T ER U Y UKI M O R IT A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "T ER U Y UKI M O R IT A"

Transcrição

1 T ER U Y UKI M O R IT A I NO V A ÇÕES DE RUPT U RA: um estudo sobre a es tratégi a em o r ganiz a ç ã o i n cu mbent e no setor b an cário. D issert a ção a presen t ad a a o C en t ro Un ivers itário d a Fundação Educacional In a c i a na Padre S ab óia d e M ed ei r os, co mo p arte dos r e q uisitos n e c e ssários p a r a obten ç ão do t ítulo de M es t re em A d ministração, orien t ad o p elo P ro f. D r. E dm ilson Alves de Moraes. S ã o P a ulo

2 Morita, Teruyuki Inovações de ruptura : um estudo sobre a estratégia em organização incumbente no setor bancário / Teruyuki Morita. São Paulo, f. : il. Dissertação Centro Universitário da FEI. Orientador: Prof. Dr. Edmilson Alves de Moraes 1. Estratégia. 2. Incumbente. 3. Mapeamento cognitivo. I. Título. CDU

3

4 a o D eus de P az; à Sandra; à T amires; e a o Dan i el.

5 A GRADE C IMENTOS A o P ro f. Io n G eo rgi o u, q u e c onj u ga a vi rt ude d e e nsinar c om o t al e nt o d e desen volver o es pírito p esqui s ad or, inspirando c onfiança e m otivação. A o s P ro f es sores A n d ré M as c a r en h as, Bráu lio O liveira, Charl es K i rs c hbaum, Is a b e lla V as c oncel os e R obert o Bern a rd e s, q u e faz e m do ex e r cí ci o docen t e um a t arefa praz e ro sa, n ã o s ó a s i, m as p r inci p almente a o s al u nos. A o P r of. M á r cio Rillo, o am i go q ue a c r e ditou e fo i o grande v i abi liz ad o r d este trabal ho. À P r of. T ân i a Hiroshi, a grande incentivad o ra e ex e m plo d e d e t erminação e pers istênci a. A o s col e gas docent e s d as Facul d ad es C am pos S al les, Pro f e ssores C onrad o H utten, M a u rí ci o M anz alli e S é r gio S a ntos pelas p ro veitosas d iscussões e o ri en t a çõ es quanto a o sistem a m onetário b rasileiro, a m a c ro e nomia, os meios de pagament o de varej o e o Ban co C e nt r al. A o s a migos, q ue d e r am c ont ri buições i mportant e s e e s s en ci ai s, m a s d es e j aram p erman e c e r no an onimato: A nt ôni o Carlos, D ougl as, Iv o n e, José Antônio e M a rcos. U m a gradeciment o e s p e ci al a o Prof. Edmilson Moraes, orien t ad or e a migo de todas as horas.

6 ...e ch a mo u o seu nome Eben ez e r, e disse: Até aqui nos aj udou o Senhor. 1 o. Li v r o de S am u el, cap.7, v.12

7 R ESUMO E sta dissertação ap r e s ent a um estudo sobre a p rática d a e strat é gi a o r ganiz a ci onal n o s e tor b an c á ri o b r asileiro, ab o rd a ndo es p e ci fi c am e nte o s a spect os r el a tivos ao p ro c e sso d e t om a da d e d e c isão d e um i n cum b en t e f a ce as v a ri áv ei s do m ei o a mbiente, às q u ais s ã o a c r es ci da d e di fi cu ldad e s ex t ras, a p ossibi lidade do s e tor e star diante d e i novaçõ es t e c nol ó gi c as disrupt ivas que p odem al av a n c ar a i ndústri a a u m novo p aradi gma. O t rabal ho é r e al izado at r av é s d e es tudo d e c as o, f o c a do n a possibi lidade do f im d o p ap e l-moeda, f a c e à i nsurgên c ia d e n o vos m ei os el etrônico s d e p a gam e ntos. E ste e studo t r az c omo c o nt ri buição a ap r e s ent a ç ão d a m et odol o gia SODA a pl i cada no m a p eament o d a co gnição d e gerentes e ex e cu tivos d a organização i n cum b en t e, isto é, a partir d e entrevi stas t r an s critas, r e aliz a -s e a geração d e m a pas co gnitivos q u e p e rmitem v e ri fi c a r co mo o i n cu mben te s e p osiciona c om r e l a ç ão ao s eu paradigm a at ual, s e u r e l a ci onam e nto c o m parcei r os e c lientes, s e u co mportamento atual, sua v isão d e f uturo e sua estrat é gia d e ação. P al a vras-chav e : Estratégi a, In c u mben te, Mapeament o cogn itivo.

8 A BSTRACT T hi s m aster thesis r ep o rts a stud y a b out pract i ces o f s trategy in Brazilian b an king i ndustr y, more s p e ci fi c all y o n som e a spect s o f d e c ision m aking process of the incu mbent of the b an king industry f a c ing r e gular ch allenges stat e d b y t he en vi r onm e nt t h at now a r e ad ded w ith ex tra d ifficult y: r a di c al technology i n n o v ations. T h e p a p er w as c o nduct ed u sing a c a s e stud y, speci f icall y t h e possibility o f the e nd of t h e paper-money d u e the a ppearan ce o f t h e n ew el e ct r oni c s w a y o f p a ym e n t. The co nt ri bution of t his study i s t h e pres e ntation of the S O DA m et hodology a p p lied t o the c o gnitive m ap pi n g o f the executives o f t h e i n cum b en t o r ganization, t hat start ing f r om s om e i nt e rview, t h e m ethod p r o gres s through the a ch i ev em e nt o f t he c o gnitive m apping that al low u s t o get his beh avi o r wi th partners, suppliers an d cu stom e rs, h is vision o f t he fu ture a nd the strat e g y i n co urse. K e y w o r d s: S t rategy, In c u m b en t, Cognitive map pi n g.

9 L ISTA DE FI GURAS F IG U R A 1 - C iclo t e c nol ó gi co F IG U R A 2 - Exem plo de c onstrut os e de i nt e rligação F IG U R A 3 - Vi e w do m a p eamen to de GSB F IG U R A 4 - Op ç õ es es trat é gi c as para atingimen to dos Obj et ivos P ri n cipais, P e rs p e ct ivas P ositiva e N egativa F IG U R A 5 - Op ç õ es es trat é gi c as para atingimen to das P erspectivas N e gativas de stakeh olders F IG U R A 6 - Op ç õ es es trat é gi c as para C om port am e nto e Atitudes F IG U R A 7 - C onstru to 3 grau de impl osão=6 (In d e gree) F IG U R A 8 - Construto 4 grau de ex pl osão = 8 (Ou tdegree) F IG U R A 9 - Construto 6 grau de ex pl osão = 8 (Ou tdegree) F IG U R A 10 Lo o ps... 78

10 L ISTA DE Q UADROS Q U A DR O 1 - Li sta d e Entrevi stas e docum e ntos transcritos Q U A DR O 2 - C at e go r ização de co nstrutos relativos a e stratégia Q U A DR O 3 - C at e go r ização de co nstrutos relativos a stakehol d er e grupos de pres s ão Q U A DR O 4 - Visão geral de r el a ci onam e ntos de c onstrutos rel a tivos a e s tratégia Q U A DR O 5 - Visão geral de r el a ci onam e ntos de c onstrutos rel a tivos a s t ak eh ol d ers e grupos de p r essão Q U A DR O 6 - Design a ç ã o dos m a p e am en tos cognitivos obtidos at r a vés d e en trevistas Q U A DR O 7 - Construtos de m ai o r es graus de implosão, ex pl osão e d om inân c i a

11 S U MÁ R IO 1 INT RO D U ÇÃO RE FERENCIAL TEÓRI CO T e cn ologi a E voluçã o tecnol ógica e organ i za çã o Cap a cidad e o rg anizacional O r gan i za çã o, es t r atégi a e inovaçã o tecn ol ógi c a A inovação tecn ológi c a d e ruptu ra O fato r incu mb en t e e o uso d e estratég ia no seto r bancá ri o A d e s con tinuidade t e cnológi ca e a jan e la es t ra t ég i ca O mo mento d e d es c on tinuidad e : d e t e r minação, f ato s gerad o r es e c o ntri buiçã o à estratégia organ i za cional METODOLOGIA DE PE SQUIS A Objeto d a p es quisa: Os bancos e os meios d e p agamento d e v a r e jo E stru tu r a çã o de problema s : u m meio d e se r e alizar pesquisa qualitativa Metod ol ogi a SODA: c on c ei to s e p r op ri edad e s C a r a ct e rísticas de m ap a s cognitivos MÉTODO DE OBTENÇÃO DE DADOS DE PESQUI SA E x traçõ e s d e C on s trutos Ca t eg o ri z ação d e constru t os Ma peamentos cogniti vos ob tidos Análises d e resultados An ál ise de mapeam e nt o obt ido por fu são de todos en t revistad os In f e r ê n ci a s a partir d e h e ad s In f e r ê n ci a s a partir d as Op çõ e s Estratégi c a s In f e r ê n ci a s a partir d as C au s as Primári as (T ai ls) An ál ise de implosão, ex plosão e dominân c ia Im p losão... 71

12 Explosão D ominância An ál ise a partir de loops Lo o p s au tocontrolados Lo o p s rege n e r at ivos An ál ise de t ri o especi al de construtos An al ise de mapeam e nt o obt ido por fu são em área de a tuação Business view An ál ise de head s Anál ise de tails T e ch Vi ew An ál ise de head s An ál ise de tails An ál ise de mapeam e nt o obt ido por fu são em nível hi e r á rq ui co Ma nager view An ál ise de head s A n álise de t ai ls Executive vi ew An ál ise de head s A n álise de t ai ls CO NCLUSÕES Con c lusões com b ase em inf e r ências aos resulta dos d o métod o d e p es quisa P ossibilidad es do pap e l-moeda vi r a ser substituído por m o ed a e l et r ôni c a Tecnologi as que podem possibilitar o fim do pap el -m o ed a Existência de p ro jetos que ut ilizem essas tecnologias Con c lusões com b ase em inf e r ências aos resulta dos d a p r ática da e s t r atégia Con c lusões quanto ao es tudo d e caso Fi m do papel-moeda Im p a c tos na indústri a financeira... 94

13 T e c h n o l o g i c a l d i s c o n t i n i t y O incu mbent e, a inovação e a s práticas construt ivi stas Outras con clusões e ap licab ilidade Busines s X Technology Execu tivos X G e r en tes Exercí ci o da estratégia co rp o r ativa Observ a çõ es e recomendaçõ es quanto ao métod o d e p esquisa Sugestões d e co ntinuidad e de trab alho R E FERÊNCIAS A PÊNDIC E A - Rotei r o de e nt r evi sta A PÊNDIC E B - Entrevista c om DEB A PÊNDIC E C - Entrevista c om DET A PÊNDIC E D - Entrevista c om GS B A PÊNDIC E E - Entrevista c om GS T A PÊNDIC E F - T ab el a de reconstrução de 5Mix edc oncepts vi ew A PÊNDIC E G - M ap a cognitivo de DEB A PÊNDIC E H - M ap a cognitivo de DET A PÊNDIC E I - M ap a cognitivo de GS B A PÊNDIC E J - M ap a cognitivo de GS T A PÊNDIC E K - M ap e am e nto R ai o X A PÊNDIC E L - M ap a cognitivo gl obal 5Mix edc oncepts vi e w A PÊNDIC E M - M ap a cognitivo Executive view A PÊNDIC E N - M ap a cognitivo Man a ger view A PÊNDIC E O - M ap a cognitivo Business vi e w A PÊNDIC E P - M ap a cognitivo Tech nology v i e w A PÊNDIC E Q - S t rategi c Op tions to head s vi ew A PÊNDIC E R - Lo o p s vi e w 1 6 8

14 1 3 1 INT RO D U ÇÃO D i versos t r ab al hos têm s ido d e s en volvidos c om objetivo d e se e s tudar p r odutos e s eu s ci c los d e v ida, d em onstrando a p r eo cu p a ç ão c o m inovações t e cn ológicas q ue possam m el horar o p r odut o, o que t raz u m a m aior s at isfação ao s c lien tes, a u m entando d es s a f o rm a, t a nt o a t ax a de ret en ç ã o, quant o o percentual de domíni o do mercado. E m t e rm os d e inovaçõ e s t e cn ol ó gicas, as l iteraturas r e c entes ( FREEMAN e S OETE, 1 997; C HANDY e T E LLIS, ; LE IFER e t al, ; C HR IS T E NSEN, A NTHONY e R O TH, 2007) t êm m os trado q u e as m e smas podem o correr d e fo rm a increment al e c ontínua, b em c om o d e f o rm a disrupt iva, o que p ode vi r a a lterar p a r adigmas. As i novaçõ es d isrupt ivas, ou d e r u ptura, es timul am o surgimen to d e novas empres a s, q u e o fert a m n ovos p ro dut os o u p r odutos s ubstitutos, baseados n e ssa i novação t e cn ol ó gica r a di c al, vi ndo a m udar o c en á ri o d e t odo o setor p r odutivo, l e v an do em al guns c as os a organização i n cu mbente (l íder s e tori al que d et êm o dom íni o do mercado) à falênci a. P or o ut r o l a do essas m es m as e mpres as, que s u r gi r am al av a n c ad as p e l as inovaçõ e s d e r uptura, poderão s e tornarem líderes n a p ro dução s e tori al, toman do o p osto d e i ncum b en t e, m as c om o s u rgi m en to d e um n o vo c i clo de i novação radi c al, e las poderão cair nos m es mos e r ro s que s u as ant e c e ssoras, sobrevindo-lhes então o m e smo i nsuces so. T u shm a n e S mith ( 2 004) r el a tam diversos c asos d e s u c es so e i nsucesso, d e co r r en t es de inovaçõ e s t e cn ol ó gicas d e ru pt u ra, p a r a as q u ai s propõem um a a bordagem d o ci c lo de vida de p ro dutos d en ominado d e ci c lo t e c nol ó gi c o. Esse ci c lo co mpõe-se d e 4 f as e s: a era do f e r m ent o, a e r a d a s e leção, a e r a d a m udança increm en t al e a e r a da d e s co ntinuidad e tecnológi c a. N a p rimei r a f a s e, a e r a d o f e rm e nto, n ovos p r odutos dotad os d e t e c nol o gi as similares, s ã o o f e rt a das por o r ganiz a çõ es c oncorrent es. P o r a l gum f at o r d e m e r c ad o, um deles a c a ba s e t ornan d o o projeto d om inan t e, c a r a ct eriz an do a s e gunda f as e d e sse ci c lo. N es s a f as e a o r ganiz a ç ã o ad quire estabilidade com a p ro dução e c o m ercializ a ç ão

15 1 4 d e sse produto. A terceira f a se a dvêm d a manut en ç ão da lideran ç a d o m e r c ad o, onde a o r ganiz a ç ã o inves te em melhori as increm e ntai s, e a s sim m a nt ém o domínio de sua p a rcela d o mercado, at é q u e o co r r a o s u r giment o d e um a d e s co ntinuidad e t ecnol ó gi c a. Esta q uarta f as e o co r r e d e fo r ma i mprev isível, e n ormalment e d e vido a um av a n ço ci e ntífi c o ou u m a n ova r e co mbi nação d e t e cn ol o gi as j á ex istent es (C AS TELLS, 2006). O moment o d e o c orrênci a d es sa e r a d e descontinui d ad e t e c nol ó gi ca pode ser c a r a ct e riz a do p or u m instan te p a rticular d e t em po e e spaço, o bservados n o p as s ad o, o nde e stav a m d isponí veis as t e c nol o gi as d e inovação r a di c al, ou tecnologi a s ex istentes r e c ombinadas d e fo rm a ori ginal. O o bj etivo d es ta p e squisa é i d ent ificar s e o s e tor b a n c ário b r a silei r o es tá n a iminên ci a d e sofrer u ma m udan ç a r a di c a l c au sada p e lo f im do p ap e l-m o ed a. A p e squisa será c onduzida em u m dos mai o res b a n co s brasilei r os, uma v ez q u e as i novaçõ e s ad ot ad a s pelo m e smo são r a pi d am e nt e s e guidas pel os co n co r r en tes. A p ro bl em a tiz a ção d e nossa p e squisa p o de-se r e sum ir n a s e guinte q u es tão: É iminente o fim do uso do papel-moeda? E qual o impact o que i sso pode t r az e r a o setor b an c á ri o? A i nves tigação é desen volvi d a com e n fo que n os s e guintes o bj et ivos es pecífico s: a ) É p ossível o papel-moeda vi r a s e r substituido por m o ed a - e l et r ôni c a no Brasil? b ) Qu ai s t e c nol o gi as podem possibilitar o fi m do papel-moeda? c ) Existem proj et os em andam e nto visan d o es t a substituição?

16 1 5 2 RE FERENCIAL TEÓRICO A a n álise d a hi stória d o h om em m ostra, que s u a e volução co mo i ndiví duo, e c omo s e r soci al l ev ou-o a d e s en vol v e r o r gan iz ações, e s e u tilizar d a t e c nologi a d e fo rm a i nt e r ativa e ev ol utiva, isto é, as m odificações t e c nológi c as induziam mudanças n as o r ganiz a ç õ es, a t r av é s das rel a ç õ es e co nômicas, sociais e e nt r e a s organiz a çõ e s. A s m udanças t e c nológicas impact a m o s e r h um an o d e d ivers as f o rm a s, dentre as quais se podem des tacar: a moderniz a ção da sociedad e, a s inovações dos padrões d e v ida, a sobrevi v ên c ia d e o rganiz a çõ e s em s e us s et o res, a d isputa d e novos m e rcados p or o r ganiz ações ri v ais, e o s u r giment o de novos produt os e serv i ço s T e cn ologi a A t e c nol o gi a é s em d úvi d a a p ri n cipal c au s a es timuladora d e m udanças, e pode ser defini d a d e inúmeras form as. S al om on (1 984) a define co mo s endo o u so do c onhecimen to r a c ional, t é cni c o ou c i ent ífico, p a r a satisfazer n ecessidad e s, d es ej os ou f a nt a sias, por m eio da c ri a ç ão, di stribui ç ã o e p r odução d e b e ns e s e r vi ço s. Entre a produção de b e ns e s e r viço s i n cl u em -se os de n at u rez a i nt an gí v eis, t ai s co mo p ro gramas d e c omput ad o r, m étodos d e gestão e d e t om ad a de deci são. S á bato (1 972) d e fi n e t e cn ologia com o um c onjunto o r d en a do, o r ganiz a do e a rticu l ad o de co nheci mentos em pregados n a p r odução e c o m ercializ a ç ão d e b e ns e s ervi ç os; inclui ndo n e sse r ol os c o nheci m ent os em pí ri c os, res ultant es de observações e ex p e ri ên c ias. A t e cn ol o gi a é ap ro p ri áv e l em gran d e p a rt e d e s eu a c e rv o, o q u e p o de l e var as o r ga n izações, c om o d e co r r e r do t empo e d e vido à c o modidade, a u ma a tuação inefi ci en t e. P or outro l ad o, a es c olha

17 1 6 e r r ô nea d e t e cn ologi a t am b ém p ode determinar um a at u ação inad e quada, o u mesmo lev a r o em p reendimen to à falência. N e lson e W inter (1982) r el at am es tudos sobre c as os de realiz a ç ão d e plan ej a m ento d e i nvestimentos e m t e cn ol o gia, em em p resas de a e r o náutica ci vil e e n e r gi a n uclear, que n ão s e t r a duziram em r et ornos a b solut os d e lucro s o u d e s u c essos; t e ndo di v e rsos f at o res q u e d i fi cu ltam esse plan e j am en to, dent r e as quai s se podem citar: a ) f at ores d e i n c ertez a: O nde apl icar os r e c u rsos a locados p a r a p e squi sa e d es e nvol viment o; b ) c en á ri os previstos p or e studos d e e s p e ci alistas, q u e r a r a m ente c o inci d em com a situação final ; c ) ex istên c i a d e m uitos c e nários, e m uitos e speci al istas, sendo d i fí cil o co nsenso. O u tra c aract e rí stica d a tecnologi a é que el a a c a b a s e t orn a ndo d e d om ínio públ ico, o q ue signi fi c a q ue s e u a v an ç o se processa at r a vés de u m a e vol u ç ão cul tural. P a rtindo do p ressuposto que a t e cn ologi a possa s er vista co mo a c o mbi n a ç ão de e lem e ntos t é cn i cos, organiz a cionai s e institucionai s que p e rm item p ro duz ir e c om e r ci aliz a r um b em o u servi ço, a v i abi liz a ç ão d a p r odução, do b em o u servi ço, r e quer a aq uisição e u tiliz a ção d e um c o nj unto de c onheci mentos, equipam en tos e pes soas que i r ão operá-los. S al om on (1 984) observ a o s u r giment o d o termo alta tecnol o gi a, e m r eferen c i a a o surgiment o d a inform át i c a, ro bót i ca, m icroel et rô ni c a, b iotecnologia e tecnol o gi a aeroes pacial. T ambém, n a mesma é poca, f i nal d a d é c a d a d e 1 960, o t e rm o indústri a ou produt os i nt en sivos em t e c nol o gi a, r e f e rentes a t e c nol o gi as sofisticadas geradoras d e p ro dutos e s e rvi ç os. N e sse co nt ex to, Barnett ( 1993) es t en de a ab r an gência do s i gni fi c ad o da tecnologi a e m 3 componentes : a ) o h a r dware técn i co, que é um a c o n fi guração e specifi c a d e m á qui n as, eq uipamentos, dispositivos, instrum e nto, p r o cessos, e s trut u ras fí sicas e l a yo u t s, neces s á rios à produção de bens e serv i ços; b ) c onhecimen to d a ci ê n ci a e d a t e cn ol o gia, as habilidad es t é c ni c as, a c ri a tividade, os v a lores e at itudes, a cu ltura geral, a

18 1 7 e d u c a ção f ormal, o ap e r f ei ço a mento p ro fi ssional, a ex p e ri ên ci a, o k n ow-how(com o r ealiz a r ), o k now-wh a t (o q u ê f az er), e o k now-why ( p o r quê faz e r ); c ) a o r ganiz a ç ão, ou a situação da e mpresa, o a r r an jo institucional ( a dm inistrat ivo, b urocrático o u gerencial ) at r av é s d a qual o h a r dware t é c ni co e o co nheci ment o s ã o com bi nados e a dmini strados, a través de u m a r ed e de relações físicas, i nform acionai s e sócio-economicas. E sses c omponentes int e r a gem no contex to organiz a ci onal d e f o rm a a at e nderem a interesses e co nôm icos, s o ci ais e p ol íticos p r é- e s tabel e ci dos at r a vés da missão e visão em presarial. M e ye r - S t am e r ( 1992) co n cl ui q ue a t ecnol o gi a não pode ser neutra, m a s e star em sintoni a co m o c om pet itivo am bi ent e s et o ri al, ex p osto t a nto à s fo r ç as f av o r áv ei s (stakeh olders) q uant o às f orças c ont r á ri as ( grupos de p r essão) E voluçã o tecnol ógica e organ i za çã o A s o r ganiz a çõ e s vêm s o frendo m udanças, tant o n a sua e strutura q u an to n a sua f orma d e t r a b alho, n a maneira d e p ro duz ir e d istri buir b e ns, d e a co r do co m sua o ri gem h istóri c a e a f o rm a da soci e d ad e, d e vi do a u m único f at o r ( NELS O N, ), a ev ol u ç ão t e c nol ó gica. D e n ominad a por Schumpet e r (1 961) d e f e nômen o fu ndament al do d e s en volviment o econômico, as ev oluções t e cn ológi c as p ro vocam m udanças n a a rq uitetura o r ganiz a cional, alteran do a n a turez a do p r o c esso ev ol utivo e m odi fi c an d o a f unção e m presarial ( BERNAR D ES e ALM E ID A, 1 999). E v olução t e cn ol ógi c a é u m p r o cesso n ão a l e atóri o, s en do e s s en ci al m ent e p lanejado e di r e cionado p a r a objetivos v i áv ei s e p ot e n ci alment e lucrativos. N e lson ( 2006) s u ge r e q ue a inovação f az parte d e um cí r c ulo v i rtuoso que passa pelas segui nt es fases:

19 1 8 a ) as a tividades d e u m a o r ganiz a ç ã o se torn a m rot inas de trab a lho, n o intui to d e q ue o co nheci m ento c ontido e m suas co mpetên ci a s s e jam d isseminados ou rep licad os; b ) quan do uma o r ganiz a ç ã o s e depara com um período d e t u rb ul ên ci a, devido a o co r r ên ci a d e um a inovação t e cn ológi c a r ad i c al, a i n c erteza e a n eces sidad e d e garantir l u c ro s i r ão l ev á -l a à b usca d e i novaçõ es que lhe p e rm ita criar o u ap r ovei t ar oportunidades de n e gócios, o u d e reagir d e f o rm a lucrativa a um a mudança t é cni c a, i nstitucional ou setorial; c ) f inal mente, busca a ssent a r e ssa inovação e m a ç õ es c oletivas e s távei s, vol tando a o e stágio i ni ci al, d e disseminação o u r épl i ca do c o nheci m ent o. D e ssa form a, uma organiz a ç ã o deve reuni r, at r av és d e s eu p e ssoal, h a bilidades e co nhecimen tos para produzir m e r c ad orias (PENR OS E, ). A c ap a ci dad e d e ex p lorar essas habilidades e c o nheci m ent os, b e m como de i novar são os fat ores determinant e s do seu crescimento. A s m udanças n as t e c nol o gi as de p r odução se interligam a m udanças n as o r gan iz ações internas das e mpres a s (C HANDLE R, 1 962). A t r av é s d a c e ntraliz a ç ã o a dmini strativa o bserv a -s e a b usca p or i novaçõ es t am bém p a r a suas estruturas o r ganiz a ci onai s, o q u e c ristaliz a o c r e scimen to d a o r ganiz a ç ã o, seja a t r av é s d e sua d ivisão em outras e m presas, ou por produtos, ou ai nda por áreas geográfi c as. C om b as e e m pressupostos d as t e orias d as com p et ên c ias d a fi rm a, N e lson e W inter ( 1982) c onsideram uma o r ganiz a ção com o u m co nj unto d e c ompetênci as incorp o radas ao s s eu s p r ocessos p r odutivos, q u e p or s u a v ez i n co r poram conhecimentos táci tos rel ev a nt es. T e e c e ( 1997) argumen t a q u e a a qui sição, m an ut e n ção, a p r o fu ndam e nto e a m pliação d as c ompetên ci a s d e u m a organiz a ç ão s ã o p a rt e s d e um p r o ces so d e i novação t ecnol ó gi c a. Es s e p ro c e sso pode s er c a r a c t erizado at r avés da segui nt e s eq üência de et ap a s: a ) a busca por co nheciment os e oport unidades de m ercados; b ) a s tecnol o gi as ev oluem por trajetóri a s depen d ent e s, c an a liz ad a s e m parad i gm a s t e cn ol ó gicos;

20 1 9 c ) a s m udan ç a s t e cn ol ó gicas, dentro d o p a r ad igm a, s ão c u mul a tivas; d ) a i novação t e cnológica tem el e v ado grau de i r r ev e rsibilidade e m f unção d a acumul a ç ã o d e conheciment os, d a s d e cisões d e i nvestiment o t om a das e d as t r aj etórias seguidas pelas firmas; e ) muitas inovaçõ es s ão i nt e r - relacionadas com outras t ecnol o gi a s o u ativos co mplementares; f ) as i novaçõ es d ifici lmen te p odem s e r totalment e d escritas ou ex plicadas através de m a nuai s; g) é difícil estabelecer e as segurar direitos t ot ai s d e p ro p ri ed a d e s obre uma i novação. P at e ntes e di r eitos au torai s s ão sistemas d e difí cil c o nt ro l e, devido ao fenôm e no da global ização. D e ssa f o rm a e nt ende-se q u e em presas inovadoras e com p etitivas d e v em incorp orar e m s uas boas práticas a gestão e fi caz d a i novação t e c nol ó gi ca Cap a cidad e o rg anizacional A c a p a cidade e mpresari al, o ri e nt ad a para a geração d e inovaçõ e s, é e dificada at r av és d e inves timen tos e m a quisição e a c u mulação d e c o nheci m ent o. N es s e co nt ex to, a a p r e ndiz a gem t e cn ol ó gica é um p r o c esso q u e r e a liz a aq uisições no s istema d e en sino f o rm a l e em i nstitui çõ e s d e p esquisa, b em c om o n a c ap a citação i nterna à p ró p ri a e m presa. E sse p r ocesso d e v e s er cí cl ico, e é r e co nheci do p o r Correa ( 1 989) co mo o gran d e di f e r en ci al en tre p aíses desen volvidos e países e m des e nvol vimento, pois el a implica em: a ) c onced e r c r é ditos à f ormação t eó ri c a, fo rt a lecendo as i nstitui çõ e s ed u c a ci onai s, bem co mo à p r ática; b ) r e co nhecimento d e que ap r en diz a gem é um processo co ntínuo e i nt e rmináv el ; c ) n ecessidad e d e novas m et odol o gi a s que c a p a citem t ant o a a p r e ndiz a gem, quan to a d es ap r e ndiz agem.

21 2 0 E n fim, em presas i novad oras complem en t am a a p rendiz a gem f o rm a l e c ontribuem p a r a a a mpl i ação d a s c ap a ci t a çõ es individuais d e s e us col a boradores. A a p r en diz a gem organiz a cional e ra d issoci a d a d a a p ren diz a gem i ndivi dual ( CYER T e M AR CH, 1 963; S IM O N, 1963), s e ndo at u almente c o nsiderad a c omo u m p ro c es so co ntínuo d e e l ab oração de c oncepções e r a c iocínios de seus integran tes, a f e t an do o p ro d uto d a a ç ão o r ganiz a ci onal. A r g yr i s e S c hon ( 1978) r e co nhecem q u e o r ga n izações d e s en volvem a h ab ilidad e d e o bserv a r, a v aliar e a gi r a p artir da p e r c ep ç ã o dos estímulos int e r nos e ex t ernos à organização, d e modo i nt e r ativo e a cu mulativo, através da aprendiz a gem de seus membros. H e d b ert ( 1981) p ro p õe que o r ganiz ações d ev em s e r v istas como e n tidades que d ispõem d e sistem as c o gnitivos e m em ó ri as, p ois à m e dida q u e diversos m em b ro s e nt r am e s a em, ou lideranças s e r ev ez am, s u as memóri a s p reservam com port am e ntos e s i gnifi cados, n o rm as e v a lores, adqui ri dos nes s e t e mpo e r ot at ividad e. Lo go, a ap r e ndizagem o r gan iz acional n ão es tá r estri t a a os i ndiví duos, m as d ev e s e r co nsiderada e m t ermos d a organização c omo u m todo O r gan i za çã o, es t r atégi a e inovaçã o tecn ol ógi c a A s o r gan iz ações necessitam a dotar es t ratégi a s co m o objetivo d e p r ot e ger-s e d as f orças c ompetitivas, t a nto at r av é s d o p osicionam en to, n o c ont ex t o industri al, ofert a ndo p r odutos co m m en o r custo ou d e v a lor d i ferenci ad o, q uan to co nstruindo b a r r ei r as à en trad a d e novos c o n co r r en tes na indústri a (PORTER, 1980; P OR T ER, 1981). A t eo r ia d e r ecursos d a f irma p revê que o r gan izações s ã o c o nj untos d e co mpetên ci a s e c a p a ci d ad es (PRAHALA D e H A MEL, ); disponi biliz an do p ro dutos q u e i n co r porem v a lor, t en ham c a r a c t erísticas d e s e r di fi c ilmente imitáv el, e utiliz a r insum os raros

22 2 1 ( BARNEY, ), p or v ez es i nt an gí v eis (HALL, ), ou m es mo v i rtuais (IT A M I e R O EHL, 1 987). A fo nt e d a v a nt a gem c ompetitiva e ncont r a -s e p rimari am e nte nos r e c u rs os e n as c o mpet ê n ci as d e senvolvidas e controladas p el a o r ganiz a ç ã o (W ER N ER FE LT, 1 984). P o r v ez es, al guns r e cu rs os e s p e cí fi co s s ão c onstruídos pela p ró pria o r ganiz a ç ão, t ai s c om o m a rcas e símbolos (S E LZN IC K, 1 957). A s sim, pode-s e inferir q ue os r ecurs os e c ap a ci d ad es d a f i rm a s ã o r e s ultados d e u m processo d e ap r en diz a gem, p e rm itindo c o n cl ui r q u e a s c o mpet ê n ci as centrais d e u ma o r ganiz a ç ão s ão co nhecimentos tácitos o bt idos des s es recursos (W IN T E R, 1987). O c onhecimento do p r o cesso d e ap r endiz ad o o r ganiz a cional a liad o a o s co nceitos d a t e oria d a r a c ionalidade limitad a t orna-s e fo nte p r e ci osa p ara a gestão d e pessoas e de es tratégi a s o r ganiz a cionai s, poi s c o nt ri buem com o proces so d e a gregar v al or a p ro dutos e s e rvi ç os o f e rt a dos ao m ercado, e f etivan do c om s u c es so a a qui sição e t r an s f erênci a d o co n hecimen to en t re o s m em b ro s d e uma organização ( S IM O N, 1991). A t r av é s d as fu n ções organizacionais, têm-s e a c onform a ç ão do c o n c eito d e m em ória o r ganiz a cional, onde o a c e rv o de c onhecimento e n c ontra-s e a rm azenado tanto n a mente h um an a, q u ant o d isposto em p r o c ediment os, document a dos em di v ersas mídi as (p a p éis, m eios m a gnet os-óticos e o ut r as fo rm a s), disponívei s local ou r em ot am e nte. A s sim, em cl imas o r ganiz a ci onais q ue indi c am estabilidade, o p ro c e sso d e ap r en diz a do decorre d e fo r ma t r an qüila, t r an smitida at r a vés de t r ei n am en to, a d aptações e co nsultas a o s p ro c ed imen tos internos à o r ganiz a ç ã o. A dinâm i c a d a a prendizagem o r ganiz a ci onal d ep e nde d a d isposição das em presas de se m an t erem sem p r e at e nt as às alteraçõ e s do m ei o am bi en t e, principal m ent e à s inovações t e c nol ó gi c as, b a l an c e ando s e mpre a n e c e ssidade d e r et e r s eu posici onament o c ompetitivo c om a a q ui sição e internação d e novos co nhecimen tos e h a bilidad es, p ara a a d e quação d e c ompetências es senci ai s. As organiz a çõ e s devem trabal har a as similação d e i novaçõ e s, o ri ginadas t ant o fo r a d a o r ganiz a ç ão,

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Premio. Destaque SIX

Premio. Destaque SIX São Mateus do Sul, 27 de outubro de 2008 Premio Destaque SIX 2008 A u tom at iz ação da Malha d e Controle 7-P CV-342 e Substituição da V á lvula de Contro le. R e ntab ilidad e e R es ultados. S e guran

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS Dispõe Sobre o Regulamento de Aplicação de Recursos Destinados Pela Assembleia Geral da Unicred Alagoas em Projetos de Ações Sociais O Conselho

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL)

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL) Mét odo do Valor At ual () ou Valor r esent e Líquido (VL) O mét odo do Valor At ual () per mit e que conheçamos as nossas necessidades de caixa, ou ganhos de cer t o pr oj et o, em t er mos de dinheir

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quant o à veloc idade Rápidas: neut ralizaç ões em m eio aquoso, c om bust ões,...

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

T e c n o l o g i a d e M á q u i n a s e F e r r a m e n t a s p a g 1 / 6 CONSTRUÇÃO MECÂNICA 1. ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO PARAFUSO SEM FIM E COROA

T e c n o l o g i a d e M á q u i n a s e F e r r a m e n t a s p a g 1 / 6 CONSTRUÇÃO MECÂNICA 1. ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO PARAFUSO SEM FIM E COROA T e c n o l o g i a d e M á q u i n a s e F e r r a m e n t a s p a g 1 / 6 CONSTRUÇÃO MECÂNICA 1. ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO PARAFUSO SEM FIM E COROA I n t r o d u ç ão U m e n g r enamento d o t ipo C

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade A Term oquím ic a t em c om o objet ivo o est udo das variaç ões de energia que ac om panham as reaç ões quím ic as. Não há reaç ão quím ic a que oc orra sem variaç ão de energia! A energia é c onservat

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL Termo de Apreensão de mercadorias e outros bens (Artigo 859, 8º - RICMS/RO) (NR dada pelo Dec. 18976, de 30.06.14 efeitos a partir de 30.06.14) GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA D.R.F. AR/PF TERMO DE APREENSÃO

Leia mais

P la no. B a nda L a rg a

P la no. B a nda L a rg a de P la no N a c io na l B a nda L a rg a 1 Sumário 1. Im p o r tâ n c ia E s tr a té g ic a 2. D ia g n ó s tic o 3. O b je tiv o s e M e ta s 4. A ções 5. In v e s tim e n to s 6. G o v e r n a n ç a

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as.

P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as. I I O F I C I N A PA R A I N ST R U M E N T A L I Z A Ç Ã O D O S M A T R I C I A D O A R E S E M SA Ú D E M E N T A L P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as. M o rg an

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892)

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892) Vi duto do Chá (1892) UHE P rn íb (1900) Est ção d Luz (1900) 1.2 Atr ção do C pit l Estr ngeiro Em 1911 Emile Quoni m de S hompré publi ou, em fr n ês, pel C s G rreux o livro L Bourse de São P ulo, om

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

ESTUDO 11 A TORRE DE BABEL :O pesadelo de viver sem Deus Gênesis 10:1-11.1-32

ESTUDO 11 A TORRE DE BABEL :O pesadelo de viver sem Deus Gênesis 10:1-11.1-32 ESTUDO 11 A TORRE DE BABEL :O pesadelo de viver sem Deus Gênesis 10:1-11.1-32 : Os capítulos 10 e 11 de Gênesis formam um bloco só dentro da narrativa do livro de Gênesis. O capítulo 10 é formado por uma

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

DIRE ITO EM P RE S A RIA L

DIRE ITO EM P RE S A RIA L DIRE ITO EM P RE S A RIA L Um si n d i cato d e trab al h ad ores SI N F O, cu j a p recí p u a e ef eti va ati vi d ad e é a d e d ef en d er os d i rei tos l ab orai s d e seu s associ ad os resol veu

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s IX FÓRUM APCER EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s AGENDA Breve Apresentação AIP Projecto Excelência Empresarial Modelo EFQM Associação Industrial Portuguesa Criada em 1837 MISSÃO É uma instituição privada

Leia mais

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano L e i M u n i c i pa l n. º 2 1 0 7, d e 0 5 d e J u l h o d e 1 9 9 9. Dispõe s o b r e a d i v i s ã o d o ter r i t

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco Procedimento Preparatório n. º 1.26.000.002835/2013-65 Promoção de Arquivamento nº 617-2013/MPF/PRPE/AT PROMOÇÃO Trata- se de proc edimento pre paratório instaurado nesta Procuradoria da Repúb lic a, com

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11. ORDEM DE SERVIÇO Nº 016/11. Porto Alegre, 6 de julho de 2011. AOS SENHORES SECRETÁRIOS MUNI- CIPAIS, PROCURADO R-GER AL DO MU- NICÍPIO, D IRETORES-GERAIS DE AU- TARQUIAS, COORDENADORES-GERAIS DE G ABIN

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas

Análise e Concepção de Sistemas Análise e Concepção de Sistemas de Informação Caso de Estudo Versão 1.0 HouseWorks 2004-2005,QWURGXomR O pres en te docu m en to tem com o objectivo a pres en ta r o en u n cia do do projecto de s u porte

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA?

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? I n d ú s t ri a, amiga do meio ambiente O uso dos mananciais hídri cos é de impo rtância e s t rat é g i ca para a Indústri a. Além de essencial à

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE N 5 / junho/julho - Cuba - Sergipe - 2011 Médicos de ciência e consciência Informativo Eletrônico ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE Palestra sobre Cuba em

Leia mais

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Profa Carla Alessandra Lima Reis Prof Rodrigo Quites Reis http://www.processode Roteiro Introdução Elementos Motivadores

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA P RO G RAM A DE P Ó S-G RADUAÇ Ã O EM CIÊ NCIA DA CO M P UTAÇ Ã O D a g m a r A p a r e c i d a T r a u t m a n n EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s

Leia mais

N E W S L E T T E R R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S

N E W S L E T T E R R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S N E W S L E T T E R R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S I m porta, p o is, a nalisar o s traç os gerai s d o s i s t em a j u rí di c o n o q u e à r ec u pera ç ã o

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

Trabalho Seguro. relatado e discutido o presente procedimento do Conselho Superior da Justiça do Trabalho sob no

Trabalho Seguro. relatado e discutido o presente procedimento do Conselho Superior da Justiça do Trabalho sob no Justiça do traba lho ACÓRDÃO CSJT JOD/acg PROC. N CSJT-AN-2181-32.2012. 90.0000 Visto, PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO - PROGRAMA TRABALHO SEGURO. INSTITUCIONA- LIZAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o ordeg rana o m a d om, R Se 2nto 6 d e Ju n h jurídic o d e 2 01 0 B ra s il - 4 º ou 5 º P I B? P ré -

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

P ro f. Ma te u s An d ra d e

P ro f. Ma te u s An d ra d e Um efeit o c oligat ivo é um a m odific aç ão em c ert as propriedades de um solvent e quando nele adic ionados um solut o não-volát il, a qual só depende do núm ero de part íc ulas (m oléc ulas ou íons)

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO A Co o r d e n a ç ã o d e E s t á g i o d a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú b l i c a

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

O R GANI ZAÇÃO GUARÁ DE E NS INO A v. P edro de T ol ed o, 195, Vila P araíba (12) 3123-3123 G u aratinguet á SP - C EP 12.

O R GANI ZAÇÃO GUARÁ DE E NS INO A v. P edro de T ol ed o, 195, Vila P araíba (12) 3123-3123 G u aratinguet á SP - C EP 12. Faculdade de Adm inistração, Ciên cias Eco nômicas e C ont ábeis de G u aratinguet á R E GUL A ME NTO DO ESTÁGI O CURRICULAR SUPERVISIONADO 2 0 14 C u rs os: A d ministraçã o C on t abilidad e O R GANI

Leia mais

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009 Workshop da Micro e Pequena Indústria Licenciamento Ambiental CIEP orocaba 26/maio/2009 O CIEP - Regionais Meio Ambiente CIEP 31 grupos MA formados +9500 Empresas e 43 DRMD s ~ 290 profissionais voluntários

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS Engenharia de Manutenção e Sistemas

Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS Engenharia de Manutenção e Sistemas 2010 O conteúdo deste documento tem por objetivo orientar sobre as atividades que entendemos serem necessárias para atender aos requisitos solicitados pelo cliente. Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS Realização Secretaria Municipal de Governo Secretaria Municipal Adjunta de Gestão Compartilhada Secretaria Municipal de Desenvolvimento Secretaria

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I.

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. DAN TAS 1, Jessica Soares SILVA 2, Mykeline Vieira da CCHLA/ DLEM/ PROBEX RES

Leia mais

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação DEPA R TAMENTO : Psicologia Social PERÍODO/A NO : 7º/2014 CA RG A HOR Á RIA : 34 PR OFESSOR AS : A na Mercês Bahia Bock A driana Eiko Matsumoto O

Leia mais