Pulgas e carrapatos: profilaxia e conscientização

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pulgas e carrapatos: profilaxia e conscientização"

Transcrição

1 Ano 01 Edição 06 Dezembro 2014 Pulgas e carrapatos: profilaxia e conscientização Dr. Marcio Antonio Batistela Moreira CRMV-SP Médico veterinário. Professor de Patologia Clínica da Universidade Anhembi Morumbi. Responsável pelo Laboratório de Patologia Clínica do Hospital Veterinário Anhembi Morumbi. Dr. Silvio Luís Pereira de Souza CRMV-SP Médico veterinário. Professor de Parasitologia Veterinária da Universidade Anhembi Morumbi. Dra. Natasha Dascencze Balestero CRMV-SP Médica veterinária. Residente do Setor de Patologia Clínica do Hospital Veterinário Anhembi Morumbi. Não é de hoje que a convivência de cães e gatos com os seres humanos é evidente, mas atualmente a proximidade física e emocional vem apresentando um aumento de forma progressiva. Em algumas regiões do Brasil, a proporção de cães por indivíduos humanos é de 1:3, principalmente em regiões onde residem crianças e idosos. 4 Sabe-se, também, que esses animais podem transmitir ao homem, direta ou indiretamente (por meio de vetores), doenças que, muitas vezes, apresentam evolução com prognóstico reservado. Assim, o papel do médico veterinário é informar e conscientizar os proprietários quanto a essas doenças e como preveni-las, a fim de que os cães e gatos se tornem protegidos, bem como os seres humanos que convivem em contato próximo. A prevenção visa evitar que um determinado agente se dissemine numa população ou impedir que uma doença pré-instalada agrave suas manifestações clínicas ou mesmo seu potencial de transmissão. Geralmente, os compostos utilizados na profilaxia de agentes patogênicos de uma doença são os mesmos utilizados em seu tratamento etiológico. 3 Para prevenir qualquer enfermidade transmitida por vetores, é necessário adotar medidas físicas e químicas de controle sobre o animal, o ambiente e os suscetíveis. 7 Os principais vetores que apresentam uma ampla distribuição geográfica em todo o território nacional e causam injúrias tanto para os animais quanto para o homem são a pulga e o carrapato. Esse inseto e esse ácaro vetores causam danos físicos devido a lesões locais; a saliva do carrapato é neurotóxica e pode causar paralisia; dependendo da infestação, pode ingerir grandes volumes de sangue e causar anemias graves; carreia outros parasitos no interior de seu organismo e pode transmiti-los ao hospedeiro vertebrado, causando doenças que levam ao óbito. Desta forma, o controle desses vetores é de extrema importância para evitar tais consequências indesejáveis.

2 Foto: Jaqueline Matias Carrapatos Os carrapatos são ácaros hematófagos. No Brasil, as infestações por carrapatos em cães estão diretamente relacionadas com o ambiente onde estes vivem. 4 O ambiente rural e as periferias de áreas urbanas, onde o cão possui acesso livre a matas e pastagens, apresentando contato com outros animais, domésticos ou selvagens, propicia a infestação por várias espécies de carrapato pertencente ao gênero Amblyomma (Figura 1). 4 Já os cães criados no meio urbano, no interior ou no espaço externo das residências são acometidos mais comumente pelo carrapato Rhipicephalus sanguineus (Figura 2), 4 que está adaptado a se estabelecer nas cidades, nessas condições e com grande facilidade. 1 2 Figura 1 - Rhipicephalus sanguineus, macho dorsal, aumentado Figura 2 - Amblyomma ovale, macho dorsal, aumentado Fonte: controle-do-carrapato-ms/museu-docarrapato/ Ciclo biológico Os carrapatos que acometem os cães passam por quatro estágios evolutivos durante o seu ciclo de vida ovo, larva, ninfa e adulto (macho e fêmea), sendo que alguns eventos ocorrem sobre o animal, enquanto a maioria das etapas se desenvolve no ambiente. Após um período de incubação no ambiente, surge a eclosão do ovo com a liberação da larva. Esta procura o animal e permanece por alguns dias para realizar a hematofagia; em seguida, abandona o animal e retorna para o ambiente para realizar a troca de pele (ou ecdise) e originar a ninfa. A ninfa procura o animal também para realizar a hematofagia por alguns dias e retorna para o ambiente para realizar a troca de pele (ou ecdise) e originar o adulto, que pode ser macho ou fêmea. O adulto, por sua vez, procura o animal para realizar a hematofagia e a cópula. A fêmea, após a cópula, suga grande quantidade de sangue e se torna ingurgitada. A fêmea ingurgitada se desprende do animal e realiza a postura dos ovos no ambiente. Os carrapatos do gênero Amblyomma podem parasitar os mamíferos domésticos e selvagens e as aves dos ambientes rural e silvestre, não sendo necessária a presença dos cães para estabelecer o seu ciclo de vida. Esses carrapatos possuem hábitos de tocaia, isto é, ficam a postos na beira da vegetação, esperando a passagem de seus hospedeiros; assim, os cães e os humanos são acometidos acidentalmente ao adentrarem nesse ambiente. As partes do corpo mais parasitadas comumente são a cabeça e o pescoço. 4 Já o carrapato R. sanguineus apresenta especificidade parasitária, sendo necessária a presença do cão para o desenvolvimento do ciclo biológico e a manutenção da sua população. Além disso, possui hábito nidícola, ou seja, realiza o seu ciclo de vida no ninho, casa ou abrigo do hospedeiro. Esse carrapato, quando não está sobre o corpo do animal, permanece nas frestas e nos buracos de paredes, nos muros e nos tetos do próprio abrigo do cão. Ao detectar a presença do animal, abandona esses locais e vai ao encontro dele para a hematofagia. Devido a essas características biológicas, que favorecem o estabelecimento e a reprodução do R. sanguineus no ambiente urbano, os cães são facilmente acometidos por ele. As áreas do corpo do hospedeiro mais parasitadas são cabeça, pescoço, dorso, orelhas e interdígitos. 4 Independente da espécie, 95% dos carrapatos encontram-se no ambiente em vida livre, enquanto apenas 5% estão parasitando o animal. O cão não desenvolve imunidade contra o R. sanguineus, por isso pode sempre servir como hospedeiro adequado, por tempo indeterminado, para todos os estágios parasitários desse carrapato. 4 Alimentação O aparelho bucal do carrapato penetra na pele do hospedeiro e permanece fixado por meio do hipostômio e pela saliva. Ao provocar a laceração dos tecidos e vasos sanguíneos, ingere sangue e regurgita saliva, principal via de inoculação de patógenos. Nesse processo de alimentação, o carrapato causa vários tipos de lesões (Quadro 1). 8 Quadro 1 - Lesões causadas, no hospedeiro, por ectoparasitos 1 Por ação traumática: dilaceração de células e tecidos. 2 Por ação mecânica: compressão de células. 3 Por espoliação direta: hematofagia. 4 Por ação tóxica: inoculação de substâncias de alto peso molecular pela saliva, depreciação do couro, predisposição a miíases, abscessos e neurotoxicidade. Nos hospedeiros sensíveis ou não previamente expostos, a principal resposta ocorre por infiltração neutrofílica, com necrose cutânea, vasodilatação, ruptura de vasos e hemorragia. Já nos hospedeiros resistentes, a lesão de fixação é mais intensa, caracterizada por edema, infiltração eosinofílica e basofílica e necrose, sem ruptura dos vasos. A degranulação de basófilos e eosinófilos liberam histamina, serotonina e heparina, que dificultam ou impedem que os carrapatos completem seu processo de ingurgitamento. 8 Transmissão de patógenos Uma grande variedade de agentes causadores de doenças é transmitida por carrapatos por meio da picada, de excrementos ou da ingestão destes. Em alguns casos, os carrapatos funcionam como transmissores mecânicos de agentes ou transportadores somente. O grande problema das doenças transmitidas por eles é que elas mimetizam um grande número de doenças 2

3 Foto IRD éditions/ Boussès P. infecciosas e parasitárias, dificultando seu diagnóstico e tratamento. Em geral, as manifestações clínicas envolvem febre e anemia, e seu aparecimento pode ocorrer de forma inesperada. 8 Alguns agentes transmitidos pelo carrapato são Ehrlichia sp., Borrelia sp., Babesia sp. e Rickettsia rickettsii (Quadro 3). Pulgas As pulgas são insetos hematófagos. No Brasil, apenas 59 espécies foram descritas. De maneira geral, somente poucas espécies de pulgas podem ser encontradas em cães e gatos, sendo que a Ctenocephalides felis (Figura 3) assume maior relevância pela elevada prevalência em nosso meio ou pela sua importância como causadora de dermatites alérgicas nos animais predispostos e seu comportamento como vetor de alguns importantes patógenos. 7-9 Figura 3 - Ctenocephalides felis, fêmea adulta Fonte: es/ususarios/eaa/sesiones. php?sesion=87&bloque=3 (Faculdade de Biologia UCM) Alimentação e ciclo biológico As pulgas são insetos que realizam uma metamorfose completa durante o seu ciclo de vida e apresentam os estágios vitais, consistindo em ovo, estágios larvais um, dois e três, casulo pupal e adulto (macho e fêmea). 9 As pulgas adultas, macho e fêmea, permanecem sobre o corpo do animal, realizando a hematofagia e a cópula. A fêmea faz a postura dos ovos entre os pelos do animal, mas os ovos não são aderentes e caem no solo, ocorrendo uma tendência ao acúmulo de grandes quantidades de ovos nos locais mais frequentados pelo cão, principalmente onde ele descansa no período noturno. Após um período de incubação, ocorrem a eclosão do ovo e a liberação da larva de primeiro estágio, que se alimenta e evolui para larva de segundo estágio, a qual se alimenta e evolui para larva de terceiro estágio. A alimentação das larvas no ambiente é obtida, essencialmente, por meio das partículas fecais produzidas pelas pulgas adultas, compostas de sangue desidratado parcialmente digerido, além de descamações cutâneas, fungos, microrganismos e resíduos alimentares. A larva de terceiro estágio começa a produzir fios de seda viscosos e a tecer o casulo pupal ao seu redor. Esse casulo é pegajoso e permite a aderência de partículas finas, como grãos de areia e todo tipo de sujeira e resíduo ambiental. EM GERAL, AS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS ENVOLVEM FEBRE E ANEMIA, E SEU APARECIMENTO PODE OCORRER DE FORMA INESPERADA. Quadro 2 - Características observadas durante o desenvolvimento das larvas 1 Geotaticamente positivas: seguem a gravitação. 2 Fototaticamente negativas: movem-se em direção contrária à luz. 3 Tigmotaticamente positivas: reconhecem estímulos táteis e reagem ao contato mecânico. 4 Higrotaticamente positivas: orientam-se para fontes úmidas. No interior do casulo pupal, ocorre a metamorfose, originando a pulga adulta (macho ou fêmea). A saída, ou emergência, das pulgas adultas de dentro do casulo pupal, ocorre por meio de estímulos específicos desencadeados principalmente pela presença do hospedeiro, como temperatura, dióxido de carbono, vibrações, pressão física, luminosidade, ruídos e odores. 9 Após saltar sobre o hospedeiro, as pulgas adultas realizam a hematofagia diretamente nos capilares (solenófagas) durante o dia ou à noite. 7 O ciclo de ovo a adulto é completado por volta de 12 a 15 dias, podendo, entretanto, estender-se até 174 dias dependendo das condições de temperatura, da umidade e da alimentação obtida pelas larvas. 9 Estas apresentam características (Quadro 2) que favorecem o seu desenvolvimento e a produção do casulo pupal em locais de difícil acesso, sendo frequentemente encontradas na base de tapetes e carpetes, tacos, assoalhos, tábuas e rodapés

4 Enfermidades transmitidas por ectoparasitos Quadro 3 - Enfermidades transmitidas por ectoparasitos 4 Algumas das principais enfermidades transmitidas para o animal e para o homem por carrapatos e pulgas estão especificadas no Quadro 3. Vetores Enfermidades Agentes Patogenias Carrapatos Pulgas 7 Erliquiose Babesiose Hepatozoonose Borreliose de Lyme Febre maculosa Peste Doença da arranhadura do gato Dipilidiose Filariose de cães Ehrlichia sp. Babesia spp. Hepatozoon spp. Borrelia burgdorferi Rickettsia rickettsii Yersinia pestis Bartonella henselae Dipylidium caninum Dipetalonema reconditum São parasitas intracelulares obrigatórios que infectam leucócitos (monócitos e polimorfonucleares) ou trombócitos (plaquetas) e causam trombocitopenia no hospedeiro. É uma doença cosmopolita, com especial ocorrência em áreas tropicais e subtropicais, responsável por extensivas morbidade e mortalidade. 2 Causa anemia em decorrência da infecção e lise de hemácias. Tem alta morbidade, principalmente quando associada à erliquiose. 2 É causada por meio da ingestão de carrapatos infectados pelo protozoário que parasitam leucócitos e o parênquima de tecidos. Infecções assintomáticas são comuns, geralmente causando doença leve que pode afetar baço, linfonodos e medula óssea, resultando em anemia e letargia. Imunossupressão pode desempenhar um papel importante na progressão da parasitemia em cães. Conforme a intensidade da infestação pelo parasito, pode levar a óbito. 6 Doença de caráter multissistêmico, com ampla distribuição geográfica, porém, no Brasil esse agente ainda não foi isolado. As manifestações clínicas são síndrome musculoesquelética, invariável quanto a idade, raça ou sexo, caracterizada pelo comprometimento de diversas articulações. 11 Rickettsia rickettsii é o agente etiológico da febre maculosa, que acomete, principalmente, os humanos e os cães, sendo responsável por uma doença febril com erupções cutâneas não pruriginosas (máculas). O carrapato Amblyomma cajennense é o principal vetor envolvido na transmissão dessa doença no Brasil. 8 A transmissão se processa pela picada de pulgas infectantes após as bactérias reproduzirem-se e bloquearem o proventrículo do inseto, impedindo-o de se alimentar, mas aumentando, significativamente, o número de picadas. Bartonella henselae é o agente responsável pela doença. Os gatos podem adquirir essa bactéria naturalmente por meio das pulgas ou transfusões sanguíneas. Cestódeo habitual em carnívoros domésticos que eventualmente parasita o homem. A infecção das pulgas (Ctenocephalides spp.) ocorre em suas fases larvárias, por meio da ingestão do ovo do cestódeo liberado com as fezes de cães ou da ingestão direta das proglotes. Parasito patogênico exclusivo de cães, desenvolvendo-se na cavidade geral de pulgas e cuja transmissão entre cães se realiza por meio da penetração ativa das microfilárias nos tecidos, após se libertarem das peças bucais das pulgas no momento da hematofagia. (continua...)

5 Vetores Enfermidades Agentes Patogenias Carrapatos e pulgas Dermatite alérgica à picada de ectoparasitas (DAPE) Leishmaniose -- Leishmania spp. Uma das doenças cutâneas mais comuns, que consiste num quadro de hipersensibilidade produzido em resposta à inoculação de proteínas da saliva de pulgas e carrapatos que age como um antígeno na pele de cães e gatos. A imunopatogenia dessa doença é mediada por reação de hipersensibilidade imediata, seguida por tardia, depois hipersensibilidade cutânea com infiltração basofílica e, por fim, resposta retardada mediada por IgE. 3 Doença que acomete o cão, o homem e diversas espécies animais. É uma zoonose que se encontra entre as seis endemias consideradas prioritárias no mundo. Dada a sua alta letalidade e incidência, principalmente em indivíduos não tratados e imunossuprimidos, é uma das doenças mais importantes da atualidade. Apresenta-se sob três formas distintas: cutânea, mucocutânea e visceral. Os cães são o principal reservatório da doença em áreas urbanas. A transmissão se dá por meio da picada de insetos flebotomíneos infectados, porém existem evidências de que pulgas e carrapatos podem carrear a Leishmania em seu interior, mas não necessariamente transmitir o agente. 1 Controle e profilaxia Os programas que visam ao controle adequado das pulgas e dos carrapatos devem apresentar uma combinação harmoniosa de métodos que proporcionam o manejo das condições ambientais, associados à utilização de produtos químicos seletivos (ectoparasiticidas e repelentes). 10 A alteração ou a remoção das condições ambientais que favorecem o desenvolvimento da população de pulgas e carrapatos devem ser realizadas antes mesmo da utilização de produtos químicos no ambiente e/ou no animal É importante ressaltar que os carrapatos do gênero Amblyomma podem parasitar naturalmente mamíferos domésticos e selvagens dos ambientes rural e silvestre, sendo o cão acometido acidentalmente ao adentrar esses meios. Assim, a utilização de drogas carrapaticidas visa eliminar os carrapatos que já foram adquiridos ou evitar uma nova infestação quando o cão adentra esses ambientes. Outro procedimento importante é evitar que o cão entre em contato com animais e a vegetação dos locais já citados. 4 Para o controle do carrapato da espécie R. sanguineus, que assume grande importância pela sua elevada ocorrência nos cães ou pela transmissão de agentes causadores de graves doenças como a erliquiose e a babesiose canina, é necessário fazer o tratamento curativo no animal, que atua em 5% da população e, principalmente, o tratamento ambiental, que visa atuar nos 95% da população. O tratamento ambiental pode ser realizado por meio da dedetização com piretroides em três a quatro aplicações, com intervalos de 14 dias, sempre aspergindo a substância nas paredes, nos muros e nos tetos, principalmente nas áreas de descanso do animal. Quando for inviável dedetizar o ambiente, como no interior de residências e apartamentos, podem ser aplicados apenas produtos de ação residual com efeito preventivo no animal. Esses produtos devem ser rigorosamente reaplicados com base nos períodos de eficácia preconizados. 4 No mercado brasileiro, estão disponíveis vários produtos que apresentam ação 5

6 residual com efeito preventivo, como permetrina, fipronil, amitraz, selamectina e piriprol. No caso das pulgas, também é indicado realizar esse controle integrado visando atuar sobre o hospedeiro e o ambiente, pois, assim como os carrapatos, 95% da população de pulgas encontram-se no ambiente nos estágios de ovos, larvas e pupas, e apenas 5% no estágio adulto encontram-se parasitando o hospedeiro. As medidas realizadas no ambiente interno envolvem a rigorosa limpeza para retirada de matéria orgânica (pode-se usar aspirador de pó, lavar com água ou usar vapor superaquecido) e restringir o acesso dos animais a determinados cômodos. O controle do ambiente externo se dá por meio da limpeza de áreas sombreadas, úmidas e protegias do sol. 10 Também é possível o uso de produtos químicos que atuam nos estágios evolutivos encontrados no ambiente (principalmente os ovos e as larvas), como os carbamatos, organofosforados, piretroides e os reguladores de crescimento de insetos (análogos do hormônio juvenil e os inibidores da síntese de quitina). Deve-se ressaltar que as pulgas podem sobreviver por 140 a 170 dias no interior do casulo pupal. Outro fator importante é a grande dificuldade de atingir as pulgas que se encontram no interior desse casulo, mesmo após a aplicação ambiental de produtos inseticidas, devido aos locais de difícil acesso e às condições impermeabilizantes que dificultam a penetração dos produtos químicos no casulo. Para atuar no estágio adulto das pulgas encontradas sobre o animal, é recomendada a aplicação de produtos químicos que apresentam efeito adulticida. 10 Existe uma ampla variedade de fármacos que desempenham esse efeito disponível no mercado nacional, como imidacloprid, fipronil, metaflumizona, nitenpiram, selamectina, piriprol e spinosad. O imidacloprid foi desenvolvido para a utilização em Medicina Veterinária a partir de uma nova classe de inseticidas, denominada cloronicotinil nitroguanidina, que atua nos receptores nicotínicos da junção pós-sináptica neurônica dos insetos. O imidacloprid causa primeiramente a ativação e, depois, o bloqueio desses receptores com a hiperexcitabilidade do sistema nervoso, exercendo seu efeito adulticida nas pulgas. 10 A permetrina é um composto químico que pertence à classe dos piretroides, sintetizada a partir das piretrinas naturais, e exerce seus efeitos nas pulgas e nos carrapatos, ocasionando uma alteração cinética nos canais de sódio e potássio que podem acarretar num estímulo neurônico por meio da produção repetitiva de descargas elétricas. 10 O imidacloprid associado à permetrina, para a aplicação spot-on, representa uma boa opção para o controle das pulgas e dos carrapatos. O produto distribui-se rapidamente por todo o corpo do animal com o auxílio da movimentação natural da pele, atingindo a sua eficácia, que possibilita a eliminação das pulgas UM DOS PRINCIPAIS MOTIVOS PARA A INEFICÁCIA DOS PROGRAMAS DE PROFILAXIA E CONTROLE DE ECTOPARASITOS ESTÁ RELACIONADO AO FRACO EMPENHO DOS PROPRIETÁRIOS DEVIDO À FALTA DE CONDIÇÕES FINANCEIRAS, AO GRAU DE FORMAÇÃO MÍNIMO OU À SIMPLES RECUSA EM ALTERAR SUA ROTINA DIÁRIA. adultas e dos carrapatos. Além disso, o produto permanece efetivo no organismo do cão, prevenindo novas infestações no decorrer dos dias, permitindo intervalos mensais entre os tratamentos. 10 Mas nem tudo é regra: em certos casos, o uso de produto de ação residual associado à limpeza do ambiente sem produtos químicos já é suficiente para controlar uma infestação por pulgas. 10 O médico veterinário deve avaliar qual ou quais intervenções deverão ser utilizadas em cada caso e explicar ao proprietário todas as medidas que serão adotadas na prevenção e/ou no controle de ectoparasitos, a fim de melhorar a qualidade de vida de todos (animal, proprietário e população no geral). Um dos principais motivos para a ineficácia dos programas de profilaxia e controle de ectoparasitos está relacionado ao fraco empenho dos proprietários devido à falta de condições financeiras, ao grau de formação mínimo ou à simples recusa em alterar sua rotina diária. É por esses e outros motivos que o médico veterinário deve escolher corretamente um protocolo e adequá-lo às necessida- 6

7 des específicas do proprietário e de seu animal de estimação. Mas não podemos esquecer que outra razão para a falha do controle pode ser o desenvolvimento de resistências aos produtos utilizados. 3 Concluímos, assim, que os sucessos da prevenção e do controle dependem de uma ação conjunta entre proprietário e médico veterinário, e nunca se deve esquecer que animais e ambiente devem ser tratados juntos, e nem sempre se consegue a erradicação completa desses ectoparasitos. Banco de sangue O banco de sangue do Hospital Veterinário Anhembi Morumbi tem como prioridade a seleção de doadores caninos e felinos, que devem se apresentar clinicamente saudáveis, vacinados e vermifugados, ter entre um e seis anos de idade, com peso superior a 25 kg (cão) e 4,5 kg (gato), não devem ter passado por procedimento cirúrgico recente (dois meses), não devem estar prenhes, devem ter temperamento dócil e, principalmente, ser submetidos ao controle de ectoparasitos. O controle de ectoparasitos é de extrema importância, pois sabe-se que de 10 a 15% dos prováveis doadores que apresentam valores hematológicos no intervalo de normalidade, podem revelar resultados sorológicos reagentes para os principais agentes transmissíveis pelo sangue. O banco de sangue veterinário enfrenta a mesma problemática do banco de sangue humano: a falta de doadores. Seu cão pode salvar vidas. Faça dele um doador! As opiniões aqui refletidas são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião da Bayer. Referências: 1. Bossler, R.S. Leishmaniose visceral canina. Monografia (Graduação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Veterinária. Porto Alegre, Figueiredo, M.R. Babesiose e erliquiose caninas. Monografia (Pós-graduação). Instituto Qualittas. Rio de Janeiro, Gamito, M.S.R. Dermatites parasitárias no cão. Monografia (Mestrado). Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Medicina Veterinária. Lisboa, Labruna, M.B.; Pereira, M.C. Carrapatos em cães no Brasil. Clín. Vet., n.30, p.26-34, Langoni, H. Conhecimento da população de Botucatu-SP sobre guarda responsável de cães e gatos. Vet. e Zootec. 18(2): , jun Lasta, C.S. Hepatozoonose canina. Monografia (Especialização). Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Veterinária. Porto Alegre, Linardi, P.M. Biologia e epidemiologia das pulgas. Rev. Bras. Parasitol. Vet., v.13, suplemento 1, Massard, C.L.; Fonseca, A.H. Carrapatos e doenças transmitidas comuns ao homem e aos animais. A Hora Veterinária. 135(1):15-23, Pereira, M.C.; Santos, A.P. Ctenocephalides felis felis: biologia, ecologia e controle integrado (1ª parte Biologia e Ecologia). Clín. Vet., n.16, p.34-8, Pereira, M.C.; Santos, A.P. Ctenocephalides felis felis: biologia, ecologia e controle integrado (2ª parte Controle Integrado). Clín. Vet., n.17, p.31-6, Soares, C.O. [et al]. Borrelioses, agentes e vetores. Pesq. Vet. Bras. 20(1):1-19,

8 Não deixe seus pacientes andarem em más companhias! 2014 Desenvolvido por AC Farmacêutica Contra pulgas, carrapatos e mosquitos Trata, Previne e Protege. Pulgas, carrapatos e mosquitos são más companhias que transmitem doenças graves e muitas vezes fatais para seu cão. Advantage Max3 mata pulgas e carrapatos por contato, controla a reinfestação do ambiente e também repele mosquitos transmissores de doenças graves como a leishmaniose. Com Advantage Max3 a saúde do seu paciente está protegida. Proteção completa assim, só da Bayer. Advantage Max3. Seu cão em boa companhia. Não use em gatos. L.BR.AH

DISCIPLINA PARASITOLOGIA PROF. ISABELLA MARTINS

DISCIPLINA PARASITOLOGIA PROF. ISABELLA MARTINS DISCIPLINA PARASITOLOGIA PROF. ISABELLA MARTINS ECTOPARASITOS CLASSE ARACHNIDA corpo dividido em cefalotórax e abdome ou fusionado 4 pares de patas quelíceras SUBCLASSE ACARI ÁCAROS Corpo fusionado Gnatosoma

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE (KARINA@UFRB.EDU.BR) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: Ocorrência de

Leia mais

CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA

CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA OLIVEIRA, Amanda Claudia de MACHADO, Juliane de Abreu Campos ANTÔNIO, Nayara Silva Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de

Leia mais

Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013

Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013 Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013 1. A origem da vida na Terra 1) A 2) B 3) E 4) E 5) C 6) C 7) C 8) C 9) D 10) C 11) A 12) C 13) C 14) B 15) D 2. A evolução biológica

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 27 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Advantix solução para unção punctiforme para cães com mais de 4 kg até 10 kg 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA Aula 04 A PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Aula de hoje: Hemiptera de importância em Parasitologia Zootécnica ORDEM HEMIPTERA Insetos da ordem Hemiptera são divididos em três subordens, os Heteroptera (conhecidos

Leia mais

Substâncias activas: Cada coleira de 38 cm (12,5 g) contém 1,25 g de imidaclopride e 0,56 g de flumetrina

Substâncias activas: Cada coleira de 38 cm (12,5 g) contém 1,25 g de imidaclopride e 0,56 g de flumetrina 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Seresto, coleira 1,25 g + 0,56 g para cães 8 kg 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substâncias activas: Cada coleira de 38 cm (12,5 g) contém 1,25 g de imidaclopride

Leia mais

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS Henrique Coelho Médico Veterinário MOSCA DOS CHIFRES CICLO DA Cocchliomyia hominivorax - Só realiza postura nas bordas de ferimento de animais de sangue quente

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA

COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI MALÁRIA AGENTE CAUSADOR: Plasmodium falciparum, P. vivax e P. malariae. protozoário esporozoário parasita da hemáceas.

Leia mais

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos ZOOLOGIA E PARASITOLOGIA Aula IV Protozoários Zoopatogênicos Professora: Luciana Alves de Sousa Doenças causadas por Protozoários Doença de Chagas Leishmaniose Malária Giardíase Amebíase Toxoplasmose Doença

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Muito se tem falado sobre a Toxoplasmose e seus perigos,

Leia mais

Médico Veterinário. 12) A respeito da Vaccinia marque a alternativa que contenha a informação correta.

Médico Veterinário. 12) A respeito da Vaccinia marque a alternativa que contenha a informação correta. Médico Veterinário 11) Analise as frases abaixo e selecione a opção que contenha a sequência correta das denominações dadas aos eventos descritos a respeito da replicação dos vírus na célula. - Envolve

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. A Dengue é um problema sério de saúde pública, a sua eliminação depende muito da participação popular. Mas a população precisa ter conhecimento das ações de controle, realizadas

Leia mais

DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Fipronil... 50,00 mg (S)-metopreno....60,00 mg Butilhidroxianisol...0,10 mg Butilhidroxitolueno...0,05 mg Etanol....39,50

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

Amebíase ou Disenteria Amebiana

Amebíase ou Disenteria Amebiana Amebíase ou Disenteria Amebiana Agente causador: Entamoeba histolytica, que vive no interior do intestino grosso, fagocitando partículas de alimento digerido e também atacando a própria mucosa intestinal.

Leia mais

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats.

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats. Artrópodes - O filo Arthropoda (Artrópodes) possui um número muito grande de animais, o maior grupo com espécies diferentes; - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em

Leia mais

Manual do Carrapatograma

Manual do Carrapatograma Manual do Carrapatograma Amigo Produtor de Leite, Existem no mundo quase 900 espécies de carrapatos, só no Brasil existem mais de cinqüenta. Sendo que, o mais preocupante para a pecuária é o carrapato

Leia mais

CONTROLE DO CARRAPATO DOS BOVINOS. Daniela Pontes Chiebao PqC da Unidde de Pesquisa e Desenvolvimento de Sorocaba/APTA danichiebao@apta.sp.gov.

CONTROLE DO CARRAPATO DOS BOVINOS. Daniela Pontes Chiebao PqC da Unidde de Pesquisa e Desenvolvimento de Sorocaba/APTA danichiebao@apta.sp.gov. CONTROLE DO CARRAPATO DOS BOVINOS Daniela Pontes Chiebao PqC da Unidde de Pesquisa e Desenvolvimento de Sorocaba/APTA danichiebao@apta.sp.gov.br Adriana Hellmeister de Campos Nogueira PqC do Pólo Regional

Leia mais

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado.

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA PRINCIPAIS VETORES - Furão (ferrets) - Raposas - Coiotes - Guaxinins

Leia mais

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto)

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) COLÉGIO E CURSO INTELECTUS APOSTILA NOME: MAT.: Biologia I PROFº: EDUARDO SÉRIE: TURMA: DATA: VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) Os vírus são os únicos organismos acelulares,

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

Enfermidades transmitidas por vetores: leishmaniose visceral canina no Brasil

Enfermidades transmitidas por vetores: leishmaniose visceral canina no Brasil Ano 01 Edição 05 Dezembro 2014 Enfermidades transmitidas por vetores: leishmaniose visceral canina no Brasil Dra. Ingrid Menz CRMV-SP 1.569 Graduação pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

P R O V A DE BIOLO G I A I I

P R O V A DE BIOLO G I A I I 10 P R O V A DE BIOLO G I A I I QUESTÃO 31 Uma criança do sexo masculino pertencente ao grupo sangüíneo AB e com síndrome de Down foi curada de uma leucemia, após receber transplante de medula óssea proveniente

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

MITOS X VERDADES SOBRE A DENGUE

MITOS X VERDADES SOBRE A DENGUE Uma boa alimentação garante imunidade à doença? Mito. Não há algum alimento específico contra a dengue. Porém, uma alimentação incluindo frutas e vegetais, torna o organismo da pessoa mais saudável e o

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR PERMETRINA NO CÃO E GATO

INTOXICAÇÃO POR PERMETRINA NO CÃO E GATO Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira INTOXICAÇÃO POR PERMETRINA NO CÃO E GATO Os parasitas externos como as pulgas e as carraças podem causar um grande incómodo para

Leia mais

[175] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. Parte III P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S I N F E C C I O S A S

[175] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. Parte III P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S I N F E C C I O S A S [175] Geralmente ocorre leucocitose com neutrofilia. A urina contém bile, proteína hemácias e cilindros. Ocorre elevação de CK que não é comum em pacientes com hepatite. Oligúria é comum e pode ocorrer

Leia mais

ECTOPARASITAS EM PEQUENOS ANIMAIS: CONTROLE E DIAGNÓSTICO

ECTOPARASITAS EM PEQUENOS ANIMAIS: CONTROLE E DIAGNÓSTICO ECTOPARASITAS EM PEQUENOS ANIMAIS: CONTROLE E DIAGNÓSTICO INTRODUÇÃO Os ectoparasitas são de grande importância na Medicina Veterinária, uma vez que são responsáveis pela transmissão de agentes patogênicos

Leia mais

INCIDÊNCIA DE FEBRE MACULOSA NA CIDADE DE AMPARO. Palavras- Chave: Saúde, Pesquisa, Febre Maculosa, Patologia, Enfermagem.

INCIDÊNCIA DE FEBRE MACULOSA NA CIDADE DE AMPARO. Palavras- Chave: Saúde, Pesquisa, Febre Maculosa, Patologia, Enfermagem. INCIDÊNCIA DE FEBRE MACULOSA NA CIDADE DE AMPARO Daniela Aparecida Correa Aline Gritti Rodrigues Resumo: O presente artigo terá como objetivo abordar a incidência de Febre Maculosa na cidade de Amparo

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa brasileira é uma doença transmitida pelo carrapato-estrela

Leia mais

Editoria: Cidades Manaus Hoje

Editoria: Cidades Manaus Hoje Editoria: Cidades Manaus Hoje Adolescentes são internados vítimas de tiros no rosto ( ) Press-release da assessoria de imprensa (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação C5 www.portalamazonia.com.br

Leia mais

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO. FRONTLINE SPOT-ON GATOS 50 mg, solução para unção punctiforme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO. FRONTLINE SPOT-ON GATOS 50 mg, solução para unção punctiforme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO FRONTLINE SPOT-ON GATOS 50 mg, solução para unção punctiforme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada pipeta de 0,5 ml contém: Substância activa: Fipronil 50,00

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Barbeiro - Triatoma infestans O nome cientifico do inseto barbeiro é Triatoma infestans, mas no Brasil sao conhecidas mais de 30 especies que transmitem a doença de Chagas. O genero como o proprio

Leia mais

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Introdução As clostridioses são consideradas as maiores causas de mortes em bovinos no Brasil, seguidas das intoxicações causadas por plantas tóxicas

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

16/4/2010 ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO

16/4/2010 ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO EPIDEMIOLOGIA Parte 01 PROFa. MSc. MARISE RAMOS DE SOUZA EPIDEMIOLOGIA ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO Epidemiologia é portanto, o estudo de alguma coisa que aflige (afeta)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL SC - SECRETARIA DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 006 2016 CADERNO DE PROVA 14 DE MAIO Das 14 às 17: 30 horas 3 horas e 30 minutos de duração 30 QUESTÕES AGENTES COMUNITÁRIOS

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011

Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011 Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011 Visando o controle populacional de caninos e felinos no Município de Jaboticabal, durante o ano de 2011, a APA, entre muitas atividades, realizou a

Leia mais

PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS2007/UFG

PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS2007/UFG UFG-PS/7 PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS7/UFG Esta parte do relatório mostra o desempenho dos candidatos do grupo na prova de Biologia da ª etapa do PS7. Inicialmente, são apresentados os dados gerais dos candidatos

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Fonte: O Estado de S.Paulo, 10/12/ 97.

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Fonte: O Estado de S.Paulo, 10/12/ 97. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 13. Ao chegar ao Pará (Belém), encontrei a cidade, antes alegre e saudável, desolada por duas epidemias: a febre amarela e a varíola. O governo tomou todas as precauções sanitárias

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Bravecto 112,5 mg comprimidos mastigáveis para cães de porte muito pequeno (2-4,5 kg) Bravecto 250 mg comprimidos

Leia mais

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue Material Complementar Tema: Discutindo a Dengue Setor de Educação de Jovens e Adultos Objetivos: o Compreender o ciclo evolutivo da Dengue. o Reconhecer diferentes formas de desenvolvimento dos organismos.

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 28 REINO PROTISTA Corpúsculo basal Membrana ondulante Citoplasma núcleo flagelo Reprodução assexuada em flagelados Parasita Leishmania brasiliensis Transmissor homem Phlebotomus

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

Fármacos e medicamentos

Fármacos e medicamentos Fármacos e medicamentos Marcos Henrique de Castro Oliveira * Fármacos são substâncias químicas, isto é, moléculas puras que apresentam uma atividade biológica útil para fins de manutenção da saúde humana.

Leia mais

Exercício de Biologia - 3ª série

Exercício de Biologia - 3ª série Exercício de Biologia - 3ª série 1- A poluição atmosférica de Cubatão continua provocando efeitos negativos na vegetação da Serra do Mar, mesmo após a instalação de filtros nas indústrias na década de

Leia mais

Doenças Associadas aos Morcegos e ao Meio Ambiente. cbgitti@ufrrj.br cbgitti@yahoo.com.br

Doenças Associadas aos Morcegos e ao Meio Ambiente. cbgitti@ufrrj.br cbgitti@yahoo.com.br Doenças Associadas aos Morcegos e ao Meio Ambiente cbgitti@ufrrj.br cbgitti@yahoo.com.br Número de mordeduras por animal Ambiente Insalubre DOENÇAS VIRAIS 28 TIPOS DE VÍRUS V JÁJ REGISTRADOS EM MORCEGOS.

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI TÍTULO: PERFIL HEMATOLÓGICO E PARASITOLÓGICO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS COM SUSPEITA DE INFECÇÃO POR PARASITOS ( HEMOPARASITOS E ENDOPARASITOS) COM POTENCIAL ZOONÓTICO ATENDIDOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA FACULDADE

Leia mais

EFICÁCIA DO ÓLEO DE NIM (Azadirachta indica) NO CONTROLE DO CARRAPATO DO CÃO (Rhipicephalus sanguineus)

EFICÁCIA DO ÓLEO DE NIM (Azadirachta indica) NO CONTROLE DO CARRAPATO DO CÃO (Rhipicephalus sanguineus) ISBN 978-85-6191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 EFICÁCIA DO ÓLEO DE NIM (Azadirachta indica) NO CONTROLE DO CARRAPATO DO CÃO (Rhipicephalus sanguineus)

Leia mais

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Gerente de Produto 0peração Animais de Companhia- MERIAL Saúde Animal 2011 Trombopoiese Plaquetas são fragmentos

Leia mais

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva.

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Parasitologia PET A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Maria

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL.

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL. 11 PROVA DE BIOLOGIA Q U E S T Ã O 1 6 Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Partícula de LDL (Lipoproteína de baixa densidade) Receptores de LDL Endossomo

Leia mais

ESTUDO IN VITRO DA RESISTÊNCIA DE Rhipicephalus Boophilus microplus A CARRAPATICIDAS EM BOVINOS NA REGIÃO DE LONDRINA-PR

ESTUDO IN VITRO DA RESISTÊNCIA DE Rhipicephalus Boophilus microplus A CARRAPATICIDAS EM BOVINOS NA REGIÃO DE LONDRINA-PR ESTUDO IN VITRO DA RESISTÊNCIA DE Rhipicephalus Boophilus microplus A CARRAPATICIDAS EM BOVINOS NA REGIÃO DE LONDRINA-PR Lincoln Tavares Gomes* Paulo Humberto Carnelós* Yasmim Varago Farth* Yurick Moritz*

Leia mais

Muito bem, Cícero! Vim para acompanhar o Dr. Carlos na visita a algumas pessoas que estão com sintomas de LEISHMANIOSE. Quer vir conosco?

Muito bem, Cícero! Vim para acompanhar o Dr. Carlos na visita a algumas pessoas que estão com sintomas de LEISHMANIOSE. Quer vir conosco? Maria é uma das milhares de Agentes Comunitárias de Saúde que trabalham nos municípios brasileiros. Todos os dias, ela visita sua comunidade para saber como anda a saúde dos moradores. Olá, Cícero, como

Leia mais

Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO. QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.)

Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO. QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.) Delza - Ciências 6ª Série RECUPERAÇÂO QUESTÃO 1 (Descritor: associar características básicas à classificação dos seres vivos.) Assunto: Classificação dos seres vivos Os cientistas estabeleceram um sistema

Leia mais

Leishmaniose visceral: vacina europeia traz fórmula inovadora

Leishmaniose visceral: vacina europeia traz fórmula inovadora Leishmaniose visceral: vacina europeia traz fórmula inovadora Em entrevista à Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), Dr. Javier Moreno fala sobre a vacina contra leishmanioses (http://www.ideal.es/jaen/20140212/mas-actualidad/ciencia/europaimpulsa-vacuna-contra-201402121152.html)

Leia mais

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO)

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula de hoje: ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula 07 Antes de iniciarmos os estudos sobre populações e seus componentes precisamos conhecer e conceituar as estruturas

Leia mais

Classificação dos processos sucessionais

Classificação dos processos sucessionais SUCESSÃO ECOLÓGICA A SUCESSÃO ECOLÓGICA PODE SER DEFINIDA COMO UM GRADUAL PROCESSO NO QUAL AS COMUNIDADE VÃO SE ALTERANDO ATÉ SE ESTABELECER UM EQUILÍBRIO. AS FASES DISTINTAS DA SUCESSÃO ECOLÓGICA SÃO:

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador:

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador: BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos Importador: 1 As Dermatofitoses são micoses superficiais nas quais a infecção fungica afeta as camadas

Leia mais

Controle Populacional de Caninos e Felinos por meio da Esterilização Cirúrgica

Controle Populacional de Caninos e Felinos por meio da Esterilização Cirúrgica Controle Populacional de Caninos e Felinos por meio da Esterilização Cirúrgica Gabriela Rodrigues Sampaio Professora Adjunto Doutora Departamento de Medicina Veterinária / UFLA gabsampa@ufla.br; Fabiane

Leia mais

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS BIÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS BIÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS BIÓLOGO QUESTÃO 21 A febre amarela é uma doença febril aguda, de curta duração (no máximo 12 dias) e de gravidade variável, cujo agente etiológico é um arbovírus do

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EVOLUÇÃO CLÍNICA E PARASITOLÓGICA DE ANCILOSTOMOSE CANINA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat

Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat KLERAT O Melhor raticida dose única KLERAT mata todos os roedores, incluindo aqueles resistentes a outros raticidas anticoagulantes, com a MENOR DOSE DO MERCADO.

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO

CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO 1. A Figura I corresponde a uma etapa da ação da vitamina K no processo de

Leia mais

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22 Animais de companhia: O verme do coração do cão Quando se fala em vermes, as primeiras imagens que vêm à mente das pessoas são: "lombrigas"

Leia mais

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Limpeza e desinfecção das colméias Importante para: - qualidade de vida das abelhas - boa produção

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. ESQUISTOSSOMOSE CID 10: B 65 a B 65.9 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO Boletim eletrônico Epidemiológico Anemia Infecciosa Equina Ano-Nº 3 de Dezembro de. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de ) EDITORIAL O boletim epidemiológico eletrônico é uma iniciativa do Departamento

Leia mais

ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3. Introdução

ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3. Introdução ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3 Resumo: A esporotricose trata-se de uma zoonose causada pelo fungo saprófita dimórfico

Leia mais

1. INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIAS E RECOMENDAÇÕES

1. INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIAS E RECOMENDAÇÕES 1. INTRODUÇÃO O quadro sanitário da maioria da população da América Latina e do Caribe ainda é muito precário em virtude da carência de recursos para investimento e da deficiência ou da ausência de políticas

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

41 Por que não bebemos água do mar?

41 Por que não bebemos água do mar? A U A UL LA Por que não bebemos água do mar? Férias no verão! Que maravilha! Ir à praia, tomar um solzinho, nadar e descansar um pouco do trabalho. Enquanto estamos na praia nos divertindo, não devemos

Leia mais

1't.lMICIPAL DE. Diego De Nadai. Prefeito Municipal

1't.lMICIPAL DE. Diego De Nadai. Prefeito Municipal 1't.lMICIPAL DE FWÍOOÍ.0 Q6-A9O-2013-12! 11-006042-Í/2 1 ao GABINETE DO PREFEITO Americana, 05 de agosto de 2013. OF. 783/GP/08/2013 Prot. 16.123/2013 Senhor Presidente, REF. OF. 737/2013 - REQ. 83/2013

Leia mais

2ª SÉRIE ENS. MÉDIO MONITORIA DE BIOLOGIA 1 (OBJ. 2º PERÍODO) EXERCÍCIOS A B C CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN

2ª SÉRIE ENS. MÉDIO MONITORIA DE BIOLOGIA 1 (OBJ. 2º PERÍODO) EXERCÍCIOS A B C CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN 2ª SÉRIE ENS. MÉDIO MONITORIA DE BIOLOGIA 1 (OBJ. 2º PERÍODO) EXERCÍCIOS 1. Um tipo de característica que pode ser levada em conta quando vamos trabalhar com Biologia Comparada são as características observadas

Leia mais

inhemaco S.A. is a pre-eminent provider of Cross-border Medical Risk Management Solutions Traveller s MALARIA www.inhemaco.com

inhemaco S.A. is a pre-eminent provider of Cross-border Medical Risk Management Solutions Traveller s MALARIA www.inhemaco.com inhemaco S.A. is a pre-eminent provider of Cross-border Medical Risk Management Solutions Traveller s MALARIA www.inhemaco.com PO MALÁRIA: A DOENÇA A malária é a mais importante de todas as doenças parasíticas

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto)

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Tecido Sanguíneo Visão Geral Tecido conjuntivo líquido Circula pelo sistema cardiovascular Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Defesa imunológica (Leucócitos) Trocas

Leia mais