Sumário 20 Pilhas/Baterias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário 20 Pilhas/Baterias"

Transcrição

1 Sumário 2 Pilhas/Baterias 1. Definições e características 2. Baterias primárias 2.1 Baterias de Leclanché (pilhas secas) 2.2 Baterias Alcalinas 2.3 Baterias de Lítio 3. Baterias secundárias 3.1 Baterias de chumbo 3.2 Baterias de Níquel Cádmio (NiCd) 3.3 Baterias Níquel Hidreto Metálico( NiMH) 3.4 Baterias de Ião Lítio 4. Baterias de combustível 4.1 Bateria de Hidrogénio 4.2 Bateria de Metanol

2 1. Definições Pilha célula galvânica Bateria conjunto de pilhas ou células galvânicas ligadas em série Características Diferença de potencial (V) constante, gerada durante um certo tempo, a que corresponde uma corrente eléctrica contínua, também constante. V< f.e.m. (circuito aberto). Energia total armazenada (E), expressa em W h. Densidade de Energia (energia total que a pilha fornece dividida pela sua massa, expressa em W h/kg.

3 Baterias primárias (não recarregáveis; reacções electroquímicas irreversíveis) 2.1 Baterias de Leclanché (pilhas secas) Ânodo E 2+ =.763 V Zn /Zn Zn 2+ (aq) + 2 e Zn (s) Cátodo E + = MnO, H /Mn O V 2 MnO 2 (s) + 2H + + 2e Mn 2 O 3 (s) + H 2 O Electrólito NH 4 Cl + ZnCl 2 f.e.m. 1.5 V A Vedante, em material isolante B Cátodo (grafite com a ponta metálica contacto) C Ânodo (zinco) D Mistura de MnO 2 (oxidante), e electrólito, constituído por NH 4 Cl (fonte de H + ), e ZnCl 2 em água. Aplicações: lanternas, brinquedos, rádios, etc. São as mais baratas no mercado, mas possuem a menor densidade de energia e funcionam mal em aplicações que exijam corrente.

4 2..2 Baterias alcalina as Ânodo E = ZnO(s)/ - /Zn(s),OH = V ZnO(s) + H 2 2O(l) + 2 e Zn(s) + 2 OH (aq) Cátodo E MnO ( s)/mn O (s), =.1 OH 15 V 2 MnO 2 (s)+ H 2 O + 2 e Mn2O 3 (s) + 2 OH (aq) f.e.m. 1.4 V Electrólito soluçãoo aquosa de KO OH. Aplicações: Rádios, flash de máquinas fotográficas, etc. Vantagens: Mais do dobro da densidade de energia e 4 a 9 vezes maior duração que as equivalentes de Leclanché

5 2.3 Baterias de Lítio Ânodo E + = 3.4 V Li /Li Li + + e Li(s) Cátodo E + = MnO, H /Mn O V 2 MnO 2 (s)+ H 2 O(l) + 2 e Mn 2 O 3 (s) + 2 OH (aq) Electrólito sal de Li f.e.m 3.2 V Aplicações: pace makers, relógios, e todas as das pilhas alcalinas Vantagens: elevada f.e.m., pequenas dimensões e massa

6 Baterias secundárias (recarregáveis; reacções electroquímicas reversíveis) 3.1 Baterias de Chumbo Ânodo E PbSO 4 (s)/pb(s) =, 36 V PbSO (s) + 2e Pb(s) + SO Cátodo E + = 1, 46 V PbO (s), H /PbSO (s) 2 4 PbO (s) + 4H + 2e + SO PbSO (s) + 2H O Electrólito Solução aquosa (~6 M) de H 2 SO 4 Aplicações: motores de automóveis, equipamento de construção, barcos de recreio, sistemas de backup. Representam mais de metade das baterias comerciais. Desvantagens: O Pb é pesado e tóxico

7 3.2 Baterias de Níquel Cadmio (NiCd) Ânodo E = -.81V 2+ - Cd,OH /Cd(s) Cd(OH) 2 (s) + 2e Cd(s) + 2OH Cátodo E =.49 V - NiOOH(s)/Ni(OH) (s), OH 2 NiOOH(s) + H 2 O(l) + e Ni(OH) 2 (s) + OH (aq) Electrólito solução de KOH f.e.m V Aplicações: Calculadoras, câmaras digitais, lap tops, desfibriladores, veículos eléctricos Vantagens: 45 8 W h/kg. 15 ciclos. V constante ao longo do tempo de vida. Resistência significativamente mais baixa do que outras pilhas com a mesma V, podem fornecer correntes mais elevadas. Desvantagens: o Cd é tóxico

8 3.3 Baterias de Níquel Hidreto metálico (NiMH) Ânodo M(s) + H 2 O + e MH(s) + OH (aq) M é um composto intermetálico de fórmula AB 5, onde A é uma mistura de terras raras (La, Ce, Ne, Pr) e B um metal como Ni, Co, Mn e/ou Al. Cátodo Electrólito NiOOH(s) + H 2 O + e Ni(OH) 2 (s) + OH (aq) KOH f.e.m. 1.2 V Aplicações: Baterias dos carros híbridos Vantagens: Pode ter 2 a 3 vezes a capacidade de uma pilha de NiCd do mesmo tamanho Toyota Prius Localização atrás do banco traseiro Constituição: 1ª geração : 38 módulos prismáticos de NiMH Panasonic. Cada módulo contém 6 células de 1.2 V ligadas em série (228 células) 2ª geração : 28 módulos prismáticos de NiMH Panasonic. Cada módulo contém 6 células de 1.2 V ligadas em série (168 células) Voltagem nominal: 21.6 V Peso: 53.3 kg; Potência de descarga: 2 kw a 5% de carga

9 Toyota Highlander e Lexus RX 4h Localização debaixo do banco traseiro Constituição: 24 células Voltagem nominal: 288 V convertidos pelo boost em 5 V Cada módulo tem o seu próprio sistema de controlo e arrefecimento. Vantagens: 18% mais pequena que a NiMH do Prius, fornecendo potência 4% superior. Ford Escape Constituição: 25 células NiMH Sanyo, cada uma com 1.3 V, soldadas em módulos de 5 células (5 módulos). Voltagem nominal: 33 V Honda Insight Constituição: 12 células NiMH Panasonic, com 1.2 V cada. Voltagem nominal: 144 V

10 3..4 Baterias de Ião Lítio Ânodo Li x C 6 (s) x Li + (sol) + 6 C(s) + xe (oxidação do C) Grafite com Li + intercalado (x < 1) Cátodo Li 1 x CoO 2 (s) + x Li + (sol) + xe LiCoO 2 (s) (redução do Co) Li + intercalado no CoO O 2 Li + não sofre processos redox

11 3.4 Baterias de Ião Lítio (outros cátodos) Óxido de Manganês (MnO): LiMn 2 O 4 Fosfato de Ferro (FePo): LiFePO 4 f.e.m. 4. V f.e.m. 3.3 V Níquel Cobalto Manganês (NCM): LiCo 1/3 Ni 1/3 Mn 1/3 O 2 Níquel Cobalto Alumiíio (NCA): LiNi.8 Co.2 x Al x O 2 Aplicações: portáteis, telemóveis, veículos eléctricos Vantagens: voltagem elevada, descarga lenta W h/kg ciclos Desvantagens: Perigo de produzir Li metálico em caso de curtocircuito. Reciclagem.

12 Baterias de combustível Convertem a energia química (de combustão) directamente em energia eléctrica 4.1 Célula de H 2 Combustão do H2: 2 2 H 2 (g) + O 2 (g) H 2 O(l) + calor Eléctrodos de Ânodo Cátodo carbonoo porosoo com partículas de Pt (catalizador) H 2 (g) 2 H + (aq) + 2 e O 2 (g) + 4 e + 4 H + (aq) 2 H 2 O(l) Electrólito H 3 PO 4 (ácido fosfórico) nas células ácidas f.e.m. = 1.23 V Reacção Global: 2 H 2 (g) + O 2 (g) H 2 O(l) Aplicações: submarinos não nucleares, aeronaves, automóveis (GM) Vantagens: não são poluentes Desvantagens: operação transporte do H 2 a 15 2 C, custo, armazenamento e

Corrosão Eletroquímica. Sumário 21 - Baterias e Corrosão. Definições e características Baterias primárias. Baterias secundárias

Corrosão Eletroquímica. Sumário 21 - Baterias e Corrosão. Definições e características Baterias primárias. Baterias secundárias Sumário 21 - Baterias e Corrosão Definições e características Baterias primárias Baterias de Leclanché (pilhas secas) Baterias Alcalinas Baterias de Lítio Baterias secundárias Baterias de chumbo Baterias

Leia mais

Células(Pilhas/ Baterias) Comerciais

Células(Pilhas/ Baterias) Comerciais Pilha-célula galvânica Células(Pilhas/ Baterias) Comerciais Bateria- conjunto de pilhas ou células galvânicas ligadas em série Características: Diferença de potencial constante (V), gerada durante um certo

Leia mais

As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos

As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos As Baterias dos Primeiros Carros Híbridos 3. Níquel Hidreto Metálico (NiMH) Ânodo: composto intermetálico capaz de se ligar ao H. Cátodo: NiOOH. Electrólito alcalino, li geralmente KOH. Pode ter 2 a 3

Leia mais

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio NOMENCLATURA Pilha: dispositivo constituído unicamente de dois eletrodos e um eletrólito, arranjados de maneira a

Leia mais

Corrosão de peças metálicas à atmosfera Condições para que ocorra:

Corrosão de peças metálicas à atmosfera Condições para que ocorra: Corrosão de peças metálicas à atmosfera Condições para que ocorra: existência de zonas catódicas e anódicas; possibilidade de circulação de electrões entre elas; presença do electrólito para transporte

Leia mais

PILHAS ELETROQUÍMICAS

PILHAS ELETROQUÍMICAS PILHAS ELETROQUÍMICAS As pilhas eletroquímicas são dispositivos capazes de produzir energia elétrica à custa de uma reação redox espontânea. Como as primeiras pilhas foram construídas por Galvani e Volta,

Leia mais

Semana Europeia da Prevenção Introdução As Pilhas e Baterias são um resíduo considerado perigoso para o ambiente, sempre que não sejam devidamente encaminhadas para tratamento. Os Produtores de Pilhas

Leia mais

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO Valentim M B Nunes, 2003 ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO CÉLULAS GALVÂNICAS OU ELECTROQUÍMICAS 1. Revisão de reacções redox Consideremos o seguinte dispositivo experimental, em que uma barra de zinco é colocada

Leia mais

21814. (Ufg) Observando a tira, responda:

21814. (Ufg) Observando a tira, responda: 17054. (Unesp) As baterias dos automóveis são cheias com solução aquosa de ácido sulfúrico. Sabendo-se que essa solução contém 38% de ácido sulfúrico em massa e densidade igual a 1,29g/cm, pergunta-se:

Leia mais

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 18 / IQG 31 9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO I. INTRODUÇÃO As reações de oxirredução estão entre as reações químicas mais comuns e importantes. Estão envolvidas

Leia mais

d) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,30 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) e) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,74 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni)

d) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,30 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) e) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,74 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) 1. (Ufpr 2013) As baterias são indispensáveis para o funcionamento de vários dispositivos do dia a dia. A primeira bateria foi construída por Alessandro Volta em 1800, cujo dispositivo consistia numa pilha

Leia mais

51ª-53ª AULAS PILHAS E BATERIAS Pilhas electroquímicas Pilhas recarregáveis (baterias) Pilhas de combustível (fuel cells)

51ª-53ª AULAS PILHAS E BATERIAS Pilhas electroquímicas Pilhas recarregáveis (baterias) Pilhas de combustível (fuel cells) 51ª-53ª AULAS PILHAS E BATERIAS Pilhas electroquímicas Pilhas recarregáveis (baterias) Pilhas de combustível (fuel cells) 1 1) Uma pilha não é (em princípio) recarregável e uma bateria é. 2) Uma pilha

Leia mais

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP Pilha ou Bateria: um quase eterno dilema

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP Pilha ou Bateria: um quase eterno dilema Autor: Gabriel Augusto Ginja Série: Primeira do Ensino Médio Prof. : Rubens Conilho Junior Colégio: Etapa Cidade: São Paulo, SP Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2011 Pilha ou

Leia mais

ANEXO 12- TIPOS DE ACUMULADORES

ANEXO 12- TIPOS DE ACUMULADORES ANEXO 12- TIPOS DE ACUMULADORES 182 Conteúdo 1 Tipos de Acumuladores... 183 1.1 Acumuladores Ácido chumbo... 184 1.1.1 Manutenção e Vida dos Acumuladores.... 184 1.1.2 Carregamento de acumuladores... 185

Leia mais

ELETROQUÍMICA Potenciais padrão a 298K Metais Cu Mg Zn Soluções CORRETO ordem crescente de reatividade

ELETROQUÍMICA Potenciais padrão a 298K Metais Cu Mg Zn Soluções CORRETO ordem crescente de reatividade ELETROQUÍMICA 1- (FURG) Deixou-se por um determinado tempo um fio de estanho e um fio de ferro mergulhados em uma solução aquosa de sulfato de cobre (CuSO 4 ). A respeito desse experimento pode-se afirmar

Leia mais

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg.

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. Metais Pesados Tóxicos -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. -Locais de fixação final desses metais pesados: Solos e Sedimentos; Características

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica. Sorocaba, Março de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 6 - Conversão de Outras Energias em Energia Elétrica Sorocaba, Março de 2015. CONVERSÃO DE OUTRAS ENERGIAS

Leia mais

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2011. A Química das Baterias

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2011. A Química das Baterias Autor: Daniel Arjona de Andrade Hara Série: Primeira Ensino Médio Profs. : Roberto Mauro da Fonseca Colégio: Objetivo Granja Viana Cidade: Cotia, SP Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química

Leia mais

Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA

Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA Como o Cobre é mais nobre que o Zinco, ele reduz oxidando o zinco Espontaneidade de reações de oxirredução e pilhas Forma metálica e forma oxidada Ferro oxidado (minério)

Leia mais

Metais alcalinos - Grupo 1A

Metais alcalinos - Grupo 1A Metais alcalinos - Grupo 1A Li / Na / K / Rb / Cs / Fr Na e K são os mais abundantes ns 1 - aparecem normalmente como iões positivos ( +) Não se encontram isolados na natureza / reacção com não-metais

Leia mais

GERADOR ELECTROQUÍMICO:

GERADOR ELECTROQUÍMICO: CARACTERÍSTICAS DE UMA PILHA A expressão corrente pilha eléctrica designa um gerador electroquímico não recarregável. GERADOR ELECTROQUÍMICO: Um gerador electroquímico é um dispositivo capaz de transformar

Leia mais

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA PILHAS

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA PILHAS TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA Prof. Borges PILHAS 1. (Uepg 2010) A figura a seguir ilustra o esquema de uma pilha formada por um eletrodo de Zn em solução de Zn 2+ e um outro eletrodo

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Oxidação e Redução EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (UEL-PR) A água das piscinas é reutilizada muitas vezes e, para impedir o desenvolvimento de microorganismos, deve ser convenientemente tratada. Uma das substâncias

Leia mais

MSPC INFORMAÇÕES TÉCNICAS

MSPC INFORMAÇÕES TÉCNICAS Pilhas e/ou baterias podem ser definidas como geradores químicos de energia elétrica. Tecnicamente, a unidade geradora básica é denominada célula. Em muitos casos práticos, a tensão fornecida por uma célula

Leia mais

QUIMICA I. Eletroquímica. Profa. Eliana Midori Sussuchi

QUIMICA I. Eletroquímica. Profa. Eliana Midori Sussuchi QUIMICA I Eletroquímica Profa. Eliana Midori Sussuchi Reações de oxiredução O Zn adicionado ao HCl produz a reação espontânea Zn(s) + 2H + (aq) Zn 2+ (aq) + H 2 (g). O número de oxidação do Zn aumentou

Leia mais

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte : Lixiviação Humberto Naoyuki Yoshimura*, Antonio Carlos de Camargo, José Carlos da Silva Portela

Leia mais

12.6.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 151/9

12.6.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 151/9 12.6.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 151/9 REGULAMENTO (UE) N. o 493/2012 DA COMISSÃO de 11 de junho de 2012 que estabelece, em conformidade com a Diretiva 2006/66/CE do Parlamento Europeu e do

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)?

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? EXERCÍCIOS REVISÃO 1ª série 1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? 2. Qual a fórmula do composto formado entre o potássio, K (Z = 19) e o enxofre, S (Z =

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2)

OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2) OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS (GRUPO 1) METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2) METAIS ALCALINOS (1A) Os Alcalinos são os elementos do Grupo 1 (1A) da Tabela Periódica. Formada pelos seguintes metais:

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

RECIFE. Colégio Salesiano Sagrado Coração. Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química. Pilha (Espontâneo, ΔG < 0)

RECIFE. Colégio Salesiano Sagrado Coração. Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química. Pilha (Espontâneo, ΔG < 0) RECIFE Colégio Salesiano Sagrado Coração ] Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química Professor: Eber Barbosa 01 Introdução Eletroquímica é o estudo das relações existentes entre

Leia mais

Pilhas ou células eletroquímicas

Pilhas ou células eletroquímicas Capítulo 16 Pilhas ou células eletroquímicas Neste capítulo Reações de oxirredução produzindo corrente elétrica. Células eletroquímicas. Caráter oxidante e potencial padrão. Determinação do potencial padrão

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Eletroquímica David P. White Reações de oxiredução O Zn adicionado ao HCl produz a reação espontânea Zn(s) + 2H + (aq) Zn 2+ (aq) + H 2 (g). O número de oxidação do

Leia mais

7- (PUCCAMP) Examine as equações químicas a seguir: I- 2CrO 4

7- (PUCCAMP) Examine as equações químicas a seguir: I- 2CrO 4 OXIRREDUÇÃO 1- Se X, Y e Q apresentam número de oxidação máximo nas espécies químicas XO 4 2-, MgYO 3 e H 3 QO 4, então pertencem, respectivamente, à família dos: A) Metais Alcalinos, Carbono e Nitrogênio.

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

Reações Químicas GERAL

Reações Químicas GERAL Reações Químicas GERAL É o processo no qual 1 ou mais substâncias (reagentes) se transformam em 1 ou mais substâncias novas (produtos). Formação de ferrugem Combustão de um palito de fósforo Efervescência

Leia mais

ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS

ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS 95 ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS Questão 01) Uma maneira de proteger estruturas metálicas da corrosão em ambientes úmidos é ligá-las eletricamente a metais com potenciais de oxidação maiores do que o do metal

Leia mais

QUÍMICA. 4. Um professor, utilizando comprimidos de antiácido efervescente à base de NaHCO 3, realizou quatro procedimentos, ilustrados a seguir:

QUÍMICA. 4. Um professor, utilizando comprimidos de antiácido efervescente à base de NaHCO 3, realizou quatro procedimentos, ilustrados a seguir: QUÍMICA Prof. Rodrigo Rocha 1. Alguns fatores podem alterar a rapidez das reações químicas. A seguir, destacam-se três exemplos no contexto da preparação e da conservação de alimentos: 1) A maioria dos

Leia mais

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq) " 2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq) " 2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível.

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq)  2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq)  2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível. Química QUESTÃO 1 O metabissulfito de potássio (K 2 S 2 O 5 ) e o dióxido de enxofre (SO 2 ) são amplamente utilizados na conservação de alimentos como sucos de frutas, retardando a deterioração provocada

Leia mais

Prof. Rafa - Química Cálculo Estequiométrico

Prof. Rafa - Química Cálculo Estequiométrico Prof. Rafa - Química Cálculo Estequiométrico Lista de exercícios 01. (UFBA) Hidreto de sódio reage com água, dando hidrogênio, segundo a reação: NaH + H 2 O NaOH + H 2 Para obter 10 mols de H 2, são necessários

Leia mais

CaO + H2O Ca(OH)2 3 H2 + 1 N2 2 NH3 3 H2 + 1 N2 2 NH3 + 01) A equação refere-se à transformação de ozônio em oxigênio comum, representada pela equação: 2 O3 3 O2 Os números 2 e 3 que aparecem no lado esquerdo

Leia mais

Eletroquímica Pilhas (II)

Eletroquímica Pilhas (II) Eletroquímica Pilhas (II) EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-SP) Para montar uma pilha, dispõe-se dos materiais e dos dados a seguir. Materiais: uma lâmina de cobre; dois béqueres; uma lâmina de zinco; um

Leia mais

EQUAÇÕES REDOX 7.1 As semi reações Consideramos a oxidação como a perda de elétrons Ex: Mg (s) Mg +2 (s) +2e Par redox Ox/Red Mg +2 /Mg

EQUAÇÕES REDOX 7.1 As semi reações Consideramos a oxidação como a perda de elétrons Ex: Mg (s) Mg +2 (s) +2e Par redox Ox/Red Mg +2 /Mg Eletroquímica ELETROQUÍMICA/ EQUAÇÕES REDOX / CÉLULAS GALVÂNICAS / ELETRÓLISE Eletroquímica Interação da eletricidade e reações químicas ELETRICIDADE REAÇÕES QUÍMICAS Definição :Eletroquímica é o ramo

Leia mais

(b) É uma reacção de neutralização: base + ácido sal + água 2 mol de NaOH reagem com 1 mol de H 2 SO 4 originando 1 mol de Na 2 SO 4 e 2 mol de H 2 O.

(b) É uma reacção de neutralização: base + ácido sal + água 2 mol de NaOH reagem com 1 mol de H 2 SO 4 originando 1 mol de Na 2 SO 4 e 2 mol de H 2 O. EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I Capítulo 3. Reacções químicas I Soluções da ficha de exercícios 1. (a) NaOH = hidróxido de sódio. H 2 SO 4 = ácido súlfurico. Na 2 SO 4 = sulfato de sódio. H 2 O

Leia mais

Na indústria, um dos processos de obtenção do ácido sulfúrico consiste no tratamento térmico vigoroso da pirita (FeS 2

Na indústria, um dos processos de obtenção do ácido sulfúrico consiste no tratamento térmico vigoroso da pirita (FeS 2 QUÍMICA 20 Na indústria, um dos processos de obtenção do ácido sulfúrico consiste no tratamento térmico vigoroso da pirita (FeS 2 ) na presença de corrente de ar (reação de ustulação). Os produtos obtidos

Leia mais

Reações de oxirredução

Reações de oxirredução LCE-108 Química Inorgânica e Analítica Reações de oxirredução Wanessa Melchert Mattos 2 Ag + + Cu (s) 2 Ag (s) + Cu 2+ Baseada na transferência de elétrons de uma substância para outra Perde oxigênio e

Leia mais

PROF: Alex LISTA 4 DATA: 20/ 06 / 2010

PROF: Alex LISTA 4 DATA: 20/ 06 / 2010 NOME: PROF: Alex LISTA 4 DATA: 20/ 06 / 2010 Eletroquímica (Exercícios 2010) 01 (Unimontes MG/2010) A bateria de óxido de prata é um dispositivo usado, atualmente, em relógios de pulso e calculadoras.

Leia mais

Nesta última década assistiu-se

Nesta última década assistiu-se QUÍMICA E SOCIEDADE Nerilso Bocchi, Luiz Carlos Ferracin e Sonia Regina Biaggio Este artigo define o que são pilhas e baterias, apresentando o funcionamento das que mais freqüentemente aparecem no dia-a-dia

Leia mais

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar 3 de março 2012 (Semifinal) Pergunta I II III IV Total Classificação Escola:. Nome:. Nome:. Nome:. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar Dados: Constante de Avogadro: N A = 6,022 x 10 23 mol -1

Leia mais

ENERGIA DO HIDROGÊNIO - Célula de Combustível Alcalina

ENERGIA DO HIDROGÊNIO - Célula de Combustível Alcalina Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica PPGEE0030 - INTRODUÇÃO ÀS ENERGIAS RENOVÁVEIS Docente: Professor Doutor João Tavares Pinho Discente:

Leia mais

Aula 5_2. Corrente Elétrica Circuitos CC Simples. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5

Aula 5_2. Corrente Elétrica Circuitos CC Simples. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Aula 5_2 Corrente Elétrica Circuitos CC Simples Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Conteúdo Corrente elétrica e energia dissipada Fem real e receptor Potência elétrica Acoplamento

Leia mais

1º WORKSHOP SOBRE VEÍCULO ELÉTRICO HÍBRIDO NO BRASIL

1º WORKSHOP SOBRE VEÍCULO ELÉTRICO HÍBRIDO NO BRASIL 1º WORKSHOP SOBRE VEÍCULO ELÉTRICO HÍBRIDO NO BRASIL 15 de Abril de 2003 São Paulo, SP Organizado pelo INEE VEÍCULO ELÉTRICO HÍBRIDO (VEH) O Veículo Elétrico Híbrido (VEH) usa duas ou mais fontes de potência.

Leia mais

b) Os elétrons fluem do ânodo para o cátodo, ou seja, do eletrodo de crômio para o eletrodo de estanho.

b) Os elétrons fluem do ânodo para o cátodo, ou seja, do eletrodo de crômio para o eletrodo de estanho. 01 a) Polo negativo corresponde ao ânodo, onde ocorre a oxidação: Cr (s) Cr 3+ (aq) + 3e - Polo positivo corresponde ao cátodo, onde ocorre a redução: Sn +2 ( aq) + 2e - Sn (s) b) Os elétrons fluem do

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG I Identificação do Utilizador Industrial Designação: Processo nº: N.º de Cliente AdG: Nº Contribuinte: Morada da Unidade Industrial: Código Postal: - Nome do Proprietário: Telefone: ; Fax: ; e-mail: II

Leia mais

QFL-2129 Química Inorgânica GAQ Alunos de Engenharia 2014 Instituto de Química Universidade de São Paulo Docente: Ana Maria da Costa Ferreira

QFL-2129 Química Inorgânica GAQ Alunos de Engenharia 2014 Instituto de Química Universidade de São Paulo Docente: Ana Maria da Costa Ferreira QFL-2129 Química Inorgânica GAQ Alunos de Engenharia 2014 Instituto de Química Universidade de São Paulo Docente: Ana Maria da Costa Ferreira LISTA DE EXERCÍCIOS Obs.: Use os diagramas de Latimer e de

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

PILHAS E BATERIAS. Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES

PILHAS E BATERIAS. Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PILHAS E BATERIAS Estudo da capacidade disponível para pilhas recarregáveis 1MIEEC01_04 André Galiza (201403181) Daniel Gonçalves (201402775) Isa Almeida (201403568) Mário Carvalho (201402929) Tiago Pereira

Leia mais

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87);

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); DEFINIÇÕES Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); Bateria: conjunto de pilhas ou acumuladores recarregáveis interligados

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

Reações de identificação de metais de

Reações de identificação de metais de A maioria dos metais de transição forma compostos coloridos, e esta propriedade é empregada em suas identificações. Os íons Al 3, Cr 3 e Fe 3 são precipitados como hidróxidos, enquanto que os demais são

Leia mais

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21 Questão 21 QUÍMICA A irradiação é uma técnica utilizada na conservação de alimentos para inibir a germinação, retardar o amadurecimento e destruir bactérias patogênicas. Os isótopos césio 137 e cobalto

Leia mais

Instruções. Se o Caderno estiver incompleto ou contiver imperfeição gráfica que prejudique a leitura, peça imediatamente ao Fiscal que o substitua.

Instruções. Se o Caderno estiver incompleto ou contiver imperfeição gráfica que prejudique a leitura, peça imediatamente ao Fiscal que o substitua. 2 1 Instruções Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Baterias para VEs Oficina de Trabalho Veículo Elétrico - BNDES. Maria de Fátima N. C. Rosolem Raul F. Beck

Baterias para VEs Oficina de Trabalho Veículo Elétrico - BNDES. Maria de Fátima N. C. Rosolem Raul F. Beck Baterias para VEs Oficina de Trabalho Veículo Elétrico - BNDES Maria de Fátima N. C. Rosolem Raul F. Beck Maio/2010 Tipos de veículos elétricos VE - Híbrido VE - Híbrido Plug-in Veículo Elétrico Puro Tipos

Leia mais

Equilíbrio de Oxidação Redução

Equilíbrio de Oxidação Redução Equilíbrio de Oxidação Redução Reações de Oxidação Redução Caracterizam-se pela transferências de elétrons entre as espécies envolvidas. Qual a consequência da transferência de elétrons? Oxidação: uma

Leia mais

Controlo de Armazenamento de Energia em Barramento CC

Controlo de Armazenamento de Energia em Barramento CC Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Controlo de Armazenamento de Energia em Barramento CC Rui Pedro Moreira Marcelino RELATÓRIO FINAL DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO (PDI) Orientador: Professor

Leia mais

PILHAS E BATERIAS. Bolsistas: Matheus Liz Mariela Ana Claudia. Nayara Gabriela Andressa. Novembro/2015

PILHAS E BATERIAS. Bolsistas: Matheus Liz Mariela Ana Claudia. Nayara Gabriela Andressa. Novembro/2015 PILHAS E BATERIAS Bolsistas: Matheus Liz Mariela Ana Claudia Nayara Gabriela Andressa Novembro/2015 Sumário Definição Histórico: Pilha de Volta (1800) Pilha de Daniell (1836) Pilha de Leclanché Pilha Alcalina

Leia mais

QUESTÕES. 1. Complete a tabela com os Números de Oxidação das espécies químicas: Espécie Química

QUESTÕES. 1. Complete a tabela com os Números de Oxidação das espécies químicas: Espécie Química 2º EM Química B Natalia Av. Dissertativa 30/03/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Oxirredução. O professor recomenda: Estude pelos seguintes livros/páginas sobre a oxirredução e faça os exercícios! 26/10/2011

Oxirredução. O professor recomenda: Estude pelos seguintes livros/páginas sobre a oxirredução e faça os exercícios! 26/10/2011 Oxirredução O professor recomenda: Estude pelos seguintes livros/páginas sobre a oxirredução e faça os exercícios! Shriver Ed 4 Cap.4 p.164-190 Atkins & Jones 1 ED Cap. 12 p. 603-635 Brown Cap. 20 p. 721-754

Leia mais

Olimpíadas de Química +

Olimpíadas de Química + Olimpíadas de Química + Duração 1h 30min Semifinal 2016-03-05 Pergunta 1 2 3 4 5 Total Cotação 20 20 20 20 20 100 Classificação Escola Nome Nome Nome Dados: Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar

Leia mais

Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013

Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013 Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013 Estado de Arte Sistemas de Armazenamento de Energia Elaborado por: Afonso Lopes Rui Marcelino Indíce 1. Introdução...

Leia mais

Histórico. O cádmio foi descoberto em 1817, por Friedrich Strohmeyer (1776-1835), a partir de impurezas do mineral calamina (Zn 2 CO 3

Histórico. O cádmio foi descoberto em 1817, por Friedrich Strohmeyer (1776-1835), a partir de impurezas do mineral calamina (Zn 2 CO 3 Histórico O cádmio foi descoberto em 1817, por Friedrich Strohmeyer (1776-1835), a partir de impurezas do mineral calamina (Zn 2 CO 3 ), dando origem ao nome do elemento. A etimologia deste mineral deriva

Leia mais

As reações de oxidação e redução, também chamadas de reações redox, são fenômenos muito frequentes no nosso cotidiano. Como exemplo, temos: - Um

As reações de oxidação e redução, também chamadas de reações redox, são fenômenos muito frequentes no nosso cotidiano. Como exemplo, temos: - Um Números de Oxidação As reações de oxidação e redução, também chamadas de reações redox, são fenômenos muito frequentes no nosso cotidiano. Como exemplo, temos: - Um material sofrendo combustão (queima);

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

P R O V A D E Q UÍMICA I. A tabela abaixo apresenta os pontos de ebulição e a solubilidade em água de alguns álcoois e éteres importantes.

P R O V A D E Q UÍMICA I. A tabela abaixo apresenta os pontos de ebulição e a solubilidade em água de alguns álcoois e éteres importantes. 17 P R O V A D E Q UÍMICA I QUESTÃO 46 A tabela abaixo apresenta os pontos de ebulição e a solubilidade em água de alguns álcoois e éteres importantes. Composto Pe ( o C) Solubilidade em água CH 3 CH 2

Leia mais

CAPÍTULO 7 ELETROQUÍMICA

CAPÍTULO 7 ELETROQUÍMICA 1 CAPÍTULO 7 ELETROQUÍMICA SUMÁRIO 7.1 Introdução...216 7.2 Forma de condução...217 7.2.1 Condução metálica ou eletrônica...217 7.2.2 Condução eletrolítica ou iônica...219 7.3 Reações espontâneas e célula

Leia mais

Química 1ª série Ensino Médio v. 3

Química 1ª série Ensino Médio v. 3 1ª série Ensino Médio v. Exercícios 01) a) SbO O + + SbO b) SiO O + + SiO O c) SCN + + SCN d) PO O + + PO e) SO O + + SO 0) I) a) monoácido b) ternário c) oxiácido d) moderado 0) A 0) C 05) C 06) E II)

Leia mais

vidros à base de NHƒ. Justifique sua resposta por meio das reações químicas envolvidas.

vidros à base de NHƒ. Justifique sua resposta por meio das reações químicas envolvidas. 1) [UFC-2009] A hidrazina, N H, é um produto altamente tóxico e explosivo. Dadas as semi-reações de redução apresentadas a seguir, responda o que se pede. CØO+H O+2eë2OH+CØ N H +2H O+2eë2NHƒ+2OH E = 0,90

Leia mais

FACULDADES OSWALDO CRUZ QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA CURSO BÁSICO 1ºS ANOS

FACULDADES OSWALDO CRUZ QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA CURSO BÁSICO 1ºS ANOS FACULDADES OSWALDO CRUZ QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA CURSO BÁSICO 1ºS ANOS Prezados Alunos Conforme orientação da Diretoria Geral, o reinício das aulas, teoria e laboratório, ocorrerá no dia 17 de agosto.

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS. É o fenômeno pelo qual uma ou mais substâncias são transformadas em outra(s).

REAÇÕES QUÍMICAS. É o fenômeno pelo qual uma ou mais substâncias são transformadas em outra(s). REAÇÕES QUÍMICAS É o fenômeno pelo qual uma ou mais substâncias são transformadas em outra(s). Nessas reações chamamos de produtos as substâncias que são produzidas a partir de uma ou mais substâncias

Leia mais

Exercícios Sobre Pilhas - Eletroquímica

Exercícios Sobre Pilhas - Eletroquímica Exercícios Sobre Pilhas - Eletroquímica 01. (Ufpr) Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Dados os potenciais de oxi-redução a seguir, Ag + + 1e- Ag o Fe 2+

Leia mais

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr.

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr. Prof. Carlos Falcão Jr. 2Al(OH) 3 Al 2 O 3 + 3H 2 O(vapor) 1200ºC INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS 1.1) Ustulação Processo metalúrgico conduzido a altas temperaturas, mas não ocorrendo fusão parcial

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess 01. (Unesp - adaptada) Definir, ou conceituar, e discutir, usando exemplos quando julgar conveniente: a) entalpia molar padrão de formação de uma substância;

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

E L E T R O Q U Í M I C A

E L E T R O Q U Í M I C A UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE E L E T R O Q U Í M I C A Professora: Dra. Sonia B. Faldini 2003 1 Introdução A Eletroquímica tem aplicação em muitas áreas da química, da biologia e da física. Desenvolvimentos

Leia mais

EXERCÍCIOS DO ITA (1980-1999)

EXERCÍCIOS DO ITA (1980-1999) EXERCÍCIOS DO ITA (1980-1999) 1- (ITA-1980) Um ânion mononuclear bivalente com 10 elétrons apresenta: a) 10 prótons nucleares b) a mesma estrutura eletrônica que a do Mg 2+. c) número de massa igual a

Leia mais

PAGQuímica Eletroquímica

PAGQuímica Eletroquímica Atenção: detectamos que em diversos exercícios a resolução escaneada e colada após o enunciado não corresponde à resolução correta. Agradecemos que tais exercícios nos sejam comunicados via fórum e, se

Leia mais

Eletrólise. Energia elétrica. Energia química. pilhas

Eletrólise. Energia elétrica. Energia química. pilhas Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica Pet - Agronomia Petiana: Tatiane Almeida Tutor: José Ribamar Torres Conceito ELETROQUÍMICA Energia química eletrólise pilhas Energia elétrica Transformação

Leia mais

Balanceamento Íon-elétron Células Combustíveis

Balanceamento Íon-elétron Células Combustíveis Balanceamento Íonelétron Células Combustíveis Esse método deve ser utilizado para fazer o balanceamento das reações de óxido redução envolvidas na célula combustível. 1º Exemplo: Faça a balanceamento da

Leia mais

Eletroquímica & Eletrólise

Eletroquímica & Eletrólise Eletroquímica & Eletrólise A eletroquímica abrange todos os processos químicos que envolvem transferência de elétrons. Quando um processo químico ocorre, produzindo transferência de elétrons, é chamado

Leia mais

É a perda de elétrons. É o ganho de elétrons

É a perda de elétrons. É o ganho de elétrons 1 É a perda de elétrons 2 É o ganho de elétrons 3 Na + Cl É o número que mede a carga real ou aparente de uma espécie química Nox = + 1 Nox = 1 4 Na + Cl É a perda de elétrons ou aumento do Nox 5 É o ganho

Leia mais

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up. Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012 António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.pt Capítulo 3 Baterias Solares As baterias solares, também conhecidas

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

MINERAÇÃO URBANA. A saída para a reciclagem valores metálicos. renováveis. de fontes nãoclique para editar o estilo do subtítulo mestre

MINERAÇÃO URBANA. A saída para a reciclagem valores metálicos. renováveis. de fontes nãoclique para editar o estilo do subtítulo mestre MINERAÇÃO URBANA A saída para a reciclagem de valores metálicos de fontes não renováveis. D. Monteiro de Oliveira & L. Sobral Metais Ferrosos: V, Cr, Fe, Mn, Ni, Nb, Mo Metais Não-Ferrosos: Mg, Al, Ti,

Leia mais

12 GAB. 1 1 o DIA PASES 2 a ETAPA TRIÊNIO QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30

12 GAB. 1 1 o DIA PASES 2 a ETAPA TRIÊNIO QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30 12 GAB. 1 1 o DIA PASES 2 a ETAPA TRIÊNIO 2004-2006 QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30 21. Os solos brasileiros são na sua maioria ácidos, de modo que para cultiválos muitas vezes é necessária a aplicação de

Leia mais

Química A MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE. 1º Semestre /2013. Doutor João Paulo Noronha.

Química A MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE. 1º Semestre /2013. Doutor João Paulo Noronha. Química A MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA DO AMBIENTE 1º Semestre - 2012/2013 Doutor João Paulo Noronha jpnoronha@fct.unl.pt UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Solubilidade

Leia mais

a) Isoeletrônicas e ligantes fortes. b) Isoeletrônicas e ligantes fracos. c) Homólogas e ligantes fracos. d) Homólogas e ligantes fortes.

a) Isoeletrônicas e ligantes fortes. b) Isoeletrônicas e ligantes fracos. c) Homólogas e ligantes fracos. d) Homólogas e ligantes fortes. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO QUADRO EFETIVO EDITAL

Leia mais

QUÍMICA. Questão 01. A configuração eletrônica de um átomo X Z

QUÍMICA. Questão 01. A configuração eletrônica de um átomo X Z QUÍMICA Questão 01 A A configuração eletrônica de um átomo X Z é [ X ]. Determine: a) os valores de Z e de n, para que a configuração eletrônica [X] ns 2 (n 1)d 10 np (n+1) represente um elemento químico

Leia mais