Índice dos gráficos e das figuras...pag. 3 Índice das tabelas...pag. 5 Índice das siglas...pag. 6 Agradecimentos...pag. 9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice dos gráficos e das figuras...pag. 3 Índice das tabelas...pag. 5 Índice das siglas...pag. 6 Agradecimentos...pag. 9"

Transcrição

1

2 Índice dos gráficos e das figuras...pag. 3 Índice das tabelas...pag. 5 Índice das siglas...pag. 6 Agradecimentos...pag. 9 de Gherardo La Francesca, Embaixador da Itália no Brasil...pag. 11 di Paolo Zegna, Vice Presidente de Confindustria para Internacionalização...pag. 12 a) Objetivo do trabalho e consideração metodológica...pag. 14 b) Aspectos gerais e características do Brasil...pag. 17 Presença italiana industrial e comercial no Brasil...pag Visão territorial...pag Perfil setorial...pag Planos de investimento públicos e privados em infraestrutura...pag pag pag

3 Gráfico 1 - Evolução das classes sociais 19 Gráfico 2 Idade média da população (total e por área) 19 Gráfico 3 Crescimento PIB % (p.a.) em termos reais 20 Gráfico 4 - Inflação (% fim período) 20 Gráfico 5 - Taxa Selic (% média anual) 20 Gráfico 6 - US$/R$ $ (de fim de período) 20 Gráfico 7 - Investimentos externos diretos no Brasil 24 Gráfico 8 - M&A realizadas das empresas por setores (total :1257) 24 Gráfico 9 - Progresso do número de empresas italianas censo 25 Gráfico 10 - Distribuição por Estados 25 Gráfico 11 - Distribuição por Setores 25 Gráfico 12 Composição do PIB por setores 29 Gráfico 13 - Composição do PIB por setores RJ 30 Gráfico 14 - Composição do PIB por setores MG 31 Gráfico 15 - Composição do PIB por setores BA 32 Gráfico 16 - Composição do PIB por setores SC 33 Gráfico 17 - Composição do PIB por setores PE 34 Gráfico 18 - Composição do PIB por setores ES 35 Gráfico 19 - Composição do PIB por setores PA 36 Gráfico 20 - Composição do PIB por setores AM 37 Gráfico 21 - Composição do PIB por setores MA 38 Gráfico 22 - Composição do PIB por setores MS 39 Gráfico 23 - Composição do PIB por setores DF 40 Gráfico 24 - Composição média dos RSU 48 Gráfico 25 - Quota de mercado jan-set Gráfico 26 - Matriz energética del Brasile (2010) 55 Gráfico 27 - Oferta de potência de geração elétrica em GW/ano (2010) 55 Gráfico 28 - Privatizações 55 Gráfico 29 - Capacidade instalada em GW 58 Gráfico 30 - Produção de petróleo (em milhares de barris/dia) 64 Gráfico 31 Rerseva de petróleo (em milhões de barris) 64 Gráfico 32 - Quota de mercado - Telefonia móvel Gráfico 33 - Quota di mercado - Pay TV

4 Gráfico 34 - Investimentos em infraestrutura 73 Gráfico 35 - Investimentos realizados entre 2003 e 2009, setor por setor, separados por fonte, (pública e privada) e em númerios relativos 73 Gráfico 36 Investimentos necessários vs planejados 73 Gráfico 37 - Investimento total público e privado em estrada e autoestrada (em R$ milhão) 74 Gráfico 38 Investimentos previstos do PAC2 ( ) (Total = US$ bilhão) 76 Gráfico 39 - Sistema bancário italiano no Brasil Exposição consolidada (bi de US$) 88 Gráfico 40 - Créditos fornecido pelo AOI/BNDES (bilhão de R$) 89 Gráfico 41 - Andamento dos IED do Brasil no último decênio - Fluxos de entrada esaída em bi de USD 100 Gráfico 42 - Principaia Países investidores (bi de USD) 101 Gráfico 43 - Principais destinos do IED (bi de USD) 101 Gráfico 44 - Fluxo de investimentos Brasil-Itália e Itália-Brasil Fig. 1- Subdivisão regional e importância econômica relativa 19 Fig. 2 Articulação territorial das indústrias alimentícias no Brasil 44 Fig. 3 Articulação territorial das empresas automobilística no Brasil 51 Fig. 4 Localização depósito de Campos, RJ 65 Fig. 5 - Mapa do tráfego aeroportuário 74 Fig. 6 Portos brasileiros 75 Fig. 7 - Sistema ferroviário brasileiro 75 Fig. 8 Investimentos em infrastrutura para Fifa Fig. 9 - Investimentos em estádio e arenas para Fifa Fig.10 - Área do Rio de Janeiro afetada pelas Olimpíadas Fig.11 - Difusão multinacional brasileira a nível mundial 107 5

5 Tab. 1 - Classificação da renda familiar 19 Tab. 2 - Principais impostos para empresas no Brasil 21 Tab. 3 - Principais importações por País 23 Tab. 4 - Principais exportações por País 23 Tab. 5 Balança de pagamentos Brasil Itália 23 Tab. 6 - Indicatores do setor alimentício i 43 Tab. 7 - Principais segmentos do setor alimentício 44 Tab. 8 - Principais projetos no Estato de S. Paulo 49 Tab. 9 - Oportunidade de desenvolvimento para empresas italianas 50 Tab Localização e tipologia dos estabelecimentos 51 Tab. 11 Parque eólico no Brasil 57 Tab Produção material lapidado (em toneladas) 59 Tab Evolução do mercado brasileiro de material lapidado (em ton.) 60 Tab Previsão de consumo de combustível derivado do petróleo no Brasil 65 Tab Projeção da entrada em produção das novas piataformas no Brasil ( ) 65 Tab. 16 Os mais importantes grupos de telecomunicações presentes no Brasil 66 Tab Principais tributos do setor 66 Tab Articulação teritorial da produção textil no Brasil 69 Tab Movimento em alguns dos principais portos 75 Tab Investimentos previstos do PAC2 no setor de energia 76 Tab Investimentos previstos do PAC2 Minha Casa, Minha Vida 77 Tab Investimentos previstos do PAC2 Cidade Melhor 77 Tab Investimentos previstos do PAC2 Luz para Todos 78 Tab Investimentos previstos do PAC2 Comunidade Cidadã 78 Tab Investimentos previstos do PAC2 no setor de logística 79 Tab Investimentos classificados por dimensões 80 Tab Investimentos previstos para as Olimpíadas Tab. 28 As convenções SACE para as PME 87 Tab. 29 Principais produtos e programas do BNDES para as PME 90 Tab IED do Brasil classificados por setor 103 Tab M&A dol Brasil classificado por setor 104 Tab. 32 Setores de Incidência 104 Tab Principais M&A América Latina Tab IED do Brasila classificados por País Tab Principais multinacionais brasileiras 107 Tab. 36, 37, 38 Empresas brasileiras na Itália, características 108 6

6 ABC Regiião metropolitana de São Paulo - deriva dal localização de IASC International Accounting Standars Committee - Comitê relativo Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul IBC Índices do Banco Central brasileiro ABDID Associação brasileira de infraestrutura e das indústrias de base IBGE Instituto brasileiro de geografia e estatística (similar ao ISTAT) ABIA Associação brasileira das indústrias de alimentação ICMS Imposto sobre circulação de mercadorias e de serviços (similar ao IVA) ABIQUIM Associação brasileira indústria petroquímica IDE Investimentps externos diretos/fdi ABIT Associação brasileira da indústria textil e da confecção IDH Índice de desenvolvimento humano ACOBAR Associação brasileira de costrutores de embarcações IE Instituto de estudos e marketing industrial ANATEL Agência nacional para a telecomunicaçãi (Brasil) II Imposto de importação ANFAVEA Associação nacional dos produtos de automóveis (Brasil) IIC Inter-American Investment Corporation Corporação interamericana para os investiementos ANTT Agência nacional para os trasportes terrestres (Brasil) INFRAERO Empresa brasileira de infraestrutura aeroportuária AOI / BNDES Área de operações diretas automáticas do BNDES INVEST-ES Programa de incentivos aos investimentos do Estato de Espírito Santo APL Estrutura de produção local IOF Imposto sobre operações financeiras ATA Admissão temporária em base a convenção aduaneira de Bruxelas (1961) IPCA Índice de preços ao consumo (inflação) BAHIAPLAST Programa de desenvolvimento da indústria de trasformação plástica do Estato de Bahia IPI Imposto sobre produtos industrializados BCB Banco Central do Brasil - Banca Centrale brasiliana IPPC / FAO International plant protection convention marcação fitosanitária sobre embalagens de madeira BH-TEC Parque tecnológico de Belo Horizonte IPTU Imposto sobre propriedade territorial urbana BID Banco interamericano de desenvolvimento IM Padrão internacional para medida fitosanitarias BNDES Banco nacional para o desenvolvimento econômico e social (Brasil) ISS Imposto sobre serviços BOT Build, operate and transfer ITA Instituto de avaliação técnica (MCMV) BRIC Países BRIC: Brasil, Rússia, Índia e China LAIA Latin American Integration Association Associação de integração Latinoamericana BRT Bus rapid transit LASEF Linha de atividades para promoção de financiamento às PME CAGR Compound annualal growth rate LEG Linha especial de crédito no Estato de São Paulo CIF Cost, insurance and freight (Codice Incoterms) relativo aos custos de trasporte, seguros e alfandegário LEP Linha especial de crédito parcelado no Estato de São Paulo IDC Internet data center LRT Light rail transit - sistema de trem rápido CITES Convenção para o comércio internacional por espécie em vias de extinção LTE Long term evolution CNI Confederação nacional das indústrias (Confindústria brasileira) M&A Mergers & acquisitions CNC Tornos multifuncionais automáticos MB Tratamento con brometo di metilio para madeira bruta CNH Case New Holland (Grupo FIAT) MCMV Minha Casa Minha Vida - programa para edificações populares do PAC CNPq Conselho nacionale do desenvolvimento tecnológico MDIC Ministério de Desenvolvimento da indústria e comércio (Brasil) CNS Companhia siderúrgica nacional MFN Most favourite Nation - cláusula da Nação mais favorita COFINS Contribuição para financiamento da segurança social F Multilateral investment fund - Fundo multilateral para os investimentos CPS Centro de políticas sociais da FGV SE Ministério para o desenvolvimento econômico (Itália) DATec Directica de autorização técnica (MCMV) MMA Ministéro do meio ambiente brasileiro DESENVOLVE Programa de desenvolvimento industrial e de integração econômica do Estato da Bahia MP Medida provisória DI Declaração de importação NCM Nomenclatura comum mercosul DSE Declaração simplificada para exportação (SISCOMEX) NPPO Organização nacional para proteção fitosanitaria DSI Declaração simplificada para importação (SISCOMEX) ONIP Indústria para-petrolífera do Brasil EPE Empresa de pesquisa energética PAC Programa de aceleração de crescimento ( ) ERP Planejamento dos recrursos das empresas (enterprise resource planning) PAC 2 Programa de aceleração de crescimento - segunda fase ( ) ETA Estação de tratamento de água PBQP-H Programa brasileiro de qualidade e produtividade do setot habitacional (MCMV) F&A Fusões e aquisições PCH Pequenas centrais hidroelétricas FDE Fundo de desenvolvimento econômico (Estato do Pará) PII Programa de incentivos às inovações FGI / BNDES Fundo de garantia para operações de crédito das PME PIL Produto interno bruto FGV Fundação Getulio Vargas - centro de estudos econômicos de excelência (Brasil) PIS Imposto federal para o programa de integração social FIE Federação indústrias do Estato de São Paulo Imposto federal para o programa de integração social e contribuição para o financiamento da segurança FIFA Federação internacional de futebol PIS COFINS social FOB Free on board (Código Incoterms) relativo aos custos dos trasporte, seguros e alfandegário PIS/Pasep Programa de formação para o patrimonio dos trabalhadores dependentes do setor público e privado FUNTTEL Imposta pelo fundo para o desenvolvimento tecnológico das telecomunicações PME Pequena e média emprese FUST Imposta pelo fundo de universalização dos serviços de telecomunicação PNBL Programa nacionale banda larga (Brasil) GDO Grande distribuição organizada PNUD Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento GEI Grupo Expoente italiano (representando as principais empresas italianas no Brasil) PPP Participação pública e privada GSTP Países com accordo alfandegário preferencial com o Brasil PROAU Programa especial de incentivos ao setor autoveicular do Estado da Bahia GW Gigawatt PROCOBRE Programa de desenvolvimento da extração dos minerais e trasformação do cobre do Estado da Bahia HT Tratamento térmico para madeira bruta PRODEC Programa de desenvolvimento das empresas do Estado de Santa Catarina IADB Inter-American Development Bank - Banco de Desenvolvimento Interamericano PRO-EMPREGO Programa a favor da criação do posto de trabalho International Accounting Standards / princípios contábeis internacionais IAS / IFRS International Financial Reporting Standards 7

7 PROGEREN / BNDES Programa para o financiamento do crescimento dos postos de trabalho das PME PROINFA Programa de incentivo às fontes alternativas de energia elétrica Pro-Informatica Programa de incentivos ao investimento dos produtos para o processamento eletrônico de dados no Estado de São Paulo Projeto Inventiva Projeto incentivo à inovação PROMARANHÃO Programa de incentivo à atividade industrial e tecnologica no Estado do Maranhão PRONP Mobilitzação nas indústrias nacionais de petróleo e do gás natural Pro-trens Programa de incentivos ao setor ferroviário no Estado di São Paulo Pro-Veiculo Programa de incentivos ao investimento ao produtor de veículos automotores no Estado de São Paulo PTN Acordo comercial entre alguns países em desevolvimento RADAR Sistema de detecção das práticas alfandegárias REI Registro importadores e exportadores REIDI Regime especial de incentivo para o desenvolvimento da infraestrutura RIOINDUSTRIA Financiamento de projetos industrial no Estado do Rio de Janeiro RIOINVEST Financiamento por investimentos infraestruturais no Estado do Rio de Janeiro RIOTECNOLOGIA Financiamento por trasferimento de teconologia e para os parques e polos tecnológicos no Estato do Rio de Janeiro RMR Região metropolitana de Recife (Pernambuco) ROE Return on equity - índice de lucro resultante do capital RSU Resíduos sólidos urbanos RSUI Resíduos sólidos urbanos e industriais SABE Sociedade mista responsável pelo fornecimento e o tratamento de água em 364 municípios do Estato de São Paolo SACE Sociedade italiana para o seguro de crédito a exportação SCF Structured and Corporate Finance Department Departamento do BID pela cobertura do risco de crédito e do risco político. SELIC Índice das taxas de interesse de mercado, utilizado ao ponto de referimento para a política financeira do Brasil SENAI Serviço nacional de aprendizado industrial (depende da CNI) SEP Secreteria especial dos portos (Brasil), da Presidência da República SEPLAN Secreteria de Estato de planejamento (cada Estato brasileiro tem uma) SIMEST Sociedade italiana para as empresas no exterior SINAT Sistema nacional de avaliação técnica dos produtos inovadores (MCMV) SINDIPECAS Sindacato nacional da indústria de componentes para automotivos SISCOMEX Sistema integrado de comércio externo do MDIC SNEA Sindacato nacional das empressa aeroviárias 8

8 Este trabalho, coordenado d por Ci Cristiano Musillo, Conselheiro Econômico e Comercial da Embaixada da Itália em Brasília epor Marco Curatella, Sócio KPMG Advisory no Brasil, foi realizado através da colaboração de: Donatella Di Virgilio, Funcionário Econômico e Comercial Marco Felisati, Vice Diretor Área Politíca Industrial Europa e Internacionalização Annalisa Bisson, Coordenadora Missões Internacionais Giovanni Dioguardi, Responsável América Latina Lorenzo Atzeni, Senior Manager Auditoria Rosamaria Nicotra, Consultora Marilia Minussi, Consultora Carlo Manconi, CEO LatAm Giovanna Bruno, Consultora Um especial agradecimento a: Antonio Alessandro, Conselheiro Econômico da Embaixada da Itália em Brasília, pelo os inputs iniciais Giorgio Trebeschi, Adito Financeiro do Banco Central da Itália no Brasil, pelos dados macroeconômicos Giovanni Sacchi, Diretore da Seção Destacada do Departamento Econômico da Embaixada - ex Escritório ICE de São Paulo, pelas informações setoriais Agradecemos: Paolo Cussotto, Peritos da Guarda de Finanças no Brasil, Guido Grattapaglia, Assistente Comercial da Embaixada da Itália em Brasília, Giacomo Guarnera, Studio Legale Guarnera, Marco Contardi EUPolis Lombardia, SACE, SIMEST, BID, BNDES, CNI, SENAI, SEBRAE, FIE, Estado de Pernambuco, Adler Group, Azimut Benetti, Enel Green Power, ENI, Ferrero, Fiat Group, Fondazione Case Popolari, Impregilo, Intesa San Paolo, Saipem, TIM, Ubi Banca, Unicredit Group. 9

9

10 É com grande prazer que apresento este trabalho resultado de uma cooperação sinérgica entre atores importantes do Sistema Itália engajados com o Brasil, coordenado pelo Ministério das Relações Exteriores: Confindustria (União das Indústrias), rede consular, o ex escritório ICE (Instituto de Comércio Exterior) de São Paulo, o adito financeiro do Banco Central da Itália, em colaboração com as duas empresas de consultoria e auditoria KPMG e Value Team. O estudo constitui um formato de análise de mercados estrangeiros e das oportunidades presentes para o nosso sistema empresarial que podem ser replicados em outros países. O modelo que surge é composto, de fato, por uma fotografia das empresas italianas, uma análise territorial (regiões ou Estados que contribuem de maneira mais significativa para a formação do PIB) e dos setores que impulsionam a economia, uma resenha dos principais planos de desenvolvimento e de investimento nacionais e pela contribuição dos incentivos e das linhas de crédito disponíveis para as nossas PME. Nas conclusões, em seguida, apresenta-se uma correspondência entre regiões e estados economicamente mais promissores eaexcelência que a nossa estrutura t empresarial possui, a fim de identificar, através da análise declusters industriais i i consolidados d ao longo do tempo, as possíveis linhas de desenvolvimento industrial adicionais. O modelo encontra uma primeira aplicação na indústria automobilística com o objetivo de acompanhar os fornecedores da Fiat que estão se implantando na região nordeste do Brasil a fim de seguir o investimento do grupo de Turim no estado de Pernambuco. O projeto piloto concentra-se nas áreas de formação, técnico-profissional e pós-graduação, que prevê a criação de um centro de alta performance da entidade brasileira para formação profissional (SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), e identifica, em colaboração com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, SACE (Sociedade para serviços de seguro de comércio exterior), SIMEST (Sociedade italiana para as empresas mistas no exterior), o BNDES (Banco nacional do desenvolvimento) e o Banco do Nordeste, linhas de crédito disponíveis para as nossas PME. Através desta abordagem - replicável, como mencionado, seja em outros setores da economia seja em outros países se enfrentam dois gaps fundamentais da economia brasileira: educação e acesso ao crédito e se fornece apoio institucional de referência às nossas PME que constituem a experiência mais tradicional e inovadora da história e da economia italiana. Gherardo La Francesca, Embaixador da Itália no Brasil 11

11 A internacionalização das empresas italianas, principalmente as pequenas e médias, precisa de ferramentas atualizadas, eficazes e orientadas para as suas exigências. A colaboração entre a Confindustria, o Ministério das Relações Exteriores, a Embaixada da Itália no Brasil, o sistema consular e o ex escritório ICE em São Paulo, assistidos pela KPMG e ValueTeam, atende a essa necessidade, fornecendolhes um instrumento de alto valor agregado para auxiliar a obter o máximo proveito das oportunidades comerciais, de investimento e de colaboração industrial no Brasil. A análise não se restringe à individualização dos setores onde a maioria dos investimentos italianos concentram-se, vai além, verificando a existência de redes de empresas italianas, observando até que ponto as grandes companhias têm impulsionado as PME e explorando o interesse do mercado brasileiro, de maneira a identificar prospectivamente para cada setor industrial italiano a destinação mais adequada em termos de localização geográfica, incentivos fiscais, aduaneiros, a vocação da estrutura industrial e programas de desenvolvimento econômico. O estudo de caso sobre a indústria automotiva, e suas potencialidades para clusters de PME italianas fornecedoras, representa efetivamente a abordagem concreta e pragmática deste trabalho. A intenção da Confindustria é de que tal metodologia venha afinada para ser também aplicada em outros países e áreas econômicas de interesse estratégico para apoiar os esforços das várias empresas nacionais que visam ao exterior. Paolo Zegna, Presidente da Confindustria para a internacionalização 12

12

13

14 O objetivo deste E-Book é oferecer aos empreendedores italianos um instrumento simples e de rápida consulta, de uso prático às suas decisões estratégicas dentro dos mercados brasileiros. A primeira edição foi elaborada em 30 de setembro de 2011 e apresentada, na versão italiana, por ocasião da V Conferência Itália América Latina em Roma em 5 de outubro de Esta versão inclui atualizações de dados econômicos e setoriais, a introdução do perfil de dois novos estados, o Pará e o Distrito Federal, além do censo das empresas italianas até o 5 de março de A possibilidade de investimento para as nossas PME são apresentadas por meio de uma visão territorial e um foco setorial, que facilita a leitura na formulação de pontos de reflexão para futuras oportunidades. A breve descrição dos principais aspectos que caracterizam o contexto sócio-econômico do Brasil nos últimos anos é funcional para introduzir a "fotografia da atual presença italiana no Brasil. A Embaixada da Itália em Brasília tem pesquisado, contatado e entrevistado quase 520 empresas italianas que, com suas filiais no território (cerca de 700 estabelecimentos no total), têm contribuído ao longo dos anos com a oferta de empregos, know-how e produtos e serviços de qualidade, participando ativamente no crescimento econômico do país. O censo das empresas não é em si exaustivo, uma vez que considera apenas as empresas com uma matriz industrial na Itália e, portanto, não inclui trading companies ou empresas constituídas por imigrantes italianos no Brasil. Devemos, então, enfatizar que a concentração da presença italiana é aqui apresentada apenas em termos de número de empresas e não o volume de capital investido. A principal contribuição em termos de conteúdo sobre os aspectos chaves da implantação no Brasil, foi fornecida pelas empresas italianas contatadas, às quais foi feita uma entrevista por telefone que permitiu uma visão mais abrangente da presença italiana no Brasil, proporcionando um estímulo para continuar a desenvolver uma análise mais detalhada. A partir das informações fornecidas pelas empresas que aderiram ao projeto de mapeamento foi possível desenhar um quadro de estados e setores que, historicamente, atraíram mais capital italiano. Considerando a dimensão do território brasileiro, os Estados do Sul-Sudeste (São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), tradicionalmente mais industrializados, também apareceram como os principais destinos de investimentos italianos. Colocou-se atenção sobre alguns estados do Norte-Nordeste N t (Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco), que apresentam um crescimento significativo em termos do PIB, oferecendo incentivos e apoio para as empresas que pretendam investir em seus territórios e para desenvolver uma série de projetos relacionados à formação de novos clusters industriais.. 15

15 Do ponto de vista setorial, no entanto, emerge uma significativa presença de empresas italianas no âmbito da indústria mecânica, com seus variados segmentos. O estabelecimento de alguns grandes grupos, tais como Fiat, Pirelli, Ferrero, Finmeccanica, TIM, Benetti Azimut, Ternium Techint, Eni, Enel, M Mossi & G, Impregilo, Atlantia, Luxottica, Generali, Marcegaglia, Danieli, Tecnimont Maire, Campari, Alitalia, Almaviva, Ghella, Natuzzi, Maccaferri, Prysmian consolida o panorama industrial em áreas onde o efeito de "Made in Italy" desempenha um papel fundamental. Por fim, outras áreas são apresentadas com perspectivas interessantes para as empresas italianas no contexto de competências específicas ou de nicho.digno de nota é o papel de representantes dos principais grupos italianos no Brasil, os quais participaram na revisão de fichas setoriais. O documento continua, fornecendo um quadro descritivo dos planos de investimento em infraestruturas públicas e dos projetos em curso relacionados aos grandes eventos esportivos de 2014 (Copa do Mundo) e 2016 (Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro). Para atender à necessidade de apoio financeiro ao investimento no Brasil, dedicou-se uma seção para as linhas de crédito e incentivos existentes no país, mas também ofertas das por instituições financeiras italianas. Como complemento ao conteúdo proposto foi inserido em apêndice uma análise dos investimentos brasileiros no exterior, editado pela Confindustria, visando delinear o começo de uma tendência de expansão das empresas e instituições deste país, para a Europa (e assim, a Itália), mostrando mais um sinal do fortalecimento de sua economia. Finalmente, apresenta-se no Apêndice um breve guia à exportação, como guia para a distribuição de produtos no Brasil, realizado inclusive com inputs de algumas das empresas pesquisadas. As informações necessárias para preparação deste texto, além de contato direto com as empresas, foram obtidas através de consultas a mais de 500 sites especializados e à colaboração de organismos institucionais, organizações e associações que fizeram disponíveis os dados e publicações. 16

16

17 É o maior país da América do Sul (o quinto maior do mundo): 8,5 milhões km 2, dos quais 5,76 é cobertos por florestas (Fonte: IBGE) Capital: Brasília Sistema jurídico: República Federal, presidencialista PIB (2010): cerca de US$ 2,09 trilhões, sétima economia mundial (Fonte: IBGE) Composição PIB (2010): agricultura 5,77%, indústria 26,82%, A flutuação da taxa de câmbio e da inflação têm sido mantidas sob controle por mais de 10 anos. Possui um estável sistema de mercado financeiro e um mercado de capitais em forte desenvolvimento (Market Cap: US$ bilhões, 57% do total da América Latina e quarta entre os Países emergentes - World Federation of Exchanges, julho 2011; Número de agências bancárias: (BCB,setembro 2011) O Brasil foi promovido a investment grade em 2008 pela Standard & Poor s (BBB - ), Fitch Ratings (BBB - ) e em 2009 pela Moody s (Baa3). Seu parque industrial é altamente desenvolvido, com tecnologia de ponta em setores específicos (ex. petróleo, biodiesel, aeronáutica etc.) serviços 67,41%. (Fonte: IBGE) A estabilidade econômica está formando uma classe média consistente e dedicada ao consumo, principalmente nos grandes aglomerados urbanos. PIB per capita em US$: ,76 Moeda: Real (R$/US$ = 1,67 câmbio médio 2011) (Fonte: BCB) Inflação: 5,91% em 2010; para o período esperase um declínio gradual para a meta de 4,5%.(Fonte: BCB) Taxa Selic, 9,75% (reunião COPOM 7//3/12) (Fonte: BCB) Reserva Internacional (dez 2011): US$ 352 bilhões, sexta maior do mundo (Fonte: BCB) Saldo balança dos pagamentos: em 2011, US$ 29,8 bilhões; em 2010 US$ 20,16 bilhões (Fonte: BCB) População (2010): 192 milhões de habitantes (Fonte: IBGE) IDH: 0,718, (84 o lugar sobre 187 em 2011) 27 Estados e municípios O Sudeste é a região que apresenta a maior concentração em termos de atividade industrial e financeira. Como um grande produtor de commodities, a economia brasileira está se beneficiando do boom mundial dos preços das matérias primas. A descoberta de reservas petrolíferas offshore pré-sal dos últimos 2-3 anos, que exigem perfurações em águas profundas, permitirá ao País alcançar a auto suficiência energética, apesar das perspectivas de crescimento elevado, está sendo integrado numa matriz energética diversificada e altamente baseada em energias renováveis. O Brasil desenvolveu intensivamente tecnologias locais para as energias alternativas (ex. etanol, biodiesel etc.) O Brasil sediará a FIFA World Cup em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016 (Rio de Janeiro) Há uma rede de acordos fiscais internacionais, inclusive com a Itália. Os códigos civil e comercial pertencem à tradição do direito romano. Observa-se uma tendência de convergência com as normas internacionais de contabilidade (IAS/IFRS). Não faz parte da OCDE, portanto algumas regras fiscais (ex. transfer prices) não são totalmente alinhadas às normas internacionais. Possui, todavia, um bom nível de automatização financeira e controles fiscais (ex. faturas transmitidas em formato eletrônico / online - ED). 18

18 População: 16 milhões (8%) PIB per - capita: US$ 6,880 5% do PIB População: 14 milhões (7%) PIB per - capita: US$ 14, % do PIB População: 28 milhões(14%) PIB per - capita: US$ 12,963 16,5% do PIB Fonte: IBGE Síntese de Indicadores Sociais 2010 PIB 2008, ajustado pela taxa média de crescimento das áreas e da taxa de câmbio média esperada para ,65R$ /US$ População: 54 milhões (28%) PIB per - capita: US$ 5, % do PIB População: 80 milhões (42%) PIB per - capita: US$ 15, % do PIB São Paulo (19.7 milhões) São Paulo Rio de Janeiro (11.6 milhões) Rio de Janeiro Belo Horizonte (5.1 milhões) Minas Gerais Porto Alegre (4.1 milhões) Rio Grande do Sul Salvador (3.8 milhões) Bahia Recife (3.8 milhões) Pernambuco Fortaleza (3.6 milhões) Ceará Brasília (3.5 milhões) Distrito Federal Curitiba (3.3 milhões) Paraná 38% 40% 42% 45% 47% 49% 50% 27% 27% 27% 26% 25% 24% 24% 28% 25% 23% 19% 8% 8% 8% 9% 10% 10% 11% Fonte: IBGE Síntese de Indicadores Sociais % 16% 15% A/B C D E 6,745-5,174 4,324-3,317 5,174-1,200 3, Fonte: FGV - CPS 2011 Cambio: US$ 1 = R$ 1,65 Fonte: IBGE Síntese de Indicadores Sociais 2010 Fonte: IBGE Síntese de Indicadores Sociais

19 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 10 1,0 0,0-1,0 7,5 5,7 6,1 5,2 4,0 3,2 3,6 3,7 4,3 4,5 4,5 11 1,1-0,6 O crescimento do PIB de 2009 foi afetado pela crise econômica global Variaçãoreal 2011: +2,9% Crescimento médio % do PIB ( ), em termos reais: 4,1% Aumento em é devido à crescente demanda de commodities Para , é esperada uma taxa de inflação de cerca de 4,5% Fonte: Banco Central do Brasil Data base: Setembro/2011 As taxas de interesse apontam uma tendência de longo período de gradual redução. Fonte: Banco Central do Brasil Data base: março2012 A crise global em 2008 interrompeu a tendência de valorização do R$ sobre US$, que se recuperou ao longo de 2009, mantendo- se estável até agosto de

20 O Brasil é caracterizado pela complexidade de seu sistema fiscal. Os múltiplos impostos e tributos são articulados em três níveis: federais, estatais e municipais. A taxação pode variar significativamente de Estado a Estado. Além do Imposto de Renda e Contribuições Sociais e ao ICMS (Imposto sobre circulação de mercadorias e serviços, um imposto indireto, substancialmente equivalente ao IVA), é possível identificar os seguintes impostos adicionais indiretos: Imposto sobre produtos industrializados (IPI) Programa de integração social (PIS) Contribuição para o financiamento da seguridade social (COFINS) Imposto sobre Serviço (ISS) Imposto sobre Operações Financeiras i (IOF) Variável 0, o Fonte: KPMG A questão de Transfer Pricing apresenta uma importância crítica. O Brasil oferece numerosos incentivos de natureza fiscal (tratado separadamente neste documento): aqueles relacionados à localização geográfica dos investimentos (por exemplo no Norte e no Nordeste do País) e aqueles de caráter puramente industrial (por exemplo para os investimentos t em infraestrutura t e extração de petróleo tól e de gás). No Brasil a matéria fiscal desempenha um papel chave no sucesso do negócio e nas decisões de investimento no Brasil. 21

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papeldo BNDES napromoçãodo desenvolvimento econômico e social do Brasil IV Fórum Internacional de comunicação e sustentabilidade Brasília, 26 de maio de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente A Copado Mundode 2014, as Olímpiadasde 2016 e os gargalos da nossa infraestrutura Diálogos Capitais Rio de Janeiro, 7 de dezembro de 2010 Luciano Coutinho Presidente A trajetória recente da economia brasileira

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

RECIFE, JULHO DE 2012 SECRETERIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

RECIFE, JULHO DE 2012 SECRETERIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO RECIFE, JULHO DE 2012 7,10% CONSTRUÇÃO CIVIL 14,80% 5,50% 26,10% 15,60% 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: FMI/Ceplan * Primeiro Trimestre Área geográfica 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012* Mundo 4,8

Leia mais

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos:

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos: Setor Siderúrgico 1 O setor siderúrgico brasileiro passou por profundas transformações na década de 90, tendo como principal elemento de mudança o processo de privatização do setor, que desencadeou, num

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Pq do Ibirapuera, São Paulo/ SP Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Banco Caixa Geral Brasil S.A. /Grupo Caixa Geral de Depósitos Out/2009 A Economia Brasileira 2 A Economia Brasileira SEDE BCG-Brasil:

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Seminário Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira. Lisboa, 21 de Janeiro de 2014

Seminário Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira. Lisboa, 21 de Janeiro de 2014 Seminário Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira Lisboa, 21 de Janeiro de 2014 Brasil Desafios e Oportunidades I. Caracterização do país II. Principais dados macroeconómicos III. Porquê Brasil

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS

INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS DIRETORIA DE GESTÃO DE FUNDOS E INCENTIVOS E DE ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS Coordenação-Geral de Incentivos e Benefícios Fiscais e Financeiros INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS 1º DE JANEIRO DE

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Principais Benefícios Fiscais Relacionados à Copa do Mundo e aos Jogos Olímpicos. CIESP - Campinas Workshop - (25.10.2012)

Principais Benefícios Fiscais Relacionados à Copa do Mundo e aos Jogos Olímpicos. CIESP - Campinas Workshop - (25.10.2012) Principais Benefícios Fiscais Relacionados à Copa do Mundo e aos Jogos Olímpicos CIESP - Campinas Workshop - (25.10.2012) Benefícios Fiscais relacionados à Copa do Mundo no âmbito Federal RECOPA Lei nº

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Integração de Cadeias Produtivas Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Agenda 1. Crescimento do Mercado Consumidor e Ascensão da Classe Média 1. Áreas de Investimento e Adensamento

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 2011 Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) Diretoria de Inovação (DRIN) Departamento de Acompanhamento (DAC) PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 Janeiro/2011

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Automotivo. setores de negócios

Automotivo. setores de negócios setores de negócios Automotivo Mais de 40% das fábricas do complexo automotivo do Brasil encontram-se em São Paulo, berço da indústria automobilística nacional. As principais empresas instaladas no Estado

Leia mais

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil A ABIPLAST representa as empresas de transformação de material plástico ( 3ª geração ) e as Industrias de Reciclagem de Material Plástico.

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação

Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação Rodrigo Garcia Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência,Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo www.desenvolvimento.sp.gov.br Brasil Contexto

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Infraestrutura no Brasil

Infraestrutura no Brasil www.pwc.com.br Infraestrutura no Brasil Como agregar valor e gerenciar a complexidade de ativos de capital, programas ou portfólios de médio a grande porte (greenfield ou brownfield). O contexto de infraestrutura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES A CONSTRUÇÃO CIVIL PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E RESIDENCIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL É UM DOS

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Título do Trabalho Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação São Paulo 05.11.2010 Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa ABRIL 2.013 A Carreira Muller ESTUDO REEMBOLSO QUILOMETRAGEM ABRIL 2013 As melhores soluções para sua empresa A Carreira Muller é uma empresa de consultoria empresarial que desenvolve e implanta soluções

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística

1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014. Logística 1ª Avaliação Parlamentar Copa do Mundo 2014 Logística Economia Brasileira Gráfico 1 Crescimento Econômico Brasileiro e Mundial PIB 2002 a 2016 (em %) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 7,5 61 6,1 5,7 4,6 5,3 5,2

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Marcos Cintra Subsecretário de Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Outubro/2013 Brasil 7ª

Leia mais

A COPA DO MUNDO NOSSA

A COPA DO MUNDO NOSSA A COPA DO MUNDO E NOSSA SANTA E BELA CATARINA Multifacetada e rica em oportunidades para a Copa do Mundo 2014! Oportunidades Copa 2014 Em 2014 o Brasil terá uma oportunidade única para mostrar ao mundo

Leia mais

MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO. Seminário LIDE Abril de 2012

MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO. Seminário LIDE Abril de 2012 MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO Seminário LIDE Abril de 2012 A NOSSA MINAS GERAIS MINAS EM NÚMEROS América do Sul 588.000 KM² DE TERRITÓRIO. Brasil MAIOR DO QUE PAÍSES COMO A FRANÇA, SUÉCIA E ESPANHA.

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL BRASILEIRA À CHINA 2010. CANTON FAIR e EXPO SHANGHAI 2010. De 11 a 23 de outubro

MISSÃO EMPRESARIAL BRASILEIRA À CHINA 2010. CANTON FAIR e EXPO SHANGHAI 2010. De 11 a 23 de outubro MISSÃO EMPRESARIAL BRASILEIRA À CHINA 2010 CANTON FAIR e EXPO SHANGHAI 2010 De 11 a 23 de outubro A Missão Empresarial Brasileira à China 2010 fez parte do Programa de Ações Integradas de Promoção Comercial

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Diretoria de Negócios Internacionais Setembro/2013 Banco do Brasil. Do Brasil para o mundo. Do mundo para o Brasil O Banco do Comércio

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Ações MEI Políticas de caráter horizontal (incentivos fiscais, crédito, melhoria de marcos regulatórios); Políticas para setores estratégicos;

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO PAC 2 ATÉ OUTUBRO DE 2014 R$ 1,009 trilhão 91,3% do previsto até 2014 ATÉ DEZEMBRO DE 2014 R$ 1,066 trilhão 96,5% do previsto até 2014 PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

Leia mais

Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Ministério da Integração Nacional

Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Ministério da Integração Nacional Fundo de & Incentivos Fiscais Finalidade Assegurar recursos para investimentos na área de atuação da SUDENE, em infra-estrutura e serviços públicos e em empreendimentos produtivos com grande capacidade

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais