TEORIA DOS LEILÕES:ABORDAGEM COMPARATIVA COM ÊNFASE NOS LEILÕES DE TÍTULOS DO TESOURO NO BRASIL E EM OUTROS PAÍSES MARISA SOCORRO DIAS DURÃES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DOS LEILÕES:ABORDAGEM COMPARATIVA COM ÊNFASE NOS LEILÕES DE TÍTULOS DO TESOURO NO BRASIL E EM OUTROS PAÍSES MARISA SOCORRO DIAS DURÃES"

Transcrição

1 TEORIA DOS LEILÕES:ABORDAGEM COMPARATIVA COM ÊNFASE NOS LEILÕES DE TÍTULOS DO TESOURO NO BRASIL E EM OUTROS PAÍSES MARISA SOCORRO DIAS DURÃES BRASÍLIA, OUTUBRO,1997

2 ÍNDICE Pg. 1. Introdução Técnicas convencionais (ou alternativas) de leilões para formação de preços e alocação de instrumentos financeiros Leilões competitivos Leilão Inglês ou de preço ascendente...3 (Leilão aberto/preço uniforme) (Leilão Alemão ou de preço descendente...3 (Leilão aberto/preços múltiplos) Leilão discriminatório ou leilão de primeiro preço...4 (Leilão de lance selado/preços múltiplos) Leilão de segundo preço...4 (Leilão de lance selado/preço uniforme) 2.2 Leilões não competitivos Maximização de receita X Eficiência econômica: Tópicos relevantes abordados na Teoria dos Leilões Equivalência da receita Eficiência Alocativa dos leilões Estrutura de informações Número de licitantes Custo de intermediação financeira....13

3 4. Anomalias ao Paradigma da Teoria dos Leilões A praga do vencedor Coalizão/Cornering/Short Squeezes Aplicação da Teoria aos leilões de títulos do Tesouro O processo de Leilões de títulos do Tesouro no Brasi..l Operacionalização dos leilões Títulos emitidos pelo Tesouro Nacional Participação dos licitantes Participação do Banco Central Dealers Principais títulos utilizados para financiamento da dívida pública e formas de leilões utilizadas em alguns países Austrália Bélgica Canadá Dinamarca França Alemanha Itália Japão Holanda Nova Zelândia Suíça Reino Unido Espanha Suécia México Estados Unidos...35

4 8. Considerações finais Referências Bibliográficas Introdução

5 2 O objetivo deste trabalho é apresentar uma abordagem das diferentes técnicas de leilões utilizadas para a alocação de bens à luz da Teoria dos Leilões, com particular ênfase em leilões de títulos do Tesouro no Brasil e em outros países. Muito embora os leilões representem uma importante técnica para alocação de bens eles não têm suscitado o devido interesse por parte dos pesquisadores no Brasil. Observa-se que o assunto tem sido marginalmente abordado, ainda assim, apenas no contexto de leilões de privatização. Tendo em vista que em diversos países, notadamente nos Estados Unidos, os leilões têm representado uma fonte profícua de análise e têm sido exaustivamente abordados em numerosos trabalhos, acreditamos que a investigação teórico-empírica, no Brasil, tem muito a contribuir para o aperfeiçoamento dos mecanimos utilizados para a venda de títulos públicos. Apresenta-se, inicialmente, uma resenha teórica sobre as principais técnicas de leilões utilizadas para alocação de diversos bens. Adicionalmente aborda-se um aspecto de fundamental importância na Teoria dos Leilões, qual seja, o potencial de receita dos diversos formatos de leilões. A questão da eficiência econômica, não menos importante, também tem merecido destaque na Teoria. Na seção IV são focalizadas as anomalias ao paradigma dos leilões, concluindo-se a abordagem teórica com a análise das implicações da Teoria para os leilões de títulos do Tesouro. Na seção VI é descrita a experiência de leilões de títulos do Tesouro no Brasil e a seção VII finaliza o trabalho apresentando um breve resumo das experiências dos leilões de títulos do Tesouro de diversos países. 2. Técnicas convencionais (ou alternativas) de leilões para formação de preço e alocação de instrumentos financeiros

6 3 2.1 Leilões competitivos As regras institucionais dos principais tipos de leilões são de fundamental importância, uma vez que influenciam a formulação e estratégia das propostas dos licitantes, bem como determinam a eficiência da alocação dos bens leiloados. Desta forma, a Teoria dos Leilões estabelece quatro tipos básicos de leilões competitivos utilizados para a venda de bens: leilão inglês ou de preço ascendente, leilão alemão ou de preço descendente, leilão discriminatório ou leilão de primeiro preço e leilão de segundo preço. As formas de leilões mencionadas acima podem ser classificadas, segundo suas características, em (i) leilões abertos e leilões de lance selado; (ii) leilões de preço uniforme e leilões de preços múltiplos; e (iii) leilões de valor privado e leilões de valor comum. Nos leilões abertos os lances são propostos publicamente, enquanto nos leilões de lance selado as propostas são submetidas ao leiloeiro através de envelope fechado. A segunda distinção entre os leilões refere-se ao preço pago pelos licitantes ao item leiloado, ou seja, se os licitantes ganhadores pagam o mesmo preço - o preço mínimo que aloca todos os bens vendidos (ou a mais alta rentabilidade aceita) - o leilão é denominado leilão de preço uniforme. Por outro lado, se os licitantes pagam seu lance individual, deparamo-nos com os leilões de preços múltiplos. Por último, os leilões são classificados segundo as avaliações feitas pelos licitantes do(s) objeto(s) à venda, distinguindo-se entre valor privado e valor comum. Nos leilões de valor privado a avaliação dada por cada licitante aos itens é subjetiva e independe das avaliações dos outros licitantes (e.g. leilões de objetos de arte não comprados para revenda). Sob a suposição do valor comum, cada licitante procura mensurar o valor dos bens leiloados utilizando o mesmo o valor objetivo. Se os licitantes adquirem um bem com o objetivo de revenda e não para consumo pessoal, a suposição do valor comum torna-se bastante razoável. Um citado exemplo de leilões de valor comum são os leilões de títulos públicos, visto que o valor para cada licitante é comum e o preço de revenda, à época do lance, é desconhecido Leilão inglês ou de preço ascendente (Leilão aberto/preço uniforme)

7 4 O leilão inglês é, usualmente, a forma mais utilizada para a venda de bens. A sistemática de operacionalização deste tipo de leilão se processa de duas formas: a) quando um único item está sendo leiloado é estabelecido um preço de reserva específico (preço abaixo do qual a unidade não seria vendida). Posteriormente, à medida que os participantes propõem seus lances o preço naturalmente se eleva até que apenas um licitante aceite comprar o item ao preço corrente. ( fig. 1a). b) no leilão envolvendo unidades múltiplas procede-se à coleta de todas as quantidades demandadas a cada preço, comparando-as com o estoque ofertado. Em seguida, solicita-se um novo round de lances a um preço maior, se o montante demandado for superior ao ofertado. O processo continua até alcançar o preço no qual a demanda total se iguale à quantidade fixa oferecida. Na prática observa-se que os leilões de unidades múltiplas são uma seqüência organizada de leilões de unidades simples. Uma característica importante do leilão inglês é que, a qualquer instante, todos os licitantes têm conhecimento do melhor nível de lance corrente e podem rever suas propostas de preço para cima até que o bem seja arrematado pelo mais alto lance Leilão Alemão ou de preço descendente (Leilão aberto/preços múltiplos) Este tipo de leilão também é conhecido como leilão holandês em função desta técnica ter sido utilizada na Holanda para a comercialização de flores. Este formato de leilão se processa de forma aberta, a exemplo do leilão inglês. Não obstante, apresenta características diametralmente opostas a este último, uma vez que o leiloeiro inicia a oferta a um preço relativamente elevado (exorbitante). Progressivamente, o preço vai sendo reduzido até que um licitante possa reivindicar o item ao preço corrente.(ver fig. 1b) Quando unidades múltiplas são leiloadas o número de licitantes dispostos a arrematar o bem (ao último preço proposto) torna-se maior à medida que o preço declina. Desta forma, o processo continua até que a demanda total se iguale à quantidade oferecida. Assim, os bens são progressivamente premiados aos licitantes individuais, os quais podem comprar qualquer fração do estoque à venda ao preço corrente à medida que o preço cai Leilão discriminatório ou leilão de primeiro preço (Leilão de lance selado/preços múltiplos)

8 5 O leilão de primeiro preço ou leilão discriminatório é um exemplo de leilão de envelope fechado (ou leilão de lance selado). A expressão primeiro preço refere-se à venda de um único item e, neste caso, o leilão processa-se de tal forma a premiar o licitante que propuser o maior preço (vide fig. 1c). Quando unidades múltiplas de um bem homogêneo são leiloadas, contexto típico de leilões de títulos públicos, este leilão é denominado leilão discriminatório. Neste caso, os lances apresentados em envelope fechado são classificados em ordem descendente e diversas unidades são vendidas aos preços mais elevados até que a quantidade ofertada seja exaurida. Este processo é chamado de leilão discriminatório 1 porque há uma nítida diferenciação entre os licitantes visto que estes podem propor vários preços de acordo com o montante ofertado Leilão de segundo preço (Leilão de lance selado/ preço uniforme) De forma análoga ao leilão de primeiro preço, este tipo de leilão também se processa através de lances selados, onde cada participante submete sua proposta por escrito, ignorando as demais propostas. No leilão de um único item, o participante que apresentar a melhor proposta de preço adquire o bem pelo preço associado ao segundo melhor lance, advindo da própria operacionalização do leilão o nome segundo preço (fig. 1d) Quando unidades múltiplas homogêneas estão sendo ofertadas em leilão, os lances mais altos serão aceitos a um preço uniforme, correspondente ao preço apresentado na mais alta proposta rejeitada. Neste caso, o leilão é denominado de preço uniforme, uma vez que todas as propostas vencedoras pagam o mesmo preço. Cabe mencionar, ainda, um tipo de leilão pouco citado na literatura pertinente ao assunto e de utilização restrita denominado leilão duplo. Neste tipo de leilão, os licitantes e vendedores propõem lances concomitantemente. Em seguida, os lances são classificados em ordem decrescente, gerando assim um conjunto distinto de funções de demanda e de oferta. A partir dessas propostas, torna-se possível determinar a quantidade máxima a ser 1 Na Teoria do Monopólio a discriminação de preços ocorre quando preços distintos são impostos para o mesmo bem em mercados diferentes. Observa-se, nos leilões discriminatórios, uma semelhança próxima com o monopolista discriminador de preços, dado que distintos preços, associados a diferentes rentabilidades são aceitos nos leilões.

9 6 vendida (partindo-se do preço mais baixo) compatível com os níveis de demanda (a partir do preço mais alto). Alguns autores observam que esta sistemática tem sido utilizada por determinados países para a venda de moedas estrangeiras. 2.2 Leilões não competitivos Em diversos países são utilizados leilões não competitivos concomitantemente aos leilões competitivos. Os lances não competitivos, principalmente em leilões de títulos públicos, são premiados prioritariamente aos lances competitivos e os licitantes pagam o preço médio verificado no leilão competitivo. O objetivo de admitir-se propostas sob critérios pré-estabelecidos (não competitivos) seria propiciar a participação de pequenos investidores, os quais não têm informação corrente de mercado. Neste contexto, os licitantes são agentes que não tem noção dos preços esperados do leilão e/ou, por outro lado, desejam evitar o risco de comprar acima do preço médio do leilão competitivo. Argumenta-se que, permitindo esta forma de participação nos leilões, expande-se o escopo do mercado de títulos e, à medida que estas propostas aumentem, espera-se maiores preços para o vendedor e maiores ganhos para os licitantes. Segundo Cottarelli (1995), uma forma de evitar que o preço médio do leilão venha a ser determinado através de uma estreito conjunto do mercado seria a distribuição de prêmios não competitivos de forma limitada através do critério pro-rata, procurando alocar os prêmios dentro deste limite. Observa ainda que a experiência de alguns países, onde este dispositivo é utilizado, demonstra que é estabelecido um limite de cerca de 20 a 25% do total ofertado para os lances não competitivos. Adicionalmente, adverte que deve-se restringir o montante máximo do lance a ser proposto por cada licitante nos leilões não competitivos, tendo em vista a necessidade de evitar que o propósito inicial de atrair pequenos e médios investidores possa ser burlado por grandes investidores que desejem beneficiar-se desta porção de mercado. 1-TIPOS DE LEILÕES a- leilão de preço ascendente (inglês) b- leilão de preço descendente (alemão) preço preço

10 7 3. Maximização de receita x Eficiência Econômica: Tópicos relevantes abordados na Teoria dos leilões

11 8 3.1 Equivalência da receita A literatura sobre Teoria dos Leilões aborda, com particular ênfase, o potencial de geração de receita das formas alternativas de leilão mencionados na seção anterior. O artigo de Vickrey (1961) - referência básica para qualquer pesquisa sobre leilões - analisa os leilões abertos e os leilões de lance selado, sob a ótica da receita esperada para o vendedor, procurando comparar a receita proveniente de cada um desses métodos, bem como caracterizar o leilão ótimo ou leilão maximizante de receita. Com este propósito, o autor estabelece alguns supostos, quais sejam: a) Apenas um único bem indivisível está sendo leiloado; b) Os licitantes são simétricos (homogêneos) e neutros em relação ao risco; c) As avaliações privadas dos licitantes são variáveis aleatórias independentes e identicamente distribuídas 2. Utilizando o arcabouço da Teoria dos Jogos e admitindo que os leilões são jogos não cooperativos 3, Vickrey demonstra que há um equilíbrio no qual cada licitante adota a mesma estratégia e, tendo em vista que cada lance proposto é uma função crescente das avaliações individuais, o conjunto de estratégias idênticas forma uma estratégia ótima, a qual representa um equilíbrio de Nash 4 do jogo competitivo. No contexto de leilões de valor privado é possível demonstrar, segundo o autor, que os quatro tipos básicos de leilões produzem, em média, a mesma receita esperada pelo vendedor. Decorre desta proposição, comumente conhecida na literatura como Teorema da Equivalência da Receita, que o formato de leilão escolhido é irrelevante tendo em vista que produzirá, em média, o mesmo resultado. Confirmando o exposto no parágrafo precedente, Milgrom e Weber (1982) argumentam que se um único objeto indivisível está sendo leiloado, um leilão discriminatório é equivalente ao leilão de preço descendente no sentido de que as estratégias ótimas para os licitantes e também o preço de venda será o mesmo nos dois leilões. 2 Neste contexto, as avaliações dos licitantes podem assumir qualquer valor uma vez que estas resultam de uma avaliação particular (subjetiva) do valor do bem. No entanto, estas avaliações podem ser representadas por funções com idêntica distribuição de probabilidade. 3 Na Teoria dos jogos, uma situação onde os jogadores tomam suas decisões independentemente dos demais é denominada jogo não cooperativo.

12 9 Tendo em vista que os formatos de leilão mencionados na seção II possuem distinta sistemática de operacionalização, seria lícito supor que um leilão de preço uniforme produzisse menor receita esperada para o vendedor, uma vez que em um leilão discriminatório os ganhadores pagam seus próprios lances, enquanto em um leilão de preço uniforme os ganhadores pagam a mais alta oferta perdedora. Segundo Bikchandani e Huang (1993), a teoria não leva a esta previsão porque os licitantes em um leilão de preço uniforme provavelmente licitarão mais agressivamente. Ademais, os licitantes estão cientes dos procedimentos do leilão e sabem se pagarão o preço que eles propuseram ou a mais alta proposta perdedora. Este aspecto levaria à equivalência de receita entre os dois tipos de leilão. Há que se ressaltar, entretanto, que alguns aspectos são mitigados ou até mesmo eliminados devido às hipóteses subjacentes ao Teorema da Equivalência da Receita. Sob a hipótese de que as avaliações dos licitantes são privadas e independentes, não se admite o típico problema de assimetria de informações, induzindo, desta forma, à ausência do fenômeno conhecido como a o curso do ganhador ou praga do vencedor 5, fato este apontado por diversos autores como um obstáculo à um perfeito desenvolvimento dos leilões. McAfee e McMillan (1987) admitem que, não obstante os quatro formatos de leilões produzirem, em média, o mesmo preço, há uma diferença prática entre, por um lado, o leilão inglês e de segundo preço e, por outro lado, entre os leilões alemão e de primeiro preço. No leilão inglês, visto que lances sucessivamente crescentes vão sendo propostos no decorrer do leilão, os licitantes continuam reavaliando seus lances até que o preço preencha sua avaliação do bem, enquanto no leilão de segundo preço, o licitante submete uma proposta selada (fechada) contendo sua avaliação do bem. No caso do leilão alemão ou do leilão de primeiro preço, o lance proposto pelo licitante corresponde sempre a um montante abaixo de sua avaliação verdadeira do bem, tendo em vista os efeitos da praga do vencedor. As hipóteses subjacentes ao modelo proposto por Vickrey, principalmente valor privado e a existência de único bem sendo leiloado, propiciam a compreensão de equivalência da receita entre os diversos formatos de leilão. Entretanto, o desenvolvimento 4 O equilíbrio de Nash, para este modelo, demonstra que, se todos os licitantes utilizam a mesma estratégia de equilíbrio, nenhum licitante poderia aumentar sua utilidade desviando-se da estratégia de equilíbrio. 5 A praga do vencedor (conforme mencionado na seção IV) representa o trade-off entre a probabilidade de arrematar o item leiloado e o lucro esperado na revenda, quando todos os outros participantes parecem calcular um valor de mercado mais baixo.

13 10 posterior da teoria mostrou que, sob condições mais restritivas e supostos mais realistas, esta equivalência não se mantêm. Com o objetivo de aperfeiçoar a teoria dos leilões, diversos modelos teóricos tem sido propostos em numerosos trabalhos (Milgrom e Weber (1982), Maskin e Riley (1981), Samuelson e Riley (1981), Harris e Raviv (1981) dentre outros). Algumas hipóteses mais verossímeis têm sido consideradas, ou seja, admitindo-se que os licitantes são avessos em relação ao risco, por exemplo, torna-se possível avaliar em que extensão sua aversão ao risco influenciará seu comportamento licitatório. De acordo com Maskin e Riley (1985), o comportamento dos licitantes avessos ao risco não se altera em leilões abertos. Neste contexto a receita esperada permanece inalterada pois os licitantes irão fazer propostas até que o preço corrente preencha sua avaliação do bem. No entanto, em um leilão de lance selado, admitem que a receita esperada pode ser maior do que nos leilões abertos, pois, quando aumenta a aversão ao risco, os licitantes ficam apreensivos quanto a uma eventual perda do objeto leiloado. Diante dessa possibilidade, haverá propostas mais agressivas, aumentando assim, a receita esperada para o vendedor. Uma outra hipótese considerada refere-se aos leilões de valor comum, não considerados no modelo inicialmente proposto por Vickrey. Milgrom e Weber (1982), analisando os leilões de unidades múltiplas de valor comum, caso típico de leilões de títulos públicos, observaram que o Teorema da Equivalência da Receita não se mantém, porque um leilão de preço descendente (aberto) dissemina muito mais informações do que um leilão discriminatório (fechado). Durante o leilão de preço descendente, os participantes observam as informações dos outros potenciais compradores. Isto diminui a praga do vencedor, induzindo os participantes a submeterem propostas mais agressivas para as unidades remanescentes e fazendo com que o preço médio de venda em um leilão de preço descendente torne-se maior do que no leilão discriminatório. Segundo os autores, os leilões poderão ser classificados, sob o ponto de vista do preço esperado para o vendedor, da seguinte forma: primeiro: leilão inglês; segundo: leilão de 2º preço e por último os leilões alemão e de primeiro preço. Cottarelli(1995) enfatiza que o debate sobre o formato de leilão que maximiza a receita do governo continua inconclusivo. A nível teórico, há suposições que indicam os leilões de preço uniforme como os mais adequados pois, ao mitigar a praga do vencedor e propiciar lances mais agressivo, aumentaria a receita para o governo. Todavia, o autor

14 11 ressalta que esta condição tem sido observada somente sob hipóteses bastante restritivas, análogas àquelas do modelo proposto por Vickrey, as quais não podem ser facilmente extendidas aos leilões de títulos do Tesouro. 3.2 Eficiência alocativa dos leilões A pesquisa sobre leilões analisa, apenas de forma secundária, a habilidade para promover a eficiência alocativa decorrente dos diferentes métodos de leilões, não obstante entendemos que a análise deste tópico é tão relevante quanto a análise da receita dos leilões. Considerando os leilões como modelos de equilíbrio parcial, McAfee e McMillan (1987) argumentam que o papel do sistema de preços em coordenar as ações dos diferentes agentes econômicos não pode ser entendido exceto dentro de um sistema de equilíbrio geral. Desta forma, a despeito da natureza dos leilões representar um problema típico de monopólio/oligopsônio, a eficiência na alocação dos diversos bens leiloados está inserida num contexto em que os diversos formatos de leilão são analisados vislumbrando uma organização ótima no sentido de Pareto 6. Nos modelos de leilões de valor privado independente, onde presume-se licitantes avessos ao risco e as avaliações privadas são consideradas variáveis aleatórias independentes e identicamente distribuídas, é demonstrado que há um equilíbrio no qual cada licitante adota a mesma estratégia, ou seja, cada lance é uma função crescente da avaliação privada dos participantes do leilão. Como conseqüência o licitante com a mais alta avaliação pessoal fará o mais alto lance e a alocação de equilíbrio, em qualquer tipo de leilão, será eficiente no sentido de Pareto. No caso dos leilões de valor comum Feldman e Mehra (1993) admitem que a análise da eficiência requer a suposição de que todos os licitantes fundamentem suas estratégias de licitação através de informações com idêntica distribuição. Entretanto, advertem que, se considerarmos a assimetria informacional como um fator que afeta o comportamento licitatório dos participantes destes leilões, a eficiência alocativa não poderá ser observada em nenhum dos formatos de leilões. Por outro lado, preconizam que, em casos específicos, onde a assimetria de informações entre os licitantes for relativamente limitada, os leilões 6 Qualquer organização ótima no sentido de Pareto representa o locus de equilíbrio das trocas onde qualquer movimento que beneficie uma parte necessariamente prejudicará a outra.

15 12 inglês e de segundo-preço produzem melhores resultados do que os formatos alternativos no que concerne à uma alocação mais eficiente dos bens leiloados. 3.3 Estrutura de informações A natureza das informações disponíveis é um elemento de crucial importância do processo de tomada de decisões de um investidor, uma vez que afeta, significativamente, a previsibilidade de valores ou resultados de futuros investimentos. Ademais, os investidores comumente deparam-se com situações de risco e incerteza. No primeiro caso, o investidor conhece a distribuição de probabilidades de eventos ou resultados futuros, enquanto no segundo os investidores não possuem informação alguma sobre os eventos futuros ou suas probabilidades de ocorrência. Diante destas situações, a racionalidade econômica induz os investidores a aperfeiçoarem o seu nível informacional visando maximizar o retorno esperado, dado o nível de risco de suas aplicações. No contexto da Teoria dos Leilões, e admitindo-se que os licitantes são investidores racionais, Hendricks e Porter (1988) observam que leilões nos quais a informação é simetricamente distribuída entre os participantes são qualitativamente diferentes daqueles onde as informações são assimétricas. Adicionalmente, afirmam que se os licitantes tem acesso somente às informações disponíveis publicamente e não detêm informações privadas diminui a probabilidade de aumentar sua lucratividade. Com o propósito de analisar o impacto das informações disponíveis sobre as estratégias dos licitantes, sobre as estratégias de licitação de seus oponentes, os lucros ganhos pelos vários licitantes e o acréscimo de receita para o vendedor, Milgrom e Weber (1982a) estudam um modelo de leilão com dois licitantes, no qual o licitante A detêm informações privadas enquanto o licitante B tem somente informações públicas no que concerne ao valor V do objeto que está sendo vendido. Observa-se que o licitante A prefere adquirir qualquer informação adicional publicamente, ao invés de informações privadas, porque o reação de B à informação extra de A é por licitar mais timidamente. Por outro lado B prefere adquirir qualquer informação adicional de forma privada. Desde que A é melhor informado do que B, B deve esperar que seu lance será premiado somente se A mantiver uma baixa estimativa do valor V (ou seja, B está sujeito à conhecida praga do vencedor ). Se A adquire informação adicional e B tem acesso a esta, B deve licitar ainda mais cautelosamente para evitar maiores perdas. Esta redução nos lances de B beneficia A. Em suma, consideram que, independentemente do formato de leilão, os participantes de leilões que tenham acesso estrito a informações públicas dificilmente têm condições de submeter

16 13 propostas competitivas associadas a lucros positivos. Neste sentido, afirmam que os dealers primários detêm um volume de informações privadas, não acessível aos não especialistas. Milgrom e Weber admitem ainda que, se o vendedor tem acesso a algumas das informações dos licitantes bem informados, uma forma de aumentar o preço de venda do leilão e reduzir o lucro dos licitantes que detêm vantagem informacional seria a adoção de medidas que tornassem públicas aquelas informações.todavia, há casos em que a publicidade destas informações poderia redundar em menor preço esperado para o vendedor. Estes casos são aqueles onde as informações dos licitantes são complementares às informações do vendedor. 3.4 Número de licitantes A pesquisa sobre leilões demonstra, através dos diversos modelos teóricos propostos, que o número de participantes dos leilões afeta, significativamente, a receita dos leilões. Desta forma, admitindo-se uma maior competição entre os participantes do mercado (traduzindo-se em um maior número de licitantes) haveria uma concorrência mais acirrada pelos títulos, obstando, assim, posições monopolísticas, as quais tendem a promover a concentração do mercado e a elevar as taxas praticadas nos leilões. Bertolini e Cottarelli (1994) admitem que aumentando-se o número de licitantes aumenta, concomitantemente, a probabilidade de que um licitante com maiores avaliações participe dos leilões e, desta forma, um maior número de licitantes produzirá, provavelmente, maiores lucros para o leiloeiro. Contudo, advertem que um maior número de licitantes também reforça a praga do vencedor, pois em leilões com um maior número licitantes, o lance ganhador provavelmente se afasta do consenso de mercado, fato este que, em geral, não é observado quando há poucos licitantes. Os autores ressaltam ainda que, usualmente, o número de licitantes é tomado como exógeno com respeito ao formato do leilão e, nesse sentido, há poucas informações sobre os incentivos necessários à participação adequada dos licitantes nos diferentes formatos de leilão. 3.5 Custo de intermediação financeira A participação direta nos leilões primários de títulos, em diversos países, é limitada a determinadas categorias (comumente instituições financeiras, companhias de seguro e

17 14 fundos de pensão). Decorre desta restrição que outros licitantes participem dos leilões de forma indireta, em geral através dos dealers. As restrições impostas à participação nos leilões, não obstante propiciarem a formação de conluios, promovem a participação nos leilões através de brokers. Estes, apesar de facilitarem a liquidez e agilizarem a transferência de ativos, representam um custo adicional de intermediação, o qual é repassado para as propostas apresentadas nos leilões. Observa-se, na Teoria dos leilões, que o custo de aquisição de informações (ou, no jargão da teoria, o custo de aquisição de informações sobre o verdadeiro valor dos títulos) é considerado como uma das variáveis que influenciam, sobremaneira, a formação de preço dos títulos. Nesse sentido Cammack (1991) argumenta que os licitantes fazem face a diferentes custos, com o custo marginal dos dealers sendo o mais reduzido. Os não dealers pagam mais para informação de mesma qualidade do que os dealers e têm custos variáveis de aquisição de informações. Para Amihud e Mendelson (1991), os custos de transação formam uma seqüência de fluxos de caixa, os quais diferem segundo a liquidez de cada título. O valor descontado deste custo produz proxies para a perda de valor devido a iliquidez, o que diminui o valor do ativo para qualquer dado fluxo de caixa que aquele ativo possa produzir.como resultado, o retorno dos ativos, ceteris paribus, seria uma função crescente de sua iliquidez. No que concerne ao custo de aquisição dos bens nos diferentes formatos de leilões Holt Jr. (1980) observa que a escolha entre os procedimentos de leilões discriminatórios e competitivos pode ter um efeito definitivo sob o custo esperado de aquisição de uma mercadoria. Este efeito é o resultado de uma importante diferença informacional entre estes procedimentos de leilões: em um leilão Aberto (competitivo), as firmas revelam seus lances sequencialmente quando o preço é diminuído e neste sentido, há mais incerteza sobre os lances rivais quando todas as firmas submetem lances selados (leilão discriminatório) simultaneamente. Se os licitantes são avessos ao risco, então esta incerteza em leilões discriminatótios resultam em maior custo de aquisição esperado do que seria no caso de um leilão competitivo equivalente. Então a incerteza, sobre os lances selados dos rivais, pode criar uma situação de licitações mais competitiva que pode ser vantajosa para o leiloeiro. Por outro lado, se os licitantes são neutros com relação ao risco, então a diferença de informações sobre lances rivais não tem efeito e o custo esperado de aquisição será o mesmo em cada leilão. 4. Anomalias ao Paradigma da Teoria dos Leilões

18 A praga do vencedor O fenômeno conhecido como a praga do vencedor foi abordado, inicialmente, por Capen, Clapp e Campbell, em Eles observaram uma situação específica de um leilão de valor comum, onde diversas companhias de petróleo, participavam do leilão visando adquirir direitos de perfuração em determinada localidade. Diante da assimetria de informações, distintas avaliações foram realizadas sobre a probabilidade de prospecções futuras. Assim, foi observado que as companhias que obtiveram as maiores avaliações dos especialistas, licitaram mais agressivamente e ganharam o leilão. Segundo Bertolini e Cottarelli (1994) os participantes dos leilões deparam-se com um problema particularmente importante, o qual envolve a comparação de benefícios decorrente de um maior lance proposto (aumentando a probabilidade de ganhar o bem leiloado), ponderado pelo custo de fazê-lo (traduzindo-se na redução dos lucros do ganhador do leilão, dado pela diferença entre o preço de revenda do bem e o preço do leilão). Este trade-off aumenta significativamente no caso de leilões de valor comum, isto é: o lance vitorioso revela ao licitante que ele provavelmente tenha apresentado uma proposta acima do preço médio de revenda do bem, aumentando então a probabilidade de que possa incorrer em perda no mercado pós-leilão. Os autores argumentam que, diante do fenômeno da praga do vencedor, os licitantes racionais proporão lances inferiores à sua avaliação subjetiva, considerando a extensão do viés para baixo como uma função do formato de leilão específico. Os leilões foram classificados por Milgrom e Weber (1982) segundo o potencial de receita dos quatro formatos básicos, bem como no que concerne à habilidade de cada um em minimizar os efeitos da praga do vencedor. Em primeiro lugar foi apontado o leilão inglês; segundo, os leilões de segundo preço e; terceiro, classificados igualmente, os leilões alemão e de primeiro preço. Conforme mencionado em Cottarelli (1994), tal classificação advém do fato de que os leilões discriminatórios fortalecem a praga do vencedor, porque os licitantes ganhadores são premiados plenamente na extensão de sua super avaliação do valor do bem. No leilão inglês os licitantes podem aumentar suas avaliações observando o comportamento dos outros licitantes; isto reduz o risco de super avaliação do bem e a necessária redução dos lances. Por sua vez, os leilões de segundo preço não garantem a mesma disseminação de informações do leilão inglês. Desde que nestes leilões os licitantes não pagam seus lances individuais, mas um preço aproximado das avaliações dos outros licitantes, admite-se que a praga do vencedor é mais severa nos leilões alemão e de primeiro preço.

19 Coalizão/Cornering/Short Squeezes De acordo com a teoria do oligopólio 7, a coalizão decorre de um acordo conjunto de produção e preços por firmas independentes. As firmas em coalizão devem concordar sobre a estrutura de preços adequada às transações a serem realizadas conjuntamente e terão que decidir sobre a estratégia maximizante de lucros à luz dos custos e retornos esperados. No que concerne à coalizão em qualquer formato de leilão, Bikchandani e Huang (1992) admitem que os diversos tipos são suscetíveis à manipulação por parte dos licitantes. No entanto advertem que nem toda coalizão é necessariamente ruim para o vendedor. Se os licitantes comunicam-se antes do leilão meramente para distribuir as informações privadas que estes detêm, mas não para fixar preços, então o viés representado pelo curso do ganhador é diminuído e a receita do leilão aumenta. Enfatizam ainda que a possibilidade de manipulação não faria diferença para a escolha dos formatos de leilão porque as regras podem ser estabelecidas tornando tal comportamento ilegal e punindo eventuais violações de forma severa. Adicionalmente, argumentam que nem toda coalizão é benéfica e nem toda violação de leis é detectada. Sendo assim, eventuais violações às regras dos leilões podem acontecer. Nesse sentido, alegam que um importante critério ao selecionar um formato de leilão seria reduzir a vulnerabilidade dos leilões ao abuso das regras. Supondo que haja manipulação coletiva das regras dos leilões por parte dos licitantes, Bickhandani e Huang concluem que é mais difícil sustentar a coalizão nos leilões discriminatórios e em leilões de preço descendente. No contexto destes leilões os ganhadores pagam seus lances e decorre do acordo lucrativo da coalizão que todos os licitantes devem concordar em licitar somente a preços relativamente baixos. Desta forma, o ganho de curto prazo para um licitante que resolva propor um lance superior ao acordado é maior do que nos leilões de preço uniforme. Então, na ausência da coalizão, os leilões de preço uniforme produzirão maior receita do que leilões discriminatórios, no entanto o último parece ser menos suscetível à coalizão. Por outro lado, admitindo-se que licitantes isolados tentem manipular as regras dos leilões, observa-se que um licitante individual pode fazê-lo através da prática de corner 8 no 7 Ver Stigler (1964). 8 Segundo Bessada (1995) situações de corner ocorrem quando um participante procura alcançar controle substancial sobre determinado contrato futuro, assumindo grandes posições compradoras visando levá-las ao vencimento sem que a oferta disponível no mercado à vista possa respaldar a liquidação por entrega do objeto do

20 17 mercado. Este tipo de manipulação do mercado, especificamente no que se refere aos leilões de títulos públicos, pode assumir a forma de um short squeeze 9. O contexto em que ocorre um short squeeze pode ser entendido da seguinte forma: se muitos licitantes mantêm posições vendedoras de curto prazo no mercado de títulos, estes devem cobrir suas posições comprando títulos, seja no mercado primário, no mercado secundário ou em outros mercados desenvolvidos para negociação de títulos 10. Quando, em determinado leilão primário de títulos, um licitante submete propostas a um preço excessivamente alto, sendo premiado com a maioria do montante ofertado, este pode obter um alto preço no mercado secundário ou em outros mercados onde os títulos são negociados. configura-se, assim, uma situação de excesso de demanda por parte dos licitantes que mantém posições vendedoras de curto prazo, os quais não conseguiram obter os títulos desejados, restandolhes apenas comprar ou tomar empréstimos daquele licitante que adquiriu a maioria das unidades vendidas no leilão. Um citado exemplo de short squeeze, na literatura dos leilões, ocorreu em 1991, quando Salomon Brothers chegou a manter 94% das Notas do Tesouro Americano, emitidas com prazo de dois anos. Quando um licitante pratica um corner no mercado e compra muitas das unidades leiloadas a um preço mais alto, o resultado imediato para o vendedor seria a obtenção de receita superior à usual. Quando há um short squeeze, os preços do leilão são maiores e o responsável pela venda de títulos se beneficia naquele leilão específico. Todavia, se esta situação passa a ocorrer com certa frequência a tendência é a redução do mercado primário de títulos e consequentemente decréscimo de receita para o vendedor. Paul Milgrom (1989) admite que a coalizão pode assumir a forma de um ring entre os licitantes, representado este por um acordo entre um grupo de licitantes, os quais podem deter suficiente poder monopsonístico para arrematar os itens leiloados. Os lucros extraordinários, provenientes da formação de um ring, são divididos entre seus membros, provavelmente através da alocação dos bens adquiridos através de um leilão interno. Segundo Milgrom, os rings de licitantes são comparativamente menos efetivos nos leilões de contrato, ou seja, no vencimento não haveria mercadoria suficiente no mercado à vista para cobrir as posições vendedoras a descoberto. 9 O termo squeeze é utilizado pelos participantes do mercado quando há uma escassez de oferta relativa à demanda de um título específico, observando um movimento ascendente em seu preço alterando-o relativamente aos preços de títulos com características similares. 10 O mercado de títulos When-Issued é utilizado por alguns países para negociação de títulos. Este assunto é abordado na seção VI.

3 A forma de funcionamento do mercado cambial

3 A forma de funcionamento do mercado cambial 27 3 A forma de funcionamento do mercado cambial Neste Capítulo, apresentar-se-á a forma de funcionamento do mercado cambial, algumas das suas principais instituições, seus participantes e algumas especificidades

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011

Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Dívida Pública Federal Brasileira Relatório Anual da Dívida Pública 2010 Plano Anual de Financiamento 2011 Fevereiro 2011 B R A S Í L I A D Í V I D A P Ú B L I C A F E D E R A L B R A S I L E I R A Dívida

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Brasília 22 de Junho 0

Brasília 22 de Junho 0 Brasília 22 de Junho 0 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Perfil do Investidor Código de Ética STN Mudanças Recentes 1 O

Leia mais

Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 15/9/14 a 19/9/14

Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 15/9/14 a 19/9/14 Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 15/9/14 a 19/9/14 Mercado Primário Na quinta-feira, 18 de setembro, foram realizados os leilões tradicionais do Tesouro para a

Leia mais

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS

OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS OS GASTOS DO GOVERNO FEDERAL EM EDUCAÇÃO NO PERÍODO 1995/2010 E O DESAFIO ATUAL PARA O PAÍS José Lúcio Alves Silveira 1 RESUMO O trabalho apresenta que o importante desafio para o País consiste na União

Leia mais

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB SEC N.º 002/04

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB SEC N.º 002/04 REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB SEC N.º 002/04 A Companhia Nacional de Abastecimento Conab, empresa pública federal vinculada ao Ministério da Agricultura,

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Julho/2008. O Que São Debêntures

Julho/2008. O Que São Debêntures Julho/2008 O Que São Debêntures As debêntures são títulos que se ajustam perfeitamente às necessidades de captação das empresas. Graças a sua flexibilidade, transformaram-se no mais importante instrumento

Leia mais

Material Explicativo sobre Debêntures

Material Explicativo sobre Debêntures Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais As debêntures são valores mobiliários que representam dívidas de médio e longo prazos de Sociedades Anônimas ou por ações (emissoras), de capital aberto

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

3 Concurso de Rentabilidade

3 Concurso de Rentabilidade 3 Concurso de Rentabilidade 3.1.Motivação O capítulo anterior mostra que a motivação dos fundos de investimento é a maximização da expectativa que a população tem a respeito da rentabilidade de suas carteiras.

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 Aprova a NBC T 11 - IT - 09 - Estimativas Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS Objetivo 1. As transações e eventos decorrentes das atividades normais de uma empresa são, de acordo com determinados parâmetros e circunstâncias, classificados

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 6

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News kpmg SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice News Outubro 2005 FINANCIAL SERVICES BACEN Custódia Resolução 3322, de 27.10.05 Custódia de numerário Faculta a custódia de numerário do Bacen

Leia mais

Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo

Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo 4ª Edição do Seminário de Renda Fixa e Derivativos de Balcão - ANBIMA Mercado Secundário: o que está sendo feito no Brasil O papel do mercado secundário e as iniciativas para fortalecê-lo Paulo Fontoura

Leia mais

ETF Exchange Traded Fund

ETF Exchange Traded Fund ETF Exchange Traded Fund FUNDOS BM&FBOVESPA Eficiência. Eficiência. Transparência. Transparência. Flexibilidade. Flexibilidade. Em um Em único um único investimento. investimento. O que é Exchange Traded

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

Meios de Pagamento. IBRAC 18 de setembro de 2015

Meios de Pagamento. IBRAC 18 de setembro de 2015 Meios de Pagamento IBRAC 18 de setembro de 2015 1 OBSERVAÇÕES 1. As informações que serão apresentadas refletem uma visão geral, não se relacionando com casos concretos ou investigações em curso na SG;

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM FEVEREIRO/2012 V6 Propriedade da Cruzeiro do Sul S.A. DTVM. Proibida a reprodução total ou parcial deste manual sem a devida autorização prévia.

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO

Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO Ao abrigo do número 1, do artigo 11º, do Decreto-Lei nº 60/2009 de 14 de Dezembro, que estabelece o regime Jurídico das Obrigações do Tesouro (OT),

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

ATO NORMATIVO CONJUNTO N. 23

ATO NORMATIVO CONJUNTO N. 23 ATO NORMATIVO CONJUNTO N. 23 BANCO CENTRAL DO BRASIL DEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DO MERCADO ABERTO - DEMAB SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES DA DÍVIDA PÚBLICA - CODIP Disciplina

Leia mais

Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 12/12/2011 a 16/12/2011

Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 12/12/2011 a 16/12/2011 Resenha do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) Período de 12/12/2011 a 16/12/2011 Mercado Primário Na quinta-feira, 15 de dezembro, foram realizados os leilões tradicionais do Tesouro para

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1.927. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogar a Resolução nº 1.848, de 31.07.91.

RESOLUÇÃO N 1.927. Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogar a Resolução nº 1.848, de 31.07.91. RESOLUÇÃO N 1.927 Dá nova redação ao regulamento anexo V à Resolução nº 1.289, de 20.03.87, que autoriza e disciplina os investimentos de capitais estrangeiros através do mecanismo de "DEPOSITARY RECEIPTS"

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes. O que muda no reconhecimento contábil

IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes. O que muda no reconhecimento contábil IFRS 15 Receita de Contratos com Clientes O que muda no reconhecimento contábil Agenda IFRS Breve Histórico Receitas Normas Vigentes IFRS 15 Introdução IFRS 15 Princípio Fundamental IFRS 15 Etapas IFRS

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais