MONOVIAS COM PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU. Pedro Fereguetti Atendimento Técnico da Gerdau PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU ARTIGO TÉCNICO 1.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONOVIAS COM PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU. Pedro Fereguetti Atendimento Técnico da Gerdau PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU ARTIGO TÉCNICO 1."

Transcrição

1 ERFIS ESTRUTURAIS GERDAU 1. INTRODUÇÃO Amlamente utilizado na indústia, monovia é deinida como o caminho de olamento dos sistemas de içamento de cagas utilizando talhas manuais ou eléticas (igua 1 e ). O deslocamento é ealizado aoiando-se as odas do tole (igua 1), equiamento esonsável ela movimentação da talha, na aba ineio da monovia. 3. TALHAS De maneia geal, os onecedoes de talhas disonibilizam em seus catálogos as dimensões caacteísticas do equiamento (igua ), a caacidade de içamento e as cagas sobe as odas do tole. As inomações eeentes ao caminho de olamento se limitam a mosta quais são as dimensões mínimas do eil adequado à geometia das talhas, não avaliando o dimensionamento estutual da monovia adequado aa cada situação. Fig. 1 Tole / Talha Manual Fig. Talha Elética A utilização dos eis Estutuais Gedau como caminho de olamento é vantajosa em váios asectos: Amla vaiedade de bitolas: otimiza o eso da seção de aço a se utilizado como monovia; Abas lagas: Facilitam o aoio do tole na aba do eil; Comostos em aço estutual de alta esistência: eduz o eso da monovia. Esse atigo oõe onece uma visão geal aa o dimensionamento da monovia utilizando os eis Estutuais Gedau.. MONOVIAS Monovias ou caminhos de olamento odem se iados em vigas metálicas ou de conceto, em lajes, odendo também seem susensas o colunas tio mão ancesa ou simlesmente aoiadas nas etemidades atavés de colunas. Esse caminho ode se eto ou em cuva, também é comum utiliza a monovia em balanço. aa todos os casos as talhas ossuem um tole elético ou manual ojetado aa atende as necessidades do caminho de olamento e da utilização do cliente. O esente tabalho detemina citéios aa o dimensionamento de uma monovia biaoiada eta com os aoios deinidos conome a igua 3. Fig. Caacteísticas dimensionais da talha Como, atualmente, não há uma adonização da geometia dos equiamentos, eiste uma gande vaiação das caacteísticas técnicas das talhas. Devido a esse motivo, oam avaliados alguns catálogos técnicos de abicantes de talhas com o objetivo de identiica quais caacteísticas são mais comuns às talhas disoníveis no mecado. 3. REMISSAS ARA RÉ-DIMENSIONAMENTO Com base nos catálogos de onecedoes de talhas e nas caacteísticas necessáias aa o cálculo da monovia, seguem as vaiáveis consideadas aa o é-dimensionamento: vão live da monovia; caacidade de içamento da talha; quantidade e aastamento das odas do tole; osicionamento da oda do tole na monovia; eso do tole e dos disositivos de içamento; eso óio da monovia. 3.1 Citéios geais aa a veiicação da Monovia aa eeitos de cálculo, as monovias oam dimensionadas como vigas biaoiadas sem contenção lateal. As soluções aa as monovias oam oostas utilizando a séie de eis Estutuais Gedau, de maneia a se obte a seção com o meno consumo de aço aa atende a solicitação do caegamento imosto ela talha. Fig. 3 Aoio Monovia Os ocedimentos de cálculo adotados aa a veiicação da monovia oostos o esse atigo se eeem a oeações egulaes de talhas onde o caegamento é centado na alma do eil, o tole ossui no máimo quato odas e a caga devido ao imacto lateal é eesentada o um ecentual da caacidade de içamento da talha. Não é consideado nenhum esoço devido à toção. MONOVIAS COM ERFIS ESTRUTURAIS GERDAU edo Feeguetti Atendimento Técnico da Gedau

2 ERFIS ESTRUTURAIS GERDAU Em caso de talhas submetidas a condições seveas ou eseciais de caegamento, cabeá ao ojetista e ao abicante do equiamento avaliaem quais os citéios devem se atendidos ela monovia. Toda a simbologia, não eseciicada no atigo, baseou-se no caítulo 3 da ABNT NBR 8800: Nomas e manuais utilizados aa o cálculo da monovia Noma Basileia ABNT NBR 8800, ojeto de estutuas de aço e de estutuas mistas de aço e conceto de ediícios, de setembo de 008. t a Noma Basileia ABNT NBR 8681, ações e seguanças das estutuas, de maço de 003. aa veiica a leão local da aba também oi consideado, Cane Manuactues Association o Ameica, Inc. (CMAA) Seciication N 7 Seciications o To Running and Unde Running Single Gide Electic Ovehead Canes Utilizing Unde Running Tolle Hoists. 3.3 aâmetos de Cálculo: a) Aço utilizado elos eis Estutuais Gedau: ASTM A57 Gau 50 com limite de escoamento mínimo ( ) de 35 Ma e módulo de elasticidade (E) de Ma. b) osição mais desavoável aa o cálculo dos esoços solicitantes. Figua 5, aa a deteminação dos momentos letoes e deomações. Figua 6, aa deteminação dos esoços cotantes e leão local da aba. 1/ L L Fig. 5 Situação mais desavoável aa veiicação do momento e deomações (caga centada) Fig. 7 Distância ente o onto cental de aoio da oda à etemidade da aba, aâmeto geomético a O aâmeto geomético a é oosto o esse atigo como: Se b (lagua da mesa) < 00 mm logo a (b )/ Se b (lagua da mesa) 00 mm logo a 60 mm. EXEMLO NUMÉRICO Seguindo as emissas listadas no item 3, seá veiicado o eil W 310 5,0 no dimensionamento da monovia de m de vão, aa o uso de uma talha com caacidade de içamento de 5 t, sendo consideado que o eso óio do conjunto tole mais os disositivos de içamento é de 1,1 t. Caacidade de içamento (LL) eso do tole e disositivos de içamento (TL) Distância do onto de alicação oda até etemidade da aba do eil (a) Númeo de odas do tole Caacteísticas da talha e monovia Comimento destavado da viga (L ) b eso óio () Tensão de escoamento ( ) Módulo de elasticidade (E) b Dados monovia 5,0 t 1,1 t 39,9 mm m 0,05 t/m 3,5 t/cm² 000 t/cm² Caacteísticas geométicas do eil W 310 5,0 Fig. 6 Situação mais desavoável aa veiicação do cotante e da leão local da alma (caga aoio) c) Coeiciente de imacto vetical: 0% d) Caga lateal: 10% da soma da caacidade nominal da talha mais eso óio do equiamento. e) Deomação máima admissível Vetical: L / 600 Hoizontal: L / 00 Onde: L Vão live da monovia. L ) Coeicientes de ondeação utilizados aa avalia as combinações de caegamento (emanente e móvel) aa: Estado Limite Último (ELU) e Estado Limite de Seviço (ELS). g) Veiicação a leão local da aba de acodo com o CMAA:7 / NBR 8800:008. De acodo com o CMAA:7, a esistência da aba à leão local é em unção da caga alicada e da distância ente o onto cental de aoio da oda à etemidade da aba (aâmeto a ). Mais detalhes, igua 7. t t h X R Y Y b d X d A 67,0 cm² D 317 mm b 167 mm h 91 mm d 71 mm t 7,6 mm w t 13, mm t 8,5 cm I cm.1 Deteminação dos Esoços Solicitante: W 751, cm³ Os esoços solicitantes oam calculados aa o tole osicionado na monovia conome as consideações do item 3. (b). Os coeicientes de combinação oam deteminados de acodo com a NBR 8681:003. Indeendente do númeo de odas do tole, seá consideada aenas uma caga concentada como a esultante de todo o caegamento tansmitido da talha aa a monovia. Isso devido ao ato de que as talhas consideadas o esse atigo ossuem um esaçamento ente odas muito equeno. 13,33 cm Z 8,5 cm³ I 106 cm W 1,9 cm³ 3,91 cm Z 188,0 cm³ J,5 cm

3 ERFIS ESTRUTURAIS GERDAU Deomação em elação ao eio de maio inécia ( ) eso óio do eil eso óio do equiamento Caga Içada (Vaiável) Coeiciente de combinação de caegamento - ELU Cagas emanentes Cagas Vaiáveis Coeiciente de combinação de caegamento - ELS Cagas emanentes Cagas Vaiáveis 5 Q L 5 0, ,0073 cm 38 E I L³ 1,1 00³ 8 E I L³ 5,0 00³ 8 E I ,0 (0, ,063) + 0,8 (0,8) 0,9 cm A oça tansvesal atuante na monovia oi adotada conome o item B.7. da ABNT NBR 8800:008, que a deine como 10% da soma da caga içada com o eso do tole. 1, 1,5 1,0 0,8 Momento leto em tono do eio de maio inécia (M ) eso óio do eil eso óio do equiamento Caga Içada (Vaiável) 0,05 ² 8 0,10 t (1,1 1,) 1,3 t (5,0 1,) 6,0 t M 1, (0,1 + 1,3) + 1,5 (6,0) 10,99 t sd Esoço cotante em elação ao eio de maio inécia (V ) eso óio do eil eso óio do equiamento Caga Içada (Vaiável) 0,05 (1,1 1,) (5,0 1,) 0,10 t.m 1,3 t.m 6,0 t.m V 1, (0,1 + 1,3) + 1,5 (6,0) 10,99 t.m 0,063 cm 0,8 cm Momento leto em tono do eio de meno inécia (M ) eso óio do equiamento Caga Içada (Vaiável) 1,1 5,0 M 1, 0,11 + 1,5 0,5 0,9 t.m 0,1 0,11 t.m 0,1 0,5 t.m Esoço cotante em elação ao eio de meno inécia (V ) eso óio do equiamento Caga Içada (Vaiável) 1,1 0,1 0,11 t 5,0 0,1 0,5 t V 1, 0,11 + 1,5 0,5 0,9 t sd Deomação em elação ao eio de meno inécia ( ) eso óio do equiamento Caga Içada (Vaiável) aa a oça solicitante utilizada aa a veiicação da leão local da aba de acodo com o CMAA:7. As cagas atuantes seão calculadas sem a utilização dos coeicientes de majoação de caga, devido o método oosto elo CMAA:7 se basea no método das tensões admissíveis. Númeo de odas no tole eso óio do equiamento Caga Içada (Vaiável). Resistente: a) Momentos Fletoes (NBR 8800:008) O ato de modiicação aa o diagama do momento leto (Cb), calculado de acodo com o item da NBR 8800:008, é igual a 1,3. Esse ato é utilizado aa o cálculo dos momentos letoes esistentes. Momento leto esistente em tono do eio de maio inécia (M ) Flambagem lateal com toção (FLT) L b / 00/3,91 10,30 1,76 E /, 1,38 I J 7 C w ,7 J 1 I aa: C 1,3 b M Z 9,07 t.m l M ( ) W 18,1 t.m M C b / M ( M M ) 1,0 0, ,8 0,3 0,33 cm a1 L³ (1,1 0,1) 00³ 0,071 cm 8 E I L³ (5,0 0,1) 00³ 0,3 cm 8 E I Fleão local da aba (F ) F (1,3 + 6,0) / 1,83 t l l Flambagem local da mesa comimida (FLM) b / ( t ) 6,3 0,38 E / 9,1 Flambagem local da alma (FLA) Momento Resistente 0,83 E / ( ) 3,9 d / t 35,6 w M M / 6, t.m l a1 3,76 E / 90,5 5,70 E / 137, M M M / 6, t.m l a1 6 t.m 1,1 1, 1,3 t 5,0 1, 6,0 t 6 t.m 3

4 ERFIS ESTRUTURAIS GERDAU Momento leto esistente em tono do eio de meno inécia (M ) Flambagem lateal com toção (FLM) b / ( t ) 6,3 0,38 E / 9,1 0,83 E / ( ) 3,9 de sistemas de içamento de cagas utilizando talhas e deini aâmetos técnicos aa dimensiona coetamente todos os elementos (monovia, talha, tole etc.) que comõem esse sistema. A veiicação da leão local da aba oosta no item do CMAA 7:010, seá utilizada como um dos citéios aa a veiicação da monovia. De acodo com o osicionamento da odas do tole na aba do eil, seão veiicadas as tensões em tês ontos da aba, conome igua 8. M Z 6,9 t.m l M M / 6, t.m l a1 Momento Resistente M 5,9 t.m to b) Esoços Cotantes (NBR 8800:008) t Esoço cotante esistente em elação ao eio de maio inécia (V ) to 0 to 1 a k v 5 b 1,10 k v E / 59, 1,37 k v E / 73,8 d / t 35,6 w V 0,6 l A 0,6 d t 9,83 t w w V Vl /1,1 5,3 t V 5,3 t Esoço cotante esistente em elação ao eio de meno inécia (V ) k v 1, 1,10 k v E / 9,0 Fig. 8 Detalhe ontos veiicação da tensão admissível A tensão seá calculada em cada um desses ontos, em unção dos aâmetos geométicos C, C e C, C. X1 Y1 X Onde: b Lagua da mesa do eil em olegadas. t Esessua da mesa em olegadas. a Distância ente o onto cental de aoio da oda a etemidade da aba do eil em olegadas. F sd Caga máima solicitante aa a veiicação da leão local da aba em ki. Caegamento não majoado elos atoes de combinação. Caga máima solicitante 1,37 k v E / 36,1 b / ( t ) 6,3 7,3 1,83 t,03 ki c) Fleão Local da mesa - NBR 8800:008 O item da NBR 8800:008 detemina que a mesa de uma baa, solicitada o uma oça localizada que oduza tação na alma, deve se veiicada quanto ao estado-limite último de leão local. - CMAA 7:010 V l 0,6 Aw 0,6 b t 5,65 t V Vl /1,1 1,5 t V 1,5 t Foça Resistente a leão local da mesa (F ) F 6,5 t ² 18,81 1,1 17,1 t onto 0 onto 1 aâmetos Geométicos a 1,6 0,5 b t 6,6 0,5 6,53 C, , ,00076 e 0,9 0 1,36 C 10,108 7,08 10,108 e 1,9 X1 3,015 C 0,050 0, ,18 e 0,3 Z0 18,33 C,30 1,9 + 1,390 e 1,9 Z1 Tensões em cada um dos ontos (caga local) X1 C 13,78 ksi C X1 19,3 ksi Z0 Z1 C 6, ksi C X1,19 ksi Essa eseciicação técnica oi desenvolvida ela Cane Manuactues Association o Ameica (CMAA), uma oganização que aóia o desenvolvimento dos abicantes de talha nos Estado Unidos da Améica. O objetivo da ublicação númeo 7 do CMAA (Seciications o To Running and Unde Running Single Gide Electic Ovehead Canes Utilizing Unde Running Tolle Hoists) é ajuda os eseciicadoes (aquitetos, engenheios, abicantes e etc.) onto X 13,78 ksi Z Y0 6, ksi

5 ERFIS ESTRUTURAIS GERDAU Tensões atuantes não são majoadas devido essa veiicação se basea no método das tensões admissíveis. Tensões em cada um dos ontos (caga local) M 7, t.m (Caga não majoada) sd M 0,6 t.m (Caga não majoada).3 Veiicação da Seção: Momento leto: M 10,99 t.m M 6,0 t.m M / M 0, (ok) onto 0 zg M M + 1, ksi W I M 0,9 t.m M 5,9 t.m M / M 0,15 (ok) onto 1 onto zg zg M A combinação das tensões devido à leão global da monovia e à leão local devido à caga concentada, nos ontos 0, 1 e, de acodo com o item do CMAA 7:10, emite uma edução de 75% nas tensões devido ao eeito da caga concentada tansmitido elas odas (,,,,, ). W M M + 17,7 ksi I b a M I + I 13, ksi d t X1 X Y0 Y1 Y Tensões em cada um dos ontos M / M + M / M 0,57 (ok) Esoço Cotante: V 10,99 t V 5,3 t V d / V 0, (ok) V 0,9 t V 1,5 t V / V 0,0 (ok) Deomações: 0,9 cm 00 / 600 0,67 cm ma ma / 0,3 (ok) onto 0 onto 1 0,75 10,33 ksi z zg 0,75 Y0 19, ksi 0,75 X1 1,9 ksi z zg 0,75 z1 3,3 ksi 0,33 cm 00 / 00 1,0 cm ma ma / 0,33 (ok) Fleão local da aba: onto 0,75 X 10,33 ksi z zg 0,75 z 8, ksi O item do CMAA:7 detemina como deve se eita a combinação das tensões em cada um dos ontos avaliados. Conome a equação 1. Equação 1: t ( )² + ( )² + 3 ( )² Onde oi consideado 0. NBR 8800:008 F 10,99 t F 17,1 t F / F 0,6 (ok) CMAA 7:010 9,9 ksi 33 ksi / 0,91 (ok) Combinações das tensões em cada um dos ontos onto 0 onto 1 onto t ( )² + ( z )² z + 3 ( )² 5,96 ksi t ( )² + ( z )² z + 3 ( )² 9,86 ksi t ( )² + ( z )² z + 3 ( )² 9,51 ksi 9,9 ksi 5. Reeências ABNT NBR 8800:008 ojeto de Estutuas de Aço e de Estutuas mistas de Aço e Conceto de Ediícios. Cane Manuactues Association o Ameica, Inc. (CMAA) Seciication N 7, Revised 000, Seciications o To Running and Unde Running Single Gide Electic Ovehead Canes Utilizing Unde Running Tolle Hoists A máima tensão admissível nos ontos consideados, de acodo com a tabela 3..1 do CMAA 7:010, é de 0, ksi. 5

6 ERFIS ESTRUTURAIS GERDAU 1/1 6. Tabela de é-dimensionamento A tabela é uma eamenta indicada aa utilização duante a ase de oçamento, onde é comum não se ossui todas as inomações necessáias aa o dimensionamento da monovia. Com a sugestão de eis Estutuais Gedau, é ossível estima a viabilidade técnica e econômica da oba; o ojeto estutual deinitivo deve se desenvolvido o um oissional habilitado. Caacidade de içamento (t) eis é-dimensionados de acodo com os vãos e cagas indicados Esaçamento ente aoios (m) eso óio da talha (t) ,5 0,13 W ,0 W 00 6,6 W 00 31,3 W 50 3,7 W 50 38,5 W 50 38,5 W 310,5 1 0,3 W 150,5 W 00 31,3 W 50 38,5 W 310,5 W ,0 W ,8 W 360 6,0 1,5 0,3 W 00 6,6 W 00 35,9 W 50,8 W 310,5 W ,8 W 360 6,0 W 360 6,0 0,55 W 00 31,3 W 50,8 W ,8 W 360 6,0 W 360 6,0 W ,0,5 0,55 W 00 31,3 W 50,8 W 360 6,0 W 360 6,0 W ,0 (H) W ,0 3 0,95 W 50 38,5 W ,0 W 360 6,0 W ,0 W ,0 W ,0 3,75 1,05 W 310,5 W ,8 W 60 89,0 W ,0 W ,0 1,05 W 310,5 W ,8 W 60 89,0 W ,0 W ,0 5 1,1 W 310 5,0 W 360 6,0 W ,0 W ,0 W ,0 W ,0 6 1,5 W 360 6,0 W ,0 W ,0 W ,0 6,5 1,6 W 360 6,0 W 60 8,0 W ,0 W ,0 W ,0 7,5 1,6 W 60 8,0 W ,0 W ,0 8 1,9 W 60 89,0 W ,0 10 1,9 W ,0 W ,0 W ,0 W ,0 VENDAS SUDESTE SUL NORTE / NORDESTE São aulo Tel. (11) Fa (11) Minas Geais Tel. (31) Fa (31) Rio de Janeio Tel. (1) Fa (1) CENTRO-OESTE Tel. (6) Fa (6) Rio Gande do Sul Tel. (51) Fa (51) aaná Tel. (1) Fa (1) enambuco Tel. (81) Fa (81)

VIGAS DE ROLAMENTO COM PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU. Camila Da Silveira Machado Engenheira Civil PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU ARTIGO TÉCNICO 1.

VIGAS DE ROLAMENTO COM PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU. Camila Da Silveira Machado Engenheira Civil PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU ARTIGO TÉCNICO 1. . INTRODUÇÃO Amlamente utilizadas, as ontes olantes e suas vigas de olamento têm-se tonado equiamentos imescindíveis aa a movimentação de cagas em galões industiais e de amazenamento. Comostas o eis metálicos,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO Deatamento de Engenhaia de Estutuas e Geotécnica Escola Politécnica da Univesidade de São Paulo DIESIOAETO DE ESTRUTURAS DE AÇO Aostila aa a discilina PEF 40 ESTRUTURAS ETÁLICAS E DE ADEIRA Valdi Pignatta

Leia mais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais Mecânica Clássica (icenciatuas em Física Ed., Química Ed.) Folha de oblemas 4 Movimentos de coos sob acção de foças centais 1 - Uma atícula de massa m move-se ao longo do eixo dos xx, sujeita à acção de

Leia mais

TABELA DE VÃOS E CARGAS

TABELA DE VÃOS E CARGAS TABELA DE VÃOS E CARGAS Revisado de acordo com a norma brasileira ABNT NBR 88:28 COLETÂNEA DO USO DO AÇO TABELA DE VÃOS E CARGAS 3ª Edição 212 Flávio D Alambert Ivan Lippi Coordenação Técnica: Celio de

Leia mais

SOLUÇÃO ANALÍTICA EM REGIME PERMANEN- TE PARA O FLUXO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA E DE UM FLUIDO NÃO AQUOSO LEVE LNAPL

SOLUÇÃO ANALÍTICA EM REGIME PERMANEN- TE PARA O FLUXO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA E DE UM FLUIDO NÃO AQUOSO LEVE LNAPL SOUÇÃO ANAÍTICA EM EGIME PEMANEN- TE PAA O FUXO DA ÁGUA SUBTEÂNEA E DE UM FUIDO NÃO AUOSO EVE NAP VEIFICAÇÃO EXPEIMENTA Maia Teesa ajinha ibeio Poessoa Auxilia Faculdade de Ciência e Tecnologia - UFP tlajinha@u.t

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ ESOLUÇÃO DA AALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 0/08/ POFESSO: MALTEZ QUESTÃO 0 A secção tansvesal de um cilindo cicula eto é um quadado com áea de m. O volume desse cilindo, em m, é: A

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA GRUPO DE PESQUISA EM ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRA

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA GRUPO DE PESQUISA EM ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA GRUPO DE PESQUISA EM ESTRUTURAS METÁLICAS E DE MADEIRA Passo undo, Agosto de 004 Todos os dieitos esevados Univesidade de Passo Fundo Faculdade

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

1 Tração Axial. Dimensionamento de Elementos Estruturais de Aço. 1 Tração Axial. 2 Compressão Axial. 3 Flexão Reta. 4 Flexão Composta.

1 Tração Axial. Dimensionamento de Elementos Estruturais de Aço. 1 Tração Axial. 2 Compressão Axial. 3 Flexão Reta. 4 Flexão Composta. Deatamento de Engenhaia de Estutuas e Fundações Escola Politécnica - Univesidade de São Paulo Tação ial Dimensionamento de Elementos Estutuais de ço Comessão ial 3 Fleão Reta 4 Fleão Comosta Valdi Pignatta

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE ESTADUAL AULISTA UNES - Camus de Bauru/S FACULDADE DE ENGENHARIA Deartamento de Engenharia Civil Discilina: 2139 - CONCRETO ROTENDIDO NOTAS DE AULA CONCRETO ROTENDIDO rof. Dr. AULO SÉRGIO

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A Física B Extensivo V. 4 Exercícios 0) V V V V F 0. Verdadeiro. Lentes, disositivos que ormam imagem usando essencialmente as leis da reração. 0. Verdadeiro. Eselhos vértice, oco, centro de curvatura. Lentes:

Leia mais

Componente de Física

Componente de Física Disilina de Físia e Químia B 10º ano de esolaidade Comonente de Físia Comonente de Físia Unidade 1 Eneia no quotidiano 2. Tansfeindo eneia: máquinas e movimento A Lei da Consevação da Eneia diz-nos que

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

Considerando-se as premissas básicas e critérios adotados determinam-se duas situações que estão representadas nos gráficos a seguir:

Considerando-se as premissas básicas e critérios adotados determinam-se duas situações que estão representadas nos gráficos a seguir: RT 2.001 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais

Dinâmica de um Sistema de Partículas 4 - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME

Dinâmica de um Sistema de Partículas 4 - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME Dinâmica de um Sistema de atículas Da. Diana Andade, Da. Angela Kabbe, D. Caius Lucius & D. Ségio illing 4 MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME Se um onto se moe numa cicunfeência, seu moimento é cicula, odendo

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S Próprio (kn/m 2 ) M. Inércia Laje Mista ( 6 mm 4 /m) Vãos Máimos sem Carga sobreposta 2.000 Vãos Máimos 2.0 2.0 2.400 Triplos Balanço

Leia mais

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como:

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como: 1 Data: 31/05/2007 Curso de Processos Químicos Reerência: AKINS, Peter. Físico- Química. Sétima edição. Editora, LC, 2003. Resumo: Proas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes 1. ENALPIA A variação da energia

Leia mais

Estruturas mistas aço-concreto

Estruturas mistas aço-concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas mistas aço-concreto Pro. Fernanda Calenzani Universidade Federal do Espírito Santo Vigas mistas aço-concreto 1 Tipos de Vigas Mistas A transmissão parcial

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SAULO FLORIANO GOMES FILHO ÁBACOS PARA PRÉ-DIMENSIONAMENTO DE VIGAS I LAMINADAS DE

Leia mais

ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS

ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS ROLAMENTOS PARA BOMBAS INDUSTRIAIS Apesentando maio vida útil com notável eficiência e confiabilidade, os olamentos NSK são ideais paa todas as bombas industiais. 1 Cento Tecnológico Basileio - Suzano

Leia mais

PISOS DE ALTA QUALIDADE SE CONSTROEM COM PRODUTOS GERDAU.

PISOS DE ALTA QUALIDADE SE CONSTROEM COM PRODUTOS GERDAU. PISOS DE ALTA QUALIDADE SE CONSTROEM COM PRODUTOS GERDAU. Este manual fornece informações úteis para orientá-lo na construção de pisos em concreto armado com carregamento até t/m² ou 8 t/eixo. Para executar

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ESTRUTURAS METÁLICAS PARTE 1 LOTE 1 GRUPO ESTRUTURAS METÁLICAS, PARTE 1 LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam o transporte e

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS

ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS ROTEIRO DE PRÁTICAS ESTRUTURAS METÁLICAS OBJETIVOS O aluno será capaz de determinar os esforços solicitantes em estruturas metálicas, e de dimensionar as principais peças estruturais em aço de acordo com

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenhaia Tansmissão de calo 3º Ano Aula 4 Aula Pática- Equação Difeencial de Tansmissão de Calo e as Condições de Contono Poblema -4. Calcula a tempeatua no

Leia mais

Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2)

Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2) SISTEMATIZAÇÃO DO DIMENSIONAMENTO A FLEXO-COMPRESSÃO DE PILARES MISTOS PREENCHIDOS DE SEÇÃO RETANGULAR Antonio Carlos Pulido (1) & Silvana De Nardin (2) (1) Mestrando, PPGECiv Programa de Pós-graduação

Leia mais

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com.

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com. Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento Edição - Julho/2012 modular@modularsc.com.br CONTEÚDO A EMPRESA 3 SISTEMA DE TERÇAS PARA COBERTURA E FECHAMENTO 4 Apresentação 4

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecânica

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecânica ESCOL POLITÉCNIC D UNIVESIDDE DE SÃO PULO Depatamento de Engenhaia ecânica PE 100 ecânica Pova de ecupeação - Duação 100 minutos 05 de feveeio de 013 1 - Não é pemitido o uso de calculadoas, celulaes,

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 12 Momento em Relação a um Eixo Específico e Momento de um Binário. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J.

Mecânica Técnica. Aula 12 Momento em Relação a um Eixo Específico e Momento de um Binário. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Ala 12 Momento em Relação a m Eio Específico e Momento de m Bináio Pof. MSc. Liz Edado Mianda J. Rodiges Pof. MSc. Liz Edado Mianda J. Rodiges Tópicos Abodados Nesta Ala Momento em Relação a m Eio Específico.

Leia mais

Aços Longos. Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria

Aços Longos. Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Aços Longos Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Perfis e Barras Linha Estrutural e Serralheria Padrão de Qualidade O padrão de qualidade dos produtos ArcelorMittal está presente também na linha

Leia mais

São João da Boa Vista SP Tel 19 3636 1600. Cambuí MG Tel 19 3634 3760. São João da Boa Vista SP Tel 19 3634 3600

São João da Boa Vista SP Tel 19 3636 1600. Cambuí MG Tel 19 3634 3760. São João da Boa Vista SP Tel 19 3634 3600 Manual Técnico A História da Soufer São João da Boa Vista SP Tel 34 00 São João da Boa Vista SP Tel 1600 A Soufer Industrial Ltda. fabrica produtos siderúrgicos para as mais variadas aplicações; é uma

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL

ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL PROJETO ALPHA Engenharia de Estruturas S/C Ltda ANEXO 2 MEMORIAL DE CÁLCULO DE ESTRUTURA ESPACIAL 1) OBJETO DO TRABALHO Análise técnica da estrutura de alumínio que constitui a cobertura do Pavilhão de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DOIS SOFTWARES COMERCIAIS PARA DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO. Marcos Roberto de Souza (1), Alexandre

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA TABELAS E FÓRMULAS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO DE VIGAS RETANGULARES A FLEXÃO SIMPLES E CISALHAMENTO APLIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Professor: Cleverson Arenhart

Leia mais

ANÁLISE DIMENSIONAL DE ESTRUTURA PARA SILOS EM PERFIS DIVERSOS

ANÁLISE DIMENSIONAL DE ESTRUTURA PARA SILOS EM PERFIS DIVERSOS ANÁLISE DIMENSIONAL DE ESTRUTURA PARA SILOS EM PERFIS DIVERSOS RESUMO Jorge Luíz Laureano; Marcio Vito UNESC- Universidade do Extremo Sul Catarinense Jorge.laureano@eliane.com ; marciovito@uol.com.br O

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO E VAZÃO MÁXIMA DE BACIAS URBANAS

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO E VAZÃO MÁXIMA DE BACIAS URBANAS COEFICIENTE DE ESCOMENTO E VZÃO MÁXIM DE BCIS URBNS Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS v. Bento Gonçalves, 9500 PORTO LEGRE-RS TUCCI@IF1.IF.UFRGS.BR Resumo: O coeficiente de escoamento

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

ENERGIA POTENCIAL ELÉTRICA

ENERGIA POTENCIAL ELÉTRICA Pof(a) Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 NRGIA POTNCIAL LÉTRICA O que é enegia otencial elética? Comaando-se o modelo mecânico da mola, onde uma mola comimida ossui enegia otencial elástica é, devido a

Leia mais

Unidade VII - Teoria Cinética dos Gases

Unidade VII - Teoria Cinética dos Gases Unidade VII - eoria Cinética dos Gases fig. VII.. Nesse rocesso, a ressão em um gás aumenta e o olume diminui. Isto é, a colisão de suas moléculas dee aumentar, sua energia cinética aumenta e diminui a

Leia mais

ES013. Exemplo de de um Projeto Completo de de um de deconcreto Armado

ES013. Exemplo de de um Projeto Completo de de um de deconcreto Armado Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Deartamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES013 Eemlo de de um Projeto Comleto de de um Edifício de deconcreto Armado Prof. Túlio Nogueira Bittencourt

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

ES-013. Exemplo de um Projeto Completo de um Edifício de Concreto Armado

ES-013. Exemplo de um Projeto Completo de um Edifício de Concreto Armado ES-013 Eemlo de um Projeto Comleto de um Edifício de Concreto Armado São Paulo agosto - 001 Lajes de Concreto Armado.1 Lajes Maciças de Concreto Armado.1.1 Introdução Lajes são elementos estruturais bidimensionais

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA METÁLICA

ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA METÁLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERIAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTRUTURAS ANÁLISE E DIMENSIONAMENTO DE UM EDIFÍCIO COMERCIAL EM ESTRUTURA

Leia mais

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p . A Distribuição Multinomial - Teste Qui-Quadrado. Inferência Estatística Uma imortante generalização da rova de Bernoulli (), é a chamada rova multinomial. Uma rova de Bernoulli () ode roduzir dois resultados

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 50 O VERGALHÃO QUE ESTÁ POR DENTRO DAS MELHORES OBRAS VERGALHÃO GG 50 GERDAU Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o vergalhão GG 50. Produzido rigorosamente

Leia mais

Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1. Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc.

Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1. Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc. Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1 Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc. Willian de Araujo Rosa Engenheiro Civil UFMS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

3 Conceitos Fundamentais

3 Conceitos Fundamentais 3 Coneitos Fundamentais Neste aítulo são aresentados oneitos fundamentais ara o entendimento e estudo do omressor axial, assim omo sua modelagem termodinâmia 3 Máquinas de Fluxo As máquinas de fluxo odem

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES PARAFUSADAS (NBR 8800/2008) Maj Moniz de Aragão 1. Resistência dos parafusos pág 06 2. Área bruta e área efetiva

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais

Módulo 6 Pilares: Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo. Imperfeições Geométricas Globais. Imperfeições Geométricas Locais NBR 68 : Estados Limites Últimos Detalhamento Exemplo P R O O Ç Ã O Conteúdo Cargas e Ações Imperfeições Geométricas Globais Imperfeições Geométricas Locais Definições ELU Solicitações Normais Situações

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Gomes Braga, Augusto Cezar; Graça Ferreira, Walnório Pilares mistos aço-concreto e comparativo de custo com pilares

Leia mais

Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON. 1.1 - Introdução

Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON. 1.1 - Introdução Capítulo 1 APRESENTAÇÃO DO PACON 1.1 - Introdução PACON - Programa Auxiliar para projeto de estruturas de CONcreto - é um software didático, destinado ao cálculo de esforços e dimensionamento de elementos

Leia mais

Transporte pneumático

Transporte pneumático Transorte neumático Objetios Comreender os tios de transorte neumático Faixas de alicação Comonentes odelagem matemática Velocidade mínima de transorte Projeto de sistemas de transorte neumático OP1 Oerações

Leia mais

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro;

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro; O Campo Magnético 1.Intodução: Gegos(+2000 anos): Obsevaam que pedas da egião Magnézia (magnetita) ataiam pedaços de feo; Piee Maicout(1269): Obsevou a agulha sobe imã e macou dieções de sua posição de

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS GALPÕES PARA USOS GERAIS Série Manual de Construção em Aço Galpões para Usos Gerais Ligações em Estruturas Metálicas Edifícios de Pequeno Porte Estruturados em Aço Alvenarias Painéis de Vedação Resistência

Leia mais

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008

A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 A ATUAL NORMA DE PROJETO DE ESTRUTURAS DE AÇO E MISTAS, A ABNT NBR 8800:2008 EM 2001,, UM GRUPO DE TRABALHO, FORMADO POR PESQUISADORES DE UNIVERSIDADES BRASILEIRAS E POR PROFISSIONAIS RECONHECIDOS, SOB

Leia mais

INOVAÇÕES NA CONSTRUÇÃO E NO CONTROLO DE ATERROS DE ESTRADAS E DE CAMINHOS DE FERRO DE ALTA VELOCIDADE PARTE 2

INOVAÇÕES NA CONSTRUÇÃO E NO CONTROLO DE ATERROS DE ESTRADAS E DE CAMINHOS DE FERRO DE ALTA VELOCIDADE PARTE 2 INOVAÇÕES NA CONSTRUÇÃO E NO CONTROLO DE ATERROS DE ESTRADAS E DE CAMINHOS DE FERRO DE ALTA VELOCIDADE PARTE 2 A. Gomes Correia Universidade do Minho Eduardo Fortunato - LNEC Universidade do Minho ESTRUTURA

Leia mais

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013 Aula-9 ampos Magnétcos Poduzdos po oentes uso de Físca Geal F-38 o semeste, 13 Le de Bot - Savat Assm como o campo elétco de poduzdo po cagas é: 1 dq 1 dq db de ˆ, 3 ε ε de manea análoga, o campo magnétco

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo 76 4 Estudo Paramétrico 4.1.Descrição do estudo Neste capítulo é desenvolvido estudo paramétrico dos galpões industriais considerados, com os objetivos de avaliar a consideração ou não dos efeitos de segunda

Leia mais

GALPÕES PARA USOS GERAIS

GALPÕES PARA USOS GERAIS GALPÕES PARA USOS GERAIS Série " Manual de Construção em Aço" Galpões para usos gerais Ligações em estruturas metálicas Edifícios de pequeno porte estruturados em aço Alvenarias Painéis de vedação Resistência

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo

ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo PUC Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS METÁLICAS 3 Solicitações de cálculo Professor Juliano Geraldo Ribeiro Neto, MSc. Goiânia, março de 2014. 3.1 PROJETO

Leia mais

3)Seno de alguns arcos importantes

3)Seno de alguns arcos importantes Aula 4-A -Funções trigonométricas no ciclo trigonométrico ) Função seno (definição) )Gráfico da função seno )Seno de alguns arcos imortantes 4) Equações e inequações 5) Resolução de exercícios ) Função

Leia mais

Análise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas

Análise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas R.. Natal Jorge nálise Elasto-Plástica de Estruturas Reticuladas eartamento de Engenharia ecânica e Gestão Industrial Faculdade de Engenharia Universidade do Porto (/) nálise Elasto-Plástica de Estruturas

Leia mais

Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes.

Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes. Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes. Interessado ARCTEC Arquitetura, Construções e Tecnologia. Rua Boulevard 28 de Setembro, 389, sala 312 Vila Isabel. Rio de Janeiro Junho, 2005. 1 ESCOPO.

Leia mais

&RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV

&RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV &RPSDUDomRH$QiOLVHGH5HVXOWDGRV A eficiência do modelo analítico, desenvolvido no presente trabalho para vigas reforçadas à flexão, é verificada através da comparação dos resultados numéricos obtidos com

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais