Notas sobre formas contemporâneas de vida familiar e seus impactos na educação dos filhos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas sobre formas contemporâneas de vida familiar e seus impactos na educação dos filhos"

Transcrição

1 Notas sobre formas contemporâneas de vida familiar e seus impactos na educação dos filhos Lívia Fialho da Costa SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros COSTA, LF. Notas sobre formas contemporâneas de vida familiar e seus impactos na educação dos filhos. In: NASCIMENTO, AD., and HETKOWSKI, TM., orgs. Educação e contemporaneidade: pesquisas científicas e tecnológicas. Salvador: EDUFBA, 2009, pp ISBN Available from SciELO Books <http://books.scielo.org>. All the contents of this work, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-Non Commercial-ShareAlike 3.0 Unported. Todo o conteúdo deste trabalho, exceto quando houver ressalva, é publicado sob a licença Creative Commons Atribuição - Uso Não Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não adaptada. Todo el contenido de esta obra, excepto donde se indique lo contrario, está bajo licencia de la licencia Creative Commons Reconocimento-NoComercial-CompartirIgual 3.0 Unported.

2 NOTAS SOBRE FORMAS CONTEMPORÂNEAS DE VIDA FAMILIAR E SEUS IMPACTOS NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS Lívia Fialho da Costa

3 INTRODUÇÃO Ainda hoje é possível perceber nos meios educacionais uma preocupação dos profissionais com relação às funções das instituições. Embora esta não seja uma especificidade dessa área profissional, o discurso sobre a normalidade das instituições vem sempre acompanhado por uma atribuição a estas de funções específicas que uma vez bem desempenhadas viriam a garantir o sucesso, o bem-estar e o bom desempenho sócio-educacional dos indivíduos. Nessa perspectiva, a instituição que mais tem merecido a atenção da sociedade e, em particular, da escola, tem sido a família: dela temos exigido a função de apoio emocional dos seus membros, de fabricação de indivíduos autocentrados, conscientes, equilibrados e bem-sucedidos. Esquecemos, porém, que a família tem assistido, desolada, a redução de suas atribuições, concorrendo, no cotidiano, com outros espaços de socialização (escola, igreja, clubes, associações. etc.) frequentados por seus membros. Esse fato coloca a família, assim, numa posição residual na vida dos seus membros (SINGLY, 2007). Este artigo tem por objetivo apresentar uma breve reflexão acerca das transformações contemporâneas da vida familiar e de determinados aspectos da vida privada que evidenciam o quão as funções tradicionalmente outorgadas à família têm sido ofuscadas pela vida quotidiana, numa contemporaneidade caracterizada pela emergência dos inúmeros e possíveis círculos de socialização dos indivíduos. A compreensão deste aspecto pode ser significativa para educadores que estão em sala de aula, lidando com histórias e percursos diferenciados de estudantes. Assim, baseada na produção do campo das Ciências Sociais, pretende-se aqui traçar um pa- 357

4 norama genérico das mudanças que têm atravessado a família, visando oferecer pistas ao campo da educação no que diz respeito a uma compreensão de como a contemporaneidade inaugura uma pluralidade de modelos, inclusive familiares. 1 Ao mesmo tempo, este artigo abre espaço para um debate acerca da própria formação do educador e da sua atuação enquanto responsável pela transmissão de saberes. FAMÍLIA E CONTEMPORANEIDADE Ressalta-se, inicialmente, que há uma imprecisão da própria noção de família (DURHAN, 1982) e do uso de vários termos indistintamente, o que causa desconforto e confusão. A primeira distinção a ser feita diz respeito à diferença conceitual existente entre família e unidade doméstica. Os censos do IBGE, por exemplo, trabalham com a unidade doméstica, definindo, assim, a família a partir da moradia. A este respeito Fonseca (2005, p. 53) nos diz: 358 Trata-se de uma visão limitada, que não leva em consideração justamente a parte mais dinâmica das relações familiares e que em geral extrapola em muito a casa. Muitos dos moradores de bairros pobres pensam não em termos de casa, mas sim em termos de pátio. Em um terreno, por menor que seja, sempre tem lugar para construir mais uma puxada, isto é, uma peça ou uma meia-água, para receber um amigo ou parente. A primeira moradia da maioria de jovens casais é uma peça construída no quintal dos pais ou sogros. Assim, quando falamos de família queremos, por vezes, fazer referência a grupos sociais estruturados através de relações de afinidade, descendência e consanguinidade (grupos domésticos, grupos residenciais, reconhecidos pelos próprios membros). Ao mesmo tempo, família quer dizer também um conjunto de regras, padrões e modelos culturais e, nesse caso, passíveis de mudança, não podendo ser consideradas uma síntese da sociedade inteira. Os grupos sociais concretos são, por assim dizer,

5 construções que se utilizam dessas regras ou padrões para organizar a vida coletiva. A família patriarcal, por exemplo, seria aquela cujo modo de ordenação das relações de afinidade se centrava na figura do homem/ patriarca. Somente a ele cabia a regulação das relações no seio da família. Assim, estamos falando de um modelo cultural e de sua representação e reprodução. A análise da formação da família brasileira passa por uma compreensão mais rigorosa acerca da forma de organização da sociedade. Esse tema já foi e tem sido objeto de vários estudos e a complexidade do debate não pode ser esgotada aqui (SAMARA, 1983; BRUSCHINI, 1993; HEILBORN, 1992). Cabe apenas resumi-lo chamando atenção para o fato de o modelo legítimo de família, construído segundo padrão cultural português, estabelece o grupo conjugal como núcleo estrutural da família. No entanto, esse tipo de padrão não se concretiza em todas as camadas sociais. Além do mais, as próprias transformações estruturais da sociedade dão lugar à emergência e adoção de sistemas de valores diversos (holista-hierárquico ou moderno-igualitário) que terão impacto substantivo nas relações, inclusive as afetivas, entre os indivíduos. Não obstante a diversidade, a família continua sendo compreendida como um mecanismo central na sociedade contemporânea. Sujeita a modelagens decorrentes da sua própria historicidade, ela permanece como matriz da socialização das pessoas. Presente nas diversas culturas, a família mantém-se como forma de relação social constitutiva da espécie humana, a despeito de encontrar-se em constante mudança por participar dos dinamismos próprios das relações sociais. Trata-se de um fenômeno situado na mediação do sujeito com a sociedade: nela se processa a confluência de variados aspectos de construção das referências socioculturais e das identidades. Desse modo, ela se constitui num recurso para a formação da pessoa nas mais diversas dimensões de sua existência, bem como um recurso para a sociedade, pois facilita respostas a problemas e necessidades cotidianas de seus membros. Do ponto de vista do interesse científico, os estudos de família atingem diversos campos disciplinares, tornando-se alvo, notadamente, dos 359

6 360 historiadores, dos antropólogos e dos demógrafos. Esta situação contribuiu para a superação de uma concepção natural e essencialista da família, o que resultou numa maior atenção dada à diversidade das formas e situações familiares. A família é apreendida como um conjunto de relações cuja forma e conteúdo contribuem para a construção da identidade pessoal. As trocas quer sejam nas relações conjugais, nos laços de filiação ou nos contatos com o parentesco tornam-se, desse modo, objeto privilegiado de atenção. Disso decorre que a família está e sempre esteve na ordem do dia nas discussões no campo das Ciências Sociais, na política, na saúde, no Direito, sendo alvo de uma volumosa produção empírica no Brasil e no mundo. Ora abordada de forma diluída em problemáticas mais genéricas como movimentos sociais, planejamento familiar, direito do trabalhador e da criança, direitos das mulheres, ora pensada em termos de unidade econômica básica, a família constitui-se num tema aglutinador de infindáveis abordagens e querelas: a família contemporânea está em crise? Como lidar com a alteração da estrutura da família e quais os seus impactos nos papéis e sistema de relações? Como sobrevive e como se desenha o cotidiano da família brasileira, cuja direção não é desde há muito dada apenas pelo homem chefe-da-casa, mas sim assumida por muitas mulheres? A família, fato complexo, não pode ser explicada nem compreendida por uma única problemática ou pensada como uma realidade geral, e sim como objeto transversal, aglutinador de fatores simultâneos de influência na sua constituição, funcionalidade e simbolização. Família, é consenso na literatura especializada, é locus não homogêneo, onde se desenrolam os fatos da vida (nascimento, união, reprodução e morte). As escolhas, combinações e as formas de experimentar esses quatro fatos, movimentam, sem dúvida, diversos olhares disciplinares. Este caráter processual da família nos obriga a pensá-la não mais em termos de modelos, mas, sim, de dinâmicas. Desde algumas décadas, nas sociedades ocidentais e, mais especificamente, no Brasil, a família é teatro de múltiplas mudanças que foram constatadas a partir de dados de naturezas diferentes. Assim, vários indi-

7 cadores sóciodemográficos apontam para a diversificação, no decorrer dos 40 últimos anos, das formas e situações familiares. Convém mencionar, primeiro, a fecundidade, cuja taxa registrou uma forte regressão, traduzindo uma menor propensão das mulheres para procriar. No âmbito da nupcialidade, apesar do casamento continuar representando a forma de união privilegiada pela população brasileira, seu peso está diminuindo progressivamente em favor das uniões consensuais. Outrossim, constatase, hoje em dia, uma maior mobilidade conjugal do que no passado, registrada a partir do crescimento regular do número de divórcios ou separações. A vida a dois, a conjugalidade, vem sofrendo profundas modificações na contemporaneidade. Tais mudanças, que diferenciam os indivíduos das sociedades contemporâneas ocidentais daqueles das gerações precedentes, estão atreladas ao imperativo de tornarem-se indivíduos originais que reclamam seu verdadeiro eu (SINGLY, 2000). Para dar conta de todas essas exigências, a família também se modifica, não apenas para garantir a autonomia dos sujeitos, mas para produzir indivíduos submetidos às exigências modernas de independência e realização pessoal. A função do grupo familiar que não se vê frente a uma extinção progressiva, mas sim em processo de intensa reformulação deixa de ser, nesse caso, aquela de reforçar e reproduzir os papéis fixos de cada membro. Seu interesse volta-se, então, para o cuidado no que diz respeito a permanência do eu, através de uma produção de sentidos assistida pelos Outros: o espaço privado estaria a serviço dos indivíduos, composto por gerenciadores do eu individualizado, delineando-se um modelo autônomo e relacional (SINGLY, 2000, p. 19). Tal discussão, aqui abordada suscintamente, nos conduz à tensão que marca a família na contemporaneidade: ao tempo em que é desejada pois a vida privada é o espaço do cultivo do eu, a família sofre com a instabilidade que a caracteriza uma vez que sua duração depende da satisfação recíproca. Parafraseando François de Singly, não se trata somente de estar juntos, mas de estar juntos e livres. Marcada pela cultura psicológica, a família contemporânea volta-se assim para valores como autenticidade, 361

8 362 independência e autonomia. A dimensão da escolha passa a ser valorizada e admitida como ideal de expressão dos desejos individuais realizados, obviamente, dentro de normas e padrões que não devem, em princípio, contradizer as fronteiras simbólicas de determinado universo sociocultural (VELHO, 1987). As alterações nos comportamentos demográficos repercutiram na organização dos modos de vida familiar dos indivíduos. Assim, os arranjos familiares se diversificaram profundamente, o modelo dominante da família composta por um casal de pais biológicos e por seus filhos desmoronou-se em favor de outras configurações. O que os indicadores demográficos revelam, na verdade, são mudanças na concepção geral do casal e da família e remetem às transformações contemporâneas referentes aos fundamentos do laço familiar. Na verdade, é importante percebermos que o período atual caracteriza-se não pela ausência, mas sim pela pluralidade de normas para construir a família, o que não deixa de criar incertezas numa sociedade contemporânea caracterizada por um contexto de permanentes desafios. A diversificação dos arranjos marca profundamente a contemporaneidade. O modelo dominante da família composta por um casal de pais biológicos e por seus filhos vai dando espaço a outras configurações possíveis: as famílias monoparentais, unipessoais e recompostas. O que esses indicadores demográficos revelam são mudanças na concepção geral da família e remetem às transformações contemporâneas referentes aos fundamentos do laço familiar. Com efeito, até os anos 1960, o casamento era uma instituição ou seja, um conjunto de normas, leis, costumes rígidos visando à reprodução biológica, material e simbólica do grupo, regulando as trocas privadas e definindo as obrigações recíprocas entre os cônjuges, seus estatutos, seus papéis e suas relações. Pouco espaço era, neste caso, dado às preferências pessoais (ROUSSEL, 1989). A família representava, então, a referência comum que presidia a sua construção e lhe proporcionava estabilidade (THÉRY, 1996): ao fundar o casal, a aliança instituía a filiação e, portanto, a família. Assim, o esposo de uma mulher era o pai dos filhos dela. A filiação legítima era,

9 consequentemente, estabelecida a partir de um ato social, o casamento, sancionado por um ato jurídico. Ora, essa função simbólica do casamento foi questionada pelo movimento contemporâneo de privatização dos laços conjugais que o direito acompanhou, e que se traduziu, entre outros, por uma diversificação dos modos de vida conjugais e um crescimento da precariedade conjugal. A união entre duas pessoas, que obedece, doravante, somente à lógica amorosa, se tornou assunto individual, hostil a qualquer regulação institucional. Nessas condições, o casamento perdeu sua institucionalidade (ROUSSEL, 1989), tornando-se, apenas, uma, entre outras modalidades possíveis de união; ele deixa, portanto, de ser o pivô de nossas construções da família e da filiação (THÉRY, 1996). Todavia, se as sociedades ocidentais contemporâneas se mostraram dispostas a privatizar o laço conjugal, elas não estão prontas para privatizar o laço familiar. Logo, a contemporaneidade se encontra em meio ao desafio de redefinir os fundamentos da família. Coexistem, hoje em dia, duas concepções contraditórias do laço familiar. Uma o considera como uma relação estabelecida a partir de uma escolha que se constrói gradativamente no cotidiano, na base de uma proximidade afetiva compartilhada, que a coresidência possibilita. A segunda faz dos laços biológicos o único fundamento da família; nesse caso, o laço familiar é um dado. Com os progressos da genética, a segunda concepção tende a se expandir, já que esta oferece uma resposta tranqüilizadora perante a confusão introduzida pela perda de referências comuns, ao afirmar o caráter natural e, então, perene da filiação (THÉRY, 1998). Assim, o período atual se caracteriza não pela ausência, mas, sim, pela pluralidade de normas para construir o familiar, o que não deixa de criar incertezas, fontes de disfuncionamentos familiares e de patologias para os indivíduos. As mudanças que afetaram as famílias, no curso das últimas décadas, atingem não somente a sua estrutura, mas também o seu funcionamento interno. Neste sentido, diversos teóricos têm demonstrado que transformações decisivas foram inauguradas com a introdução do amor no seio da instituição familiar (ARIÈS, 1981; SHORTER, 1977; GIDDENS, 2000; SINGLY, 2003). Assim, a transformação se dá a partir 363

10 364 do momento em que se pode observar a passagem de uma instituição familiar definida, sobretudo, pela transmissão do patrimônio econômico e cultural, para uma família essencialmente definida pelo seu conteúdo relacional (SINGLY, 1996). O resultado desta transformação incide sobre a maneira como os sujeitos se constroem como indivíduos. Privilegiando laços de afinidade e igualitarismo, menos do que laços institucionais e estatutários, os indivíduos se unem baseados em afiliações subjetivas, dando cada vez menos lugar a relacionamentos baseados em escolhas objetivas definidas a partir de atributos objetivos, como cor, classe social, status, privilégios. Assim, cada vez mais, a partir dessas transformações, os indivíduos se colocam à distância dos papéis sociais tradicionais eles preferem ser definidos menos pelo status ou papéis respectivos do que pela experiência vivida. A família deve, então, manter, para cada indivíduo, mais do que no passado, uma função de apoio identitário e de satisfação afetiva. Ela se constrói como espaço privado no qual o homem e a mulher, os pais e os filhos, visam partilhar a intimidade, buscam se considerar como iguais e são bastante atentos à qualidade de suas relações. A família torna-se, por um lado, um espaço de afetividade e de intimidade e, de outro, uma fonte de mobilidade social do Outro. Por conta disso, a estrutura e a organização interna da família se articulam no plural fazendo emergir modelos e arranjos sucessivos e aleatórios destinados a administrar um certo equilíbrio entre essas duas dimensões. Estas lógicas de negociação e de parcerias entre os indivíduos garantem a estabilidade ou instabilidade da família. Singly (2003) interpreta mais amplamente as transformações no seio familiar avaliando como esse processo é resultado, na verdade, de uma transformação na vida privada, iniciada desde a metade do século XVIII, época em que o amor entre os cônjuges e o amor entre pais e filhos tornase possível enquanto valor social. O autor atenta para a historicidade desses fenômenos e, portanto, lembra-nos da importância de desnaturalizarmos tais sentimentos: se o casamento por escolha (inclinação) começa a tomar o espaço do casamento por conveniência era porque estava em processo a criação das condições de aparição do amor entre

11 cônjuges enquanto sentimento legítimo para o estabelecimento do laço conjugal. Nos séculos seguintes casamento e amor passam a andar juntos de tal maneira que os indivíduos se esquecem de sua incompatibilidade inicial (SINGLY, 2003). Com essas transformações nas relações conjugais, os estudos sobre família, que emerge como um campo importante nas Ciências Sociais, ficam atentos aos indicadores demográficos e estatísticos: diminuição do número de casamentos, aumento da coabitação, mais divórcios, maior expressividade das famílias monoparentais, mais famílias recompostas. Esses estudos revelam a incerteza da família contemporânea, que já não é mais aquela cujas funções são bem definidas no seio do casal, mas, ao contrário, define-se como agrupamento atento à obtenção de satisfações relacionais, afetivas no seio do casal, associada a uma demanda de reconhecimento da personalidade dos filhos. Aliás, a afeição no círculo doméstico é responsável por uma progressiva desvalorização dos papéis conjugais e da instituição matrimonial: estabelecer uma relação amorosa exige considerar o parceiro como uma pessoa e não mais como um indivíduo com papéis a cumprir por definição sexual. Olhando o que foi aqui brevemente narrado podemos notar, no entanto, que toda essa nova dinâmica não significa, no entanto, que a família esteja em crise ou que ela já não desempenhe mais um papel de socialização, mas que este último aspecto não é verdadeiramente o efeito direto de uma instituição: a socialização é agora o produto das trocas entre atores. As transformações inerentes a este novo modo de funcionamento da família podem às vezes parecer ambíguas justamente porque são acompanhadas de um certo número de tensões, ou mesmo de conflitos, pois os laços de parentesco, agora afinitários, são então eletivos e, por isso, reversíveis ao contrário dos laços estatutários que, por definição, não podem se romper porque não dependem dos indivíduos. A individualização dos laços familiares traz, então, tensões múltiplas, de relações de força interpessoais e muitas vezes resulta numa busca de sentido. Assim, imersos num caminho pouco balizado, os indivíduos buscam elaborar suas próprias respostas. Vivemos numa sociedade na qual os in- 365

