SUBCOMISSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUBCOMISSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS"

Transcrição

1 Página 1 de 12 MERCOSUL/SGT N 4/ATA N 01/2015 XXXVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO N 4 Entre os dias 18 e 20 de maio de 2015, na cidade de São Paulo, República Federativa do Brasil, realizou-se a XXXVIII Reunião Ordinária do Subgrupo de Trabalho Nº 4 (SGT-4) Subcomissão de Demonstrações Contábeis. As delegações da Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Venezuela foram representadas na Reunião da Subcomissão de Demonstrações Contábeis conforme detalhado na lista de participantes que passa a fazer parte desta Ata na forma do Anexo I. A Bolívia foi convocada para as reuniões, nos termos do Artigo 3º da Decisão CMC Nº 68/2012, e sua participação se dá nos termos da Decisão CMC Nº 18/2004, alterada pela Decisão CMC Nº 11/2013. Dado que a Delegação do Uruguai não se fez presente na reunião, esta Ata permanece ad referendum da citada Delegação, de acordo com o Artigo 2 da Resolução GMC N 26/2001. A reunião foi iniciada tendo por base os temas listados na Agenda de Trabalho enviada por ocasião da Convocatória. 1. Novidades e avanços registrados na adoção das Normas Internacionais de Informação Financeira Com relação à adoção das Normas Internacionais de Informação Financeira (NIIF) o representante do Brasil relatou que as NIIF foram adotadas para as demonstrações contábeis consolidadas desde o ano de 2014 e que a aplicação para as demonstrações individuais está sendo implementada gradualmente visando a reduzir as diferenças entre os dois relatórios. Nesse sentido, a próxima norma a ser adotada deverá ser a NIC 19 - Benefícios a Empregados, cuja proposta foi aprovada pelo Banco Central do Brasil (BCB) e está em fase de apreciação pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A delegação do Brasil informou, ainda, que também foi aprovada alteração na regulação dos créditos tributários de modo a aproximar do disposto na Norma

2 Página 2 de 12 Internacional de Contabilidade (NIC) 12 - Tributo sobre o lucro, que ainda não foi adotada integralmente devido a questões de ordem prudencial que estão sendo avaliadas. Atualmente, o BCB trabalha no aprimoramento da norma que trata dos processos de combinação de negócios (fusão, cisão e incorporação) de instituições financeiras aplicável às demonstrações contábeis individuais, tendo como base a NIIF 3 - Combinação de Negócios. A representante da Argentina observou que continua o processo de adoção das NIIF, conforme plano de ação (Hoja de Ruta) emitida em fevereiro de Em março de 2015, foram recebidos pelo Banco Central de la República Argentina (BCRA) os primeiros planos de implementação das NIIF pelas instituições financeiras e que estão sendo avaliados, sobretudo as principais diferenças e os impactos mais relevantes, de acordo com a Comunicación A 5635 Plan de Implementación para la Convergência hacia NIIF. No segundo semestre de 2015, O BCRA deverá emitir uma comunicação com as conciliações das principais rubricas contábeis a respeito do impacto financeiro da aplicação integral das NIIF. Atualmente o BCRA está desenvolvendo ações de treinamento dos profissionais que atuam nas áreas de normas e de supervisão. As normas estão sendo estudadas, subdivididas por grupos, para avaliação dos impactos no plano de contas vigente, com as alterações que deseja implementar. As conciliações referentes a dezembro de 2015 já deverão ser enviadas ao BCRA de acordo com o padrão NIIF no ano de 2016, de forma paralela às demonstrações contábeis segundo o plano de contas atual. A partir de 2018 todas as demonstrações individuais e consolidadas deverão ser elaboradas e divulgadas conforme as NIIF. Segundo o representante do Paraguai, conforme já mencionado na reunião anterior, o Banco Central del Paraguai (BCP) decidiu priorizar a implementação de modelo de supervisão baseada em risco, projeto que durará de dois a três anos, com acompanhamento do FMI. Atualmente o processo de adoção das NIIF para o sistema financeiro do País encontra-se em fase de capacitação dos profissionais responsáveis pela regulação do tema. A partir do início de 2016 poderá iniciar a fase de diagnóstico. O representante da Venezuela informou que a aplicação das NIIF está em fase de estudos pela Superitendencia de las Instituciones del Sector Bancario de Venezuela (SUDEBAN).

3 Página 3 de 12 Neste contexto, qualquer modificação das normas contábeis somente será viabilizada quando sua adoção ou alteração não implique perdas ou diminuição da intensidade regulatória. O representante da Bolívia informou que o objetivo da sua participação nas reuniões do SGT-4 é acompanhar as discussões da Coordenação Nacional, bem como as reuniões das diversas comissões para obter subsídios necessários à indicação de representantes para os próximos encontros, razão pela qual não há neste momento informações a acrescentar sobre este tema. 2. Análise da Norma Internacional de Informação Financeira Nº 9 (IFRS 9) A representação do Brasil informou que a última versão completa do IFRS 9 foi editada pelo IASB em julho de 2014, com início de vigência previsto para janeiro de 2018, enfatizando que a diferença básica da IFRS 9 para a NIC 39 - Instrumentos Financeiros refere-se ao foco dado pela nova norma à contabilização de acordo com o modelo de negócios adotado. Nesse sentido, a Instituição Financeira poderá utilizar os critérios de custo amortizado, valor justo com efeitos no patrimônio ou valor justo com efeitos no resultado, de acordo com o modelo de gestão de negócio que a entidade adota para os diversos ativos e passivos financeiros. Mantém-se inalterada a possibilidade de a instituição optar pelo método do valor justo (Fair Value Option). Além disso, a nova norma internacional estabelece os procedimentos para constituição de provisões para perdas por imparidade de instrumentos financeiros, com a possibilidade de reconhecimento de perdas esperadas, o que não é permitido no documento atualmente vigente (NIC 39). Com essas informações, os representantes das delegações discutiram os critérios atualmente adotados pela regulamentação em vigor em seus países e os impactos da possível adoção do IFRS Transparência e Consumidor Bancário O representante do Brasil observou que em dezembro de 2010 foi estabelecida a Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef), com a edição do Decreto nº 7.397, de 2010, por meio do qual a educação financeira passou a ser uma política de Estado, de caráter permanente, envolvendo instituições públicas e privadas, de âmbito federal, estadual e municipal.

4 Página 4 de 12 Sobre o tema a representação do Brasil apresentou as diversas ações de educação e inclusão financeiras implementadas, tais como cursos on line e vídeos produzidos e disponibilizados à sociedade pelo BCB por meio do portal Cidadania Financeira e de redes sociais. A delegação da Argentina acrescentou que, além das ações já mencionadas na reunião anterior, a partir de março as instituições financeiras estão obrigadas a informar ao BCRA os valores cobrados dos clientes a título de comissões, taxas e encargos, de forma padronizada. O representante do Paraguai mencionou que foi criado o Departamento de Inclusão Financeira, que atua em três áreas: bancarização, educação financeira e defesa do consumidor, que atualmente está regulamentando as transações efetuadas por meio de aparelhos de telefonia móvel (mobile payment). Recentemente, foi emitida norma que estabelece a obrigatoriedade de informação nas faturas de cartões de crédito o prazo restante para a liquidação do débito, caso o cliente efetue o pagamento de somente o valor mínimo da dívida. Sobre educação financeira, foi informado que estão em curso programas de capacitação nacional de professores para que atuem como multiplicadores. A respeito da Venezuela, foi mencionado por seu representante que em 2006 iniciou-se trabalho de padronização das tarifas e comissões cobradas dos clientes, regra que se mantém vigente. Há, ainda, necessidade de autorização do Banco Central de Venezuela (BCV) para cobrança de novas tarifas. Para acompanhamento do tema, a SUDEBAN mantém canais para receber reclamações dos usuários bancários. Foi informado, também, sobre a existência de política de educação financeira denominada BCV Com el País, que mantém programas permanentes de divulgação do conhecimento econômico e financeiro. Ademais, assinalou que o BCV criou um instrumento financeiro com taxas mais vantajosas, denominado Directo BCV, que pode ser adquirido somente por pessoas físicas e instituições de poupança (cajas de ahorro). Sobre o tema, a delegação da Bolívia relatou que a supervisão das instituições financeiras do País está a cargo da Autoridad de Supervisión del Sistema Financeiro (ASFI). Recentemente foi editada a Lei Nº 393, de 2013, sobre serviços financeiros que promoveu maior transparência no sistema financeiro

5 Página 5 de 12 permitindo aos consumidores ter acesso a mais informações sobre taxas de juros, comissões e encargos. Foi mencionada também a existência de limite de taxas de juros para hipotecas de habitação social e para créditos produtivos, assim como de metas para as operações de caráter social. Sobre a educação financeira, o representante da Bolívia relatou que está sendo desenvolvido trabalho em escolas e com os meios de comunicação visando a difundir os benefícios da bolivarización da economia (substituição do uso de moeda estrangeira pela moeda nacional nas transações comerciais o país). Ainda sobre o tema, foi mencionado que o Banco Central de Bolivia (BCBo) vende bônus diretamente para o público, com taxas de juros mais vantajosas que as instituições financeiras, assim como realiza audiências anuais de prestação de contas perante representantes da sociedade civil das ações políticas adotadas e seus impactos na sociedade. 4. Pilar III Disciplina de mercado A representação do Brasil reiterou que a regulação vigente (Circular Nº 3.678, de 2013) já contempla os requerimentos de divulgação de Pilar III de Basileia, aplicável a todos os bancos e às instituições não bancárias com ações negociadas em bolsa. Acerca da matéria foi informado que em janeiro de 2015 o Comitê de Basileia emitiu uma versão revisada das recomendações de divulgação de Pilar III (BCBS 309), que deverá ser implementada pelo BCB em 2016, conforme prazo estabelecido por aquele Comitê. A delegação da Argentina comentou que atualmente vem cumprindo com o solicitado por Basileia, mediante a edição da Comunicación A 5394 e normas complementares. Nesse sentido, para este semestre incorporou a Comunicación A Texto ordenado sobre disciplina de mercado. Requisitos mínimos de divulgación, que incorpora o Anexo III sobre a divulgação do índice de cobertura de liquidez. A representante da Argentina, comentou, ainda, sobre as principais características do requerimento e que a informação é elaborada por trimestre vencido e se calcula a média dos índices de liquidez dos últimos três dias do mês. A partir de 2017 passa a ser calculado com base em trimestre vencido com base na média simples das observações diárias. O representante do Paraguai reafirmou que ainda não há no país regulação a respeito da obrigatoriedade de difundir informação relacionada a disciplina de

6 Página 6 de 12 mercado. O BCP calcula o risco de liquidez e outros indicadores, mas não há divulgação pública. A delegação da Venezuela informou que estão sendo envidados esforços para melhorar e ampliar as informações destinadas ao público, de maneira aberta, ferramentas fundamentais para promover maior transparência e disciplina de mercado e fazer prevalecer a proteção dos clientes e usuários do sistema bancário. 5. Normas relativas a Auditores Externos O representante do Brasil reiterou que desde 2010 a auditoria independente das instituições financeiras do País deve seguir integralmente as Normas Internacionais de Auditoria (NIA). Atualmente, encontra-se em análise proposta de aprimoramento dos modelos de auditoria interna e de controles internos, principalmente para as instituições de pequeno porte. A delegação da Argentina afirmou que não há avanços significativos sobre o tema desde a reunião anterior e que também se busca o fortalecimento da atuação da auditoria interna das instituições financeiras, sobretudo no que se refere ao apoio para adoção das NIIF. Sobre o Paraguai, o representante do País esclareceu que se encontra em elaboração novo conjunto de normas que objetiva a revisar a regulação da matéria. A Delegação da Venezuela informa que a SUDEBAN emitiu resolução em maio de 2014 que regula as funções e responsabilidades dos auditores externos. 6. Relatório de sustentabilidade A delegação do Brasil informou que continuam os estudos para que seja editada norma obrigando as instituições financeiras a divulgar o relatório de responsabilidade socioambiental, cuja proposta foi colocada em consulta pública em Em virtude disso, foram discutidas informações relativas ao Global Reporting Initiative (GRI) e apresentados relatórios elaborados por instituições financeiras dos países do Mercosul. As delegações da Argentina e do Paraguai informaram que ainda não há normativo que regulamente o tema nesses países.

7 Página 7 de 12 Sobre o tema, o representante da Venezuela destacou a obrigatoriedade de destinação de 5% do resultado antes de impostos das instituições financeiras do País para financiar organizações sociais. O representante da Bolívia informou que em 2013 foi editada a Circular Nº 170/13 da ASFI, que estabelece o regulamento de responsabilidade social empresarial para as entidades de intermediação financeira, que impõe, entre outras obrigações, a divulgação de relatório sobre o tema, revisado por auditoria independente. 7. Apresentação de um tema específico Foi apresentado o tema Contabilidade para Instituições de Pagamento, palestra proferida por Renato Kiyotaka Uema, Chefe Adjunto do Departamento de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central do Brasil. O objetivo da apresentação foi demonstrar o modelo de contabilidade que está sendo desenvolvido pelo Banco Central do Brasil para os modelos de negócios das Instituições de Pagamento em atuação no mercado brasileiro. Sobre o tema, a representante da Argentina registrou que as instituições financeiras emissoras de cartão de crédito do País já vêm apresentando informações relativas a devedores e transparência e que agora se amplia a obrigatoriedade a outras entidades não financeiras. O representante da Venezuela perguntou se foi estudada a possibilidade de reduzir os prazos dos pagamentos, em virtude de que os avanços tecnológicos a permitem. 8. Outros temas Em relação a financiamentos, a delegação brasileira informou que se está trabalhando com diferentes alternativas, tendo-se identificado que a convergência normativa e procedural faz parte dos objetivos traçados pela Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA) programa conjunto dos governos dos 12 países da América do Sul que visa promover a integração sul-americana mediante ações conjuntas e é financiada por BID, CAF, Fonplata. Foi explicitado que as contrapartidas aos financiamentos são integralizadas com a mensuração financeira do valor das horas de trabalho dos funcionários das instituições participantes.

8 Página 8 de 12 Destacou-se, ainda, a necessidade de elaboração de projetos de cooperação dentro dos prazos estabelecidos pelos organismos financiadores, com a aprovação prévia de todos os países participantes Seminário sobre o Uso regional de moedas do Mercosul, impactos nos mercados financeiros, consequências e riscos (incluindo as ações de PLDFT). As delegações dos países participaram do seminário intitulado Uso regional de moedas do Mercosul, impactos nos mercados financeiros, consequências e riscos (incluindo as ações de PLDFT) Quadros Comparativos O representante do Paraguai salientou que há normativos que foram alterados depois da elaboração dos quadros comparativos. Por conseguinte, tais alterações precisam ser incorporadas aos quadros para posterior disponibilização na página do Mercosul na internet, cabendo a atualização das informações a cada delegação. A delegação do Brasil esclareceu que a página do Mercosul na internet está hospedada em servidores do BCB, não havendo atualmente a possibilidade de autorização para uso fora do país. Dessa forma, foi sugerido que sejam identificados os quadros comparativos que requerem atualização e estabelecido cronograma para tal tarefa. Por fim, as delegações propuseram à Coordenação Nacional a atualização da relação de participantes da Subcomissão de Demonstrações Contábeis na página do Mercosul na internet, incluindo as informações de telefone e correio eletrônico, bem como a introdução das informações relativas à delegação da Bolívia, como convidada.

9 Página 9 de Lista de Anexos Os anexos que formam a presente ata são os seguintes: Anexo I: Anexo II: Anexo III: Lista de Participantes. Agenda. Sumário Executivo. Pela delegação da Argentina Silvia Mónica Fernández Banco Central de la República Argentina Pela delegação da Bolívia David Zeballos Coria Banco Central de Bolivia Pela delegação do Brasil Uverlan Rodrigues Primo Banco Central do Brasil Pela Delegação do Paraguai Hugo Centurion Banco Central del Paraguay Pela Delegação da Venezuela Jesus Anibal Caraballo Banco Central de Venezuela

10 Página 10 de 12 LISTA DE PARTICIPANTES ANEXO I Banco Central de la República Argentina Silvia Mónica Fernández Banco Central de Bolivia David Zeballos Coria Banco Central do Brasil Renato Kiyotaka Uema Uverlan Rodrigues Primo Epitácio da Silva Ribeiro Banco Central de Paraguay Hugo Centurion Banco Central de Venezuela Jesus Anibal Caraballo

11 Página 11 de 12 AGENDA ANEXO II 1. Novidades e avanços registrados na adoção das Normas Internacionais de Informação Financeira Informes acerca dos avanços registrados em cada país (a cargo de todas as representações) 2. Análise da Norma Internacional de Informação Financeira Nº 9 (IFRS 9) Comentários sobre as últimas modificações no IFRS 9 (a cargo da representação do Brasil, com troca de opiniões e experiências com todas as representações). 3. Transparência e Consumidor Bancário Comentários sobre novidades por parte de todas as representações 4. Pilar III Disciplina de mercado Comentários sobre novidades por parte de todas as representações 5. Normas relativas a Auditores Externos Comentários sobre novidades por parte de todas as representações 6. Relatório de sustentabilidade Comentários sobre novidades por parte de todas as representações 7. Apresentação de um tema específico A cargo da representação do Brasil Tema: Contabilidade para Instituições de Pagamento 8. Outros temas 8.1. Projetos de cooperação acordados nas reuniões anteriores 8.2. Seminário sobre o Uso regional de moedas do Mercosul, impactos nos mercados financeiros, consequências e riscos (incluindo as ações de PLDFT) Quadros Comparativos

12 Página 12 de 12 SUMÁRIO EXECUTIVO Anexo III Conforme estava previsto na agenda previamente definida, as delegações presentes à reunião trocaram experiências e opiniões sobre os principais avanços ocorridos sobre cada um dos temas em seus respectivos países. Nesse sentido, foram comentadas as normas internacionais de contabilidade, em que se destaca a aprovação pelo Banco Central do Brasil da norma internacional de contabilidade (NIC) 19 Benefício a Empregados. Sobre a Norma Internacional de Informação Financeira Nº 9 (IFRS 9), foram debatidas pelas delegações as principais alterações em relação à Norma Internacional de Contabilidade (NIC) 39 atualmente vigente, em particular no que se refere ao critérios de classificação e mensuração dos instrumentos financeiros, que passarão a depender do modelo de negócios da instituição. Sobre transparência e consumidor bancário, as delegações informaram sobre os principais projetos em andamento nos respectivos países, sobretudo no que se refere às políticas e projetos de educação e inclusão financeira. No tocante às normas que tratam de auditoria externa, foram tratadas as ações necessárias para adoção das Normas Internacionais de Auditoria (NIA) e para fortalecimento dos modelos de controles e auditoria interna. Com respeito ao relatório de sustentabilidade, merece destaque a informação de que na Bolívia foi editada a Circular Nº 170, de 2013, que estabelece o regulamento de responsabilidade social empresarial para as entidades de intermediação financeira, que impõe, entre outras obrigações, a divulgação de relatório sobre o tema, revisado por auditoria independente. Tratou-se, ainda, de tema específico apresentado pela delegação brasileira sobre contabilidade para instituições de pagamento e de projetos de cooperação técnica a serem elaborados e encaminhados a organismos financiadores para viabilização desses projetos. Finalmente, foi sugerido à Coordenação Nacional a atualização da relação de participantes da Subcomissão de Demonstrações Contábeis na página do Mercosul na internet, incluindo as informações de telefone e correio eletrônico, bem como a introdução das informações relativas à delegação da Bolívia, como convidada.

XXXIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 4 ASSUNTOS FINANCEIROS DO MERCOSUL COMISSÃO DO SISTEMA FINANCEIRO (CSF)

XXXIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 4 ASSUNTOS FINANCEIROS DO MERCOSUL COMISSÃO DO SISTEMA FINANCEIRO (CSF) Página 1 de 16 MERCOSUL/SGT Nº 4/ACTA Nº 02/2012 XXXIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 4 ASSUNTOS FINANCEIROS DO MERCOSUL COMISSÃO DO SISTEMA FINANCEIRO (CSF) Na cidade de Brasília, nos dias

Leia mais

São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS).

São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS). São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS). 1 Boa tarde a todos! Em primeiro lugar, gostaria de agradecer, em

Leia mais

1ª Fase: Período de Transição 1991 a 1994. Incorporação do tema Seguros: recomenda a criação de uma comissão

1ª Fase: Período de Transição 1991 a 1994. Incorporação do tema Seguros: recomenda a criação de uma comissão 1ª Fase: Período de Transição 1991 a 1994 Assunto: Seguros III ata Análise da atividade seguradora IV ata Incorporação do tema Seguros: recomenda a criação de uma comissão V ata Analise comparativa da

Leia mais

XXXVIII REUNIÃO ORDINÁRIA

XXXVIII REUNIÃO ORDINÁRIA PRESIDÊNCIA PRO TEMPORE BRASILEIRA XXXVIII REUNIÃO ORDINÁRIA Subgrupo de Trabalho Nº 6 Meio Ambiente MERCOSUL ANEXO VII PLANO DE COOPERAÇÃO COM O PNUMA Brasília, 30 de agosto a 1º de setembro de 2006 1

Leia mais

O Processo de Convergências às Normas Internacionais de Contabilidade: Histórico e Perspectivas

O Processo de Convergências às Normas Internacionais de Contabilidade: Histórico e Perspectivas O Processo de Convergências às Normas Internacionais de Contabilidade: Histórico e Perspectivas Humberto Carlos Zendersky Departamento de Normas do Sistema Financeiro Denor Maceió, 24 de novembro de 2011

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas JOÃO PAULO VIANA MAGALHÃES Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições

Leia mais

COORDENAÇÃO NACIONAL

COORDENAÇÃO NACIONAL Página 1 de 16 MERCOSUL/SGT N 4/ATA N 02/2012 XXXIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO N 4 ASSUNTOS FINANCEIROS Entre os dias 25 e 26 de outubro de 2012, os Coordenadores Nacionais reuniram-se na

Leia mais

Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população

Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população Painel II: Marco regulatório para inclusão financeira Mesa 3: Adequação de serviços financeiros e dos canais de acesso às necessidades da população Agenda Missão do Banco Central do Brasil Inclusão Financeira

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

LIV REUNIÃO ORDINARIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS

LIV REUNIÃO ORDINARIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS MERCOSUR/SGT Nº 3/CA/ATA Nº 01/15 LIV REUNIÃO ORDINARIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS Realizou-se na cidade do Rio de Janeiro, República

Leia mais

Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios

Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios 17 de agosto de 2011 São Paulo - SP Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios Banco Central Missão Assegurar

Leia mais

Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC. 2011 Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC. 2011 Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Agenda Objetivos da Instrução CVM n o 489 Cronograma de implantação Novos requerimentos da Instrução CVM n o 489 Principais desafios na implementação

Leia mais

MERCOSUL/SGT No. 4 - CPLDFT/ATA No. 2/06 XXII REUNIÃO DO SGT N 4 ASSUNTOS FINANCEIROS

MERCOSUL/SGT No. 4 - CPLDFT/ATA No. 2/06 XXII REUNIÃO DO SGT N 4 ASSUNTOS FINANCEIROS MERCOSUL/SGT No. 4 - CPLDFT/ATA No. 2/06 XXII REUNIÃO DO SGT N 4 ASSUNTOS FINANCEIROS ATA DA REUNIÃO DA COMISSÂO DE PREVENÇÃO DA LAVAGEM DE DINHEIRO E DO FINANCIAMIENTO DO TERRORISMO. Se realizou no Rio

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2013

Brasília, 9 de maio de 2013 Brasília, 9 de maio de 2013 Discurso do Diretor de Regulação do Sistema Financeiro, Luiz Awazu Pereira da Silva, na reunião ordinária do Conselho Consultivo de Crédito da Organização das Cooperativas Brasileiras.

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

M I N U T A REGULAMENTO DO FUNDO MERCOSUL CULTURAL

M I N U T A REGULAMENTO DO FUNDO MERCOSUL CULTURAL M I N U T A REGULAMENTO DO FUNDO MERCOSUL CULTURAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão nº 38/10 do Conselho do Mercado Comum; CONSIDERANDO: Que o CMC, pela Decisão

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE GERAL Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios Válido para o exercício de 2013

Leia mais

25 2010, 3.919, 2011, 15% 1) O

25 2010, 3.919, 2011, 15% 1) O O uso do cartão vem crescendo ao longo dos anos, acompanhando o aumento da renda e os avanços em geral conquistados pela sociedade brasileira. Facilidade, segurança e ampliação das possibilidades de compras

Leia mais

6º Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento (CMEP) Relações com o Consumidor: O que já foi feito e o que precisa ser feito

6º Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento (CMEP) Relações com o Consumidor: O que já foi feito e o que precisa ser feito 6º Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento (CMEP) Relações com o Consumidor: O que já foi feito e o que precisa ser feito São Paulo, 30.9.2011 Anselmo Pereira Araujo Netto Departamento de Normas do

Leia mais

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 15/02 ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 24/00 do Conselho

Leia mais

1. ORGANIZAÇÃO PARA O FUNCIONAMENTO E USO DO SITIO WEB FORO DE ARTICULAÇÃO VIRTUAL

1. ORGANIZAÇÃO PARA O FUNCIONAMENTO E USO DO SITIO WEB FORO DE ARTICULAÇÃO VIRTUAL XXXIX REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 11 SAÚDE MERCOSUL / COMISSÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE / GRUPO AD HOC DE SANGUE E HEMODERIVADOS / ATA Nº 02/12 Realizou-se na cidade de Salvador, República

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio KPDS 125950 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais

Leia mais

XLVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS

XLVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS MERCOSUL/SGT Nº 3/CA/ATA Nº 03/12 XLVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE ALIMENTOS Realizou-se na cidade de Porto Alegre,

Leia mais

1 - Cumprimento dos 25 Princípios Básicos para uma Supervisão Bancária Eficaz

1 - Cumprimento dos 25 Princípios Básicos para uma Supervisão Bancária Eficaz 1 MERCOSUR / MERCOSUL PRESIDENCIA pro tempore BRASIL XXII REUNIÃO ORDINARIA DO SGT4 Assuntos Financeiros Ata da Reunião da Comissão do Sistema Financeiro Rio de Janeiro, 25 a 27 de outubro de 2006 Comissão

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

1. Comissão de Micro, Pequenas e Médias Empresas e Artesanato

1. Comissão de Micro, Pequenas e Médias Empresas e Artesanato II Reunião do Subgrupo de Trabalho 07 Indústria Realizou-se, na Cidade do Rio de Janeiro, República Federativa do Brasil, no período de 23 a 25 de outubro de 2002, a Reunião 02/02 do Subgrupo de Trabalho

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Ano 2011 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Estrutura de Gerenciamento do Risco de Crédito... 4 2. Estrutura Organizacional e suas Competências... 4 2.1 Diretoria...

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

Regulação do Sistema Financeiro Nacional

Regulação do Sistema Financeiro Nacional Regulação do Sistema Financeiro Nacional Sergio Odilon dos Anjos Chefe do Departamento de Normas do Sistema Financeiro Brasília 18 de julho de 2011 1 Regulação do Sistema Financeiro Banco Central do Brasil

Leia mais

Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária

Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária Banco Central do Brasil Conferência ICMA no Brasil Hotel Tívoli São Paulo 8.5.2014 1 A regulação europeia e os mercados financeiros no Brasil 2 Compromissos

Leia mais

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Agenda 1. Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) 2. Papeis do Banco Central do Brasil no SPB 3. Sistema Especial de Liquidação

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A.

Banco Western Union do Brasil S.A. Banco Western Union do Brasil S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional. Data Base 31/12/2011 1 1. Introdução...

Leia mais

CONVÊNIO DO SISTEMA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL ENTRE A REPÚBLICA ARGENTINA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

CONVÊNIO DO SISTEMA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL ENTRE A REPÚBLICA ARGENTINA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONVÊNIO DO SISTEMA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL ENTRE A REPÚBLICA ARGENTINA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Banco Central de la República Argentina e O Banco Central do Brasil, Tendo em vista a Decisão

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 1 Composição Orçamentária ISAGS - 2013 (*) Natureza Valor anual (US$) Percentual Projetos 42,6% 1.001.200,00 Pessoal 37,9% 892.958,00 Gastos Operacionais

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

LV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

LV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE MERCOSUL/SGT Nº 3/ATA Nº 02/15 LV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE Realizou-se na cidade do Rio de Janeiro, República Federativa do Brasil,

Leia mais

Arranjos de Pagamento SEMARC 2014. Brasília, 4 de agosto de 2014

Arranjos de Pagamento SEMARC 2014. Brasília, 4 de agosto de 2014 Arranjos de Pagamento SEMARC 2014 Brasília, 4 de agosto de 2014 Sistema de Pagamentos de Varejo Linha do Tempo Projeto institucional de modernização de pagamentos de varejo Publicação do Diagnóstico do

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News Março 2010 SUSEP INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Normas Contábeis Carta-Circular CGSOA 01, de 31.03.2010 Demonstrações Financeiras Dispõe sobre as normas contábeis das sociedades

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS Brasil, 28 e 29 de agosto de 2006 MERCOSUL / SGT Nº 6 / ATA N. 2/06 IV REUNIÃO ORDINÁRIA DO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Brasil. Panorama Econômico e do Setor Financeiro. Novembro de 2011

Brasil. Panorama Econômico e do Setor Financeiro. Novembro de 2011 Brasil Panorama Econômico e do Setor Financeiro Novembro de 2011 Índice Contexto Macroeconômico Indicadores Sociais Regulação e Supervisão Crédito e Endividamento das Famílias 2 Contexto Macroeconômico

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

O Processo de Convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR

O Processo de Convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR O Processo de Convergência das Normas Brasileiras e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR Professora do DCCA/UFPE, Conselheira do CFC, Coordenadora do Comitê Gestor da Convergência no

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

Nota Técnica nº 5/2013/CCONF/SUCON/STN/MF-DF

Nota Técnica nº 5/2013/CCONF/SUCON/STN/MF-DF Ministério da Fazenda Secretaria do Tesouro Nacional Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Nota Técnica nº 5/2013/CCONF/SUCON/STN/MF-

Leia mais

Inclusão Financeira no Brasil

Inclusão Financeira no Brasil São Paulo 18 de agosto de 2014 2 Inclusão Financeira no Brasil Parceria Nacional para Inclusão Financeira Elvira Cruvinel Ferreira Departamento de Educação Financeira Missão do BCB Assegurar a estabilidade

Leia mais

BANCO CENTRAL DE VENEZUELA

BANCO CENTRAL DE VENEZUELA BANCO CENTRAL DE VENEZUELA AVISO OFICIAL O Banco Central de Venezuela, em exercício das faculdades que lhe conferem os artigos 21 (numeral 26) e 50 da Lei Especial que o rege, em concordância com o disposto

Leia mais

Brasília, 1º de março de 2013.

Brasília, 1º de março de 2013. Brasília, 1º de março de 2013. Discurso do diretor de Regulação do Sistema Financeiro, Luiz Awazu Pereira da Silva, na divulgação sobre a implantação no Brasil do Acordo de Basiléia III 1 O Conselho Monetário

Leia mais

REUNIÃO DO CENTRO DE COORDENAÇAO DE CAPACITAÇÃO POLICIAL DO MERCOSUL

REUNIÃO DO CENTRO DE COORDENAÇAO DE CAPACITAÇÃO POLICIAL DO MERCOSUL MERCOSUL/RMI/CAP/ATA Nº 03/06 REUNIÃO DO CENTRO DE COORDENAÇAO DE CAPACITAÇÃO POLICIAL DO MERCOSUL Realizou-se na cidade de Fortaleza/Ceará, República Federativa do Brasil, entre os dias 23 e 25 de agosto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

MERCOSUL. Subgrupo de Trabalho Nº 6 Meio Ambiente XXXI Reunião Ordinária do SGT Nº 6 Meio Ambiente Brasília, Brasil ANEXO III.

MERCOSUL. Subgrupo de Trabalho Nº 6 Meio Ambiente XXXI Reunião Ordinária do SGT Nº 6 Meio Ambiente Brasília, Brasil ANEXO III. MERCOSUL Subgrupo de Trabalho Nº 6 Meio Ambiente XXXI Reunião Ordinária do SGT Nº 6 Meio Ambiente Brasília, Brasil ANEXO III Resumo da Ata Brasília, 30 de agosto a 1º de setembro de 2004 RESUMO DA ATA

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Possíveis desdobramentos da crise financeira internacional: aperfeiçoamento na regulamentação dos sistemas financeiros e na governança global A crise e a re-regulamentação do sistema

Leia mais

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 03/02 ACORDO SOBRE O PROJETO DE FOMENTO DE GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

Seminário de Conscientização 19/11/2013

Seminário de Conscientização 19/11/2013 Seminário de Conscientização 19/11/2013 CONVERGÊNCIA ÀS NORMAS INTERNACIONAIS A Torre de Babel da Contabilidade Somos protagonistas de uma revolução O processo de convergência às normas internacionais

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14 EMPRESTA Capital.

Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14 EMPRESTA Capital. ATA DE REUNIÃO REV.1 1/11 LOCAL: EMPRESTA Data: 25/02/2014 Horário: 10:30 a 11:30 Capital Participantes: - Conselho Consultivo -Sócios Assuntos abordados: a. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 2013/14

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

Patrimônio Público Tratativas Contábeis. Palestrante: Nilton Cordoni Junior cordoniconsultoria@yahoo.com.br ncordoni@institutoion.com.

Patrimônio Público Tratativas Contábeis. Palestrante: Nilton Cordoni Junior cordoniconsultoria@yahoo.com.br ncordoni@institutoion.com. Patrimônio Público Tratativas Contábeis cordoniconsultoria@yahoo.com.br ncordoni@institutoion.com.br Legislação Padronização Internacional da Contabilidade no Controle do Patrimônio: IFAC Federação Internacional

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. 18/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Conceito...

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

MERCOSUL/SGT N 4 / ATA N 2/04

MERCOSUL/SGT N 4 / ATA N 2/04 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL XVIII REUNIÃO DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 4 ASSUNTOS FINANCEIROS 20 A 22 DE OUTUBRO DE 2004 MERCOSUL/SGT N 4 / ATA N 2/04 Foi realizada na Cidade de Rio de Janeiro,

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO BASE DE 2012 ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT TributAção Novembro de 2013 Edição Extraordinária MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT Passados quase cinco anos da convergência das regras contábeis brasileiras ao padrão internacional contábil

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais