TDC T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD"

Transcrição

1 TDC T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD

2 TDC 2011 AGENDA I. Cadeia de valor da TV Digital Interativa II. O Ginga e a Interatividade III. Aplicações Seguras IV. Autenticação, Certificação Digital V. T-Banking VI. T-Commerce VII. Sticker Center VIII. Referências 2

3 Sumário TV Digital T-Commerce e T-Banking A crescente adoção da TV digital no mundo cria novas oportunidades de negócio pois traz uma nova capacidade de interação para o expectador com o simples uso do controle remoto da TV. Contudo, apesar de poder alavancar negócios que envolvem meios de pagamento e serviços financeiros de forma geral, a questão de segurança passa a ser fator fundamental de sucesso. Esta apresentação aborda as principais evoluções no Ginga e na TV Digital brasileira para suportar estas novas oportunidades.

4 Cadeia de Valor Cadeia de Valor no Modelo de TV Aberta Analógica Indústria de Receptores Passivos Telespectadores Anunciantes Produtores de Conteúdo Redes de Televisão Aberta Indústria de Transmissão

5 Cadeia de Valor Cadeia de Valor no Modelo de TV Aberta Digital Provedores de Chipsets para TV Digital Provedores de SW embarcado (OS, JVM, Zapper, EPG, etc.) Indústria de Receptores Passivos Telespectadores Anunciantes Produtores de Conteúdo Redes de Televisão Aberta Desenv. SW para transmissão Indústria de Transmissão

6 Cadeia de Valor Cadeia de Valor no Modelo de TV Aberta Digital Interativa Provedores de Chipsets para TV Digital Provedores de SW embarcado (OS, JVM, Zapper, EPG, etc.) Provedores de MW Ginga Indústria de Receptores Interativos Telespectadores Provedores de Ferramentas de Desenv. de Apps. Ginga Desenv. Aps. Interativas Anunciantes Produtores de Conteúdo Redes de Televisão Aberta Desenv. SW Indústria de para transmissão Transmissão Provedores de Serviços de Telecomunicação (Internet, Tel. Celular, etc)

7 Cadeia de Valor Inúmeras combinações de parcerias podem dar lugar a novas soluções integradas, criando cadeias de valor completamente novas. Provedores de Chipsets para TV Digital Provedores de SW embarcado (OS, JVM, Zapper, EPG, etc) Provedores de MW Ginga Indústria de Receptores Interativos Telespectadores Provedores de Ferramentas de Desenv. de Apps. Ginga Desenv. Aps. Interativas Anunciantes Produtores de Conteúdo Redes de Televisão Aberta Desenv. SW Indústria de para transmissão Transmissão Provedores de Serviços de Telecomunicação (Internet, Tel. Celular, etc.)

8 Cadeia de Valor Novos players poderão achar um lugar onde se incorporar na cadeia de valor no futuro Provedores de Chipsets para TV Digital Provedores de SW embarcado (OS, JVM, Zapper, Marketing EPG, etc) Provedores de MW Ginga Provedores de Ferramentas de Desenv. de Apps. Ginga Setor Bancário e Financeiro Desenv. Aps. Interativas Indústria de Receptores Governo! Anunciantes Provedores TV por Assinatura Redes de!produtores Televisão de Conteúdo Aberta Interativos Telespectadores Desenv. SW para transmissão Varejo Provedores de Serviços de Telecomunicação (Internet, Tel. Celular, etc) Indústria de Transmissão Provedores de Conteúdos de Internet

9 O Ginga e a Interatividade O Middleware é a camada de software que permite o desenvolvimento de aplicações interativas para a TV Digital de forma independente da plataforma de hardware dos fabricantes de receptores digitais (set-top boxes). É capaz de executar aplicações interativas nativas (embarcadas pelo fabricante diretamente na memória do set-top box) ou transmitidas via sinal digital pelas redes de TV. O Brasil e outros 10 países da América Latina adotaram o Padrão Ginga, onde estas aplicações podem ser desenvolvidas nas linguagens Java, NCL ou Lua.

10 Padrão Ginga A especificação de Middleware Ginga de acordo com as normas ABNT para TV Digital Ginga MW Ginga-J Ginga-NCL APIs br.org.sbtvd XHTML + CSS + ECMAScript SMIL Transitions Mono-media Players LWUIT JavaDTV BRIDGE NCL Formatter LUA Script JavaTV 1.1 JMF JVM Ginga COMMON CORE CDC 1.1 / FP 1.1 / PBP 1.1

11 Interatividade A TV Digital ligada à rede de radiodifusão e à Internet pelo uso do canal de interatividade

12 Norma de Segurança Norma de Segurança A nova norma ABNT NBR (Parte 2) estabelece: Mecanismos de autenticação de aplicativos Ginga. Requisitos de segurança no uso do canal de interatividade para aplicações Ginga. A autenticação de aplicativos é baseada em assinaturas digitais conforme regras definidas pelo ICP-Brasil Suporte legal Uma aplicação autenticada é considerada segura e pode abrir conexões HTTPS, por exemplo.

13 Aplicações Seguras Aplicações Seguras x Não-Seguras Toda aplicação Ginga é executada em uma sand-box. Aplicações não-seguras somente tem acesso a um conjunto básico de recursos do receptor. Aplicações seguras podem solicitar acesso a outros recursos através de uma política de segurança. O receptor concede acesso ou não aos recursos solicitados na política de segurança Obedece restrições da plataforma

14 Execução em Ambiente Isolado Aplicações Seguras Apl. 3 Conteúdo da aplicação Assinatura digital Política de segurança Middleware/receptor Apl. 1 Apl. 2 Recursos sensíveis Aplicação autenticada

15 Política de Segurança Política de Segurança Política de segurança de uma aplicação contém solicitação de acesso a recursos sensíveis do receptor. Exemplos de recursos sensíveis: Canal de interatividade / acesso à Internet Conexões HTTPS Área de armazenamento persistente Comunicação entre aplicações

16 Suporte a Aplicações Java e NCL/Lua Aplicações Seguras Mecanismos de autenticação de aplicações e provisão de conexões seguras (SSL/TLS) integrado ao CommonCore do Middleware Ginga. Aplicações Java e NCL/Lua utilizam essa infra-estrutura de forma transparente.

17 Foco em segurança. Arquitetura de Segurança do Java Aplicações Seguras Garante a execução de código legítimo, com carga de classes de forma segura. Contém um grande conjunto de APIse implementa algoritmos, mecanismos e protocolos de segurança usados normalmente. Define um frameworkabrangente para a criação de aplicações seguras, baseado no uso de uma infra-estrutura de chaves públicas e de algoritmos criptográficos diversos. Permite a autenticação de aplicações e controle de acesso, impedindo o acesso não autorizado a recursos sensíveis. Simplifica o uso de técnicas de segurança.

18 Aplicações Seguras Aplicações Seguras! A infra-estrutura prevista pela norma de segurança na TV Digital permite a execução de: Aplicações de comércio eletrônico T-Commerce Aplicações bancárias T-Banking Por exemplo, é possível estabelecer um canal de comunicação seguro através de conexões seguras HTTPS com autenticação do servidor e do cliente

19 Certificação Certificados nas aplicações Ginga Os certificados digitaisusados para assinar aplicações Ginga serão exclusivos e terão atributos específicos, definidos pelo ICP-Brasil, para o âmbito de TV Digital. Autoridades Certificadoras privadas poderão emitir certificados mediante autorização do ICP-Brasil. Assinaturas digitaisgeradas a partir de certificados digitais emitidos dentro da hierarquia do ICP-Brasilpossuem validade jurídica.

20 Tecnologia de Segurança Uso de Tecnologia de Última Geração A Norma de segurança da TV Digital está em sintonia com as recomendações mais recentes do ICP-Brasil. Algoritmos criptográficos de última geração, voltados para dispositivos com pouca capacidade de processamento.

21 Tecnologia de Segurança Algoritmos de Segurança Assinatura de Aplicações Ginga Atualmente: RSA com mínimo de 1024 bits (criptografia assimétrica) com SHA-1 (hash) Seguindo novas recomendações do ICP-Brasil: Geração de hash Família SHA-2 (SHA-256, etc.) Criptografia assimétrica ECDSA (Curvas elípticas) -melhor performance em softwareembarcado em plataformas com recursos limitados

22 Algoritmos de Segurança Tecnologia de Segurança Conexões Seguras. Suporte básico a: SSL TLS 3DES (criptografia simétrica), RSA (criptografia assimétrica) e SHA-1 (hash) 3DES e AES (criptografia simétrica), RSA (criptografia assimétrica) e SHA-1 (hash) Compatível com o modelo usado em aplicações Web

23 T-Banking O antigo relacionamento: T-Banking O novo relacionamento:

24 Novos Dispositivos T-Banking O acesso ao banco através de diversos dispositivos traz: canais de vendas adicionais diminuição do volume de chamadas ao serviço de atendimento uma imagem inovadora satisfação e fidelização dos clientes

25 Fluxo da informação O fluxo da informação no T-banking: permite a sincronização de dados com o servidor possibilita rápido acesso a novos produtos mantém dados sincronizados com o back-end recebe feedback direto de campanhas de marketing da instituição financeira na mídia televisiva T-Banking

26 T-Banking Consultas Tipos de Aplicação Saldo de conta corrente e poupança Extrato de conta corrente e poupança Pagamentos Boletos de cobrança e convênios Transferência de valores Entre contas corrente e de poupança DOC/TED Operações com cartão de crédito Consulta e pagamentos de faturas Habilitação

27 T-Commerce O antigo relacionamento: T-Commerce O novo relacionamento: Potencial das novas plataformas: Mobilepaymentswilltriple to 670 US$B by2015

28 T-Commerce Potencial do T-Commerce Compras poderão ser feitas em decorrência dos anúncios e inserções nos programas de TV. Agilidade no merchandising associado a programas de TV Redução do tempo entre o anúncio e uma venda, o que deverá aumentar ainda mais os números do e-commerce no país. Integração com meios de pagamento alternativos.

29 Interatividade na TV: modelos de negócio

30 Modelo da Interatividade Interatividade tradicional e seu modelo de negócios na TV O modelo de interatividade do ISDB-T está sob o controle do radiodifusor e é baseado na transmissão de aplicações Ginga através do sinal da TV Digital. Estratégias dos radiodifusores: O modelo de negócios é similar ao da transmissão tradicional: anunciantes patrocinam inserções interativas na programação do canal ou compram espaço de propaganda em aplicações interativas. Os anunciantes podem agora produzir conteúdo de marketing contendo vídeo + conteúdo interativo que permitem levar mais informações ao consumidor sobre seus produtos. Os radiodifusores também têm o benefício adicional de modelos de interatividade plena em tempo real para programas que requerem feedback do telespectador. Esse feedback direto também beneficia anunciantes em relação a campanhas de marketing pela televisão.

31 Interatividade avançada: um novo cenário

32 Interatividade avançada O que são Stickers? Stickers são pequenas aplicações Ginga. Podem ser enviados pela emissora no sinal. Podem ser baixados pela banda larga de um repositório online. Podem ser pré-instalados pelo fabricante. Funcionam através de um modelo de negócios que inclui anunciantes e clientes das emissoras de TV que desejem enriquecer seu marketing através de conteúdo interativo associado ao conteúdo de mídia. Abrem a possibilidade de contato direto de anunciantes com telespectadores que podem interagir com seus produtos via TV. Podem fazer uso de toda a infra-estrutura de aplicações seguras.

33 Interatividade avançada Os Stickersrepresentam um modelo mais avançado de interatividade representado por uma barra de aplicativos oferecidos e gerenciados pelo Radiodifusor. Ela exibe apenas os Stickers enviados pela emissora atualmente sintonizada, que possui controle total sobre o gerenciamento deste conteúdo. Ao mudar de canal, novos Stickers serão mostrados.

34 Interatividade avançada Ao acessar um Broadcast Sticker este é exibido sobre o vídeo da emissora. Da mesma forma que no modelo tradicional de interatividade, a emissora gerencia este conteúdo, e escolhe a melhor prática de apresentação, funcionalidades e contexto de uso.

35 Interatividade e T-commerce Uma aplicação da emissora, normalmente ligada ao conteúdo, pode servir de grande potencial de vendas e merchandising e facilmente incluir facilidades de T-commerce.

36 Broadband Stickers Aplicativos do usuário com modelo de acesso à Internet

37 Interatividade avançada MyStickersé a área representada por um ícone que proporciona o acesso aos aplicativos armazenados na memória permanente do receptor e trazidos via Broadband. Cada usuário do receptor pode ter sua conta de acesso exclusiva.

38 Interatividade avançada Um Sticker armazenado nesta área pode ter vindo de fábrica na memória do receptor, ou pode ser baixado pelo usuário direto de uma AppStore. A emissora sintonizada pode incluir Broadcast Stickersna área dos MyStickers, onde se tornam disponíveis permanentemente para o usuário.

39 Exemplos do modelo de Stickers com aplicações de T-Banking e T-Commerce

40 Sticker Banco do Brasil: acesso a informações da conta corrente pela TV. T-Banking

41 Acesso ao portal de produtos do Walmartpela TV. T-Commerce

42 Acesso ao portal de produtos do Extra pela TV. T-Commerce

43 Solução de Convergência Solução que harmoniza diferentes cenários Controle do radiodifusor sobre os broadcast stickers. Amplia o potencial do modelo tradicional. Abertura de um modelo de negócios para Stickerspré-instalados onde o fabricante tem uma possibilidade de oferta para revenue-sharing com patrocinadores (bancos, instituições financeiras, cadeias de varejo, etc.). Inclui o conceito de uma Loja de Aplicativos aberta para que o usuário possa adquirir aplicações via broadband. É totalmente baseado no Ginga, o mais atualizado padrão aberto de interatividade no mundo, padrão internacional pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). Suporte da infra-estrutura de segurança para suportar aplicações seguras.

44 TDC 2011 T-Commerce e T-Banking Dúvidas Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos para TV Digital TOTVS TQTVD Fone(21)

45 TDC 2011 T-Commerce e T-Banking Referências I. Fórum de TV Digital II. TV Digital no Brasil III. Normas da TV Digital IV. FAQ oficial sobre a Interatividade na TV V. Adoção do padrão nipo-brasileiro de TV Digital (ISDB-TB) VI. Sticker Center

Entretenimento e Interatividade para TV Digital

Entretenimento e Interatividade para TV Digital Entretenimento e Interatividade para TV Digital Desenvolvimento de Aplicativos para TV Digital Interativa Rodrigo Cascão Araújo Diretor Comercial Apresentação da Empresa A EITV desenvolve software e provê

Leia mais

Entretenimento e Interatividade para TV Digital

Entretenimento e Interatividade para TV Digital Entretenimento e Interatividade para TV Digital Interatividade na TV Digital Ginga e Plataformas de Desenvolvimento Rodrigo Cascão Araújo Diretor Comercial O que é a TV Digital Transmissão da emissora

Leia mais

Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil

Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil Bruno Ghisi Engenheiro de Software weblogs.java.net/brunogh Alexandre Lemos Engenheiro de Software Objetivo Introduzir o conceito do cenário brasileiro de TV Digital,

Leia mais

Trilha TV Digital Aguinaldo Boquimpani

Trilha TV Digital Aguinaldo Boquimpani Trilha TV Digital Aguinaldo Boquimpani Consultor Independente Julho 2012 O Ginga Integrado com Novas Tecnologias Cloud TV, Multiscreen, Smart Devices Just Java 2012 AGENDA I. Ginga: Conceitos e Arquitetura

Leia mais

NCL e Java. Aquiles Burlamaqui

NCL e Java. Aquiles Burlamaqui Construindo programas de TV Digital Interativa usando NCL e Java Aquiles Burlamaqui Sumário Introdução Middleware Aplicações de TVDI Ginga NCL Ginga J Conclusões Introdução TV Digital Interativa O que

Leia mais

SUITE de TESTES: O desafio da conformidade de middleware. 24 de Agosto, 2010. 15:00 às s 17:00. Coordenação da SUITE de TESTES

SUITE de TESTES: O desafio da conformidade de middleware. 24 de Agosto, 2010. 15:00 às s 17:00. Coordenação da SUITE de TESTES SUITE de TESTES: O desafio da conformidade de middleware 24 de Agosto, 2010 15:00 às s 17:00 Coordenação da SUITE de TESTES O que é uma Norma? Documento, estabelecido por consenso e aprovado por organismo

Leia mais

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL

PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL PADRÕES DE MIDDLEWARE PARA TV DIGITAL Rafael V. Coelho Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Rio Grande - RS rafaelvc2@gmail.com Resumo. Este trabalho discute os tipos de Middleware usados

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011.

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa. Diemesleno Souza Carvalho. Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Diemesleno Souza Carvalho Dourados -MS, 20 de Abril de 2011. Sobre o Palestrante Tecnólogo em Sistemas para Internet. Pós-graduando MBA em Gestão de

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira 1 of 6 23/6/2010 22:40 GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 13/04/2009 O que é GINGA Posso falar com minhas próprias indagações

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Televisão; Stickercenter; Interatividade; Aplicativos; TV digital INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Televisão; Stickercenter; Interatividade; Aplicativos; TV digital INTRODUÇÃO Em Busca da Interatividade na Televisão: o Caso do Stickercenter 1 Taís Marina Tellaroli Fenelon 2 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS RESUMO Este artigo faz parte de investigação

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência eduardo.barrere@ice.ufjf.br Panorama Em 2011, a TV atingiu 96,9% (http://www.teleco.com.br/nrtv.asp) TV Digital Uma novidade???? TV Digital Resolve

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social Desenvolvimento de Aplicações Interativas GINGA NCL e LUA Projeto TV Digital Social Marco Antonio Munhoz da Silva DATAPREV Gestor do Proejeto TV Digital Social AGENDA Divisão dos assuntos em quatro partes

Leia mais

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas 1 Introdução Uma aplicação de TV Digital (TVD) comumente é composta por um vídeo principal associado a outros objetos (aplicações, imagens, vídeos, textos etc.), que são transmitidos em conjunto possibilitando

Leia mais

Projeto GingaForAll Especialização do GingaCC para Diversas Plataformas

Projeto GingaForAll Especialização do GingaCC para Diversas Plataformas Projeto GingaForAll Especialização do GingaCC para Diversas Plataformas Sindolfo Miranda Filho sindolfo@ppgsc.ufrn.br Departamento de Informática e Matematica Aplicada Polo de Tecnologia da Informação

Leia mais

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga Luiz Eduardo Cunha Leite 1 Sistema de TV Digital no Brasil 3G 1 Seg 2 PTSN, Internet, etc. Nível de Transporte TCP / IP -SI -Carrossel de Dados e Objetos -MPE

Leia mais

Entendendo a Certificação Digital

Entendendo a Certificação Digital Entendendo a Certificação Digital Novembro 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. O que é certificação digital?... 3 3. Como funciona a certificação digital?... 3 6. Obtendo certificados digitais... 6 8.

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

B ringing Al l U sers to the Television

B ringing Al l U sers to the Television PUC Minas Campus de Poços de Caldas Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Televisão Digital Interativa B ringing Al l U sers to the Television Prof. Dr. João Benedito dos Santos Junior Coordenador

Leia mais

Um framework para prover comunicação segura em aplicativos de TV Digital

Um framework para prover comunicação segura em aplicativos de TV Digital Um framework para prover comunicação segura em aplicativos de TV Digital Alexandro Bordignon, Valter Roesler Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). São

Leia mais

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital Middleware GINGA Desenvolvimento de Aplicações Interativas Linguagem NCL (Nested Context Language) Trabalhos em andamento 1 2 3 4 Maior resolução de imagem Melhor

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL *

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * Wellington Garcia PEREIRA 1 ; Hudson Henrique de Sousa LOPES

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

TV Dig ital - S ocial

TV Dig ital - S ocial Edson Luiz Castilhos Gerente Célula Software Livre - RS Marco Antonio Munhoz da Silva Gestor Projeto TV Digital Social 1 AGENDA O que é TV Digital? Histórico TV Analógica x TV Digital Sistema de TV Digital

Leia mais

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox 701P28680 Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnósticos de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa

Leia mais

TIC TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - DOC CONTABILIDADE DE OLHO NA TECNOLOGIA

TIC TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - DOC CONTABILIDADE DE OLHO NA TECNOLOGIA O que é o Ginga? Tire suas dúvidas sobre o sistema de interatividade na TV digital que será obrigatório a partir do ano que vem O Ginga se tornará obrigatório para 75% dos modelos fabricados no País a

Leia mais

Bringing All Users to the Television

Bringing All Users to the Television PUC Minas Campus de Poços de Caldas Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Televisão Digital Interativa Bringing All Users to the Television Guia de Instalação, Configuração e Desenvolvimento

Leia mais

Termo de Referência ANEXO B ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Termo de Referência ANEXO B ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 007/014-3700/3000 05/06/014 LOTE 1 ANEXO B DO TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Item 1 - Certificados de A3 em mídia de token. 1.1.1 Emitido por autoridade certificadora credenciada pela Infraestrutura

Leia mais

Mecanismo para Armazenamento das Interações dos Usuários de Set-top Box em uma Ferramenta para Análise de Interação

Mecanismo para Armazenamento das Interações dos Usuários de Set-top Box em uma Ferramenta para Análise de Interação Mecanismo para Armazenamento das Interações dos Usuários de Set-top Box em uma Ferramenta para Análise de Interação BASÍLIO, Samuel da Costa Alves BARRÈRE, Eduardo RESUMO O Sistema Brasileiro de Televisão

Leia mais

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Bruno de Sousa Monteiro Orientação: Prof. Dr. Fernando da Fonseca de Souza Prof. Dr. Alex Sandro Gomes 1 Roteiro

Leia mais

Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP)

Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP) Universidade de Brasília UnB Escola de Extensão Curso Criptografia e Segurança na Informática Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP) Aluno: Orlando Batista da Silva Neto Prof: Pedro Antônio Dourado

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Sávio Luiz de Oliveira Almeida 1, Frederico Coelho 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Barbacena MG Brasil 2 Departamento de Ciência

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

A nova fase da TV Digital Brasileira

A nova fase da TV Digital Brasileira INTERATIVIDADE A nova fase da TV Digital Brasileira No fim de 2012 a TV Câmara dos Deputados e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) começaram os testes para a implementação da TV Interativa na rede pública

Leia mais

Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP

Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Criptografia na Proteção da Tecnologia da Informação: Tendências e Desafios Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Organização A integração de sistemas em larga escala contribuiu enormemente para

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança na Web A Internet é considerada essencial nos Planos de Negócios das empresas para alavancar lucros O ambiente capilar

Leia mais

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro 78 Milhões de usuários de internet no Brasil Tíquete médio de compras pela web em 2011 foi de R$ 350,00 São mais de 3.000 de

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Conformidade não é supérfluo! Nossos desafios em segurança, acessibilidade. Norma de segurança de aplicativos

Conformidade não é supérfluo! Nossos desafios em segurança, acessibilidade. Norma de segurança de aplicativos Conformidade não é supérfluo! Nossos desafios em segurança, interatividade avançada e acessibilidade Norma de segurança de aplicativos Quem Somos Laboratório de Sistemas Integráveis Escola Politécnica

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

Demonstrações: Requisitos do M iddleware

Demonstrações: Requisitos do M iddleware 1 Copyright 2012 TeleMídia Agenda Introdução à TV Digital Demonstrações: Requisitos do M iddleware M odelo de Referência Ginga: NCL (Lua) Considerações Finais 2 Copyright 2012 TeleMídia Copyright Laboratório

Leia mais

Utilização de uma Arquitetura e um Modelo Escalável para um Programa de EAD Meditizado pela TV Digital Interativa 1

Utilização de uma Arquitetura e um Modelo Escalável para um Programa de EAD Meditizado pela TV Digital Interativa 1 Utilização de uma Arquitetura e um Modelo Escalável para um Programa de EAD Meditizado pela TV Digital Interativa 1 Sergio Ferreira do Amaral 2 Carlos Otávio Schocair Mendes 3 Mônica Cristina Garbin 4

Leia mais

Televisão Digital Interativa se faz com Ginga. Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB

Televisão Digital Interativa se faz com Ginga. Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB Televisão Digital Interativa se faz com Ginga Guido Lemos de Souza Filho LAVID DI - UFPB Instituições Selecionadas para Elaborar Propostas de Alternativas Tecnológicas Requisitos básicos b do SBTVD Robustez

Leia mais

Apresentação da plataforma

Apresentação da plataforma SMS CORPORATIVO Apresentação da plataforma Vitor Lopes Maio de 2010 Conteúdo 1. VISÃO GERAL... 3 1.1 COBERTURA SMS NO BRASIL... 3 2. VANTAGENS DO SMS... 4 2.1 SMS É A FERRAMENTA QUE ESTÁ MAIS PRÓXIMA DO

Leia mais

Desenvolvendo aplicações Java para TV Digital Ginga-J. Carlos Fernando Gonçalves César Augusto Fusca Thiago G. Vespa

Desenvolvendo aplicações Java para TV Digital Ginga-J. Carlos Fernando Gonçalves César Augusto Fusca Thiago G. Vespa Desenvolvendo aplicações Java para TV Digital Ginga-J Carlos Fernando Gonçalves César Augusto Fusca Thiago G. Vespa Agenda Motivação Introdução Interatividade nas emissoras de TV Middleware Ginga Ginga

Leia mais

TV Interativa. 1 Aplicações em Ginga-NCL Copyright 2006 TeleMídia. serg

TV Interativa. 1 Aplicações em Ginga-NCL Copyright 2006 TeleMídia. serg TV Interativa 1 Aplicações em Ginga-NCL Copyright 2006 TeleMídia TV Digital Melhor imagem Melhor som 2 Aplicações em Ginga-NCL Copyright 2006 TeleMídia Co-Canal 3 Aplicações em Ginga-NCL Copyright 2006

Leia mais

Ginga-J: O Java na TV brasileira e no mundo! Os novos avanços rumo à TV Interativa

Ginga-J: O Java na TV brasileira e no mundo! Os novos avanços rumo à TV Interativa : : www.mundoj.com.br : : Mário de Sá Vera (mario.vera@m4u.com.br) é graduado em Ciência da Computação pela Universidade Federal Fluminense e trabalha com Arquitetura de Sistemas utilizando Orientação

Leia mais

Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV

Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV Visão Geral das Tecnologias Envolvidas no Desenvolvimento de Aplicações Interativas para o Sistema Brasileiro de TV Felipe S. PEREIRA 1, Danielle COSTA 2 1 aluno do curso de Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

WHITE PAPER CERTIFICADOS SSL

WHITE PAPER CERTIFICADOS SSL WHITE PAPER CERTIFICADOS SSL Importância da Autoridade Certificadora, instalação e gerenciamento automatizados Certificados SSL são vitais para proteger comunicações. Desde que foi desenvolvida, essa tecnologia

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Proposta para Grupo de Trabalho GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Guido Lemos de Souza Filho 10/09/2005 1. Título GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital 2. Coordenador Guido Lemos de Souza Filho guido@lavid.ufpb.br

Leia mais

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição 2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição Alguns dos aspectos mais importantes na arquitetura proposta nesta dissertação são: a geração dinâmica de conteúdo e a utilização de templates de

Leia mais

A sua empresa em contato com o mundo. Ferramenta de envio de SMS

A sua empresa em contato com o mundo. Ferramenta de envio de SMS A sua empresa em contato com o mundo Ferramenta de envio de SMS A Talktelecom Líder na América Latina em telefonia computadorizada Compete no mercado desde 1992 com soluções em telecomunicações Em plena

Leia mais

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Felipe Martins de Lima Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital

Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital 1 Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital Eduardo Barrére Universidade Federal de Juiz de Fora eduardo.barrere@ice.ufjf.br Paula Marin Leite Universidade Federal de

Leia mais

Ementário das Disciplinas

Ementário das Disciplinas Ementário das Disciplinas As ementas das disciplinas estão agrupadas em semestres para uma melhor visualização da organização da matriz curricular. As referências bibliográficas serão especificadas no

Leia mais

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?...

O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Conteúdo do ebook O que é Black Fraude?... Como comunicar seus clientes sobre sua participação na Black Friday... Como Manter seu site seguro para a Black Friday?... Deixando sua loja virtual mais rápida

Leia mais

BRASIL 4D. A REALIDADE DA TV DIGITAL INTERATIVA

BRASIL 4D. A REALIDADE DA TV DIGITAL INTERATIVA BRASIL 4D. A REALIDADE DA TV DIGITAL INTERATIVA Prof. Dr. André Barbosa Filho Quando iniciamos, em 2012, a trajetória em busca de soluções para a introdução de vídeos interativos no projeto de TV Digital

Leia mais

POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR

POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR (PC SERASA AC GLOBAL) Autor: Serasa S.A. Edição: 20/01/2009 Versão: 1.3 1 INTRODUÇÃO 1.1 Visão Geral Esta

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

Política de privacidade do Movimento Certo Ginástica Laboral Online Última atualização: 17 de março de 2015

Política de privacidade do Movimento Certo Ginástica Laboral Online Última atualização: 17 de março de 2015 Política de privacidade do Movimento Certo Ginástica Laboral Online Última atualização: 17 de março de 2015 Esta Política de privacidade estabelece nossas políticas e procedimentos para coletar, usar e

Leia mais

Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP

Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional. Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Algoritmos Criptográficos Panorama Internacional Prof. Dr. Paulo S. L. M. Barreto LARC/PCS/EPUSP Organização Segurança da informação: conceitos. Algoritmos criptográficos: estado-da-arte no cenário internacional.

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

White Label : Vencendo os Desafios do Mercado de Serviços em Nuvem.

White Label : Vencendo os Desafios do Mercado de Serviços em Nuvem. White Label : Vencendo os Desafios do Mercado de Serviços em Nuvem. 2013 foi um excelente ano para o mercado brasileiro de serviços em nuvem para PMEs, gerando R$4B em receitas. 02 R$2.2B Gerados em 2012

Leia mais

SICOOBNET EMPRESARIAL

SICOOBNET EMPRESARIAL SICOOBNET EMPRESARIAL Apresentação do produto Características principais Segurança Procedimentos para utilização Adesão Instalação Cadastro de computador Transações disponíveis AGENDA APRESENTAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO

FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO 1. PORQUE A SW1... 2 2. 10 MOTIVOS PARA CONTRATAR... 2 3. ESTUDO DE CASO... 3 4. SOLUÇÃO PROPOSTA... 3 5. CONDIÇÕES COMERCIAIS... 9 6.

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital

Criptografia e Certificação Digital Criptografia e Certificação Digital Conheça os nossos produtos em criptografia e certificação digital. Um deles irá atender às necessidades de sua instituição. Criptografia e Certificação Digital Conheça

Leia mais

Seminário de Lei de Informática. Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial

Seminário de Lei de Informática. Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial Seminário de Lei de Informática Francisco Siqueira de Sousa Gerente Comercial Conteúdo Introdução Casos de Sucesso IMPORTÂNCIA DA LEI Estabelece uma Política de Desenvolvimento Nacional; Estimula a inserção

Leia mais

Cartilha: Certificado Digital

Cartilha: Certificado Digital Certificação de Entidades Beneficientes de Assistência Social - CEBAS - 1 - Ministério da Educação Secretaria Executiva Secretaria de Educação Continuada, Alfabetizada e Diversidade Diretoria de Tecnologia

Leia mais

Provedor de Digital Signage. Apresentação Comercial. contato@rj21.net www.rj21.net

Provedor de Digital Signage. Apresentação Comercial. contato@rj21.net www.rj21.net Apresentação Comercial contato@rj21.net www.rj21.net O que é Digital Signage? Uma mídia dinâmica e interativa Exibe mensagens digitais em pontos de venda, espaços públicos, transportes, TVs corporativas,

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação.

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação. 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13 Índice 1. Criptografia...3 1.1 Sistemas de criptografia... 3 1.1.1 Chave simétrica... 3 1.1.2 Chave pública... 4 1.1.3 Chave pública SSL... 4 2. O símbolo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PROPÓTIPO DE UM SET TOP BOX COM O MIDDLEWARE GINGA, NO RASPBERRY PI COM UM SISTEMA EMBARCADO LINUX

DESENVOLVIMENTO DE UM PROPÓTIPO DE UM SET TOP BOX COM O MIDDLEWARE GINGA, NO RASPBERRY PI COM UM SISTEMA EMBARCADO LINUX DESENVOLVIMENTO DE UM PROPÓTIPO DE UM SET TOP BOX COM O MIDDLEWARE GINGA, NO RASPBERRY PI COM UM SISTEMA EMBARCADO LINUX A. B. Nunes (IC) ¹ ; N. Freitas (IC)¹; R. Alcântara (IC)²; V. Silveira (IC)²; Jessé

Leia mais

Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação.

Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação. Há 15 anos, a Bertholdo é uma empresa especializada em soluções de tecnologia da informação e comunicação. Desenvolvemos lojas virtuais, websites, portais, intranets, webmails, hotsites, entre outros serviços

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação WatchKey WatchKey USB PKI Token Manual de Instalação e Operação Versão Windows Copyright 2011 Watchdata Technologies. Todos os direitos reservados. É expressamente proibido copiar e distribuir o conteúdo

Leia mais

Projeto SAT FISCAL Sistema Autenticador e Transmissor CF-e Cupons Fiscais Eletrônicos GRANDES CONTRIBUINTES SAT - FISCAL

Projeto SAT FISCAL Sistema Autenticador e Transmissor CF-e Cupons Fiscais Eletrônicos GRANDES CONTRIBUINTES SAT - FISCAL Projeto SAT FISCAL Sistema Autenticador e Transmissor CF-e Cupons Fiscais Eletrônicos GRANDES CONTRIBUINTES Agenda da Apresentação Objetivo Premissas Produtos Características Equipamento SAT Hardware Software

Leia mais

Segurança em Internet Banking.

Segurança em Internet Banking. <Nome> <Instituição> <e-mail> Segurança em Internet Banking Agenda Internet Banking Riscos principais Cuidados a serem tomados Créditos Internet Banking (1/4) Permite: realizar ações disponíveis nas agências

Leia mais

Oficial Escrevente 2013. Informática Questões

Oficial Escrevente 2013. Informática Questões Oficial Escrevente 2013 Informática Questões 1) FAURGS - TJ - AUXILIAR DE COMUNICAÇÃO TJM - 2012 CERTIFICADO DIGITAL CERTIFICADO DIGITAL Funciona como uma identidade virtual CERTIFICADO DIGITAL Permite

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL. Caro cliente,

PROPOSTA COMERCIAL. Caro cliente, PROPOSTA COMERCIAL Caro cliente, O MakerPlanet.COM é uma empresa que oferece serviçso de hospedagem especializado em publicação de aplicações Maker na internet. Todos os nossos planos são totalmente compatíveis

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

ICP-EDU II. Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores. Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG. Portal: http://icpedu.labsec.ufsc.

ICP-EDU II. Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores. Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG. Portal: http://icpedu.labsec.ufsc. ICP-EDU II Módulo de HW e Serviços Seguros em Redes de Computadores Projeto RNP/UFSC/Unicamp/UFMG Rio de Janeiro, 10 de Agosto de 2004 Portal: http://icpedu.labsec.ufsc.br Sumário Objetivos ICP-EDU I e

Leia mais

Sicoobnet Empresarial. Manual do Usuário. Versão 1.3

Sicoobnet Empresarial. Manual do Usuário. Versão 1.3 Sicoobnet Empresarial Manual do Versão. Manual do Data: /07/00 Histórico Data Versão Descrição Autor 04/0/008.0 Criação do Manual Ileana Karla 0//008. Revisão Luiz Filipe Barbosa /07/00. Atualização Márcia

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Resumos Volume 1, Julho de 2015 Segurança da Informação POPULARIZAÇÃO DA INFORMÁTICA Com a popularização da internet, tecnologias que antes eram restritas a profissionais tornaram-se abertas, democratizando

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia 1.00.00.00-3 - CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.03.00.00-7 - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Canal seguro de comunicação. André Luiz Lehmann

Canal seguro de comunicação. André Luiz Lehmann Canal seguro de comunicação VoIP na plataforma Android André Luiz Lehmann Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Conclusão Extensões Introdução VoIP Redução de custos Plataforma

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Criptografia Revisando A criptografia trata da escrita de um texto em códigos de forma a torná-lo incompreensível; A informação

Leia mais