Vania Vaz & Maria Odete Alves &Gisella Colares Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vania Vaz & Maria Odete Alves &Gisella Colares Gomes"

Transcrição

1 Vania Vaz & Maria Odete Alves &Gisella Colares Gomes. Propriedade e meio ambiente. Alunas do Curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável (CDS) da Universidade de Brasília. Entrar num mundo interdisciplinar é mais do que um desafio, é embarcar numa viagem: fascinante, diferente, enfim complexa. As abordagens e os caminhos que envolvem o Desenvolvimento Sustentável 1 são diversos, e dão margem para caminhar e discutir sobre diversas áreas do conhecimento sem, é claro, fugir do compromisso com as âncoras de nossas formações acadêmicas iniciais. Nesse sentido ousa-se escrever este artigo sobre propriedade e meio ambiente. Tentando colocar um novo olhar sobre esses dois conceitos, pensando em ambos de forma interativa, que um não pode ser desvinculado do outro seja no exercício de uma reflexão teórica, ou no desafio da interação social homem-natureza. Aqui não foi construída uma crítica impiedosa aos conceitos tão difundidos e ainda tidos como referenciais quando se trata de propriedade. Como, por exemplo, o conceito de propriedade em Locke. Propõe-se sim, trazer para as discussões atuais, a idéia de que todas as mudanças que tanto a natureza como o homem sofreram, interferem e muito, no que é e no que poderia ser o conceito ou a discussão atual sobre propriedade e meio ambiente. Neste sentido, vale citar uma passagem de Milton Santos: Os fatos estão todos aí, objetivos e independentes de nós. Mas cabe a nós fazer com que se tornem fatos históricos, mediante a identificação das relações que os definem, seja pela observação de suas relações de causa e efeito, isto é, sua história, seja pela constatação da ordem segundo a qual eles se organizam para formar um sistema, um novo sistema temporal, ou melhor, um novo momento do modo de produção antigo, um novo, ou a transição entre os dois. Sem relações não há fatos. É por sua existência histórica, assim definida, no interior de uma estrutura social que se reconhecem as categorias da realidade e as categorias de análise. Já não estaremos, então, correndo o risco de confundir o presente com aquilo que não mais o é (SANTOS, 2007, p.15). Para discutir sobre o conceito atual de propriedade não se deve alimentar do mesmo conceito primário no qual a propriedade sempre se firmou, sob pena de legitimar um dogma. A teoria sobre o conceito de propriedade não acompanhou as interferências e transformações que a mesma sofreu. Desta forma, surge a necessidade de novas discussões e reflexões sobre o tema * 1 No ano de 1987 a Comissão Mundial da ONU sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), presidida por Gro Harlem Brundtland e Mansour Khalid, apresentou um documento chamado Our Common Future, mais conhecido por relatório Brundtland. O relatório diz que desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem suas próprias necessidades. Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

2 de maneira complexa e sistêmica, trazendo para o jogo diversos autores, alguns pouco debatidos nesse tema em especial, porém que trouxeram em seus estudos diversas contribuições para um pensar mais complexo. Fazer-se o uso da propriedade acreditando que as conseqüências atingirão somente a si mesmo, não pode mais ser aplicado nos dias atuais. O uso-fruto da propriedade tem conseqüências que transcendem os limites geográficos da propriedade, na forma de efeitos que desencadeiam impactos sistêmicos e não lineares. Isso significa que a relação de propriedade está se deslegitimando. Questiona-se, assim, o conceito de Locke no qual o pressuposto para a liberdade e a igualdade entre os homens é a condição de proprietários. O que confere a condição humana ao individuo é a propriedade que permite sua inserção no mercado. Em Locke, a Liberdade é entendida como o uso independente da posse, porém não dá direito de destruir-se a si mesmo (o homem ainda age assim principalmente pensando que tudo aquilo que há em sua propriedade: água, flora, fauna, é exclusivamente seu). De acordo com a definição de Bobbio (1983), a propriedade deriva do adjetivo latino proprius que significa aquilo que é de um indivíduo específico. Neste sentido, propriedade é um objeto que pertence a alguém de modo exclusivo, cuja implicação jurídica é dispor de modo pleno, sem limites. Nessa percepção, propriedade é exclusivamente uma relação entre um sujeito e um objeto. E o que se deseja colocar em discussão neste texto, são abordagens e reflexões que transcendem essas compreensões. Numa releitura do pensamento de Marx, Foster (2005) captou uma preocupação ecológica. De acordo com este autor, Marx observou o surgimento do sistema da propriedade privada capitalista através da ruptura de qualquer conexão direta entre a massa da população e a terra, ou seja, a separação entre o trabalho livre e as condições objetivas para as suas realizações. Nesse processo, o problema central focaliza-se não necessariamente na propriedade, mas na separação em favor do trabalho do proprietário. O trabalho no solo em si, que pela sua natureza era fonte direta de subsistência, se transformou numa fonte mediada, dependente de relações sociais. Nas palavras de Foster, Esta dissolução da relação orgânica entre o trabalho humano e a terra tomou a forma que os economistas clássicos, inclusive Marx, chamaram acumulação original, primária ou primitiva. Nesse processo reside a gene do sistema capitalista. Acumulação primitiva foi descrita por Marx como um demorado processo histórico, iniciado já no século XIV, no qual a grande massa da população era retirada, freqüentemente à força, do solo e atirada no mercado de trabalho como proletários livres, desprotegidos e desprovidos de direito. Ademais, este processo histórico da expropriação do produtor agrícola, o camponês, caminhava de mãos dadas com a gênese do agricultor capitalista e do capitalista industrial (Foster, 2005, p.238). Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

3 A apropriação individual do solo estabeleceu a existência de homens que só possuem as forças dos braços em um espaço destituído de riqueza sem nenhum meio de vida. A força de trabalho é o material da natureza transformado no organismo humano, sendo redutíveis as propriedades naturais, isto é, o trabalho não é independente do poder de criação da própria natureza, estando intimamente atrelado à troca material associada à interação metabólica entre seres humanos e natureza. Na análise de Foster (2005), Marx considera que esse processo de apropriação consiste numa falha metabólica entre o homem e a terra, no qual o solo é feito commodity e a sua exploração se faz segundo as leis comerciais e não naturais da própria vida. O trabalho é a condição universal da interação metabólica entre o homem e a natureza, isto é, a perpétua condição de existência imposta pela natureza. Essa dinâmica é exacerbada pela relação trabalho assalariado versus capital. Em O Capital, Marx afirma: A grande propriedade fundiária reduz a população agrícola a um mínimo sempre declinante e a confronta com uma sempre crescente população industrial amontoada nas grandes cidades, deste modo, ela produz condições que provocam uma falha irreparável no processo interdependente do metabolismo social, um metabolismo prescrito pelas leis naturais da própria vida. Isto resulta num esbulho da vitalidade do solo, que o comércio transporta muitíssimo além das fronteiras de um único país. Liebig). A indústria de larga escala e a agricultura de larga escala feita industrialmente têm o mesmo efeito. Se originalmente elas se distinguem pelo fato de que a primeira deixa resíduos e arruína o poder do trabalho e portanto o poder natural do homem, ao passo que a última faz o mesmo com o poder natural do solo, elas se unem mais adiante no seu desenvolvimento, já que o sistema industrial aplicado à agricultura também debilita ali os trabalhadores, ao passo que, por seu lado, a indústria e o comércio oferecem à agricultura os meios para exaurir o solo (Foster, 2005, p. 219, apud Marx). Todo esse processo resultou na segregação do espaço campo-cidade e é uma expressão da falha metabólica analisada por Marx, a qual impede a devolução ao solo de seus nutrientes consumidos na alimentação prejudicando a reconstituição natural da fertilidade do solo. A falha metabólica representa a apropriação dos meios de vida de uma grande massa populacional em favor da acumulação capitalista. A propriedade é uma concretização dessa falha metabólica, na qual o homem se distancia da natureza e passa a tê-la como um objeto. A apropriação dos meios de vida de uma sociedade pós-industrial relaciona-se à apropriação do tempo e dos espaços públicos, conhecimentos e informações, bem como dos serviços ambientais providos pelos ecossistemas naturais. Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

4 A apropriação capitalista transcendeu os limites de uma propriedade individual e material. Na atualidade os principais meios de sobrevivência do homem tornaram-se imateriais. E passam por uma apropriação de direitos sobre esses meios. A lógica da sociedade pós-industrial exacerbou o papel das tecnologias nas condições de sobrevivência da atualidade, como por exemplo: o direito a moradia, trabalho, acesso aos transportes públicos de qualidade, educação, informação e bem estar. De acordo com Ilich (1976), a tecnologia quando ultrapassa certos limites se torna corruptora do ambiente social, pois trás mais custos que benefícios. Isso devido ao custo do controle social que não se resume à dimensão monetária, por produzir transtornos ambientais e sociais. O mesmo autor afirma que a privação da tecnologia condena o indivíduo à condição de expectador. A contribuição da tecnologia motorizada é positiva quando conduz ao alargamento do raio de circulação para todos, sem que isso aumente a parte do tempo social dedicada à circulação 2 (Ilich, 1973). Neste sentido, há uma inversão de papéis. O homem passa a ser dominado pelo que deveria ser um instrumento de melhoria do seu bem-estar. Alienado, se esvazia do poder e da capacidade inata, metabólica de locomoção. Perde a consciência de que o território é criado com o seu corpo e toma por território uma simples paisagem vista através de uma janela. O veículo mediatiza sua relação com o meio ambiente e o aliena ao ponto de definir seu valor político e social. É possível visualizar a tecnologia do conhecimento e da informação como ápice da imaterialidade dos meios de vida. O conhecimento já foi muito relacionado à experiência, à prática e ao manejo dos meios de sobrevivência. Atualmente ele é produzido de forma independente, configurando-se em outra forma de falha metabólica. Esse descolamento propicia a apropriação do conhecimento por um número limitado de indivíduos e sua conseqüente conversão em patrimônio irreal como direito de propriedade. Hoje o acesso à informação é mediado pela tecnologia. Não é mais uma transmissão oral, de forma tradicional. A informação é apropriada por uma parcela de indivíduos que possuem os instrumentos para tal, em tempo real. A própria construção e formação desta passam a ser direcionadas para um público limitado, como é o caso do acesso à internet e o desenvolvimento de pesquisas científicas. 2 Por exemplo, no caso de veículos automotores, existe uma demanda ou apropriação de cada vez mais espaços e tempo da sociedade em geral, devido à ampliação das distâncias para acessar aos locais de produção das condições de sobrevivência, que se constituem os meios de vida. Esse alargamento faz com que trabalhadores se obriguem a percorrer longas distâncias no deslocamento casa-trabalho devido a toda a configuração espacial rodoviária traçada a serviço do veículo automotor. Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

5 Existe uma articulação entre degradação ambiental e injustiça social. A fronteira da exclusão social diária está cada vez mais indistinta para um grande número de pessoas em todas as sociedades. A desigualdade é o mais importante problema ecológico do planeta e do desenvolvimento. Desta forma, as análises sobre população, alimentação, perda de biodiversidade, matriz energética, aquecimento global, poluição, capacidade de suporte, serviços ambientais devem ser feitas de modo integrado, pois estão em estreita ligação e são interdependentes entre si. A complexidade desse entrelaçamento entre processos sociais e ecológicos, materiais e simbólicos resulta na impossibilidade de se ignorar a questão da distribuição do poder sobre os recursos ambientais. O acesso à natureza é diferenciado entre quem possui a propriedade da terra e das fábricas e por quem somente dispõe de sua força de trabalho para viver. No entanto, há que considerar que os mais atingidos pelos problemas ambientais localizados são os desprovidos de meios de vida, que não têm acesso aos bens e serviços extraídos direta ou indiretamente da natureza. São os usurpados de seus meios de vida, por exemplo, os que moram perto de lixões e áreas contaminadas, os mais afetados com inundações, secas, deslizamentos urbanos etc. A crise atual tem uma dimensão que decorre da incapacidade de intervenção das instituições. De acordo com Beck (2002), os perigos das sociedades pré-modernas e os riscos da sociedade industrial podiam ser previstos e passíveis de cálculos de valores de seguro. Na sociedade atual, pós-industrial, os riscos são globais, não controláveis e incalculáveis. Portanto, não passíveis de serem administrados pelo seguro. Todavia, a transformação do meio ambiente global está nas mãos dos que se apropriam da atmosfera, poluindo-a pelo uso de combustíveis fósseis, insumos tóxicos etc. Assim, a responsabilidade não pode ser de todos indistintamente, apesar de afetar a todos da mesma forma. Isto é, a modernidade atual se organiza em torno da lógica de distribuição de riscos e não mais de riquezas, pela distribuição de males e não mais de bens. Assim, a chamada Sociedade de Risco 3 trás a distribuição de riscos globais de forma uniforme (Beck, 2002). No entanto, é a extrapolação destes riscos, distribuídos desigualmente entre os que são proprietários de meios de vida material ou imaterial e simbólico e os não 3 A expressão utilizada por Ulrich Beck para definir a sociedade contemporânea a qual, segundo ele, está submetida a uma mudança radical, em que se passa de um mundo de inimigos a um mundo de perigos e riscos, associada aos males gerados pela própria modernização e que não se restringem a grupos sociais específicos, engendram contradição em sua própria produção e têm uma tendência universalizante e globalizante. Risco é o enfoque moderno da previsão e controle das conseqüências futuras da ação humana, as diversas conseqüências não desejadas da modernização radicalizada (Bech, 2002, p.05). Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

6 proprietários, que provoca efeitos não lineares e não controláveis diretamente relacionados ao fato de que o sistema econômico e social é um subsistema da biosfera 4. O risco global está relacionado à ultrapassagem do limite crítico de práticas de apropriação dos meios de vida materiais, imateriais e simbólicos. Isso faz com que a relação de propriedade baseada nos padrões atuais se torne ilegítima. A história mostra que o homem necessita também de um sistema simbólico para sobreviver. E aí se incluem as crenças (que são muito mais que religião), sem as quais a vida não tem sentido. Os indivíduos têm sistemas de crenças que se encontram por trás de tudo o que eles fazem e que dão sentido às relações sociais, econômicas, políticas, culturais, assim como ao meio físico e objetos que manipulam. Analogamente, as sociedades são regidas por crenças. Ao longo da história, pode-se dizer que os sistemas de crenças das sociedades sofreram modificações, influenciadas por descobertas, acontecimentos ou forças hegemônicas. Na antiguidade e na Idade Média, por exemplo, a Igreja teve atuação hegemônica no antropocentrismo que imperou na sociedade. A Idade Moderna (séculos XVI e XVII), por seu turno, foi marcada por uma mudança significativa na ciência (a denominada Primeira Revolução Científica), pela afirmação da dita ciência moderna e da visão mecanicista e reducionista do universo. No século XX, duas mudanças importantes aconteceram: descobertas no âmbito da microfísica puseram em cheque a crença mecanicista e reducionista predominante nos dois séculos anteriores (tendo início a Segunda Revolução Científica); mais tarde, nos anos 1960, na Terceira Revolução Científica, surgiu a Teoria Geral dos Sistemas (TGS), que pôs abaixo o paradigma mecanicista, uma vez que mostrou a necessidade de se ter uma visão sistêmica do universo e que, para tanto são fundamentais: contextualização, articulação e união de saberes, conhecimentos e disciplinas. Neste sentido, a observação da realidade a partir de um olhar sistêmico permite perceber aspectos que não seriam vistos se observada de forma isolada. Por analogia, pode-se dizer que, quanto mais isolados são os constituintes moleculares do ser vivo, menos conhecidas são suas propriedades. Porém, pode-se dizer que ainda predomina nas sociedades atuais o conhecimento instrumental da natureza infinita e da tecnologia como solução para todos os males, embora se perceba, aos poucos, a imposição do conceito de um universo único e em evolução, na medida em que novas descobertas científicas comprovam as interações entre o mundo humano e a biosfera. 4 A terra é um organismo único. Isto é, é fruto de uma relação simbiótica entre a atmosfera, hidrosfera, litosfera e biosfera, com as esferas social, econômica e ambiental. A principal característica de uma relação simbiótica é a emergência de um outro organismo que pode fazer ou ser coisas que os simbiontes só podem fazer quando associados. Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

7 Essa visão mecanicista, ainda hegemônica nas sociedades, no entender de Mourão (2008, p.2) tem como conseqüência o desenraizamento humano de seu solo biológico e planetário, a ocultação da complexidade da vida, além do desligamento do homem de seus vínculos intrínsecos da ordem cósmica, promovendo a fragilidade nas relações mútuas de pertencimento homem-meio. Isso tem contribuído para dificultar a reversão dos riscos ambientais. Por outro lado, construir e firmar um novo sistema de crenças, baseado no pensamento sistêmico, é a tarefa de vida ou morte para os terráquios do século XXI, o que pressupõe, antes de tudo, a compreensão de que os sistemas são complexos, organizam-se por si próprios e são constituídos por interações, retroações e inter-retroações. E, a partir dessa compreensão, praticar uma visão transdisciplinar das ciências e do mundo. Significa romper com o atual sistema de crenças, assentado no dogma reducionista de explicação pelo elementar, ou seja, romper com a cultura industrial capitalista mecanicista e fragmentadora. Tal rompimento só é possível a partir da recuperação dos saberes práxicos de sustentação das relações de mútuo pertencimento entre o homem e o seu meio, conforme propõe Mourão (2008). Quanto à noção de pertencimento, existe uma construção conceitual que adota como referência o pensamento complexo 5 nascido no bojo da TGS, que tem como principais autores Edgar Morin, Humberto Maturana e Henri Atlan, dentre outros. Mourão (2008, p.02) aponta para a forma superficial e ingênua como tem sido tratado o termo pertencimento nos discursos e práticas de educação ambiental. Em suas palavras, A intenção de qualificar o modo de relação entre os humanos e a natureza passa por uma diversidade de sentidos que vai desde a suposição de uma identidade imediata do humano com o biológico até as mais sofisticadas posições humanistas sobre a autonomia e o poder de construção de uma nova natureza por parte da vontade humana. A mesma autora aponta ainda para o uso da noção de pertencimento nas discussões sobre a relação entre ética e sustentabilidade, neste caso, referindo-se a uma possibilidade de transformação de comportamentos, atitudes e valores para formação de pessoas e relações capazes de protagonizar um novo paradigma (Mourão, 2008, p.2, apud a Jara, 2001), mas também no sentido de pertencimento social, cuja teorização remota ao início do século XX, por Tönnies e Weber, sobre o fundamento da comunidade em laços pessoais de reconhecimento mútuo e no sentimento de adesão a princípios e visões de mundo comuns, que fazem com que as pessoas se sintam participantes de um espaço-tempo (origem e território) comum e pela vertente 5 O pensamento complexo é (...) essencialmente aquele que trata com a incerteza e consegue conceber a organização. Apto a unir, contratualizar, globalizar, mas ao mesmo tempo a reconhecer o singular, o individual e o concreto (Morin, 2003, p.21). Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

8 da Ecologia Profunda, que vê o pertencimento como uma capacidade humana de empatia entre subjetividades, desde que o humano reconheça a subjetividade como uma qualidade do mundo vivo e entre em comunicação intersubjetiva com ele, mas sem incorporar o conhecimento lógico objetivo (Mourão, 2008, p.2). No entender de Mourão (2008), uma maneira de alcançar o sentido operacional do pertencimento é levar em conta o enraizamento físico e biológico do sujeito humano, e a sua condição cultural propriamente humana. Tendo como base esta noção de pertencimento e diante da emergência do paradigma da complexidade, uma das questões a serem repensadas é a crença enraizada de que o homem é o centro do mundo e que a natureza e tudo o que dela deriva pode ser propriedade dele. Nessa nova forma de conceber o mundo, não é mais possível pensar na terra, na água ou mesmo no tempo, como bens materiais ou imateriais que devem e podem ser apropriados pelo homem, já que uns e outros, deste ponto de vista, são partes pertencentes do cosmos. Como afirma Morin, Somos filhos da natureza viva da terra e estrangeiros a nós próprios. Esta reflexão leva-nos a abandonar a idéia que considerava o ser humano como centro do mundo, mestre e dominador da natureza, defendida por grandes filósofos ocidentais (...). Abandonemos a missão de Prometeu e tomemo-nos seres terrestres, quer dizer, cidadãos da terra (Morin, 2003, p.10). Na percepção clássica de propriedade, uma ação de desmatamento, por exemplo, atingiria somente a propriedade de quem a praticasse. Porém, a partir de uma visão sistêmica, se compreende que os efeitos de depredação de qualquer área natural, seja ela em propriedade pública ou privada, se estendem a áreas que não se restringem àquela que efetivamente sofreu a ação. Esta simples ilustração mostra que o conceito clássico de propriedade perde sentido diante da impossibilidade de separação entre sujeito e objeto, sugerindo a necessidade de construção de outro conceito. Conceito este que representa um elemento a mais em direção à consolidação do novo sistema de crenças que se engendra no interior da sociedade. Por ambos os motivos, dispor de um novo conceito de propriedade torna-se um dos desafios para o século XXI. Neste ponto da discussão, retoma-se a afirmação de que o homem necessita de um sistema de símbolos para viver, cuja tecitura se realiza em sua sociabilidade, em suas relações sociais cotidianas. Apesar do sistema de crenças imposto pelo modelo de desenvolvimento capitalista nas sociedades modernas e, ao contrário das afirmações dos utilitaristas sobre a existência de relações puramente calculistas e mercantilistas, também acontecem relações despidas de interesse utilitário e material (Caillé, 1998). Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

9 Com tal afirmação, não se está negando que o modelo dominante de sociedade, na medida em que construiu um sistema de crenças utilitarista, abalou a sociabilidade humana, por impor o distanciamento de alguns valores das relações sociais, sem os quais seria difícil a construção de um sistema de crenças assentado numa visão sistêmica do cosmos. Mas não é impossível resgatar tais valores. A proposta de Mariotti (2002), dos cinco saberes que, segundo ele, caracterizam o pensamento complexo (saber ver, saber esperar, saber conversar, saber amar e saber abraçar), apresentada a seguir, de forma resumida, pode servir de referência para o resgate da sociabilidade perdida. O autor se baseia no pensamento complexo ou pensamento do abraço de Morin, para quem uma visão abrangente de mundo deve nascer do abraço, ou seja, da complementaridade, do entrelaçamento: Saber ver: saber ver é saber ver o outro, único ponto de partida humano para começar a enxergar o mundo, ao contrário do que ocorre no mundo atual, em que nossos olhos estão apropriados pela cultura dominante, que aliena nosso cotidiano com imagens padronizadas, restringindo o nosso acesso ao imaginário, assim como à linguagem escrita e falada, à expressão corporal, à produção de imagens e símbolos (Mariotti, 2002, p.04). Saber esperar: na sociedade capitalista, movida pela utilidade e pelo cálculo, as pessoas desaprenderam da espera. Esperar significa perder tempo e dinheiro, em geral, relacionado com imediatismo, ansiedade e temor. O tempo virou uma coisa, uma mercadoria, uma propriedade. No entanto, a temporalidade é circular e reflete a dinâmica dos sistemas da natureza. Ou seja, vivemos em ciclos. Portanto, saber esperar é saber viver. É uma dimensão da condição humana. Saber conversar: ao invés de interagirmos com as intenções e as condutas dos outros, tendemos a reagir aos comportamentos. No entanto, a definição de uma cultura se dá pelo teor das redes de conversação que a compõem. Saber amar: os seres humanos nascem sabendo amar e são dependentes de amor (citando Maturana), apesar de se viver num sistema caracterizado pela cultura do desamor, da agressão e das guerras e que nos faz desaprender. Amar o outro significa reconhecê-lo e legitimá-lo, sem que ele precise de nenhum modo justificar a sua humanidade (Mariotti, 2002, p.12). Saber abraçar: saber abraçar é conseqüência de saber amar. Essa proposta de Mariotti parte do pressuposto de que o modo de vida atual separa a palavra da realidade e que, tais saberes, se inter-relacionados uns aos outros, podem trazer de volta este elo perdido, na medida em que formam o cerne de outro modo de estar no mundo, o que demonstraria a superação do penso, logo existo por um sinto, logo compartilho. Em suas palavras, uma síntese das atitudes e metas a serem perseguidas: Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

10 A mão estendida é o início do abraço. É o ponto de partida para o pensamento complexo marco inaugural do longo processo de busca da solidariedade (Mariotti, 2002, p.01). E trazer de volta o elo perdido significa também desenvolver o senso de pertencimento do cosmos, na medida em que a complementaridade e o entrelaçamento (e por extensão, os cinco saberes do pensamento complexo) são elementos construídos simbolicamente nas relações sociais próprias da dádiva que, de acordo com Mauss, embora com origens nas sociedades primitivas, persiste nos tempos modernos. A dádiva maussiana (por referência a Mauss) tem um papel importante na configuração das relações sociais. Ela funciona como um princípio que regula as relações sociais, envolvendo a obrigação dos indivíduos de se submeterem à lei do simbolismo e à exigência de dar, receber e retribuir. Ela é paradoxal, pois por um lado trata-se de uma incondicionalidade condicional e, por outro, é uma aposta, sustentada na incerteza (o ato de dar não significa que o outro vai aceitar; e se aceita, não significa que vai retribuir) e na inexistência de mensuração de valores (pois não existe relação numérica entre o que se dá e o que se recebe). Além disso, não é um jogo de interesse, pois o ato de dar tem um componente afetivo (Caillé, 1998). Na perspectiva de Godbout (2002), os rituais da dádiva visam fortalecer os vínculos das relações sociais. Este autor acredita que nos vínculos pessoais há uma tendência do doador minimizar, ou mesmo negar a dádiva. E nisso estão embutidas algumas razões: uma delas é que ao minimizar o valor daquilo que foi doado, o doador diminui a obrigação que o donatário teria de retribuir. Desta forma, busca aumentar a incerteza da retribuição e deixar o outro livre de dar. Estando livre de dar, e se o faz [dá], o outro tem também a oportunidade da dádiva. Tudo isso é feito de forma voluntária e permanente, de forma incerta e indeterminada, para não se submeter ao contrato, à regra, ao dever e, assim, desobrigar o outro a nosso respeito. A incerteza, neste contexto, é um espaço para a manifestação da confiança, pois aquilo que é dado não é mensurado: é espontâneo e incerto. Isso torna a dádiva contrária às teorias das escolhas racionais e ao contrato. Opõe-se também à moral do dever, porque se caracteriza pelo prazer do gesto e da liberdade. Estes dois aspectos, no entender de Mauss, confeririam à dádiva, o caráter de fenômeno social total : por um lado, teria o engajamento da coletividade como um todo; por outro, teria a característica de perpassar todas as esferas das práticas (jurídicas, econômicas, religiosas, estéticas, morfológicas etc). Isso apontaria para a ausência de autonomia da dimensão econômica e sua imbricação junto às demais esferas da vida social como característica dessas sociedades (Godbout, 2002, p.149). Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

11 Vista desta perspectiva, a dádiva nos ensina a praticar os cinco saberes propostos por Mariotti e, por conseqüência, retomar as relações de reciprocidade e, assim, desenvolver o senso de pertencimento ao cosmos e, finalmente, perceber, de um ponto de vista sistêmico, a irrelevância da definição clássica de propriedade. Este é um caminho possível para se entender que o que denominamos de bens, materiais ou imateriais, não são propriedades de uns, na medida em que formam o todo do qual também faz parte o ser humano. É, portanto, uma saída para que a sociedade atual se livre das amarras do conhecimento preso às heranças dos paradigmas anteriores e contribua para a consolidação da construção do novo sistema de crenças que vem se elaborando a partir das novas descobertas e dinâmicas sociais. Referências BECK, Ulrich. La sociedad del riesgo global. Tradução por Jesús Alborés Rey. 2ª. ed. Madrid: Siglo XXI de Spaña Editores, BOBBIO, Noberto;MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gian Franco. Dicionário de Política. 2ª edição. Brasília: Editora Universidade de Brasília, BERTALANFFY, Ludwig Von. Teoria geral dos sistemas. 3ª Edição. Petrópolis, Vozes, FOSTER, John Bellamy. A ecologia de Marx: materialismo e natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, ILLICH, Yvan. Energie et Equité. Éditions du Seuil, ILLICH, Ivan. A Convivencialidade.Lisboa: publicações Europa-América, ODUM, Howard T. Ambiente, energia y sociedad. Barcelona, Blume, SANTOS, Milton. Pensando o espaço do homem. 5ª edição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, CAILLÉ, Alan. Nem holismo nem individualismo metodológicos: Marcel Mauss e o paradigma da dádiva. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 13 (38) São Paulo, Outubro, GODBOUT, Jacques. Homo donator verus homo oeconomicus. In: MARTINS, Paulo Henrique. (Org.) A dádiva entre os modernos: discussão sobre os fundamentos e as regras do social. Tradução de Guilherme João de F. Teixeira. Petrópolis, RJ: Vozes, pp MARIOTTI, Humberto. Os cinco saberes do pensamento complexo: pontos de encontro entre as obras de Edgar Morin, Fernando Pessoa e outros escritores. (Seminário apresentado nas 3as. Conferências Internacionais de Epistemologia e Filosofia. Instituto Piaget, Campus Acadêmico de Viseu, Portugal, abril de 2002). Disponível em Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

12 NTO%20COMPLEXO.pdf. Acesso em MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. Tradução de Juremir Machado da Silva. Para navegar no século, Disponível em Acesso em: Texto integrante dos Anais do XIX Encontro Regional de História: Poder, Violência e Exclusão. ANPUH/SP USP. São Paulo, 08 a 12 de setembro de Cd-Rom.

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz

Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz 1. Ecoética: do paradigma antropocêntrico ao paradigma biocêntrico. A pergunta que inicia o presente texto também faz parte

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Urbanismo, Meio Ambiente e Interdisciplinaridade Geraldo Milioli, Dr. (UNESC) Sociólogo, Professor/Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) e Coordenador do Laboratório de

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA

ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA BIANCHI, Aline Barrim Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Naturais e Exatas CCNE Curso de Geografia Licenciatura email: alinebarrim@gmail.com

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho

Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho Vivência da Paz e Valores Humanos: Ação Transdisciplinar como Caminho RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Cirlena Procópio (Universidade Salgado Oliveira/cprocopio@brturbo.com.br)

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Dádiva: Solidariedade e doação de medula óssea

Dádiva: Solidariedade e doação de medula óssea Dádiva: Solidariedade e doação de medula óssea Maria de Fátima Patu da Silva 1, Paulo Henrique Martins 2 e Raul Antônio Morais Melo 3 Introdução O presente trabalho introduz uma discussão sobre a temática

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER Introdução França e Inglaterra desenvolveram o pensamento social sob a influência do desenvolvimento industrial e urbano, que tornou esses países

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE

CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SISTÊMICO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE Esdras Lins Bispo Júnior 1 Universidade Católica de Pernambuco UNICAP bispojr@dei.unicap.br Introdução A

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Carta da Terra e Ecopedagogia

Carta da Terra e Ecopedagogia Carta da Terra e Ecopedagogia A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana Labrea O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo um

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO

TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO. ORIGENS DA TEORIA DOS SISTEMAS EM ADMINISTRAÇÃO A Teoria dos Sistemas foi introduzida na Administração, a partir da década de 1960, tornando-se parte integrante da

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional

As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional Tiago Mainieri 1, Universidade Federal de Goiás Eva Ribeiro 2, Universidade Federal de Goiás Resumo: O artigo apresenta a comunicação organizacional

Leia mais

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Harry Potter e a Engenharia Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Turmas em conflito num mundo virtual A outra realidade! Aqui também temos turmas em conflito! Como superar isso? A crise

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

PESQUISA DE CAMPO EM GEOGRAFIA *

PESQUISA DE CAMPO EM GEOGRAFIA * PESQUISA DE CAMPO EM GEOGRAFIA * DIRCE MARIA ANTUNES SUERTEGARAY Universidade Federal do Rio Grande do Sul Este procedimento, como sabemos, não é exclusivo da pesquisa em Geografia, dele se apossam as

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE MENINAS QUE MORAM EM ÁREA DE RISCO EM CAMPINA GRANDE PARAÍBA- BRASIL Maria das Graças Santos (*) Adriana Jerônimo de Lima() Monica Maria Pereira da Silva Valderi Duarte Leite Centro

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Sobre o Condomínio da Terra

Sobre o Condomínio da Terra Prof. Doutor José Joaquim Gomes Canotilho 1 Sobre o Condomínio da Terra 1. Voz próxima dos grandes momentos? É-nos perguntado se a ideia de condomínio da terra é uma utopia necessária? Não sabemos se o

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 1 INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise da relação entre indivíduo e sociedade na obra durkheimiana.

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

C O L É G I O L A S A L L E

C O L É G I O L A S A L L E C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 ENSINO RELIGIOSO

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 Ana Mercês Bahia Bock 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo/Brasil O tema proposto para a reflexão

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO 0 A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO (1)Prof. Dr. Samir Cristino de Souza (IFRN) (2) Prof a. Dr a. Maria da Conceição Xavier de Almeida (UFRN) RESUMO A Pedagogia da

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Cabeça bem feita x cabeça cheia

Cabeça bem feita x cabeça cheia Cabeça bem feita x cabeça cheia O que diferencia os gênios das pessoas medianas não é o volume de conhecimentos que têm, mas sim a sua qualidade. Há pessoas que têm muita cultura, títulos e cargos, representando

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO D01 (H) - Reconhecer a História como produto histórico, social e cultural e suas implicações na produção historiográfica. D02 (H) - Reconhecer o ofício do historiador como produtor do conhecimento histórico.

Leia mais

IDENTIDADE HUMANA: UNIDADE E DIVERSIDADE ENQUANTO DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO PLANETÁRIA

IDENTIDADE HUMANA: UNIDADE E DIVERSIDADE ENQUANTO DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO PLANETÁRIA IDENTIDADE HUMANA: UNIDADE E DIVERSIDADE ENQUANTO DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO PLANETÁRIA Celso José Martinazzo Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Resumo: Este estudo

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

Sustentabilidade x Seguros

Sustentabilidade x Seguros 6 JOSÉ ELI DA VEIGA Professor titular de economia da Universidade de São Paulo (USP), pesquisador do Núcleo de Economia Socioambiental (NESA) e orientador em dois programas de pós-graduação: Relações Internacionais

Leia mais

A BUSCA DE NOVOS OLHARES O PARADIGAMA DA AUTO-ORGANIZAÇÃO COMO POSSIBILIDADE

A BUSCA DE NOVOS OLHARES O PARADIGAMA DA AUTO-ORGANIZAÇÃO COMO POSSIBILIDADE EMPREENDEDORISMO SOCIAL, AUTO-ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ APONTAMENTOS SOBRE UMA EXPERIÊNCIA EMBRIONÁRIA NA CIDADE DE TOLEDO-PR Prof. Dr. Edson Marques

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais