A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO"

Transcrição

1 A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa na manchete de duas capas veiculadas pela revista Veja, em que as estruturas sintáticas das sentenças permitem explicitar, suprimir e até mesmo conduzir determinada leitura. A partir dos estudos de Austin (1958) que analisa a língua como uma forma de ação, tem-se como objetivo discutir como determinadas construções utilizadas como manchetes permitem determinadas interpretações. A linguagem sendo social, segundo Bakhtin, não pode ser vista fora das relações que ligam um ser humano ao outro. Fundamental para analisar o texto publicitário, neste caso as duas capas da Veja, seria, nesta perspectiva, entender o momento sócio-histórico de sua produção. O jornalista seleciona os sinais (imagens, cores, motivos, contexto) que sejam os dominados e reconhecidos pelo interlocutor. Quando se tem uma análise estrutural de traços discursivos específicos sem relacionar com contextos socioculturais tem-se um exercício teórico pouco abrangente. A partir do trabalho feito percebe-se que ambos os enfoques são importantes, no entanto, acredita-se que estes deveriam ser integrados. De um lado uma análise sintática e semântica fundamentada, integrada a uma abordagem sociológica. INTRODUÇÃO Segundo Ducrot (1980), a significação é representada como um conjunto de instruções dadas às pessoas que precisam interpretar os enunciados das frases. Ao fazer estas interpretações, ou ainda, ao associar sentidos aos enunciados observa-se a significação das frases. Para tanto, quando se está diante de determinados enunciados é necessário observar de que lugar fala o locutor, e qual o alcance da asserção feita pelo

2 mesmo. O que determinado enunciado está comunicando e até que momento ocorre a persuasão. De acordo com Dittrich (2003, p:22), através da linguagem se transmitem conhecimentos(informações) ao interlocutor e se tenta persuadi-lo sobre determinados pontos de vista(argumentação) A linguagem, como qualquer outro aspecto da realidade, não se apresenta previamente organizada em uma série clara e incontroversa de fatos. Algumas frases são organizadas e seu significado depende de modo regular do significado das expressões que as compõem e do modo como elas são combinadas. Segundo Bakhtin (1988), não escolhemos determinada palavra porque esta carrega um tom emocional, ou comporta determinado juízo de valor, partimos das intenções que presidem o todo do nosso enunciado e que este construído socialmente é sempre expressivo. A significação é construída socialmente. A emoção, o juízo de valor, a expressão são coisas alheias à palavra dentro da língua e só nascem graças ao processo de sua utilização ativa no enunciado concreto (BAKHTIN, 1979, p. 311). Observar como esta significação ocorre em enunciados produzidos em capas de revista parece apropriado para entender como os significados são construídos e ao mesmo tempo como o que é informado tende a persuadir o interlocutor a concordar com a abordagem apresentada pela revista.

3 Para Dittrich (2003, p:33), a tarefa das reportagens seria a de apresentar informações e explicar o que elas significam para que o leitor tire suas próprias conclusões a respeito dos fatos. No entanto, nem sempre os enunciados presentes nas reportagens, mais especificamente, nas capas de revistas, são isentos de argumentação tendenciosa. O que muitas vezes não é percebido pelo leitor ou mesmo pelo analista. A escolha de um adjetivo, por exemplo, indica uma opção em relação a outros, ou utilizar o discurso relatado pode ser uma estratégia discursiva que induz a uma determinada interpretação. O que se pretende neste trabalho é analisar como determinadas informações são veiculadas e como estas formam opinião. Observar até que ponto a linguagem e a realidade estão sujeitas às inferências da informação dada e de quem produz. Para tanto, parte-se de duas vertentes: uma da semântica argumentativa e outra pautada na análise sociolingüística. Nesta perspectiva análises muito interessantes têm revelado facetas sobre o funcionamento da linguagem em especial as propostas derivadas dos trabalhos de Bakhtin e Ducrot, apesar de alguns estudiosos da linguagem deixarem bem claro que quanto ao aspecto metodológico ambos têm posições diferentes. Segundo Bakhtin(1979) os sujeitos constroem conhecimentos em contextos, historicamente determinados, sobre a base de suas representações anteriores.o ser humano não pode ser concebido fora das relações que o ligam ao outro. Logo, segundo o autor toda a palavra é dialógica, pois a linguagem é social A enunciação é compreendida

4 como réplica do diálogo social, é a unidade base da língua. É de natureza social, portanto ideológica. Ela não existe fora de um contexto social. O enunciado é o elo na cadeia da comunicação verbal. Representa a instância ativa do locutor numa ou noutra esfera do objeto de sentido. Não lidamos com a palavra isolada funcionando como unidade da língua, nem com a significação dessa palavra, mas com o enunciado acabado e com um significado concreto: o conteúdo desse enunciado. Nossos enunciados estão repletos, portanto de palavras do outro, as quais assimilamos, reestruturamos, modificamos. Os enunciados estão cheios de ecos e lembranças de outros enunciados que se organizam nas relações sociais. O enunciado tem um autor e um destinatário, ou seja, ele precede de alguém e se dirige a alguém. Importante entender que esse destinatário, ou seja, as vozes a que se dirige o enunciado podem ser temporal, espacial e socialmente distante, indo para além dos falantes em uma situação concreta de interação verbal. Estes mantêm uma relação dialógica. Utilizando Marx, somente ao ser enunciado na palavra um pensamento torna-se real para o outro e, portanto, para si mesmo. A língua existe não por si mesma, mas somente em conjunção com a estrutura individual de uma enunciação concreta. É apenas através de enunciação que a língua toma contato com a comunicação, imbui-se do seu poder vital e torna-se realidade. As condições da comunicação verbal, suas formas e seus métodos de diferenciação são determinados pelas condições sociais. Bakhtin não valoriza a questão semântica em si,

5 mas examina o que, na palavra, é pessoal e o que é do outro. Já, Ducrot (1987), situado numa perspectiva diferente, semântica argumentativa, cujo problema fundamental é saber porque é possível servir-se de palavras para exercer uma influência, porque certas palavras, em certas circunstâncias, são dotadas de eficácia, parte do pressuposto de que o sentido do enunciado é uma descrição de sua enunciação e para essa descrição o enunciado fornece indicações, no seu próprio sentido, sobre o/os autores eventuais da enunciação. Esta vista como o fato de que um enunciado aparece. Para ele, o sentido de um enunciado consiste em uma representação de sua enunciação, representação aqui vista no sentido teatral. Ao dar existência a alguma coisa que não existia antes de se falar e que não existirá depois, a esta aparição, Ducrot chama de enunciação. Segundo ele a realização de um enunciado é de fato um acontecimento histórico: é dado existência a alguma coisa que não existia antes de se falar e que não existirá mais depois. A significação, para o autor, não está ligada a situação de discurso, mas a um conjunto de instruções dadas às pessoas que têm que interpretar os enunciados da frase, instruções que especificam que manobras realizar para associar um sentido a estes enunciados. Contra a tese de unicidade do sujeito, Ducrot apresenta os sujeitos aos quais se atribui à enunciação : os enunciadores e os locutores. A figura do locutor como sendo aquele a quem se deve imputar a responsabilidade do enunciado, como o responsável pelo dizer, não um ser no mundo, pois trata-se de uma ficção discursiva. Em casos como o de

6 dupla enunciação principalmente no discurso relatado direto Ducrot afirma que há a presença de dois locutores, um que pode ser considerado o responsável pela totalidade do enunciado e o outro responsável por parte do enunciado. Os enunciadores são os sujeitos dos atos ilocutórios elementares (afirmações, recusas, perguntas, incitações, desejos, (augúrios), exclamação), são as encenações de pontos de vista, de perspectivas diferentes no interior do enunciado. Para explicar estes sujeitos Ducrot (p:198,211) se utiliza da metáfora teatral, em que o autor (que corresponde ao locutor) coloca em cena as personagens (correspondentes aos enunciadores). Os locutores são aqueles que são apresentados no enunciado como seus responsáveis e os enunciadores são os seres cujas vozes estão presentes na enunciação. Segundo Van Dijk (2002, p.:40), os usuários da linguagem entenderam um discurso quando este o representa conceitualmente na memória. Quando tiveram experiências prévias, como ter lido outros discursos sobre o mesmo tipo de fato, estes fornecem o conhecimento e a base referencial para o processo de interpretação. Qual a interpretação que os leitores fazem ao se depararem com os seguintes enunciados: Fonte: Revista Veja, Editora Abril, Edição 1559, Fonte: Revista Veja, Editora Abril, Edição 1561, 12/08/98, Ano 31, n o /08/98, Ano 31, n o 34. São dois enunciados diferentes. Um produzido em 12/08/98 e o outro em

7 26/08/98. O título possui as mesmas palavras, um verbo e um pronome. No entanto são diferentes. O sentido do enunciado é alterado. Há na frase senhas, instruções que nos levam a compreender o seu sentido. Na utilização da primeira frase Fui eu, e na segunda observa-se que as intenções argumentativas são totalmente diferentes, e estas estão marcadas no âmbito da frase. Surge aí, um ponto de vista de um enunciador posto em cena pelos enunciados. Em qualquer situação que se ouça o enunciado: Fui eu, a interpretação primeira é de uma confissão que se faz por determinada ação. O que nos leva a determinadas conclusões. Na primeira ocorrência temos: VEJA ouviu: Fui eu. O uso dos dois pontos e das aspas indica o registro real da fala do criminoso. Segundo Catach (1980) os sinais são ideográficos, ou seja, diretamente portadores de sentidos. Há a partir do uso dos dois pontos a demarcação das vozes Locutor 1 = VEJA ouviu: Locutor 2 = Fui eu. A polifonia está marcada a partir do uso da pontuação e das aspas. Marca um discurso

8 que foi efetivamente realizado. O locutor 1 ( VEJA ouviu) pode ser considerado a origem do enunciado, aqui respaldada pela sua imagem de seriedade, revista dirigida a um grupo de intelectuais, empresários, portanto carregada de cunho de verdade. O locutor 2 ( Fui eu ) é a fala relatada. Na segunda ocorrência temos Deu a louca no Império Fui eu Não há a presença de um verbo indicando a fala (os chamados verbos dicendi), não há pontuação, nem aspas. De quem são essas vozes? Não há um locutor marcado, simplesmente uma constatação (Deu a louca no Império). Não há um alguém que ouviu a frase Fui eu. Ela está deslocada, solta. O fui eu pode se referir a qualquer locutor. Esse eu que está expresso se refere a Bill Clinton? Observa-se que há a utilização por parte de um enunciador da forma pronominal eu, retomando o eu da capa anterior. No entanto, a pontuação e as aspas foram retiradas, o efeito é outro. A frase Fui eu neste caso não se refere nem ao locutor, nem ao autor do enunciado. Refere-se àquilo que a comunidade de falantes acredita que um culpado fala para se acusar. Refere-se a todos que se confessam culpados de um determinado ato. Neste caso foi imputada a culpa ao presidente, há um fazer falar um outro, atribuir-lhe a responsabilidade das falas, o que não implica a responsabilidade dessa fala.

9 O enunciador em ambos os casos não pode ser responsabilizado pelo uso desse material lingüístico. No primeiro caso usa-se VEJA e Francisco de Assis. A pontuação e as aspas marcam a fala do locutor 2 como sendo efetivamente dele. No segundo caso não há um responsável nem por ter falado, nem por ter ouvido. O enunciador neste caso, não tem identidade específica. Quem vai imputar a responsabilidade pela enunciação, que vai constituir o sentido, neste caso, são os leitores da revista. Em relação ao uso do discurso indireto, há uma mudança de posição do locutor que evidencia o distanciamento do enunciador: Francisco de Assis, o suspeito de ser o maníaco do parque, disse que matou nove mulheres. Não há mais a presença do Locutor 1( VEJA), nem o pronome eu. Há um aposto (o suspeito de ser o maníaco do parque) utilizado como dispositivo de manipulação da opinião do leitor, o termo tem um forte poder de persuasão. Os termos, maníaco e suspeito são marcadamente ideológicos. Quem é um maníaco sexual? No segundo caso ocorre o seguinte: Bill Clinton confessa ter feito sexo com a estagiária. A utilização do verbo confessa neste segundo caso, não traz maiores conseqüências ao enunciador, já que fazer sexo é algo naturalmente aceito socialmente. O que chama a atenção é a frase seguinte: Depois bombardeia o Sudão e o Afeganistão. Depois do quê? De ter feito sexo? Colocada como que displicentemente, como se não fizesse parte do texto ou numa outra possibilidade de leitura, a seqüência inesperada pode apontar para um possível desvio da atenção do leitor. Uma tentativa de desviar o tema

10 sexo para o tema bombardeio que seria muito mais condizente com a imagem de um presidente do que escândalo sexual. Outro fato é o uso dos verbos dizer e confessar. O verbo confessar tem um caráter muito mais enfático em relação à culpa do que o verbo dizer. Declarar-se confesso é assumir a culpa. Porém a colocação do verbo no enunciado não leva a esta pressuposição. 1- disse que matou 2- confessou ter feito sexo A primeira frase não admite contestação. Ele matou. Na frase 2 confessou ter feito é diferente de confessou que fez. A locução verbal apresenta um tom mais neutro, como se a ação fosse banal, sem importância. Esta escolha, muitas vezes sutil, de pressupostos, submete o leitor a um jogo de intenções marcadas na língua. No caso das capas de VEJA, a linguagem verbal (em conjunto com a não verbal) visa através da argumentação convencer o leitor. O discurso guiado pela linha editorial provoca significações, seja de forma explícita ou implícita. Os mecanismos aqui analisados mostram o direcionamento dessas significações. O que permite as análises aqui desenvolvidas está no escrito, mas principalmente na utilização num primeiro momento, da entrevista feita com o maníaco do parque, e depois a utilização da mesma frase para conseguir o efeito produzido. A retomada da capa anterior reforça e conduz a leitura. Ao se deparar com as frases em destaque, o leitor poderia se perguntar qual a diferença entre Francisco de Assis Pereira e Bill Clinton. São

11 criminosos confessos e maníacos. Um é o presidente dos Estados Unidos, o outro é um motoboy brasileiro. Um faz sexo e mata a mulher, o outro faz sexo e manda matar pessoas, não por suas mãos, mas através de bombardeios que provocaram a morte de 20 pessoas. Um é condenado, o outro não é visto como criminoso, pois o sexo é visto como deslize e o bombardeio como conseqüência de quem está no poder e tem que defender o seu país de possíveis armas químicas. A linguagem sendo social, segundo Bakhtin, não pode ser vista fora das relações que ligam um ser humano ao outro. Fundamental para analisar o texto publicitário, neste caso as duas capas da Veja, seria, nesta perspectiva, entender o momento sócio-histórico de sua produção. Há uma orientação da palavra em função do interlocutor. As capas analisadas são dirigidas a um público específico ( origem, faixa etária, localização, formação cultural, profissão, hábitos, costumes, tendências e também poder aquisitivo). O publicitário seleciona os sinais (imagens, cores, motivos, contexto) que sejam os dominados e reconhecidos pelo interlocutor. Segundo Bakhtin, a enunciação é produto da interação de dois indivíduos socialmente organizados e, mesmo que não haja um interlocutor real, este pode ser substituído pelo representante médio do grupo social ao qual pertence o locutor. (1988, p:112) Numa análise nesta perspectiva, seria necessário conhecer o extraverbal. Pode-se questionar porque a revista Veja, apresentou estas duas capas, no espaço de uma semana.

12 Porque esta relação entre Bill Clinton e o maníaco do parque. Interessante também observar as imagens dos dois, na mesma posição e com o mesmo olhar. O destaque nas cores das letras, em branco. Seria necessário também analisar quem a revista VEJA representa no mercado editorial brasileiro, quem são seus leitores. Há um objetivo de convencer, passar uma idéia para o leitor, seja ela real ou escamoteada. CONSIDERAÇÕES FINAIS A análise feita não tem pretensão de absoluta concretização e finalização de idéias em torno do assunto que, sem sombra de dúvida, merece ser melhor explorado e discutido. O que se observa é que quando se presta atenção a conteúdo, forma ou estilo tem-se uma avaliação de dimensões sociais ou ideológicas de jornalistas ou jornais. Quando se tem uma análise estrutural de traços discursivos específicos sem relacionar com contextos socioculturais tem-se um exercício teórico pouco abrangente. A partir do trabalho feito percebe-se que ambos os enfoques são importantes, no entanto, acredita-se que estes deveriam ser integrados. De um lado uma análise sintática e semântica fundamentada, integrada a uma abordagem sociológica. BIBLIOGRAFIA BAKHTIN, Mikhail. Ideologia e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 2002.

13 Estética e Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, DIJK, Teun Van. Cognição, discurso e interação. São Paulo: Contexto, DITTRICH, Ivo José. Lingüística e jornalismo: dos sentidos à argumentação. Cascavel: Edunioeste, DUCROT, Oswald. O Dizer e o dito. Campinas. Pontes, Provar e dizer: linguagem e lógica. São Paulo: Global, GUIMARÃES, Eduardo. (Org) História e Sentido na Linguagem. Campinas: Pontes, KOCH, Ingedore Villaça. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, DITTRICH, Ivo José. Lingüística e jornalismo: dos sentidos à argumentação. Cascavel: Edunioeste, 2003.

14

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO Ana Karla Pereira de MIRANDA Universidade Federal do Mato Grosso do Sul PPGMEL ak_miranda@hotmail.com Resumo:

Leia mais

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende Nosso trabalho fala da argumentação e como utilizamos recursos argumentativos dentro da linguagem, e esta argumentação traz tanto efeitos positivos

Leia mais

A fome sob o paradigma da notícia: uma análise dos jornais Folha de S. Paulo e O Dia

A fome sob o paradigma da notícia: uma análise dos jornais Folha de S. Paulo e O Dia A fome sob o paradigma da notícia: uma análise dos jornais Folha de S. Paulo e O Dia Por Denise Paro Universidade Estadual Paulista (Unesp-Bauru) Mestranda em Comunicação deniseparo@uol.com.br Palavras

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS Marcus Vinícius Batista Nascimento Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP RESUMO

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 Emanoel Barbosa de Sousa - UFC Maria Lourdilene Vieira Barbosa UFMG Resumo: Considerando os elementos responsáveis pela interpretação

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO

TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO RESUMO TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO Laura Amaral Kümmel Frydrych (UFRGS) Luiza Milano Surreaux (UFRGS) O presente trabalho propõe apresentar uma abordagem teórico-metodológica

Leia mais

A ação exotópica do professor pesquisador: uma reflexão sobre pesquisa-ação

A ação exotópica do professor pesquisador: uma reflexão sobre pesquisa-ação A ação exotópica do professor pesquisador: uma reflexão sobre pesquisa-ação Cristiane Alvarenga Rocha Santos 1 Jane Quintiliano Guimarães Silva 2 Acho que esse assunto de professor pesquisador é muito

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS Petrilson Alan Pinheiro (petrilsonpinheiro@yahoo.com.br petripinheiro@yahoo.com) RESUMO O grande interesse por questões acerca das

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006.

PICCARDI, T. O sujeito da AD: um conceito em transformação. Revista Intercâmbio, volume XV. São Paulo: LAEL/PUC-SP, ISSN 1806-275X, 2006. O SUJEITO DA AD: UM CONCEITO EM TRANSFORMAÇÃO Tatiana PICCARDI (Universidade de São Paulo) ABSTRACT: the concept Subject in discourse analysis, specially in French discourse analysis, is changing. In fact,

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS Áurea Maria Bezerra Machado (UNIGRANRIO) goldenmary@ig.com.br Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) 20 professorvilaca@gmail.com 1. Introdução O

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CONTEÚDO ESTRUTURANTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CONTEÚDO ESTRUTURANTE COLEGIO ESTADUAL DARIO VELLOZO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL Rua Haroldo Hamilton, 271 Centro - CEP 85905-390 Fone/Fax 45 3378-5343 - Email: colegiodariovellozo@yahoo.com.br www.toodariovellozo.seed.pr.gov.br

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

DICAS DO MESTRE / FGV PROFESSOR SANDRO LUCENA

DICAS DO MESTRE / FGV PROFESSOR SANDRO LUCENA DICAS DO MESTRE / FGV PROFESSOR SANDRO LUCENA 01. 2015 Órgão: Prefeitura de Paulínia SP Prova: Guarda Municipal Sobre a charge, é correto afirmar que se trata de um texto: a narrativo, pois apresenta fatos

Leia mais

TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET

TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET ATAS - Seminário Ensinar com Pesquisa (Ensinar, Pesquisar e Aprender) - ANO V 1 TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET Ana C. B. da Silva 1, Natália F. da Silva², Maria R. D. Kawamura 3 1 Instituto de Física/Ensino/USP,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG PROJETO DE ENSINO PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA: PRÁTICAS DOCENTES E MATERIAIS DIDÁTICOS IDENTIFICAÇÃO DA AÇÃO: COORDENADOR

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de LÍNGUA PORTUGUESA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de LÍNGUA PORTUGUESA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM 1 A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM Keila de Quadros Schermack Universidade de Passo Fundo/UPF keila.quadros@terra.com.br Mestrado em Letras RESUMO:

Leia mais

POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA

POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA Adriane Rita dos Santos Jhesyka da Silva Furlan Luma de Fátima Sanches Maryanne Souza Carulla Paulo Henrique Alves Capelari (G- CLCA-UENP/CJ)

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA

A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Carlos Alexandre Nascimento Aragão (UNIT) 1 1. UMA BREVE ABORDAGEM SOBRE A ANÁLISE DO DISCURSO O discurso é concebido por Pêcheux (1988) como um

Leia mais

IV CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares 05, 06 e 07 de junho de 2013 ISSN: 1981-8211

IV CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Múltiplos Olhares 05, 06 e 07 de junho de 2013 ISSN: 1981-8211 A SUSTENTABILIDADE EKOS-LÓGICA DA NATURA: DISCURSO PUBLICITÁRIO DE SI Bárbara SANTANA 1 (UNESP) Introdução A proposta deste artigo fundamenta-se no estudo da configuração discursiva da peça publicitária

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão : 01 03 03 Questão : 01 03 03 A questão 01 do código 10 (01 do código 20-BCT) que corresponde à questão 03 do código 30 (03 do código 40-BCT) e a questão 03 do código 50 (03 do código 60-BCT) teve

Leia mais

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS

O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS O USO DO GÊNERO LETRA DE MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS DOS ALUNOS Gilianne Vicente dos Santos; Aline Giseli da Silva Lima; JacineideVirgínia Borges O. da Silva

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Estratégias matemáticas, operações fundamentais, educação matemática.

RESUMO. Palavras-chave: Estratégias matemáticas, operações fundamentais, educação matemática. ESTRATÉGIAS FORMAIS E INFORMAIS DE OPERAÇÕES MATEMÁTICAS UTILIZADAS POR CRIANÇAS NO TRABALHO E NA ESCOLA Alan Gonçalves Lacerda & Marinalva Silva Oliveira Universidade Federal do Amapá NEC- alan-lacerda@uol.com.br

Leia mais

A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA. Palavras-chave: Poesia. Aprendizagem. Teoria Literária

A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA. Palavras-chave: Poesia. Aprendizagem. Teoria Literária Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 110 114 A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA COSTA, Rafael Ramiro Monteiro 1 SANTOS, Marcelo 2 Palavras-chave: Poesia.

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais A produção do gênero textual relatório pelo aluno pesquisador no âmbito do Projeto Bolsa Alfabetização Ana Paula P. R. Germanos Fátima Aparecida de Souza Este trabalho é resultado de pesquisa acerca da

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES

QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES 1 QUEM É O ESTUDANTE BRASILEIRO? UM ESTUDO SOBRE OS VALORES PRIORIZADOS PELOS UNIVERSITÁRIOS DE PSICOLOGIA: RESULTADOS PRELIMINARES PEDRO. SILVA, Nelson 1 ; SANTOS, Melina Rodrigues dos 2. Curso de Psicologia,

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br FUNÇÕES DA LINGUAGEM Professor Jailton www.professorjailton.com.br Comunicação e Intencionalidade discursiva / Funções Intrínsecas do Texto Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção

Leia mais

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 1 PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Área de conhecimento: Administração Eixo Temático: Outro RESUMO Nézio José da Silva 1 Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida 2 O campo científico das

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA A A Unidade IV Ciência - O homem na construção do conhecimento. 2 A A Aula 39.2 Conteúdos: Anúncio publicitário: A construção de um anúncio publicitário. 3 A A Habilidades: Relacionar linguagem verbal

Leia mais

Termos de responsabilidade para uso de site

Termos de responsabilidade para uso de site Termos de responsabilidade para uso de site Este documento contém os Termos de Uso do site oficial da Secretaria Municipal de Educação de Três Rios, estado do Rio de Janeiro, com o seguinte domínio: www.educacaotresrios.rj.gov.br.

Leia mais

PRESENÇA DE CONECTORES ARGUMENTATIVOS EM NARRATIVAS DE 5ª E 8ª SÉRIES¹. Prof. Dra. Aparecida Feola SELLA Eliane Maria Cabral BECK(UNIOESTE)

PRESENÇA DE CONECTORES ARGUMENTATIVOS EM NARRATIVAS DE 5ª E 8ª SÉRIES¹. Prof. Dra. Aparecida Feola SELLA Eliane Maria Cabral BECK(UNIOESTE) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PRESENÇA DE CONECTORES ARGUMENTATIVOS EM NARRATIVAS DE 5ª E 8ª SÉRIES¹ Prof. Dra. Aparecida Feola SELLA Eliane Maria Cabral BECK(UNIOESTE)

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 (DES)ARTICULAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NOS CURSOS DE LETRAS: IMPLICAÇÕES PARA AS DISCIPLINAS DE PRÁTICA DE ENSINO E ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA I E II. Cássia Regina

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

A LEITURA E A ESCRITA NA ESCOLA: PRÁTICAS CONJUNTAS

A LEITURA E A ESCRITA NA ESCOLA: PRÁTICAS CONJUNTAS A LEITURA E A ESCRITA NA ESCOLA: PRÁTICAS CONJUNTAS ROCHA, Wanessa Cristina Manhente 1 ; NASCIMENTO, Juliana Barbosa 2 ; COSTA, Keila Matida de Melo 3 ; ELIAS, Carime Rossi 4 Palavras-chaves: Linguagem.

Leia mais

FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR

FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR FENÔMENOS GRAMATICIAS RELEVANTES PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR Silvone Fernandes Melchior SILVA (PG-UFG) Silvia.melchior@hotmail.com Vânia Cristina Casseb

Leia mais

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009 SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009 Cultura da violência no espaço escolar Miriam S. Leite Trago neste texto breve problematização da dimensão cultural da violência no cotidiano

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

A MULHER NAS PROPAGANDAS DE LINGERIE: OS EFEITOS DE SENTIDOS VEICULADOS EM REVISTAS FEMININAS.

A MULHER NAS PROPAGANDAS DE LINGERIE: OS EFEITOS DE SENTIDOS VEICULADOS EM REVISTAS FEMININAS. A MULHER NAS PROPAGANDAS DE LINGERIE: OS EFEITOS DE SENTIDOS VEICULADOS EM REVISTAS FEMININAS. Tânia Maria Augusto Pereira, Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande

Leia mais

LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA: PROCESSO DE ESCOLHA E UTILIZAÇÃO

LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA: PROCESSO DE ESCOLHA E UTILIZAÇÃO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA: PROCESSO DE ESCOLHA E UTILIZAÇÃO Silvia Regina Vieira da Silva Universidade Estadual Paulista - UNESP/Ilha Solteira silviaregina@mat.feis.unesp.br Anderson Afonso da Silva

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva.

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva. O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO Diana de Oliveira MENDONÇA 1 Maíra Dévely Silva BORGES 2 Sunamita Sâmela Simplício da SILVA 3 Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas/UFRN

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA MATERNA E SEGUNDA LÍNGUA: QUESTÕES ACERCA DO BILINGUISMO NA EDUCAÇÃO SURDA Sizenana Maria da Silva (UEMS) suzi2010.maria@hotmail.com Magno Pinheiro de Almeida (UEMS) mpa_proflibras_magno@hotmail.com

Leia mais

O ENSINO REFLEXIVO E DIALÓGICO DA REESCRITA: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA BAKHTINIANA

O ENSINO REFLEXIVO E DIALÓGICO DA REESCRITA: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA BAKHTINIANA O ENSINO REFLEXIVO E DIALÓGICO DA REESCRITA: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA BAKHTINIANA Viviane Letícia Silva Carrijo (PUC-SP) (UFMT) RESUMO: Neste artigo, apresentamos um recorte de nossa pesquisa sobre o desenvolvimento

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO 1 INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO CAMPINA GRANDE-PB 2014 2 NOME DOS ALUNOS (equipe de 4

Leia mais

O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE

O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NA ALFABETIZAÇÃO: CRENÇAS QUE NORTEIAM A PRÁTICA DOCENTE Lenir de Jesus Barcelos-Coelho 1 Ivonete Bueno 2 RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

THE CONSTRUCTION OF IDENTITIES OF SCIENCE IN GALILEU MAGAZINE

THE CONSTRUCTION OF IDENTITIES OF SCIENCE IN GALILEU MAGAZINE THE CONSTRUCTION OF IDENTITIES OF SCIENCE IN GALILEU MAGAZINE Natália Martins Flores (Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação/PPGCOM- UFSM. E-mail: nataliflores@gmail.com) Ada Cristina Machado

Leia mais

1. Introdução ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

1. Introdução ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA ESTRATÉGIAS DE LEITURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NA UNIVERSIDADE: DA DECODIFICAÇÃO À LEITURA CRÍTICA Urbano Cavalcante Filho (UESC, UFBA, IFBA) urbanocavalcante@yahoo.com.br 1. Introdução Todos

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL

A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL 381 A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL Andréia Nogueira Ferreira UNIFRAN Mª Silvia Olivi Louzada UNIFRAN O universo do discurso engloba os

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais