RELATÓRIO DA COMISSÃO. sobre o Mecanismo de Alerta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA COMISSÃO. sobre o Mecanismo de Alerta"

Transcrição

1 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, COM(2012) 68 final RELATÓRIO DA COMISSÃO sobre o Mecanismo de Alerta elaborado em conformidade com os artigos 3.º e 4.º do Regulamento relativo à prevenção e correção dos desiquilíbrios macroeconómicos PT PT

2 1. INTRODUÇÃO Um novo ponto de partida que alarga e reforça a governação económica na UEM A persistência de importantes desequilíbrios macroeconómicos que se traduz em défices e excedentes externos elevados e persistentes, em perdas importantes de competitividade, aumento do endividamento e formação de bolhas de imobiliárias acumulados ao longo da última década foram uma das causas atual crise económica. Não só causaram dificuldades macroeconómicas aos Estados-Membros em causa, como tiveram graves repercussões que contribuíram para alimentar as ameaças que pesam sobre a área do euro. O presente relatório sobre o mecanismo de alerta (RMA) constitui o primeiro passo na aplicação do novo procedimento de supervisão para a prevenção e correção dos desequilíbrios macroeconómicos (a seguir designado «procedimento relativo aos desequilíbrios macroeconómicos» - PDM). Este relatório também inclui a composição final dos indicadores do painel de avaliação (quadro 1 e secção 2). A supervisão, com vista a prevenir e a corrigir os desequilíbrios macroeconómicos no âmbito do PDM, constitui um novo instrumento do quadro reforçado em matéria de governação económica na UE, tendo sido adotado no quadro de um pacote composto por seis medidas legislativas no domínio da governação (conhecido por «six-pack»), que prevê, nomeadamente, um reforço significativo da supervisão das políticas orçamentais. A supervisão dos desequilíbrios macroeconómicos no âmbito do PDM faz parte do «Semestre Europeu», que adota uma abordagem integrada e a montante dos desafios de política Económica que se colocam à União para garantir a sustentabilidade orçamental, a estabilidade do mercado financeiro, a competitividade e o crescimento económico. O papel e o âmbito de aplicação do relatório sobre mecanismo de alerta O RMA funciona como um instrumento de controlo inicial graças ao qual a Comissão identifica os Estados Membros que devem ser alvo de um exame suplementar para determinar a existência ou o risco de desequilíbrios 1. Importa referir que é no quadro das seguintes análises aprofundadas que se avaliam os vetores da evolução observada, a fim de determinar a natureza dos desequilíbrios. É apenas com base nesta análise aprofundada que a Comissão proporá, se for caso disso, recomendações de política no âmbito da vertente preventiva ou da vertente corretiva do procedimento, consoante o caso. Os estudos aprofundados e a propostas de recomendações farão parte do Semestre Europeu. A necessidade de uma análise mais aprofundada baseia-se nos indicadores do painel de avaliação definidos pela Comissão, após consulta do Conselho, do Parlamento Europeu e do Comité Europeu do Risco Sistémico (ver secção 2 e quadros 1 e 2 infra) 2. Refira-se que os indicadores do painel de avaliação não são interpretados mecanicamente. Os países são avaliados, analisando a evolução dos indicadores ao longo do tempo e tendo em conta os desenvolvimentos e perspetivas mais recentes. Além disso, a avaliação tem em conta uma combinação de informações adicionais relevantes. Além disso, a Comissão presta especial atenção a um conjunto mais amplo de indicadores (ver secção 2, quadro 3), que o Conselho e 1 2 A definição de desequilíbrios figura no artigo 2º do Regulamento relativo à prevenção e correção dos desequilíbrios macroeconómicos. O Conselho aprovou o painel de avaliação nas conclusões do Conselho ECOFIN de 7 de novembro de O Parlamento Europeu adotou uma resolução a 15 de dezembro de O CERS respondeu por carta de 9 de dezembro de

3 o Parlamento Europeu sublinharam ser de especial importância para uma leitura económica do painel de avaliação. A secção 2 apresenta a conceção do painel de avaliação do mecanismo de alerta. A secção 3 faz uma leitura horizontal e temática da situação com base numa leitura do painel de avaliação. A secção 4 apresenta uma análise do painel de avaliação por país. A secção 5 apresenta os principais resultados e conclusões. 2

4 Quadro 1. Indicadores do painel de avaliação e limiares indicativos (*) Desequilíbrios externos e competitividade Desequilíbrios internos Indicador Balança de transações correntes (média durante 3 anos em % do PIB) Posição de investimento internacional líquida em% do PIB Variação (%) (3 anos) da taxa de câmbio efetiva real, deflacionadores IHPC, em relação a 35 países industrializados (a) Variação (%) (5 anos) das partes do mercado de exportação Variação (%) (3 anos) dos custos unitários nominais do trabalho (b) Variação em % (numa base anual) dos preços deflacionados do imobiliário (c) Fluxo de crédito ao setor privado em % do PIB (d), (e) Dívida do setor privado em % do PIB (d), (e) Dívida administrações públicas em % do PIB (f) Taxa de desemprego (média 3 anos) Fonte de dados Estatísticas relativas às balanças pagamentos - Eurostat. Estatísticas relativas às balanças pagamentos - Eurostat. Base de dados sobre indicadores de competitividade de preços e de custos.- DG ECFIN Estatísticas relativas às balanças pagamentos - Eurostat. EUROSTAT Índice de preços harmonizado pelo Eurostat, completado, pelos dados da OCDE, BCE e BIS. Eurostat para dados anuais e as CST, BCE para dados trimestrais. Eurostat para dados anuais e as CST, BCE para dados trimestrais. Eurostat (PDE definição do Tratado). EUROSTAT Limiares indicativos Período para o cálculo dos limiares Alguns indicadores suplementar es a utilizar na leitura económica Notas +6/-4% -35% Quartil inferior capacidade/nece ssidade líquida de financiamento em relação ao resto do mundo (conta de capital + saldos das contas correntes, em% do PIB) Primeiro ano disponível (meados dos anos 90) Dívida externa líquida em % do PIB +/- 5% para área do +/- 11% fora da área do Quartis inferior e superior da A /+ D.P. A -6% Quartil inferior + 9% A + 12% fora da A Quartil superior A p.p +6% Quartil superior a) Para os parceiros comerciais da UE é utilizado o IHPC enquanto para os parceiros comerciais de países terceiros, o deflacionador baseia-se num IPC próximo do IHPC em metodologia; b) Índice que fornece o rácio remuneração nominal por trabalhador/ PIB real por pessoa empregada; c) Evolução dos preços do imobiliário em relação ao deflator de consumo Eurostat; d) entende-se por setor privado, as sociedades não financeiras; As famílias e instituições sem fins lucrativos ao serviço das famílias; e) Adição de empréstimos e títulos exceto ações; passivos, não consolidados; f) A sustentabilidade das finanças públicas não será avaliada no contexto da PDM, dado que já está coberta pelo PEC. No entanto, este indicador faz parte do painel de avaliação, porque o endividamento público contribui para o endividamento global do país e, por conseguinte, para a sua vulnerabilidade. *) Está previsto o desenvolvimento de um indicador mais abrangente para o setor financeiro e bancário até ao final de % Quartil superior 160% Quartil superior +60% +10% TCER em relação ao resto da área do euro Partes de mercado de exportação com base nos volumes de mercadorias; Produtividade do trabalho Tendência de crescimento da PTF CUT nominais (variação ao longo de 1, 5, 10 anos); CUT efetivos em relação ao resto da área do euro Outras medidas de produtividade Preços reais do imobiliário (evolução ao longo de 3 anos); Preços nominais do imobiliário (evolução ao longo de 1 ano e 3 anos) Construção de habitação Indicador relativo à evolução dos passivos financeiros do setor financeiro não consolidado e do rácio dívida/fundos próprios Dívida do setor privado com base em dados consolidados

5 Quadro 2: Painel de avaliação do PDM para 2010 Ano 2010 Balança de transações correntes (média de 3 anos em % do PIB) Desequilíbrios externos e competitividade Variação (%) Posição de (3 anos) da investimento taxa de câmbio internacional efetiva real, líquida em% deflacionadores do PIB IHPC Variação (%) (5 anos) das partes do mercado de exportação Variação percentual (3 anos) dos CUT nominais Variação em % (numa base anual) dos preços deflacionados do imobiliário Fluxo de crédito ao setor privado em % do PIB Desequilíbrios internos Dívida do setor privado em % do PIB Dívida administrações públicas em % do PIB Taxa de desemprego (média 3 anos) Limiares -4/+6% -35% ±5% & ±11% -6% +9% & +12% +6% 15% 160% 60% 10% BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK Nota: 1) data-limite, 30 de Janeiro de 2012; * Países alvo de programas de assistência (IE, EL, PT, RO). A LV terminou o seu programa de assistência à balança de transações correntes, em 19 de Janeiro de 2012, mas continua a ser objeto de vigilância pós-programa. 4

6 Quadro 3: Indicadores suplementares utilizados na leitura económica do painel de avaliação do PDM, 2010 Ano 2010 Crescimento do PIB real (% numa base annual) Formação bruta de capital fixo em % do PIB Despesas internas brutas em I&D em % do PIB Balança de transações correntes, em % do PIB dados BdP Capacidade/ necessidade líquida de financiamento em rel. ao resto do mundo, em % do PIB dados BdP Dívida externa líquida em % do PIB Fluxos de IDE em % do PIB Saldo da balança comercial de produtos líquidos de energia, em % PIB Variação em % (3 anos) contra TCER/ EA (17) Evolução em % (base anual das partes do mercado de exportação volumes Produtivida de do trabalho (% numa base anual) Crescimen to do emprego (% numa base anual) variação em % (10 anos) dos CUL nominais Variação em % (10 anos) dos CUL efetivos / EA (17) variação em % de (3 anos) dos preços nominais do imobiliário Construção de habitação em % do PIB Dívida do setor privado, em % do PIB, dados consolidado s BE na na BG : : CZ : : DK : : DE EE nd IE nd EL nd ES FR IT CY nd LV : : LT : : LU nd HU : : MT nd NL AT PL nd : : nd PT nd RO : : nd nd SI SK nd FI SE : : UK nd : : nd 8.0 Notas: 1) «nd» refere-se a dados não disponíveis no momento. 2) Data-limite, 30 de janeiro de 2012; * Países alvo de programas de assistência (IE, EL, PT, RO). A LV terminou o seu programa de assistência à balança de transações correntes, em 19 de janeiro de Passivos financeiros do setor fin., crescimento não consolidado numa base anual 5

7 2. CONCEÇÃO DO PAINEL DE AVALIAÇÃO O painel de avaliação foi estabelecido pela Comissão em conformidade com o artigo 4.º do regulamento 3 e tendo em conta as observações 4 do Parlamento Europeu 5, do Conselho 6 e do Comité Europeu do Risco Sistémico sobre as questões relacionadas com a estabilidade dos mercados financeiros 7. Os indicadores do painel de avaliação (ver quadro 1) são públicos 8. Ao selecionar os indicadores e os limiares da primeira edição do painel de avaliação, a Comissão seguiu os princípios orientadores previstos na legislação. O painel de avaliação contém um pequeno número de indicadores pertinentes, práticos, simples, mensuráveis e disponíveis. As fontes Eurostat foram utilizadas sempre que possível, senão foi utilizada uma outra base de dados de elevada qualidade (por exemplo, o BCE). A seleção de indicadores destina-se a permitir a identificação precoce de desequilíbrios que possam surgir a curto prazo ou resultantes de desequilíbrios estruturais, assim como as tendências a longo prazo. Para o efeito, a escolha dos indicadores incide nos aspetos mais relevantes dos desequilíbrios macroeconómicos e perdas de competitividade, com especial ênfase para o bom funcionamento da área do euro. Refira-se que o controlo da dívida pública se limita à sua contribuição para os desequilíbrios macroeconómicos, uma vez que a sustentabilidade das finanças públicas já é abordada pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento 9. Os limiares indicativos foram fixados a níveis prudentes, com vista a evitar um número excessivo de falsos alarmes, mas não de tal forma que apenas permitem identificar os problemas uma vez instalados. O quadro 2 apresenta os valores dos indicadores do painel de avaliação que se baseiam nos dados até 2010, último ano para o qual se dispõe de dados completos. As zonas a sombreado significam que o valor do indicador ultrapassa os limiares indicativos. Estes limiares são os mesmos para todos os países (com exceção dos indicadores relativos às taxas de câmbio efetivas reais e aos custos unitários do trabalho, em que foi feita uma distinção entre países pertencentes e não pertencentes à área do euro). Além disso, a avaliação tem igualmente em conta os dados mais recentes, bem como as perspetivas económicas das previsões do outono da Comissão, publicadas em 10 de novembro de Os valores dos indicadores relativos a anos anteriores e ao período mais recente figuram no anexo estatístico que acompanha o presente relatório 10. A avaliação dos desequilíbrios não resulta de uma aplicação mecânica dos indicadores do painel de avaliação e respetivos limiares. Trata-se do resultado de uma leitura económica do painel de avaliação completada por outras informações e indicadores, tendo devidamente em Regulamento (UE) n.º 1176/2011 sobre a prevenção e a correção dos desequilíbrios macroeconómicos. O documento de trabalho dos serviços da Comissão com a proposta relativa a painel de avaliação no qual se baseou a consulta decorreu pode ser consultado em: WEBLINK. Além disso, a Comissão publicará um documento de base com outros elementos sobre a lógica e características dos indicadores escolhidos. Resolução do Parlamento Europeu adotada em 15 de dezembro de 2011: Conclusões do Conselho ECOFIN de 8 novembro Parecer do CERS sobre o painel de indicadores relevantes para a estabilidade do mercado financeiro: Além disso, o indicador relativo à evolução do desemprego é abordado em conjugação com outros indicadores do painel, mais orientados para o futuro, sendo utilizado com vista a uma melhor compreensão da potencial gravidade dos desequilíbrios macroeconómicos em termos da sua eventual persistência e capacidade de adaptação da economia. 6

8 conta as circunstâncias específicas e as instituições. Na sua resolução 11, o Parlamento Europeu salientou a necessidade de adotar uma abordagem global que reflita os fatores determinantes da produtividade e as tendências do desemprego. O Parlamento Europeu também recomendou que a análise do painel de avaliação tivesse plenamente em conta os efeitos de contágio. Para o efeito, e em conformidade com o regulamento, são considerados os indicadores adicionais apresentados no quadro 3. Entre outros, a proposta inclui aspetos ligados à situação macroeconómica geral (nomeadamente as condições favoráveis ao crescimento e investimentos), o processo de convergência nominal e real dentro e fora da área do euro, incluindo os aspetos adicionais de desempenho comercial e as especificidades de economias em recuperação (incluindo os IDE e os indicadores da dívida externa líquida). Também refletem a possibilidade de ocorrência de desequilíbrios, assim como a capacidade de ajustamento de uma economia, por exemplo em termos de produtividade. Tal como recomendado pelo Conselho, o Parlamento Europeu e o CERS nas suas observações sobre a proposta da Comissão relativa ao painel de avaliação, é igualmente abordada a situação dos mercados financeiros, que desempenharam um papel preponderante na atual crise 12. Este conjunto de indicadores suplementares é devidamente tido em conta na leitura económica do painel de avaliação e na seleção de Estados-Membros cuja situação justifica a realização de uma análise aprofundada. 3. LEITURA TEMÁTICA DO PAINEL DE AVALIAÇÃO As divergências nas balanças de transações correntes atenuaram-se, mas não desapareceram com as sucessivas crises A importante contração da atividade económica durante a crise resultou numa significativa redução dos desequilíbrios externos. Em especial, os Estados-Membros que entraram em recessão, com as suas balança de transações correntes a registar elevados défices, tiveram correções mais importantes devido a uma maior diminuição da procura no setor privado e, por conseguinte, uma contração das importações. Simultaneamente, em vários Estados-Membros, cujas da balança de transações correntes eram fortemente excedentárias, a procura do setor privado foi relativamente mais resistente, embora pouco dinâmica, e/ou as suas exportações foram travadas pela queda da procura mundial, o que contribuiu para algumas reduções dos excedentes da balança de transações correntes. No entanto, os elevados défices e excedentes das balanças de transações correntes ainda não desapareceram totalmente. O indicador do painel de avaliação relativo à balança de transações correntes (média de três anos em % do PIB) ainda revela a existência de défices que excedem o limiar indicativo de 4% do PIB (nomeadamente na Bulgária, Espanha, Chipre, Malta, Polónia e Eslováquia), embora em alguns destes Estados-Membros o défice da balança de transações correntes tenha continuado a diminuir nos últimos tempos. Os riscos de vulnerabilidade decorrente dos défices externos podem ser reduzidos se estes forem financiados através de meios relativamente seguros como os IDE ou as transferências de capital. Os afluxos de IDE eram elevados antes da crise em muitos dos Estados-Membros em fase de recuperação. Nos últimos cinco anos, por exemplo, os fluxos de IDE cobriram mais de metade dos défices da balança corrente da Bulgária, República Checa, Estónia, Malta Ver nota 7. É de salientar que alguns dos indicadores do painel de avaliação, nomeadamente a evolução dos preços da habitação e do crédito, também refletem este aspeto. Até ao final de 2012, está previsto desenvolver um indicador relativo o setor bancário/financeiro a incluir no painel de avaliação a tempo do próximo Semestre Europeu. 7

9 e Eslováquia. Do mesmo modo, o saldo positivo da conta de capital, sempre que houve transferências de capital a partir do estrangeiro, foi considerável na maioria dos Estados- Membros em fase de recuperação 13. Por outro lado, alguns Estados-Membros continuam a registar excedentes sistemáticos da sua balança de transações correntes, como é o caso do Luxemburgo e da Suécia, que ultrapassam o limiar indicativo de 6%, seguidos da Alemanha e dos Países Baixos com um nível ligeiramente inferior. As previsões do outono 2011 dos serviços da Comissão apontam para a continuação da correção dos saldos das contas correntes nos próximos dois anos, apesar da redução moderada dos défices na maioria dos casos, enquanto nos Países Baixos, por exemplo, os excedentes devam aumentar (ver gráfico 1). Sobre a via a seguir, uma questão fundamental é saber se os atuais desequilíbrios se manterão moderados ou se aumentar de novo quando as condições nos mercados melhorarem. Alguns desequilíbrios anteriores foram impulsionados pelo crescimento excessivo da procura, alimentada pelas perspetivas de crescimento demasiado otimistas sobre futuros rendimentos em alguns Estados-Membros. As recentes correções refletem sobretudo a reavaliação dessas perspetivas e não apenas as quebras de produção puramente cíclicas, pelo que poderão ser sustentáveis. Por outro lado, os ajustamentos nos preços relativos foram limitados na maioria dos casos, o que deixa em aberto a questão da natureza estrutural destes realinhamentos e, por conseguinte, a sua sustentabilidade. Gráfico 1: Evolução das balanças de transações correntes, em % do PIB 10 5 CA % 0 GDP CY EL* PT* ES MT SK SI IT IE* FR EE BE FI AT NL DE LU BG RO* PL CZ LT HU UK LV DK SE -5 Área do euro Fora da Area do euro Previsões para Nota: As previsões têm em conta as diferenças entre os dados relativos às BdP e os das contas nacionais (resto do mundo); Os países sob assistência estão assinalados a sombreado e *. Fonte: Comissão Europeia sendo que, em muitos casos, o peso da dívida externa líquida continua a ser substancial. 13 Estas transferências também incluem os fluxos de capitais provenientes dos fundos estruturais da UE. Na Eslováquia e na Polónia, o saldo da conta de capital colocaria, de facto, o valor do indicador dentro dos limites dos limiares indicativos. Também a Grécia, a Espanha e Portugal beneficiaram de elevados fluxos provenientes dos fundos estruturais da UE. 8

10 As posições de investimento internacional líquidas (PIIL - Net International Investment Positions, NIIP) 14 em percentagem do PIB mantiveram-se a níveis muito negativos na maior parte dos países cujas balanças de transações correntes são deficitária. Tal deve-se aos défices das contas correntes que, apesar de mais baixos, continuam a existir, mas também a uma fraca dinâmica de crescimento. Atualmente, as PIIL excedem o limiar indicativo de -35% em vários Estados-Membros: Bulgária, República Checa, Estónia, Espanha, Hungria, Letónia, Lituânia, Eslováquia, Polónia e, por pequena margem, na Eslovénia. O grau de vulnerabilidade é tanto mais reduzido quanto menor for a percentagem de passivos a exigir o reembolso do capital ou dos juros, tais como os empréstimos ou os títulos de dívida em carteira. O indicador relativo à dívida externa líquida 15 (NED, ver quadro 3) mostra que esses passivos são relativamente baixos em muitos Estados-Membros em recuperação, o que se explica sobretudo pelos níveis elevados das reservas de IDE. Por outro lado, são bastante elevados em Espanha, na Hungria, na Lituânia e na Letónia. A evolução das posições externas antes da crise coincidiu com as divergências em termos de competitividade de preços Nos anos anteriores à crise, os Estados-Membros com défices elevados e persistentes das contas correntes acumularam perdas a nível da competitividade dos custos e dos preços. O crescimento dos salários tendeu a ultrapassar as melhorias de produtividade em muitos países da UE, conduzindo a aumentos dos custos unitários do trabalho (CUT). Do mesmo modo, a evolução das taxas de câmbio efetivas reais (TCER), que revelam uma relativa competitividade de preços em relação aos principais parceiros comerciais, apresentava um cenário de crescente divergência. Tal pode ser sinal de sobreaquecimento, eventual rigidez estrutural nos mercados de trabalho e de produtos e/ou respostas inadequadas dos salários aos choques específicos do país, podendo igualmente refletir o processo de recuperação real em alguns Estados-Membros. Em alguns Estados-Membros com elevados défices externos, os aumentos dos custos do trabalho concentraram-se, embora não exclusivamente, nos setores não transacionáveis, o que, por sua vez, provocou uma reafetação dos recursos para estes setores, exercendo uma maior pressão sobre as posições externas. A crise veio interromper esta evolução e determinar a realização de ajustamentos 16. Contudo, o indicador do painel de avaliação (evolução dos CUT ao logo de três anos) revela que alguns Estados-Membros ainda ultrapassavam os limiares indicativos em (9%, para os da área do euro e 12% para os restantes) 17, nomeadamente a Bulgária, o Luxemburgo, a Polónia, As posições de investimento internacional líquidas refletem a posição financeira líquida (ativos menos passivos) de um país em relação ao resto do mundo. Os dados abrangem as existências de investimentos diretos e em carteira, derivados financeiros e outros investimentos e ativos de reserva. A dívida externa líquida mostra a situação líquida de um país em relação ao resto do mundo no que se refere aos passivos que exigem os pagamentos de capital e/ou de juros pelo devedor,??? algures no futuro. A NED pode ser obtido a partir das PIIL, excluindo os ***passivos externos não ligados à dívida (por exemplo, capital próprio). Em 2009, o crescimento dos CUT acelerou devido ao facto de a grande descida de produtividade, fruto das quebras do produto e acumulação de mão-de-obra, ter excedido as (frequentemente) elevadas correções salariais. No entanto, o crescimento médio dos CUT abrandou significativamente em 2010 e tem sido moderado em Nos limiares indicativos do painel de avaliação pode estabelecer-se uma diferença entre países participantes ou não na área do euro, justificável do ponto de vista económico. No que respeita aos ULC, a justificação para esta diferenciação é que a maioria dos Estados-Membros não participantes na área do euro,, ou seja, os que aderiram à União Europeia em 2004 e posteriormente, foi objeto de liberalizações comerciais desde início dos anos 90, o que desencadeou um processo natural de convergência dos preços, tendo implicado uma aumento relativamente mais forte dos custos do trabalho 9

11 a Eslovénia, a Eslováquia e a Finlândia O indicador relativo às REER (evolução durante 3 anos com base em deflacionadores IHPC) mostra igualmente as interrupções ou inversões das tendências observadas antes da crise. Nos Estados-Membros que excedem os limiares indicativos, a evolução explica-se sobretudo por variações nas taxas de câmbio nominais. Tal é o caso da Eslováquia (antes da sua participação na área do euro) e da República Checa cujas moedas foram objeto de fortes apreciações. O Reino Unido registou uma importante depreciação. Inversamente, a apreciação da REER na Estónia deveu-se em larga medida a uma inflação mais elevada do que a dos seus parceiros comerciais, determinada principalmente por uma maior capacidade de resposta da inflação interna aos aumentos de preços dos produtos de base a nível mundial, bem como a um maior aumento dos preços fixados administrativamente. Todavia, as inversões, por vezes consideráveis, e as perdas de competitividade de preços a longo prazo ainda não foram totalmente corrigidas na maior parte dos Estados-Membros. Um realinhamento suplementar dos preços relativos e uma melhoria da competitividade facilitariam a necessária reafetação setorial e contribuiriam para a sustentabilidade do ajustamento externo. embora a UE, no seu conjunto tenha perdido terreno no mercado global de exportação, alguns Estados-Membros perderam mais do que outros. As alterações nas partes dos mercados mundiais de exportação de bens e serviços (variação percentual ao longo de um período de cinco anos) apontam para perdas estruturais potencialmente importantes de competitividade geral da economia mundial em vários Estados-Membros: Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Espanha, França, Itália, Chipre, Países Baixos, Áustria, Finlândia, Suécia e Reino Unido sofreram perdas de partes de mercado superiores a 6% do limiar indicativo. Em vários destes países, as perdas das partes do mercado de exportação são ainda mais acentuadas se tivermos em conta um período mais longo (ver gráfico 2). Para além das perdas de competitividade de preços/custos, esta situação pode igualmente refletir a lenta melhoria da competitividade não relacionada com os preços, a reduzida capacidade para explorar novas oportunidades de venda ou o desvio de recursos para o setor de bens não transacionáveis durante os períodos de expansão da procura interna. Em muitos casos, estas perdas de partes nos mercado mundiais de exportação devem-se em grande medida ao facto de estes Estados-Membros não terem conseguido acompanhar a expansão do comércio mundial a parte das exportações da UE, no seu conjunto, diminuiu. No entanto, os resultados das exportações da Bélgica, Dinamarca, França, Itália, Chipre, Áustria, Finlândia e Reino Unido também foram menos dinâmicos em comparação com outros países da UE, como testemunha o declínio das suas partes nas exportações totais dos Estados-Membros da UE (ver gráfico 2) Estas conclusões parecem viáveis, de um modo geral, quando se analisa a evolução das partes de mercado com base nos volumes de exportação de mercadorias transacionadas. 10

12 Gráfico 2: Evolução das partes de mercado de exportação Parte de mercado, exportações mundiais (05-10) Parte de mercado, exportações mundiais (00-10) Parte das exportações totais, países da UE (05-10) % change BE DE EE IE* EL* ES FR IT CY LU MT NL AT PT* SI SK FI BG CZ DK LV LT HU PL RO* SE UK Área do euro Fora da area do euro Nota: Países sob assistência assinalados a sombreado e *. Fonte: Comissão Europeia O endividamento constitui um pesado fardo para as famílias e as empresas Durante o longo período de expansão do crédito que antecedeu a crise, os agentes económicos em muitos Estados-Membros acumularam uma dívida considerável (ver gráfico 3). Este processo deveu-se em parte a uma maior integração e aprofundamento do mercado financeiro, assim como à convergência das taxas de juro nominais. Por seu turno, o rápido crescimento do crédito deveu-se igualmente a por outros fatores, tais como as distorções dos preços dos ativos exacerbadas pelo caráter favorável da tributação dos ativos e as condições de concessão de empréstimos, tal como confirmado pelo aumento generalizado do volume de empréstimos para compra de habitação comparativamente ao total de empréstimos no período anterior à crise. O endividamento do setor privado no seu conjunto é superior ao limiar indicativo de 160% em mais de 12 Estados-Membros: Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Estónia, Espanha, Chipre, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Áustria, Finlândia, Suécia e Reino Unido. A existência de um elevado nível de dívida no setor privado aumenta a exposição do setor às variações do ciclo empresarial, inflação e taxas de juro. Além disso, a liquidação das posições com excessivo efeito de alavanca compromete o crescimento e a estabilidade financeira. Se se desagregarem os dados, verifica-se que as sociedades não financeiras foram as principais responsáveis pela acumulação da dívida na Bélgica, Espanha, Chipre, Eslovénia e Suécia. Embora a capacidade das empresas para reembolsar a sua dívida (dívida/ PIB ou valor acrescentado) possa servir de ponto de partida para a análise do endividamento do setor empresarial, um olhar mais atento à proporção de ativos que são financiados por empréstimos e à sua estrutura de vencimento permite determinar as necessidades reais de desalavancagem e o respetivo ritmo. Além disso, observa-se que o setor das famílias foi, em grande parte, responsável pelo aumento do nível de endividamento na Dinamarca, Países Baixos e Reino Unido, tendo o nível de endividamento das famílias nestes países ultrapassado o nível do PIB. Esta evolução foi acompanhada de aumentos acumulados dos preços da habitação acima dos 150% no último ciclo (só acompanhada de subidas dos preços da habitação em Espanha e na Irlanda). 11

13 Os aumentos de preços nos mercados da habitação atingiram níveis sem precedentes O fenómeno do endividamento das famílias está diretamente ligado à evolução do mercado da habitação; na década que antecedeu a crise, o crescimento do crédito às famílias e o aumento dos preços do imobiliário avançaram paralelamente. O ciclo de preços do imobiliário na UE foi particularmente pronunciado, com um crescimento global dos preços superior a 40%. Por exemplo, os preços da habitação aumentaram para mais do dobro durante o período de retoma económica em metade dos Estados-Membros. Além disso, em cerca de dois terços dos Estados-Membros, o ritmo médio dos aumentos dos preços reais do imobiliário, ultrapassou os 6% ao ano e, em alguns casos, as taxas médias de crescimento anual situaram-se entre 20% e 35%. Embora a duração e a rapidez desta expansão terem variado de um país para outro, os preços atingiram o seu ponto culminante numa grande maioria dos Estados-Membros em 2007 e As previsões sobre a continuação dos aumentos de preços também facilitaram a expansão do setor da construção. Com efeito, o forte investimento no alojamento evoluiu paralelamente ao aumento dos preços do imobiliário em muitos Estados-Membros como a Dinamarca, a Espanha, a Lituânia, Malta, a Suécia e o Reino Unido. mas o ajustamento continua, independentemente da incerteza da sua dimensão e duração. Atualmente está em curso uma correção: em 2010, os aumentos dos preços reais do imobiliário eram inferiores ao limiar indicativo de 6% em todos os Estados-Membros, com exceção da Finlândia e da Suécia. Os recentes ajustamentos foram bastante consideráveis e os países que registaram os maiores e mais rápidos aumentos de preços antes da crise tiveram tendência para apresentar, embora não em todos os casos, as maiores correções, denunciando a existência de uma forte sobrevalorização anterior à crise. Por exemplo, a Bulgária, a Dinamarca, a Estónia, a Espanha, a Lituânia, a Letónia e a Eslováquia enveredaram por um ajustamento considerável na sequência de importantes aumentos acumulados dos preços reais. Não obstante estas correções, pode ainda ser necessária uma maior contenção em vários países que também registaram elevados e rápidos aumentos de preços (por exemplo, a Bélgica, a França, o Luxemburgo, Malta, a Eslovénia, Suécia e Reino Unido), na medida em que existe geralmente uma ligação direta entre a envergadura da fase correção e a envergadura da fase alta do ciclo dos preços do imobiliário. Além disso, um agravamento das condições de crédito e um fraco crescimento do PIB são suscetíveis de influir na evolução dos preços da habitação num futuro próximo. As condições da oferta constituirão, assim, um fator importante. Começou a desalavancagem... De um modo geral, a oferta de crédito ao setor privado abrandou drasticamente em alguns Estados-Membros, tendo sido dado início ao processo de desalavancagem. Os dados sobre os fluxos de crédito privado mostram que o ajustamento começou em 2009, na sequência de uma forte expansão do crédito em Em 2010, o crescimento do crédito só ultrapassou o limiar indicativo de 15% em Chipre. O lento crescimento do crédito, aliado a um aumento da poupança líquida pode, ao limitar a procura interna, ter um efeito negativo no crescimento do PIB. A experiência mostra que o processo de ajustamento das contas, determinado por uma política de austeridade no setor das famílias e, em especial, no setor das empresas, dura em média mais de cinco anos. Neste contexto, as exportações líquidas e a evolução da produtividade são importantes como vetores do crescimento económico. o que torna as economias da UE mais vulneráveis. 12

14 Durante a crise financeira, ficou claro a importância do endividamento geral de um Estado- Membro e a existência de fortes ligações entre a dívida do setor privado e a dívida das administrações públicas 19. Por conseguinte, a dívida do setor privado deve ser analisada juntamente com a dívida das administrações públicas, uma vez que o impacto da desalavancagem no setor privado poderia ser ampliado pela atual crise da dívida pública, exercendo pressão sobre setores públicos altamente endividados. Tal pode ser o caso, designadamente, dos Estados-Membros cujos setores público e privado estão altamente endividados (por exemplo, a Bélgica 20 e o Reino Unido) (ver gráfico 3). Embora o endividamento do setor privado não seja excessivo em Itália, o elevado nível da dívida pública e a necessidade de consolidação das finanças públicas poderá pesar nas contas do setor privado. Os elevados montantes da dívida detidos por não residentes pode vir a ser uma preocupação suplementar num clima de grande incerteza nos mercados financeiros internacionais, dado que aumentam a vulnerabilidade de um país à escassez de capital ou à interrupção súbita dos fluxos de capital Quanto à dívida externa, a Espanha e a Hungria, em particular, apresentam uma combinação entre um importante endividamento do setor privado e uma elevada dívida externa líquida. Além disso, se forem expressas em moeda estrangeira, a dívida pode suscitar outros problemas de vulnerabilidade, devido às flutuações das taxa de câmbio. Gráfico 3: Níveis da dívida acumulada por setor, em % do PIB (2010) Sociedades não financeiras Dívida das famílias Dívida das admin. públicas % of GDP IE* CY LU PT* BE ES NL MT FI EE AT FR SI DE IT EL* SK DK SE UK BG HU LV LT RO* CZ PL Área do euro Nota: Países sob assistência assinalados a sombreado e *. Fora da área do euro Nota: Dívida do setor privado com base em dados não consolidados. Fonte: Comissão Europeia Os governos assumiram elevados passivos contingentes do setor privado que, mesmo sem terem impacto nos níveis da dívida, podem afetar a perceção relativamente à sua capacidade creditícia. Também há efeitos de retorno do setor privado para o das administrações públicas, na medida em que os agentes do setor privado (e não apenas as instituições financeiras) podem tornar-se grandes credores do Estado, tornando-os vulnerável aos problemas das finanças públicas. Embora a dívida do setor privado, com base em valores consolidados, seja mais baixa na Bélgica devido a uma elevada percentagem de empréstimos entre empresas. 13

15 Está em curso o ajustamento da economia real O ajustamento dos desequilíbrios externos e a recuperação da situação económica das famílias e das empresas foram bastante difíceis, especialmente nos Estados-Membros que registavam grandes desequilíbrios antes da crise. Este ajustamento foi, em larga medida, determinado pela evolução da procura interna e tem sido muitas vezes associado a um aumento significativo dos níveis de desemprego. Tal pode refletir um ajustamento salarial e de preços limitado, mas também o processo de reafetação setorial em curso. O ajustamento dos desequilíbrios macroeconómicos exige, muitas vezes, transferências de capital e de mão-deobra entre diferentes setores da economia, em particular naqueles artificialmente inflacionados como o setor imobiliário ou o dos bens transacionáveis. Este processo é normalmente gradual (atendendo às diferentes necessidades dos setores em causa no que respeita às competências) e ainda tem muito caminho pela frente. Nos últimos anos, os níveis de desemprego foram elevados e o indicador do painel de avaliação (taxa de desemprego média durante três anos) aponta para uma taxa de desemprego acima do limiar indicativo de 10 % na Estónia, Espanha, Letónia, Lituânia e Eslováquia. Em muitos outros Estados-Membros, este indicador também revelou níveis de desemprego bastante elevados que, além disso, seguiram uma tendência geral ascendente. A recente recessão afetou substancialmente a taxa de desemprego estrutural. A reafetação da mão-deobra em todos os setores da economia tem sido lenta na maioria dos Estados-Membros e os elevados níveis de desemprego daí decorrentes implicam potenciais grandes perdas de capital humano e de eficiência global. Além disso, as perspetivas relativas ao desemprego são suscetíveis de ser influenciadas pela incerteza e o fraco dinamismo que rodeiam o crescimento económico, as possibilidades de reafetação setorial na economia e o processo de desalavancagem em curso em muitos Estados-Membros. O ajustamento será inevitavelmente mais complicado num contexto de fraco da produtividade. A tendência para a descida da produtividade contribuiu para a acumulação de desequilíbrios macroeconómicos e perdas de competitividade no período anterior à crise em alguns Estados-Membros. Ao mesmo tempo, o ajustamento necessário dos custos da mão-deobra e dos preços relativos é mais fácil quando a produtividade aumenta a um ritmo sustentado, dado que tal reduz a pressão sobre a evolução dos salários e os preços nominais. 4. OBSERVAÇÕES ESPECÍFICAS POR PAÍS SOBRE A LEITURA DO PAINEL DE AVALIAÇÃO As observações infra não abrangem os Estados-Membros, que são objeto de controlo no quadro de um programa de assistência como é o caso da Grécia, da Irlanda e de Portugal, na área do euro, e da Roménia fora da área do euro. Bélgica: O valor dos indicadores do painel de avaliação relativos à evolução das partes de mercado de exportação, à dívida bruta das administrações públicas e do setor privado estão acima dos limiares indicativos. Quanto à competitividade externa, registou-se uma perda substancial das partes de mercado de exportação, assim como uma deterioração do défice da balança de transações correntes, mesmo se o nível continua a ser inferior ao limiar indicativo e a deterioração da balança de mercadorias é parcialmente compensada pelos bons resultados da balança dos serviços. Estas tendências podem ser explicadas pela diminuição da competitividade dos custos devido, nomeadamente, aos aumentos dos ULC, superiores aos da área do euro, mas também a problemas de competitividade não associados aos custos. No plano interno, o indicador relativo à dívida do setor privado é elevado e muito acima do limiar indicativo. No entanto, importa ter conta certos elementos, nomeadamente o impacto o 14

16 impacto dos empréstimos interempresas sobre a dívida das sociedades não financeiras e o facto de a dívida das famílias estar normalmente associada a empréstimos hipotecários, enquanto o nível de poupança dos agregados familiares continua elevado. Contudo, o elevado nível da dívida do setor privado deve ser considerado juntamente com os elevados níveis da dívida pública. Bulgária: Antes da crise, a Bulgária apresentava elevados défices da balança de transações correntes, que originaram uma PIIL deficitária, financiada por importantes entradas de capitais (principalmente sob a forma de IDE) e pelo crescimento do crédito privado. A crise teve por consequência uma correção acentuada do défice da balança corrente que deverá, segundo as projeções, registar um ligeiro excedente em 2011 e nos anos seguintes. A melhoria decorre não só da diminuição das importações, mas também de um sólido desempenho das exportações num contexto de recuperação. A Bulgária apresenta uma das maiores subidas dos ULC na UE, embora os aumentos salariais, que partem de um nível de base muito baixo e que fazem parte do processo de convergência em curso, possam abrandar o ritmo de recuperação a médio e a longo prazo. O endividamento do setor privado aumentou rapidamente para níveis acima do limiar indicativo, o que se explica sobretudo pelo aumento da dívida das empresas enquanto dívida das famílias continua a ser limitada tal como dívida do setor público. República Checa: Não obstante uma certa redução nos últimos anos, devido principalmente a uma melhoria da balança comercial, e apesar de serem inferiores ao limiar, a República Checa registou, na passada década, défices das contas correntes. Por conseguinte, a PIIL ultrapassou o limiar indicativo, mas também devido aos efeitos de valorização desfavoráveis das reservas de ativos e passivos. Devido ao financiamento dominado pelo IDE e o endividamento relativamente limitado dos setores público e privado, a dívida externa líquida manteve-se próxima do zero. Apesar das perdas de competitividade dos preços provocadas pela forte apreciação das REER e crescimento dos CUT, o país ganhou partes do mercado de exportação. Dinamarca: A balança de transações correntes regista excedentes contínuos, graças, sobretudo, a importantes exportações de serviços, às receitas das exportações de petróleo e de gás e aos rendimentos sobre o investimento estrangeiro. Contudo, nos últimos anos, observam-se perdas nos resultados das exportação, tal como comprovado pelo facto de o indicador relativo às partes do mercado de exportação ser superior ao limiar. Além disso, a competitividade dos preços deteriorou-se ligeiramente devido ao acordos que garantem um nível elevado dos salariais nominais, num período de sobreaquecimento e de fraco crescimento da produtividade. A bolha imobiliária na Dinamarca, cuja correção começou em 2007, estava associada ao rápido crescimento do crédito e ao súbito aumento da dívida do setor privado, em particular das famílias. Apesar do ajustamento parcial do crédito e dos preços da habitação, nos últimos anos, o volume da dívida do setor privado continua a ser muito elevado e superior ao limiar indicativo; todavia esta evolução reflete, em parte, para as famílias, elevadas contribuições para os regimes de pensões privados e uma generosa rede de segurança. Alemanha: Ao longo da última década a balança de transações correntes da Alemanha apresentou sistematicamente uma situação excedentária. Tal deve-se, por um lado, aos resultados das exportações que coincidiram com a recuperação da competitividade dos preços no mercado interno e, por outro, ao menor investimento interno e aos níveis relativamente elevados das poupanças das famílias. No entanto, nos últimos anos, a procura interna começou a crescer lentamente, o que favoreceu uma diminuição gradual do excedente da balança de transações correntes, pode ser vista como um reequilíbrio. Além disso, apesar das 15

17 perdas de partes do mercado de exportação de mercadorias, esta evolução é menos pronunciada do que para a média da área do euro. No plano interno, o endividamento do setor privado é relativamente moderado, enquanto o indicador geral da dívida pública ultrapassa o limiar indicativo, devendo diminuir em 2011; a aplicação progressiva do limite ao endividamento, inscrito constitucionalmente, deverá favorecer uma tendência para a diminuição. Estónia: Na última década, a Estónia, registou sistematicamente elevados défices da balança de transações correntes, até que ocorreu uma acentuada correção durante a crise; No mesmo período, obteve grandes partes de mercado no setor da exportação, não obstante as perdas de competitividade dos preços (a partir de um baixo nível inicial dos preços). Nos últimos anos, tem havido ajustamento de salários e dos custos. No conjunto, assistiu-se igualmente a uma degradação progressiva da PIIL que continua superior ao limiar indicativo: No entanto, esta situação reflete em grande medida os IDE, o que significa que a dívida externa é substancialmente mais baixa. O endividamento do setor privado é superior ao limiar indicativo, não obstante a robustez do processo de desalavancagem. Tendo em conta o elevado crescimento nominal do PIB, o rácio da dívida do setor privado deverá diminuir. O desemprego é elevado, mas está a entrar rapidamente numa tendência decrescente, o que patenteia a grande flexibilidade do mercado de trabalho. Espanha: A economia espanhola atravessa atualmente um período de ajustamento, após a acumulação de grandes desequilíbrios externos e internos durante a prolongada expansão da bolha imobiliária e especulativa nos anos anteriores à crise. A balança de transações corrente apresentou défices orçamentais consideráveis que começaram recentemente a diminuir no contexto do severo abrandamento económico e num ambiente de bons resultados das exportações, permanecendo, porém, acima do limiar indicativo. Desde 2008, as perdas de competitividade dos preços e dos custos têm vindo a diminuir parcialmente. Apesar do ajustamento dos desequilíbrios em curso, a absorção de elevados montantes de dívida interna e externa e a reafetação de recursos provenientes do setor da construção levarão tempo antes de se alcançar uma situação mais equilibrada. A contração do emprego, associada à redução das atividades no setor da construção e à recessão económica, foi agravada pela lenta adaptação dos salários, dando origem a um aumento do desemprego. França: A leitura económica do painel de avaliação chama a atenção para as dificuldades tanto no plano interno como externo. O recuo das partes de mercado da França nas exportações mundiais é superior ao limiar indicativo, sendo este declínio dos mais elevados da UE. Observa-se uma deterioração progressiva da balança comercial, o que se reflete na deterioração da balança de transações correntes, apesar de ser inferior ao limiar indicativo. As preocupações sobre a posição externa da economia francesa também são alimentadas por algumas perdas, em termos de competitividade dos preços e não relacionada com preços. Neste contexto, a quebra de rendibilidade das empresas francesas e as implicações para os investimentos são fatores relevantes que merecem uma análise mais aprofundada. Paralelamente ao aumento da dívida do setor público, o nível de endividamento do setor privado também tem vindo a aumentar, tendo atingido o limiar indicativo. Itália: Os valores do painel de avaliação estão acima dos limiares indicativos no que respeita à competitividade e à dívida pública. Desde meados da década de 90, que Itália regista uma importante deterioração da competitividade o que se traduz igualmente em perdas persistentes de partes do mercado de exportação. Estas perdas só estão parcialmente refletidas na deterioração sistemática da posição externa da Itália, em virtude do crescimento relativamente fraco da procura interna. O principal motivo reside na fraca evolução da produtividade. 16

18 Embora o endividamento do setor privado seja relativamente limitado em Itália, em grande parte devido à sólida situação financeira das famílias, a dívida pública constitui um motivo de preocupação, atendendo, nomeadamente, ao fraco crescimento e às deficiências estruturais, o que o que, por seu turno, poderá exercer uma pressão nas contas do setor privado. Chipre: A leitura económica do painel de avaliação revela a existência de grandes desafios, tanto no plano externo como interno, tal como demonstrado pelos valores de muitos indicadores acima dos limiares indicativos. A economia cipriota caracterizou-se pela persistência de défices das contas correntes ao longo da última década impulsionados sobretudo pelo dinamismo da procura interna. A evolução da balança de transações correntes de Chipre apresenta grandes disparidades no comércio de bens e serviços, o que reflete uma mudança da economia cipriota para o setor terciário. O saldo negativo da balança comercial de mercadorias só é em parte compensado pelo excedente registado no comércio de serviços. Chipre registou perdas de competitividade dos preços nos anos antes da crise, mas esta tendência tem sido mais limitada nos últimos anos. O sobre-endividado setor privado continuou a reduzir o elevado nível de capital em dívida que, contudo, coexiste com ativos substanciais. A deterioração das perspetivas económicas e a situação orçamental, assim como as consequências da exposição do setor bancário à dívida grega, vem acrescentar novas preocupações aos desafios colocados pela correção dos desequilíbrios noutros setores da economia. Letónia: Até 2008, a Letónia registava défices importantes e contínuos da balança de transações correntes, juntamente com um rápido crescimento negativo da PIIL, apesar da dívida externa líquida ser mais baixa, tendo em conta o investimento direto estrangeiro. A crise provocou uma «aterragem» difícil com uma correção imediata e abrupta do défice das contas correntes, que implicou um programa de ajustamento sólido financiado pelo mecanismo de assistência à balança de pagamentos cujo termo é janeiro de A anterior tendência para perdas contínuas de competitividade dos preços foi compensada pelo ajustamento interno, nomeadamente reduções salariais e de emprego. Os anos de expansão económica caracterizaram-se igualmente por um forte crescimento do crédito, uma subida dos preços do imobiliário e desenvolvimento do setor da construção. Tal implicou um rápido crescimento da dívida do setor privado, que conduziu a um processo de redução do endividamento e a um ajustamento substancial dos preços do imobiliário no período de recessão. O desemprego mantém-se elevado, tendo contudo diminuído rapidamente, após ter atingido o seu máximo no final de Lituânia: Até 2008, a Lituânia registou elevados défices das contas correntes, bem como as perdas de competitividade dos preços, fruto do crescimento interno. Na sequência de um acentuado e significativo processo de ajustamento durante os anos de crise, a balança de transações correntes apresenta agora a níveis mais próximo do equilíbrio. A REER foi depreciada, devido sobretudo a reduções dos salários nominais. Mesmo antes de 2008, a Lituânia, vinda de um nível muito baixo, tinha conseguido conquistar partes do mercado de exportação. Embora a PIIL permanece negativa e a níveis elevados, acima do limiar indicativo, porém a dívida externa líquida é muito menos elevada, tendo em conta o financiamento através de IDE. A crise financeira pôs termo à expansão do setor bancário e à forte dinâmica salarial, o setor privado começou a desalavancagem, os fluxos de crédito em percentagem do PIB tornaram-se negativos e os preços do imobiliário foram alvo de forte correção.. Contudo, o desemprego mantém-se elevado, tendo começado a diminuir, depois de ter atingido o seu máximo em

19 Luxemburgo: O valor do indicador do painel de avaliação relativo à balança de transações correntes é superior ao limiar, devido a um elevado e persistente excedente comercial, na sequência da forte especialização do país em serviços financeiros. Mas tal não se deve a uma reduzida procura interna, mas antes a uma concentração de atividades económicas e de emprego no país. O Luxemburgo perdeu competitividade de preços, em virtude de salários elevados e fraco crescimento da produtividade, mas, ao mesmo tempo, o Luxemburgo está a ganhar partes de mercado de exportação no setor dos serviços. O endividamento do setor privado é superior ao limiar indicativo, para além de fluxos de crédito elevados e voláteis, o que se explica principalmente pelas grandes operações de concessão e contração de empréstimos nas sociedades não financeiras internacionais, e não por um nível de endividamento excessivo do setor privado. O nível da dívida das famílias é relativamente moderado. Os preços reais da habitação registaram um forte crescimento acumulado na última década e o ajustamento é limitado até à data. Hungria: Os valores dos indicadores do painel relativos ao rácio da dívida pública e PIIL estão bem acima dos limiares indicativos. Sendo a PIIL o resultado dos défices das contas correntes, registados sistematicamente durante os anos que antecederam a crise. A quebra da procura interna durante a crise conduziu a um importante ajustamento, porém o défice da PIIL continua importante, mesmo se for em grande parte financiado por IDE. O período anterior à crise caracterizou-se também por um crescimento muito forte do crédito, em especial aos agregados familiares e que foi, em grande parte, financiado por divisas. A dívida externa do setor privado acumulou-se num contexto marcado por elevados e crescentes níveis de dívida pública, igualmente financiados por divisas. Em novembro de 2011, o governo solicitou formalmente assistência financeira à UE e ao FMI 21 a título de precaução. Malta: Na última década, a economia registou défices persistentes a nível das contas correntes que diminuíram nos últimos anos e Malta apresenta uma posição de investimento internacional líquida positiva Resta saber se a redução do défice externo é ou não de natureza estrutural. As perdas registadas no passado no mercado de exportação refletem o declínio das atividades tradicionais, o que está a ser compensado pelo setor dos serviços. No plano interno, os preços da habitação aumentaram significativamente, mas afigura-se estarem agora numa trajetória descendente. Países Baixos: Nos anos que antecederam a crise, os Países Baixos registaram excedentes sistemáticos da balança de transações correntes, devido sobretudo ao saldo da balança comercial, nomeadamente o impacto positivo das exportações líquidas de gás. Contudo, os níveis situam-se atualmente abaixo do limiar, embora devam aumentar nos próximos anos segundo as previsões da Comissão. Apesar de um certo aumento dos custos unitários do trabalho, a perda de partes de mercado de exportação foi relativamente limitada. Os excedentes estão igualmente ligados ao elevado nível de poupança no setor empresarial, bem como ao nível reduzido do investimento. Os riscos internos para a economia dos Países Baixos decorrem sobretudo do grau de endividamento relativamente elevado do setor privado e do mercado imobiliário. Nos anos anteriores à crise, assistiu-se a um aumento da dívida das famílias relativamente ao rendimento disponível e aos preços do imobiliário, devido em parte aos incentivos fiscais para que as famílias assumissem hipotecas de elevado montante. Todavia, a posição dos ativos financeiros líquidos das famílias é positiva. Áustria: Quanto à sua posição externa, a balança de transações correntes da Áustria registou importantes excedentes. Simultaneamente, o indicador relativo às partes de mercado de 21 Ainda não foi dado início às negociações formais. 18

20 exportação deixa pressagiar algumas perdas. Embora o crescimento dos CUT tenha sido limitado, os níveis de endividamento do setor privado aumentaram progressivamente e situam-se, atualmente, tal como a dívida do setor público, ligeiramente acima do limiar indicativo. No entanto, em termos relativos, a Áustria não apresenta bolhas insustentáveis do imobiliário, dos ativos ou uma expansão do crédito no final dos anos 2000 e o aumento do endividamento deve-se sobretudo ao setor empresarial. Para 2011, os recentes acontecimentos deixam antever a interrupção do aumento do endividamento privado e, em relação ao setor privado, incluindo as sociedades não financeiras, uma situação excedentária. Polónia: Embora os valores dos indicadores do painel de avaliação relativos à balança de transações correntes e PIIL estejam acima dos limiares indicativos, há que avaliá-los no contexto de um processo de recuperação, sendo que os défices foram em larga medida financiados por fluxos de IDE relativamente estáveis e fundos da UE. A Polónia registou perdas limitadas de competitividade dos preços em devido à apreciação da taxa de câmbio nominal, mas, a partir de 2009, a tendência inverteu-se. Apesar destas perdas a Polónia registou importantes ganhos de partes do mercado de exportação e ligeiros aumentos dos ULC nominais. O crescimento do crédito foi relativamente forte e a dívida do setor privado aumentou, a partir de um nível fraco, mas financiada por divisas. Eslovénia: Dois indicadores do painel de avaliação ultrapassaram o limiar indicativo em Nos anos que antecederam a crise, a Eslovénia registou um forte crescimento e condições sólidas de procura interna, associados a algumas perdas de competitividade dos preços e um aumento gradual do défice da balança corrente. Há sinais de ocorrência de sobreaquecimento, nomeadamente no que respeita ao crescimento do crédito no setor privado, valor acrescentado da construção e preços do imobiliário. A economia eslovena foi fortemente atingida pela crise global, o que permitiu proceder a um certo ajustamento, talvez temporário, das contas externas, mas que ainda se encontra numa fase incipiente. O elevado nível de endividamento das sociedades não financeiras, incluindo no setor da construção, é testemunhado pela falência de empresas, os rácios sobre fundos próprios e os pagamentos em atraso de empréstimos. Eslováquia: Na última década, a balança de transações correntes da Eslováquia registou défices importantes e contínuos, parcialmente financiados por transferências de capital a partir do estrangeiro. No entanto, o indicador relativo à balança de transações continue ligeiramente superior ao limiar indicativo. O investimento direto estrangeiro que foi, em larga medida, canalizado para setores produtivos virados para a exportação, constitui a principal causa da degradação progressiva da posição de investimento internacional líquida. A perda de competitividade dos preços, patente num valor do REER superior ao limiar indicativo, explica-se sobretudo por uma forte apreciação nominal e evoluiu juntamente com um elevado crescimento da produtividade, das exportações e das partes de comércio mundial. No geral, os níveis de endividamento tanto do setor público como do privado mantêm-se baixos. Finlândia: Vários indicadores do painel de avaliação referentes às posições externas (por exemplo, as perdas de parte do mercado de exportação) ultrapassam claramente os limiares indicativos. Embora em diminuição, na última década, a balança de transações correntes foi excedentária, resultado do abrandamento da economia mundial, mas também das mudanças estruturais nos setores da exportação. Além disso, embora as perdas de competitividade dos preços tenham sido relativamente limitadas, ao longo da maior parte da década passada, nos últimos anos, registaram-se perdas mais importantes devido ao lento ajustamento dos salários num contexto de diminuição da produtividade. O painel de avaliação também aponta para um aumento progressivo do nível de endividamento do setor privado na última década, em grande 19

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013,

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013, COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.11.2012 COM(2012) 751 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO BANCO CENTRAL EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU, AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS Apresentação de J.M. Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu informal de 30 de janeiro de 2012 Quebrar os «círculos viciosos» que afetam

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese

O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS. Síntese Comissão Europeia, Employment in Europe 2005 Recent Trends and Prospects, Office for Official Publications of the European Communities, Luxemburgo, 2005, 301 pp.. O EMPREGO NA EUROPA 2005 TENDÊNCIAS RECENTES

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2011 COM(2011) 113 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Qualidade da gasolina e do combustível para motores diesel utilizados no transporte

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9200/16 ECOFIN 452 UEM 199 SOC 316 EMPL 212 COMPET 286 ENV 331 EDUC 186 RECH 178 ENER 194 JAI 440 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Breve guia do euro. Assuntos Económicos e Financeiros

Breve guia do euro. Assuntos Económicos e Financeiros Breve guia do euro Assuntos Económicos e Financeiros Sobre o euro O euro nasceu em 1999: surgiu inicialmente em extratos de pagamento, contas e faturas. Em 1 de janeiro de 2002, as notas e moedas em euros

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.9.2010 COM(2010) 495 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia em resposta às recomendações

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.6.2014 COM(2014) 354 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Evolução da situação do mercado do leite e dos produtos lácteos e da aplicação das disposições

Leia mais

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Margarida Brites Coordenadora da Área da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional 1 dezembro 2014 Lisboa Balança de Pagamentos Transações

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego NOTA INFORMATIVA O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego Previsões até 2025 apontam para diferenças significativas na oferta e procura de competências nos Estados-Membros Boas notícias.

Leia mais

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores Margarida Brites Coordenadora da Área das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2005-2007 Dezembro 2004 Programa de Estabilidade e Crescimento 2005-2007 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...1 II. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO...2

Leia mais

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020 Parecer do Conselho das Finanças Públicas 20 de abril de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO. Abril 2014 BANCO DE PORTUGAL. BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014

BOLETIM ECONÓMICO. Abril 2014 BANCO DE PORTUGAL. BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014 EUROSISTEMA Abril 2014 BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Lisboa, 2014 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Banco de Portugal Av.

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 1.1. CONTEXTO MACROECONÓMICO INTERNACIONAL O enquadramento internacional em 13 foi marcado por uma recuperação gradual da atividade, com um crescimento mais expressivo

Leia mais

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Adoptada no Comité Executivo a 13-14 de Outubro de 2010 Governação económica europeia e a U.E.2020: As propostas da Comissão 1. Um Pacto de Estabilidade

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Desalavancagem do Setor Privado em Portugal

Desalavancagem do Setor Privado em Portugal Em Análise Desalavancagem do Setor Privado em Portugal Por Clara Synek* I - Introdução Num momento em que foi iniciada a correção de um dos desequilíbrios da economia portuguesa excessivo endividamento

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 (Cotações: 6 x 1,0 = 6 valores) GRUPO A1 1- O sector de atividade que agrupa as atividades relacionadas com o aproveitamento

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Financiamento, Investimento e Competitividade

Financiamento, Investimento e Competitividade Financiamento, Investimento e Competitividade João Leão Departamento de Economia ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa Conferência Fundação Gulbenkian "Afirmar o Futuro Políticas Públicas para Portugal

Leia mais

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão AIP, 5 de março de 2015 Prioridades Europa 2020 Objetivos Europa 2020/ PNR

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013

Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013 Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013 Abril 2013 1 MERCADO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL EM 2012 De acordo

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 1.7.2015 COM(2015) 326 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Avaliação das medidas adotadas pela FRANÇA em resposta à Recomendação do Conselho de 10 de março de 2015 com vista a

Leia mais

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Desemprego e regulação do mercado de trabalho António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Proposições fundamentais 1. O trabalho não pode ser tratado como uma mercadoria sem sérias consequências

Leia mais

Debates sobre a Estratégia de Lisboa

Debates sobre a Estratégia de Lisboa Debates sobre a Estratégia de Lisboa Crescimento e Emprego Juntos a trabalhar pela Europa do futuro 2006-2008 Data de actualização: 19 de Dezembro de 2007 Em parceria: Alto Patrocínio: Debates sobre a

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.3.2015 COM(2015) 145 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório sobre a aplicação do Regulamento (UE) n.º 211/2011 sobre a iniciativa de cidadania

Leia mais

A POLÍTICA DE COESÃO APÓS 2013: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS PROPOSTAS LEGISLATIVAS

A POLÍTICA DE COESÃO APÓS 2013: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS PROPOSTAS LEGISLATIVAS DIRECÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DEPARTAMENTO TEMÁTICO B: POLÍTICAS ESTRUTURAIS E DE COESÃO DESENVOLVIMENTO REGIONAL A POLÍTICA DE COESÃO APÓS 2013: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS PROPOSTAS LEGISLATIVAS

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO Exame Nacional de 2006 (1.ª Fase, versão 1) 1. B 16. C 11. C 16. B 2. C 17. D 12. D 17. D 3. A 18. D 13. C 18. B 4. B 19. A 14. D 19. A 5. B 10. A 15. A 20. C I II 1. A recuperação

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos

BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos Design, impressão, acabamento e distribuição Departamento

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2004-2007 Dezembro 2003 Í N D I C E I. INTRODUÇÃO...1 II. OBJECTIVOS DE POLÍTICA ECONÓMICA...2 III. ENQUADRAMENTO MACRO-ECONÓMICO...3

Leia mais

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR Estudos da Central de Balanços Maio 2015 21 21 ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR Estudos da Central de Balanços Maio 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt ANÁLISE

Leia mais

LIVRO BRANCO. Uma agenda para pensões adequadas, seguras e sustentáveis. (Texto relevante para efeitos do EEE) {SWD(2012) 7 final} {SWD(2012) 8 final}

LIVRO BRANCO. Uma agenda para pensões adequadas, seguras e sustentáveis. (Texto relevante para efeitos do EEE) {SWD(2012) 7 final} {SWD(2012) 8 final} COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 16.2.2012 COM(2012) 55 final LIVRO BRANCO Uma agenda para pensões adequadas, seguras e sustentáveis (Texto relevante para efeitos do EEE) {SWD(2012) 7 final} {SWD(2012) 8 final}

Leia mais

A evolução do Mercado Imobiliário português

A evolução do Mercado Imobiliário português A evolução do Mercado Imobiliário português Introdução Neste artigo será feita uma leitura da evolução do mercado imobiliário português desde 2008, altura em que ocorreu a crise da dívida subprime, período

Leia mais

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Carlos da Silva Costa Governador Forum para a Competitividade Hotel Tiara Park, Lisboa, 23 setembro 2014 Condicionantes de um crescimento

Leia mais

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil CRISTINA FRÓES DE BORJA REIS (*) O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil Esse artigo apresenta as relações entre investimento público e desenvolvimento econômico no Brasil entre

Leia mais

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 «

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 « Escola de Voluntariado Fundação Eugénio de Almeida Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Departamento de Contas Nacionais Serviço de Contas Satélite e Avaliação de Qualidade das Contas Nacionais Ana Cristina

Leia mais

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Parlamento Europeu Bruxelas, 21 de Março 2011 Margarida Gameiro Chefe de Unidade Igualdade de oportunidades e Equidade Europa 2020: 3 prioridades interligadas

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

de Trabalho e Segurança Social da Assembleia da República realizado em 17.4.2007 Eugénio Rosa - Economista

de Trabalho e Segurança Social da Assembleia da República realizado em 17.4.2007 Eugénio Rosa - Economista Banco de Portugal abandonou a independência e o rigor técnico a que está obrigado Pág. 1 BANCO DE PORTUGAL ABANDONOU INDEPENDÊNCIA E RIGOR TECNICO A QUE ESTÁ OBRI- GADO E ENTROU NA CAMPANHA PARA BAIXAR

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca)

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca) L 336/42 Jornal Oficial da União Europeia 18.12.2009 DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 2009 relativa a uma contribuição financeira comunitária, para 2009, para as despesas efectuadas pelos Estados-Membros

Leia mais

(2014/541/UE) Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão,

(2014/541/UE) Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão, 29.8.2014 L 258/11 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 29 de julho de 2014 relativa a medidas respeitantes às operações de refinanciamento de prazo alargado direcionadas (BCE/2014/34) (2014/541/UE) O CONSELHO

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 1. PERSPETIVAS PARA A ÁREA DO EURO: VISÃO GERAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS As projeções de junho

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012 Paridades de Poder de Compra 2012 12 de dezembro de 2013 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012 Em

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 29.7.2009 COM(2009) 409 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Relatório relativo à aplicação da Directiva 2002/73/CE do Parlamento

Leia mais

Orçamento do Estado para 2016

Orçamento do Estado para 2016 Ministério das Finanças Orçamento do Estado para 2016 Relatório Fevereiro 2016 (Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Av. Infante D. Henrique, 1 1149 009 LISBOA Telefone:

Leia mais

Desde meados do século passado que Portugal nunca teve um

Desde meados do século passado que Portugal nunca teve um 2012 1º SEMESTRE XXI, Ter Opinião Nº1 DÍVIDA Como explicar o crescimento da dívida externa nacional desde 1996? Ricardo Cabral Desde meados do século passado que Portugal nunca teve um excedente da balança

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Orçamento do Estado para 2005 Relatório Janeiro 2005 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Avª Infante D. Henrique, 1 1149-009 LISBOA Telefone:

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Março de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 2º semestre/12 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade Crédito

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL Índice: 1. Introdução 3 2. Evolução das finanças públicas em Portugal 7 3. Perspectivas macroeconómicas para 2005 19 3.1 Comparação com o cenário

Leia mais

COMITÉ EUROPEU DO RISCO SISTÉMICO

COMITÉ EUROPEU DO RISCO SISTÉMICO 2.9.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 293/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES COMITÉ EUROPEU DO RISCO SISTÉMICO RECOMENDAÇÃO DO COMITÉ EUROPEU DO RISCO SISTÉMICO de 18 de

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

ndicadores sobre a pobreza

ndicadores sobre a pobreza ndicadores sobre a pobreza Dados Europeus e Nacionais Atualização em Julho de 2011 EAPN Portugal /Rede Europeia Anti-Pobreza Rua de Costa Cabral, 2368 4200-218 Porto Telefone: 225 420 800 Fax: 225 403

Leia mais

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Pedro Duarte Neves Preparado para o painel "A Sociedade da Informação em Portugal: Situação e Perspectivas de Evolução" Fórum para a Sociedade da Informação

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado I. As raízes

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Funcionamento dos estabilizadores orçamentais automáticos na área do euro

Funcionamento dos estabilizadores orçamentais automáticos na área do euro Funcionamento dos estabilizadores orçamentais automáticos na área do euro Os estabilizadores orçamentais automáticos são a reacção do orçamento às flutuações económicas na ausência de qualquer acção governamental.

Leia mais

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL*

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem como objectivo calcular um Índice de Condições Monetárias (ICM) para a economia portuguesa, o qual constitui

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015

REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015 REFLEXÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DA TAXA DE CÂMBIO, TAXA DE JUROS, INFLAÇÃO, DÍVIDA PÚBLICA E DO CRESCIMENTO DO PIB ENTRE 1995 E 2015 Gabriela Bulhões Estudante do Curso de Jornalismo da Universidade Estadual

Leia mais