Inclusão de alunos (as) com necessidades especiais: mais do que respeitar as diferenças, valorizá-las

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inclusão de alunos (as) com necessidades especiais: mais do que respeitar as diferenças, valorizá-las"

Transcrição

1 Inclusão de alunos (as) com necessidades especiais: mais do que respeitar as diferenças, valorizá-las Sandra Isabel Chaves 1 Agradecimentos 2 Resumo: O presente artigo discute a questão da inclusão de alunos com necessidades especiais na rede regualar de ensino em escolas de Goiânia e Aparecida, bem como seu contraponto: a exlclusão desses estudantes. O argumento central é que o respeito às diferenças é de suma importância, mas não o suficiente. Mais do que isso é preciso valorizá-las. Além disso, discute a incompatibilidade entre o que a lei diz e a realidade em que as escolas se encontram para lidar com esses alunos. Palavras-chave: educação especial; inclusão; exclusão Introdução Sou educadora, ou melhor, me faço educadora no processo de ir e vir constante da (re) construção do conhecimento, desde os dezessete anos. Nesta caminhada de muitas inquietudes e que tem sido alimentada de tantas esperanças, vê-se a escola regular ser desafiada a se tornar um espaço de construção coletiva; onde os conhecimentos não são transmitidos, mas construídos/reconstruídos como nos faz refletir Pedro Demo (2002); onde as situações de aprendizagem têm significado para os envolvidos; onde não há prova baseada na memorização, mas há um compromisso formal e político com a aprendizagem dos alunos; onde é mais importante educar que instruir, formar pessoas que profissionais; ensinar a mudar o mundo que ascender à elite (Beto e Freire, 2005, p.30). Na escola do desejo não há evasão. Lá todos aprendem e cada um é comparado progressivamente consigo mesmo. Esta escola que está em processo de construção, a partir da década de 1990, deveria, também, ser capaz de acolher a todos e todas, independente das suas diferenças, a chamada escola inclusiva ou escola integradora, que tem como grande desafio: acolher e 1 Mestre em Geografia - Área de concentração: Natureza e a Apropriação do Espaço no Cerrado, em especial: Educação Ambiental, pelo Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Geografia/UFG. Especialista em Educação com área de concentração em Educação Ambiental, pela Universidade Católica de Goiás. Graduada em Pedagogia e Especialista em Supervisão Escolar, pela Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras. Professora da Faculdade Padrão, onde ministra a Disciplina Fundamentos da Educação Especial. Professora do Curso de Graduação em Pedagoga e Pós-Graduação Lato Sensu em Psicopedagogia na Universidade Estadual de Goiás. 2 As turmas A8/PM, A8/PN, B8/PN e A6/NN pela realização da pesquisa in loco e pela possibilidade de diálogo onde temos sido constantemente ensinantes e aprendentes. À Sonia Marina Abbott, pela disponibilidade e colaboração. A Profª Maria do Carmo Ribeiro Abreu e ao Prof Clever Luiz Fernandes pela troca de idéias. Ao Prof Januário de Carvalho Nunes, pela colaboração na sistematização dos dados estatísticos. A Joana Chaves Pozzer, pela aprendizagem do significado do que é ser mâe.

2 responder as necessidades de aprendizagem dos alunos portadores de necessidades especiais: conduta típica, síndrome de Down, deficientes físicos, mentais, visuais, múltiplas, superdotados e deficientes em aprendizagem. A implementação do processo de inclusão necessita, a meu ver, de discussões conjuntas, partilha de conhecimentos, bem como co-responsabilidades com essa modalidade da educação. Neste sentido, somos motivados a refletir e a sistematizar os resultados dos estudos realizados. Este ensaio é fruto de dois anos consecutivos de trabalho com a Disciplina Fundamentos da Educação Especial, disciplina esta oferecida no Curso de Pedagogia da Faculdade Padrão 3, bem como de inúmeros estudos teóricos, de estudos da prática escolar, de seminários e de reflexão das práticas sociais. O conteúdo apresentado tem a intenção explícita de partilhar reflexões inacabadas, relevante característica do conhecimento, bem como colaborar com a possibilidade da reconstrução da práxis e de políticas públicas que efetivamente venham garantir o direito a educandos e trabalhadores da educação à inclusão real, entendida como aquela que não ofereça nenhum tipo de exclusão. A estrutura deste artigo está composta em três perspectivas: uma, diz respeito à discussão teórica; a outra, se refere a um contraponto entre os aspectos legais e a realidade controversa da prática inclusiva do aluno, com necessidades educacionais especiais, em escolas públicas e privadas de ensino fundamental dos municípios de Goiânia e Aparecida de Goiânia. Por fim, serão apresentados alguns endereços relevantes que têm a intenção de favorecer a troca de experiências e a construção do conhecimento na área. Nossa discussão teórica se ampara nas idéias de autores como: Carvalho, (2003), Demo (2002), Libâneo, Oliveira e Toschi. (2003), Mantoan (2003, 2005), Schaffner e Buswell (1999) e Stainback, & Stainback (1999). A intenção de contrapor os aspectos legais e a prática inclusiva da escola regular, objetiva analisar a realidade controversa e contraditória entre o desejo (...) algo 3 Instituição de Ensino Superior, com administração privada, fundada em 1999, com duas unidades na cidade de Goiânia, uma em Aparecida de Goiânia e outra em Quirinópolis.

3 radicalmente melhor que a humanidade tem direito de desejar e por que merece a pena lutar (Santos, 1996, p. 323) e a realidade. Os dados sistematizados sobre a realidade da Educação Especial na rede regular de ensino, foram levantados a partir de estudo de caso realizado em 32 escolas, dos municípios de Goiânia e Aparecida de Goiânia, no segundo semestre de 2005, pelos acadêmicos (as) dos oitavos períodos do curso de Pedagogia e do sexto período do Normal Superior. Antes de desencadear o trabalho de pesquisa nas escolas, foram feitos estudos do arcabouço legal que balizam a prática da Educação Especial na escola regular: Lei Federal nº 7.853/89, que dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência/Corde (...) e o Decreto 3.298/99, que consolida a respectiva Lei, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (...); Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB)/Lei nº de 20 de dezembro de 1996; Resolução nº 2 de 11 de setembro de 2001, do Conselho Nacional de Educação/ CNE/CEB, que institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica; Estratégias para a Educação de Alunos com Necessidades Especiais/Parâmetros Curriculares Nacionais (1999). A partir de então, o trabalho de pesquisa foi realizado objetivando favorecer a compatibilidade de uma situação real com os estudos teóricos desenvolvidos; oportunizar aos acadêmicos (as) aplicar os conhecimentos teóricos e práticos nas análises de problemas e tornar a aprendizagem mais significativa, atrativa e envolvente. 1. Luta contra a exclusão: o paradigma da inclusão Pensar o fenômeno da inclusão, remete-nos à necessidade de pensar a exclusão. Uma é o reverso da outra. Para Arzabe (2005) a idéia de exclusão social está centrada nos aspectos da participação social inadequada, na ausência de proteção social, ausência de integração social e ausência de poder. Sposati (1998) afirma: a exclusão é a negação da

4 cidadania. Para a autora, a exclusão social contém elementos éticos e culturais, referindose, também, à discriminação e à estigmatização. Neste sentido, o excluído pode ser os negros, as mulheres, os homossexuais, os deficientes físicos, os deficientes mentais, os portadores da síndrome de Down, os meninos e as meninas em situação de risco ou com dificuldade de aprendizagem e tantos outros diferentes. Nas duas últimas décadas do século XX, a tendência das políticas sociais foi a de fomentar a integração e a participação e de lutar contra a exclusão. Neste contexto, a inserção da educação teve e tem grande relevância. Em 1994, na Conferência Mundial sobre necessidades educativas Especiais: acesso e qualidade, foi aprovada a Declaração de Salamanca 4, que reflete o consenso mundial sobre os futuros rumos dos serviços educativos especiais, ratificando a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), do direito à escola para todos, com igualdade de oportunidades para as pessoas com deficiência. Neste sentido, a terceira linha de ação da Declaração de Salamanca (1994, p. 17), define: que as escolas devem acolher todas as crianças, independentemente de suas condições físicas, intelectuais, sociais, emocionais, lingüísticas ou outras. Devem acolher crianças com deficiência e crianças bem dotadas; crianças que vivem nas ruas e que trabalham; crianças de populações distantes ou nômades; crianças de minorias lingüísticas, étnicas ou culturais e crianças de outros grupos ou zonas, desfavorecidos ou marginalizados. Tem-se, ainda, nesta Declaração, o princípio da escola integradora, onde todas as diferenças humanas são normais e de que a aprendizagem deve, portanto, ajustar-se às necessidades de cada criança, reduzindo, assim, o número de fracassos e de repetências. A assunção e o enfrentamento dos novos paradigmas da inclusão, incluindo, a meu ver, o maior dos desafios que é a inclusão do aluno especial, deveria ocorrer a partir da formação antecipada à prática, associada à formação de equipes de apoio qualificada, na escola e nos órgãos gestores, para acompanhar e apoiar educadores e educandos. Este princípio ético foi descumprido no Brasil. O processo foi atropelado, por força da Legislação que definiu o atendimento do portador de deficiência nas escolas regulares e 4 De 7 a 10 de junho de 1994, ocorreu a Conferência Mundial sobre necessidades Educativas Especiais: acesso e qualidade, onde reuniram-se mais de trezentos representantes de noventa e dois governos e vinte e cinco organizações internacionais, na Cidade de Salamanca, Espanha, com o objetivo de analisar as políticas necessárias para favorecer o enfoque da educação integradora, em especial aquelas para os alunos com necessidades especiais.

5 restringiu o atendimento especializado em escolas especiais, não garantindo a formação e nem a adequação das instalações físicas. Apesar da realidade constatada, nos referendamos em Demo quando afirma: Apesar da história contrária, sempre somos capazes de esperar algo melhor e, por isso, alimentamos, ao lado da razão, horizontes eternos e infinitos de utopias e fantasias, (2002, p. 37), acreditando na superação das dificuldades e insucessos vivenciados. No Brasil a Lei nº de 24/10/89, que dispõe sobre o apoio aos portadores de deficiência e sua integração social, leva 10 anos, para consolidar suas normas de proteção aos portadores de deficiência, por meio do Decreto nº de 20/12/99. Isto evidencia a burocracia e as dificuldades das políticas públicas na formalização dos instrumentos de legalização do direito; daí, aos passos seguintes: a publicização da Lei e a sua aplicabilidade vão outras tantas décadas, na melhor das hipóteses. A referida Lei ratifica o direito constitucional, aos direitos básicos: educação, saúde, trabalho, lazer, à previdência social, ao amparo à infância e à maternidade, às pessoas portadoras de deficiência. Na associação da Declaração de Salamanca e da referida Lei e respectivo Decreto, fica evidenciado a obrigatoriedade da Educação Regular no atendimento a Educação Especial. De acordo com a LDB/Lei 9394/1996, Capitulo V, Artigo 58, a Educação Especial é a modalidade de educação escolar, oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos portadores de necessidades especiais. No inciso 3º, do referido artigo é definido que: a oferta da educação especial, dever constitucional do Estado, tem início na faixa etária de zero a seis anos, durante a educação infantil. Segundo a Resolução nº 2/2001/CNE/CEB, são considerados educandos com necessidades especiais aqueles com: I dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento que dificultem o acompanhamento das atividades curriculares compreendidas em dois grupos: a) aquelas não vinculadas a uma causa orgânica específica; b) aquelas relacionadas a condições, disfunções, limitações ou deficiências. II dificuldades de comunicação e sinalização diferenciadas dos demais alunos, demandando a utilização de linguagens e códigos aplicáveis; III altas habilidades/superdotação, grande facilidade de aprendizagem que os leve a dominar rapidamente conceitos, procedimentos e atitudes. (Art 5º, resolução 2 de 11/9/2001)

6 O atendimento à Educação Especial na educação regular exigirá para o seu cumprimento adequações nos espaços físicos, nos procedimentos didáticos, na avaliação, na temporalidade da escola regular. Exigirá, também, a assunção da escola e dos profissionais da educação com a modalidade da Educação Especial, que, na minha visão, só poderão ocorrer a partir do envolvimento decorrente do efetivo conhecimento dos princípios teóricos e metodológicos e isto, por sua vez, é decorrência de capacitação e formação continuada, responsabilidade primeira dos gestores públicos e privados. Esta nova modalidade da Educação Básica exigirá um novo olhar diante do ensino, do ato de ensinar e da forma como o aluno aprende. O respeito à diferença, entendendo-as como normais, portanto, ajustando o ensino e a aprendizagem às necessidades dos alunos, precisará valorizar mais o potencial do que a incapacidade, além de descobrir as habilidades de cada um e de todos. Para Mantoan (2005, p.24), inclusão é a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar com pessoas diferentes de nós. A educação inclusiva acolhe todas as pessoas, sem exceção. É para o estudante com deficiência física, para os que têm comprometimento mental, para os superdotados, para todas as minorias e para a criança que é discriminada por qualquer outro motivo. Costumo dizer que estar junto é se aglomerar no cinema, no ônibus e até na sala de aula com pessoas que não conhecemos. Já inclusão é estar com, interagir com o outro. Neste sentido, precisamos reconstruir o entendimento sobre a importância da educação e do conhecimento, superando a relação insuficiente, positivista, onde se visa apenas a cognição, necessitando compreender e trabalhar com o sujeito integral e, portanto, valorizar as trocas como possibilidade de aprendizagem do conhecimento e das relações, desarmando-nos dos pré conceitos e acolhendo a diferença como condição de aprendizagem de todos e, em especial, pela possibilidade de enxergar o mundo de forma diferente. A inclusão possibilita aos que são discriminados pela deficiência, pela classe social ou pela cor que, por direito, ocupem o seu espaço na sociedade. Se isso não ocorrer, essas pessoas serão sempre dependentes e terão uma vida cidadã pela metade. Você não pode ter um lugar no mundo, sem considerar o do outro, valorizando o que ele é e o que ele pode ser. Além disso, para nós, professores, o maior ganho está em garantir o direito à educação. (Mantoan, 2005, p.25).

7 Schaffner e Buswell (1999), no artigo intitulado Dez elementos críticos para a criação de comunidades de ensino inclusivo e eficaz, reforçam que os princípios da inclusão não se aplicam apenas aos alunos com deficiência, mas a todos os alunos e que as boas escolas contribuem para o sucesso de todos(as). Neste sentido, as autoras apresentam dez fazeres para a criação de escolas inclusivas, que destacamos a seguir: 1) Estabelecer uma filosofia comum e um plano estratégico. Aqui fazendo uma leitura do nosso lugar, podemos inferir que é necessário explicitar, no projeto político pedagógico, o compromisso com a educação inclusiva. Necessariamente, este compromisso precisa ser compreendido e afirmado pelos diferentes atores da escola. 2) Proporcionar uma liderança forte, ou seja, o(a) diretor(a) precisa reconhecer sua responsabilidade e garantir o apoio às tomadas de decisão e ao investimento na qualificação dos educadores e na priorização de ações que possam colaborar nos avanços do processo. 3) Promover culturas no âmbito da escola para que acolham, apreciem e acomodem a diversidade. 4) Desenvolver redes de apoio, valorizando a formação de grupos para a partir da socialização e da discussão no sentido de enfrentar problemas comuns que exija atenção. 5) Delegar responsabilidades com isto envolvendo a todos(as) e facilitando a co-responsabilidade e gerando maior possibilidade de acerto. 6 e 7) Desenvolver uma assistência técnica contínua e manter a flexibilidade, enfrentando desafios, experimentando coisas novas, assumindo riscos para descobrir o que funciona, são fazeres fundamentais. 8, 9 e 10) Examinar e adotar abordagens de ensino efetivas; comemorar sucessos e estar ao par do processo de mudança mas não permitir que ele o paralise. A importância deste artigo de Schaffner e Buswell (1999) decorre da necessidade da união de escolas e da comunidade no sentido de garantir os princípios da educação de qualidade a todos(as): Quem sabe faz a hora não espera acontecer. Aqui vale lembrar, que não estamos desconsiderando o papel e a necessidade da assunção e efetivação das políticas públicas. O desafio do trabalho com a diversidade poderá possibilitar-nos resgatar teorias fundamentais para a educação, como a de Vygotsky, na qual as relações sociais são condição essencial para o ensino e para a aprendizagem. Partindo da premissa de que quanto mais a criança interage espontaneamente com situações diferenciadas mais ela adquire o genuíno conhecimento, fica fácil entender

8 por que a segregação não é prejudicial apenas para o aluno com deficiência. A segregação prejudica a todos, porque impede que as crianças das escolas regulares tenham oportunidade de conhecer a vida humana com todas as suas dimensões e desafios. (Werneck, apud Jover, 1999, p. 12). Neste sentido, destacamos a reportagem apresentada por Jover (1999), que apresentou experiências bem sucedidas de crianças que se tornaram mais participativas e felizes, quando integrado a salas de aulas regulares 5. Esta reportagem valoriza o processo de inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais em escolas regulares e afirma que nestas escolas os alunos poderão ter a oportunidade de conhecer a vida humana em todas as suas dimensões e desafios. educação inclusiva. Segundo relatório da ONU (apud Jover, 1999, p. 13), todos se beneficiam com a Estudantes com deficiência: aprendem a gostar da diversidade; adquirem experiência direta com a variedade das capacidades humanas; demonstram crescente responsabilidade e melhor aprendizagem através do trabalho em grupo, com outros deficientes ou não; ficam melhor preparados para a vida adulta em uma sociedade diversificada: entendem que são diferentes, mas não inferiores. Estudantes sem deficiência: têm acesso a uma gama bem mais ampla de papéis sociais; perdem o medo e o preconceito em relação ao diferente; desenvolvem a cooperação e a tolerância; adquirem grande senso de responsabilidade e melhoram o rendimento escolar; são melhor preparados para a vida adulta, porque desde cedo assimilam que as pessoas, as famílias e os espaços sociais não são homogêneos e que as diferenças são enriquecedoras para o ser humano. A compreensão e a viabilidade dos benefícios da Educação Inclusiva envolve diferentes atores: o governo, responsável pelas políticas públicas, os gestores, os educadores, os educandos e a comunidade. Vamos partir da premissa de que não estamos satisfeitos com o modelo de exclusão imposto pelo modelo de sociedade vigente e de que a educação não é responsável pela transformação social, mas, não é neutra; é eminentemente política e, portanto, tem papel significativo sim, nas reflexões e fomento de valores e 5 É relevante destacar que nos casos relatados todas as crianças além do professor(a) da sala recebiam serviço de apoio especializado.

9 atitudes mais dignas e justas. Neste sentido, espera-se colaborar a partir da sistematização, reflexão e análise dos resultados do estudo de caso, apresentados a seguir. 2. Retrato parcial do processo de inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais em Goiânia e Aparecida de Goiânia - Um estudo à crítica A oferta de Educação Especial é dever do Estado expressa na Constituição Federal de 1998 (art 205 e 208) e na LDB, art. 58, conforme citado anteriormente, que define a Educação Especial, como modalidade oferecida para educandos portadores de necessidades especiais, entendida como ampliação do conceito de deficiência, uma vez que se refere a todas as crianças e jovens cujas necessidades decorrem de sua capacidade ou de suas dificuldades de aprendizagem, preferencialmente na rede regular de ensino. Este processo tem sido chamado de inclusão, baseado no princípio de que todas as diferenças humanas são normais e de que a aprendizagem deve, portanto, ajustar-se às necessidades de cada criança. (Declaração de Salamanca, 1994, p. 18). O processo de inclusão de alunos portadores de necessidades especiais, no Brasil e, por conseguinte, em Goiânia e Aparecida de Goiânia, teve início antes da capacitação de professores, da adequação física e das condições estruturais das escolas, bem como, da formação de equipes de apoio que conseguisse, responder às necessidades de demanda, a partir da implantação desse processo, a partir do final da década de 90. Sistematizar as experiências vivenciadas e refletir sobre a realidade Educação Especial na perspectiva da inclusão é uma necessidade, e ao mesmo tempo, uma ousadia, visto que esta compreensão ainda é muito subjetiva e existem alguns educadores (as) que ainda consideram que este processo envolve apenas alguns - aqueles que têm alunos com algum tipo de deficiência. Mas aceitamos o desafio e de forma compartilhada com pesquisadores(as) - os acadêmicos dos oitavos períodos do curso de Pedagogia e do sexto período do Normal Superior, da Faculdade Padrão - vamos apresentar os resultados associados a reflexões e análises. O estudo de caso foi realizado por 32 grupos de trabalho em trinta e duas escolas distintas, sendo nove estaduais (oito em Goiânia e uma em Aparecida de Goiânia), da

10 11 municipais (sendo oito em Goiânia e três em Aparecida de Goiânia) e 12 privadas ( com apenas uma em Aparecida de Goiânia). Dois critérios direcionaram os grupos aos estudos: o primeiro foi que a escola deveria ser de ensino fundamental; e o segundo que cada escola só poderia receber um grupo de pesquisadores. As técnicas predominantes para a coleta de dados foram as observações do espaço escolar, entrevistas abertas a diretores e coordenadores pedagógicos das escolas pesquisadas e questionários semi-estruturados a professores(as). Todas estas técnicas objetivaram determinar: a identificação das deficiências, a formação de educadores, a existência ou não de equipes de apoio internas e externas, adaptações curriculares, adaptações físicas e nível de satisfação dos profissionais da educação com o processo de inclusão dos alunos portadores de necessidades especiais. Na sistematização dos dados, das escolas públicas estaduais e municipais pesquisadas têm-se respectivamente 192 e 184 alunos com algum tipo de necessidades educacionais especiais e as privadas 67 alunos, conforme tabela nº 1 abaixo: Escolas Tabela 1 Casos registrados de alunos com necessidades especiais nos municípios de Goiânia e Aparecida de Goiânia ENº de escolas pesquisadas Alunos com necessidades especiais E staduais M unicipais P rivadas T Total Fonte: Fac.Padrão/Alunos 8º Pedadogia/Alunos 6º Normal Superior Percentual 3,34% 1,53% 5,12% 00,00% Segundo Carvalho (2003), muitos fatores geram barreiras ou obstáculos à aprendizagem, não sendo, estas, exclusividade de cegos, surdos(...), dos oriundos das camadas populares(...) Barreiras existem para todos, mas alguns requerem ajuda e apoio para seu enfrentamento e superação, o que não nos autoriza a rotulá-los como alunos com defeito (p.58).

11 Na identificação das deficiências, o resultado nas escolas públicas estaduais foi o seguinte: 20 alunos com deficiência auditiva, cinco alunos com deficiência visual, oito alunos com deficiência física, 52 alunos com deficiência mental, sete alunos com deficiência múltipla, 22 alunos com algum tipo de condutas típicas, nenhum aluno superdotado, 12 alunos hiperativos, 50 alunos com dificuldades de aprendizagem, 16 alunos com síndrome de Down. Na rede Municipal, os dados foram os seguintes: 10 alunos com deficiência auditiva, oito alunos com deficiência visual, 11 alunos com deficiência física, 25 alunos com deficiência mental, oito alunos com deficiência múltipla, 43 alunos com conduta típica, nenhum superdotado, quatro alunos hiperativos, 74 alunos com dificuldades de aprendizagem, 1 aluno com síndrome de Down. Nas escolas privadas os resultados foram os seguintes: oito alunos com deficiência auditiva, dois alunos com deficiência visual, nove alunos com deficiência física, 16 alunos com deficiência mental, três alunos com deficiência múltipla, um aluno com conduta típica, um aluno superdotado, 11 alunos hiperativos, nove alunos com dificuldades de aprendizagem e sete alunos com síndrome de Down. A tabulação dos dados, relativos às três redes, podem ser melhor visualizados na tabela 2 a seguir: Deficiências Tabela 2 Casos registrados de alunos com necessidades especiais nos municípios de Goiânia e Aparecida de Goiânia Nº de casos Nº de casos escolas estaduais escolas municipais Nº de casos escolas privadas Total de casos das três redes Percentual 8, Auditiva % 3, Visual % 6, Física % 2 Mental % 4, Múltipla % 1 Conduta Típica ,89% 0, Superdotado % 6, Hiperativo % Dificuldade de

12 Aprendizagem 3 0,02% Síndrome de Down Total Fonte: Fac.Padrão/Alunos 8º Pedadogia/Alunos 6º Normal Superior 41% 00,00% 5, 1 Na análise, percebe-se que o maior número de alunos das redes públicas estaduais e municipais, insere-se na categoria dificuldades de aprendizagem, ratificando o resultado do modelo de injustiça social característico do regime capitalista, onde grande parte destes alunos não conta com o apoio da família e a escola talvez seja a única chance de inclusão social e cultural de suas vidas. Na escola privada, este aspecto é significativamente mais reduzido. A resolução do CNE/CEB, nº 2 de 11/9/2001, art 6º, institui que a identificação das necessidades especiais e a tomada de decisão, quanto ao atendimento necessário, devem ser feitas com assessoramento técnico, contando com a experiência do corpo docente, o setor responsável pela educação especial do respectivo sistema, a colaboração da família e dos órgãos de Saúde, Assistência Social (...). Quando analisamos os dados coletados, verificamos a falta de compatibilidade com as premissas da referida resolução. Nos dados levantados, há um expressivo número de alunos que não tem o laudo médico e, portanto, o conseqüente atendimento diferenciado, quando oferecido, é resultado da subjetividade, sensibilidade e/ou boa vontade do(a) obstinado(a) professor(a). Quanto às equipes de apoio, na rede estadual, das nove escolas pesquisadas apenas quatro oferecem este serviço, na rede municipal, das 12 escolas pesquisadas apenas três contam com algum tipo de apoio, e nas 12 escolas da rede privada pesquisadas, apenas duas sendo que uma delas com o apoio do CRER e da Universidade Católica de Goiás (UCG). Atualmente, conforme dados da pesquisa, a predominância da qualificação profissional resume-se a cursos de Braille e Libras, para professores das escolas públicas, com maior expressão nas escolas estaduais. Na totalidade dos educadores pesquisados, identificou-se um especialista em Educação para a Diversidade, Distúrbios da Comunicação e Deficiência Mental e um especialista em Educação Especial cursado em São Paulo. Defende-se que a garantia ao atendimento educacional compatível às diferenças, passa pela formação, qualificação de profissionais e por melhores condições de trabalho.

13 O nível de satisfação ou de insatisfação dos profissionais da educação, relativos ao processo de inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais, decorre especialmente das condições destes aspectos. Nas entrevistas feitas, buscou-se identificar a percepção sobre este aspecto. Fez-se a seguinte pergunta aos membros da equipe gestora da escola: Qual o nível de satisfação dos atores que compõem a escola, quanto ao processo de inclusão? Apresentou-se três possibilidades de respostas a questão: insatisfatório quando não atenderia aos objetivos mínimos propostos nas legislações vigentes, satisfatório quando atenderia aos objetivos e em processo quando percebe-se uma evolução, um movimento favorável mas ainda não é o ideal. A falta de formação, a falta de equipe de apoio dentro da instituição escolar, o precário atendimento das equipes de apoio externas à escola, a falta de material, dentre outros, tem influenciado na predisposição negativa, como resultados sistematizados e apresentados a seguir. As escolas estaduais do Estado de Goiás, que têm políticas públicas estabelecida para a inclusão de alunos com necessidades especiais desde 1999, a avaliação quanto ao nível de satisfação é o seguinte: o coletivo de uma escola considera satisfatório, o coletivo de três escolas consideram insatisfatório e o coletivo de cinco escolas consideram como um processo. Na rede municipal, o coletivo de seis escolas considera insatisfatório e o coletivo de cinco escolas considera como processo. E na rede privada o coletivo de uma escola considera satisfatório, o coletivo de cinco escolas considera insatisfatório e outro coletivo de cinco escolas considera como processo. Quanto aos dados da rede privada é necessário abordar a possibilidade do mascaramento das respostas, visto que há, nestas escolas, um receio muito grande com a preservação da opinião sobre o assunto, por receio de possíveis repressões, conforme análise descrita em um dos relatórios. Refletir os dados, quanto ao nível de satisfação, nos remete a aspectos atitudinais: o que pensam e sentem os profissionais frente ao desafio da inclusão? Como a diversidade é sentida? Como enfrentar a diversidade? Qual o nível de tolerância? Qual a crença nas potencialidades dos alunos? Envolver a pessoa como participante ativo ou passivo? Para Carvalho (2000, p. 59), a predisposição dos professores frente à diversidade tem um papel decisivo na compreensão das diferenças individuais, em sua aceitação e respeito, criando, removendo ou intensificando obstáculos existentes. Neste sentido, é

14 preocupante o nível de insatisfação dos profissionais da educação das escolas pesquisadas, que corresponderam a 44,8%. Contrapondo-se a este dado, também, de forma significativa, 46,87 % dos envolvidos com o paradigma da inclusão, vêem as adversidades, como elementos de um processo relativamente novo e com chances de avanço. Se quase a metade dos envolvidos, tem uma atitude de abertura e de credibilidade neste processo, é preciso investir na valorização do magistério. A valorização do magistério envolve políticas educacionais que, além da garantia da profissionalização e da formação continuada, garanta condições dignas de trabalho e salários compatíveis, que permitam, além do exercício da sala de aula, tempo de planejamento, de estudo, de reelaboração, de abstração e de produção de conhecimentos; além do tempo de respeito ao ritmo de cada um(a) lazer, descanso e convívio social. Neste sentido, precisamos superar o fenômeno histórico, da mais valia que tem nos imprimido um rítmo de até três turnos de trabalho, na busca de salário necessário à superação das necessidades básicas, impedindo que, de fato, o educador(a) tenha a capacidade de gerar a transformação e de desenvolver a criatividade, apenas reproduzindo e não contribuindo com um novo fazer individual e coletivo, com uma outra sociedade. Refletir sobre a questão referente às adaptações curriculares, exige um nivelamento conceitual. E somos chamados a responder a primeira questão: O que é currículo? Discutir esta questão envolve, indiscutivelmente diferentes concepções: qual é a nossa percepção do mundo? Que valores estão sendo destacados? Que tipo de ser humano e de sociedade a escola pretende formar? Em que aspectos a escola pode contribuir? A escola influencia a sociedade? Que tipo de educação é necessária a uma ação transformadora? A resposta a estas e a outras questões afins, implica na tomada de posição: contrapor-se, ou não, ao modelo social vigente? Todas as possíveis respostas se associam às concepções de educação, de escola, de mundo, de homem que se valoriza e, por conseguinte, se trabalha. Diante disto, instala-se a complexidade e as divergências frente a uma possível conceituação. O Currículo escolar pode ser concebido como um conjunto contínuo de situações de aprendizagem às quais o individuo vê-se exposto ao longo de um dado período, no contexto de uma instituição de educação formal a escola (Ministério da Educação, 2005, p.97).

15 A elaboração do currículo, portanto, precisa considerar as necessidades do projeto político pedagógico da escola, a sociedade que se deseja e as necessidades do aluno. Neste sentido, como modificar o currículo para que o mesmo seja capaz de acolher e respeitar a diversidade? Conforme as Estratégias para a Educação de Alunos com Necessidades Especiais/Parâmetros Curriculares Nacionais(1999), existem dois grupos de adaptações curriculares: não significativas e significativas. As não significativas constituem modificações no currículo regular facilmente realizadas pelos educadores: organizativas (espaço, didáticas e de agrupamentos); relativas aos objetivos e conteúdos, avaliativas; nos procedimentos didáticos e nas atividades (adaptações de materiais, facilitando planos de ação, sequenciando a tarefa (...) e na temporalidade). Com estas adaptações objetiva-se a viabilidade do processo ensino e aprendizagem, focalizando as capacidades, o potencial, a zona de desenvolvimento proximal, e não se centralizam nas deficiências e limitações do aluno (p. 38). As adaptações significativas envolvem ajustes significativos quanto aos objetivos; conteúdos; metodologias e organização didática; introduzindo aspectos específicos, complementares e/ou alternativos que possam auxiliar o aprendiz no seu processo de aprendizagem; avaliação envolvendo modificações dos critérios de promoção e temporalidade no sentido de ajustar o tempo. Este segundo grupo envolve mudanças mais verticalizadas, a fim de respeitar a capacidade dos alunos, como sujeitos únicos na diversidade e potencialidade, garantindo a sua permanência e sucesso na escola. Os dados relativos às adaptações curriculares registraram, de forma afirmativa, que são realizados em 66% das escolas do Estado, em 36% nas municipais e em 25% para as escolas da rede privada. Quando se reflete sobre os silêncios, sobre a não devolução dos questionários aos pesquisadores, sobre a pouca formação constatada, sobre a falta, em especial na rede pública municipal e na rede privada, de um trabalho sistemático de formação e de apoio, questiono as respostas dadas, pelos entrevistados, sobre as adaptações curriculares, visto não haver uma compreensão aprofundada sobre o assunto.

16 As adaptações físicas existem, conforme relatórios de pesquisa, em 55% das escolas estaduais, 18% das escolas municipais e em 33% das escolas da rede privada, e se evidenciam nas adequações de rampas, áreas de circulação, sanitários e barras de apoio. Na análise final deste estudo de caso, realizado em 32 escolas, confirmou-se a fragilidade do processo de inclusão de alunos com necessidades especiais, em especial, nos aspectos da formação dos profissionais da educação e no atendimento especializado aos alunos. Considero necessária a priorização das políticas públicas, para garantir o direito à educação de qualidade para todos; desenvolver na instância da escola, por meio do planejamento participativo, o compromisso explícito com a educação inclusiva; constituir diferentes redes de apoio, para socializar e encontrar caminhos novos e com chances de sucesso para incluir o diferente em sala de aula, onde mais do que aceitá-los e saber lidar com as diferenças, precisamos aprender a valorizá-las em cada um e em todos(as); formar equipes pedagógicas comprometidas que estimulem e subsidiem o trabalho do educador(a) e conquistar o apoio e o conhecimento da família para garantir a inclusão. Para Mantoan (2003) é necessário superar a lógica da visão determinista, mecanicista, formalista, reducionista, própria do pensamento científico moderno, sem as quais não conseguiremos produzir a reviravolta que a inclusão propõe. Garantir a inclusão do especial 6 é compreender a unidade na diversidade... Compreender o humano é compreender sua unidade na diversidade, sua diversidade na unidade. É preciso conceber a unidade do múltiplo, a multiplicidade do uno. A educação deverá ilustrar este princípio de unidade/diversidade em todas as esferas. (Morin, 2003, p. 55) Assim, uma das vocações essenciais da educação do futuro será o exame e o estudo da complexidade humana. Conduziria à tomada de conhecimento, por conseguinte, de consciência, da condição comum a todos os humanos e da muito rica e necessária diversidade dos indivíduos, dos povos, das culturas, sobre nosso enraizamento como cidadãos da Terra... (Morin, 2003, p. 61) 3. Endereços relevantes para a verticalidade do processo de conhecimento e apoio à efetivação da escola inclusiva 6 Quem são mesmo? Há claro, somos todos nós a toda hora ou numa ou noutra hora.

17 APAE Goiânia Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais de Goiânia. Rua 255 nº 628 Setor Coimbra Goiânia GO CEP Fone (62) Homepage: ASDOWN Associação dos Down de Goiás Rua 73 nº 68 Setor central Goiânia Fone: Associação dos Surdos de Goiânia Centro Especial Elysio Campos Rua 801 Chácara VI Vila Osvaldo Rosa Goiânia GO CEP Fone: (62) Fone Fax: (62) Biblioteca Braille Centro Cultural Marietta Telles Machado Pça Cívica (Pça Pedro Ludovico Teixeira) Centro Goiânia GO Fone: (62) CAP Centro de Apoio Pedagógico para Atendimento às Pessoas com Deficiência Visual Av. Anhanguera nº º andar Ed. Moacir Telles Goiânia GO CEP Fone: (62) / CRESPA Centro de Reabilitação São Paulo Apóstolo Rua C 189 Qd 474 Setor Jardim América Fone: DESPERTAR Núcleo Educacional e Terapêutico Rua T 53 nº 170 Setor Marista Goiânia GO - CEP Fone (62) Telefax: (62) SOCIEDADE PESTALOZZI DE GOIÂNIA Unidade 1 : Rua 201 nº 179 Vila Nova Fone: Unidade 2 : Praça da Bíblia nº 2424 Vila Santa Izabel Fone: Unidade 3 : Rua A nº 531 Vila Nova Fone Endereços eletrônicos Ministério da Educação Educação Especial Secretaria de Educação do Estado de Goiás Ensino especial Referências bibliográficas

18 ARZABE, Patrícia Helena Massa. Pobreza, exclusão social e direitos humanos: o papel do estado, apud BRASIL. Prefeitura Municipal de Goiânia. Um estudo sobre a pobreza: políticas e perspectivas em Goiânia, Goiânia, BETO e FREIRE, Paulo. Essa escola chamada vida, apud BRASIL. Ministério da Educação. FUNDESCOLA/DIPRO/FNDE. Fortalecimento do Trabalho da Equipe Escolar. Caderno de oficinas para o formador. Brasília, BRASIL. Ministério da Educação. FUNDESCOLA/DIPRO/FNDE. Fortalecimento do Trabalho da Equipe Escolar. Caderno de teoria e prática I. Brasília, BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Básica. Resolução 2/2001. Diário Oficial da União.Brasília, 14 de setembro de BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: adaptações curriculares. Estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Secretaria de Educação Fundamental. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC/ SEF/SESP,1999. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº de 20 de dezembro de Brasília. CARVALHO, Rosita Edler. Removendo barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. 3ª ed. Porto Alegre: Editora Mediação, DEMO, Pedro. Educação e conhecimento. Relação necessária, insuficiente e controversa. 3ª ed. Petrópolis,RJ: Editora Vozes, JOVER, Ana. Inclusão: qualidade para todos. In: Nova Escola, junho de LIBÂNEO, OLIVEIRA e TOSCHI. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, MANTOAN, Mª Teresa Eglér. Inclusão Escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo. Moderna, MANTOAN, Mª Teresa Eglér. Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. In: Nova Escola, maio de MAZZOTTA, Marcos J. S. Educação Especial no Brasil: Historia e políticas pública. 2 ed. São Paulo: autores associados, 1999.

