Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "augusto.loureiro@ufba.br, andre.gustavo@ufba.br, ttrindade.ee@gmail.com, jessivaldojr@hotmail.com"

Transcrição

1 EMBARCANDO O AGENTE AUTÔNOMO CONCORRENTE NO ROBÔ MÓVEL OMNIDIRECIONAL AXEBOT: NIVEL REATIVO Augusto Loureiro da Costa, André Gustavo Scolari Conceição, Tiago Trindade Ribeiro, Jessivaldo Santos Junior Laboratório de Robótica Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Salvador, Bahia, Brasil s: Abstract The Concurent Autonomous Agent is a cognitive agent architecture implementation based on the Generic Cognitive Model for Autonomous Agents. At first the Concurent Autonomous Agent was implememnted to a distributed multi-robot control system called MecaTeam, to the RoboCup Soccer simulation league. This implementation brings up significant results at Latin America and Brazilian edition of RoboCup, at 2010, 2009, 2008 and These results pointed to the the Concurent Autonomous Agent as a well fited cognition model to simulated mobile robots. The Concurent Autonomous Agent was choosed to be embedded into a omnidirectional mobile robot call AxeBot, allowing these mobile robot of fully decision autonomy to task performance into dinamical envirouments. The current paper presents the experimental results about robot locomotion task, achieved encapsulating a Trajectory Tracking Control System into the Concurent Autonomous Agent reactive level, end embbededing the reactive level into AxeBot mobile robot. Keywords Cognitive Robotics, Intelligent Robots, Autonomous Robots. Resumo O Agente Autônomo Concorrente é uma implementação de uma arqitetura de agente cognitivo baseada no Modelo Cognitivo Genérico para Agentes Autônomos. Inicialmente o Agente Autônomo Concorrente foi utilizado para a implementação de um sistema de controle distribuido para sistemas multi-robôs, chamado MecaTeam, para liga de futebol de robôs simulados da RoboCup Federation. Esta implementação conquistou resultados significativos em RoboCup s Latin América e Brasileiras em 2010, 2009, 2008 e Tais resultado apontaram o Agente Autônomo Concorrente como um modelo de cognição bem indicado para capacitação de robôs móveis de completa autonomia decisória para realização autônoma de tarefas em ambientes dinâmicos. O presente artigo apresenta os resultados experimentais realizados com tarefas de locomoção, com o robô móvel omnidirecional AxeBot onde o sistema de controle para rastreamento de trajetória foi encapsulado no nivel reativo do Agente Autônomo Concorrente e embarcado no robô móvel AxeBot. Keywords Robótica Cognitiva, Robótica Cognitiva, Robôs Autônomos 1 Introdução Os robôs móveis tipicamente são utilizados para realização de tarefas em ambientes, pouco estruturados, com obstáculos fixo e obstáculos móveis. Para realização de tarefas nesses ambientes, os robôs móveis devem ser dotados de sensores que permitam perceber as transformações do ambiente, de um sistema computacional que permita representar o ambiente e suas tranformações, estabelecer objetivos e planejar ações, as quais a serão aplicadas em seus atuadores visando atingir os objetivos desejados. O robô móvel omnidirecional AxeBot, apesentado na figura 1, é uma plataforma experimental, com três rodas suecas, separadas a 120, acionadas por motores de corrente Maxxon A-max 22, os quais permitem a movimentaçào em qualquer direção num plano horizontal sem necessidade de reorientação da postura. Os robôs móveis e os agentes autônomos(maes, 1994) apresentam grandes similaridade em suas respectivas definições. Fato que deve ser observado como elemento motivador para a utilização de Agentes Autônomos para ca- Figura 1: O robô móvel AxeBot e a roda omnidirecional utilizada pacitar robôs moveis de plena autonomia decisória para realização autônoma de tarefas, em ambiente pouco estrututurados, compostos de obstáculos fixos e obstáculos moveis como são caracterizados os ambientes dinâmicos. Nesse sentido o Agente Autônomo Concorrente (da Costa and Bittencourt, 1999) (Bittencourt and da Costa, 2001), foi escolhido para capacitar o robô móvel omni direcional AxeBot para realização autônoma de tarefas. A arquitetura do Agente Autônomo Concor- ISSN: Vol. X 635

2 rente, baseada no modelo genérico para agentes cognitivos, proposto em (Bittencourt, 1997) (ver figura 2), foi proposta inicialmente para o UFSC- Team (da Costa and Bittencourt, 1998), e passou a ser utilizada pelo MecaTeam apartir de Desde então o MecaTeam vem obtendo resultados significativos em suas participações em RoboCup Latin America e RoboCup Brasil: segundo lugar na RoboCup Latin America 2005, segundo lugar na RoboCup Brasil 2006, terceiro lugar na RoboCup Latin America 2008 e segundo lugar na RoboCup Latin America Modelo genérico para agentes cogni- Figura 2: tivos. Adicionalmente a arquitetura do Agente Autônomo Concorrente utilizada pelo MecaTeam na categoria de simulação 2D, (da Costa and Bittencourt, 2006), permite que seja utilizado também em sistemas robóticos, modificando-se apenas a camada reativa. Alguns experimentos foram realizados, no Laboratório de Robótica da Universidade Federal da Bahia, onde a camada reativa do Agente Autônomo Concorrente, foi substituida por uma outra camada reativa, a qual encapsula um sistema de controle para rastreamento de trajetória para o robô móvel omni direcional AxeBot. Nesses experimentos, o nivel reativo do agente, assume a resposabilidade de rastrear as trajetórias geradas no nivel instintivo do agente, e enviadas para o nivel reativo. Tais resultados permitem extender a abordagem utilizada para outros sistemas multi-robôs a exemplo do MecaTeam-F180 baseado no robô móvel omnidirecional AxeBot e no MecaTeam Humanoide, baseado no robô humanóide Robonova 1, ambos em desenvolvimento. O Agente Autônomo Concorrente capacita ainda os robôs, interagir com os demais robôs utilizando os protolocos para interação de agentes, Conhecimento Social Dinâmico (da Costa and Bittencourt, 2000), (da Costa and Bittencourt, 2002), Contract Net Protocol (Smith, 1980) ou Coalisão Baseada em Dependência (Ito and Sichman, 2000). No caso do MecaTeam (Pinelli and da Costa, 2010) (Orivaldo Santana and da Costa, 2008) é utilizada Conhecimento Social Dinâmico, permitindo assim a formação do sistema multiagente para realização de tarefas o qual assume o controle do sistema multi-robô. O agente Agente Autônomo Concorrente, bem como os protocolos para cooperação de agentes cognitivos Conhecimento Social Dinâmico, foram integrados no MecaTeam Framework (Orivaldo Santana and da Costa, 2008). 2 Agente Autônomo Concorrente Em sua primeira participação na categoria de robôs simulados da RoboCup 98, o UFSC-Team apresentou uma abordagem concorrente para uma arquitetura de agente cognitivo (da Costa and Bittencourt, 1998). A idéia principal dessa primeira arquitetura era implementar percepção, ação, comunicação, cooperação, planejamento e tomada de decisão, utilizando a programação concorrente. Essa primeira implementação concorrente, apresentava o processo decisório do agente centralizado, isso acarretou em alguns problemas de sincronização entre o agente e o ambiente, degradando a resposta do agente as restrições temporais do ambiente. Visando solucionar os problemas apresentados pelo UFSC-Team 98 na RoboCup 98, migrouse de uma arquitetura concorrente, com tomada de decisão centralizada, para uma arquitetura de agentes autônomos inspirada no modelo genérico para agentes cognitivos. Esse modelo baseia-se na hipótese que as atividades cognitivas possuem três características principais: auto-organização, natureza evolutiva e dependência histórica. Segundo este modelo, um agente cognitivo apresenta três níveis decisórios: reativo, instintivo e cognitivo. Cada um dos níveis decisórios, juntamente com os níveis inferiores, pretende modelar um agente completo e cada novo nível decisório incrementa a complexidade do comportamento do agente (ver figura 3). Figura 3: Fluxo de Informação no Agente Autônomo Concorrente. O modelo genérico para agentes cognitivos permitiu uma descentralização do processo decisório do agente utilizado pelo UFSC-Team, dando origem ao Agente Autônomo Concorrente, onde os três níveis decisórios foram implementados segundo uma abordagem concorrente. O modelo de concorrência apresentado pelo UFSC- Team 98 na RoboCup 98 (da Costa and Bittencourt, 1998) foi mantido com os mesmos três processos: Interface, Coordinator e Expert, mas atu- ISSN: Vol. X 636

3 almente cada um desses três processos é responsável por um dos três níveis decisórios: reativo, instintivo e cognitivo. O nível reativo é responsável pela resposta em tempo real do agente. Ele recebe a percepção do ambiente e determina as ações que serão tomadas sobre este ambiente. No presente trabalho é encapsulado um sistema de controle para rastreamento de trajetória que receberá do nivel instintivo a referência de trajetória a ser rastreada, e o tempo de rastreamento desejado, os quais determinarão as ações de controle que serão aplicadas nos motores de corrente contínua responsáveis pela locomoção do robô móvel omnidirecional AxeBot. A execução da trajetória a ser rastradas será chamada de comportamento. Assim o nivel reativo será responsável por implementar um conjunto de 5 (cinco) comportamentos básicos: 4 (quatro) segmentos de elipse com os parâtros a i, b i, t i, (flexa maior, flexa menor, tempo para rastramento); e um segmento retilineo com dois parâmentros αet i, direção e tempo de rastreamento. A combinação desses 5 (cinco) comportamentos permitirá locover o robô móvel AxeBot para posição e orientação desejada (ver figura 4). no nível instintivo, de um único ciclo, utiliza o conhecimento armazenado em B i, para escolher o comportamento a ser executado no nível reativo e as informções simbólicas que serão enviadas para o nivel cognitivo. Nesse trabalho o conteúdo de B i identifica o estado corrente E(k) e determina a referência de trajetória a ser rastreada pelo controlador encapsulado no nível reativo. O nível Cognitivo possi um modelo simbólico do ambiente, um conjunto de planos P j, uma base de conhecimento codificado em regras de produção com a qual é possivel estabelecer metas, escolher o plano mais adequado para alcançar a meta. O plano escolhido será executado pelo nível instintivo. A base de conhecimento possui ainda as habilidades necessárias para interagir com outros robôs utilizado utilizando os protolocos para interação de agentes, Conhecimento Social Dinâmico (da Costa and Bittencourt, 2000), (da Costa and Bittencourt, 2002), Contract Net Protocol (Smith, 1980) ou Coalisão Baseada em Dependência (Ito and Sichman, 2000). 3 Sistema Microprocessado Embarcado Figura 5: O Sistema micropocessado embardo para o Agente Autônomo Concorrente. Figura 4: Combinação de comportamentos básicos para compor uma trajetória a ser rastreada. O nível instintivo possui uma representação do estado corrente do ambiente E(k), um plano ativo p i, recebido do nível cognitivo, uma base de regras de produção B i, a qual contém o conhecimento necessário para associar ao estado corrente do ambiente E(k), o comportamento mais adequado, a ser executado pelo nível reativo para a execução de p i. Responsabiliza-se ainda, pela geração do conhecimento simbólico a ser enviado ao nível cognitivo. Um motor de inferência, presente O sistema microprocessado concebido para embarcar o Agente Autônomo Concorrente no robô móvel AxeBot é composto por uma rede de microcontroladores com três nós de processamento. Cada um dos nós de processamento encapsula um nível decisório do Agente Autônomo Concorrente. Os três nós de processamente se comunicam através de uma rede Ethernet em uma congifuração estrela. Figura 6: O hardware para o nível cognitivo. O nível cognitivo é embarcado em um sistema ISSN: Vol. X 637

4 computacional baseado no microcontrolador Vortex86, chamado DIL/NetPC O DIL/NetPC DNP/2486 é um sistema embarcado copmpacto de baixo consumo, de 32-bits baseado na família x86, com 1 GByte de Memória NAND Flash, relógio de tempo real em hardware, wacth dog time, TCP/IP stack, web server, Telnet server, TFTP client and FTP server para rede embarcada e sistema operacional RT-Linux. Figura 8: Sistema Microprocessado Reativo embaracado no robô móvel AxeBot. Figura 7: O hardware para o nível instintivo. O nível instintivo é embarcado por sua vez em um sistema computacional baseado no microcontrolador ARM7, chamado Stargate Kit. O Stargate Kit é baseado no micro controlador ARM7 400MHz de baixo consumo, com 64 MBytes de memória RAM, 32 MBytes de memmória FLASH, comunicação Ethernet, Serial e USB, relógio de tempo real em hardware, wacth dog time e sistema operacional RT-Linux. 3.1 Sistema Microprocessado Reativo O nivel reativo, Figura 9 é composto por um módulo responsável pela implementação da instrumentação do sistema além da geração da base de tempo utilizando um do relógio de tempo real de hardware para a implementação dos sistemas de controle que implementam os comportamentos. O sistema embarcado no robô móvel é composto por diversos circuitos condicionadores de sinais e uma unidade central de processamento implementada através de um PIC32MX420F512. Os sensores embarcados são responsáveis pela medição de corrente e velocidade dos motores. Implementa-se a medição de velocidade através de encoders acoplados aos eixos dos motores e posterior envio de pulsos para o PIC32 sendo este o elemento responsável pela contagem dos pulsos e cálculo das velocidades, já a medição das correntes são feitas através do cálculo das quedas de tensão em resistores de baixo valor em série com as pontes H que acionam os motores CC sendo posteriormente tais níveis de queda adquiridos em conversores AD implementados no mesmo PIC32. Figura 9: Diagrama do nível reativo 3.2 Sistema de Controle de Posição A atuação nos motores é feita através de sinais PWM que são enviados às pontes H, sendo o Duty cicle destes sinais variados através do firmware embarcado no robô. Neste firmware, tem-se a implementação dos controladores de baixo nível para as velocidades do centro de massa do robô e os controladores PID discretos para cada motor. O controlador da posição do centro de massa do robô é concebido através da utilização dos modelos cinemáticos, direto e inverso. Dada uma postura de referência x r, y r e ω r calcula-se a cada instante de amostragem k um sinal de erro utilizando-se as informações obtidas através do sistema odométrico do robô ou sensores de posição global. Um sinal de erro define um angulo Φ, dado por: Φ = atan2(y ref (k +1) y r (k), x ref (k +1) x r (k)) (1) O objetivo é a partir do erro de posição do robô, calcular os erros de velocidade, dada uma velocidade de navegação do centro de massa v nav. Tais valores de erros são calculados da seguinte forma: ISSN: Vol. X 638

5 e vx e vy = v navcos(φ) v nav sen(φ) (2) e ω θ ref (k) θ(k) Estes erros de velocidade são utilizados como referências para as malhas de controle internas com o objetivo de locomover o robô de uma posição objetivo para outro posição objetivo. Como as posturas requeridas são relativas ao sistema de coordenadas do mundo, deve-se utilizar a matriz de rotação em torno do eixo z para que se obtenha as velocidades de referência neste sistema de coordenadas. A figura 11 ilustra os resultados obtidos com v nav de 0, 3m/s quando definida uma trajetória em quadrado com 1m de lado. 4 Resultados Experimentais Figura 10: Inteface gráfica do software de interação com o robô móvel AxeBot Decision O sistema supervisório desenvolvido é responsável pela definição modos operacionais, implementação do mapa de decisão, aquisição de dados, apresentação de um relógio de tempo real e do esforço computacional além de ilustrar os movimentos do robô em um campo de futebol, sendo desta forma representado de maneira fiel o ambiente para navegação existente no Laboratório de Robótica do DEE/UFBA. Para o experimento realizado, o nível instintivo foi implementado em um computador pessoal do tipo PC utilizando o sistema supervisório. O nível reativo foi embarcdo no robô móvel AxeBot. Para a comunicação entre os dois níveis decisórios foi utilizado um umbilical. Foram escolhidas 4 (quatro) trajetórias retilineas, cujos parâmentros α i e t i, correspondem direção e tempo de rastreamento respectivamente. O rastreamento das 4 (quatro) trajetórias de referência, devidamente encadeandas fará o robô móvel descrever um quadrado. O encadeamento das trajetórias ficou a cargo do nivel instintivo executado pelo sistema supervisorio e o rastreamento das trajetórias ficou a cargo do nível reativo embarcado no robô móvel AxeBot. O sistema supervisório supervisório permite acompanhar através da interface gráfica, ver figura 10, a evolução das postura do robô móvel durante a execução do experimento e gerar um arquivo de log das posturas no tempo, o qual pode ser manipulado pela ferramenta Matlab a exemplo da figura 11 que apresenta a evolução temporal das posturas geradas a partir do arquivo de log. No presente experimento o robô móvel Axebot, rastreou as 4 referências de trajetória que lhe foram enviada segundo o encademanto determinado pelo nível instintivo executado no experimento pelo sistema supervisório. Este resultado ilustra o funcionamento de dois dos três niveis decisórios do Agente Autônomo Concorrente, onde o nível decisório reativo foi embarcado no robô móvel AxeBot. Outro trabahlhos encontram-se em andamento visando embarcar os niveis instintivo e cognitivo no robô móvel AxeBot. 5 Conclusões O presente artigo mostrou os resultados experimentais de um projeto de pesquisa que tem por objetivo a utilização do Agente Autônomo Concorrente como modelo de cognição para capacitar de plena autônomia decisória o robô móvel omnidirecional AxeBot. No presente experimento o nivel decisório reativo foi embarcado com sucesso no robô móvel omnidirecional AxeBot, encapsulando nesse nivel decisório um sistema de controle em cascata para controle da posição do centro de massa do robô. Permitiu ainda encasular as trajetórias rastreadas pelo sistema de controle do robô móvel, no formato de comportamentos, aproximando assim os robôs moveis reais dos Agentes Autônomos. Esse resultados são promissores dando sustentação ao projeto que tem por objetivo embarcar o Agente Autônomo Concorrente no robô móvel AxeBot, o capacitando de plena autonomia decisória para realização de tarefas em ambientes dinâmicos. Em um segundo momento, o Agente Autônomo Concorrente será embarcado no robô humanoide Robonova-1, visando sua generalização como modelo de cognição para capacitação de robôs móveis. Adicinalmente o hardware consebido para implementação do nivel reativo, dispõe de uma boa quantidade de memória e poder de procesamento sob restrições de tempo real, os a quais permitem embarcar sistemas de controles sofisticados como multivariável, preditivo, adaptativo, ou ainda abordagens não lienares de sistemas de controle. Possibilita ainda a utilização de um kernel RT-linux, o qual assume o gerenciamento dos recurso de hardware sob restrições de tempo real, permitindo que o sistema de controle seja desenvolvido em nivel de aplicação. Agradecimentos Agradecimentos as agência de fomento FAPEB, Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado da Bahia e ao CNPq Conselho Nacional de Pesquisa, pelos aportes de fomento. ISSN: Vol. X 639

6 (a) Evolução das posturas do robô no plano xy (b) Evolução temporal da postura Figura 11: Trajetória em quadrado, v nav = 0, 3m/s. Referências Bittencourt, G. (1997). In the quest of the missing link, IJCAI 15 International Join Conference on Artificial Inteligence, Nagoya, Japan, pp Bittencourt, G. and da Costa, A. L. (2001). Hybrid cognitive model, The Third International Conference on Cognitive Science ICCS 2001: Workshop on Cognitive Angents and Agent Interaction, Pequim, China. da Costa, A. L. and Bittencourt, G. (1998). Ufscteam: A cognitive multi-agent approach to the robocup 98 simulator league., in Asada and Kitano (eds), RoboCup98 Workshop, number 1694 in Lecture Notes in Artificial Inteligence LNAI, France, Paris, Springer, pp da Costa, A. L. and Bittencourt, G. (1999). From a concurrent architecture to a concurrent autonomous agents architecture, in P. Veloso and Kitano (eds), IJCAI 99, Third International Workshop in RoboCup, number 1856 in Lecture Notes in Artificial Inteligence LNAI, Sweden, Stockholm, Springer, pp da Costa, A. L. and Bittencourt, G. (2000). Dynamic social knowledge: A comparative evaluation, Intenational Join Conference IBREAMIA 2000 / SBIA 2000, number 1952 in Lecture Notes in Artificial Inteligence LNAI, Atibaia, São Paulo, Brazil, Springer, pp Best Paper Track Award. da Costa, A. L. and Bittencourt, G. (2002). Dynamic social knowledge: The timming evaluation, XVI Brazilian Symposium on Artificial Intelligence - SBIA 02, number 2507 in Lecture Notes in Artificial Inteligence LNAI, Porto de Galinhas/Recife - Brazil, Springer, pp da Costa, A. L. and Bittencourt, G. (2006). Cooperative mobile robots: A cognitive multiagent approach, First IFAC Workshop on Multivehicle Systems MVS 2006, Salvador, Bahia, Brasil, pp Ito, M. and Sichman, J. (2000). Dependence based coalition and contract net: A comparative analysis, Intenational Join Conference IBREAMIA 2000 / SBIA 2000, number 1952 in Lecture Notes in Artificial Inteligence LNAI, Atibaia, São Paulo, Brazil, Springer, pp Maes, P. (1994). Designing Autonomous Agents: Theory and Practice from Biology to Engineering and Back, MIT Elsevier. Orivaldo Santana, C. P. and da Costa, A. L. (2008). Mecateam framework: An infrastructure for the development of soccer agents for simulated robots mecateam 2006, IEEE Latin American Robotic Symposium 2008, III JRI, Salvador, Bahia, Brasil, pp Pinelli, C. and da Costa, A. L. (2010). Tdp mecateam 2010, RoboCup Latin American 2010, Latin American Robot Competition 2010, São Bernardo do Campo, Brazil. Smith, R. G. (1980). The contract net protocol:high-level communication and control in a distributed problem solving, IEEE Transactions on Computers 29(12): ISSN: Vol. X 640

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PIBIC ou PIBITI

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PIBIC ou PIBITI Universidade Federal da Bahia Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica P IBIC UFBA RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PIBIC ou PIBITI Nome do Bolsista

Leia mais

Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo

Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo Uma Arquitetura Distribuída de Hardware e Software para Controle de um Robô Móvel Autônomo rbritto@dca.ufrn.br Orientador: Adelardo A. D. Medeiros adelardo@dca.ufrn.br - Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

MecaTeam 2006: Um Sistema Multiagente Reativo para o futebol de robôs simulado

MecaTeam 2006: Um Sistema Multiagente Reativo para o futebol de robôs simulado MecaTeam 2006: Um Sistema Multiagente Reativo para o futebol de robôs simulado Orivaldo Vieira Santana Júnior e Augusto Loureiro da Costa 1 Universidade Federal da Bahia (UFBA) Departamento de Ciência

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA.

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. André Gustavo S. Conceição 1, Luciano F. Chaves 2, Luís Fernando A. Pereira 3 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Frederico Miguel Santos

Frederico Miguel Santos Frederico Miguel Santos DEE ISEC DETI/IEETA - UA Sumário 1. RoboCup 1. descrição / objectivos 2. MSL - futebol,,porquê? 2. CAMBADA 1. descrição / objectivos 2. evolução 3. hardware 4. software: coordenação

Leia mais

SISTEMA MICROPROCESSADO PARA CONTROLE EM TEMPO REAL DE ROBÔS MÓVEIS OMINIDRECIONAIS

SISTEMA MICROPROCESSADO PARA CONTROLE EM TEMPO REAL DE ROBÔS MÓVEIS OMINIDRECIONAIS SISTEMA MICROPROCESSADO PARA CONTROLE EM TEMPO REAL DE ROBÔS MÓVEIS OMINIDRECIONAIS Tiago T. Ribeiro, Jovelino T. dos Santos, André G. S. Conceição, Augusto L. da Costa Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI.

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. Resumo João Paulo Fernandes da Silva¹, Willame Balbino Bonfim 1. joaopauloibge@hotmail.com

Leia mais

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Autor: Daniel Vieira de Souza 1, Orientador: Luís Fernando Faina 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual.

Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual. Controle e monitoramento da fonte de alta-tensão: proposta, desenvolvimento e estágio atual. Paulo Farias 1,2, Victor Ferraz 2, Breno Ramos 2, Linton Esteves 2, Germano Guedes 1 1 Laboratório de Energia

Leia mais

UM PROTOCOLO CONFIÁVEL E FLEXÍVEL DE COMUNICAÇÃO PARA FUTEBOL DE ROBÔS

UM PROTOCOLO CONFIÁVEL E FLEXÍVEL DE COMUNICAÇÃO PARA FUTEBOL DE ROBÔS UM PROTOCOLO CONFIÁVEL E FLEXÍVEL DE COMUNICAÇÃO PARA FUTEBOL DE ROBÔS Murilo Fernandes Martins murilo_fm@yahoo.com.br Reinaldo A. C. Bianchi rbianchi@fei.edu.br Flavio Tonidandel flaviot@fei.edu.br Centro

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Paula Rayane Mota Costa Pereira*, Josemar Rodrigues de Souza**, Resumo * Bolsista de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC,

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

FURGBOL-SIM 2D: ARQUITETURA DE AGENTE AUTÔNOMO CONCORRENTE SOB UM MODELO DE ORGANIZAÇÃO MULTIAGENTE MOISE +

FURGBOL-SIM 2D: ARQUITETURA DE AGENTE AUTÔNOMO CONCORRENTE SOB UM MODELO DE ORGANIZAÇÃO MULTIAGENTE MOISE + FURGBOL-SIM 2D: ARQUITETURA DE AGENTE AUTÔNOMO CONCORRENTE SOB UM MODELO DE ORGANIZAÇÃO MULTIAGENTE MOISE + Eder Mateus Nunes Gonçalves, Silvia Silva da Costa Botelho Departamento de Física/Eletro-Eletrônica

Leia mais

Uso do ambiente SIMULA para Simulação do Domínio de Resgate RoboCup

Uso do ambiente SIMULA para Simulação do Domínio de Resgate RoboCup Uso do ambiente SIMULA para Simulação do Domínio de Resgate RoboCup Reinaldo Bianchi e Anna Helena Reali-Costa Laboratório de Técnicas Inteligentes Departamento de Engenharia da Computação Universidade

Leia mais

UM SISTEMA DE NAVEGAÇÃO PARA O ROBÔ MÓVEL X80

UM SISTEMA DE NAVEGAÇÃO PARA O ROBÔ MÓVEL X80 UM SISTEMA DE NAVEGAÇÃO PARA O ROBÔ MÓVEL X80 JOSÉ RENATO A. SOUTO, ROSIERY MAIA, ANDERSON A. SOUZA, BRUNO SANTANA Departamento de Computação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Natal,

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA FUZZY PARA POSICIONAMENTO DOS JOGADORES APLICADO AO FUTEBOL DE ROBÔS

SISTEMA ESPECIALISTA FUZZY PARA POSICIONAMENTO DOS JOGADORES APLICADO AO FUTEBOL DE ROBÔS SISTEMA ESPECIALISTA FUZZY PARA POSICIONAMENTO DOS JOGADORES APLICADO AO FUTEBOL DE ROBÔS JOSÉ R. F. NERI, CARLOS H. F. SANTOS Grupo de Pesquisas em Robótica(GPR), Centro de Engenharias e Ciências Exatas(CECE),

Leia mais

ROBÔS MÓVEIS AUTÔNOMOS SOROCABA-BULLS NA TAREFA DO TRANSPORTE ROBÓTICO DE PROVISÕES

ROBÔS MÓVEIS AUTÔNOMOS SOROCABA-BULLS NA TAREFA DO TRANSPORTE ROBÓTICO DE PROVISÕES ROBÔS MÓVEIS AUTÔNOMOS SOROCABA-BULLS NA TAREFA DO TRANSPORTE ROBÓTICO DE PROVISÕES ALEXANDRE S. SIMÕES, BRUNO C.PILON, DANILO H. ESTEVES, JOSÉ V. F. JÚNIOR, RONALDO CARRION, ANTÔNIO C. G. MARTINS Grupo

Leia mais

Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino

Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino Com Alex Aquino III Workshop de Sistemas Embarcados do Semiárido do Nordeste & 3 Workshop Técnico Científico de Computação De 12 a 15 de Março de 2013 em Mossoró/RN

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento de Objetos aplicado ao Futebol de Robôs Eduardo W. Basso 1, Diego M. Pereira 2, Paulo Schreiner 2 1 Laboratório de Robótica Inteligente Instituto

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas

Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas Aplicações embarcadas, ou sistemas embarcados, executam em processadores instalados (embarcados) em dispositivos cuja função precípua não é o processamento da informação.

Leia mais

SUMÁRIO. Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento. Aplicação Discussão Conclusão Perguntas. Hardware Software

SUMÁRIO. Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento. Aplicação Discussão Conclusão Perguntas. Hardware Software SUMÁRIO Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento Etapas de preparação Hardware Software Aplicação Discussão Conclusão Perguntas MOTIVAÇÃO Interesse em novas tecnologias Interesse no desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos

Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos Roberto Kenji Hiramatsu Sistema de Visão Computacional sobre Processadores com Arquitetura Multi Núcleos Tese apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título de Doutor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada.

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Reinaldo A. C. Bianchi 1 Anna H. R. C. Rillo 2 1 Divisão de Automação e Inteligência Artificial - Laboratório

Leia mais

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Introdução Trabalhos Relacionados Abordagem Proposta Considerações Finais Conclusão Trabalhos Futuros 2 Agentes

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES

SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES José Alberto Naves Cocota Júnior cocota@em.ufop.br Ludmila Paola Pereira Iwasaki ludmilavpl@hotmail.com Pedro Henrique Lopes Faria lopesfaria@hotmail.com

Leia mais

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Marcelo Costa Engenheiro de Vendas Telles Soares Engenheiro de Campo Agenda Benefícios da integração Tipos de integração e exemplos MOVIMENTO VISÃO

Leia mais

SISTEMAS EMBARCADOS. Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa

SISTEMAS EMBARCADOS. Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa SISTEMAS EMBARCADOS Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa ÍNDICE História O que são Sistemas Embarcados? Exemplos e Aplicações Arquitetura Conceitual Implementação de Projetos Futuro dos Sistemas Embarcados

Leia mais

CONTROLE NEURO-ADAPTATIVO DE TRAJETÓRIA DE ROBÔS MÓVEIS OTACÍLIO DA M. ALMEIDA

CONTROLE NEURO-ADAPTATIVO DE TRAJETÓRIA DE ROBÔS MÓVEIS OTACÍLIO DA M. ALMEIDA CONTROLE NEURO-ADAPTATIVO DE TRAJETÓRIA DE ROBÔS MÓVEIS OTACÍLIO DA M. ALMEIDA Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará Av. Mister Hull S/N Campus do Pici Fortaleza-Ceará E-mail:

Leia mais

3.1. Título: Módulo Gerador de Planos de Rotas para um Sistema de Navegação Autônoma Baseado na Arquitetura AuRA

3.1. Título: Módulo Gerador de Planos de Rotas para um Sistema de Navegação Autônoma Baseado na Arquitetura AuRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ Curso de Bacharelado em Ciência da Computação UNIOESTE - Campus de Cascavel MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

RESUMO DO MINICURSO. Introdução ao Desenvolvimento de Software Embarcado para Sistemas Robóticos Usando Arduino

RESUMO DO MINICURSO. Introdução ao Desenvolvimento de Software Embarcado para Sistemas Robóticos Usando Arduino RESUMO DO MINICURSO Introdução ao Desenvolvimento de Software Embarcado para Sistemas Robóticos Usando Arduino Pedro S. do Nascimento Neto, Diego P. Rocha, Ranulfo P. Bezerra Neto André M. Sanatna 1. Microcontroladores

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA MAPEAMENTO REMOTO DE RADIAÇÃO

RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA MAPEAMENTO REMOTO DE RADIAÇÃO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 RESULTADOS PRELIMINARES NO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Campo Grande - MS. Endereço: Sala C110 Bloco C - UCDB Fone: 0xx67 312-3502 Web Sit e: www.gp ec.ucdb.b r

Campo Grande - MS. Endereço: Sala C110 Bloco C - UCDB Fone: 0xx67 312-3502 Web Sit e: www.gp ec.ucdb.b r GPEC - Grupo de Pesquisa em Engenharia e Computação Prof. Dr. Hemerson Pistori Junho/2004 Campo Grande - MS SUMÁRIO Introdução Equipe Linhas de Pesquisa Projetos Parcerias Estrutura Publicações Conclusões

Leia mais

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba

Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Controle de Múltiplos Pivôs Centrais com um único Conjunto Motor-Bomba Thiago de Lima MUNIZ, Bernardo Pinheiro de ALVARENGA, José Wilson de Lima NERYS, Antônio Marcos de Melo MEDEIROS Escola de Engenharia

Leia mais

A Mecatrônica com Arduino como ferramenta para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem

A Mecatrônica com Arduino como ferramenta para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem A Mecatrônica com Arduino como ferramenta para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem Anderson Rodrigo Cassiano dos Santos, Antonio Carlos Falcão Petri, Domingos de Carvalho Villela Júnior, Leonardo

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide - SEPesq UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide 1. Introdução Diego Augusto de Jesus Pacheco Giovani Geremia Segundo Vargas (2012) é perceptível que uma

Leia mais

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com

Co-simulação gráfica. André Pereira Gerente de Marketing Técnico. ni.com Co-simulação gráfica André Pereira Gerente de Marketing Técnico A revolução da energia digital Meça(Entenda o problema) Adquira Analise Apresente Implemente Prototipe Melhore(Crie soluções) Projete 2 NI

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

TÍTULO: FUTEBOL DE ROBÔS INTELIGENTES: ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO PARA O TORNEIO DA ROBOCUP.

TÍTULO: FUTEBOL DE ROBÔS INTELIGENTES: ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO PARA O TORNEIO DA ROBOCUP. TÍTULO: FUTEBOL DE ROBÔS INTELIGENTES: ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UMA SIMULAÇÃO PARA O TORNEIO DA ROBOCUP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

UNIOESTE. 32 cursos de graduação Cascavel Foz do Iguaçu Toledo Marechal Cândido Rondon Francisco Beltrão

UNIOESTE. 32 cursos de graduação Cascavel Foz do Iguaçu Toledo Marechal Cândido Rondon Francisco Beltrão I Roadshow Londrina 12/09/2014 UNIOESTE 32 cursos de graduação Cascavel Foz do Iguaçu Toledo Marechal Cândido Rondon Francisco Beltrão 30 cursos de pós-graduação (mestrado e doutorado) Mais 600 doutores

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas

Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas 1 Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas Anita Maria da R. Fernandes Daniel de Oliveira Helton Machado Kraus Universidade do Vale do Itajaí Universidade do Vale do Itajaí Universidade

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

A experiência do TECPAR

A experiência do TECPAR Inteligência Artificial em aplicações industriais A experiência do TECPAR Dr. Eng. Milton Pires Ramos Centro de Engenharia de Sistemas Inteligentes Empresa pública vinculada à Secretaria de Estado da Ciência,

Leia mais

Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução. Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados: Visão Geral

Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução. Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados: Visão Geral Sistemas Embarcados: Uma Breve Introdução Tópico: Agenda 1 Motivação Introdução aos Sistemas Embarcados (SEs) Conceito: Sistemas Embarcados Características dos SEs Exemplos Projeto de Sistemas Embarcados:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processo de Software Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Revisando Engenharia de Software Engenharia de Sistemas Processo de software Fases Genéricas de Modelos de

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

MecaTeam: Um sistema Multiagente para o futebol de robôs simulado baseado no Agente Autônomo Concorrente

MecaTeam: Um sistema Multiagente para o futebol de robôs simulado baseado no Agente Autônomo Concorrente MecaTeam: Um sistema Multiagente para o futebol de robôs simulado baseado no Agente Autônomo Concorrente Orivaldo Vieira Santana Júnior, João Paulo Rocha Portela de Souza, Marcelo Santos Linder e Augusto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ROBÔ HUMANÓIDE AUTÔNOMO DE BAIXO CUSTO JACKSON P. MATSUURA, ESTHER L. COLOMBINE, ALEXANDRE DA S. SIMÕES

DESENVOLVIMENTO DE ROBÔ HUMANÓIDE AUTÔNOMO DE BAIXO CUSTO JACKSON P. MATSUURA, ESTHER L. COLOMBINE, ALEXANDRE DA S. SIMÕES DESENVOLVIMENTO DE ROBÔ HUMANÓIDE AUTÔNOMO DE BAIXO CUSTO JACKSON P. MATSUURA, ESTHER L. COLOMBINE, ALEXANDRE DA S. SIMÕES Programa de Pós Graduação em Engenharia Eletrônica e Computação Instituto Tecnológico

Leia mais

EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem

EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem EduBOT: Protótipo de uma plataforma robótica para educação através da Metareciclagem Carlos S. S. Guimarães, Henrique P. Maurer Departamento das Engenharias e Ciência da Computação Universidade Regional

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Pato Branco PLANO DE ENSINO CURSO 202 - Engenharia Elétrica MATRIZ 510 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução do COEPP nº 155/09 de 10/12/2009

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

TG-01-2012-EL. e-mail 1 : diego190103@gmail.com; e-mail 2 : ffpuccia@uol.com.br; e-mail 3 : peleggi@ig.com.br;

TG-01-2012-EL. e-mail 1 : diego190103@gmail.com; e-mail 2 : ffpuccia@uol.com.br; e-mail 3 : peleggi@ig.com.br; Controle de ângulos de azimute e de elevação num sistema Aeroestabilizador Diego Amorim 1 ; Filipe Puccia 2 & Regis Peleggi 3. Orientador: Alexandre Brincalepe Campo. TG-01-2012-EL 1, 2,3 Graduandos do

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO

IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO IDENTIFICAÇÃO POR ESPAÇOS DE ESTADOS DE UM MÓDULO SERVO-MECANISMO DIDÁTICO Vlademir Aparecido Freire Junior vlad_freire@hotmail.com Alessandro do Nascimento Vargas avargas@utfpr.edu.br Cristiano Marcos

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Controle Inteligente de Robos Móveis: Aplicações da Inteligência Artificial nas Pesquisas em Robótica

Controle Inteligente de Robos Móveis: Aplicações da Inteligência Artificial nas Pesquisas em Robótica ! #" $ %'&(#(& Controle Inteligente de Robos Móveis: Aplicações da Inteligência Artificial nas Pesquisas em Robótica ) * +, -,. /01 2 + 3 /4 5 6 5 7 8 5 9: ; < = < 6 >? @ 8 6 8 @ 5 6 > A 7 ) - + B * 3

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL COMANDO AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELETRÓNICA AUTOMAÇÃO E Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424

Leia mais

Inclinometro e Bússola...

Inclinometro e Bússola... Inclinometro e Bússola... Módulo MS1109 Inclinometro MEMs e Bússola Magnética 3D... Utilizando um Acelerômetro Tri-Axial (X,Y,Z) este módulo tem diversas aplicações de posicionamento, inclinação (Pitch

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1 Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Conteúdo Programático Capítulo 1: Introdução aos Sistemas de Tempo Real Definição, caracterização e classificação

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE SEGURANÇA RESIDENCIAL COM LINUX EMBARCADO. Acadêmico: Daniel Baumann Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE SEGURANÇA RESIDENCIAL COM LINUX EMBARCADO. Acadêmico: Daniel Baumann Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE SEGURANÇA RESIDENCIAL COM LINUX EMBARCADO Acadêmico: Daniel Baumann Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer Roteiro Introdução. Objetivos do trabalho. Fundamentação teórica.

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Microcontroladores - Hardware Microcontroladores - Software Visão Geral de um Robô Manipulador Constituição Básica de um Robô Industrial

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES Bárbara Dias Pereira Prof. Miguel Alexandre Wisintainer, Orientador ROTEIRO DA

Leia mais

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR CONTROLE DE UM SERVO MOTOR Versão 2014 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização e o projeto de um circuito de controle simples de um servo motor. A parte experimental inclui atividades

Leia mais