UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NARCISISMO. Elisângela Barboza Fernandes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NARCISISMO. Elisângela Barboza Fernandes"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NARCISISMO Elisângela Barboza Fernandes São Carlos 2 º semestre de 2002

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NARCISISMO Elisângela Barboza Fernandes Monografia apresentada como conclusão da disciplina Pesquisa em Psicologia 8, para a obtenção do título de Bacharel em Psicologia, sob orientação da Profa. Georgina Faneco Maniakas. São Carlos 2 º semestre de

3 Agradeço A minha mãe A minha irmã Viviane e meu irmão Leo Aos meus amigos, presentes mesmo nas madrugadas dos domingos A professora Georgina pela compreensão e disponibilidade E a todos os que indiretamente contribuíram para a realização deste trabalho. 3

4 Sumário RESUMO...5 INTRODUÇÃO A PRIMEIRA TÓPICA E O NARCISISMO Considerações iniciais do conceito Introdução ao narcisismo (1914) As relações do narcisismo com as pulsões e a libido As relações entre autoerotismo, narcisismo e escolha objetal A questão do ideal do ego Narcisismo primário e narcisismo secundário Comparação entre narcisismo e os estados normais e entre narcisismo e as afecções psíquicas O narcisismo nos Artigos metapsicológicos posteriores à introdução do conceito Pulsões e seus destinos (1915) Complemento metapsicológico à teoria dos sonhos (1915) Luto e melancolia (1917 [1915]) A teoria da libido e o narcisismo - 26ª Conferência ( ) As neuroses narcísicas A PASSAGEM DA PRIMEIRA PARA A SEGUNDA TÓPICA E O NARCISISMO A SEGUNDA TÓPICA E O NARCISISMO Além do princípio de prazer (1920) Psicologia das massas e análise do ego (1921) O ego e o id (1923) As relações entre narcisismo e complexo de Édipo Esboço de psicanálise (1940 [1938]) CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

5 RESUMO A teoria do narcisismo, elaborada por Freud, foi de grande importância para o desenvolvimento de sua teoria psicanalítica. Freud segue um longo caminho, tanto para o desenvolvimento do conceito, quanto para explicitar as suas conseqüências para a formulação de conceitos posteriores. O que procuraremos apresentar neste estudo, rastreando o conceito ao longo da obra, são os textos principais que marcaram essa caminhada. A princípio o conceito é investigado à luz dos casos de homossexualidade no estudo sobre Leonardo da Vinci e na Análise do caso Schreber. Logo é concebido enquanto fase intermediária entre o autoerotismo e a escolha de objeto, dentro do campo da normalidade, estando ligado, inclusive - por meio da visão antropológica - ao sentimento de onipotência dos povos primitivos em Totem e tabu. Sua introdução produz alterações e começa a abalar a teoria pulsional formulada nos Três ensaios da teoria sexual, que concebe o conflito psíquico como um conflito entre pulsões sexuais e pulsões de auto-conservação. Dentro do artigo Introdução do narcisismo são apresentadas as relações do narcisismo com as diferentes expressões que se fazem essenciais para seu entendimento, entre elas e de fundamental importância, estão as noções de identificação e escolha objetal, seguido de outros artigos metapsicológicos, decisivos para a compreensão da importância do conceito, como, por exemplo, Luto e melancolia. Destes textos apreende-se que tanto o narcisismo quanto o investimento objetal mostram-se fundamentais para a formação do sujeito, uma vez que são os investimentos narcísicos, oriundos dos cuidados maternos, que confirmarão ou não à criança o seu lugar como objeto de amor, estando, portanto, na base do que conhecemos por auto-estima. São abordadas as questões introduzidas pelo narcisismo para a passagem da primeira para a segunda divisão tópica do aparelho psíquico e explanadas as 5

6 alternativas explicativas utilizadas. Entre estas, a principal é a introdução da oposição entre pulsões de vida e pulsões de morte, mais especificamente tratada em O ego e o id. Nesse sentido, mais uma vez o narcisismo tem um papel fundamental, tanto para a consolidação da reestruturação do psiquismo quanto para o advento da segunda teoria pulsional, pois foi a observação da dissociação entre as pulsões de vida e de morte, na melancolia, que permitiu a Freud proceder à descrição da segunda teoria pulsional, ao mesmo tempo em que novas instâncias psíquicas precisaram ser elaboradas para responder pela gênese psíquica das afecções narcísicas. 6

7 INTRODUÇÃO Podemos dividir a obra freudiana em dois grandes momentos do pensamento de seu autor. O primeiro momento corresponde à primeira divisão tópica do aparelho psíquico, e compreende os períodos 1885 a 1919, e o segundo momento corresponde à segunda divisão tópica do aparelho, que compreende o período de 1920 a A passagem da primeira para a segunda tópica ocorre por meio da retomada e da alteração de alguns conceitos, além da introdução de outros, envolvidos no desenvolvimento e fundamentação da estrutura teórico-explicativa freudiana. Entre as noções consideradas fundamentais para a virada dos anos 20, a noção do narcisismo exerce um papel capital, pois a idéia de investimento do ego pela libido, que ela introduz, não permite mais a manutenção de um suposto conflito pulsional entre pulsões sexuais e pulsões egóicas. A partir daí, Freud se vê obrigado a introduzir um novo dualismo pulsional. A Primeira tópica distingue três sistemas, inconsciente, pré-consciente e consciente, cada um com sua função, tipo de processo, tipo de funcionamento e energia de investimento, e conteúdos representativos específicos. Esses sistemas estão em conflito entre si de modo que entre eles situam-se censuras que inibem e controlam a passagem da representação de um sistema para outro. Existe, portanto, uma sucessão de sistemas mnêmicos constituídos por grupos de representações caracterizadas por leis de associações distintas. A passagem de energia de um sistema para outro deveria seguir uma ordem de sucessão determinada. Os sistemas podem ser percorridos pelos processos de investimento psíquico numa direção normal, progressiva (do inconsciente ao consciente), ou num sentido regressivo (do consciente ao inconsciente), como ocorre nos sonhos - a chamada regressão tópica. Freud assinala que todo processo psíquico se situa entre a extremidade perceptiva e a extremidade motora do aparelho. Ele 7

8 apresenta como função primária do aparelho a descarga completa da excitação, o que chama de princípio de inércia. Freud apresenta a idéia de que o funcionamento mental seria regido por dois processos psíquicos inconscientes: processo primário e processo secundário. O processo primário obedece ao princípio de prazer, que compreende a evitação do desprazer e a busca de atos que levem ao prazer. A repressão, como parceira nesta busca, age sobre as atividades psíquicas que geram desprazer. Os dois princípios surgiriam antagônicos, na medida que a realização de um desejo inconsciente não estaria ligada à satisfação das necessidades vitais correspondentes às pulsões de autoconservação, mas corresponderia a exigências e funcionaria segundo as leis do princípio de prazer ligado à pulsão sexual - objeto privilegiado do recalcamento inconsciente O princípio de realidade se estabeleceria porque o princípio de prazer não pode manter a vida do indivíduo; ele é regido pelo que é real, ainda que seja desagradável. A derrota do princípio do prazer se dá por meio do abandono de um prazer fantasístico e momentâneo, em favor da busca de um prazer futuro, porém real e duradouro. 1. Antes da introdução do termo narcisismo, o conflito psíquico se reduzia à oposição, de um lado, entre as pulsões de autoconservação, as forças recalcantes, o princípio da realidade e o sistema Pcc/Cc; e de outro, entre as pulsões sexuais, as representações recalcadas, o princípio do prazer e o sistema Icc. As pulsões sexuais seriam inconciliáveis com o ego e, portanto, geradoras de desprazer, enquanto as pulsões de autoconservação estariam a serviço do ego, a instância que representaria as exigências da realidade. A tentativa de estabelecer uma divisão rígida entre, por um lado, o ego consciente como agente repressor, e, de outro, o reprimido inconsciente, não se mantém. A qualidade de consciente mostrou-se insuficiente para abranger os domínios ego. 1 Freud.Formulações sobre os dois princípios do funcionamento psíquico (1911), v. 12, pp

9 Com a introdução do conceito de narcisismo as pulsões de autoconservação permaneceriam opostas às pulsões sexuais, embora estas se encontrassem divididas, agora, em libido de objeto e libido do ego. O próprio ego aparece investido de libido, ou seja, a pulsão sexual investe o ego. Como conciliar o ego, representante da realidade com um investimento sexual no próprio ego? As pulsões egóicas e os desejos libidinais poderiam manter-se separados? E a libido? Seria ela uma energia geral e não apenas sexual? Nesse ponto as coisas se complicam e se misturam, pois ao ego se atribui o investimento sexual. Até esse momento, o modelo de estruturação do psiquismo de Freud faz coincidir o recalcado com o sistema Icc e o ego com os sistemas Pcc/Cc. De um lado as pulsões sexuais e do outro as egóicas. Mas agora o ego tem uma parte icc e também é investido de libido, o que torna confusa a distinção entre pulsões sexuais e pulsões egóicas. Apesar de reconhecer as falhas do antigo dualismo pulsional, Freud só o abandona quando dispõe de um novo, já presente em Além do princípio de prazer, mas só realmente explicitado em O ego e o Id. Com a Segunda tópica, Freud propõe novas instâncias psíquicas para o aparelho, a saber, o Id (Isso), o Ego (Eu) e o Superego (Supereu). As duas últimas seriam formadas a partir das primeiras identificações e dos investimentos objetais correspondentes. Dentro das instâncias são identificadas formações específicas ideais e instâncias críticas - como é o caso do ideal do ego. O autor dá importância às relações entre estas instâncias e entre estas e os sistemas, bem como para as relações de dependência existentes entre os sistemas. Mas não estabelece uma correspondência entre sistemas e instâncias, da mesma forma que, na primeira tópica, não pôde estabelecer uma correspondência entre ego e sistema Pcc/Cc. Neste novo modelo de aparelho psíquico, o prazer e o desprazer possuem um papel essencial. O princípio da constância, formulado por Freud desde o Projeto de Psicologia (1895), retoma o lugar fundamental para a explicação da dinâmica do 9

10 aparelho. Freud descreve uma tendência constante do aparelho para redução de tensão, sendo que dada as exigências de vida a quantidade de energia deve-se manter constante ou o mais baixa possível. Uma outra razão para a mudança da primeira para a segunda tópica se dá devido à consideração, cada vez maior, das defesas inconscientes, o que não permite coincidir os pólos do conflito com os sistemas definidos, ou seja, não permite que o recalcado coincida com o Icc e o ego com o Pcc/Cc. Além disso, a descoberta do papel desempenhado pela escolha objetal e pela identificação na constituição da pessoa e a consideração das formações permanentes, tornaram necessárias as reformulações e mudanças introduzidas. A escolha objetal e a identificação, fundamentais para a formulação do conceito de narcisismo, tornam-se essenciais para explicar a origem do ego, elevando-o, na segunda tópica, à categoria de instância, e dando origem a uma terceira instância, o superego, também formada a partir de identificações. A importância da noção de narcisismo na passagem para um segundo momento do pensamento freudiano verifica-se pelas lacunas e demandas explicativas que se apresentam e exigem a retomada de alguns conceitos, como o de ego, e a introdução de outros, como o de ideal do ego. A evolução do conceito de narcisismo ocorre paralelamente ao de autoerotismo. Em um primeiro momento Freud trabalha para distinguir estes dois conceitos, mas diversas mudanças introduzidas levam ao abandono da distinção entre narcisismo e autoerotismo na segunda tópica. As considerações realizadas neste estudo seguem o caminho percorrido por Freud para conceituar o narcisismo, considerando a vida amorosa das pessoas normais e sua relação com os estados patológicos, de forma a explicitar a importância deste conceito para a metapsicologia freudiana. Percorreremos os textos mais importantes para a formulação do conceito de narcisismo, acompanhando o seu desenvolvimento inicial, sua introdução nos Artigos metapsicológicos, chegando à virada, com os textos entre 1920 e 1923 e, por último, abordando o Esboço de psicanálise, de

11 1. A PRIMEIRA TÓPICA E O NARCISISMO 1.1. Considerações iniciais do conceito Freud faz pela primeira vez referência ao termo narcisismo em uma reunião na Sociedade Psicanalítica de Viena em 10 de novembro de 1909, segundo James Strachey em nota introdutória à Introdução ao narcisismo. A primeira publicação do termo se dá em uma nota na segunda edição dos Três ensaios da teoria sexual em 1910, onde Freud desenvolve as opiniões de Sadger quanto à escolha de objeto nos homossexuais. Para explicar a relação entre narcisismo e homossexualismo, Freud publica, no mesmo ano, um estudo sobre Leonardo da Vinci e realiza paralelamente a Análise do caso Schreber, publicado no ano seguinte. É certo dizer que nesse primeiro momento o conceito de narcisismo é explicado basicamente a partir do estudo de casos de homossexualidade, mais especificamente a masculina. Na nota dos Três ensaios da teoria sexual, Freud cita o conceito de narcisismo relacionando-o aos termos identificação e homossexualismo. São apresentados dois caminhos para a escolha de objeto: um por apoio em modelos infantis primitivos e outro, segundo o modelo narcísico, quando o sujeito busca seu próprio ego e por identificação encontra-o em outro. É o modelo narcísico de escolha objetal que está relacionado à homossexualidade. A escolha homossexual do objeto se daria no homem pela fixação e subseqüente identificação com a mãe na infância. A partir da identificação com a mãe, o homem tomaria a si mesmo como objeto sexual e posteriormente investiria outros homens parecidos com ele como objeto, segundo o modelo narcísico de escolha....as pessoas invertidas atravessaram nos primeiros anos da infância uma fase muito intensa, mas também muito breve, de fixação à mulher (quase sempre à mãe), após cuja superação se identificaram com a mulher e tomaram a si mesmos como objeto sexual, vale 11