19 MORIN, Edgar. Os setes saberes necessários à educação do futuro. São Paulo. Cortez: Brasília, DF: UNESCO, SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice: o social e o político na pósmodernidade, 2ª ed. São Paulo: Cortez, SCHAFFNER, C. Beth e BUSWELL, Barbara. Dez elementos críticos para a criação de comuniidades de ensino inclusivo e eficaz. IN: STAINBACK, Susan & STAINBACK William.Inclusão: um guia para educadores. Trad. Magda França Lopes, Porto Alegre: Artes Médicas Sul, SPOSATI, Aldaíza. Exclusão social abaixo da linha do Equador. In: Seminário Exclusão Social. PUC/SP

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE 1 EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE Msc. Chrystiane Vasconcelos Andrade Toscano Universidade Tiradentes e Secretaria de Estado da Educação de Sergipe chrystoscano@yahoo.com.br

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos)

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos) EDUCAÇÃO INCLUSIVA Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos) O QUE É INCLUSÃO? Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. É

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES.

POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. 1 POR UMA EAD INCLUSIVA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Indaial, Maio, 2011. Tatiana dos Santos da Silveira - UNIASSELVI silsa@terra.com.br Educação Universitária Nível Meso Gerenciamento, Organização e Tecnologia

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA Francisca Clelma da Costa Aluna do Curso de Pedagogia da UESPI Campus Clóvis Moura, PIBIC/UESPI Voluntária 2009/2010

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais. PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Nome da Instituição Proponente Construindo Pontes Garantia da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS.

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. Leonice Vieira de Jesus Paixão UNIMONTES- Universidade Estadual de Montes

Leia mais

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Autor: Brena Samyly S. de Paula, Élida Mônica S. da Silva, Karlianne Sousa Silva Falção e Marilia Moreira Pinho Data: 13/05/2010 Resumo Nosso trabalho

Leia mais

Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil

Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil Windyz B. Ferreira, Mércia Chavier e Alessandra Mendes Neste artigo apresentam-se experiências desenvolvidas por dois municípios brasileiros

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

Inclusão e prática docente no ensino superior

Inclusão e prática docente no ensino superior Inclusão e prática docente no ensino superior Denise Molon Castanho* Soraia Napoleão Freitas** Resumo Este artigo apresenta uma reflexão sobre a inclusão e a prática docente no ensino superior. A educação

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DE INCLUIR A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL DIVONETE BITTENCOURT dbittencourt2009@hotmail.com ALINE PAULA MALHERBI CRISTIANE PERSZEL Orientador(ª) Prof(ª) ROSELI VIOLA RODRIGUES

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da prática eficaz Desde 1988, o Centro

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

Educação inclusiva? Processos seletivos. Pedagogia. Educação Inclusiva. Profa. Elizabete Cristina Costa Renders

Educação inclusiva? Processos seletivos. Pedagogia. Educação Inclusiva. Profa. Elizabete Cristina Costa Renders Pedagogia Profa. Elizabete Cristina Costa Renders Educação Inclusiva Educação inclusiva? O panorama histórico da educação brasileira nos remete a situações de exclusão, a um sistema educacional marcadamente

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA. EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE NA RELAÇÃO ENTRE ALUNOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E ALUNOS NÃO PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA. Edicarlos Dos Santos Freitas, Luzimara Silveira Braz Machado, Rose

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL HILDA TEIXEIRA GOMES VILMA GOMES SAMPAIO ctbiha@rioeduca.net INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 1 INTRODUÇÃO Pensando em uma escola

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ESCOLA: Créditos. Um lugar de e para Todos. PROJETO: Com Passos

ESCOLA: Créditos. Um lugar de e para Todos. PROJETO: Com Passos ESCOLA: Um lugar de e para Todos. Créditos. IESGO Instituto de Ensino Superior de Goiás. Bacharel em Psicologia. Psicologia das Pessoas com Necessidades Especiais. Karley Macedo de Araújo. Secretaria de

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Andreza Magda da Silva Dantas Escola.E.E.M.Fc. Sá Cavalcante Paulista PB andreza_magda@hotmail.com Introdução Zelga Dantas de

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: AS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE CAMPO GRANDE/MS FRENTE À INCLUSÃO.

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: AS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE CAMPO GRANDE/MS FRENTE À INCLUSÃO. EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: AS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE CAMPO GRANDE/MS FRENTE À INCLUSÃO. Juliana Fernandes Junqueira -Acadêmica do curso de Educação Física - UCDB

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS 1 OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS Patrícia Oliveira Fontes Pedagoga. Especialista em Educação Inclusiva. Especialista em Libras. Professora Tutora da Universidade Tiradentes (UNIT) e Professora

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RECURSOS HUMANOS O PROGRAMA O Programa Municipal de Voluntariado

Leia mais

QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4

QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4 QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4 Patrícia Ferreira de Andrade. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro/UFRRJ

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS.

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INTRODUÇÃO Susana Michels 1 Maria Preis Welter 2 O presente

Leia mais

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS SILVA, Thaysa Pereira; RAIMANN, Elizabeth Gottschalg Universidade Federal de Goiás/ Campus Jataí; thaysapsilva@hotmail.com

Leia mais

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SILVA, N. S. - Bolsista PIBIC/UFRB-CFP 1 OLIVEIRA, T. C. B. C. - Professora Adjunta/ UFRB-CFP 2 RESUMO: Este artigo objetiva trazer

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino Convenção

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS LETRASLIBRAS 83 LETRASLIBRAS 84 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Wanilda Maria Alves Cavalcanti APRESENTAÇÃO Cara(o)aluna(o) Iniciandoumnovociclodeestudos,aUniversidadeFederaldaParaíbaincorporaaoscursosquejá

Leia mais