PRESENÇA DO PROJECTO FEIRA INTERNACIONAL DA AGRICULTURA DE NOVI SAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESENÇA DO PROJECTO FEIRA INTERNACIONAL DA AGRICULTURA DE NOVI SAD"

Transcrição

1 PRESENÇA DO PROJECTO NA FEIRA INTERNACIONAL DA AGRICULTURA DE NOVI SAD 1

2 A FEIRA * Data: 14 a 22 de Maio de 2011 * Local: Novi Sad Fair SRB Novi Sad, Hajduk Veljkova 11 * Horário de Funcionamento: 9h00 às 19h00 A Feira Internacional de Agricultura é a maior Feira da Sérvia e uma das maiores da Europa, na área da agricultura e dos produtos agro-alimentares. Reúne as maiores empresas do sector da agro-alimentar, produção agrícola, mecanização e pecuária. A Feira de Novi Sad é a exposição mais antiga da Sérvia, sendo a cidade de Novi Sad um lugar de prestígio para a apresentação e desenvolvimento desta área de negócio. O certame contou com a presença de cerca de expositores dos sectores referidos. Segundo os dados da organização foi visitada por mais de pessoas ao longo dos nove dias de feira. 2

3 PORTUGAL foi o país parceiro na edição de A coordenação da participação portuguesa coube ao Ministério da Agricultura e envolveu um conjunto de entidades nacionais. A representação portuguesa foi assegurada, no total, por cerca de 50 empresas e instituições nacionais de vários sub-sectores de actividade ligados à agricultura e à agro-indústria. De entre as entidades presentes destaca-se, pela dimensão da sua participação, a Portugal Foods, entidade que assumiu em parceria com o Ministério da Agricultura a coordenação da representação, englobando a presença de um conjunto significativo de empresas nacionais. 3

4 A LOGÍSTICA ORGANIZATIVA A participação do projecto COOPETIR desenvolveu-se em torno de dois vectores, complementares mas necessariamente distintos: A presença institucional no certame com a exposição de produtos e a promoção do território e do projecto (actividade 7 do projecto); A realização de acções de promoção da qualidade dos produtos da região, através da realização de acções de degustação e prova (actividade 6 do projecto). Mais adiante faremos a abordagem destes dois conceitos de participação. Como já foi referido, esta participação do projecto COOPETIR resultou de um convite dirigido à parceria pelo Ministério da Agricultura português a quem coube a coordenação geral da participação. A intervenção da Portugal Foods foi também determinante e muito contribuiu para o sucesso da participação nacional e do projecto COOPETIR. A partir do momento em que a parceria assumiu a presença neste certame foram desenvolvidos um conjunto de acções prévias com vista à sua concretização e que passaram por: Identificação de empresas com produtos com potencial para participar nesta Feira e dela retirarem resultados; Convite a essas empresas para participarem, de forma indirecta, através da disponibilização de produtos e de material de divulgação; Divulgação mais generalizada, nomeadamente através da newsletter do projecto; Contacto directo com as empresas que demonstraram vontade em aderir. Preparação de toda a logística, nomeadamente documental, para expedição dos produtos; Coordenação com o Ministério da Agricultura e com a Portugal Foods de toda a logística de transporte. Em paralelo, procedeu-se à identificação e contratação de uma empresa especializada que assegurasse toda a componente logística e de apoio local, designadamente ao nível da montagem de estruturas expositiva (dentro do enquadramento definido para a participação global), produção de material gráfico e de decoração, agenciamento de hospedeiras e desenvolvimento de outros contactos de organização logística no local da exposição. 4

5 Desenvolveu-se ainda, também com a contratação de uma empresa especializada, todo o processo de programação das deslocações dos diferentes elementos da comitiva, desde a reserva de avião, ao alojamento e aos transfers. Em termos globais, a representação do COOPETIR foi concretizada através da presença de elementos técnicos e institucionais (presidentes e Vice-Presidentes) das quatro associações parceiras bem como de quatro especialista convidados para apoiar a realização das acções de degustação e prova. No total, estiveram presentes 13 pessoas. No que se refere aos produtos representados destacam-se o vinho, o azeite, o fumeiro, o queijo, o mel e as compotas, a amêndoa e a castanha. A promoção turística do espaço de intervenção do COOPETIR foi realizada através da apresentação e distribuição de diverso material promocional, elaborado pelas entidades parceiras ou recolhidos junto de organismos ou empresas do sector. A promoção global do COOPETIR foi consubstanciada na distribuição dos folhetos especialmente concebidos para a ocasião, em inglês e de que se anexa um exemplar. Importa ainda referenciar as 19 empresas que, ainda que indirectamente como já se referiu, marcaram presença e apoiaram esta iniciativa. Foram elas: Nº Nome Localidade Produto 1 Lacticinios do Paiva S.A. Lamego Queijos 2 Fumados Douro Lamego Fumeiros e Enchidos 3 Coop. Olivicultores de Murça Murça Azeite 4 Amendouro Alfandega da Fé Amêndoa 5 Sortegel Bragança Castanha /amora e framboesa 6 Bisaro Salchicharia Bragança Fumeiros e Enchidos 7 Quinta dos Holminhos Vila Flor Vinhos do Douro 8 Verdade Transmontana Bragança Mel /azeite e queijo terrincho 9 Casa Matias Seia Queijo Serra da Estrela DOP 10 Lacticoa- Lacticinios do Côa Vila Franca das Naves Queijo de Ovelha 11 Vinoliva, Lda Fundão Vinhos Beira Interior 12 Oscar de Almeida Figueira Castelo Rodrigo Vinhos Beira Interior 13 Adega Coop. Covilhã Covilhã Vinhos Beira Interior 14 Adega Coop. Do Fundão Fundão Vinhos Beira Interior 15 Euromel Penamacor Mel e doces 16 A. Pires Lourenço Castelo Branco Fumeiros e Enchidos 17 BeiraLacte Fundão Queijo 18 Quinta dos Termos Belmonte Vinhos 19 Rodoliv V. Velha Ródão Azeite 5

6 ACTOS PÚBLICOS Como foi referido, a presença de Portugal neste certame resultou numa projecção significativa tendo em conta que a Organização considerou Portugal como o país convidado. A cerimónia de inauguração da Feira, pelo Presidente da República da Sérvia, iniciou-se precisamente pelo espaço de Portugal. A recepção da comitiva coube ao Ministro da Agricultura de Portugal e ao Embaixador de Portugal na Sérvia. Foram acompanhados nestes actos pelos representantes institucionais das quatro Associações parceiras, dos quais se destacam o Presidente do Nerba e os Vice-Presidentes da Nervir, Nercab e Nerga. O Ministro da Agricultura teve depois a oportunidade para visitar com maior atenção o espaço COOPETIR tendo tecido rasgados elogios perante a diversidade e qualidade dos produtos representados. Ao longo dos restantes dias o espaço COOPETIR foi visitado por vários representantes de organismos públicos nacionais, sendo de destacar o responsável pela Estrutura de Missão do Douro, Eng.º Ricardo Magalhães. 6

7 ESPAÇO DE EXPOSIÇÃO E PROMOÇÃO A actividade 7 do projecto COOPETIR que dá corpo a esta participação, está prevista a participação em Feiras e Exposições internacionais consideradas relevantes para a promoção das actividades empresariais da região Norte e Centro Interior. A apresentação já feita desta Feira Internacional assegura que, desde logo, este parâmetro foi considerado. A participação propriamente dita consistiu na criação de um espaço próprio de exposição dos produtos e da região, composto por 6 expositores onde foram colocados os diferentes produtos. Este espaço foi integrado, nomeadamente em termos de imagem global, na restante participação portuguesa. A imagem de fundo incluiu os logótipos dos apoios do Compete. 7

8 OS PRODUTOS REPRESENTADOS Os produtos que estiveram representados incluíram os Vinhos, o azeite, o fumeiro, o queijo, os frutos secos (castanha e amêndoa) e o mel e compotas. As imagens seguintes retratam essa participação. VINHOS AZEITE 8

9 FUMEIRO QUEIJO 9

10 FRUTOS SECOS MEL E COMPOTAS Também o Turismo esteve representado através da distribuição de material informativo do território. 10

11 CONTACTOS COM AGENTES LOCAIS A equipa técnica do projecto assegurou a apresentação dos produtos aos visitantes, nomeadamente aos profissionais, tendo recolhido um conjunto interessante de demonstrações de interesse. Estas demonstrações de interesse foram posteriormente difundidas pelas empresas a quem competirá dar-lhes seguimento. Em anexo a este relatório apresenta-se a relação dos contactos recolhidos. 11

12 ACÇÕES DE DEGUSTAÇÃO E PROVA A realização de acções de degustação e prova dos produtos da região é o objectivo da Actividade 6 do projecto COOPETIR. Assim, com o recurso aos produtos disponíveis, os elementos da equipa técnica, com o apoio dos especialistas convidados, realizaram diversas provas ao longo dos diferentes dias do certame. Os especialistas convidados foram os seguintes: António Monteiro membro da Confraria dos Gastrónomos e Enófilos de Trás-os-Montes, conhecedor dos diferentes produtos e em espacial de azeite. Letícia Pereira Representante da Sortegel e membro da Direcção do Nerba, especialista em frutos secos e outros produtos regionais. Luis Pinto Andrade representante da Inovcluster e conhecedor dos diferentes produtos presentes Margarida Andrade representante da Comissão Vitivinícola da Beira Interior e especialista em Vinhos As provas foram dirigidas a profissionais, ao público em geral e ainda a grupos de visitantes institucionais da Feira, tornando-se um excelente ponto de convívio. 12

13 Alguns dos produtos foram também incluídos nas apresentações realizadas por um profissional presente no espaço de exposição da Portugal Foods. Conclui-se portanto da excelente oportunidade que a presença nesta Feira representou para a promoção dos produtos da região e para o destacar da sua qualidade e sabor únicos. 13

14 COBERTURA PELA COMUNICAÇÃO SOCIAL A cobertura por parte dos Meios de Comunicação Social locais foi também digna de registo. Os elementos da equipa técnica, os representantes institucionais e os especialistas convidados foram bastante solicitados para abordarem diferentes temáticas, relacionadas como é evidente com os objectivos da participação portuguesa e em particular do espaço COOPETIR. 14

15 CONSIDERAÇÕES FINAIS Algumas reflexões finais que resumem a avaliação feita pela equipa COOPETIR da participação na Feira Internacional de Agricultura de Novi Sad: - A Feira Internacional de Agricultura de Novi Sad é a maior e mais antiga Feira da Sérvia e uma das maiores da Europa na área da agricultura. Reúne as maiores empresas do sector da agroalimentar, produção agrícola, mecanização e pecuária; - Portugal e as empresas portuguesas representadas tiveram um lugar de grande destaque nesta edição; - Os produtos Agro-alimentares portugueses tiveram grande aceitação e procura por parte do público. Mesmo os produtos menos utilizados na dieta alimentar da população Sérvia (Azeite, Amêndoa ou Castanha) foram muito apreciados; - Os produtos portugueses são identificados como produtos de qualidade. Esta convicção sai amplamente reforçada depois desta Feira; - O mercado Sérvio e por proximidade o mercado dos Balcãs poderá constituir uma boa oportunidade para os produtos Agro-alimentares portugueses. Verifica-se uma grande apetência por parte de sectores da sociedade mais favorecidos, por produtos de qualidade; - Uma das perguntas recorrentes foi: Onde posso comprar este produto na Sérvia? ; - A grande afluência de público verificada e cobertura intensiva da Feira por parte dos órgãos de comunicação social Sérvios permitiu uma grande divulgação dos produtos e empresas portuguesas; - Foram mantidos diversos contactos comerciais e disponibilizada informação sobre os produtos e empresas a potenciais importadores. Existia um conhecimento prévio e bastante interesse em obter informação e contactos de empresas portuguesas, nomeadamente no que se refere a Vinhos, Queijos e Enchidos; - Existem algumas dificuldades e constrangimentos burocráticos para a introdução de produtos estrangeiros, principalmente os de origem animal. Dos contactos estabelecidos com a Embaixada Portuguesa na Sérvia e com Portugal & West Balkans Chamber of Commerce ficou a garantia de disponibilidade total de ajuda nesse processo. 15

16 Contactos comerciais estabelecidos SECTOR EMPRESA ACTIVIDADE PAÍS TELEFONE WEB OBJECTIVO Azeite, Queijo e Enchido EuroTrade Importação e Exportação Macedónia 389 (0) Pretende importar queijo, enchido e está especialmente interessado em azeite, azeitonas e até oliveiras Vários Câmara comércio Agente facilitador de entrada Sérvia Bom contacto para quem estiver interessado em entrar no mercado sérvio, conhecedor da realidade e com muitos contactos Queijo BWC Group Importação Sérvia 381(11) Está interessado em importar queijo Vinho Produtor de Vinho e gerente de Hotel Sérvia Gostaria de receber informação sobre vinhos portugueses como forma de os promover junto dos seus contactos Queijo Vitamilk Distribuidor de produtos lácteos Bósnia e Herzegovina Pretende contacto de empresas Queijo SASCO Transformação produtos alimentares Sérvia Pretende importar "sweet whey powder" Vinho AgroLegato Equipamentos Hungria Geral Poljoprivreda Jornalista Sérvia Vende equipamento destinado a testes para os vinhos Disponível para difundir informação na web Azeite Szutr Seman Export Distribuidor Sérvia Interesse em azeites. Solicita envio de informação mais detalhada das empresas Turismo Ethno Park "Terzića avlija" Turismo Sérvia Interesse em intercâmbio cultural e turismo rural 16

17 SECTOR EMPRESA ACTIVIDADE PAÍS TELEFONE WEB OBJECTIVO Geral Pluto Equipamentos Croácia Equipamento de encapsulamento Agro- Alimentar DELTA MAXI GROUP Rede de Hipermercados e Distribuição Sérvia Grande rede de distribuição, pretende informação e contactos de produtores Agro-alimentares Geral GASTROMAG Publicação sobre Gastronomia Sérvia Revista Gastronómica Sérvia, pretende publicitar produtos portugueses Agro- Alimentar TISACOOP Importador e distribuidor de produtos Agro-alimentares Sérvia Pretende informações sobre produtos Agro-alimentares para possível importação Geral Business Passport Empresa facilitadora de entrada no mercado Sérvia et Organiza e trata de todo o processo para empresas que pretendam entrar no mercado Sérvio Geral Chamber of Commerce of Serbia Câmara de Comercio da Sérvia Sérvia Equipamentos BARTOLIN KEMO SPA Fabricante de equipamentos de embalagem de produtos Itália Fabricante de equipamentos de embalagem pretende dar a conhecer os seus produtos e contactos de empresas. 17

18 A EQUIPA COOPETIR 18

VISITA DE PRESCRITORES À REGIÃO DA BEIRA INTERIOR

VISITA DE PRESCRITORES À REGIÃO DA BEIRA INTERIOR VISITA DE PRESCRITORES À REGIÃO DA BEIRA INTERIOR VISITA DE PRESCRITORES À REGIÃO DA BEIRA INTERIOR À convite do NERGA Associação Empresarial da Região da Guarda e NERCAB Associação Empresarial de Castelo

Leia mais

DOSSIER FESTA DO VINHO E PRODUTOS REGIONAIS 2006-2011

DOSSIER FESTA DO VINHO E PRODUTOS REGIONAIS 2006-2011 FESTA DO VINHO PRODUTOS REGIONAIS & TURISMO DOSSIER FESTA DO VINHO E PRODUTOS REGIONAIS 2006-2011 Índice Parcerias 3 Breve Caracterização 4 Edição 2011 5 Edição 2010 7 Edição 2009 9 Edição 2008 10 Edição

Leia mais

Cooperação para a Competitividade Empresarial Nº 2 TRIMESTRAL. Internacionalização. dos produtos e da região

Cooperação para a Competitividade Empresarial Nº 2 TRIMESTRAL. Internacionalização. dos produtos e da região Cooperação para a Competitividade Empresarial Nº 2 TRIMESTRAL Internacionalização dos produtos e da região NOTA DE ABERTURA Permitam-me nesta nota de abertura que deixe fluir na esferográfica as preocupações

Leia mais

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português Lisboa, 25 de fevereiro 2015 1 Considerando que: 1. O Turismo é uma atividade estratégica para a economia

Leia mais

Ações de capacitação empresarial

Ações de capacitação empresarial AÇÕES COLETIVAS - ATIVIDADES DE APOIO À EXPORTAÇÃO Acores Export -2016 Introdução Este documento é desenvolvido com base na informação recolhida junto das principais empresas exportadoras que contribuíram

Leia mais

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS SILVESTRES DO MEDITERRÂNEO - UMA ESTRATÉGIA PARA AS ÁREAS DE BAIXA DENSIDADE DO SUL DE PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos;

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos; Entre CONTRATO Ordem dos Arquitectos, pessoa colectiva nº 500802025, com sede em Lisboa, na Travessa do Carvalho, nº 23, representada neste acto pelo Presidente do Conselho Directivo Nacional, Arquitecto

Leia mais

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento EDITAL Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento A difusão de informação e do conhecimento tem um papel fundamental na concretização de projectos inovadores e com grande

Leia mais

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem

Leia mais

Sumário das actividades do IPIM em 2009

Sumário das actividades do IPIM em 2009 Sumário das actividades do IPIM em 2009 Tendo em consideração a situação do mercado internacional e o crescimento económico local, o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM)

Leia mais

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008

Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Relatório Resumo Avaliação da Satisfação das Empresas Associadas Ano 2008 Fevereiro de 2009 Departamento de Qualidade e Comunicação sofia.viegas@apemeta.pt Índice: 2 1. Enquadramento 3 2. Avaliação da

Leia mais

A inovação e essencial à competitividade

A inovação e essencial à competitividade Crédito A inovação e essencial à competitividade das empresas Financiamento para a inovação e desenvolvimento do sector agrícola, agro-alimentar e florestal sai reforçado no mais recente Quadro Comunitário

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS INDIVIDUAIS RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS INDIVIDUAIS RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME PROJECTOS INDIVIDUAIS RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DESIGNAÇÃO DO PROJECTO Promoção Internacional dos Serviços PROJECTO Nº: 26039 AVISO DE

Leia mais

Data: 2 Fevereiro 2012

Data: 2 Fevereiro 2012 Data: 2 Fevereiro 2012 Assunto: Agrocluster Página: 18 e 19 Assunto: Agrocluster recebe selo Bronze Página: 23 Data: 2 Fevereiro 2012 Data: 1 Março 2012 Assunto: Agrocluster e Inovcluster articulam projetos

Leia mais

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR

POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR POLÍTICAS PARA A EXPORTAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA AGROALIMENTAR Contributos para uma Visão Estratégica Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares A Indústria Portuguesa Agroalimentar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Estudo da Sustentabilidade das Empresas Recém Criadas Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado

Leia mais

NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO

NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO CAPITULO I Disposições Gerais 1. Âmbito As presentes normas têm como finalidade estabelecer as regras

Leia mais

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 PROGRAMA VISEU RURAL Valorizar os produtos da terra Melhorar a vida das nossas aldeias documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 CONSELHO ESTRATÉGICO DE VISEU Apresentação. O mundo rural

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Estado Entidade Promotora Nova Rede Comercial Parceiro Estratégico (Assegura)

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE

AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE Francisco Knopfli CARACTERIZAÇÃO DA COMUNIDADE PORTUGUESA NO BRASIL De acordo com os elementos disponíveis quando era embaixador em Brasília (2001) a população

Leia mais

Territórios e atividades turísticas o Roteiro do Tejo

Territórios e atividades turísticas o Roteiro do Tejo Newsletter do Centro de Estudos Politécnicos da Golegã // setembro 2012 Territórios e atividades turísticas o Roteiro do Tejo O mapeamento turístico dos territórios tem sido, desde sempre, uma preocupação

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Lisboa,

Leia mais

Com algum detalhe destaca-se e reforça-se algumas considerações, como segue:

Com algum detalhe destaca-se e reforça-se algumas considerações, como segue: A proposta das micro-missões é de grande interesse e dinamizadora da actividade comercial/internacionalização das empresas portuguesas que querem abordar melhor as diferentes regiões espanholas, com destaque

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16. Juntos vamos mais longe...

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16. Juntos vamos mais longe... Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16 Juntos vamos mais longe... foto: www.verangola.net A CAL - Câmara Agrícola Lusófona - é uma associação empresarial sem fins lucrativos que promove

Leia mais

Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013. Sofia Lobo : slobo@vinhoverde.

Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013. Sofia Lobo : slobo@vinhoverde. Apresentação do Plano de Actividades Rota dos Vinhos Verdes 2013/2014 CVRVV, 10 de Janeiro de 2013 Sofia Lobo : slobo@vinhoverde.pt O que é o ENOTURISMO? Enoturismo é composto por deslocações realizadas

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

CICLO DE CRIATIVIDADE E DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL. Mercado de Produtores Mostra de Produtos Inovadores Ateliês Concursos Workshops

CICLO DE CRIATIVIDADE E DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL. Mercado de Produtores Mostra de Produtos Inovadores Ateliês Concursos Workshops CICLO DE CRIATIVIDADE E DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL Mercado de Produtores Mostra de Produtos Inovadores Ateliês Concursos Workshops Os produtos da terra constituem um pilar estruturante no desenvolvimento

Leia mais

INOVAÇÃO ABERTA FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

INOVAÇÃO ABERTA FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS Tendências DE INOVAÇÃO de mercado NO SECTOR Agro-alimentar

Leia mais

Levantamento dos Temas Prioritários 2006 nos Programas de Trabalho dos Centros Europe Direct

Levantamento dos Temas Prioritários 2006 nos Programas de Trabalho dos Centros Europe Direct Levantamento dos Temas Prioritários 2006 nos Programas de Trabalho dos Centros Europe Direct CENTROS Europe Direct 9 de Maio 20 anos de adesão Primavera da Europa Estratégia de Lisboa (Crescimento & Emprego)

Leia mais

NORTE DE PORTUGAL CCDR-N

NORTE DE PORTUGAL CCDR-N NORTE DE PORTUGAL CCDR-N Porto 26 de Fevereiro de 2014 APRESENTAÇÃO DA CCDR-N ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA CCDR-N APOIO AO PODER LOCAL GESTÃO DE FUNDOS FINANCEIROS REGIONAIS PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Revisão das Guidelines sobre Boas Práticas de Distribuição

Revisão das Guidelines sobre Boas Práticas de Distribuição LIFE SCIENCES Newsletter 2/2013 Março /Abril Revisão das Guidelines sobre Boas Práticas de Distribuição No passado dia 8 de Março, foram publicadas, no Jornal Oficial da União Europeia, as novas Guidelines

Leia mais

Florestar Sustentabilidade da Floresta

Florestar Sustentabilidade da Floresta 1. ENQUADRAMENTO 1.1 INTRODUÇÃO O Projecto Florestar Sustentabilidade da Floresta com intervenção na região Norte (distritos de Bragança, Vila Real, Braga e área de intervenção do Parque Nacional da Peneda-Gerês)

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Dielmar Uma empresa de sucesso... 1º Trabalho prático Grupo 3 Bruno Almeida bmcalmeyda@gmail.com

Leia mais

Medidas de apoio à inovação

Medidas de apoio à inovação Medidas de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Rede INOVAR The Portuguese Agro, Food and Forest Innovation Network Rede

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

18 a 20 de Novembro de 2011. Estoril. Organização: Auditório do Centro Escolar - ESHTE. www.cim-estoril.com

18 a 20 de Novembro de 2011. Estoril. Organização: Auditório do Centro Escolar - ESHTE. www.cim-estoril.com 18 a 20 de Novembro de 2011 Organização: Estoril Auditório do Centro Escolar - ESHTE www.cim-estoril.com Apresentação Na sequência das três edições realizadas em anos anteriores, a Associação Desportos

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

www.projecto-ecos.blogspot.com

www.projecto-ecos.blogspot.com www.projecto-ecos.blogspot.com Objectivo Central do Programa Criar Cidades e Redes de Cidades Competitivas e Inovadoras a Nível Internacional Rede ECOS TEMÁTICA Eficiência energética e aplicação de energias

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA ACÇÃO PREVENIR PARA PRODUZIR MELHOR!

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA ACÇÃO PREVENIR PARA PRODUZIR MELHOR! RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA ACÇÃO PREVENIR PARA PRODUZIR MELHOR! 1. DESCRIÇÃO DA ACÇÃO: A Semana Europeia da Prevenção de Resíduos é um projecto de 3 anos e tem o apoio do Programa LIFE+ até 2011. Em 2010,

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo

CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo 1 Índice de Conteúdos Enquadramento Mensagem de Apresentação do Serviço de Apoio ao Investidor e à Viabilização Empresarial (SAIVE) Mensagem do Senhor Presidente

Leia mais

Conheça as vantagens de ser Associado AIPI!

Conheça as vantagens de ser Associado AIPI! Conheça as vantagens de ser Associado AIPI! A AIPI é a Associação dos Industriais Portugueses de Iluminação, fundada em 1997, que tem como principal objectivo a internacionalização das empresas portuguesas

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

1 Ponto de situação sobre o a informação que a Plataforma tem disponível sobre o assunto

1 Ponto de situação sobre o a informação que a Plataforma tem disponível sobre o assunto Encontro sobre a Estratégia de Acolhimento de Refugiados 8 de Outubro de 2015 Este documento procura resumir o debate, conclusões e propostas que saíram deste encontro. Estiveram presentes representantes

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APRESENTAÇÃO A YOUNIC é especializada na assessoria a empresas com vista ao crescimento e expansão dos seus negócios num panorama internacional. Com uma atuação versátil,

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2010 Agenda EM DESTAQUE Aderir à REDE! NOTÍCIAS/ EVENTOS Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Instituição do Mês Protocolos

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

Pense Global e Actue Localmente A Certificação como Motor da Competitividade

Pense Global e Actue Localmente A Certificação como Motor da Competitividade IX Fórum APCER 15 de Março de 2006 Pense Global e Actue Localmente A Certificação como Motor da Competitividade A TURIHAB Associação de Turismo de Habitação foi criada há 22 anos. A principal estratégia

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012 A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Porto, 25 de Setembro de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial,

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL A ANGOLA (Huíla e Benguela)

MISSÃO EMPRESARIAL A ANGOLA (Huíla e Benguela) MISSÃO EMPRESARIAL A ANGOLA (Huíla e Benguela) 09 A 16 DE AGOSTO RELATÓRIO FINAL 1 MISSÃO EMPRESARIAL A ANGOLA 09 A 16 DE AGOSTO DE 2009 1. Introdução Resultante da elevada adesão de empresas à primeira

Leia mais

E A ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DA ZONA DO PINHAL

E A ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DA ZONA DO PINHAL ENTRE A Hotel da Montanha Encantos @ Emoções Hotelaria e Turismo Lda. E A ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DA ZONA DO PINHAL O Hotel da Montanha Encantos @ Emoções Hotelaria e Turismo Lda., adiante designada

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Newsletter #1 Abril 2013. Apresentação Objectivos Etapas Actividades Realizadas Resultados Próximas Actividades

Newsletter #1 Abril 2013. Apresentação Objectivos Etapas Actividades Realizadas Resultados Próximas Actividades Newsletter #1 Abril 2013 Apresentação Objectivos Etapas Actividades Realizadas Resultados Próximas Actividades Apresentação Este projecto pretende proporcionar às entidades envolvidas, com eficiência e

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Plano de Promoção e Internacionalização para 2014

Plano de Promoção e Internacionalização para 2014 Plano de Promoção e Internacionalização para 214 O Plano de Promoção e Internacionalização (PPI) do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP, IP) para 214 assenta numa lógica de continuidade

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ENGLISH/ PORTUGUESE MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO ALBERTO JOAQUIM CHIPANDE É uma grande honra para mim comemorar o primeiro aniversário da nossa empresa. Em primeiro lugar, gostaria

Leia mais

ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR

ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR O TER Turismo no Espaço Rural representa o maior dos desafios para conhecer, interpretar e promover

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

PROGRAMA PRODER COOPERAR EM PORTUGUÊS MISSÃO A CABO VERDE ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL. 14 a 19 de Novembro 2011

PROGRAMA PRODER COOPERAR EM PORTUGUÊS MISSÃO A CABO VERDE ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL. 14 a 19 de Novembro 2011 PROGRAMA PRODER COOPERAR EM PORTUGUÊS MISSÃO A CABO VERDE ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 14 a 19 de Novembro 2011 QUEM NÃO SAI DE SUA CASA, CRIA MIL OLHOS PARA NADA A TERRAS DE

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Produtos Locais licenciamento, diferenciação e comercialização Análise e Propostas no Âmbito do GEVPAL

Produtos Locais licenciamento, diferenciação e comercialização Análise e Propostas no Âmbito do GEVPAL Produtos Locais licenciamento, diferenciação e comercialização Análise e Propostas no Âmbito do GEVPAL Maria José Ilhéu, DGADR Faro, 05 de junho de 2013 02-10-2013 1 GEVPAL Estratégia para a Valorização

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE AFONSO SILVA Índice... 3 Resumo... 3 Alinhamento estratégico dos objectivos...

Leia mais

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A.

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Ficha de Produto Tipo de Produto: Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização Produto: Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Objectivo: Contribuir para o progresso

Leia mais

Estratégia de Visibilidade

Estratégia de Visibilidade República de Moçambique MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Programa de Apoio aos Actores Não-Estatais União Europeia Estratégia

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial, cuja Atrair investimento

Leia mais

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura

Enoturismo em Portugal 2014. Caraterização das empresas e da procura Enoturismo em Portugal 2014 Caraterização das empresas e da procura Edição 2015 ÍNDICE Sumário Executivo Caraterização das Empresas Promoção de Serviços Procura das (2014) 3 4 5 7 O Enoturismo em Portugal

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO

A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO Júlia Maria Maia Costa, Açucena Olivença Cotrim, Cristina Cabaço da Mata,

Leia mais

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde FIC - Feira Internacional de Cabo Verde Cabo Verde 19 a 22 de Novembro de 2009 Enquadramento A aicep Portugal Global, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional, propõe-se dinamizar a presença

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

P L AN O D E C O M U N I C AÇ ÃO I N S T I T U C I O N AL

P L AN O D E C O M U N I C AÇ ÃO I N S T I T U C I O N AL Plano de Comunicação Institucional pág: 1 P L AN O D E C O M U N I C AÇ ÃO I N S T I T U C I O N AL Plano de Comunicação Institucional pág: 2 ÍNDICE DE CONTEÚDOS 1 ASPECTOS GERAIS 1.1 ENQUADRAMENTO 1.2

Leia mais

Território de Abrangência da Marca PCV

Território de Abrangência da Marca PCV Território de Abrangência da Marca PCV Parque Nacional da Peneda-Gerês Parque Natural do Alvão Parque Natural de Montesinho Parque Natural do Douro Internacional Território de Abrangência da Marca PCV

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC

A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC A ÁREA DE PRÁTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, MARKETING E TMT DA ABBC ABBC A actuação da ABBC assenta na independência, no profissionalismo e na competência técnica dos seus advogados e colaboradores,

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a

A Bandeira da Europa simboliza a União Europeia e também representa a unidade e a identidade da Europa. O circulo de estrelas douradas representa a Após a II Guerra Mundial alguns países europeus tiveram a ideia de se unirem para melhor resolver os seus problemas. Era necessário garantir a paz, reconstruir cidades e reorganizar o comércio. Só com

Leia mais

Uma Marca com uma grande longevidade. Exposição no Palácio de S. Lourenço em 1850 onde se descobre o potencial comercial do Bordado Madeira;

Uma Marca com uma grande longevidade. Exposição no Palácio de S. Lourenço em 1850 onde se descobre o potencial comercial do Bordado Madeira; Rumos para a Inovação Rumos para a Inovação do Bordado Madeira Uma Marca com uma grande longevidade Exposição no Palácio de S. Lourenço em 1850 onde se descobre o potencial comercial do Bordado Madeira;

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.2 ACONSELHAMENTO Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

RESTAURANTE DO FUTURO

RESTAURANTE DO FUTURO RESTAURANTE DO FUTURO LEADING TENDENCIES CARLOS COSTA IDTOUR UNIQUE SOLUTIONS/ UNIVERSIDADE DE AVEIRO PESO DA RÉGUA, 13.JANEIRO.2011 PARCEIROS DO PROJECTO CAROLINA GAUTIER / ISABEL MARTINS JOSÉ BRÁS /

Leia mais

Informação Pública: Valor e Limites para as Organizações Cívicas e Solidárias. Dra. Teresa Salis Gomes ( CIVITAS )

Informação Pública: Valor e Limites para as Organizações Cívicas e Solidárias. Dra. Teresa Salis Gomes ( CIVITAS ) Informação do Sector Público: Acesso, reutilização e comercialização 24 de Novembro de 2004 Representação da Comissão Europeia em Portugal Informação Pública: Valor e Limites para as Organizações Cívicas

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA

Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA Barreiras à Exportação: Quem Faz o Quê? ALIMENTARIA Lisboa, 29 de Março de 2011 1. A aicep Portugal Global 2. Acompanhamento Integrado 3. Intervenção da aicep A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global

Leia mais