Relatório e Contas. Experiência. Rigor. Ao serviço do seu negócio.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório e Contas. Experiência. Rigor. Ao serviço do seu negócio."

Transcrição

1 2013 Relatório e Contas Experiência. Rigor. Ao serviço do seu negócio.

2 ÍNDICE Relatório de Gestão e Contas... 3 Mensagem do Presidente... 4 Conceito SGPS Apresentação Principais Ocorrências do Exercício Estrutura Societária Estrutura de Gestão e Organização Análise Económica e Financeira Actividades das Associadas Conceito - Consultoria de Gestão, S.A Conceito Classic, Lda Conceito Norte Consultoria de Gestão, Lda GACOF INOV Contabilidade, Lda Acountia, Lda Your Conceito, Lda Geografias de Destinos Europeus para Reporting a Clientes Objectivos para Proposta de Aplicação de Resultados Demonstrações Financeiras Balanço Demonstrações dos Resultados Demonstrações de Fluxos de Caixa Demonstração das Alterações no Capital Próprio Demonstração das Alterações no Capital Próprio Anexo às Demonstrações Financeiras Certificação Legal De Contas

3 Relatório de Gestão e Contas Empresa Conceito SGPS, S.A. Pessoa colectiva nº Capital Próprio: 12,6 milhões de euros Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Administração Carlos da Silva José Maria da Conceição Lopes Saramago da Silva José Pedro Luís Grade José Presidente Vogal Vogal Órgão de Fiscalização Fiscal único Rosário, Graça & Associados, SROC, Lda. representada por Manuel Luís Graça (ROC 758) Maria do Rosário Mira de Carvalho (ROC 658) Efectivo Suplente Escritório e sede Av. António Augusto de Aguiar, 19-4º Dto Lisboa T: Fax:

4 Mensagem do Presidente Estimados Accionistas, Como vem sendo habitual, gostaria de vos fazer uma síntese executiva das actividades do Grupo em 2013, antes de analisarmos as contas da SGPS e suas associadas, apensas a este relatório. O exercício de 2013 apresenta-se como tendo sido o mais relevante na vida e história do nosso Grupo. Desde logo e no tocante às matérias operacionais, porque se conseguiram atingir volumes de actividade com acentuáveis crescimentos, mesmo numa conjuntura adversa, a que associámos resultados com magnitudes consideráveis, atentas as dimensões relativas a que nos encontramos circunscritos. As nossas equipas, bem determinadas e focalizadas nos seus objectivos de atendimento dos nossos clientes e na prestação de serviços de elevado valor acrescentado aos seus negócios, cumpriram e excederam as metas económicas que tínhamos fixado para o exercício, o que constitui motivo de acrescida satisfação. Num plano de expansão, pela via de aquisições, fundámos a Your Conceito, em parceria com o Grupo Your, adquirimos a Lisbongest e consolidámos as posições na GACOF e na Acountia, tendo-se iniciado o estudo de dossiers que poderão originar novas aquisições em O exercício de 2013 apresenta-se como tendo sido o mais relevante na vida e história do nosso Grupo. Mantivemos as Parcerias existentes e criámos novas, alargámos os serviços oferecidos aos clientes, com especial ênfase para os novos serviços de invoicing e consolidámos as ofertas anteriores, especialmente em consolidações de contas e preços de transferência. No tocante às tecnologias, consolidámos a transferência do data center da Conceito para o data center da PT e iniciámos também a migração dos data center das associadas do Grupo, para o mesmo espaço, com o propósito de: (i) (ii) Melhorar o serviço e as acessibilidades dos clientes, Aumentar a segurança com exigentes políticas de backup e de disaster recovery e, (iii) Melhorar a conectividade. Ainda neste capítulo, concluímos com êxito o projecto DIGIUP, prevendo-se alargar a sua utilização em 2014 a outros ERP s, tendo sido registada a marca e iniciado o patenteamento da metodologia. No plano das distinções, assinale-se, mais uma vez, a atribuição concedida à associada Conceito, pelo IAPMEI, de PME LÍDER e PME EXCELÊNCIA, pelo quinto e quarto anos consecutivos, respectivamente, e a Certificação da Qualidade pela Norma ISO 9001:2008 da Conceito, já no início do corrente ano. Para 2014, mantemos os objectivos de crescimento anual, na vizinhança dos 15%, o que esperamos alcançar pela via orgânica, associada aos efeitos do plano de aquisições e lançamento de novas parcerias, orientadas para prestação de serviços focalizados em consultoria estratégica. 4

5 Ao nível dos resultados, estamos convictos de conseguir manter os actuais desempenhos, agora favorecidos pelos ganhos de eficiência que vamos incrementando e também como resultado dos elevados investimentos de base tecnológica que temos efectuado e esperamos manter. Continuamos a apostar na competência e dedicação das nossas equipas, pilares e grandes aliados dos nossos sucessos ( ). Mantivemos as acções objectivas de aproximação da segunda geração aos centros de decisão do Grupo e estamos a desenvolver um plano, com apoio de consultores externos, para que, num horizonte temporal de médio prazo, se assegure a continuidade dos negócios pela geração sucessora, com estabilização plena das operações, da base de clientes e da importante rede de contactos e parcerias. Continuamos a apostar na competência e dedicação das nossas equipas, pilares e grandes aliados dos nossos sucessos, por quem temos enorme admiração, endereçando-lhes um voto de estímulo e de confiança e assegurando-lhe continuada estabilidade e garantia de prestação em Grupo sólido, focus que sempre nos tem orientado nas decisões mais estratégicas e contamos com o seu empenho e dedicação acrescidas, num momento particularmente exigente e desafiante em que toda a economia e tecido empresarial se encontram, agora com sinais mais evidentes de superação das agonias recentes. Queremos continuar a merecer a preferência dos nossos clientes tudo fazendo para superar as suas expectativas. Acreditamos ser esse o motor dinamizador do nosso sustentado sucesso, reforçando-se a nossa posição de referência no mercado nacional. Os nossos êxitos, tal como no passado, dependerão do trabalho empenhado e profissional das nossas equipas, com as quais continuamos a contar e que, ao longo das últimas décadas, têm dado o melhor de si. O resultado foi a criação de um Grupo e de uma marca, estável, sólido, com níveis de crescimento consideráveis, reconhecido e prestigiado no mercado nacional e que pretendemos perpetuar. Carlos José Presidente do Conselho de Administração Lisboa, 22 de Abril de

6 Conceito SGPS 1. Apresentação A Conceito constituiu-se em 1982 dando origem ao Grupo Conceito em 2009 com a fundação da Conceito SGPS. O seu capital social é de dois milhões e quinhentos mil euros, encontrando-se totalmente realizado e os capitais próprios ascendem a 12,7 milhões de euros em Dezembro de A Conceito SGPS tem como principal objectivo gerir as participações sociais do Grupo Conceito e promover a sua expansão, através da aquisição de novas posições e de diversificação de actividades e mercados. Nesse sentido, têm vindo a ser concentradas na sua esfera participativa, não só as novas aquisições sociais mas também a transferência das existentes, já operadas ou em curso de operacionalização. Tem também como objectivo dar assessoria e suporte às participadas, prestando-lhes alguns serviços transversais, cabendo-lhe igualmente a parte nuclear de definir as questões de índole mais estratégicas do Grupo. A sede da Conceito SGPS encontra-se localizada em Lisboa, na Av. António Augusto de Aguiar, 19 4º Dto Principais Ocorrências do Exercício No exercício de 2013 merecem especial referência, pela sua relevância, os seguintes factos ocorridos neste período: i. Consolidou-se com êxito a operação de aquisição a 100% da GACOF, líder da Zona Oeste, com sede na Malveira; ii. iii. iv. Também nessa região, mais exactamente em Mafra, concretizouse, sob condição, a aquisição do escritório do representante regional da Acountia; Formalizou-se escrituralmente a aquisição de 50% do capital da rede Acountia, o maior franchisador nacional da nossa área de actividade; Constituiu-se a Your Conceito, por fusão de actividades da Conceito Classic com a Your Office, com escritórios em Lisboa, no espaço Amoreiras, na R. D. João V; A Conceito é PME Líder e PME Excelência, pela quinta e quarta vez consecutiva, respectivamente. v. Foram lançadas novas áreas de serviço, com destaque para os Preços de Transferência, Consolidação de Contas e serviços de Invoicing para clientes; vi. Desenvolveram-se actividades ao nível das sociedades do Grupo, prestando-lhes serviços de gestão, assessoria e suporte em IT; vii. Diligenciou-se na identificação de novos concorrentes-alvo, numa perspectiva aquisitiva, estudando-se vários dossiers com desfechos previsíveis para 2014; viii. Acompanhou-se o processo de candidatura da Conceito, junto do IAPMEI, a PME Líder e PME Excelência, distinções atribuídas pela quinta e quarta vez consecutiva, respectivamente. 6

7 ix. Manteve-se a Certificação da Conceito pela OTOC, como entidade de formação equiparada, conferindo-lhe assim a possibilidade das suas acções disponibilizarem créditos aos TOC s no âmbito da sua formação obrigatória; x. Consolidou-se com êxito a implementação do projecto de Gestão e Avaliação de Desempenho, Plano de Carreiras e Política de Benefícios; xi. Deu-se continuidade ao projecto de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade, objectivando a correspondente Certificação pela NP EN ISO 9001:2008, tendo sido obtida a Certificação já no início de 2014; xii. Foram lançados importantes projectos de base tecnológica, com resultados esperados a médio prazo, e que visam: (i) Aumentar a eficiência; (ii) Melhorar a segurança; (iii) Modernizar a actividade; e (iv) Desmaterializar os processos, neste caso com o projecto DIGIUP em utilização plena; xiii. Finalizou-se a deslocalização do nosso Data Center para o Data Center da PT, reforçando-se os mecanismos de segurança, de backup e de Disaster Recovery, em caso de acidente, aumentando a conectividade e implementando mecanismos de redundância; xiv. Manteve-se o ciclo de admissão de profissionais, proporcionandose também estágios a recém-licenciados em decorrência dos programas internos de captação de talentos e das ligações protocolares a Universidades; xv. Intensificaram-se os programas e seminários de Formação técnica especializada, orientada para os nossos profissionais e aberta a convidados externos, clientes e parceiros Estrutura Societária 7

8 1.3. Estrutura de Gestão e Organização Pretende-se que a SGPS mantenha uma estrutura ligeira, com capacidade de operação mínima, assegurando apenas alguns serviços transversais. As matérias mais estratégicas, prestadas às suas subsidiárias, são asseguradas pelos órgãos de Gestão. Quando a dimensão e as circunstâncias de negócio o justifiquem ou as necessidades e actividades o recomendem, serão estes serviços e capacidades ampliadas, com pessoal técnico adequado, se necessário, dentro dos limites legais. Todas as subsidiárias do Grupo mantêm a sua gestão autónoma, isto é, cada unidade tem os seus gestores operacionais que respondem pelos seus Orçamentos e Planos de Acção. Para agilizar e flexibilizar a capacidade e rapidez de decisão, cada associada tem o seu partner de reporte na SGPS. A gestão está orientada por princípios e instrumentos orçamentais, de reportings exigentes e com avaliação de performance segundo metodologias que têm vindo a ser optimizadas, com premiação na base do mérito, dos desempenhos e do atingimento dos objectivos. Permanecem na Conceito - Consultoria de Gestão, S.A., a centralização de alguns serviços especializados, por razões de eficiência, que são prestados às restantes empresas do Grupo, ou apenas a algumas, não se prevendo a alteração do modelo a breve prazo, nomeadamente: Departamento Fiscal - Assegura o necessário apoio fiscal e suporta os clientes e os técnicos do Grupo, assegurando a comunicação e interligação com os Consultores Externos especializados; Preços de Transferência Dotado com a competência técnica adequada para prestar serviços desta natureza a qualquer associada que capte serviços nesta área; Departamento Comercial - Assegura o contacto com potenciais clientes e a elaboração de propostas, sendo que, em caso de sucesso, decide da alocação do cliente à subsidiária melhor posicionada para a prestação do serviço em causa; Departamento de Qualidade - Focalizado na certificação da associada Conceito, mas pretende-se que assegure a obtenção e manutenção da certificação para todas as associadas; Departamento de Tecnologias de Informação - Garante a manutenção dos sistemas informáticos centrais e o necessário apoio aos utilizadores, gerindo as plataformas, os parceiros e fornecedores desta área, actuando em estreita colaboração e comunhão de interesses com os restantes técnicos informáticos do Grupo. Aconselha também a Administração sobre as opções estratégicas que se colocam nesta importante área de suporte. 8

9 1.4. Análise Económica e Financeira O Volume de Negócios Agregado de 2013, medido pelos Rendimentos Totais, ascendeu a milhares de euros que compara com os milhares de euros do ano anterior, registando-se assim um crescimento superior a 21%, como melhor se evidencia no gráfico seguinte: Volume de Negócios (milhares de euros) Em 2013 a SGPS registou um volume de serviços prestados às suas associadas, no montante de 41 milhares de euros, a que acrescem ganhos de milhares de euros em empresas subsidiárias, registados através da contabilização pelo método da equivalência patrimonial. O exercício encerrou com um resultado líquido positivo de milhares de euros, valor que compara com os 845 milhares de euros registados no ano anterior, atingindo-se assim uma melhoria de cerca de 40% por via do crescimento do volume de actividade e também por incorporação de ganhos de eficiência. Evolução dos Resultados Líquidos (milhares de euros) 9

10 Ao nível dos Capitais Próprios e face à não distribuição de dividendos, por opção e para fazer face a planos de investimentos, os resultados do ano anterior foram totalmente incorporados nos Capitais Próprios atingindo estes uma expressão que ultrapassa os 12,6 milhões de euros em 31 de Dezembro. Os Activos Totais, no mesmo período, posicionam-se em 13,3 milhões de euros e os Passivos Totais cifram- -se em 621 milhares de euros. Nesta linha dos investimentos e no exercício de 2013, de referir a aquisição pela SGPS da posição que a Conceito detinha na Conceito Classic mantendo a Conceito apenas uma posição residual. Ocorreu também a liquidação financeira da operação de aquisição de 50% do capital da Acountia e ainda os dispêndios financeiros necessários com a constituição e lançamento do projecto Your Conceito, detido em 50% pelo Grupo Conceito. A dimensão dos Capitais existentes associada à reduzida expressão de passivos, coloca a SGPS numa posição confortável para acorrer aos seus planos de investimento, nomeadamente na vertente aquisitiva, se surgirem oportunidades elegíveis. Activo e Capital Próprio (milhares de euros) 10

11 2. Actividades das Associadas 2.1. Conceito Consultoria de Gestão, S.A. Merece especial referência, nesta associada, o seu desempenho económico e financeiro, mesmo em ambiente adverso, tendo posicionado a sua actividade numa dimensão de cerca de 4,4 milhões de euros, registando assim um crescimento de 8% relativamente ao ano anterior e também, no mesmo período, um crescimento nos resultados de cerca de 22%. ( ) o seu desempenho económico e financeiro, ( ), registando assim um crescimento de 8% relativamente ao ano anterior e também, no mesmo período, um crescimento nos resultados de cerca de 22%. A Conceito implementou a DIGIUP, uma metodologia única e ímpar na actividade que irá revolucionar o mercado da contabilidade em Portugal. Este crescimento impulsionou também a contratação de mais recursos técnicos, por via de novas admissões, originando crescentes acções de formação, especialmente técnica, para dotar as equipas com actualizações e conhecimentos ao nível dos desafios que se lhes colocam. Ao nível das distinções, refira-se a atribuição dos galardões conferidos pelo IAPMEI, pelo quinto ano consecutivo, de PME Líder e pelo quarto de PME Excelência, aguardando-se continuar com desempenhos que sejam de novo merecedores da renovação destas distinções no corrente exercício. Os Activos Totais ultrapassam os 7 milhões de euros, os Capitais Próprios são cerca de 5 milhões de euros e os Passivos, no montante de 2,6 milhões de euros, são de natureza corrente e não registam nenhum passivo financeiro. Nos Activos Totais, refira-se o crescimento da conta Clientes, crescimento este que resulta do acréscimo de actividade mas também de uma ligeira deterioração da função cobranças. No plano tecnológico, de realçar o lançamento do Centro DIGIUP, metodologia que incorpora elevada tecnologia e que, sumariamente, consiste na desmaterialização documental, convertendo imagens em dados, com validações e verificações simultâneas, originando um processo de integração contabilística automática nas plataformas ERP s existentes. É uma iniciativa registada e em vias de ser patenteada que, ao serviço do nosso negócio, muito contribuirá para elevar os níveis de serviço aos nossos clientes, sendo um marco na actividade e uma iniciativa pioneira no sector Apresenta-se, mais uma vez, com forte probabilidade de ser um ano rico em acontecimentos, a avaliar pelo portfólio de oportunidades de negócio e de projectos que temos em mãos. No tocante a projectos e apenas para referir os mais ambiciosos, queremos destacar os que se encontram em curso, na área das tecnologias de informação, com especial destaque para as novas fases do DIGIUP e de um CRM de última geração. Ainda que em ambiente continuadamente adverso e com reduzidos sinais de recuperação, projecta-se um crescimento das actividades, por via orgânica, que poderá vir a situar-se na vizinhança dos 15%, bem acima do registo obtido em

12 Organigrama Conceito 2.2. Conceito Classic, Lda. A Conceito Classic era o franchisado Acountia da Av. da República que entretanto se transferiu para a Av. António Augusto de Aguiar. Na sequência da constituição da Your Conceito, as actividades desta associada, nomeadamente a sua carteira de clientes e todos os recursos afectos, foram alocados gradualmente à nova entidade ou sê- -lo-ão até final do corrente exercício. Em consequência, as suas actividades têm vindo a ser gradualmente descontinuadas e, a prazo, e esgotando-se o objecto social, terá de ser encontrada solução adequada que justifique a sua existência e, caso não se encontre, proceder-se-á à sua desactivação. De um ponto de vista económico e financeiro, os seus indicadores de desempenho de 2013 ainda se situaram em níveis muito idênticos aos registados em exercício anterior, tendo o volume de negócios atingido um montante de 560 milhares de euros e o resultado antes de imposto a situar-se em 42 milhares de euros. Face ao referido, o exercício de 2014 apresenta-se expectavelmente como um exercício de extinção das actividades ainda existentes e apenas residualmente persistirão algumas operações de reduzida expressão Conceito Norte Consultoria de Gestão, Lda. Para assegurar serviços à região Norte do país, fundámos a Conceito Norte, em parceria com um parceiro local, na qual participamos em 50% do seu capital através da associada Conceito. Esta participação será transferida para a esfera societária da SGPS, como já referido, intenção que fazia parte dos objectivos de 2013 e que não foi operacionalizada. 12

13 É uma sociedade com a sua actividade Certificada pela NP EN ISO 9001:2008, desde 2006 ( ). A Conceito Norte tem instalado um ERP da Acountia possuindo um contrato de franquia com esta marca. Esta marca é hoje detida em 50% pelo Grupo, tendo sido 25% adquiridos pela SGPS e os restantes 25% pela Conceito Norte. É uma sociedade com a sua actividade Certificada pela NP EN ISO 9001:2008 desde 2006, certificação que obteve por via da FreeWay, anterior franchisado da Fiducial, adquirido pela Conceito Norte. As suas actividades em 2013 e por razões especialmente de conjuntura, caíram cerca de 8%, relativamente a período homólogo, tendo atingido, em 2013, um montante de vendas de 363 milhares de euros. Os resultados antes de impostos e os resultados líquidos de, respectivamente, 50 e 37 milhares de euros e pelas mesmas razões anteriormente referidas, registam idêntica redução. Os Activos e Passivos e por via da liquidação financeira da operação de aquisição da Acountia, experimentaram também algumas reduções sendo de referir, em particular, melhorias consideráveis na conta de clientes em razão de desempenho da função cobranças. Para 2014 é expectável encetar uma caminhada de recuperação da actividade perdida nos dois últimos exercícios, convicção que resulta de maior actividade comercial com sinais claros de novos contractos a serem firmados no início do corrente ano, nos quais se incluem investidores de outras geografias o que nos motivou a iniciar a formação de aperfeiçoamento em idiomas GACOF INOV Contabilidade, Lda. A GACOF é uma das associadas mais recentes do Grupo tendo sido adquirida no primeiro semestre de 2012, mais exactamente sob nossa responsabilidade desde 1 de Julho desse exercício. Encontra-se sedeada na Malveira sendo líder regional e um dos maiores operadores do Concelho de Mafra. Possui uma equipa de 16 técnicos e mais de 200 clientes activos. Num plano económico e financeiro, o exercício de 2013, sendo o primeiro completo sob gestão da equipa Conceito, apresenta-se com indicadores muito satisfatórios: O Volume de Negócios, a atingir os 592 milhares de euros, regista um crescimento de cerca de 190 milhares de euros relativamente ao exercício precedente. Os Resultados Antes de Impostos, no montante de 75 milhares de euros, mais que triplicaram relativamente a O atingimento deste resultado permitiu-nos reduzir os passivos em cerca de 60 milhares de euros. Os activos cresceram por efeitos de aumento da conta de clientes, resultando este aumento do crescimento da actividade e também por alguma deterioração do prazo médio de recebimentos. Ao nível dos Recursos Humanos, reforçámos as equipas com novas contratações e também com a afectação de técnicos Conceito que se deslocaram do escritório de Lisboa e iniciámos o ciclo de formação em idiomas (inglês e espanhol). Ainda a este propósito, de referir, acentuar e agradecer a prestimosa colaboração dos anteriores proprietários, cuja prestação se concluiu neste exercício e que muito 13

14 útil se revelou na passagem cuidada e acompanhada dos clientes e de todas as suas pendências. No plano das infra-estruturas tecnológicas, iniciaram-se os trabalhos preparatórios de transferência do Data Center existente, para o espaço PT que o Grupo Conceito tem contratado, com esta entidade, para alojar toda a informação e dados das suas associadas. Ao nível das práticas e das metodologias, prosseguiram a instalação e migração para o ambiente e standards Conceito, sempre com a preocupação de não introduzir perturbação no negócio e, especialmente, na relação com os clientes. A este nível, podemos hoje confirmar que esta transição, especialmente ao nível da carteira de clientes, se afigurou pacífica sem quaisquer perdas decorrentes desta operação. Num plano mais estratégico e numa lógica de expansão dos negócios, de assinalar a aquisição, sob condição, do escritório da Acountia de Mafra, de Hugo Moreira Luís & Associados, cuja integração se iniciou no último trimestre do ano transacto e se tornará efectiva no final de Com esta operação de trespasse, a GACOF incorporará mais 4 técnicos, cerca de 50 novos clientes e um volume de actividade adicional de cerca de 150 milhares de euros. Estamos convictos de incorporar esta operação sem quaisquer dificuldades, atentas a experiência da equipa local em operações equivalentes e com a certeza também de que o nível de serviço oferecido ajudará a consolidar esta carteira de clientes. Por efeitos do anteriormente referido e do crescimento orgânico expectável, é razoável supor que o volume de negócios da GACOF em 2014 se aproximará velozmente dos 700 milhares de euros Acountia, Lda. Acountia é a marca que gere a rede de franchising em Portugal na área da prestação de serviços de apoio à gestão, anteriormente assegurada pela Fiducial. É uma operação de aquisição na qual passámos a ser accionistas a 50%, sendo 25% detidos directamente pela SGPS e os restantes 25% pela Conceito Norte. Em jeito de caracterização, a Acountia, anterior Fiducial, tem 14 anos de actividade em Portugal, é a maior rede de franchising nacional, em serviços de apoio à gestão, tem cerca de 40 franchisados, suporta clientes empresariais e possui um corpo técnico de 200 profissionais. As suas plataformas informáticas, ERP, são de última geração e tem uma rede de parceiros tecnológicos de referência. ( ) é a maior rede de franchising nacional, em serviços de apoio à gestão, tem cerca de 40 franchisados, suporta clientes empresariais e possui um corpo técnico de 200 profissionais. Num plano estratégico e atentas as intenções de expansão da rede, merecem referência: (i) Mercado internacional a forte e rápida progressão em geografias internacionais, com destaque para a instalação em Angola, Macau e, mais recentemente, em Moçambique, países nos quais se identificaram parceiros com os quais se estabeleceram contractos de master franchisador para esses destinos. Ainda nos mercados internacionais, de assinalar as acções que a breve prazo conduzirão a contractos equivalentes no Brasil e em mais dois ou três países no decorrer de (ii) Mercado nacional verificou-se alguma dificuldade em expandir a rede, em 2013, sendo o saldo entre entradas e saídas de franchisados, nulo, donde decorre, globalmente, o mesmo 14

15 número final de escritórios em funcionamento. Para a expansão da rede nacional, muito se conta com as oportunidades da parceria com o Millennium BCP, quanto aos clientes APLAUSO, a quem somos referenciados, esperando que esta parceria contribua para captação de um importante universo de empresas que a rede terá de saber atrair, a par de outras iniciativas protocolares, publicidade nos canais de imprensa e seminários regionais temáticos que, em conjunto, criarão oportunidades comerciais e contribuirão para acrescida notoriedade da rede. Para apoiar a expansão internacional, estamos atentos aos incentivos existentes no âmbito do QREN a que nos candidatámos com sucesso. Do ponto de vista da Conceito, o nosso particular apport, é o conhecimento do negócio, as nossas práticas e as nossas metodologias e, desse ponto de vista, apoiar a rede, fortalecendo a sua prestação e contribuindo para que a Acountia seja um grande operador de contabilidade Your Conceito, Lda. A Your Conceito é a mais recente associada do Grupo tendo sido constituída por escritura pública de 7 de Maio de 2013, da qual a Conceito SGPS detém 50% do capital social sendo os restantes detidos pela Your Investments SGPS. É uma nova sociedade que se dedica a negócios na esfera dos que vêm sendo desenvolvidos pelo Grupo Conceito, que desta forma amplia a sua base de clientes e que resulta de uma parceria estabelecida com o Grupo Your, que é detido por ex-auditoras da KPMG. O Grupo Conceito, por seu lado, afectará a esta nova sociedade as suas metodologias, a sua experiência e know-how do negócio, pela via da afectação de recursos técnicos com elevada especialização e também com o suporte das suas equipas e rede de consultores. Esta nova sociedade iniciou de facto as suas operações a 1 de Junho transacto, tendo sido transferidos para o seu perímetro a carteira de clientes e os recursos técnicos e humanos da Conceito Classic e da Your Office. Esta sociedade nasce com um volume de negócios potencial imediato na vizinhança de milhares de euros, igual ao somatório das empresas que lhe deram origem, sendo expectável que estaremos na presença de uma iniciativa em que o resultado final será muito superior à soma das partes. A sociedade opera a partir dos seus escritórios centrais em Lisboa, sitos no Centro Empresarial Espaço Amoreiras, local muito digno e com excelentes condições de recepção dos nossos clientes. A transição dos recursos humanos foi precedida de acções de acolhimento apropriadas e a migração dos clientes decorreu sem quaisquer sobressaltos os quais, na sua generalidade, receberam muito bem esta iniciativa. Estamos muito entusiasmados com este projecto e convictos que esta parceria tem condições para fazer crescer consideravelmente os serviços globais, mantendo-se a qualidade e nível de serviços a que habituamos os nossos clientes e também pela dinâmica da equipa de gestão, pelos seus canais de penetração comercial e pela notoriedade que vem granjeando junto dos media. 15

16 O exercício de 2013, sendo o primeiro exercício de actividade e atenta a operação de fusão de actividades existente, correu acima das melhores expectativas, pelo volume de negócios atingido, no montante de 928 milhares de euros, em sete meses de actividade, com um resultado líquido de 52 milhares de euros em idêntico período. Também na linha de expansão das suas actividades, pela via aquisitiva, finalizámos a primeira operação, próximo do final do ano, do escritório da Acountia de Telheiras, LISBONGEST, a quem adquirimos, por cedência de exploração, a carteira de clientes com um volume de negócios associado de cerca de 200 milhares de euros bem como os recursos humanos afectos, passando a operar nos escritórios das Amoreiras. Para o exercício de 2014 esperam-se grandes iniciativas, com especial focalização na manutenção e formação de uma equipa que se pretende coesa, na continuada prestação de um serviço de qualidade aos clientes e com grandes crescimentos no volume de negócios, a situarem-se orçamentalmente na vizinhança de 1,8 milhões de euros, a que acrescerão volumes adicionais, por via aquisitiva, cujas carteiras se encontram em estudo. A expansão dos negócios para geografias internacionais, constitui também um objectivo de médio prazo cujas bases de preparação se iniciarão no decorrer de Geografias de Destinos Europeus para Reporting a Clientes 16

17 3. Objectivos para 2014 Para o exercício de 2014, mantêm-se os objectivos de curto prazo já anunciados em exercícios anteriores, revistos e actualizados e dos quais destacamos: Organizar os serviços internos, através de uma estrutura mínima, que garanta o apoio e a prestação de serviços às subsidiárias, especialmente nos domínios da gestão, organização, qualidade, planeamento e controlo; Acompanhar a evolução da actividade das subsidiárias intervindo na gestão, sempre que se justifique; Promover a modernização e desenvolvimento tecnológico do Grupo; Desenvolver iniciativas em ordem à expansão do Grupo, concretizando operações de aquisição, sempre que estejam reunidas condições de atractividade, finalizando pelo menos uma nova operação em 2014; Consolidar a externalização do Data Center na PT e, por esta via, aumentar as condições de segurança da informação e do negócio, transferindo para este os dados de todas as associadas; Consolidar o Departamento de RH para desenvolvimento e Gestão dos Recursos próprios; Assegurar a manutenção da qualificação concedida pela OTOC, de entidade equiparada para efeitos de formação; Manter as Certificações de Qualidade, ISO 9001:2008, conseguidas e ampliá-las às associadas que as não possuem; Prosseguir a estratégia de sucessão e de envolvimento dos sucessores no negócio; A que agora se aditam: Prosseguir a expansão do projecto de desmaterialização da actividade, DIGIUP, avançando velozmente para as fases subsequentes; Obter a renovação da distinção de PME LÍDER e PME EXCELÊNCIA, que tem vindo a ser atribuído pelo IAPMEI à Conceito; Renovar o site do Grupo e implementar uma lógica de adição frequente de conteúdos; Refrescar a imagem Conceito e produzir novos conteúdos e suportes comerciais; Consolidar o Sistema de Gestão e Avaliação de Desempenho na Conceito e alargar a metodologia a outras associadas; Reforçar as Parcerias existentes, estabelecer novas e alargar a oferta de serviços (invoicing entre outros); Na área da Formação, manter os esforços de investimento em 17

18 formação técnica especializada e assegurar e manter os inquéritos de avaliação do nível de satisfação dos clientes e do ambiente interno, que são poderosos instrumentos de gestão; Manter uma orientação para objectivos ambiciosos e criar condições para manutenção de elevados desempenhos; Pugnar pelo crescimento do Grupo pela via orgânica e pelas aquisições de operadores concorrentes; Lançar um projecto de focalização em consultoria estratégica, em parceria com outros operadores. 4. Proposta para a Aplicação de Resultados O exercício de 2013 encerrou na SGPS com um resultado líquido positivo de ,16 euros, como já anteriormente referido, resultado este que advém, substancialmente, dos efeitos de incorporação dos resultados gerados nas suas subsidiárias. Para este resultado, apresenta-se a seguinte proposta de aplicação; Reservas Legais Lucros não atribuídos ,36 euros ,72 euros Resultados transitados o remanescente no montante de ,08 euros. Lisboa, 22 de Abril de 2014 O Conselho de Administração Carlos José Maria da Conceição José Pedro José 18

19 Demonstrações Financeiras Balanço em 31 de Dezembro de 2013 (Montantes expressos em Euros) ACTIVO Notas ACTIVO NÃO CORRENTE: Activos fixos tangíveis ,00 Participações financeiras - método da equivalência patrimonial , ,81 Participações financeiras - outros métodos ,00 Outros activos não correntes Total do activo não corrente , ,81 ACTIVO CORRENTE: Existências - - Inventários - Contas a receber de accionistas Activos biológicos Clientes , ,95 Adiantamentos a fornecedores Estados e outros entes públicos 9, ,77 - Accionistas / sócios Outras contas a receber ,55 - Diferimentos ,28 Activos financeiros detidos para negociação Outros activos financeiros - - Activos não correntes detidos para venda Caixa e depósitos bancários 4, , ,74 Total do activo corrente , ,97 Total do activo , ,78 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO CAPITAL PRÓPRIO: Capital realizado , ,00 Acções (quotas) próprias Outros instrumentos de capital próprio , ,00 Prémios de emissão Reservas legais , ,79 Outras reservas Resultados transitados , ,06 Ajustamentos em activos financeiros , ,27 Excedentes de revalorização Outras variações no capital próprio , ,12 Resultado líquido do período , ,26 Total do capital próprio , ,38 PASSIVO: PASSIVO NÃO CORRENTE: Total do passivo não corrente - - PASSIVO CORRENTE: Fornecedores ,36 953,25 Estado e outros entes publicos 11, , ,79 Outras contas a pagar , ,36 Total do passivo corrente , ,40 Total do passivo , ,40 Total do capital próprio e do passivo , ,78 O anexo faz parte integrante do Balanço. O Técnico Oficial de Contas O Conselho de Administração 19

20 Demonstração dos Resultados Por Naturezas do Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 (Montantes expressos em Euros) RENDIMENTOS E GASTOS Notas Vendas e serviços prestados , ,75 Subsídios à exploração Ganhos / perdas imputados de subsidiárias, associadas e empreendimentos conjuntos , ,54 Variação nos inventários da produção Trabalhos para a própria entidade Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas Fornecimentos e serviços externos 15 (12.195,61) (9.802,77) Gastos com o pessoal 16 (32.694,20) (36.020,61) Imparidade de inventários (perdas / reversões) Imparidade de dívidas a receber (perdas / reversões) Provisões (aumentos / reduções) Imparidade de investimentos não depreciáveis / amortizáveis (perdas / reversões) Aumentos / reduções de justo valor - - Outros rendimentos e ganhos , ,98 Outros gastos e perdas 19 (93,04) (33,16) Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos , ,73 Gastos / reversões de depreciação e de amortização 17 (2.000,00) (2.000,00) Imparidade de investimentos depreciáveis / amortizáveis (perdas / reversões) Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) , ,73 Juros e rendimentos similares obtidos - - Juros e gastos similares suportados - - Resultado antes de impostos , ,73 Imposto sobre o rendimento do período 8 (1.006,94) (5.207,47) Resultado líquido do período , ,26 Resultado das actividades descontinuadas (líquido de impostos) incluído no resultado líquido do período Resultado por acção básico 0,47 0,34 O anexo faz parte integrante desta Demonstração dos Resultados por Naturezas. O Técnico Oficial de Contas O Conselho de Administração 20

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

Relatório e Contas. Experiência. Rigor. Ao serviço do seu negócio.

Relatório e Contas. Experiência. Rigor. Ao serviço do seu negócio. 2013 Relatório e Contas Experiência. Rigor. Ao serviço do seu negócio. ÍNDICE Relatório de Gestão e Contas... 3 Relatório do Conselho de Administração... 4 1. Principais acontecimentos do exercício...

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade.

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade. 01 -IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIACAO ENTRE FAMILIA - BRAGANÇA é uma sociedade Anónima, constituída a 13-08-2009, com sede em RUA EMIDIO NAVARRO TRAS IGREJA, BRAGANCA, 5300-210, BRAGANCA, e tem como

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

Aequivalência patrimonial é um método

Aequivalência patrimonial é um método 32 Fiscalidade A equivalência patrimonial eosimpostos diferidos A equivalência patrimonial e o método do custo têm particularidades que é conveniente ter em conta. Na aplicação dos métodos de contabilização

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

IBERSOL S.G.P.S., S.A.

IBERSOL S.G.P.S., S.A. IBERSOL S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Edifício Península, Praça do Bom Sucesso, n.º 105 a 159 9 º andar, 4150 146 Porto Capital Social : 20.000.000 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM

RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM 2012 RELATÓRIO INSTRUMENTOS PREVISIONAIS VARZIM LAZEREEM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3 - Demonstração

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

Relatório e Contas 2011 Relatório e Contas 2011 Safira 18 Balanço do Exercício em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 (Montantes expressos em euros) ACTIVO Activo não corrente Activos fixos

Leia mais