AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL"

Transcrição

1 AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL Numa altura em que tanto se fala de Estado social, de desenvolvimento económico, de solidariedade, de coesão social, de crise, estas jornadas sobre Economia Social podem ser e acredito que o serão, um forte contributo para uma melhor compreensão da situação que vivemos e ainda um apontar de soluções para a ultrapassar. Portugal demorou muito tempo a perceber e a reconhecer o contributo que a Economia Social dá para o desenvolvimento local, para a criação de emprego, para a coesão e integração social, para o bem-estar social e individual dos cidadãos. Reconhecer a importância deste sector, é motivador e encorajador para os promotores de iniciativas no campo da Economia Social. No Sector de Economia Social, constituído por entidades que sobrepõem o objecto social ao lucro, consideraria três sub-sectores, com especificidades e caracteristicas próprias e distintas. O sector Solidário, o sector Mutualista e o sector Cooperativo. Sem distinção de importância ou relevância comparada, enquanto representante da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade CNIS, procurarei centrar-me no sector solidário onde as Instituições Particulares de Solidariedade Social se incluem e desenvolvem a sua actividade. 1

2 Através das suas instituições presentes em todo o território nacional, desde os meios mais urbanos aos mais rurais e isolados, o Sector Solidário desempenha um papel insubstituível para o equilíbrio socioeconómico e para o bem estar das populações. São as instituições do Sector Solidário que assumem uma responsabilidade relevante na formação e educação da maioria das crianças em cada comunidade, no cuidar das pessoas mais frágeis, dos mais idosos, dos sem abrigo ou dos incapacitados. Mas o Sector Solidário não se resume apenas ao apoio ou assistência aos problemas sociais, assume-se também no combate às causas que determinam essas situações. Dentro do Sector Solidário assumem especial relevância, não só pela quantidade mas também pela qualidade dos serviços que prestam, as Instituições Particulares de Solidariedade Social. O DL nº 119/83, define Instituições Particulres de Solidariedade Social, as constituidas sem finalidade lucrativa, por iniciativa de particulares, com o propósito de dar expressão organizada ao dever moral de solidariedade e de justiça entre individuos e desde que não sejam administradas pelo Estado ou por um corpo autárquico, atribuindo-lhe objectivos de interesse no campo social, de apoio aos cidadãos, às familias e à comunidade. As Instituições Particulares de Solidariedade Social não integram a administração indirecta do Estado ou das autarquias. 2

3 São instituições independentes e autónomas sem subordinação ao Estado. Em Portugal e tendo por base um estudo da Cooperativa António Sérgio, existirão em funcionamento nesta altura instituições deste grupo, integrando aqui as 347 Misericórdias do país. A distribuição destas instituições não é uniforme no país mas cobre todo o território. O distrito de Lisboa é o que regista maior numero de instituições, 944, seguindo-se o Porto com 560 e Braga com 445. Os de menor numero de instituições situam-se no interior do país, Beja com 104 e Portalegre com 112. Estas instituições desenvolvem a nivel do país, cerca de respostas nas diversas valências sociais. Como já referi, é importante para estas instituições, que o Estado e as comunidades reconheçam a sua acção na promoção dos interesses das comunidades locais e dos seus cidadãos. Mas este reconhecimento só, não chega. Tem de ser acompanhado por politicas de apoio e incentivo às iniciativas que por todo o lado vão surgindo, sustentadas em grande parte no esforço das Instituições de Solidariedade nas mais diversas formas. E quando falamos de apoio, não tem que ser necessariamente ou apenas, apoio financeiro. 3

4 O apoio pode ser traduzido na alteração de politicas e procedimentos com que diariamente se confrontam e que por exigências desproporcionadas, desajustadas e por vezes ilegítimas dos agentes do Estado que mais preocupados em mostrar serviço do que em prestar serviço, mais preocupados em fiscalizar para multar do que em acompanhar para melhorar, perturbam o seu normal funcionamento, retraindo a sua actividade e desta forma impedindo que mais cidadãos possam ter acesso a melhor qualidade de vida e mais bem-estar social. O apoio pode traduzir-se na garantia da autonomia que a lei lhes confere e que o Estado ou pelo menos algum Estado teima em não querer permitir. O apoio pode assumir-se no reconhecimento de parceiros que as instituições exigem ser, com participação na definição das politicas sociais mais adequadas através das suas representações nacionais e não apenas como meras prestadoras de serviços nos variados campos de actividade, apenas e só quando interessa ou dá jeito ao Estado. O apoio pode passar pela alteração de exigências desajustadas de quadros de pessoal pesados ou de espaços mal aproveitados. O apoio pode ser considerado pela reavaliação das normas de funcionamento dos equipamentos sociais, permitindo uma melhor rentabilização dos espaços. Assim, o Estado estará de facto a contribuir para o fortalecimento da Economia Social, para a criação de mais riqueza, para a diminuição da pobreza em Portugal. 4

5 É cada vez mais notório que em alturas de crise como a actual, são as instituições particulares de solidariedade social instaladas no terreno que garantem o apoio aos cidadãos em situação de pobreza ou exclusão social e contribuem de forma decisiva para garantir qualidade de vida a muitos cidadãos e evitar a degradação económica das comunidades onde se inserem. Em Portugal, só no âmbito das actividades promovidas pelas Instituições Particulares de Solidariedade Social, podemos falar de cerca de 200 mil postos de trabalho directos. Se considerarmos uma remuneração média mensal de 600 euros e estaremos a projectar por defeito, estamos a falar de 120 milhões de euros que estas instituições transferem mensalmente para as familias portuguesas. Para além deste financiamento, as instituições particulares de solidariedade social, constituem-se ainda como âncoras para o desenvolvimento local, garantindo um processo comercial seguro e constante de aquisição de bens e serviços nos mercados locais, contribuindo também assim e dessa forma para a criação de postos de trabalho e dinamização da economia nas suas áreas de influência. Mas e apesar do esforço que diariamente estas instituições desenvolvem junto das comunidades locais, não é possível responder a todas as necessidades e solicitações. A exclusão social e a pobreza são hoje transversais à sociedade portuguesa e as situações com que hoje nos confrontamos são cada vez mais distintas daquelas a que estávamos habituados a resolver. 5

6 A exclusão não é apenas devida a factores económicos. A solidão, a insegurança, as disfunções familiares, a violência doméstica, a marginalidade juvenil, a imigração, o desemprego, o endividamento das familias, são algumas das situações que mais empobrecem, mais excluem e mais condicionam a vida dos cidadãos. E é neste cenário e para contrariar estas situações que as instituições particulares de solidariedade social desenvolvem a sua actividade. Nos dois milhões de pobres reconhecidos em Portugal e que constituem 20% da população, encontramos fenómenos de pobreza hereditária, de pobreza assumida, de pobreza envergonhada, de exclusão social causadas pelas mais diferentes razões. Nos ultimos tempos temos assistido a fenómenos de empobrecimento atipicos, fora da normalidade, rápidos e que apanham os cidadãos desprevenidos e incapazes de reagir de imediato a essa situação, constituindo uma preocupação acrescida para estas instituições, por se tratar de uma pobreza silenciosa, sem sinais exteriores visiveis, mas com consequências graves no bem estar e equilibrio emocional das familias. Há cada vez mais e mais complexos problemas e situações de exclusão social. Atingimos já os 12% de desempregados, percentagem que sobe para os 28% se considerarmos apenas o grupo etário dos jovens. As famílias estão a perder o poder de compra. 6

7 Indicadores actuais falam-nos em taxas de poupança das famílias na ordem dos 7% e noticias recentes apontam para milhões de euros o crédito mal parado das famílias. Todos os dias ouvimos referir o aumento da venda de ouro usado, de jóias de família, por parte dos cidadãos, para pagamento de dívidas ou simplesmente fundo de maneio para sustento diário. É a aplicação extrema da sabedoria popular, vão-se os anéis, fiquem os dedos. E quem não tem anéis? A par disso, a população portuguesa está a envelhecer. Os nossos idosos estão cada vez mais vulneráveis, mais isolados, mais dependentes, com autonomia mais reduzida. A tendência é para agravar. Dentro de 50 anos, prevêem-se 3 idosos por cada jovem com menos de 15 anos. Dos actuais 4% de população com mais de 80 anos, poderemos passar nessa altura para 16%. A esperança de vida foi um ganho da medicina, mas a essa mais vida é necessário garantir melhor vida, caso contrário estaremos a contribuir para criar mais sofrimento, mais dependência, mais exclusão, perda de qualidade de vida. É neste ambiente de insegurança, com indices de confiança das populações, muito baixos, com o pessimismo instalado nas populações, que as instituições particulares de solidariedade social desenvolvem a sua actividade. 7

8 Daí que também as próprias instituições que têm que responder à crise instalada, comecem a entrar elas próprias em crise. A sustentabilidade das instituições começa a ser, se não a principal preocupação dos dirigentes, uma das grandes preocupações. As pressões económicas, a pressão demográfica que já referi, a diminuição das comparticipações quer do Estado quer das familias, a dificuldade de apoio através do mecenato, a vontade e a necessidade de atender e responder a todas as situações que são cada vez mais e mais preocupantes, levam a que muitas instituições comecem a perder capacidade financeira e correspondente capacidade de resposta social. As quotizações dos associados são de valor diminuto, os legados e doacções que em tempos eram um factor importante de apoio ás causas sociais, hoje são insignificantes. Aumentam as necessidades de apoio, aumentam os custos com a prestação dos serviços, mas diminuem as receitas. As comparticipações do Estado situam-se nos 35% do custo dos serviços, o restante terá de ser suportado por receitas próprias das instituições ou comparticipações dos utentes ou famílias, o que conforme vimos referindo, não se percebe fácil. Mas não será este ambiente de dificuldade e incerteza que trava a acção das nossas instituições. 8

9 Pode condicioná-la mas também nos dá força, motivação, determinação e acima de tudo mais oportunidades de sermos uteis. Percebemos que as respostas sociais típicas, já não são solução para todas as situações de exclusão social ou pobreza a que temos de responder e muito menos para gerar receitas que garantam sustentabilidade. Daí que a inovação social enquanto forma de satisfazer as necessidades que as respostas típicas já não satisfazem, seja um caminho a percorrer e que se possa traduzir por mais eficácia e consequentemente mais ganhos no combate às desigualdades e à exclusão. Mas inovação social não pode ser apenas novas e mais criativas acções de apoio ou algo que apenas seja diferente do normal. A inovação social tem que gerar mudança social, tem que contribuir para alterar as condições de vida e acima de tudo os comportamentos dos cidadãos cultura, educação, formação, saude, desporto e tempos livres,economia e desenvolvimento, são áreas onde as politicas e medidas inovadoras podem e devem ser assumidas. Inovação, Qualidade e Empreendedorismo, são pilares fundamentais para a criação de novas politicas sociais, que garantam um verdadeiro Estado Social e não apenas um Estado com algumas politicas sociais. Mas também o Estado tem que dar o exemplo e também ele ser criativo, inovador e reformista. 9

10 Face à diversidade, complexidade e interdependência do mundo global em que vivemos, respostas centralizadas e unitárias, mesmo tomadas por poderes legítimos, tendem a tratar como igual o que é diferente. É um erro adoptar procedimentos uniformes para realidades diferentes. Não é possível responder com procedimentos uniformes ou idênticos, a problemas ou questões diversificadas, globais e interdependentes, num único patamar da organização social e administrativa. É por isso necessário que às politicas sociais se aplique o principio da subsidiariedade. O Princípio da Subsidiariedade fundamenta a ideia de proximidade que, no nosso tempo, deverá ser um elemento essencial das políticas sociais. As soluções serão tão mais eficazes quanto mais próximo dos seus destinatários forem encontradas. A proximidade reforça, legitima e incentiva a participação das pessoas e organizações na busca das melhores soluções para os problemas locais, porque se baseia em laços de confiança e de cooperação interpessoais onde a identidade, tenha ela a forma que tiver cultural, geracional, social, geográfica, laboral ou outra é importante. É necessário definir politicas que fomentem a Responsabilidade Social das Empresas, que contribuam para a satisfação dos seus agentes e consequente aumento de produtividade, que dinamizem a inclusão social permitindo a integração positiva dos cidadãos e que os mobilizem no sentido da garantia de igualdade de oportunidades para todos. 10

11 Uma outra mudança de paradigma é a Rede Social que condiciona de forma relevante o papel das instituições de solidariedade. A Rede Social não pode ser apenas uma comissão burocrática constituída para legitimar alguns poderes, onde os interesses de grupo se sobrepõem aos valores que justificaram a sua criação. A Rede Social deve ser ponto de encontro de soluções para os problemas locais, de cooperação, de troca de experiências, de promoção de respostas inovadoras e criativas, de criação de riqueza, de bem-estar e qualidade de vida, de dinamização social e económica das comunidades. A Rede Social tem que constituir-se como uma estrutura de orientação para a definição de politicas sociais de proximidade e não como mero agente legitimador dos interesses do Estado central ou local. Face à conjuntura que se vive e no sentido de ultrapassar alguns constrangimentos financeiros e responder com mais eficácia ás necessidades das populações, as Instituições Particulares de Solidariedade Social, têm procurado também elas ser inovadoras e responder com medidas inovadoras, ás novas necessidades no combate á pobreza e exclusão social. Na área social, Centros de Apoio Familiar, de Aconselhamento Parental, Equipas de Rua para apoio a crianças e jovens, Centros de Acompanhamento e animação, Unidades de Vida Protegida, Unidades de Vida Autónoma, Refeitórios Sociais e outras, são algumas das acções desenvolvidas por estas instituições, com ou sem acordos com o Estado, com vista a responder às novas necessidades dos cidadãos. 11

12 Novos conceitos de Apoio Domiciliário com prestação de serviços extraordionários tendo em vista garantir um tipo de vida muito próximo do que vinha sendo desenvolvido na vida activa e criando condições para que as pessoas não tenha de ser deslocadas das suas casas. Na área Organizativa, as Instituições de Solidariedade procuram qualificar os seus agentes, contratando técnicos em diversas áreas, conferindo mais e melhores competências, garantindo ganhos de eficiência na administração dos seus recursos. Na área da sustentabilidade, são muitas as iniciativas e boas-práticas que vão surgindo, desde os combustíveis á restauração, das energias alternativas à promoção de eventos, da produção agrícola ao turismo, tendo em vista o aumento das receitas, para dessa forma melhorar a capacidade financeira das instituições Empresas de inserção, respostas sociais integradas, horários diversificados, mais voluntariado organizado, são algumas das áreas em que é possivel gerar mais receitas, diminuir custos, criar mais riqueza e adquirir maior capacidade de intervenção na promoção dos interesses sociais e económicos das comunidades. Na integração social, centros de alfabetização, clubes de desporto ou culturais, promoção de artes, são diversas as iniciativas que visam contribuir para a igualdade de oportunidades e integração efectiva e consistente daqueles que a sociedade excluiu. As instituições particulares de solidariedade social, enquanto estruturas da sociedade civil, estão disponiveis para partilhar responsabilidades com o Estado, complementando-o, mas não o dispensando da sua responsabilidade social. 12

13 Portugal precisa de um contrato social com maior equilibrio entre Estado e sociedade civil, onde o Estado seja menos Estado e a sociedade civil mais dinâmica e mais interventiva. Portugal precisa de readquirir a confiança em si próprio, nos seus agentes, nas suas capacidades. O sector solidário é de extrema importância para a criação de bem estar social e desenvolvimento económico e Portugal tem um Sector solidário forte, dinâmico, qualificado e acima de tudo eficaz. As instituições particulares de solidariedade social, têm atrás de si histórias e percursos de muito esforço, muito sacrificio, alguma desilusão momentânea, mas também de muita fé, de muita alegria e de muito sucesso na criação de riqueza nas comunidades e bem-estar nos cidadãos. Acreditamos que podemos dar um forte contributo para que muitas pessoas voltem a ser felizes, voltem a sorrir, voltem a ter qualidade de vida, voltem a ter a dignidade que perderam ou nunca tiveram, mas a que têm direito. As instituições particulares de solidariedade social, estão a contribuir para isso. Confiança, determinação, atitude, nobreza de valores, são palavras-chave para o nosso sucesso. Eleutério Alves, Setembro

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Intervenção As organizações não governamentais Lino Maia

Intervenção As organizações não governamentais Lino Maia Intervenção As organizações não governamentais Lino Maia Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril de 2007 1 1. AS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE No exercício da cidadania ou

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas

Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas Pedro Costa Instituto Universitário de Lisboa ISCTE-IUL (Dep. Economia

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

i9social Social Innovation Management Sobre

i9social Social Innovation Management Sobre i9social Social Innovation Management A inovação social é uma solução inovadora para um problema social, que é mais eficaz, eficiente e sustentável do que as soluções existentes, e a qual incrementa a

Leia mais

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO 1 1. FUNDAMENTOS DE UMA PROPOSTA O Sector Solidário, neste caso a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), assume que o sistema educativo 1 é um dos

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa. Guilherme Vilaverde

Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa. Guilherme Vilaverde Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa Guilherme Vilaverde Brasília 26 de Agosto de 2009 Objectivos da Apresentação Caracterizar o Sector Cooperativo de Habitação em

Leia mais

6. Participação da comunidade

6. Participação da comunidade O ambiente é actualmente um elemento estruturante do desenvolvimento da sociedade e do território, não sendo possível conceber políticas ou planos sem uma forte componente de ambiente e qualidade ambiental.

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO

MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO República de Angola MINISTÉRIO DA HOTELARIA E TURISMO DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, DR. PAULINO BAPTISTA, SECRETÁRIO DE ESTADO PARA A HOTELARIA DA REPÚBLICA DE ANGOLA, DURANTE A VIII REUNIÃO DE MINISTROS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização

Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização ACAPO - Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal / Delegação do Porto Morada: Rua do Bonfim, 215 4300-069

Leia mais

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro CADERNO APFN 5 Apostar na Família Construir o Futuro Fevereiro 2002-1 - DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA APFN Acreditamos que: 1. A vida humana deve ser respeitada, reconhecida e protegida desde o momento da

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário A Contribuição Autárquica como fonte de financiamento dos municípios e a questão das isenções Paulo

Leia mais

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA MINISTRY FOR FOREIGN AFFAIRS, SWEDEN UTRIKESDEPARTEMENTET Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com Moçambique 2015-2020 MFA 103 39 Stockholm Telephone: +46 8 405 10 00, Web site:

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? Pedro Saraiva - TAGUS - Ribatejo Interior

Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? Pedro Saraiva - TAGUS - Ribatejo Interior Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? O que é inovação social? Podemos referir que é o desenvolvimento e implementação de novas ideias (produtos, serviços

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR

2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR 2º CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM: ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM ENFERMAGEM DOCUMENTO ORIENTADOR Lisboa 2010 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. NATUREZA E JUSTIFICAÇÃO DO CURSO 3. COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

TAKE. IT.E5G. Relatório Semestral. (Global 1/1/2013 a 30/06/2014)

TAKE. IT.E5G. Relatório Semestral. (Global 1/1/2013 a 30/06/2014) TAKE. IT.E5G Relatório Semestral (Global 1/1/2013 a 30/06/2014) TAKE.IT.E5G Talentos e Artes com Kreatividade e Empreendedorismo pretende constituir-se como resposta inovadora para os jovens residentes

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL 1 Na concretização destas políticas dar-se-á seguimento à execução do actual Plano para a Integração dos Imigrantes onde o Governo contará com os contributos da sociedade

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011

PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 PLANO DE FORMAÇÃO SETEMBRO A DEZEMBRO 2011 INDICE: Quem somos? Oferta formativa Curso Acções Formativas CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ESTES MIÚDOS SÃO IMPOSSÍVEIS!!! - GESTÃO DE COMPORTAMENTOS

Leia mais

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus.

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus. Museus Novos produtos para novos públicos António Ponte Paço dos Duques de Bragança PORTO, 2011-11-07 Ao iniciar esta apresentação quero agradecer o convite que nos foi endereçado para apresentar a situação

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Museus como plataformas para a inovação social:

Museus como plataformas para a inovação social: Museus como plataformas para a inovação social: Projecto-piloto educativo em espaços culturais Um projecto-piloto para jovens em situação de vulnerabilidade e exclusão social a desenvolver em colaboração

Leia mais

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO Começo por saudar os presentes e agradecer a disponibilidade demonstrada pelos distintos oradores que

Leia mais

DEBATE DO PLANO E ORÇAMENTO 2014 INTERVENÇÃO DE TRIBUNA DO DEPUTADO RICARDO RAMALHO POLÍTICAS DE JUVENTUDE - PARTICIPAÇÃO E EMANCIPAÇÃO JOVEM

DEBATE DO PLANO E ORÇAMENTO 2014 INTERVENÇÃO DE TRIBUNA DO DEPUTADO RICARDO RAMALHO POLÍTICAS DE JUVENTUDE - PARTICIPAÇÃO E EMANCIPAÇÃO JOVEM DEBATE DO PLANO E ORÇAMENTO 2014 INTERVENÇÃO DE TRIBUNA DO DEPUTADO RICARDO RAMALHO POLÍTICAS DE JUVENTUDE - PARTICIPAÇÃO E EMANCIPAÇÃO JOVEM Senhora Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal Anexos. Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal e dos Portugueses ordem dos arquitectos. manifesto para as eleições legislativas 2011. maio 2011 Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Leia mais

Entre o Passado e o Futuro. o papel da inovação social. inovação. 16 / Dezembro / 09. Fundação Cupertino de Miranda

Entre o Passado e o Futuro. o papel da inovação social. inovação. 16 / Dezembro / 09. Fundação Cupertino de Miranda Entre o Passado e o Futuro o papel da inovação social Congresso inovação sobre Porto//social 16 / Dezembro / 09 Fundação Cupertino de Miranda Gabinete de projectos T 228 317 497 F 228 300 396 geral@udipss-porto.org

Leia mais

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 02 de outubro de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Nova Lógica

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÁTICAS EDUCATIVAS E APRENDIZAGENS FORMAIS E INFORMAIS: ENCONTROS ENTRE CIDADE, ESCOLA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Bravo Nico Universidade de Évora 1. INTRODUÇÃO Aprendemos em qualquer circunstância. Aprendemos

Leia mais

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe Instituição Particular de Solidariedade Social Serviços e Equipamentos para Idosos Centro de Convívio Centro de Dia Apoio Domiciliário Centro de Convívio Resposta

Leia mais

Av. da Cooperação. Ed. Inditrans, Lote A1, n.º2. 5400-673 Outeiro Seco. Tel. 276340920 Fax. 276340929. E-mail: geral@adrat.pt Site: www.adrat.

Av. da Cooperação. Ed. Inditrans, Lote A1, n.º2. 5400-673 Outeiro Seco. Tel. 276340920 Fax. 276340929. E-mail: geral@adrat.pt Site: www.adrat. Av. da Cooperação. Ed. Inditrans, Lote A1, n.º2. 5400-673 Outeiro Seco. Tel. 276340920 Fax. 276340929. E-mail: geral@adrat.pt Site: www.adrat.pt A é uma associação de desenvolvimento que trabalha no meio

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente.

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Programa do Governo SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Como qualquer reforma sustentada, tem de se basear no justo equilíbrio entre criação

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O Decreto - Lei 67/2011 de 2 de Junho cria com a natureza de entidade pública empresarial, a Unidade Local de Saúde

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

SEMINÁRIO RUCI - MARKETING E BRANDING REGIONAL

SEMINÁRIO RUCI - MARKETING E BRANDING REGIONAL A ADAE E AS DINAMICAS DE DESENVOLVIMENTO LOCAL - IDENTIDADE, TURISMO, ANIMAÇÃO, ECONOMIA, SOCIAL, CULTURAL, FORMAÇÃO.. SEMINÁRIO RUCI - MARKETING E BRANDING REGIONAL Antonio Lucas Presidente da ADAE ADAE

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

A importância da Economia Solidária para a Sustentabilidade. Margarida Amaro ANIMAR 2 Junho, 2012

A importância da Economia Solidária para a Sustentabilidade. Margarida Amaro ANIMAR 2 Junho, 2012 A importância da Economia Solidária para a Sustentabilidade Margarida Amaro ANIMAR 2 Junho, 2012 Conhecer... Conceitos Economia Solidária Economia Plural Sustentabilidade Coesão (Social) Partilha Cooperação

Leia mais

Cidades Solidárias que Futuro?

Cidades Solidárias que Futuro? Cidades Solidárias que Futuro? Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Departamento de Empreendedorismo e Economia Social Lisboa, 26 de Novembro de 2010 Dr. António Santos Luiz Vice-Provedor da Santa Casa

Leia mais

AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo

AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo AVALIAÇÃO TEMÁTICA SOBRE A COOPERAÇÃO PORTUGUESA NA ÁREA DA ESTATÍSTICA (1998-2008) Sumário Executivo Dezembro de 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO A presente avaliação tem por objecto a Cooperação Portuguesa com

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social. Sónia Paixão. 8 de Maio 2012

Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social. Sónia Paixão. 8 de Maio 2012 Boas Práticas Autárquicas de Responsabilidade Social Sónia Paixão 8 de Maio 2012 Loures Mais Social: Diferentes Desafios, Novas Abordagens Responsabilidade Social É a integração voluntária de preocupações

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO

COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO 48º Congresso UIA 1 / 5 Setembro 2004 COMISSÃO DE DIREITO DO TRABALHO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS EM PORTUGAL 3 Setembro 2004 Pedro Botelho Gomes (JPAB - José Pedro Aguiar-Branco & Associados)

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro O PRODESCOOP - Programa de Desenvolvimento Cooperativo, criado pela Portaria n.º 52-A/99, de 22 de Janeiro, partindo do reconhecimento da especificidade do sector

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE20111- Um orçamento que vai destruir ainda mais a economia e agravar as desigualdades e as dificuldades

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 ADRA PORTUGAL Plano de Atividades 2014 Rua Ilha Terceira, 3 3º 100-171 LISBOA Telefone: 213580535 Fax: 213580536 E-Mail: info@adra.org.pt Internet: www.adra.org.pt Introdução A ADRA (Associação Adventista

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Exposição de motivos A importância das Bibliotecas Públicas As Bibliotecas Públicas são um serviço público essencial

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas).

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas). SI INOVAÇÃO [Projectos PROVERE] Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 15/SI/2011 Aberto concurso para a implementação dos PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos que pretendem

Leia mais

Província de Cabinda

Província de Cabinda Província de Cabinda Conselho de Ministros Decreto-Lei n.º 1/07 De 2 de Janeiro Considerando a necessidade da aprovação do Estatuto Especial para a Província de Cabinda estabelecido nos termos do Memorando

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais