Marcio Luiz de Castro Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcio Luiz de Castro Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças"

Transcrição

1 IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: UM ESTUDO COMPARATIVO Marcio Luiz de Castro Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças Hercules Vander de Lima Freire Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças Cesar Ricardo Maia de Vasconcelos Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças Moises Brasil Coser Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade, Economia e Finanças Resumo O objetivo desta pesquisa é o de conhecer, por meio de um estudo comparativo, as evidências empíricas entre cinco hospitais de médio e grande porte dispersados geograficamente pelo país no período de Na oportunidade, identificar qual deles obteve a melhor relação custo/benefício na operacionalização de implantação de um sistema de informação e, depois de obtido esse resultado, efetuar a transcrição da metodologia/estratégia usada pelos administradores da instituição. Além disso, identificar os resultados econômico-financeiros que outras três instituições hospitalares auferiram com a implantação de um sistema de informação em termos de redução de custos. Os resultados apresentados evidenciam que investimentos em sistema de informação na área hospitalar produzem bons resultados, tendo em vista a possibilidade de minimização dos seus custos através de um melhor tratamento das informações. Espera-se que este estudo contribua com os administradores hospitalares, que ainda não tiveram a oportunidade de optar pela aquisição de um sistema de informação, no sentido de alertá-los sobre o bom desempenho de um investimento nessa área e que a estratégia/metodologia de implantação usada pelo hospital pesquisado e descrita neste trabalho, venha contribuir para minimizar as dificuldades de implantação de sistemas, não somente na área hospitalar, mas em outros setores da economia. INTRODUÇÃO O cenário das empresas prestadoras de serviços em saúde, onde o desenvolvimento tecnológico e o custo dos equipamentos de diagnósticos vêm contribuindo para o aumento das despesas hospitalares e, com isto, elevando os custos finais dos procedimentos médicos, tem sido objetivo de vários estudos. Adicionado a esta reflexão, um outro ponto que se observa na administração hospitalar é o posicionamento dos empreendedores da área médica. Iniciativas individuais ou de pequenos grupos fez surgir um número expressivo de clínicas prestadoras de serviços orientadas para a qualificação dos fundadores. Alguns desses núcleos, sem infraestrutura adequada, cresceram e se transformaram em hospitais fazendo com que o mercado experimentasse o desconforto pelo excesso de oferta de leitos e dos serviços direcionados a prevenção e recuperação da saúde. Com este excedente, as clínicas especializadas não encontraram dificuldades em selecionar os melhores e mais lucrativos procedimentos, cabendo aos hospitais gerais de grande porte as ações de maior complexidade, que, quase sempre, tem custos superiores às receitas geradas. 1

2 Hospitais de médio e grande porte, de acordo com as experiências dos autores, não têm em suas estruturas um sistema de informação e de comunicação capaz de gerenciar, de forma efetiva, os seus custos indiretos, impossibilitando-os, assim, montar estratégias com as informações criadas pelo próprio sistema de informação. As despesas indiretas, segundo Ching (2001, p. 63), "que antes representavam cerca de 5% dos custos totais, hoje respondem por 35% a 70% desses mesmos custos, devidos, entre outras coisas, à crescente automatização, manutenção e depreciação dos equipamentos. Desta forma na busca de uma solução operacional, táticas e estratégicas para os problemas cotidianos, os gestores hospitalares procuram por meio da implantação de um sistema tecnológico adaptado, obter informações preponderantes ao processo da tomada de decisões. Entretanto, o grande desafio está na procura por um sistema de informação que satisfaça, além dos benefícios, os custos de implantação. Para aperfeiçoar seus serviços e operações, aumentar sua rentabilidade e conseqüentemente seus lucros e sua participação no mercado, os hospitais necessitam planejar estrategicamente a aplicação e, com mais propriedade, a utilização dos recursos informatizados dos sistemas de informação existentes. Afinal, uma estratégia formulada com eficácia ordena, integra e aloca os recursos, capacidades e competências da empresa para que esta possa enfrentar com êxito o seu ambiente externo e interno. Por sua vez, os recursos em sistemas de informação são significativamente dispendiosos para serem desperdiçados. As empresas devem procurar um retorno de investimento no mínimo razoável sobre estas ferramentas para poderem suportar as suas estratégias de negócios e atingirem os objetivos propostos. Não obstante, devemos, antes de qualquer coisa, considerar o inquestionável custo de tecnologia da informação. Qualquer tecnologia é cara se não for planejada e utilizada (CRUZ apud BALDUCCI, 2001, p.7). No Brasil, por exemplo, a implantação de sistemas de informação em hospitais tem sido relativamente recente. Os sistemas hospitalares quando existem, limitam-se ao controle de assuntos administrativos, garante o Presidente da MV Sistemas, Paulo Maguns. Segundo Maguns, (2001): a área de saúde está apenas engatinhando. No geral, são poucos os modelos de gestão eficientes; os colaboradores possuem pouca qualificação e baixo conhecimento da necessidade de integração das informações entre os diversos setores; e os investimentos em gestão, treinamento, tecnologia da informação e automação são completamente insuficientes. O resultado disso é que as instituições menos desorganizadas ainda convivem com um alto descontrole, desperdício de insumos superior a 15%, perdas de faturamento superiores a 10%, baixa qualidade no atendimento aos clientes e absoluto desconhecimento dos seus custos. Assim diante das deficiências relatadas acerca das ações nos hospitais e a necessidade emergente de se oferecer um plano adequado aos anseios da comunidade (médicos, pacientes gestores e demais profissionais da saúde) torna-se necessário apresentar as seguintes questões de pesquisa: 1 - Qual a metodologia mais adequada para implantação de um sistema de informação objetivando o melhor custo-benefício? 2 - Quais foram os resultados auferidos com reduções de custos por instituições hospitalares com a implantação de um sistema de informação? Assim sendo, o objetivo deste artigo na primeira questão pesquisa é o de comparar entre cinco hospitais de médio e grande porte dispersados geograficamente pelo país, qual deles obteve a melhor relação custo/benefício com a metodologia/estratégia usada na 2

