A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o"

Transcrição

1

2 A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o primeiro passo para mudar uma história marcada por lutas e conquistas.

3 Idade Antiga ( a.c) Eram protegidos e considerados como criaturas privilegiadas, enviados dos deuses. No entanto, tinham vida inativa e não eram educados. Seres castigados pelos deuses. Eram lançados ao mar ou do alto dos rochedos, rejeitados e abandonados em praças públicas ou nos campos (vivendo miseravelmente como escravos ou abandonados).

4 Aristóteles (384 a.c) acreditava que quando uma pessoa não verbalizasse, consequentemente não possuía linguagem, tão pouco pensamento. Sócrates (469 a.c) acreditava que o surdo deveria usar sinais para se comunicar.

5 Idade Média (476 d.c) Para a Igreja Católica os surdos eram como seres com almas imortais, pois não conseguiam verbalizar os sacramentos. Os surdos eram privados dos direitos legais pois eram considerados incapazes, não fazendo parte nem mesmo das famílias.

6 Idade Moderna (1.453) Girolano Cardano: (1.500) Os surdos poderiam ser ensinados. Utilizava a língua de sinais e a escrita com os surdos. (Filho surdo) Pedro Ponce de Léon: (1.584) Primeiro professor de surdos usando como metodologia a datilologia, a oralização e a escrita. Criou uma escola para professores de surdos e para os próprios surdos na Espanha. (Irmãos surdos)

7 Juan Pablo Bonet: (1.620) Iniciou seu trabalho com surdo através de sinais, treinamento da fala e o uso de alfabeto dactiolológico. Publicou o primeiro livro sobre a educação de surdos em que expunha o seu método oral, Reduccion de las letras y arte para enseñar a hablar a los sordos. Defendia o ensino precoce do alfabeto manual aos surdos. Seu método serviu de base para toda Europa.

8

9 Samuel Heinicke: (1.755) O Pai do método alemão Oralismo Puro iniciou as bases da filosofia oralista. Um grande valor era atribuído somente à fala, na Alemanha. Publicou a obra Observações sobre os surdos e sobre a palavra e em fundou a primeira escola de oralismo puro, inicialmente com 9 alunos.

10 Charles Michel L Epée: (1.759) Instruía os surdos em sua própria casa com as combinações de língua de sinais e gramática francesa sinalizada, denominados sinais metódicos (método bastante criticado pelos oralistas). Defendia que a língua de sinais constitui a linguagem natural dos surdos e que é um verdadeiro meio de comunicação e de desenvolvimento do pensamento. Publicou o primeiro dicionário de sinais e sobre o ensino dos surdos por meio dos sinais metódicos (A verdadeira maneira de instruir os surdos), colocando as regras sintáticas e o alfabeto manual inventado por Pablo Bonet.

11 Idade Contemporânea (1.802) Jean Marc Gaspard Itard: (1.802) Médico cirurgião e psiquiatra residente do Instituto Nacional de Surdos em Paris (criado por L Epée em 1.760) acreditava que as sensações eram a base para o conhecimento humano e que reconhecia somente a experiência externa como fonte de conhecimento. Assim era exigida a erradicação ou a diminuição da surdez para que o surdo tivesse acesso ao conhecimento.

12 Thomas Gallaudet: (1.814) Vai à Europa buscar métodos de ensino a surdos, voltando à América com o professor surdo Laurent Clerc (melhor aluno do Instituto Nacional para Surdos de Paris). Juntos fundaram a primeira escola permanente para surdos nos Estados Unidos, e com seu sucesso imediato levou à abertura de outras escolas de surdos nesse país. Quase todos os professores ouvintes e surdos já eram usuários fluentes em língua de sinais.

13 Eduard Huet: (1.855) professor surdo francês chega ao Brasil, sob aprovação do imperador Dom Pedro II, para abrir uma escola pra iniciar um trabalho de educação de pessoas surdas. Em 26 de setembro de 1857 fundou-se, no Rio de Janeiro, o Instituo Nacional dos Surdos-Mudos, posteriormente alterou o nome para Instituto Nacional de Educação de Surdos INES.

14 Oralismo Comunicação Total Bilinguismo

15 Considera a surdez como doença e tem como objetivo levar a pessoa surda a se tornar o mais semelhante possível ao modelo ouvinte, ou seja, o surdo precisa aprender a falar, ler e escrever, valorizando a língua oral e rejeitando qualquer tipo de sinais. O surdo deve se capacitar para usar a voz e a leitura labial, para isso requer: Diagnóstico precoce. Adaptação de AASI (aparelho de amplificação sonora individual). Colaboração da família. Convívio com pessoas ouvintes.

16 Aspectos Positivos Aspectos Negativos Estimulou o estudo sobre a surdez. Déficit cognitivo. Estimulou o avanço tecnológico. A maioria dos surdos abandonaram a escola. Alguns surdos conseguiram o sucesso educacional. Falta de comunicação no relacionamento familiar. Alguns defensores do oralismo: Samuel Heinick Jean Marc Itard Alexandre Grahan Bell Nega a aquisição natural da língua de sinais como língua materna. Nega a cultura surda.

17 O uso de sinais estava impedindo o desenvolvimento da fala, da leitura labial e, consequentemente, dos aspectos cognitivo dos surdos.

18 Sendo a utilização de sinais proibida em sala de aula, pais e alunos surdos eram instruídos a não fazerem uso dos mesmos nos ambientes familiares pela principal razão de que, no entendimento dos educadores, tal prática atrapalharia o aprendizado da língua oral.

19 Surgiu na década de 60 visando facilitar o processo de ensino e aprendizagem da língua oral pela utilização de todo e qualquer recurso. Sinais Mímicas Alfabeto manual Leitura labial Oralização Escrita Bimodalismo

20 Aspectos Positivos Aspectos Negativos Maior flexibilidade. Português sinalizado. Aceita a língua de sinais como forma de comunicação. Não dá o devido valor a língua de sinais. Melhores possibilidades de trabalho dos profissionais ouvintes. A utilização simultânea das duas línguas. Alguns adeptos: Willian Stokoe Ivete Vasconcelos Nega a aquisição natural da língua de sinais como língua materna. Nega a cultura surda.

21 Surgiu na década de 80. O objetivo é levar o surdo a desenvolver habilidades em sua língua primária (sinais) e secundária (a escrita do idioma do país). L1 língua de sinais. L2 língua oral na sua modalidade escrita. A aquisição da L1 facilita a aprendizagem da L2. O contexto bicultural que os surdos estão inseridos devem ser considerados.

22 Aspectos Positivos Considera a língua de sinais com os mesmos status linguístico de uma língua oral. Estimula as relações humanas. A aquisição da L1 facilita a aprendizagem da L2. Aspectos Negativos A proposta carece de sistematização e de mais pesquisas. Ainda não há resultados consistentes, e para alguns ainda é utopia. Há carência de professores bilíngues e surdos instrutores. Alguns adeptos: Willian Stokoe Ronice Quadros Permite o desenvolvimento cognitivo da criança. Facilita o trabalho pedagógico.

23 Lei nº de 24 de abril de 2002: Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais - Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema lingüístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema lingüístico de transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil.

24 A Libras (Língua Brasileira de Sinais) teve sua origem na Língua de Sinais Francesa. As línguas de sinais não são universais, cada país possui sua própria língua de sinais que sofre as influências da cultura nacional. Como qualquer outra língua, ela também possui expressões que diferem de região para região (regionalismo), o que a legitima ainda mais como língua.

25 ESTADOS UNIDOS ITÁLIA

26 PORTUGAL ESPANHA

27 JAPÃO

28 FRANÇA

29 A Libras (Língua Brasileira de Sinais) é uma língua natural usada pela maioria dos surdos do Brasil. Diferente de todos os idiomas já conhecidos, que são orais e auditivos, a Libras é visualgestual, porque utiliza como canal ou meio de comunicação movimentos gestuais e expressões faciais que são percebidos pela visão.

30 Decreto nº de 22 de dezembro de 2005: Capítulo II Da inclusão da Libras como disciplina curricular. Art. 3 - A Libras deve ser inserida como disciplina curricular obrigatória nos cursos do magistério, em nível médio e superior, e nos curso de fonoaudiologia, de instituições de ensino, públicas e privadas, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios.

31 POR QUE ESTUDAR A LÍNGUA DE SINAIS? A Língua Brasileira de Sinais Libras é um código de comunicação, uma língua, como o inglês ou o francês. Atualmente, devido às demandas sociais, exige-se que, em todos os ambientes, haja profissionais que promovam a acessibilidade aos surdos. Quem aprende Libras amplia sua rede de comunicação, favorece a inclusão do surdo, além de enriquecer sua atividade profissional. O objetivo principal é promover a inclusão social por meio da Libras e o contato com a cultura surda.

32 Decreto nº de 22 de dezembro de 2005: Capítulo VII Da garantia do direito à saúde. Art A partir de um ano da publicação deste Decreto, o Sistema Único de Saúde SUS e as empresas que detêm concessão ou permissão de serviços públicos de assistência à saúde [...] devem garantir [...] a atenção integral à saúde, nos diversos níveis de complexidade e especialidades médicas, efetivando:

33 I ações de prevenção e desenvolvimento de programas de saúde auditiva; II tratamento clínico e atendimento especializado, respeitando as especificidades de cada caso; III realização de diagnóstico, atendimento precoce e do encaminhamento para a área de educação; IV seleção, adaptação e fornecimento de prótese auditiva ou aparelho de amplificação sonora, quando indicado; V acompanhamento médico e fonoaudiológico e terapia fonoaudiológica; VI atendimento em reabilitação por equipe multiprofissional;

34 VII atendimento fonoaudiológico às crianças, adolescentes e jovens matriculados na educação básica, por meio de ações integradas com a área da educação, de acordo com as necessidades terapêuticas do aluno; VIII orientações à família sobre as implicações da surdez e sobre a importância para a criança com perda auditiva ter, desde seu nascimento, acesso à Libras e à Língua Portuguesa; IX atendimento [...] por profissionais capacitados para o uso de Libras ou para sua tradução e interpretação; e X apoio à capacitação e formação de profissionais da rede de serviços do SUS para o uso de Libras e sua tradução e interpretação.

35 Decreto nº de 22 de dezembro de 2005: Capítulo VIII Apoio ao uso e difusão da Libras. Art A partir de um ano da publicação deste Decreto, o Poder Público, as empresas concessionárias de serviços públicos e os órgãos da administração pública federal, direta e indireta devem garantir às pessoas surdas o tratamento diferenciado, por meio do uso e difusão de Libras e da tradução e interpretação de Libras Língua Portuguesa, realizado por servidores e empregados capacitados para essa função, bem como o acesso às tecnologias de informação [...].

36 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALPENDRE, E. V.; AZEVEDO, H. J. S. Concepções sobre surdez e linguagem e a aprendizagem de leitura. Curitiba: SEED, BRASIL. Decreto Nº Regulamenta a Lei nº , de 24 de abril de 2002, e o art. 18 da Lei nº , de 19 de dezembro de Publicada no diário Oficial da União em 22 de dezembro de BRASIL. Lei Nº Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais Libras e dá outras providências. Publicada no diário Oficial da União em 24 de abril de LACERDA, C. B. F. de. A difícil tarefa de promover uma inclusão escolar bilíngue para alunos surdos. Anais da 30 reunião nacional da ANPED. Rio de Janeiro: ANPED, v.1. p QUADROS, R. M. Educação de surdos: efeitos de modalidade e práticas pedagógicas. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.; WILLIAMS, L. C. de A. (orgs). Temas em educação especial: avanços recentes. São Carlos: EduFSCar, QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, QUEIROZ, T. G. B. Bilinguismo na educação do surdo conhecimentos do professor. Anais do XV ENDIPE Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Belo Horizonte: QUEIROZ, T. G. B; BENITE, A. M. C. A educação de surdos mediada pela língua de sinais e outras formas de comunicação visual. Anais do XXV CONADE Congresso de Educação do Sudoeste Goiano. Jataí: SILVA, A. C. da; NEMBRI, A. G. Ouvindo o silêncio: educação, linguagem e surdez. Porto Alegre: Mediação, UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre Necessidades Educativas especiais. Brasília: CORDE, VELOSO, E; MAIA FILHO, V. Aprenda Libras com eficiência e rapidez. Curitiba: Mãos Sinais, 2009.

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o primeiro passo para mudar uma história marcada por lutas e

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA

A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA Rodrigo Janoni Carvalho 1 A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS é uma língua que tem adquirido maior visibilidade na sociedade, na medida em que

Leia mais

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS A língua brasileira de sinais Os sinais, essa dança das palavras no espaço, são minha sensibilidade, minha poesia, meu eu íntimo, meu verdadeiro estilo.(emmanuelle Laborit) 1 A língua brasileira de sinais

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2007 LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS TELMA TIETRE RODRIGUES RIO DE JANEIRO 2007 CARTILHA LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2 INTRODUÇÃO O objetivo desta cartilha

Leia mais

A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR Sheila Rodrigues Vieira 1 Andreia Nakamura Bondezan 2 A proposta deste trabalho é a de apresentar algumas causas da surdez e abordar o histórico da

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei Tema 01: ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS NO BRASIL Imbricada em relações de poder, a educação dos surdos vem sendo pensada e definida, historicamente, por educadores ouvintes, embora possamos

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO DEFICIENTE AUDITIVO Daisy Mara Moreira de Oliveira (UFS) dayseoliveira01@hotmail.com Derli

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

HISTÓRIA DAS PESSOAS SURDAS: da Exclusão à Política Educacional Brasileira Atual

HISTÓRIA DAS PESSOAS SURDAS: da Exclusão à Política Educacional Brasileira Atual HISTÓRIA DAS PESSOAS SURDAS: da Exclusão à Política Educacional Brasileira Atual Elisa Tomoe Moriya Schlünzen Licenciada em Matemática, Doutora em Educação, Coordenadora da Rede São Paulo de Formação Docente

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE BÓZOLI, Daniele Miki Fujikawa (UEM) SILVA, Tânia dos Santos Alvarez da (Orientadora/UEM) Introdução Com a Lei nº 10.436, de 24 de abril de

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL N. 01/2013 CONCURSO PÚBLICO 2013 INSTRUTOR SURDO I ATENÇÃO 17/11/2013 Toda a prova será projetada em libras. Antes de

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS.

A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS. A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS. 1. Introdução CANTELLE de PINHO, Graziela (UNIOESTE) grazicantelle@gmail.com A história da educação dos surdos é marcada por lutas e conquistas,

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

O Design de Moda na LIBRAS: Uma ferramenta para a inclusão de surdos no Ensino Superior de Design de Moda

O Design de Moda na LIBRAS: Uma ferramenta para a inclusão de surdos no Ensino Superior de Design de Moda 1 O Design de Moda na LIBRAS: Uma ferramenta para a inclusão de surdos no Ensino Superior de Design de Moda The Fashion Design in LIBRAS: A tool for inclusion of deaf people in Fashion Design Higher Education

Leia mais

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís Danielle Vanessa Costa SOUSA Introdução O trabalho do tradutor/intérprete de língua brasileira de

Leia mais

ANEXO IV QUESTIONÁRIO TEMÁTICO

ANEXO IV QUESTIONÁRIO TEMÁTICO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE SURDOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO Meta 4: universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA LIBRAS NO PROCESSO EDUCACIONAL DE ESTUDANTES SURDOS EM ESCOLA REGULAR

A INFLUÊNCIA DA LIBRAS NO PROCESSO EDUCACIONAL DE ESTUDANTES SURDOS EM ESCOLA REGULAR A INFLUÊNCIA DA LIBRAS NO PROCESSO EDUCACIONAL DE ESTUDANTES SURDOS EM ESCOLA REGULAR Danielle Mirelli da Silva Araújo 1 Marcelle de Castro e Silva 2 Wilma Pastor de Andrade Sousa 3 RESUMO: O presente

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO E EDUCAÇÃO DE SURDOS: A IMPORTÂNCIA DO BILINGUISMO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO E EDUCAÇÃO DE SURDOS: A IMPORTÂNCIA DO BILINGUISMO 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO E EDUCAÇÃO DE SURDOS: A IMPORTÂNCIA DO BILINGUISMO OLIVEIRA, Paulo Sérgio de Jesus MOURÃO, Marisa Pinheiro Universidade Federal de Uberlândia paulimjesus@yahoo.com.br marisapmourao@yahoo.com.br

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL Resumo Vitor Alves UFSC vituxo_17fev@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 2: ABORDAGENS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO DA PESSOA COM SURDEZ

Módulo II - Teórico TEXTO 2: ABORDAGENS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO DA PESSOA COM SURDEZ 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 2: ABORDAGENS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO DA PESSOA COM SURDEZ Rosimar Bortolini Poker Ter conhecimento sobre a história, bem como sobre as filosofias e métodos educacionais criados

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «21. Sabe-se que a cultura surda é o jeito da pessoa surda entender o mundo e de modificá-lo a fim de torná-lo acessível e habitável através das suas percepções visuais,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marisa Dias Lima 1 ; Márcia Dias Lima 2 ; Fernanda Grazielle Aparecida Soares de Castro 3 Universidade Federal de Uberlândia; Universidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 325, de 2009, de autoria da Deputada Maria do Rosário, que regulamenta a profissão de Tradutor

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM LIBRAS

PÓS-GRADUAÇÃO EM LIBRAS PÓS-GRADUAÇÃO EM LIBRAS Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos: Objetivo Geral:

Leia mais

TRADUTOR E INTERPRETE DE LINGUA DE SINAIS: preleção a cerca de sua atuação e formação

TRADUTOR E INTERPRETE DE LINGUA DE SINAIS: preleção a cerca de sua atuação e formação - 310 - TRADUTOR E INTERPRETE DE LINGUA DE SINAIS: preleção a cerca de sua atuação e formação Uiara Vaz Jordão 1 Sempre que a condição lingüística do surdo é respeitada, crescem as chances de ele desenvolver-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

Um olhar sobre o processo de ensino-aprendizagem da criança surda no primeiro ano do ensino fundamental

Um olhar sobre o processo de ensino-aprendizagem da criança surda no primeiro ano do ensino fundamental FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Pedagogia Denis Carlos da Rocha Um olhar sobre o processo de ensino-aprendizagem da criança surda no primeiro ano do ensino fundamental Pará de Minas 2013 Denis Carlos

Leia mais

ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO

ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO Maria Izalete Inácio Vieira UFSC- Polo UFC Resumo

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

INCLUSÃO DO ALUNO SURDO NO COLÉGIO ESTADUAL DE APLICAÇÃO DE IPORÁ- GOIÁS

INCLUSÃO DO ALUNO SURDO NO COLÉGIO ESTADUAL DE APLICAÇÃO DE IPORÁ- GOIÁS INCLUSÃO DO ALUNO SURDO NO COLÉGIO ESTADUAL DE APLICAÇÃO DE IPORÁ- GOIÁS BORGES, Huélida Souza Santos Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Iporá huelidafamilia@hotmail.com ALMEIDA, Edna Maria Ferreira

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA FACULDADE DO VALE DO JURUEMA CURSO: PSICOPEDAGOGIA COM ENFASE NA INCLUSÃO SOCIAL DISCIPLINA:LIBRAS LIBRAS NO PROCESSO EDUCATIVO Professora Esp. Graziela Christine da Silva A J E S - F A C U L D A D E S

Leia mais

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas Versão On-line ISBN 978-85-8015-075-9 Cadernos PDE OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE MINORIAS ÉTNICAS E SOCIAIS DELIBERAÇÃO Nº 291, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004. Estabelece normas

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim)

PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim) Institui-se obrigatoriedade da inclusão de intérpretes de Libras em repartições públicas. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-2574/2000.

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

A importância da audição e da linguagem

A importância da audição e da linguagem A importância da audição e da linguagem A linguagem não é apenas uma função entre muitas[...] mas uma característica muito difusa do indivíduo, a tal ponto que ele se torna um organismo verbal.(joseph

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS

A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS DOCUMENTO ELABORADO PELA COMUNIDADE SURDA A PARTIR DO PRÉ- CONGRESSO AO V CONGRESSO LATINO AMERICANO DE EDUCAÇÃO BILINGUE PARA SURDOS, REALIZADO EM PORTO ALEGRE/RS, NO

Leia mais

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Princípios da educação inclusiva Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Objetivos - Pensar na imagem que nós temos do outro ; - Conversar sobre Estigma e preconceito; - Discutir sobre as estratégias a serem

Leia mais

OS FATORES DETERMINANTES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA ESCRITA POR ALUNOS SURDOS

OS FATORES DETERMINANTES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA ESCRITA POR ALUNOS SURDOS 0 FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Letras Gabriele Silveira Araújo OS FATORES DETERMINANTES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA ESCRITA POR ALUNOS SURDOS Pará de Minas 2013 1 Gabriele Silveira

Leia mais

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA Carla Eliza Santos Universidade Tecnológica Federal do Paraná carlaesantos@hotmail.com Clovis Batista de Souza Universidade

Leia mais

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS KUBASKI, Cristiane UFSM kubaski229@bol.com.br MORAES, Violeta Porto UFSM viomoraes@ibest.com.br Eixo temático: Diversidade e Inclusão Agência

Leia mais

DEFICIÊNCIA AUDITIVA

DEFICIÊNCIA AUDITIVA DEFICIÊNCIA AUDITIVA SANTOS, Luciana de Sousa 1 RESUMO: O presente artigo tem como proposta trazer temas questionadores e atualizados com relaéño â DeficiÜncia Auditiva. No passado, costumava-se achar

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIAS PARA SURDOS UMA INVESTIGAÇÃO COM PROFESSORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS.

ENSINO DE CIÊNCIAS PARA SURDOS UMA INVESTIGAÇÃO COM PROFESSORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS. ENSINO DE CIÊNCIAS PARA SURDOS UMA INVESTIGAÇÃO COM PROFESSORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS. OLIVEIRA, Walquíria Dutra de. BENITE, Anna M. Canavarro. Mestrado em Educação em Ciências e Matemática UFG walzinha19@gmail.com

Leia mais

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS 4511 LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (UENP FAFIJA) Estas reflexões sobre a inclusão de alunos surdos no ensino comum têm o

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

INCLUSÃO SOCIOEDUCACIONAL DO ALUNO SURDO: PERSPECTIVA BILINGUE NA ESCOLA INCLUSIVA

INCLUSÃO SOCIOEDUCACIONAL DO ALUNO SURDO: PERSPECTIVA BILINGUE NA ESCOLA INCLUSIVA INCLUSÃO SOCIOEDUCACIONAL DO ALUNO SURDO: PERSPECTIVA BILINGUE NA ESCOLA INCLUSIVA José Flávio da Paz Néstor Raúl González Gutiérrez Faculdade Estácio Fatern do Rio Grande do Norte Doutorandos em Educação

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA: INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE INCLUSÃO DO SURDO EM UMA

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

Dispõe sobre o atendimento educacional especializado aos alunos identificados com altas habilidades ou superdotados no âmbito do Município de Manaus.

Dispõe sobre o atendimento educacional especializado aos alunos identificados com altas habilidades ou superdotados no âmbito do Município de Manaus. PROJETO DE LEI N º 280/2013 ESTADO DO AMAZONAS Dispõe sobre o atendimento educacional especializado aos alunos identificados com altas habilidades ou superdotados no âmbito do Município de Manaus. Art.

Leia mais

Letras. Módulo 6. Volume 1 INTRODUÇÃO À LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS. Wolney Gomes Almeida

Letras. Módulo 6. Volume 1 INTRODUÇÃO À LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS. Wolney Gomes Almeida Letras. Módulo 6. Volume 1 INTRODUÇÃO À LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS Wolney Gomes Almeida Ilhéus. 2013 Universidade Estadual de Santa Cruz Reitora Profª. Adélia Maria Carvalho de Melo Pinheiro Vice-reitor

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais SURDEZ: UM MAPEAMENTO DAS PRODUÇOES ACADÊMICAS EM UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESCOLAR ALVES, R. A. 1 MANZOLI, L. P. 2 URBAN,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA MATERNA E SEGUNDA LÍNGUA: QUESTÕES ACERCA DO BILINGUISMO NA EDUCAÇÃO SURDA Sizenana Maria da Silva (UEMS) suzi2010.maria@hotmail.com Magno Pinheiro de Almeida (UEMS) mpa_proflibras_magno@hotmail.com

Leia mais

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Escutar com olhos Permita-se ouvir essas mãos, pois somente assim será possível mostrar

Leia mais

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA Mariana Rodrigues Ferreira Fantinelli (G UENP, campus de Jac.) naninha_fantinelli@hotmail.com Sonia Maria Dechandt Brochado ( Orientadora UENP) O letramento do

Leia mais

O DIREITO A COMUNICAÇÃO: as Libras e os desafios da educação dos surdos

O DIREITO A COMUNICAÇÃO: as Libras e os desafios da educação dos surdos O DIREITO A COMUNICAÇÃO: as Libras e os desafios da educação dos surdos Eline Peixoto de Santana 1 Resumo: O presente trabalho buscará fazer uma reflexão sobre a importância do reconhecimento das Libras

Leia mais

ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO

ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO ANÁLISE DA INTERAÇÃO COMUNICATIVA DO PROFESSOR COM O ALUNO DEFICIENTE AUDITIVO PALAVRAS CHAVE: DEFICIENCIA AUDITIVA, EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO. INTRODUÇÃO Discute-se no panorama nacional, na área da Educação,

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

A INCLUSÃO DE UMA ALUNA SURDA NO ENSINO FUNDAMENTAL: ESTUDO DE CASO

A INCLUSÃO DE UMA ALUNA SURDA NO ENSINO FUNDAMENTAL: ESTUDO DE CASO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO LARISSA GABRIELA PICCOLO A INCLUSÃO DE UMA ALUNA SURDA NO ENSINO FUNDAMENTAL: ESTUDO DE CASO CAMPINAS 2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE

Leia mais

Palavras Chave: Libras; Braille; Língua Portuguesa; Linguística; Estudos de Tradução; Interpretação; surdo; cego.

Palavras Chave: Libras; Braille; Língua Portuguesa; Linguística; Estudos de Tradução; Interpretação; surdo; cego. REFLEXÕES SOBRE AS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICAS NA FORMAÇÃO DO INTÉRPRETE DE LIBRAS E DO BRAILLISTA NO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM COMUNICAÇÃO ASSISTIVA: LIBRAS E BRAILLE/PUCMINAS/BH. Profa. Dra. Denise

Leia mais

Campus Sousa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DO CURSO DE EXTENSÃO LIBRAS. Básico. Coordenador: Prof. Priscilla Andrade

Campus Sousa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DO CURSO DE EXTENSÃO LIBRAS. Básico. Coordenador: Prof. Priscilla Andrade Campus Sousa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DO CURSO DE EXTENSÃO LIBRAS Básico Coordenador: Prof. Priscilla Andrade Sousa, Setembro de 2014 1 DADOS DO CURSO Título: Curso básico de LIBRAS para professores

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) LIBRAS BÁSICO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente de

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

ESPAÇO DE EXCLUSÃO/INCLUSÃO DA MINORIA SURDA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA NO 2º E 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA EM COARI-AM

ESPAÇO DE EXCLUSÃO/INCLUSÃO DA MINORIA SURDA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA NO 2º E 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA EM COARI-AM ESPAÇO DE EXCLUSÃO/INCLUSÃO DA MINORIA SURDA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA NO 2º E 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA EM COARI-AM Resumo Fabíola de Andrade 1 - UEA Monica Dias de Araújo 2 - UEA Rosineide

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail. MOVIMENTO SURDO E CIDADANIA ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.com Extermínio e abandono social EXISTE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 008/2015. A Diretora Geral da Faculdade Unilagos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Legislação em vigor, RESOLVE

RESOLUÇÃO N 008/2015. A Diretora Geral da Faculdade Unilagos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Legislação em vigor, RESOLVE RESOLUÇÃO N 008/2015 Dispõe sobre a inclusão de políticas do aluno autista no Núcleo de Pesquisa e Estudos em Educação para a diversidade e Inclusão da Mantida. A Diretora Geral da, no uso das atribuições

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Instituto Municipal Helena Antipoff Educação Especial no Município do Rio de

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

O ALUNO SURDO E O AMBIENTE DE ESCOLA REGULAR INCLUSIVO

O ALUNO SURDO E O AMBIENTE DE ESCOLA REGULAR INCLUSIVO O ALUNO SURDO E O AMBIENTE DE ESCOLA REGULAR INCLUSIVO JOSIANE DOS SANTOS MAQUIEIRA 1 1 INTRODUÇÃO A partir das exigências criadas pelo Decreto n 5626/05, BRASIL (2005), que regulamenta a Lei n 10.436/2002,

Leia mais

Educar em Silêncio 1. Eminassai RODOVALHO 2 Patrícia Rangel Moreira BEZERRA 3 Faculdades Integradas Rio Branco, São Paulo, SP

Educar em Silêncio 1. Eminassai RODOVALHO 2 Patrícia Rangel Moreira BEZERRA 3 Faculdades Integradas Rio Branco, São Paulo, SP RESUMO Educar em Silêncio 1 Eminassai RODOVALHO 2 Patrícia Rangel Moreira BEZERRA 3 Faculdades Integradas Rio Branco, São Paulo, SP O livro Educar em Silêncio ilustra, em fotos, os principais aspectos

Leia mais

EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS: O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS Andreza Nora (UERJ) andrezanora@hotmail.com

EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS: O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS Andreza Nora (UERJ) andrezanora@hotmail.com EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS: O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS Andreza Nora (UERJ) andrezanora@hotmail.com Chegada a era da inclusão, inúmeros são os desafios com os quais nós, professores, deparamo-nos

Leia mais

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS 1 OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS Patrícia Oliveira Fontes Pedagoga. Especialista em Educação Inclusiva. Especialista em Libras. Professora Tutora da Universidade Tiradentes (UNIT) e Professora

Leia mais

DIDÁTICA DE ALFABETIZAÇÃO PARA A CRIANÇA SURDA: CONCEPÇÕES E IDENTIDADES

DIDÁTICA DE ALFABETIZAÇÃO PARA A CRIANÇA SURDA: CONCEPÇÕES E IDENTIDADES DIDÁTICA DE ALFABETIZAÇÃO PARA A CRIANÇA SURDA: CONCEPÇÕES E IDENTIDADES Arlete Marinho Gonçalves, UFPA Resumo O estudo objetiva revelar as identidades que são construídas a partir da didática utilizada

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS SILVA, Duarte Araújo Silva; DUARTE, Ana Beatriz da Silva. INTRODUÇÃO Esse trabalho

Leia mais