EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO BÁSICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO BÁSICA."

Transcrição

1 EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO BÁSICA. Deranor Gomes de Oliveira. Colegiado de Administração Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF UNIVASF - BRAZIL 1

2 OBJETIVO: Descrever o projeto de extensão universitária com foco na educação para o empreendedorismo desenvolvido no Brasil por uma equipa de docentes e alunos da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF O projeto foi desenvolvido na rede pública de educação básica de um município brasileiro. O objetivo do projeto era desenvolver o protagonismo infanto-juvenil por meio da educação empreendedora. A metodologia contempla quatro abordagens, uma para cada série do ensino fundamental. 6º ano: projeto de vida individual; 7º ano: empreendedorismo social; 8º ano: economia pessoal; 9º ano: noções do empreendedorismo de negócio 2

3 O que você vai ser quando crescer? Salsicha! Esta era a resposta alegre de um porquinho muito engraçado num antigo comercial de televisão quando lhe perguntavam: o que você quer ser quando crescer? Embora não tivesse a noção do sacrifício de vida, mas ele tinha um objetivo em mente. Quando você é apenas um adolescente, a única coisa que você não quer é falar do seu futuro. Existe no ser humano a capacidade natural de sonhar, mas não há um estímulo cultural a isso. E para piorar a situação, ainda temos outros fatores 3

4 UNIVASF- BRASIL A família tem um papel decisivo em qualquer decisão que você possa tomar em relação à carreira e ao futuro. 4

5 E a igreja o que vai dizer? Meu filho reze 10 Ave Maria e 10 Pai Nosso. Você não pode ser um empreendedor, essas pessoas vão inventar coisas novas, vão acumular riquezas, vão contrariar a ordem, blá, blá 5

6 E o que a Escola nos diz a respeito? Estude para ter um bom emprego Para entrar no serviço público Para ter estabilidade financeira Para ser alguém na vida Blá, blá, blá Apesar da produção de milhares de doutores e mestres, eles pouco transformam conhecimento em riqueza. Só o empreendedorismo pode virar esse jogo. No fundo querem nos dizer que devemos aprender a contar dinheiro e não a fazer dinheiro. 6

7 Perguntas como: i) Empreendedorismo pode ser ensinado? ii) Que temas devem ser incluídos? iii) Quais as metodologias adequadas? Compreendemos que faltam fundamentos sólidos para encontrar respostas esclarecedoras e menos ambíguas para estes questionamentos, principalmente, nos aspectos atitudinais. No entanto, podemos fazer a mesma pergunta no sentido contrário. É possível ensinar alguém a ser empregado? Empregáveis, mercadoria para o emprego? 7

8 As linhas orientadoras da educação de vários países apontam para uma escola: Democrática e Participativa; Autónoma e Responsável; Flexível e Comprometida; Atualizada e Inovadora; Humana e Holística. As linhas orientadoras da UNESCO para a Educação do século 21: Aprendendo a conhecer; Aprendendo a fazer; Aprendendo a viver; Aprendendo a ser. Concordam com os princípios orientadores do empreendedorismo. Então, queremos uma escola empreendedora. 8

9 Este raciocínio, apesar de simples, foi praticamente ignorado pelos principais pensadores da pedagogia mundial: Paulo Freire - Pedagogia crítica. A sua tese versava sobre a crença de que o estudante assimilaria o objeto de análise fazendo o próprio caminho, e não seguindo um previamente construído por outrem. Piaget (1980, p. 141) encontramos argumentos favoráveis aos indivíduos inovadores: [ ] a sociedade espera das novas gerações mais do que uma imitação: espera um enriquecimento. 9

10 Metodologia do 6º Ano: Qual o seu sonho? E como realizá-lo? A busca das respostas levará o aluno individualmente a construir um roteiro que denominamos de projeto de vida. Narrativa do sonho Conceito de si Como organizar e usar recursos Rede de relações Estratégias Viabilidade do sonho Ambiente do sonho 10

11 Metodologia do 7º Ano Foco no Empreendedorismo social e na Economia social 2º passo: Validação da Ideia 3º passo: Como fazer 4º passo: parceria 5º passo: Execução 6º passo: Avaliação 7º passo: Recomeçar UNIVASF -BRASIL 11

12 Metodologia do 8º Ano Foco na Economia pessoal Ensinar os alunos a planejarem seus investimentos e a gastarem com sabedoria. Incentivar os jovens a assumirem responsabilidade. UNIVASF -BRASIL 12

13 Metodologia do 8º Ano Foco na Economia pessoal Baralho do Trabalho Orçamento pessoal Gastando com sabedoria UNIVASF -BRASIL 13

14 Metodologia do 9º Ano: Foco no Empreendedorismo de negócios UNIVASF -BRASIL 14

15 Resultados do Projeto Em termos quantitativos: 3ª Conferência Internacional de EDUCAÇÃO FINANCEIRA - Transversalidade e Cidadania Capacitação de mais de 150 professores da rede publica; Adoção da disciplina na matriz curricular; Envolvimento de mais de cinco mil alunos por ano; Criação de uma série de revista em quadrinhos; Realização de três edições da Feira do Jovem Empreendedor Edição de um livro que deverá ser lançado em 2013 pelo Ministério da Educação. mid=1119 Em termos qualitativos: A força com que o projeto foi aceito, levá-nos a acreditar na possibilidade de um método eficaz de educação para o empreendedorismo que mistura cuidadosamente o pensar e o fazer baseando-se num conjunto de considerações que se encontram para além da compreensão, conhecimento e conversação e que requer utilização, aplicação e ação. 15

16 16

17 Obrigado pela atenção (351) (351) Doutorando em Gestão pela Universidade de Évora 17

NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS

NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS Aprovado no CONGRAD: 09.09.08 Vigência: ingressos a partir de 2009/1 Curso com Atividades em: CÓD. 1557 CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA Noite MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 01 I - NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURSO DE PEDAGOGIA - MATUTINO 1º. SEMESTRE 2015

MATRIZ CURRICULAR CURSO DE PEDAGOGIA - MATUTINO 1º. SEMESTRE 2015 MATRIZ CURRICULAR CURSO DE PEDAGOGIA - MATUTINO 1º. SEMESTRE 2015 Matutino 1º ano 1º. semestre (ingresso em fevereiro 2015) Currículo implementado a partir de 2014 Horário/dia da semana e Cuidados na 1ª.

Leia mais

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira A Educação Financeira nas Escolas: O Referencial de Educação Financeira e a formação de docentes 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira Perspetivas e reflexões: por uma cidadania ativa Educação

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL Superintendência de Educação Básica Diretoria de Educação Básica Coordenação de Educação de Jovens Adultos EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL Democratização e efetividade do processo

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação

Programa de Pós-Graduação em Educação 52 URIARTE, Mônica Zewe. 33 Programa de Pós-Graduação em Educação Resumo: Este artigo apresenta informações sobre a experiência da UNIVALI quanto ao ensino de artes no Curso de Pedagogia, preparado para

Leia mais

JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA

JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA JOGO DE DAMAS: UMA POSSIBILIDADE PARA ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Henrique Daniel Froelich rikedaniel@yahoo.com.br Resumo: Para se viver

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Móveis Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Móveis Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional:

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional: PROJETO PEDAGÓGICO 1 Identificação: Curso de Extensão em Navegação Marítima Básica Contextualização da(s) localidade(s) onde ocorrerá o curso: O curso será oferecido no CRPNM ( Centro de Referência em

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURSO DE PEDAGOGIA

MATRIZ CURRICULAR CURSO DE PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR CURSO DE PEDAGOGIA Resolução UNICASTELO GR nº 015/CONSEPE/CONSUN/2013 O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, Presidente do Conselho Universitário CONSUN e Reitor

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE PEDAGOGIA

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE PEDAGOGIA = Carga Horária = Estudos Básicos = Aprofundamento e Diversificação de Estudos 1º 1. Língua Portuguesa Instrumental 80 2. Introdução à Filosofia 40 3. Introdução

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos

Prefeitura Municipal de Santos Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Seção de Suplência/ SESUPLE Parceiros do Saber Projeto de alfabetização de Jovens e Adultos Justificativa

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Síntese do Projeto Pedagógico do curso Objetivos do curso Objetivo Geral O curso em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da ESADE,

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

CRIANDO A NOVA GERAÇÃO DE EMPREENDEDORES BRASILEIROS

CRIANDO A NOVA GERAÇÃO DE EMPREENDEDORES BRASILEIROS CRIANDO A NOVA GERAÇÃO DE EMPREENDEDORES BRASILEIROS ONDE ESTÃO OS FUTUROS EMPREENDEDORES QUE TRANSFORMARÃO O BRASIL? PROVAVELMENTE, NA SALA AO LADO. DOS UNIVERSITÁRIOS PENSAM EM ABRIR UM NOVO NEGÓCIO

Leia mais

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Andréa Pereira de Souza Gestora da Formação Permanente na Secretaria Municipal de Educação do município de Mogi das Cruzes. Cintia

Leia mais

MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA

MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO CEPED CENTRO DE ESTUDOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS- CURSO DE PEDAGOGIA Professora Eliane Maria Freitas Monken (org) Belo Horizonte 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 03 2 OBJETIVOS... 04 2.1 Objetivo

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

OBJETIVO DAS INSCRIÇÕES

OBJETIVO DAS INSCRIÇÕES CONSTRUINDO A NAÇÃO 2016 Os Grêmios na Comunidade A Vez dos Municípios OBJETIVO Com o objetivo de conhecer, reconhecer e difundir as práticas de cidadania desenvolvidas por estudantes das escolas públicas

Leia mais

Educação para o Trânsito - como fonte de esperança e transformação. Laís Silveira Divisão de Educação

Educação para o Trânsito - como fonte de esperança e transformação. Laís Silveira Divisão de Educação Educação para o Trânsito - como fonte de esperança e transformação Laís Silveira Divisão de Educação Educar exige a convicção de que a mudança é possível. Paulo Freire CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO EDUCAÇÃO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS REDES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL: REINVENTANDO O PODER ESCOLAR

QUALIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS REDES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL: REINVENTANDO O PODER ESCOLAR QUALIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS REDES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL: REINVENTANDO O PODER ESCOLAR Área Temática: Educação Lígia Cardoso Carlos¹(Coordenadora)

Leia mais

PROVAS N2-2015.2 CURSO: ADMINISTRAÇÃO 2ª CHAMADA N2 2º PERÍODO

PROVAS N2-2015.2 CURSO: ADMINISTRAÇÃO 2ª CHAMADA N2 2º PERÍODO CURSO: ADMINISTRAÇÃO 2º PERÍODO - Matemática Financeira - Estatística - Teoria Geral da Administração - Metodologia Científica - Fundamentos do Direito e Legislação - Contabilidade - Contabilidade - Fundamentos

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COLETIVO JOVEM DE MEIO AMBIENTE: implantando COM-VIDAS no entorno da em escolas de Educação Infantil Maria Helena Ferreira Pastor Cruz lenafcruz@gmail.com Aline da Silva Ferreira aline.s.ferreira@hotmail.com

Leia mais

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS Alyson Fernandes de Oliveira 1 Hanna Maia Marques de Mello 2 Ana Paula de Almeida Saraiva Magalhães 3 Renata Emiko Basso Hayashi 4 Resumo: Com o elevado

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR MATUTINO 01 Introdução à informática 02 Matemática instrumental 03 Leitura e produção textual I 1 a Introdução ao curso de Pedagogia e à

Leia mais

CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015

CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015 CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015 Escola ou Centro de Formação que demonstre evidências do desenvolvimento de uma cultura empreendedora A.Identificação do estabelecimento de ensino ou

Leia mais

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE TUTORES ENTRE JOVENS PROEMI/PJF

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE TUTORES ENTRE JOVENS PROEMI/PJF EDITAL PARA A SELEÇÃO DE TUTORES ENTRE JOVENS PROEMI/PJF 1. DO EDITAL A Escola de Ensino Médio Barão de Aracati 10ª CREDE, torna pública a seleção de Tutores para atuar na escola, em conformidade com a

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. Viviane Kalil Fadel Plombon * PUCPR Resumo Para que ocorra um trabalho de qualidade em uma

Leia mais

A Responsabilidade Social na Câmara dos Deputados

A Responsabilidade Social na Câmara dos Deputados A Responsabilidade Social na Câmara dos Deputados Responsabilidade Social Iniciativas associadas à promoção: da ética da cidadania da transparência do desenvolvimento sustentável Programas sociais e de

Leia mais

A PEDAGOGIA DE PROJETOS E A ESCOLA PARTICIPATIVA. Maria Helena Berlinck Martins Socióloga Especialista em gestão de projetos

A PEDAGOGIA DE PROJETOS E A ESCOLA PARTICIPATIVA. Maria Helena Berlinck Martins Socióloga Especialista em gestão de projetos A PEDAGOGIA DE PROJETOS E A ESCOLA PARTICIPATIVA Maria Helena Berlinck Martins Socióloga Especialista em gestão de projetos São Paulo, 3 de outubro de 2013 As Cem Linguagens da Criança Loris Malaguzzi

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Turno: MATUTINO/NOTURNO MATUTINO CURRICULO Nº 1 NOTURNO CURRICULO Nº 1 Reconhecido pelo Decreto nº 3.554 de 15.02.01, D.O.E. de 16.02.01. Renovação de Reconhecimento

Leia mais

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência Projeto Grêmio em Forma relato de experiência Instituto Sou da Paz Organização fundada em 1999, a partir da campanha dos estudantes pelo desarmamento. Missão: Contribuir para a efetivação, no Brasil, de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT Projeto Institucional - Faculdades Atibaia FAAT Parceria entre o Ensino Superior e a Escola Pública na formação inicial e continuada

Leia mais

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL 1 EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL Fabio Barbosa Ribas Jr. 1 Novembro 2004 A juventude sempre foi considerada um período delicado e decisivo da vida humana. No entanto, no mundo atual os conflitos e desafios

Leia mais

O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula

O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula Título: Uso do jornal na sala de aula: uma análise do ponto de vista do aluno do ensino fundamental II Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO.

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. RESUMO QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. Francinilda Raquel Cardoso Silva (1); José Jorge Casimiro dos Santos (2) Faculdade São Francisco da Paraíba raquelmk06@gmail.com ¹

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

PROCESSO Nº 129/2004 APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/03/2005 PARECER CEE/PE Nº 10/2005-CEB I RELATÓRIO:

PROCESSO Nº 129/2004 APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/03/2005 PARECER CEE/PE Nº 10/2005-CEB I RELATÓRIO: INTERESSADO: SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC ASSUNTO : AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO E ENSINO FUNDAMENTAL RELATORA : CONSELHEIRA EUGENILDA MARIA LINS COIMBRA PROCESSO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS Santos SP - Maio/ 2010 Marta Fernandes Garcia Secretaria de Educação Prefeitura

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio O Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, de conformidade

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.br Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa OBJETIVOS Discutir as implicações

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

O Poder das Exposições no século XXI

O Poder das Exposições no século XXI O Poder das Exposições no século XXI Identificar, descobrir e agarrar a mudança do ponto de vista dos jovens profissionais Identificar, Descobrir e agarrar a Mudança do Ponto de Vista dos Jovens Profissionais

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática versus Estágio Supervisionado O objetivo deste texto é destacar as principais atividades envolvendo o projeto pedagógico do curso de licenciatura

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 053/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O que precisamos? Gente bem preparada e motivada. Recursos tecnológicos e ambientes acolhedores, que facilitem os processos de aprendizagem.

O que precisamos? Gente bem preparada e motivada. Recursos tecnológicos e ambientes acolhedores, que facilitem os processos de aprendizagem. O que precisamos? Proposta pedagógica e projetos pedagógicos consistentes, inovadores. Gente bem preparada e motivada. Modelo de gestão dinâmico e eficaz. Recursos tecnológicos e ambientes acolhedores,

Leia mais

Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Goiás

Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Goiás Apresentação Prezados Professores e Acadêmicos Com o objetivo de consolidar a política de estágio da Universidade Federal de Goiás, a Pró-Reitoria de Graduação, por meio da Coordenação de Estágios, realizou

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA!

GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA! ISSN 2177-9139 GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA! Thaís Eduarda Ávila da Silveira thaisuab3@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Pólo Sapucaia do Sul, 92990-000 Sapucaia do

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Recicle Art

Mostra de Projetos 2011. Recicle Art Mostra de Projetos 2011 Recicle Art Mostra Local de: Ivaiporã. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Sesi Apucarana. Cidade: Apucarana. Contato:

Leia mais

Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br

Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br Índice Quem é o Pedagogo?... Qual a duração do curso?... Quais os objetivos do curso?... E os campos de atuação?... Que

Leia mais

AGENDA DIÁRIA. Horário Componente Curricular Conteúdo Observação

AGENDA DIÁRIA. Horário Componente Curricular Conteúdo Observação Ano/Turma: 6ª Série (A) 1 PORTUGUÊS Estudar os conteúdos. Trazer a gramática (amanhã). 2 PRODUÇÃO DE TEXTO Produção de texto argumentativo sobre bullying. 3º HISTÓRIA 4 CIÊNCIAS Questões globais de revisão

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES Jailson Lourenço de Pontes Universidade Estadual da Paraíba jail21.jlo@gmail.com Renata Jacinto da Fonseca Silva Universidade Estadual

Leia mais

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social Letras Profa. Dra. Leda Szabo Prática de Ensino de Língua Portuguesa Objetivo Apresentar um breve panorama do ensino e aprendizagem da língua portuguesa. Abordar o ensino e a aprendizagem da língua portuguesa

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

Faculdade Tecsoma FATEC

Faculdade Tecsoma FATEC Faculdade Tecsoma FATEC Curso de Bacharelado em Administração Matriz Curricular do Curso - 2012 Base Legal: Atendendo ao disposto na Resolução CNE/CES N 4, de 13 de JULHO de 2005 que institui as diretrizes

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 31 ANEXO VI EMENTÁRIO EMENTAS: DISCIPLINAS POR PERÍODO RECOMENDADO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRIMEIRO PERÍODO HDI0123 HFC0065 HFC0067 HFE0068 HFE0051 HFE0054 INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS CIENTÍFICOS EM EDUCAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR UFSM

FORMAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR UFSM FORMAÇÃO PESSOAL E PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR UFSM Claudia Angelita Antunes Silveira UFSM Tamiris Cardoso da Silva UFSM Venice Teresinha Grings - UFSM RESUMO Este trabalho compreende

Leia mais

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com Ensino Fundamental II Projeto Eu Com A proposta educacional do Colégio Nacional, consolidada no Projeto Eu Com, leva em consideração o alcance dos objetivos propostos em Lei para o Ensino Fundamental II,

Leia mais

Tecendo a gestão democrática nas escolas públicas de Santa Catarina

Tecendo a gestão democrática nas escolas públicas de Santa Catarina Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares E Projeto Estadual de Revitalização das Entidades Democráticas: Tecendo a gestão democrática nas escolas públicas de Santa Catarina OBJETIVO

Leia mais

Parecer n 275/2009-CEDF Processo n 410.000084/2009 Interessado: Colégio Sagrado Coração de Maria

Parecer n 275/2009-CEDF Processo n 410.000084/2009 Interessado: Colégio Sagrado Coração de Maria Homologado em 21 de dezembro de 2009. DODF Nº 246, terça-feira, 22 de dezembro de 2009. PÁGINA 8 PORTARIA Nº 524, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. DODF Nº 7, terça-feira, 12 de janeiro de 2010. PÁGINA 8 Parecer

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO

RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO RESENHA DO LIVRO A COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO, DE JESÚS MARTÍN-BARBERO Sannya Fernanda Nunes Rodrigues MARTÍN-BARBERO, J. A Comunicação na Educação. São Paulo: Contexto, 2014. 155 p. Palavras-chave: Comunicação.

Leia mais

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES

ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES 1 ANÁLISE DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DE XINGUARA, PARÁ SOBRE O ENSINO DE FRAÇÕES Luciano Teles Bueno 1, Claudia Lisete Oliveira Groenwald 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo realizado com

Leia mais

Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem. (Mário Quintana).

Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem. (Mário Quintana). Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história. (Bill Gates). Os verdadeiros analfabetos

Leia mais

Biblioteca Digital Comunitária

Biblioteca Digital Comunitária Biblioteca Digital Comunitária Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Sicoob Norte do Paraná Cidade: Londrina

Leia mais

PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO E OS PRIMEIROS RESULTADOS

PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO E OS PRIMEIROS RESULTADOS Anais do III Simpósio sobre Formação de Professores SIMFOP Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus de Tubarão Tubarão, de 28 a 31 de março de 2011 PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

FOTONOVELAS NO ENSINO DE FÍSICA: UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

FOTONOVELAS NO ENSINO DE FÍSICA: UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA FOTONOVELAS NO ENSINO DE FÍSICA: UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA ADRIANA OLIVEIRA BERNARDES 1 Resumo Filmes, vídeos, textos, jogos educativos, recursos multimídia e também as fotonovelas,

Leia mais

PAULO FREIRE CONTEMPORÂNEO

PAULO FREIRE CONTEMPORÂNEO PAULO FREIRE CONTEMPORÂNEO Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para professores e educadores Áreas Conexas: Pedagogia Alfabetização História Antropologia Consultor: Marina Rampazzo RESUMO Sobre

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA

SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA Yam de Sousa Santos¹; Aclébia Alves Quaresma¹; Ronier Pereira da Silva¹; Maria do Socorro Pereira 2. 1 Bolsistas ID da CAPES, Pibid/UFCG da Universidade Federal de Campina Grande/Centro

Leia mais

Introdução. * Trabalho oriundo do projeto O Direito a Saúde e a Saúde como um Direito: Universidade e Escola

Introdução. * Trabalho oriundo do projeto O Direito a Saúde e a Saúde como um Direito: Universidade e Escola Atividades extensionistas no ambiente escolar: a relação da educação com a saúde, mediante ações interdisciplinares de promoção da saúde e do protagonismo juvenil. * David Ramos da Silva Rios Faculdade

Leia mais

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Credenciada pela Portaria MEC n. 3.640, de 17/10/2005 DOU de 20/10/2005. CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Autorizado pela Portaria MEC

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

1 Na formação é diferente, porque é um processo de desenvolvimento pessoal. A formação

1 Na formação é diferente, porque é um processo de desenvolvimento pessoal. A formação IMPLICAÇÕES TEÓRICAS E PRÁTICAS DOS SABERES PEDAGÓGICOS MOBILIZADOS NA FORMAÇÃO DOS DOCENTES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Valdineide dos Santos Araújo Universidade

Leia mais

TÍTULO: DE REPENTE EM REPENTE: HISTÓRIAS DA NOSSA GENTE. AUTORES: Maria Eunice Pitanga Vicentini (UFRN/DEPED - PROEX/PAS)

TÍTULO: DE REPENTE EM REPENTE: HISTÓRIAS DA NOSSA GENTE. AUTORES: Maria Eunice Pitanga Vicentini (UFRN/DEPED - PROEX/PAS) TÍTULO: DE REPENTE EM REPENTE: HISTÓRIAS DA NOSSA GENTE AUTORES: Maria Eunice Pitanga Vicentini (UFRN/DEPED - PROEX/PAS) ÁREA TEMÁTICA: educação A educação acompanha o individuo por toda a sua vida, pelo

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS

JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS Denise da Costa Gomes denisedacosta11@hotmail.com Dalila Regina da Silva Queiroz dalilazorieuq@hotmail.com Alzenira Oliveira de Carvalho oliveiraalzenira@hotmail.com

Leia mais

O ensino de química e a educação ambiental em diálogo com Paulo Freire: descrição de uma atividade não formal na escola

O ensino de química e a educação ambiental em diálogo com Paulo Freire: descrição de uma atividade não formal na escola O ensino de química e a educação ambiental em diálogo com Paulo Freire: descrição de uma atividade não formal na escola Resumo Arlete PierinaCalderan 1 Mara Elisa FortesBraibante 2 A escola é um ambiente

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO I ( INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA)

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO I ( INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA) Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO NAS QUATRO PRIMEIRAS SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL SERIADO ANUAL - NOTURNO 04 (QUATRO)

Leia mais

CURSO DE LETRAS INGLÊS Cont...

CURSO DE LETRAS INGLÊS Cont... Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 CÓD. 3392 - CURSO DE LETRAS INGLÊS Currículo nº 01 MATRIZ CURRICULAR I- NÚCLEO DE FORMAÇÃO BÁSICA ACADÊMI- COS 1910 Linguística Geral

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO ANÁLISE DOS DISCURSOS DOS PROFESSORES QUE NÃO UTILIZAM ATIVIDADE EXPERIMENTAL DE BAIXO CUSTO DE FÍSICA Hipollyto Kapristano Amorim S. de OLIVEIRA (1); Weimar Silva CASTILHO (2). (1) Instituto Federal de

Leia mais

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES RESUMO Cristiane Kuhn de Oliveira Universidade do Estado da Bahia UNEB cristiane-kuhn@hotmail.com O presente artigo expõe os resultados

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) DE PEDAGOGIA (LICENCIATURA) 1. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades de

Leia mais