JAD. Joint Application Design. NOME: Edgar Masayuki Saito R.A UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JAD. Joint Application Design. NOME: Edgar Masayuki Saito R.A. 0610125 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS JAD Joint Application Design Curso: Administração habilitação em Sistemas de Informações Disciplina: Análise de Sistemas II Profº: Edson Kurowski 4ºano sala 301 NOME: Edgar Masayuki Saito R.A São Paulo, Março de 2001

2 INTRODUÇÂO O trabalho irá abordar sobre um método utilizado no desenvolvimento de Sistemas de Informações, chamado JAD (Joint Application Design). O principal objetivo deste método é extrair informações dos usuários (especialistas no negócio) através de reuniões ou sessões de trabalho, em substituição às entrevistas individuais de levantamento de dados. O produto dessas sessões é, então, utilizado pelos analistas para construir o Sistema. 1

3 O QUE É JAD? O primeiro trabalho a aplicar conceitos de dinâmica de grupo, no desenvolvimento de sistemas, foi elaborado por um grupo liderado por Chuck Morris da IBM do Canadá, em 1977, e batizado com o nome de JAD (Joint Application Design). O objetivo inicial era utilizar o JAD como uma ferramenta de educação aos usuários, que facilitasse a instalação de um sistema de manufatura chamado COPICS (o sistema já estava pronto). Como tal, o JAD original é baseado em auxílios visuais e fluxos de trabalho, nada tendo a ver com as metodologias estruturais atuais. No método convencional de desenvolver sistemas, os analistas entrevistam os gerentes e os especialistas no negócio da empresa, uns após os outros, tomando notas das entrevistas e gerando um documento sobre as características do sistema atual e as necessidades do novo sistema. O resultado deste levantamento é, então, validado com os usuários entrevistados para, a seguir, se iniciar o trabalho de análise e projeto. Este processo de entrevistas em série consome um tempo considerável, que pode se transformar numa restrição crítica à medida que o projeto cresce em tamanho e complexidade. O JAD substitui as entrevistas individuais por reuniões de grupo, onde participam os representantes dos usuários e os representantes da informática. Essas sessões de trabalho são intensivas e levam, tipicamente, de um a três dias. Para determinado projeto várias sessões podem ser realizadas, cada uma com sua finalidade especifica, dependendo da fase em que se encontra o desenvolvimento. Outra característica deste método é que as sessões são conduzidas por uma pessoa que tem por objetivo obter, de forma rápida, o consenso do grupo sobre os requisitos e questões ligadas à análise e projeto do sistema. Este facilitador ou líder de sessão desempenha seu papel com total imparcialidade com relação ao conteúdo e às escolhas feitas pelo grupo. Quando o método é aplicado de forma correta, os resultados alcançados ultrapassam os objetivos imediatos da obtenção de informações dos usuários, e cria um ambiente de alta sinergia na equipe, onde todos se sentem comprometidos com as soluções encontradas e passam a se empenhar efetivamente nas ações de implementação. ESTRUTURA DO JAD Hoje o nome JAD passou a ser mais uma identificação do que um método específico, pois, mesmo dentro da IBM (pioneira no JAD), existem várias versões adaptadas de acordo com as necessidades dos clientes, incluindo uma específica para o mercado brasileiro. A estrutura apresentada neste trabalho é aquela apresentada no livro e chamada de Método de Projeto Interativo, com o mesmo sentido do JAD. Estrutura de projeto interativo do JAD: As reuniões substituem as entrevistas individuais. Os usuários fazem parte integrante do processo de desenvolvimento, visto que suas opiniões são consideradas e as divergências resolvidas de forma transparente. Mesmo que sua idéia não prevaleça, ele reconhece o esforço coletivo na busca da solução mais adequada. As decisões são baseadas em consenso. O consenso não é uma unanimidade de opiniões, mas, sim, que cada membro concorda que a solução encontrada é a melhor para o grupo e que é possível conviver com ela sem ferir convicções ou valores essenciais. 2

4 O líder de sessão elimina barreiras de comunicação. Uma reunião é mais produtiva quando conduzida por um facilitador, do que o modelo clássico em que o de maior poder de decisão em relação ao resto do grupo, dirige a reunião. O facilitador é um servidor neutro do grupo que não avalia nem contribui com idéias. A responsabilidade do facilitador é sugerir métodos e procedimentos que ajudem o grupo a concentrar energia em tarefas especificas, protegendo todos os membros do grupo contra ataques e garantindo que todos tenham a mesma oportunidade de participar. Os papéis são bem definidos. Cada um dos participantes sabe claramente que papel deve desempenhar na sessão. Existem dois grupos de participantes: aqueles que integram o projeto e aqueles responsáveis pela aplicação do JAD. Participantes: Executivo Patrocinador. É a pessoa com autoridade formal sobre as áreas de negócios afetadas pelo sistema. Escolher o patrocinador corretamente é fundamental, principalmente, em projetos que envolvem grande número de unidades organizacionais (departamentos), visto que ele é considerado o mais alto nível a ser escalado quando surgem conflitos de opiniões. O patrocinador estabelece as diretrizes e objetivos do projeto. É responsável também pela abertura da primeira sessão de trabalho, na qual o grupo terá oportunidade de sentir o real interesse da administração superior pelo sucesso do projeto e em dar o seu indispensável apoio. Gerente do Projeto. É responsável pelo sucesso ou fracasso do projeto. Participa das sessões JAD na condição de membro da equipe. È o principal contato do líder de sessão durante todo o processo, ajudandoo na familiarização com o projeto e a equipe envolvida. Equipe. São os responsáveis pelo conteúdo da sessão. Representam as áreas envolvidas no projeto, incluindo a de informática. Os participantes são escolhidos entre as pessoas-chave das áreas de negócio, sejam do nível operacional ou gerencial. O importante é que, na sessão, não há distinção hierárquica. Todos são iguais. Líder de Sessão. É um guia imparcial do grupo. O seu trabalho é conduzir os participantes ao longo da agenda, garantindo que todos são ouvidos e que há consenso em torno das decisões tomadas. O líder de sessão é responsável pela estruturação do processo a ser seguido, não interferindo no conteúdo das especificações. Ele não projeta, simplesmente facilita. Documentador. É um auxiliar imparcial do líder de sessão. É responsável pelo registro das decisões e especificações produzidas. Apenas as informações relevantes são documentadas, segundo orientação do líder de sessão. O meio de registro pode ser manual (através de formulários específicos) ou através de software, onde podem ser utilizados processadores de texto ou programas próprios. Observadores. São interessados em conhecer a sistemática utilizada ou interessados no projeto especificamente. Os observadores não são participantes, portanto, não estão autorizados a 3

5 opinar durante a sessão. É comum a presença de observadores, principalmente da área de informática, quando o método ainda é novidade na empresa, e todos desejam conhecer sua potencialidade. O Processo de trabalho é altamente estruturado: Os produtos a serem obtidos são previamente discutidos e é base de todo o trabalho de planejamento e preparação. Cada sessão tem sua finalidade definida com muita clareza e todos os participantes conhecem os resultados esperados. O líder conduz o grupo em direção ao objetivo segundo os passos constantes da agenda. A agenda é o plano de vôo da reunião, e cabe ao líder, como piloto, segui-la com total disciplina e rigor. Os resultados a serem alcançados na sessão de trabalho não devem ser confundidos com os próprios produtos exigidos pela metodologia de desenvolvimento adotada pelo projeto, tais como Diagrama de Fluxos de Dados, Diagrama de Entidade de Relacionamentos etc. O que é produzido na sessão é o insumo para se obter tais produtos, normalmente elaborados posteriormente pela equipe técnica. O MÉTODO DE TRABALHO INTERATIVO O método é composto de três fases: preparação, sessão e revisão. A caixa denominada PROJETO indica o organismo constituído para o desenvolvimento do sistema de informações, com sua equipe, metodologia, etc. O JAD interage com o projeto recebendo os dados necessários à preparação da sessão de trabalho e devolvendo, no final, os respectivos resultados. Esses resultados, por sua vez, são insumos para a metodologia adotada pelo desenvolvimento. O JAD pode ser aplicado em diversas etapas do ciclo de vida, sempre que a interação analistas e usuários, para a obtenção de informações, se fizerem necessária. A PREPARAÇÃO A finalidade da preparação seria estabelecer as condições básicas para que a sessão de trabalho seja produtiva e completa. Deve garantir que os participantes escolhidos sejam os apropriados; a agenda seja preparada de forma adequada; o grupo esteja de acordo quanto aos objetivos e produtos a serem obtidos na sessão e todo o material necessário tenha sido providenciado. Etapas: 1. Examinar, em conjunto com o gerente do projeto, se é adequada a utilização do JAD É necessário, antes de tudo, analisar se o JAD trará resultados para a empresa. Portanto, cada empresa e caso, deve ser examinado para que se possa avaliar a probabilidade de falha na utilização deste método. O risco de um projeto é analisado em três níveis: negócio, projeto e técnica. O risco para o negócio é definido como o nível de comprometimento para a empresa caso o projeto não chegue a seu final ou não seja concluído no prazo. 4

6 O risco do projeto é definido como a probabilidade de um dado projeto falhar ou exceder significativamente suas estimativas. O risco de técnica é definido como o potencial de falha ou da criação de problemas graves, devido ao uso de uma determinada técnica ou ferramenta numa dada situação. Também, os seguintes fatores aumentam a complexidade do projeto, e devem ser examinados segundo os possíveis riscos para o uso do JAD: Tamanho do Projeto Quanto maior o projeto, em termos de esforço, escopo e número de sessões de JAD, maior o risco, visto que o planejamento e a coordenação dos recursos se tornam mais complexos. Domínio da Metodologia Quanto menos preparada a equipe de desenvolvimento estiver com o uso da metodologia adotada no projeto, maior o risco de falha do uso do JAD. As sessões de trabalho servem para gerar os insumos que os analistas utilizarão para cumprir as etapas da metodologia. Portanto, eles precisam domina-la perfeitamente para saber de que forma o método pode ser aplicado. 2. Planejar as sessões A duração de cada sessão não deve ultrapassar três dias integrais. Este limite é para garantir que os participantes não fiquem exaustos, comprometendo a produtividade do trabalho. Cada sessão deve ter uma única finalidade. Se a sessão tiver duas ou mais razões para ocorrer, então ela será dividida em duas ou mais. Os produtos de cada sessão devem ser claramente definidos e devem ser compatíveis com a metodologia de desenvolvimento de sistemas utilizada. 3. Elaborar as perspectivas gerenciais Consiste em obter, junto ao executivo patrocinador, uma série de definições que dêem uma idéia clara do projeto como um todo e, também, da sessão especifica que se esta organizando. O fato de se colocar por escrito essas definições permite que toda a equipe seja nivelada e informada sobre as expectativas, da alta administração, associadas ao projeto. Esta visão compõe a perspectiva gerencial, que é constituída de finalidade, escopo, objetivos e restrições. A finalidade é uma sentença que identifica de forma clara por que o projeto existe e por que a sessão existe. O escopo é uma sentença identificando as áreas, funções, departamentos, locais etc., que fazem parte do esforço de desenvolvimento. Os objetivos são as sentenças mensuráveis que representam as expectativas gerenciais sobre os resultados a serem alcançados pelo projeto e pelas sessões programadas. As restrições são sentenças que procuram limitar o grau de liberdade do projeto. 4. Familiarizar-se com as áreas de negócios sob estudo O líder de sessão deve se familiarizar com a área de informática, tomar conhecimento da metodologia adotada, definir o que é esperado da sessão de trabalho e deve, então, se preparar para o próximo passo: habilitar-se a fazer o papel de interface entre os usuários e os analistas. 5

7 Além de se familiarizar com o os dois lados, o Projeto em si e a linguagem especifica utilizada nas áreas associadas ao projeto, o líder precisa gerenciar a disposição dos participantes em cooperar, conflitos de poder no grupo, etc. As principais providencias incluem: Consultar a documentação existente do projeto. Entrevistar cada participante por meia ou uma hora, buscando entender: o que fazem, dificuldades, expectativas em relação ao novo sistema e problemas a serem resolvidos. Esclarecer a cada participante o que é o JAD e o que é esperado de sua participação, além de entrega do resumo. Orientar quanto à forma de convocação do grupo que irá participar da sessão JAD. Esta convocação deve ser feita pelo executivo patrocinador de maneira formal e individual. 5. Prepara a agenda da sessão A agenda é o elemento básico da sessão. Ela indica os passos a serem seguidos, mostra onde o grupo se encontra, para onde está indo e o que deve ser alcançado. A agenda cria o mecanismo adequado para que se atinja os objetivos da sessão e se garanta que os pontos críticos serão cobertos. Os itens da Agenda-Padrão são: Introdução; Revisão da perspectiva gerencial; Abertura pelo executivo patrocinador; Visão da área de informática; Regras de conduta; Abordagem da sessão; Revisão das pendências; Revisão geral; Avaliação da sessão. 6. Preparando os participantes Etapa que visa economia de tempo durante a sessão, tomando as seguintes providencias: Apresentar, aos participantes a abordagem da sessão que se utiliza; Identificar, baseado nos itens da abordagem, quais as informações que devem ser providenciadas previamente. 7. Preparar a agenda detalhada A Agenda Detalhada é o roteiro que o facilitador usa durante a sessão. Ela é um desdobramento da Agenda da Sessão e contem notas sobre a duração prevista de cada etapa, tipo de auxilio visual a ser utilizado em cada momento, dicas que orientem o documentador, lembretes, piadas etc. 8. Preparar a ferramenta de documentação A documentação pode ser feita de diversas formas, desde o preenchimento manual de formulários até o uso de processadores de texto ou softwares específicos para o registro das informações produzidas. As ferramentas tipo CASE nem sempre são adequadas para documentar uma sessão JAD. Por esse motivo, o CASE não é comentado neste trabalho. 6

8 A SESSÃO DE TRABALHO Realizar a reunião de trabalho com os participantes selecionados na Fase de Preparação, objetivando produzir as informações necessárias ao desenvolvimento do Sistema. Uma sessão adequadamente conduzida busca a criação de sinergia (ação cooperativa entre mais ou dois elementos). Neste ambiente, o grupo desenvolve idéias e conceitos que, dificilmente, ocorreriam através de outro processo. Etapas: 1. Preparação do ambiente O ambiente físico é fundamental para a produtividade dos trabalhos. Se as condições não forem adequadas, os participantes não conseguirão manter um ritmo intensivo e criativo. A qualidade certamente cairá. Por isso, os seguintes aspectos devem ser considerados. A arrumação das mesas deve ser em forma de U. Isso permite que todos os participantes se olhem de frente, facilitando as discussões. Além disso, o Líder de Sessão pode se aproximar de qualquer membro do grupo com facilidade. A arrumação tipo auditório é recomendada para sessões de abertura e encerramento. Utilizar equipamentos audiovisuais testados e verificados. O check-list do material deve ser verificado (flip-charts e respectivas folhas, canetas de quadro branco, canetas de transparências, etc). Os auxílios visuais devem ser instalados, exibindo a finalidade, escopo, objetivos e restrições do projeto/ sessão; as informações levantadas na fase de preparação e a agenda de sessão. Verificar se estão visíveis de todas as posições. Recomenda-se a preparação prévia de pastas para os participantes, contendo a agenda da sessão, dados sobre o projeto, material de levantamento, rascunho para anotações, etc. Estas providências devem ser tomadas no dia anterior à realização da sessão. 2. Condução da sessão O Líder de Sessão precisa de um roteiro de referencia (agenda detalhada) para seu auxilio. Primeiro dia, o Líder de Sessão deve começar as apresentações : sua própria, do documentador, do Executivo Patrocinador, do Gerente de Projeto e demais participantes. Explique a agenda da sessão e como cada etapa desenvolverá. Aborde as questões gerais ligadas à logística da sessão, tais como, almoço, local de banheiros, intervalos, transporte, etc. Reveja a Perspectiva Geral (finalidade, escopo, objetivos e restrições) com os participantes. Peça ao Patrocinador que diga algumas palavras sobre as expectativas da administração. Peça ao Gerente do Projeto (ou algum representante do Processamento de dados) que apresente uma visão das possibilidades tecnológicas da informática. Avise que, conforme previsto, o Patrocinador já deu sua colaboração e irá se retirar. 7

9 Desenvolva com o grupo uma lista contendo as regras de conduta (código de cooperação) a serem seguidas, para permitir uma reunião produtiva. O fato de a lista ser produzida pelos participantes garante que eles próprios irão ajudá-lo a reforçá-la ao longo da sessão, sempre que alguém desobedecer algum item. O trabalho deve levar entre 45 a 60 minutos, no máximo, no primeiro dia. Cada manhã seguinte utilize técnicas para acordar o grupo como um bom dia por exemplo, e façam todos participar levantados, respirando fundo e voltando a sentar. A finalidade do exercício deve ser explicada. Faça uma rápida revisão (5 minutos) do que se alcançou no dia anterior. Inicie, então, com o primeiro item da agenda do dia, sempre explicando como ele está contribuindo para se alcançar os objetivos da sessão. 3. Documentação A documentação é responsabilidade do documentador, como auxiliar do líder de sessão, não participando das discussões, apenas documentando o que o grupo decide. As principais atividades do documentador são: Providenciar ferramenta de documentação (formulário, micro, software, impressora, etc.). Observar os Passos da Agenda Detalhada. Documentar as decisões constantes na memória do grupo (charts, quadro, transparências), segundo indicação do facilitador. Documentar de talhes surgidos nas discussões, segundo indicação do facilitador. Ler o que foi documentado para o grupo, sempre que necessário algum esclarecimento. Gerar a documentação do dia para distribuir aos participantes. Obs: mesmo que a documentação final necessite de revisão, as versões provisórias devem ser entregues dia-a-dia. 4. Encerramento da sessão. Os passos abaixo devem ser seguidos, para garantir que nada foi esquecido, e também receber feedback dos participantes: Revisão geral da agenda, verificar se todos os itens foram atendidos. Avaliação da sessão, através de questionários distribuídos aos participantes, cobrindo questões sobre a sessão, se a sistemática do JAD pode ser melhorada, recursos visuais eficazes, etc. Entrega da documentação produzida na sessão. Ultima sessão do projeto, o Gerente faz uma apresentação dos resultados alcançados para o Patrocinador. 8

10 REVISÃO Rever a documentação produzida na sessão e examinar possíveis melhorias na sistemática adotada. Etapas: 1. Rever a documentação Verificar se todas as informações estão corretas, corrigir falhas de comunicação entre facilitador e documentador, examinar a melhor maneira de sumarizar os resultados para apresentação e aprovação da administração e encaminhar versão definitiva da documentação para os participantes. 2. Examinar avaliações É vital para o sucesso do JAD que sua adequação às características da empresa seja parte de um processo de aperfeiçoamento. Existem hoje setores na informática que chamamos de Centros de Suporte ao Desenvolvimento (CSD), responsáveis pela introdução de novas metodologias. Normalmente os Lideres de Sessão estão alocados a estes setores. É comum utilizar consultores externos, principalmente, quando em fase inicial de implantação. Em todo caso, o CSD deverá estar representando nesta etapa de exame das avaliações. As avaliações devem ser codificadas e tabuladas de forma a permitir analises comparativas entre as sessões. 3. Prepara a pasta do projeto JAD Esta pasta é um registro as atividades que ocorreram durante o desenvolvimento e condução das sessões JAD de determinado projeto. É um arquivo que contem valioso material sobre o projeto, o método utilizado e as pessoas envolvidas. Deve conter: Perspectiva gerencial; Plano de sessões; Agenda de cada sessão; Lista de participantes de cada sessão; Documentação produzida em cada sessão; Questionários de avaliação. 9

11 BIBLIOGRAFIA COSTA, Osvaldo Wilson Dias da JAD, Joint Application Design Rio de Janeiro Ed. Infobook

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia)

Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia) 1 2 Introdução aos Sistemas de Informação 1/2005 Aula 3 -Técnicas de Levantamento de Requisitos (material elaborado pelas Profas. Rosângela e Junia) Em todo desenvolvimento de software, um aspecto fundamental

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 5 Set/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Execução Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE

Leia mais

Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade. Um Estudo de Viabilidade

Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade. Um Estudo de Viabilidade Projeto da Disciplina Parte1: Estudo de Viabilidade ENTREGA: 09/04/09 Professor: Carlos José Maria Olguin Um Estudo de Viabilidade Você deve fazer um estudo de viabilidade para um projeto de sistema de

Leia mais

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos Série Elementos Intel Educar Guia do Facilitador http://www.intel.com/educacao Copyright 2010 Intel Corporation. Página 1 de 19 Termos de Uso para o Guia do Facilitador da Série Elementos Intel Educar

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 ISO 19011 âmbito Linhas de orientação para auditoria a sistemas de gestão Princípios de auditoria Gestão de programas de auditoria Condução de

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria Módulo 4 Conceitos e Princípios de Auditoria NBR: ISO 14001:2008 Sistemas da Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso NBR:ISSO 19011: 2002 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software ATIVIDADES DE APOIO. Atividades da Engenharia de Software. Atividades da Engenharia de Software

Atividades da Engenharia de Software ATIVIDADES DE APOIO. Atividades da Engenharia de Software. Atividades da Engenharia de Software Módulo 1 SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br CONSTRUÇÃO Planejamento do Codificação Teste MANUTENÇÃO Modificação 2003 2 Planejamento do Gerenciamento CONSTRUÇÃO de Codificação

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice

Processo de Homologação de Tipo Aeronave, Motor e Hélice Gerência de Programas Gerência de Engenharia Gerência de Regulamentação Gerência de Inspeção e Produção 01 REUNIÃO DE FAMILIARIZAÇÃO Reunião para estabelecer parceria com o requerente. É uma oportunidade

Leia mais

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais L.F.Perondi Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais

Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Ciências Contábeis Prof.: Maico Petry Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais DISCIPLINA: Sistemas de Informação Gerencial O QI da empresa

Leia mais

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você

Leia mais

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17 Documento técnico HP Quality Center Atualize o desempenho Índice Sobre a atualização do HP Quality Center 2 Introdução 2 Público-alvo 2 Definição 3 Determine a necessidade de uma atualização do HP Quality

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria 1ª Versão 1 Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO 1ª Versão 2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO 2

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

TRANSIÇÃO DE SERVIÇO ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Service Transition

TRANSIÇÃO DE SERVIÇO ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Service Transition TRANSIÇÃO DE SERVIÇO ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Service Transition Conjunto de processos e atividades para a transição de serviços Engloba

Leia mais

Transparência em promoções e vendas: uma lista de verificação para prestadores de serviços financeiros

Transparência em promoções e vendas: uma lista de verificação para prestadores de serviços financeiros Transparência em promoções e vendas: uma lista de verificação para prestadores de serviços financeiros Introdução Prestadores de serviços financeiros devem divulgar por inteiro para os clientes os preços,

Leia mais

Conceitos e definições

Conceitos e definições Conceitos e definições Hierarquia de processos Macro-processo Macro Atividade Atividade Tarefa Tarefas 1. ------------ 2. --------- 3. --------------- 1 Conceitos e definições Hierarquia de processos Macro-processo

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Tutorial de Gerenciamento de Projetos Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Apresentação Erika Yamagishi Engenheira de Computação pela UNICAMP Consultora associada

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Práticas de Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Aula 5 Levantamento de Processos. Andréa Magalhães Magdaleno andrea@ic.uff.br

Modelagem de Processos de Negócio Aula 5 Levantamento de Processos. Andréa Magalhães Magdaleno andrea@ic.uff.br Modelagem de Processos de Negócio Aula 5 Levantamento de Processos Andréa Magalhães Magdaleno andrea@ic.uff.br Agenda Técnicas de levantamento de processos Análise de documentação Observação Story boarding

Leia mais

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração.

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração. Gestão de projetos técnicos de baixa complexidade: a relação entre projeto, gestão e desenvolvimento do site SETIS Bruno Bergmann bernemano@gmail.com Felipe Valtl de Mello valtlfelipe@gmail.com Gabriel

Leia mais

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 É na Operação de Serviço que se coordena e realiza as atividades e processos necessários para fornecer e gerenciar serviços em níveis acordados com o usuário e clientes

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Ferramenta de Gerenciamento

Ferramenta de Gerenciamento Ferramenta de Gerenciamento Yuri Franklin 1 Luis Fernando Nuss 2 yuri.fr@uol.com.br luisnuss@hotmail.com 1 Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), Faculdade de Engenharia de Resende - Resende, RJ, Brasil

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

[Descrição do projeto] para [Nome do Cliente] Plano de Projeto

[Descrição do projeto] para [Nome do Cliente] Plano de Projeto [Inserir Logotipo do ] [Descrição do projeto] para [Nome do Cliente] Preparado por: [nome do GP] Gerente de Projeto E-mail: [xxxxxxxxxxx] Projeto Id: [inserir ID do projeto] Data Elaboração:[xxxxxxx] Informações

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Definição: O escopo de um projeto descreve todos os seus produtos, os serviços necessários para realizá-los e resultados finais esperados. Descreve também o que é preciso fazer para que alcance seus objetivos

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA-SEED DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA -DEPEAD COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO EM EAD/COPEAD. PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução aos Processos de Software: modelos e ciclo de vida de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF OS TRECHOS EM FONTE NA COR VERMELHA SÃO AS NOVIDADES ACRESCENTADAS PELO AUTOR. CAPÍTULO 2 2.1. QUANDO A AUDITORIA INDEPENDENTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É NECESSÁRIA? Vimos que a auditoria tornou se

Leia mais

TRAProhe TRATR MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças. Currículo 2009-2

TRAProhe TRATR MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR. Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças. Currículo 2009-2 TRATR TRAProhe MANUAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR Curso Superior Tecnológico de Gestão em Finanças Currículo 2009-2 Coordenador Geral: Coordenador do Curso: Centro de Excelência no Ensino: Alexandre Miserani

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Ponto de Vista da Mercer A avaliação 360 é um elemento vital para o desenvolvimento da liderança e planejamento de talentos Identifica pontos fortes e áreas de desenvolvimento

Leia mais

A Devolução do veículo ao Cliente MÉTODOS PÓS-VENDA

A Devolução do veículo ao Cliente MÉTODOS PÓS-VENDA A Devolução do veículo ao Cliente MÉTODOS PÓS-VENDA Sumário 1. INTRODUÇÃO 1.1. Atitude Básica Indispensável (ABI) 1.2. Responsáveis pela execução e acompanhamento 1.3. Expectativas e Oportunidades 2.

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

APRESENTANDO A OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS AMWAY. Guia do participante

APRESENTANDO A OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS AMWAY. Guia do participante APRESENTANDO A OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS AMWAY Guia do participante Esta página foi deixada intencionalmente em branco. Sumário Introdução do curso i Como usar este Manual do participante ii Como o Manual

Leia mais

Qualidade no levantamento de requisitos

Qualidade no levantamento de requisitos Qualidade no levantamento de Trecho do Pequeno Príncipe: Antoine Saint-Exupéry, 1996. E ele repetiu-me então, brandamente, como uma coisa muito séria: - Por favor... desenha-me um carneiro... Quando o

Leia mais

Planejamento de Desenvolvimento de Software Everson Santos Araujo everson@por.com.br

Planejamento de Desenvolvimento de Software Everson Santos Araujo everson@por.com.br Planejamento de Desenvolvimento de Software Everson Santos Araujo everson@por.com.br Introdução O planejamento para o desenvolvimento de um software é fator preponderante para que se tenham resultados

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Unimed Apucarana Gestão por Competências Unimed Apucarana Unimed Apucarana em números 158 médicos cooperados 16 aspirantes a cooperado 17.676 clientes 63 colaboradores 79 recursos

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO PARTICIPATIVO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico.

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico. INTRODUÇÃO No nosso dia-a-dia enfrentamos diferentes tipos de riscos aos quais atribuímos valor de acordo com a percepção que temos de cada um deles. Estamos tão familiarizados com alguns riscos que chegamos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

Gestão de Projetos com o uso do dotproject

Gestão de Projetos com o uso do dotproject Gestão de Projetos com o uso do dotproject Eloi Cabral Vieira, Francisco Assis do Nascimento FACCAT Faculdades de Taquara Avenida Oscar Martins Rangel, 4500 RS 115 Taquara RS Brazil eloicabral,assis@nidus.org.br

Leia mais

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos Engenharia de Software Fase de Análise de Requisitos Engenharia de Sistemas de Computador ANÁLISE DE REQUISITOS ANÁLISE DE REQUISITOS Projeto de Software 1 2 Tipos de Requisitos 3 4 Tipos de requisitos

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos. Prof. Galvez Gonçalves

Prática e Gerenciamento de Projetos. Prof. Galvez Gonçalves Prática e Gerenciamento de Projetos Prof. Galvez Gonçalves Fases e Ciclo de Vida Os Projetos são empreendimentos únicos, nunca realizados. A característica da unicidade é devido ao fato de os projetos

Leia mais

SGBL SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BOLSISTAS LOCAL DA UAB NO CEAD/IFES

SGBL SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BOLSISTAS LOCAL DA UAB NO CEAD/IFES 1 SGBL SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BOLSISTAS LOCAL DA UAB NO CEAD/IFES Vitória ES 04 2014 Filyppe Meneses Coelho Instituto Federal do Espírito Santo - filyppemc@gmail.com José Mário Costa Junior Instituto

Leia mais

Auditoria e Análise Crítica do Sistema da Qualidade dos Laboratórios

Auditoria e Análise Crítica do Sistema da Qualidade dos Laboratórios Em Procedimento GGLAS 5 Auditoria e Análise Crítica do Sistema da Qualidade dos Laboratórios Proc./GGLAS nº 16 Página 1 de 15 Habilitação de Laboratório na Reblas Auditoria e Análise Crítica do Sistema

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

FAUSTO SILVA MASTRELLA

FAUSTO SILVA MASTRELLA União Educacional Minas Gerais FAUSTO SILVA MASTRELLA NOVAS PERSPECTIVAS UBERLÂNDIA MINAS GERAIS BRASIL 2009 2 FAUSTO SILVA MASTRELLA NOVAS PERSPECTIVAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais