UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 4G: LTE, A BANDA LARGA E SEUS DESAFIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 4G: LTE, A BANDA LARGA E SEUS DESAFIOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 4G: LTE, A BANDA LARGA E SEUS DESAFIOS

2 4G: LTE, A BANDA LARGA E SEUS DESAFIOS CURRÍCULO ALBERTO BOAVENTURA ENGENHEIRO ELETRICISTA COM ÊNFASE EM TELECOMUNICAÇÕES (UFF-86) E MESTRE (MSC) EM ENGENHARIA ELÉTRICA(CETUC/PUC-RJ - 98) COM TESE EM ESTIMAÇÃO DE MATRIZES DE SINAIS PARA COMUNICAÇÕES MÓVEIS ANTENAS INTELIGENTES. PÓS GRADUADO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE (UFRJ-94) EMBA EM FINANÇAS CORPORATIVAS (IBMEC-04). CERTIFICADO PMP PELO PMI. POSSUI 26 ANOS DE EXPERIÊNCIA EM TELECOMUNICAÇÕES TENDO TRABALHADO EM DIVERSAS ÁREAS: GERÊNCIA DEIMPLANTAÇÃO EPROJETO, PLANEJAMENTO DEREDE, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, PLANEJAMENTO DEMERCADO, GERÊNCIA DENEGÓCIOS, GERÊNCIA DE PRODUTOS EGERÊNCIA DETECNOLOGIA. A SUA PRINCIPAL FORMAÇÃO ESTÁ RELACIONADA COM SISTEMAS E ARQUITETURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES. TRABALHOU NAEMBRATEL, LUCENT TECHNOLOGIES, TELEMAR, ERICSSON, BRASIL TELECOM. ATUALMENTE TRABALHA NA ÁREA DE TECNOLOGIA DA OI, E É RESPONSÁVEL PELAS INICIATIVAS DE LTE NESTA ÁREA. CONTATOS: TELEFONE:

3 O QUE É O LTE? 3GPP LTE (LONG TERM EVOLUTION) É UM PADRÃO PARA COMUNICAÇÃO SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE DE DADOS PARA TELEFONES CELULARES E TERMINAIS DE DADOS. É BASEADO NAS REDES GSM / EDGE E UMTS / HSPA, TOTALMENTE SOBRE IP, COM A CAPACIDADE E VELOCIDADE AUMENTADOS ATRAVÉS DE NOVAS TÉCNICAS DE MODULAÇÃO, ANTENAS INTELIGENTES E SISTEMAS DE REDE AUTO-ORGANIZÁVEIS. IEEE ac (<6 GHz) IEEE ad (>60 GHz) ADVANCED IEEE m ITU-R M.2034 Eficiência Espectral DL 15 bits/hz UL 6.75 bits/hz Latência Plano do Usuário < 10 ms Plano de Controle < 100 ms Largura de Banda ITU-R M MHz ITU-R M MHz

4 O QUE É O LTE? OFDM Flexibilidade Arquitetura Planificada MIMO Self Organized Network Evolução

5 Bps/Hz Transmissão convencional: Uma única portadora/banda Capacidade do Canal Freqüência(Hz) Bps/Hz OFDM (ORTHOGONAL FREQUENCY DIVISION MULTIPLEX) Freqüência(Hz) OFDM: Diversas sub-bandas Bastante semelhante ao FDMA no que concerne a divisão em freqüências para transferência de informação; Utiliza o processo de codificação modulação em sub-bandas com portadoras ortogonais; As sub-bandas são faixas de freqüência extremamente pequenas; Utilizado em diversos esquemas para transmissão de dados faixa larga: Wireless LAN; ADSL; DVB; WiMAX; Docsis; LTE Foi usado pela primeira vez em 1957 para modem em HF; Somente na década de 90 que surgiram diversas aplicações; Subportadoras Modulação e Bits por Símbolo DMS Codif. I k /Q k IFFT I k /Q k DA t Duração do Símbolo f 0 BPSK 1 Q k π/4-qpsk I k Q k QAM I k Modulação Bits/Símb FEC 20 MHz 100 RBs QPSK 2 1/3 9,6 Mbps QPSK 2 1/2 14,4 Mbps QPSK 2 2/3 19,2 Mbps 16QAM 4 1/2 28,8 Mbps 16QAM 4 2/3 38,4 Mbps 16QAM 4 4/5 46,1 Mbps 64QAM 6 1/2 43,2 Mbps 64QAM 6 2/3 57,6 Mbps 64 QAM ,4 Mbps Taxa 64QAM 16QAM QPSK Distância Esquema de Modulação e Codificação em Função da distância

6 FLEXIBILIDADE Diferentes larguras de banda 1,4 MHz 3 MHz 5 MHz 10 MHz 15 MHz 20 MHz TDD FDD Esquemas TDD e FDD DL UL Tempo UL DL Freqüência Diversas Faixas Suportadas No Release 10, o 3GPP definiu 43 Bandas para o LTE Faixas no Mundo: Banda 3GPP (LTE) Status 700 MHz Bandas 12, 13 & 14 EUA, Colômbia e Peru 800 MHz Banda 20 (DD) Europa DD, Alemanha, Inglaterra, Suécia 850 MHz Banda 5 Korea 1800 MHz Banda 3 Europa AWS Banda 4 EUA 2100 MHz Banda 1 Japão 2300 MHz Banda 40 Ásia 2600 MHz Banda 7 Europa Faixas disponíveis no Brasil: Banda UL DL Largura WRC 3GPP Anatel (LTE) 700 MHz 37 MHz & MHz MHz Res 454/ MHz 898,5-901; 907,5-915; 10 MHz Res 454/ , , MHz MHz Res 454/ MHz MHz Res 454/ MHz (TDD) 100 MHz x MHz MHz Res 544/ MHz (TDD) 200 MHz Res 537/2010 Uso racional de faixas: Capacidade: >2 GHz Cobertura ou Capacidade: > 1 GHz & <2 GHz Cobertura: < 1 GHz Uso combiando para o LTE Advanced Taxa Média do enb vs distância 400 Mbps 700 MHz 300 Mbps 1800 MHz (5 MHz) 1800 MHz (10 MHz) 200 Mbps MHz 100 Mbps 0 Mbps 0,0 km 2,0 km 4,0 km 6,0 km 8,0 km 10,0 km

7 ARQUITETURA PLANIFICADA SAE (System Architecture Evolution) X2 S1-AP S1-U HLR/HSS S6a MME S11 S-GW Sh Sp S5 IMS Rx PCRF Gx P-GW Sy SGi Ro/Rf Gy/Gz OCS/ OFCS Internet Arquitetura, protocolos, interfaces totalmente sobre IP Não existe mais o elemento controlador da rede de acesso (BSC/RNC), com funções de gerência mobilidade realizadas pelo enb. Não existe mais o domínio CS (Circuit Switched) e o serviços legados serão emulados pelo IMS (SMS e Voz) Perfeita integração com acessos não 3GPP (ex.: Wi-Fi/WLAN) E-UTRAN Evolved Packet Core Máquina de Estado do 3G (3GPP TS ) Máquina de Estado do LTE (3GPP TS ) Latência em Diversos Sistemas Cell_PCH E-UTRA Idle Idle Mode Cell_DCH Cell_FACH Cell_PCH E-UTRA Connected Fonte: 4G Americas

8 MIMO (MULTIPLE INPUT, MULTIPLE OUTPUT) Multiplexação: Sinais distintos Diversidade: Mesmo Sinal Beamforming Capacidade BER SINR min(n Tx, N Rx ) Antenas SNR Tempo Closed loop, codebook precoding MCS, PMI, RI CQI, PMI, RI CRS Open loop, non-codebook precoding MCS CRS, DRS CQI TM Transmission scheme of PDSCH CQI mode Mode 1 Single-antenna port CQI Mode 2 Transmit diversity CQI Mode 3 Open-loop spatial multiplexing CQI Mode 4 Closed-loop spatial multiplexing CQI, RI, PMI Mode 5 Multi-user MIMO CQI, PMI Mode 6 Closed-loop Rank=1 precoding CQI, PMI Mode 7 Beamforming Single-antenna port; port CQI Mode 8 Dual layer beamforming CQI, RI, PMI Mode 9 Switching SU & MU-MIMO till 8 CQI, RI MIMO + SON = Coordenation Multi-Point (CoMP) Intra-cell CoMP Inter-cell CoMP Controle para eficaz para interferência entre céulas (inter-cell inerference) Ferramenta fundamental para aumento de cobertura e capacidade Dois modos: Coordinated scheduling & Beamforming Joint processing/transmission X2 Smallcells Heterogeneous Network Quando o terminal se encontra na borda pode receber o sinal de múltiplas estações de maneira coordenada

9 SELF ORGANIZED NETWORK Inspirado no forum NGMN (Next Generation Mobile Networks) e definido no 3GPP (TS ) nos rel.s 8, 9 e 10. Estabelece um conjunto de funcionalidades para automatização inteligente da rede para: configuração, otimização, recuperação de falhas e planejamento; objetivando a melhora de performance e custos de operação. Self-Planning & Dynamic Re-planning Self-Configuration Self-Optimization Self-healing Plug and Play Configuração e setup automáticos Automatic Inventory Automatic Neighbor Relations Auto Ajuste Otimização da rede em tempo real Mobility Load Balancing RACH Optimization Auto Reparo Mitigação de falhas de maneira rápida e automática Arquiteura Centralizada X2 Distribuída Híbrida Release 8 Automatic Inventory Automatic Software Download Automatic Neighbor Relations Automatic PCI Assignment Release 9 Coverage & Capacity Optimization Mobility optimization RACH optimization Load balancing optimization Inter-Cell Interference Coordination Release 10 Coverage & Capacity Optimization E-ICIC Cell Outage Detection & Compensation Funções Seff Healing Minimization o Drive Testing Energy Savings

10 EVOLUÇÃO Evolução da tecnologia e expectativa de introdução no mundo EDGE (Rel 7) E-EDGE (Rel 8) DL:474 kbps UL:474 kbps DL:1,89 Mbps UL: 947 kbps HSPA+ (Rel 7) HSPA+ (Rel 8) HSPA+ (Rel 9) HSPA+ (Rel 10) DL: 28 Mbps UL: 11,5 Mbps BW: 5 MHz DL: 42 Mbps UL: 11,5 Mbps BW: 5 MHz DL: 84 Mbps UL: 23 Mbps BW: 10 MHz DL: 168 Mbps UL: 23 Mbps BW: 20/10 MHz IMT Advanced LTE (Rel 8) DL: 300 Mbps UL: 45 Mbps BW: 20 MHz LTE (Rel 9) Otimização dos Recursos de da Rede LTE (Rel 10) DL: 1.2 Gbps UL: 568 Mbps BW: 40 MHz LTE (Rel 11) DL:> 1.2 Gbps BW: 100 MHz Coordenation Multi-Point (CoMP) e Inter-Cell Interference Coordination (ICIC) Self Organized Network Carrier Aggregation (até 100 MHz) Intra-cell CoMP Inter-cell CoMP Banda (1) X2 Banda (2) Banda (3) Capacidade

11 O QUE SE ESPERA DO LTE? Banda Larga Móvel Novos Serviços M2M Serviços Legados Redução de Custos Políticas

12 A Internet e a banda larga continuam crescendo 1.8 B Usuários Internet & Crescimento de +13% ano-a-ano 500 MM 400 MM 300 MM 200 MM 100 MM 0 MM 18.8T Minutos & Crescimento de +21% ano-a-ano 29% % 67 14% 13% China India Brasil Russia USA Substituição ou Convergência? 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% Local Fonte: Femtoforum LD Crescimento da Banda Larga Móvel 2000 Gbps 1500 Gbps 1000 Gbps 500 Gbps 0 Gbps HSPA LTE BANDA LARGA MÓVEL 4% 18 a a a a a ~ 2020 Fonte: Demanda Mkt Oi ,00% 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% Os móveis são preferenciais nas gerações mais jovens (Y, Z, Millenium) Na LATAM, espera-se se que o número de acessos banda larga móvel supere ao da fixa este ano Com novos dispositivos e M2M o número de acessos a banda larga móvel vai decolar No Brasil, o crescimento é de 82% ano-a-ano até 2015 segundo a Cisco A Banda larga, o bem estar das pessoas e o progresso McKinsey estima que um aumento de 10% na penetração da banda larga proporciona um acréscimo para o PIB de 0,1 a 1,4 %. Quando uma pessoa é conectada, a sua vida muda! Acessos Fixos e Móveis (Milhões) Mbps 5 Mbps 4 Mbps 3 Mbps 2 Mbps 1 Mbps 0 Mbps Fixed telephone lines Mobile cellular subscriptions Fixed broadband subscriptions Mobile broadband subscriptions América Latina America do Norte Europa Ocidental Brazil Fonte: ITU/ICT/MIS Fonte: Cisco VNI Banda Larga Fixos e Móvel (Milhões)

13 Mainframe-> Mini-> Desktop -> Smartphones/Tablets NOVOS SERVIÇOS 5 tendências para convergência: MBB + Redes Sociais + Vídeo + VoIP + usabilidade em dispositivos diferenciados Internet Internet Móvel A expressiva projeção para o crescimento da Internet móvel é justificada pela integração de funcionalidades (de uso pessoal) num único dispositivo, tornando-se, em alguns anos, o principal dispositivo contra os desktops. Mainframe Mini Desktop 10 B+ Redes Sociais, Conteúdo, Tablets e Cloud Estima-se que a demanda de Tabletpode superar a 100 milhões shipments até 2012 Os Smartphones e Tablets, em especial, catalisam a demanda para o mercado empresarial, permitindo um casamento com o mundo de TI através da Cloud Computing 1 B+ 100 MM+ 1 MM+ 10 MM Fonte: Morgan Stanley 2010 Tablet/Smartphone => O Novo PC Mimetizam as funções do PCs & desktop Internet PC => O Servidor (DVD / CD Collection, TV, Address Book ) PCs (junto com a Cloud) estão se tornando a home media servers: armazendando, realziando backup e provendo conteúdo a tablets e smatphones. Clouds => Novo Datacenter Armazena, processa os dados em ambientes que são acessados pelos smartphones e tablets. Provê a infra-estrutura básica para a nova geração de aplicações móveis Música Aplicações Vídeo Fotos

14 M2M Fasesda M2M 1ªFase: Aplicações Verticais 2ªFase: Regulamentação 3ªFase: Internet das Coisas Aplicações: Aplicações: Aplicações: POS POS POS Gerenciamento de Frota Gerenciamento de Frota Gerenciamento de Frota Rastreio Mobile Payment Rastreio Rastreio Telecom+ Transporte + Utilities+ Saúde + Governo = Mobile Payment Mobile Payment Cidades Câmeras de Inteligentes Monitoração Câmeras de Monitoração Medidores de Energia Medidores de Energia Pedágio Pedágio ecall Manutenção Remota Sincronização de Mídia Health Monitoring Bilhões de dispositivos conectados em 2020 Desafios para o M2M Utilização dos Recursos de Rede Hoje a praticamente todas as Redes Móveis são projetadas para a comunicação H2H. Para M2M outros recursos são mais utilizados, como a sinalização. Outros POS M2M WAP MMS 100% 80% 60% 40% 20% 0% Volume Air time Sinalização Fonte: Dados de tráfego Oi Ago-2010 Para as comunicações M2M a utilização dos recursos de sinalização aumenta significativamente quando comparado ao tráfego de dados. Baixo custo de rede para refletir o baixo ARPU Diferenciação entre aplicações: Aplicações diferentes Diferentes SLAs Proteção contra sobrecarga e congestionamento na rede de sinalização Preparação dos endereços de rede para o grande número de terminais

15 SERVIÇOS LEGADOS O LTE não é só dados Apesar da conslidação do MBB, serviços de voz e legados ainda representam a parte mais importante de receitas... CSFB (Circuit Switch Fall Back) S1 Abis SGSN MME/ GW BSC RNC Gr/S6a HLR HSS SGs A/Iu-CS C MSS MGCF MGW Porém, o LTE não é só dados, e para os serviços de voz o LTE apresenta uma eficência espectrial 10 vezes superior ao GSM. Nb/E PSTN (Transp. IP) Definido em 3GPP TS 23,272, representa uma solução de curto prazo para a voz eo legado serviços de apoio na rede LTE. Redireciona a partir da rede LTE qualquer serviço baseado em domínio CS (voz/sms) para a rede 2G/3G. Pontos Fortes Número de usuários ativos vs tecnologia GSM EFR GSM AMR UMTS (5.9 kbps) Sem investimento em IMS É suportado no caso de roaming HSPA (5.9 kbps) Pontos Fracos LTE (5.9 kbps) Os dados podem ser interrompidos (requer DTM) O tempo de estabelecimento > 3 s VoLTE (VoIP Over LTE) S1 Abis SGSN MME/ GW BSC RNC Gr/S6a HLR HSS Gi/SGi Sv A/Iu-CS Sh C MSS MGCF MGW IMS I2/I3/Mg Nb/E E PSTN (Transp. IP) VoLTE é uma iniciativa conjunto GSMA e 3GPP, apoiado no 3GPP IMS recomendação quadro, qual a arquitetura é definida com base em IR.92 3GPP TS e A continuidade de serviço e entrega são garantidos pela SR- VCC, definida em 3GPP TS 23,216, utilizando uma interface especial entre MME e MSS, Sv, para ancorar a chamada. Pontos Fortes Sem investimento em CS Voz e dados na mesma rede Eficiência espectral do LTE Pontos Fracos Requer investimento no IMS

16 REDUÇÃO DE CUSTOS Dilema da Banda Larga: Desacoplamento da Receita e Tráfego Voz Tráfego (Custo) Dados Receita Serviço Taxa & Volume Preço Custo/ MByte Preço / MByte Preço Relativo SMS 160 B. 0.15/ mens. X Voz 10 kbps 0.05 a 0.5/ min. Y Dados (3 GB) 3 GBytes 20 / mês Y/ MobileTV Unicast(50 hrs) kbps 5 / mês Y/ Fonte: Agilent (LTE Woorld Summit 2010) O preço relativo por Mbyte quando comparado com a banda larga é: vezes maior para o SMS e 300 a 3000 vezes maior para o serviço de voz. CapEx Custos por Estação: LTE vs 3G $$$ $$$ $$$ $$$ $$$ $$$ $$$ 3G (1) 3G (2) 3G (3) 3G (4) OpEx Self Organized Network 3a. Portadora 2a. Portadora NodeB LTE (X) 0,2000 0,1500 0,1000 0,0500 0,0000 Gráficos das densidades: estações (enb/km 2 ) vs Usuários (users/km 2 ) Baixa densidade MHz (10) 2600 MHz (20) HSPA+ HSPA+ (DC) Self-Planning & Dynamic Re-planning Self-Configuration Self-Optimization Self-healing 3,0000 2,0000 1,0000 0,0000 Alta densidade MHz (10) 2600 MHz (20) HSPA+ HSPA+ (DC) Estima-se uma economia de OpEx da ordem de 40% segundo Heavy Reading: 4G/LTE Insider 2010

17 PNBL Banda Larga Fixa : Penetração e distribuição de renda regional Acessos/Dom. Renda per Capta Note 13,5% R$ 449,00 Nordeste 4,0% R$ 381,00 Centro Oeste 20,0% R$ 760,00 Sudeste 23,8% R$ 748,00 Sul 21,3% R$ 759,00 Fonte: PNBL 2009 Penetração Dom. Banda Larga Fixa : Penetração vs Preço México 30% Brasil Argentina 20% Venezuela Colômbia 10% Peru 0% PPP $0,00 $50,00 $100,00 Chile USA Fonte: IPEA 2009/ITU ICT/MIS 2010/Cisco VNI 2010 Acesso banda larga : um acesso com escoamento de tráfego tal que permita aos consumidores finais, individuais ou corporativos, fixos ou móveis, usufruírem, com qualidade, de uma cesta de serviços e aplicações baseada em voz, dados e vídeo. Acesso Fixo Individual (Urbano e Rural): Acesso Fixo Coletivo (Urbano e Rural): Acesso Móvel: milhões de acessos banda larga fixa (urbanos e rurais), somando-se os acessos em domicílios, propriedades, empresas e cooperativas. 100% dos órgãos de Governo: 100% das unidades da AF; 100% das escolas públicas (>70k rurais); 100% das unidades de saúde (>177k); 100% das bibliotecas públicas (>10k); 100% dos órgãos de segurança pública (>14k). 60 milhões de acessos banda larga móvel, entre terminais de voz/dados (com serviço de dados ativo) e modems exclusivamente de dados. Política de Oferta Nova edição do PGMU III e Revisão dos acordos de concessão Plano Geral de Competição PGMC Novas bandas de ferquência (450, 2600, 3500 MHz) Regulamentação da revenda de serviços Regulamentação do compartilhamento de infra Regulamentação do Poder de Mercado Significatiovo PMS Regulamentação adicional do SCM Revisão do Regulamento de Remuneração de Redes Implantação de licença convergente Definição de troca de tráfegps PTT Diminuição do custo da licença do SCM para pequenos provedores Concessão de novas outorgas ao setor de TV por assinatura Política de Demanda Coibição de venda casada Programa de Computador para Todos Isenção fiscal por parte das Unidades da Federação Regime diferenciado do FISTEL para pequenos prestadores SCM Isenção Fiscal por parte da União Política de Qualidade Regulamentação da Qualidade de Serviços (Ex.: Res 575/2011) Regulamentação da Neutralidade de Redes (Ex.: PLC 116).

18 EDITAL 004/2012 (450 MHZ & 2500 MHZ) 2600 MHz P W V1 V2 X T U P W V1 V2 X 2500 Licença Nacional (15+15 anos) Operadoras Móveis (SMP) 2570 Por Localidade ( years) Serviços de Múltimídia e e Operadoras Móveis (SCM & SMP) 450 MHz SARC SMP, STFC e SCM SLP Dinâmica do Leilão Tipo A (Lote 1) 450 MHz banda FDD 7+7 MHz SLP SLMP SLP e SLE Lote 1 - desconto mais alto oferecido no plano e no atacado para acessos individuais e telefones públicos. Lote 2 até 76 - preço mais alto oferecido na apresentação lance final. SARC 461 SMP, STFC e SCM Vencedor? 468 Tipo B (Lote 2-5) 450 e 2600 MHz No Yes Tipo C (Lote 6-9) 2600 MHz 2690 Obrigações de Cobertura 450 MHz 2600 MHz Serviço de acesso à Internet de banda larga, gratuitamente, em todas as escolas públicas localizadas na área rural da prestação de serviços; 30% dos Municípios. (Mar/2014) 60% dos Municípios (Set/2014) 100% dos Municípios (Dez/2015) Taxa de 1 Mbps, upload de 256 kbps, e um mínimo mensal de 500 MB franquia. Pode ser utilizada outra frequência. Como programado no PGMU programação. (Dec/2017) Disponibilidade de torres, infraestrutura, transporte para o cumprimento de compromissos assumidos pelo licitante vencedor do lote 1 (450 MHz separadamente) até os custos compartilhados Cidades sede da Copa das Conferederações (Abr/2013) Sedes e subsedes da Copa do Mundo 2014 (Dez/2013) Capitais, municípios com mais de 500k habitantes e Distrito Federal (Maio/2014) Municípios com mais de 200k habitantes (Dez/2015) Municípios com mais de 100k habitantes (Dez/2016) Municípios entre 30 k e 100k habitantes, deverá ter pelo menos um provedor de 2.5 GHz; Oferta de serviços em tecnologia equivalente ao 3G. 30% dos municípios abaixo de 30k, com tecnologia igual ou superior ao 3G.(Dez/2017) 60% dos Municípios abaixo de 30k, com tecnologia igual ou superior ao 3G.(Dez/2018) 100%dos Municípios abaixo de 30k, com tecnologia igual ou superior ao 3G. (Dec/2019)

19 RESULTADO DO LEILÃO TIPO B Banda 2500 MHz Obrigações do 450 MHz 2600 MHz Licença Nacional (15+15 anos) Operadoras Móveis (SMP) 450 MHz 1 banda FDD 7+7 MHz P W V1 V2 X T U P W V1 V2 X SARC SMP, STFC e SCM SLP SLP SLMP SLP e SLE SARC SMP, STFC e SCM 461 Por Localidade ( years) Serviços de Múltimídia e e Operadoras Móveis (SCM & SMP) Subbandas e Vencedores MHz MHz MHz MHz W V1 V2 X Valores Pagos Preço Mínimo Valor Pago Vencedor Ágio Banda W 630,191 MM 844,518 MM Claro 34,0% Banda V1 315,096 MM 340,000 MM TIM 7,9% Banda V2 315,096 MM 330,851 MM Oi 5,0% Banda X 630,191 MM 1.050,000 MM Vivo 66,6%

20 PRIMEIRO DESAFIO: OBRIGAÇÕES Obrigações de Cobertura 3G (Edital 002/2007) 4G (Edital 004/2012) Cobertura2100 MHz vs2600 MHz 2009: 50% das capitais de estado, DF e municípios maiores que 500 mil hab. 1 a 2013: Cidades sede da Copa das Conferederações (Abr/2013) Sedes e subsedes da Copa do Mundo 2014 (Dez/2013) Cobertura 2600 MHz 2010: Capitais de Estado, DF e municípios maiores que 500 mil hab 2011: 50% dos municípios maiores que 200 mil hab. 3 a 2 a 2014: Capitais, municípios com mais de 500k habitantes e Distrito Federal (Maio/2014) 2015: Municípios com mais de 200k habitantes (Dez/2015) Cobertura 2100 MHz A Cobertura do 2600 MHz é de até 20% menor que 2100 MHz Cobertura3G e 4G vsdias apóso Leilão 2012: Municípios maiores que 200 mil hab. Municípios maiores que 100 mil hab. 2013: 50% dos municípios entre 30 e 100 mil hab. 15% dos municípios com menos de 30 mil hab. 2014: 30% dos municípios com menos de 30 mil hab 2015: 45% dos municípios com menos de 30 mil hab, a cada ano, até atingir 60% do total. 7 a 6 a 5 a 4 a 2016: Municípios com mais de 100k habitantes (Dez/2016) 2017: Municípios entre 30 k e 100k habitantes, deverá ter pelo menos um provedor de 2.5 GHz; Oferta de serviços em tecnologia equivalente ao 3G. 30% dos municípios abaixo de 30k, com tecnologia igual ou superior ao 3G.(Dez/2017) 2018: 60% dos Municípios abaixo de 30k, com tecnologia igual ou superior ao 3G.(Dez/2018) 2019: 100%dos Municípios abaixo de 30k, com tecnologia igual ou superior ao 3G. (Dec/2019) 160% 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% 0 dias 500 dias 1000 dias 1500 dias 2000 dias 2500 dias Cobertura 3G O dobro da quantidade de sites 3G Cobertura 4G Em função da frequência, a cobertura de uma estação rádio base 4G é 20% menor que a cobertura do 3G. Ao mesmo tempo, as obrigações de cobertura do 4G são mais agressivas que a do 3G. Em menos de cinco anos o número de sites 4G necessários deverá ser o dobro dos sites 3G considerando o mesmo período, dede o leilão, para obrigações.

21 OUTROS DESAFIOS Capacidade Dimensionamento da Rede de Acesso TRáfego Small Cells & Heterogeneuos Network Cobertura Tráfego Excedido Compra de mais espectro Novas Tecnologias Split Cells Cálculos para a demanda para áreas densa urbanas durante a HMM, pode-se chegar a 800 Mbps/km2 de tráfego (BuNGee e Artists4G Projects). Esta projeção é maior que o estado da arte da tecnologia atual: LTE. As SmallCells possuem uma performance superior que a rede macro. Inter-Cell Interference Poluição Visual Taxas Adicionais Backhaul Gerência de Interferência > Novas Funcion. Poluição Visual > Novos Formatos Revisão de Taxas e Impostos A mitigação da inter-cell interference (ICI) no DL em multi-cell é critico para aumentar a taxa em sistemas sem fio. É um tópico de grande interesse nas pesquisas e padronizações hoje, e.g. in Coordinated Multi-Point (CoMP) no LTE/LTE-A. Inter-Cell Interference Coordination (ICIC ) Coordinated Multi-Point (CoMP) Smallcells TFI+TFF Nx(TFI+TFF)

22 DESAFIOS DO BACKHAUL Rede 2G Rede 3G Rede 4G Capilaridade: Frequencia Alta, menor é a cobertura Mais hotspots Banda: 900 MHz & 1800 MHz Coberturas Macro e Metro Banda: 2100 MHz Crescimento da cobertura Indoor Femtocell e Small Cells para expansão de cobertura Banda (Brasil): 2600 MHz Crescimento da cobertura Indoor Smallcells & Hetnet Taxa & Latência: Voz -> Dados e Serviços baseados em Video Handover IP Voz e dados a baixa velocidade (150kbps) Latência da ordem de alguns segundos Voz e taxas de dados elevadas (21 Mbps por setor) Latência superior a 80 ms Video & ultra high data speed (324 Mbps por setor) Taxas elevadas Latência abaixo de 15 ms Tecnologia: TDM -> IP Small Cells -> Novos mecanismos de transporte para o CPRI Transporte baseado no PDH/SDH com 1 ou 2 E1s por BTS Cabo de cobre, ráidio de baixa capacidade e eventualmente or fibra Sincronismo provido por rede determinística (SDH, 2MHz) Originalmente baseado em ATM usando IMA interface, em torno de 8 a 10 E1s por BTS. Fibra, Rádio de 16 E1s, e eventualmente cabo de cobre, Sincronismo provido por rede determinística (SDH, 2MHz) IP Access (MPLS-TP, Metro Eth), Giga-Ether acima de 200 Mbps por BTS Requer fibra e Rádio IP Novos mecanismos de transporte (IEEE 1588, SyncE) Nova interface sem ser IP: CPRI.

23 LTE NO MUNDO Crescimento do LTE Lista TOP de Operadoras LTE (jun-2012) 20 M Ass. 16 M Ass. 12 M Ass. 8 M Ass. 4 M Ass. 0 M Ass. O LTE cresceu no último trimestre (1Q12) em 7,4 Milhões de assinantes. Entretanto, maior parte está nos países da América do Norte, em especial nos EUA. Fonte: GSA Julho/ operadoras em 101 países investem em LTE São 197 dispositivos disponíveis em diversas freqüências 89redes comerciais em 45 países. 58 redes em 11 países: em andamento com lançamento planejandos para os próximos anos Compromissios para lançamento de 280 novas redes comerciais em 90 países Países com redes comerciais Países com redes planejadas Países com trial LTE FDD 700 MHz MHz MHz MHz /1800/2600 MHz 75 AWS Módulos Tablets Notebooks PC Cards Femtocell Smartphones Routers Dongles Fonte: GSA Julho/2012 Fonte: GSA Julho/2012

24 FIM Obrigado!

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Balanço Huawei da Banda Larga 1T12

Balanço Huawei da Banda Larga 1T12 Balanço Huawei da Banda Larga 1T12 www.huawei.com Preparado pela HUAWEI TECHNOLOGIES CO., LTDA Sumário Introdução Banda Larga Fixa Banda Larga Móvel Especial 4G 2 Objetivo e metodologia Acompanhar o crescimento

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Balanço Huawei 3T12. Preparado pela. www.huawei.com HUAWEI TECHNOLOGIES CO., LTDA

Balanço Huawei 3T12. Preparado pela. www.huawei.com HUAWEI TECHNOLOGIES CO., LTDA Balanço Huawei da Banda Larga 3T12 www.huawei.com Preparado pela HUAWEI TECHNOLOGIES CO., LTDA Sumário Introdução Banda Larga Fixa Banda Larga Móvel Considerações Finais 2 Objetivo e metodologia Acompanhar

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution)

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) 23 2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) O LTE (Long Term Evolution) surge como uma evolução das redes 2G (GSM) e 3G (UMTS) existentes. Espera-se que o LTE seja capaz de absorver, eficientemente o crescente

Leia mais

LTE TDD no Brazil Mercado Potencial

LTE TDD no Brazil Mercado Potencial LTE TDD no Brazil Mercado Potencial Centro de Operações no Brasil São Paulo HO 4 escritórios regionais: Rio, Brasília, Recife e Curitiba US$ 1.5 Bn Vendas (2014) ~3000 Funcionários 1 R&D Center 1 Training

Leia mais

Explorando as Oportunidades dos Serviços de Dados. Seminário sobre Telecomunicações APIMEC RIO

Explorando as Oportunidades dos Serviços de Dados. Seminário sobre Telecomunicações APIMEC RIO Explorando as Oportunidades dos Serviços de Dados Seminário sobre Telecomunicações APIMEC RIO As Oportunidades do Mercado de Telecom no Brasil Universalização dos Serviços Através do Móvel Crescimento

Leia mais

LTE - Aplicações. Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD

LTE - Aplicações. Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD LTE - Aplicações Carlos Lorena Neto Email: clneto@cpqd.com.br GTSF Gerência Sem Fio, CPqD Contexto Tecnologia Móvel e Tráfego de Dados Source: Cisco VNI Mobile, 2015 Terminais Móveis e Dados http://www.coadydiemar.cm/html/rb_volume6_2012.html

Leia mais

36º Encontro Tele.Síntese

36º Encontro Tele.Síntese 36º Encontro Tele.Síntese Evolução tecnológica - terminais 1998 Em poucos anos a evolução dos terminais móveis é surpreendente 2013 2 Evolução tecnológica - uso FALAR CONECTAR COMPARTILHAR VIVER Tecnologia

Leia mais

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel As operadoras UMTS estão lançando rapidamente o High Speed Packet Access (HSPA) para capitalizar a capacidade de banda larga móvel e a alta capacidade

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Exemplo São Paulo, 19 de novembro de 2008 Copyright 2008 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. Agenda 1 2 3 4 Oportunidade de negócio Análise Técnico-econômica

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

Universalização de acesso à internet de alto desempenho. Presidência da Anatel

Universalização de acesso à internet de alto desempenho. Presidência da Anatel Universalização de acesso à internet de alto desempenho Presidência da Anatel Brasília/DF Outubro/2012 Panorama Global CRESCIMENTO DA BANDA LARGA NO MUNDO - O Brasil foi o quinto país que mais ampliou

Leia mais

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations 2 Tecnologia LTE 2.1. Arquitetura da Rede Existe há alguns anos uma tendência para que as redes migrem os serviços que utilizam circuit switch (CS) para uma rede baseada totalmente em IP, packet switch

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

PNBL e deficiências na transmissão de dados via internet Região Norte. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel

PNBL e deficiências na transmissão de dados via internet Região Norte. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel PNBL e deficiências na transmissão de dados via internet Região Norte Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel Agenda Região Norte Ações da Anatel* Anuência Prévia Oi-BrT Projeto

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA Telefonia Móvel 4G A tecnologia da quarta geração de telefonia móvel, ou 4G, designa uma tecnologia que oferece altíssimas velocidades de conexão com a

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet Acesso Internet Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008 Agenda TIM no Brasil Tecnologias de Acesso Banda Larga Aplicações das Tecnologias de Acesso Popularizando o Acesso a Internet TIM no Brasil

Leia mais

Banda Larga rural e urbana

Banda Larga rural e urbana Banda Larga rural e urbana Edital de Licitação 004/2012/PVCP/SPV-Anatel (450 MHz e 2,5 GHz) Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel Brasília/DF Abril/2012 Premissas e objetivos

Leia mais

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33

Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 Anatomia de uma rede de acesso banda-larga (Parte I) GTER 33 2012 Grupo Algar Negócios Algar Setor TI/Telecom Setor Agro Setor Serviços Turismo Algar Telecom Negócios & Atuação: Varejo Empresas Dados &

Leia mais

CDMA450. Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil. FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais

CDMA450. Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil. FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais CDMA450 Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais São Paulo, 31 de Maio de 2011. Roteiro Faixa de 450 MHz Tecnologias

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Desafios no acesso à internet móvel: penetração, qualidade e gestão do espectro

Desafios no acesso à internet móvel: penetração, qualidade e gestão do espectro Desafios no acesso à internet móvel: penetração, qualidade e gestão do espectro Miriam Wimmer Diretora do Departamento de Serviços e de Universalização de Telecomunicações Secretaria de Telecomunicações

Leia mais

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins NTT Docomo, KDDI, Softbank MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins Introdução Japão é líder em tecnologia móvel de telefone; Aproximadamente 85% da população possue celular; 40% dos investimentos

Leia mais

Balanço Huawei da Banda Larga Fevereiro/2013

Balanço Huawei da Banda Larga Fevereiro/2013 Balanço Huawei da Banda Larga Fevereiro/2013 www.huawei.com Preparado pela HUAWEI TECHNOLOGIES CO., LTDA Sumário Introdução Banda Larga Móvel no mundo no Brasil Banda Larga Fixa no mundo no Brasil Tendências

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010 I Fórum Lusófono de Comunicações Abril. 2010 Evolução do Setor de Telecomunicações no Brasil Pré-Privatização Monopólio estatal Poucos investimentos Baixa qualidade dos serviços 98 Grande demanda reprimida

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

LTE Long Term Evolution 4ª Geração Móvel. Abril 2010

LTE Long Term Evolution 4ª Geração Móvel. Abril 2010 LTE Long Term Evolution 4ª Geração Móvel Abril 2010 1 Índice LTE Long Term Evolution 1. O que é o LTE? Para que serve? Como Funciona? Enquadramento 2. Impacto LTE na Rede. Disponibilidade - Roadmap Rede

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores móveis Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Investimentos em 4G, refarming. de frequência e telefonia rural

Investimentos em 4G, refarming. de frequência e telefonia rural Investimentos em 4G, refarming de frequência e telefonia rural Carlos Baigorri Superintendente Anatel Brasília/DF Fevereiro/2014 Nos últimos 12 anos pudemos ver no mercado as tecnologias passando por diferentes

Leia mais

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN)

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Os Primórdios Final da década de 80 e década de 90 2 1 Wide Area Mobile Data Services ARDIS EMBARC MobileComm Nextel RadioMail RAM

Leia mais

AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO

AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO AMÉRICA LATINA E CARIBE ERICSSON MOBILITY REPORT - APÊNDICE NOVEMBRO VISÃO GERAL DO MERCADO Principais dados: América Latina e Caribe M Assinaturas móveis (milhões) Assinaturas de smartphones (milhões)

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Painel III - Alternativas para Universalização da Banda Larga

Painel III - Alternativas para Universalização da Banda Larga Painel III - Alternativas para Universalização da Banda Larga Secretaria de Telecomunicações Roberto Pinto Martins 29-09-2009 i Banda Larga no Cenário Internacional Contexto da Banda Larga Banda Larga

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE Início: 16 de Dezembro 2009 Término: 26 de Janeiro de 2010 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO....2

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Balanço Huawei da Banda Larga 2T12

Balanço Huawei da Banda Larga 2T12 Balanço Huawei da Banda Larga 2T12 www.huawei.com Preparado pela HUAWEI TECHNOLOGIES CO., LTDA Sumário Introdução Banda Larga Fixa Banda Larga Móvel Especial Londres 2012 2 Objetivo e metodologia Acompanhar

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Quo Vadis 700MHz? Mario Girasole. 36º Encontro Tele.Síntese Brasília. 4 de fevereiro de 2014. Confidencial

Quo Vadis 700MHz? Mario Girasole. 36º Encontro Tele.Síntese Brasília. 4 de fevereiro de 2014. Confidencial Quo Vadis 700MHz? 36º Encontro Tele.Síntese Brasília 4 de fevereiro de 2014 1 1 Mario Girasole As virtudes do Dividendo Digital para a BL Móvel Arrecadação adicional do setor no PIB com a Banda Larga Móvel*

Leia mais

A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS

A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS Maximiliano Martinhão Brasília, 04 de janeiro de 2013 Dados socioeconômicos Banda Larga Anatel: Mais de 47 % dos acessos fixos ativados desde DEZ/2010

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações CONFIDENCIAL A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações José Antônio Guaraldi Félix Presidente da NET Serviços de Comunicação S.A. São Paulo, 29 de setembro de 2009 SUMÁRIO

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Banda Larga Políticas Públicas e Regulação

Banda Larga Políticas Públicas e Regulação Banda Larga Políticas Públicas e Regulação Rogério Santanna dos Santos Brasília, 29 de Setembro de 2009 Mercado Banda Larga - Operadoras Empresas 2007 (x1000) 2008 (x1000) % Crescimento Ano 2007 Telefonica

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

DESTINAÇÃO E LICITAÇÃO DA FAIXA DE 700MHZ

DESTINAÇÃO E LICITAÇÃO DA FAIXA DE 700MHZ DESTINAÇÃO E LICITAÇÃO DA FAIXA DE 700MHZ Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática CCT Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Brasília/DF Julho/2013 CENÁRIO ATUAL

Leia mais

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio : O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio As soluções de banda larga sem fio epmp da Cambium Networks são as primeiras a trazer confiabilidade comprovada em campo, sincronização por GPS, escabilidade e desempenho

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

Redes de Transporte e Backhaul Móvel IP/MPLS

Redes de Transporte e Backhaul Móvel IP/MPLS Redes de Transporte e Backhaul Móvel IP/MPLS As primeiras redes comerciais LTE foram lançadas no final de 2009 no norte da Europa, por parte da operadora TeliaSonera. Pouco depois outros mercados seguiram,

Leia mais

Plano industrial 2014-2016 TIM Participações

Plano industrial 2014-2016 TIM Participações Plano industrial 2014-2016 TIM Participações Limitação de Responsabilidade Este documento pode incluir declarações prospectivas. Essas declarações não são declarações de fatos históricos e refletem crenças

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Melhoria de Cobertura Indoor Utilizando Femtocell

Melhoria de Cobertura Indoor Utilizando Femtocell Melhoria de Cobertura Indoor Utilizando Femtocell Este tutorial tem como objetivo principal, uma revisão bibliográfica parar simplificar o entendimento da tecnologia femtocell, com a proposta de atender

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Marco A O Tavares Gerente Operacional de Planejamento Engenharia do Espectro tavares@anatel.gov.br Agenda A Anatel neste Contexto Passos Percorridos E para

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Centro de Estudos em Telecomunicações. Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil

Centro de Estudos em Telecomunicações. Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil Centro de Estudos em Telecomunicações Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil AGENDA Introdução Soluções de Acesso em Banda Larga Satélites na Banda Ka Satélites de Alta

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America 5º Encontro de Telecomunicações Respeito ao Consumidor 4G no Brasil: FIESP Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações Alexandre Jann Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America Tópicos Perfil

Leia mais

Autor: Patrick Freitas Fures

Autor: Patrick Freitas Fures FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade WIMAX Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira com requisito parcial para obtenção

Leia mais

PacketInsight. Sistema inteligente de captura de dados com capacidades de pesquisa de alto desempenho para redes 3G/UMTS/LTE

PacketInsight. Sistema inteligente de captura de dados com capacidades de pesquisa de alto desempenho para redes 3G/UMTS/LTE PacketInsight Sistema inteligente de captura de dados com capacidades de pesquisa de alto desempenho para redes 3G/UMTS/LTE Além do 3G-LTE já chegou Benefícios principais Acelera o tempo para obtenção

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

Informação proprietária WxBR

Informação proprietária WxBR 36º Encontro Tele.Síntese 4G: Ampliação da Cobertura e Áreas rurais Frequências Alternativas e Leilão de 700 MHz Silvio Rogatto A Empresa WxBR Empresas Sócias: Padtec (76,36%) e Icatel (23,64%) Opera no

Leia mais

Internet e telefonia rural Possibilidades a partir da faixa de 450 MHz

Internet e telefonia rural Possibilidades a partir da faixa de 450 MHz Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) Internet e telefonia rural Possibilidades a partir da faixa de 450 MHz Maximiliano Salvadori Martinhão Secretário de Telecomunicações

Leia mais

JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL JARBAS JOSÉ VALENTE Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Outubro/2013 Modelo Regulatório Princípios Legais QUANTO AO REGIME DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO: REGIME PÚBLICO: CONCESSÃO COM

Leia mais

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo A tecnologia LTE tem sido considerada uma tendência natural para a convergência dos sistemas de telefonia celular de segunda e terceira geração. Essa tecnologia, entretanto,

Leia mais

Políticas de Massificação da Banda Larga

Políticas de Massificação da Banda Larga Políticas de Massificação da Banda Larga 59º Painel Telebrasil 1 de setembro de 2015 Banda larga no Brasil expande ano a ano Em julho de 2015, chegamos a: 221,3 milhões de acessos em banda larga 196,4

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga

Programa Nacional de Banda Larga Programa Nacional de Banda Larga Metas e eixos de ação Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 31 de agosto de 2011 Dados de acesso à Internet em

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS instituição s de serviços de telecomunicações PABX instituição PABX Internet terminal Sip rede Ethernet banco de celulares banco de celulares A figura acima ilustra esquematicamente

Leia mais

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal

Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal Principais Introduções Tecnológicas Vodafone Portugal A Vodafone tem estado sempre na linha da frente da introdução de novas tecnologias e desenvolvimento de serviços de dados móveis. Foi pioneira em Portugal

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom

Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom 40º Encontro TELE.SÍNTESE Março de 2015 Panorama Telefonia Móvel 281,7 milhões de acessos ~155 milhões de acessos de banda larga móvel (54%)

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 28 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade.

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade. Curso: Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Professor: Marco Câmara Aluno: Guilherme Machado Ribeiro Turma: 12 matutino Roteiro I Redes WiMAX 1-Histórico WiMAX, de

Leia mais

1º. Wireless Mundi Painel: As vantagens da 3G para o Brasil

1º. Wireless Mundi Painel: As vantagens da 3G para o Brasil 1º. Wireless Mundi Painel: As vantagens da 3G para o Brasil Marco Aurélio Rodrigues QUALCOMM Brasil 27/3/2007 QUALCOMM Proprietary 3G: evolução natural das tecnologias celulares CDMA CDMA/TDM OFDM CDMA2000

Leia mais

Oportunidades e Desafios Banda Larga Móvel no Brasil

Oportunidades e Desafios Banda Larga Móvel no Brasil Oportunidades e Desafios Banda Larga Móvel no Brasil Mobile Broadband Outlook for the Americas, Rio de Janeiro, 26 April 200 # OPORTUNIDADES O Perfil de uso do Brasileiro... Tempo Tempo médio médio de

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais