MANUAL DE INTRODUÇÃO MATLAB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE INTRODUÇÃO MATLAB"

Transcrição

1 ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS MANUAL DE INTRODUÇÃO AO MATLAB Por: Prof. Luis Fernandes Mendonça E.N.I.D.H /2004

2 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AO MATLAB O MATLAB é um software interactivo constituído por um conjunto de ferramentas matemáticas que proporcionam uma grande ajuda nos cálculos de engenharia. Neste software as matrizes assumem um papel fundamental. O nome MATLAB advém da combinação de 2 palavras, MATrix LABoratory. Inicialmente escrito em FORTRAN, o MATLAB é hoje inteiramente escrito em linguagem C, sendo um sistema integrado, incluindo gráficos e macros programáveis. No Ensino Superior, o MATLAB tornou-se uma ferramenta muito importante, utilizada em diferentes matérias como a álgebra linear e a análise de sistemas de controlo, entre outras. Na indústria, o MATLAB é utilizado na procura e na resolução de problemas práticos de engenharia. PLANO DO CAPÍTULO 1.1 Command Window 1.2 Operações Aritméticas 1.3 Variáveis em MATLAB 1.4 Comentários e Pontuação 1.5 Números Complexos 1.6 Funções Matemáticas 1.7 Ficheiros Script ou m-files 1.8 Como Encontrar Ajuda no MATLAB Pág.1

3 1.1 COMMAND WINDOW Quando iniciamos o MATLAB aparece-nos uma janela, designada por Command window, através da qual iremos fazer a interacção com o programa. Nela aparece, além de uma barra de menus, o símbolo» (prompt), que nos indica que o MATLAB está pronto para executar as operações e instruções por nós introduzidas. Commands to get started: intro, demo, help help Commands for more information: help, whatsnew, info, subscribe» No quadro seguinte apresentam-se alguns comandos muito utilizados: Command Window clc diary diary nome_ficheiro home more Limpa o conteúdo do Command window. Grava o conteúdo do Command window para um ficheiro de texto chamado diary. Grava tudo o que se passa durante uma sessão (excepto gráficos) para o ficheiro escolhido. Se depois escrevermos diary off o MATLAB interrompe a gravação do que se passa. Se introduzirmos o comando diary on o MATLAB retoma a gravação. Move o cursor para o canto superior esquerdo. Obriga os dados a saírem para o ecrã página a página. (more on e more off) O comando more(n) obriga à saída de n linhas por ecrã. 1.2 OPERAÇÕES ARITMÉTICAS O MATLAB possui todas as operações básicas da matemática podendo ser utilizado com uma simples máquina de calcular. Aqui estão alguns exemplos:» 56/8 7» 8\56 7 Pág.2

4 » 4+2 6» 4* * OPERAÇÕES ARITMÉTICAS OPERAÇÃO SÍMBOLO EXEMPLO Adição, a + b Subtracção, a b Multiplicação, a. b * 3.14 * 0.85 Divisão, a b / ou \ 56/8 = 8\56 Potenciação, a b ^ 5^2 As regras de precedência utilizadas na avaliação das expressões são as seguintes: as expressões são avaliadas da esquerda para a direita, em que a operação de maior precedência é a potenciação, depois vêm as operações de multiplicação e divisão, e por fim as operações de adição e subtracção. Utilizam-se parênteses para alterar as precedências e o modo como as operações são avaliadas. FORMATOS NUMÉRICOS No MATLAB podemos apresentar os números segundo diversos formatos. Aqui estão alguns exemplos:» preco=1/3 preco = » format long preco % Utiliza 16 dígitos» preco preco = » format short e % Utiliza 5 dígitos mais expoente» preco preco = e-001» format long e % Utiliza 16 dígitos mais expoente» preco Pág.3

5 preco = e-001» format hex % O número é escrito em formato hexadecimal» preco preco = 3fd » format bank % Escreve o número utilizando duas casas decimais» preco preco = 0.33» format rat % Utilizando fracções» preco preco = 1/3» format short % Utiliza 5 dígitos» preco preco = Nota: A representação interna dos números não é alterada quando se utilizam estes comandos 1.3 VARIÁVEIS EM MATLAB Considerando o exemplo da página anterior vamos mostrar que podemos efectuar os mesmos cálculos utilizando variáveis:» cadernos=4 cadernos = 4» canetas=2 canetas = 2» itens=cadernos+canetas itens = 6» custo_total=cadernos*250+canetas*100 custo_total = 1200 Quando se atribuem nomes às variáveis há que ter em conta as seguintes observações: Pág.4

6 Ter cuidado com a utilização de letras maiúsculas e minúsculas. Caderno, caderno e caderno - são 3 variáveis diferentes para o MATLAB. As variáveis devem ter no máximo 19 caracteres pois o MATLAB ignora os restantes caracteres.» equetalestenomeparaumavariavel=2 equetalestenomepara = 2 As variáveis não podem ter símbolos de pontuação. É permitido utilizar o símbolo _.» e_que_tal_este_nome_para_uma_variavel =0 e_que_tal_este_nome = 0 Variáveis Especiais Variável onde são guardados, por defeito, os Ans resultados das operações - ans é o diminutivo de ANSwer. pi Valor de π = Eps Flops Unidade de arredondamento da máquina, i.e., o menor valor que adicionado a 1 representa um número maior que 1 Contador do número de operações efectuadas. Estamos a falar de operações em vírgula flutuante. Inf Representa +, isto é, 1/0 NaN Not-a-Number, símbolo que representa 0/0 ou outra expressão não determinada. MATLAB WORKSPACE O MATLAB recorda-se de todos os comandos que vão sendo introduzidos ao longo de uma sessão, permitindo que os utilizadores repitam ou aproveitem comandos inseridos noutras alturas. De igual modo, todas as variáveis que vão sendo definidas ao longo da sessão ficam disponíveis para serem utilizadas em ocasiões futuras. O local onde esta informação está guardada designa-se por MATLAB workspace. De seguida enumeram-se algumas das coisas que podemos fazer, relacionadas com o workspace: Pág.5

7 Podemos utilizar as teclas e para rever os comandos anteriormente inseridos. Para alterar a estrutura de um desses comando socorrermo-nos das teclas e. Se quisermos obter uma lista com as variáveis presentes no workspace basta utilizar o comando who. Também podemos utilizar o comando whos que juntamente com os nomes das variáveis refere, também, qual a memória que cada uma ocupa assim como a sua dimensão - o que é muito útil se as variáveis forem matrizes.» who Your variables are: ans canetas itens cadernos custo_total Também é possível gravar o conteúdo do Workspace para um ficheiro. Para isso podemos utilizar o menu [File] [Save Workspace As ] ou utilizar os comandos save e load. As variáveis presentes no Workspace podem ser gravadas em formato binário ou formato ascii. Se utilizarmos apenas o comando save sem especificar qual o nome do ficheiro em que pretendemos guardar a informação, ela será gravado no ficheiro matlab.mat. (Para obter uma explicação mais completa deste comando escreva help save)» save Saving to: matlab.mat» save meu % grava as variáveis em format binário para o ficheiro meu.mat» save dados canetas cadernos custo_total -ascii % as variáveis foram gravadas em formato ascii % podemos escolher quais as variáveis que queremos gravar Podemos remover alguma ou todas as variáveis presentes no Workspace utilizando o comando clear.» who Your variables are: ans cadernos canetas custo_total equetalestenomepara itens preco e_que_tal_este_nome» clear cadernos» who Your variables are: Pág.6

8 ans canetas custo_total e_que_tal_este_nome equetalestenomepara itens preco» % se escrevermos o comando clear sem nenhum argumento o MATLAB apaga todas as variaveis 1.4 COMENTÁRIOS E PONTUAÇÃO Para introduzir comentários deve utilizar-se o símbolo %.» canetas=10 % Número de canetas% canetas = 10» % tudo o que está para a frente deste símbolo % é ignorado Quando inserimos um comando no MATLAB ele produz um eco, i.e., surge uma confirmação da operação efectuada no ecrã. Se não quisermos que tal aconteça devemos utilizar o símbolo ;.» canetas=10 % este comando produz eco canetas = 10» canetas=10; % este comando não produz eco» Podemos utilizar a virgula (,) para introduzir vários comando na mesma linha» canetas=3, vidros=20, lapis=4 canetas = 3 vidros = 20 lapis = 4 Se quisermos concluir um comando na linha seguinte devemos utilizar o símbolo.» itens=canetas+... lapis+vidros itens = 27 Pág.7

9 % os... dizem ao Matlab que o resto do comando segue na próxima linha.» % nao pode ser utilizado na continuação de comentários nem de nomes de variáveis. 1.5 NÚMEROS COMPLEXOS No MATLAB a definição de números complexos faz-se de uma maneira natural, apesar disso, eles podem ser definidos utilizando vários métodos: Definição de um complexo utilizando o i para identificar a parte imaginária.» c1=1-2i c1 = i Definição de um complexo utilizando o j para identificar a parte imaginária.» c1=1-2j % o j também serve c1 = i Definição de um complexo utilizando o sqrt(-1) para identificar a parte imaginária.» c2=3*(2-sqrt(-1)*3) c2 = I Definição de um complexo em função de outro complexo.» c4=6+sin(.5)*i % neste caso foi necessário por sin(.5)*i c4 = i Sempre que aparecem raízes de números negativos então o MATLAB considera esse valor como um complexo.» c3=sqrt(-2) c3 = i As operações aritméticas entre complexos são escritas de forma semelhante ao que se fazia para os reais. Pág.8

10 » c6=c1+c2 c6 = i» c7=(c1+c2)/c3 c7 = i Para o MATLAB o resultado de uma operação entre números complexos é um complexo.» c8=i^2 % o quadrado de i é o real -1 c8 = i Apesar de i 2 = -1 ser um real o MATLAB mantêm a parte imaginária do número igual a zero. Para eliminar a parte imaginária de um número complexo utiliza-se a função real.» c9=real(c6) c9 = 7 Apresentam-se, agora, as funções utilizadas para estabelecer a correspondência entre a representação algébrica (z = a+ bi) e a representação polar ( z = r (cos θ + sen θ ), em que r = z ): A função abs determina o valor absoluto de um complexo.» c1 c1 = i» mag_c1=abs(c1) mag_c1 = A função angle determina o argumento de um complexo em radianos.» angle_c1=angle(c1) angle_c1 = » deg_c1=angle_c1*180/pi deg_c1 = Com estas duas funções conseguimos obter as coordenadas polares que desejamos. Pág.9

11 abs(z) - obtemos o valor do módulo r = z = 2 a + b 2 angle(z) - obtemos o valor do argumento de z, θ = tan 1 b ( ) a = r cosθ, b = r sinθ a Outras duas funções utilizadas com números complexos são: A função conj dá-nos o complexo conjugado de um número complexo.» conj(c1) i A função imag dá-nos a parte imaginária de um complexo.» imag_c1=imag(c1) imag_c1 = -2 A função real dá-nos a parte real de um imaginário.» real_c1=real(c1) real_c1 = FUNÇÕES MATEMÁTICAS De seguida apresenta-se um quadro com as principais funções matemáticas que o MATLAB possui. Alguns exemplos de aplicação dessas funções matemáticas são apresentados em seguida:» x=sqrt(2)/2 x = » y=asin(x) y = » y_deg=y*180/pi y_deg = Pág.10

12 TRIGONOMETRICAS EXPONENTIAL sin Seno exp Exponencial sinh Seno hiperbólico log Logaritmo natural asin Arco cujo o seno é log10 Logaritmo de base 10 asinh Arco cujo seno hiperbólico é sqrt Raiz quadrada cos Co-seno cosh Co-seno hiperbólico acos Arco cujo o co-seno é acosh Arco cujo co-seno hiperbólico é COMPLEXAS tan Tangente abs Valor Absoluto tanh Tangente hiperbólica angle Argumento (em radianos) atan Arco cuja tangente é conj Complexo conjugado atanh Arco cuja tangente hiperbólica é imag Parte imaginaria sec Secante real Parte real sech Secante hiperbólica asec Arco cujo co-seno hiperbólico é asech Arco cujo co-seno hiperbólico é csc Co-secante csch Co-secante hiperbólica acsc Arco cuja co-secante é NUMÉRICAS acsch Arco cuja co-secante hiperbólica é round Arredonda para o inteiro cot Co-tangente mais próximo coth Co-tangente hiperbólica rem Resto da divisão acot Arco cuja co-tangente é sign Sinal de um número acoth Arco cuja co-tangente hiperbólica é» z=rem(23,4) z = 3» z1=23/4 z1 = » a=exp(c1) a = i» sign(1.2) 1 % a resposta é 1 pois o número é positivo» sign(-23.4) -1 % a resposta é 1 quando o número é negativo Pág.11

13 » sign(0) FICHEIROS SCRIPT OU M-FILES Quando o número de comandos a serem introduzidos é muito grande e também quando queremos reavaliar as expressões entretanto introduzidas torna-se mais prático utilizar ficheiros de texto com comandos de MATLAB denominados Script files (ou m-files). Também podemos utilizar m-files para definir novas funções (function m-file) mas a abordagem deste tópico será feita no Capítulo 4. Por agora, apenas, vamos considerar os m- files como uma lista de comandos ou instruções de MATLAB. Para criarmos um novo script (ou m-file) basta procurar o comando [New] localizado no menu [File] e seguidamente escolher [M-file]. Como um m-file é um ficheiro de texto então, pode ser feito em qualquer editor de texto o ficheiro tem de ter a extensão.m. Para executar um m-file basta introduzir o seu nome, por exemplo:» exemplo O MATLAB procura o ficheiro exemplo.m e executa todos os comandos como se eles fossem inseridos directamente no command window. Ao utilizar m-files tenha em atenção que: Os comandos presentes no m-file têm acesso às variáveis anteriormente definidas no workspace. As variáveis definidas no m-file passam a fazer parte do workspace e podem ser utilizadas após a execução do m-file. O comando echo on diz ao MATLAB para fazer o eco dos comandos que vai lendo e executando. O comando echo off faz o contrário. Exemplo de um m-file: %Exemplo1 m-files cadernos=4; canetas=input(' Introduza o nº de canetas > '); itens=cadernos+canetas custo_total=cadernos*250+canetas*100 A execução deste m-file produz os seguintes resultados:» exemplo1 Pág.12

14 Introduza o nº de canetas > 4 itens = 8 custo_total = 1400 Reparar na utilização da função input. Esta função pode receber como valor de entrada qualquer expressão matemática que seja equivalente ao valor que se pretende introduzir.» exemplo1 Introduza o nº de canetas > round(sqrt(13))+3 itens = 11 custo_total = 1700 Aqui está um quadro com algumas das funções úteis na construção de m-files. FUNÇÕES PARA OS M-FILES disp(variável) echo input keyboard pause(n) waitforbuttonpress Mostra o valor de uma variável sem apresentar o seu nome. Controla o eco dos comandos, presentes no m-file, que vão sendo executados. (echo on e echo off) Espera pela introdução de um valor pelo utilizador. Interrompe a execução de um m-file dando liberdade ao utilizador para executar outros comandos. Retoma-se a execução do m-file fazendo return.. Há uma pausa de n segundos na execução. Existe uma pausa na execução do m-file até que se carregue numa tecla do rato ou do teclado. Exemplo de um m-file em que se utiliza o comando keyboard : %Exemplo2 -.m files cadernos=4; Pág.13

15 canetas=2; keyboard itens=cadernos+canetas custo_total=cadernos*250+canetas*100 A execução deste m-file produz o seguinte resultado:» exemplo2 K» K» who Your variables are: a angle_c1 ans c1 c2 c3 c4 c6 c7 c8 cadernos canetas custo_total deg_c1 e_que_tal_este_nome K» return itens = 6 custo_total = 1200 equetalestenomepara imag_c1 itens lapis mag_c1 preco real_c1 vidros x y y_deg z z1 1.8 COMO ENCONTRAR AJUDA NO MATLAB Existem dois comandos que permitem encontrar ajuda no MATLAB: O comando help e o comando lookfor. Um método equivalente ao comando help baseia-se na utilização do menu [Help].» help HELP topics: toolbox\local matlab\datafun matlab\elfun - Local function library. - Data analysis and Fourier transform functions. - Elementary math functions. Pág.14

16 matlab\elmat matlab\funfun matlab\general matlab\color matlab\graphics matlab\iofun matlab\lang matlab\matfun matlab\ops matlab\plotxy matlab\plotxyz matlab\polyfun matlab\sounds matlab\sparfun matlab\specfun matlab\specmat matlab\strfun matlab\dde matlab\demos simulink\simulink simulink\blocks simulink\simdemos toolbox\signal toolbox\ident nnet\examples nnet\nnet toolbox\robust mutools\commands mutools\subs toolbox\optim toolbox\splines toolbox\control toolbox\mmle3 toolbox\wintools - Elementary matrices and matrix manipulation. - Function functions - nonlinear numerical methods. - General purpose commands. - Color control and lighting model functions. - General purpose graphics functions. - Low-level file I/O functions. - Language constructs and debugging. - Matrix functions - numerical linear algebra. - Operators and special characters. - Two dimensional graphics. - Three dimensional graphics. - Polynomial and interpolation functions. - Sound processing functions. - Sparse matrix functions. - Specialized math functions. - Specialized matrices. - Character string functions. - DDE Toolbox. - Demonstrations and samples. - SIMULINK model analysis and construction functions. - SIMULINK block library. - SIMULINK demonstrations and samples. - Signal Processing Toolbox. - System Identification Toolbox. - Neural Network Toolbox examples. - Neural Network Toolbox. - Robust Control Toolbox. - Mu-Analysis and Synthesis Toolbox. - Mu-tools examples and internal routines. - Optimization Toolbox. - Spline Toolbox. - Control System Toolbox. - MMLE3 Identification Toolbox. - GUI tools for MATLAB for MS Windows. For more help on directory/topic, type "help topic". Se já soubermos aquilo que procuramos podemos utilizar o comando help de uma forma mais precisa.» help general Pág.15

17 General purpose commands. Managing commands and functions. help - On-line documentation. what - Directory listing of M-, MAT- and MEX-files. type - List M-file. lookfor - Keyword search through the HELP entries. which - Locate functions and files. demo - Run demos. path - Control MATLAB's search path. Managing variables and the workspace. who - List current variables. whos - List current variables, long form. load - Retrieve variables from disk. save - Save workspace variables to disk. clear - Clear variables and functions from memory. pack - Consolidate workspace memory. size - Size of matrix. length - Length of vector. disp - Display matrix or text. Working with files and the operating system. cd - Change current working directory. dir - Directory listing. delete - Delete file. getenv - Get environment value.! - Execute operating system command. unix - Execute operating system command & return result. diary - Save text of MATLAB session. Controlling the command window. cedit - Set command line edit/recall facility parameters. clc - Clear command window. home - Send cursor home. format - Set output format. echo - Echo commands inside script files. more - Control paged output in command window. Starting and quitting from MATLAB. quit - Terminate MATLAB. startup - M-file executed when MATLAB is invoked. Pág.16

18 matlabrc - Master startup M-file. General information. info - Information about MATLAB and The MathWorks, Inc. subscribe - Become subscribing user of MATLAB. hostid - MATLAB server host identification number. whatsnew - Information about new features not yet documented. ver - MATLAB, SIMULINK, and TOOLBOX version information.» help sqrt SQRT Square root. SQRT(X) is the square root of X. Complex results are produced if X is not positive. See also SQRTM. No caso de o MATLAB não encontrar informação sobre o tópico pretendido obtemos uma mensagem deste tipo.» help controladores controladores not found. Se pretendermos procurar comandos que estejam relacionados com determinada palavra ou conceito podemos utiliza a instrução lookfor» lookfor complex CPLXPAIR Sort numbers into complex conjugate pairs. CONJ Complex conjugate. IMAG Complex imaginary part. REAL Complex real part. CDF2RDF Complex diagonal form to real block diagonal form. RSF2CSF Real block diagonal form to complex diagonal form. CPLXDEMO Maps of functions of a complex variable. CPLXGRID Polar coordinate complex grid. CPLXMAP Plot a function of a complex variable. GRAFCPLX Demonstrates complex function plots in MATLAB. LOGM2 LOGM2(X) is the matrix natural logarithm of X. Complex CCEPS Complex cepstrum. PHASE Computes the phase of a complex vector mixedalg.m: % [MULT,XQO] = MIXEDALG(T,XQI,K) finds the existence of a complex,diagonal DSORT Sort complex discrete eigenvalues in descending order. Pág.17

19 ESORT Sort complex continuous eigenvalues in descending order LOGM2 LOGM2(X) is the matrix natural logarithm of X. Complex Pág.18

20 CAPÍTULO 2 MATRIZES E VECTORES PLANO DO CAPÍTULO 2.1 Definição de Vectores 2.2 Endereçamento de Elementos de Um Vector 2.3 Definição de Matrizes 2.4 Operações com Matrizes 2.5 Operações com Arrays 2.6 Manipulação dos Elementos de uma Matriz 2.7 Matrizes Especiais e Funções com Matrizes Pág.19

21 2.1 DEFINIÇÃO DE VECTORES Quando se pretende introduzir um vector deve fazer-se:» a=[ ] a = Também é possível definir um novo vector à custa de outro já existente:» x= [0.1*pi.2*pi.3*pi.4*pi.5*pi.6*pi.7*pi.8*pi.9*pi pi] x = Columns 1 through Columns 8 through » y=sin(x) y = Columns 1 through Columns 8 through Exemplo de um vector de números complexos. (Consegue notar a modificação que se produz com a introdução dos parênteses)» u=[1-2i i] u = Columns 1 through i Column i» v=[(1-2i) i] v = i i Pág.20

22 Na definição de vectores um símbolo muito utilizado é o :. Aqui estão alguns exemplos da sua utilização.» x=1:5 % começa em 1 e termina em 5 com incrementos de 1 x = Se pretendermos utilizar um incremento diferente fazemos:» y=0:pi/4:pi % começa em 0 e termina em pi com incrementos de pi/4 y = Também é possível utilizar incrementos negativos:» z=6:-1:1 z = Outra maneira de definir o vector y=sin(x) é a seguinte.» y1=(0:0.1:1)*pi y1 = Columns 1 through Columns 8 through Existem duas funções que podemos utilizar para criar vectores.» l=linspace(0,pi,11) l = Columns 1 through Columns 8 through » g=logspace(0,2,11) g = Columns 1 through Columns 8 through 11 Pág.21

23 Métodos para Definir Vectores x=[2 2*pi sqrt(2) 2-3j] x=n i :n f x=n i :i:n f x=linspace(primeiro,ultimo,n) x=logspace(primeiro,ultimo,n) Cria o vector x com os elementos especificados. (Os elementos podem ser expressões ou números complexos). Cria um vector começando no número n i e terminando em n f, com incrementos de 1. Cria um vector começando no número n i e terminando em n f, com incrementos de i. Cria um vector começando no primeiro e terminando no último, com n elementos. Cria um vector começando em 10 primeiro e terminando em 10 último, com n elementos. 2.2 ENDEREÇAMENTO DE ELEMENTOS DE UM VECTOR Existem vários métodos de endereçar (ou de aceder) aos elementos de um vector. Indicando a posição do elemento no vector» y(3) % queremos o terceiro elemento » y(5) % queremos o quinto elemento Utilizando os :» z(1:4) % queremos do primeiro até ao quarto elemento Usando outro vector para extrair os elementos pela ordem pretendida» y([ ]) DEFINIÇÃO DE MATRIZES Pág.22

24 A introdução de uma matriz deve ser feita da seguinte forma: A=[1 2 3; 4 5 6; 7 8 9], em que o símbolo ; divide as linhas da matriz.» A=[1 2 3;4 5 6; 7 8 9] A = » B=[1;2;3;4;5] B = Podemos criar uma nova matriz adicionando novos elementos a uma matriz já existente.»c=[a; ] C = OPERAÇÕES COM MATRIZES TRANSPOSTA Para obter a transposta da matriz A e explicitá-la pela matriz T devemos fazer:» T=A' T = Para vectores tudo se passa de modo semelhante,» x=[-1 0 2]' x = Pág.23

25 ADIÇÃO E SUBTRACÇÃO Considerando os vectores A e B vamos determinar A+B.» A=[1 2 3;4 5 6; 7 8 9] A = 7 8 9» B=[1 4 7; 2 5 8; 3 6 0] B = » A+B MULTIPLICAÇÃO A multiplicação de matrizes é efectuada utilizando o símbolo * e tal como acontece nas operações de soma e subtracção há que ter em consideração as dimensões das matrizes» X=[-1 0 2] X = » Y=[-2-1 1]' Y = » X*Y 4» Y*X Quando se multiplica uma constante por um vector o resultado é o seguinte:» pi*x » pi*y Pág.24

26 DIVISÃO Existem dois tipos de divisão: a divisão à esquerda (A\b) e a divisão à direita (A/b). Podemos ver qual a diferença entre estes dois tipos de divisão através de um exemplo. Considere o seguinte sistema de equações: A 3 x 6. x 0 x. x = = b A=[1 2 3; 4 5 6; 7 8 0] A = » b=[366;804;351] b = Divisão à esquerda ( x = A\b é solução para A * x = b)» x=a\b x = » A*x Divisão à direita ( y = A/b é solução para x * A = b)» y=a/b??? Error using ==> / Matrix dimensions must agree.» x*a??? Error using ==> * Inner matrix dimensions must agree. Devido as dimensões das matrizes não é possível realizar a divisão à direita teria que se modificar as dimensões de b, fazendo a sua transformada por exemplo. A relação entre estas duas divisões é dada por: A\b = (b /A )» A\b Pág.25

27 » (b'/a')' Também conseguimos resolver um sistema de equações lineares utilizando a função inv para calcular a inversa de uma matriz - x = A -1 * b antes, porém, devemos verificar se o sistema tem uma solução única calculando o seu determinante.» det(a) 27» x=inv(a)*b x = OPERAÇÕES COM ARRAYS Quando se utiliza o termo operações com arrays pretende-se referir que as operações aritméticas são feitas de elemento para elemento. ADIÇÃO E SUBTRACÇÃO Para a adição e subtracção as operações com array e as operações com matrizes são iguais. (Utiliza-se os mesmos símbolos) MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO A multiplicação de array é efectuada elemento a elemento, sendo representada por.*. Se A e B têm dimensões iguais então C = A.* B resulta numa matriz em que cada um dos seus elementos é igual ao produto dos elementos individuais de A e B, nas mesmas posições» A=[2 4 6] A = 2 4 6» B=[2 2 2] B = 2 2 2» C=A.*B C = No que diz respeito à divisão; se tivermos D = A./ B ou E = A.\ B cada elemento de D e E é obtidos através da divisão (à esquerda ou à direita) envolvendo os elementos respectivos de A e B.» D=A./B Pág.26

28 D = 1 2 3» E=A.\B E = POTENCIAÇÃO A potenciação elemento a elemento é efectuada utilizando os símbolos.^.» P=A.^B P = Contudo, o expoente poderá ser um escalar.» Pe=A.^3 Pe = Mas também podemos ter a base como um escalar» Ps=3.^A Ps = Operações com Arrays Sabendo que : A = [a 1 a 2 a n ]; B = [b 1 b 2 b n ]; c Escalar Adição com um escalar Multiplicação com um escalar A+c = [a 1 +c a 2 +c a n +c] A*c = [a 1 *c a 2 *c a n *c] Adição A+B = [a 1 +b 1 a 2 +b 2 a n +b n ] Multiplicação A.*B = [a 1.*b 1 a 2.*b 2 a n.*b n ] Divisão à esquerda A.\B = [a 1.\b 1 a 2.\b 2 a n.\b n ] Divisão à direita A./B = [a 1./b 1 a 2./b 2 a n./b n ] Potenciação A.^c = [a 1.^c a 2.^c a n.^c] c.^a = [c.^a 1 c.^a 2.^c c.^a n ] A.^B = [a 1.^b 1 a 2.^b 2 a n.^b n ] Pág.27

29 2.6 MANIPULAÇÃO DOS ELEMENTOS DE UMA MATRIZ Podemos alterar o valor de apenas um elemento da matriz fazendo:» A=[1 2 3; 4 5 6; 7 8 0] A = » A(3,3)=9 % modifica o elemento na 3ªlinha, 3ªcoluna para 9 A = Também podemos fazer:» A(2,2)=A(1,2)+A(3,2) A = Outra manipulação dos elementos de uma matriz que o MATLAB permite é a seguinte:» b=a(:) % transformamos uma matriz num vector coluna b = Se quisermos criar um matriz B invertendo a ordem das linhas de A, fazemos:» B=A(3:-1:1,1:3) % escolhemos as linhas, começando na 3 e acabando na 1 B = % escolhemos as coluna, começando na 1 e acabando na De modo semelhante podemos obter uma submatriz de A.» C=A(1:2,2:3) C = Pág.28

30 Manipulação dos Elementos de uma Matriz A(l,c) A(l,:) A(:,c) A(:,c) Resulta uma submatriz de A com as linhas definas pelo vector l e com as colunas definas (ou indexadas) pelo vector c. Obtemos uma submatriz de A com as linhas definas pelo vector l e com todas as colunas de A. Resulta uma submatriz de A com todas as linhas de A e com as colunas definas (ou indexadas) pelo vector c. Obtemos um vector coluna com todos os elementos de A tendo estes sido retirados coluna a coluna da matriz A. 2.7 MATRIZES ESPECIAIS E FUNÇÕES COM MATRIZES De seguida apresentam-se algumas das matrizes especiais que é possível criar utilizando o MATLAB. Matrizes Especiais» zeros(3) » ones(3) » ones(3)*pi » eye(3) % matriz identidade 3x Pág.29

31 Algumas Matrizes Especiais [] Matriz vazia eye Matriz identidade ones Matriz com todos elementos iguais a 1. zeros Matriz com todos elementos iguais a 0. pascal Matriz (triangular) de Pascal. rand Matriz preenchida aleatoriamente com elementos entre 0 e 1 (distribuição uniforme). randn Matriz preenchida aleatoriamente e segundo a distribuição normal com µ = 0 e σ = 1. FUNÇÕES COM MATRIZES O MATLAB possui inúmeras funções com matrizes no quadro seguinte vamos apresentar apenas algumas. Funções com Matrizes det(a) expm(a) logm(a) inv(a) d=eig(a) [V,D]=eig(A) poly(a) Determinante Matriz exponencial Matriz logaritmo Inversa da matriz A Valores próprio e vectores próprios. Polinómio característico Pág.30

32 CAPÍTULO 3 OPERADORES RELACIONAIS, OPERADORES LÓGICOS E ESTRUTURAS DE CONTROLO PLANO DO CAPÍTULO 3.1 Operadores Relacionais 3.2 Operadores Lógicos 3.3 Estrutura de Escolha (IF ELSE-END) 3.4 Estruturas de Repetição (FOR, WHILE) Pág.31

33 3.1 OPERADORES RELACIONAIS No MATLAB utilizamos os operadores lógicos e relacionais para, juntamente com as estruturas de repetição, controlar a ordem de execução de um conjunto de instruções ou comandos do MATLAB. Os únicos outputs ou resultados possíveis para uma expressão contendo operadores relacionais e lógicos são 1 (Verdadeiro) ou 0 (Falso)» 3<4 1 % Verdadeiro» 3>4 0 % Falso Operadores Relacionais < Menor que <= Menor ou igual a > Maior que >= Maior ou igual a == Igual a ~= Diferente de Estes operadores podem ser utilizados na comparação entre duas matrizes, com as mesmas dimensões, ou para comparar um escalar com os elementos que compõem a matriz» A=1:9, B=9-A A = B = Pág.32

TUTORIAL MATLAB MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Aula 20-Novembro-2013

TUTORIAL MATLAB MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Aula 20-Novembro-2013 TUTORIAL MATLAB MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Aula 20-Novembro-2013 MATLAB (MATrix LABoratory) é um software de alta performance direccionado para o cálculo numérico. O MATLAB integra áreas como análise numérica,

Leia mais

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Métodos Numéricos Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007 Aula prática n o 1 - Introdução

Leia mais

Não use essa apostila como única fonte de consultas, procure livros e manuais.

Não use essa apostila como única fonte de consultas, procure livros e manuais. Introdução ao Matlab 5 Esta apostila foi criada com o propósito de mostrar a simplicidade que é a interface do Matlab, e mostrar as ferramentas básicas para o curso de Álgebra Linear do Inatel. Não use

Leia mais

Processamento Numérico

Processamento Numérico Matlab 1 Conceitos Básicos e Processamento Numérico 1. Iniciar o programa Matlab. Há duas formas: Fazer duplo-clique sobre o atalho, existente no ambiente de trabalho do Windows Menu Iniciar > Programas

Leia mais

APOSTILA MATLAB BÁSICO

APOSTILA MATLAB BÁSICO APOSTILA MATLAB BÁSICO Universidade Federal do Espírito Santo CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PET MECÂNICA APOSTILA MATLAB BÁSICO VITÓRIA 2011 2 Sumário 1. Introdução... 6 2. Ambiente

Leia mais

Métodos Numéricos em Finanças

Métodos Numéricos em Finanças Métodos Numéricos em Finanças Prf. José Fajardo Barbachan IBMEC Objetivo Aprender Métodos Numéricos para modelar e resolver problemas financeiros, implementando programas em Matlab 1 Conteúdo Introdução

Leia mais

Oficina de MATLAB Nível Básico Aula 1

Oficina de MATLAB Nível Básico Aula 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Oficina de MATLAB Nível Básico Aula 1 Prof. Jeremias

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEE & LETI)

Sistemas e Sinais (LEE & LETI) Sistemas e Sinais (LEE & LETI) 2º semestre 213/214 Laboratório nº Introdução ao Matlab Isabel Lourtie Dezembro 213 pfpfpf Este trabalho de laboratório não é obrigatório destinando-se apenas aos alunos

Leia mais

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO 1º Semestre 2010/2011 MEMec, LEAN Ficha da Aula Prática 1: Introdução ao MATLAB Sumário das tarefas e objectivos da aula: 1. Abrir a aplicação MATLAB e contactar com o ambiente

Leia mais

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO 1º Semestre 2010/2011 MEMec, LEAN Ficha da Aula Prática 3: Entrada/saída de dados. Scripts e funções. Estruturas de selecção. Sumário das tarefas e objectivos da aula: 1. Utilizar

Leia mais

Programa. Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP. Critérios

Programa. Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP. Critérios Programa Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP Critérios P1: 5a Aula - Peso 1 P2: 10a Aula - Peso 1.5 P3: 15a Aula- Peso 2.0 Presença e Participação: Peso 2.0

Leia mais

Minicurso de Matlab. Redes Neurais. Lorran Ferreira Maroco Sutter. 26 de maio de 2014, Juiz de Fora. Universidade Federal de Juiz de Fora

Minicurso de Matlab. Redes Neurais. Lorran Ferreira Maroco Sutter. 26 de maio de 2014, Juiz de Fora. Universidade Federal de Juiz de Fora Minicurso de Matlab Redes Neurais Lorran Ferreira Maroco Sutter Universidade Federal de Juiz de Fora 26 de maio de 2014, Juiz de Fora Sumário 1 Introdução ao Matlab 2 Conhecendo o Matlab 3 Conceitos Básicos

Leia mais

Praticamente em qualquer plataforma: MS-Windows, Unix, GNU Linux, etc.

Praticamente em qualquer plataforma: MS-Windows, Unix, GNU Linux, etc. 1) Introdução Matlab é um pacote de alto desempenho para computação e visualização numérica Centenas de funções e facilidades implementadas Animação Linguagem de programação de alto nível 1.2) Matlab permite

Leia mais

criar u u = E(:,1) criar b b=a(:,3)

criar u u = E(:,1) criar b b=a(:,3) Tutorial do MATLAB São necessários alguns comandos básicos para usar o programa MATLAB. Este tutorial resumido descreve esses comandos. Você precisa criar vetores e matrizes, alterá-los e operar com eles.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI MR0720 - Simulação de Processos em Eng. de Materiais. Aula 5. Matlab

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI MR0720 - Simulação de Processos em Eng. de Materiais. Aula 5. Matlab EE CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI MR0720 - Simulação de Processos em Eng. de Materiais Aula 5 Matlab 1 I. Objetivos Objetivo destas notas de aula, é o de ensinar os comandos básicos do Matlab focados para

Leia mais

SciLab. Prof. Raimundo C. Ghizoni Teive

SciLab. Prof. Raimundo C. Ghizoni Teive UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CES VII CURSO: ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO SciLab INSTRUÇÕES BÁSICAS Prof. Raimundo C. Ghizoni Teive Versão do Tutorial:

Leia mais

Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi. Agosto de 2005. 27 de maio de 2009

Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi. Agosto de 2005. 27 de maio de 2009 INTRODUÇÃO AO MATLAB R Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 27 de maio de 2009 Introdução

Leia mais

Utilidades Diversas. Aplicações Informáticas para Engenharia. SérgioCruz

Utilidades Diversas. Aplicações Informáticas para Engenharia. SérgioCruz Utilidades Diversas Habitualmente os comandos que compõem um dado programa desenvolvido em matlab não são introduzidos usando a janela de comando mas sim escritos e gravados num ficheiro.m Para criar um

Leia mais

Curso de introdução ao MATLAB módulo 1

Curso de introdução ao MATLAB módulo 1 Curso de introdução ao MATLAB módulo 1 IST, 9 de Dezembro de 2008 Mário J. Franca mfranca@dec.uc.pt Departamento de Engenharia Civil FCT - Universidade de Coimbra mfranca@tetraplano.com Tetraplano, Engenharia

Leia mais

Introdução ao Scilab

Introdução ao Scilab Programação de Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Scilab José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/35 1 MATLAB e Scilab 2 O ambiente Scilab 2/35

Leia mais

1 Introdução ao MatLab

1 Introdução ao MatLab 1 Introdução ao MatLab O que é o MatLab? O MatLab é um sistema para cálculo científico que proporciona um ambiente de fácil utilização com uma notação intuitiva mas poderosa. Permite a realização de algoritmos

Leia mais

Mini Curso Introdução ao MATLAB

Mini Curso Introdução ao MATLAB Mini Curso Introdução ao MATLAB Aline Villela Chaia Maria Ribeiro Daibert GET Engenharia de Produção - UFJF Sumário: Introdução... 3 Objetivos... 3 Histórico... 3 Layout... 4 Help... 9 Dados... 10 Funções...

Leia mais

SCILAB. Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de:

SCILAB. Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de: SCILAB Software livre para cálculo numérico e simulação de sistemas físicos Utilizado nas áreas de: Controle e processamento de sinais Automação industrial Computação gráfica Matemática Física Entre outras.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MATLAB

INTRODUÇÃO AO MATLAB Universidade Federal de Alagoas - UFAL Centro de Tecnologia - CTEC Departamento de Engenharia Estrutural - EES Cidade Universitária - Campus A. C. Simões Tabuleiro do Martins - Maceió AL - CEP 57072-970

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Semana da Matemática. Luiz A. F. Coelho Fernando Deeke Sasse DMAT MatLab para Iniciantes

Semana da Matemática. Luiz A. F. Coelho Fernando Deeke Sasse DMAT MatLab para Iniciantes Semana da Matemática Luiz A. F. Coelho Fernando Deeke Sasse DMAT MatLab para Iniciantes Início 1. MatLab é interativo, você digita e já obtem respostas. Desta forma difere-se de linguagens de programação

Leia mais

7. Usar o último resultado: --> ans -->a*2+a*3 -->ans*2. 8. Ver as variáveis existentes: --> who -->who

7. Usar o último resultado: --> ans -->a*2+a*3 -->ans*2. 8. Ver as variáveis existentes: --> who -->who INTRODUÇÃO AO SCILAB 1. INFORMAÇÕES GERAIS Prof. Alexandre Ortiz Calvão. 02/10/05-18/10/05 ÍNDICE DOS ASSUNTOS 1. Informações iniciais. 2. Comandos iniciais. 2.1- Scilab como uma calculadora. 2.2- Algumas

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR. Matlab Tutorials. Principais Funções do Matlab

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR. Matlab Tutorials. Principais Funções do Matlab Matlab Tutorials Principais Funções do Matlab Funções Básicas do Matlab O Matlab consiste num programa interactivo de computação numérica e visualização de dados. Este programa é muito utilizado na área

Leia mais

Notas sobre o MySQL: Resumo dos comandos no MySQL linha de comandos:

Notas sobre o MySQL: Resumo dos comandos no MySQL linha de comandos: EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Curso EFA SEC Turma C - 2012 / 2013 Notas sobre o MySQL: 1) A indicação mysql> é o prompt do sistema. 2) Uma instrução, no prompt do MySQL, deve terminar sempre com ponto

Leia mais

Aula 2P - Comandos básicos do Matlab aplicados a PDS

Aula 2P - Comandos básicos do Matlab aplicados a PDS Aula 2P - Comandos básicos do Matlab aplicados a PDS Bibliografia HAYKIN, S. S.; VAN VEEN, B. Sinais e sistemas, Bookman, 2001. ISBN 8573077417. Páginas 71-76. INGLE, V. K.; PROAKIS, J. G. Digital signal

Leia mais

Gráficos bidimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/36

Gráficos bidimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/36 Gráficos bidimensionais Introdução ao MATLAB p.1/36 Introdução Já vimos vários gráficos em exemplos anteriores. Veremos agora, com em mais detalhes, as principais ferramentas que o MATLAB disponibiliza

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução à Programação em Visual Basic Fabricio Breve Objetivos Ser capaz de escrever programas simples em Visual Basic Ser capaz de usar os comandos de entrada e saída Familiarizar-se

Leia mais

Curso Básico de MATLAB para Sistemas de Comunicação

Curso Básico de MATLAB para Sistemas de Comunicação Curso Básico de MATLAB para Sistemas de Comunicação Simulação em Linguagem Script e em Simulink 2ª Edição Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - Paraíba Profª Rafaelle Feliciano Objetivo

Leia mais

TUTORIAL do OCTAVE. GNU-Octave versão 2.1.42. Aluna: Camili Ambrósio RA: 042426 Disciplina: MA111 Professor: Márcio Rosa Segundo semestre 2005.

TUTORIAL do OCTAVE. GNU-Octave versão 2.1.42. Aluna: Camili Ambrósio RA: 042426 Disciplina: MA111 Professor: Márcio Rosa Segundo semestre 2005. TUTORIAL do OCTAVE GNU-Octave versão 2.1.42 Aluna: Camili Ambrósio RA: 042426 Disciplina: MA111 Professor: Márcio Rosa Segundo semestre 2005. Glossário O que é o Octave? Onde Obter?...2 Introdução...3

Leia mais

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON Computadores e Programação Engª Biomédica Departamento de Física Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2003/2004 FICHA 1 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON 1.1. Objectivos

Leia mais

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição 1 2 Sumário 1 WOLFRAM ALPHA 5 1.1 Digitando Fórmulas e Expressões Matemáticas......... 6 1.1.1 Expoentes......................... 6 1.1.2 Multiplicação.......................

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 10.425, de 19/04/2002 - D.O.U. de 22/04/2002 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Apostila de Matlab Prof. Natã Goulart da Silva

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com.

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com. UAL é uma linguagem interpretada para descrição de algoritmos em Português. Tem por objetivo auxiliar o aprendizado do aluno iniciante em programação através da execução e visualização das etapas de um

Leia mais

Vetores, Matrizes e Gráficos

Vetores, Matrizes e Gráficos Programação de Computadores I UFOP DECOM 2013 2 Aula prática 3 Vetores, Matrizes e Gráficos Resumo Nesta aula você irá utilizar vetores para resolver diversos tipos de problemas. Para expressar a solução

Leia mais

Capítulo 13 Gerenciamento de arquivos e de diretórios. Introdução ao MATLAB p.32/40

Capítulo 13 Gerenciamento de arquivos e de diretórios. Introdução ao MATLAB p.32/40 Capítulo 13 Gerenciamento de arquivos e de diretórios Introdução ao MATLAB p.32/40 Armazenamento de variáveis O comando save filename lista de variáveis salva as variáveis do espaço de trabalho do MATLAB

Leia mais

Introduçã o ão MATLAB e Octave

Introduçã o ão MATLAB e Octave Introduçã o ão MATLAB e Octave O MATLAB é o software mais usado em engenharia para computação numérica. Foi desenhado como um programa interativo especialmente optimizado para calcular operações numéricas

Leia mais

Introdução ao MATLAB

Introdução ao MATLAB Introdução ao MATLAB O MATLAB é um programa cálculo numérico que pode ser usado interactivamente. A sua estrutura de dados fundamental é a matriz, que pode ter elementos reais ou complexos. Embora na sua

Leia mais

Breve Introdução à Programação em MATLAB

Breve Introdução à Programação em MATLAB Breve Introdução à Programação em MATLAB Aulas Práticas de Aprendizagem Automática Ano Lectivo 2006/2007 Susana Nascimento Joaquim F. Silva Departamento de Informática snt@di.fct.unl.pt jfs@di.fct.unl.pt

Leia mais

Mini-curso Octave/MATLAB

Mini-curso Octave/MATLAB Programa de Educação Tutorial Mini-curso Octave/MATLAB PET Engenharia de Computação 03/07/2013 1 Sumário Sobre as Ferramentas Operações Básicas e Funções importantes Gráficos Arquivos, scripts e criação

Leia mais

MATLAB Avançado. Melissa Weber Mendonça 1 2011.2. 1 Universidade Federal de Santa Catarina. M. Weber Mendonça (UFSC) MATLAB Avançado 2011.

MATLAB Avançado. Melissa Weber Mendonça 1 2011.2. 1 Universidade Federal de Santa Catarina. M. Weber Mendonça (UFSC) MATLAB Avançado 2011. MATLAB Avançado Melissa Weber Mendonça 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina 2011.2 M. Weber Mendonça (UFSC) MATLAB Avançado 2011.2 1 / 37 MATLAB Básico: Números reais >> a = 1 >> b = 2 >> a + b M.

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

Mini-curso de MATLAB e Octave para Cálculo Numérico

Mini-curso de MATLAB e Octave para Cálculo Numérico Mini-curso de MATLAB e Octave para Cálculo Numérico PET - Engenharia de Computação Universidade Federal do Espírito Santo http://www.inf.ufes.br/~pet 1 Sumário 1 Introdução 1.1 Matlab......................................

Leia mais

ÍNDICE. Curso Introdução ao MATLAB 2

ÍNDICE. Curso Introdução ao MATLAB 2 Curso Introdução ao MATLAB 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 ENTRANDO NO MATLAB...4 1.2 COMO O MATLAB TRABALHA...4 1.3 AMBIENTE DE TRABALHO DO MATLAB...5 1.4 ARQUIVOS.M...5 1.5 COMANDOS BÁSICOS...6 1.5.1 Comandos

Leia mais

Slides_Java_1 !"$ % & $ ' ' Output: Run java. Compile javac. Name of program. Must be the same as name of file. Java source code.

Slides_Java_1 !$ % & $ ' ' Output: Run java. Compile javac. Name of program. Must be the same as name of file. Java source code. Slides_Java_1!"#$!" $ % & $ Sistemas Informáticos I, 2005/2006 ( Java source code Compile javac Java bytecode Run java Output:!"#) %& Name of program. Must be the same as name of file.!"#$!"$ % & $ Where

Leia mais

1-03/11/03 INTRODUÇÃO

1-03/11/03 INTRODUÇÃO 1-03/11/03 INTRODUÇÃO JavaScript é uma linguagem que permite injetar lógica em páginas escritas em HTML (HiperText Mark-up Language). As páginas HTML podem ser escritas utilizando-se editores de texto,

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS

CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS APOSTILA DE LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO CAP Criação de Algoritmos e Programas PROFESSOR RENATO DA COSTA Não estamos aqui para sobreviver e sim para explorar a oportunidade

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Luís Caldas de Oliveira Março de 2009 O objectivo deste laboratório é o de explorar a utilização de matrizes em Matlab e de usá-las para construir

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB NOME: UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB O que é o Matlab? O Matlab é um sistema para cálculo científico que proporciona um ambiente de fácil utilização com uma notação intuitiva,

Leia mais

2. Computação algébrica usando Maxima

2. Computação algébrica usando Maxima 2. Computação algébrica usando Maxima 2.1 A interface do Maxima Existem várias interfaces diferentes para trabalhar com Maxima. Algumas delas podem estar incorporadas dentro de um editor de texto e a representação

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Guia do Usuário. Graphmática

Guia do Usuário. Graphmática Guia do Usuário Graphmática Versão 2003p Por Carlos Malaca Professor Izaias Cordeiro Néri São Paulo 2007 ÍNDICE 1.0 O Programa... 02 1.1 Barra de Botões... 03 1.2 Teclas de atalho... 04 1.3 O Menu... 04

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SCILAB

INTRODUÇÃO AO SCILAB INTRODUÇÃO AO SCILAB Introdução Estas notas, de caráter introdutório e numa versão preliminar, tratam da utilização do software Scilab na disciplina Cálculo Numérico COM400, ministrada por professores

Leia mais

Roteiro para o Primeiro Laboratório de Cálculo Numérico

Roteiro para o Primeiro Laboratório de Cálculo Numérico Roteiro para o Primeiro Laboratório de Cálculo Numérico Prof. Dr. Waldeck Schützer April 7, 2008 Nesta aula de laboratório, vamos ter o nosso primeiro contato com um programa de computador dedicado ao

Leia mais

Introdução ao Python (x,y)

Introdução ao Python (x,y) Introdução ao Python (x,y) Bruna Santos June 1, 2010 c0701003@alunos.fc.up.pt Centro de Matemática da Universidade do Porto 1 Agradecimento Gostaria de agradecer à Dr.ª Ana Paula Rocha pelas correcções

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação A Linguagem C Prof. Renato Pimentel 1 Programação Quando queremos criar ou desenvolver um software para realizar determinado tipo de processamento

Leia mais

Programação em MATLAB

Programação em MATLAB Programação em MATLAB Estruturas de Selecção (conclusão) Caso de Estudo: Cálculo de Áreas Instituto Superior Técnico, Dep. de Engenharia Mecânica - ACCAII Estruturas genéricas de selecção Determina a instrução,

Leia mais

Jaime Evaristo Sérgio Crespo. Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA)

Jaime Evaristo Sérgio Crespo. Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA) Jaime Evaristo Sérgio Crespo Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA) Segunda Edição Capítulo 2 Versão 08042010 2. Introdução à Linguagem Algorítmica 2.1 Variáveis

Leia mais

LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS

LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - FATEC-Faculdade de Ciência e Tecnologia Banco de Dados II Sistema de Informação Analise de Sistemas Prof. Msc. Mauricio Prado Catharino. Aluno: LABORATÓRIO DE BANCO DE DADOS Nesta

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Introdução ao Matlab. 1 Algumas regras e comandos do Matlab. 3 de março de 2015. Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque

Introdução ao Matlab. 1 Algumas regras e comandos do Matlab. 3 de março de 2015. Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque Introdução ao Matlab 3 de março de 2015 Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque Monitores : Rodrigo F. O. Pena e Renan Shimoura MATLAB (MATrix LABoratory) é um programa de alta performance e de

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA)

Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA) 1 Tutorial do Interpretador de Linguagem Algorítmica (ILA) Preparado por Elvio Leonardo, a partir do tutorial fornecido com o software ILA e do material produzido pelo Prof Marcelo Azambuja I INTRODUÇÃO

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

Matlab para leigos e desinteressados: uma introdução simples com exemplos banais

Matlab para leigos e desinteressados: uma introdução simples com exemplos banais Matlab para leigos e desinteressados: uma introdução simples com exemplos banais Rodrigo S. Portugal portugal@ige.unicamp.br Departmento de Geologia e Recursos Naturais Instituto de Geociências UNICAMP

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Ambiente de programação Visual Lisp O software Visual Lisp é um ambiente de programação para a linguagem

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MATLAB. AUTORES: Alan Tavares Miranda Márcio Portes de Albuquerque Marcelo Portes de Albuquerque

INTRODUÇÃO AO MATLAB. AUTORES: Alan Tavares Miranda Márcio Portes de Albuquerque Marcelo Portes de Albuquerque INTRODUÇÃO AO MATLAB AUTORES: Alan Tavares Miranda Márcio Portes de Albuquerque Marcelo Portes de Albuquerque SUMÁRIO 1. Introdução... 4 2. Interface... 4 3. Operações mais freqüentes... 6 4. Gráficos

Leia mais

Lívia Braga Sydrião de Alencar. Bergson da Silva Matias. PET Civil

Lívia Braga Sydrião de Alencar. Bergson da Silva Matias. PET Civil MAPLE 13 Lívia Braga Sydrião de Alencar Bergson da Silva Matias PET Civil Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Histórico... 3 1.2. Interface... 3 1.3. Comandos Básicos... 7 1.3.1. Operações básicas... 7 1.4.

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Introdução ao MATLAB

Introdução ao MATLAB Introdução ao MATLAB Outubro de 2013 Frederico Ferreira Campos, filho DCC.UFMG Sumário 1 Ambiente de programação 1 1.1 Janela de comando................................ 1 1.1.1 Mudança do diretório corrente......................

Leia mais

Análise de Sistemas Não Lineares por Plano de Fase Recorrendo ao MATLAB

Análise de Sistemas Não Lineares por Plano de Fase Recorrendo ao MATLAB MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores MCSDI Guião do trabalho laboratorial nº Análise de Sistemas Não Lineares por Plano de Fase Recorrendo ao MATLAB Análise de Sistemas Não Lineares

Leia mais

Programação em MATLAB

Programação em MATLAB Programação em MATLAB UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Matemática Conteúdo 1 Introdução 2 2 Scripts 3 3 Funções 5 4 Programação 7 5 Escrita e leitura de arquivos 11 6 Gráficos especiais 13

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

TUTO TUT RIAL O DE MATLAB MA FLÁVIA BASTOS 04/05/2010

TUTO TUT RIAL O DE MATLAB MA FLÁVIA BASTOS 04/05/2010 TUTORIAL DE MATLAB FLÁVIA BASTOS 04/05/2010 MATLAB INTRODUÇÃO Linguagem em alta performance para computação técnica. Integra computação, visualização e programação em um ambiente simples de utilizar onde

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Estatística. Introdução à Aplicação R

Estatística. Introdução à Aplicação R Estatística Introdução à Aplicação R 2008/2009 O que é o R? É um conjunto integrado de ferramentas computacionais que permitem a manipulação e análise de dados, o cálculo numérico e a produção de gráficos.

Leia mais

Flash MX ActionScript

Flash MX ActionScript Flash Programação MX ActionScript Multimédia Flash MX ActionScript Pedro Costa / 2004 Introdução Neste momento, o ActionScript é provavelmente a ferramenta mais poderosa integrada no Flash. Esta linguagem

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

4.6. Nós do Diagrama de Bloco

4.6. Nós do Diagrama de Bloco 30 Obs: A constante tem o mesmo valor contido no controle ou indicador do painel frontal. 4.6. Nós do Diagrama de Bloco Nós são objetos do diagrama de bloco que têm entrada e/ou saídas e executam operações

Leia mais

Introdução à calculadora HP50g

Introdução à calculadora HP50g Introdução à calculadora HP50g Professor Paulo R. A. Nacaratti Mestre em Engenharia de Sistemas e Computação (UFRJ) Especialista em Estatística (UFLA) Bacharel em Matemática (UFF) Belo Horizonte Sumário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ APOSTILA DESTINADA AO CURSO DE EXTENSÃO FUNDAMENTOS DE MATLAB Autores: Francisco Galvão Junior Marcel Fernando da Costa Parentoni Itajubá, Maio de 2007 Índice 1 O Matlab...3

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa 20º Curso Profissional de Assistente Dentário TIC Prof. Teresa Pereira

Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa 20º Curso Profissional de Assistente Dentário TIC Prof. Teresa Pereira Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa 20º Curso Profissional de Assistente Dentário TIC Prof. Teresa Pereira Ficha de revisão Fórmulas Excel ano lectivo 2006/2007 Introdução As Fórmulas

Leia mais

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: arquivo de saída, biblioteca, funções matemáticas intrínsecas Criar e usar arquivos para mostrar resultados da

Leia mais

Aula prática de Cálculo I Gnuplot: Parte I

Aula prática de Cálculo I Gnuplot: Parte I Aula prática de Cálculo I Gnuplot: Parte I Ulysses Sodré e Sônia Ferreira Lopes Toffoli Londrina-PR, 27 de Junho de 2007, arquivo: sacgnu01.tex 1 Uma sessão do Gnuplot O Gnuplot é um programa para plotar

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Minicurso de MATLAB. Programa de Educação Tutorial de Engenharia Elétrica 28/03/15. lmax Rodrigues. lcaroline Pereira.

Minicurso de MATLAB. Programa de Educação Tutorial de Engenharia Elétrica 28/03/15. lmax Rodrigues. lcaroline Pereira. Minicurso de MATLAB Programa de Educação Tutorial de Engenharia Elétrica lmax Rodrigues lcaroline Pereira lnayara Medeiros 28/03/15 Gráficos no Matlab O Matlab possui várias rotinas para plotagens gráficas

Leia mais