Relatório de Preparação para a Dissertação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Preparação para a Dissertação"

Transcrição

1 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Relatório de Preparação para a Dissertação Desenvolvimento de uma Aplicação de Suporte à Gestão de Processos de Gestão para PME Aluno: José António Morais Trigo Barbosa Orientador(a): Maria Henriqueta Dourado Eusébio Sampaio da Nóvoa Fevereiro de 2014

2 Índice 1. Introdução As Pequenas e Médias Empresas (PME) O Conceito de PME As PME em Portugal Enterprise Resource Planning (ERP) Introdução O Conceito de ERP Processos Críticos que Suporta Vantagens/Desvantagens dos ERP Empresas de Base Tecnológica (EBT) Introdução O Conceito de EBT Características das EBT Processos Críticos de uma EBT Mapa de Processos de Negócio Ficha dos Processos Trabalho a ser Realizado Plano de Trabalho Fases de Trabalho Resultados Esperados

3 Lista de figuras FIGURA 1 - COMPARAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES DO MRP, MRPII E ERP [4]... 8 FIGURA 2 - ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA ERP FIGURA 3 - EXEMPLO DE UM CICLO DE PROCESSOS DE UM SISTEMA ERP [11] FIGURA 4 - MAPA DE PROCESSOS CRÍTICOS DAS EBT

4 Lista de Tabelas TABELA 1 - CARACTERÍSTICAS DOS VÁRIOS TIPOS DE PME... 5 TABELA 2 - CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA ERP [7]... 9 TABELA 3 - CARACTERÍSTICAS DAS EBT COM BASE EM ESTUDOS REALIZADOS [15] TABELA 4 - FICHA DO PROCESSO "NEGOCIAR PROJETO" TABELA 5 - FICHA DO PROCESSO "DESENVOLVER PROJETO" TABELA 6 - FICHA DO PROCESSO "EFETUAR ASSISTÊNCIA E/OU MANUTENÇÃO" TABELA 7 - FICHA DO PROCESSO "GERIR RECURSOS HUMANOS" TABELA 8 - FICHA DO PROCESSO "GERIR RECURSOS FINANCEIROS" TABELA 9 - FICHA DO PROCESSO "GERIR AS INFRAESTRUTURAS" TABELA 10 - PLANO DE TRABALHOS PARA A DISSERTAÇÃO E SUA PREPARAÇÃO

5 1 - Introdução O presente relatório foi realizado no âmbito da unidade curricular Preparação para a Dissertação (PDI), do 5º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (MIEEC), durante o 1º semestre do ano letivo 2013/2014. O tema de dissertação Desenvolvimento de uma Aplicação de Suporte à Gestão de Processos de Gestão para PME foi proposto pela Professora/Orientadora Maria Henriqueta Dourado Eusébio Sampaio da Nóvoa, em colaboração com a empresa Mercatura - Tecnologias de Informação Lda. - empresa UPTEC. As PME, e em particular as micro-pme, apresentam um conjunto de processos de gestão de suporte ao seu funcionamento que são críticos para o seu bom funcionamento, carecendo de um acompanhamento permanente. Nas empresas em que o número de funcionários é reduzido e com um baixo volume de produção e de faturação, revela-se ainda mais crítica a gestão eficiente destes processos, apoiada num sistema de gestão simples e de custo comportável. O objetivo desta proposta de tese, que será realizada em ambiente empresarial, é dividido em duas fases complementares. Numa primeira fase pretende-se efetuar um levantamento de requisitos detalhado para os processos comuns de gestão identificados como sendo críticos, particularmente para empresas de base tecnológica. Na segunda fase procede-se ao desenvolvimento de alguns destes módulos, tendo por base uma plataforma que é propriedade da empresa Mercatura, suportada na linguagem PHP. O documento encontra-se estruturado da forma seguinte: no segundo capítulo é definido o conceito das Pequenas e Médias Empresas (PME) e a sua situação em Portugal; no capítulo seguinte é explicado o conceito de Enterprise Resource Planning (ERP), a importância que tem para as empresas nos dias de hoje e as operações que efetua; o quarto capítulo é dedicado às empresas de base tecnológica, sendo exposto o seu conceito e funcionamento, no capítulo cinco são identificados os processos críticos de negócio de uma EBT através da realização de um mapa de processos e a ficha de cada um desses processos e, por fim, no último capítulo apresenta-se a estruturação e planeamento das tarefas a serem realizadas, tanto na Dissertação, como no planeamento da mesma. 4

6 2 As Pequenas e Médias Empresas (PME) Neste capítulo é apresentado o conceito de PME e a sua situação em Portugal O conceito de PME A nível internacional, os termos que definem as empresas de menor dimensão variam consoante o país ou a zona em que se encontram inseridas. Em Portugal é comum referirmo-nos a este tipo de empresas como PME Pequenas e Médias Empresas. Nos países da União Europeia é comum designá-las por SME Small and Medium Enterprises. Já noutros pontos do globo as terminologias são ligeiramente diferentes. A título de exemplo, podemo-nos deparar com as seguintes terminologias: SMBs Small and Medium Businesses nos Estados Unidos da América, MSEs Micro and Small Enterprises na Índia, SMME Small, Medium and Micro Enterprises na África do Sul e MSME Micro, Small and Medium Enterprises noutros países africanos [1] As PME em Portugal Em Portugal a definição de PME é regulamentada pelo Decreto-Lei 372/2007 e congrega os valores de três variáveis numéricas: o número de efetivos, o volume de negócios e o balanço total [1]. A Tabela 1 dá a conhecer estimativas dos valores referidos anteriormente para as três categorias de empresas que englobam as PME. Tabela 1 - Características dos vários tipos de PME Categoria Nº de Funcionários Volume de Negócios Balanço Total Anual Média Empresa < M 43 M Pequena Empresa < M 10 M Micro Empresa < 10 2 M 2 M Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística de 2010, relativos a 2008, as PME representavam 99,7% do tecido empresarial nacional, eram responsáveis por 72,5% do emprego e por 57,9% do volume de negócios a nível nacional. A dimensão média das empresas portuguesas era muito reduzida, isto é, cada empresa empregava, em média, apenas 8,6 trabalhadores e apresentava um volume de negócios de 993,4 mil euros. Estes valores diferiam um pouco quando se trata das PME, ficando-se por 6,2 trabalhadores e 576,9 mil euros de volume de negócios por empresa [1]. Ainda de acordo com os mesmos dados, as micro e pequenas empresas representavam a maior parte do tecido empresarial português (97,8%). Considerando o universo que envolve este 5

7 tipo de empresas, constata-se que tinham um grande impacto em termos de emprego e, ainda que de forma não tão acentuada, em termos de volume de negócios, uma vez que as micro e pequenas empresas geravam 53% do emprego e 36,3% do volume de negócios nacional [1]. Além disso, as PME representavam, em qualquer das regiões do país, mais de 99,5% do tecido empresarial. A nível de emprego, eram geradoras de mais de 74% dos postos de trabalho de qualquer uma das regiões, à exceção de Lisboa, onde, ainda assim, criavam 57% dos empregos privados. Por outro lado, mais de 2/3 dos negócios a nível nacional deviam-se às PME, à exceção de Lisboa, onde este número se ficava pelos 42,2%, sendo de destacar a região do Algarve onde atingia os 91,9% [1]. 6

8 3- Enterprise Resource Planning (ERP) Introdução A inovação é cada vez mais identificada como uma força transformadora que cria e molda novas economias no mundo digital de hoje. Muitas vezes as empresas adotam sistemas de informação (SI) para atualizar, ou melhorar, o seu desempenho nos negócios e conseguirem ser mais competitivas no mundo empresarial. Davenport considerou os sistemas de planeamento de recursos empresariais (ERP) um recurso muito importante no que toca ao uso das tecnologias de informação (TI) por parte das empresas [2]. Neste capítulo faz-se uma pequena abordagem sobre o sistema ERP. É definido o conceito, o seu papel dentro de uma empresa e o quanto ele pode ser importante para o sucesso desta, os seus pontos fortes e fracos, bem como os seus processos fundamentais. A empresa Mercatura tem como produto final a construção e manutenção de sistemas de informação baseados nos princípios dos ERP (micro-erp ou intranets) e adaptados às necessidades dos clientes; daí a importância de um conhecimento prévio desta ferramenta O Conceito de ERP Segundo alguns autores (Rashid et al., 2002), o aparecimento dos sistemas ERP surgiu há cerca de 40 anos atrás, quando o primeiro MRP ( Master Requirement Planning ) foi desenvolvido. Esses sistemas eram apenas focados na linha de produção, fabricação e controlo do stock. O seu objetivo principal era planear e controlar as operações de produção, gerindo o plano de necessidades de material. No entanto, as empresas sentiam a necessidade de ter outros sistemas de informação, a fim de gerir outras áreas ativas da empresa, como a área das finanças, recursos humanos, vendas e distribuição [3]. Com a popularização das redes de computadores, os sistemas MRP evoluíram para os sistemas MRP2 ( Manufacturing Production Systems ), que consistiam em vários subsistemas de comunicação. Cada subsistema era uma entidade independente responsável pela gestão de uma área da empresa (ex: vendas e distribuição, produção, etc) [3]. A evolução MRP2 deu origem ao sistema ERP. A Figura 1 dá a conhecer a comparação, ao nível das funcionalidades, entre os três sistemas mencionados. Nos anos noventa, os sistemas ERP evoluíram gradualmente e a sua popularidade cresceu consideravelmente, em parte devido à massificação das redes de computadores e, também, devido à difusão das arquiteturas de baixo custo cliente-servidor. Nesta altura os ERP eram pacotes completos de vários módulos integrados, permitindo um fluxo de dados eficiente entre todas as atividades da empresa. Hoje em dia quase todas as empresas com uma dimensão considerável possuem um sistema ERP [3]. 7

9 Figura 1 - Comparação das funcionalidades do MRP, MRPII e ERP [4] O uso generalizado dos sistemas de planeamento de recursos empresariais (ERP) reformulou fundamentalmente a forma como os dados de negócios são obtidos, armazenados, difundidos e utilizados. Um ERP moderno é um sistema de informação integrado que suporta praticamente todas as atividades de negócio da empresa, ou seja, é um software de base de dados que automatiza e integra processamento de informação, em tempo real, ao longo de um grande número de processos de negócio e funções respeitantes a uma dada empresa/organização [3], [5]. Tal significa que há uma base de dados central para cada módulo que, por exemplo, poderá permitir que um produto defeituoso detetado na cadeia de abastecimento possa ser retirado e não seja entregue ao cliente, já que a informação se encontra disponível, em tempo real, para todos os módulos [3]. O ERP tipicamente utilizado pelas indústrias de capital intensivo foi entretanto divulgado junto de outros setores de atividade, como finanças, educação, seguros, venda a retalho e telecomunicações [5]. Os sistemas ERP constituem atualmente uma importante infraestrutura tecnológica para sistemas de contabilidade e controlo de gestão nas organizações/empresas. Apesar de não serem sistemas puramente contabilísticos, são desenvolvidos no intuito do planeamento e controlo informático de processos [6]. Estes modernos sistemas de ERP são incorporados tendo em vista a integração e padronização das operações, tornando possível a sua gestão centralizada. Além disso, procuram resolver os problemas de administração mais urgentes, aperfeiçoando o modelo de organização, o que permitirá atingir níveis de desempenho mais elevados [6]. Embora existam diferentes tipos de indústria e o próprio sistema tenha uma estrutura modular, o ERP é um software padrão, ou seja, oferece soluções-padrão para todas as empresas, para todos os locais de produção e para todas as tarefas [6]. A tabela seguinte (Tabela 2) resume uma série de características dos sistemas ERP, a maioria delas já apresentadas anteriormente. 8

10 Tabela 2 - Características do sistema ERP [7] Características do Ponto de Vista Funcional Características do Ponto de Vista Técnico Pacote standard, apontado para todos os mercados; Elevada potencialidade para personalização; Aplicação de software; Base de dados integrada (gestão e transações); Soluções empresariais que dão suporte aos processos críticos; Capacidade de suportar um elevado número de funções. Interface gráfica do utilizador consistente; Arquitetura cliente-servidor; Sistema aberto, no que diz respeito à escolha das plataformas de hardware e software. As PME são consideradas fundamentalmente diferentes das grandes empresas em vários aspetos e estudos sobre implementações dos sistemas ERP salientam também que os resultados das grandes empresas não podem ser aplicados às PME (Buonanno et al., 2005; Laukkanen et al., 2007; Mabert et al., 2003). No que diz respeito à adoção dos Sistemas de Informação (SI), algumas PME, nomeadamente as que não se dedicam à venda de tecnologia, foram sempre restringidas, por terem recursos limitados, insuficientes conhecimentos sobre Sistemas de Informação (SI) e falta de experiência em Tecnologias de Informação (TI). É importante reconhecer estas características distintivas e considerar o modo como elas podem influenciar as questões de implementação do ERP enfrentadas pelas PME [8]. A grande maioria das grandes empresas já adotou os sistemas ERP, sendo que as PME estão também a tentar adotar estes sistemas. A título de exemplo, é de referir que, já em 1998, 27% das empresas europeias de tamanho médio já tinham instalado, numa ou mais áreas, uma aplicação de ERP, tendo-se então previsto uma subida da sua utilização de cerca de 56% até ao ano As taxas de utilização esperadas foram especialmente elevadas nos países do Norte da Europa, como na Finlândia, onde a taxa estimada rondou os 70% [9] Processos Críticos que Suporta Tal como foi descrito no ponto 3.1, os sistemas ERP são definidos como um termo industrial associado a um conjunto de atividades suportadas por uma série de módulos aplicacionais, que permitem apoiar os empresários na gestão dos diversos componentes do seu negócio, onde se inclui, entre outros, o planeamento da produção, a aquisição de produtos (compras), a gestão de inventários, a interação com os fornecedores, o serviço pós-venda, o processamento das requisições dos clientes. Tais sistemas incluem, normalmente, módulos aplicacionais destinados a gerir as finanças e os recursos humanos da organização, podendo 9

11 ainda expandir-se até às áreas da manutenção, gestão da qualidade e, eventualmente, gestão de projeto, entre outros módulos avançados [10]. A Figura 2Erro! A origem da referência não foi encontrada. apresenta uma estrutura típica dos componentes de um sistema ERP. Os módulos nela descritos encontram-se presentes na maioria dos sistemas ERP, podendo haver casos em que o sistema integre módulos adicionais, tais como módulos relacionados com a Gestão da Qualidade, Gestão de Projetos, Gestão da Manutenção, entre outros [10]. Figura 2 - Estrutura e funcionamento do sistema ERP A natureza integrada do ERP permite que os dados inseridos em dada etapa do ciclo de processo possam ser reencaminhados para a próxima parte do ciclo, tendo em vista o seu posterior processamento. De uma maneira geral, a validação dos dados inseridos nas etapas iniciais do processo não é reavaliada em fases posteriores. A Figura 3 Erro! A origem da referência não foi encontrada.dá a conhecer o processo cíclico de um sistema ERP; cada caixa indica um processo e a que departamento pertence, encontrando-se abaixo detalhados os dados que são inseridos e/ou atualizados na base de dados do sistema ERP [11]. 10

12 Figura 3 - Exemplo de um ciclo de processos de um sistema ERP [11] 3.4 Vantagens/Desvantagens dos ERP Algumas das vantagens da implementação de um ERP numa empresa são [10], [12]: baixa os custos totais na cadeia de produção; diminui o tempo de entrega; reduz stocks a um mínimo; aumenta a variedade de produtos e a sua qualidade; proporciona datas de entrega mais confiáveis e um serviço de melhor qualidade para o consumidor; coordena de modo eficiente as solicitações, oferta e produções globais; reduz os custos operacionais da organização. Se a organização possui todas as áreas integradas, então possui maior controlo sobre os processos; favorece a eficiência da própria organização, uma vez que o sistema integra diversas áreas da organização; reduz o tempo gasto pelos colaboradores na execução de tarefas; permite o acesso à informação de uma maneira mais rápida e abrangente, o que facilita a tomada de decisão; consolida todo o software num só sistema; produz relatórios/extratos de contas mais precisos; melhora o serviço de tarefas de contabilidade. No entanto, os sistemas ERP também podem apresentar algumas desvantagens, nomeadamente [10]: o custo de implementação; o tempo de implementação; a eventual redução de pessoal, uma vez que com a melhoria dos processos, os detentores das funções abrangidas por estes podem ver desaparecer a necessidade do posto de trabalho. 11

13 4 Empresas de Base Tecnológica (EBT) Introdução Entre as Pequenas e Médias Empresas (PME) existentes existe uma boa parte delas que se dedica à produção e/ou manuseamento de software, não necessitando, como é evidente, da constituição de stocks e não estando tão dependentes de fornecedores; é o caso da Mercatura, empresa alvo deste projeto. Este tipo de empresas são chamadas de Empresas de Base Tecnológica (EBT). Neste capítulo começa-se por definir, de forma mais pormenorizada, este tipo de empresas e descreve-se algumas das suas características O Conceito de EBT Pode-se definir Empresas de Base Tecnológica (EBT) como empresas industriais que estão comprometidas com o projeto, desenvolvimento e produção de novos produtos e/ou processos, caraterizando-se, ainda, pela aplicação sistemática de conhecimentos técnico-científicos, ou seja, trata-se de empresas que se baseiam no domínio intensivo do conhecimento científico e tecnológico para manter a sua competitividade [13], [14]. Este tipo de empresas recorre a tecnologias inovadoras, têm uma proporção elevada de gastos em P&D, a maioria dos seus recursos humanos possuem conhecimentos técnico-científicos e de engenharia e focam-se em mercados específicos [13] Características das EBT São várias as características que permitem distinguir este tipo de empresas das ditas empresas tradicionais, nomeadamente [14]: Maior capacidade para incorporar novas trajetórias na melhoria de produtos tradicionais, gerando novos desenvolvimentos de forma incremental. Neste sentido, este novo tipo de empresa tem uma maior capacidade para introduzir rapidamente mudanças no desenho dos produtos e processos, em termos de tamanho, adaptabilidade e versatilidade. Não existe a rigidez da produção massiva; Os requisitos deste novo tipo de empresa constituem uma fonte motora de inovações radicais; A flexibilidade constitui a ótima prática produtiva. O caráter programável dos equipamentos permite superar a rigidez das velhas fábricas, reduzindo a importância das economias de escala baseadas em técnicas intensivas de produção em massa, em que se torna independente a escala de produção da escala de mercado; A especialização dos equipamentos permite modificações mais rápidas nos planos de produção, elevados níveis de eficiência na fabricação de produtos distintos, modelos diversos e volumes variáveis; Apresentam um maior dinamismo tecnológico, integrando o desenho no processo produtivo. Tal implica uma interação com os centros de investigação, desenvolvimento 12

14 e engenharia de desenho, que desempenham um papel crucial na gestão estratégica da empresa; Adaptação da produção à procura, desenvolvendo-se as condições para que a diversidade da própria procura multiplique a oferta de produtos e a possibilidade de investimento, abrindo novos mercados, assim como o desenho dos equipamentos e componentes, fatores motrizes de crescimento; Possuem um novo esquema organizativo. A organização tende para uma rede integrada de processos, com ênfase nas conexões e nos sistemas de interação, orientada para a coordenação técnico-económica global. A Tabela 3 apresenta outro tipo de características destas empresas, suportadas em estudos realizados. Tabela 3 - Características das EBT com base em estudos realizados [15] Características das EBT Origem tecnologia/experiência Perfil da Empresa Resultados 46,7% - utilização de tecnologias desenvolvidas nas universidades locais 26,7% - utilização de tecnologias desenvolvidas na própria empresa Setor: 26,7% - novos materiais 16,7% - equipamentos industriais 13,3% - informática 13,3% - instrumentação 10% - automação Idade: 63,3% - 0 a 5 anos 23,3% - 6 a 10 anos Pessoal: 63,3% - 0 a 10 funcionários 16,7% - 11 a 20 funcionários 13,3% - 21 a 30 funcionários A análise da informação exposta na tabela anterior confirma que as Empresas de Base Tecnológica podem ser enquadradas nas micro e pequenas empresas, como é o caso da Mercatura. 13

15 5 Processos Críticos de uma EBT 5.1 Mapa de Processos de Negócio Uma vez conhecidos os conceitos das pequenas e médias empresas e das empresas de base tecnológica, é chegado o momento de se perceber melhor o seu funcionamento, através da identificação dos seus processos críticos de gestão. Este passo é também crítico para o desenvolvimento de um ERP, qualquer que seja a sua abrangência, visto que estes sistemas de informação têm como principal objetivo o suporte aos processos críticos das empresas, otimizando o seu desempenho. A Erro! A origem da referência não foi encontrada.apresenta o mapa de processos de negócio críticos de uma EBT. Figura 4 - Mapa de processos críticos das EBT Tal como se pode observar na imagem anterior, o mapa de processos de negócio é constituído pelos processos da cadeia de valor, isto é, pelos processos diretamente ligados à prestação de serviços e ao fornecimento de produtos aos clientes, os quais, por isso mesmo, são sempre críticos. Para o caso das EBT, a cadeia de valor começa no momento em que o cliente tem interesse nos serviços da empresa e decide reunir-se com alguns dos seus membros, na tentativa de negociar e construir uma ideia de um projeto. Uma vez concluídas as negociações, passa-se ao segundo processo, que consiste no desenvolvimento desse projeto, a respetiva entrega e/ou demonstração ao cliente e o pagamento do mesmo. Na fase relativa ao desenvolvimento do projeto existem diversas atividades a considerar, como a verificação do número de trabalhadores necessários e a divisão de tarefas pelos mesmos, a verificação do bom funcionamento dos equipamentos existentes na empresa, a realização de vários testes ao funcionamento de cada parte do projeto e, finalmente, a sua validação. Ainda nesta etapa do processo, a empresa poderá estabelecer com o cliente os períodos em que poderá haver 14

16 manutenção ou uma atualização do projeto. Por fim, o último processo representa o momento em que a empresa se desloca às instalações do cliente para fazer a manutenção do projeto ou mesmo reparar algum erro que possa ter ocorrido. Além dos processos da cadeia de valor, o mapa de processos de negócio também contém os processos de gestão e de suporte, que, no contexto particular do negócio da organização, também são críticos para o seu sucesso. Para o caso das EBT, os processos identificados estão relacionados com a gestão dos recursos humanos (encarrega-se de dar a formação adequada aos funcionários e a distribuir as tarefas entre eles), financeiros (gere os custos e recebimentos da empresa) e, por fim, das infraestruturas (verifica o estado de funcionamento dos equipamentos e a qualidade das instalações). No capítulo seguinte é descrito, de um modo mais pormenorizado, o funcionamento de cada processo através da realização da ficha de cada um deles. 5.2 Ficha dos Processos Numa primeira parte dos modelos dos processos dever ser realizada uma caraterização global do processo em análise, equivalente a um sumário executivo do modelo do processo: a ficha do processo. A ficha do processo inclui tipicamente diversos elementos de caraterização, sendo que os mais importantes, e que devem estar sempre presentes, são os seguintes: a identificação (nome do processo), o âmbito do processo (que também pode ser especificado através dos seus limites, ou seja, quando começa e quando acaba o processo), os objetivos do processo (quais os fins a atingir no final da execução) e as interações com outros processos. As tabelas seguintes (tabela 4, tabela 5, tabela 6, tabela 7, tabela 8 e tabela 9) dão a conhecer as fichas dos processos identificados no mapa apresentado anteriormente. Tabela 4 - Ficha do processo "Negociar Projeto" Ficha do Processo Identificação do Processo Responsável pelo Processo Limites do Processo Objetivos do Processo Negociar Projeto Cliente e trabalhadores da empresa Início: Pedido por parte do cliente Fim: Pagamento da fatura pelo cliente Assegurar que: há acordo entre o cliente e a empresa para a realização do projeto; o projeto suporta os recursos financeiros, materiais e humanos que a empresa possui. 15

17 Interações com outros Processos Processo Desenvolver Projeto ; Processo Monitorizar Recursos Financeiros ; Processo Monitorizar Recursos Humanos ; Processo Planear a Manutenção das Infraestruturas. Tabela 5 - Ficha do processo "Desenvolver Projeto" Ficha do Processo Identificação do Processo Responsável pelo Processo Limites do Processo Objetivos do Processo Interações com outros Processos Desenvolver Projeto Trabalhadores da empresa Início: Planear a distribuição de tarefas Fim: Validar o projeto realizado Assegurar que: o projeto seja de fácil compreensão e não contenha erros; o projeto cumpra os requisitos definidos com o cliente; Processo Negociar Projeto ; Processo Monitorizar Recursos Financeiros ; Processo Monitorizar Recursos Humanos ; Processo Planear a Manutenção das Infraestruturas ; Processo Efetuar Assistência e/ou Manutenção. Tabela 6 - Ficha do processo "Efetuar Assistência e/ou Manutenção" Ficha do Processo Identificação do Processo Responsável pelo Processo Limites do Processo Objetivos do Processo Efetuar Assistência e/ou Manutenção Técnico da empresa Início: Pedido de manutenção/assistência por parte do cliente. Fim: Pagamento da fatura pelo cliente. Garantir que: o produto encontra-se sempre atualizado e em bom funcionamento; as atualizações vão de acordo com o pretendido pelo cliente; 16

18 Interações com outros Processos Processo Desenvolver Projeto ; Processo Monitorizar Recursos Financeiros ; Processo Monitorizar Recursos Humanos. Tabela 7 - Ficha do processo "Gerir Recursos Humanos" Ficha do Processo Identificação do Processo Responsável pelo Processo Limites do Processo Objetivos do Processo Interações com outros Processos Gerir Recursos Humanos Departamento de Recursos Humanos Início: novo projeto a desenvolver (necessidade de contratar mais pessoal) Fim: aprovar plano de tarefas a desenvolver Garantir que: a empresa possua os recursos humanos necessários para um bom funcionamento da mesma; cada funcionário possua a formação necessária para trabalhar na empresa; haja uma justa e aceitável divisão de tarefas pelos trabalhadores. Processo Desenvolver Projeto ; Processo Efetuar Assistência e/ou Manutenção. Tabela 8 - Ficha do processo "Gerir Recursos Financeiros" Ficha do Processo Identificação do Processo Responsável pelo Processo Limites do Processo Gerir Recursos Financeiros Tesouraria Início: pedido de aquisição de equipamento Fim: aprovar transação 17

19 Objetivos do Processo Interações com outros Processos Garantir que: a empresa possui os recursos financeiros necessários para um bom funcionamento da mesma; são válidos os pagamentos e recebimentos efetuados. Processo Negociar Projeto ; Processo Desenvolver Projeto ; Processo Efetuar Assistência e/ou Manutenção. Tabela 9 - Ficha do processo "Gerir as Infraestruturas" Ficha do Processo Identificação do Processo Responsável pelo Processo Limites do Processo Objetivos do Processo Interações com outros Processos Início: Não se aplica Fim: Não se aplica Gerir as Infraestruturas Departamento da Gestão Garantir que: as infraestruturas são as adequadas; os equipamentos de serviço são mantidos em correto estado de funcionamento; existe capacidade da empresa em afetar os recursos às atividades que desenvolve. Processo Negociar Projeto ; Processo Desenvolver Projeto ; Processo Efetuar Assistência e/ou Manutenção. 18

20 6 Trabalho a ser Realizado 6.1 Plano de Trabalho Neste capítulo são apresentadas as diversas fases do projeto de dissertação, onde se inclui a fase relativa à unidade curricular de Preparação para a Dissertação, bem como a respeitante à unidade curricular Dissertação. São também apresentados os tempos previstos para a execução de cada uma das etapas do projeto, uma breve descrição dessas etapas e os respetivos estados atuais (ex: em progresso, finalizado, por começar). 6.2 Fases de Trabalho Relativamente ao projeto a desenvolver durante o presente ano letivo, está previsto o seguinte plano de trabalhos (Tabela 10): Tabela 10 - Plano de Trabalhos para a Dissertação e sua preparação Tarefa a Desenvolver Período (semanas) Semestre Estado Atual Interpretação do Problema 1 Revisão Bibliográfica do Tema Estudo do ERP Estudo das PME Estudo das EBT Estudo dos Processos Críticos das EBT Conhecimento do Funcionamento da Empresa Mercatura - 1 1º Elaboração do Relatório de PDI - Levantamento e Modelação Detalhada dos Processos de Gestão Previamente Identificados? Definição dos Processos a Implementar? 2º Estudo e Aprofundamento do Conhecimento da Linguagem PHP? 19

21 Análise da Plataforma de Desenvolvimento Proprietária da Mercatura? Desenvolvimento e Implementação do Protótipo? Teste da Aplicação e Escrita da Dissertação? Legenda: - Tarefa concluída - Tarefa em execução - Tarefa a ser executada 1. Interpretação do Problema Esta fase inicial corresponde ao período em que o problema foi apresentado, os objetivos da tese foram definidos e a definição das tarefas a executar no âmbito da unidade curricular Preparação para a Dissertação; 2. Revisão Bibliográfica do Tema Após a compreensão do problema em análise, pretende-se realizar o estudo dos conteúdos teóricos associados ao tema desta dissertação, nomeadamente conhecer o conceito dos ERP, das PME e das Empresas de Base Tecnológica e identificar os seus processos críticos; 3. Conhecimento do Funcionamento da Empresa Mercatura Nesta fase está prevista uma visita à empresa Mercatura (empresa alvo do trabalho), tendo em vista conhecer os seus processos de funcionamento e a forma como os recursos e operações estão organizados; 4. Elaboração do Relatório de PDI Nesta última tarefa prevista para o 1º semestre do ano letivo, enquadrada na unidade curricular de Preparação para a Dissertação (PDI), pretende-se sintetizar o conhecimento adquirido sob a forma de um relatório escrito; 5. Levantamento e Modelação Detalhada dos Processos de Gestão Previamente Identificados Nesta fase, a executar no início do 2º semestre, propõe-se a identificação dos processos críticos de gestão da empresa Mercatura e a modelação detalhada de cada um desses processos; 6. Definição dos Processos a Implementar Nesta tarefa visa-se a escolha dos processos de gestão que virão a ser implementados no Sistema de Informação de dados (micro-erp); 7. Estudo e Aprofundamento do Conhecimento da Linguagem PHP Pretende-se consolidar os conhecimentos da linguagem PHP, através de um estudo mais aprofundado desta linguagem; 20

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

BTree, Sistemas de Informação

BTree, Sistemas de Informação Preliminary Letter BTree, Sistemas de Informação Soluções à medida das suas necessidades Preliminary Letter Sedeada em Braga em 2003, a BTree é uma empresa que tem por objectivo o desenvolvimento, comercialização

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS Ivo BRAGA 1 RESUMO Os Serviços de manutenção exigem cada vez mais um elevado nível de complexidade. Mesmo a nível local onde o grau de especialização

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Franklin Xavier Klabin, São Paulo, SP/Brasil. Used with permission. Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Geral Executiva Nome da Portnet Informática Equipamentos Indústria

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a otimização da seleção e recrutamento, a correta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a avaliação

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) 1 ERP Sistema para gestão dos recursos administrativos-financeiros,

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i

Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i "Com as repentinas e drásticas evoluções no mundo automóvel, as formas convencionais de pensar e de fazer negócios já não nos permitem

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO O QUE É A QUALIDADE? É o grau de satisfação de requisitos (necessidade ou expectativa expressa, geralmente implícita ou obrigatória), dado por um conjunto de características (elemento

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

E R P. Enterprise Resource Planning. Sistema Integrado de Gestão

E R P. Enterprise Resource Planning. Sistema Integrado de Gestão E R P Enterprise Resource Planning Sistema Integrado de Gestão US$ MILHÕES O MERCADO BRASILEIRO 840 670 520 390 290 85 130 200 1995-2002 Fonte: IDC P O R Q U E E R P? Porque a única coisa constante é a

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente WWW.ZETES.COM ALWAYS A GOOD ID Precisão de aprovisionamento para o retalhista omnicanal Evitar a perda de vendas As expetativas dos clientes estão a mudar e

Leia mais

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas YET - Your Electronic Transactions Soluções globais de transações eletrónicas Conhecimento e experiência na desmaterialização de processos A YET Your Electronic Transactions é uma empresa especializada

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Ao introduzir o sistema ERP, o empresário reconhece imediatamente os benefícios e ferramentas que podem

Ao introduzir o sistema ERP, o empresário reconhece imediatamente os benefícios e ferramentas que podem Os benefícios do ERP Ao introduzir o sistema ERP, o empresário reconhece imediatamente os benefícios e ferramentas que podem ajudar a resolver os problemas comuns dentro da sua empresa. A abertura de informações

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais