Epidemiologia de Dependência de Jogo a Dinheiro em Portugal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Epidemiologia de Dependência de Jogo a Dinheiro em Portugal"

Transcrição

1 Epidemiologia de Dependência de Jogo a Dinheiro em Portugal Novembro de 2009 Henrique Lopes, PhD

2 10 Conclusões Principais 1. A taxa de prevalência de dependência de jogo a dinheiro em Portugal é idêntica à da generalidade dos países Europeus. 2. A taxa de incidência é também previsivelmente similar. 3. O essencial do problema de dependência de jogo a dinheiro é devido a jogos não explorados pela Santa Casa. 4. A responsabilidade principal da Santa Casa está no efeito trigger devido à massa populacional que frequenta os seus jogos.

3 10 Conclusões Principais (cont.) 5. A taxa de prevalência entre os jovens à semelhança do que se passa na generalidade dos países Ocidentais é motivo de séria reflexão. 6. O Euromilhões parece ser o jogo menos problemático entre os explorados pela Santa Casa. 7. No pólo oposto está o Totobola e a Lotaria 8. Os jogos mais impactantes na geração de dependência são, por ordem decrescente: Jogos clandestinos de cartas; Jogos por Internet; Slot machines

4 10 Conclusões Principais (cont.) 9. Continua a haver um espaço de desconhecimento eventualmente até em alargamento, em Portugal relativamente aos fenómenos de dependência de Jogo a dinheiro, particularmente entre os novos focos de preocupação: jovens14-18 anos ou anos; grupos de doentes. 10.A conjugação de interesses de Estado expressos através do equilíbrio entre pagador das despesas de Saúde e recebedor da receita de Jogo a dinheiro, indiciam claras vantagens na manutenção do monopólio de Estado.

5 Metodologia

6 Produção do inquérito final Traduziram-se e adaptaram-se experimentalmente os três instrumentos mais utilizados a nível Mundial (NORC, DSM-IV, SOGS). A ferramenta que melhor se adaptou à realidade foi o SOGS Realizaram-se para esse fim 6 pré-testes até se apurar uma versão que correspondesse ao nível de exigência desejado, e de seguida calibrou-se para a cultura com um total de 1700 pessoas.

7 Protocolo Metodológico Foram contactadas cerca de 7500 pessoas modo totalmente aleatório por via telefónica. Foi aplicado em simultâneo um protocolo ético muito rígido que garantisse às pessoas total sigilo de tudo o que dissessem aceitaram colaborar falando sobre si e do que conheciam socialmente. Representatividade do estudo estimada em 95%.

8 Intensidade de jogo (jogou no último ano pelo menos uma vez) percentagens em função da população que jogou

9 Síntese dos Jogos Santa Casa N= 1824 sujeitos validados

10 Lotaria Clássica N= 1824 sujeitos validados

11 Lotaria popular N= 1824 sujeitos validados

12 Lotaria instantânea N= 1824 sujeitos validados

13 Totoloto N= 1824 sujeitos validados

14 Loto 2 N= 1824 sujeitos validados

15 Joker N= 1824 sujeitos validados

16 Totobola N= 1824 sujeitos validados

17 Euromilhões N= 1824 sujeitos validados

18 Síntese dos jogos não Santa Casa N= 1824 sujeitos validados

19 Bingos N= 1824 sujeitos validados

20 Slot Machines N= 1824 sujeitos validados

21 Jogos de mesa N= 1824 sujeitos validados

22 Bwin N= 1824 sujeitos validados

23 Outros jogos na Internet N= 1824 sujeitos validados

24 Jogos de cartas e afins N= 1824 sujeitos validados

25 Outros jogos a dinheiro N= 1824 sujeitos validados

26 Comportamentos dos grupos de risco face ao jogo - cenário minimalista

27 Comportamentos de risco A composição de género está em linha com resultados de outros países. É uma dependência na qual os doentes não têm uma efectiva consciência da sua condição.

28 Composição por género

29 Reconhecimento de problemas com o jogo N= 476 sujeitos validados diagnosticados no cenário minimalista como pertencentes às duas classes

30 Controlo sobre o jogo N= 476 sujeitos validados diagnosticados no cenário minimalista como pertencentes às duas classes

31 Existência de crítica social N= 476 sujeitos validados diagnosticados no cenário minimalista como pertencentes às duas classes

32 Resistência ao impulso de jogo N= 476 sujeitos validados diagnosticados no cenário minimalista como pertencentes às duas classes

33 Esconder vestígios de jogo N= 476 sujeitos validados diagnosticados no cenário minimalista como pertencentes às duas classes

34 Recurso a crédito ilegal N= 476 sujeitos validados diagnosticados no cenário minimalista como pertencentes às duas classes

35 Delapidação patrimonial N= 476 sujeitos validados diagnosticados no cenário minimalista como pertencentes às duas classes

36 Conhecimento social da dependência de jogo

37 Conhecimento Social Questionou-se todos os entrevistados se alguma vez tiveram conhecimento próximo de alguém com dependência de jogo a dinheiro. Partindo da base das 3850 pessoas pôde passar-se a um Universo Social muito maior e, com isso, obter um valor de análise do comportamento dos dependentes de jogo mais amplo para possibilitar análises mais seguras. Com este método passou-se de uma base incidental de 19 sujeitos dependentes de jogo a dinheiro para um grupo de análise de 571 sujeitos.

38 Dependência de tabaco Base de 3818 pessoas N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

39 Dependência de bebidas Base de 3818 pessoas alcoólicas N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

40 Dependência de substâncias Base de 3818 pessoas fumadas N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

41 Dependência de substâncias Base de 3818 pessoas injectadas N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

42 Outras dependências Considera-se todas as outras dependências que não foram analisadas anteriormente. Destacam-se as dependências de medicamentos e de situações que os respondentes não quiseram especificar. N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

43 Esteve em situação prisional Valores nacionais: cerca de 0,5% N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

44 Outros problemas com a justiça Situações não especificadas N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

45 Reconhecimento de existência de problemas de saúde mental Média internacional: Cerca de 5% de situações graves Variável nas situações ligeiras A referenciação externa a problemas de saúde mental incide principalmente a casos graves N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

46 Divorcio causado pelo Jogo N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

47 Outros problemas familiares graves atribuídos ao Jogo Nesta classe são atribuídas todas as referências para além dos critérios analisados anteriormente N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

48 Problemas na carreira profissional causados pelo Jogo N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

49 Dependência de jogo terminou em suicídio N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

50 Composição de género N= 571 sujeitos referenciados como dependentes de jogo a dinheiro

51 Cenários epidemiológicos

52 Incidência de jogadores problemáticos Base minimalista N= 3814 sujeitos validados

53 Incidência de jogadores problemáticos Base maximalista N= 3814 sujeitos validados

54 Incidência de dependência Base minimalista N= 3814 sujeitos validados

55 Incidência de dependência Base maximalista N= 3814 sujeitos validados

56 Projecção minimalista Taxa de incidência de jogadores de risco Menos de 25 anos de 26 a 40 anos de 41 a 50 anos de 51 a 60 de 61 a 70 anos mais de 70 anos Total Homens Mulheres Total A taxa de incidência mede em que medida uma população já foi alguma vez afectada por uma dada situação

57 Projecção minimalista Taxa de incidência de dependência de jogo Menos de 25 anos de 26 a 40 anos de 41 a 50 anos de 51 a 60 de 61 a 70 anos mais de 70 anos Total Homens Mulheres Total A taxa de incidência mede em que medida uma população já foi alguma vez afectada por uma dada situação

58 Projecção maximalista Taxa de incidência de jogadores de risco Menos de 25 anos de 26 a 40 anos de 41 a 50 anos de 51 a 60 de 61 a 70 anos mais de 70 anos Total Homens Mulheres Total A taxa de incidência mede em que medida uma população já foi alguma vez afectada por uma dada situação

59 Projecção maximalista Taxa de incidência de dependência de jogo Menos de 25 anos de 26 a 40 anos de 41 a 50 anos de 51 a 60 de 61 a 70 anos mais de 70 anos Total Homens Mulheres Total A taxa de incidência mede em que medida uma população já foi alguma vez afectada por uma dada situação

60 Projecção minimalista Taxa de prevalência de jogadores de risco Menos de 25 anos de 26 a 40 anos de 41 a 50 anos de 51 a 60 de 61 a 70 anos mais de 70 anos Total Homens Mulheres Total A taxa de prevalência mede em que medida uma população está a ser afectada por uma dada situação

61 Projecção minimalista de dependentes de jogo a dinheiro Taxa de prevalência de dependência de jogo Menos de 25 anos de 26 a 40 anos de 41 a 50 anos de 51 a 60 de 61 a 70 anos mais de 70 anos Total Homens Mulheres Total A taxa de prevalência mede em que medida uma população está a ser afectada por uma dada situação

62 Projecção maximalista de dependentes de jogo a dinheiro Taxa de prevalência de jogadores de risco Menos de 25 anos de 26 a 40 anos de 41 a 50 anos de 51 a 60 de 61 a 70 anos mais de 70 anos Total Homens Mulheres Total A taxa de prevalência mede em que medida uma população está a ser afectada por uma dada situação

Jogos Santa Casa Um exemplo a seguir

Jogos Santa Casa Um exemplo a seguir Jogos Santa Casa Um exemplo a seguir 2º Forum da Responsabilidade das Organizações Novembro 2006 Jogos Santa Casa Um exemplo a seguir Henrique Lopes (Prof. Responsável pelo Estudo) A história do jogo a

Leia mais

Agenda de Investigação no âmbito do Plano Nacional de Saúde e Programas Nacionais de Saúde Prioritários

Agenda de Investigação no âmbito do Plano Nacional de Saúde e Programas Nacionais de Saúde Prioritários Agenda de Investigação no âmbito do Plano Nacional de Saúde e Programas Nacionais de Saúde Prioritários Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Lisboa, 2013 Relator: Natércia Miranda ENQUADRAMENTO

Leia mais

O Consumo de Tabaco no Brasil. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro

O Consumo de Tabaco no Brasil. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro O Consumo de Tabaco no Brasil Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Organização Mundial de

Leia mais

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos USO DO CARTÃO DE CRÉDITO Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos Mais da metade dos brasileiros (53%) faz uso do cartão

Leia mais

ao Consumo de Substâncias Psicoativas na População Geral

ao Consumo de Substâncias Psicoativas na População Geral III INQUÉRITO NACIONAL ao Consumo de Substâncias Psicoativas na População Geral Portugal 2012 Casimiro Balsa Clara Vital Cláudia Urbano CESNOVA Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa

Leia mais

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros Janeiro 2015 1. INTRODUÇÃO Quatro em cada dez consumidores consideram-se desorganizados financeiramente, mas sete em cada dez

Leia mais

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS

PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS PELA PRIMEIRA VEZ, DESDE QUE HÁ REGISTOS, HOUVE MENOS DE 90 MIL NADOS VIVOS Pela primeira vez, desde que há registos, observaram-se menos de 90 mil nados vivos em Portugal. De facto, o número de nados

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 -------------------------------------------------------------------------------- Aprova a Estrutura da Inspecção-Geral de Jogos Considerando

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

Projecto Educação Para a Saúde

Projecto Educação Para a Saúde AGRUPAMENTO VERTICAL FERNANDO CASIMIRO Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Introdução Projecto Educação Para a Saúde No seguimento do Ofício-Circular nº 69 de 20 de Outubro de 2006 procedente do

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO:

MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO: 23 MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO: A Missão encontra-se integrada no Projeto Conjunto da AIDA, INOV_MARKET, que tem como principais objetivos promover

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE JOGOS NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE JOGOS NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE JOGOS NO BRASIL O QUE SE BUSCA? CONDUZIR PARA O PLANO EMPRESARIAL A ATIVIDADE DE JOGOS OPORTUNIDADES Empregos Formais Renda para os trabalhadores Tributos para o Estado Dinamizar uma cadeia

Leia mais

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 15.03.2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO APCV ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS PRODUTORES DE CERVEJA

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 15.03.2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO APCV ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS PRODUTORES DE CERVEJA TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 15.03.2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO APCV ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS PRODUTORES DE CERVEJA TÍTULO

Leia mais

PARCEIROS Modelo de Negócio

PARCEIROS Modelo de Negócio PARCEIROS Modelo de Negócio YouBIZ Telecom O YouBIZ Telecom é um negócio da empresa YouBIZ, parceira da. Somos uma empresa líder no canal de Marketing de Rede, com uma quota de mercado superior a 85%.

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias

Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias A despesa anual média dos agregados familiares foi de 20 391, em 2010/2011, de acordo com os resultados definitivos

Leia mais

Projetos de Investimento (UFCD 0606) 25 h

Projetos de Investimento (UFCD 0606) 25 h - Reconhecer, organizar e planificar um projeto de investimento. - Acompanhar e controlar a execução de um projeto de investimento. - Proceder à hierarquização dos projetos em função de prioridades e custos.

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ Mossoró, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando

Leia mais

BRIEFING. Europeu e Concorrência

BRIEFING. Europeu e Concorrência SETEMBRO 2009 01 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DECIDE: LEGISLAÇÃO PORTUGUESA APLICÁVEL AOS JOGOS SOCIAIS DO ESTADO É COMPATÍVEL COM O DIREITO COMUNITÁRIO Em Portugal, os jogos de fortuna ou azar estão sujeitos a

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Francisco Inácio Bastos. Neilane Bertoni dos Reis

Francisco Inácio Bastos. Neilane Bertoni dos Reis Francisco Inácio Bastos Médico, doutor em Saúde Pública, é Pesquisador Titular da do Instituto de Comunicação Científica e Tecnológica em Saúde na Fundação Oswaldo Cruz (ICICT/FIOCRUZ), e desenvolve pesquisas

Leia mais

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos em Finanças Escola

Leia mais

Inquérito sobre comportamentos aditivos em jovens internados em Centros Educativos 2015

Inquérito sobre comportamentos aditivos em jovens internados em Centros Educativos 2015 Inquérito sobre comportamentos aditivos em jovens internados em Centros Educativos 2015 ESTUDO I Os jovens internados em Centros Educativos: características, práticas criminais e comportamentos aditivos

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença 30 Novembro 2012 Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 5 Imposto do selo

Leia mais

O Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas tem uma taxa de empregabilidade de 97%

O Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas tem uma taxa de empregabilidade de 97% ESTUDO EMPREGABILIDADE MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA EGAS MONIZ Consumer Research Novembro 2013 Qual a taxa de empregabilidade do Mestrado Qual a taxa de empregabilidade do Mestrado Integrado

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

Mortalidade por agressão e uso de drogas ilícitas em Belo Horizonte, 2002 a 2006

Mortalidade por agressão e uso de drogas ilícitas em Belo Horizonte, 2002 a 2006 Mortalidade por agressão e uso de drogas ilícitas em Belo Horizonte, 2002 a 2006 Silva FCD*, Silva VA*, Silva ML**, Barbosa RF*, Drumond EF** *Estagiários e ** Técnicos da GEEPI/SMSA/PBH O número de homicídios

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO - PARTE II

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO - PARTE II TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E! Aspectos a serem considerados no cálculo da depreciação.! Base de cálculo da depreciação. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NA AVALIAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESAS: UM CONTRIBUTO PARA A SUA DEFINIÇÃO

PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NA AVALIAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESAS: UM CONTRIBUTO PARA A SUA DEFINIÇÃO PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NA AVALIAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PORTUGUESAS: UM CONTRIBUTO PARA A SUA DEFINIÇÃO Coordenação: Sónia Cardoso Elementos Participantes: Alberto Amaral, Cláudia

Leia mais

de Inovação em Portugal

de Inovação em Portugal Ministério da Ciência e da Tecnologia Observatório das Ciências e das Tecnologias Execução e Resultados do 2 o Inquérito Comunitário às Actividades de Inovação em Portugal Versão Preliminar para Discussão

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

O que é coleta de dados?

O que é coleta de dados? O que é coleta de dados? Segundo Bandeira (2004) no projeto de pesquisa, o pesquisador deverá descrever detalhadamente o método que usará para coletar seus dados. Basicamente ele pode adotar como método

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO

CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO Adriano Francisco da Paz, Cesar Felipe Quintino dos Santos, Edna do Espirito Santo de Assis, Natália do Amaral Rodrigues, Selma Regina

Leia mais

+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO EMPRESAS 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL

+ ACESSÍVEL MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO EMPRESAS 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL C OLECÇÃO DE P ROCESSOS C OLECÇÃO S ERVIÇOS I NDÚSTRIA C ONSTRUÇÃO MELHORES PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS PRONTAS A UTILIZAR 1 0 0 % GRATUITO 100% ALTERÁVEL D ISTRIBUIÇÃO H OTELARIA T RANSPORTES S AÚDE E DUCAÇÃO

Leia mais

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira A Educação Financeira nas Escolas: O Referencial de Educação Financeira e a formação de docentes 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira Perspetivas e reflexões: por uma cidadania ativa Educação

Leia mais

O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL

O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL O CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL Março 2015 1. PANORAMA DO CONSUMO VIRTUAL NO BRASIL Eletroeletrônicos, livros e calçados foram os itens mais comprados em 2014. Índice de satisfação do consumidor virtual brasileiro

Leia mais

SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL

SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO QUADROS COMPETITIVOS NACIONAIS A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) apresentou, a 4 de Abril de 2005, uma proposta de alteração

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES / 2011. O ano de 2011 ficará marcado pelas eleições para os órgãos sociais, que se realizarão no mês de Fevereiro.

PLANO DE ACTIVIDADES / 2011. O ano de 2011 ficará marcado pelas eleições para os órgãos sociais, que se realizarão no mês de Fevereiro. PLANO DE ACTIVIDADES / 2011 O ano de 2011 ficará marcado pelas eleições para os órgãos sociais, que se realizarão no mês de Fevereiro. Nesta sequência, a actual Direcção propõe um conjunto de actividades

Leia mais

Comportamentos de Risco Entre Jovens Brasileiros

Comportamentos de Risco Entre Jovens Brasileiros Comportamentos de Risco Entre Jovens Brasileiros - - - - Consumo de Substâncias na Adolescência Violência Urbana Saúde Física e Depressão Comportamento Sexual de Risco Equipe LENAD Ronaldo Laranjeira,

Leia mais

Uma paixão pelo herói que está na sombra UM ESTADO DE VIDA! Hugo Oliveira

Uma paixão pelo herói que está na sombra UM ESTADO DE VIDA! Hugo Oliveira No guarda-redes encontramos tudo o que procuramos num desportista: reflexos e sincronização, força e velocidade, espectacularidade e movimentos perfeitos e competitividade e valentia. (John Hodgson) Uma

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil. Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague,

Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil. Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague, Rio de Janeiro 03 de dezembro de 2009 Carta Influência do Clima no Cotidiano Juvenil Prezados representantes brasileiros da Conferencia Juvenil de Copenhague, Tendo em vista a confecção coletiva de uma

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

Sugestões para planos de sessão e exercícios documentos de apoio

Sugestões para planos de sessão e exercícios documentos de apoio Parte II Sugestões para planos de sessão e exercícios documentos de apoio 327 328 Parte II Conhecer a situação 329 330 331 332 Exercício prático proposto Este exercício tem como objectivo partir dos conhecimentos/

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista)

Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Dezembro de 2011 Crescimento vegetativo da folha de pagamento do do Estado do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos (Contador e Economista) Estudos e Trabalhos sobre Finanças Públicas Estaduais www.darcyfrancisco.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO MATEMÁTICA B 12º ANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO MATEMÁTICA B 12º ANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO MATEMÁTICA B 12º ANO Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais 1 Cursos Tecnológicos de Construção Civil e Edificações, de Electrotecnia e Electrónica,

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 REESTRUTURA OS FUNDOS ESCOLARES DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO E EXTINGUE O FUNDO REGIONAL DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR Criado pelo Decreto Regulamentar Regional n.º

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA

PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA ATUALIZAÇÃO 05.01.2015 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. OBJECTIVO DO PLANO... 3 3. RESPONSABILIDADE SOBRE O PLANO... 3 4. ESTRATÉGIA

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

Índice de Confiança do Consumidor de Goiânia (GO) JUNHO/JULHO DE 2012

Índice de Confiança do Consumidor de Goiânia (GO) JUNHO/JULHO DE 2012 Índice de Confiança do Consumidor de Goiânia (GO) JUNHO/JULHO DE 2012 Relatório do Índice de Confiança do Consumidor de Goiânia (GO), calculado pelo Curso de Ciências Econômicas da FACE/UFG. Goiânia Julho

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto Regulamento Interno Regulamento Interno CPCJ 1 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens

Leia mais

LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL

LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL 1 - Tem conhecimento de quaisquer dados ou estudos disponíveis sobre o mercado do jogo em linha na União Europeia que poderiam contribuir

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais I - Introdução V - SurfSki Séniores/Sub 23/Juniores 2015 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

6+3=2 8+2=4 12 + 4 = 3. Nesses exemplos, os resultados podem ser facilmente confirmados pela multiplicação, que é a operação inversa da divisão.

6+3=2 8+2=4 12 + 4 = 3. Nesses exemplos, os resultados podem ser facilmente confirmados pela multiplicação, que é a operação inversa da divisão. Três pequenas associações resolveram organizar uma festa para arrecadar fundos. "Somaremos nossos esforços e dividiremos os lucros", afirmou um dos presidentes. Pois bem, a festa aconteceu e foi um sucesso.

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003) Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico destinada a financiar programas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando as principais abordagens da administração e a No que se refere ao orçamento público, julgue os itens evolução da administração pública no Brasil, julgue os itens

Leia mais

LIVRO VERDE SOBRE UMA MAIOR EFICÁCIA DAS DECISÕES JUDICIAIS NA UNIÃO EUROPEIA: PENHORA DE CONTAS BANCÁRIAS

LIVRO VERDE SOBRE UMA MAIOR EFICÁCIA DAS DECISÕES JUDICIAIS NA UNIÃO EUROPEIA: PENHORA DE CONTAS BANCÁRIAS LIVRO VERDE SOBRE UMA MAIOR EFICÁCIA DAS DECISÕES JUDICIAIS NA UNIÃO EUROPEIA: PENHORA DE CONTAS BANCÁRIAS PARECER SOLICITADO PELO CESE CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU CONTRIBUTO DA CTP CONFEDERAÇÃO

Leia mais

Políticas. Melhorar a participação das entidades interessadas. APPACDM de Soure. Data elaboração 2010-04-21. Objetivo Indicador Meta

Políticas. Melhorar a participação das entidades interessadas. APPACDM de Soure. Data elaboração 2010-04-21. Objetivo Indicador Meta Data elaboração 2010-04-21 Melhorar a participação das entidades interessadas Política da participação A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo à participação e inclusão dos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

29 de Novembro de 2010 Universidade Lusíada - Lisboa

29 de Novembro de 2010 Universidade Lusíada - Lisboa 29 de Novembro de 2010 Universidade Lusíada - Lisboa Profª Teresa de Lemos, 29 Novembro 2010 29 de Novembro de 2010 Universidade Lusíada - Lisboa Riscos na Condução Sénior Profª Teresa de Lemos Drª Teresa

Leia mais

EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO

EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO EQUIPAS DE TRABALHO EM LARES E CASAS DE REPOUSO Clima e cultura organizacional 1 PROBLEMÁTICA Quem cuida dos idosos em Portugal? AUXILIARES Fora das instituições Instituições Sociais e Privadas TÉCNICOS

Leia mais

Através do portal www.transparencia.ba.gov.br e nos sites das secretarias, demais órgãos e entidades da administração pública estadual baiana.

Através do portal www.transparencia.ba.gov.br e nos sites das secretarias, demais órgãos e entidades da administração pública estadual baiana. O que é o Transparência BAHIA? É um instrumento de consulta e acompanhamento on line das ações governamentais e da aplicação dos recursos públicos. No portal, estão disponíveis informações da receita e

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PLATAFORMA DE INSCRIÇÕES ONLINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PLATAFORMA DE INSCRIÇÕES ONLINE A época de 2012/2013 terá um novo recurso para a Filiação e Inscrições em Provas para os Clubes, Equipas e Agentes Desportivos, tendo sido criada para o efeito uma nova Plataforma de Inscrições Online.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da evolução da administração e do processo administrativo, julgue os itens que se seguem. 51 A organização que adotar em seu planejamento a metodologia do balanced

Leia mais

Comitê de Atendimento ao Consumidor

Comitê de Atendimento ao Consumidor Comitê de Atendimento ao Consumidor Critérios de Avaliação Para Admissão de Atendentes Comitê de Atendimento ao Consumidor Critérios de Avaliação para Admissão de Atendentes 1 ) Critérios Gerais: 1. Agilidade.

Leia mais

Inquérito Nacional sobre Comportamentos Aditivos em Meio Prisional, 2014

Inquérito Nacional sobre Comportamentos Aditivos em Meio Prisional, 2014 8 Resultados preliminares apresentados à comunicação social: Inquérito Nacional sobre Comportamentos Aditivos em Meio Prisional, 2014 Os resultados preliminares do Inquérito Nacional sobre Comportamentos

Leia mais

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1)

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1) BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA Vítor B. VALE (1) RESUMO O SIGC - Sistema Integrado de Gestão de Clientes, foi analisado e desenvolvido tendo como grande

Leia mais

2 METODOLOGIA DA PESQUISA

2 METODOLOGIA DA PESQUISA 2 METODOLOGIA DA PESQUISA A pesquisa, como toda atividade racional e sistemática, exige que as ações desenvolvidas ao longo de seu processo sejam efetivamente planejadas. Para Gil (1991), o conhecimento

Leia mais

As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso

As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso Nesse artigo quero lhe ensinar a fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso. Elaborei 10 dicas para você fazer um excelente

Leia mais

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste De microcrédito, o Banco do Nordeste entende. Primeiro Banco público do Brasil a ter um modelo de atuação voltado para o setor, o Banco

Leia mais

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 1. INTRODUÇÃO 84% dos consumidores que não possuem conta corrente fazem compras parceladas O fato de não possuir conta em banco

Leia mais

Conclusão. OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL

Conclusão. OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL Conclusão OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL António Firmino da Costa João Teixeira Lopes (coordenadores)

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

Palestra de Philip Kotler - Tecnologia

Palestra de Philip Kotler - Tecnologia Palestra de Philip Kotler Tecnologia Pesquisa de Mercado, Treinamento de Vendas, Consultoria em Marketing SMGShare Marketing Group Por Helton Haddad Em uma excelente palestra, a autoridade de marketing

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

Políticas. Política da participação

Políticas. Política da participação A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo à participação e inclusão dos seu cliente e à participação de outras entidades interessadas na melhoria dos processos da qualidade

Leia mais

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Netsonda Network Research Travessa do Jasmim 10 1º Andar 1200-230 Lisboa Tel. 21.3429318 Fax 21.3429868 Estudo Número N de

Leia mais

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM CONTACTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMILIARES E AMIGOS DE DOENTES DE ALZHEIMER SEDE Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3 - Quinta do Loureiro 1300-125 Lisboa Tel: 213 610

Leia mais