12 divíduos são convidados a serem autônomos e plenamente responsáveis por eles próprios: eles devem ser os atores de sua própria existência. PARA ALÉM DOS MUROS DA ESCOLA OU A CONTRIBUIÇÃO DA ANTROPOLOGIA À EDUCAÇÃO 366 As sociedades contemporâneas vivem transitando em concorrência por títulos escolares e posições profissionais. A escola é, sem dúvida, instituição central nesse processo; e a família, uma das referências principais para a realização da identidade pessoal dos sujeitos. Na verdade, o encontro entre essas duas instituições tenciona-se no fato de que o funcionamento das sociedades modernas ocidentais exige que o indivíduo tenha mérito e isso depende do trabalho educativo instaurado na escola, mas, antes, garantido pelas famílias. A tarefa de transmitir valores, normas, saber e (in)formar experiências, está, inevitavelmente, ligada a duas instituições sociais: a família e a escola. Nos últimos anos, uma grande alteração pode ser verificada na maneira como essa tarefa é desempenhada frente às mudanças na própria sociedade. Junto com as alterações que passam a caracterizar a infância e a adolescência e as maneiras encontradas por pais e professores para lidar com essas fases da vida a escola se abre para novos métodos, mais consoantes com uma realidade que coloca o sujeito-educando no centro do processo educativo. Passa-se, então, a falar da necessidade de se tratar os sujeitos enquanto sujeitos únicos, com peculiaridades que o distingue dos outros. Neste sentido, não só são alargadas as atribuições da escola, como também a essa é exigido o respeito às particularidades e o abandono de formas tradicionais, homogeneizadoras, de ensino e saber. A complexidade desse debate reside no fato de que a contemporaneidade faz emergir uma discussão sobre o respeito e a ética na convivência e na transmissão dos saberes. A ética que deve assim presidir os relacionamentos é aquela que informa a necessidade do convívio com as diferenças sociais, raciais, de gênero, de crença etc.

13 Transformada em instituição central da sociedade, a escola também conduz transformações importantes nas relações familiares, na medida em que decide o valor da criança (SINGLY, 2003) diferentemente do século XIX, quando a família tinha a função principal de garantir a transmissão, de uma geração a outra, do patrimônio do grupo doméstico, sendo, portanto associada ao capital econômico (terra ou empresa). Desde o começo do século XX, a família conheceu profundas transformações, passando da condição de grupo de referência exclusivo para dar lugar ao surgimento de estratégias de sobrevivência que permitem a constituição de uma identidade. Desse contexto emerge a consciência social da importância da família no que concerne à formação dos gostos dos indivíduos, dos filhos. O estilo de vida, o tipo de educação, os valores morais, a opção religiosa são referências construídas no seio familiar. É no seio da família que circulam as expectativas e as concepções de pessoa produzidas e reproduzidas socialmente. A introdução de novos valores, a mudança ou ruptura de expectativas, por exemplo, são fatores que promovem mudanças nos papéis, redefinindo a dinâmica familiar. Compreender esse emaranhado significa levar em consideração que a família não é fator homogêneo. Profissionais que lidam, na teoria ou na prática, com família devem ter em mente que embora sua universalidade seja uma hipótese válida, suas configurações variam a forma como os indivíduos se comportam, suas atitudes e expectativas. Todas essas variações devem ser compreendidas no seu contexto situacional, consideradas as diferenças de classe social, de identidade étnica, de opção religiosa, de opção ideológica, dentre outras, que estão lá na esfera da vida privada, mas que são marcantes na trajetória dos indivíduos. 367 CONSIDERAÇÕES FINAIS Em artigo sobre as modificações sofridas pela família e pelo sistema escolar contemporâneos, Nogueira (2005) chama atenção para o reflexo que as novas dinâmicas sociais vêm acarretando nos processos educativos.

14 368 Avaliando a literatura especializada sobre o tema, a autora mostra como a família esteve presente inicialmente em menor grau na produção do campo da sociologia da educação. Notadamente nos anos 50 e 60 do século passado, as pesquisas sobre rendimentos escolares incluíam o fator familiar, o estímulo parental, as estratégias familiares de escolarização e o meio de origem dos estudantes, como fenômenos explicativos das desigualdades entre os educandos (NOGUEIRA, 2005). Nos anos 1970, sobretudo com os trabalhos de Bourdieu e Passeron (1970), as pesquisas em sociologia da educação substituíram tais preocupações e passaram a atribuir às desigualdades escolares fatores relacionados aos recursos culturais das famílias. Em uma expressão, a appartenance sociale aparece como fator largamente definidor dos percursos escolares dos educandos (DEAUVIEAU; TERRAIL, 2007). Desde fins do século XX, a família e a escola passam a ser vistas e vivenciam a expectativa de serem parceiras na realização de um trabalho conjunto de formação dos indivíduos. É nesse momento que podemos compreender que tanto Escola como Família fazem uso de concepções e representações sobre cada uma delas, e operam, muitas vezes, a partir de conceitos-chave elaborados a partir de modelos-ideais construídos socialmente. Este artigo, como anunciado anteriormente, buscou apresentar uma reflexão acerca das transformações contemporâneas da vida familiar. Tais transformações, como vimos, fazem da família uma instituição com múltiplas configurações, afastando-a de uma realidade única, romântica e aparentemente estável que caracterizava a família nuclear, conjugal, moderna, com a presença dos dois membros do casal e dos filhos. Conhecer de perto essas mudanças e assumi-las como possibilidades legítimas significa compreender a sociedade como produtora de dinâmicas que vão se construindo num processo repleto de desafios, dificuldades e contradições. Se não podemos falar num único modelo de escola, tampouco podemos esquecer que família, na contemporaneidade, está escrita no plural, pelas diversas configurações que tem assumido e pelos fatores que nela estão presentes (classe social, questões étnicas, religiosas, opções políticas etc). Refletindo sobre o lugar da escola na família ou no sistema

15 de valores dos grupos populares do Brasil urbano, Fonseca (1994) observa que as distorções e tensões que caracterizam a relação entre essas duas instituições família e escola está no próprio modelo ou configuração de socialização que cada uma oferece. Em se tratando de população de baixa renda, por exemplo, a autora nota que, por um lado, a escola com suas regras de convivência, comportamento e expectativa de transmissão de saber se afasta da família, que oferece um processo amplo de socialização visando a preparação da criança para a vida, reproduzindo para ela conhecimentos assumidos como úteis e inserido-a em redes sociais adequadas. Sobre essa questão, Fonseca (1994, p.144) conclui: [...] no Brasil contemporâneo, onde para uma vasta porção da população não há nem estabilidade salarial, nem escola de qualidade, emerge uma visão de mundo em que, logicamente, outras formas de socialização emprego e circulação social permanecem tão adequadas quanto a escolarização como preparo de jovens e crianças para a vida adulta. Um dos grandes méritos do trabalho da autora, e que nos interessa aqui para concluir este artigo, é o exemplo metodológico que traz sobre como pesquisar escola e família. Fonseca demonstra largamente neste texto, como a pesquisa etnográfica, ajuda a compreender as lógicas que presidem as relações entre os sujeitos envolvidos numa situação dada. Partindo para uma compreensão das prioridades que os moradores de um bairro popular têm com relação à preparação dos seus filhos para a vida adulta, a autora conclui que a escola, para esta população, concorre com outras fileiras tão adequadas quanto às oportunidades oferecidas pela instituição escolar e, às vezes, menos dramáticas e afastadas do quotidiano das famílias que asseguram a socialização adequada de seus filhos. Neste artigo, não busquei uma discussão sobre o campo ou a produção da Sociologia ou da Antropologia da Educação. Antes, interessou-me trazer à discussão uma série de elementos que devem ser levados em consideração quando pesquisamos sobre educação/socialização na contemporaneidade. A Antropologia tem oferecido pistas importantes ao campo da Educação: ao chamar atenção para os perigos da naturalização 369

16 370 dos conceitos, a produção neste campo mostra que a disjunção entre a teoria e a prática é um dos resultados de conceitos equivocados, que descambam, na maioria das vezes, em preconceitos baseados em visões idealizadas da realidade. Trazendo a discussão para o campo da prática cotidiana, da sala de aula, dos profissionais da área da Educação, podemos notar que muitas elaborações em torno do reflexo da família na vida escolar do estudante estão ancoradas numa visão ideal da família conjugal nuclear. Partindo desta constatação, pesquisas interessadas na relação professor-aluno, devem privilegiar um olhar atento para aquilo que os professores carregam em si: indivíduos com biografias e trajetórias específicas de vida. Aquilo que os professores julgam ser o comportamento social e moral apropriado em uma expressão, o aluno ideal funciona como um conjunto de conceitos-organizadores que, no lugar de colaborarem para uma maior aproximação entre eles e os alunos, terminam causando conflitos impactantes no processo de aprendizagem e de transmissão de saberes. Uma pesquisa etnográfica na escola deve observar o que os professores sabem sobre os seus alunos, como eles os percebem e de que forma tais elaborações se distanciam ou se aproximam de forma sensível dos saberes e experiências gerados nas outras esferas da vida do estudante. REFERÊNCIAS ARIÈS, P. História social da família e da criança. Rio de Janeiro: Zahar, BOURDIEU, P. ; PASSERON, J. C. La repr eproduction oduction. Paris: Minuit, BRUSCHINI, C. Teoria crítica da família. In: AZEVEDO, M. A.; GUERRA, V. N. de A. (Org.). Infância e violência doméstica: fronteiras do conhecimento. São Paulo: Cortez, DEAUVIEAU, J. ; TERRAIL, J. (Org.). Les es sociologues, l École & la transmission des savoirs. Paris: La Dispute, DURHAN, E. Família e Casamento. Revista evista da ABEP, Mimeo.

Apresentação. Rosana Fiorini Puccini Lucia de Oliveira Sampaio Nildo Alves Batista (Orgs.)

Apresentação. Rosana Fiorini Puccini Lucia de Oliveira Sampaio Nildo Alves Batista (Orgs.) Apresentação Rosana Fiorini Puccini Lucia de Oliveira Sampaio Nildo Alves Batista (Orgs.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros PUCCINI, RF., SAMPAIO, LO., and BATISTA, NA., orgs. A formação médica

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

Apresentação. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner

Apresentação. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner Apresentação Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUIZ, RR., and STRUCHINER, CJ. Inferência causal em epidemiologia: o modelo de respostas potenciais [online].

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Rodrigo Pelloso Gelamo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros GELAMO, RP. O ensino da filosofia no limiar da contemporaneidade: o que faz o filósofo quando seu ofício é ser professor

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner Introdução Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUIZ, RR., and STRUCHINER, CJ. Inferência causal em epidemiologia: o modelo de respostas potenciais [online].

Leia mais

A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos

A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos.

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Valorizar o Brasil para servir à humanidade

Valorizar o Brasil para servir à humanidade Valorizar o Brasil para servir à humanidade José Marques de Melo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MELO, JM. Cidadania glocal, identidade nordestina: ética da comunicação na era da internet

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

V. Experiência de trabalho

V. Experiência de trabalho V. Experiência de trabalho Sonia Altoé SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ALTOÉ, S. Experiência de trabalho. In: De "menor" a presidiário: a trajetória inevitável? [online]. Rio de Janeiro: Centro

Leia mais

Prefácio. Sérgio Capparelli

Prefácio. Sérgio Capparelli Prefácio Sérgio Capparelli SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros CAPPARELLI, S. Prefácio. In: JAMBEIRO, O. Regulando a TV: uma visão comparativa no Mercosul [online]. Salvador: EDUFBA, 2000, pp.

Leia mais

Apresentação. Neide Esterci (org.)

Apresentação. Neide Esterci (org.) Apresentação Neide Esterci (org.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ESTERCI, N., org. Apresentação. In: Cooperativismo e coletivização no campo: questões sobre a prática da Igreja Popular no

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade

Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Os Sentidos da Prevenção à Aids na Contemporaneidade Congresso de Prevenção à Aids e de Saúde Sexual e Reprodutiva (Gapa-Bahia) Salvador, 19.03.07 Cristina Câmara Contexto social da aids no Brasil Democratização

Leia mais

Parte I - A perspectiva ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA) no ensino de Ciências e as questões sociocientíficas (QSC)

Parte I - A perspectiva ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA) no ensino de Ciências e as questões sociocientíficas (QSC) Parte I - A perspectiva ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA) no ensino de Ciências e as questões sociocientíficas (QSC) 2. A perspectiva histórica da filosofia da ciência como crítica à visão

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR FAMÍLIA NA PERSPECTIVA SOCIOLÓGICA Como instituição social, a família é definida pelas funções sociais

Leia mais

Apresentação. Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.)

Apresentação. Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.) Apresentação Marizilda dos Santos Menezes Luis Carlos Paschoarelli (orgs.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MENEZES, MS., and PASCHOARELLI, LC., orgs. Design e planejamento: aspectos tecnológicos

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL Abrigo Casa lar Casa de passagem Beatriz Guimarães Bernardeth Gondim Cláudia Souza A PNAS Situando o acolhimento institucional e familiar Proteção Básica Proteção Especial

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Família. Dias, pags. 235-256

Família. Dias, pags. 235-256 Família Dias, pags. 235-256 Sobre instituições... São sistemas complexos de relações sociais dentro dos quais operam a(s) cultura(s) e a estrutura social. A família, por exemplo, inclui valores (amor,

Leia mais

Mestrado profissionalizante em saúde coletiva

Mestrado profissionalizante em saúde coletiva Mestrado profissionalizante em saúde coletiva Moisés Goldbaum SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva (ECA, Art. 101), em função

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Apresentações. Luiz Tarcísio Mossato Pinto Manoel Arlindo Zaroni Torres Lindolfo Zimmer

Apresentações. Luiz Tarcísio Mossato Pinto Manoel Arlindo Zaroni Torres Lindolfo Zimmer Apresentações Luiz Tarcísio Mossato Pinto Manoel Arlindo Zaroni Torres Lindolfo Zimmer SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros PINTO, LTM., TORRES, MAS., and ZIMMER, L. Apresentações. In BAUMGARTNER,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Conclusão. Patrícia Olga Camargo

Conclusão. Patrícia Olga Camargo Conclusão Patrícia Olga Camargo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros CAMARGO, PO. A evolução recente do setor bancário no Brasil [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica,

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Introdução. Maria Cristina Piana

Introdução. Maria Cristina Piana Introdução Maria Cristina Piana SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros PIANA, MC. A construção do perfil do assistente social no cenário educacional [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo:

Leia mais

Relações de trabalho no setor saúde Educação e saúde: dimensões da vida e da existência humana

Relações de trabalho no setor saúde Educação e saúde: dimensões da vida e da existência humana Relações de trabalho no setor saúde Educação e saúde: dimensões da vida e da existência humana Joaquim Alberto Cardoso de Melo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros AMÂNCIO FILHO, A., and MOREIRA,

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Prefácio. Eliane Schlemmer

Prefácio. Eliane Schlemmer Prefácio Eliane Schlemmer SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SCHLEMMER, E. Prefácio. In: PORTO, C., and SANTOS, E., orgs. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campina

Leia mais

BIODIESEL O ÓLEO FILOSOFAL. Jozimar Paes de Almeida BIBLIOTECA VIRTUAL DE CIÊNCIAS HUMANAS

BIODIESEL O ÓLEO FILOSOFAL. Jozimar Paes de Almeida BIBLIOTECA VIRTUAL DE CIÊNCIAS HUMANAS BIBLIOTECA VIRTUAL DE CIÊNCIAS HUMANAS BIODIESEL O ÓLEO FILOSOFAL Desafios para a educação ambiental no caldeirão do Desenvolvimento Sustentável Jozimar Paes de Almeida Front Matter / Elementos Pré-textuais

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família METANOIA em Lisboa Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família Algumas notas a partir da reflexão havida no dia 13 de dezembro de 2013 na qual participaram 43 pessoas Contexto

Leia mais

A procura social da educação Aumento da população escolarizada : massificação escolar. Aumento da esperança de vida escolar; Valorização dos diplomas; Necessidade de especialização. A educação é considerada

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Anexos. Flávia Cristina Oliveira Murbach de Barros

Anexos. Flávia Cristina Oliveira Murbach de Barros Anexos Flávia Cristina Oliveira Murbach de Barros SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BARROS, FCOM. Cadê o brincar?: da educação infantil para o ensino fundamental [online]. São Paulo: Editora

Leia mais

Prefácio. Eduardo Silva

Prefácio. Eduardo Silva Prefácio Eduardo Silva SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SILVA, E. Prefácio. In: ARAÚJO, DO. O tutu da Bahia: transição conservadora e formação da nação, 1838-1850. Salvador: EDUFBA, 2009, pp.

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR Maria Célia Malheiros Knopp 1 Resumo Partindo do princípio que a indisciplina e a hiperatividade é um fato da realidade

Leia mais

Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco

Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco Universidade Estadual Paulista ''Júlio de Mesquita Filho'' UNESP Campus Bauru/SP Antropologia Visual Graduação em Artes Visuais Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco ANDREIA

Leia mais

Questionário aplicado

Questionário aplicado Questionário aplicado Leôncio Martins Rodrigues SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, LM. Questionário aplicado. In: Industrialização e atitudes operárias: estudo de um grupo de trabalhadores

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A família e a sua capacidade de enfrentar desafios. Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br

A família e a sua capacidade de enfrentar desafios. Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br A família e a sua capacidade de enfrentar desafios Profª Dra. Rosa Maria S. de Macedo romacedo@pucsp.com.br Definições de família segundo Aurélio Pessoas aparentadas, que vivem em geral na mesma casa,

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Apresentação. Ucy Soto Mônica Ferreira Mayrink Isadora Valencise Gregolin

Apresentação. Ucy Soto Mônica Ferreira Mayrink Isadora Valencise Gregolin Apresentação Ucy Soto Mônica Ferreira Mayrink Isadora Valencise Gregolin SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOTO, U., MAYRINK, MF., and GREGOLIN, IV., orgs. Linguagem, educação e virtualidade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais