IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS"

Transcrição

1 IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS FÁBIA GAMA SILVA ORIENTADOR: PROF. DR. EVANGELISTA ROCHA CO ORIENTADOR: MESTRE PAULO JORGE NICOLA

2 INTRODUÇÃO Cancro da mama mais comum em todo mundo 01 milhão no mundo X e em Portugal (casos novos ano). Rastreio com mamografia: (prevenção secundária) Diminuição da mortalidade em 24%, Tratamentos menos mutiladores Melhor qualidade de vida após tratamento. Cancro de Mama em Portugal Redução da mortalidade aumento na detecção precoce da doença e melhoria de acesso a tratamentos eficazes, Apesar da assimetrias de acesso e utilização de programas de rastreio entre várias regiões do país GLOBOCAN, 2002:Lyon: IARC Press 2004

3 RASTREIO DO CANCRO DE MAMA Estratégias p/ aumentar a taxa de cobertura populacional e a adesão aos rastreios: Convocatória automática ( através de carta ou telefonema para marcar a mamografia ou o agendamento automático da mamografia) Intervenções educativas, e o benefício do reembolso financeiro das despesas da mamografia. Este estudo pretende detectar e medir o eventual aumento na adesão ao rastreio do cancro de mama atribuível àgeração de convocatórias automáticas a partir de um sistema informático ao nível dos cuidados de saúde primários.

4 OBJECTIVOS OBJECTIVO GERAL: Qual o efeito da convocatória automática, e determinantes àsua adesão, para o rastreio do cancro da mama nos cuidados de saúde primários? OBJECTIVOS ESPECÍFICOS (HIPÓTESES) Será que existem diferenças entre as taxas de cobertura do rastreio do cancro da mama entre notificados e não notificados? Será que existem diferenças? no número de casos referenciados para confirmação do diagnóstico de suspeita de cancro da mama no número de cancro da mama diagnosticados no estadiamento dos cancros da mama entre notificados e não notificados? Porque motivos as pessoas não respondem a convocatórias escritas para rastreio do cancro da mama nos cuidados de saúde primários?

5 MÉTODOS DESENHO: Estudo experimental de intervenção duplamente cego, controlado e aleatorizado tipo ensaio de campo, no qual os utentes de Unidades de Saúde Familiar serão distribuídos em dois grupos (grupo experimental e controlo). POPULAÇÃO: Todas as mulheres entre 50 e 69 anos inscritas nos Centros de Saúde de Lisboa, identificadas a partir do ficheiro informatizado nos Centros de Saúde. CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO : As mulheres que: realizaram mastectomia, tiverem tido diagnóstico prévio de cancro d mama, ou outra patologia que recomende outro processo de vigilância médica da, e mulheres com resultado de mamografia nos últimos 02 anos à data da convocatória.

6 MÉTODOS PROCESSOS DE COLHEITA DE DADOS: Serão recolhidas as seguintes informações: Características demográficas Factores de risco para o cancro de mama Outras variáveis para verificar elegibilidade Informação sobre o acesso aos cuidados de saúde Eventos a determinar no seguimento Motivos para a não adesão ao rastreio Os dados serão colhidos de: De todos os participantes e obtidos através do sistema de informação/processo clinico electrónico De um subgrupo de notificados aderentes e não aderentes e os dados obtidos a partir dum questionário. As utentes selecionadas para responder o questionário serão convocados por telefone para uma entrevista no Centro de Saúde no qual estão inscritas, após consentimento informado.

7 MÉTODOS CÁLCULO DO TAMANHO AMOSTRAL: Assumindo uma população elegível de cerca de 6900 mulheres (55% de utentes inscritas serão mulheres, das quais 20% terão entre 50 e 69 anos; destas 5% terão tido um diagnóstico prévio de patologia da mama; por fim, cerca de 50% terão tido uma mamografia nos últimos 2 anos), espera se que cerca 1725 sejam notificadas automaticamente, e 1725 seguirão o processo habitual de vigilância. Para estes valores, com uma potência estatística de 85% e um erro alfa de 0.05, e assumindo uma adesão passiva ao rastreio médio de 50% no grupo não notificado, teremos capacidade para detectar com significância estatística diferenças de ±5% na taxa de rastreio entre notificados e não notificados.

8 CALENDÁRIO (TAREFAS/MÊS) MÊS ACTIVIDADE Ja n Fe v M ar Ab r M ai Ju n Jul Ag o Set Ou t No v 1.Finalização do protocolo de Investigação 2.Construção dos Instrumentos de Colheita de dados 3.Submissão às Comissões de Ética e CNPDs 4. Estudo Piloto 4.a) Pré-teste 4.b) Estudo Piloto + Construção da Base de Dados (BD) 6.Recrutamento dos participantes 6.a) Contacto telefónico com os utentes 6.b) Consentimento Informado aos utentes 7. Implementação do trabalho de campo 7.a) Recolha de dados dos processos clínicos e dados da mamografia. 7.b) Entrevista e preenchimento do questionário. 7.c) introdução de dados. 7.d) Validação da introdução de dados na BD. 8. Análise de Dados 9. Relatório/ Artigo

9 Orientador: Professor Doutor Evangelista Rocha Co orientador: Mestre Paulo Nicola EQUIPA DE INVESTIGAÇÃO NOME TAREFAS/RESPONSABILIDADES Consultor de Execução do Projeto Consultor de Publicação Coordenador de trabalho de campo e publicação Dr. Nuno Sousa Dr. Paulo Nicola Dr. Nuno Sousa / Dr. Paulo Nicola Prof. Dr. Evangelista Rocha Dra. Fábia Gama Apoio e estabelecimento de estrategias para a execução do projecto Apoio, estabelecimento de estrategias e recriação do material para publicação. Coordenar trabalho de campo e solucionar questões Coordenar processos de publicação e Contactos com bolsas de apoio à investigação. Informático Dr. Jorge Viabilizar aos pesquisadores as informações, facilitar resolução de problemas necessarios para execução do projecto Estatístico Dr. Paulo Nogueira Criar estratégias e possibilitar através de informações colhidas resultados objectivando alcançar os objectivos do projecto.

Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve

Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve Relatório Preliminar da 2ª volta do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve Filomena Horta Correia Coordenadora do Núcleo de Rastreios da ARSA, IP 15 de Setembro de 2010 O cancro da mama é o

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP

Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP Promoção da saúde e Serviços de Saúde 21º Encontro Nacional da APPSP Departamento de Saúde Pública/ARS Centro ENSP Lisboa 7/12/2012 1 Declaração de Alma-Ata (1978) OMS lançou o movimento em 1977 Estratégias

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

Inquérito Europeu de Saúde com Exame. Físico em Portugal: avaliação das fases de. planeamento e implementação

Inquérito Europeu de Saúde com Exame. Físico em Portugal: avaliação das fases de. planeamento e implementação Inquérito Europeu de Saúde com Exame Físico em Portugal: avaliação das fases de planeamento e implementação Ana Paula Gil1, Marta Barreto da Silva1, Eleonora Paixão1, Ausenda Machado1, Francisco Mendonça2,

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

LIGA DA MAMA: AÇÕES COMUNITÁRIAS DE PREVENÇÃO E RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM 2011. Palavras-chave: Câncer de mama; rastreamento, prevenção.

LIGA DA MAMA: AÇÕES COMUNITÁRIAS DE PREVENÇÃO E RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM 2011. Palavras-chave: Câncer de mama; rastreamento, prevenção. LIGA DA MAMA: AÇÕES COMUNITÁRIAS DE PREVENÇÃO E RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM 2011 SOARES, Leonardo Ribeiro 1 ; PARANAIBA, Arthur Ferreira 1 ; MATOS, Amanda Vieira 1 ; DIAS, Juliava Silva 1 ; PAIVA,

Leia mais

Manual Executivo do Programa de Rastreio do Cancro da Mama na Região Norte

Manual Executivo do Programa de Rastreio do Cancro da Mama na Região Norte Manual Executivo do Programa de Rastreio do Cancro da Mama na Região Norte ARSN Outubro 2010 Manual Executivo do Programa de Rastreio Cancro da Mama Portugal, Administração Regional de Saúde do Norte,

Leia mais

A FEMAMA Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (IMAMA),

A FEMAMA Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (IMAMA), A FEMAMA A FEMAMA - Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama é uma associação civil, sem fins econômicos, que busca reduzir os índices de mortalidade por câncer de mama

Leia mais

Cinco Anos do Centro de Saúde S. João. "Tubo de Ensaio"

Cinco Anos do Centro de Saúde S. João. Tubo de Ensaio Hespanhol A et al ESTUDO DE CASO ISSN 08713413 ArquiMed, 2005 "Tubo de Ensaio" Alberto Hespanhol, Alexandre Sousa Pinto Departamento de Clínica Geral da Faculdade de Medicina do Porto e Centro de Saúde

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Faculdade de Medicina de Lisboa Instituto de Medicina Preventiva Disciplina de Medicina Geral e Familiar (5º Ano) Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Medicina Curativa e Medicina Preventiva Saúde versus

Leia mais

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Rastreamento Populacional de Câncer Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Roteiro de aula Aspectos relacionados ao rastreamento de câncer Exercícios introdutórios Desenvolvimento

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte

Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte Universidade Nova de Lisboa Escola Nacional de Saúde Pública Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte Carlos Costa Estatística e Qualidade na Saúde 2008 VI Conferência Lisboa, 20 de Novembro

Leia mais

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P.

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. RASTREIO DO CANCRO DO CÓLON C E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. COR Grupo de trabalho do RCCR 12 Janeiro 2009 Segundo a OMS, o cancro do cólon e do recto, constitui a nível mundial

Leia mais

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 1 Competência* reparar manipulados e formulações extemporâneas de medicamentos e produtos de saúde Conteúdos* Tipo de 2 Competência* Aquisição

Leia mais

A DE SINTOMAS NÃO REPRESENTA DE DOENÇA. Rastreio do AAA. em Portugal

A DE SINTOMAS NÃO REPRESENTA DE DOENÇA. Rastreio do AAA. em Portugal Rastreio do AAA em Portugal RASTREIO DO AAA EM PORTUGAL Racional do Projecto da Saúde RASTREIO DO AAA EM PORTUGAL RACIONAL DO PROJETO Racional do Projecto RASTREIO DO AAA EM PORTUGAL RACIONAL DO PROJETO

Leia mais

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013.

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. Exmo Sr. Dr. Maurício Pessutto MD Procurador da República Procuradoria da República em Santa Catarina Rua Pascoal Apóstolo Pitsica, nº 4876, torre

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 50/VIII RECOMENDAR AO GOVERNO QUE REFORCE UM PROGRAMA ESPECÍFICO SÉRIO DE COMBATE À TUBERCULOSE A longa história da tuberculose está repleta de imagens quase míticas de epidemias,

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

Curso de suporte Básico de Vida para Farmacêuticos

Curso de suporte Básico de Vida para Farmacêuticos Curso de suporte Básico de Vida para Farmacêuticos e Administração de Vacinas e Medicamentos Injectáveis em Farmácia Comunitária -Formação Inicial Conducente à Certificação A Portaria 1429/2007, de 2 de

Leia mais

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Introdução Os comportamentos adictos têm vindo a aumentar na nossa sociedade. Os problemas, ao nível do local e das relações no trabalho,

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

Candidaturas até 6 de Novembro 2015 REGULAMENTO

Candidaturas até 6 de Novembro 2015 REGULAMENTO Candidaturas até 6 de Novembro 2015 REGULAMENTO ENQUADRAMENTO E INFORMAÇÃO GERAL O Concurso de Ideias de Negócio é um projecto da ANJE, criado em 1997, com o apoio do Instituto de Emprego e Formação Profissional

Leia mais

Tendo em vista: Que as Partes desejam criar uma nova estrutura de cooperação, mais ampla, em benefício dos Países Beneficiários;

Tendo em vista: Que as Partes desejam criar uma nova estrutura de cooperação, mais ampla, em benefício dos Países Beneficiários; Decreto n.º 13/99 Convénio entre o Governo de Portugal e o Banco Interamericano de Desenvolvimento com o Propósito de Estabelecer Um Fundo Português de Cooperação Técnica, assinado em Washington, em 5

Leia mais

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 Proponente: Federação Portuguesa de Rugby Pág. 1 SEGURO DESPORTIVO DE ACIDENTES PESSOAIS ( Decreto-Lei Nº. 10/2009 ) FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE RUGBY ÉPOCA DESPORTIVA

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

ID:1919 NOTIFICAÇÕES DE SÍFILIS NA ATENÇÃO BÁSICA: POR QUE É IMPORTANTE FALAR EM SÍFILIS

ID:1919 NOTIFICAÇÕES DE SÍFILIS NA ATENÇÃO BÁSICA: POR QUE É IMPORTANTE FALAR EM SÍFILIS ID:1919 NOTIFICAÇÕES DE SÍFILIS NA ATENÇÃO BÁSICA: POR QUE É IMPORTANTE FALAR EM SÍFILIS Teixeira, Carmen Luisa; Zambrano Machado, Rebel; de Oliveira Soares, Jaqueline; da Silva Lentz; Deise. Brasil INTRODUÇÃO

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

Resumo do anúncio. Texto do anúncio

Resumo do anúncio. Texto do anúncio 28/05/2009 A. Descrição do cargo/posição/bolsa Cargo/posição/bolsa: Bolsa de Integração na Investigação Referência: UE CEFAGE BII 2009 Área científica genérica: Economia Área científica específica: Economia,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO PROGRAMA NACIONAL de PROMOÇÃO da SAÚDE ORAL RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007 Grupo Regional da Saúde Oral Lisboa Julho 2008 Grupo Regional da Saúde

Leia mais

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Equipa de investigação: Ana Escoval (Coordenação) Ana Isabel Santos Rafaela Sousa Susana Moreira Com a colaboração de: Ana Rita Pedro Patrícia Barbosa

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA Universidade do Minho 2007 Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA RIA Fernando Costa Silva UOSP - Braga Definição Monitorizar Sistema dinâmico que permite

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 22.12.2008 COM(2008) 882 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES Implementação

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Utilizar os Resultados da Avaliação para Reforçar a Qualidade da Educação e dos Sistemas READ ANGOLA

Utilizar os Resultados da Avaliação para Reforçar a Qualidade da Educação e dos Sistemas READ ANGOLA Utilizar os Resultados da Avaliação para Reforçar a Qualidade da Educação e dos Sistemas READ ANGOLA E S C H B O R N, A L E M A N H A 2 5 D E O U T U B R O, 2 0 1 1 SABER Sistema de Avaliação dos Alunos

Leia mais

Projecto Factor PME O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME. www.trigenius.pt factorpme@trigenius.

Projecto Factor PME O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME. www.trigenius.pt factorpme@trigenius. Projecto Factor PME Junho 2011 O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME www.factorpme.aip.pt www.trigenius.pt factorpme@trigenius.pt Âmbito e Objectivos

Leia mais

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA 1 Introdução/ Desenvolvimento Alinne Vieira Alves 1 Ana Claudia Moreira Santaba 2 Ana Janielli de Souza 3 Juliana

Leia mais

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama www.laco.pt O Cancro da Mama em Portugal 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama Cancro em Portugal 2002 O Cancro da Mama em Portugal Surgem 5000 novos casos por ano Mas. Com a deteção

Leia mais

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública Avaliação de Programas de Rastreamento: história natural da doença, padrão de progressão da doença, desenhos de estudo, validade e análise de custo-benefício. IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho

Leia mais

O TALENTO NÃO TEM LIMITES

O TALENTO NÃO TEM LIMITES O TALENTO NÃO TEM LIMITES MENSAGEM Em 2009 Portugal ratificou a Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência que refere, no artigo 27º, que as pessoas com deficiência devem ter a oportunidade de

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

Mestrados em Fisioterapia MÚSCULO-ESQUELÉTICA E SAÚDE PUBLICA 2013-2015

Mestrados em Fisioterapia MÚSCULO-ESQUELÉTICA E SAÚDE PUBLICA 2013-2015 Mestrados em Fisioterapia MÚSCULO-ESQUELÉTICA E SAÚDE PUBLICA 2013-2015 INDICE Competências a Desenvolver 5 Área de Especialização Músculo-Esquelética 5 Área de Especialização Saúde Pública 6 Condições

Leia mais

Diversificação de produtos

Diversificação de produtos Diversificação de produtos Mobilização de poupanças 30/10/12 Presentation by David Quien Sumario 1. Diversificação de produtos 2. Processo de desenvolvimento de Produto 3. Mobilização de poupança 4. As

Leia mais

Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus

Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus Projeto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde e utentes relativamente à Diabetes Mellitus Projecto de sensibilização e formação dos profissionais de saúde Equipa Coordenadora: Dr.ª Leonor

Leia mais

INICIATIVA EMPREGO 2009

INICIATIVA EMPREGO 2009 INICIATIVA EMPREGO 2009 SUPORTE LEGAL: Portaria 129/2009 de 30 de Janeiro CONCEITO DE ESTÁGIO Formação prática em contexto laboral, que visa a inserção ou reconversão de desempregados para a vida activa,

Leia mais

Conferência do Fórum Gulbenkian de Saúde, Auditório 2, Fundação Calouste Gulbenkian.

Conferência do Fórum Gulbenkian de Saúde, Auditório 2, Fundação Calouste Gulbenkian. Conferência do Fórum Gulbenkian de Saúde, Auditório 2, Fundação Calouste Gulbenkian. Serviço de Saúde e Desenvolvimento Humano Valores em euros Encargos com pessoal 323 430 Despesas de funcionamento 74

Leia mais

Cirurgia Torácica Videoassistida. Cancro do Pulmão

Cirurgia Torácica Videoassistida. Cancro do Pulmão Cirurgia Torácica Videoassistida Cancro do Pulmão Jorge Cruz Cirurgia Cardio-Torácica Cirurgia II Cirurgia Torácica Graham realiza em 1933 a 1ª pneumectomia Passados 70 anos a cirurgia torácica mudou.

Leia mais

Gestão de Pneus Usados em

Gestão de Pneus Usados em Indústria Automóvel. Contributo t para uma mobilidade sustentável. Os Desafios da Gestão de Pneus Usados em Portugal Centro Cultural de Belém 24 de Maio de 2010 A Valorpneu Missão Organizar e gerir o sistema

Leia mais

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973);

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); SAÚDE E PROTECÇÃO DE DADOS 19/1/2010 Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); Convenção 108 do Conselho

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR Primavera 2013

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR Primavera 2013 FORMAÇÃO MÉDICA CONTÍNUA Primavera 2013 Peniche - Consolação 15 a 18 de Maio de 2013 LOCAL Hotel Atlântico Golf **** Praia da Consolação 2525-150 Atouguia da Baleia - Peniche Telf. 262757700; Fax 762750717

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 020/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer técnico sobre a solicitação de mamografia de rastreamento por Enfermeiro nas instituições de saúde. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado

Leia mais

Reunião com Maria João da SPP

Reunião com Maria João da SPP Reunião com Maria João da SPP Fui a Lisboa dia 26 de Novembro de 2007 Nomeação de médicos para contactos com imprensa: Norte: José Luís Centro: Helena Sul: Leonor Reunião com Maria João da SPP Curso da

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE ACTIVIDADES COLABORATIVAS TB/HIV EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE 18ª Reunião do Núcleo do Grupo de Trabalho Global sobre TB/HIV e Seminário para intensificar a implementação

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/1078/CSE/DS 14 a DECISÃO DA SECÇÃO PERMANENTE S DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS RELATIVA AO RELATÓRIO APRESENTADO PELO GRUPO DE TRABALHO SOBRE ESTATÍSTICAS DA PROTECÇÃO SOCIAL Considerando que constitui uma

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

2.1 Plano do inquérito Frequência do inquérito: Anual; Período do inquérito: De 2 de Janeiro a 28 de Fevereiro de 2014.

2.1 Plano do inquérito Frequência do inquérito: Anual; Período do inquérito: De 2 de Janeiro a 28 de Fevereiro de 2014. Fundo de Pensões Relatório Final do Inquérito do Grau de Satisfação dos Serviços Prestados no âmbito do Regime de Aposentação e Sobrevivência, referente ao ano de 2013 1. Objectivos do Seguindo os conceitos

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais

Ciclo de Recursos Humanos & Gestão de Conflitos

Ciclo de Recursos Humanos & Gestão de Conflitos Ciclo de & Gestão de Conflitos Recrutamento e Seleção 7 HORAS 20% 40% 40% Destinatários Gestores, Responsáveis e Técnicos de que pretendam gerir processos de recrutamento e seleção. Nº mínimo de inscritos

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Norma seguinte: NÚMERO: 013/2015 DATA: 01/07/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Notícia de Nascimento Digital (NN) Notícia de Nascimento, Saúde Infantil, Saúde Materna, Boletim Saúde Infantil e Juvenil, Nascer

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE Apresentação geral do Decreto Regulamentar (a publicar em breve) - diferenciação; Princípios orientadores - distinção pelo mérito (diferenciação pela positiva);

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010 Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica Setembro/2010 Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Instituição de Saúde composta

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha Preâmbulo Na perspectiva de garantir a todos os cidadãos a participação solidária em acções de voluntariado, a Lei n.º 71/98,

Leia mais

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO PROJECTO CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO do Hospital de Santa Maria CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO MARIA RAPOSA Todos os anos, um número crescente de crianças, dos 0 aos 18 anos de idade, são assistidas

Leia mais

NORMAS DA USF FAMALICÃO I

NORMAS DA USF FAMALICÃO I I.- MARCAÇÃO DE CONSULTAS Como marcar uma consulta? Opte pelas consultas com hora certa; quando necessitar de consulta dê preferência às consultas pré marcadas. Terá a sua consulta previamente assegurada

Leia mais

Mobile health A tecnologia no mundo da saúde

Mobile health A tecnologia no mundo da saúde A tecnologia no mundo da saúde Janeiro de 2013 Os desafios da saúde facilitados pela mobilidade dos dias de hoje 2 2013 Deloitte & Touche Auditores, Limitada Principais desafios para o Mobile health Escassez

Leia mais

Decorre campanha de Luta Contra o Cancro da

Decorre campanha de Luta Contra o Cancro da Decorre campanha de Luta Contra o Cancro da Mama participa no Dia Rosa na Escola - 28 de Outubro!... Traz, neste dia, uma peça de vestuário rosa ou branca e o teu laço para participares numa foto de grupo,

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto Ciclo de Seminários de Especialização Avaliação do risco no projecto Enquadramento O Ciclo de Seminários de especialização Avaliação do risco no projecto resulta de uma parceria entre a H.MENEZES Risk

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES

III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES 85 Actualidades III FÓRUM DO SECTOR SEGURADOR E FUNDOS DE PENSÕES O Instituto de Seguros de Portugal participou, através do seu Presidente, no III Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões, realizado

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2016

Regulamento PAPSummer 2016 Regulamento PAPSummer 2016 Artigo 1º Objetivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses ( Estudante ) de desenvolver um

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM Jussara Rafael Angelo São José dos Campos 30 de Junho de 2011 CONCEITOS BÁSICOS EM Concepção do processo saúde doença Tipos de estudo Intervenção Seccional Coorte Caso-controle Ecológico

Leia mais

PREVALÊNCIA DE MULHERES QUE REALIZARAM MAMOGRAFIA EM TRÊS UNIDADES DE SAÚDE DECRUZ ALTA - RS

PREVALÊNCIA DE MULHERES QUE REALIZARAM MAMOGRAFIA EM TRÊS UNIDADES DE SAÚDE DECRUZ ALTA - RS PREVALÊNCIA DE MULHERES QUE REALIZARAM MAMOGRAFIA EM TRÊS UNIDADES DE SAÚDE DECRUZ ALTA - RS CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CARVALHO, Lidiane 3 ; HANSEN, Dinara 4 ; COSER, Janaina 5 Palavras-Chave:

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Regime Protocolos Bancários para o Turismo (PME)

Regime Protocolos Bancários para o Turismo (PME) para o Turismo (PME) ADRAL 8 de Junho 2005 Objectivos: Apoiar financeiramente projectos turísticos económica e financeiramente viáveis, que contribuam para o aumento da qualidade, diversificação e competitividade

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Processo de apoio à gestão de acessos

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Processo de apoio à gestão de acessos Página:1/9 1. Objectivo Descrever o processo de apoio à gestão de que visa satisfazer: normalizar os procedimentos que tem vindo a ser adoptados pela 1.ª e 2.ª linha de apoio, relativamente aos pedidos

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Leia mais

NASCER COM QUALIDADE

NASCER COM QUALIDADE HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE - BARREIRO NASCER COM QUALIDADE Em 2007 registámos 1900 partos. Crescemos relativamente a 2006. Prestamos cuidados diferenciados de excelência à grávida e à puérpera.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

UNIDADE DE CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 2

UNIDADE DE CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 2 Vigilância Epidemiológica da Infeção do Local Cirúrgico Após Hospitalar em Cirurgia de Ambulatório UNIDADE DE CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 2 HOSPITAL SANTO ANTÓNIO CAPUCHOS Realizado por: Luísa Lopes Maria

Leia mais

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA. O que se fez em 1999

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA. O que se fez em 1999 I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA O que se fez em 1999 13 Lisboa Setembro de 2014 D e p a r t a m e n t o d e E p i d e m i o l o g i

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais