P01 - Portaria QUANTIDADE UNIDADE DENSIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P01 - Portaria QUANTIDADE UNIDADE DENSIDADE"

Transcrição

1 P01 - Portaria Nº TIPO NOME CIENTÍFICO NOME POPULAR 1 ARB Lantana camara Lantana 11 UNID 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 2 ARB Heliconia psitacorum Heliconia 56 m² 0,20 a 0,40 16/9 md/m² 3 ARB Jatropha multifida Jatropha 7 UNID. 0,20 a 0,40 Aleatório 5 ARB Bulbine frutecens Bulbine 36 m² 0.10 a md/m² 6 ARB Dyetes bicolor Moreia Amarela 58 m² 0,20 a 0,40 20/16md/m² 7 ARB Russellia equisetiformis Russelia 54 m² 0.10 a /9 md/m² 8 ARB Tecomaria capensis Tecomaria 28 UNID 0,20 a 0,40 Dist. 2 a 3m 9 FOR Calisia fragrans Calisia Fragrans 28 m² 0.10 a md/m² 10 FOR Canna indica Beri 22 m² 0,20 a 0,40 16md/m² 11 FOR Liríope muscari Liríope 83 m² 0.10 a /16md/m² 12 FOR Syngonium angustatum Singonio 26 m² 0.10 a md/m² 13 FOR Agave atenuatta Agave Dragão 17 UNID existentes Dist. de 0.50 a 0.8m 14 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 60 m² 0.10 a md/m² 15 TER Pyrostegia venusta Cipó de São João 8 UNID 0.10 a por totem

2 P02 - Fase 01 1 ARV Tabebuia roseo Ipê rosa 4 UNID 2,00 a 3,00 em planta 2 ARV Delonix regia Flanboyant Vermelho 1 UNID 0,80 a 3,00 em planta 3 ARV Morus nigra Amora 1 UNID 1.00 em planta 4 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 6 UNID 1,00 a 2,00 em planta 5 ARB Lantana camara Lantana 12 UNID 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 7 ARB Brunfelsia grandiflora Manacá de jardim 5 UNID 0,20 a 0,40 Dist. 0,50 a 1,00m 8 ARB Dyetes bicolor Moreia Amarela 27 m² 0,20 a 0,40 20/16 md/m² 9 ARB Russellia equisetiformis Russelia 52 m² 0.10 a /9 md/m² 10 FOR Calisia fragrans Calisia Fragrans 20 m² 0.10 a md/m² 11 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 30 m² 0.10 a md/m² 12 CEL Célula 4 UNID 2]

3 P03 - Fase 01 PORTE 1 ARV Delonix regia Flanboyant Vermelho 1 UNID 0,80 a 3,00 em planta 2 ARV Morus nigra Amora 1 UNID 1.00 em planta 3 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 8 UNID 1,00 a 2,00 em planta 4 ARB Lantana camara Lantana 9 UNID 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 5 ARB Calliandra dysanta Caliandra 8 UNID 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 6 ARB Russellia equisetiformis Russelia 62 m² 0.10 a /9 md/m² 7 FOR Syngonium angustatum Singonio 43 m² 0.10 a md/m² 8 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 28 m² 0.10 a md/m² 9 FOR Calisia fragrans Calisia Fragrans 40 m² 0.10 a md/m² 10 PED Piso pedrisco 30 m² 3]

4 P04 - Fase 01 1 ARV Tabebuia impetiginosa Ipê-roxo-de-bola 1 UNID. 2,00 a 3,00 Em planta 2 PAL Syagrus romanzoffiana Palmeira Jerivá 7 UNID. 1,00 a 2,00 Em planta 3 ARB Lantana camara Lantana 14 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 4 ARB Calliandra dysanta Caliandra 4 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 5 ARB Dyetes bicolor Moreia Amarela 10 m² 0,20 a 0,40 20/16md/m² 6 ARB Russellia equisetiformis Russelia 20 m² 0.10 a /09 md/m² 7 FOR Yucca filamentosa Piteira 12 m² 0,20 a 0,40 7 a 9 md/m² 8 FOR Liríope muscari Liríope 11 m² 0.10 a /16 md/m² 9 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 12 m² 0.10 a md/m² 10 PED Piso pedrisco 12 m² 4]

5 P05 VIDA SILVESTRE Fase 01 1 ARV Tabebuia impetiginosa Ipê-roxo-de-bola 6 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 2 ARV Tabebuia rosea Ipê-rosa 7 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 3 ARV Physocalymma scaberrimum Nó de porco 3 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 4 ARV Plathymenia foliosa Vinhatico 2 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 5 ARV Stenocalyx dysentericus Cagaita 1 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 6 ARV Caryocar brasiliense Pequi 1 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 7 ARV Psidium araca Raddi Araçá 1 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 8 ARV Astronium fraxinifolium Gonçalo Alves 1 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 9 ARV Copaifera langsdorffii Copaíba 2 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 10 ARV Schinus terebinthifolius Aroeira / Aroeira-vermelha 1 UNID 2,00 a 3,00 Em planta 11 ARV Terminalia argentea Capitão-do-Campo 2 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 12 ARV Anadenanthera colubrina var.macrocarpa Angico vermelho 7 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 13 ARV Enterolobium gumiiferum Tamboril 1 UNID 1.00 Em planta 14 ARV Sclerolobium paniculatum Carvoeiro 6 UNID 1.00 Em planta 15 ARV Hymenaea stignocarpa Jatobá do Cerrado 11 UNID 0,60 a 1,00 Em planta 16 ARV Anacardium humile Cajuzinho 2 UNID 0,20 a 0,70 Em planta 17 ARV Tabebuia ochracea Ipê-amarelo 2 UNID 1,00 a 1,50 Em planta 18 ARV Dipteryx alata Barú 1 UNID 0,50 a 2,00 Em planta 19 ARV Pseudobombax longiflorum Embiruçú 3 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 20 ARV Luehea divaricata Mart Açoita cavalo 3 UNID 0,80 a 1,50 Em planta 21 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 19 UNID 1,00 a 2,00 Em planta 22 PAL Syagrus romanzoffiana Palmeira Jerivá 9 UNID 1,00 a 2,00 Em planta 23 PAL Butia purpurascens Palmeira Jataí 6 UNID 1,00 a 2,00 Em planta 24 PAL Astrocarium vulgare Palmeira Tucumã 2 UNID 1,00 a 2,00 Em planta 25 ARB Lantana camara Lantana 50 UNID 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 26 PED Piso pedrisco ~400 m² 5]

6 P06 - Fase 01 1 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 6 UNID 1,00 a 2,00 em planta 2 ARB Lantana camara Lantana 1 UNID 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 3 ARB Dyetes bicolor Moreia Amarela 12 m² 0,20 a 0,40 20/16md/m² 4 FOR Liríope muscari Liríope 16 m² 0.10 a /16md/m² 5 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 25 m² 0.10 a md/m² 6]

7 P07 - Fase 01 1 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 5 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 2 ARB Lantana camara Lantana 12 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 3 ARB Calliandra dysanta Caliandra 4 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 4 ARB Bulbine frutecens Bulbine 12 m² 0.10 a md/m² 5 ARB Dyetes bicolor Moreia Amarela 7 m² 0,20 a 0,40 20/16md/m² 6 ARB Russellia equisetiformis Russelia 33 m² 0.10 a /09 md/m² 7 FOR Liríope muscari Liríope 19 m² 0.10 a /16 md/m² 8 PED Piso pedrisco 32 m² 7]

8 P8 - Fase 01 1 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 4 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 2 ARB Lantana camara Lantana 8 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 3 ARB Tecomaria capensis Tecomaria 4 UNID. 0,20 a 0,40 Dist. 2 a 3m 4 ARB Dyetes bicolor Moreia Amarela 5 m² 0,20 a 0,40 20/16md/m² 5 ARB Russellia equisetiformis Russelia 14 m² 0.10 a /09 md/m² 6 FOR Liríope muscari Liríope 20 m² 0.10 a /16 md/m² 7 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 10 m² 0.10 a md/m² 8]

9 P09 - Fase 01 1 ARV Delonix regia Flanboyant Vermelho 1 UNID. 0,80 a 3,00 em planta 2 ARV Morus nigra Amora 1 UNID. 1 em planta 3 ARB Lantana camara Lantana 9 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 4 ARB Calliandra dysanta Caliandra 3 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 5 ARB Furcraea gigantea Piteira 7 UNID. 0,20 a 0,40 Dist. de 1,00m 6 FOR Liríope muscari Liríope 29 m² 0.10 a /16 md/m² 7 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 14 m² 0.10 a md/m² 8 FOR Syngonium angustatum Singonio 16 m² 0.10 a md/m² 9 PED Piso pedrisco 32 m² 9]

10 P10 - Fase 01 1 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 6 UNID. em planta em planta 2 ARB Lantana camara Lantana 16 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 3 ARB Calliandra dysanta Caliandra 5 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 4 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 3 m² 0.10 a md/m² 5 CEL Deck movel ou similar 2 UNID. 10]

11 P11- Lateral Portaria - Fase 01 e 02 1 ARV Tabebuia impetiginosa Ipê-roxo-de-bola 5 UNID. 1,00 a 1,50 em planta 2 ARV Tabebuia ochracea Ipê-amarelo 7 UNID. 1,00 a 1,50 em planta 3 ARV Tabebuia rosea Ipê-rosa 5 UNID. 1,00 a 1,50 em planta 4 ARV Tabebuia alba Ipê-branco 5 UNID. 1,00 a 1,50 em planta 5 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 24 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 6 PAL Syagrus romanzoffiana Palmeira Jerivá 59 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 7 ARB Lantana camara Lantana 61 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 8 ARB Calliandra dysanta Caliandra 51 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 9 ARB Furcraea gigantea Piteira 31 UNID. 0,20 a 0,40 Dist. de 1,00m 10 ARB Mimosa caesalpineafolia Sansão do Campo 24 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 2,00 a 3,00m 11 ARB Russellia equisetiformis Russelia 112 m² 0.10 a /09 md/m² 12 ARB Tibouchina heteromalla Orelha de Onça 17 UNID 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 13 ARB Brunfelsia grandiflora Manacá de jardim 25 UNID 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 14 ARB Yucca elephantipes Yucca 20 UNID 0.50 a 1.00 em planta 16 ARB Tecomaria capensis Tecomaria 20 UNID 0,20 a 0,40 Dist 2,00 a 3,00m 17 ARB Congea tomentosa Congéia 10 UNID 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 18 FOR Calisia fragrans Calisia Fragrans 43 m² 0.10 a md/m² 19 FOR Canna indica Beri 17 m² 0.10 a md/m² 20 FOR Yucca filamentosa Yucca mansa 43 m² 0,20 a 0,40 7 a 9 md/m² 11]

12 P12 - Mirante Pequeno - Fase 02 1 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 7 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 2 PAL Syagrus romanzoffiana Palmeira Jerivá 3 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 3 ARB Lantana camara Lantana 10 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 4 ARB Calliandra dysanta Caliandra 6 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 5 ARB Russellia equisetiformis Russelia 28 m² 0.10 a /09 md/m² 6 ARB Tibouchina heteromalla Orelha de Onça 4 UNID 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 7 FOR Yucca filamentosa Yucca mansa 15 m² 0,20 a 0,40 7 a 9 md/m² 8 CEL Deck em madeira ou similar 3 DM-GPU/Mag/30/03/ ]

13 P13 - Fase 02 1 ARV Tabebuia ochracea Ipê-amarelo 4 UNID. 1,00 a 1,50 em planta 2 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 7 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 3 ARB Lantana camara Lantana 21 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 4 ARB Bulbine frutecens Bulbine 13 m² 0.10 a md/m² 5 ARB Russellia equisetiformis Russelia 19 m² 0.10 a /09 md/m² 6 FOR Liríope muscari Liríope 20 m² 0.10 a /16 md/m² 7 ARB Coleus barbatus Boldo da terra 22 m² 0.10 a md/m² 8 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 22 m² 0.10 a md/m² 7 PED Piso pedrisco 33 m² 13]

14 P14 - Fase 02 1 ARV Delonix regia Flanboyant Vermelho 1 UNID. 0,80 a 3,00 em planta 2 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 6 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 3 ARB Lantana camara Lantana 30 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 4 ARB Calliandra dysanta Caliandra 6 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 5 FOR Calisia fragrans Calisia Fragrans 31 m² 0.10 a md/m² 6 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 31 m² 0.10 a md/m² 7 PED Piso pedrisco 12 m² 14]

15 P15 - Mirante - Fase 02 1 ARV Tabebuia impetiginosa Ipê-roxo-de-bola 5 UNID 2,00 a 3,00 em planta 2 ARV Erythina mulungu Mulungu Coral 3 UNID 0,80 a 1,50 em planta 3 ARV Copaifera langsdorffii Copaíba 2 UNID 0,80 a 1,50 em planta 4 ARV Schinus terebinthifolius Aroeira / Aroeira-vermelha 10 UNID 0,80 a 1,50 em planta 5 ARV Terminalia argentea Capitão-do-Campo 2 UNID 0,80 a 1,50 em planta 6 ARV Anadenanthera colubrina var.macrocarpa Angico vermelho 3 UNID 0,80 a 1,50 em planta 7 ARV Hancornia speciosa Mangaba 2 UNID 0,80 a 1,50 em planta 8 ARV Sclerolobium paniculatum Carvoeiro 2 UNID 0,80 a 1,50 em planta 9 ARV Hymenaea stignocarpa Jatobá do Cerrado 10 UNID 0,60 a 1,00 em planta 10 ARV Tabebuia ochracea Ipê-amarelo 7 UNID 1,00 a 1,50 em planta 11 ARV Dipteryx alata Barú 1 UNID 0,50 a 2,00 em planta 12 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 9 UNID 1,00 a 2,00 em planta 13 PAL Syagrus romanzoffiana Palmeira Jerivá 4 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 14 ARB Lantana camara Lantana 11 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 15 CEL Deck movel 6 UNID. 6,10m² 16 CEL Deck fixo 26 m² 17 CEL Redário em postes de eucalipto fixados ao chão 6 UNID. 2,6m

16 P16 - Lateral Mirante - Fase 02 1 ARV Tabebuia impetiginosa Ipê-roxo-de-bola 5 UNID. 2,00 a 3,00 em planta 2 ARV Bixa Orellana Urucum 4 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 3 ARV Caesalpinia ferrea Pau Ferro 2 UNID. 2,00 a 3,00 em planta 4 ARV Schinus terebinthifolius Aroeira / Aroeira-vermelha 3 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 5 ARV Hymenaea stignocarpa Jatobá do Cerrado 5 UNID. 0,60 a 1,00 em planta 6 ARV Morus nigra Amora 2 UNID 0,60 a 1,00 em planta 7 PAL Syagrus oleracea Palmeira Guariroba 14 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 8 PAL Syagrus romanzoffiana Palmeira Jerivá 10 UNID. 1,00 a 2,00 em planta 9 ARB Lantana camara Lantana 36 UNID. 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 10 ARB Calliandra dysanta Caliandra 17 UNID. 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 11 ARB Coleus barbatus Boldo da terra 80 m² 0.10 a md/m² 12 ARB Bulbine frutecens Bulbine 109 m² 0.10 a md/m² 13 ARB Russellia equisetiformis Russelia 58 m² 0.10 a /09 md/m² 14 ARB Tibouchina heteromalla Orelha de Onça 6 UNID 0,20 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 15 ARB Tecomaria capensis Tecomaria 19 UNID 0,20 a 0,40 Dist 2 a 3m 16 FOR Yucca filamentosa Piteira 108 m² 0,20 a 0,40 7 a 9 md/m² 17 FOR Calisia fragrans Calisia Fragrans 27 m² 0.10 a md/m² 18 FOR Bambusa gracilis Bambuzinho 22 m² 0,60 a 1,00 9 md/m² 19 FOR Liríope muscari Liríope 100 m² 0.10 a /16 md/m² 20 FOR Cyperus compressus Barba de Bode 77 m² 0.10 a md/m² 21 PED Piso pedrisco ou intertravado 1020 m² 16]

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Mineiros - GO Fevereiro de 2012 Oréades Núcleo de Geoprocessamento 2 Relatório de Plantio de Florestas

Leia mais

LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ RESUMO Rafael Dudeque Zenni 1,2 ; Joachim Graf Neto¹; Leandro Ângelo 3 O presente estudo foi realizado em

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO AMBIENTAL CONDOMÍNIO CASTANHEIRAS SOROCABA/SP

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO AMBIENTAL CONDOMÍNIO CASTANHEIRAS SOROCABA/SP RELATÓRIO DE SITUAÇÃO AMBIENTAL CONDOMÍNIO CASTANHEIRAS SOROCABA/SP Junho de 2013 1. Introdução Alere Consultoria Treinamentos e Soluções Ambientais LTDA EPP. CNPJ: 12.620.510/0001-40 Alameda Augusto Severo,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais.

MEMORIAL DESCRITIVO. OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais. MEMORIAL DESCRITIVO 1 - INTRODUÇÃO OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais. O presente projeto tem por objetivo a revitalização

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA EM UM BAIRRO DE SANTA MARIA, RS 1

ARBORIZAÇÃO URBANA EM UM BAIRRO DE SANTA MARIA, RS 1 ARBORIZAÇÃO URBANA EM UM BAIRRO DE SANTA MARIA, RS 1 NEUHAUS, Mauricio 2 ; GIRARDI, Leonita Beatriz 2 ; SCHWAB, Natalia Teixeira 3 ; BACKES, Fernanda Alice Antonello Londero 4 ; BELLÉ, Rogério Antônio

Leia mais

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Mineiros - GO Abril de 2011 Oréades Núcleo de Geoprocessamento 2 Relatório de Plantio de Florestas no

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL ZÜRICH DORF CNPJ: 09.429.543/0001-01 Marcos Mori Engenheiro Agrônomo CREA/SP 5061317180 1 LAUDO TÉCNICO 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Em atenção à Notificação

Leia mais

Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral

Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral Termo de Referência Contratação de Empresa para Fornecimento de Mudas de Espécies Arbóreas Nativas GUA GRL 900.TR-164/R1

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO REFLORESTAMENTO

PROJETO MUTIRÃO REFLORESTAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE CONSERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO AMBIENTAL - CRA Gerência de Unidades de Conservação - GUC Gerência de Reflorestamento - GRF Gerência de Manutenção - GMA

Leia mais

Corte/aproveit. árvores isoladas,vivas/mortas em meio rural Supressão da cobertura vegetal nativa COM destoca

Corte/aproveit. árvores isoladas,vivas/mortas em meio rural Supressão da cobertura vegetal nativa COM destoca Página: 1 de 5 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD ANEXO III DO PARECER ÚNICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Tipo de Requerimento

Leia mais

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL Autores: Leila Bueno de Oliveira¹; Eliete de Pinho Araujo¹ Afiliações: 1 - UniCEUB - Centro Universitário de Brasília 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

DIVERSIDADE DE ESPÉCIES NATIVAS ARBÓREAS PRODUZIDAS EM VIVEIROS

DIVERSIDADE DE ESPÉCIES NATIVAS ARBÓREAS PRODUZIDAS EM VIVEIROS DIVERSIDADE DE ESPÉCIES NATIVAS ARBÓREAS PRODUZIDAS EM VIVEIROS Ademir Martins Pereira Junior Instituto Federal Goiano Campus Urutaí, Graduando em Tecnologia em Gestão Jeferson José dos Santos, Sue Éllen

Leia mais

para Arborização Urbana MAIO de 2015

para Arborização Urbana MAIO de 2015 Produção de Mudas de Alta Qualidade para Arborização Urbana ARAÇUAÍ MG MAIO de 2015 Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte Sérgio André de Souza Oliveira Engenheiro Agrônomo, Fundação Zoo-Botânica de

Leia mais

Projeto: Educação para sustentabilidade do Espaço Israel Pinheiro EIP

Projeto: Educação para sustentabilidade do Espaço Israel Pinheiro EIP Projeto: Educação para sustentabilidade do Espaço Israel Pinheiro EIP Levantamento Florístico da Trilha Externa e Memorial Descritivo dos Jardins Medicinais Brasília, 1º Semestre de 2014 A Trilha externa

Leia mais

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO E LANTIO DE MUDAS DE ESÉCIES FLORESTAIS MEIO AMBIENTE ARESENTAÇÃO Este manual foi desenvolvido como ferramenta destinada aos profissionais e aos interessados em realizar plantios

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES VEGETAIS NA ESTRADA DE POCONÉ MT COMO PRÁTICA DE VIVÊNCIA DE CAMPO

IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES VEGETAIS NA ESTRADA DE POCONÉ MT COMO PRÁTICA DE VIVÊNCIA DE CAMPO IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES VEGETAIS NA ESTRADA DE POCONÉ MT COMO PRÁTICA DE VIVÊNCIA DE CAMPO James Moraes de Moura Graduado em Ciências Biológicas Licenciatura Plena pela Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Salvador/BA 25 a 28/11/2013 GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Augusto Cesar de Arruda *,

Leia mais

Plantas do cerrado: comercialização, uso e indicação terapêutica fornecida pelos raizeiros e vendedores, Teresina, Piauí

Plantas do cerrado: comercialização, uso e indicação terapêutica fornecida pelos raizeiros e vendedores, Teresina, Piauí SCIENTIA PLENA VOL. 7, NUM. 12 2011 www.scientiaplena.org.br Plantas do cerrado: comercialização, uso e indicação terapêutica fornecida pelos raizeiros e vendedores, Teresina, Piauí G. M. Conceição¹; A.

Leia mais

Anexo I. 1 Introdução

Anexo I. 1 Introdução Anexo I Modelo para Elaboração de Projeto de Recuperação de Danos decorrentes da Infração ou Recuperação de Áreas Degradadas para fins de Conversão de Multa (Art. 140, I e II do Decreto nº. 6.514 de 22

Leia mais

Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica

Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica André Nave - BIOFLORA Ricardo Rodrigues - LERF Esalq/USP Pedro H. Brancalion - LASTROP Esalq/USP Desmatamento da Amazônia Ano 1994 de 2000

Leia mais

Eng. Agr. M.Sc. Ronan Pereira Machado Trees Agrocomercial e Serviços Ltda

Eng. Agr. M.Sc. Ronan Pereira Machado Trees Agrocomercial e Serviços Ltda Mudas para arborização urbana Eng. Agr. M.Sc. Ronan Pereira Machado Trees Agrocomercial e Serviços Ltda Muda pequena X Muda grande X Padrão de qualidade de mudas para Características: arborização urbana

Leia mais

devidamente manejado, pode contribuir muito com o sucesso e com a redução de custo dessas iniciativas de restauração.

devidamente manejado, pode contribuir muito com o sucesso e com a redução de custo dessas iniciativas de restauração. Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística de um trecho urbano do Rio Piracicaba devidamente manejado, pode contribuir muito com o sucesso e com a redução de custo dessas iniciativas de restauração.

Leia mais

Santos, Z. R 1 ; Carneiro, D. C 2 ; Maliski, L. F 3. Gonçalves N. G. T 4 ; Carvalho, S. M. 5. Resumo

Santos, Z. R 1 ; Carneiro, D. C 2 ; Maliski, L. F 3. Gonçalves N. G. T 4 ; Carvalho, S. M. 5. Resumo ANÁLISE DA ARBORIZAÇÃO E A RELAÇÃO CONFLITUOSA ENTRE OS INDIVÍDUOS ARBÓREOS E A CAPACIDADE DE SUPORTE DAS VIAS NA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE PONTA GROSSA-PARANÁ-BR. Resumo Santos, Z. R 1 ; Carneiro, D.

Leia mais

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO PARCERIA: ROTARY / CECL-PEFI 1) Grupo de Espécies Preferenciais DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO Área Tipo Nome comum Nome científico Família 14/out Área 1 Área 2 Área 4 3 5 Abio Pouteria caimito Sapotaceae

Leia mais

Plantas Nativas Potenciais para Sistemas Agroflorestais em Mato Grosso do Sul

Plantas Nativas Potenciais para Sistemas Agroflorestais em Mato Grosso do Sul 1 Plantas Nativas Potenciais para Sistemas Agroflorestais em Mato Grosso do Sul Resumo Arnildo Pott 1 Vali Joana Pott 1 São sugeridas 116 espécies lenhosas nativas com potencial de uso em Sistemas Agroflorestais

Leia mais

B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano

B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano Josilda de França Xavier 1; Maria José Santos 2 ; Maria da Conceição Jerônimo 3 1 Bióloga,

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO PRELIMINAR DA VEGETAÇÃO DA PRAÇA DOM JOSÉ GASPAR, MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: INSTRUMENTO

Leia mais

TREPADEIRAS PAISAGISMO I TREPADEIRAS

TREPADEIRAS PAISAGISMO I TREPADEIRAS PAISAGISMO I As trepadeiras são plantas incapazes de manterem-se em posição ereta sem auxílio de um suporte, o qual pode ser uma árvore, um arbusto, um poste, cercas, paredes, muros, etc. 1 São plantas

Leia mais

ANÁLISE DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PONTA GROSSA-PR. ANALYSIS OF URBAN FORESTRY IN DOWNTOWN AREA OF PONTA GROSSA- PR.

ANÁLISE DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PONTA GROSSA-PR. ANALYSIS OF URBAN FORESTRY IN DOWNTOWN AREA OF PONTA GROSSA- PR. ANÁLISE DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PONTA GROSSA-PR. ANALYSIS OF URBAN FORESTRY IN DOWNTOWN AREA OF PONTA GROSSA- PR. Zíngara Rocio dos Santos Eurich Universidade Estadual de Ponta Grossa

Leia mais

CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA Luciano Agra // Prefeito Lígia Tavares // Secretária de Meio Ambiente Maristela Viana // Secretária Adjunta Wellintânia Freitas // Chefia de Gabinete Maria Aparecida Assis

Leia mais

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia Árvores do campus São Roque Levantamento das espécies de arvores nativas e exóticas existente no Instituto Federal São Paulo (IFSP) no campus São Roque. As espécies abaixo estão dividas por áreas: Área

Leia mais

Principais demandas e origens da cadeia produtiva de espécies vegetais nativas do Cerrado no Distrito Federal

Principais demandas e origens da cadeia produtiva de espécies vegetais nativas do Cerrado no Distrito Federal PRINCIPAIS DEMANDAS E ORIGENS DA CADEIA PRODUTIVA DE ESPÉCIES VEGETAIS NATIVAS DO CERRADO NO DISTRITO FEDERAL janadinizbr@yahoo.com.br POSTER-Estrutura, Evolução e Dinâmica dos Sistemas Agroalimentares

Leia mais

POTENCIAL PAISAGÍSTICO DE ALGUMAS PLANTAS NATIVAS DO CERRADO NO ENTORNO DA CIDADE DE PALMAS - TO

POTENCIAL PAISAGÍSTICO DE ALGUMAS PLANTAS NATIVAS DO CERRADO NO ENTORNO DA CIDADE DE PALMAS - TO POTENCIAL PAISAGÍSTICO DE ALGUMAS PLANTAS NATIVAS DO CERRADO NO ENTORNO DA CIDADE DE PALMAS - TO POTENTIAL OF SOME GARDEN PLANTS NATIVE CERRADO IN THE VICINITY OF THE PALMAS CITY TO AUTORES: Adryelle Castro

Leia mais

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro.

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Eritrina-candelabro (Erythrina speciosa Andrews) Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Característica de floresta

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

Faça seu pedido pelo contato: Telefone: (51) 3524-8872 E-mail: viveiro@scheid.com.br Site: www.scheid-viveiro.com.br

Faça seu pedido pelo contato: Telefone: (51) 3524-8872 E-mail: viveiro@scheid.com.br Site: www.scheid-viveiro.com.br Faça seu pedido pelo contato: Telefone: (51) 3524-8872 E-mail: viveiro@scheid.com.br Site: www.scheid-viveiro.com.br Árvores Nativas Nome Popular Nome Científico Características Açoita Cavalo Luehea divaricata

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL CAUSADO PELA AÇÃO ANTRÓPICA NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MORRO DA SERRINHA EM GOIÂNIA - GO.

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL CAUSADO PELA AÇÃO ANTRÓPICA NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MORRO DA SERRINHA EM GOIÂNIA - GO. DEGRADAÇÃO AMBIENTAL CAUSADO PELA AÇÃO ANTRÓPICA NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MORRO DA SERRINHA EM GOIÂNIA - GO. Divina Lucia Rodrigues (1) Graduanda do curso superior de tecnologia em gestão ambiental

Leia mais

AÇAÍ AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS LTDA

AÇAÍ AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS LTDA COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO - CHESF DIRETORIA DE ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO - DE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO - SPE DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA DIVISÃO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Plano de A rborização Urbana de João Pessoa 2012

Plano de A rborização Urbana de João Pessoa 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SEMAM SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DIEP DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS!!!! Plano de A rborização Urbana de João Pessoa 2012 JOÃO PESSOA/PB JANEIRO/2012

Leia mais

Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais

Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais Técnicas de revegetação de áreas degradadas Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais As atividades de recuperação tem por finalidade permitir que ocorra o processo de sucessão área que está sendo trabalhada,

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO URBANA COM ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO NO CONTEXTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA CIDADE DE NERÓPOLIS

A ARBORIZAÇÃO URBANA COM ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO NO CONTEXTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA CIDADE DE NERÓPOLIS A ARBORIZAÇÃO URBANA COM ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO NO CONTEXTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA CIDADE DE NERÓPOLIS Satie Helena Takahassi Itii, Roberto Malheiros, Agostinho Carneiro Campos RESUMO O presente

Leia mais

PROJETO MODELO DE REFLORESTAMENTO DAS CAPTAÇÕES DA SANEAGO

PROJETO MODELO DE REFLORESTAMENTO DAS CAPTAÇÕES DA SANEAGO NOME DO AUTOR RESUMO XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este Uruguay ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL

Leia mais

Anais IX Semana de Geografia, Cáceres/MT, Brasil, 13-17 outubro 2008, Unemat.

Anais IX Semana de Geografia, Cáceres/MT, Brasil, 13-17 outubro 2008, Unemat. 1 IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES EM IMAGENS LANDSAT-ETM+ PARA INTERPRETAÇÃO DA VEGETAÇÃO ARBÓREA DO CERRADO NA SUB-REGIÃO DE CÁCERES, NO PANTANAL DO ESTADO DO MATO GROSSO ABDON, Myrian de Moura 1 SILVA, João

Leia mais

PROGRAMA DE PAISAGISMO

PROGRAMA DE PAISAGISMO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE ENGENHARIA RODOVIÁRIA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CONVÊNIO DNER/IME Projeto

Leia mais

Redescobrindo as árvores do ambiente escolar

Redescobrindo as árvores do ambiente escolar Redescobrindo as árvores do ambiente escolar Autor: Vinicius Freitas Klain Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul vinicius.klain@acad.pucrs.br Coautor : Mônica dos Santos Matos Pontifícia

Leia mais

Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor. na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP

Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor. na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP DIEGO DEMARCO 1, GUILHERME HENRIQUE AGUIRRE 1, JÚLIA CARAM SFAIR 1,

Leia mais

1º FÓRUM PAULISTA DE AGROECOLOGIA INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS

1º FÓRUM PAULISTA DE AGROECOLOGIA INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS COSTA JUNIOR, Edgar Alves da¹; LEITE, Eliana Cardoso¹; RODRIGUES, Fátima Conceição Marques Piña¹; GONÇALVES¹,

Leia mais

INTRODUÇÃO METODOLOGIA

INTRODUÇÃO METODOLOGIA Pesquisas agronômicas das plantas medicinais nativas regulamentadas pela ANVISA Lin Chau Ming, Gabriela Granghelli Gonçalves, Maria Izabela Ferreira Departamento de Horticultura, Faculdade de Ciências

Leia mais

DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS 2ª EDIÇÃO MEIO AMBIENTE Apresentação O Programa de Reflorestamento da Cidade do Rio de Janeiro, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente,

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

ANÁLISE DAS VEGETAÇÕES ADEQUADAS PARA ESTACIONAMENTOS, CONSIDERANDO ABSORÇÃO DE ÁGUA, CONFORTO TÉRMICO E ESTÉTICO

ANÁLISE DAS VEGETAÇÕES ADEQUADAS PARA ESTACIONAMENTOS, CONSIDERANDO ABSORÇÃO DE ÁGUA, CONFORTO TÉRMICO E ESTÉTICO ANÁLISE DAS VEGETAÇÕES ADEQUADAS PARA ESTACIONAMENTOS, CONSIDERANDO ABSORÇÃO DE ÁGUA, CONFORTO TÉRMICO E ESTÉTICO Jorge Luiz Steffen 1 & Ananda Queiroz Pacífico e Freitas 2 1 Professor da UFMS, Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI MONITORAMENTO DAS FASES INICIAIS DE RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR NA MICROBACIA DO MÉDIO RIBEIRÃO SÃO JOÃO NO MUNICÍPIO DE MINEIROS DO TIETÊ - SP BAURU

Leia mais

JARDINS E ESPÉCIES DE PLANTAS ORNAMENTAIS

JARDINS E ESPÉCIES DE PLANTAS ORNAMENTAIS JARDINS E ESPÉCIES DE PLANTAS ORNAMENTAIS Principais estilos de jardim. Não se esqueça, ele deve estar em sintonia com você 1. Formal 2. Selvagem 3. Rochoso 4. Japonês 5. Tropical 6. Ecológico 7. Árabe

Leia mais

Mapa e Roteiro Ecoturístico do Complexo de Cavernas do Parque Estadual de Terra Ronca - PEteR

Mapa e Roteiro Ecoturístico do Complexo de Cavernas do Parque Estadual de Terra Ronca - PEteR 13th International Congress of Speleology Mapa e Roteiro Ecoturístico do Complexo de Cavernas do Parque Estadual de Terra Ronca - PEteR Msc. Magda Beatriz MATTEUCCI 1; José Neto SOARES FILHO 2; Profº Dr.

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES FLORESTAIS EM ÁREA DE INFLUÊNCIA DE RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA PALMAS - TO

ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES FLORESTAIS EM ÁREA DE INFLUÊNCIA DE RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA PALMAS - TO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS ESTABELECIMENTO DE ESPÉCIES FLORESTAIS EM ÁREA DE INFLUÊNCIA DE RESERVATÓRIO

Leia mais

MANUAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA

MANUAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA 1 Governo Municipal da Cidade de Embu das Artes Secretaria de Meio Ambiente Tel../Fax: (11) 4785-3694 meioambiente@embu.sp.gov.br MANUAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA 1. INTRODUÇÃO Com a vinda do homem do campo

Leia mais

INVENTÁRIO DA ARBORIZAÇÃO DO PARQUE DA CIDADE DO MUNICÍPIO DE SOBRAL, CEARÁ

INVENTÁRIO DA ARBORIZAÇÃO DO PARQUE DA CIDADE DO MUNICÍPIO DE SOBRAL, CEARÁ INVENTÁRIO DA ARBORIZAÇÃO DO PARQUE DA CIDADE DO MUNICÍPIO DE SOBRAL, CEARÁ Nicholas Farias Lopes Vale 1 ; Gislane dos Santos Sousa 2 ; Marlene Feliciano Mata 3 ; Petrônio Emanuel Timbó Braga 4 (recebido

Leia mais

Manejo integrado da arborização urbana no município de Pirangi, SP

Manejo integrado da arborização urbana no município de Pirangi, SP 207 Manejo integrado da arborização urbana no município de Pirangi, SP (Integrated management of urban afforestation in Pirangi, SP) Leticia Massabni 1 ; Wellington Marcelo Queixas Moreira 2 ; Anaira Denise

Leia mais

AGROFLORESTA. Reconstruindo Paisagens Sustentáveis. Jefferson Ferreira Lima Haroldo Borges Gomes Laury Cullen Jr. Tiago Pavan Beltrame

AGROFLORESTA. Reconstruindo Paisagens Sustentáveis. Jefferson Ferreira Lima Haroldo Borges Gomes Laury Cullen Jr. Tiago Pavan Beltrame AGROFLORESTA Reconstruindo Paisagens Sustentáveis Jefferson Ferreira Lima Haroldo Borges Gomes Laury Cullen Jr. Tiago Pavan Beltrame Ministério do Meio Ambiente - PROBIO Instituto de Pesquisas Ecológicas

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO DO PARQUE MUNICIPAL DA CACHOEIRINHA, MUNICÍPIO DE IPORÁ, GOIÁS

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO DO PARQUE MUNICIPAL DA CACHOEIRINHA, MUNICÍPIO DE IPORÁ, GOIÁS LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E FITOSSOCIOLÓGICO DO PARQUE MUNICIPAL DA CACHOEIRINHA, MUNICÍPIO DE IPORÁ, GOIÁS Vania Sardinha dos Santos-Diniz 1, André Ribeiro Lopes da Silva 2, Letícia Daniela Morais Rodrigues

Leia mais

Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF

Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF R. Mário Viana 523 Santa Rosa - Niterói - R.J. E-mail: lean@vm.uff.br BIOMAS DO BRASIL Biomas são

Leia mais

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA SOB UM CIRCUITO ELÉTRICO DA REGIÃO NORTE DE MINAS GERAIS ALINE SILVA MUNDIM LAVRAS 2014 INTRODUÇÃO: Grande parcela da população mundial vive atualmente em cidades. De acordo com dados

Leia mais

Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado

Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado Experiências com Reflorestamentos Antigos: Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado Giselda Durigan Instituto Florestal de São Paulo Floresta Estadual de Assis e-mail: giselda@femanet.com.br

Leia mais

Secretaria Municipal de Meio Ambiente

Secretaria Municipal de Meio Ambiente AU2 - Plano de Arborização Urbana Ações para melhoria das condições e qualidade de vida das árvores de Itu Revisão 2014 1. INTRODUÇÃO Itu possui uma área territorial de 639,578 Km 2 (IBGE, 2014) e uma

Leia mais

ANEXO III DO PARECER ÚNICO

ANEXO III DO PARECER ÚNICO Página: 1 de 5 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD ANEXO III DO PARECER ÚNICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Tipo de Requerimento

Leia mais

aula Bioma Caatinga recursos florestais e fauna Ciências da Natureza e Realidade Autores 2ª Edição Franklin Nelson da Cruz Gilvan Luiz Borba

aula Bioma Caatinga recursos florestais e fauna Ciências da Natureza e Realidade Autores 2ª Edição Franklin Nelson da Cruz Gilvan Luiz Borba 2ª Edição DISCIPLINA Ciências da Natureza e Realidade Bioma Caatinga recursos florestais e fauna Autores Franklin Nelson da Cruz Gilvan Luiz Borba Luiz Roberto Diz de Abreu aula 06 CI_NAT_A06_RAAR_250510.indd

Leia mais

Planta Baixa. Pavilhao Interno FL 01/ 016. INDÚSTRIA DO FUTURO 725m² PORTAS PISO/ REVESTIMENTO AR CONDICIONADO

Planta Baixa. Pavilhao Interno FL 01/ 016. INDÚSTRIA DO FUTURO 725m² PORTAS PISO/ REVESTIMENTO AR CONDICIONADO 205.6 PORTAS Madeira PISO/ REVESTIMENTO 0.10 Revestido em carpete CINZA AR CONDICIONADO 18.000 Btus 60.000 Btus 80.000 Btus 36.000 Btus Planta Baixa Condensador de ar FL 01/ 016 FL 02/ 016 FL 03/ 016 FL

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Kelvin Rosalvo Melgar Brito

Leia mais

PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP

PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP RELATÓRIO SEMESTRAL JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento: UHE Foz do Rio Claro Foz do Rio Claro Energia SA Execução: Consiliu Meio Ambiente & Projetos

Leia mais

PAISAGISMO PAI ECO-EFICIÊNCIA ECO CLIMATIZAÇÃO CLI TRANSPORTE VERTICAL E ACESSOS TVA O projeto de paisagismo não é complementar ao edifício, pelo contrário, é o componente vegetal que faz o nexo entre

Leia mais

ANEXO III DO PARECER ÚNICO

ANEXO III DO PARECER ÚNICO GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD ANEXO III DO PARECER ÚNICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Tipo de Requerimento de Intervenção

Leia mais

Tocantins. Ações em Curso no Estado

Tocantins. Ações em Curso no Estado Tocantins Ações em Curso no Estado Tocantins Dunas do Jalapão Mateiros - TO Cachoeira do Registro Aurora - TO Tocantins Tocantins Eco Aventura Rio do Sono - TO Tocantins Eco Turismo Parque Estadual do

Leia mais

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA PROCESSO HISTÓRICO 20 anos de RAD Processo Histórico Anos 80...

Leia mais

Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest

Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest Lucas Cardoso Marinho & Filipe Ribeiro Sá Martins Lucas C. Marinho [lcmarinho@gmail.com] # 452 version

Leia mais

Classificação das Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari

Classificação das Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari Classificação das Plantas Ornamentais Professora Juliana Ferrari Gramados Elemento fundamental para áreas ajardinadas; Substitui pisos e revestimentos; Plantas da família das gramíneas (Poaceas); Crescimento

Leia mais

PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIRÁVEIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIRÁVEIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIRÁVEIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Cogumelos Grande diversidade variam de comestíveis até altamente tóxicos Pouco conhecimento sobre os mesmos: preconceito e não aproveitamento.

Leia mais

Diagnóstico Ambiental da Praça da Bandeira

Diagnóstico Ambiental da Praça da Bandeira ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE - SEMA DEPARTAMENTO DE CONTROLE AMBIENTAL - DCA Diagnóstico Ambiental da Praça da Bandeira Aracaju/SE ABRIL/2015 ESTADO DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA Poliana Domingos Ferro 1 Graduanda do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Projeto Raízes. Reflorestamento do Parque Estadual da Pedra Branca Morro dos Caboclos, Morro do Carapiá e Morro do Santo André, Rio de Janeiro, RJ.

Projeto Raízes. Reflorestamento do Parque Estadual da Pedra Branca Morro dos Caboclos, Morro do Carapiá e Morro do Santo André, Rio de Janeiro, RJ. ThyssenKruppCompanhiaSiderúrgicadoAtlântico ProjetoRaízes ReflorestamentodoParqueEstadualdaPedraBranca MorrodosCaboclos,MorrodoCarapiáeMorrodoSantoAndré, RiodeJaneiro,RJ. PrimeiroRelatórioTrimestral FaseImplantação

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA E QUALIFICAÇÃO DA PAISAGEM

ARBORIZAÇÃO URBANA E QUALIFICAÇÃO DA PAISAGEM ARBORIZAÇÃO URBANA E QUALIFICAÇÃO DA PAISAGEM URBAN AFFORESTATION AND QUALIFICATION LANDSCAPE Jussara Maria Basso* Rodrigo Studart Corrêa** RESUMO Este trabalho quantificou o papel de diferentes espécies

Leia mais

Recebido em 16/06/00. Aceito em 25/09/01.

Recebido em 16/06/00. Aceito em 25/09/01. Composição florística e fitossociologia do cerrado 103 COMPOSIÇÃO O FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DO CERRADO SENTIDO RESTRITO O NO MUNICÍPIO DE ÁGUA A BOA A MT Recebido em 16/06/00. Aceito em 25/09/01.

Leia mais

Estrutura. Restrições para a restauração florestal. Demandas pela produção de madeira nativa. Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas

Estrutura. Restrições para a restauração florestal. Demandas pela produção de madeira nativa. Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas Pedro Brancalion Estrutura Restrições para a restauração florestal Demandas pela produção de madeira nativa Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas Modelos de restauração voltados para

Leia mais

Anexo C C-1. Capítulo III Diagnóstico do meio biótico

Anexo C C-1. Capítulo III Diagnóstico do meio biótico Anexo C C-1 Anexo C. Capítulo III Diagnóstico do meio biótico Quadro 1. Listagem de espécies vegetais identificadas na área de estudo da UHE São Família Nome Popular Fitofisionomias 7 8 33 2 4 6 9 13 27

Leia mais

PLANO DE MANEJO RPPN BURACO DAS ARARAS, JARDIM/MS. Flora Terrestre

PLANO DE MANEJO RPPN BURACO DAS ARARAS, JARDIM/MS. Flora Terrestre PLANO DE MANEJO RPPN BURACO DAS ARARAS, JARDIM/MS Flora Terrestre Dra.Vivian Ribeiro Baptista-Maria Fabrício de Souza Maria 1. Introdução O Cerrado é um dos hotspots para a conservação da biodiversidade

Leia mais

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO ARBÓREA- ARBUSTIVA EM CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DISTÚRBIOS ANTRÓPICOS

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO ARBÓREA- ARBUSTIVA EM CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DISTÚRBIOS ANTRÓPICOS Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano IX - Volume 18 Número

Leia mais

Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima

Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima Pesquisador da Embrapa Semi-Árido, C.P. 23, Petrolina-PE, 56302-970. pcflima@cpatsa.embrapa.br 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

ESPÉCIES FRUTÍFERAS. Pouteria torta Euterpe oleracea Malpighia emarginata

ESPÉCIES FRUTÍFERAS. Pouteria torta Euterpe oleracea Malpighia emarginata ESPÉCIES FRUTÍFERAS Abacate Persea americana Abiu Pouteria torta Açai Euterpe oleracea Acerola Malpighia emarginata Ameixa amarela Eriobotrya japonica Ameixa japonesa Prunus salicina Ameixa silvestre Eugenia

Leia mais

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita,

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita, INGÁ-QUATRO-QUINAS Nome científico: Inga vera Willd. Nome popular: ingá-quatro-quinas Família: Leguminosae-Mimosoideae Classificação: espécie pioneira Porte arbóreo: (5-10 m) Zona de ocorrência natural:

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO III EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO III EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO III EDUCADORES TEMAS ABORDADOS Conceitos de Educação Ambiental; Histórico de Educação Ambiental; Fauna e flora da região; Dicas de Arborização.

Leia mais

FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO

FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO Na região do sertão nordestino o clima é árido e semi-árido, e o que predomina é a caatinga, tanto na seca quanto no período de chuvas. Esse bioma se destaca pela biodiversidade,

Leia mais

PÁTIO DAS MATRIZES LEGENDA. Janeiro Desenho sem escala* Espécies e quantidade

PÁTIO DAS MATRIZES LEGENDA. Janeiro Desenho sem escala* Espécies e quantidade PÁTIO DAS MATRIZES Janeiro 2014 Desenho sem escala* LEGENDA Espécies e quantidade Sol pleno. Precisa de, no mínimo 4 horas de sol direto diariamente. Meia sombra. precisa de muita luz, porém, não suporta

Leia mais

ANÁLISE FLORÍSTICA DAS PLANTAS ORNAMENTAIS IMPLANTADAS NO BOSQUE DE GARÇA/SP

ANÁLISE FLORÍSTICA DAS PLANTAS ORNAMENTAIS IMPLANTADAS NO BOSQUE DE GARÇA/SP Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Ensino Superior e Formação Integral FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano XI - Volume 21

Leia mais

ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Abril, 2009. Módulos para Recuperação de Cerrado com Espécies Nativas de Uso Múltiplo

ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Abril, 2009. Módulos para Recuperação de Cerrado com Espécies Nativas de Uso Múltiplo ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Abril, 2009 250 Módulos para Recuperação de Cerrado com Espécies Nativas de Uso Múltiplo ISSN 1517-5111 ISSN online 2176-5081 Abril, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

Vilma de Fátima Soares ESTUDO TERMINOLÓGICO DE ESPÉCIES ARBÓREAS: UMA PROPOSTA PARA A POPULARIZAÇÃO DO CONHECIMENTO DO CIENTÍFICO AO POPULAR

Vilma de Fátima Soares ESTUDO TERMINOLÓGICO DE ESPÉCIES ARBÓREAS: UMA PROPOSTA PARA A POPULARIZAÇÃO DO CONHECIMENTO DO CIENTÍFICO AO POPULAR 0 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LINGUÍSTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEMIÓTICA E LINGUÍSTICA Vilma de Fátima Soares ESTUDO TERMINOLÓGICO

Leia mais

Colégio Estadual Herbert de Souza. Investigando o uso de plantas medicinais

Colégio Estadual Herbert de Souza. Investigando o uso de plantas medicinais Colégio Estadual Herbert de Souza Investigando o uso de plantas medicinais Investigando o uso de plantas medicinais Orientadoras: Fátima Gomes e Sandra Fructuoso Bolsistas: Ana Carolina P. Real Fernanda

Leia mais

Viveiro e Produção de Mudas de Algumas Espécies Arbóreas Nativas do Cerrado

Viveiro e Produção de Mudas de Algumas Espécies Arbóreas Nativas do Cerrado Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1517-5111 Outubro, 2005 147 Cerrados Viveiro e Produção de Mudas de Algumas Espécies Arbóreas Nativas do Cerrado CGPE 7294 Ministério da Agricultura,

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE ESPÉCIES NATIVAS E EXÓTICAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE, CAMPUS DE CAJAZEIRAS, PARAÍBA, BRASIL

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE ESPÉCIES NATIVAS E EXÓTICAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE, CAMPUS DE CAJAZEIRAS, PARAÍBA, BRASIL LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE ESPÉCIES NATIVAS E EXÓTICAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE, CAMPUS DE CAJAZEIRAS, PARAÍBA, BRASIL Mayara dos Santos Pereira 1, Francisca Carla Eugênio da Silva 1,

Leia mais

A1-86 Semeando autonomia e preservando a biodiversidade agrícola no Ceará

A1-86 Semeando autonomia e preservando a biodiversidade agrícola no Ceará A1-86 Semeando autonomia e preservando a biodiversidade agrícola no Ceará Henrique R. S. Ziegler, Universidade Federal do Ceará UFC, henriquezie@gmail.com Mônica M. Barbosa, UFC, monica.mourab@gmail.com

Leia mais

USO DA CULTURA DO JERIVÁ (SYAGRUS ROMANZOFFIANA) VISANDO AGREGAR RENDA À AGRICULTURA FAMILIAR

USO DA CULTURA DO JERIVÁ (SYAGRUS ROMANZOFFIANA) VISANDO AGREGAR RENDA À AGRICULTURA FAMILIAR 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( x ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA USO DA CULTURA DO JERIVÁ (SYAGRUS ROMANZOFFIANA) VISANDO

Leia mais