3 implantação de um sistema de informação e efetuar transcrição da estratégia usada em forma de modelo. Na segunda questão pesquisa é o de identificar quais foram os resultados auferidos com reduções de custos que três outros hospitais obtiveram após a implantação de um sistema de informação. Espera-se que este estudo contribua no sentido de prover informações às instituições hospitalares que ainda não optaram pela implantação de um sistema de informação, sobre o bom desempenho de um investimento nesta área, possibilitando assim reduções dos custos hospitalares influenciado pelo melhor tratamento das informações. Outro aspecto importante desse trabalho é no sentido de contribuir para desenvolvimento da literatura hospitalar já que são poucos os trabalhos hoje publicados nesta área. ASPECTOS CONCEITUAIS Hospital é um tipo específico de estabelecimento de saúde, constituindo-se em uma parcela significativa de toda a infra-estrutura de serviços de atenção à saúde. Inclui-se neste contexto, os postos e os centros de saúde, as policlínicas, os pronto-socorros e os ambulatórios a disposição da população. Diferencia-se dos demais estabelecimentos de saúde, pela possibilidade de oferecer leitos para internação de pacientes. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), hospital é: [...] parte integrante de uma organização médica e social, cuja missão consiste em proporcionar às populações uma assistência médico-sanitária completa, tanto curativa como preventiva, e cujos serviços externos irradiam até o âmbito familiar é também um centro de formação de pessoal, médico-sanitário e de investigação biossocial. (ANÁLISE SETORIAL, 1999). Segundo Martins (2000, p. 23), os hospitais são considerados perante o mercado empresa prestadora de serviços na área da saúde, tendo como principais compradores de seus serviços, as administradoras de planos de Saúde, as pessoas físicas e o SUS. No contexto atual das organizações, com ênfase na hospitalar, onde se busca a redução de custo diretos e indiretos, as ferramentas de informação e comunicação internas tornam-se indispensáveis. Parece mesmo um fator essencial de desenvolvimento e de progresso da empresa. Vasconcelos salienta (1999, p. 132), que: o sistema de informação tornou-se o coração da competitividade da organização, se ele para de funcionar aparecerão problemas de qualidade, os custos não serão mais seguidos, os prazos de reação às demandas dos clientes ou de inovação se prolongarão... Na mesma linha de raciocínio Palloni et al apud Sanches (1997, p. 76) destaca que sistema de informação é todo e qualquer sistema (conjunto de partes coordenadas com vistas à realização de um propósito) que processe dados em informações em que produza resultados para um fim específico. Logo, que propicie informações úteis, difundidas ao bom momento, a boa pessoa, sob a boa forma para a boa tomada de decisão, com vistas a permitir as organizações o cumprimento de seus principais objetivos PADOVEZE (2000, p.42). Nessa visão de oportunidade econômica, as trust networks (rede de confiança) e as advice networks (redes de consultas) e neste caso, em especial, a Internet, baseada nas tecnologias avançadas da informação, da informática e das telecomunicações, a rede das redes triunfa nos domínios da pesquisa e se exporta progressivamente dentro do setor industrial, comercial e de serviços. A este fator, acrescenta que face às condições atuais de mudança da atividade das empresas, a vida útil de um impresso diminui de forma tão rápida que, em muitos casos, este fica obsoleto antes mesmo de chegar nas mãos do destinatário. 3

4 Sistema ERP (enterprise resource planning) Não há uma definição precisa do que seja planejamento de recursos empresarias (enterprise resource planning, ou ERP). Para atender o objetivo deste estudo vamos considerá-lo um software que permite as empresas automatizar e integrar seus processos de negócios, abrangendo finanças, logística, produção, controladoria, recursos humanos; compartilhar dados e automatizar processos; produzir e utilizar informações em tempo real. Colangelo Filho (2001, p.23) concentra-se no apoio a processos empresariais envolvidos nas operações de uma empresa. Os sistemas ERP surgiram explorando a necessidade de rápido desenvolvimento de sistema integrado, o amadurecimento das opções disponíveis no mercado, a evolução da tecnologia utilizada por esses pacotes e, marcado pela história, a redução de custos. No final dos anos 90 a utilização de sistemas ERP já tinha se consolidado como estruturação tecnológica da informação. Já no setor hospitalar esses avanços ainda não chegaram. Segundo Lins (2001, p. 1) as estatísticas demonstram que: [...] somente 6,5% dos hospitais brasileiros possuem algum tipo de sistema de informação e que esta situação persiste mesmo diante dos bons resultados verificado em unidades que informatizaram seus processos [...} cita também que essas instituições investem apenas 1% dos do orçamento total e TI e que o principal motivo é que os médicos brasileiros resistem à tecnologia, mesmo por não terem muito conhecimento das facilidades que podem ser proporcionadas por um sistema de informação. Podem ser muitas as vantagens apresentadas às empresas pela implantação de um sistema de informação, mas, a recomendação é que se tenha cautela. O primeiro passo, é um estudo da estrutura do hospital e das necessidades de informatização. Para essa fase o uso do planejamento estratégico é uma forma de minimizar as falhas e os desperdícios de recursos. De acordo com Sanches (1997, p. 73), o Planejamento Estratégico de Sistemas de Informação é a etapa inicial em que se estabelecem os propósitos básicos para que possam implantar sistemas computadorizados estáveis e de apoio à tomada de decisão e como tal deve ser elaborado de modo a propiciar os elementos necessários para suportar os negócios da organização, atingir os objetivos desta e atender às necessidades de informação de sua alta administração. O Planejamento Estratégico de Sistema de Informação pode ser caracterizado como um conjunto de ações integradas que visam: a realização de um diagnóstico da situação dos sistemas de informação disponíveis no mercado ou suas compatibilidades com a instituição; a operacionalização da organização e seus objetivos de médio e longo prazo; a identificação das áreas de interesse estratégico; a capacitação dos recursos humanos envolvidos; e a fixação de objetivos e metas para o sistema e sua implantação (SANCHES, 1997). METODOLOGIA A metodologia usada neste trabalho pode ser classificada como empírico-analítica. Martins (2000, p. 26) advoga que: [...] a utilização de técnicas de coleta, tratamento e análise de dados marcadamente quantitativa. (...) têm caráter técnico, restaurador e incrementalista. (...) a validação da prova científica é obtida através de instrumentos, graus de significância e sistematização das definições operacionais. Para responder a primeira questão de pesquisa, o estudo foi realizado em cinco hospitais de médio e grande, em diferentes localidades no Brasil no decorrer do ano

5 Assim sendo, nesta primeira pesquisa o objetivo é o de comparar entre esses cinco hospitais de médio e grande porte, dispersados geograficamente pelo país, qual deles obteve a melhor relação custo/benefício na operacionalização de implantação do sistema de informação e após obter esse resultado, efetuar a transcrição da estratégia/metodologia usada por esse hospital, com objetivo de montar um modelo para instituições de mesma finalidade. A pesquisa teve como seqüência: 1º Passo: Identificação por meio da empresa MV Sistemas, quais foram os hospitais de médio e grande porte que contrataram a implantação de um sistema de informação no ano de 2002; 2º Passo: Definição do porte dos hospitais pesquisados teve como parâmetro a receita total; 3º Passo: Definição dos itens a serem pesquisados teve como base: itens que os quantitativos individuais, por exemplo número de usuários, representam impactos nos custos totais de implantação de um sistema de informação. Os itens pesquisados nessa primeira etapa: Número de usuários treinados: refere-se ao número de funcionários treinados anteriores e durante a implantação do sistema; Números de módulos implantados: refere-se ao número de módulos de sistema em que os funcionários foram treinados; Números de horas de treinamento: refere-se ao número de horas que foram gastas com consultoria para treinamento de todos os funcionários em todos os módulos implantados; Número de dias gastos para implantação: refere-se ao período compreendido entre o dia do início dos treinamentos e o início da operação do sistema; Custo médio de consultoria: refere-se a média dos custos/hora despendidos com consultoria pelos os hospitais pesquisados na implantação do sistema; Custo total com treinamento: refere-se ao valor do investimento com treinamento para implantação do sistema; Para responder a segunda questão de pesquisa, o estudo foi realizado em três hospitais de médio e grande, dispersados em diferentes localidades no Brasil, no período Para seleção dos hospitais, o parâmetro observado foi que esses hospitais deveriam estar com seus sistemas de informação implantados em no mínimo seis meses. As instituições estudadas nessa segunda fase não mantêm qualquer relação com os hospitais pesquisados na primeira fase da análise. Para levantamento dos dados utilizou-se da pesquisa exploratória descritiva e o método adotado foi o hipotético-dedutivo. A Segunda questão de pesquisa tem como objetivo o de quantificar quais foram os resultados econômicos - financeiros auferidos por três instituições hospitalares após a implantação de um sistema de informação e o de calcular o retorno do investimento. Os itens pesquisados nessa Segunda etapa foram: Valor do investimento: o valor do investimento foi definido como o montante gasto em moeda brasileira (reais) com todas as despesas do processo de implantação, inclui-se nesse montante, o valor investido para compra do sistema; 5

6 % de redução nos estoque: a variação média do estoque, calculada a média mensal dos seis meses anteriores a implantação do sistema e a média mensal do valor do estoque seis meses após o início de operações do sistema; % de redução de glosa no faturamento: a variação média dos percentuais glosados pelos compradores de serviços nas contas hospitalares. O período selecionado para pesquisa foi os seis meses anteriores ao início das operações do sistema e os seis meses posteriores ao início das operações do sistema; e % de redução de pessoal: refere-se aos valores gastos com folha de pagamento de funcionários que foi possível reduzir após o início das operações do sistema. O período selecionado para pesquisa foi os seis meses anteriores ao início das operações do sistema e os seis meses posteriores ao início das operações do sistema. A fundamentação bibliográfica foi outra preocupação e consistiu no exame da literatura especializada sobre as publicações na área hospitalar, revistas e periódicos a fim de buscar as evidências para prover a conclusão sobre as observações levantadas. RESULTADOS E ANÁLISES Primeira etapa da pesquisa Na tabela 1, procurou-se apresentar os dados relativos aos itens de controle do processo de implantação, esses dados servirão de base para montagem da Tabela 2. Cabe ressaltar que o hospital 4 apresentou maior número de usuários treinados, mas não é o maior em número de horas de treinamento, fato que pode ser explicado pela estratégia utilizada na implantação do sistema. Outro fato que cabe destaque é o número de módulos implantados, onde o hospital 4 novamente apresenta-se com o maior número, sendo que esta proporção não se apresenta para os custos totais com treinamentos, outro fato que também pode ser explicado pela estratégia de implantação. O número de dias gastos com a implantação referese ao período entre o inicio dos treinamentos e a colocação do sistema em operação, onde se pode observar dois extremos, o hospital 3, com 200 usuários treinados em 360 dias para implantação do sistema e o hospital 4, com 180 dias de implantação e o treinamento de 600 usuários. Descrição das Atividades Unidade Hospital - 1 Hospital - 2 Hospital - 3 Hospital - 4 Hospital - 5 Nº de usuários Treinados Qte Custo médio de consultoria (H/h) R$ Nº de horas de treinamento Qte Custo total com treinamento R$ Nº de Módulos Implantado Qte Nº de dias gastos para implantação Qte Fonte: banco de dados - MV. Sistemas (2002) TABELA 1- QUANTITATIVOS DAS ATIVIDADES POR HOSPITAL Os dados apresentados na Tabela 2, representam o resultado dos itens apresentados na Tabela 1, os quais julgamos que são representativos para definição de qual hospital obteve melhor desempenho econômico na implantação do sistema. Observa-se que o hospital 4 apresentou-se com o melhor custo por Usuário treinado, ou seja, R$ 529,00. O hospital 5 obteve o menor desempenho nesse item, ou seja, R$1.539,00. Com relação ao custo por módulo implantado o hospital 4 novamente apresenta o melhor desempenho, com o valor de R$ ,00, sendo que o hospital 1 apresenta-se com o pior desempenho, ou seja, R$16.530,00. No item, Número de dias, para implantação do sistema, o hospital 4 6

7 apresenta-se com 180 dias, sendo o melhor resultado e o hospital 3 com 360 dias. O bom desempenho desse indicador, trará efeitos positivos para os demais indicadores apresentados nessa Tabela, tendo em vista que quanto menor for o tempo utilizado dos consultores, menor será o custo do projeto. O hospital 4 também mantém menor quantidade/média de dias para implantação de cada módulo. TABELA 2- RESULTADO FINAL DAS IMPLANTAÇÕES DE SISTEMA Descrição das Atividades Unidade Hospital - 1 Hospital - 2 Hospital - 3 Hospital - 4 Hospital - 5 Custo por usuário treinado R$ Custo por módulo implantado R$ Número de dias para implantação Und Fonte: banco de dados - MV. Sistemas (2002) Portanto, pode-se constatar que o hospital 4 manteve o melhor desempenho na implantação do sistema de informação, sendo assim, a estratégia/metodologia usada por este hospital será descrita como modelo para uso em outras instituições de mesma finalidade. Estudo de caso A f e c c - Hospital Santa Rita de Cássia - Hospital 4 Breve histórico da Instituição A Associação Feminina de Combate ao Câncer AFECC é uma associação sem fins lucrativos, fundada em 1952, com o objetivo principal de prevenir e combater o câncer é a mantenedora do HRSC. No âmbito hospitalar nacional, ocupa o 9º lugar, considerando-se e qualidade de serviços prestados à comunidade. Há 31 anos iniciou-se a construção do Hospital Santa Rita, que hoje é uma das maiores estruturas hospitalares do Espírito Santo. O Hospital mantêm corpo funcional na ordem de 850 funcionários e 400 médicos. As principais atividades são mantidas na área de Clínica Geral, porém é referência na Clínica Oncológica. Conforme seu último balanço patrimonial, referente ao exercício de 2001, o hospital mantém um faturamento total na ordem de R$ 36 milhões. Teve um resultado operacional de R$ 2,8 milhões e um resultado final de R$ 726 mil. Descrição da metodologia/estratégia de implantação do Sistema de Informação utilizada pelo hospital 4 - Santa Rita. 1ª Etapa: Seleção do grupo de facilitadores. A composição desse grupo contou com funcionários-chave, os quais foram os representantes das macro-funções do hospital. As macro-funções foram definidas como: Informática; Unidades de Internação e Cirúrgicas; Unidades Ambulatoriais; Suprimentos; Faturamento; Financeiro. Para seleção dos facilitadores, observou-se como características principais, a liderança e os conhecimentos técnicos em cada função. As principiais responsabilidades foram definidas em: coordenar a implantação dos módulos do sistema que lhes foram designados, no tocante às atividades de cadastramento de tabelas, e, treinamentos dos usuários. 2ª Etapa: Distribuição dos módulos do sistema. Os módulos foram distribuídos entre facilitadores e foi definida a freqüência de reuniões. Cada facilitador ficou responsável pelos módulos ligados a sua área de atuação no hospital e outras áreas afins, bem como a seleção do grupo de funcionários responsáveis pelo cadastramento das tabelas do sistema. Cada facilitador selecionou os membros de sua(s) equipe(s) e freqüência de reuniões com sua equipe. 3ª Etapa: Instalação do sistema MV O sistema foi instalado, inicialmente, no servidor e nos computadores das salas de treinamento. Posteriormente, na medida em que os 7

8 usuários iam sendo treinados e recebendo senhas de acesso, o sistema foi instalado nas máquinas das áreas operacionais. 4ª Etapa: Treinamento dos usuários (Cadastramento de Tabelas / Rotinas Operacionais). Recursos usados: montagem de 02 salas de treinamento dentro do hospital com um total de 11 computadores e capacidade para treinar 18 funcionários simultaneamente; aluguel de sala externa com capacidade para treinar mais de 18 funcionários, por um pequeno período, para agilizar o treinamento operacional do corpo de enfermagem; alocação de 02 funcionários do hospital para planejar, coordenar e executar as atividades inerentes aos treinamentos dos usuários. Estratégias: Envolvimento da equipe de RH para realização de atividades que possibilitassem a conscientização dos funcionários de sua importância no sucesso da implantação, redução de boatos, stress, conflitos, sentimentos tais como medo, resistência, dentre outros, comuns em qualquer processo de mudança. 5ª Etapa: Criação do Termo de Responsabilidade. Consistiu num documento personalizado entregue a cada usuário, antes do treinamento, criado com o objetivo de assegurar a sua presença e o início do treinamento no horário agendado. O termo buscou o comprometimento dos funcionários no tocante aos treinamentos e a definição das penalidades que seriam aplicadas pelo seu descumprimento. 6ª Etapa: Definição de seqüência da implantação. A seqüência de implantação dos módulos foi definida para os treinamentos nas rotinas operacionais, sendo elas, unidades de internação e de pronto-atendimento até o módulo de contabilidade e os referentes às atividades de apoio. Configuração das turmas de treinamento operacional de cada módulo foi definida por perfil, ou seja, função desempenhada. Ex: Módulo Pronto-Atendimento: Recepcionista, Tec. Enfermagem, Enfermeiros, Maqueiros. Foi elaborado o manual das rotinas do sistema utilizadas pelo corpo de enfermagem para facilitar a fixação do treinamento. 7ª Etapa: Simulação no banco de treinamento. Tendo em vista, a sedimentação dos conhecimentos adquiridos nos treinamentos operacionais e a minimização das dúvidas no momento da troca de sistemas, foi criado um banco de treinamento para possibilitar aos usuários efetuarem simulações de suas rotinas no sistema MV. Estas simulações foram monitoradas e cobradas pelos Gerentes de Projeto e Grupo de Facilitadores, a fim de garantir sua execução. 8ª Etapa: Implantação na produção. Para implantação no sistema na produção, ou seja, colocá-lo em uso no hospital, foram traçadas as seguintes estratégias: definição da data para implantação na produção; conferência de todas as tabelas do sistema; reunião com grupo de facilitadores, consultores MV e chefias das áreas para definição das responsabilidades de cada um a partir da implantação do novo sistema; anterior a implantação da produção, realização do inventário nos almoxarifados, farmácias satélites e postos de enfermagem do hospital; dimensionamento e planejamento da distribuição de consultores e de facilitadores pelo hospital nos primeiros 20 dias de implantação na produção. Neste período, além do apoio do grupo de facilitadores, foram alocados no plantão diurno 06 consultores, de diversas especialidades, e no noturno 01 consultor, munidos de rádio para facilitar sua localização e troca de informações. Segunda etapa da pesquisa 8

9 A Tabela 3 apresenta os itens de controle que servirão de base para análise das reduções de custos após implantação dos sistemas de informação. TABELA 3 - TOTAL DOS ITENS DE CONTROLE POR HOSPITAL Item de controle Hospital - 1 Hospital - 2 Hospital - 3 Faturamento Mensal - R$ Despesas com pessoal - R$ Valor médio dos estoques - R$ Fonte: banco de dados - MV. Sistemas (2002) A Tabela 4 evidencia os percentuais de redução que serão aplicados em cada um dos itens apresentado na Tabela 3. Esses percentuais de redução serão aplicados, seguindo algumas considerações: Faturamento Total - Tabela 3, servirá de base para análise dos valores glosados na contas hospitalares pelos prestadores de serviços. Para análise deste item, pesquisou-se dois períodos. O primeiro deles, seis meses anterior ao início das operações do sistema e o segundo seis meses posterior ao início das operações do sistema. Para tal, identificou-se à média de glosas ocorrida no primeiro período, para os três hospitais, ficando esta média em 5%, sobre o faturamento total, conforme Tabela 5. Para as despesas com pessoal, usou-se o mesmo critério de análise, ou seja, em dois períodos, porém as reduções observadas no segundo período, serão sobre o valor total das despesas com pessoal; e no item % de Redução nos Estoques, será aplicado o % de redução dos estoques apresentados na Tabela 4, e sobre esse valor será aplicado o percentual do custo de capitação dos hospitais, ou seja, uma média de 3% ao mês. A Tabela 4 deixa evidente que o Hospital 2 apresentou o melhor resultado em termo de redução de custos, ou seja, 80% de redução nas glosas de faturamento, 10% em redução de pessoal e 50% de reduções nos estoques. TABELA 4 - % DE REDUÇÃO SOBRE CADA ITEM DE CONTROLE Item de controle Hospital - 1 Hospital - 2 Hospital - 3 Valor do investimento (R$) % de redução de glosa no faturamento 15% 80% 50% % de redução de pessoal 5% 10% 10% % de redução nos estoque 20% 50% 15% Fonte: banco de dados - MV. Sistemas (2002) A Tabela 5 apresenta os valores das reduções de custos em cada item de controle e totaliza as reduções alcançadas por todos hospitais. No item redução dos valores de estoques, onde foi aplicado sobre os valores reduzidos do primeiro para segundo o período o custo de captação dos hospitais (3% ao mês), o Hospital 2 apresentou uma redução nos estoques iguais ao Hospital 3 (Tabela 4), porém a valor reduzido chegou a R$ 6.750,00. O Hospital 2, apresentou em todos os itens o maior percentual de redução, ou seja, 50%, sendo equivalente a R$ ,00. Considerando que os investimentos dos três hospitais 9

10 para implantação dos sistemas, somou R$ ,00 (Tabela 4) e que as reduções de custos dos três hospitais somaram R$ ,00/mês, conclui-se que o retorno dos investimentos se dará no período inferior a sete meses. TABELA 5 - VALOR DAS REDUÇÕES POR ITEM DE CONTROLE Itens de controle Valor estoque (R$) % de redução Média de Valor glosas reduzido (R$) % de redução Valor reduzido (R$) Desp. pessoal (R$) % de redução Valor reduzido (R$) Total da reduções (R$) % total de redução Hosp Hosp Hosp Total Fonte: banco de dados - MV. Sistemas (2002) CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo deste trabalho foi o de comparar entre cinco hospitais de médio e grande porte dispersados geograficamente pelo país, qual deles obteve a melhor relação custo/benefício na operacionalização de implantação de um sistema de informação e após obter o resultado, efetuar transcrição da metodologia/estratégia usada por esse hospital e o de identificar os resultados econômico-financeiros que outras três instituições hospitalares auferiram com a implantação de um sistema de informação. A primeira questão de pesquisa foi respondida por meio da Tabela 2, onde o hospital 4, apresentou-se com o melhor desempenho no processo de implantação do sistema de informação. Na transcrição da estratégia/metodologia usada na implantação, verifica-se que os bons resultados apresentados por esse hospital, podem ter sido alavancados por aspectos tais como: uso de mão de obra do próprio hospital para treinamento dos funcionários; envolvimento de todos os funcionários no processo de implantação e a formalização de um termo de responsabilidades que buscou o comprometimento individual de todos os funcionários envolvidos. A segunda questão de pesquisa foi respondida por meio da Tabela 5, onde ficou evidenciado que em todos os hospitais pesquisados, a implantação de um sistema de informação propiciou para todas instituições envolvidas uma redução de custos nos seus principais processos e que o retorno do capital investido é relativamente curto, inferior a sete meses. Apresentando o hospital 2 os melhores resultados. Espera-se que este estudo contribua no sentido de prover informações às instituições hospitalares que ainda não optaram pela implantação de um sistema de informação. As informações aqui citadas têm o caráter de evidenciar o bom desempenho de um investimento nesta área, o qual possibilitam reduções dos custos hospitalares influenciados pelo tratamento destinado a elas. Outro aspecto importante desse trabalho é o de contribuir para o desenvolvimento da literatura hospitalar, tendo em vista os poucos trabalhos hoje publicados nessa área. A pesquisa do modelo usado na implantação dos sistemas, limitou-se somente a instituições que apresentou o melhor desempenho econômico. Sugestões de pesquisas futuras: (1) comparar os resultados obtidos na área hospitalar com a implantação de sistemas, com outros setores da economia; (2) avaliar o nível atual de informatização do setor hospitalar?. 10

11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANÁLISE SETORIAL. O mapa da saúde no Brasil. Panorama Setorial Gazeta Mercantil. Vol. I, mar ALVAREZ, B. E ESMERALDA, M. Manual de organização Sistemas métodos. São Paulo: Atlas, BALDUCCI, R. J. Sistemas de Informação: Um breve histórico e sua aplicabilidade em bibliotecas universitárias. Minas Gerais, BERNDT, E.R. International comparison of pharmaceutical prices: what do we know, and what does it mean? Journal of Health Economics BLOOM, D. E. CANNING, D. The health and wealth of nations. Science. v. 287, n. 5456, CHING, Y. H. Manual de custos de Instituições de Saúde. São Paulo: Atlas, COLANGELO FILHO, L. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, FARIAS, Luis Otávio e MELAMED, Clarice. Segmentação de mercado na assistência à saúde. Fórum de saúde suplementar, Brasília, FINANÇAS DOS MUNICÍPIOS CAPIXABAS. Aequus Consultoria. Ano 6, FIÚZA, Eduardo P.S e LISBOA, Marcos de B. Bens Credenciáveis e poder de mercado: Um estudo econométrico da indústria farmacêutica brasileira. XXVIII Encontro Nacional de Economia, ANPEC, Campinas, GODOY, Márcia Regina. A indústria farmacêutica brasileira na década de 90. Artigo publicado no XXVI ENANPAD, de 22 a 25 de setembro, Salvador, Bahia, HABERKORN, Ernesto. Teoria do ERP. São Paulo: Makron Books do Brasil, IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em:http://www.ibge.gov.br. Acesso em: INPI. Instituto Nacional de Propriedade Intelectual. Disponível em: Acesso em: LINS. Adriana. Sistema de Gestão sob medida para cuidar d saúde de hospitais e laboratório clínicos. Rio de Janeiro, http//www.trakhealth.com.br/com-notícias,asp. Acesso em 05 agosto MARTINS, D. Custos e Orçamentos Hospitalares. São Paulo: Atlas, MAGUNS, Paulo. Sistemas de Informação. Disponível em: Acesso em: MARTINS, Gilberto de Andrade e LINTZ, Alexandre. Guia para elaboração de monografias e trabalhos de conclusão de curso. São Paulo: Atlas, MARTINS, Gilberto de Andrade. Manual para elaboração de monografias e dissertações. 2. ed. São Paulo: Atlas, MELHORES E MAIORES. As 500 maiores empresas do Brasil. Revista Exame. São Paulo: Editora Abril, 1998, 1999, 2000, 2001 E NOTÍCIAS HOSPITALARES. Gestão de saúde em debate. Ano 4, n.º 37 jun./jul MV. SISTEMAS. Disponível em: Acesso em:

12 PADOVEZE, Cloves, L. Contabilidade Gerencial. São Paulo. Ed. LTC, PADOVEZE, Cloves, L. Sistemas de Informações contábeis. São Paulo. Ed. Atlas, SANCHES, Osvaldo Maldonado. Estratégias para implantação e gerência de sistemas de informação de apoio à tomada de decisões. Rio de Janeiro, VASCONCELOS, César Ricardo Maia de. L intelligence Economique et la Stratégie de Développement de la PME f. (Tese em Sciences de Gestion Administração), Université Pierre Mendes France de Grenoble II, France,

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço Gerenciamento de Custos Profª Karina Gomes Lourenço A EXPANSÃO DOS GASTOS NA SAÚDE (Nível Macroeconômico) Aumento da Demanda Incorporação de direitos universais de cobertura Mudanças na estrutura etária

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS Renata Pinto Dutra Ferreira Especialista Administração de Sistemas de Informação Instituto Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos.

Conquistamos ao longo de nossa trajetória mais de 30.000 licenças em operação em 6.500 clientes ativos. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório: Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE JAÚ E GARÇA, REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo Fernando R. de Almeida Prof. Ms.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Maria Fátima da Conceição - FEHOSP. 2 INTRODUÇÃO Os hospitais são organizações complexas

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização.

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização. DESENVOLVIMENTO DE CONTROLES GERENCIAIS EM LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI UM ESTUDO DE CASO Jazmín Figari de la Cueva (G-UEM) Vitor Nogame (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Resumo A Adecon-Empresa

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Logística Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Logística. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SOLOS DO OESTE DE MINAS GERAIS RESUMO Giselle ALVES; Érik DOMINIK * CEFET Bambuí; CEFET Bambuí O objetivo deste estudo é a análise da

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras RP1102 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE COMPRAS EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS NO BRASIL Coordenadores Paulo Tarso

Leia mais