12 dizer, a partir de um narcisismo buscaram homens jovens, e parecidos com sua própria pessoa, que pudessem amá-los como a mãe os amou. 2 Freud propõe, em seu estudo sobre Leonardo da Vinci (1910), depois na Análise do caso Schreber (1911), definir o narcisismo a partir de suas observações a respeito de casos de homossexualidade masculina. No estudo sobre Leonardo da Vinci (1910), Freud tenta demonstrar a significação homossexual de uma recordação infantil de Leonardo. Trata-se da recordação de um abutre introduzindo a calda em sua boca após ter pousado em seu berço. Tal recordação estaria ligada à excitação da cavidade bucal, num momento do desenvolvimento em que o prazer sexual apóia-se na necessidade de nutrição. O abutre é identificado como sendo símbolo da mãe e sua calda com o pênis da mesma. Essa suposição é fundamentada na teoria sexual infantil de que mulheres também possuem pênis fantasia da mãe fálica 3. Até seus cinco anos Leonardo viveu com a mãe, o que estimulou uma forte ligação entre ambos. Sua pulsão sexual toma a mãe como objeto de amor e suas condutas sexuais se ligam a esse amor. Freud assinala que a relação erótica com a mãe e a ausência ou desprezo paterno no desenvolvimento infantil fornecem a Leonardo apenas o modelo feminino a seguir de modo que a percebe como igual, toma-a como objeto e posteriormente substitui esta escolha por identificação. Quando, aos cinco anos de idade, vai morar com o pai sua madrasta torna-se um substituto da mãe. Ao identificar-se com a madrasta toma o pai como rival. O amor pela figura materna e as condutas sexuais ligadas a esse amor são esquecidas frente à ação da repressão, que age para evitar o desprazer frente à ameaça de castração. Para Freud, a especificidade da repressão no homossexual é explicada pelo horror desse frente à descoberta da castração da mãe. Ele não aceita a castração, diante 2 Freud. Três ensaios da teoria sexual (1910), v. 7, p (grifo nosso) 12

13 da qual regride e substitui o amor objetal pela identificação com a mãe. Regride libidinalmente para o estágio do desenvolvimento em que o ego não se distingue do objeto e, dessa forma, a mãe é preservada em seu aspecto fálico. Um estágio do desenvolvimento sem castração, sem dor, em que o prazer governa. Seus objetos de amor seriam escolhidos de acordo com a própria imagem pela via do narcisismo, constituindo-se substitutos da mãe e de si mesmo. O menino reprime seu amor pela mãe pondo-se ele mesmo no lugar dela, identificando-se com ela e tomando a sua própria pessoa como modelo a semelhança do qual escolhe seus novos objetos de amor. Assim se tornou homossexual; na realidade, tem deslizado para trás, até o autoerotismo, pois os homens a quem ama agora, já crescido, não são senão pessoas substitutas e novas versões de sua própria pessoa infantil, e os ama como a mãe o amou quando era criança. Dizemos que escolhe seus objetos de amor pela via do narcisismo, pois Narciso, segundo a lenda grega menciona, era um jovem a quem nada agradava mais do que sua imagem refletida no espelho, e assim foi transformado na bela flor de mesmo nome. 4 A definição do caráter homossexual de Leonardo se deu, segundo Freud, somente na puberdade em função da fixação inconsciente na mãe, num momento em que a identificação com o pai perde toda sua significação erótica. A maior parte da libido foi sublimada, apenas uma parcela é mantida para fins sexuais. A sublimação da libido resultou em sua sede de saber e de criar 5. 3 Freud. Sobre as teorias sexuais infantis ( ), v. 09, pp Neste texto Freud apresenta o conjunto das teorias sexuais infantis. Uma delas consiste no fato da criança, inicialmente, atribuir a todos os seres humanos, ainda às mulheres, um pênis. 4 Freud. Uma recordação infantil de Leonardo da Vinci (1910), v. 11, p Freud destaca que a capacidade especial para a sublimação, bem como a capacidade de criação de Leonardo são de cunho biológico. 13

14 Se nos atrevermos a relacionar a hiperpotente pulsão de saber de Leonardo com a mutilação de sua vida sexual, dizemos que se limita a homossexualidade chamada ideal (sublimada). 6 O narcisismo aparece como o modo de escolha de objeto da fase autoerótica. O indivíduo deslizaria para o autoerotismo pela via narcísica de escolha. Freud faz referência, embora não explicitamente, à distinção entre narcisismo e autoerotismo ao assinalar que o que distingue a satisfação autoerótica da objetal é a constituição do ego como imagem de si. Tal constituição, como aparece na próxima aparição do termo, no Caso Schreber, se daria no estádio do narcisismo. Portanto, no Caso Schreber Freud começa a separar o narcisismo enquanto fase de desenvolvimento e recorre a ele para explicar o papel do desejo homossexual na aquisição da paranóia, porque, até então, as explicações sobre o narcisismo estavam ligadas à escolha de objeto do homossexual. Na secção III Freud começa separar o narcisismo enquanto fase do desenvolvimento entre o autoerotismo e o amor objetal, ao falar de uma fixação em uma fase narcísica. O narcisismo passa a ser entendido como uma fase do desenvolvimento humano normal. Indagações recentes nos tem chamado a atenção sobre um estádio na história evolutiva da libido, estádio pelo qual se atravessa o caminho que vai do autoerotismo ao mor de objeto. Tem-se designado Narzissismus; prefiro a designação Narzissmus, não tão correta talvez, mas mais breve e que soa menos mal. Consiste no indivíduo empenhado no desenvolvimento e que sintetiza em uma unidade suas pulsões sexuais de atividade autoerótica, para ganhar um objeto de amor toma primeiro a si mesmo, a seu próprio corpo, antes de passar deste à eleição em uma pessoa alheia. Uma fase assim, mediadora entre autoerotismo e eleição de objeto, é talvez de rigor no caso normal; parece que 6 Freud. Uma recordação infantil de Leonardo da Vinci (1910), v. 11, p

15 algumas pessoas demoram nela um tempo insolitamente longo, e que desse estado é muito do que fica pendente para fases posteriores do desenvolvimento. 7 Schreber, como Leonardo da Vinci, teria se fixado em sua infância numa mulher a mãe e posteriormente se identificado com ela. A identificação com a mãe leva Schreber a tomar a si mesmo como objeto sexual, com base em seu narcisismo e, posteriormente, toma como objetos homens parecidos com ele mesmo. Assim, os sintomas paranóicos (os delírios persecutórios, a crença na onipotência dos pensamentos etc), a exemplo de Schreber, surgem como uma negação ou defesa contra desejos homossexuais. O mecanismo de projeção também mostra sua importância na gênese dos sintomas paranóicos, colaborando na mudança do amor em ódio: Na formação do sintoma do paranóia é chamativo, sobretudo, aquele traço que merece o título de projeção. Uma percepção interna é sufocada, e como substituto dela advém à consciência seu conteúdo, logo que experimenta certa desfiguração, como uma percepção de fora. No delírio de persecução, a desfiguração consiste numa mudança de afeto; o que estava destinado a ser sentido dentro como amor é percebido como ódio do que está fora. 8 Freud conclui que os sintomas são de um lado o desejo disfarçado e de outro, a resistência do ego. A introversão da libido leva a um investimento do ego, e por esta via se produz o efeito de perda da realidade. Ocorre uma supervalorização do ego como objeto sexual, na medida em que a libido liberada liga-se ao ego e o engrandece, o que compreende um retorno ao estádio do narcisismo. Para Freud, ocorreria no paranóico uma sublimação do homossexualismo e retrocesso do mesmo ao narcisismo. 7 Freud. Observações psicanalíticas sobre um caso de paranóia autobiograficamente descrito (1911 [1910]), v. 12, p Idem ibid, p

16 ...inferimos que na paranóia a libido liberada se volta ao ego, se aplica ao engrandecimento do ego. Assim volta a alcançar o estádio do narcisismo, conhecido pelo desenvolvimento da libdo, estádio no qual o ego próprio era o único objeto sexual. Em virtude desse enunciado clínico supomos que os paranóicos levam a uma fixação no narcisismo, e declaramos que o retrocesso da homossexualidade sublimada até o narcisismo indica o montante de regressão característica da paranóia. 9 O homossexualismo se daria pela fixação do sujeito numa fase em que não havia tomado conhecimento da diferenciação anatômica entre os sexos. A fixação na fase narcísica explica a paranóia de Schreber resultante da luta do ego visto até esse momento como agente da censura, do recalque, do princípio da realidade, dos processos secundários sob o domínio da consciência contra os desejos de natureza homossexual. Portanto, agora o narcisismo explica o papel do desejo homossexual na aquisição da paranóia e distingue-se do autoerotismo enquanto fase do desenvolvimento psicossocial normal, deixando de ser utilizado apenas no campo das psicopatologias. O narcisismo caracteriza a síntese das pulsões parciais em uma unidade e o momento em que o ego torna-se o primeiro objeto de amor. Em Totem e tabu ( ) Freud oferece o mesmo ponto de vista expresso no Caso Schreber ao colocar o narcisismo como uma fase intermediária entre o autoerotismo e o amor de objeto. Considera que os neuróticos assumem em nível individual as mesmas atitudes primitivas que os povos primitivos. É sugestivo relacionar agora com o narcisismo, e conceber como uma peça essencial deste ultimo, a elevada estima a chamamos sobrestimação a partir de nosso ponto de vista 9 Idem ibid, p

17 em que os primitivos e os neuróticos tem às ações psíquicas....os neuróticos tem recebido em sua constituição própria um considerável fragmento dessa atitude primitiva. 10 Freud apresenta ainda o sentimento de onipotência dos povos primitivos como correspondente à crença das crianças na onipotência de seus pensamentos e sentimentos, ou seja, como correspondente ao narcisismo infantil. Assinala que o narcisismo originário na criança tem influência sobre seu desenvolvimento e permite que ela não tenha sentimentos de inferioridade, ou seja, funciona como forma da criança garantir-se contra danos. Similarmente, quando investe objetos externos o indivíduo permanece até certo ponto narcisista para não adoecer Introdução ao narcisismo (1914) Com a introdução do conceito de narcisismo uma série de mudanças se processa na teoria psicanalítica. Alguns conceitos, como o de ego, são retomados, outros surgem, como os conceitos de libido egóica ou narcísica e libido objetal. Freud assinala que muitas formas de doenças (ex: paranóia, megalomania etc.) estão ligadas a inibições e fixações muito primitivas e assim, a disposição deve ser procurada num estágio de desenvolvimento libidinal anterior à escolha de objetos externos, isto é, na fase do auto-erotismo e do narcisismo. Sua introdução começa a abalar a teoria formulada nos Três ensaios da teoria sexual, que aponta o conflito psíquico como resultado da luta entre as pulsões sexuais e as pulsões de autoconservação. É em 1914, com o texto Introdução ao narcisismo, que Freud introduz formalmente o conceito narcisismo e examina o lugar ocupado por ele no desenvolvimento sexual normal. As diferenças entre narcisismo e autoerotismo, são estudadas e explicadas fazendo-se referência aos conceitos, agora introduzidos, de narcisismo primário e narcisismo secundário. Nas explicações sobre narcisismo, Freud passa a considerar os investimentos libidinais, com a introdução dos termos libido 10 Freud. Totem e tabu ( ), p

18 egóica ou narcísica e libido de objeto. Freud introduz também os conceitos de ideal de ego e da instância de observação de si, os quais serviriam de base para o que depois veio a designar-se como superego uma das novas instâncias da personalidade da segunda tópica. A distinção entre narcisismo e autoerotismo se encontra no fato de, no narcisismo, a libido investir o ego como objeto, enquanto que o autoerotismo caracteriza um estádio anobjetal As relações do narcisismo com as pulsões e a libido Freud descreve a forma alucinatória pela qual as primeiras experiências de satisfação se dão, num momento em que as pulsões sexuais se apóiam nas de pulsões de autoconservação ou egóicas 11. Por conta desse apoio, o seio materno, que tem a priori a função de nutrição, torna-se o primeiro objeto de amor da criança. O apoio das pulsões sexuais nas pulsões de autoconservação implica que as pessoas ligadas à alimentação, aos cuidados, à proteção da criança fornecem o protótipo do objeto de amor procurado - escolha de objeto por apoio. 12 O autoerotismo se inicia enquanto fase no momento em que a pulsão sexual se separa da pulsão de autoconservação, a qual oferece sua meta e seu objeto, ou seja, se separa de seu objeto natural - o seio materno - e se entrega à fantasia. O auto-erotismo caracterizaria o comportamento sexual em que o sujeito obtém prazer através da estimulação de seu próprio corpo, num momento que precede a convergência das pulsões parciais 13 para um objeto comum. Esta fragmentação pulsional implica a ausência do ego ou pessoa como objeto total, sem referência a uma imagem unificada 11 As sucessivas reformulações na teoria das pulsões obrigam Freud a situar as pulsões de autoconservação de maneira diferente, não mais em correspondência ao conceito de pulsões do ego, o qual desaparece na segunda tópica. 12 A descrição do tipo de escolha de objeto por apoio foi apresentada nos Três ensaios da teoria sexual (1905). Em Introdução ao narcisismo (1914) Freud apresenta o tipo de escolha narcísica de objeto, opondoa a escolha por apoio. 13 A pulsão é chamada parcial porque, segundo Freud, cada uma delas encontra satisfação pela excitação de um órgão o chamado prazer de órgão. 18

19 do corpo, a um primeiro esboço de ego, mas não a ausência de um objeto parcial na fantasia da criança 14. Caracterizaria, portanto, um estádio anobjetal. O narcisismo é compreendido como o estágio no qual as pulsões parciais, até então isoladas reuniram-se numa unidade e simultaneamente acharam o ego como objeto. Segundo Freud: A este estado da libido deveria aplicar-se com exclusividade a expressão que Jung usa indiscriminadamente: introversão da libido. 15 A constituição do ego permite à libido tomar essa imagem como objeto total, ou seja, o ego seria o primeiro objeto da libido narcísica 16. Posteriormente, a pulsão sexual busca uma pessoa para se satisfazer. Desta forma, as atividades sexuais infantis caminhariam para a escolha de objeto. Seguindo este caminho a libido desinveste o ego e investe objetos externos. Nos formamos a imagem de um originário investimento libidinal originário do ego, cedido depois aos objetos; mas considerado em seu fundo, ele persiste, e é para os investimentos como o corpo de uma ameba é para os pseudópodes que emite. (...) As emanações desta libido, aos investimentos de objeto, que podem ser emitidas e retiradas de novo, foram as únicas que nos saltaram à vista. Vemos também grandes expressões da oposição entre a libido do ego e a libido de objeto. 17 Freud introduz os conceitos de libido egóica e libido objetal, supondo uma relação de complementaridade entre elas; uma relação inversamente proporcional, 14 Desde o Projeto (1895) Freud trata do surgimento da pulsão sexual apoiada nas pulsões de autoconservação. 15 Freud. Introdução ao narcisismo (1914), v. 14, p Idem ibid, p. 73. (grifo nosso) 19

20 pois na medida em que aumenta os investimentos do ego pela libido, ou seja, na medida que aumentam as condutas narcísicas, diminui-se a libido de objeto. Esta se transpõe em libido egóica e fica impedida de fazer o caminho regresso até os objetos. A oposição entre libido do ego e libido de objeto entra no lugar do conflito entre pulsões sexuais e pulsões egóicas, dado as dificuldades explicativas levantadas pelo investimento do ego pela libido. A dualidade pulsional era correspondente a uma oposição entre as exigências da sexualidade e as do ego, mas se o ego também é investido de libido, se também há sexualidade no ego, as coisas se complicam. O ego, que era visto como agente que recalcava, defendia o interesse da autoconservação e do equilíbrio psíquico, passa por uma divisão: uma parte icc e outra pcc/cc. Uma parte do ego é inconsciente, o que significa que, por um lado recalca e, por outro, tem as mesmas propriedades do recalcado. Ele deixa de ser visto como aquele que coloca o psiquismo frente ao princípio da realidade, tornando-se cúmplice do princípio do prazer, da realização alucinatória do desejo. Com o narcisismo o ego, agora narcísico, passa a objeto da sexualidade - confunde-se a finalidade do ego e da libido. Como manter a hipótese de uma pulsão egóica não sexual se o ego também é investido pela libido? Esta não poderia ser entendida como a energia psíquica geral e não apenas sexual? Nesse momento a primeira teoria das pulsões começa a demonstrar suas falhas, mas Freud tenta mantê-la, pois o conflito psíquico é explicado por ela. O conflito não é mais definido pelas relações entre pulsões sexuais e pulsões de autoconservação, mas entre libido egóica e libido objetal, ambas da alçada das pulsões sexuais. Na verdade não se tem mais um conflito entre pulsões. Segundo Laplanche e Pontalis, entre 1915 e 1920 Freud realiza uma aproximação com os conceitos de Jung e é tentado a adotar um monoteísmo pulsional, de modo que as pulsões de autoconservação tendem a ser consideradas como um caso particular de amor por si mesmo ou libido do ego 18. Ou seja, as pulsões de autoconservação aparecem como uma parte narcísica das pulsões sexuais. Mas apenas posteriormente, quando Freud apresenta o novo dualismo pulsional entre pulsão de 20

21 vida e pulsão de morte, é que ele vai colocar a libido egóica do mesmo lado que a pulsão de autoconservação, dentro das pulsões de vida As relações entre autoerotismo, narcisismo e escolha objetal Freud introduz o conceito narcisismo a partir de sua diferenciação do autoerotismo. O início do autoerotismo se daria no momento em que a pulsão sexual se separa das de autoconservação nas quais se apoiava, separando-se assim, do objeto natural o seio materno e entregando-se à fantasia. Caracteriza a fase em que ainda não houve a convergência das pulsões parciais para um objeto comum, quando a pulsão sexual se satisfaz no próprio corpo, sem referência a um objeto total, ou seja, sem referência a uma imagem de corpo unificada, a um primeiro esboço de ego. Entende-se aqui como total o objeto plenamente constituído, investido a partir da constituição do ego como imagem de si mesmo.... não está presente desde o começo no indivíduo uma unidade comparável ao ego; o ego tem que ser desenvolvido. Agora bem, as pulsões autoeróticas são iniciais, primordiais; portanto, algo tem que acrescentar-se ao autoerotismo, uma nova ação psíquica, para que o narcisismo se constitua. 19 Na visão de Freud, seria necessária uma nova ação psíquica para a composição do narcisismo. Tal ação consiste na constituição do ego, o que permite ao sujeito formar uma imagem dele próprio, a imagem de um objeto total. Na passagem do autoerotismo para o narcisismo as pulsões sexuais parciais se unificam e tomam o ego como primeiro objeto. Durante seu desenvolvimento o ego se distanciaria do narcisismo primário de modo a desinvestir a si mesmo e investir objetos exteriores, empobrecendo-se em 18 Laplanche e Pontalis, 1982, p Freud. Introdução ao narcisismo (1914), v. 14, p. 74. (grifo nosso) 21

22 favor desses investimentos. Essa proposição ocasiona uma dúvida: porque a libido se vê compelida a desinvestir o ego e investir outros objetos? Freud assinala que um forte egoísmo 20 preserva de ficar doente, mas o indivíduo tem que amar, pois adoeceria frente à frustração caso não viesse a amar. Além disso, uma parcela de narcisismo sempre estaria presente no indivíduo mesmo quando investe um objeto externo. Os objetos de amor seriam eleitos, segundo Freud, de duas maneiras que se contrapõem entre si: a escolha narcísica de objeto e a escolha de objeto por apoio. Freud assinala que as primeiras satisfações sexuais da criança se dariam pelo apoio das pulsões sexuais nas pulsões de autoconservação, as quais indicam à sexualidade seu primeiro objeto. Este seria o tipo de escolha de objeto, que ocorre apoiando-se nas imagens parentais enquanto que na escolha narcísica o objeto de amor seria eleito a partir do modelo de si mesmo. Freud apresenta os caminhos para a eleição do objeto da escolha narcísica: Se ama segundo o tipo narcisista: a) o que se é (a si mesmo); b) o que se foi; c) o que se queria ser; d) a uma pessoa que foi uma parte de si próprio. 21 Para Freud, a escolha homossexual está mais próxima do narcisismo do que a heterossexual, porque elege um objeto a partir da própria imagem. Temos descoberto que certas pessoas, especificamente aqueles cujo desenvolvimento libidinal experimentou uma perturbação (como é o caso dos perversos e dos homossexuais), não elegem seu posterior objeto de amor segundo o modelo da mãe, mas 20 Freud cita algumas vezes o termo egoísmo no texto Introdução ao narcisismo, mas não apresenta sua distinção com relação ao narcisismo. É no texto Complemento metapsicológico à teoria dos sonhos que esta distinção é apresentada. 21 Freud. Introdução ao narcisismo (1914), v. 14, p. 87. (grifo nosso) 22

23 sim segundo o da sua própria pessoa. Manifestadamente buscam a si mesmos como objeto de amor, exibem o tipo de eleição que tem de se chamar narcisista. 22 Freud considera que esta é a hipótese mais forte para a concepção do narcisismo. Ele considera que para obter a satisfação o ego exige muito dos objetos, mas a censura vê uma parte desta satisfação como inconciliável, por isso a libido regressa ao ego - tomado como o agradável - em busca do ideal narcísico de onipotência da infância. Na análise das psicoses Freud percebe a possibilidade da libido desinvestir os objetos e investir o ego. Assinala que a conduta narcísica é comum a todas as pessoas, pois está ligada à pulsão de autoconservação, aparecendo nos sonhos bem como em muitas doenças mentais, sendo neste caso em grau patológico. A conduta narcísica da psicose se daria porque a libido após investir os objetos externos volta a investir o ego introversão da libido. O vínculo com a realidade exterior (coisas e pessoas) é resignado. Os objetos reais são substituídos por imaginários, criados a partir dos protótipos infantis e do contato com os objetos investidos e abandonados. O indivíduo retém apenas o que é agradável nesses objetos e em si mesmo para formar um objeto idealizado em sua fantasia. Para Freud, o objetivo da idealização seria fazer com que o indivíduo voltasse ao estado de onipotência do narcisismo infantil. O ideal narcísico de onipotência - ego ideal - seria criado com o propósito de restaurar o contentamento consigo mesmo, próprio do narcisismo primário, o qual foi perturbado durante a infância. 23 A identificação com o objeto idealizado contribuiria para a formação tanto do ego ideal quanto do ideal do ego. 22 Idem ibid, p Freud. A teoria da libido e o narcisismo (26 a Conferência) ( ), v.16, p

24 A questão do ideal do ego Esta questão é tratada na secção III de Introdução ao narcisismo, onde o termo ideal do ego aparece pela primeira vez, sendo designado como uma formação intrapsíquica que serve de referência ao ego atual, como um o modelo ao qual o indivíduo procura conformar-se. Para Freud, o ideal do ego tem origem narcísica, pois o sujeito projeta como seu ideal o substituto do narcisismo infantil. O desenvolvimento do ego consiste, segundo Freud, num distanciamento do narcisismo primário em razão da crítica que os pais exercem com relação à criança, seguido pelo deslocamento da libido a um ideal de ego. Freud, afirma, que não consideraria estranho se encontrasse uma instância distinta do ideal do ego, interiorizada como uma instância de censura e de auto-observação. Não nos assombraria que tivéssemos deparado achar uma instância psíquica particular cuja função fosse velar pela segurança da satisfação narcisista proveniente do ideal do ego, e com esse propósito observar de maneira contínua o ego atual medindo-o com o ideal. 24 Podemos dizer que o indivíduo tem erigido no seu interior um ideal pelo qual mede o ego atual, enquanto que no outro falta essa formação ideal. A formação do ideal seria, de parte do ego, a condição para a repressão. 25 O ideal do ego funcionaria como condição para a repressão, pois sua formação se daria sob a influência dos pais, educadores e outros. 26 Sendo, portanto, resultante da convergência do narcisismo (idealização do ego) e das identificações com os pais, seus substitutos e os ideais coletivos 27. A formação do ideal é vista como o mais forte favorecedor da repressão porque aumenta as exigências do ego. A sublimação surgiria 24 Freud. Introdução ao narcisismo (1914), v. 14, p. 92. (grifo nosso) 25 Idem ibid, p Esta colocação serve de alusão à criação de do superego na segunda tópica. 24

25 como forma de escapar dessa exigência e, ao mesmo tempo, da repressão. A sublimação compreende o processo pelo qual a pulsão se lança para outra meta, distante da satisfação sexual. Para Freud, a transformação de uma atividade sexual em atividade sublimada, também dirigida a objetos externos, necessitaria de um tempo intermediário para a retirada da libido ao ego, o que tornaria possível a dessexualização. A sublimação é um processo que pertence à libido de objeto e consiste em que a pulsão se lança para outra meta, distante da satisfação sexual......a idealização envolve um processo que ocorre com o objeto; sem variar a natureza, este é engrandecido e realçado psiquicamente. A idealização é possível tanto no campo da libido egóica quanto no da libido do objeto....a sublimação descreve algo que ocorre com a pulsão, e a idealização algo que ocorre com o objeto. 28 Freud faz considerações sobre os dois processos sublimação e idealização porque ambos são importantes quando se fala de ideal do ego. A idealização participa na formação do ideal do ego e a sublimação é reivindicada pelo ideal do ego, mas ela acontece por si mesma. O ideal do ego reivindica por certo essa sublimação, mas não pode força-la; a sublimação segue sendo um processo especial cuja iniciação pode ser incitada pelo ideal, mas cuja execução é certamente de tal incitação Laplanche e Pontalis, 1982, p Freud. Introdução ao narcisismo (1914), v. 14, p. 91. (grifo nosso) 29 Idem ibid, p. 91. (grifo nosso) 25

26 A pulsão sexual é sublimada na medida em que é enviada para um novo objetivo não sexual pelo qual visa objetos socialmente valorizados. O ideal do ego, embora não possa forçar a sublimação, parece influenciá-la no que diz respeito ao objeto de sua busca. Freud assinala que o narcisismo da infância apresenta-se na vida adulta por devoção a um ideal de ego que se forma em seu interior. O desenvolvimento do ego consiste em um distanciamento a respeito do narcisismo primário e produz uma intensa aspiração de retomá-lo. Este distanciamento ocorre por meio do deslocamento da libido a um ideal do ego imposto desde fora; a satisfação se obtém mediante o cumprimento do ideal do ego. 30 Segundo Freud, o ego emite investimentos libidinais aos objetos e se empobrece em favor desses investimentos e do ideal do ego. A satisfação da libido do objeto. É obtida pelo cumprimento deste ideal. Contudo, muitas vezes, em função de suas exigências, o ideal do ego impõe difíceis condições para a satisfação libidinal dos objetos e não pode ser cumprido. Tal o nível de suas exigências, que a censura vê uma parte dessa satisfação como inconciliável. Exige-se muito desses objetos e por isso o indivíduo busca formar objetos imaginários agradáveis introjetando o que tem de bom nesses objetos e projetando o que é tido como ruim em si mesmo para os objetos, através do mecanismo de projeção. Forma um objeto idealizado, tomando seu próprio ego como o agradável e o externo, anteriormente indiferenciado, como desagradável. Assim, o ego realidade se transforma em ego prazer. O sujeito passa a coincidir com todo o agradável ego prazer purificado e todo o desagradável está fora, ou seja, coincide com o mundo exterior. Freud dá ênfase à oposição entre ego e objeto externo, 30 Idem ibid, p. 96. (grifo nosso) 26

27 ou seja, prazer e desprazer. 31 A libido retorna ao ego em busca do ideal narcísico de onipotência da infância e recai sobre o ego ideal narcisismo secundário. O mecanismo de introjeção do que há de bom no objeto e de projeção do que há de ruim no ego para os objetos, com a transformação do ego-realidade em egoprazer, ocorre durante a fase puramente narcisista, que cede lugar à fase objetal. Se o objeto torna-se fonte de sensações agradáveis, o sujeito o incorpora e diz que o ama. Se o objeto causa desprazer, o ego afasta-o e diz que o odeia. O odiar estaria ligado à busca de preservação por parte do ego, segundo a necessidade de autoconservação Narcisismo primário e narcisismo secundário O narcisismo primário seria o momento em que as pulsões parciais autoeróticas se unificam sob o primado da zona genital. Contudo, poderia ocorrer o primado de outra zona, que não a genital, mas teria-se neste caso uma perversão. Isso permitiria ao sujeito formar uma imagem dele próprio, a imagem de um objeto em sua plenitude, não mais em suas partes. Seria, portanto, uma fase intermediária entre o autoerotismo e o amor de objeto, e coincidiria com os momentos formadores do ego quando o próprio ego é tomado como primeiro objeto da libido narcísica. Designaria o primeiro narcisismo em correspondência com a onipotência dos pensamentos - superestimação dos desejos e atos psíquicos - quando a criança toma a si mesma como objeto sexual, antes de escolher objetos exteriores. O narcisismo primário seria, portanto, um momento normal do desenvolvimento que serviria como ponto de fixação para onde regride libido no caso em que o indivíduo desenvolve, por exemplo, uma esquizofrenia. O narcisismo secundário designaria um retorno da libido ao ego após ter investido objetos externos. A conduta narcísica se daria porque os investimentos 31 Freud, S. (1911). Formulações sobre os dois princípios do funcionamento psíquico. Obras Completas.Buenos Aires: Editora Amorrortu, 12, Em Pulsões e seus destinos Freud reapresenta a questão do ego prazer e do ego realidade e os mecanismos de introjeção e projeção fazendo considerações aos sentimentos de amor e ódio. 32 Freud, S. (1915). Pulsões e seus destinos. Obras Completas.Buenos Aires: Editora Amorrortu, 14, pp

28 libidinais são retirados do mundo exterior e reconduzidos ao ego -introversão da libido. 33 Assim, nos vemos levado a conceber o narcisismo que nasce por retorno dos investimentos de objeto como um narcisismo secundário que se edifica sobre a base do outro, o primário, obscurecido por múltiplas influências. 34 Neste momento, as explicações fornecidas por Freud sobre narcisismo secundário fazem referência a certos estados extremos de regressão da libido, tal como ocorre na esquizofrenia: O delírio de grandeza... nasceu às custas da libido de objeto. A libido subtraída do mundo exterior foi conduzida ao ego, e assim surgiu uma conduta que podemos chamar narcisismo. 35 Contudo, ele assinala que o narcisismo designa também uma estrutura permanente do indivíduo normal. Permanente porque uma dose de narcisismo sempre estaria presente no sujeito, devido à ligação entre narcisismo e pulsão de autoconservação. A admissão desta ligação faz menção ao ponto de vista assumido por Freud na segunda tópica quando coloca a libido e a pulsão de autoconservação do mesmo lado como pulsões de vida. 33 Esse termo, adotado por Freud, foi introduzido por Jung. 34 Freud. Observações psicanalíticas sobre um caso de paranóia autobiograficamente descrito (1911 [1910])), v. 12, p. 73. (grifo nosso) 35 Freud. Introdução ao narcisismo (1914), v. 14, p

29 Comparação entre narcisismo e os estados normais e entre narcisismo e as afecções psíquicas Mais especificamente na secção II de Introdução ao narcisismo Freud faz considerações sobre os caminhos pelos quais o narcisismo pode ser estudado: 1) as afecções orgânicas; 2) as afecções psíquicas (hipocondria e a psicose); 3) a vida amorosa das pessoas normais e 4) o estado de dormir. a) Narcisismo nas afecções orgânicas Freud aponta para semelhanças entre os comportamentos dos que sofrem de afecções orgânicas e os que sofrem de afecções narcísicas 36. É sabido e nos parece um fato trivial que a pessoa afligida por uma dor orgânica e por sensações dolorosas resigna seus interesses por todas as coisas do mundo que não se relacionam com seu sofrimento. Uma observação mais precisa nos ensina que, enquanto sofre, também retira de seus objetos de amor o interesse libidinal, para de amar. (...) Libido e interesse egóico têm aqui o mesmo destino e se mostram outra vez indiscerníveis Assim, as afecções orgânicas, da mesma forma que as psíquicas, têm influência sobre a distribuição da libido. A pessoa doente retira seu interesse do mundo exterior, pois se volta ao seu sofrimento. Retiram sua libido dos objetos de amor e deixamde amar. Sua libido e seu interesse egóico recaem sobre seu próprio sofrimento, sobre o próprio ego e mostram-se indiscerníveis. Quando a cura vem, o indivíduo volta o investimento do ego com libido tem ultrapassado certa medida se torna necessária 36 Esta comparação é retomada, de um perspectiva ligeiramente diferente, em Além do princípio de prazer (1920). 29

30 esta volta até o objeto porque o sujeito pode adoecer se por conseqüência de uma frustração não pode amar. 38 b) Narcisismo nas afecções psíquicas Freud reconhece a hipocondria como um dos caminhos para o estudo do narcisismo. A primeira aproximação entre hipocondria e neuroses narcísicas é apresentada no Caso Schreber, mas é em Introdução ao narcisismo que Freud explica melhor essa relação reconhecendo a hipocondria como um dos caminhos para o estudo do narcisismo. Esta doença leva a sensações corporais dolorosas, contudo se diferencia das doenças orgânicas, pois não há necessariamente alterações orgânicas. A hipocondria se exterioriza, como na enfermidade orgânica, em sensações corporais penosas e dolorosas, e coincide também com ela por seu efeito sobre a distribuição da libido. 39 O hipocondríaco comporta-se da mesma forma que um indivíduo com doença orgânica ao retirar seu interesse egóico e sua libido dos objetos e concentrá-los em seu sofrimento. Condutas narcísicas, segundo Freud, estariam presentes em várias afecções mentais. Na esquizofrenia tem-se o delírio de grandeza e o afastamento do interesse pelo mundo exterior (pessoas ou coisas). O delírio de grandeza envolve uma sobrestimação do poder de seus desejos e atos psíquicos, a onipotência dos pensamentos. Freud nota que também o histérico e o neurótico obsessivo resignam até onde afeta sua doença o vínculo com a realidade. Com relação ao investimento dos objetos 37 Freud. Introdução ao narcisismo (1914), v. 14, p Idem ibid, p

31 observa-se uma diferença fundamental entre o neurótico e o psicótico. O primeiro retira parcialmente a libido dos objetos, os mescla e substitui na fantasia, enquanto o segundo desinveste totalmente os objetos e não os substitui em sua fantasia....a formação de sintoma nas neuroses de transferência (a passagem da introversão à regressão) tem de contentar-se com uma estase da libido de objeto, podemos nos aproximar também à idéia de uma estase da libido egóica, vinculando-a com os fenômenos da hipocondria e da parafrenia. 40 Freud apresenta as neuroses de transferência em oposição às neuroses narcísicas. Portanto, a psicose, inicialmente sob a categoria de neurose narcísica em oposição às neuroses de transferência, apresenta a possibilidade da libido se retirar dos objetos e voltar a investir o ego. c) Narcisismo na vida amorosa normal Com sua introdução oficial o termo narcisismo passa a ser visto como etapa normal do desenvolvimento do ser humano. Na vida amorosa normal, o conceito é trabalhado a partir da distinção entre os dois modelos de escolha objetal a escolha narcísica e a escolha por apoio. Segundo Freud, ser humano tem a sua disposição as duas possibilidades de escolha e pode decidir por uma ou outra, pois:...tem dois objetos sexuais originários: ele mesmo e a mulher que o criou, e propusemos então em todo ser humano o narcisismo primário que, eventualmente, pode expressar-se de maneira dominante em sua eleição de objeto Idem ibid, p. 80. (grifo nosso) 40 Idem ibid, p. 81. (grifo nosso). 41 Idem ibid, p

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Belo Horizonte 1999 INTRODUÇÃO A Psicologia Comunitária tem sido um dos campos onde a Psicologia tem tido um expressivo crescimento. Trabalhar em comunidades

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL Professor Responsável: Mohamad A. A. Rahim Quadro sinóptico baseado na bibliografia sugerida em cada aula DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL 1. SEXUALIDADE E LIBIDO Libido : é uma fonte original de energia afetiva

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915)

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Flávia Lana Garcia de Oliveira (Doutoranda em Teoria Psicanalítica pela UFRJ Bolsa CAPES no Brasil e Bolsa doutorado sanduíche FAPERJ Université Paris-Diderot

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA Aluno A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS Centro Universitário de Brasília FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - FACS CURSO: PSICOLOGIA REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS CAROLINA MOURA BENTO BRASÍLIA NOVEMBRO/2005 CAROLINA MOURA BENTO REFLEXÕES

Leia mais

Conceitos Fundamentais Freudianos

Conceitos Fundamentais Freudianos Conteúdo Programático 1º Semestre Conceitos Fundamentais Freudianos Inconsciente, Pré-consciente e Consciência Os Mecanismos de Defesa Da Terapia Catártica ao Tratamento Psicanalítico Narcisismo e as Identificações

Leia mais

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se 1 O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE Nahman Armony Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se formando, e, sabedor ou não disto, contribuiu com conceitos

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA.

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. Mariza P. Porto 1 É preciso ler isto, não com os olhos, não com a memória, mas com a imaginação. (M. de Assis) A psicanálise nos ensina que a pulsão de saber transcende

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO Danielle de Sousa Macena- UFCG danyellehta-@hotmail.com Januzzi Gonçalves Bezerra UFCG januzzigoncalves@gmail.com Janaina Gonçalves Bezerra - UFCG jgoncalves003@gmail.com Resumo

Leia mais

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira Metodologia da Catequese com Crianças Ligia Aparecida de Oliveira O que é ser Criança? Watson, Piaget ou Freud? Eis a Questão. John B. Watson, psicólogo americano, é o principal responsável pela teoria

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional

Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional 24 Capítulo III Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional Sabemos que o mundo estava lá antes do bebê, mas o bebê não sabe disso, e no início tem a ilusão de que o que ele encontra foi por ele

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL 1 CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL Ernani Eduardo Trotta Juliana Lima Bezerra RESUMO A incorporação de novos recursos terapêuticos pode contribuir para a ampliação da eficácia

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E. Pinheiro de Brida. Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato

SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E. Pinheiro de Brida. Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato 1 SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E MENINAS Glaucia Valéria Pinheiro de Brida Nayara Maeda Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2 Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Roberta Cury de Paula 2 Profa. Dra. Valéria Barbieri 3 Resumo Apesar do amplo estudo dos aspectos biológicos

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social DESENVOLVIMENTO PSÍQUICO DO BEBÊ DE ZERO A UM ANO DE IDADE À LUZ DA PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL Nadia Mara Eidt; Departamento de Educação; Universidade Estadual de Londrina; Londrina; Paraná, Brasil.

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: ESTUDOS DE A. R. LÚRIA E L. S. VYGOTSKY Ana Carolina Rosendo Gonzalez C. Baptista Edileusa Lopes de L. Alves Kátia Garcia Vanessa Leite * INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012 Título: A sintonia do eu com o sintoma: a problemática da angústia na neurose obsessiva Autora: Simone Souto Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17)

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) Terapia Analítica Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) A sugestão. O caráter transitório de seus efeitos lembra os efeitos igualmente

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

Motivação. Robert B. Dilts

Motivação. Robert B. Dilts Motivação Robert B. Dilts A motivação é geralmente definida como a "força, estímulo ou influência" que move uma pessoa ou organismo para agir ou reagir. De acordo com o dicionário Webster, motivação é

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente.

ença grave, provavelmente do cérebro, com poucas perspetivas de recuperação e que poderá mesmo, num breve espaço de tempo, levar à morte da paciente. I Minhas senhoras e meus senhores! É para mim uma experiência nova e desconcertante apresentar me como conferencista no Novo Mundo diante de um público interessado. Parto do princípio de que esta honra

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado Introdução Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado O presente trabalho tem como objetivo a discussão em torno da conceituação do afeto em psicanálise, através do diálogo entre

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária Renata de Leles Rodrigues Eliana Rigotto Lazzarini Resumo do trabalho: A proposta deste trabalho é articular

Leia mais

A PSICANÁLISE FREUDIANA: UMA INTRODUÇÃO. Andrea Gabriela Ferrari

A PSICANÁLISE FREUDIANA: UMA INTRODUÇÃO. Andrea Gabriela Ferrari FERRARI, Andrea Gabriela. A psicanálise freudiana: uma introdução. In: SARMENTO, Dirléia Fanfa; RAPOPORT, Andrea e FOSSATTI, Paulo (orgs). Psicologia e educação: perspectivas teóricas e implicações educacionais.

Leia mais

Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato

Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato Luciana Tiemi Kurogi 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A morte é algo muito difícil de ser explicado, por se tratar de um fenômeno que desconhecemos

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II. Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites

Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II. Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites Mariana Cervi Marques Fernandes RA 922901 Resumo Dos

Leia mais

Mensagem da Direção da AEVA

Mensagem da Direção da AEVA Mensagem da Direção da AEVA Caros colaboradores, consumidores e parceiros da Associação para a Educação e Valorização da Região de Aveiro: Nos dias de hoje, a importância que se dá à ética, ao respeito

Leia mais

Educação Sexual no desenvolvimento infantil. Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira

Educação Sexual no desenvolvimento infantil. Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira Educação Sexual no desenvolvimento infantil Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira Início dos questionamentos: Educação Sexual... Quando, onde, por quem e como falar sobre este tema? É preciso que o professor/os

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da

Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da Adolescência 1999 Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da USP) O que é um adolescente? O adolescente

Leia mais

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924)

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) A dissolução do complexo de Édipo Comentários sobre A dissolução do complexo de Édipo (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) Em extensão sempre crescente, o complexo de Édipo revela sua

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA Edna G. Levy A questão da gravidez na adolescência é muito mais comum do que parece ser, a reação inicial e geral é que este problema só acontece na casa dos outros, na nossa

Leia mais

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras.

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras. A pregação do Amor de Deus, por ser a primeira em um encontro querigmático, tem a finalidade de levar o participante ao conhecimento do Deus Trino, que por amor cria o mundo e os homens. Ao mesmo tempo,

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) Assinale a alternativa correta que completa as lacunas da frase a seguir. No sentido geral, a ontologia, cujo termo tem origem na, se ocupa do em geral, ou seja, do ser, na mais ampla acepção da palavra,

Leia mais

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI

ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI ENTREVISTA - Precarização no trabalho virtual do call center e da TI O que os trabalhadores do call center e de programação e produção de software têm em comum? Esta é uma das questões que o sociólogo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais