇÃO Durante este período a Equipe

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Relatório condensado (novembro e dezembro) /2011

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Relatório condensado (novembro e dezembro) /2011 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Relatório condensado (novembro e dezembro) /2011 1 IDENTIFICAÇÃO Programa: Operações Coletivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidade:

Leia mais

MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS

MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ 2010 O Manual a seguir orienta o preenchimento do Formulário de Projetos Sociais dos Conselhos. Assim, para o encaminhamento de Projetos Sociais aos

Leia mais

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS ORGANOGRAMA A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? Desde 1999, a OC utiliza o Modelo de Excelência

Leia mais

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO CONDOMINIAL NO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS BA

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO CONDOMINIAL NO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS BA PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO CONDOMINIAL NO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS BA Autora: Patrícia Cristina Moreira Assistente Social Assessoria de Assistência e Integração Social-

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS.

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS. 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Fundação Nacional de Saúde FUNASA, observando as disposições da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, Lei nº 8.142,

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional 1. Justificativa A inovação e a transformação começam pelo processo educacional, que vai além do aprendizado formal

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL NO RESIDENCIAL MORADA DOS CANÁRIOS CAMAÇARI PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Camaçari, 10 de julho de 2015. 1. ANTECEDENTES

Leia mais

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS!

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! Cabo de Santo Agostinho, 2010 Descrição do Projeto Segundo a comissão Mundial sobre o Meio Ambiente

Leia mais

IGS. Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela

IGS. Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela IGS Relatório de Descrição de Prática de Gestão Inovação na Atuação em Área não Regularizada Vila Bela Setembro/2012 A OPORTUNIDADE Oportunidade de melhoria solucionada pela prática implementada Em 1995

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO Um projeto surge em resposta a um problema concreto. Elaborar um projeto é, antes de tudo,

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos

APRESENTAÇÃO. O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos APRESENTAÇÃO O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos municípios no processo de seleção de demanda, na elaboração e na execução do Projeto de Trabalho Social - PTS junto

Leia mais

Saneamento Cachoeira Alta - GO

Saneamento Cachoeira Alta - GO ANEXO III INFORMAÇÕES PRELIMINARES DO MUNICÍPIO E DO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL Nome do Município/UF Cachoeira Alta- GO População 10.553habitantes Caracterização do sistema de saneamento Breve descrição

Leia mais

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção.

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Nádia D. de Souza 1 Kátia G. de Laia 2 Mariana O. Silva 3 Estevão L. M. Gomes 4 Tiago L. A.

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto Número e Título do Projeto: BRA/12/08 Apoio à implementação do Plano de Reabilitação Participativo do Centro

Leia mais

Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário.

Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário. Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário. 2013 Estrutura Organizacional

Leia mais

Anexo 6.3-4 Cópia do protocolo da minuta do projeto social-brasil Novo

Anexo 6.3-4 Cópia do protocolo da minuta do projeto social-brasil Novo RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 6.3-4 Cópia do protocolo da minuta do projeto social-brasil Novo Projeto

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

TRABALHO SOCIAL RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO

TRABALHO SOCIAL RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO 1. IDENTIFICAÇÃO Programa: Programa minha Casa Minha Vida Sub 50- Oferta Pública Empreendimento: Empreendimento Habitacional-Construção de 40 Unidades habitacionais Município: Olho D Água-PB Executor da

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

21º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL

21º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Período: 01/02/2015 a 28/02/2015 21º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Projeto de Trabalho Técnico Social Parque Araruama e Jardim Sumaré PAC Drenagem - Ct. Nº 0292.744-42/09 INTRODUÇÃO

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

Roteiro para elaboração de Projeto Proposta

Roteiro para elaboração de Projeto Proposta . Capa: - Título do projeto - Nome da instituição proponente - Linha de ação a ser apoiada. Roteiro para elaboração de Projeto Proposta. Identificação da instituição proponente e responsável legal - devem

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE TURUÇU/ RS UF: RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE TURUÇU/ RS UF: RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

RESOLVEM celebrar o presente Acordo, mediante as cláusulas e condições seguintes:

RESOLVEM celebrar o presente Acordo, mediante as cláusulas e condições seguintes: ACORDO DE PARCERIA ACORDO DE PARCERIA, QUE ENTRE SI CELEBRAM ATUAÇÃO VOLUNTÁRIA ASSOCIAÇÃO DE VOLUNTARIADO E VISANDO ESTABELECER UM REGIME DE MÚTUA COLABORAÇÃO E DE FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL ENTRE OS

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL DAS AÇÕES

PLANEJAMENTO OPERACIONAL DAS AÇÕES PLANEJAMENTO OPERACIONAL DAS AÇÕES Ação Atividade Recurso Prazo Responsável Articular com o Comitê Participação em reuniões de planeja e 4 Computadores com internet Quinzenal Alexandre Almeida Estadual

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA 19 de Julho de 2012 CONVÊNIO: MINISTÉRIO DAS CIDADES PREFEITURA MUNICIPAL Convênio entre Ministério das Cidades e a Prefeitura Municipal

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO MUNICÍPIO DE NOVA AURORA Estado do Paraná MÊS DE AGOSTO DE 2013 RELATÓRIO 08 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RELATÓRIO MENSAL SIMPLIFICADO

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014

Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Critérios de Elegibilidade Resolução CNAS nº08/2013 e Resolução CNAS nº10/2014 Municípios com alta incidência de trabalho infantil que apresentaram: a) mais de 250 casos de trabalho infantil ou com taxa

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS PARTE I Passo a Passo PARTE II Manual para Apresentação de Projetos PARTE III Modelo de Projeto para Execução PROPOSTA DE

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 ANÁLISE DE PROJETO

Leia mais

- o movimento lixo e cidadania, envolvendo o catador de papel, a sociedade e o governo;

- o movimento lixo e cidadania, envolvendo o catador de papel, a sociedade e o governo; COLETA SELETIVA EM BETIM (MG) A coleta seletiva, como parte do processo de gestão de resíduos, é responsabilidade municipal. Porém, muitos municípios não a fazem ou fazem em pequenas proporções alegando

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

3.1.2 Coleta e checagem de dados das entidades convidadas:... 7. 3.2.4 Documentos necessários à organização e acompanhamento do planejamento:...

3.1.2 Coleta e checagem de dados das entidades convidadas:... 7. 3.2.4 Documentos necessários à organização e acompanhamento do planejamento:... FÓRUM PERMANENTE DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA IRRIGADA FÓRUM Produto 5 Documento técnico de planejamento e organização de 1 (um) seminário regional do Fórum Permanente de Desenvolvimento da Agricultura

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL Município de Dois Irmãos Município de Dois Irmãos RS- RS Agosto, 2012 Agosto, 2012 Oficina Jogos Cooperativos: Bairro São João 02/06/2012 02/06/201 REFLEXÃO ABRANGÊNCIA RESÍDUOS

Leia mais

MANUAL DE COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES DOS MUNICIPIOS SEDES - 2015

MANUAL DE COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES DOS MUNICIPIOS SEDES - 2015 MANUAL DE COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES DOS MUNICIPIOS SEDES - 2015 FASES: REGIONAIS / MACRORREGIONAL JOGOS ESCOLARES BOM DE BOLA Compete ao Município Sede: 1. DOS RECURSOS HUMANOS 1.1. Constituir a

Leia mais

NOVAS SELEÇÕES PAC 2. Companhias Estaduais. Brasília, 06 de fevereiro de 2013

NOVAS SELEÇÕES PAC 2. Companhias Estaduais. Brasília, 06 de fevereiro de 2013 NOVAS SELEÇÕES PAC 2 Governos e Companhias Estaduais Brasília, 06 de fevereiro de 2013 GOVERNO FEDERAL E AS CIDADES RECURSOS JÁ SELECIONADOS NO PAC 2 R$ 105,8 bilhões Eixos Infraestrutura urbana Infraestrutura

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS.

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS. 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Fundação Nacional de Saúde FUNASA, observando as disposições da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, Lei nº 8.142,

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PAPA-ÓLEO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PAPA-ÓLEO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PAPA-ÓLEO Apresentação O Projeto Papa-Óleo é uma iniciativa da ABRASEL, em parceria com o Ministério do Turismo e o SEBRAE, que visa a estimular a preservação do meio ambiente,

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL Introdução O aumento da obesidade e inadequados hábitos alimentares durante a infância e a juventude

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ÍNDICE

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ÍNDICE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ÍNDICE 1. JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE DA CONTRATAÇÃO...2 2. DESCRIÇÃO TÉCNICA DO OBJETO E DO ORÇAMENTO ESTIMADO...2 2.1. DO OBJETO:...2 2.2. DO ORÇAMENTO ESTIMADO:...2 2.3.

Leia mais

PROGRAMA COLETA SELETIVA DE LIXO

PROGRAMA COLETA SELETIVA DE LIXO PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBATAÍ PROGRAMA COLETA SELETIVA DE LIXO Lixo tem Endereço, Recicle um Mundo Melhor! LUCILENE DE AQUINO Bióloga, Especialista na área de Coleta Seletiva UNESP/Rio Claro. Mestranda

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 7 - Programa de Comunicação Social e Consulta Pública - PCSCP Introdução: O Programa de Comunicação Social e

Leia mais

ROTEIRO I: Projeto de Trabalho Técnico Social

ROTEIRO I: Projeto de Trabalho Técnico Social ROTEIRO I: Projeto de Trabalho Técnico Social Timbre da Proponente (Prefeitura, quando o proponente for o poder municipal) 1 IDENTIFICAÇÃO Empreendimento: Município: UF Endereço : Bairro: Executor: Tel.:

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS Olá Elosetter, Então você está com vontade de organizar um evento? O Elo7 incentiva as ações que fortaleçam e integram a comunidade artesanal e

Leia mais

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Este sistema garante tratamento e destino adequado aos resíduos gerados na cidade, de modo que eles não

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EAD DEZEMBRO 2013-09/12/2012

PROCESSO SELETIVO EAD DEZEMBRO 2013-09/12/2012 PROCESSO SELETIVO EAD DEZEMBRO 2013-09/12/2012 Calendário Processo de Dezembro Inscrições na internet: até dia 06/12/2012 Data da Prova: 09/12/2012 Resultado: 19/12/2012 Matrículas: 19/12/2012 a 01/02/2013

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE

ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE ENCONTRO ESTADUAL DE PREFEITOS: PERSPECTIVAS DO PAC PARA SERGIPE INVESTIMENTO, CRESCENDO MAIS QUE O CONSUMO, FOI O GRANDE MOTOR DO CRESCIMENTO 200 190 PIB Consumo das Famílias e Investimento (FBKF) Índice

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências.

Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências. PORTARIA Nº 231, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

PRÊMIO SELO MÉRITO 2012 PROJETO AMBIENTAL E SOCIALMENTE RESPONSÁVEL

PRÊMIO SELO MÉRITO 2012 PROJETO AMBIENTAL E SOCIALMENTE RESPONSÁVEL PRÊMIO SELO MÉRITO 2012 PROJETO AMBIENTAL E SOCIALMENTE RESPONSÁVEL Nossa responsabilidade vai além da diminuição do déficit habitacional do Estado de Goiás. A prioridade é fomentar ambientes sustentáveis,

Leia mais

ANEXO VI PROGRAMA OLHO VIVO NO DINHEIRO PÚBLICO

ANEXO VI PROGRAMA OLHO VIVO NO DINHEIRO PÚBLICO ANEXO VI PROGRAMA OLHO VIVO NO DINHEIRO PÚBLICO Ação: no Estado do Espírito Santo Objetivo Geral Sensibilizar, mobilizar e qualificar grupos de atores sociais - lideranças comunitárias, conselheiros municipais,

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas Daniel Kuchida SEMINÁRIO Segurança da Água para Consumo Humano. Como moldar o futuro da água para as partes

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE RONDA ALTA

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE RONDA ALTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL

DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL DIRETRIZES PARA O PATROCÍNIO CULTURAL A Brookfield Incorporações é hoje uma das maiores incorporadoras do país. Resultado da integração de três reconhecidas empresas do mercado imobiliário Brascan Residential,

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

Investe-se muito pouco em saneamento, o que torna a universalização muito distante.

Investe-se muito pouco em saneamento, o que torna a universalização muito distante. Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º colocado no ranking mundial da vergonha com 13 milhões de habitantes sem acesso a banheiro (OMS/UNICEF)

Leia mais

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR Evaniza Rodrigues Jul/2011 Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as)

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

RELATÓRIO ABRIL 2013 PROGRAMA OPERAÇÕES COLETIVAS IGARASSU MINHA VIDA

RELATÓRIO ABRIL 2013 PROGRAMA OPERAÇÕES COLETIVAS IGARASSU MINHA VIDA RELATÓRIO ABRIL 2013 PROGRAMA OPERAÇÕES COLETIVAS IGARASSU MINHA VIDA RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1 DADOS DA CONTRATAÇÃO Programa: Igarassu Minha Vida Contrato

Leia mais

GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS

GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS BRASIL . Cidade projetada, inaugurada em 1897. População total: 2,5mi (50% da RMBH). População urbana: 100%. Área: 330.90 km².

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Resumo das ações Janeiro a Agosto de 2014

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Resumo das ações Janeiro a Agosto de 2014 PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Resumo das ações Janeiro a Agosto de 2014 Educadora Ambiental: Manuelita Stucchi Equipe Aquerê Ambiental - Associação Aquerê Coordenação: Priscilla Valentim Apoio: APEMA Associação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170 PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Endereço CAIS DO APOLO, Nº 925, BAIRRO DO RECIFE Cidade RECIFE UF PE Nome do Responsável MARCELO AUGUSTO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO Este anexo estabelece o programa de trabalho e resultados para a OSCIP com a fixação de direitos, obrigações, prazos de execução e critérios

Leia mais

Esta é a pesquisa de satisfação

Esta é a pesquisa de satisfação Esta é a pesquisa de satisfação dos usuários de saneamento básico realizada entre a categoria residencial dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário regulados pela Agência em 244 municípios

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA 12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA :: INTRODUÇÃO :: O Grupo Santander Brasil acredita que a educação é a principal ferramenta para construir um mundo sustentável e melhor. Por isso, investe

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. IDENTIFICAÇÃO (máximo 01 folha) Título da Proposta: Instituição Proponente: CNPJ: Endereço: CEP: Telefone: Fax:

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. IDENTIFICAÇÃO (máximo 01 folha) Título da Proposta: Instituição Proponente: CNPJ: Endereço: CEP: Telefone: Fax: Usar papel timbrado da instituição! TERMO DE REFERÊNCIA. IDENTIFICAÇÃO (máximo 0 folha) Título da Proposta: Instituição Proponente: CNPJ: Endereço: CEP: Telefone: Fax: Responsável pela Instituição Proponente:

Leia mais

Secretaria Municipal de Habitação TERMO DE REFERÊNCIA. Programa Minha Casa Minha Vida Contrato: 0386.005-01

Secretaria Municipal de Habitação TERMO DE REFERÊNCIA. Programa Minha Casa Minha Vida Contrato: 0386.005-01 Secretaria Municipal de Habitação TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE TRABALHO SOCIAL PTS PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 1. IDENTIFICAÇÃO Programa Minha Casa Minha Vida Contrato: 0386.005-01 Empreendimento:

Leia mais